Você está na página 1de 40

Ficha Técnica

Título: Biologia, Programa da 9ª Classe


Edição: ©INDE/MINED - Moçambique
Autor: INDE/MINED – Moçambique
Capa, Composição, Arranjo gráfico: INDE/MINED - Moçambique
Arte final: INDE/MINED - Moçambique
Tiragem: 1500 Exemplares
Impressão: DINAME
Nº de Registo: INDE/MINED – 6247/RLINLD/2010

1
Prefácio

Caro Professor

É com imenso prazer que colocamos nas suas mãos os Programas do Ensino
Secundário Geral.

Com a introdução do Novo Currículo do Ensino Básico, iniciada em 2004, houve


necessidade de se reformular o currículo do Ensino Secundário Geral para que a
integração do aluno se faça sem sobressaltos e para que as competências gerais, tão
importantes para a vida continuem a ser desenvolvidas e consolidadas neste novo
ciclo de estudos.

As competências que os novos programas do Ensino Secundário Geral procuram


desenvolver, compreendem um conjunto de conhecimentos, habilidades, atitudes e
valores necessários para a vida que permitam ao graduado do Ensino Secundário
Geral enfrentar o mundo de trabalho numa economia cada vez mais moderna e
competitiva.

Estes programas resultam de um processo de consulta à sociedade. O produto que


hoje tem em mãos é resultado do trabalho abnegado de técnicos pedagógicos do
INDE e da DINEG, de professores das várias instituições de ensino e formação,
quadros de diversas instituições públicas, empresas e organizações, que colocaram a
sua sabedoria ao serviço da transformação curricular e a quem aproveitamos desde
já, agradecer.

Aos professores, de que depende em grande medida a implementação destes


programas, apelamos ao estudo permanente das sugestões que eles contêm e que
convoquem a vossa criatividade e empenho para levar a cabo a gratificante tarefa de
formar hoje os jovens que amanhã contribuirão para o combate à pobreza.

Aires Bonifácio Baptista Ali.

Ministro da Educação e Cultura

2
1. Introdução
A Transformação Curricular do Ensino Secundário Geral (TCESG) é um processo que
se enquadra no Programa Quinquenal do Governo e no Plano Estratégico da Educação
e Cultura e tem como objectivos:

• Contribuir para a melhoria da qualidade de ensino, proporcionando aos alunos


aprendizagens relevantes e apropriadas ao contexto socioeconómico do país.
• Corresponder aos desafios da actualidade através de um currículo
diversificado, flexível e profissionalizante.
• Alargar o universo de escolhas, formando os jovens tanto para a continuação
dos estudos como para o mercado de trabalho e auto emprego.
• Contribuir para a construção de uma nação de paz e justiça social.

Constituem principais documentos curriculares:


• O Plano Curricular do Ensino Secundário (PCESG) – documento orientador que
contém os objectivos, a política, a estrutura curricular, o plano de estudos e
as estratégias de implementação;
• Os programas de ensino de cada uma das disciplinas do plano de estudos;
• O regulamento de avaliação do Ensino Secundário Geral (ESG);
• Outros materiais de apoio.

1.1. Linhas Orientadoras do Currículo do ESG

O Currículo do ESG, introduzido em 2008, assenta nas grandes linhas orientadoras


que visam a formação integral dos jovens, fornecendo-lhes instrumentos relevantes
para que continuem a aprender ao longo de toda a sua vida.

O novo currículo procura por um lado, dar uma formação teórica sólida que integre
uma componente profissionalizante e, por outro, permitir aos jovens a aquisição de
competências relevantes para uma integração plena na vida política, social e
económica do país.

As consultas efectuadas apontam para a necessidade de a escola responder às


exigências do mercado cada vez mais moderno, que apela às habilidades
comunicativas, ao domínio das Tecnologias de Informação e Comunicação, à
resolução rápida e eficaz de problemas, entre outros desafios.

Assim, o novo programa do ESG deverá responder aos desafios da educação,


assegurando uma formação integral do indivíduo que assenta em quatro pilares,
assim descritos:

Saber Ser que é preparar o Homem moçambicano no sentido espiritual,


crítico e estético, de modo que possa ser capaz de elaborar pensamentos
autónomos, críticos e formular os seus próprios juízos de valor que estarão na
base das decisões individuais que tiver de tomar em diversas circunstâncias
da sua vida;

Saber Conhecer que é a educação para a aprendizagem permanente de


conhecimentos científicos sólidos e a aquisição de instrumentos necessários
para a compreensão, a interpretação e a avaliação crítica dos fenómenos
sociais, económicos, políticos e naturais;

Saber Fazer que proporciona uma formação e qualificação profissional sólida,


um espírito empreendedor no aluno/formando para que ele se adapte não só
ao meio produtivo actual, mas também às tendências de transformação no
mercado;

3
Saber viver juntos e com os outros que traduz a dimensão ética do
Homem, isto é, saber comunicar-se com os outros, respeitar-se a si, à sua
família e aos outros Homens de diversas culturas, religiões, raças, entre
outros.
Agenda 2025:129

Estes saberes interligam-se ao longo da vida do indivíduo e implicam que a educação


se organize em torno deles de modo a proporcionar aos jovens instrumentos para
compreender o mundo, agir sobre ele, cooperar com os outros, viver, participar e
comportar-se de forma responsável.

Neste quadro, o desafio da escola é, pois, fornecer as ferramentas teóricas e práticas


relevantes para que os jovens e os adolescentes sejam bem sucedidos como
indivíduos, e como cidadãos responsáveis e úteis na família, na comunidade e na
sociedade, em geral.

1.2. Os desafios da Escola

A escola confronta-se com o desafio de preparar os jovens para a vida. Isto significa
que o papel da escola transcende os actos de ensinar a ler, a escrever, a contar ou de
transmitir grandes quantidades de conhecimentos de história, geografia, biologia ou
química, entre outros. Torna-se, assim, cada vez mais importante preparar o aluno
para aprender a aprender e para aplicar os seus conhecimentos ao longo da vida.

Perante este desafio, que competências são importantes para uma integração plena
na vida?

As competências importantes para a vida referem-se ao conjunto de recursos, isto é,


conhecimentos, habilidades atitudes, valores e comportamentos que o indivíduo
mobiliza para enfrentar com sucesso exigências complexas ou realizar uma tarefa, na
vida quotidiana. Isto significa que para resolver um determinado problema, tomar
decisões informadas, pensar critica e criativamente ou relacionar-se com os outros
um indivíduo necessita de combinar um conjunto de conhecimentos, práticas e
valores.

Naturalmente que o desenvolvimento das competências não cabe apenas à escola,


mas também à sociedade, a quem cabe definir quais deverão ser consideradas
importantes, tendo em conta a realidade do país.

Neste contexto, reserva-se à escola o papel de desenvolver, através do currículo, não


só as competências viradas para o desenvolvimento das habilidades de comunicação,
leitura e escrita, matemática e cálculo, mas também, as competências gerais,
actualmente reconhecidas como cruciais para o desenvolvimento do indivíduo e
necessárias para o seu bem estar, nomeadamente:

a) Comunicação nas línguas moçambicana, portuguesa, inglesa e francesa;


b) Desenvolvimento da autonomia pessoal e a auto-estima; de estratégias de
aprendizagem e busca metódica de informação em diferentes meios e uso de
tecnologia;
c) Desenvolvimento de juízo crítico, rigor, persistência e qualidade na realização
e apresentação dos trabalhos;
d) Resolução de problemas que reflectem situações quotidianas da vida
económica social do país e do mundo;
e) Desenvolvimento do espírito de tolerância e cooperação e habilidade para se
relacionar bem com os outros;
f) Uso de leis, gestão e resolução de conflitos;
g) Desenvolvimento do civismo e cidadania responsáveis;
h) Adopção de comportamentos responsáveis com relação à sua saúde e da
comunidade bem como em relação ao alcoolismo, tabagismo e outras drogas;
i) Aplicação da formação profissionalizante na redução da pobreza;

4
j) Capacidade de lidar com a complexidade, diversidade e mudança;
k) Desenvolvimento de projectos estratégias de implementação individualmente
ou em grupo;
l) Adopção de atitudes positivas em relação aos portadores de deficiências,
idosos e crianças.

Importa destacar que estas competências encerram valores a serem desenvolvidos


na prática educativa no contexto escolar e extra-escolar, numa perspectiva de
aprender a fazer fazendo.
(...) o aluno aprenderá a respeitar o próximo se tiver a oportunidade de
experimentar situações em que este valor é visível. O aluno só aprenderá a viver
num ambiente limpo se a escola estiver limpa e promover o asseio em todos os
espaços escolares. O aluno cumprirá as regras de comportamento se elas forem
exigidas e cumpridas por todos os membros da comunidade escolar de forma
coerente e sistemática.
PCESG:27
Neste contexto, o desenvolvimento de valores como a igualdade, liberdade, justiça,
solidariedade, humildade, honestidade, tolerância, responsabilidade, perseverança, o
amor à pátria, o amor próprio, o amor à verdade, o amor ao trabalho, o respeito pelo
próximo e pelo bem comum, deverá estar ancorado à prática educativa e estar
presente em todos os momentos da vida da escola.

As competências acima indicadas são relevantes para que o jovem, ao concluir o ESG
esteja preparado para produzir o seu sustento e o da sua família e prosseguir os
estudos nos níveis subsequentes.

Perspectiva-se que o jovem seja capaz de lidar com economias em mudança, isto é,
adaptar-se a uma economia baseada no conhecimento, em altas tecnologias e que
exigem cada vez mais novas habilidades relacionadas com adaptabilidade, adopção
de perspectivas múltiplas na resolução de problemas, competitividade, motivação,
empreendedorismo e a flexibilidade de modo a ter várias ocupações ao longo da vida.

1.3. A Abordagem Transversal

A transversalidade apresenta-se no currículo do ESG como uma estratégia didáctica


com vista um desenvolvimento integral e harmonioso do indivíduo. Com efeito, toda
a comunidade escolar é chamada a contribuir na formação dos alunos, envolvendo-os
na resolução de situações-problema parecidas com as que se vão confrontar na vida.

No currículo do ESG prevê-se uma abordagem transversal das competências gerais e


dos temas transversais. De referir que, embora os valores se encontrem impregnados
nas competências e nos temas já definidos no PCESG, é importante que as acções
levadas a cabo na escola e as atitudes dos seus intervenientes sobretudo dos
professores constituam um modelo do saber ser, conviver com os outros e bem fazer.

Neste contexto, toda a prática educativa gravita em torno das competências acima
definidas de tal forma que as oportunidades de aprendizagem criadas no ambiente
escolar e fora dele contribuam para o seu desenvolvimento. Assim, espera-se que as
actividades curriculares e co-curriculares sejam suficientemente desafiantes e
estimulem os alunos a mobilizar conhecimentos, habilidades, atitudes e valores.

O currículo do ESG prevê ainda a abordagem de temas transversais, de forma


explícita, ao longo do ano lectivo. Considerando as especificidades de cada disciplina,
são dadas indicações para a sua abordagem no plano temático, nas sugestões
metodológicas e no texto de apoio sobre os temas transversais.

O desenvolvimento de projectos comuns constitui também uma estratégia que


permite estabelecer ligações interdisciplinares, mobilizar as competências treinadas
em várias áreas de conhecimento para resolver problemas concretos. Assim, espera-
se que as actividades a realizar no âmbito da planificação e implementação de

5
projectos, envolvam professores, alunos e até a comunidade e constituam em
momentos de ensino-aprendizagem significativos.

1.4 As Línguas no ESG

A comunicação constitui uma das competências considerada chave num mundo


globalizado. No currículo do ESG, são usados a língua oficial (Português), línguas
Moçambicanas, línguas estrangeiras (Inglês e Francês).

As habilidades comunicativas desenvolvem-se através de um envolvimento


conjugado de todas as disciplinas e não se reserva apenas às disciplinas específicas
de línguas. Todos os professores deverão assegurar que alunos se expressem com
clareza e que saibam adequar o seu discurso às diferentes situações de comunicação.
A correcção linguística deverá ser uma exigência constante nas produções dos alunos
em todas as disciplinas.

O desafio da escola é criar espaços para a prática das línguas tais como a promoção
da leitura (concursos literários, sessões de poesia), debates sobre temas de interesse
dos alunos, sessões para a apresentação e discussão de temas ou trabalhos de
pesquisa, exposições, actividades culturais em datas festivas e comemorativas, entre
outros momentos de prática da língua numa situação concreta. Os alunos deverão ser
encorajados a ler obras diversas e a fazer comentários sobre elas e seus autores, a
escrever sobre temas variados, a dar opiniões sobre factos ouvidos ou lidos nos
órgãos de comunicação social, a expressar ideias contrárias ou criticar de forma
apropriada, a buscar informações e a sistematizá-la.

Particular destaque deverá ser dado à literatura representativa de cada uma das
línguas e, no caso da língua oficial e das línguas moçambicanas, o estudo de obras de
autores moçambicanos constitui um pilar para o desenvolvimento do espiríto
patriótico e exaltação da moçambicanidade.

1.5. O Papel do Professor

O papel da escola é preparar os jovens de modo a torná-los cidadãos activos e


responsáveis na família, no meio em que vivem (cidade, aldeia, bairro, comunidade)
ou no trabalho.

Para conseguir este feito, o professor deverá colocar desafios aos seus alunos,
envolvendo-os em actividades ou projectos, colocando problemas concretos e
complexos. A preparação do aluno para a vida passa por uma formação em que o
ensino e as matérias leccionadas tenham significado para a vida do jovem e possam
ser aplicados a situações reais.

O ensino - aprendizagem das diferentes disciplinas que constituem o currículo fará


mais sentido se estiver ancorado aos quatro saberes acima descritos interligando os
conteúdos inerentes à disciplina, às componentes transversais e às situações reais.

Tendo presente que a tarefa do professor é facilitar a aprendizagem, é importante


que este consiga:

• organizar tarefas ou projectos que induzam os alunos a mobilizar os seus


conhecimentos, habilidades e valores para encontrar ou propor alternativas de
soluções;
• encontrar pontos de interligação entre as disciplinas que propiciem o
desenvolvimento de competências. Por exemplo, envolver os alunos numa
actividade, projecto ou dar um problema que os obriga a recorrer a
conhecimentos, procedimentos e experiências de outras áreas do saber;

6
• acompanhar as diferentes etapas do trabalho para poder observar os alunos,
motivá-los e corrigi-los durante o processo de trabalho;
• criar, nos alunos, o gosto pelo saber como uma ferramenta para compreender
o mundo e transformá-lo;
• avaliar os alunos no quadro das competências que estão a ser desenvolvidas,
numa perspectiva formativa.

Este empreendimento exige do professor uma mudança de atitude em relação ao


saber, à profissão, aos alunos e colegas de outras disciplinas. Com efeito, o sucesso
deste programa passa pelo trabalho colaborativo e harmonizado entre os professores
de todas as disciplinas. Neste sentido, não se pode falar em desenvolvimento de
competências para vida, de interdisciplinaridade se os professores não dialogam, não
desenvolvem projectos comuns ou se fecham nas suas próprias disciplinas. Um
projecto de recolha de contos tradicionais ou da história local poderá envolver
diferentes disciplinas. Por exemplo:
- Português colaboraria na elaboração do guião de recolha, estrutura,
redacção e correcção dos textos;
- História ocupar-se-ia dos aspectos técnicos da recolha deste tipo de
fontes;
- Geografia integraria aspectos geográficos, físicos e socio-económicos da
região;
- Educação Visual ficaria responsável pelas ilustrações e cartazes.

Com estes projectos treinam-se habilidades, desenvolvem-se atitudes de trabalhar


em equipa, de análise, de pesquisa, de resolver problemas e a auto-estima,
contribuindo assim para o desenvolvimento das competências mais gerais definidas
no PCESG.

As metodologias activas e participativas propostas, centradas no aluno e viradas para


o desenvolvimento de competências para a vida pretendem significar que, o professor
não é mais um centro transmissor de informações e conhecimentos, expondo a
matéria para reprodução e memorização pelos alunos. O aluno não é um receptáculo
de informações e conhecimentos. O aluno deve ser um sujeito activo na construção
do conhecimento e pesquisa de informação, reflectindo criticamente sobre a
sociedade.

O professor deve assumir-se como criador de situações de aprendizagem, regulando


os recursos e aplicando uma pedagogia construtivista. O seu papel na liderança de
uma comunidade escolar implica ainda que seja um mediador e defensor
intercultural, organizador democrático e gestor da heterogeneidade vivencial dos
alunos.

As metodologias de ensino devem desenvolver no aluno: a capacidade progressiva de


conceber e utilizar conceitos; maior capacidade de trabalho individual e em grupo;
entusiasmo, espírito competitivo, aptidões e gostos pessoais; o gosto pelo raciocínio
e debate de ideias; o interesse pela integração social e vocação profissional.

7
O ensino da Biologia na 9ª classe

Na 9ª classe são abordados conteúdos relacionados com a morfologia, a anatomia e a


fisiologia das plantas. Além disso, abordam-se assuntos que dizem respeito à camada da
superfície terrestre em que se fixam as plantas - o solo. A abordagem dos aspectos
fisiológicos das plantas exige que os alunos apliquem os seus conhecimentos básicos
adquiridos nas aulas de Ciências Naturais. Isto significa que, por exemplo, os alunos
utilizam conhecimentos sobre a energia e as suas transformações assim como sobre
reacções químicas. Assim, as aulas de Biologia da 9ª classe, devem contribuir para a
formação duma concepção geral dos alunos sobre aspectos universais que decorrem na
natureza, conhecer os processos básicos da fisiologia das plantas, possibilitar os alunos a
reconhecer que a ciência, através da sua investigação, traz resultados que o Homem pode
aplicar a seu favor, melhorando assim continuamente as suas condições de vida. Isto
deve-se reflectir especialmente nas unidades sobre a fotossíntese e respiração,
descrevendo e explicando como os dois processos metabólicos podem ser influenciados
por certos factores ambientais. Ao mesmo tempo, os alunos devem reconhecer que o
Homem precisa da troca permanente da matéria com a natureza para a sua existência.
Na unidade sobre o solo podem ser incluídas algumas discussões sobre questões
polémicas que dizem respeito ao uso de insecticidas, ao desflorestamento, à biotecnologia
etc.
Aplicando o método experimental, os alunos devem se concentrar cada vez mais, no
processo de aquisição de conhecimentos, capacidades e atitudes. Isto significa que as
aulas de Biologia devem ser realizadas de forma investigativa, criativa, orientadas para
resolver problemas. Com isso exige-se que os alunos conheçam também os passos
necessários para resolver tais problemas. Isto implica contribuir para uma aprendizagem
contínua dos alunos.
Para permitir o alcance dos objectivos definidos para este ciclo, os conteúdos da
disciplina da Biologia foram seleccionados de forma a facilitar a sua assimilação pelos
alunos. Para isso certos princípios didácticos que a seguir se apresentam serão
especificados a posterior.

Princípio de espiral
O princípio de espiral é um princípio que relaciona os vários aspectos de um determinado
conteúdo nos diferentes níveis da escolaridade e em várias classes. Consiste na
abordagem dum conteúdo cada vez mais aprofundado em diferentes situações e relações.
Tem a sua justificação num modelo que acredita na possibilidade de transmitir um
determinado conteúdo, atendendo o nível intelectual do aluno, considerando a forma de
pensamento numa determinada fase etária (Modelo de Bruner).
A aplicação deste princípio dá a oportunidade de formular problemas biológicos
complexos, conceitos básicos, relações e ligações entre os objectos, fenómenos e
processos biológicos a partir de uma forma elementar, quer dizer, um nível primário.
A partir desta constatação apela-se ao professor, que lecciona o nível secundário para
tomar em consideração os conteúdos abordados na disciplina de “Ciências Naturais” do
Ensino Básico.

8
Princípio da interdisciplinaridade
A disciplina de Biologia relaciona-se com outras disciplinas. Estas relações devem ajudar
a ultrapassar o pensamento linear e a tomada de decisão para a solução de um problema
como um aspecto isolado. Além disso, este princípio didáctico apresenta outras
vantagens, tais como maior possibilidade de motivar os alunos e uma efectivação dos
processos de ensino-aprendizagem.

Princípio da consideração do empírico e teórico


O empírico baseia-se na experiência vulgar ou imediata (observação dos objectos,
fenómenos e processos) e representa o conjunto de conhecimentos obtidos apenas da
prática (observação e experiência). Neste contexto, é fácil deduzir a importância das
actividades práticas, especialmente da actividade experimental, para o processo de
aprendizagem. O teórico representa o racional ou ideal e caracteriza-se por um conjunto
de conhecimentos sistematizados. Para chegar a este nível de pensamento é necessário
seguir certas regras de pensamento que exigem certas capacidades intelectuais.
A estratégia utilizada para a transmissão do conteúdo (pelo professor) e a assimilação do
mesmo (pelo aluno) é um processo fundamental no conjunto de todos os processos que
caracterizam o ensino-aprendizagem. Se quiser contribuir para a melhoria deste processo
nas aulas de Biologia, deve preparar-se para se colocar em três posições: como cientista
(planificação científica), como professor (preparação didáctico-metodológica) e como
aluno (preparação psico-pedagógica). Neste contexto, as aulas de Biologia devem ser
vistas como “laboratórios” para uma aprendizagem para a vida. Se não aceitamos isso ,
oferecemos aos nossos alunos uma “retórica de conclusões”, não vamos conseguir
transmitir a emoção da Biologia e a apreciação dos maiores esquemas conceptuais e dos
métodos de investigação.

Aplicando os diferentes métodos de ensino, é necessário substituir a aprendizagem por


recepção (onde os conceitos, as proposições são apresentadas aos alunos por um agente
independente, por exemplo o professor) pela aprendizagem por descoberta (onde o
aluno infere os conceitos mais importantes e constrói por si próprio as proposições
significativas). No entanto, não se recomenda o total abandono da aplicação das funções
didácticas (introdução, desenvolvimento, consolidação, controlo/avaliação), dos métodos
básicos (apresentação ou método expositivo, trabalho em conjunto ou elaboração
conjunta, actividade independente ou trabalho independente), dos clássicos e tradicionais.
Os alunos, em qualquer sistema educacional, merecem uma escola que os encoraje, os
apoie e premie o pensamento criativo, a compreensão profunda e as novas maneiras de
resolver problemas.

A qualidade acima da quantidade, o significado acima da memorização e a compreensão


acima do conhecimento.

É indispensável nas aulas de Biologia a utilização de meios didácticos. Para isso, deve-se
reflectir sobre a utilização e a aplicação correcta dos meios de ensino disponíveis. Sabe-se
que nem sempre o objecto real pode ser colocado à disposição e que certas
particularidades do mesmo nem sempre podem ser estudadas. Nestes casos, ter-se-á de
recorrer aos objectos representativos. Considera-se a linguagem oral um meio didáctico de
maior abstracção e, consequentemente, aquele que exige do próprio aluno uma alta

9
capacidade intelectual para perceber o respectivo conteúdo ligado a um objecto, fenómeno
ou processo natural.
Tendo em conta as dificuldades que a maioria das nossas escolas têm em material
didáctico, é possível adquirir meios didácticos simples, elementares, sugestivos, produtos
de imaginação e criatividade do professor, sem requerer avultadas somas em dinheiro.
A planificação é um elemento importante e exigido no dia-a-dia em todas as actividades.
Ela caracteriza-se por um processo de racionalização, organização e coordenação da acção
docente em que se seleccionam e organizam estratégias e actividades do ensino-
aprendizagem em certas condições que determinam a efectivação deste processo. Existem
três aspectos fundamentais na planificação, que são fundamentalmente tarefas do
professor: a análise científica, a análise didáctica e a análise psico-pedagógica.

Linguagem científica a ser usada precisa de definições e determinações exactas dos


conceitos. Com a aplicação da linguagem científica, os alunos devem reconhecer o
essencial de um determinado aspecto científico e desenvolver a sua capacidade de falar
cientificamente.
Particular alusão faz-se aqui ao livro do aluno, que deve corresponder às exigências
duma apresentação científica correcta dos respectivos conteúdos biológicos utilizando a
linguagem científica. Esta deve corresponder a um determinado nível de
desenvolvimento do pensamento dos alunos. O aluno precisa de aprender a estudar com o
livro e é dever do professor ensinar o aluno a utilizá-lo.

II. OBJECTIVOS GERAIS DO CICLO


Os objectivos gerais do ciclo são aqueles que o aluno deve atingir ao concluir o primeiro
ciclo. Ao terminar a disciplina de Biologia no 1° Ciclo do Ensino Secundário Geral, os
alunos devem:
- Identificar a posição do Homem no Reino Animal;
- Indicar as semelhanças e diferenças entre o Homem e outros mamíferos;
- Descrever os aspectos anatómicos e fisiológicos do corpo humano;
- Distinguir as doenças mais comuns em Moçambique;
- Aplicar medidas de prevenção de doenças mais comuns em Moçambique;
- Identificar os processos metabólicos que decorrem nos seres vivos;
- Diferenciar os tipos de célula;
- Descrever os aspectos anatómicos e fisiológicos das plantas;
- Explicar a origem e a evolução dos seres vivos;
- Demonstra a importância da relação entre os seres vivos e o ambiente;
- Comparar e classificar objectos, fenómenos e processos biológicos;
- Utilizar correctamente os métodos científicos (método de observação, método
experimental) para resolver problemas científicos;
- Manejar o microscópio óptico;
- Interpretar textos, gráficos e esquemas;
- Desenhar objectos biológicos e legendar desenhos, esquemas,etc.;
- Aplicar correctamente a linguagem científica;
- Desenvolver interesse pelo estudo da disciplina de Biologia;
- Demonstrar espírito investigativo para explorar a natureza, aplicando os
métodos científicos;
- Contribuir para a protecção do ambiente;
- Desenvolver atitudes e convicções que possibilitam trabalhar correctamente,
observando as regras de segurança durante os trabalhos práticos;
- Utilizar os conhecimentos da ciência biológica para melhorar as condições da
vida na comunidade, especialmente nas áreas de saúde, agricultura, pecuária e
ambiente.

10
COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER NO 1° CICLO

• Discute assuntos relacionados com a vida das comunidades recorrendo aos conhecimentos
de Biologia;
• Interpreta e apresenta os resultados da investigação biológica para melhorar a vida
da comunidade;
• Apresenta (oralmente e por escrito) trabalhos de investigação usando a
terminologia biológica;
• Aplica regras de protecção e conservação do ambiente;
• Contribui para o melhoramento do ambiente;
• Selecciona informações em diferentes meios sobre os avanços da ciência;
• Realiza pequenas experiências, interpreta resultados obtidos e apresenta-os de
diferentes formas;
• Elabora e discute de forma crítica e científica trabalhos de investigação sobre um
determinado tema de interesse para a comunidade;
• Aplica os conhecimentos de Biologia na resolução de problemas que afligem a
comunidade;
• Respeita diferentes opiniões perante uma determinada situação em que esteja
envolvido;
• Divulga as leis de genética e teorias de evolução na comunidade para a resolução
de conflitos;
• Demonstra hábitos correctos, conduta social responsável perante a saúde
individual e colectiva;
• Solidariza-se com pessoas afectadas e infectadas com o HIV/SIDA;
• Participa nas campanhas de sensibilização contra as DTS, e a de consumo de
drogas;
• Aplica as teorias científicas para melhorar a produção agro-pecuária;
• Comercializa produtos agro-pecuários para a melhoria da dieta da comunidade;
• Analisa os efeitos do uso dos recursos naturais na comunidade e no país;
• Estabelece a relação entre os fenómenos biológicos, seres vivos e o ambiente
• Usa e respeita as propriedades de bem comum;
• Elabora trabalhos de pesquisa sobre um determinado tema de interesse da
comunidade.

11
III. VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS DA 8ª A 10ª CLASSE

1. CONTEÚDOS DE BIOLOGIA DA 8ª CLASSE


35 semanas a 3 aulas por semana = 105 aulas por ano

1ª Unidade: Biologia como Ciência.


2ª Unidade: Posição do Homem no Reino Animal
3ª Unidade: Sistema ósseo muscular no Homem
4ª Unidade: Metabolismo no organismo humano
5ª Unidade: Sensibilidade e Regulação
6ª Unidade: A pele
7ª Unidade: Reprodução e ontogenia

2. CONTEÚDOS DE BIOLOGIA DA 9ª CLASSE


35 semanas a 3 aulas por semana = 105 aulas por ano

1ª Unidade: Introdução ao estudo das plantas


2ª Unidade: Morfologia e fisiologia das plantas
3ª Unidade: Morfologia e anatomia das plantas
4ª Unidade: Metabolismo das plantas
5ª Unidade: Reprodução das plantas
6ª Unidade: Regulação da vida das plantas
7ª Unidade: O solo

3. CONTEÚDOS DE BIOLOGIA DA 10ª CLASSE


35 semanas a 3 aulas por semana = 105 aulas por ano

1ªUnidade: Genética
2ªUnidade: Evolução
3ªUnidade: Ecologia

12
IV. OBJECTIVOS DA 9ª CLASSE

Nas aulas de Biologia da 9ª classe, deve-se alcançar os seguintes objectivos:


• Mencionar os Filos do Reino das Plantas e suas características gerais;
• Obter uma visão geral sobre a grande diversidade das plantas;
• Desenvolver atitudes que contribuem para a protecção das plantas;
• Distinguir as estruturas morfológicas dos diferentes órgãos das plantas espermatófitas
e as suas respectivas funções;
• Usar uma chave dicotómica;
• Explicar fenómenos e processos biológicos na base de conhecimentos físicos;
• Relacionar as adaptações dos órgãos duma planta com as condições do meio-ambiente
em que a planta vive;
• Combinar a importância económica e ecológica dos órgãos duma planta;
• Valorizar as descobertas científicas;
• Mostrar que o metabolismo é um processo vital;
• Realizar experiências que comprovam os processos metabólicos;
• Explicar a influência de factores ambientais na actividade agrícola e na jardinagem;
• Utilizar os métodos da reprodução sexuada e da multiplicação vegetativa nas
actividades agrícolas e da jardinagem;
• Utilizar os conhecimentos científicos no melhoramento da actividade agrícola;
• Descrever a constituição e importância dos diferentes tipos de solo;
• Contribuir para a diminuição dos factores de degradação do solo;
• Seleccionar medidas para manter o equilíbrio ecológico do solo.

13
V. VISÃO GERAL DOS CONTEÚDOS DE BIOLOGIA DA 9ª CLASSE

35 semanas à 2 aulas=70 aulas


Iº Trimestre
1ª Unidade: Introdução ao estudo das plantas (3 aulas)
Plantas como seres vivos
Importância das plantas
Diversidade do mundo das plantas

2ª Unidade: Estudo da célula (8 aulas)


Constituição e composição química da célula
Microscopia e descoberta da célula

3ª Unidade: Morfologia e fisiologia das plantas (13 aulas)


Estrutura, função e importância da raiz
Estrutura, função e importância do caule

II º Trimestre
3ª Unidade: Morfologia e fisiologia das plantas (continuação)
Estrutura, função e importância da folha
Estrutura, função e importância da flor
Estrutura, função e importância do fruto
Estrutura, função e importância da semente

4ª Unidade: Metabolismo das plantas (17 aulas)


Definição de metabolismo
Fotossíntese
Respiração aeróbica e anaeróbca

5ª Unidade: Reprodução (12 aulas)


Morfologia de flores
Reprodução sexuada

IIIº Trimestre
5ª Unidade: Reprodução (continuação)
Reprodução sexuada
Multiplicação vegetativa

6ª Unidade: Regulação da vida das plantas (4 aulas)


Hormonas vegetais
Reacção das plantas ao estímulo do ambiente

7ª Unidade: O solo (6 aulas)


Importância do solo
Constituição, formação e perfil do solo
Propriedades do solo
Tratamento, degradação e conservação do solo

TOTAL: 63 aulas mais 7 aulas livres para a utilização do professor

14
Programa Detalhado da 9ª classe

UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO À VIDA DAS PLANTAS


Objectivos específicos
Unidade Temática O aluno deve ser capaz de: Conteúdos Competências Básicas Tempo
O aluno:
1. Introdução ao estudo da vida das plantas
Mencionar as características • Plantas como seres vivos
dos seres vivos; • Características do reino das plantas Demonstra que todos os seres
2. Processos vitais das plantas (surgimento, crescimento, vivos passam por processos vitais
alimentação, reacção ao ambiente, respiração, reprodução) comuns;
Caracterizar o reino das 3
Introdução ao plantas; 3. Diversidade das plantas
estudo da vida das • Divisão do reino das plantas (plantas sem flor-
plantas criptogámicas e plantas com flores-
espermatófitas):
Reconhecer os processos vitais • Características e exemplos de cada reino Distingue diferentes grupos de
das plantas; plantas de acordo com as suas
características.
4. Importância das plantas:
• Económica
• Alimentar
Reconhecer a importância das
• Medicinal
plantas para a natureza.
• Ecológica
• cultural

Sugestões metodológicas: Introdução à vida das plantas


Os alunos na aula devem comparar as características dos animais e das plantas com base no material didáctico preparado para o efeito.
Para cada função vital da planta, por exemplo, a germinação podem fazer referência ao nascimento/surgimento das plantas, comparar
diferentes tamanhos da planta ao longo do seu desenvolvimento.
Os alunos podem preparar uma horta escolar de forma a acompanhar o ritmo de crescimento das plantas. Este pode mostrar um quadro mural
ilustrando a curva de crescimento de uma determinada planta ou mostrar esta função nos livros, mapas e outros materiais didácticos.

15
Relativamente à diversidade das plantas, o professor, poderá perguntar aos alunos, se na natureza todas as plantas apresentam as mesmas
características. A partir das respostas dos alunos o professor sistematizará num quadro ou num esquema, os grupos taxonómicos do reino das
plantas dando exemplos de cada um.
Sobre a importância das plantas, o professor poderá primeiro, ouvir dos alunos tudo o que sabem sobre a importância e a conservação das
plantas para depois enriquecer e sistematizar, dando exemplos da importância das mesmas na comunidade.

Indicadores de desempenho:
Menciona as características dos seres vivos;
Explica os processos vitais das plantas;
Reconhece a importância das plantas para a natureza;
Distingue diferentes grupos de plantas de acordo com as suas características.

16
UNIDADE 2: ESTUDO DA CELULA
Objectivos
Unidade O aluno deve ser capaz de: Conteúdos Competências O Tempo
Temática aluno:
Familiarizar-se com aspectos históricos na Microscopia e descoberta da célula
disciplina de Biologia; • História da descoberta do microscópio
• Teoria celular Valoriza as descobertas
Mencionar a constituição do microscópio • Tipos de microscópios ( óptico e científicas;
composto; electrónico)
• Constituição do microscópio óptico
Aplicar as regras e normas básicas para manipular o 17
microscópio composto;
Estrutura e composição química da célula
Estudo da célula Consolidar os conhecimentos sobre a célula • Definição de célula
vegetal; • Constituição da célula vegetal
Reconhece a célula como
• Estrutura e função de parede celular,
Diferenciar a função dos organelos celulares; a unidade básica,
membrana citoplasmática,
estrutural e funcional de
citoplasma, cloroplastos,
Comprovar algumas substâncias nas plantas. todos os seres vivos.
mitocôndrias, núcleo, vacúolos
• Composição química da célula

17
Sugestões metodológicas: Estudo da célula
Os alunos deverão rever o conceito célula, tipo de célula que foi abordado na classe anterior, dando maior ênfase à célula vegetal. Importância
particular deverá ser dada à estrutura e função de alguns organelos da célula vegetal e a composição química da célula (substâncias inorgânicas -
água, sais minerais- e substâncias orgânicas-hidratos de carbono, lípidos e proteínas). No estudo da microscopia o aluno deve adquirir
conhecimentos sobre a história da descoberta da célula (teoria celular).
Quanto ao funcionamento e manejo do microscópio pode ser iniciado com uma abordagem sobre algumas práticas laboratoriais, como por
exemplo, o uso do microscópio pelos técnicos de laboratórios de certas empresas e pelos biólogos na sua actividade diária, com o fim de ampliar
substâncias/seres que não são visíveis a vista desarmada.
Os passos que os alunos devem seguir para se proceder uma observação microscópica devem ser bem detalhados de modo que o aluno possa
sozinho fazer observações microscópicas. Todavia, na falta do microscópio e para dar o conceito de ampliação da imagem de substâncias/seres
pode-se utilizar uma lupa.
Em relação ao microscópio electrónico, os alunos deverão perceber que pela dimensão de alguns organelos, estes só poderão ser visualizados
neste tipo de microscópio.
Experiência:
• Para representar a célula como um objecto tridimensional e como unidade estrutural de tecidos os alunos deverão formar espuma a partir
de sabão líquido. Cada uma das esferas formadas representa uma célula.
Comprovação das substâncias orgânicas e inorgânicas na planta
• comprovação da existência de água e de carbono nas plantas através do aquecimento;
• comprovação da existência do amido na farinha de milho, mandioca, arroz, batata etc. através da solução do iodo;
• comprovação da existência de lípidos no amendoim, sementes de girassol, coco, castanha de caju etc. através da mancha gordurosa em
papel branco;
• comprovação da existência de proteínas na ervilha, feijão, batata etc. através do vinagre ou sumo de limão e de aquecimento;
• Em caso de possibilidade:
• comprovação da existência de proteínas na ervilha, feijão, batata etc. através da solução de amónio com ácido nítrico;
• comprovação da existência de glicose nas frutas através da solução de Fehling I e II.

Os alunos poderão realizar também visitas de estudo aos Hospitais ou Centros de Saúde mais próximos com o objectivo de obter explicações
detalhadas sobre a identificação de microrganismos causadores de doenças que são observáveis ao microscópio.

18
Indicadores de desempenho:

• Manipula o microscópio;
• Valoriza as descobertas científicas;
• Realiza preparações simples;
• Diferencia a função dos organelos celulares;

19
UNIDADE 3: MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DAS PLANTAS

Unidade Objectivos Competências


Temática O aluno deve ser capaz de: Conteúdos O aluno: Tempo
1. Estudo da raiz
ƒ Definição dos termos morfologia e fisiologia Relaciona a estrutura das
ƒ Funções da raiz (fixação de plantas, absorção da diferentes partes dos orgãos da
Explicar as funções das partes que água e sais minerais, reserva de outras planta com a sua função;
constituem a raiz; substâncias)
ƒ Classificação da raiz quanto a:
Identificar os diferentes tipos de raízes o situação
e suas adaptações radiculares; o consistência
o forma
Identificar a estrutura primária e ƒ Partes que constituem a raiz e sua função (colo, Distingue a estrutura primária 24
secundária da raiz; zona de ramificação, zona de absorção, zona de e secundária dos diferentes
Morfologia e crescimento e coifa) órgãos da planta espermatófita;
Fisiologia das Mencionar a importância da raiz.
plantas ƒ Estrutura primária e secundária da raiz
(constitução e legenda)
ƒ Adaptações das raízes quanto as condições do
ambiente
ƒ Importância das raízes:
económica
alimentar
medicinal
ecológica

20
Unidade Objectivos Competências
Temática O aluno deve ser capaz de: Conteúdos O aluno: Tempo
2. Estudo do Caule
Mencionar as funções do caule; ƒ Funções do caule (suporte, manutenção da
posição, transporte de água e sais minerais,
Explicar as funções das partes que armazenamento de substâncias) Identifica as adaptações das
constituem a caule; ƒ Classificação de caules quanto a: plantas espermatófitas em
— situação modelos e na natureza viva;
— consistência
Identificar os diferentes tipos de caule e — forma
suas adaptações; — posição
ƒ Constituição do caule e suas funções (gemas
terminais e axilares, nós e entrenós)
Identificar a estrutura primária e ƒ Adaptações do caule as condições do ambiente
secundária do caule;
Morfologia e ƒ Estrutura primária e secundária do caule das
Fisiologia das Mencionar a importância do caule. monocotiledónes e dicotiledóneas (constituição e
plantas legenda)
ƒ Importância do caule:
— Económica
— Alimentar Divulga na comunidade a
— Medicinal importância dos diferentes
— Ecológica órgãos da planta;

21
Unidade Objectivos Competências
Temática O aluno deve ser capaz de: Conteúdos O aluno: Tempo

Explicar as funções das partes que 3. Estudo da Folha


constituem a folha; ƒ Funções da folha (fotossíntese, respiração,
transpiração e gutação)
Explicar as funções da folha; ƒ Classificação das folhas quanto a:
ƒ forma, divisão do limbo, recorte do limbo,
Identificar os diferentes tipos de folhas inserção, nervação;
e suas adaptações; ƒ Constituição da folha
Morfologia e Descrever processos de fotossintese, ƒ Estrutura interna da folha (constituição e legenda)
Fisiologia das respiração, transpiração e gutação na
plantas folha; ƒ Adaptações das folhas às condições do ambiente
Mencionar importância económica, ƒ Importância das folhas:
alimentar, medicinal e ecológica das — Económica
folhas. — Alimentar
— Medicinal
— Ecológica

Explicar as funções das partes que 4.Estudo da Flor


constituem a flor; ƒ Funções da flor Utiliza chaves dicotómicas
ƒ Constituição da flor para classificar raíz, caule, e
ƒ Classificação das flores quanto: folha;
— a inflorescencias,
— ao número de peças florais
Identificar os diferentes tipos de flor; ƒ Importância da flor:
— económica
Mencionar a importância da flor. — medicinal
— cológica

22
Unidade Objectivos Competências
Temática O aluno deve ser capaz de: Conteúdos O aluno: Tempo

Explicar as funções das partes que 5. Estudo do Fruto


constituem o fruto; ƒ Função do fruto

Classificar os frutos quanto a ƒ Classificação do fruto quanto a:


consistência, deiscência; consistência do mesocarpo (carnudo, seco),
deiscência (deiscente e indeiscente),
Descrever os diferentes tipos de frutos; tipo (simples, infrutescências, pseudofrutos ou
frutos falsos)
Mencionar a importância do fruto. ƒ Constituição do fruto

Morfologia e ƒ Importância do fruto:


Fisiologia das — Económica
plantas — Alimentar Explica a relação entre a
— Medicinal estrutura e as funções dos
diferentes órgãos da planta.

Mencionar as funções da semente; 6. Estudo da Semente


ƒ Funções de sementes
ƒ Classificação das sementes quanto ao número de
Classificar diferentes tipos de sementes; cotilédones (monocotiledóneas e dicotiledóneas)
ƒ Constituição da semente
Explicar as funções das partes que ƒ Importância da semente:
constituem a semente; — Económica
— Alimentar
Mencionar a importância da semente\. — Medicinal

23
Sugestões metodológicas: Morfologia e fisiologia das plantas
O ambiente é o maior fornecedor de material didáctico para o estudo das plantas. Os alunos poderão observar e colher desde as raízes, caules,
folhas, flores, frutos e sementes.
Os alunos podem organizar grupos de estudo para trazer na sala de aulas, um ou dois tipos de plantas como material didáctico. O professor
poderá organizar excursões aos jardins botânicos, campos de cultivos, entre outros, para a observação de diferentes tipos de plantas. Junto com
os alunos, poderão fazer um herbário que será usado como material didáctico na sala de aulas. Os alunos sob orientação do professor poderão
aproveitar as excursões para elaborar fichas de observação, preparar experiências, observar resultados, etc. Durante este processo de ensino-
aprendizagem, os alunos devem produzir o relatório utilizando o métdodo cientìfico que compreende a observação, experimentação, análise de
resultados e discussão, e, finalmente, fazer uma síntese.

Proposta de algumas experiências:

Ia experiência:
O que existe nas sementes?

Material necessário:
2 sementes de feijão
Lupas
Régua
Copos plásticos
Água
Papel de feltro
Lápis e papel
Procedimentos:
1- Observe as sementes com a lupa, perceba como se parecem e toca nelas
2- Meça as sementes e tome nota dos seus tamanhos numa folha de papel
3- Deixe de molho em água as sementes durante a noite

24
4- repita os passos 1 e 2 .
5- Cuidadosamente tire a película de uma das sementes. Observe-a por fora com a ajuda da lupa
6- Separe os dois cotilédones
7- Com a lupa veja a pequena planta na semente. Desenhe-a
Análise e discussão de resultados:
1- Como é que as sementes mudaram depois de postas de molho?
2- Como descreve a parte externa da semente?
3- Em que parte da semente estava a plantinha?
4- Compare o tamanho da plantinha resultante da semente posta de molho da que não foi posta de molho.
5- Como é que a água afectou as sementes?
Pode repetir a experiência usando diferentes tipos de sementes.

2ª experiência :
Como é que a luz afecta o crescimento das plantas?

Material necessário:
3 copos de papel
Duas etiquetas
9 sementes de feijão
Areia
Água
2 caixas altas
Lápis e papel

25
Procedimentos:
1- Ponha a etiqueta luz num copo, outro copo e uma caixa pouca luz, outro copo e caixa com etiquete sem luz.
2- Planta 3 sementes em cada copo. Coloque em cada copo a mesma quantidade de água até que a areia esteja húmida
3- Coloque a caixa etiquetada sem luz sobre o copo etiquetado sem luz. Coloque os outros dois copos perto de uma janela.
4- Todos dias às 12 horas coloquem a caixa pouca luz por cima do copo com etiqueta pouca luz. E retire a caixa todas as manhãs.
5- Observe o solo de cada copo todos os dias. Acrescente uma quantidade igual de água a cada copo se necessário.
6- Depois de uma semana observe as plantas em cada copo. Aponte qualquer mudança que observar.
7- Espere mais uma semana. Observe e aponte as mudanças que observadas
Análise e discussão de resultados:
1- Como é que as sementes estavam em cada copo no início da experiência?
2- Como é que as sementes estão depois de 2 semanas?
3- Que sementes cresceram melhor?
4 -Porque os copos deveriam receber a mesma quantidade de água?
5 -Porquê é importante a luz para o crescimento das plantas?

3ª experiência:
O transporte de água nas plantas
Material necessário:
Jarra pequena
Água
Corante azul de alimentos
Colher

26
Aipo com as respectivas folhas
Lápis de cor
Conta gotas
Lápis e papel

Procedimentos:
1- Encha a jarra com água. Acrescente 6 gotas de corante azul.
2- Corte o aipo e ponha-o na água.
3- Observe o aipo após 2 horas.
4- Tire o aipo da água. O professor cortará a ponta acima e abaixo do aipo.
5- Observe as partes cortadas.
O que aprendeu?
1- Como estão as pontas do aipo nos passos 2 e 5?
2- O que aconteceu ao aipo após 2 horas?
Análise e discussão de resultados:
1- Porquê é que colocamos flores cortadas nos vasos?
2- Porquê é que as flores murcham quando os seus ramos se partem?
Indicadores de desempenho
ƒ Explica as funções das diferentes partes da planta;
ƒ Identifica os diferentes tipos de órgãos das plantas e as suas respectivas adaptações;
ƒ Menciona a importância das diferentes partes das plantas;
ƒ Coopera com a comunidade na conservação das sementes;
ƒ Executa experiências sobre as funções das diferentes partes da planta;
ƒ Fazem herbários ou viveiros na escola.

27
UNIDADE 4: METABOLISMO
Unidade Temática Objectivos Conteúdos Competências Tempo
O aluno deve ser capaz de: O aluno:
Metabolismo das plantas
1. Definição de:
Distinguir o processo de ƒ Metabolismo (Assimilação e desassimilação/
anabolismo e catabolismo das anabolismo e catabolismo) Demonstra que
plantas; • Alimentação autotrófica e heterotrófica todos os seres vivos
passam por
2. Fotossíntese processos vitais
• Definição da fotossíntese comuns;
• Estrutura e função dos cloroplastos
• Equação química e sua interpretação por palavras
• Factores que influenciam o processo da fotossíntese
• Importância da fotossíntese
Metabolismo das Mencionar a importância da Divulga as regras de
Plantas fotossíntese e da respiração 3. Respiração aeróbica como principal fornecedor de energia protecção das
celular nas plantas; às células plantas na
• Definição de respiração aeróbica comunidade; 17
• Estrutura e função das mitocôndrias
• Equação química da respiração aeróbica e a sua
interpretação por palavras
Distingue o
Mencionar a importância da • Respiração como uma reacção inversa da fotossíntese processo de
respiração anaeróbica na • Importância da respiração celular (Produção de energia fermentação com o
produção de alimentos, bebidas usada pelos seres vivos e sua conservação em forma de da respiração;
e medicamentos. uma molécula de ATP)

4. Respiração anaeróbica -Fermentação


Discute sobre a
• Definição de fermentação importância das
• Tipos de fermentação (alcoólica e láctica) plantas para a
• Equações químicas da fermentação e sua natureza e para a
interpretação por palavras sociedade.
• Importância da fermentação (produção de queijo,
bebidas alcoólicas de fabrico caseiro, vinagre, pão,
medicamentos e purificação da água, entre outros.

28
Sugestões metodológicas: Metabolismo
O tema metabolismo pode ser tratado de várias maneiras consoante o meio escolar e a experiência dos alunos e do professor para melhor
condução do processo de ensino-aprendizagem.
Os alunos poderão reactivar os seus conhecimentos sobre as diferentes funções vitais nos animais e nas plantas. Em grupo, os alunos poderão
realizar trabalhos onde aplicam os conhecimentos sobre anabolismo e catabolismo.
Os alunos sob a orientação do professor poderão organizar temas para serem investigados, na comunidade, como por exemplo:
• Um grupo de alunos pode investigar, porquê que o paciente ingere paracetamol para aliviar as dores de cabeça.
• Um outro grupo, pode trabalhar no sentido de descobrir como é produzida a molécula de ATP a partir dos alimentos.
• Os alunos em grupos, podem visitar uma fábrica de produção de bebidas alcoólicas, de produção de lacticínios ou uma padaria
• Os alunos devem consultar literatura variada, revistas e jornais, procurar informação junto dos pais ou encarregados de educação sobre
como se produz determinados alimentos a nível familiar usando o processo de fermentação.
As visitas de estudo têm como finalidade observar os diferentes processos de fermentação, criar no aluno o gosto pelo trabalho, entrar em
contacto com o equipamento e dialogar com os funcionários destas unidades de produção.

Nesta unidade, incluímos o estudo ou uma reflexão sobre o tema da actualidade relacionado com os efeitos do desenvolvimento industrial no
nosso planeta, a destruição da camada de ozono na atmosfera. Na preparação do plano de lição, o professor poderá seleccionar os objectivos
específicos deste tema e combiná-los com a importância do uso sustentável dos recursos naturais. Os alunos nos seus grupos de trabalho podem
ter como trabalho de casa o tema: os efeitos nefastos de uso não racional dos recursos naturais. O professor deve orientar um ou dois grupos para
investigar as causas e o efeito da destruição da camada de ozono. Recordar que o oxigénio é produto da fotossíntese. A camada do ozono ou
simplesmente o ozono é uma molécula constituída por três átomos de oxigénio.

A avaliação dos trabalhos em grupo ou individual deve ter em conta: a exposição do aluno, o uso correcto da língua portuguesa, o valor do
conteúdo científico apresentado e a capacidade de argumentação das questões apresentadas pela turma e/ou pelo professor.

Indicadores de desempenho
ƒ Distingue os processo de anabolismo e catabolismo das plantas;
ƒ Menciona a importância dos processos vitais que ocorrem nas plantas;
ƒ Realiza experiências sobre os processos metabólicos;
ƒ Exercita as fórmulas que representam os processos metabólicos;
ƒ Desenha estruturas que participam no metabolismo celular

29
UNIDADE 5: REPRODUÇÃO

Unidade Temática Objectivos Conteúdos Competências Tempo


O aluno deve ser capaz de: O aluno:

Reprodução
Mencionar os tipos de
• Definição e importância da reprodução
reprodução nas plantas;
• Tipos de reprodução nas plantas
Reprodução assexuada/ multiplicação vegetativa
• Definição da reprodução assexuada,
• Exemplo de plantas com reprodução assexuada, 16
Explicar as funções das partes Observação da multiplicação vegetativa através da estaca
que constituem a flor; (aula prática), Distingue tipos de reprodução nas
plantas e dá exemplos;
• importância da reprodução assexuada.
Reprodução Reprodução sexuada.
• Definição da reprodução sexuada,
Relacionar o tipo de
polinização com o seu agente • Exemplo de plantas com reprodução sexuada,
polinizador;
• Observação da estrutura reprodutora masculina e
feminina da flor (aula prática),
Polinização
• Definição da polinização,
Classifica os diferentes tipos de
• Tipos de polinização: (polinização directa e polinização;
Consolidar os conhecimentos cruzada),
sobre a constituição de frutos e
disseminação de sementes; • Agentes da polinização;
• Função das cores e dos odores.

30
Unidade Temática Objectivos Conteúdos Competências Tempo
O aluno deve ser capaz de: O aluno:

Fecundação
Reconhecer factores que
• Definição
influenciam o processo da
germinação; • importância
Discute os factores que
Frutificação influenciam o processo da
• Definição germinação;
Descrever o processo da
germinação. • Observação da constituição de sementes de
diferentes frutos (aula prática)
Disseminação de sementes e frutos
• Definição de disseminação e sua importância,
• Agentes de disseminação: (vento, água, animais, Aplica os métodos de reprodução
Homem), vegetativa na comunidade.
• Observação de diferentes sementes e frutos com
Reprodução
características típicas da disseminação pelo vento,
água, animais e Homem (aula prática),
Germinação
• Definição da germinação e sua importância,
• Factores que influem no processo da germinação,
• Observação do processo de germinação da
semente (aula prática),
A
A
A
A
A
A
A

31
Sugestões metodológicas: Reprodução
Utilizando os conhecimentos das classes anteriores, os alunos deverão dar exemplos sobre os tipos de reprodução e sua importância.
Relativamente à reprodução sexuada, os alunos deverão colher algumas flores hermafroditas, por exemplo, o Hibiscus que é uma das mais
vulgares, organizar os alunos em grupos para observar as peças florais (androceu e geniceu). Nesta actividade os alunos irão recordar o nome e a
função de cada órgão da flor.
É importante aqui referir que algumas plantas são hermafroditas e outras são unisexuadas diferenciando os tipos de polinização (directa e
cruzada) e os agentes polinizadores, a função das cores e odores de algumas plantas na reprodução.
A partir da função das cores e odores das flores, os alunos devem formular hipóteses sobre as várias formas de polinização ( por insectos,
ventos).
Na abordagem da semente, os alunos deverão trazer para a aula diferentes tipos de sementes para que possam observar a sua constituição,
textura, tipos, representação esquemática da semente entre outras. Os alunos poderão também falar sobre as formas de disseminação das
sementes começando pela sua definição.
A abordagem sobre a germinação, poderá ser facilitada pois os alunos já estão familiarizados. Importa destacar os factores que influenciam o
referido processo.
Relativamente à reprodução assexuada (multiplicação vegetativa) os alunos, sob a orientação do professor, poderão visitar uma área agrícola
onde haja estacas de, por exemplo, mandioqueira para observarem este tipo de reprodução. No final da visita os alunos fazem relatórios sobre a
importância da reprodução.

Nesta unidade estamos perante o estudo das plantas e sua reprodução, que está directamente relacionado com o trabalho agrícola. Em
determinadas regiões do nosso país, o trabalho da machamba/ agrícola está relacionado com o homem ou com a mulher ( esteriótipo no
trabalho). Neste sentido o professor poderá orientar sempre que possível, grupos heterogénios de alunas/alunos para realizar um determinado
trabalho na horta escolar ou visitar um campo agrícola. Nesta visita de estudo deve-se previlegiar a equidade de género.
O professor pode pedir a alguns alunos para sistematizar a visita efectuada. No final, o professor poderá fazer referência que para a redução da
pobreza exige-se trabalho colectivo de homens e mulheres. Não há trabalho específico para homens ou para mulheres dando exemplos nacionais
e internacionais (ministros, médicos, pilotos, mecânicos, entre outros).
Indicadores de desempenho
ƒ Menciona os tipos de reprodução nas plantas;
ƒ Relaciona o tipo de polinização ao seu agente polinizador;
ƒ Discute os factores que influenciam o processo da germinação;
ƒ Descreve o processo da germinação;
ƒ Prepara guião de visita de estudo;
ƒ Apresenta o relatório de visita de estudo.

32
UNIDADE 6: REGULAÇÃO DA VIDA DAS PLANTAS
Unidade Temática Objectivos Conteúdos Competências Tempo
O aluno deve ser capaz de: O aluno:
Definir hormonas vegetativas; 1. Regulação da vida das plantas
Hormonas vegetais:
Mencionar algumas fitohormonas e • Definição 6
descrever as suas acções; • Classificação das hormonas Demonstra a acção das
• Acção das hormonas hormonas nas plantas;
Regulação da vida das Explicar a acção das fitohormonas na • Aplicação das hormonas na agricultura
plantas agricultura; 2. Reacção das plantas ao estímulo do ambiente: Divulga os conhecimentos
• tropismo sobre a acção das hormonas na
Descrever as reacções das plantas aos o fototropismo agricultura.
estímulos do ambiente; o geotropismo
• nastismos
Diferenciar tropismo do nastismo.

Sugestões metodológicas: Regulação da vida das plantas

Nesta unidade os alunos devem procurar saber na comunidade, as técnicas tradicionais de amadurecimento antecipado dos frutos e relacioná-las
com os conhecimentos científicos adquiridos.

É importante que os alunos percebam que os vegetais são capazes de receber e reagir aos estímulos do meio em que vivem, quer no interior do
seu organismo quer por meio de reacções visíveis em forma de movimentos.

Em relação ao nastismo podem ser citadas plantas que realizam o movimento de abrir e fechar de algumas flores devido aos estímulos luminoso
e térmico, por exemplo, o da planta vulgarmente conhecida por “bom-dia”; outras que devido ao menor toque baixam as folhas- a mimosa ,
outras que fecham rapidamente as folhas quando capturam os insectos, a “apanha mosca.

É importante salientar que as fitohormonas, por exemplo, as auxinas e giberelinas, têm sido utilizadas na agricultura para produção de plantas.
Quanto a aplicação das fitohormonas na agricultura deve ser referido que, dos estudos que têm sido feitos, foi demostrado que numa planta
existem substâncias com acção estimuladora ou inibidora de várias funções, especialmente no crescimento, na floração, na geminação, na queda

33
de frutos e folhas, no aumento de tamanho e número de frutos, no amadurecimento de frutos, entre outras. Por exemplo, as flores do tomateiro
podem ser pulverizadas com um tipo de auxina para produzir frutos grandes, vermelhos e saborosos mas sem sementes.

Indicadores de desempenho

ƒ Menciona algumas fitohormonas e descrever as suas acções;


ƒ Explica a acção das fitohormonas na agricultura;
ƒ Descreve as reacções das plantas aos estímulos do ambiente;
ƒ Prepara um viveiro de algumas plantas para verificação da acção de algumas hormonas;
ƒ Mostra como o uso de algumas hormonas nas plantas pode afectar a saúde do Homem

34
UNIDADE 7: SOLO

Unidade Objectivos Específicos Conteúdos Competências Tempo


Temática Os alunos devem ser capazes de: O aluno:
Estudo do solo Explica a importância do solo
Definir o solo; • Definição de solo para a agricultura e para os
• Importância do solo diferentes organismos;
• Factores que influem no processo de formação do solo:
Mencionar os factores que Meteorização
contribuem para a formação do solo; Agentes biológicos
Agentes químicos
Agentes físicos
Identificar as propriedades físico- Composição do solo 18
químicas do solo; • Parte mineral (areia, argila, limo, cascalho) Menciona os factores que
• Parte orgânica (húmus, humificação e contribuem para a formação do
mineralização) solo;
Realizar algumas experiências para • Ar
provar algumas características do
• Água (de absorção, capilar, freática)
solo; Perfil do solo
• Definição de horizontes do solo
Solo
• Diferentes tipos de horizontes do solo (O, A, B, C,
D) e suas características
• Propriedades físicas do solo Aplica na agricultura os
• Definição e importância da textura do solo, conhecimentos teóricos sobre o
humidade, permeabilidade, capilaridade e estudo do solo;
Identificar os horizontes do solo; porosidade.
Identificar os organismos do solo e • Propriedades químicas do solo
sua importância; • Definição e importância do pH do solo

Organismos no solo
• Organismos produtores
• Organismos consumidores
• Organismos decompositores

35
Unidade Objectivos Específicos Conteúdos Competências Tempo
Temática Os alunos devem ser capazes de: O aluno:

Aplicar as formas de melhoramento Fertilidade do solo


da do solo; • Definição e sua importância para a agricultura Aplica formas de melhoramento
do solo na comunidade;
Irrigação
Identificar os perigos da salinização • Definição da irrigação e sua importância para a
na agricultura; agricultura

Mencionar a importância da Salinização


fertilidade do solo, textura, humidade, • Definição e seu perigo para a agricultura.
capilaridade e irrigação para a
agricultura .

Sugestões metodológicas: Solo


os alunos, sob a orientação do professor poderão realizar uma excursão aos campos ou hortas escolares onde poderão ver o solo, abrir covas para
a apreciação dos horizontes do solo e recolher algumas amostras para o estudo na sala de aulas.
Com as amostras recolhidas, os alunos, poderão realizar algumas experiências de:
• poder de retenção da água pelos diferentes tipos de solos,
• capilaridade,
• permeabilidade
• pH do solo.
Para avaliar o poder de retenção do solo, os alunos, deitam as amostras recolhidas nos diferentes frascos transparentes não enchendo os frascos
até ao bordo. De seguida, deitam uma certa quantidade de água nos recipientes com as amostras e, deixam durante algum tempo. Depois,
observarão qual dos solos, teve maior ou menor poder de retenção da água. Esta experiência poderá ser válida para explicar a permeabilidade e
infiltração.
O pH, é uma abreviação de potencial (P) de hidrogénio (H), varia numa escala de 0 a 14, na qual o índice 7 corresponde à neutralidade, valores
abaixo de 7 indicam acidez e, acima, indicam alcalinidade.

36
Para a realização da experiência de pH do solo, os alunos deitam nos tubos de ensaios amostras dos diferentes tipos de solo. Em seguida deitam
água até a metade, agitam formando uma solução. Em cada solução introduz-se diferentes pedaços do papel azul de Tornizol (indicador do pH).
Os alunos ao retirar o papel deverão comparar as diferentes cores com a escala do pH ( alcalina, ácida ou neutra).

Indicadores de desempenho:

ƒ Aplica as formas de melhoramento da do solo;


ƒ Identifica os perigos da salinização na agricultura;
ƒ Menciona a importância da fertilidade do solo, textura, humidade, capilaridade e irrigação para a agricultura .
os factores que contribuem para a formação do solo;
ƒ Identifica as propriedades físico-químicas do solo;
ƒ Realizar algumas experiências para provar algumas características do solo;
ƒ Comprova através das experiências as características do solo.

37
VIII. AVALIAÇÃO
A avaliação é uma actividade didáctica, necessária, contínua e sistemática do trabalho do
professor, em todo o processo de ensino e aprendizagem.
É através desta, que se pode acompanhar a par e passo o domínio das matérias pelos alunos e
também obter resultados que vão surgindo no decurso do trabalho interactivo entre professor-
aluno e vice versa.
A avaliação é uma tarefa muito complexa que não pode ser entendida e nem resumida,
simplesmente, com provas e atribuição da nota ao aluno.

Alguns estudos feitos, mostraram que no actual sistema de ensino existe uma discrepância entre o
nível de transmissão pedagógica e o nível de recepção sendo a maior preocupação dos professores
o cumprimento dos programas no fim do ano, sem no entanto, certificarem se a maioria dos
alunos aprendeu o que se esperava que aprendesse.

No Ensino Secundário, o professor precisa saber o que é que vai avaliar, embora todos os
conteúdos tenham sua importância, não são todos que devem ser avaliados, senão aqueles
conteúdos que correspondem directamente as competências básicas e aos objectivos da classe
como são:
- Reconhecer a célula como unidade estrutural e funcional dos seres vivos;
- Estabelecer a relação entre a estrutura e função dos diferentes órgãos da planta;
- Reconhecer o metabolismo como processo de sínteses e degradação de substâncias;
- Argumentar a necessidade de protecção das plantas na comunidade;
- Reconhecer a importância das plantas na natureza e na sociedade em geral;
- Aplicar os métodos de reprodução vegetativa nas actividades agrícolas e na
jardinagem;
- Aplicar e divulgar na comunidade os conhecimentos sobre a acção das hormonas na
agricultura;
- Reconhecer a importância do solo para a agricultura e para os diferentes organismos.

Estes objectivos, podem ser avaliados de diferentes formas, nas provas sistemáticas , trimestrais,
de forma oral, escrita e em trabalhos práticos.

O professor deverá realizar varias actividades tais como perguntas, excursões, jogos, experiências
entre outras que lhe permitirão atingir os objectivos e medir os indicadores sugeridos em cada
uma das unidades temáticas.

Não devem ser perguntas reprodutivas. Elas devem dar possibilidades aos alunos para aplicarem
os conhecimentos relacionados com a vida diária, e desenvolver capacidades e habilidades assim
como atitudes e valores.
Os outros conteúdos servirão para enriquecer o nível de conhecimentos dos alunos.
A avaliação deve ser uma componente essencial e sistemática, tendo como finalidades:
• Avaliar as habilidades dos alunos através de trabalhos ou exercícios práticos.
• Avaliar o grau de assimilação da matéria pelos alunos através de perguntas orais ou testes
escritos (sistemáticos ou finais).
• Avaliar o cumprimento dos objectivos e competências básicas propostas no programa de
ensino. Para efeito, o professor, sempre que prepare as aulas, testes e outros trabalhos,
deve consultar o programa de ensino.

39
• A avaliação deve funcionar como termómetro para a medição dos esforços do professor
para a obtenção de informações sobre o desenvolvimento do seu próprio trabalho com os
alunos (auto-avalição)

Algumas actividades para os alunos que podem ser avaliadas:

1. Em grupos, os alunos podem preparar o estudo de alguns temas e apresentá-los em seminários,


tendo em conta o contexto e a disponibilidade de materiais. Temas sugeridos:
• Algumas técnicas de cultivo;
• Importancia das plantas para o mundo vivo;
• Importância da luz para as plantas,;
• entre outros.

2. Confecções de cartazes que ilustrem:


• a estrututa interna dos diferentes órgãos da planta;
• os horizontes do solo;
• os diferentes tipos de folhas;
• entre outros.

Durante o trabalho em grupo, o professor poderá avaliar:


• as formas de expressão utilizadas pelos alunos;
• o modo como os alunos se assimilaram os aspectos importantes incluindo a descrição de
um objecto;
• a descrição de informações quanto ao tipo de materiais utilizados e não só;
• se os títulos dos trabalhos apresentados resumem o desenvolvimento dos conteúdos;
• se os materiais apresentam uma sequência lógica e são compreensíveis;
• entre outros.

Durante a apresentação do seminário o professor deverá ser o moderador e no final deverá fazer a
síntese das discussões e esclarecer as dúvidas apresentadas pelos alunos e não respondidas.

40