Você está na página 1de 3

Professor Sérgio Viroli

Curso Licenciatura em Química


Disciplina Química Geral II

EXPERIMENTO 01: TRANSFORMAÇÕES GASOSAS ISOTÉRMICA

OBJETIVO

Distinguir transformações isotérmicas, isobáricas e isovolumétricas, construir e Interpretar


gráficos das transformações gasosas.

INTRODUÇÃO

O estudo dos gases foi difundido entre os séculos XVII e XIX por meio de cientistas que
desenvolveram as leis dos gases. As leis foram obtidas através da manipulação das grandezas
associadas e utilizando um modelo teórico chamado de gás perfeito, criado para estudar o
comportamento de substâncias no estado gasoso.
As transformações gasosas consistem em submeter uma massa fixa de um gás a diferentes
condições enquanto uma grandeza é mantida constante. Os tipos são:

 Transformação isobárica: mudança com pressão constante;


 Transformação isotérmica: mudança com temperatura constante;
 Transformação isocórica, isométrica ou isovolumétrica: mudança com volume
constante.

As grandezas físicas associadas aos gases (pressão, temperatura e volume) são denominadas
variáveis de estado e uma transformação sofrida por um gás corresponde a variação de pelo
menos duas destas grandezas.

1. TRASFORMAÇÃO ISOMÉTRICA

Esta atividade tem como objetivo realizar uma experiência variando a pressão e o volume,
mas, mantendo a temperatura constante. 

MATERIAIS E REAGENTES

 Um Cilindro de plástico graduado (diâmetro 5 cm)


 Uma seringa de 20 mL com agulha
 Uma barra de sabão;
 Uma folha de papel milimetrado.

PROCEDIMENTO

1. Monte a seringa com a agulha e puxe o embola obtendo o maior volume possível;
2. Espete a agulha na barra de sabão e vede a saída de ar;
3. Coloque o cilindro plástico em cima do embolo, conforme a figura 01 e anote como 0 a
"Massa de água no cilindro". Perceba que quando o cilindro está vazio este volume
corresponde à pressão atmosférica visto que o cilindro está submetido apenas pressão
atmosférica;

FIGURA 01.

4. Adicione, por vez, 50 ml de água no cilindro anotando na tabela o volume de gás dentro da
seringa 

5. Preencha a tabela abaixo.

Volume de água no Massa de água Força peso Pressão do gás na seringa Volume do gás na seringa
cilindro (ml) no cilindro (g) (N) (Pa) ( m3)
0 mL 0 0 0 0,000020 m3
50mL
100 mL
150 mL
200 mL
250 mL
300 mL
350 mL
400 mL
450 mL
500 mL

Valores encontrado para o volume na seringa quando foi acrescentado água de 50 em 50 mL


no cilindro graduado

Volume de água no cilindro (ml) Volume do gás na seringa ( mL)


0 mL 20
50mL 1,9
100 mL 1,8
150 mL 1,7
200 mL 1,6
250 mL 1,5
300 mL 1,4
350 mL 1,3
400 mL 1,2
450 mL 1,1
500 mL 1,0

Lembre-se que:
1ml = 1 cm3.
1ml H2O = 1g H2O;
1 N corresponde ao peso de 100 g;
1 Pascal (Pa) = 1N/m 2
circunferência da seringa ( 20 cm 3) = 7, 2 cm
área da secção transversal interna de seringa A =  x R2
pressão sobre o gás P = F (N) / A (m 2)

6. Construa um gráfico da variação da pressão na seringa (Pa) em função da variação do


volume no gás (m3).

ATIVIDADES

1. Quais são as variáveis de estado envolvidas nessa transformação gasosa?


2. Qual a variável de estado que se mantem constante nessa transformação gasosa?
3. Qual o nome da transformação gasosa ocorrida no experimento?