Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE POTIGUAR

ESCOLA DA SAÚDE

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

DISCIPLINA DE SEMINÁRIOS INTEGRATIVOS EM PSICOLOGIA

PROFª. DANIEL S. CARVALHO

ATIVIDADE AVALIATIVA

JOANA DE OLIVEIRA H. DE FREITAS


JOÃO BATISTA A. DE OLIVEIRA
MEIRE C. F. M. DOS SANTOS
RUTE A. MACHADO

NATAL/RN
2021
Um dos maiores desafios encontrados nos campos a qual estamos
atuando, é a frustação, tensão, e a insegurança na relação terapêutica. Diante
dos casos que se apresentam, uma das tarefas mais desafiadoras para nós
futuros profissionais é de levantar hipótese de diagnóstico para fazer os
devidos encaminhamentos, pois uma das formas mais efetivas para
desenvolver um bom relacionamento entre paciente e terapeuta é através da
empatia, buscando estar totalmente presente na relação, transmitindo,
satisfação e segurança. Dessa forma precisa-se de um bom acolhimento,
deixando o paciente à vontade compreendendo em sua totalidade, como ser
biopsicossocial e espiritual, transformando a terapêutica numa pratica objetiva.
Neste sentido as teorias nem sempre conseguem abarcar o real, os
referenciais teóricos ajudam a fornecem subsídios para trabalhar as demandas
trazidas pelos pacientes, sendo isto um desafio para o profissional. Em virtude
disto a teoria é um norte para os atendimento clínicos, agregar os
conhecimentos adquiridos nas técnicas, enriquece o andamento da
psicoterapia, além disso se modifica à medida que a diversidade das situações
aumenta, partindo dessa reflexão vimos a importância e a dificuldade da
inserção das políticas públicas nesse contexto, a qual sempre foi um grande
desafio para a atuação dos psicólogos, nesta linha de raciocínio é importante a
adaptação do modelo clinico no sistema único de saúde sendo que podem
emergir complexidades que atravessam a psicologia e o Sus, pois acompanhar
os casos e estruturar as sessões tomar a iniciativa de assumir a
responsabilidade, de acolher o paciente, entender o sofrimento e os problemas
que ele enfrenta, isto se torna um dos maiores desafios para nós estagiários.
Diante do exposto, podemos citar um caso de uma paciente jovem em
surto, com ideação suicida e práticas de automutilação que precisava de
atendimento em rede, foi um dos maiores desafios encontrados na prática,
nesses casos o graduando assume a responsabilidade de fazer o atendimento
e os encaminhamentos bem como, promovendo a proteção da saúde do
indivíduo acionando o psiquiatra da rede. Vale ressaltar nos casos de pessoas
em surto, faz-se necessário a participação de um supervisor clinico, entrar na
sala de atendimento e ajudar o estagiário em alguns casos graves, como nos
casos de tentativa de suicídio, isto facilitará e privilegiará a formação do aluno.
Fica claro que a falta de articulação em rede acaba dificultando o
funcionamento das práticas nos estágios, sendo assim a articulação
possibilitará a proteção da saúde dos pacientes em estados graves.
Outro desafio são os atendimentos on-line os pacientes precisam de um
lugar com privacidade, muitos não têm um ambiente adequado para os
atendimentos, já tivemos um caso em que o paciente fez a sessão dentro do
seu carro porque não tinha privacidade na sua casa. Nossa maior preocupação
é intervir com os princípios éticos para que o paciente se sinta seguro é possa
se expressar sem constrangimentos. Pois além disso houve uma certa
dificuldade no início das práticas, mas foi possível se adaptar aos documentos
produzidos pela universidade para os atendimentos na modalidade virtual
enfatizando a privacidade e o sigilo.
Neste contexto atual, podemos citar algumas vantagens que as práticas
em campo nos proporcionaram, bem como, a atuação ética e o uso dos
instrumentos, pois fica claro também a importância do supervisando e das
aulas didáticas pedagógicas podendo assim colocar em práticas os referenciais
teóricos estudados em sala. Ademais podemos vivenciar a sensação no
espaço/tempo de estágio, criando um momento reflexivo de descoberta,
certezas e incertezas num cenário complexo. Diante disto podemos observar e
irmos em busca das soluções, dessa forma colocando a escuta em prática
aperfeiçoando-a e acolhendo devidamente aquela pessoa, criando
intervenções para pacientes em crises psicológicas, nessa perspectiva
colocando nossa capacidade em pratica, analisando criticamente cada caso e
assim conseguir madurecer profissionalmente.
Em síntese, ressaltamos a importância dos casos atendidos que nos
beneficiou a experiencia de colocar em prática nossos conhecimentos e
habilidades, como manter sigilo profissional, respeitar limites da atuação;
possuir e demonstrar capacidade de raciocínio; manter imparcialidade; ouvir
atentamente, contornar situações diversas e revelar empatia. Além destas
características, ficou claro para nós futuros profissionais também, a importância
do trabalho em equipe multidisciplinar que sem dúvida, é uma somatória de
conhecimentos e habilidades que efetivamente contribuirá muito para
transformar as vivëncias dos clientes/pacientes em seus variados transtornos
sejam de personalidades, mentais e de quaisquer outros distúrbios.

Você também pode gostar