Você está na página 1de 3

O ensino da Língua Inglesa nas escolas públicas

Joalyda Formiga Dias¹ (IC)*, Ligia Kedziorski² (PQ).

*joalyda@hotmail.com

1,2Avenida Universitária, S/N – Setor Nordeste, Formosa Goiás, 73807-250, Universidade Estadual de
Goiás.
Este projeto tem como objetivo analisar a deficiência do ensino do inglês nas escolas públicas. Visto
que existem professores mal qualificados, que não dominam a língua, não possuem materiais
didáticos apropriados para a assimilação dos alunos referente ao conteúdo ministrado. Os métodos
costumam ser antigos e não são eficazes, não se usa a tecnologia a favor do docente. Os alunos, na
maioria das vezes, só aprendem o verbo ‘to be’, não trabalham muito a contextualização, a oralidade
e o vocabulário. Os professores enfrentam o desafio de tentar homogeneizar os diferentes níveis de
conhecimentos de cada aluno, e isso se torna ainda mais difícil por haver turmas com uma
quantidade grande de alunos, e a carga horária da matéria é curta, também enfrentam as greves que
são realizadas pelos docentes, o que atrapalha o aprendizado deles.

Palavras-chave: Ensino da Língua Inglesa. Inglês. Escola.

Introdução

Sabe-se como o ensino de inglês é defasado nas escolas públicas


brasileiras. Pois, este serve para atender o sistema educacional, os alunos não
aprendem satisfatoriamente a capacidade oral, textual e gramatical. Os professores
têm dificuldades de lecionar essa matéria, porque muitos não tiveram o aprendizado
adequado, ou não têm preparo para isto. É comum deparar-se com educadores que
não possuem domínio da língua, o que acarreta a má assimilação dos alunos
referente a essa matéria.
Os professores possuem um leque de possibilidades de métodos de
ensinamentos para empregar em seus alunos, mas nem sempre estes sabem utilizá-
los ou estão cientes da existência desses métodos, ter o domínio do conteúdo é
importante, mas também é preciso saber ministrá-los aos seus discentes, de
maneira que estes venham a entender o conteúdo ensinado. Uma vez que, existem
educadores que possuem uma maneira única de lecionar suas aulas e essas se
mantem por anos e anos. É relevante analisar criticamente o trabalho destes
profissionais e alertá-los da necessidade deles estarem sempre estudando novas
teorias, tentando aplicá-las em sala de aula, aprimorando seus métodos de ensinos
para que as aulas não se tornem monótonas.

Material e Métodos

Ao entender as dificuldades enfrentadas pelos alunos para o ensino do inglês. Foi


utilizado o método dos movimentos corporais para facilitar a assimilação dos alunos
a cada dúvida que estes possuíam referente a alguma palavra. Também foi
empregada a repetição de sentenças fazendo mímica e utilizando objetos pra ajudar
na associação de suas atividades. Em seguida pedíamos para que os mesmos
fizessem com seus colegas para que eles pudessem realmente aprender o que lhe
foram ensinado. Utilizamos o uso de algumas músicas para ensinar novos
vocabulários aos alunos.

Resultados e Discussão

Conseguiu-se estimular o interesse dos alunos para a aprendizagem da língua,


alguns começaram a se questionar sobre a tradução de músicas, trazendo-as para a
sala de aula. Outros queriam saber como traduzia certas frases, como pronunciava.
Eles ficaram mais participativos e animados com as aulas.

Considerações Finais

Este projeto possibilitou a percepção diferente acerca do ensino, pois mesmo ele
possuindo falhas, não quer dizer que não há esperança para o ensino melhor e
qualificado. Foi importante ver que sempre há um novo método pedagógico a ser
aplicado em sala de aula, para colaborar tanto no conteúdo teórico quanto na
prática, ajudando na correção das falhas do processo de ensino-aprendizagem da
língua inglesa.
Agradecimentos

Agradeço a oportunidade que a UEG – Formosa me proporcionou pra poder realizar esse projeto. A
minha tutora Ligia Kedziorski que aceitou participar desse projeto junto a mim.
Referências

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Métodos de ensino de inglês: teorias, práticas,


ideologias. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2014.

Você também pode gostar