Você está na página 1de 167

Indicadores de sustentabilidade

Nesta página constam alguns dados consolidados referentes às empresas V & M do BRASIL,
V & M FLORESTAL e V & M MINERAÇÃO. Todos os indicadores estão descritos na publicação.

Dados Gerais 2009 2008 2007

Número de empregados 5.287 5.633 5.375

Número de prestadores de serviço especializados 4.968 4.535 4.349

Produção de tubos de aço sem costura (mil t) 345 572 603

Investimentos (R$ milhões) 198 384 239

Custos de bens, materiais e serviços (R$ bilhão) 1,2 1,5 1,3

Receita líquida de vendas consolidada - (R$ bilhões) 2,2 2,7 2,4

Lucro líquido (R$ milhões) 489 502 490

Salários e benefícios dos empregados (R$ milhões) 386 367 334

Patrimônio líquido (R$ bilhões) 1,564 1,305 987

Recursos em investimento sociocultural – público externo (R$ milhões) 12,4 10,2 9,5

Total de horas de treinamento no ano (mil) 174,5 139,3 119,6

Investimentos diretos em meio ambiente (R$ milhões) 13,3 14 7

Emissões de gases causadores do efeito estufa (mil t CO2 /ano) 304 357,8 352,7

Resíduos não perigosos (mil t/ano) 259 314 332

Resíduos perigosos (t/ano) 2,6 5,1 4,2


1

relatório de sustentabilidade 2009


2
3

A V & M do BRASIL integra seus projetos,


programas e ações culturais e ambientais no
movimento Tempo Sustentável, transformando
a Empresa em um dos agentes de mudança.
Ao seu lado, estão presentes os empregados,
parceiros, clientes, fornecedores, poder público,
comunidade e todos aqueles que buscam
promover o desenvolvimento humano em prol
de uma vida melhor para esta e as próximas
gerações. Um movimento que começa na nossa
vida e reflete no amanhã de todos os cidadãos.

V & M do Brasil, aprimorando a qualidade e


valorizando a vida.
4

ÍNDICE
6
PERFIL DO RELATÓRIO
Perfil do relatório_____________________________________________________________________8
Escopo e Limites_____________________________________________________________________8
Avaliação e Teste de Materialidade do Relatório__________________________________________10

VISÃO DE SUSTENTABILIDADE
12
Mensagem da Presidência____________________________________________________________14
Sustentabilidade na Visão das Empresas V & M do BRASIL__________________________________16
Objetivos Corporativos e Conquistas em 2009 ___________________________________________17
Objetivos do Milênio_________________________________________________________________18
Evolução da Gestão Sustentável________________________________________________________20
Produtos e Serviços Sustentáveis_______________________________________________________22
Metas de Sustentabilidade da V & M do BRASIL_________________________________________23

26
PERFIL DAS EMPRESAS V & M do BRASIL
Perfil das Empresas V & M do BRASIL__________________________________________________28
Estrutura Societária__________________________________________________________________31
Participação em Fóruns e Entidades Empresariais_________________________________________34
A Indústria do Aço em 2009__________________________________________________________34
Sustentabilidade dos Negócios_________________________________________________________36
Premiações e Reconhecimentos________________________________________________________36

38
GOVERNANÇA CORPORATIVA
Governança Corporativa______________________________________________________________40
Estrutura de Comando e Decisão_______________________________________________________40
Programa de Participação Acionária Vallourec - Value 09___________________________________41
Código de Ética_____________________________________________________________________42
Relacionamento com as Partes Interessadas_____________________________________________43
Públicos de Relacionamento das Empresas V & M do BRASIL______________________________44
Comunicação Interna________________________________________________________________48
Comunicação Externa________________________________________________________________50

52
SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO
Sistema Integrado de Gestão__________________________________________________________54
Vallourec Management System (VMS)__________________________________________________54
O SIG em 2009_____________________________________________________________________55
Principais Certificações da V & M do BRASIL____________________________________________57
Gestão de Logística__________________________________________________________________58
Gestão de Riscos____________________________________________________________________59
Gestão de Fornecedores_____________________________________________________________ 60
5

62
CLIENTES E MERCADOS
Clientes e Mercados_________________________________________________________________64
Responsabilidade Pelo Produto________________________________________________________64
Foco na Satisfação do Cliente_________________________________________________________65
Segmentos de Mercado______________________________________________________________66

72
INDICADORES DE DESEMPENHO ECONÔMICO
Vendas____________________________________________________________________________74
Investimentos_______________________________________________________________________74
Distribuição do Valor Adicionado______________________________________________________75
Produção__________________________________________________________________________75

76
INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL
Compromisso com o Meio Ambiente___________________________________________________78
Tubo Verde: Produto Sustentável das Empresas V & M do BRASIL___________________________80
O Tempo Sustentável na Prática________________________________________________________82
Materiais__________________________________________________________________________83
Energia___________________________________________________________________________85
Energia Elétrica_____________________________________________________________________87
Água_____________________________________________________________________________91
Efluentes __________________________________________________________________________94
Biodiversidade_____________________________________________________________________95
Emissões__________________________________________________________________________98
Créditos de Carbono_______________________________________________________________100
Transporte________________________________________________________________________101
Ruídos___________________________________________________________________________102
Resíduos_________________________________________________________________________104
Investimentos Ambientais___________________________________________________________110
Conformidade_____________________________________________________________________111

112
INDICADORES DE DESEMPENHO SOCIAL
Responsabilidade com o Público Interno_________________________________________________114
Responsabilidade com o Público Externo_______________________________________________135
Fundação Sidertube________________________________________________________________150
Coomann________________________________________________________________________156

ÍndicE REMISSIVO GRI ______________________________________________________________157


Declaração de Conformidade _______________________________________________163
Expediente __________________________________________________________________________164
6

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DO R E LATÓR IO


8

PerFil do relatório
O Relatório de Sustentabilidade é distribuído aos
A nona edição do Relatório de Sustentabilidade das
públicos com os quais as empresas
empresas V & M do BRASIL apresenta novidades
V & M do BRASIL se relacionam, entre eles
em relação à publicação de 2008. O layout está mais
lideranças comunitárias, clientes e distribuidores,
moderno e atrativo, harmonizando cores, textos e
fornecedores e prestadores de serviço, entidades
imagens para tornar a leitura leve e agradável. O tema
sociais, poder público, imprensa, órgãos
Tempo Sustentável – conceito que traduz as práticas
ambientais, reguladores e fiscalizadores. Os
socioambientais das empresas – encontra-se presente
empregados recebem uma versão resumida da
em toda a publicação.
publicação. O conteúdo está disponível ainda
no site www.vmtubes.com.br, nas versões em
Quanto ao conteúdo, o documento apresenta dados
português e inglês.
das empresas: V & M do BRASIL (também identificada
como Usina Barreiro ou simplesmente VMB),
V & M FLORESTAL (que aparece como VMFL) e
V & M MINERAÇÃO (cuja abreviação é VMMN).
escopo e limites
O Relatório
Este Relatório apresenta os resultados das empresas
demonstra as
V & M do BRASIL em 2009. Informações ou dados fora
iniciativas de
a V & M do brasil desse período estão devidamente descritos no texto.
desenvolvimento
é identificada neste Além da VMB, VMFL e VMMN, são citadas a Fundação
econômico, social e
relatório como usina Sidertube (entidade privada sem fins lucrativos que
ambiental em prol
barreiro ou simplesmente atua em prol da melhoria da qualidade de vida dos
da sustentabilidade
VMb, a V & M Florestal empregados e familiares) e a Cooperativa de Economia
das empresas
aparece como VMFl e e Crédito Mútuo dos Empregados (Coomann).
V & M do BRASIL
a V & M MineraÇÃo é e de sua relação
Os limites e a metodologia de apuração de dados
abreviada como VMMn. com os stakeholders
foram mantidos conforme publicações anteriores. As
(partes interessadas).
alterações que possam comprometer a comparação de
Os textos equilibram
dados estão devidamente explicadas.
descrições de ações e
projetos corporativos de forma
A veracidade das informações é de responsabilidade
integrada e, em algumas seções, há
dos gestores das diversas áreas das empresas
informações específicas sobre determinada empresa,
V & M do BRASIL, que seguem as metodologias
de acordo com o assunto abordado.
de cálculo de desempenho e de controle previstas
no Sistema Integrado de Gestão (página 54) e os
Por uma decisão sustentável, o Relatório de 2009 foi
indicadores GRI.
impresso em papel reciclado na versão português e,
para a versão em inglês, optou-se pela publicação
As informações contábeis foram auditadas nas
eletrônica.
Demonstrações Financeiras pela Deloitte Touche
Tohmatsu – Auditores Independentes (a íntegra das
Pelo quinto ano consecutivo, foram adotadas as
Demonstrações Financeiras é publicada no Relatório
diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI)*, sendo as
Anual V & M do BRASIL).
três últimas edições na versão G3.

*A Global Reporting Initiative (GRI) visa à melhoria e padronização da prestação de contas das empresas por meio de vários indicadores de perfis organizacionais,
sociais, ambientais e econômicos. A versão G3 estabelece diretrizes mais avançadas, seguindo um padrão mundial para a produção de relatórios de sustentabilidade.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DO R E LATÓR IO


Empregados da V & M do BRASIL
avaliaram o Relatório de 2008 e sugeriram
melhorias para esta edição
10

organizações não governamentais e clientes, entre


As partes interessadas podem tirar dúvidas outros, avaliaram o Relatório de 2008, identificando
sobre este Relatório no site www.vmtubes.com.br pontos fortes e oportunidades de melhoria no relato
e enviar sugestões para o e-mail de práticas de gestão, indicadores de desempenho de
contato@vmtubes.com.br. Na publicação, sustentabilidade e outros assuntos relevantes.
encontra-se encartado um questionário de
avaliação, cujo preenchimento é de suma Houve duas reuniões nesse processo de engajamento
importância para a melhoria das informações dos stakeholders. Na primeira, em 18 de novembro
a serem apresentadas na próxima edição. Os de 2009, participaram representantes de diversas
endereços e e-mails dos profissionais das áreas áreas das empresas V & M do BRASIL para avaliação
internas das empresas estão listados na página 164. do Relatório anterior, além da realização do Teste
de Materialidade para identificar os temas de maior
relevância para a gestão da Empresa e para divulgação
nesta edição.
avaliação e teste de
Materialidade do relatório Na segunda reunião, realizada em 16 de dezembro,
foi feito um painel para a definição da materialidade
Para produzir este Relatório, foi aplicado, pelo dos assuntos de sustentabilidade envolvendo cerca de
segundo ano consecutivo, o processo de engajamento 20 pessoas de grupos de stakeholders externos, como
de stakeholders adotado pela GRI. Por meio dele, lideranças comunitárias, representantes de ONGs,
representantes da comunidade, poder público, órgãos ambientais e fornecedores, entre outros.

Stakeholders externos contribuíram para a


Stakeholders externos
definição dos temas prioritários deste Relatório
contribuíram para a definição dos
temas prioritários deste Relatório
r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DO R E LATÓR IO
11

Também houve consultas a distância por e-mail, com o conteúdo publicado àquele estabelecido pelas
28 questionários respondidos pelo público interno e 30 diretrizes da GRI. Como essa ferramenta passou por
pelo público externo. uma atualização de estrutura, perguntas e formas de
pontuação, não é possível fazer uma comparação entre
A análise do Relatório do ano anterior foi pautada os resultados a seguir e os publicados no Relatório de
pelos princípios da GRI descritos no quadro a Sustentabilidade de 2008.
seguir. Pela segunda vez, foi utilizada a ferramenta
Relata©Stakeholders, cujo objetivo é confrontar

relata©staKeHolders: aValiaÇÃo do relatório de 2008


MÉdia de MÉdia de
resultados da resultados da
PrinCÍPios Gri oFiCina CoM oFiCina CoM MÉdia Geral
staKeHolders staKeHolders
internos externos
1 – Materialidade 82% 72% 77%
2 – Inclusão de stakeholders 88% 87% 87,5%
3 - Contexto da sustentabilidade 91% 80% 85,5%
4 – Abrangência 73% 76% 74,5%
5 – Equilíbrio 82% 80% 81%
6 – Comparabilidade 73% 60% 66,5%
7 – Exatidão 63% 60% 61,5%
8 – Periodicidade 100% 100% 100%
9 – Clareza 88% 68% 78%
10 – Confiabilidade 82% 60% 71%

resultado do teste de Materialidade:


temas de maior interesse indicados pelos
stakeholders
este trabalho foi
1 – Qualidade dos produtos coordenado pela bsd
2 – Saúde e segurança Consulting, que orientou
3 – Excelência em governança corporativa e a equipe envolvida
transparência no levantamento de
4 – Estratégias para minimização de impactos informações e na produção
5 – Uso racional e reúso da água deste relatório sobre a
6 – Conformidade legal utilização das diretrizes da
7 – Condições de trabalho adequadas e avaliação dos ferramenta Gri.
direitos humanos
8 – Consumo e eficiência energética
9 – Código de Ética
10 – Política de responsabilidade social e ambiental

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DO R E LATÓR IO


12

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


13

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


14

MensaGeM da PresidÊnCia
Para nós, ser
sustentável é ter
Movimento para um tempo sustentável a capacidade de
enfrentar os desafios
Lato senso, sustentabilidade significa sobrevivência. O crescimento desordenado pelo do nosso tempo,
qual o mundo passa impacta toda a civilização, o meio ambiente e a economia. Para nós, com confiança,
portanto, ser sustentável é ter a capacidade de enfrentar os desafios do nosso tempo, responsabilidade,
com confiança, responsabilidade, criatividade e inovação. Isso exige nos superarmos, como criatividade e inovação.
empresa competitiva e ambientalmente correta, preservando os nossos maiores ativos: as
pessoas que aqui trabalham e aquelas que colaboram e interagem conosco, multiplicando e
compartilhando todo o conhecimento e experiências adquiridos nessa direção.

Com o cenário de turbulência econômica desde o final de 2008 e ao longo de todo o ano de 2009, nossa produção foi
impactada pela redução da demanda por tubos de aço sem costura (com uma queda de 40% em relação ao ano anterior,
passando de 572 mil toneladas em 2008 para 345 mil em 2009), mas procuramos manter nossa competitividade e demonstrar
nossa capacidade de adaptação, redefinindo metas, revendo custos e adequando operações para atender ao mercado incerto.

Focamos nossos esforços para garantir a empregabilidade, valorizando as competências individuais e o trabalho em equipe dos
empregados e colaboradores.

O compromisso social das empresas V & M do BRASIL também se manteve em evidência. Apesar da redução de faturamento
(a receita líquida de vendas consolidadas em 2009 foi de R$2,2 bilhões, quase 18% a menos que em 2008), continuamos
investindo e realizando projetos socioambientais e culturais direcionados às comunidades com as quais nos relacionamos.
Destacamos o projeto Comunidade Viva que vem contribuindo, desde 2005, para o desenvolvimento da Vila Dom Bosco, área de
vulnerabilidade social vizinha à Usina Barreiro, por meio da educação, geração de trabalho e renda e organização comunitária, e
que foi ampliado para o Bairro das Indústrias, também vizinho da Usina. As ações de cunho social e cultural implantadas pelas
subsidiárias V & M FLORESTAL e V & M MINERAÇÃO estreitaram o relacionamento e geraram melhorias para muitas famílias
do interior de Minas Gerais.

Tendo como base que a segurança é nosso maior valor, conquistamos a marca histórica de quase 1,9 milhão de horas/homens
sem acidentes de trabalho com afastamento na V & M MINERAÇÃO; uma redução de 60% no número de acidentes na Usina
Barreiro e de 48% na taxa de frequência de acidentes na V & M FLORESTAL. Esse índice, o melhor dos últimos cinco anos, teve
como fator determinante o empenho de toda a equipe, a intensificação da comunicação entre os grupos de trabalho e um maior
envolvimento dos gestores com o dia a dia dos empregados.

Outro ponto positivo que merece destaque é a melhoria do relacionamento com nossos clientes. O programa Foco no Cliente.
desenvolvido a partir da pesquisa de satisfação realizada no final de 2008, gerou bons frutos. As respostas da pesquisa, depois
de analisadas, desencadearam planos de ação durante todo o ano de 2009. O resultado disso foi o estreitamento na relação
entre a VMB e os clientes e a melhoria nos processos e serviços.

Tivemos recomendações e recertificações nas normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001, entre outras, voltadas para a
gestão nas áreas da qualidade, meio ambiente, saúde e segurança, garantindo nossa continuidade como referência no setor.

Fechamos 2009 oferecendo à sociedade mineira um presente de grande valor ao patrimônio histórico-cultural: o restauro
completo da fachada do V & M BRASIL Centro de Cultura – edifício que abrigava o antigo Cine Theatro Brasil, no centro da
cidade de Belo Horizonte, e que está sendo revitalizado com a expectativa de se tornar um espaço cultural de vanguarda. No
final do ano, a V & M do BRASIL e a Fundação Sidertube acenderam as luzes das janelas do prédio, resgatando o charme de
sua arquitetura art déco.

As luzes acesas apontam caminhos que conduzem nossas empresas para a construção de uma sociedade mais justa e
desenvolvida, na direção de um Tempo Sustentável.

Alexandre de Campos Lyra


Diretor-geral da V & M do BRASIL

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


15

Alexandre de Campos Lyra, diretor-geral da V & M do BRASIL


r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE
16

sustentabilidade na VisÃo das


eMPresas V & M do brasil

Em 2009, as práticas de responsabilidade social,


ambiental e econômica das empresas
V & M do BRASIL (VMB) foram reunidas em um
conceito: o Tempo Sustentável. Mais que um programa,
trata-se de uma proposta de atuação, um movimento
liderado pela Empresa, que sirva de exemplo para todos
nós, multiplicando valores que possam influenciar o
presente e o futuro. A Empresa é capaz de exercer
influência positiva sobre a sociedade, mostrando que o
desenvolvimento econômico não caminha sozinho, mas
depende de atitudes socioambientais responsáveis.

O Tempo Sustentável consolida as ações voltadas para


a sustentabilidade, descritas ao longo de todo este
relatório, e ultrapassa os muros da Empresa: em cada
iniciativa, a VMB procura mostrar às pessoas que é
preciso agir de maneira responsável no ambiente de
trabalho, na cidade, em casa, em todos os lugares, para
que as melhorias econômicas, sociais e ambientais
sejam efetivas e reflitam nesta e nas futuras gerações.

o impacto nos negócios da empresa


Todo o investimento em ações socioambientais tem
gerado um impacto positivo na imagem e reputação da
Empresa e na sua credibilidade no mercado, o que é
relevante para a perenidade do seu negócio, enquanto
principal fabricante de tubos de aço sem costura no
país.

Contribuição para a indústria do aço


Os tubos de aço sem costura da VMB são produzidos
de forma ecologicamente correta, dando origem ao
chamado “Tubo Verde” (ver página 80), diferencial
competitivo que contribui para a promoção do setor
siderúrgico nacional.

Ainda como exemplo e referência para alavancar o


setor, a VMB foi a primeira siderúrgica do mundo com
projeto aprovado de venda de crédito de carbono junto
à Organização das Nações Unidas (ONU), em 2007.

Empresas V & M do BRASIL:


respeito à fauna e flora

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


17

obJetiVos CorPoratiVos
e ConQuistas eM 2009
AÇO VERDE: EM DESTAQUE NA ATUALIDADE,
HÁ ANOS PRODUZIDO PELA VMB As empresas V & M do BRASIL possuem objetivos
corporativos voltados para a sustentabilidade. São eles:
O Aço Verde, bastante divulgado nos noticiários
em 2009, é fruto de um processo de produção • zelar pela saúde, segurança e bem-estar
autossustentável que utiliza o carvão vegetal dos empregados, prestadores de serviço e
(fonte de energia renovável proveniente de colaboradores;
reflorestamento) em substituição ao carvão • contribuir para o desenvolvimento das
mineral. A produção de aço a partir do carvão comunidades onde as empresas estão inseridas;
vegetal torna a indústria siderúrgica aliada no • buscar a melhoria contínua dos processos;
desafio de reduzir as emissões de gases que • primar pela qualidade de seus produtos e serviço;
provocam o efeito estufa. Além disso, o aço é um • estabelecer relações éticas e justas com todas as
dos materiais mais recicláveis e reciclados do partes interessadas (stakeholders);
mundo. • conciliar o desenvolvimento de seus negócios a
práticas ambientais responsáveis;
Para a V & M do BRASIL, o Aço Verde é realidade • manter a liderança no mercado nacional de tubos
há muitos anos. Em 1969, foi criada a subsidiária de aço sem costura, atuando como referência para o
V & M FLORESTAL com o objetivo de utilizar setor siderúrgico.
energia renovável do carvão vegetal de florestas
plantadas de eucalipto na produção de aço na Com base nesses objetivos, as empresas obtiveram
siderurgia. importantes conquistas em 2009. A seguir, são
relacionados alguns exemplos.
O Tubo Verde sintetiza o processo de produção
sustentável da Empresa e demonstra que seu destaques nas três empresas
negócio está intimamente ligado a práticas que
respeitam o meio ambiente (ver na página 80). • Melhoria de desempenho dos GMCs
Os Grupos de Melhoria Contínua (GMCs) são
formados por pessoas com funções e habilidades
diferentes que, por meio de soluções de problemas,
proporcionam melhoria dos processos na Empresa.
Há auditorias de certificações e, na classificação
ouro, o número de grupos passou de 40 para 117
(aumento de quase 300% em relação a 2008).
Informações página 54.

• Fortes indicadores de segurança


Houve uma redução de 60% no número de
acidentes em relação a 2008 na Usina Barreiro.
A VMMN atingiu a marca histórica de quase 1,9
milhão de horas/homens trabalhadas sem acidentes
com afastamento, e a VMFL reduziu a taxa de
frequência de acidentes em 48%. Informações
página 129.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


18

usina barreiro • Mecanização da Empresa


• Atenção voltada para os clientes Foi implantado, em um primeiro momento, o
O atendimento aos distribuidores e clientes foi projeto de mecanização na região de Curvelo, e se
fortalecido com o programa Foco no Cliente, que estenderá para as demais regionais como parte da
visa a conhecer a realidade dos processos internos mudança de tecnologia que permitirá, a partir de
desses públicos e oferecer produtos e serviços que 2010, a ampliação da capacidade de fornecimento
atendam às suas demandas. Informações página 65. de carvão vegetal para o Grupo.

• Maior aproximação com a comunidade


A melhoria do relacionamento com os moradores V & M MineraÇÃo
do entorno, de forma sistematizada, foi uma das • Concentrador magnético em operação
principais conquistas de 2009. O público vizinho à Adquirido em 2008, o equipamento começou
Usina manifestou sua opinião quanto às questões a operar em 2009 na Mina Pau Branco. Essa
ligadas à atividade da Empresa na região e foi tecnologia permite explorar parte do minério que
beneficiado pelo desenvolvimento de projetos e antes era considerado estéril por possuir menor teor
ações socioambientais direcionados à comunidade de ferro. Informações página 82.
(o que também ocorreu com as comunidades
próximas das outras empresas). Informações páginas • Mudança da missão e visão
135 a 149. A Mina Pau Branco destina de 10 a 20% da
produção de minério de ferro para a Usina Barreiro
• Ampliação da Base de Serviços em Rio das e o restante é vendido a clientes externos. A VMMN
ostras consolidou em 2009 o processo de mudança de
Em 2009, a V & M do BRASIL ampliou a atuação sua missão e visão de acordo com sua expectativa
da Base de Serviços em Rio das Ostras, que tem para os próximos anos: direcionar mais de 70% da
por objetivo aumentar a proximidade com o cliente, produção internamente para o Grupo Vallourec,
proporcionando mais agilidade e qualidade no incluindo a Usina Barreiro e o novo complexo
atendimento, oferecendo uma solução integrada Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil, em
no fornecimento de tubos, acessórios e serviços construção.
aplicáveis no mercado de óleo e gás.

obJetiVos do MilÊnio
V & M Florestal
• Avaliação da Serra do Cabral e das
As empresas V & M do BRASIL desenvolvem diversas
comunidades
ações sociais, culturais e ambientais em sintonia com
Após a aquisição, em 2008, de áreas na Serra
os Objetivos do Milênio estabelecidos pela Organização
do Cabral, a equipe de relacionamento com
das Nações Unidas (ONU). Esses objetivos representam
comunidades iniciou uma pesquisa sobre os
as metas assumidas por chefes de Estado de 191 países
municípios e suas particularidades, com o objetivo
no ano 2000, entre eles o Brasil, para contribuir com o
de estudar a futura área de atuação da VMFL. Em
desenvolvimento social até 2015.
janeiro de 2009, tiveram início as atividades de
apresentação institucional nos seis municípios de
No quadro a seguir, são listadas algumas dessas
abrangência da Serra do Cabral, estendendo depois
iniciativas das empresas, e as principais encontram-se
para as comunidades do entorno. Informações
detalhadas em seções específicas deste relatório.
página 96.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


19

Informações sobre os Oito Objetivos do Milênio podem ser obtidas no site www.pnud.org.br/odm.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


20

eVoluÇÃo da GestÃo sustentÁVel

2000
- A Mannesmann
S.A se integra à joint 2005
venture Vallourec & 2001
Mannesmann Tubes e
passa a se chamar - Início do diagnóstico para o
- Início de investimentos em desenvolvimento do projeto Germinar
V & M do BRASIL.
projetos culturais direcionados às V & M do BRASIL (atual Comunidade
comunidades. Viva) visando a investimentos sociais
sistematizados na Vila Dom Bosco,
- Lançamento do Código de Ética da região vizinha à Usina Barreiro.
V & M do BRASIL.
- Realização da 3ª Pesquisa de Clima
- É realizada a 1ª Pesquisa de Clima Organizacional, com alcance de 63% de
Organizacional, com alcance de 49% favorabilidade.
de favorabilidade.
- O Balanço Social e Ambiental obtém
- A V & M do BRASIL publica o seu 128 pontos (53% dos indicadores da
1º Balanço Social e Ambiental. GRI são respondidos).

2002

- Implementação do programa
Dialogia.

- Certificação segundo a norma


2004
OHSAS 18001.
- Lançamento do programa de
- São lançados os programas educação socioambiental “Fazer
“De Braços Abertos” e Acontecer” , envolvendo 30
“Integrar-se”. escolas públicas da região do
Barreiro.

- O Balanço Social e Ambiental


2003 adota a GRI 2002 como ferramenta
de apresentação de resultados
(49% dos indicadores são
respondidos, com obtenção de
- Realização da 1ª pesquisa de 77 pontos quanto ao status e
imagem junto à comunidade do evidência das informações).
Barreiro.

- Realização da 2ª Pesquisa
de Clima Organizacional,
com alcance de 61% de
favorabilidade.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


21

2006
- Aquisição do antigo Cine Brasil para
restauração e transformação no
V & M BRASIL Centro de Cultura.

- Criação da Superintendência de
Desenvolvimento Sustentável e Relações
Corporativas, integrando áreas-chave para 2007
a promoção do desenvolvimento: meio
ambiente, comunicação, integração com a
comunidade, projetos sociais e incentivados.
- Criação do Espaço Tubo Verde.
- O Balanço Social e Ambiental adere à
- É realizada a 1ª venda de Créditos
versão G3 da GRI e obtém 120 pontos (73%
de Carbono (projeto de geração de
dos indicadores da GRI são respondidos) e
energia elétrica com uso de combustíveis
o nível B de aplicação dos indicadores.
renováveis).

- O Balanço Social e Ambiental obteve


125 pontos na avaliação da BSD
Consulting e o nível B de aplicação dos
indicadores (86% dos indicadores da GRI
são respondidos).

2008
- Restauração dos vitrais do
V & M BRASIL Centro de Cultura.

- Realização da 4ª Pesquisa de Clima Organizacional,


com alcance de 60% de favorabilidade.

- O Balanço Social e Ambiental passa a se chamar


Relatório de Sustentabilidade. 2009
- Implantação do programa corporativo Cap Ten Safe
- Criação do Comitê de Sustentabilidade na
que prevê iniciativas para a melhoria do desempenho
V & M do BRASIL para coordenar e acompanhar
na área de segurança. assuntos inerentes à sustentabilidade.

- Pela primeira vez, as empresas V & M do BRASIL - Renovação da licença ambiental da VMB
realizam a Relata©Stakeholders e Teste de e VMMN por sete anos.
Materialidade junto aos seus públicos interno e
externo. - Levantamento e integração dos projetos
socioculturais apoiados pelas empresas.

- Ampliação do projeto Comunidade Viva (ex-Germinar


V & M do BRASIL) para o Bairro das Indústrias, vizinho
à Usina Barreiro, fortalecendo o relacionamento da
Empresa com a comunidade do entorno.

- Revitalização da fachada do prédio do


V & M BRASIL Centro de Cultura.

- Alcance do nível A no Relatório de Sustentabilidade


de 2008, publicado e distribuído em 2009, com 100%
dos indicadores ambientais e 98% dos indicadores
sociais respondidos.

- Aplicação da Relata©Stakeholders e Teste de


Materialidade, junto aos seus públicos interno e
externo, pela 2ª vez.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


22

Produtos e serViÇos substituição às telas metálicas. O teste com a nova


sustentÁVeis tela durou 3.200 horas e apresentou uma economia
anual superior a 70% dos custos operacionais do
As empresas V & M do BRASIL vêm desenvolvendo peneiramento.
produtos, serviços e soluções que conciliam vantagens
econômicas e benefícios ao meio ambiente. A seguir, há A durabilidade das telas de poliuretano supera
exemplos desses investimentos. em 29 vezes a das telas metálicas. O gasto anual
com a reposição de telas de poliuretano em uma
novas telas no peneiramento do minério das plantas gera uma economia anual de 72,4%,
Em 2009, nas instalações de beneficiamento de minério equivalente a R$ 187 mil, nos custos do peneiramento.
na Mina Pau Branco (VMMN), foi desenvolvida uma Considerando a aplicação também na outra instalação
aplicação de telas de peneiramento de poliuretano em de beneficiamento da Mina, a economia global seria
da ordem de R$ 295 mil por ano. Ainda, estima-se
ganho de 6,6 pontos percentuais no total de horas
trabalhadas, resultando em um aumento de produção
de 287 mil toneladas/ano.

A planta de concentração (ver box “O Tempo


Sustentável na Prática”, página 82) que será construída
em 2010 terá todas as peneiras com telas de
poliuretano.

Pontaletes ecológicos
Uma ideia aparentemente simples, mas que pode
impedir o corte de milhares de árvores. A equipe de
Planejamento e Logística da VMB vem consolidando
uma substituição ecologicamente correta: pontaletes
(onde são apoiados e sustentados os tubos depois de
prontos) de madeira por outros fabricados a partir do
bagaço de cana e de garrafas PET. Entre os primeiros
estudos e os testes realizados em 2009, passaram-se
dois anos, e os pontaletes estão sendo utilizados na
armazenagem e no transporte interno de tubos. As
avaliações continuam e a meta é usar os pontaletes
ecológicos também no transporte externo.

soluções para o carro verde


Em 2009, a Fiat Automóveis realizou o evento chamado
“Carro Verde”, no qual convidou fornecedores para
apresentar soluções sustentáveis. Entre os convidados
estava a Divisão de Tubos Automotivos da
V & M do BRASIL. Com as soluções tubulares da
VMB, foi possível reduzir o peso do veículo em 3.800
kg, tornando-o mais leve, com necessidade de uma
quantidade menor de combustível e poluindo menos o
Mais duráveis, as telas de poliuretano em
substituição às metálicas possibilitam economia meio ambiente.
financeira e ganho em horas trabalhadas

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


23

Metas de sustentabilidade da V & M do brasil

Meio aMbiente

indiCador Meta ano / status inForMaÇÕes CoMPleMentares

O consumo foi de 1,64 milhão de m³ no ano, com o apoio


Consumo de 2,112 milhões de m³ na 2009
Água do Grupo de Melhoria Contínua e da Operação Água
VMB. Meta alcançada
Limpa.
2009 O consumo total de energia elétrica na VMB foi de
Energia elétrica Consumo de 282,2 mil MWh na Usina.
Meta alcançada aproximadamente 277 mil MWh.
2009 Apesar dos investimentos no uso de fontes renováveis,
Emissão de 106,5 mil toneladas de CO2
Emissão de CO2 Meta não entre outros, a meta não foi cumprida: foram emitidas
na VMB.
alcançada 131.878 toneladas de CO2.
Reduzir os ruídos na Usina que Uma série de medidas foram implantadas para atingir
incomodavam a comunidade vizinha, 2009 essa meta. Em 2009, foi realizada a 1ª etapa do Projeto
Emissão de ruídos
com índices dentro dos padrões e sem Meta alcançada de Redução da Poluição Sonora para identificar e propor
metas mensuráveis. ações direcionadas às principais fontes de ruído na VMB.
A geração total de resíduos no ano foi de 261.375
Geração de 280,3 mil toneladas de 2009 toneladas. Além da reciclagem e reutilização de resíduos,
Resíduos
resíduos na VMB. Meta alcançada um importante investimento foi a adequação das áreas de
armazenamento na Usina.
O descarte de água para o interceptor Copasa foi de 162
Geração de 192 mil m³ de efluentes 2009 mil m³. Na Usina, é feito o monitoramento de efluentes e
Efluentes
na Usina. Meta alcançada também há o sistema de coleta pluvial. Cerca de 98% do
efluente tratado é recirculado.
A Empresa vem buscando reduzir seu consumo por meio
Economia de 0,12 m³/tonelada (tubo
da recirculação e otimização do uso de água.
+ aço), redução de 6% em relação ao 2010
Água Enquanto em 2009 a meta foi prevista em m³, para 2010 foi
real específico de 2009 na VMB, que Planejado
estabelecida em m³/tonelada, optando-se por apresentar o
foi de 2,18 m³/tonelada (tubo + aço).
valor específico em vez de o absoluto.
Para 2010, a Empresa vai estabelecer nove grupos de
trabalho de melhoria em todas as áreas operacionais da
Empresa, atuando diretamente em iniciativas de redução
Consumo de 326 kWh/tonelada (tubo
de consumo de energia elétrica e Gás Natural. A meta
+ aço), redução de 12% em relação ao 2010
Energia elétrica corporativa é desdobrada para as áreas que acompanham
real específico de 2009 na VMB, que Planejado
as metas em reuniões gerenciais mensais.
foi de 368 kWh/tonelada (tubo + aço).
Enquanto em 2009 a meta foi prevista em MWh, para
2010 foi estabelecida em kWh/tonelada, optando-se por
apresentar o valor específico em vez de o absoluto.
Uma das metas da VMB é economizar o combustível Gás
Redução de 5% em relação ao real
2010 Natural utilizado no processo, que irá impactar na redução
Gás natural específico de 2009 na VMB, que foi de
Planejado das emissões de CO2, o principal objetivo do projeto
654 kWh/tonelada (tubo + aço).
Greenhouse.
A 1ª safra de créditos de carbono da V & M do BRASIL foi
comercializada em 2007 (68 mil toneladas de CO2 evitados,
Validação da 2ª safra por entidade 2010
Créditos de carbono ou seja, 68 mil Reduções de Emissão Certificadas – RECs).
competente. Planejado
Para a 2ª safra, o montante estimado é de cerca de 100
mil RCEs.
Tiveram continuidade o monitoramento e controle das
Redução em 10% dos índices de emissões atmosféricas por meio da Operação Esponja.
poeiras e materiais particulados nos 2012 O projeto de enclausuramento do basculador de carvão
Emissão de poeiras
principais equipamentos da siderurgia Planejado vegetal NATEC resultou em melhoria da qualidade do ar
na Usina. de cerca de 5% (entre dezembro de 2008 e de 2009) no
entorno da Usina.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


24

saÚde e seGuranÇa no trabalHo

indiCador Meta ano / status inForMaÇÕes CoMPleMentares

Foram feitos estudos, através de programas de vigilância


em saúde, dos principais sintomas/patologias. Também
2009
Fazer levantamento do perfil houve ações de prevenção a doenças epidemiológicas e
Saúde Meta alcançada
epidemiológico dos empregados. ocupacionais e foram feitas 1.165 avaliações pelos comitês
de ergonomia para melhorar o conforto e a saúde no
trabalho.
2010
O programa foi implantado com a realização de várias
Implantar o programa corporativo A meta foi
ações que influenciaram positivamente os índices de
Cap Ten Safe. alcançada em
segurança nas empresas.
2009
2010
Alcançar taxa de frequência de Na VMFL, o índice foi de 4,76 ao ano; na VMMN, de 2,2
A meta foi
acidentes igual ou menor que cinco (a menor taxa de frequência dos últimos três anos); e na
alcançada em
nas empresas. VMB, de 3,3 (o melhor resultado de sua história).
2009
O objetivo desses treinamentos é que o empregado tenha
mais consciência sobre a importância da segurança no
Realizar treinamentos e programas de
2010 trabalho e aprenda a reconhecer as condições de riscos, e
capacitação em segurança de acordo
Planejado que os gestores conheçam as normas regulamentadoras
com as especificidades de cada área.
Segurança de segurança e aprimorem suas percepções na
identificação dos riscos nas áreas.
Realizar o Dia da Segurança, no qual
superintendentes e gerentes devem
visitar todos os postos de trabalho 2010 O objetivo é construir um relacionamento cada vez mais
para dialogar com os empregados e Planejado transparente e aberto entre as empresas e os empregados.
discutir questões de segurança nas
empresas.
A Convenção de Segurança deve acontecer ao final da
Promover a Convenção de Segurança
Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho
para apresentação e troca de 2010
(Sipat) Unificada 2010, em maio. Em inglês intitulado
experiências entre as melhores Planejado
Safety Convention, esse evento ocorrerá também nas
práticas das empresas.
outras empresas do Grupo Vallourec.
Oferecer palestras em prol da saúde Pretende-se abordar temas como álcool e drogas e
2010
e melhoria da qualidade de vida dos também sobre problemas respiratórios decorrentes do
Planejado
empregados. tabagismo.
Saúde Devem ser realizadas campanhas de combate à dengue,
Realizar campanhas de
2010 sobre hábitos de higiene e alimentação saudável, de
conscientização, preventivas e de
Planejado vacinação contra a gripe, rubéola, tétano e febre amarela,
vacinação.
entre outras ações.

Empregados desempenham sua função com segurança


r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE
25

Arte e cultura ao alcance de todos

desenVolViMento de Pessoas

indiCador Meta ano / status inForMaÇÕes CoMPleMentares

Realizar planos de ação Com base na Pesquisa de Clima Organizacional realizada


2009
Clima para melhoria permanente em 2008 e após 32 workshops realizados com 640
Meta alcançada
Organizacional do clima no ambiente de empregados, foram definidas ações corporativas e
trabalho. iniciativas das superintendências para os próximos anos.
Ampliação do programa
Gestão de Desempenho, O programa, que em 2008 teve 151 participantes, contou
2009
com foco em treinamento com 410 empregados, entre diretores, superintendentes,
Meta alcançada
e desenvolvimento do gerentes e coordenadores.
público interno.
Gestão de Pessoas
O programa Gestão Será realizado o desenvolvimento de gestores com foco
de Desempenho terá no alinhamento e esclarecimento das competências e no
2010
continuidade com foco desenvolvimento das mais críticas a partir dos resultados
Planejado
no fortalecimento das do processo de Gestão de Desempenho e das diretrizes
competências profissionais. para 2010.

iniCiatiVas soCioCulturais

indiCador Meta ano / status inForMaÇÕes CoMPleMentares

Durante o ano, foi feito o levantamento


Desenvolver um programa para
e acompanhamento de todos os projetos
avaliar o desempenho social e 2009
socioculturais realizados pelas empresas. Os
cultural e mensurar os resultados Meta alcançada
resultados obtidos irão subsidiar o atendimento
dos investimentos nessas áreas.
Responsabilidade a novas demandas.
com o público Manter/aprimorar a sistematização
externo de projetos socioculturais; O acompanhamento das ações junto
construir e validar diretrizes 2010 aos produtores e grupos culturais terá
para atendimento às demandas Planejado continuidade, assim como das demandas da
das comunidades e projetos de comunidade e pedidos de patrocínio.
patrocínio.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | VI SÃO DE S U STE NTABI LI DADE


26

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


27

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


28

PerFil das eMPresas países e tem capacidade de produção instalada de três


V & M do brasil milhões de toneladas de tubos por ano.

A VMB comemorou em 2009 os 55 anos de sua Usina


a V & M do brasil Barreiro, um complexo siderúrgico localizado em Belo
Horizonte/MG. Além dessa unidade, possui duas
A fabricante de tubos de aço sem costura subsidiárias, a V & M FLORESTAL e a
V & M do BRASIL (VMB) é controlada pelo grupo V & M MINERAÇÃO, que fornecem as principais
francês Vallourec, um dos principais global players do matérias-primas utilizadas na fabricação dos tubos de
mercado mundial. O grupo está presente em mais de 20 aço, carvão vegetal e minério de ferro, respectivamente.

Usina Barreiro da V & M do BRASIL

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


29

A VMB está presente em outros estados, com


escritórios de vendas no Rio de Janeiro e em São
Paulo, bases em Rio das Ostras (RJ), Mossoró (RN),
Japaratuba (SE) e Pojuca (BA), e filiais em Gravataí
(RS), Caxias do Sul (RS) e Diadema (SP).

Com uma gestão integrada voltada para a


sustentabilidade, a V & M do BRASIL destaca-se
mundialmente por utilizar energia renovável em seu
processo produtivo e também por ter sido a primeira
siderúrgica do mundo a ter seu projeto de redução de
emissões de gases do efeito estufa registrado junto à
Organização das Nações Unidas (ONU).

V & M Florestal

A V & M FLORESTAL, fundada há 40 anos, é


responsável pelo plantio de florestas de eucalipto para
a produção do carvão vegetal utilizado nos altos-fornos
da Usina Barreiro. Atua em fazendas próprias e de
terceiros nas regiões Norte e Noroeste de Minas Gerais,
e possui sede administrativa em Curvelo. A Empresa
tem extensa área de atuação: cultiva aproximadamente
120 mil hectares, de um total de 230 mil hectares de
propriedade, onde mantém cerca de 30% de áreas
preservadas e conservadas com vegetação nativa
que garantem a biodiversidade na região do cerrado
mineiro.

A Empresa atende aos critérios técnicos como


cumprimento da legislação ambiental, respeito à
biodiversidade e desenvolvimento econômico e social
das localidades onde atua.

Em 2009, a VMFL expandiu suas atividades, resultando


em aumento do capital social da Empresa.

Faixas de plantio de eucalipto de forma


ecologicamente correta na VMFL

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


30

Vista aérea da Mina Pau Branco

V & M MineraÇÃo ValloureC & suMitoMo


tubos do brasil
A principal atividade da V & M MINERAÇÃO –
que completa 55 anos em 2010 – é a extração e Está em fase de implantação em Jeceaba/MG a
beneficiamento de minério de ferro na Mina Pau Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil (VSB), complexo
Branco. Localizada no município de Brumadinho, a 30 siderúrgico fruto da joint venture entre o grupo francês
km de Belo Horizonte, a Mina tem capacidade anual de Vallourec e o japonês Sumitomo Metals. O Grupo
produção de cinco milhões de toneladas. Vallourec detém 56% desse complexo. A laminação do
A VMMN beneficia dois tipos de minério: a hematita primeiro tubo pela VSB está prevista para o final de
e os itabiritos. Devido à alta qualidade do minério 2010.
extraído, a Empresa é capaz de suprir a demanda
da Usina Barreiro e de fornecer, ainda, matéria- A VSB é uma Empresa do Grupo Vallourec, e não da
prima para clientes externos de três principais V & M do BRASIL. Em virtude disso, os dados relativos
atividades industriais: mineração, siderurgia (grandes a essa empresa não estão incluídos neste Relatório,
siderúrgicas) e setor guseiro. Todo o minério produzido apesar de a mesma ser citada em algumas partes.
na VMMN é vendido para o mercado interno.

Todas as suas atividades seguem rigorosos padrões de


saúde e segurança ocupacionais, controle ambiental e
de recuperação das áreas alteradas.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


31

estrutura soCietÁria grupo e a alemã Mannesmannröhren-Werke GmbH, a


holding VALLOUREC & MANNESMANN TUBES
A V & M do BRASIL é uma sociedade anônima de (V & M TUBES) incorporou, em 2000, a empresa
capital fechado controlada pelo Grupo Vallourec. Criada brasileira Mannesmann S.A., que passou a se chamar
em 1997 por meio de uma joint venture entre esse V & M do BRASIL.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


32

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


33

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


34

PartiCiPaÇÃo eM Fóruns e a áreas e temas relacionados às suas atividades. Além


e entidades eMPresariais da troca de experiências e da busca por alternativas
em prol do setor siderúrgico, essa participação objetiva
As empresas V & M do BRASIL participam de contribuir com o desenvolvimento econômico, social e
entidades nacionais e estaduais de representação ambiental em Minas Gerais e no país.
empresarial, ligadas à formulação de políticas públicas

Conselho Consultivo do Parque Estadual Serra do Rola


PrinCiPais entidades:
Moça
Agência Peixe Vivo Conselho de Administração do Instituto Estadual de
Associação Brasileira da Indústria de Tubos e Acessórios de Florestas de Minas Gerais (CA/IEF-MG)
Metal (Abitam) Conselho Empresarial de Meio Ambiente da Fiemg (Cema)
Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) Conselho Municipal de Desenvolvimento Ambiental do
Associação Brasileira de Empresas de Florestas Plantadas município de Brumadinho/MG (Codema)
(Abraf) Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg)
Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Instituto Aço Brasil (IABr)
Inspeção (Abende)
Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram)
Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração
(ABM) Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Instituto Qualidade Minas (IQM)

Associação Mineira de Silvicultura (AMS) Ministério da Cultura (MinC) – Projetos Incentivados


Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio
(Anut) Exterior (MDIC)
Câmara da Indústria de Base Florestal da Federação das Sindicato da Indústria do Ferro no Estado de Minas Gerais
Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) (Sindifer)
Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais
(Sindiextra)
Câmara de Comércio França-Brasil (CCFB)
Sindicato Nacional das Indústrias de Extração do Ferro e
Centro Industrial e Empresarial de Minas Gerais (Ciemg) Metais Básicos (Sinferbase)

As empresas V & M do BRASIL se relacionam com outras à redução brusca da produção de aço, período em que
entidades nos segmentos específicos em que atuam, além as siderúrgicas voltaram sua atenção para a redução
de instituições de ensino, pesquisa e desenvolvimento, de custos e preservação da estrutura produtiva. Toda a
dentre elas Universidade Federal de Lavras (Ufla), cadeia de produção de aço foi impactada pela demanda
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), retraída e pela necessidade de praticar descontos,
Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) – Fundação influenciando nos preços dos produtos.
Gorceix e Fundação Educativa de Rádio e Televisão (Feop).
A indústria do aço no Brasil chegou, no primeiro bimestre
de 2009, ao menor nível de utilização de capacidade
a indÚstria do aÇo eM 2009 instalada de sua história. De acordo com dados
publicados pelo Instituto Aço Brasil (IABr), apenas 47,5%
O setor siderúrgico foi um dos mais prejudicados pela do parque siderúrgico foi mantido em produção plena
crise financeira internacional e, em 2009, duas fases em janeiro e fevereiro. Historicamente, o setor registrava
impactaram as empresas brasileiras. Na primeira, de índices que beiravam o uso quase integral, sempre acima
janeiro a maio, a retração da atividade industrial levou de 80%.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


35

O setor começou a emitir sinais de recuperação nos A VMFL estava alavancando sua produção no final
níveis de produção no segundo trimestre, impulsionado de 2008 quando, em virtude da crise, precisou rever
pela gradual retomada da demanda devido aos seu planejamento para 2009. E apesar do início de
programas de estímulos do governo brasileiro para ano conturbado, conseguiu atingir grande parte
segmentos com forte exposição ao aço. dos resultados predefinidos. A produção de carvão
vegetal no último ano foi de aproximadamente 226 mil
A produção da siderurgia em 2009 foi de toneladas, valor inferior a 2008, quando somou mais de
aproximadamente 27 milhões de toneladas de aço 256 mil toneladas.
bruto, uma redução de 21,4% em relação aos 33,7
milhões de toneladas registradas no ano anterior. No final de 2008, também houve uma queda brusca da
demanda por minério de ferro e a situação se manteve
Crise, época de aprendizado desfavorável no primeiro semestre de 2009 para a
para a V & M do brasil VMMN. A subsidiária iniciou o ano com uma produção
40% mais baixa que a regular, teve que conceder
Para a V & M do BRASIL, 2009 foi um ano de desafios e descontos, ampliar os prazos de faturamento e buscar
oportunidades. A demanda por tubos de aço provocou novas maneiras de atuar com contratos trimestrais com
uma queda de produção de 40% em relação ao ano os clientes (em vez de anuais). No terceiro trimestre,
anterior, passando de 572 mil toneladas para 345 mil, iniciou-se um processo de equilíbrio da Mina Pau
mas a VMB conseguiu manter sua competitividade Branco. A Empresa fechou o ano com uma produção de
e demonstrou grande capacidade de adaptação, 3.292 mil toneladas de minério (em 2008, ultrapassou
redefinindo metas, revendo custos e adequando 4.000 mil toneladas).
operações para atender a um mercado incerto.
adequação interna
Vários cenários foram criados ao longo do ano,
simulando riscos como a queda da demanda e dos Apesar das oscilações de mercado, as empresas
preços em alguns mercados e a possível retomada V & M do BRASIL permaneceram focadas na
dos volumes de produção em outros, permitindo uma empregabilidade, adotando medidas internas para
adaptação consciente e consistente para a Empresa. que não houvesse demissões em massa. Além disso,

Lingotamento contínuo - tecnologia


na produção do aço

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


36

A VMFL – devido ao processo de properização sustentabilidade dos neGóCios


(admissão de prestadores de serviço no quadro próprio
da Empresa), à necessidade de garantir a produção de Em 2009, o Grupo Vallourec criou um Comitê de
carvão vegetal para atender à futura Usina da VSB e Sustentabilidade formado por um representante
pela melhoria do percentual de autossuficiência – teve brasileiro e seis diretores franceses. Seu objetivo é
uma ampliação significativa em seu quadro de pessoal definir metas, coordenar e acompanhar os planos de
durante o período de crise. ação de todas as empresas do Grupo, tratando de
forma sistêmica assuntos inerentes à sustentabilidade:
questões ligadas ao meio ambiente, ao social, à cadeia
de suprimentos, questões econômicas, de comunicação
EXEMPLOS DE AJUSTES
e o futuro dos investimentos mundialmente, avaliando
DOS PROCESSOS INTERNOS os impactos existentes ou que podem ser gerados em
todas as localidades onde está presente. As reuniões
A resposta ao cenário desfavorável da desse Comitê corporativo acontecem bimestralmente.
crise foi possível graças ao envolvimento e
comprometimento de todos os empregados e A V & M do BRASIL também possui um comitê
à melhoria contínua dos processos. específico para as decisões estratégicas relacionadas
• A Empresa aproveitou o ano para à sustentabilidade de suas operações. Esse Comitê
realizar a manutenção de seus principais de Sustentabilidade no Brasil, formado por nove
equipamentos, preparando-se para a superintendentes e subordinado à direção da Empresa,
retomada da produção em 2010. realiza reuniões bimestrais.
• Com o mercado em baixa e a capacidade
ociosa, a VMB passou a atender
determinadas demandas com tempos PreMiaÇÕes e reConHeCiMentos
de fabricação diferenciados, servindo de
motivação para as áreas de planejamento Por seu desempenho, pela qualidade de seus produtos/
e vendas discutirem novas formas para serviços e pela eficiência de gestão, a VMB conquistou
manter esse tempo de produção reduzido. relevantes prêmios e reconhecimentos estaduais e
• Na aciaria (onde se transforma ferro-gusa nacionais. São eles:
em aço), existem dois veios produtivos,
e como não havia volumes de produção Prêmio Melhor Fornecedor
para os dois, a Empresa testou trabalhar de bens da Petrobras
cada um com um diâmetro diferente. A Empresa destacou-se na edição 2009 do Prêmio
Como resultado, obteve barras de aço Melhor Fornecedor de Bens, promovido pela
com diâmetros distintos, ganhando
agilidade na produção e reduzindo os
tempos de troca.
• A VMB precisava reduzir rapidamente seu
estoque para reagir à crise sem impactar
o atendimento aos clientes e os recursos
produtivos (há estoques que alimentam
os processos internos). Para tanto, a
Empresa diminuiu quase pela metade o
nível de estoque, de 120 mil toneladas de
tubos de aço no início do ano para cerca
de 70 mil ao final de 2009.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


37

Petrobras – Unidade Bacia de Campos. A VMB foi a Prêmio Gestão ambiental


única agraciada com dois troféus ouro nas categorias A VMB conquistou o prêmio concedido pela ONG
Contratos de Longa Duração e Médios Contratos, Zeladoria do Planeta por suas políticas de proteção
concorrendo com cerca de 250 empresas que atendem ao meio ambiente. O evento, realizado na Secretaria
à Petrobras na região. de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento
Sustentável de Minas Gerais, condecorou empresas
que contribuem para o desenvolvimento sustentável da
comunidade onde atuam.

Marcas do bem
A Empresa ganhou o troféu de reconhecimento da
Associação Mineira de Reabilitação (AMR). O prêmio
homenageia instituições que colaboram nas atividades
da associação, que atende gratuitamente cerca de 440
crianças de até 12 anos portadoras de necessidades
especiais, oferecendo serviços em prol da reabilitação e
inclusão social.

troféu Gentileza urbana


O V & M BRASIL Centro de Cultura (antigo Cine
xi Prêmio Minas desempenho empresarial Theatro Brasil) recebeu o Troféu Gentileza Urbana como
A VMB se classificou em 10º lugar na categoria um dos vencedores da 11ª Premiação de Arquitetura
Melhores e Maiores Empresas de Minas Gerais na promovida pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB)
versão 2008/2009 dessa premiação mineira. – MG. O evento anual elege as principais iniciativas de
pessoas físicas e jurídicas em prol de Belo Horizonte e
de Minas Gerais.
Prêmio aberje
Pela gestão dos veículos de comunicação interna
“Revista VMB”, “Em Dia com a VMB” e jornal mural
“VMB e Você”, a Empresa foi a vencedora regional
na categoria “Gestão
de Mídia Impressa”,
concorrendo com
organizações de Minas
Gerais e do Centro-Oeste.
A premiação, promovida
pela Associação Brasileira
de Comunicação
Empresarial (Aberje),
visa a fortalecer a
comunicação empresarial
ao estimular e divulgar
iniciativas na área.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | PE R FI L DAS E M PR E SAS V & M DO BRAS I L


38

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


39

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


40

GoVernanÇa CorPoratiVa

O termo Governança Corporativa diz respeito à forma


como as empresas são dirigidas e aos modelos de
tomada de decisão com a finalidade de aumentar
o valor da organização e contribuir para a sua
longevidade.

A boa governança é um dos pilares para a


sustentabilidade da V & M do BRASIL: transparência,
responsabilidade corporativa e equidade junto aos
stakeholders são alguns dos princípios que norteiam
o modelo de governança corporativa adotado pela
Empresa. As decisões tomadas pela diretoria enfocam
a sustentabilidade dos negócios em médio e longo
prazos e o bom desempenho operacional, comercial,
financeiro, social e ambiental das empresas.

Alexandre de Campos Lyra – diretor-geral


Além disso, os principais indicadores de performance
da VMB, VMFL e VMMN que afetam seus públicos são
monitorados por meio de mecanismos de controle e
auditoria.

estrutura de CoMando e deCisÃo

O Conselho de Administração é a mais alta instância


de comando da V & M do BRASIL. É composto por
sete executivos eleitos em Assembleia Geral por um
mandato de três anos (com possibilidade de reeleição).

Estão sob sua responsabilidade a orientação geral


dos negócios, a definição do planejamento estratégico
e a aprovação dos projetos de expansão e aquisição
de ativos, constituindo-se o principal instrumento
de comunicação e orientação entre a Empresa e o
acionista controlador. Também compete ao Conselho
de Administração manifestar sobre o Relatório da
Administração e as contas da Diretoria-Executiva,
deliberar sobre mudanças na estrutura de capital por
meio de emissão de ações ou bônus de subscrição,
eleger e destituir os membros da Diretoria-Executiva,
fiscalizar a gestão dos diretores e contratar/dispensar
auditores independentes.

O Conselho de Administração é apoiado nas tomadas


Manfred Ernst Leyerer – diretor-financeiro
de decisões pelo Conselho Consultivo, também

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


41

composto por sete membros que se reúnem duas vezes Vallourec e as diretrizes estabelecidas pelo Sistema
por ano e sempre que convocados pelo presidente do Integrado de Gestão. Esses executivos podem receber
Conselho de Administração. um bônus anual variável em função do alcance das
metas previamente definidas (mínimo de um salário
Membros do Conselho de administração e meio para gestores, valor que se amplia para os
• Flávio Roberto Silva de Azevedo (presidente) cargos mais elevados), visando ao cumprimento de
• Jean-Pierre Robert Luc Michel objetivos de performances econômico-financeiras, de
• Christoph Prasser produtividade, trabalhistas, da segurança no trabalho e
• Olivier Mallet ambiental.
• Dominique Richardot
• Pierre Frentzel
• Philippe Crouzet
ProGraMa de PartiCiPaÇÃo
aCionÁria ValloureC – Value 09
Membros do Conselho Consultivo
Dando continuidade ao programa de vendas de
• Jean-Pierre Robert Luc Michel (presidente)
ações para seus empregados, iniciado pelo Value 08,
• Luiz Olavo Baptista
a Vallourec lançou, no ano seguinte, o Value 09 que,
• Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco
como seu antecessor, permite que os empregados
• José Carlos Martins
se beneficiem como investidores da performance de
• Ibrahim Abi Ackel
suas ações e reforça, entre eles, o sentimento de
• Aloísio Marcos Vasconcelos Novais
pertencerem ao Grupo.
• Luiz André Rico Vicente

Assim como o programa de 2008, o Value 09 foi


um sucesso. A adesão manteve-se alta: 62% dos
Diretoria-Executiva
empregados dos oito países participantes (Brasil,
Integrada por executivos contratados, a Diretoria-
França, Alemanha, Reino Unido, EUA, Canadá, México
Executiva é responsável pela gestão corrente dos
e China) se inscreveram para o segundo plano mundial
negócios e pelo desempenho das empresas nas
de participação acionária. Foram mais de 11 mil
diversas áreas.
empregados do mundo todo inscritos, sendo 4.748 do
Brasil.
• Alexandre de Campos Lyra – diretor-geral
• Manfred Ernst Leyerer – diretor-financeiro
Da participação em dinheiro dos empregados do
Grupo na operação de aumento de capital, mais de
Para a autoavaliação do desempenho dos Conselhos
22% foram aportados por brasileiros. E apesar da crise
e da Diretoria, são realizadas reuniões periódicas e
econômica, a participação dos empregados brasileiros
acompanhamento constante das decisões e ações por
continuou expressiva: enquanto no Value 08 83,40% dos
meio de relatórios.
empregados participaram, no Value 09 esse percentual
atingiu 81,11%.
Atualmente, não há mulheres no Conselho de
Administração, Conselho Consultivo e Diretoria-
Executiva, no entanto, não existe uma política
discriminatória que impeça as mulheres de ocuparem
tais posições.

Os executivos da V & M do BRASIL


O corpo executivo das empresas V & M do BRASIL é
composto por superintendentes, gerentes e gestores
cujas decisões seguem as recomendações do Grupo

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


42

resultados do ProGraMa de PartiCiPaÇÃo aCionÁria Value 09

Valor do Valor do nÚMero de % de


eMPresa eMPreGados
inVestiMento (r$) inVestiMento ( ) inVestidores adesÃo

VMB 2.977.107,99 1.155.664,76 3461 88,56


VMFL 326.300,99 126.664,72 693 58,04
VMMN 206.087,00 79.999,61 166 73,78
VSB 620.038,98 240.689,02 428 81,21
total 4.129.534,95 1.603.018,11 4748 81,11

CódiGo de ÉtiCa Complementar e aderente ao Código de Ética do Grupo


Vallourec, a V & M do BRASIL instituiu sua Carta de
Com o objetivo de fortalecer o relacionamento com os Valores. A Carta contempla cinco princípios básicos:
diferentes públicos, reforçar a identidade das empresas dignidade, liberdade, integridade, lealdade e justiça.
e alinhar as práticas e estratégias organizacionais, a
V & M do BRASIL divulga seus princípios e orientações A divulgação e o acompanhamento do cumprimento
éticas desde 2001. do Código são de responsabilidade do Comitê de
Ética, composto por superintendentes e assessores de
Em 2009, a VMB aderiu ao Código de Ética do Grupo Recursos Humanos, Jurídico, Comunicação Corporativa
Vallourec, que simboliza o “Espírito Vallourec” e traz e Auditoria que analisam os casos de dúvidas,
inseridos princípios e valores a serem vivenciados por interpretações e conflitos éticos.
todas as pessoas que têm contato com o Grupo de
forma linear, homogênea e com respeito às culturas nos Ao longo de 2010, o Comitê de Ética da VMB realizará
países onde está inserido. várias ações – divulgação de materiais, apresentações
e reuniões – de mobilização e conscientização sobre
O Código de Ética aborda a conduta esperada pelos os valores, e regras de conduta do Código de Ética do
empregados e a relação com acionistas, clientes, Grupo Vallourec, ressaltando como os mesmos devem
fornecedores, prestadores de serviço e comunidades, ser aplicados no ambiente de trabalho.
entre outros públicos, buscando construir uma relação
leal, harmônica, ética e de respeito mútuo.

Os empregados podem consultar os valores


e princípios do Código de Ética pela intranet
r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA
43

• Não foram registrados casos de discriminação nas


empresas V & M do BRASIL durante o ano.
Valores-chave do Código de Ética
do Grupo Vallourec: Corrupção
- Integridade e Transparência
- Exigência e Profissionalismo O Código de Ética reprime toda forma de suborno e
- Performance e Responsividade corrupção. Além dele, para monitorar seus processos
- Respeito pelas Pessoas contra atos corruptos, as empresas V & M do BRASIL
- Compromisso Comum contam com auditorias internas, Sistema de Gestão de
Riscos, Comitê de Ética e treinamentos que abordam o
tema junto aos empregados recém-contratados.

a atuação ética da V & M do brasil


Em 2009, não houve casos de corrupção, multa ou
A V & M do BRASIL conduz seus negócios seguindo as
sanções não financeiras resultantes de desconformidade
leis e regulamentações internacionais, nacionais e locais
com as leis e regulamentos sobre concorrência desleal ou
aplicáveis, e busca atuar junto a seus públicos com ética
corrupção.
e respeito aos direitos humanos.

• O Código de Ética determina a não aceitação de


relaCionaMento CoM as Partes
atitudes arrogantes, autoritárias, intolerantes ou
interessadas
discriminatórias, e veda qualquer forma de assédio
moral ou sexual e agressão verbal ou física.
Com ética e transparência, as empresas buscam
disseminar seus valores e princípios, contribuindo
• O Código e todos os contratos das empresas possuem
para a conscientização acerca da sustentabilidade e
cláusulas contra trabalho forçado, compulsório
aproximando-se das demandas e realidades dos seus
e de menores de 18 anos – exceto na condição
públicos de relacionamento.
de aprendiz, a partir dos 16 anos –, bem como
qualquer discriminação nos processos de seleção,
Por meio do Registro de Comunicação das Partes
promoção ou contratação de empregados próprios
Interessadas, os públicos da VMB podem manifestar suas
ou de prestadores de serviço. Para evitar riscos
críticas, dúvidas, sugestões e reclamações. O formulário
quanto a esse tipo de práticas, as empresas realizam
encontra-se disponível no site www.vmtubes.com.br, na
treinamentos que abordam o Código de Ética, além
intranet e em versão impressa nas portarias da Empresa.
de contarem com a supervisão do Comitê de Ética
O contato pode ser feito ainda via o e-mail
e de um acompanhamento próximo de todas as
contato@vmtubes.com.br ou pelos telefones
contratações pela área de Recursos Humanos.
(31) 3328-2284 e 3328-2291.

• Não existem comunidades indígenas próximas à


Para as manifestações não
VMB e VMMN, e não há incidência de violação de
solucionadas em 2009, foram
direitos dos povos indígenas nas áreas de atuação registro de elaborados planos de ação
da VMFL. Comunicação das que estão em andamento.
Partes interessadas, em
• Em 2009, houve três reclamações referentes a 2009 – usina barreiro As empresas
descumprimento do Código de Ética na VMB.
V & M do BRASIL têm
Essas manifestações foram investigadas pelo Solucionadas – 40 comitês e mecanismos
Comitê de Ética e direcionadas aos gestores das Em andamento – 29 específicos de avaliação
respectivas áreas e, após a investigação dos fatos, Total - 69 das demandas da
foram tomadas as medidas aplicáveis a cada caso.
comunidade, pedidos de
doação e patrocínio,

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


44

priorizando os que contribuem com o desenvolvimento


social do entorno das empresas.

Na VMB, as avaliações são feitas através do Comitê


de Integração com a Comunidade (CINCO). Em 2009,
foram recebidos 46 pedidos de doação e, destes, 35
foram atendidos.

O Plano de Ação e Integração Comunitária (PAIC)


avalia os pedidos de doação e patrocínio na VMFL,
atuando em parceria com instituições privadas, sociais Público Interno: parte integrante
e governamentais. Das 200 solicitações recebidas em da gestão sustentável
2009, 103 foram atendidas.

A VMMN possui o Comitê de Integração com a descobertos (ver página 153). Ainda, incentivam o
Comunidade MinerAÇÃO, que define as diretrizes envolvimento dos mesmos nos processos de gestão e
de doações e patrocínios. Durante o ano, foram 31 reconhecem seu comprometimento com a melhoria dos
solicitações atendidas em ações de promoção da processos e produtos.
cultura, educação e geração de renda.
Por um ambiente de trabalho melhor e mais agradável,
as empresas realizam, a cada três anos, uma Pesquisa
PÚbliCos de relaCionaMento das de Clima Organizacional (ver página 122).
eMPresas V & M do brasil
Existe também uma preocupação com as famílias por
As empresas se relacionam com diferentes públicos e meio de ações e projetos culturais, esportivos, de lazer
cada um contribui ao seu modo para a sustentabilidade e saúde, entre outros, que abrangem seus dependentes
da V & M do BRASIL. Para se aproximar dos (ver páginas 150 a 155).
stakeholders, organizam reuniões com lideranças
comunitárias e diretores das escolas do entorno, Comunidade
promovem visitas aos clientes, realizam eventos e fazem Em 2009, foi intensificada a aproximação com as
divulgações em veículos de comunicação, entre outras comunidades próximas às empresas V & M do BRASIL.
iniciativas. A VMFL possui regionais em Curvelo, João Pinheiro e
Bocaiúva, e sua área de atuação abrange 22 municípios
A seguir, estão listados os públicos que têm mais no norte e noroeste de Minas Gerais. A VMMN se
contato com o dia a dia das empresas, influenciam as relaciona com as comunidades de Belo Horizonte,
principais decisões dos gestores e com os quais elas Brumadinho (Piedade do Paraopeba, Casa Branca,
desenvolvem a maior parte das iniciativas listadas neste Marques, Suzana, Palhano, Marinhos), Nova Lima e
relatório. Itabirito. Já a VMB tem um contato mais próximo com
os moradores de Belo Horizonte, principalmente da
empregados região do Barreiro.
A V & M do BRASIL possui cerca de 5 mil empregados
de diferentes perfis (ver página 114). Como é possível Existem ações educativas, culturais e de geração de
verificar no capítulo sobre desempenho social, as trabalho e renda, entre outras, direcionadas às pessoas
empresas dedicam parte de suas iniciativas para a que integram essas comunidades, descritas no capítulo
capacitação, saúde, segurança e bem-estar desse sobre desempenho social (páginas 136 a 149). Vale
público. Além de apoiar o desenvolvimento profissional, ressaltar que muitos empregados são vizinhos das
as empresas promovem projetos que despertam os empresas, constituindo também parte desse público.
empregados para a arte e incentivam os talentos

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


45

Por meio de reuniões, as empresas têm


buscado se aproximar cada vez mais da
comunidade

Fornecedores e prestadores de serviço As empresas mantêm procedimentos sistemáticos


A V & M do BRASIL contou com 3.544 fornecedores de seleção, qualificação, avaliação e monitoramento
e prestadores de serviço em 2009, dos segmentos desse público, como explicitado na seção Gestão de
de matérias-primas brutas e semielaboradas, peças Fornecedores, páginas 60 e 61.
sobressalentes, ferramentas e materiais de consumo,
serviços industriais, utilidades e manutenções, serviços Clientes
logísticos e de movimentação interna, investimentos, A VMB destina seus produtos a clientes nacionais e
entre outros. internacionais de segmentos variados:

Prioriza-se o fornecimento local e, do volume financeiro tubos Petrolíferos - indústrias de prospecção,


total de aquisições, R$ 1,39 bilhão (cerca de 80%) foi produção e condução do petróleo, além de prestar
feito com 2.152 fornecedores de Minas Gerais, a maior serviços diversos para companhias petroleiras;
parte deles da Região Metropolitana de Belo Horizonte,
em função da proximidade com a Usina Barreiro. tubos automotivos - indústria automotiva (veículos
leves, caminhões, ônibus, motocicletas, máquinas
agrícolas e implementos);

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


46

tubos para energia & indústria - refinarias, divulgação de informações de interesse público sobre o
empresas petroquímicas, companhias estaduais de setor e suas empresas. Uma Política de Relacionamento
gás natural, fabricantes de cilindros de alta pressão, com a Imprensa norteia os procedimentos e atitudes
fabricantes de caldeiras e trocadores de calor, do dia a dia da área de Comunicação Corporativa e
fabricantes de peças mecânicas para maquinário demais setores. As empresas contam também com uma
pesado e indústrias diversas que utilizam tubos para assessoria especializada que permite atender de forma
condução e armazenamento de fluidos; adequada e ágil às demandas dos jornalistas.

tubos estruturais – aplicados na construção civil


(em obras comerciais, industriais, de infraestrutura órgãos ambientais
e fundações) e utilizados pelo segmento de bens As empresas V & M do BRASIL mantêm um
de capital em máquinas e equipamentos, no setor relacionamento próximo com as entidades ambientais
ferroviário e de petróleo (offshore). locais e estaduais, participam de órgãos como
Outras informações são apresentadas no capítulo sobre Conselhos de Desenvolvimento Ambiental e têm um
Clientes e Mercados, páginas 64 a 70. diálogo constante com as secretarias municipais e
Estadual de Meio Ambiente de Minas Gerais. Deles,
A VMFL dedica toda a sua produção de carvão recebem orientações sobre sua atuação e buscam
vegetal à VMB. A VMMN, além de fornecer minério cumprir todas as normas necessárias para o exercício
de ferro para a Usina Barreiro, possui como clientes de suas atividades. A V & M do BRASIL apoia
mineradoras, siderúrgicas, empresas do setor guseiro e iniciativas e políticas públicas ligadas à preservação
de ferro-liga. dos recursos naturais e que influenciam na melhoria de
seus indicadores ambientais.
acionistas
A Vallourec é a acionista majoritária, e seu Governo
relacionamento com a V & M do BRASIL se caracteriza Através de parcerias com as prefeituras dos municípios
por uma aliança estratégica voltada para objetivos onde atuam, as empresas V & M do BRASIL contribuem
comuns e com base no modelo de governança para a implementação de diversas ações voltadas para
corporativa, no diálogo, na troca de conhecimentos e a sustentabilidade. Ainda, mantêm contato, sempre que
tecnologias e de práticas de gestão. necessário, com os governos de Minas Gerais e federal
nas questões de âmbito econômico e em projetos para
Os demais acionistas recebem informações referentes à o desenvolvimento do Estado e do país.
conta dos administradores e demonstrações contábeis A VMB participa de eventos e apoia iniciativas
do exercício anterior, bem como outros assuntos promovidas pelo poder público em prol de interesses
de relevância, na Assembleia Geral Ordinária e na coletivos.
Assembleia Geral Extraordinária. O aviso aos acionistas
e convocações para as assembleias são publicados Em 2009, as empresas não receberam ajuda financeira
em veículos de grande circulação 30 dias antes de governos. As contribuições a partidos, políticos ou
da realização da assembleia. As atas dos assuntos instituições relacionadas são feitas conforme legislação
deliberados nesses encontros são registradas na Junta eleitoral vigente.
Comercial e também publicadas em jornais. Em 2009,
houve uma Assembleia Geral Ordinária em 24 de março Concorrentes
e foi realizada uma Assembleia Extraordinária em 31 de A VMB é a principal fabricante de tubos de aço sem
julho. costura do país, mas está sujeita à concorrência de
importadores e de outros produtores em diversos
imprensa mercados. O relacionamento com concorrentes é ético
A V & M do BRASIL tem permanente contato com e respaldado por leis brasileiras e regras do mercado
a mídia local, de Minas Gerais e nacional, para a nacional e internacional.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


47

sindicatos terceiro setor


As empresas possuem um bom relacionamento Organizações não governamentais, instituições sem
baseado em negociações e no diálogo com os fins lucrativos, entidades filantrópicas, fundações e
sindicatos que representam seus empregados. As associações cujas ações objetivam contribuir para o
cláusulas negociadas em convenções coletivas (junto desenvolvimento cultural e socioambiental contam com
com outras organizações) e estabelecidas em acordos o apoio das empresas V & M do BRASIL em iniciativas
coletivos (entre a Empresa e o sindicato) são cumpridas voltadas para o benefício público.
pela V & M do BRASIL.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


48

CoMuniCaÇÃo interna Associação Brasileira


a VMb foi a vencedora
de Comunicação
na categoria Gestão
O Sistema de Comunicação Interna da Empresarial (Aberje),
de Mídia impressa do
V & M do BRASIL objetiva aprimorar a comunicação capítulo Minas Gerais
Prêmio da aberje, o
e reforçar seu alinhamento e suporte à visão e política e Centro-Oeste, na mais importante na
do Sistema de Gestão, focando um aperfeiçoamento categoria Gestão de área de comunicação
contínuo do diálogo com os empregados e prestadores Mídia Impressa. Esse é empresarial no país
de serviço situados nas empresas. o mais importante prêmio
na área de comunicação
Um grupo de Facilitadores de Comunicação empresarial no país.
formado por representantes de todas as áreas da
Empresa multiplica as diretrizes da comunicação, Uma pesquisa realizada em julho com empregados,
busca assuntos relevantes nos setores e difunde as aposentados e estagiários da V & M do BRASIL
informações enviadas pela Comunicação Corporativa. apontou que os veículos de comunicação internos são
A fim de promover a integração, motivação e maior as fontes de informações mais usadas por 87% dos
conhecimento das iniciativas e projetos das empresas, entrevistados. Ao todo, 1.861 pessoas responderam às
são realizadas reuniões mensais para apresentação de perguntas, sendo 1.107 da VMB, 647 da VMFL e 107 da
resultados, planejamento e ações de reconhecimento. VMMN. A partir do resultado, foi elaborado um plano
de ação para a melhoria dos veículos de comunicação,
Em 2009, a gestão das publicações da bem como ajuste no Sistema de Comunicação Interna,
V & M do BRASIL foi a ganhadora do Prêmio da que será implementado ao longo de 2010.

Veículos de comunicação regulares para


disseminação de informações das empresas

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


49

VeÍCulos de CoMuniCaÇÃo

VeÍCulo desCriÇÃo obJetiVos PÚbliCo-alVo

Empregados, familiares,
aposentados e comunidade.
Revista VMB e cadernos O caderno Comunidade
Periódico trimestral, tiragem de 8 mil
Comunidade VMB e Fortalecer a cultura e VMB tem tiragem de 26 mil,
exemplares e cadernos encartados.
Família VMB os valores da Empresa; sendo 18 mil exemplares
valorizar e integrar distribuídos na comunidade
empregados e famílias; desde 2004 regularmente.
disseminar estratégia Empregados, prestadores
Tiragem de 2 mil exemplares, e visão de futuro; de serviço e comunidades.
Jornal Voz Florestal e
distribuído bimestralmente nas registrar fatos e projetos O caderno Comunidade tem
informativo Comunidade
cestas básicas dos empregados e relevantes, incluindo tiragem de 2.300, sendo 300
(V & M FLORESTAL)
nas áreas de produção. ações socioeducativas e exemplares distribuídos na
ambientais. comunidade.
Distribuído trimestralmente nas
Jornal Informina cestas básicas dos empregados e Empregados, prestadores de
(V & M MINERAÇÃO) nas áreas de produção, tem tiragem serviço e comunidades.
de 750 exemplares.
Jornal mensal da Fundação
Abordar questões
Sidertube, com tiragem de 8 mil Empregados, associados
referentes à promoção
Jornal Bem Viver exemplares, distribuído na cesta da Fundação Sidertube e
da saúde, educação e
básica dos empregados e enviado aposentados.
qualidade de vida.
por mala direta aos aposentados.
Concentrar as notícias
Periódico quinzenal, em publicação das áreas e da Empresa,
Boletim Em Dia com a Empregados e prestadores
frente e verso e tiragem de 900 reforçando as informações
VMB de serviço.
exemplares. de interesse dos
empregados.
Atualizado semanalmente, está
Informar e registrar com
presente nos pontos de fluxo dos
agilidade informações e Empregados e prestadores
colaboradores e distribuído por meio
Jornal Mural VMB e Você acontecimentos específicos de serviço, com foco na área
eletrônico para os facilitadores de
de interesse geral dos de produção.
comunicação. Na VMFL, a edição é
empregados.
quinzenal.
Oferecer informações sobre
Com uma média de 150 mil acessos as empresas com agilidade
mensais, a intranet está acessível e atualização permanente,
Intranet Empregados.
aos empregados, através de além de disponibilizar
computadores próprios. serviços, formulários e
sistemas.
Painéis eletrônicos, papel de bandeja, Divulgações diversas
totens, banners, outdoor, display de de acordo com temas e Empregados e prestadores
Outros meios
mesa, e-mail, campanhas educativas objetivos específicos a de serviço.
e eventos. serem abordados.

A comunicação atua junto às demais áreas no planejamento e divulgação de importantes ações de conscientização,
reforçando conceitos ligados à sustentabilidade, como as campanhas de segurança, meio ambiente e de disseminação
do movimento Tempo Sustentável.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


50

CoMuniCaÇÃo externa e diferenciais de mercado, dá suporte e contribui


com a conscientização e engajamento dos públicos
Para a V & M do BRASIL, tão importante quanto de relacionamento acerca de temas ligados à
desenvolver ações sustentáveis é divulgá-las para os sustentabilidade. Este Relatório, por exemplo, é um
diferentes públicos, servindo de exemplo e convidando instrumento estratégico de envolvimento e divulgação
a comunidade, os clientes, fornecedores e demais das práticas sustentáveis da V & M do BRASIL. Além
stakeholders a atuarem de maneira responsável no disso, a Comunicação tem um envolvimento direto com
ambiente de trabalho, em casa, na rua, onde quer que o planejamento, a organização e/ou o apoio a eventos
estejam. e projetos socioculturais desenvolvidos interna e
externamente.
A comunicação com o público externo se dá
de diferentes formas: através de publicidade e No aniversário de 55 anos da Usina Barreiro em 2009,
propaganda, assessoria de imprensa e relacionamento por exemplo, a Empresa realizou, em parceria com a
com a mídia, promoção de ações e participação Prefeitura de Belo Horizonte, Regional Barreiro e outros
em feiras, distribuição de material informativo, parceiros, a Volta Verde, uma corrida com percursos
comunicação dirigida, entre outras. de 4,5 e 9 km. A comunicação ressaltou a importância
da promoção da saúde e do esporte e promoveu a
Em 2008, foi realizado um Diagnóstico de Reputação integração entre a VMB e os empregados, prestadores
e Imagem que evidenciou os tópicos mais conhecidos de serviço e comunidade.
pelos stakeholders sobre a VMB, apontando algumas
melhorias de comunicação. A partir desse diagnóstico,
em 2009, o setor de Comunicação Corporativa
deu continuidade ao trabalho de aproximação dos No site corporativo, www.vmtubes.com.br,
públicos com mais embasamento, possibilitando ações estão disponíveis informações sobre as
diferenciadas de aproximação. empresas VMB, o Sistema Integrado de Gestão
e os principais projetos de Meio Ambiente,
Comunicação e sustentabilidade RH, Responsabilidade Social e Comunicação.
Também estão publicados os e-mails e telefones
A área de Comunicação dissemina informações de contato das áreas corporativas.
institucionais sobre as empresas, seus produtos

Para se comunicar com o público externo, a VMB


participa de feiras e exposições no seu segmento

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


51

A corrida Volta Verde promoveu a integração entre


empregados, prestadores de serviço e comunidade
do entorno da VMB

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | GOVE R NANÇA COR PORATIVA


52

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


53

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


54

sisteMa inteGrado de GestÃo total Quality Management (tQM) – relacionam os


processos e respectivos indicadores e metas de forma
A melhoria contínua é uma das metas prioritárias das que os objetivos estratégicos da Empresa (em relação
empresas V & M do BRASIL, que vêm reforçando esse a custos, rentabilidade, liquidez, qualidade, segurança
compromisso por meio das ações do Sistema Integrado do trabalho e meio ambiente) sejam monitorados e
de Gestão (SIG). resultem em planos de ação pelas áreas operacionais.
Os indicadores de performance possibilitam que todos
O SIG integra as normas de Gestão da Qualidade, acompanhem a evolução dos resultados para atingir as
do Meio Ambiente, de Saúde e Segurança e metas traçadas.
Responsabilidade Social. Na prática, transforma os
requisitos dessas normas em procedimentos internos, Grupos de Melhoria Contínua (GMCs) – grupos de
respeitando a cultura e os valores das empresas. empregados com funções e habilidades diferentes que
A implementação desses procedimentos busca a se reúnem e implementam ações em busca da melhoria
manutenção da confiança dos clientes em relação a dos resultados e alcance das metas estabelecidas,
qualidade, prazo e preço dos produtos, preservação tais como a redução de custos, melhora na qualidade
do meio ambiente, promoção da saúde e segurança dos produtos, da segurança e saúde no ambiente de
dos empregados, cumprimento da legislação, trabalho, destinação correta de resíduos, dentre outros.
aperfeiçoamento contínuo dos processos e gestão ética
e socialmente responsável. Em 2009, o desempenho dos GMCs teve destaque: os
344 grupos existentes envolveram 2.500 empregados,
Desde 2007, os sistemas de controle do SIG vêm sendo o que representa 46% do quadro de pessoal. Outro
modernizados seguindo a política mundial do Grupo diferencial do ano foi o maior envolvimento do nível
Vallourec. Com a iniciativa, a VMB passou a adotar gerencial no acompanhamento desses grupos.
o sistema Vallourec Management System (VMS),
Sistema de Gestão da Vallourec, responsável pelo Cada GMC é auditado e, dependendo do desempenho,
gerenciamento da aderência de toda a Empresa ao SIG. recebe certificação ouro, prata ou bronze. Dos 230
grupos auditados em 2009, mais da metade alcançou a
certificação ouro: o número de grupos nessa categoria
ValloureC ManaGeMent
passou de 40 para 117, um aumento de quase 300%
sYsteM (VMs) em relação ao ano anterior. Tiveram
destaque, em 2009, os GMCs de
O VMS estabelece a maneira pela qual as empresas
segurança, redução de custos
do Grupo Vallourec são gerenciadas. Através dele,
tiveram destaque, e produtividade.
a direção assegura que o planejamento atenda
aos requisitos normativos dos sistemas de gestão em 2009, os GMCs
Para acelerar o
e, também, que a integridade desses sistemas de segurança,
alcance das metas e
seja mantida quando mudanças são planejadas e redução de custos
o desempenho dos
implementadas. e produtividade.
GMCs, foi criada uma
equipe de Engenheiros de
Alinhado com o planejamento estratégico do Grupo
Performance, conhecida por
Vallourec, o VMS está baseado em três pilares:
VPAs (Vallourec Performance
Analyst), também neste ano. Composta
Comitês de Pilotagem – comitês integrados por
por nove profissionais, atua como uma consultoria
membros da direção que acompanham o cumprimento
interna, auxiliando no planejamento estratégico das
das metas através da análise dos indicadores de
áreas de produção e ajudando os empregados nas
performance. Orientam e disponibilizam recursos
análises, melhorando a qualidade dos processos ao
humanos, de materiais e de infraestrutura para o
evitar, por exemplo, o desperdício financeiro.
alcance dos objetivos traçados, quando necessário.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


55

O VMS é estruturado conforme a figura a seguir:

Além dessas ferramentas de gestão, desde 2007, a • Com o objetivo de reduzir a variabilidade de seus
VMB desenvolve o Cap Ten – Rumo 2010, um programa processos, a VMB implementa, desde 2008, o Controle
mundial da Vallourec que indica mecanismos de de Processo de Manufatura (Manufacturing Process
controle dos planos de economia, de retorno dos Control – MPC) em suas áreas produtivas. Esse
investimentos e de acompanhamento das ações de trabalho resulta na redução da perda de materiais,
gerenciamento de custos e preços. aumento da produtividade e melhoria na qualidade
de seus produtos. Em 2009, esse projeto foi estendido
para a área siderúrgica e para a VMFL.
o siG eM 2009
• O projeto Multimídia – ferramenta que possibilita o
• A Empresa implementou e padronizou, no seu autotreinamento por computador através de vídeos,
Sistema de Gestão, um indicador intitulado Perdas fotos e outros conteúdos – vem sendo desenvolvido
da Não Qualidade. Por meio dele, mede-se a perda há alguns anos em diferentes áreas. No ano passado,
quantitativa (em tonelagem) de produtos que não o projeto explorou como tema o próprio SIG para
alcançaram a qualidade satisfatória, motivando as a realização de treinamentos e visitas de públicos
equipes a melhorarem sua performance. Para 2010, externos à Empresa, e também foram desenvolvidos
a expectativa é medir a perda financeira com esses conteúdos para as áreas de Aciaria e Laminação
produtos. Contínua, enfocando procedimentos internos.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


56

• A VMB foi auditada por alguns de seus clientes, às regulamentações nacionais. Essa certificação
obtendo resultados satisfatórios, o que demonstra a comprova o atendimento à norma para tubo de aço
maturidade do seu Sistema de Gestão. carbono com requisitos de qualidade para condução
de fluidos;
Certificações
Em 2009, a VMB conquistou três importantes • a Certificação Conteúdo Local, emitida conforme
certificações: a PED, a ABNT:NBR 5590 e a Certificação regulamentação da Agência Nacional de Petróleo
Conteúdo Local: (ANP), atesta o percentual de conteúdo local
• a PED (Pressure Equipment Directive – Diretriz de do bem ou serviço contratado, possibilitando
Equipamento de Pressão) é uma regulamentação a comprovação, junto aos clientes da VMB, do
europeia a ser atendida por fabricantes de percentual de nacionalização de seus produtos.
equipamentos que trabalham com pressão acima de
0,5 bar; Além dessas certificações direcionadas à Usina
Barreiro, houve neste ano a certificação ISO 9001:2008
• a norma ABNT: NBR 5590 passou a substituir a do Sistema de Gestão da Base de Serviços em Rio das
A-53 no Brasil, sendo a certificação do Sistema Ostras.
de Gestão mais Produto necessária para atender

Palestras e treinamentos foram algumas das


atividades da 5ª Semana do SIG, que em
2009 abordou o tema Foco no Cliente
r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO
57

PrinCiPais CertiFiCaÇÕes da V & M do brasil


O quadro a seguir mostra a evolução das certificações da V & M do BRASIL nos últimos anos.

1990 1993 1995 1996 1997 1998 1999 2000

ABRIL ABRIL ABRIL ABRIL MARÇO MAIO ABRIL


steel Plant Qs 9000
aPiQ1 aPiQ1 aPiQ1 iso 14001 iso 9002 aPiQ1 Qs9000
CERTIFICAÇÃO RECERTIFICAÇÃO
iso 9002 RECERTIFICAÇÃO RECERTIFICAÇÃO
IMPLEMENTACÃO RECERTIFICAÇÃO CERTIFICAÇÃO
CERTIFICAÇÃO

OUTUBRO NOVEMBRO FEVEREIRO DEZEMBRO


tube Plant oHsas iso
iso 9002 (sCis/dnV) 14001:1996
CERTIFICAÇÃO CERTIFICAÇÃO
sHell IMPLEMENTAÇÃO
CERTIFICAÇÃO

OUTUBRO
ProCediMentos
de seGuranÇa
(nst)

2001 2002 2003 2004 2005 2007 2008 2009

ABRIL DEZEMBRO MARÇO JANEIRO NOVEMBRO MARÇO JANEIRO ABRIL


iso 9002 iso iso 9001 iso 9001 oHsas iso 9001 abnt:
14001:1996 18001 CerFlor
RECERTIFICAÇÃO UPGRADE RECERTIFICAÇÃO
RECERTIFICAÇÃO
RECERTIFICAÇÃO CERTIFICAÇÃO nbr 5590
RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 2000 CERTIFICAÇÃO

oHsas
18001:1999 OUTUBRO
CERTIFICAÇÃO MAIO DEZEMBRO ABRIL JULHO
iso 9001
aPiQ1 iso/ts iso 14001 iso/ts aPiQ1 RECERTIFICAÇÃO

RECERTIFICAÇÃO 16949 RECERTIFICAÇÃO 16949 RECERTIFICAÇÃO


iso/ts
CERTIFICAÇÃO
CERTIFICAÇÃO RECERTIFICAÇÃO 16949
RECERTIFICAÇÃO

Ped
CERTIFICAÇÃO
NOVEMBRO
iso 9001
oHsas CERTIFICAÇÃO
18001 BASE RIO DAS
OSTRAS
RECERTIFICAÇÃO

DEZEMBRO
iso 14001
RECERTIFICAÇÃO
ConteÚdo
loCal
CERTIFICAÇÃO

A VMFL possui as certificações ISO 14001, ligada à gestão de meio ambiente, e Cerflor, que atesta que o carvão
vegetal das florestas próprias da Empresa é produzido de forma econômica, social e ambientalmente responsável.
A VMMN é certificada também pela ISO 14001 e pela norma OHSAS 18001, por sua gestão de saúde e segurança.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


58

GestÃo de loGÍstiCa

A logística e a infraestrutura de transporte da VMB


objetivam possibilitar a entrega de tubos de aço com
alta qualidade e dentro dos prazos acordados com
os clientes onde quer que estejam, no Brasil ou no
exterior.

A Usina Barreiro possui localização estratégica pela


proximidade com os principais eixos rodoviários, e
tem um terminal ferroviário próprio que permite o
escoamento para as principais cidades e portos do país.

A operação de transporte interno e externo da VMB


é terceirizada, e há uma preocupação tanto com a
frota de veículos quanto com aspectos ligados ao
meio ambiente. Por exemplo, é feita uma inspeção
por amostragem nos caminhões que entram na Usina
Barreiro, vistoriando itens como condições do veículo
e índice de emissão de fumaça preta. A orientação
quanto aos critérios de avaliação e procedimentos
exigidos pela VMB é feita em reuniões mensais com
os prestadores de serviço. No caso de não atender às
especificações recomendadas, o veículo é impedido de
circular na Empresa, e só retorna após a adequação aos
critérios.

O ano de 2009, em função da crise econômica mundial,


exigiu a adequação do setor de logística da Usina
a novos procedimentos de trabalho, em função da
redução de volumes despachados, principalmente no
segundo semestre.

O novo Depósito de Produtos Acabados da Usina


(DPA), construído em 2008, foi utilizado de acordo com
procedimentos para operação em volumes menores
de escoamento, e passou por testes para a definição
de processos, visando a atender ao novo modelo de
recebimento, estocagem e carregamento, objetivando a
maximização da operação logística.

Na VMMN, foi implantado o sistema Smart Mine Full


de otimização da frota de equipamentos (caminhões,
escavadeiras e carregadeiras), buscando maior O sistema Smart Mine Full monitora
produtividade e proporcionando ganhos como redução O sistema
a frota Smart Mine
de caminhões, Full monitora
escavadeiras e
a frota de caminhões,
carregadeiras em tempo escavadeiras
real via GPS e
de custo por tonelada extraída, menor consumo de carregadeiras via GPS
combustíveis e pneus e maior previsibilidade na

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


59

alimentação das instalações de tratamento de minério. Por meio da ferramenta gerencial Gestão de Riscos,
O sistema consiste no monitoramento da frota via GPS, a Empresa monitora riscos financeiros, de acidentes
através de um algoritmo que informa ao caminhão o ambientais e de trabalho, estratégicos, dentre outros,
menor percurso e/ou a melhor opção de carga para o atualizando o impacto e a probabilidade de ocorrência.
maior rendimento do conjunto carga/transporte. Com Desde 2006, essa ferramenta está integrada às rotinas
esse sistema, foi possível aumentar a produtividade da de trabalho, permitindo o gerenciamento contínuo e
frota em cerca de 25%. unificado dos riscos, o planejamento de investimentos e
os planos de contingência.
No mesmo ano, foi implementado um sistema Com indicadores específicos como o Índice de
de gerenciamento das plantas da Mina que gera Desempenho Ambiental (IDA) e o Índice de Segurança
automaticamente, a cada parada de equipamento, do Trabalho (IST), Acompanhamento de Incidentes
informações como horário de início e finalização da Registrados e Taxa de Frequência de Acidentes com
parada, o motivo da falha e em que posição da Mina Afastamento, o GRC atua em prol do desenvolvimento
aconteceu. de uma empresa sustentável, propiciando um ambiente
mais seguro e agradável aos empregados.
E, para 2010, o projeto Instalação de Tratamento de
Minério (ITM) – que prevê a reestruturação das plantas No ano de 2009, foram intensificadas as ações da
de beneficiamento, transformando duas em uma, Caminhada OPA – uma das frentes de trabalho
ampliando a capacidade produtiva e vida útil da Mina do programa Cap Ten Safe, focado nos riscos de
– vai impactar na logística, reduzindo o número e o comportamento –, que tem contribuído na redução de
fluxo de veículos internamente (influenciando ainda na acidentes na Empresa. Os gestores visitam empregados
diminuição da emissão de gases de efeito estufa e dos das áreas operacionais, observam a execução da tarefa,
riscos de acidentes). conversam com os operadores, estimulando a reflexão
sobre possíveis riscos, e, juntos, tentam achar a forma
mais segura para realizar a tarefa em questão.

GestÃo de risCos
As empresas contam com um programa de seguros
composto de várias apólices com o objetivo de garantir
Para as empresas V & M do BRASIL, a sustentabilidade
a recuperação de perdas decorrentes de eventos
dos negócios encontra-se atrelada à antecipação de
imprevisíveis, aos quais as empresas
demandas e previsão de cenários que possam
estão sujeitas. A sua administração
afetar seu desenvolvimento financeiro,
envolve uma série de interfaces
sua atuação socioambiental e seu
com as várias unidades das
relacionamento com os diversos a Gestão de riscos empresas, responsáveis pelos bens,
stakeholders.
Corporativos (GrC) imóveis, áreas e/ou equipamentos
objetiva identificar, existentes; prestação de serviços;
Nesse sentido, a Gestão de
Riscos Corporativos (GRC)
avaliar e hierarquizar compra, venda e transporte de
as principais situações bens e produtos; e transporte
objetiva identificar, avaliar
de vulnerabilidade, e gerenciamento de pessoas. É,
e hierarquizar as principais
sendo incorporada como portanto, um processo integrado,
situações de vulnerabilidade,
atividade essencial nas contínuo e organizado que leva a uma
sendo incorporada como
funções operacionais correta retenção ou transferência de
atividade essencial nas funções
riscos a um menor custo e atendimento
operacionais (comerciais,
às condições estabelecidas nos contratos
administrativas e produtivas).
de seguros.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


60

O sistema Smart Mine Full monitora


As ações
a frota da Caminhada
de caminhões, OPA
escavadeiras e
têm contribuído
carregadeiras na redução
em tempo deGPS
real via
acidentes nas empresas VMB

GestÃo de ForneCedores conquistas já alcançadas no âmbito da medicina


e higiene laboral, da segurança do trabalho, da
Com os desafios gerados pela crise financeira, as preservação ambiental e da função social dos contratos
empresas V & M do BRASIL estreitaram ainda mais e preceitos legais aplicáveis.
o relacionamento com seus fornecedores e parceiros,
buscando evitar eventuais rupturas contratuais As empresas V & M do BRASIL renegociaram seus
inadequadas, bem como situações indesejáveis contratos junto aos fornecedores, permitindo às
para os negócios e para as partes contratantes. partes reverem as condições de fornecimento face ao
Foi estabelecido um programa de renegociações novo cenário vigente. Mais de 350 contratos foram
contratuais para dar continuidade às operações e renegociados, consolidando os compromissos entre as
relações estabelecidas entre o mercado fornecedor empresas. A conjuntura demandou um esforço maior
e a cadeia produtiva, considerando a capacidade de da área de suprimentos, avaliando constantemente a
absorção e escoamento das empresas saúde financeira e o comportamento empresarial dos
V & M do BRASIL frente à crise estabelecida. fornecedores de maior dependência econômica do
Grupo.
Esse trabalho focado na revisão das demandas
contratadas e de suas respectivas condições técnicas, Todos os contratos foram pagos em dia, concedendo-
qualitativas e comerciais buscou ainda preservar se, quando necessário, adiantamentos financeiros

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


61

mediante garantias bancárias e adoção de cláusulas Atualmente é feita seleção dos fornecedores críticos,
contratuais equilibradas. que recebem visitas técnicas agendadas pela equipe da
VMB, cuja avaliação pode determinar um plano de ação
Para garantir a sustentabilidade na cadeia de para correção e/ou adequação dos processos ou, até
valor, as empresas V & M do BRASIL exigem uma mesmo, o rompimento contratual, quando aplicável.
atuação responsável por parte de seus fornecedores,
prestadores de serviço e parceiros. Respaldadas pelo Em 2009, as empresas V & M do BRASIL adquiriram,
Código de Ética e buscando estabelecer acordos nos mercados nacional e internacional, produtos e
comerciais compatíveis com seus interesses e de seus serviços da ordem de R$ 1,39 bilhão, distribuídos de
públicos, as empresas possuem nos contratos cláusulas acordo com o gráfico a seguir:
associadas à erradicação do trabalho infantil, à não
discriminação, à adoção de padrões ambientais e ao
comportamento ético nas relações comerciais. Aquisições de produtos e serviços em 2009

Adicionalmente, no âmbito dos serviços prestados


dentro das empresas V & M do BRASIL e de acordo
com a criticidade das respectivas atividades, são
realizadas visitas de segurança, visando ao atingimento
7%
das metas previstas no programa Cap Ten Safe, de
forma a assegurar aos prestadores de serviço internos 23% 40%
o envolvimento e a possibilidade de usufruir das
mesmas condições de segurança no trabalho.

Para a área siderúrgica, são mantidos procedimentos


de avaliação e monitoramento de fornecedores, 17%
compostos por critérios de seleção e questionários de
inspeção estruturados pelas áreas de Suprimentos, 13%
Qualidade, Segurança e Meio Ambiente. Também são
acompanhados, quando aplicáveis, os licenciamentos
ambientais das contratadas.

Através de controles de gestão, os fornecedores ativos


da Empresa são monitorados mensalmente, recebem Serviços
notas por cada entrega e, quando não atingem uma Investimentos Serviços
Matéria–prima Investimentos
pontuação mínima, são convocados a apresentar um Utilidades
plano de ação e demonstrar sua eficácia até que voltem Matéria-Prima
Operações de Manutenção
a entregar produtos em conformidade. Utilidades
Operações de Manutenção
Desses fornecedores, em 2009, cerca de 420 foram
considerados críticos devido a eventuais impactos A V & M do BRASIL prioriza a contratação de
que poderiam causar sobre o meio ambiente, a saúde fornecedores locais: cerca de 80% do valor das
e segurança, por interferirem nas características aquisições citadas anteriormente procederam de
Thursday, May 27, 2010
finais dos produtos, por possuírem algum nível 2.152 fornecedores sediados em Minas Gerais, sendo
de dependência econômica e por não atenderem 1.718 de municípios da Região Metropolitana de Belo
adequadamente à avaliação feita pelos controles de Horizonte.
gestão, dentre outros aspectos de classificação da
criticidade.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | S I STE MA I NTEG RADO DE G E STÃO


62

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


63

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


64

Clientes e MerCados

A V & M do BRASIL investe na melhoria contínua


RESPONSABILIDADE PELO PRODUTO
da qualidade de seus tubos de aço, busca oferecer
um preço competitivo no mercado e proporciona aos
Os tubos de aço sem costura da VMB
clientes a vantagem de trabalharem com um produto
são totalmente recicláveis, podendo ser
feito de maneira responsável do ponto de vista
reprocessados e reutilizados. A Empresa
ambiental e social.
possui estrutura de reprocessamento e
reciclagem de tubos não conformes, seguindo
seus padrões de qualidade. Além disso, utiliza
embalagens que conciliam características
técnicas adequadas à proteção dos produtos
com potencial de reciclagem.

A VMB utiliza a marcação e identificação


para atender às normas de produtos e
especificações dos clientes e também
garantir a rastreabilidade dos tubos. A
Empresa é certificada pelas normas do
Sistema de Gestão da Qualidade e normas
de certificação de Produto, que possuem a
rastreabilidade como um de seus requisitos.
Como exemplos dessas certificações, existem
a API Spec Q1 (American Petroleum Institute)
e ABNT:NBR 5590 (Associação Brasileira
de Normas Técnicas), obtidas através de
resultados positivos das auditorias no
Sistema de Gestão. Os tubos de aço que
possuem diâmetro externo maior que duas
polegadas recebem marcação diretamente
no corpo do tubo e, abaixo desse diâmetro,
a identificação é feita através de plaquetas
afixadas nos amarrados de tubos. Em
2009, todos os produtos da VMB foram
identificados dessa forma.

Durante o ano, não foram identificados


casos de não conformidade de produtos
e serviços relativos ao não atendimento
de códigos e regulamentos de saúde e
segurança, comunicação de produto e ações
de marketing, reclamações sobre violação de
privacidade e perda de dados de clientes.
O sistema Smart Mine Full monitora Também não houve multas ou sanções por
A VMB
a frota de produz tubosescavadeiras
caminhões, de e não conformidade relativas ao uso de seus
diâmetros e em
carregadeiras formatos
tempovariados
real via GPS
produtos e serviços previstas em lei.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


65

- melhorias no atendimento pós-venda através da


FOCO NA SATISFAÇÃO DO CLIENTE
assistência técnica, objetivando um retorno rápido
ao cliente quanto aos produtos VMB;
A VMB realiza anualmente, junto aos
- desenvolvimento de uma nova padronização da
seus distribuidores e clientes finais,
marcação, melhorando a qualidade e durabilidade
uma pesquisa de satisfação para
da mesma e conscientizando os empregados da
conhecer melhor a realidade desses
importância dessa informação;
públicos e propor melhorias a partir de
- ações de flexibilização, facilitando a negociação
suas demandas reais. Com base nas últimas pesquisas,
de prazos e quantidade dos produtos, conforme
a Empresa obteve informações relevantes sobre seus
solicitação do cliente;
produtos, práticas e procedimentos comerciais, de
- sistematização de divulgações nos veículos de
atendimento e logística.
comunicação da VMB, com o objetivo de levar ao
conhecimento de toda a Empresa informações
A qualidade dos tubos de aço foi reconhecida pelos
sobre seus clientes e ações que são desenvolvidas
clientes, que apontaram também possíveis melhorias nos
junto aos mesmos.
processos da Empresa. Abaixo, há um gráfico comparativo
da pontuação média atribuída aos quatro segmentos
O programa Foco no Cliente ajuda ainda a estreitar o
de vendas da VMB, com notas que variam de 1 a 5
relacionamento entre quem fabrica os tubos de aço
(referentes a quesitos como atendimento e condições
(empregados) e quem os utiliza (clientes). Através
comerciais, pesquisa e desenvolvimento, planejamento
da TV&M – projeto piloto de TV corporativa –, foram
de produção, linhas de produto, logística, qualidade,
exibidos ao público interno vídeos com depoimentos
assistência técnica e marketing e comunicação).
de clientes, com a participação de empregados,
apresentando um pouco mais sobre quem utiliza os
Com base na Pesquisa de Satisfação dos Clientes de
produtos, sua aplicação, as principais demandas e
2008, a VMB implementou, em 2009, o programa Foco
pontos de atenção em relação aos tubos de aço e
no Cliente. Por meio dele, a Empresa busca melhorar
serviços da VMB.
seus produtos e serviços e propor soluções para atender
às necessidades desse público. Durante o ano, foram
A Pesquisa de Satisfação de Clientes de 2009 foi
implantadas várias ações corporativas e também por
realizada entre novembro desse ano e janeiro de 2010,
cada segmento de vendas para questões específicas
com um diferencial: foi feita uma padronização nas
de seus clientes. Dentre estas, destacaram-se as ações
áreas de vendas, a fim de facilitar a comparação entre
corporativas abrangendo a Usina, como:
os quatro segmentos e a avaliação dos resultados.

Pesquisa de Satisfação dos Clientes


Comparativo VMB 2008 x 2009 - Áreas 2008 2009

4.01 4.04
3.60 3.63 3.67 3.65 3.76 3.79
Pontuação

notas
1 – Muito insatisfeito
2 – Um pouco insatisfeito
3 – Normal
4 – Satisfaz expectativas
5 – Excede expectativas

tria
ergia & Indús
Tubos para En Tubos Petrolífe
ros
vos e de Precisão
Tubos Automoti Tubos Estrutur
ais

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


66

Inspeção de roscas garante a


qualidade do produto final

seGMentos de MerCado
Esse setor vem buscando prover soluções ao mercado
A seguir, uma análise do comportamento dos petrolífero, firmando parcerias com outras empresas do
principais segmentos de mercado atendidos pela Grupo Vallourec. A VMB intensificou em 2009 contratos
V & M do BRASIL. de serviços e investiu em melhorias na fábrica dentro
da base da V & M do BRASIL em Rio das Ostras (RJ).
tubos Petrolíferos Também foi intensificado durante o ano o trabalho
da equipe de especialistas VAM® Field Service,
A VMB fornece tubos de aço para clientes nacionais e responsável por dar suporte às operações de instalação
internacionais das indústrias de prospecção, extração e de tubos fornecidos às operadoras de petróleo,
transporte de petróleo. principalmente aos produtos com rosca VAM®.

Em 2009, a crise afetou o mercado externo, reduzindo-o Visando a atender às demandas do mercado petrolífero
em torno de 20%, mas a atividade petrolífera no Brasil da América do Sul, a VMB irá contar com uma linha
continuou aquecida pelo projeto pré-sal. A produção de produção de drill pipe (tubos para perfuração),
de tubos petrolíferos da Empresa, apesar de mais baixa em parceria com a empresa VAM Drilling, a partir de
do que a prevista para o período, não foi tão afetada janeiro de 2011. Essa nova linha será instalada na Usina
quanto em outros segmentos. Barreiro.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


67

A VMB E O PROJETO PRÉ-SAL

O Grupo Vallourec e a VMB têm atuado em parceria para que a exploração do pré-sal na costa brasileira, pela
Petrobras, seja bem-sucedida. Os desafios tecnológicos exigem desenvolvimento de soluções e, para atender e
antecipar possíveis demandas do cliente, a VMB iniciou em 2008 o Vallourec Pre-Salt Project (VPP), com suporte do
grupo francês.

A VMB possui profissionais dedicados integralmente ao projeto, engenheiros e técnicos brasileiros e diversos
colaboradores europeus envolvidos, e realiza reuniões periódicas com representantes da Petrobras.

A Empresa já vendeu seus produtos para a exploração do campo de petróleo Tupi, e sua meta é prover produtos e
soluções sustentáveis em tubulações para os desafios que a Petrobras venha a ter na exploração desse e de outros
campos, como Iara e Guará.

Tendo em vista a sua atuação sustentável, a V & M do BRASIL leva em consideração o desenvolvimento econômico e
social que o projeto trará para o país, uma vez que a extração do recurso energético em território nacional evitará a
importação do mesmo e gerará emprego e formação para a população. Do ponto de vista ambiental, além da redução
do número de abertura de pequenos
novos poços espalhados pelo país, o
avanço tecnológico permitirá que o Bacia do
impacto seja atenuado na medida em Espírito
Santo
ES
que a atividade realizada prevê, por
exemplo, a reinjeção de CO2 que, ao RJ Bacia de
SP Campos
invés de ser liberado na atmosfera
34
0k
m

e contribuir com o efeito estufa,


1 2 1 Parati 5 Pão de Açúcar
retornará para a camada do pré-sal. SC km 7 5 3 Bacia de 2
008 4 Santos Iara 6 Carioca
8 6 3 Júpiter 7 Bem-Ti-Vi
20
0k 4 Tupi 8 Carambá
entenda o pré-sal m

• O pré-sal é o intervalo de rochas PLATAFORMAS


0
depositadas por baixo de uma
extensa e irregular camada de sal ÁREA 1000
na costa brasileira, que se estende EXTENSÃO OC
EAN
por 800 km, do Espírito Santo a 800 km O
2000
de Santa Catarina
Santa Catarina. até Espírito Santo

• A Petrobras sabe da existência LARGURA


3000
de grande quantidade de 200 km
de camada pré-sal CAM
petróleo na área do pré-sal e está DISTÂNCIA
AD
AP
ÓS- 4000
340 km
SAL
estudando formas de explorá-lo.
entre os blocos
Além de Tupi e Guará, já foram exploratórios e a 5000
costa
identificados os campos Bem-te- CA
MA
vi, Júpiter, Caramba e Iara. 1 Risers e outros
DA
DE
SA 6000
dutos flexíveis L
• A distância entre a superfície do
mar e os reservatórios de petróleo 2 Cabos de ancoragem CA
MA 7000
DA
Árvore-de-natal: PR
abaixo da camada de sal pode 3 liga o poço aos PE
É-S
AL
TR
chegar a mais de 7 mil metros. tubos que chegam
à plataforma
ÓL
EO 8000
Para atuar nessa profundidade,
Poço de produção
são necessários tubos de aço de 4 do petróleo Fo
nte:
Pe
tr
alta performance (que fazem parte ob
ras

do foco do fornecimento da VMB).

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


68

tubos automotivos de frota e melhoria das indústrias que dependem do


transporte de cargas). A queda das vendas em 2009 foi
de 39% em relação ao ano anterior.
Para a indústria automotiva, a VMB fornece produtos
utilizados em veículos leves, caminhões, ônibus, A área de Tubos Automotivos atuou durante o ano
motocicletas, máquinas agrícolas, implementos com foco no desenvolvimento de novas soluções e
rodoviários e ao mercado ferroviário. Os veículos mercados e na agregação de valor aos produtos. Uma
pesados, caminhões e ônibus representam uma parcela de suas principais estratégias foi a proximidade com os
significativa do faturamento de tubos automotivos da clientes: foi aberta uma nova filial no Rio Grande do Sul
Empresa. e efetuados TechDays, eventos realizados na unidade
das montadoras para aproximar as engenharias da
A VMB possui filiais em São Paulo, Minas Gerais e Rio VMB e do cliente. Outra estratégia iniciada em 2009 foi
Grande do Sul para atender com agilidade às demandas o desenvolvimento no mercado de máquinas agrícolas
de seus clientes automotivos, localizados em todo o – com grande potencial – principalmente no sul do país
Brasil. e no interior paulista.

As vendas de tubos automotivos foram impactadas Ainda com a intenção de estreitar o relacionamento
no primeiro semestre pela crise financeira mundial, com o cliente, a área de Tubos Automotivos procurou
com recuperação após julho, devido aos incentivos transformar produtos longos em curtos, agregando
governamentais (como o financiamento para renovação valor a eles e fidelizando o seu cliente.

EIXO FERROVIÁRIO TUBULAR

Fruto dessa estratégia da VMB de


oferecer soluções diferenciadas, o
eixo ferroviário tubular – um produto
totalmente novo no mercado nacional
e mundial – foi lançado em 2009. O
projeto, iniciado quatro anos antes,
possibilitou o desenvolvimento do
eixo tubular mais leve que o modelo
tradicional maciço, permitindo aumento
da capacidade de carga transportada e
economia de combustível.

A Vale realizou testes no produto


durante um ano e, diante dos bons
resultados, já está utilizando os eixos
ferroviários tubulares. Esse produto
foi oficialmente apresentado na maior
exposição ferroviária da América Latina,
a Feira Negócios nos Trilhos, realizada
em São Paulo, em novembro de 2009.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


69

O sistema Smart Mine Full monitora


Tubos
a frota dede aço carbono
caminhões, sem costura
escavadeiras e
aplicados na
carregadeiras emcondução devia
tempo real fluidos
GPS

tubos para energia & indústria que utilizam tubos para condução de fluidos (como
refinarias e petroquímicas).

Na VMB, a área mais afetada pela crise foi a de Tubos Uma estratégia importante para os negócios da VMB
para Energia & Indústria. Com o ritmo acelerado do é estreitar o relacionamento com seus distribuidores
mercado em 2008, a rede de distribuição, responsável e clientes finais, atendendo às suas necessidades e
por importante parcela das vendas, estava com níveis superando as expectativas. Diante disso, a proposta
de estoque elevados e foi surpreendida com a queda de ampliar a pesquisa de satisfação que culminou no
brusca da demanda pelos produtos. programa Foco no Cliente surgiu de uma demanda
desse setor. Com o objetivo de aproximar-se, cada
A redução do volume de exportação durante 2009 foi vez mais, dos distribuidores e clientes finais, buscou
de 49% e, no mercado interno, de 62% em relação ao conhecer a percepção desse público, visando adaptar-
ano anterior. se às suas especificidades.

Entre os clientes desse segmento estão as companhias Em 2009, a área de Tubos para Energia & Indústria
estaduais de transporte e distribuição de gás natural, trabalhou focada no relacionamento com seus clientes,
fabricantes de cilindros de alta pressão, indústrias desenvolvendo ações para soluções customizadas,
de caldeiras e trocadores de calor, fabricantes de adequadas à realidade de cada um deles.
peças mecânicas para maquinário pesado e indústrias

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


70

tubos estruturais Durante o ano, a VMB também vendeu seus produtos


para obras de infraestrutura urbana direcionadas ao
Os tubos estruturais VMB são aplicados na construção interesse da comunidade: passarelas da Prefeitura
civil, em obras comerciais, industriais, de infraestrutura Municipal de Belo Horizonte; passarelas da
e fundações. Os produtos do segmento estrutural são Concessionária OHL na Rodovia Fernão Dias, em Atibaia/
utilizados ainda pelo segmento de bens de capital em SP; obras do metrô do Rio de Janeiro, São Paulo e
máquinas e equipamentos, no setor ferroviário e de Salvador; a nova rodoviária de Brasília; e a cobertura do
petróleo (offshore, exploração em alto mar). auditório da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

A área de Tubos Estruturais apresentou, em 2009, um divulgação de estruturas tubulares


crescimento de vendas de aproximadamente 50% em As estruturas tubulares apresentam grande potencial
relação ao ano anterior, apesar da crise econômica de crescimento no Brasil. O mercado da construção
mundial. Um fator importante que impactou positivamente civil exige maior velocidade de execução dos projetos,
as vendas foi a obra de construção do complexo antecipação do retorno do capital, precisão de orçamentos
siderúrgico da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil e eliminação de desperdícios. Essas demandas são mais
(VSB) em Jeceaba. A aciaria dessa empresa foi a primeira bem atendidas pela construção em aço e, nesse cenário,
do mundo construída com estrutura tubular, um projeto há bastante espaço para as estruturas tubulares.
inovador desenvolvido com o suporte de engenheiros
da área. O uso dos tubos estruturais nos projetos da A VMB mantém convênios com as universidades
VSB representou uma oportunidade de adequação dos Unicamp, Ufop e UFMG para pesquisas com a finalidade
equipamentos dos fabricantes de estrutura metálica de facilitar a aplicação de tubos de aço em modelos
brasileiros, capacitando-os para a industrialização do estruturais. A equipe técnico-comercial de tubos
processo de beneficiamento de estruturas tubulares. estruturais, por sua vez, dá suporte para utilização das
ferramentas desenvolvidas em parcerias diretas com os
usuários.

livro divulga estruturas


tubulares de aço

A Empresa utilizou em 2009, como estratégia


de relacionamento e divulgação, o livro
“Imagination & Inspiração – Coletânea de
Estruturas Tubulares”, com enfoque em
arquitetura e design de obras de infraestrutura
viabilizadas com estruturas tubulares de aço.
O material reúne exemplos de edificações
mundialmente reconhecidas, onde tubos de
aço foram adotados nas concepções estruturais
de forma ousada e criativa por arquitetos e
engenheiros de diferentes países. A publicação
poderá inspirar os arquitetos e gestores
brasileiros nas alternativas a serem propostas
para as construções urbanas de nosso país.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


71

O sistema Smart Mine Full monitora


a frota de caminhões,
Os tubos estruturaisescavadeiras
da VMB
e carregadeiras em em
estão presentes tempo real via
projetos
GPS de infraestrutura urbana, como
passarelas em Belo Horizonte

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | CLI E NTE S E M E RCADOS


72

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO ECONÔM ICO


73

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO ECONÔM ICO


74

V & M do brasil ao ano de 2008, quando a receita alcançou o montante


de R$ 2,7 bilhões.

O setor siderúrgico foi um dos mais prejudicados


Vendas pela crise financeira mundial e, assim como as
demais empresas nacionais, a V & M do BRASIL foi
A receita líquida de vendas consolidada foi de R$ 2,2
consideravelmente impactada. A diminuição nas vendas
bilhões no ano de 2009, uma queda de 18% em relação
foi notada tanto no mercado interno quanto no externo.

Receita líquida de vendas consolidada

315
2009
191
19 17
408
2008 2329

2007 190
19 07 462

2006 144
14 44 696
2005 140
14 04 500
Mercado Interno
Mercado Externo
2004 1130
113 0 409
2003 8277
82 259
25 9
0 400 800 1200 1600 2000 2400 2800

13
200
investimentos 35
23
7

Em 2009, a V & M do BRASIL


99 17 150
25
e suas controladas investiram
89

MR$
174
R$ 198 milhões, como 200 200 100
200
demonstra o gráfico ao 200
200
200
86 114 150 150
lado. É possível notar um 150
150
150 50
150
investimento significativo
MR$
MR$ MR$

100 100
MR$ MR$

100
MR$

100
em reflorestamento e na 100
86 100

24
50 50 0
modernização e aumento da Empresas 50
50
50
50
capacidade das empresas, o Projetos 0
0 0
Empresas
Projetos Aquisições
Empresas 0
Projetos 0
que demonstra a preocupação VMMN
Empresas
Empresas
Projetos
Empresas
Projetos Aquisições
Aquisições 0
Aplicações
Empresas Administração/OutrosAdministração/Outros
VMMN VMMN
13 13
Projetos
Aquisições Aplicações
Aplicações
do Grupo Vallourec com a sua Aquisições Administração/Outros
35 35
Projetos Aquisições
VMMN 13
VMFL
VMMN 13
VMMN Administração/Outros Administração/Outros
VMMN
VMFL
35 99
VMFL 99 35
Administração/Outros
13 Aquisições Aplicações
Aplicações
Mercado
Mercado Interno
MercadoMercado Interno 174
Interno 174
Aplicações
VMMN
VMFL 9913
Meio Ambiente
Administração/Outros
Meio Ambiente 7 7
35
Outros
Outros 23
Outros 23
Outros
própria sustentabilidade. Meio Ambiente Mercado Interno 174 Aplicações
VMFLVMFL 99
VMFL 99 Meio Ambiente
Administração/Outros
Meio Ambiente 7
VMFL 99
Meio Ambiente 7 VMB 86VMB 86
35 Mercado Interno 174
Interno
Outros 23
OutrosMercado
23 Externo174
MercadoMercado
Interno Externo
24 24
“Downstream”
“Downstream”
Meio Ambiente 17
7
Mercado 17
Interno 174 Outros 23
Reflorestamento
Reflorestamento
Reflorestamento 89 89

VMB
VMB
VMB 86
VMB 86
Downstream
“Downstream”
“Downstream”
“Downstream” 17 VMB 86
7
Meio Ambiente17 Mercado Externo 24
Mercado Externo 24
Equipamentos
Equipamentos
Mercado Externo
Mercado
Outros 23
MercadoReflorestamento
p/ produção Reflorestamento
p/ produção Externo
89 24 89
Reflorestamento
VMB 86
“Downstream” 17
de tubos
p/ produção de tubos 25
25 Externo 24
Mercado Modernização e
Modernização
Modernização e 89
Reflorestamento e aumento
aumento
Equipamentos para
Equipamentos 17
“Downstream”
Equipamentos de
p/ tubos
produção
25 Externo Modernização e 89
Reflorestamento aumento
da qualidade
da qualidade 86 86
de tubos 25Equipamentos p/ produção
Equipamentos p/ produção
de tubos“Upstream”
Equipamentos p/ produção “Upstream” 25114 114 Modernização da
e aumento
qualidade 86
aumento
Modernização e aumento da capacidade
deprodução de tubos da qualidade 86
de tubos 25114
“Upstream” Modernização e aumento Modernização e aumento
da qualidade 86
“Upstream” 114 tubos da qualidade 86
“Upstream” 114 da capacidade
Upstream
“Upstream” 114
“Upstream”

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO ECONÔM ICO


75

distribuição do Valor adicionado


Produção (mil t)
685
659 655
Em 2009, a riqueza gerada pela V & M do BRASIL e 603
611 592
92 572
suas controladas totalizou R$ 1,4 bilhão (R$ 1,5 bilhão 554
557
508 491
em 2008) e foi distribuída como demonstrado nos 446
gráficos a seguir. 349 345
45

Distribuição do valor adicionado 2009

25%

18% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009


Juros Aço bruto Tubos de aço sem costura
39% Acionistas
Lucros Retidos
17% Salários
Produção de Carvão Vegetal (mil t)
1% Impostos
272,9
2,9 278,7
8,7 256,1
6,1
226,3

Distribuição do valor adicionado 2008

21%
2006 2007 2008 2009
15% Juros
Juros Produção de Mudas de Eucalipto (mil)
Acionistas
37% Acionistas
Lucros Retidos
Lucros Retidos 16.887
Salários Salários 16.073
Impostos 17% Impostos 14.537
13.709
10%

Produção
2006 2007 2008 2009
Em 2009, houve uma queda acentuada no volume
de produção de aço e de tubos de aço sem costura, Produção de Minério de Ferro (mil t)
causada pela crise financeira mundial, iniciada
no último trimestre de 2008, que gerou impactos 3.997 4.095
significativos em todos os segmentos de mercado 3.292
atendidos pela V & M do BRASIL no país e no exterior. 2.654
A adaptação ao cenário de baixa demanda ocorreu
através de paradas para manutenção dos principais
recursos produtivos e de redução dos níveis de
estoques, que pode ser notado, uma vez que o volume
de produção de tubos e de aço foi praticamente igual. 2006 2007 2008 2009

Obs.: Dados financeiros detalhados estão disponíveis no Relatório Anual V & M do BRASIL.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO ECONÔM ICO


76

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


77

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


78

CoMProMisso
CoM o Meio aMbiente

As atividades florestal, mineradora e siderúrgica


desenvolvidas nas empresas V & M do BRASIL
exigem a adoção de medidas para racionalizar
a utilização de matérias-primas e insumos, bem
como evitar possíveis danos ao meio ambiente e
à comunidade do entorno das empresas.

Através do diagnóstico e monitoramento dos


Índices de Desempenho Ambiental (IDA), é
possível conhecer e atentar-se a cada processo,
no sentido de promover a destinação correta
dos resíduos gerados, a redução das emissões
atmosféricas e sonoras, o consumo consciente de
energia e a redução do consumo de água. Todas
essas ações fazem parte do Sistema de Gestão
Ambiental da V & M do BRASIL, alinhado ao
Sistema Integrado de Gestão.

As empresas monitoram regularmente suas


atividades, produtos e serviços, a fim de avaliar
seus impactos ambientais e coletar subsídios
para preveni-los ou minimizá-los. Faz parte
também da gestão ambiental conhecer os
seus prestadores de serviço para que possam
participar e desenvolver trabalhos com os
princípios da sustentabilidade.

A VMB teve, em 2009, 20 Grupos de Melhoria


Contínua (GMCs) atuantes que trabalharam
focados na redução de consumo de energia,
água, emissões atmosféricas, controle de óleo,
ruído ambiental e geração de resíduos sólidos,
sempre na busca por melhorias nos processos
internos e propondo ações de melhorias no dia
a dia da Empresa. Na VMMN, também foram
desenvolvidas ações relacionadas ao respeito
pelo meio ambiente por meio de 12 GMCs. A
VMFL possui três GMCs que atuam na redução
dos consumos de madeira e de combustíveis e na
diminuição da emissão de gases causadores do
efeito estufa.

O sistema Smart Mine Full monitora


a frota de caminhões,
Cuidado escavadeiras
e responsabilidade
e carregadeiras
no manejo flem tempo real via
orestal
GPS
r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL
79

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


80

tubo Verde: Produto


sustentÁVel das eMPresas
V & M do brasil

Uma das principais ações


das empresas da V & M do
BRASIL é a busca por produtos
ecologicamente corretos. O tubo
de aço é produzido pela VMB
de maneira sustentável, o que
permite denominá-lo “Tubo Verde”.

Isso quer dizer que, para a


produção do ferro-gusa (matéria-
prima do aço), a VMB utiliza
matriz energética renovável (toda
a energia disponibilizada para
ser transformada, distribuída
e consumida nos processos
produtivos) proveniente do carvão
vegetal produzido nas florestas de
eucalipto da VMFL. O uso desse
biocombustível renovável evita a
utilização de combustíveis fósseis,
resultando em uma atividade
siderúrgica que apresenta
emissões baixas do dióxido de
carbono (CO2), principal causador
do efeito estufa, se comparadas
ao setor siderúrgico mundial.

Nesse processo, o CO2 liberado


na Usina Barreiro é compensado
parcialmente através da absorção
do mesmo pelo crescimento das
florestas de eucalipto. Além disso,
o aumento da biomassa (matéria
orgânica resultante da plantação
de eucalipto) pela plantação de
florestas sustentáveis resulta
em liberação de oxigênio para a
atmosfera.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


81

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


82

O TEMPO SUSTENTÁVEL NA PRÁTICA

As empresas V & M do BRASIL possuem várias iniciativas ambientais em prol do desenvolvimento sustentável.
Em 2009, cabe destacar:

licença ambiental
• Uma importante conquista para a Empresa foi a renovação da licença ambiental até 2016. De acordo
com a legislação estadual, essa licença é normalmente válida por quatro anos, mas em reconhecimento
à gestão ambiental das empresas, seguindo os padrões da ISO 14001, e por não ter havido nenhuma
autuação ambiental no último período de validade de suas licenças, as empresas VMB e VMMN obtiveram a
renovação desta por sete anos.

Exploração responsável da Mina Pau Branco


• Por explorar um recurso não renovável, as empresas de minério de ferro possuem prazo determinado de
operação, que é variável de acordo com o tamanho da jazida e o ritmo de produção. A VMMN possui o
Programa de Provisionamento Financeiro para Futuro Fechamento da Mina Pau Branco, um planejamento
com revisões anuais que prevê recursos financeiros para a adequada recuperação e destinação da área do
empreendimento após o encerramento das atividades.

• Em 2009, foi aprovado um grande investimento de reestruturação da planta de concentração, que deve
ampliar a vida útil da Mina Pau Branco até 2026. A Mina possui duas plantas de beneficiamento de minério
que serão unificadas em 2010. Esse projeto prevê investimento em tecnologia para concentrar os recursos
minerais antes não aproveitados.

• A VMMN iniciou, em 2009,


o processo de concentração
magnética, que permite um
melhor aproveitamento da
Mina ao explorar minérios
com menores teores de
ferro. Antes com cerca de
35 milhões de toneladas de
material aproveitável técnica e
economicamente de acordo com
as demandas atuais de mercado,
passa a ter aproximadamente 85
milhões de toneladas. Anterior
a esse processo, era explorado
o minério com teor de corte
de mínimo de 58% de ferro, e
todo o material abaixo dessa
concentração era destinado à Área do concentrador magnético na
Área
Mina doBranco
Pau concentrador
área da codisposição (pilha de magnético na Mina Pau Branco
estéril e barragem de rejeito).

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


83

desenvolvimento tecnológico na VMFl


• O Centro de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento Florestal (Capef), em Paraopeba (MG), oferece
importante suporte à VMFL na realização de suas atividades. Nele são desenvolvidas técnicas de
clonagem de eucalipto que aumentam a produtividade das florestas, aprimoradas formas de plantio,
controle biológico de pragas e colheita de árvores, além de técnicas para conservação e manutenção da
fauna e da flora nativas.

• A VMFL também investe na otimização do processo de carbonização, que é a transformação da madeira


proveniente de plantios de eucalipto em carvão vegetal. O processo de carbonização é monitorado
sistematicamente, o que evita a queima desnecessária de madeira e reduz a emissão de gases
formadores de efeito estufa.

Materiais Com alterações desse tipo, o consumo específico de


materiais (1,58 t material / t aço) foi pouco superior
Dentro da gestão ambiental dos seus processos, as ao de 2008 (1,54 t material / t aço). Apesar disso, a
empresas V & M do BRASIL buscam continuamente VMB continuou investindo em práticas de redução do
reduzir o volume de matérias-primas necessárias para consumo de materiais na produção de tubos.
a fabricação dos tubos de aço, contribuindo também
na diminuição dos impactos sobre o meio ambiente. Em
2009, as empresas tiveram que adaptar sua produção
não somente às necessidades ambientais, mas também
seus processos internos para manter a competitividade
dos produtos frente à demanda afetada pela crise
econômica.

Diante desse cenário, definiu-se por reduzir a carga da


pelota (aglomerado de finos de minério de ferro – pellet
feed, a partir de processo de pelotização), matéria-
prima que apresenta maior rendimento que o minério,
O sistema Smart Mine Full monitora
utilizada para aumentar a produção, e com um custo a frota de caminhões,
Exposição escavadeiras
de matéria-prima
mais elevado que o do minério. Assim, durante quase e carregadeiras emde
para produção tempo
aço real via
GPS
dois terços do ano, a Empresa usou 100% de minério de
ferro.

ConsuMo esPeCÍFiCo de Materiais na usina barreiro


MinÉrio de suCata MetÁliCa
ano Fundentes (t) Pelota (t) total
Ferro (t) (t)
Consumo Consumo
Total (t) Específico Total (t) Específico Total (t) Específico Total (t) Específico
Total (t) Específico
2009 448.563 1,16 64.073 0,17 87.588 0,23 10.412 0,03 610.637 1,58
2008 423.214 0,65 98.594 0,15 467.472 0,71 18.808 0,03 1.008.089 1,54
2007 447.489 0,65 124.631 0,18 476.244 0,69 14.545 0,02 1.062.911 1,55

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


84

A VMB utiliza materiais reciclados como a sucata


metálica (tubos de aço rejeitados no processo) na
produção dos tubos de aço. Em 2007, a Usina Barreiro
utilizou 1,4% de sucata metálica; em 2008, aumentou
para 1,9%; e, no último ano, esse material representou
1,7% do total utilizado devido à redução do consumo de
pelotas*, conforme a descrição a seguir.

Porcentagem de consumo de sucata metálica na Usina Barreiro

1.9% 1.7%
1.4%

2007 2008 2009

A VMB não realiza a recuperação dos tubos vendidos


após a vida útil do produto.

Na VMFL, houve em 2009 um aumento do consumo de


fertilizantes e agrotóxicos em decorrência do aumento
da área plantada e de uma nova praga nas plantações: o
percevejo bronzeado. A área plantada foi de 12.494 ha em
2008 e de 19.513 ha em 2009. Área do concentrador magnético na
Minério
Mina de Ferro - fonte de
Pau Branco
energia e desenvolvimento
A Empresa produziu durante o ano 17.056.849 mudas de
eucalipto.

ConsuMo de Materiais VMFl


Madeira de euCaliPto (st)* FertiliZantes aGrotóxiCos
ano Própria Terceiros Sólidos (t) Líquidos (L)** Sólidos (t) Líquidos (L)
2009 1.575.138 273.517 50.373 311.266 266 274.752
2008 2.139.802 33.688 ------- 175 71.668
2007 2.135.903 44.857 ------- 150 77.492

* Nos anos anteriores, não foi feita a distinção entre madeira própria e de terceiros, e optou-se por discriminar em 2009 para mostrar a origem das diferentes produções de carvão.
**Houve acréscimo da informação de fertilizantes em litros porque a Empresa passou a utilizar o boro líquido em 2009. Nos anos anteriores, utilizava o boro granulado.
Os dados de fertilizantes e agrotóxicos referem-se a produtos utilizados para a produção de carvão vegetal própria.

*O consumo de pelotas possibilita a utilização de maior quantidade de sucata metálica no alto-forno. Com a redução desse consumo, consequentemente tem-se a redução do
consumo de sucata (material reciclado).

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


85

Na VMMN, os insumos necessários ao processo


produtivo são consumidos em sua totalidade durante a
produção. Devido às características de sua atividade, a
Empresa não produz materiais que possam ser reciclados
ou reutilizados (como embalagens) em seu processo
produtivo.

ConsuMo de Materiais VMMn


Graxa óleo
FloCulante
ano industrial industrial
(t)
(t) (l)
2009 25,70 1,252 9.517
2008 19,15 1,348 7.910
2007 14,5 1,654 4.200

enerGia

Todas as empresas V & M do BRASIL se preocupam


com o consumo consciente de energia. No ano de
2009, 73% da energia consumida nas empresas VMB
foi proveniente de fontes renováveis. Essa matriz
energética renovável é possível devido ao uso do carvão
vegetal – produzido a partir de florestas plantadas de
eucalipto na VMFL –, além da reutilização de gás de
alto-forno (gás gerado no processo de produção de
ferro-gusa) na produção de aço na Usina Barreiro.

Matriz Energética V & M do BRASIL – 2009

27%

73%
Energia
Renovável

Energia
Não Renovável

A Empresa não consome carvão oriundo de mata nativa,


mas ainda depende de carvão vegetal de eucalipto do Área do concentrador magnético na Mina
mercado, também de origem plantada, para suprir 30% de PauCarvão Vegetal - matriz energética
Branco
renovável na produção de tubos de aço
seu consumo. O documento de declaração de colheita e
comercialização de carvão emitido pelo Instituto

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


86

Estadual de Florestas (IEF) aos produtores garante essa Com a baixa produção em 2009, houve um decréscimo
procedência do carvão comprado pela Empresa. Além significativo no consumo de energéticos. A exceção
disso, a VMFL faz vistorias junto aos seus fornecedores foi em relação ao consumo de gasolina, que não está
para garantir a produção sustentável de carvão vegetal diretamente associada às atividades produtivas, e sim
comprado. administrativas.

ConsuMo direto de enerGia da usina barreiro

renoVÁVel nÃo renoVÁVel

ano Carvão Vegetal (t) Alcatrão (t) GAF (Nm³)* Gás Natural (Nm3) Gasolina (L) Diesel (L)

2009 244.960 1.886 384.781.822 43.864.700 143.641 1.994.422


2008 369.635 2.697 871.067.248 65.771.689 135.598 2.944.692
2007 390.321 2.964 __ 52.171.910 114.247 2.514.364

*Por refinamento metodológico, o consumo de Gás de Alto-Forno passou a ser contabilizado na matriz energética da Usina Barreiro.

ConsuMo de enerGia ConsuMo de enerGia


nÃo renoVÁVel VMFl nÃo renoVÁVel VMMn
ano Gasolina (L) Diesel (L)* Álcool (L)** ano Gasolina (L) Diesel (L)*
2009 147.568 6.021.289 205.966,30 2009 99.590 6.828.937
2008 286.363 3.240.063 _______ 2008 96.290 9.974.130
2007 413.434 3.724.178 _______ 2007 95.846 12.980.087

*Por refinamento metodológico, em 2009, passou a ser contabilizado o consumo *Por refinamento metodológico, em 2009, o consumo de diesel contabilizou
de diesel referente ao transporte de carvão entre as fazendas e a Unidade de apenas o consumo interno da VMMN, e não o consumo total (externo e interno),
Peneiramento de Carvão (UPC), e não apenas o consumo interno das fazendas, conforme nos anos anteriores. Para exemplificar a mudança, o consumo
conforme nos anos anteriores. Para exemplificar a mudança, o consumo interno interno de diesel de 2009 foi de 6.828.937L, enquanto o consumo externo foi de
das fazendas em 2009 foi de 3.732.567L, enquanto o consumo entre fazendas e 2.488.916,17L.
UPC foi de 2.288.720L.
**Em 2009, foram adicionados os valores de consumo de álcool, pois a frota
de carros da VMFL passou a utilizar esse combustível preferencialmente (uma
medida também para a redução de emissões de CO2).
Consumo específico de energia
não renovável Usina Barreiro
ConsumoConsumo direto
Específico específico
de Energia de energia
Renovável Usina Barreiro Consumo Específico de Energia Não Renovável Usina Barreiro
renovável na Usina Barreiro
4.43
16.45 3.93
14.81 14.67

2.98 Gasolina (GJ/T aço)


Diesel (GJ/T aço)
Carvão Vegetal (GJ / t aço) Gás Natural (GJ/T aço)
Alcatrão (GJ / t aço)
GAF (GJ / t aço)

5.011
3.744
0.13 0.16 0.19

0.01 0.01 0.01


0.083 0.079 0.094
2007 2008 2009 2007 2008 2009
Thursday, May 13, 2010

Wednesday, May 12, 2010

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


87

Consumo Específico de Energia não renovável VMFL Consumo Específico de Energia não renovável VMMN

1.12
0.11844
0.118

0.08888
0.075
0.0756
75
0.43 0.466
0.4 Gasolina ((GJ / t minério)
Gasolina (G
( J / t carv
r ão
rv o vegetal) Diesel (G
( J / t minério
o)
Diesel (G
( J / t carv
r ão vegetal)
rv

0.05 0.044
0.0 0.00088
0.000 0.00088
0.000 0.0010
0.00 10
0.02

2007 2008 2009 2007 2008 2009

enerGia elÉtriCa

Visando à melhoria contínua do processo de


desenvolvimento de técnicas de eficiência energética
e à autossuficiência energética, a VMB possui uma
Usina Termelétrica – UTE Barreiro –, que utiliza para a
geração de energia o gás dos altos-fornos da Usina e
o alcatrão vegetal gerado no processo de carbonização
da madeira na VMFL.

A UTE Barreiro tem capacidade para gerar 12.900 kWh


de energia elétrica, o que em 2009 representou 31%
das necessidades da Usina. Além disso, gera créditos
de carbono (ver informações na página 100), prática
esta alinhada com o Mecanismo de Desenvolvimento
Limpo (MDL) do Protocolo de Kyoto. Permite ainda, por
meio de uma parceria com a Companhia Energética do
Estado de Minas Gerais (Cemig), que a energia elétrica
não consumida pela Empresa esteja disponível para
outros usuários.

O consumo específico de energia é calculado a partir


da divisão entre o consumo total de energia pela
produção de aço do Grupo. O consumo específico de
energia elétrica (GJ/aço) de 2009 da VMB apresentou
um aumento significativo em relação a 2008 e 2007.
Área do concentrador magnético na
UTEPau
Mina Barreiro
Branco- autossuficiência Esse aumento se deve ao fato de que, em períodos de
energértica
baixa produção (como em 2009), os equipamentos, em
sua maioria, permanecem ligados, mesmo que

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


88

não produzindo continuamente. Para permanecerem


Consumo Específico Energia Elétrica Usina Barreiro
ligados, tais equipamentos requerem um consumo fixo
1.788
1.7
mínimo de energia que pouco se altera em função de
produção, fazendo com que o consumo específico de
energia se eleve. Seguindo esse raciocínio, quando se 1.39
1.3 9
1.27
1.2
tem uma produção elevada, o consumo de energia é
Comprada (GJ/t
(GJ /t aço)
diluído, fazendo com que se tenha um menor consumo Produzida (GJ/t aço)
específico. 0.800
0.8

Já o consumo total de energia elétrica apresentou uma


0.43 0.41
redução de 2008 para 2009 devido à baixa produção
da Usina, com cerca de 50 mil kWh a menos do que no
ano anterior. 2007 2008 2009

ConsuMo de enerGia elÉtriCa – total anual

usina barreiro VMFl VMMn


ano
Consumo total de
Comprada (kWh) Produzida (kWh) Comprada (kWh) Comprada (kWh)
energia (kWh)
2009 190.935.577 86.112.002 277.047.579 5.471.474 17.264.800
2008* 252.194.573 75.265.727 327.460.300 5.564.759 17.211.600
2007 242.255.072 82.210.000 324.465.072 2.228.069 15.358.500

*Dados de 2008 reais divergem dos apresentados no Relatório do ano passado. Isso porque foi feita uma estimativa para o mês de dezembro, visto que, quando do
levantamento dos dados, ainda não havia fechado o mês.

Área do concentrador magnético na Mina


PauProcesso
Branco de carbonização transforma
madeira de eucalipto em carvão vegetal

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


89

ações visando à economia


de energia na VMb
OPERAÇÃO ENERGIA E GREENHOUSE Com o apoio dos empregados, importantes
iniciativas foram implantadas em 2009, influenciando
Dois importantes projetos foram consideravelmente o consumo de energia na Usina
consolidados em 2009: a Operação Energia Barreiro. Após um levantamento das áreas de maior
e o Greenhouse. Além de influenciar consumo, foi desenvolvido um projeto piloto na
no consumo de energia, ambos visam a siderurgia que gerou, principalmente, economia
racionalizar custos e minimizar os danos ao de energia elétrica no forno panela da Aciaria e no
meio ambiente. consumo de Gás Natural (GN).

A primeira iniciativa da VMB, cujo objetivo No segundo semestre, com o decréscimo de demanda,
é criar uma cultura de uso eficiente de definiu-se por centralizar a produção em determinados
energia dentro da Empresa, ganhou o apoio períodos em que os fornos ficariam ligados, desligando-
do Greenhouse, um projeto corporativo do os em outros, gerando uma economia significativa de
Grupo Vallourec implementado em todas Gás Natural. Com tal iniciativa, foi possível a redução
as usinas no mundo. O foco principal do de cerca de 16,40% no consumo específico de GN em
Greenhouse é a redução da emissão de alguns fornos da Laminação Automática em relação à
gás carbônico (CO2), proporcionalmente média de 2008, sendo 9,8% devido a ações de Grupos
ligada ao uso racional de energia. A meta de Melhoria Contínua (GMCs) e 6,5% referente aos
é diminuir, até 2020, 20% de energia ajustes de ampliação dos fornos.
despendida pelo Grupo Vallourec. Esse
projeto complementa a Operação Energia Outra ação eficiente realizada foi a desativação dos
no intuito de reduzir os impactos causados fornos Nassheuer, em janeiro de 2009, reprogramando
pelo aquecimento global. sua produção para os fornos de Têmpera que possuem
um melhor sistema de controle dos energéticos
Foram criados grupos de trabalho na Usina consumidos, o que gerou aumento de 5% na demanda
formados por empregados de diversas deste forno. Por ser mais eficiente, o consumo de
superintendências: Laminação Contínua, energia foi menor, possibilitando uma economia de
Laminação Automática, Siderurgia e R$ 1,2 milhão nas contas do ano.
Tubos Automotivos e de Precisão, que
devem implantar ações de curto prazo A utilização de telhas transparentes proporcionou
e identificar as melhores práticas de ainda o desligamento das lâmpadas internas da Usina
eficiência energética em cada área. Um no período do dia, resultando também em redução do
dos principais objetivos é a economia de consumo de energia.
combustíveis na Usina: o Gás Natural e o
gás de alto-forno. uso racional dos
equipamentos na VMFl
Para 2010, a meta de economia na Usina é
de 12% em relação ao consumo específico A Unidade de Peneiramento de Carvão é responsável
de energia elétrica de 2009. por cerca de 55% do consumo total de energia elétrica
na VMFL. Para reduzir esse consumo e o valor das
contas pagas à concessionária, os aparelhos dessa
unidade são desligados durante o horário de pico (em
que o valor do kWh é maior) quando a demanda para
atender à Usina Barreiro permite tal medida.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


90

subestação na Mina
Consumo Específico de Energia Elétrica Anual VMFL A VMMN investiu em melhorias na subestação de
Comprada (GJ/t carvão vegetal)
energia elétrica na Mina Pau Branco, em operação
0.1011
0.10 desde março de 2009. Com equipamentos modernos
0.078
0.0 8 e mais eficientes, a planta de distribuição e controle
de energia proporciona maior agilidade na solução de
problemas e menor risco de acidentes. Todo o controle
0.029 é feito de forma remota por meio de um computador
ligado em rede e localizado em uma sala isolada. Com
o novo sistema, o eletricista consegue identificar e
2007 2008 2009 solucionar falhas, acionar disjuntores, monitorar e
relatar à distância tudo o que acontece com a energia
elétrica que passa pela subestação, sem se aproximar
do sistema energizado em 13.800 volts, tensão de
eficiência energética na VMMn distribuição elétrica de todos os centros urbanos do
país.
A VMMN utiliza lâmpadas de 32 W em substituição às
de 40 W, não interferindo na eficiência de iluminação O fornecimento de energia da subestação foi
interna do ambiente. Além disso, toda a iluminação estrategicamente dividido para atender a toda a Mina,
pública, a partir de lâmpadas de vapor de mercúrio, e a rede de distribuição interna, que utiliza cabos
está sendo substituída por lâmpadas de vapor de sódio, nus, está sendo substituída por cabos protegidos,
contribuindo ainda mais para a redução no consumo de reduzindo os danos causados por fenômenos da
energia elétrica. natureza, interferência magnética e humana. O sistema
é monitorado e se autorregula, evitando que a Empresa
Outra iniciativa ainda em estudo é a implantação de consuma mais energia que a contratada junto à
novos sistemas operacionais de partida de motores concessionária local.
da Mina, objetivando a otimização do consumo e da
potência requeridos pelos equipamentos, resultando
na utilização apenas da energia necessária, dando
flexibilidade operacional aos equipamentos. Desde
2005, vem sendo avaliado um sistema protótipo,
obtendo-se uma redução de aproximadamente 20% da
potência necessária. O sistema deve ser ampliado em
2010 para as unidades de produção e áreas afins.

Consumo Específico de Energia Elétrica Anual VMMN


Comprada (GJ/t minério)

0.019
0.0 19
0.014
0.0 0.015
0.0

Área do concentrador magnético na Mina


PauSubestação
Branco na Mina: equipamentos
2007 2008 2009 modernos e mais eficientes

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


91

ÁGua Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa),


e água proveniente de poços subterrâneos devidamente
A busca pelo uso racional de água faz parte do outorgados pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas
cotidiano das empresas V & M do BRASIL. As (Igam). Em 2009, 93% da água consumida pela Usina
atividades desenvolvidas pela Usina Barreiro na Barreiro foi fornecida pela Copasa.
produção de tubos de aço sem costura demandam
grandes volumes de água, utilizada principalmente A Copasa utiliza os sistemas de captação e tratamento
em sistemas de refrigeração, geração de vapor, Catarina, Rio Manso e Ibirité. A água industrial usada
descarepação e lavagem de gás. nos processos produtivos da VMB é proveniente
do Sistema Catarina ou Rio Manso. A água potável
A Empresa não capta água diretamente de rios. destinada ao consumo humano é proveniente do
Utiliza somente água proveniente de duas fontes Sistema Ibirité.
de abastecimento: o sistema público, através da

O sistema Smart Mine Full monitora


a frota de caminhões,
A VMB escavadeiras
possui três Estações
e carregadeiras
de Tratamentoem tempo
de Efl uentesreal
e via
GPS35 circuitos dedicados para a
recirculação de água

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


92

A tabela a seguir apresenta a variação da quantidade artesianos passou a ser contabilizado no volume total
de água consumida por fonte, o volume total e a de água consumida pela Usina Barreiro.
quantidade específica por tonelada produzida de tubos
de aço, nos últimos três anos, na Usina Barreiro. Em 2009, as três Estações de Tratamento de Efluentes e
os 35 circuitos dedicados existentes na Usina recircularam
O consumo específico de água relativo à produção 78.560.135 m³ de água, o que corresponde a um índice de
de tubos de aço aumentou 33%, mesmo com a queda 98,15% de recirculação. Todo esse volume é reutilizado no
na produção, devido à necessidade de manutenção processo produtivo e apenas o excedente é lançado na
da recirculação de água nos diversos equipamentos rede pública de coleta da Copasa para ser encaminhado
e circuitos de refrigeração. Além disso, em 2009, para tratamento secundário na Estação de Tratamento de
o volume de água subterrânea captada em poços Esgoto Arrudas (ver dados página 94).

ConsuMo de ÁGua anual Por Fonte – usina barreiro


Água comprada do sistema público
de abastecimento (Copasa) Água captada em Consumo
Consumo total
ano poços subterrâneos específico
Água Industrial Água Potável de água (m3)
(m³)* (m³/t de aço)
(m³) (m³)
2009 1.388.053 138.839 109.068 1.635.960 4,22
2008 1.863.430 208.643 - 2.072.073 3,16
2007 1.932.254 219.587 - 2.151.841 3,14

* Dado informado a partir de 2009

operação Água limpa


ÁGua reCirCulada - usina barreiro
Seguindo os passos do uso racional da água, foi
ano Água recirculada (m ) 3
% de recirculação realizado um estudo aprofundado denominado
“Diagnóstico das Águas”, que indicou as ações
2009 78.560.135 98,15%
necessárias para monitorar continuamente e melhorar
2008 79.926.785 97,89% a qualidade do recurso utilizado pela Usina e seu reúso
2007 82.093.501 97,88% nos processos industriais.

Ao longo dos anos, a VMB busca reduzir seu consumo


de água por meio do aumento da recirculação e do uso
consciente desse recurso natural. O trabalho realizado
Água Recirculada - Usina Barreiro
pelo Grupo de Melhoria Contínua (GMC) de Redução
do Volume de Água Bruta Comprada garantiu uma
% de Recirculação queda significativa na quantidade de água proveniente
82.093.501
Água Recirculada (m3) da Copasa. As duas ações de maior impacto nos
resultados foram:

79.926.785 - substituição, a partir de fevereiro de 2009, do


98.15% fornecimento de água proveniente do Sistema Catarina
97.8
7 8% 97.8
7 9%
7.8 da Copasa por água de recirculação da Estação de
78.560.135
0.135
Tratamento de Efluentes (ETE) III para a empresa
2007 2008 2009 prestadora de serviço White Martins, gerando uma
economia de aproximadamente 8 mil m³/mês de água
da Copasa;

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


93

- na trefilaria, foi feita a automação das válvulas de Controle da qualidade das


emergência dos circuitos fechados de recirculação águas na VMMn
de água. Antes, as válvulas manuais expurgavam um
volume excessivo e desnecessário toda vez que a A VMMN capta água de duas fontes para consumo
pressão da rede era reduzida. Isso resultou em uma humano e industrial, devidamente outorgadas. Uma
economia de aproximadamente 5 mil m³/mês de água das captações é realizada a partir de bombeamento
proveniente da Copasa. superficial no córrego fundo e a outra é proveniente
do rebaixamento do lençol freático, por meio de poços.
A Empresa realiza semanalmente o monitoramento
Monitoramento da água na VMFl de vazões em 14 seções instaladas nos córregos e
nascentes no entorno da Mina Pau Branco, a fim
Já a VMFL possui outorga para captação de água de gerar dados analisados sistematicamente para
subterrânea e superficial para uso industrial, utilizada o acompanhamento do comportamento dos cursos
nos viveiros de produção de mudas e em atividades d’água.
gerais na planta de carbonização como aspersão de
vias, cantinas, escritórios e eventuais focos de incêndio O volume captado de água superficial pela VMMN
no carvão ao final do processo de carbonização. em 2009 foi de 496,4 mil m³. Também foram captados
aproximadamente 3,05 milhões de m³ de água
A Empresa realiza monitoramentos constantes da subterrânea. Do total de água utilizada no processo
água existente em suas fazendas e entorno. Os industrial, aproximadamente 85% é recirculada na
resultados de algumas variáveis são comparados a própria mineração.
cursos d’águas dos ambientes naturais de Unidades
de Conservação, como as Reservas Particulares de As alterações na qualidade das águas superficiais
Patrimônio Natural (RPPN) Caraça e o Parque Estadual acarretam efeitos sensíveis à biota aquática em termos
do Rio Doce, ambos em Minas Gerais. Assim, podem da composição, diversidade, riqueza e dominância entre
ser classificados, conforme a legislação em vigor, as espécies nos cursos d’água da região sob influência
como “Corpos d’Água de Classe Especial” devido à da mineradora. Por isso, as ações mais eficazes e
sua qualidade. Em 2009, em parceria com a Unileste, tradicionalmente adotadas para minimizar os efeitos
foi analisada a qualidade da água nos locais de adversos contemplam sistemas integrados de drenagem
atuação da Empresa, e constatou-se que as atividades superficial de todas as áreas, direcionados para as
desenvolvidas na VMFL não têm interferência sobre a estruturas de contenção de sedimentos. Além disso,
qualidade da água. a VMMN possui uma rede de pontos regularmente
monitorados para o controle de qualidade de águas.

ConsuMo de ÁGua VMFl ConsuMo de ÁGua VMMn

Água industrial Captação Captação


Água ano
superficial (m³) rebaixamento (m³) *
ano Potável
Uso Diverso 2009 496.433 3.053.472
(m3) Viveiros (m³)
Fazendas (m³)
2008 607.476 2.527.435
2009 2.764 187.662 158.971
2007 642.900 3.500.000
2008 2.582 155.866 159.519
2007 2.514 120.973 188.531 *Nem toda a água captada pelo rebaixamento do lençol freático é utilizada no
processo industrial. Rebaixamento de lençol freático é uma atividade necessária
para garantir condições de segurança e operação da Mina.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


94

Área do concentrador magnético na Mina


PauRecursos
Branco naturais compõem o
cenário das fazendas da VMFL

eFluentes atividades, constatando eventuais falhas nos controles


ambientais e, se necessário, implantando as correções.
As empresas V & M do BRASIL monitoram seus Todas as instalações da Empresa têm sistemas
efluentes para evitar possíveis contaminações das de tratamento de esgotos sanitários e sistemas
águas. A Usina Barreiro não descarta efluentes separadores de água e óleo, regularmente monitorados
industriais ou sanitários em corpos d’água, sendo para controle de qualidade de águas receptoras e de
o efluente tratado predominantemente recirculado efluentes sanitários e oleosos.
(98,15%). O excedente é destinado ao interceptor da
Copasa para tratamento na Estação de Tratamento de Um dos principais efluentes é o rejeito depositado na
Esgoto Arrudas. Assim, não há lançamento nos corpos Barragem Cachoeirinha. A água é recirculada para
naturais d’água próximos à Empresa (Ribeirão Arrudas o processo por meio de bombeamento. A drenagem
e córregos Barreiro e Bonsucesso). pluvial da Mina e dos taludes das pilhas direcionam
toda a água pluvial para as barragens de contenção de
sedimentos Santa Bárbara (Ribeirão Piedade, sub-bacia
desCarte de ÁGua Para o interCePtor do Paraopeba) e dique de contenção de sedimentos
CoPasa – usina barreiro (Córrego Cachoeirinha, sub-bacia do Velhas). Nenhum
efluente é lançado diretamente em curso d’água
ano Volume de Água (m3)
sem tratamento. Todas as instalações da Empresa
2009 162.848 são providas de sistemas de tratamento de esgotos
2008 214.826 sanitários e de sistemas separadores de água e óleo.

2007 216.557
Os resultados dos monitoramentos dos principais
parâmetros físico-químicos, microbiológicos e
hidrobiológicos em todo o ecossistema aquático no
Os sistemas de tratamento instalados na Empresa são entorno da Mina apresentaram resultados satisfatórios,
necessários para adequar o efluente aos parâmetros de à exceção do manganês. Esse metal é abundante nos
qualidade do processo industrial, de forma que possa solos da região, devido à frequente associação com
ser reutilizado. o minério de ferro, mas não compromete a qualidade
ambiental local.
Os descartes de efluentes sanitários também
são captados pelo interceptor da Copasa e são A VMFL também não faz descartes de efluentes
encaminhados para tratamento na Estação de diretamente nos rios. O que é originado nas
Tratamento de Esgoto Arrudas. atividades realizadas nos viveiros recebe tratamento
para a retirada de material orgânico, fertilizantes e
A Usina Barreiro possui um sistema de coleta pluvial agrotóxicos, possibilitando que haja recirculação dos
equipado com 18 galerias que funcionam apenas como insumos recuperados.
canais de escoamento da água da chuva.
Na VMB, VMMN e VMFL não foram registrados
A VMMN realiza o monitoramento dos efluentes vazamentos significativos em 2009.
avaliando possíveis impactos gerados por suas

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


95

biodiVersidade
Em 2009, foram realizados levantamentos da avifauna e
As empresas V & M do BRASIL monitoram da flora no CEA Barreiro e não foi encontrada nenhuma
constantemente seus impactos e desenvolvem estudos espécie ameaçada de extinção, de acordo com a Lista
sobre a importância da preservação da biodiversidade Vermelha da União Internacional para a Conservação da
nas áreas onde atuam. Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN).

diversidade biológica no Cea barreiro Foram encontradas 77 espécies de aves distribuídas


em 27 famílias, que em sua maioria apresentam
A Usina Barreiro, localizada em uma região hábitos generalistas e são tolerantes às modificações
densamente urbanizada, apresenta área verde de ambientais, de acordo com estudos já existentes sobre
30 hectares. As atividades da Empresa que podem espécies que se adaptam a ambientes de intensa
afetar a biodiversidade são as emissões atmosféricas atividade humana.
e ruídos provenientes das atividades siderúrgicas.
Para minimizar tais impactos, é desenvolvido o projeto O CEA Barreiro apresenta vegetação nativa de
paisagístico de ampliação do Cinturão Verde com Cerrado Sensu Stricto, espécies de Mata Atlântica e
vegetação arbórea, arbustiva e herbácea em torno da outras introduzidas para enriquecimento da área. Há
planta industrial, visando a contribuir com o aumento e várias espécies frutíferas e funcionam como núcleos
a conservação da biodiversidade local. concentradores de fauna, pois podem ser utilizadas
como refúgio e alimento.
O Centro de Educação Ambiental do Barreiro (CEA
Barreiro), anteriormente denominado Reserva Ecológica A Empresa realiza monitoramentos de ruído e
V & M do BRASIL, é uma propriedade da Prefeitura de emissões atmosféricas, controlando os impactos
Belo Horizonte mantida pela VMB. O CEA Barreiro é sob a biodiversidade. Em 2009, foi criado um Comitê
uma área de preservação de aproximadamente 20 ha ao Corporativo de Biodiversidade envolvendo especialistas
lado da Usina. O espaço é utilizado para atividades de das empresas do Grupo Vallourec nos diversos países,
educação ambiental e desenvolvimento de pesquisas que se reúnem periodicamente para estabelecer ações
científicas, levantamento e monitoramento da fauna e voltadas para a conservação da biodiversidade.
flora para a preservação da diversidade biológica.

O sistema Smart Mine Full monitora


No CEA
a frota de Barreiro há atividades
caminhões, de
escavadeiras e
educação ambiental e relacionamento
carregadeiras em tempo real via GPS
com a comunidade do entorno

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


96

Fauna e flora protegidas na VMFl e da biodiversidade. A presença de animais ameaçados


de extinção demonstra que esses se abrigam nas
A VMFL possui 232 mil hectares em propriedades áreas da Empresa, alimentando e se reproduzindo
rurais, dos quais, cerca de 117 mil são plantios naturalmente.
florestais de eucalipto, 76 mil são de vegetação nativa e
o restante corresponde a infraestrutura. Para cada 1,5 Nas áreas de atividade da VMFL, já foram registradas
ha de plantio, preserva-se 1,0 ha de vegetação nativa. as seguintes espécies que integram a lista IUCN: 27 de
Além de maciços de vegetação nativa, a Empresa mamíferos (11 ameaçadas de extinção para o Estado
preserva adicionalmente corredores ecológicos de Minas Gerais, ou seja, cerca de 40% das espécies) e
interligando os grandes blocos de reserva. 340 espécies de aves (11 listadas como ameaçadas de
extinção).
As áreas de vegetação nativa estão distribuídas
em Áreas de Preservação Permanente (APPs), com Nas propriedades rurais da Empresa, consideram-
24.029,81 ha de área, e Reserva Legal de 52.182,57 ha. se como Áreas de Refúgio e Reprodução da Fauna
Silvestre as localidades com cobertura vegetal nativa
A Empresa realiza monitoramentos da fauna local há primária, em regeneração e com plantio antigo de
mais de nove anos, em parceria com pesquisadores eucalipto, porém, em conversão para cobertura nativa,
da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Os a saber: Área de Preservação Permanente, Reserva
Planos de Manejo e Conservação das Áreas de Refúgio Legal, Faixa Ecológica, Ilha Ecológica e Árvores Sob
e Reprodução da Fauna Silvestre, implantados pela Proteção Especial.
Empresa, vêm mostrando resultados positivos nas
populações nativas de mamíferos, aves e abelhas. O Incêndios florestais, emissões atmosféricas e mudanças
sistema de disposição das áreas de cobertura nativa na paisagem cênica são possíveis impactos da VMFL.
causa um impacto direto na fauna silvestre, que pode Para mitigá-los, são realizados controles operacionais,
se deslocar normalmente e realizar a troca genética, mapeamentos de aspectos e impactos ambientais e
contribuindo para a manutenção de espécies silvestres planos de atendimento a emergências ambientais, entre
outras ações.

SERRA DO CABRAL

A Empresa adquiriu aproximadamente 48


mil ha de fazendas na Serra do Cabral em
2008 e começou a atuar na região em 2009.
A área é de extrema importância ambiental
por possuir nascentes que originam
muitos cursos d’água, apresentar uma rica
biodiversidade, por suas formações rochosas
características e vegetação exclusiva.
Um terço dessa área será destinado à
preservação, e a VMFL aplicará nas áreas
de plantio as mais modernas práticas de
manejo, objetivando garantir sustentabilidade
ambiental ao empreendimento.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


97

O sistema Smart Mine Full monitora


a frota dedecaminhões,
Espaço convivência escavadeiras
na VMMN
e carregadeiras em tempo real via

Preservação das espécies na VMMn seu viveiro. No total, já são mais de 1 milhão e 600 mil
metros quadrados de áreas recuperadas, com o plantio
Na VMMN, os impactos significativos na biodiversidade de gramíneas, leguminosas e árvores nativas da região.
decorrentes da atividade minerária são emissões Adicionalmente, esse trabalho promove também a
atmosféricas, supressão de vegetação e alteração de migração da fauna de maneira gradual e natural.
recursos hídricos.
A VMMN possui aproximadamente 200 ha de Reserva
Para a proteção da biodiversidade local, a Empresa Legal Nativa, composta, em grande parte, por um dos
mantém uma série de projetos. Entre eles, destaca- mais ricos ecossistemas brasileiros: a Mata Atlântica.
se o Programa de Manejo de Ecossistemas, que tem
por objetivo recuperar áreas mineradas e minimizar Em estudos realizados na Reserva Legal, foram
impactos da exploração mineral por meio da avaliação, encontradas 16 espécies de mamíferos não voadores,
resgate de fauna e flora, recuperação das áreas 148 espécies de aves e 21 espécies de anfíbios e
alteradas, propagação de espécies nativas e manejo da répteis. Destas espécies, duas estão ameaçadas de
área. extinção: o lobo-guará e a onça-parda, segundo a Lista
Oficial de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de
Em 2009, dentro do Programa de Manejo de Extinção (Machado et al. 2005) e a Lista das Espécies
Ecossistemas, a Empresa recuperou cerca de 100 mil m² da Flora e da Fauna Ameaçadas de Extinção em Minas
de área alterada pela mineração, utilizando a tecnologia Gerais (Fundação Biodiversitas, 2006).
de hidrossemeadura, e plantou aproximadamente 50
mil mudas de espécies nativas da região produzidas no

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


98

eMissÕes

Todas as empresas desenvolvem ações de eMissÕes diretas de Gases Causadores


monitoramento e controle constante das suas do eFeito estuFa (Gee)
emissões atmosféricas. Foram mantidos investimentos Emissão Específica
Ano Usina (t CO2)
em projetos concebidos nos anos anteriores para (t CO2 / t aço)
manutenção da diminuição em 30% das emissões 2009 117.848 0,30
diretas que realizavam em 2000. Entre as emissões 2008 122.513 0,19
da V & M do BRASIL, as mais significativas são as
2007 88.713 0,13
provenientes do processo de carbonização do carvão
vegetal e aquelas devido ao uso de Gás Natural nos Emissão Específica
Ano VMFL (t CO2)
processos de aquecimento e reaquecimento dos tubos, (t CO2 / t C.)
totalizando juntas cerca de 80% do total. 2009 167.361 0,86*
2008 207.663 0,81
Em 2009, com a oferta de coque metalúrgico
2007 228.097 0,82
(combustível proveniente de fonte não renovável) a
preços atrativos, a VMB optou pela utilização de parte Emissão Específica
Ano VMMN (t CO2) (t CO2 / t minério de
(no máximo 15%) desse insumo na produção do aço,
ferro)
com autorização do órgão ambiental competente. Por
2009 19.283 0,01
esse motivo, a emissão específica da Usina Barreiro
foi cerca de 60% maior em 2009 (0,30 t CO2 /t aço, 2008 27.616 0,01
enquanto em 2008 foi de 0,19 t CO2 /t aço). 2007 35.851 0,01
Emissão Específica
Para minimizar o uso de combustível fóssil usado em Ano Total (t CO2)
(t CO2 / t aço)
seus processos de produção, a Usina Barreiro possui
2009 304.028 0,79
uma matriz energética embasada, em sua maior parte,
na utilização de fontes renováveis, com emissões de 2008 357.792 0,55
gás dióxido de carbono (CO2) muito menores (em 2007 352.661 0,51
torno de 0,3 a 0,5 t CO2/t aço) se comparadas ao setor
siderúrgico mundial, que é entre 1,6 a 2 t CO2/t aço.

*A emissão específica da VMFL no ano de 2009, mesmo considerando


A VMB opta por reportar somente as emissões diretas, um período de menor produção, foi superior aos demais anos, devido aos
seguintes fatos:
e não possui emissões significativas de gases dióxido - por refinamento metodológico, em 2009, passou a ser contabilizado o
de nitrogênio (NOx) e dióxido de enxofre (SOx). A consumo de diesel referente ao transporte de carvão entre as fazendas e a
Unidade de Peneiramento de Carvão (UPC), e não apenas o consumo interno
Empresa também não faz uso de substâncias que das fazendas, conforme nos anos anteriores;
destroem a camada de ozônio. - por refinamento metodológico, em 2009, não foi contabilizada a produção
de terceiros, reduzindo o total da produção da VMFL (o que eleva a emissão
específica da Empresa).
Na VMFL, não existem outras emissões significativas
além do metano resultante do processo de
carbonização. Além disso, não há emissões de
A VMMN realiza o monitoramento de qualidade do ar
substâncias que destroem a camada de ozônio,
em quatro pontos, dois internos e dois no condomínio
gases NOx e SOx e outras emissões atmosféricas.
Alphaville (próximo à Mina). A Empresa contratou
Entre as iniciativas para reduzir as emissões de gases
em 2009 uma consultoria da Universidade Federal de
causadores de efeito estufa, pode-se citar a pesquisa
Minas Gerais (UFMG) para avaliar os resultados dos
e o desenvolvimento de tecnologias para utilização de
dados de monitoramento da qualidade do ar na Mina e
queimadores de gases metano e CO2 no processo de
em suas proximidades. Entre as conclusões do laudo,
carbonização, que serão instalados a partir de 2010.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


99

o material particulado em suspensão na atmosfera operação esponja


pode estar também associado a outras fontes que são
encontradas na região, como as vias de circulação de A Operação Esponja, iniciada em 2008, tem como meta
grande intensidade e velocidade de tráfego de veículos reduzir a emissão de poeira para a atmosfera, a fim
e a implantação de empreendimentos imobiliários e de de melhorar a qualidade de vida dos empregados e
construção civil. moradores do entorno da Usina Barreiro.

A Empresa não faz uso de produtos que contêm A VMB mantém dois pontos de monitoramento da
substâncias destruidoras da camada de ozônio, qualidade do ar – um na Vila Dom Bosco e outro na
como os clorofluorcarbonetos (CFCs) e os Escola Municipal Pedro de Alcântara, no bairro Jardim
hidroclorofluorcarbonetos (HCFCs). Também não possui Industrial, em Contagem. Ano passado, foram coletados
emissões significativas de gases NOx e SOx. dados que mostram uma redução dos valores mensais
em ambos os pontos, com maior diminuição no ponto
A VMMN iniciou também em 2009 a operação do da Vila.
sistema de localização Smart Mine Full, cujo objetivo
é otimizar a frota de equipamentos de produção A VMB deu continuidade em 2009 ao estudo de
(caminhões, escavadeiras e carregadeiras). Com melhorias da qualidade do ar que influenciam na
essa operação, o aumento da produtividade da frota qualidade de vida dos colaboradores e moradores
pode chegar a 25%, operando com um número menor do entorno da Usina. Filtros de desempoeiramento
de equipamentos e contribuindo para a redução de passaram por manutenção, procedimentos foram
consumo de combustíveis e emissão de poluentes. alterados e já se nota maior conscientização dos
empregados em áreas consideradas críticas.

Área do concentrador magnético na Mina


PauEnclausuramento
Branco de descarga de
carvão reduz emissões

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


100

Em 2009, a VMB desenvolveu o projeto de permita confinar toda a poeira gerada na descarga de
enclausuramento do basculador de carvão vegetal carvão vegetal, evitar a emissão de poeiras fugitivas e
NATEC (sistema de basculamento vertical na Usina recuperar o pó de carvão perdido por dispersão.
para descarga de carvão vegetal) do sistema de
beneficiamento de matérias-primas dos altos-fornos na Após a ação, foi constatada uma melhoria da qualidade
área siderúrgica. O objetivo foi aumentar a eficiência do ar no parâmetro material particulado medido em
de captação do pó gerado durante o basculamento mg/Nm3, no entorno da Usina Barreiro, de cerca de 5%
de carretas, com a instalação de um galpão que entre dezembro de 2008 e dezembro de 2009.

CONTRIBUIÇÕES PARA A REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL

As altas temperaturas no planeta são ocasionadas por diferentes atividades que interferem no meio
ambiente. Com o objetivo de contribuir para sua redução, as empresas V & M do BRASIL promovem as
seguintes ações:

• fixação do gás carbônico durante a fase de crescimento das áreas de reflorestamento na VMFL;
• redução das emissões de metano gerado na VMFL durante a carbo nização da madeira, através de
pesquisa e do desenvolvimento de queimadores de gases metano e CO2 junto com empresas produtoras
de carvão;
• produção e utilização de carvão vegetal como principal matriz energética, biocombustível
renovável que permite o equilíbrio entre as emissões e a absorção de CO2, usado nos altos-fornos da
Usina;
• utilização de outras fontes de energia renovável na Usina, além do carvão vegetal. É mantida uma
termelétrica que utiliza como combustível o gás de alto-forno (em substituição ao Gás Natural) e o
alcatrão (obtido no processo de queima da madeira para a produção de carvão) para gerar energia em
substituição à energia elétrica fornecida pela concessionária.

CrÉditos de Carbono do alcatrão vegetal proveniente das plantas de


carbonização da VMFL. Dessa forma, a V & M do
A V & M do BRASIL foi a primeira siderúrgica do BRASIL evita a emissão de gases, gera energia e
mundo a aprovar, junto às Organizações das Nações garante a implantação do Projeto de Crédito de
Unidas (ONU), um projeto de geração de créditos Carbono.
de carbono a partir dos critérios do Mecanismo de
Desenvolvimento Limpo (MDL). Esse projeto refere-se à A primeira safra de créditos de carbono foi
Usina Termelétrica – UTE Barreiro – que produz energia comercializada em 2007 (68 mil toneladas de CO2
elétrica de maneira sustentável. evitados, ou seja, 68 mil Reduções Certificadas de
Emissão – RCEs). A segunda safra deve ser validada
O diferencial da UTE Barreiro é a utilização de por entidade competente em 2010, com um montante
resíduos do processo produtivo com baixo potencial estimado em 90 mil RCEs, que corresponde à
de reaproveitamento como combustível. O gás de operação da UTE entre outubro de 2006 e de 2009. A
alto-forno (GAF), que seria queimado e lançado na comercialização de tais créditos será feita de acordo
atmosfera, é reutilizado como combustível, além com as oportunidades de mercado.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


101

transPorte

As emissões atmosféricas veiculares contribuem


significativamente para o acréscimo de gases de efeito
estufa na atmosfera. Como medida preventiva, a VMB
desenvolve rotineiramente a fiscalização da emissão
excessiva de fumaça dos veículos que transitam no
interior da Usina e também daqueles que circulam fora
da Empresa, através do Programa de Monitoramento
de Emissões de Fumaça Preta. O padrão utilizado pela
VMB para análise da fumaça é a Escala Ringelmann*.

Em 2009, foram avaliados 1.299 veículos internos e


16.308 veículos externos, e o índice médio de aprovação
das duas frotas foi de 98%. Os veículos reprovados na
inspeção são encaminhados para manutenção e só
voltam a circular na Usina após aprovação concedida
em nova vistoria.

nÚMero de VeÍCulos Vistoriados

ano interno externo

2009 1.299 16.308


2008 1.690 21.572
2007 1.351 18.168

Na VMMN, podem ser destacadas algumas ações para


minimizar impactos ambientais significativos quanto
ao transporte. A Empresa desenvolve o programa de
controle de poeiras, que consiste na utilização da
aspersão permanente de água por caminhões-pipa
nas vias internas de circulação (que se intensifica nos
períodos secos).

Sobre o carreamento de material nos chassis e pneus


dos caminhões para rodovias, a Empresa realizou ainda
a pavimentação asfáltica da estrada de acesso à Mina
a partir da BR-040. Além disso, possui também um
lavador de rodas e chassis e manutenção da cortina
arbórea.
O sistema Smart Mine Full monitora
Monitoramento de emissões de
Quanto à possibilidade de projeção de partículas de a frota de caminhões, escavadeiras e
veículos no controle da qualidade do ar
carregadeiras em tempo real via GPS
minério para fora das caçambas durante o transporte

* Escala Ringelmann é a escala gráfica para avaliação colorimétrica de densidade de fumaça, constituída de seis padrões com variações uniformes de tonalidades entre a
branca e a preta. Os padrões são apresentados por meio de quadros retangulares, com redes de linha de espessura e espaçamento definidos, sobre um fundo branco. Os
padrões da escala Ringelmann são numerados de 0 a 5.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


102

na rodovia, a VMMN exige o travamento da tampa ruÍdos


das caçambas dos caminhões, bem como o lonamento
antes do início do transporte. Uma das maiores preocupações da Usina Barreiro em
2009 foi com relação à poluição sonora. Vizinhos da
Em relação à emissão de gases do efeito estufa, exige- Usina reclamavam de ruídos emitidos nas atividades
se das empresas de transporte interno de estéril e da Empresa. O ruído proveniente de indústrias pode
minério de ferro a avaliação sistemática do controle de tanto comprometer o bem-estar da sociedade quanto a
fumaça preta dos veículos. A VMMN também utiliza a saúde dos colaboradores no ambiente de trabalho. Para
Escala Ringelmann para a análise da fumaça. minimizar esse impacto, a VMB desenvolveu uma série
de ações dentro e fora da Empresa.
Todas as pessoas envolvidas em atividades relacionadas
ao transporte participam de treinamentos sobre Uma ação feita no final de 2008 com resultado em 2009
inspeção da estrada de acesso à Mina Pau Branco foi a construção de um muro de oito metros na Rua dos
quanto à disposição irregular de resíduos, geração de Americanos, próximo à portaria IVB da Empresa. Havia
poeira e emissão de fumaça preta. sido implantada uma área de despacho de tubos de aço
e, por isso, esse local tinha geração eminente de ruído.
A VMFL também monitora a emissão de fumaça preta Houve um estudo posterior à construção do muro com
proveniente de veículo e máquinas, utilizando a Escala medições dos níveis de ruído nos períodos matutino,
Ringelmann. Esse monitoramento é desenvolvido nos vespertino e noturno, demonstrando a efetividade
caminhões que transportam o carvão vegetal, bem dessa ação.
como em máquinas utilizadas nas atividades de plantio
e colheita florestal.

Área do concentrador magnético na


Construção
Mina de muro na Rua dos
Pau Branco
Americanos, no Barreiro, contribuiu
para minimizar o ruído gerado na
área de despacho de tubos de aço

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


103

Foi realizado também, em parceria com a Fundação


Christiano Otoni, da UFMG, um projeto na área
da siderurgia para atenuar o ruído ambiental e
ocupacional. Para esse trabalho, foram investidos cerca
R$ 500 mil, promovendo a redução de ruído da ordem
de até 14 dB(A). A metodologia utilizada foi mapear
potenciais fontes de ruído, determinadas através de
inspeções em campo e com proposição de tratamento
acústico para as fontes indicadas.

Uma das fontes indicadas nesse trabalho foi a buzina


das locomotivas. Foi realizada a redução da pressão
de acionamento da buzina de locomotivas com até
três vagões. Os resultados das medições indicaram a
viabilidade de redução de ruído emitido pelas buzinas
atualmente em uso, com consequente redução de
ruído para a vizinhança em até 7 dB(A). Essa nova
condição de pressão está de acordo com as normas
de segurança e faz parte dos padrões operacionais da
Usina.

Os níveis de ruído produzidos pelas máquinas


e equipamentos da VMMN não impactam as
comunidades vizinhas à Empresa.

Internamente, o ruído é classificado como fator


ocupacional, oriundo de fontes geradoras nas áreas
operacionais. Isso significa que seus níveis são
identificados, avaliados e controlados. Existem várias
formas para controle de ruído como: elaboração de
projetos adequados, substituição ou modificação de
processos, segregação ou isolamento, confinamento
ou enclausuramento e, por fim, de forma a limitar a
exposição do colaborador, são utilizados equipamentos
de proteção individual (EPI). Tais procedimentos
são regulamentados pelas Normas 15 (Atividades e
Operações Insalubres) e 6 (Equipamentos de Proteção
Individual), seguidas de acompanhamento pela
Medicina Ocupacional previsto na Norma 7 (Programa
de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO).
Todas elas, normas regulamentadoras do Ministério do
Trabalho.

Área do concentrador magnético na Mina


Já a VMFL não gera impacto significativo de ruído. PauEquipamentos
Branco de proteção auditiva
são fornecidos aos empregados de
Todas as empresas V & M do BRASIL fornecem aos todas as empresas
empregados equipamentos de proteção auditiva.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


104

resÍduos

A atividade siderúrgica gera grande volume de resíduos, que em sua maioria não são perigosos e podem ser reciclados.
A VMB tem processos de destinação correta dos resíduos da Usina Barreiro, como mostra a ilustração abaixo:

DESTINAÇÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS

Produção do carvão vegetal Condensação das fumaças Alcatrão vegetal

Escória granulada de alto-forno Indústria cimenteira Cimento

Carepa Indústria de ligas de Ferro Silício Ferro Silício

Pó de balão Cerâmica Tijolos Cerâmicos

Produção de fertilizante Fertilizantes

Escória de aciaria

Agregado para pavimentação de vias Pavimentação

Óleo usado Processo de reciclagem do óleo Óleo reciclado

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


105

A VMB recicla e reutiliza grande parte de seus resíduos preparação dos tubos para trefilação serve de matéria-
e tem como premissa buscar as melhores práticas de prima para a indústria de pigmentação. Já o ácido
destinação para seus subprodutos, levando em conta as exausto (poluente gerado na queima de combustíveis
tendências de mercado e de gerenciamento ambiental. do alto-forno) é destinado como matéria-prima para
Os subprodutos gerados são aplicados em diferentes a fabricação de produtos químicos de tratamento de
setores da economia. A escória de alto-forno (material efluentes.
gerado no processo de produção do ferro-gusa) é 100%
reaproveitada como matéria-prima pelas indústrias Os óleos lubrificantes e hidráulicos utilizados nos
cimenteiras. Já a escória de aciaria é totalmente processos industriais também são regenerados e
reaproveitada na produção de fertilizante e corretivo de reaproveitados depois de processados em uma planta
solo à base de silício, e na utilização como base e sub- de recuperação de óleo instalada na Usina. Os resíduos
base de pavimentação. oleosos presentes em materiais como estopas e panos
são coprocessados e transformados em combustível
O resíduo conhecido como “pó do balão coletor” do para os fornos de cimenteiras. A Central de Tratamento
alto-forno é reutilizado como aditivo na indústria das Lamas Siderúrgicas permite a desumidificação
cerâmica, como fonte de energia e de resistência desses materiais, que são transportados de forma mais
mecânica para a produção de tijolos e telhas. O segura para codisposição (técnica de disposição final
material resultante da oxidação da superfície do de resíduos).
aço, denominado carepa, é reutilizado por indústrias
de ligas de ferro, produtos que são posteriormente As tabelas a seguir se referem ao controle de geração e
adquiridos pela Usina Barreiro e usados como insumos disposição dos principais resíduos sólidos industriais da
para a fabricação do aço. A lama de fosfato gerada na Usina Barreiro nos três últimos anos.

resÍduos PeriGosos (t) - usina barreiro


ano
resÍduo destinaÇÃo
2009 2008 2007
Líquido oleoso 283 86 131 coprocessamento
Sólido oleoso 291 128 286 coprocessamento
Borra de sabão ------- 9 19 coprocessamento
Resíduo de laque 28 29 45 coprocessamento
Ácido exausto 1.517 4.873 3.729 reutilização externa
Óleo lubrificante hidráulico 16 ------- ------- reciclagem externa
Lâmpadas 9 ------- ------- reciclagem externa
Resíduos serviço de saúde 0,3 ------- ------- incineração
EPI 21 ------- ------- reciclagem externa
Quebra de emulsão 319 ------- ------- coprocessamento
total 2.485 5.125 4.210 -------
Geração Específica (t/ t aço) 0,006 0,008 0,006 -------

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


106

resÍduos nÃo PeriGosos (t) - usina barreiro


ano
resÍduo destinaÇÃo
2009 2008 2007
Carepas 16.867 29.032 28.581 reciclagem externa
Pó de coletor 15.426 19.324 21.104 reciclagem externa
Escória aciaria 85.324 111.208 117.613 reciclagem externa
Escória granulada AF 57.025 84.865 84.983 reciclagem externa
Escória bruta AF 13.406 15.608 22.832 reciclagem externa
Líquido não oleoso ---- 0 1 coprocessamento
Sólido não oleoso ---- 38 76 coprocessamento
Lama de fosfato 82 176 145 reciclagem externa
Lamas siderúrgicas 51.353 54.068 56.341 codisposição
Sucata de refratário 502 ---- ---- reciclagem externa
Resíduo de construção civil 1.086 ---- ---- disposição final
Sucata metálica 8.475 ---- ---- reciclagem externa
Sucata não ferrosa 15 ---- ---- reciclagem externa
Lama oleosa 2.017 ---- ---- processamento
Lama de neutralização 2.031 ---- ---- coprocessamento
Rejeito (lixo comum) 2.248 ---- ---- disposição final
Resíduos recicláveis 200 ---- ---- reciclagem externa
Resíduos de madeira 2.636 ---- ---- reciclagem externa
Resíduo de biomassa 399 ---- ---- disposição final
total 259.090 314.318 331.677 ----
Geração Específica (t / t aço) 0,669 0,480 0,484 ----

Classificação dos Resíduos gerados (% massa) - Usina Barreiro

0.95% Desde 2008, a VMB, atendendo a requisitos legais, vem


saneando a área de um antigo depósito de resíduos
industriais e, em 2009, fez a segregação e destinação
de 131.699 toneladas de resíduos não perigosos e 1.931
toneladas de resíduos perigosos. Tais resíduos foram
acumulados durante muitos anos em uma área dentro
da Usina chamada Depósito de Resíduos Industriais e, a
99.05% partir de 2008, a VMB iniciou os trabalhos de remoção
e segregação desses resíduos.

Resíduos não perigosos


Resíduos perigosos

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


107

Área do concentrador magnético


na Coleta
Mina Pau Branco prática
seletiva:
constante nas empresas

reciclagem na VMb que garante a geração de renda para diversas famílias


do entorno da Usina.
A VMB também promove a coleta seletiva dos resíduos
sólidos (como vidro, papel, plástico e metais) da Usina A VMB não realiza movimentos transfronteiriços de
Barreiro. Os materiais são recolhidos pelo Serviço resíduos entre países, seja para importação, exportação
de Limpeza Urbana de Belo Horizonte e levados à ou tratamentos. Todo resíduo gerado é transportado e
Cooperativa Solidária dos Recicladores e Grupos destinado corretamente, com o conhecimento do órgão
Produtivos do Barreiro e Região (Coopersoli). Os ambiental, dentro do território nacional.
resíduos são separados, prensados e comercializados, o

PROJETO ARTE EM RESÍDUOS

Em 2009, a Fundação Estadual de Meio


Ambiente (Feam) e a V & M do BRASIL se
uniram para iniciar o desenvolvimento do
projeto “Arte em Resíduos”. O objetivo é
dialogar com a sociedade por meio de mostras
permanentes de arte, sobre a geração de
resíduos oriundos do processo siderúrgico
e a busca de novas alternativas para sua
destinação final. O artista plástico Eymard
Brandão foi selecionado para confeccionar 30
painéis utilizando diferentes tipos de resíduos
da Usina Barreiro que, após finalizados, serão
apresentados em uma exposição no Centro
Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR).
A exposição possui caráter itinerante e será
levada posteriormente para diversos públicos
em instituições públicas e privadas do Estado
de Minas Gerais.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


108

Gerenciamento de resíduos na VMMn


Nenhum resíduo da VMMN é exportado. Todo o
O Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos tem trabalho de destinação final é realizado no Brasil, por
como principal objetivo o estabelecimento das diretrizes empresas capacitadas e licenciadas de acordo com a
básicas para a gestão de resíduos da VMMN. A tabela legislação vigente.
a seguir demonstra a gestão dos resíduos gerados em
2009, considerando os aspectos de tipologia, disposição
final e geração.
Classificação dos resíduos gerados
Classificação dos Resíduos Gerados (% massa) - VMMN
(% massa) - VMMN
Alguns resíduos da atividade minerária, como óleos
reutilizados (refino de óleo lubrificante), máquinas para
reaproveitamento de peças e revestimento do britador
cônico (sucata de ferro manganês transformada em
novo produto), são destinados para reciclagem por
empresas certificadas para o recebimento desses
materiais.
41.93%
58.07%
A Empresa realiza estudos da rota de resíduos desde
a fonte geradora até o destino final. Através desses
estudos, a VMMN intensifica ações de padronização,
otimização e treinamento de técnicas de recolhimento,
segregação e agrupamento de resíduos diretamente
na fonte geradora para facilitar a destinação final
e comercialização dos mesmos. O controle e a
responsabilidade pelo transporte de resíduos perigosos Resíduos não perigosos
e não perigosos é especificado nos procedimentos Resíduos perigosos
Resíduos não perigosos
operacionais referentes a cada tipo de resíduo gerado, Resíduos perigosos
onde são estabelecidas as condições gerais de
segurança e meio ambiente.

Wednesday, May 12, 2010


resÍduos VMMn
resÍduos PeriGosos (t) resÍduos nÃo PeriGosos (t)
Tipo Método de disposição Peso t/ano Tipo Método de disposição Peso t/ano

Resíduo sólido Óleo de cozinha


Incineração 113,77 Reciclagem 0,87
contaminado com usado
óleos e graxas Coprocessamento 26,22 Papéis diversos Reciclagem 7,24
Sucata metálica
Óleo contaminado Re-refino 4,70 Reciclagem 157,97
ferrosa
Lâmpadas
Reciclagem 0,03 Plástico Reciclagem 4,94
fluorescentes
---- ---- ---- Resíduo Classe II Aterro Industrial 29,44

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


109

PROJETO SUCATA

O Projeto Sucata reutiliza materiais provenientes


das próprias atividades de apoio na mineração,
como desmontagem de alambrados, cercas, áreas
de estocagem, passarelas e palanques dentro
da área industrial. São recolhidas cerca de 180
toneladas de materiais por ano para reutilização
em novas obras internas da Mina Pau Branco.
Um bom exemplo dessa reutilização são os
guarda-corpos e o Espaço Social Recanto da Mina,
feitos de vigas de sustentação, telas de peneiras e
outros materiais reutilizados.

Classificação dos resíduos gerados


(% massa) - VMFL
Gestão de resíduos na VMFl Classificação dos Resíduos gerados (% massa) - VMFL

A maior parte dos resíduos na VMFL não é perigosa.


A Empresa realiza a coleta seletiva em suas instalações 63.02%
para a destinação adequada dos mesmos. A sucata
metálica e embalagens plásticas de adubos são doadas
para associações de catadores de recicláveis locais.

Aqueles resíduos considerados perigosos, como


as embalagens de agrotóxicos, passam por tríplice
lavagem e inutilização e são devolvidos aos fabricantes
ou encaminhados para centros de reciclagem
36.98%
especializados e licenciados para essa finalidade.
Os demais resíduos, considerados “lixo doméstico”,
são destinados a aterros sanitários devidamente Resíduos não perigosos
Resíduos não perigosos
licenciados. Resíduos
Resíduos perigosos
perigosos

resÍduos VMFl
resÍduos PeriGosos (t) resÍduos nÃo PeriGosos (t)
Tipo Método de disposição Peso
Wednesday, May 12, 2010t/ano Tipo Método de disposição Peso t/ano
Resíduo sólido
contaminado com Coprocessamento 109,83 Papéis diversos Reciclagem 14,40
óleos e graxas
---- ---- ---- Sucata metálica ferrosa Reciclagem 14,30
---- ---- ---- Plástico Reciclagem 15,62
---- ---- ---- Pó de carvão, cinza e tiço Reutilização 20,12

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


110

inVestiMentos aMbientais • Projeto de redução de ruído


Em 2009, foi realizada a primeira etapa do Projeto de
Em 2009, foram gastos R$ 6,2 milhões em investimentos Redução da Poluição Sonora, com um investimento
para melhorias operacionais, de infraestrutura e ações de R$ 475 mil, visando a identificar as principais
ambientais na VMB, R$ 4,8 milhões na VMFL e fontes de ruído e propor ações que pudessem
R$ 2,3 milhões na VMMN, totalizando mais de diminuir seu impacto. Em alguns casos, esse projeto
R$ 13 milhões. colaborou com uma redução de até 14 dB(A) por
fonte.
Nota-se uma pequena redução de investimento em
2009, comparando-se com o ano anterior (R$ 14
milhões), valor não tão expressivo diante do cenário de
crise econômica.

A seguir, alguns investimentos de destaque.

VMb

• Sistema de descarregamento de carvão vegetal


basculador nateC (siderurgia)
Em 2009, foi realizado um investimento de mais de
R$ 1 milhão no enclausuramento do Basculador
NATEC, do sistema de beneficiamento de matérias-
primas dos altos-fornos na área siderúrgica. Por
não estar devidamente enclausurado, havia emissão
de poeiras fugitivas e desperdício de pó de carvão
vegetal por dispersão.
Área do concentrador magnético na Mina
PauBanca
Brancoantirruído: investimento na
linha de produção reduz a emissão
de ruídos na Usina
• Adequação das áreas de armazenamento de
resíduos
Em 2009, foram identificadas oportunidades de
melhoria do armazenamento temporário de resíduos
sólidos. Algumas áreas apresentavam fragilidade do
ponto de vista ambiental por não estarem de acordo
com as normas para o correto armazenamento. VMMn

Foi aprovada a verba de R$ 375 mil para a A Empresa investiu quase R$ 1,5 milhão
adequação de áreas de produção da Usina, nas seguintes ações:
com a construção de bacias de contenção,
impermeabilização de pisos, identificações, • revegetação de áreas alteradas;
dispositivos de segurança e outros requisitos, de • propagação de espécies nativas no viveiro de
acordo com a norma da Associação Brasileira de mudas;
Normas Técnicas (ABNT). • gestão de resíduos;
• atividades de gestão ambiental (educação
ambiental e treinamento);

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


111

• manejo da reserva de mata nativa e Florestais.


monitoramento da fauna; VMFl
• construção de aceiro nos limites da Mina e reserva
para evitar riscos de incêndio; A VMFL investiu cerca de R$ 4,8 milhões nas seguintes
• monitoramento físico-químico e biológico da atividades:
qualidade das águas e efluentes da Mina;
• gestão da qualidade do ar: monitoramento das • prevenção e combate a incêndios florestais;
partículas totais em suspensão (poeira) e partículas • gestão de resíduos;
inaláveis; • regulamentação de pontos de captação de água;
• serviços externos de consultoria jurídica em • monitoramento de fauna;
legislação ambiental; • monitoramento de águas superficiais e
• estudos espeleológicos e arqueológicos na Mina subterrâneas;
Pau Branco. • manutenção de estradas e aceiros;
• consultorias jurídicas;
Ainda, investiu mais R$ 5,6 mil em treinamento e • monitoramento de emissões e ruídos;
equipamentos de sua Brigada contra Incêndios • estudos ambientais;

Área do concentrador magnético na Mina


PauOBranco
cuidado com a conservação das
florestas é compartilhado com os
empregados

ConForMidade Durante as atividades operacionais da VMMN em área


devidamente licenciada pelo órgão ambiental, ocorreu
A VMFL foi autuada uma vez no ano de 2009 pelo o abatimento parcial de uma cavidade semioclusa em
Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF). decorrência do sobrepeso de um trator de esteira que
Na ocasião, a Empresa plantou em uma faixa que realizava trabalhos na área. Após comunicar o ocorrido
apresentava plantio de eucalipto anteriormente e que ao órgão ambiental, a Empresa recebeu uma multa do
foi transformada em Área de Preservação Permanente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos
posteriormente. O valor da multa foi de R$ 2.704,00. Na Naturais Renováveis (Ibama) no valor de R$ 110 mil,
área da Fazenda Itapoã, onde ocorreu essa autuação, tendo entrado com recurso ainda não julgado.
houve retirada das árvores plantadas, isolamento da
área e favorecimento à recuperação ambiental. A VMB atuou em conformidade com leis e
regulamentos ambientais e não recebeu multa em 2009.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO AM BI E NTAL


112

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


113

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


114

resPonsabilidade CoM PerFil Por Contrato


o PÚbliCo interno
eMPreGados
O público interno recebe atenção especial: as empresas ano
V & M do BRASIL comungam o princípio de que agir VMB VMFL VMMN total
de modo sustentável é estimular a participação e
2009 3.806 1248 233 5287
inclusão, investir na capacitação, saúde e segurança
dos empregados e considerar o interesse desse público 2008 4.361 1.037 235 5633
em suas principais decisões. 2007 4.402 750 223 5375

Prestadores de serViÇo
Perfil dos empregados ano
VMB VMFL VMMN total
Empregados de perfis variados compõem o quadro
de pessoal da V & M do BRASIL. A VMB, VMFL e 2009 2193 2.443 332 4968
VMMN fecharam o ano de 2009 com 5.287 empregados 2008 2.622 1.515 398 4535
próprios, 4.968 prestadores de serviço e 269
2007 2.329 1.563 457 4349
estagiários.

Em função da crise financeira, houve algumas estaGiÁrios


realocações para outros setores das empresas e ano
transferência de pessoal para a Vallourec & Sumitomo VMB VMFL VMMN total
Tubos do Brasil (VSB), além de ajustes de escalas e 2009 262 4 3 269
férias, objetivando manter a empregabilidade.
2008 256 6 6 268
2007 214 3 4 221

PerFil Por tiPo de eMPreGo


eFetiVo eM 31.12.2009
tiPo
VMb VMFl VMMn

Inteiro 3.782 1.247 233


Parcial (empregados que não trabalham 44 horas semanais, como
24 1 ------
aprendizes e médicos)
total Geral 3.806 1.248 233

As empresas possuem empregados de ambos os gêneros, com predominância de homens, devido à natureza de suas atividades.

PerFil Por GÊnero (%)

2009 2008 2007


GÊnero
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Masculino 92,72 88,54 92,70 93,7 88,8 93,6 94,2 87,5 93,3
Feminino 7,28 11,46 7,30 6,3 11,2 6,4 5,8 12,5 6,7

total 100 100 100 100 100 100 100 100 100

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


115

Perfil por Gênero 2009

7
7.28% 11.46% 7 0%
7.3

90%
A média de homens nas
empresas é superior a

92.72% 88.54% 92.70%

Masculino
VMB VMFL Feminino
VMMN

Perfil por Faixa Etária 2009

1448

1129 63% dos empregados da VMB


e VMMN têm idade entre
21 e 40 anos.

69%
943

4699
393 Até 20 anos
254 267 21 a 30 anos
31 a 40 anos dos empregados da
32 43 76 79 68 55 41 a 50 anos VMFL estão na faixa
2 29 Acima de 50 anos etária entre 21 e 40 anos.
VMB VMFL VMMN

Os empregados possuem idades variadas e ocupam diferentes cargos, como mostram os quadros a seguir:

PerFil Por Faixa etÁria

2009 2008 2007


idade
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Até 20 anos 32 43 2 53 48 2 60 17 5
21 a 30 anos 943 469 79 1.195 371 82 1.208 222 79
31 a 40 anos 1448 393 68 1.653 324 72 1.706 251 65
41 a 50 anos 1129 267 55 1.198 236 57 1.174 209 53
Acima de 50 anos 254 76 29 262 58 26 254 51 21

total 3806 1248 233 4.361 1.037 235 4.402 750 223

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


116

PerFil Por CateGoria FunCional

2009 2008 2007


CarGo
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Superintendente / Gerente 106 11 5 103 6 5 102 7 4
Supervisor 136 28 19 145 24 19 149 22 18
Técnico / Administrativo 846 130 52 838 107 45 811 88 39
Operacional 2718 1079 157 3275 900 166 3340 633 162

total 3806 1248 233 4.361 1.037 235 4.402 750 223

Superintendente / Gerente Supervisor Técnico / Administrativo


Além disso, o quadro de pessoal Operacional
Perfi l por Categoria Funcional - 2009
foi impactado pelo processo de
2718 2800
properização: prestadores de serviço
foram contratados, tornando-se 2400
empregados efetivos.
2000
Privilégios e restrições são proibidos
pela Política de Gestão de Pessoas, 1600
incluindo promoção e contratação
1079 1200
em função de etnia, idade, cultura, 846
gênero, orientação sexual, religião, 800
preferências políticas e partidárias,
filiação sindical ou deficiência. 106 136 400
11 28 130 157
5 19 52 0
Não há discriminação quanto às VMB
VMB VMFL
mulheres ocuparem cargos de chefia, VMFL VMMN
VMMN
mas em 2009 nenhuma representante
Superintendente / Gerente Técnico / Administrativo
feminina exerceu cargo de direção nas Supervisor Operacional
empresas. Thursday, May 6, 2010

Área do concentrador magnético na Mina


PauPresença
Branco feminina cresce a
cada ano na V & M do BRASIL
r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL
117

Gestão de Pessoas
CoMPetÊnCias aValiadas
Nas empresas V & M do BRASIL, há uma preocupação na GestÃo de deseMPenHo
permanente com o desenvolvimento das pessoas por meio Análise e Solução de
do aperfeiçoamento dos conhecimentos técnicos e de Problemas
ações ligadas às questões comportamentais, importantes Desenvolvimento de
para o amadurecimento pessoal, a conduta ética e Pessoas
melhorias nas relações de trabalho. Impacto e Influência
Todos os participantes
Uma relevante iniciativa direcionada ao desenvolvimento Orientação para a
Realização
do público interno é o programa Gestão de Desempenho,
que objetiva melhorar a comunicação entre gestores Liderança de Pessoas e
Equipes
e empregados, avaliar competências e identificar
oportunidades de desenvolvimento profissional de forma Trabalho em Equipe/
Atuação Sinérgica
mais eficaz. Através desse programa, é possível vincular
os treinamentos à performance dos empregados. Liderança de Mudanças
Gerentes e
superintendentes
Iniciado por meio de um teste com 71 participantes Visão Estratégica
em 2007, o programa cresceu com 151 pessoas no ano
seguinte e se fortaleceu em 2009 com 410 empregados. Autoconfiança
Dele participam diretores, superintendentes, gerentes e
Coordenadores e
coordenadores. Para 2010, por ser um processo gradativo, Flexibilidade
supervisores
complexo e que precisa ser incorporado pelos gestores
antes de seu desdobramento para os demais profissionais Autodesenvolvimento
da Empresa, o número de participantes não deve ser
muito ampliado.

GestÃo de deseMPenHo

FundaÇÃo
total de PartiCiPantes Por ano VMb VMMn VMFl
sidertube

2010 (projeção) 460 390 20 42 8


2009 410 341 19 42 8
2008 151 119 17 11 4
2007 71 71 0 0 0

As empresas V & M do BRASIL procuram efetivar grande foi implementada uma análise de desempenho com duas
parte de seus estagiários. Para acompanhar e aprimorar avaliações: uma aos 100 dias, e outra ao final do estágio,
a evolução desses futuros profissionais, foi iniciado em para um estudo detalhado do progresso e desempenho
2009 o Programa de Desenvolvimento de Estagiários. O dos participantes.
principal foco desse programa é o desenvolvimento dos
estagiários em algumas das competências da Empresa. Outra iniciativa deste ano foi o programa Jovens
O Programa contempla também treinamentos técnicos Profissionais, que selecionou estagiários de nível superior
e de integração para os estagiários e treinamentos de que se destacaram na V & M do BRASIL para serem
liderança para os supervisores de estágio. Além disso, contratados após a conclusão da graduação, em 2010.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


118

Área do concentrador magnético na Mina


PauGestão
Brancocompartilhada favorece
a integração de equipes

recrutamento e seleção vagas internas. E, como forma de reconhecimento dos


esforços dos profissionais, tem sido feita uma divulgação
Na V & M do BRASIL, as vagas são disponibilizadas dos empregados admitidos e promovidos mensalmente
prioritariamente através de recrutamento interno, nos canais de comunicação da Empresa.
contribuindo para a promoção dos empregados, a
mobilidade funcional e a retenção dos profissionais Outro aspecto importante em relação à geração de
em seu quadro de pessoal. Nos processos seletivos, empregos refere-se ao fato de que as empresas oferecem
são consideradas a qualificação, o desempenho e oportunidades de contratação nas regiões onde atuam.
competências e os interesses profissionais. Dos empregados da VMB, 34% moram no Barreiro, onde
se localiza a Usina. Na VMMN, 12% dos empregados
Essa política beneficiou 80 empregados na VMB e 60 na residem em Brumadinho, município que abriga a Mina
VMFL (na VMMN não houve esse tipo de recrutamento Pau Branco. Na VMFL, os empregados são moradores
em 2009). de municípios vizinhos às áreas de manejo da Empresa,
localizados nas regiões Norte e Noroeste de Minas
Na VMFL, por exemplo, foi criado o Currículo na Rede, Gerais, sendo dada, a esses municípios, prioridade de
ferramenta que permite ao empregado se inscrever nas contratação.

GeraÇÃo de eMPreGos

2009 2008 2007

VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN


efetivo total 3806 1248 233 4361 1037 235 4402 750 223
admissões 175 352 14 376 396 38 414 115 24
demissões 534 135 16 377 105 27 291 112 22
% demissões acima
de 45 anos c/ rel. 29,03% 6,67% 18,75% 28,12% 12,38% 14,81% 28,18% 22,32% 31,82%
total demitidos

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


119

rotatividade anterior foi de 12,50%). Já na VMMN, reduziu quase


pela metade, de 11,06% em 2008 para 6% em 2009, o
Quanto ao índice de rotatividade, a VMB apresentou que demonstra um índice de retenção de 94%.
em 2009 uma taxa de 13,05%, acima de 2008, que foi
de 8,46%. Com um baixo índice de demissão, novas Neste ano, o Relatório apresenta os índices de
contratações e devido ao processo de absorção da rotatividade separados por gênero e faixa etária em
mão de obra antes terceirizada, a taxa de rotatividade cada uma das empresas (o cálculo não era feito dessa
da VMFL caiu a patamares inferiores a 2% (no ano forma anteriormente).

rotatiVidade Por GÊnero

eFetiVo eM 31.12.2009 adMissÕes deMissÕes


GÊnero
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Homem 3529 1105 216 142 310 13 508 121 16
Mulher 277 143 17 33 42 1 26 14 0
total Geral 3806 1248 233 175 352 14 534 135 16

Área do concentrador magnético na Mina


PauDiversidade
Branco favorecendo o
desenvolvimento profissional

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


120

rotatiVidade Por Faixa etÁria

eFetiVo eM 31.12.2009 adMissÕes deMissÕes


Faixa etÁria
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Até 20 anos 32 43 2 56 23 1 45 5 0
21 a 30 anos 943 469 79 89 181 9 131 71 9
31 a 40 anos 1448 393 68 26 102 2 152 39 4
41 a 50 anos 1129 267 55 4 37 1 124 14 2
Acima de 50 anos 254 76 29 0 9 1 82 6 1
total Geral 3806 1248 233 175 352 14 534 135 16

relações de trabalho portanto, facultado ao empregado


fazer sua adesão espontänea.
Diálogo e negociação são as bases do Mesmo com adesão Mesmo com adesão parcial,
relacionamento das empresas com os parcial, 100% dos 100% dos empregados são
sindicatos que representam seu público empregados são cobertos pelos acordos coletivos
interno. Os empregados das empresas cobertos pelos acordos negociados com os sindicatos.
V & M do BRASIL podem se associar coletivos negociados
livremente e não foram identificados com os sindicatos. Os acordos coletivos firmados no
quaisquer riscos relativos a situações de perda segundo semestre de 2009 fixaram
de liberdade de negociações coletivas. aumento salarial de 6,54% para quem
ganha até R$ 4.150,00 na Usina Barreiro.
Segundo o acordo coletivo de trabalho vigente na Acima desse valor, o aumento aplicado por
VMFL e VMMN, a adesão à contribuição confederativa liberalidade foi de 5% + R$ 63,91. Para os empregados
se dá a cada empregado que autorizar por escrito o da VMFL e VMMN, o aumento foi de 4,57%.
desconto correspondente a 1% de seu salário nominal
em favor da entidade sindical profissional. Conforme Ainda, os empregados foram beneficiados por acordos
previsto nas disposições legais vigentes, a adesão a coletivos que preveem cláusulas sobre saúde e
tal contribuição não tem caráter obrigatório, sendo, segurança no trabalho, tais como manutenção das
Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (Cipa),
fornecimento de equipamentos de proteção individual
(EPIs), estabelecimento de canais para a comunicação
de risco de acidente, manutenção de equipamentos de
primeiros socorros nos postos de trabalho, treinamento
de segurança para contratados e transferidos, assim
como estabelecimento de programas de readaptação
para empregados afastados, condições gerais de
alimentação, entre outros.

Nos acordos coletivos, não há definição sobre o


período para publicação de informações de interesse
Área do concentrador magnético na Mina
PauTrabalhando
Branco dos empregados, mas os assuntos relevantes são
com segurança
em prol da integridade humana divulgados com agilidade em quadros de avisos, na
intranet, em jornais de circulação interna, nos painéis
eletrônicos, e-mails e em reuniões informativas.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


121

rePresentaÇÃo dos eMPreGados eM sindiCatos


VMb VMFl VMMn
284 filiados ao Sindicato
número de empregados dos Trabalhadores nas
filiados / nome do 126 filiados ao Sindicato
Indústrias de Extração 5 filiados ao Sindicato
sindicato dos Metalúrgicos de Belo
Vegetal, Carvoejamento, Metabase de Belo Horizonte
Horizonte
Reflorestamento e Similares
do Estado de Minas Gerais
Percentual de
3,31% 22,7% 2,14%
empregados filiados

representação dos
empregados

Composto por 13 membros de


diferentes áreas da VMB, o Conselho
Representativo dos Empregados
(CRE) é uma importante ferramenta
de representação e comunicação
entre esse público e a direção da
Empresa.

Mensalmente, o Conselho se reúne


com representantes da área de
Recursos Humanos para apresentar
as reivindicações dos empregados
e buscar soluções conjuntas para
assuntos de interesse coletivo.

Em 2009, os profissionais da
Empresa obtiveram importantes
conquistas por meio do CRE,
como melhorias no transporte
(normalizando as linhas e itinerários,
ampliando o número de ônibus e
de bairros atendidos), instalação
de corrimão e criação de rampas
de acesso para pessoas com
necessidades especiais, melhorias
nos quiosques de alimentação e
instalação de mais caixas eletrônicos
da agência bancária que atende à
O sistema Smart Mine Full
Empresa. monitora a frotaconquista
Uma relevante de caminhões,
dos
empregados epor
escavadeiras meio do CRE em
carregadeiras
foi a melhoria
tempo no transporte
real via GPS

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


122

Comparação do Índice de Favorabilidade (%) Apontado na Pesquisa de


Clima organizacional VMB Mercado Geral
Clima da VMB com os Índices de Outras Empresas do Mercado*

O clima organizacional é uma das prioridades na 60


gestão de pessoas por interferir na qualidade de vida
dos empregados e na própria sustentabilidade das
empresas V & M do BRASIL.
40

Para identificar e compreender os aspectos positivos 61 59 63 57 60 59


e negativos que influenciam o clima, desde 2001 49
20
é realizada a Pesquisa de Clima Organizacional.
Nela são levadas em conta as políticas, normas e
práticas das empresas (Processos Corporativos),
0
a gestão de pessoas e o relacionamento entre o 2001 2003 2005 2008
gestor e os membros da equipe (Estilo Gerencial), o
modelo de gerenciamento (Gestão Empresarial) e o VMB Mercado Geral
comprometimento dos empregados com a organização. * Média geral de perguntas.
Thursday, May 6, 2010

As três primeiras pesquisas foram realizadas de dois


em dois anos, e desde 2005 acontecem a cada três
remuneração e benefícios
anos, visto que a mudança cultural é um processo de
As empresas V & M do BRASIL pagam a seus
médio e longo prazos.
empregados salários condizentes com os valores
ofertados no mercado, não havendo distinção de
Com base na última pesquisa, e após 32 workshops
remuneração para homens e mulheres que ocupam o
realizados com 640 empregados, foram definidas
mesmo cargo.
algumas ações corporativas e iniciativas das
superintendências. Três ações corporativas serão
O salário mínimo nacional em dezembro de 2009 era
implantadas em 2010/2011: os programas de
de R$ 465,00. No quadro a seguir, há informações
Desenvolvimento de Gestores e de Comunicação
relativas ao piso salarial e ao menor salário pago para
Direta, voltados para todas as lideranças das empresas,
os empregados nesse período.
e o Programa de Desenvolvimento de Equipes, que
envolve todos os empregados. Essas ações visam a
melhorar o estilo gerencial e a aproximação entre
relaÇÃo entre o Piso salarial e o
gestores e equipes, a fim de facilitar o relacionamento e
Menor salÁrio eM 31.12.2009*
o diálogo em prol do clima organizacional e do alcance
dos resultados das empresas. VMb VMFl VMMn
Piso salarial 800,80 561,00 756,00
As ações de clima das áreas também têm privilegiado Menor salário** 974,60 561,00 756,80
a aproximação entre gestores e empregados, a
efetivo 3.806 1.248 233
comunicação e o sentimento de justiça na gestão
de pessoas, através da reestruturação de reuniões % de
internas, treinamentos sobre feedback, reforço dos empregados com 0,1% 36,9% 3,4%
menor salário
valores do Código de Ética e sua prática, incentivo
a abertura de vagas internas e multiplicação dos
*Essa tabela não foi apresentada no relatório de 2008, e este ano foi incluída para
conceitos da Dialogia (ver página 126). facilitar a comparação entre o piso salarial e o menor salário pago nas empresas.

**Na VMFL e VMMN, o menor salário equivale ao piso devido a um acordo


coletivo firmado entre as empresas e o sindicato que representa seus
empregados. Na VMB, o menor salário é maior que o piso, pois este último foi
estabelecido por meio de uma convenção coletiva (entre várias empresas e o
sindicato; devido ao porte da VMB, remunera-se um salário maior que o piso).

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


123

Aos empregados, são ofertados benefícios como plano A VMB não faz distinção de benefícios oferecidos
de assistência médica, hospitalar e odontológica aos empregados de tempo integral e temporários
(que inclui familiares e dependentes), transporte e ou em regime de meio período. Na VMFL, somente
alimentação subsidiados, seguro de vida, cesta básica os empregados próprios podem aderir ao plano de
e acesso à cooperativa de créditos. Nenhum plano de saúde. Durante o ano de 2009, não houve na VMMN
pensão de benefício é oferecido, entretanto, há um empregados temporários ou em regime de meio
complemento de auxílio previdenciário corporativo, período.
estabelecido em acordo coletivo, que leva em conta o
pagamento da diferença entre os valores pagos pelo O Plano de Poupança para Complementação de
INSS e o salário do empregado para afastamentos de Aposentadoria prevê a geração de uma renda mensal
até 120 dias. vitalícia que complementa até 70% do valor do salário
dos empregados que recebem salário nominal superior
a R$ 3.218,00. O plano, administrado por um banco
comercial, possui um percentual praticado pela
Empresa de 1% a 6% do
salário mensal.

Os empregados recebem Referente


Participação nos Lucros à performance das
e Resultados (PLR) empresas no ano de 2009,
baseada no desempenho foram concedidos aos
corporativo e por áreas. empregados cerca de
Referente à performance r$ 33,7 milhões em
das empresas no ano de Plr, pagos em 2010.
2009, foram concedidos aos
empregados cerca de R$ 33,7
milhões em PLR, pagos em 2010.
Essa quantia representa em média o
pagamento de 2,6 salários nominais a cada empregado.
Área do concentrador magnético na Mina Apesar do impacto da crise financeira mundial, esse
PauA Branco
liberdade de expressão é um dos resultado alcançado pela V & M do BRASIL foi bastante
valores praticados pelas empresas positivo e está dentro da média do setor.

inVestiMentos / beneFÍCios Para eMPreGados (Valores aProxiMados/r$)

2009 2008 2007


beneFÍCio
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Assistência médica, 12,7 2,2 11,8 1,7 11,3 1,6
526 mil 482 mil 483 mil
hospitalar e odontológica milhões milhões milhões milhão milhões milhão
7,7 7,6 7,1 3,2 6,5 2,2
Transporte 747 mil 972 mil 950 mil
milhões milhões milhões milhões milhões milhões
3 1,2 3,6 2,9
Cesta básica 172 mil 945 mil 182 mil 648 mil 147 mil
milhões milhão milhões milhões
23,4 11 1,4 22,6 5,8 1,2 20,7 4,5 1,1
total
milhões milhões milhão milhões milhões milhão milhões milhões milhão

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


124

treinamento e desenvolvimento
Profissional

Por entenderem que a qualificação de seus


profissionais contribui para a perenidade de seus
negócios e também para o desenvolvimento social, as
empresas disponibilizam treinamentos e incentivos à
formação técnica e acadêmica.
O sistema Smart
Desenvolvimento
Mine Full monitora de
a
Em 2009, foram priorizados os treinamentos internos, pessoas
frota promovendo
de caminhões,
com investimentos de R$ 2,8 milhões na VMB, cerca de formação profi
escavadeiras e ssional
R$ 289 mil na VMFL e R$ 152 mil na VMMN.

alGuns treinaMentos realiZados eM 2009

iniCiatiVa obJetiVo inForMaÇÕes CoMPleMentares


Orientar e acompanhar os empregados
novatos e reabilitados durante sua A proposta para 2010 é ampliar ainda
Novo treinamento Gênese- adaptação ao ambiente de trabalho, mais a conscientização do comportamento
Ambientação informando sobre políticas e cultura preventivo sobre a saúde e segurança no
das empresas, saúde, segurança e trabalho.
procedimentos operacionais.
Treinamentos voltados para
Os treinamentos foram ministrados, em sua
Qualidade, Saúde, Segurança Criar uma linguagem e práticas comuns
maioria, internamente pelos setores de Meio
e Meio Ambiente, identificados entre todas as empresas. Em 2009, foram
Ambiente, Segurança do Trabalho, Gerência
pela sigla QSE, seguindo o cerca de 750 participantes em mais de 6
de Qualidade Total e Sistema Integrado de
direcionamento do Grupo mil horas de treinamentos.
Gestão.
Vallourec
Foi lançada no segundo trimestre,
possibilitando a 65 profissionais Essa iniciativa será ampliada em 2010 para
Política de Idiomas da VMB
frequentarem aulas de inglês em escolas beneficiar um número maior de empregados.
credenciadas.
Estudo junto ao Serviço O curso beneficiará não apenas os
Nacional de Aprendizagem Será oferecido em 2010 um curso candidatos necessários para preencher as
Industrial (Senai) para projeto de operação de máquinas agrícolas, vagas da Empresa, mas um contingente
de capacitação profissional na primeiramente na região de João Pinheiro. maior, qualificando a população local para o
VMFL trabalho em outras organizações.
Palestras, apresentação das melhores
Encontros técnicos de colheita,
práticas das regionais, dinâmicas e visitas
carbonização e silvicultura na Participaram 101 monitores e supervisores.
em campo para padronizar e melhorar os
VMFL
processos.
Treinamentos de direção Os treinamentos contaram com mais de 300
Reduzir o número de acidentes de trânsito.
defensiva na VMFL empregados.
Por meio do progresso através da Melhoria
da Eficiência da Manutenção (Prime), O curso de Mantenedor Industrial contou com
Iniciativas de apoio à
foram realizados os cursos de Mantenedor a participação de 20 pessoas e teve carga
empregabilidade contínua
Industrial (em parceria com o Senai) e horária de 400 horas. Já o de Analistas de
Analistas de Manutenção (junto com a Manutenção envolveu 18 empregados e teve
Associação Brasileira de Manutenção – carga horária de 184 horas.
Abraman).

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


125

Horas de treinaMentos Por CateGoria FunCional

2009 2008 2007


CarGo
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN

Produção 39.256 66.989 5.022 49.431 31.825 6.100 41.024 18.496 7.557
Técnico/ Administrativo 33.974 10.917 2.667 33.892 7.278 1.160 40.132 4.229 1.440
Estagiários 6.826 113 21 3.582 254 0 1.608 147 0
Executivos 6.410 2.037 296 4.323 1.462 36 4.108 849 0

total 86.466 80.057 8.006 91.228 40.819 7.296 86.872 23.724 8.997

Horas de treinaMentos eM 2009 *

VMb VMFl VMMn


Horas de treinamento 86.466 80.057 8.006
Empregados + Estagiários 4.068 1.157 237
Média de horas/pessoa 21 69 33,78

* Esse levantamento está sendo publicado pela primeira vez no Relatório.

Horas nos Cursos de aMbientaÇÃo

2009 2008 2007


CarGo
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Produção 160 2.866 80 1.101 2.504 84 896 1.455 33
Técnico/
208 330 32 384 164 42 161 95 39
Administrativo
Estagiários 997 24 48 1.659 56 12 413 32 9
total 1.365 3.220 160 3.144 2.724 138 1.470 1.583 81

Programa Gênese

Desde 2008, o Programa Gênese – criado para


a orientação, comunicação e sensibilização dos
empregados para uma cultura preventiva em saúde e
segurança – já alcançou 255 pessoas, contabilizando
um total de 1.364 horas de treinamentos desenvolvidos.

Em 2009, seu foco foi ampliado. Inicialmente, o


programa se direcionava aos empregados acidentados:
era feito o acolhimento dos mesmos, que passavam por
O sistema Smart Mine
treinamentos ligados ao fato ocorrido e à segurança do Treinamento
Full monitora aem segurança
frota de
trabalho. Desde abril, acontecem atividades regulares integra o Programa
caminhões, Gênese
escavadeiras e
de segunda a sexta-feira que podem ser

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


126

frequentadas, além dos acidentados, por aqueles de necessidades especiais, à não discriminação, ao
com problemas de saúde ou absenteísmo elevado, respeito à mulher, à liberdade dos empregados, entre
afastados previdenciários com mais de seis meses de outros temas.
ausência, pessoas com dificuldades no relacionamento
em equipe ou multiplicadores das áreas, a fim de Na VMFL, a equipe de Segurança Patrimonial é
auxiliar na promoção da saúde e segurança. Os relativamente nova (iniciou suas atividades em abril de
empregados recém-contratados a partir de janeiro de 2009) e passou por 216 horas de treinamentos, algumas
2010 passaram também a participar do programa. São destas ligadas a temas como conduta ética e direitos
treinamentos contínuos, com carga horária de 44 horas humanos. Também foram realizados treinamentos sobre
por semana, compostos de equipe multidisciplinar. Dialogia.

treinamentos sobre direitos humanos dialogia

Políticas e procedimentos sobre direitos humanos são Dialogia é o estímulo das pessoas ao diálogo e ao
abordados em treinamentos internos das empresas estabelecimento de relações de confiança e respeito.
V & M do BRASIL, como nos introdutórios, voltados É, também, o nome de um programa utilizado nas
para os empregados novatos. empresas V & M do BRASIL que busca melhorar as
relações no ambiente de trabalho a partir da formação
Na VMB, houve 3.475 horas de treinamentos relativos a de grupos de estudos de temas como cidadania,
aspectos de direitos humanos direcionados a cerca de diálogo, ética, respeito e educação. Nos encontros,
9% dos empregados e estagiários. E, especificamente são abordados as normas e os princípios do programa
na área de Segurança, os 46 profissionais participaram Dialogia alinhados ao Código de Ética.
de treinamentos voltados para esse tema.
educação Continuada
Na VMMN, houve 1.352 horas de treinamento de
Dialogia para um melhor relacionamento entre os
Desde 2005, os empregados da V & M do BRASIL vêm
empregados. Ainda, a equipe de Segurança Patrimonial
sendo beneficiados pelo programa De Volta à Escola.
foi treinada quanto ao tratamento dos portadores
Realizado em parceria com a Fundação Sidertube e

O sistema Smart Mine Full


monitora a 2009,
A partir de frota um
de número
caminhões,
escavadeiras e carregadeiras
maior de empregados passou a
sertempo
em beneficiado peloGPS
real via programa
de Volta à Escola
r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL
127

o Serviço Social da Indústria (Sesi), essa iniciativa As empresas V & M do BRASIL concedem bolsas de
integra o Programa de Educação de Jovens e Adultos MBA, mestrado, doutorado e especialização a seus
– Telecurso 2000 – e auxilia no desenvolvimento empregados por meio da Política de Pós-Graduação,
e aperfeiçoamento dos alunos e no exercício da que segue critérios como: comprovação da performance
cidadania. e alto potencial do empregado na Empresa,
alinhamento do curso às funções exercidas ou para as
Até 2008, esse programa era voltado ao ensino quais o empregado esteja sendo preparado, relevância
fundamental e médio e, em 2009, teve sua atuação do curso para a VMB, atuação do empregado há mais
ampliada a fim de beneficiar um número maior de de dois anos na Empresa e trabalho de conclusão
empregados. Após uma pesquisa para avaliar as condizente com temas de interesse da VMB. As bolsas
demandas internas, constatou-se a necessidade de são concedidas apenas para aulas em instituição de
um curso técnico de Eletromecânica. As aulas foram ensino reconhecida no mercado.
realizadas na Fundação Sidertube. Para a primeira
turma, 35 empregados foram selecionados entre 300
inscritos.

esColaridade (nÚMero de eMPreGados)

2009 2008 2007


ForMaÇÃo
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Superior completo 694 76 27 612 62 17 579 56 16
Superior incompleto 142 45 7 227 32 9 229 7 7
Ensino médio completo 2.147 416 115 2.431 378 88 2.293 282 83
Ensino médio incompleto 137 102 17 171 73 42 211 29 41
Ensino fundamental
331 101 37 439 91 79 495 59 76
completo
Ensino fundamental
355 412 30 481 401 0 595 317 0
incompleto
Analfabetos 0 5 0 0 0 0 0 0 0
total 3.806 1.157 233 4.361 1.037 235 4.402 750 233

diversidade e inclusão profissionais afastados e com necessidades especiais.


Essa iniciativa foi ampliada em 2006 com o Programa
Para os empregados com necessidades especiais, as de Reintegração Ocupacional Progressiva (PRO), em
empresas têm ações e projetos específicos de inclusão. parceria com o INSS, oferecendo treinamentos de 60
O Programa De Braços Abertos recebe aqueles dias em processos operacionais, ao final dos quais os
candidatos com necessidades especiais que queiram empregados têm sua capacidade funcional avaliada.
ingressar na V & M do BRASIL com tratamento
receptivo e avaliado por profissional qualificado para Em 2009, foram realizados 150 atendimentos, e
sua adequação à atividade compatível. todos os empregados reintegrados são monitorados
mensalmente. O PRO recebeu neste ano o Prêmio
Além disso, desde 2000, o Programa VMB Integrar-se de Reabilitação Profissional no IV Congresso de
promove oficinas terapêuticas, dinâmicas de grupo e Reabilitação Profissional de Acidentados no Trabalho,
palestras informativas e educativas direcionadas aos em São Paulo.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


128

saúde ocupacional do acompanhamento e do tratamento do empregado


em suas necessidades complementares, incluindo a
Quanto à saúde, os empregados são atendidos a partir sensibilização com o autocuidado.
das necessidades individuais por meio de um sistema
que valoriza sua aproximação com os médicos do Além do atendimento em saúde ocupacional,
trabalho e auxiliares de enfermagem. atividades relacionadas à promoção e prevenção de
saúde são planejadas com embasamento de estudos
Os médicos realizam visitas aos postos de trabalho epidemiológicos nas empresas. O atendimento
e têm a real condição de avaliar os empregados no rotineiro inclui exames ocupacionais periódicos e de
exercício de suas atividades. A VMB, a VMFL e a investigação do perfil de saúde dos empregados, como
VMMN possuem em suas unidades profissionais diabetes, doenças cardiovasculares e metabólicas,
para o atendimento e monitoramento da saúde dos câncer de mama e de próstata.
empregados e prestadores de serviço.
Para 2010, a meta das empresas em relação aos
Na Usina Barreiro, a operadora do plano de saúde programas de qualidade de vida no trabalho é ampliar
mantém uma equipe de médicos especialistas no os temas de palestras anuais de saúde e segurança,
Setor de Medicina do Trabalho: clínico-cardiologista, como álcool e drogas, problemas respiratórios, como
ortopedista, otorrinolaringologista e dermatologista, câncer de pulmão relacionado a tabagismo, entre
complementando a estrutura que, com o apoio da outros assuntos.
equipe de enfermagem do trabalho, realiza a interface

PrinCiPais aÇÕes realiZadas eM 2009

iniCiatiVa resultado
Foram identificados 829 empregados com problemas de coração, pressão alta, risco de
Identificação de portadores de
infarto e doenças coronarianas hereditárias. Desses, 80% estão sendo monitorados no
enfermidade cardiovascular
Serviço de Medicina do Trabalho, e os demais optaram por atendimento particular.
Houve campanhas de combate à dengue e à leptospirose, de vacinação contra a gripe
Campanhas de conscientização/
comum e de prevenção contra a Gripe A. Outras campanhas, como contra o tabagismo e
prevenção/vacinação
a obesidade, foram realizadas em parceria com a Fundação Sidertube (ver pág. 154).
Na VMMN, houve a primeira turma do programa com o apoio do Serviço Social
e da equipe de Medicina Preventiva. No total, 12 participantes se tornaram ex-
Programa de cessação do
fumantes a partir da troca de experiências e integração com outros colegas, além do
tabagismo
acompanhamento de profissionais da Promoção da Saúde da Fundação Sidertube, em
parceria com a Unimed-BH.

Foram realizadas 1.165 avaliações pelos comitês para explorar e melhorar o conforto e a
Comitês de Ergonomia
saúde no trabalho.

Projeto piloto da equipe de Terapia Ocupacional que busca o fortalecimento de grupos


musculares dos empregados. A iniciativa iniciou-se em 2009, com 58 pessoas da VMB,
Cinesioterapia Laboral
e deve expandir-se para toda a Empresa, com foco nas áreas que apresentam alto risco
ergonômico.
Um curso de 32 horas treinou 24 membros do Serviço de Medicina Ocupacional em
Treinamento em Estatística
Estatística Aplicada à Epidemiologia, essencial para a realização de estudos dos casos de
Aplicada à Epidemiologia
absenteísmo na VMB.

Criação do Comitê de Estudos Neste ano, foi criado o comitê devido à necessidade de melhorar o entendimento das
Audiológicos causas da perda auditiva.

Vale ressaltar que todas as iniciativas têm, além das ações de atendimento médico, um forte enfoque
preventivo, que é a base da Medicina do Trabalho.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


129

Quanto à saúde, os empregados


são atendidos a partir de suas
necessidades individuais

segurança do trabalho acidente fatal nas empresas em


2009.
empresas
As empresas V & M do BRASIL alcançaram índices alcançaram
recordes de segurança em 2009, colocando em prática Das 86.466 horas de
índices recordes
um conceito bastante difundido internamente: “A treinamento oferecidas pela
de segurança
segurança é nosso maior valor”. A VMMN conquistou VMB, 22.525 foram em saúde
em 2009
a marca histórica de quase 1,9 milhão de horas/ e segurança, correspondendo
homens trabalhadas sem acidentes com afastamento, a 26% do total. Na VMFL,
posicionando a Mina em 3º lugar entre todas as minas mais de 40% dos treinamentos
de minério de ferro do Brasil (informação publicada realizados em 2009 foram de
na revista Minérios & Minerales), com uma redução segurança no trabalho, um total de mais
de 67% no número de acidentes com afastamento em de 33 mil horas. Na VMMN, foram realizadas 3.539
relação a 2008. Houve, ainda, uma redução da ordem horas de treinamento em segurança, correspondendo a
de 60% no número de acidentes na VMB e de 48% na cerca de 44% do total de treinamentos realizados.
taxa de frequência de acidentes na VMFL. Não houve .

Horas de treinaMentos eM Cursos e atiVidades de seGuranÇa

2009 2008 2007


CateGoria
VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN VMB VMFL VMMN
Produção 14.621 29.940 2654 17.464 4.569 2.648 12.949 2.656 2.657
Téc. / Adm. 6.689 3.149 805 4.373 827 568 1.921 481 326
Estagiários 515 15 10 230 96 8 112 56 6
Executivos 700 391 80 532 216 31 2 125 48
total 22.525 33.495 3.529 22.599 5.709 3.255 14.984 3.318 3.037

*Alguns números foram divulgados incorretamente no Relatório de 2008, por isso encontram-se diferentes nessa tabela.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


130

ações e projetos de segurança ambiente de trabalho nas empresas V & M do BRASIL.


O evento é direcionado a empregados e prestadores
A seguir, são destacadas algumas medidas que de serviço e possui atividades como apresentações
influenciaram os resultados positivos no âmbito da culturais e palestras sobre temas variados.
segurança.
Mobilização dos GMCs
Cap ten safe Dos Grupos de Melhoria Contínua (GMCs) existentes
Com implantação iniciada em setembro de 2008, o nas empresas agindo com o tema Segurança do
programa Cap Ten Safe passou a integrar o Vallourec Trabalho, aproximadamente 80% atuam na modalidade
Management System (VMS) – (Sistema de Gestão risk assessment (análise de risco), para identificar,
Vallourec). Trata-se de um programa corporativo do pontuar e traçar planos de ações, visando à
Grupo Vallourec que prevê iniciativas para a melhoria minimização de riscos. Em 2009, mais de 200 pessoas
do desempenho na área de segurança. Com esse foram treinadas para identificar riscos por meio de
programa, promove-se a integração de todos os níveis uma parceria da V & M do BRASIL com uma empresa
hierárquicos da Empresa, através das ferramentas especializada.
abaixo descritas.
Além dos grupos de risk assessment, há os de hands
free (mãos livres de acidentes), dedicados a uma maior
atenção com as atividades manuais, e os de feedback,
direcionados ao retorno e reanálise das experiências.

A meta é que 15% dos GMCs sejam voltados para


segurança. Em 2009, houve 54 grupos sobre esse tema
com 432 pessoas envolvidas.

Comitês de segurança
Na VMB, 14% dos empregados são representados
Caminhada opa em comitês que ajudam no monitoramento e
Uma das ferramentas do programa Cap Ten Safe, aconselhamento sobre programas nessa área. Há
a Caminhada OPA é uma visita feita por diretores, comitês de Saúde e Segurança, Ergonomia, Comissão
superintendentes, gerentes, Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e Grupo
engenheiros, técnicos em de Melhoria Contínua (GMC).
segurança, supervisores e líderes
a qualquer operador de sua área. Aproximadamente 20% dos empregados
Através da observação do trabalho da VMMN representam comitês
a Caminhada formais de segurança e saúde na
por outra pessoa, objetiva criar
um diálogo sobre segurança
oPa contou com Comissão Interna de Prevenção de
e desenvolver no operador 7.589 visitas na Acidentes da Mineração (Cipamin)
a percepção para trabalhar VMb, 1.196 na e Brigada de Atendimento a
com mais consciência quanto Emergências.
VMFl e 341 na
aos riscos presentes em suas
atividades.
VMMn em 2009. Na VMFL, existem a Comissão
Interna de Prevenção a Acidentes
A Caminhada OPA contou com 7.589 de Trabalho Rural (CIPATR), o Corpo
visitas na VMB, 1.196 na VMFL e 341 na de Voluntários da Segurança (CVS),
VMMN em 2009. o Grupo de Prevenção de Acidentes
(GPA) e a Comissão Superiora de Prevenção
semana interna de Prevenção de acidentes de a Acidentes (CSPA). No total, há 149 pessoas
trabalho (sipat) envolvidas de todas as áreas, inclusive gerentes e
A Sipat é realizada anualmente com o objetivo de superintendentes, representando 12% do total de
difundir conceitos e ações em prol da segurança no empregados.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


131

Prestadores de serviço especializados Minuto de segurança


Com relação aos prestadores de serviço, as metas Os Diálogos Diários de Segurança (DDS), também
de segurança também se alinham ao Cap Ten Safe conhecidos como Minuto de Segurança, consistem
(com a mesma taxa de frequência de acidentes dos em reuniões breves antes do início dos trabalhos com
empregados, igual a cinco), por meio de treinamentos todos os empregados para discutir temas relacionados
com gestores de segurança das empresas contratadas. à segurança individual e coletiva.

O sistema Smart Mine Full


O Diálogo sobre Segurança faz
monitora a frota de caminhões,
parte do dia a dia das empresas
escavadeiras e carregadeiras

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


132

segurança nas três empresas único indicador para medir a taxa de frequência de
acidentes e da execução de treinamentos focados em
V & M do brasil segurança.
A VMB obteve em 2009 uma redução de 60% no
número de acidentes em relação a 2008. Um dos A Sipat Unificada 2009 reuniu em maio, na Usina
fatores que contribuiu para esse resultado foi o maior Barreiro, cerca de sete mil pessoas, entre empregados
envolvimento de todos da Usina Barreiro de forma e prestadores de serviço. O evento enfocou o tema “A
comprometida com a segurança do trabalho. segurança é nosso maior valor”, com atividades como
apresentações teatrais e palestras sobre segurança
Para a VMB e as demais empresas, os bons indicadores do trabalho, prevenção de doenças sexualmente
alcançados refletiram também as contribuições das transmissíveis, planejamento financeiro, segurança no
ações do Cap Ten Safe, do estabelecimento de um trânsito, entre outras.

indiCadores de seGuranÇa do trabalHo da VMb

eMPreGados PróPrios Prestadores de serViÇo


inForMaÇÕes
2009 2008 2007 2009 2008 2007
Dias perdidos 1.794 10.003 2.528 655 1.770 1.222
Acidentes com afastamento 25 65 68 12 41 37
Acidentes sem afastamento e com
53 97 130 58 99 112
atendimento médico
Acidentes fatais 0 1 0 0 0 1
Taxa de gravidade 237 1.079 282 156 340 239
Taxa de frequência 3,3 7,0 7,6 2,9 7,9 7,2
ACA: acidentes com afastamento
DP1: Dias perdidos (dias perdidos + dias transportados)
HHT: Horas homens trabalhadas
TF: Taxa de frequência = ACA x 1.000.000/HHT
TG1: Taxa de gravidade (francesa) = DP1 x 1.000/HHT

Uma campanha de conscientização foi divulgada pela VMB junto aos colaboradores com o objetivo de promover a reflexão sobre a segurança, enfocando a
integridade, um dos princípios da Carta de Valores que expressa a harmonia e o equilíbrio corporal, racional, afetivo, social e profissional das pessoas.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


133

V & M Florestal
Em 2009, houve uma redução de 48% na taxa de
frequência de acidentes com empregados próprios
na VMFL em relação a 2008. Foram 26 acidentes com
empregados próprios e 35 com prestadores de serviço.

Foi implantado na Empresa o programa Espia, que


controla a velocidade dos veículos através de uma
antena. As motocicletas têm um limite máximo de
velocidade de 50 km e são reguladas na própria
autorizada para não ultrapassar essa faixa.

A Sipat foi realizada em outubro em todas as fazendas


da VMFL. Durante cinco dias, os colaboradores próprios
e terceiros participaram de palestras sobre assuntos
relacionados a saúde e segurança. Foram 9.404 pessoas O sistema Smart Mine Full
Melhor comunicação contribui
monitora a frota de caminhões,
treinadas e uma média de 1.880 pessoas por dia. para a redução de acidentes
escavadeiras e carregadeiras

indiCadores de seGuranÇa do trabalHo da VMFl

eMPreGados PróPrios Prestadores de serViÇo


inForMaÇÕes
2009 2008 2007 2009 2008* 2007
Dias perdidos 651 315 178 475 6426 709
Acidentes com afastamento 11 13 10 19 17 33
Acidentes sem afastamento e com
15 20 15 16 32 31
atendimento médico
Acidentes fatais 0 0 1 0 1 0
Taxa de gravidade 281,64 221,16 5.083,01 151,80 2.172,64 208,41
Taxa de frequência 4,76 9,13 8,23 11,19 5,75 9,7
ACA: acidentes com afastamento
DP1: Dias perdidos (dias perdidos + dias transportados)
HHT: Horas homens trabalhadas
TF: Taxa de frequência = ACA x 1.000.000/HHT
TG1: Taxa de gravidade (francesa) = DP1 x 1.000/HHT

* Os dados dos prestadores de serviço divergem dos publicados no Relatório de 2008 devido a erros na consolidação dos mesmos.

V & M MineraÇÃo do treinamento introdutório, de segurança da saúde e


Na VMMN, houve uma redução de 67% na taxa de de meio ambiente, objetivando mostrar as atualizações
frequência dos acidentes com afastamento, além da do setor de Segurança para os empregados mais
queda de 20% no número total de acidentes com antigos na Mina. A meta para 2010 é lançar o projeto
empregados. Nossa Mina Mais Segura II, com a participação de
100% dos empregados.
Houve, ainda, uma considerável redução do número
de acidentes no transporte interno com equipamentos, Na Semana Interna de Prevenção a Acidentes do
caindo de 56 (em 2008) para 17. O programa Nossa Trabalho na Mineração (Sipatmin), houve um aumento
Mina Mais Segura, realizado no ano anterior, teve nessa de participação da ordem de 80%, cerca de mil
redução um de seus reflexos positivos em 2009. Foram colaboradores a mais que nos anos anteriores.
incluidos mais de 80% dos empregados em reciclagem

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


134

indiCadores de seGuranÇa do trabalHo da VMMn

eMPreGados PróPrios Prestadores de serViÇo


inForMaÇÕes
2009 2008 2007 2009 2008 2007
Dias perdidos 15 321 47 0 179 83
Acidentes com afastamento 1 3 5 0 2 7
Acidentes sem afastamento e
4 3 2 3 6 6
com atendimento médico
Acidentes fatais 0 0 0 0 0 0
Taxa de gravidade 32,31 686,8 102,8 0 156,5 62,1
Taxa de frequência 2,2 6,4 10,7 0 1,7 5,2
ACA: acidentes com afastamento
DP1: Dias perdidos (dias perdidos + dias transportados)
HHT: Horas homens trabalhadas
TF: Taxa de frequência = ACA x 1.000.000/HHT
TG1: Taxa de gravidade (francesa) = DP1 x 1.000/HHT

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


135

resPonsabilidade CoM participação dos moradores. Também houve parcerias


o PÚbliCo externo com entidades sociais, prefeituras das cidades onde
atuam, organizações não governamentais, instituições
de ensino, entre outras, procurando contribuir com
Apesar da redução do faturamento em função da
iniciativas que promovam a transformação social.
crise financeira mundial, a V & M do BRASIL também
continuou investindo em ações e projetos socioculturais
Nessa perspectiva, após o levantamento de projetos e
voltados para o público externo. Com a manutenção
ações promovidos ou apoiados pelas empresas
desses investimentos, em 2009 as empresas ampliaram
V & M do BRASIL realizado em 2008, foi possível
e sistematizaram o diálogo com as comunidades do
aprimorar e agrupar iniciativas antes pulverizadas por
entorno, aproximando-se de suas demandas, realizando
meio de uma gestão integrada da atuação sociocultural.
ações para a melhoria da qualidade de vida e bem-
Esse mecanismo possibilitou um acompanhamento
estar dos moradores e investindo em iniciativas em prol
mais próximo das ações junto aos produtores e grupos
do desenvolvimento local.
culturais ao longo do ano de 2009 e também do
público beneficiado pelas iniciativas. Os resultados
O relacionamento com o público externo foi fortalecido
e o monitoramento desse trabalho irão orientar as
por meio de encontros com lideranças comunitárias
demandas e os investimentos futuros.
– nos quais foram ouvidas sugestões e reivindicações
acerca de questões socioambientais – e eventos com a

INVESTIMENTOS PARA BENEFÍCIO PÚBLICO - cessão de áreas para implantação do projeto de


complementação da Av. Tereza Cristina, em Belo
A partir de demandas identificadas nas comunidades Horizonte.
pelo poder público constituído (por exemplo, a
Prefeitura de Belo Horizonte) e negociadas com a
V & M do BRASIL, foram realizados os seguintes
investimentos em 2009:
- abertura de novas vias públicas passando pelo
interior da Usina Barreiro (Av. Deputado Álvaro
Antônio, que liga a Via do Minério à Av. Olinto
Meireles) e interligação da Via do Minério à Rua
dos Americanos;
- construção de duas baias para parada de
ônibus na Av. Olinto Meireles, na região do
Barreiro;
- revitalização e manutenção paisagística da
Via do Minério;
- intervenções em onze áreas verdes públicas
(cercamento, construção de passeios, plantio de
mudas e manutenção);
- manutenção do Centro de Educação Ambiental do
Barreiro (antiga Reserva Ecológica
V & M do BRASIL), por um contrato de 50 anos com
a Prefeitura de Belo Horizonte;
Em 2009 foi construída a “Via Verde”, nova via pública que
atravessa a Usina

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


136

Em 2009, as empresas V & M do BRASIL mantiveram investimentos para o desenvolvimento de diversos projetos
sociais, culturais e esportivos, como mostra o quadro a seguir:

reCursos eM ProJetos soCiais, Culturais e esPortiVos das eMPresas V & M do brasil* (r$)
recursos
lei estadual Fundo da
próprios
lei rouanet e de incentivo à infância e da lei de incentivo
ano destinados total
do audiovisual Cultura (iCMs/ adolescência ao esporte
a doações e
MG e rJ) (Fia)
patrocínios
2009 5,4 milhões 2,3 milhões 1,1 milhão 1,1 milhão 2,5 milhões 12,4 milhões
2008 4,2 milhões 3,2 milhões 950 mil 980 mil 968 mil 10,2 milhões
2007 4,5 milhões 2,4 milhões 1,1 milhão 1 milhão 568 mil 9,5 milhões

• Valores arredondados

Projetos sociais e culturais

Foram patrocinados, em 2009, 43 projetos socioculturais


em diversas áreas, propostos tanto pelas empresas
V & M do BRASIL quanto pela comunidade.

Para a realização dessas iniciativas, foram utilizados


recursos próprios e os mecanismos de renúncia
fiscal: Lei Estadual de Incentivo à Cultura (LEIC/MG),
Lei Rouanet, Lei de Incentivo ao Esporte e Fundo da
Infância e Adolescência (FIA).

A seleção e o
desenvolvimento dos
Foram projetos seguem critérios
com base no atendimento
patrocinados, em
às partes interessadas
2009, 43 projetos
e nas regiões onde as
socioculturais em
empresas atuam. O processo
diversas áreas de avaliação é feito por
uma equipe multidisciplinar
formada por profissionais das
empresas V & M do BRASIL. Os
critérios levam em consideração os
seguintes aspectos:
- projetos de resgate, preservação e valorização das
raízes culturais locais;
- projetos de circulação que promovam a diversidade
da produção artística e que contribuam para a inclusão
cultural;
O sistema
- projetos direcionados ao fortalecimento do Cultura a serviço da
Smart Mine Full
empreendedorismo e à transformação social. inclusão social
monitora a frota

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


137

A VMB incentiva projetos de


geração de renda direcionados às
comunidades do entorno, como o
curso de Auxiliar de Panificação

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


138

algumas iniciativas de incentivo, em 2009, estão detalhadas no quadro a seguir:

ProJetos / instituiÇÃo Cidade

Belo Horizonte, Contagem, Ouro


ano da França no brasil Preto e Curvelo

atividades Família silva / Belo Horizonte, Brumadinho e


roberto silva Paraopeba

esporte na Cidade /
Belo Horizonte, Contagem e
de Peito aberto
Brumadinho

esporte unindo Jovens


resgatando Vidas /
Curvelo
Centro social achiles diniz Couto

Programa de apoio às instituições


de educação infantil do estado
de Minas Gerais / Belo Horizonte
serviço Voluntário de assistência
social (servas)

Formação de atletas /
Belo Horizonte
Minas tênis Clube

Entre Rios de Minas


Música na escola /
instituto Maria Helena andrés

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


139

desCriÇÃo/ obJetiVo PÚbliCo

Cerca de 50 mil participantes


Projetos comemorativos ao Ano da França no Brasil que permitiram o acesso a
(das atividades patrocinadas pela
diversos eventos artísticos internacionais, promovendo o intercâmbio cultural e
Empresa), incluindo a participação
social entre os dois países. A V & M do BRASIL priorizou as manifestações no
de gestoras das escolas do entorno
Estado de Minas Gerais.
do Barreiro (G10)

Expandir a pesquisa Boneco Especial, que desenvolve atividades relacionadas


ao teatro de bonecos, para a formação cultural de crianças, jovens e adultos
6.523 beneficiados
portadores de necessidades especiais; gerar educadores multiplicadores através
de oficinas e seminários.

Cerca de 1.200 crianças e


Contribuir para a formação de atletas cidadãos em Minas Gerais com a prática
adolescentes das regiões de atuação
regular e estruturada de futsal, vôlei, handebol e basquete, permitindo o acesso
do projeto serão beneficiados em
de crianças e jovens ao esporte e a equipes de competição.
2010

Cerca de 400 crianças e


Promover atividades pedagógicas e pré-profissionalizantes (oficina de arte e
adolescentes de 6 a 18 anos, aberta
culinária, artesanato, cerâmica, tecelagem, pátina e música, além de aulas de
também para atender às demandas
informática, reforço escolar e práticas esportivas).
da comunidade.

250 crianças beneficiadas de cinco


Objetiva a aquisição de equipamentos, materiais pedagógicos, de construção instituições, centros de educação
e serviços para aprimorar o funcionamento e a adequação do atendimento das infantil, creches, pré-escolas e
instituições beneficiadas. Associação dos Pais e Amigos dos
Excepcionais (APAE)

Promover o treinamento, aprimoramento e desenvolvimento técnico e humano


dos atletas nas modalidades: basquete e futsal masculino, ginástica artística, Jovens com idade entre 6 e 21 anos
ginástica trampolim, judô, natação, tênis e vôlei masculino e feminino.

1.650 crianças da rede pública;


um professor de música, dois
Ensinar música de forma sistematizada para alunos das classes introdutórias à 4ª
professores (receberão o
série do ensino fundamental em todas as escolas públicas do município, visando
treinamento em 2010); cinco escolas
à inclusão social e à formação de cidadãos.
da rede pública municipal e estadual;
comunidade em geral

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


140

ProJetos / instituiÇÃo Cidade

Participação escolar da Criança


com deficiência Física e Múltipla / Belo Horizonte
associação Mineira de reabilitação

Festival Mundial de Circo /


Belo Horizonte
agentz Produções

Programa sociocultural Cariúnas /


Brumadinho
sociedade artística Mirim de belo Horizonte

Qualidade para um bom desempenho / Contagem e outros municípios do


novo Céu Projeto assistencial interior de Minas Gerais

transporte para a saúde de Crianças e adolescentes /


Belo Horizonte
Hospital da baleia

Felixlândia, Caetanópolis,
Francisco Dumont, Joaquim Felício,
brincar de Quê! /
Engenheiro Navarro, Guaraciama,
deronir nogueira
Nova Esperança, João Pinheiro,
Frajolla e Mariola
Brasilândia de Minas e Lagoa
Grande

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


141

desCriÇÃo/ obJetiVo PÚbliCo

Promover condições satisfatórias nos diversos ambientes da escola de ensino comum e 200 crianças e
instrumentalizar 70 professores ou representantes multiplicadores da rede municipal e adolescentes com
estadual de ensino para a inclusão das crianças e adolescentes. necessidades especiais

Ser um instrumento de fomento às artes circences no país; evidenciar o aprendizado e a


formação de novas gerações artísticas circences, promovendo a integração e a troca de
experiências entre os profissionais da área; incentivar a reflexão sobre a importância das 35.100 espectadores
artes circences como possibilidade real de inclusão social e de geração de emprego e
renda.

Desenvolver habilidades musicais e de dança, oferecendo meios para alcançar a


profissionalização; formar adolescentes como agentes multiplicadores da cultura por meio
200 crianças e
de treinamentos e estágios; buscar a inclusão dos multiplicadores em creches, centros
adolescentes
culturais e comunitários, permitindo que tenham a primeira experiência profissional como
monitores.

Projeto filantrópico que visa a prestar assistência em regime de abrigo a crianças,


adolescentes e adultos carentes, portadores de paralisia cerebral, com dependências
75 pacientes
nas atividades da vida diária. Com a doação ao FIA, o projeto irá adquirir computadores,
nebulizadores e eletrodomésticos para melhorar o atendimento.

460 passageiros/pacientes
Disponibilizar transporte coletivo para atendimento na Unidade Antônio Mourão
(crianças, adolescentes e
Guimarães (AMG).
seus acompanhantes)

Objetiva a circulação e difusão das manifestações culturais folclóricas na região central de


Minas, com a realização de shows musicais, palestras e o lançamento do DVD “Brincar de 14.990 espectadores
Quê!”.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


142

VMb: 3 localidades/178 atividades


ANO DA FRANÇA NO BRASIL - 2009 Barreiro Belo Horizonte Contagem
Número de atividades por região - VMB

Em 2009, os municípios de Belo Horizonte e Ouro 200

Preto sediaram várias atividades em comemoração


ao Ano da França no Brasil, muitas delas 150
patrocinadas pela VMB. Com o apoio da Empresa,
foram incentivadas ações e produtos culturais 100
como o livro “A Presença Francesa no Brasil”,
o “Festival Mundial de Circo”, a “4ª Mostra de
159
50
Cinema de Ouro Preto”, o cineconcerto “Le Rendez-
Vous du Samedi Soir”, a “Semana Internacional de
Artes Digitais e Alternativas (Siana 2009)”, o “V
11 8 0

Seminário Internacional Audiovisual Imagem dos


Povos”, o “Festival Tudo é Jazz” e o “Fórum das Barreiro Belo Horizonte Contagem
Letras”.
Thursday, May 27, 2010
VMFl: 19 localidades/79 atividades

NúmeroBoicaiúva Lassance
de atividades por região - VMFL Francisco Dumond
Curvelo Várzea da Palma Guaraciama
Bocaiúva Lassance Francisco Dumond
resultados Pompéu
Curvelo VárzeaParaopeba
da Palma
Joaquim Felício
Guaraciama
Caetanopolis Brasilândia de Minas Lagoa Felício
Grande
Pompéu Paraopeba Joaquim
João Pinheiro
Caetanopolis Engenheiro
Brasilândia Navarro
de Minas Lagoa Grande
Nova Esperança
Dos 43 projetos socioculturais de 2009, 20 foram de João Augusto
Pinheirode Lima Engenheiro Navarro
Felixlândia NovaMontes
Esperança
Claros
circulação, ou seja, levaram espetáculos, oficinas, Buenópolis
Augusto de Lima Felixlândia Montes Claros
seminários, shows e promoveram o intercâmbio dos Buenópolis
20
produtores culturais com as instituições e comunidades
locais que receberam as atividades.
14
Esses projetos de circulação corresponderam à 11
realização de 358 atividades em 34 localidades, entre 8 10
elas Belo Horizonte, Contagem, municípios do centro,
norte e noroeste de Minas Gerais e Brumadinho. 5 5
4 4 4 4
3
2 2 2 2 2 2 2 2
1
0
Distribuição de projetos por empresas *

VMMn: 9 localidades/73 atividades


8% Número de atividades por região - VMMN
Thursday, May 6, 2010
Brumadinho Piedade do Paraopeba Casa Branca Inhotim Suzana
20% 50% BrumadinhoSapé
Aranha
Piedade do Paraopeba
Inhotim
Marinhos
Suzana
Sapé
Marques
Marinhos
Casa Branca Aranha Marques

50
45
22% 40

VMB 30
VMFL
VMMN 20
VSB
7 5 4 4 10
*Esse gráfico apresenta dados compilados e, apesar de não ser totalmente controlada 3 2 2
pelo Grupo Vallourec, a VSB é citada junto com as empresa V & M do BRASIL. 1 0

Thursday, May 27, 2010

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


143

Vsb: 3 localidades/28 atividades Projeto Comunidade Viva


São Bras do Suaçuí Jeceaba Entre Rios de Minas

Número de atividades por região - VSB Em 2009, a VMB manteve e aprimorou as ações de uma
20
importante iniciativa direcionada aos moradores do
entorno da Usina Barreiro: o projeto Comunidade Viva.

A iniciativa teve início em 2005 com o nome


19 10
Projeto Germinar V & M do BRASIL, atuando nas
áreas de educação, geração de trabalho e renda e
desenvolvimento comunitário na Vila Dom Bosco, região
5 de vulnerabilidade social vizinha à VMB. Em 2009,
4 0
com a ampliação para novas áreas como o Bairro das
Indústrias, o projeto passou a se chamar Comunidade
São Brás do Suaçuí Jeceaba Entre Rios de Minas Viva e beneficiou 1.168 moradores.
Obs.: Apesar dos dados específicos sobre a VSB não constarem em outras
Thursday, May 27, 2010
partes do Relatório, optou-se por manter esse gráfico, pois suas informações Para a ampliação do projeto, foi realizada uma pesquisa
interferem na soma de localidades e atividades culturais desenvolvidas no ano.
socioeconômica e organizativa em cinco novas áreas
do entorno da Usina, servindo de referência para o
Os 20 projetos geraram cerca de 640 empregos diretos
mapeamento e o desenvolvimento do planejamento
e indiretos, como mostra a tabela a seguir:
que irá nortear e estabelecer as ações, as metas e
indicadores a serem alcançados a partir de 2010,
eMPreGos Gerados durante levando-se em consideração os recursos já existentes
a realiZaÇÃo das atiVidades na comunidade.
direto indireto total
Indicadores de desenvolvimento em 2009
VMB 160 79 239
CRAT - Centro de Apoio e Referência ao Trabalhador
VMFL 57 35 92 Oficina de Aperfeiçoamento Profissional
Cursos de Qualificação Profissional
VMMN 159 64 223 Projeto Recontando a História da Minha Comunidade
Oficinas Sócioeducativas
VSB 63 26 89 Gestores Escolares
total 439 204 643 Gestores Escolares EIC - Curso de Introdução a Oficinas Informática
Socioeducativas
Projeto Recontando aCurso
Históriade Elaboração
da Minha de Projetos
Comunicade CursosSociais
de Qualificação Profissional
Oficina de Aperfeiçoamento Profissional
SEAC / NASCE - Dança Folclórica CRAT (Centro de Apoio e Referência ao Trabalhador)
Projovem Adolecente Grupo de Referência
SEAC/NASCE - DançaGrupo de Referência
Folclórica Curso de Elaboração de Projetos Sociais
Projovem
EIC - Curso de Introdução Adolescente
à Informática

1.5% 7.9%
7.7% 3.9%
0.9%
2.8%
as atividades 1.5% 9.8%

culturais 6.0%

corresponderam
a 3.227 horas,
reunindo um
público de mais de 14.7%

92 mil participantes

43.2%

Thursday, May 27, 2010

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


144

Uma conquista de 2009 foi a ampliação do público O projeto ainda formou 13 turmas para o curso de
atendido: por meio do Programa Projovem Adolescente, introdução à informática, sendo que, pela primeira
o Comunidade Viva passou a beneficiar jovens com vez, quatro dessas com aulas aos sábados, atendendo
idade entre 15 e 17 anos. Em parceria com a Prefeitura à demanda dos moradores que trabalham durante a
de Contagem, o projeto atendeu 70 alunos em oficinas semana. Houve também outras seis turmas dos alunos
socioeducativas, de informática, grafite e esporte. No ano, de 7 a 14 anos das oficinas socioeducativas. Ao todo, a
também foram realizados eventos como gincanas, visitas Escola de Informática e Cidadania (EIC) Vila Dom Bosco
a museus, atividades esportivas e palestras informativas atendeu 140 pessoas, das quais 66 tiveram acesso ao
sobre o mundo do trabalho. computador pela primeira vez, oferecendo oportunidades
de desenvolvimento por meio da inclusão digital.

resuMo de atiVidades e resultados do ProJeto CoMunidade ViVa

atiVidade PÚbliCo resultados

22 gestores de seis • Frequência média de 86,78%


Curso de formação de gestores escolares instituições de • Carga horária: 72 horas
ensino da região • Pesquisa de avaliação aplicada em cada instituição
92 alunos de 7 a 14
Oficinas socioeducativas (música, dança
anos das escolas • Frequência de 84,7% nas oficinas
folclórica, esporte e acompanhamento
locais • 31 passeios, apresentações, eventos e palestras
escolar)

Assessoria e apoio ao Projeto 39 alunos, cinco • Realização de duas oficinas de grafite


Recontando a História da Minha professores e dois • Elaboração de uma cartilha sobre a história da Vila Dom Bosco
Comunidade, idealizado pela Escola gestores da Escola • Imagens da Vila grafitadas no muro da escola
Estadual Dom Bosco Estadual Dom Bosco • Visita à exposição artística
Cursos de qualificação profissional
• Carga-horária total: 346 horas
(Manipulador de Alimentos, Técnico em 115 moradores entre
• Frequência de 66%
Projeção Cinematográfica e Auxiliar de 18 e 52 anos
• 26% inseridos no mercado de trabalho
Panificação)
Oficinas de Aperfeiçoamento • 34,4 participantes por palestra
172 participantes
Profissional • Cinco palestras ministradas
Atendimento aos moradores no Centro
de Apoio e Referência ao Trabalhador 505 moradores • 224 currículos cadastrados
(CRAT)
Programa Projovem Adolescente para • Frequência média de 87,2%
moradores entre 15 e 17 anos (Oficina • Carga horária: 520 horas
70 adolescentes
Socioeducativa, Informática, Esporte e • Seis passeios e eventos promovidos
Grafite)
Fortalecimento do Grupo de Referência
18 integrantes • Quatro iniciativas do grupo
da Vila
Fortalecimento das instituições locais – 33 alunos com idades • Oficina de dança folclórica
SEAC/NASCE entre 6 e 14 anos • Três apresentações dos alunos
Quatro instituições • Assessoria à elaboração de quatro projetos, que estão em
Curso de Elaboração de Projetos Sociais
locais andamento
• 13 cursos para alunos da comunidade
• Seis cursos para alunos das oficinas socioeducativas
Cursos de Introdução à Informática 90 alunos
• 2.628 acessos livres da comunidade à escola de informática
• 54% dos participantes tiveram primeiro contato com o computador

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


145

O sistema Smart Mine Full monitora a frota de


A VMB doou quatro árvores de Natal que enfeitaram
caminhões, escavadeiras e carregadeiras em
ruas e praças próximas à Usina, decoradas com
tempo realfeitos
adereços via GPS
pelos moradores

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


146

Jovens retrataram através do grafite a história da Vila Dom


Bosco, que será realocada para o Bairro das Indústrias devido ao
Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)

V & M brasil Centro de Cultura Fortalecendo o relacionamento

O antigo Cine Theatro Brasil, rebatizado de Grupos de referência


V & M BRASIL Centro de Cultura, está sendo Em 2009, ampliou-se a organização de grupos através
revitalizado desde 2006 pela Fundação Sidertube e sua dos quais a V & M do BRASIL pretende sistematizar o
mantenedora, a V & M do BRASIL. A proposta é criar diálogo para o desenvolvimento de projetos internos
um centro cultural de vanguarda cujo suporte seja a e externos, objetivando a construção conjunta, o
tecnologia digital. comprometimento e engajamento de todas as partes
envolvidas.
No dia 12 de dezembro de 2009, data em que Belo
Horizonte completou 112 anos, foram acesas as Quatro Grupos de Referência foram organizados:
luzes das janelas do antigo Cine Brasil, resgatando Facilitadores de Meio Ambiente; gestores de educação;
o charme de sua arquitetura art decó. Com as luzes parceiros e empreendedores na realização de projetos
das janelas, vitrais e luminárias externas, os belo- socioambientais e culturais; e lideranças comunitárias.
horizontinos ganharam um presente: a fachada do
prédio revitalizada. As obras internas continuam em Através deles, considera-se a diversidade de ideias, as
andamento. iniciativas realizadas pelos segmentos representados e

Sr. Hugo relembra a história do Cine Brasil,


onde trabalhou por mais de 30 anos

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


147

o desenvolvimento de uma compreensão integrada da distribuídas: 10 oficinas, 20 palestras, 45 apresentações


atuação social, ambiental e cultural. teatrais, 15 apresentações musicais, uma oficina
especial para os gestores no Fórum das Letras em Ouro
Preto e duas atividades de doação de livros a todas as
escolas.

Visite a Mina
Como parte do Programa de Educação Ambiental
e Relacionamento com a Comunidade da VMMN,
o projeto Visite a Mina busca contribuir para a
abertura das portas da Empresa à sociedade, gerando
conhecimento e demonstrando as práticas de
monitoramento e preservação ambiental realizadas na
Mina Pau Branco. O público prioritário são alunos de
cursos técnicos e/ou universidades de áreas ligadas
à atividade mineradora. Em 2009, foram realizadas 16
visitas com a participação de 540 estudantes.

Facilitadores de Meio Ambiente se reúnem para PaiC na VMFl


discutir ações de cunho ambiental das empresas
Por meio do Plano de Ação e Integração Comunitária
(PAIC), a VMFL fortalece seu relacionamento com as
comunidades do entorno de suas unidades. Com ele,
a Empresa mantém um canal de comunicação com
G10 partes interessadas, recebe solicitações, sugestões e
A VMB convidou gestores de dez instituições de ensino reclamações e analisa junto com técnicos, gerentes
do entorno da Usina Barreiro a trabalharem juntos e superintendentes a possibilidade de apoio à
pela melhoria do processo educacional na região. solicitação ou proposta para mitigar ou eliminar os
O grupo, batizado de G10, reúne-se mensalmente, impactos embasados por normas técnicas internas e
planejando interações e avaliando resultados das legislações vigentes. Todas as partes interessadas têm
ações desenvolvidas. Espetáculos, oficinas, palestras retorno por escrito de sua demanda, o que reforça o
e debates focando temas socioambientais e culturais relacionamento com os grupos de interesse.
foram realizados nas escolas que compõe o grupo.

Em 2009, através do G10, foram articulados projetos de


conteúdo cultural que produziram 93 atividades, assim

Por meio do G10, gestores de escolas do entorno buscam


melhorias para a educação na região do Barreiro

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


148

espaços de interação Nele são desenvolvidas atividades para a difusão de


conhecimentos, habilidades, comportamentos, atitudes
A V & M do BRASIL se relaciona com a comunidade, e competências voltadas para a conservação do
os empregados e demais públicos em espaços meio ambiente em todas as suas dimensões, seja na
físicos existentes interna e externamente, que Empresa, em casa ou na comunidade.
alicerçam as práticas e exemplos de atuação cultural
e socioambiental das empresas. A seguir, alguns Já o Centro de Educação Ambiental do Barreiro (CEA
exemplos: Barreiro, antiga Reserva Ecológica V & M do BRASIL)
é uma área de 206 mil m² localizada ao lado da Usina.
No local, são desenvolvidas atividades de pesquisa,
espaço tubo Verde e Centro de educação educação socioambiental, preservação e recuperação
ambiental do barreiro da biodiversidade. Em 2007, a Empresa transferiu a
O Espaço Tubo Verde, criado em 2007 dentro da Usina propriedade para a Prefeitura de Belo Horizonte, mas
Barreiro, concentra os trabalhos de educação ambiental continua responsável pela manutenção e conservação
voltados para os colaboradores e comunidade. do espaço físico e pela continuidade dos programas
sociais e de educação ali desenvolvidos.

No Espaço Tubo Verde são desenvolvidas


atividades socioambientais com a participação de
empregados, colaboradores e comunidade

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


149

espaço Cultural Centro administrativo ações culturais destinadas aos colaboradores, parceiros
O Centro Administrativo da Usina Barreiro abriga e comunidade. Em 2009, foram realizadas exposições
o auditório e o Espaço Cultural, além de diversas de artistas como Jussara Costta, Yara Tupinambá, Léo
atividades administrativas da Empresa, exposições e Brizola e Iberê Camargo.

O sistema Smart Mine Full monitora a frota de


Exposições e atividades culturais são realizadas
caminhões, escavadeiras e carregadeiras em
periodicamente no Espaço Cultural do Centro
tempo
Administrativo,GPS
real via na Usina Barreiro

Parcerias gerando influência programa). Durante o processo de vivência, os gestores


e educadores participaram ativamente na seleção das
Para a execução dos projetos, a V & M do BRASIL histórias a serem apresentadas aos alunos, de acordo
conta com parceiros que garantem o apoio político, com a faixa etária e o projeto pedagógico da escola.
a articulação social, o diálogo e o planejamento O programa gerou enriquecimento aos estudantes e à
compartilhado, produzindo o ambiente necessário para proposta pedagógica das escolas, desenvolvendo nas
a efetivação dos resultados. crianças a interpretação e o gosto pela leitura.

Uma iniciativa que demonstra a parceria das empresas Como resultado dessa vivência, o Cidade Educadora
com os demais atores sociais é o programa Cidade foi implantado em Jeceaba em março de 2010, com a
Educadora, que se propõe a transformar a educação participação de 450 alunos da educação infantil ao 5°
por meio de materiais educativos inovadores e ano do ensino fundamental e de 32 professores.
capacitação. Após tomar conhecimento de sua
existência, a V & M do BRASIL atuou como facilitadora, Além dos materiais para a vivência, em parceria com
unindo poder público e gestores de educação para essa editora e como parte do programa, a V & M do
conhecer e avaliar se o programa poderia contribuir BRASIL realizou a entrega de cinco mil livros para
para melhorar a qualidade do ensino nas escolas das alunos do 2° ao 5° ano do ensino fundamental de 12
regiões de atuação das empresas. escolas do Barreiro e Contagem no final de 2009. A
obra “A árvore de Natal mais bonita do mundo”, de
Em 2009, 2.576 alunos e 109 educadores de 11 escolas José Ricardo Moreira, foi um presente da Empresa para
de Belo Horizonte, Contagem, Brumadinho e Jeceaba estimular a leitura e contribuir para o desenvolvimento
tiveram contato com o material didático do programa cultural e intelectual das crianças.
e puderam vivenciá-lo, recebendo o acompanhamento
da equipe da editora Aymará (responsável pelo

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


150

FundaÇÃo sidertube Pelo site www.vmtubes.com.br e via intranet, a


Fundação mantém um canal de diálogo com os
A Fundação Sidertube é responsável pelos projetos empregados para críticas, sugestões e elogios sobre
sociais, de saúde, educação, cultura, lazer, esportes seus serviços. Há ainda o informativo impresso Bem
e artes das empresas V & M do BRASIL, Vallourec & Viver, distribuído mensalmente a todos os empregados,
Sumitomo Tubos do Brasil (VSB), Fundação Sidertube, familiares e aposentados.
Lavor e Coomann.
Para 2010, espera-se uma maior participação dos
Sua missão é promover a melhoria da qualidade de empregados nos projetos, eventos e atividades da
vida dos empregados e dependentes, orientando, Fundação.
disponibilizando programas integrados, gerenciando
recursos e benefícios baseados em princípios éticos e A seguir, as ações da Fundação Sidertube:
diretrizes das empresas para as quais presta serviços.
Atua ainda como suporte para a implantação e escola de Música
manutenção de ações nas áreas, alimentação e seguro
social. Criada em 2007 para desenvolver habilidades
musicais, realizar projetos e promover a integração
dos participantes, nela são ministradas aulas de violão,

A Escola de Música desenvolveu habilidades


musicais com 161 alunos em 2009, entre
colaboradores, dependentes e aposentados da VMB

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


151

O sistema Smart Mine Full monitora


Diversas atividades contaram com a
a frota de caminhões, escavadeiras e
participação de empregados como
carregadeiras
voluntários noem
diatempo realBRASIL
V & M do via GPS

teclado, canto, bateria, sax, contrabaixo, guitarra, flauta aposentados. O estúdio de gravação foi locado por
transversal e musicalização. Em 2009, foi incluído o vários períodos para projetos individuais de CDs e
curso de violino e o de teoria musical, a pedido dos foram realizadas duas audições para uma média de
empregados. 52 pessoas. Foram feitas, ainda, quatro apresentações
dentro da Empresa, celebrando o aniversário de dois
A Escola trabalha em parceria com o Centro Cultural anos da Escola, além de um workshop de contrabaixo
da Fundação Sidertube em algumas iniciativas, como o para 40 pessoas.
projeto Descoberta de Valores, voltado para a música,
e que culmina no Festival da Canção, que em 2009 Promoção social
contou com composições próprias dos participantes, e
o Auto de Natal. Trabalha também em parceria com a Por meio de seu Serviço Social, a Fundação
V & M do BRASIL realizando o V & M Canta (em sua disponibiliza atendimento e acompanhamento, visando
segunda edição, resulta em um CD gravado no estúdio à inclusão social e ao desenvolvimento pessoal dos
da Escola e distribuído a todos os empregados). empregados. Em torno de 18 mil pessoas participaram
dos projetos e atendimentos em 2009.
Participaram das atividades da Escola de Música
161 alunos, entre colaboradores, dependentes e

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


152

ProJetos soCiais
PÚbliCo atendido/
ProJeto obJetiVos
PartiCiPante
47 adolescentes
Contribuir para a formação, educação e orientação de filhos de empregados de
Adolescer
13 a 16 anos.

Em Bocaiúva, foram cadastrados 32


empregados como doadores de sangue
Doe Sangue Captar doadores voluntários e promover a sensibilização dos empregados quanto
e, em Belo Horizonte, 95 doadores de
Doe Medula à importância da doação de sangue e cadastro para doação de medula óssea.
medula óssea, entre empregados e
prestadores de serviço
Emprestar materiais ortopédicos e fisioterápicos para empregados e
Apoiar 62 pessoas atendidas
dependentes.
Realizar 17 oficinas no intuito de melhorar a qualidade de vida e aumentar a
Aprender 346 participantes
renda dos empregados e familiares.
409 empregados voluntários
participaram de oito ações voluntárias,
sendo:

Fomentar o desenvolvimento de ações de voluntariado, incentivando o 160 empregados em três ações em


Voluntariado envolvimento dos empregados nas instituições do entorno das empresas Belo Horizonte, 70 em Bocaiúva, 63 em
V & M do BRASIL. João Pinheiro, 41 em Curvelo e 75 em
Brumadinho.
Os empregados participaram este ano
do Projeto Papai Noel dos Correios,
atendendo aos pedidos de 708 cartas
Tem como objetivo auxiliar o planejamento da aposentadoria dos empregados
com idade igual ou superior a 55 anos ou já aposentados pelo INSS, mas que
NovaAção continuam trabalhando na Empresa. O programa convida anualmente essas 27 empregados e cônjuges
pessoas para participarem de atividades de orientação e esclarecimento focadas
especialmente em palestras com temas relativos a essa nova fase da vida.
51 formandos em 2009 nos ensinos
Contribuir para o desenvolvimento, aperfeiçoamento dos alunos e o exercício
médio e fundamental
De Volta à Escola da cidadania. Integra o Programa de Educação de Jovens e Adultos – Telecurso
127 alunos encontram-se ainda em
2000, realizado em parceria com o SESI (Serviço Social da Indústria).
cursos
Curso Técnico de Visa ao aperfeiçoamento profissional dos alunos. É oferecido em parceria com o
35 alunos
Eletromecânica SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).
333 pessoas, entre empregados e
Permitir aos empregados e familiares conhecerem a VMFL, proporcionando lazer
Família em Campo dependentes das regiões de Curvelo,
e maior interação com a Empresa.
Montes Claros e João Pinheiro
Orientar e capacitar filhos de empregados de 14 a 18 anos para o mercado de 21 dependentes de empregados da
Infor-Ação
trabalho, oferecendo também curso de informática. VMFL
Planejamento Orientar os empregados e familiares sobre como organizar o orçamento familiar
1.801 pessoas
Financeiro Familiar para o equilíbrio da vida financeira.
Estimular a integração e socialização do aposentado na família e na comunidade,
Grupo de Amigos 81 pessoas
contribuindo para a melhoria da qualidade de vida.
207 empregados doaram para o FIA,
Incentivar os empregados a doarem parte do Imposto de Renda devido ao Fundo
Imposto Responsável sendo o total arrecadado de
da Infância e da Adolescência (FIA).
R$ 204.300,00
Fornecer passagens de ônibus para empregados e/ou dependentes participantes
Passe Livre 157 atendimentos
de projetos sociais ou que estejam em tratamento biopsicossocial.
Orientar e capacitar filhos de empregados de 16 a 24 anos para o mercado de 10 dependentes de empregados da
Capacitar
trabalho, oferecendo curso de capacitação profissional. VMFL (Curvelo)

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


153

atividades de lazer, cultura e esporte


Em parceria com a VMB e VMFL, a Fundação
A Fundação promoveu diversas atividades de inclusão disponibiliza livros, revistas, jornais, filmes educativos
e socialização por meio de produções artísticas, e acesso à internet em uma Biblioteca e DVDteca
momentos de lazer e entretenimento e práticas aberta aos empregados, dependentes e comunidade
esportivas, beneficiando 25.348 pessoas entre do entorno das empresas. Em 2009, foram atendidas
empregados e dependentes. 18.985 pessoas e realizados 23.406 empréstimos.

ProJetos de laZer, Cultura e esPorte


ProJeto obJetiVos PÚbliCo atendido/PartiCiPante
Promover a integração entre empregados,
Passeios culturais aposentados e familiares em passeios gratuitos, 1.804 participantes de Belo Horizonte e da VMFL
proporcionando conhecimento e lazer.
Comemorar o “Dia do Trabalhador” em competições
Festa do Trabalhador 3.208 participantes na Usina Barreiro e 620 na VMFL
esportivas, atividades recreativas e de lazer.
Proporcionar lazer e entretenimento aos empregados
Forró da Fundação e da 6.516 pessoas em Belo Horizonte, 1.019 em
e dependentes através de uma festa de tradição
VMFL popular.
Bocaiúva, 482 em João Pinheiro e 808 em Curvelo

Cultura Itinerante no Projeto Despertar o gosto pela leitura através de uma


600 pessoas
Saúde em Dia biblioteca itinerante e de atividades culturais.
Comemorar o “Dia das Crianças” com atividades
Festa da Criança 2.870 pessoas em Belo Horizonte
voltadas para o lazer, cultura e entretenimento.
Dia das Crianças Distribuição de kits contendo material educativo,
737 crianças na VMFL e outras localidades das
recreativo e de uso pessoal, em comemoração ao
empresas V & M do BRASIL
“Dia das Crianças” .
Oferecer programações culturais aos empregados,
Quinta Cultural 546 participantes
dependentes e comunidades do entorno.
Proporcionar aos empregados e dependentes
Descoberta de Valores a oportunidade de se revelarem artística e 524 participantes
culturalmente.
Em comemoração ao Natal, presentear os filhos de
Brinquedos de Natal 4.291 crianças com até 12 anos
empregados com idade até 12 anos.
Incentivar a prática esportiva, o lazer e a socialização
Escolinha de Futsal 122 participantes
entre os filhos dos empregados.
675 inscrições para o torneio dos Jogos do
Jogos do Trabalhador e Visa à prática esportiva através de competições
Trabalhador
Jogos da Primavera entre equipes formadas por empregados.
526 inscrições para o torneio dos Jogos da Primavera

Prática de esporte como meio de promoção do bem-estar individual e coletivo

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


154

Promoção da saúde Para contribuir com o bem-estar, a melhoria da


qualidade de vida e a integração dos colaboradores,
A Fundação atua como gestora do plano de saúde empregados e dependentes, a Fundação mantém
(contratado junto a uma grande operadora de o Centro de Atividade Física, frequentado por 338
Minas Gerais) voltado para os empregados da VMB, pessoas durante o ano de 2009.
VMFL, VMMN, VSB, Fundação Sidertube, Lavor e
Coomann. Sua cobertura abrange assistência médica, Também foram realizados doze projetos de promoção à
odontológica e exames complementares. saúde, totalizando mais de 6.600 participações.

Em 2009, foi registrado um número médio de 22.035


nÚMero MÉdio de assoCiados
associados, entre empregados, ex-empregados e
dependentes. Foram realizados mais de 150 mil 2009 2008 2007
atendimentos médicos, 46 mil exames e 68 mil
procedimentos odontológicos. 22.035 21.526 21.087

ProJetos de ProMoÇÃo da saÚde


PÚbliCo atendido/
ProJeto obJetiVos
PartiCiPante
Equipe de corrida Estimular a atividade física para uma melhor qualidade de vida. 39 participantes
Auxiliar empregados com risco de problemas cardiovasculares na
Saúde Cardiovascular 176 elegíveis
redução de probabilidades de internações e complicações futuras.
1.562 participantes, entre
Favorecer o acesso a ações sociais, assistenciais e preventivas em
Saúde em Dia empregados da VMFL e
saúde, lazer e cultura na V & M FLORESTAL.
familiares dos mesmos
Orientar gestantes sobre os cuidados com a gravidez, o recém-
Monitoramento de Gestantes 82 participantes
nascido, aleitamento materno, parto e planejamento familiar.
Orientar sobre saúde e auxiliar na manutenção de um
Maturidade Saudável 431 participações
comportamento saudável para aposentados com mais de 60 anos.
Realizar palestras educativas, acompanhamento clínico regular e
Criança Asmática vacinação anti-influenza para crianças com até 14 anos portadoras 243 crianças
de asma.
Atender empregados com elevada dependência para a realização
Monitoramento domiciliar de
de atividades diárias e com dificuldades de deslocamento para 8 novos participantes
casos
atendimento na rede assistencial.
Trabalha a educação alimentar, reforço e desenvolvimento de
Nutrição 188 participantes
hábitos mais saudáveis.
Conscientizar e apoiar os empregados e dependentes para pararem
Tabagismo de fumar, oferecendo suporte médico e psicológico individual e 126 participantes
coletivo.
Identificar crianças com até 14 anos que ainda não iniciaram
Criança em Dia 1.718 crianças
tratamento odontológico e incentivar consulta regular ao dentista.
Prevenção e acompanhamento
Prevenir doenças na cavidade bucal relacionadas ao mau uso,
dos usuários de próteses 21 participantes
traumas ou repetições de próteses insatisfatórias em usuários.
móveis e fixas
Sensibilizar os empregados e dependentes para os temas
Campanhas de promoção da
relacionados à saúde, otimizando os recursos e ampliando a 2.060 participantes
saúde
educação continuada.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


155

laVor: aliMentaÇÃo de Qualidade Com uma equipe especializada, a Lavor oferece


Para Colaboradores e Visitantes refeições saudáveis com alto padrão de segurança
alimentar, contribuindo para melhorar a qualidade de
Criada em 1992 para oferecer alimentação de qualidade vida das pessoas. Em julho, a Lavor recebeu o título
aos empregados, prestadores de serviço e visitantes da de “Melhor Empresa de 2009 para se Trabalhar” em
V & M do BRASIL, a empresa Lavor é controlada pela pesquisa realizada pelo Sindicato dos Empregados
Fundação Sidertube. Atualmente, serve cerca de 5.200 das Empresas de Refeições Coletivas de Minas Gerais
refeições por dia, administra quatro lanchonetes da (Seerc-MG). Nessa pesquisa, foram avaliadas as
Usina Barreiro e atende também a eventos. condições de trabalho, tecnologia para produção
de alimentos, remuneração e benefícios, gestão
administrativa e satisfação dos empregados.

O sistema Smart Mine Full monitora


A Fundação
a frota Sidertubeescavadeiras
de caminhões, promove açõese
específicas de promoção da saúde junto
carregadeiras em tempo real via GPS
aos associados, contribuindo para o seu
bem-estar e melhoria da qualidade de vida

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


156

CooMann demais taxas de licenciamento de veículos, o que é


bastante interessante para os associados, uma vez
A Cooperativa de Economia de Crédito Mútuo dos que os juros cobrados são inferiores aos valores de
Empregados da V & M do BRASIL (Coomann) é uma desconto dos impostos. Em 2009, 896 empregados
entidade sem fins lucrativos que presta serviços aderiram ao programa, totalizando R$ 539.656,56 de
financeiros e concede empréstimos a seus associados empréstimos.
com taxas de juros e tarifas abaixo das praticadas pelo
mercado. Em 2009, foram concedidos R$ 20.878.038,93
em empréstimos, correspondendo a um crescimento de A Cooperativa realiza trabalhos de orientação em
18,11% em comparação com 2008. educação financeira para seus associados, fazendo
atendimentos individuais e promovendo palestras
A Coomann conta com 6.037 associados, sobre crédito responsável, planejamento financeiro
aproximadamente 96,12% do quadro de empregados e economia familiar. Em 2009, foram feitos 810
das empresas V & M do BRASIL, Vallourec & Sumitomo atendimentos sociais individuais, 60 palestras e quatro
Tubos do Brasil (VSB), Fundação Sidertube e Lavor. apresentações teatrais, atendendo a 1.801 pessoas.
Há, também, linhas de crédito especiais no início
do ano para pagamento antecipado de IPTU, IPVA e

Valor liberado Valor disponível Disponibilidade


Empréstimos
ano (média mensal (média mensal utilizada
(média mensal)
R$ mil) R$ mil) (% média mensal)
2009 603 1.740 1.822 95,47
2008 482 1.366 1.434 95
2007 512 2.004 2.475 81*

* No Relatório de 2008, foi informado o percentual de 51, mas o valor correto é 81.

CooMann
nÚMero de assoCiados % de eFetiVo
eMPresa
2009 2008 2007 2009 2008 2007
VMB 3.701 4.252 4.232 97,24 97,50 96,14
VMMN 229 230 216 98,28 97,87 96,86
VMFL 1.168 958 720 93,59 92,29 96,00
VSB 723 ---- ---- 93,90 ---- ----
Fundação
60 61 62 98,36 96,83 98,41
Sidertube
Lavor 149 150 137 95,51 97,40 96,48
Coomann 7 6 6 100 100 100

r e latór io de suste ntab i li dade 2009 | I N DICADOR E S DE DE S E M PE N HO SOCIAL


157

Ín diCe r e M issiVo G r i

iteM indiCador PÁGina

1 • ESTRATÉGIA E ANÁLISE

1.1 Declaração do presidente 14


16, 22,
1.2 Declaração dos principais impactos, riscos e oportunidades
34, 35

2 • PERFIL ORGANIZACIONAL

2.1 Nome da organização 28


29, 30
2.2 Produtos e serviços, incluindo marcas
66 - 70
2.3 Estrutura operacional 29 - 33

2.4 Localização da sede da organização 164

2.5 Países e região onde a organização atua 32, 33

2.6 Tipo e natureza jurídica da propriedade 31

2.7 Mercados atendidos 32, 33


28, 29, 30,
2.8 Porte da organização 74, 114,
115
2.9 Mudanças durante o período coberto pelo Relatório 30

2.10 Prêmios recebidos no período coberto pelo Relatório 36, 37

3 • PARÂMETROS PARA O RELATÓRIO

3.1 Período coberto pelo Relatório 8

3.2 Data do relatório anterior 8

3.3 Ciclo de emissão dos Relatórios 8

3.4 Dados para contato em caso de perguntas relativas ao relatório e seu conteúdo 10

3.5 Definição do conteúdo do Relatório (temas, prioridades, stakeholders) 10, 11

3.6 Limite do relatório 8

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


158

3.7 Limitações específicas quanto ao escopo ou ao limite do Relatório 8


Base para Relatório que possam afetar significativamente a comparabilidade entre períodos e/ou
3.8 8
entre organizações
3.9 Técnicas de medição de dados e as bases de cálculos 8

3.10 Reformulações de informações fornecidas em relatórios anteriores 8

3.11 Mudanças significativas em comparação com anos anteriores (escopo e/ou medições) 8

3.12 Tabela que identifica a localização das informações no Relatório 157

3.13 Política e prática atual relativa à busca de verificação externa para o Relatório 8

4 • GOVERNANÇA, COMPROMISSO E ENGAJAMENTO

4.1 Estrutura de governança da organização 40, 41

4.2 Presidência do grupo de governança 40

4.3 Porcentagem dos conselheiros que são independentes, não executivos 40, 41

4.4 Mecanismos para acionistas fazerem recomendações ao Conselho de Administração 46

4.5 Relação entre remuneração e o desempenho da organização 41


Processos em vigor no mais alto órgão de governança para assegurar que conflitos de interesse
4.6 42, 43
sejam evitados
A avaliação é feita de acordo com o processo de gestão
Qualificações dos membros do mais alto órgão
4.7 da Empresa, não contemplando especificamente questões
de governança
socioambientais

4.8 Declarações de missão e valores, códigos de conduta e princípios internos 43

4.9 Responsabilidades pela implementação das políticas econômicas, ambientais e sociais 40, 41

4.10 Processos para a autoavaliação do desempenho (econômico, ambiental e social) 41

CoMProMissos CoM iniCiatiVas externas

4.11 Explicação de se e como a organização aplica o princípio da precaução 59

4.12 Princípios e/ou outras iniciativas desenvolvidas externamente 19

4.13 Participação em associações 34

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


159

enGaJaMento dos STAKEHOLDERS

4.14 Relação dos grupos de stakeholders engajados pela organização 44 - 47

4.15 Base para a identificação e seleção de stakeholders com os quais engajar 44

4.16 Abordagens para o engajamento dos stakeholders 44 - 47

4.17 Preocupações levantadas por meio do engajamento dos stakeholders 11

ForMa de GestÃo e indiCadores de deseMPenHo

indiCadores de deseMPenHo eConÔMiCo

EC1 Valor econômico direto gerado e distribuído 74, 75

EC2 Implicações financeiras e outros riscos e oportunidades devido a mudanças climáticas 100

EC3 Cobertura das obrigações do plano de pensão de benefício 123

EC4 Ajuda financeira significativa recebida do Governo 46

EC5 Variação da proporção do salário mais baixo comparado ao salário mínimo local 122

EC6 Políticas, práticas e proporção de gastos com fornecedores locais 61

EC7 Contratação local 118

EC8 Impacto de investimentos em infraestrutura oferecidos para benefício público 135

EC9 Descrição de impactos, econômicos indiretos significativos ND

indiCadores de deseMPenHo aMbiental

EN1 Materiais usados por peso ou volume 83 - 85

EN2 Percentual dos materiais usados provenientes de reciclagem 84

EN3 Consumo de energia direta discriminado por fonte de energia primária 85 - 88

EN4 Consumo de energia indireta discriminado por fonte primária 88

EN5 Energia economizada devido a melhorias em conservação e eficiência 87

EN6 Iniciativas para fornecer produtos e serviços com baixo consumo de energia 85, 87

EN7 Iniciativas para reduzir o consumo de energia indireta e as reduções obtidas 89, 90

EN8 Total de água retirada por fonte 91 - 93

EN9 Fontes hídricas significativamente afetadas por retirada de água 91, 93

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


160

EN10 Percentual e volume total de água reciclada e reutilizada 92

EN11 Localização e tamanho da área possuída 95 - 97

EN12 Impactos significativos na biodiversidade de atividades, produtos e serviços 95 - 97

EN13 Habitats protegidos ou restaurados 95, 96

EN14 Estratégias para gestão de impactos na biodiversidade 95 - 97

EN15 Número de espécies na Lista Vermelha da IUCN e outras listas de conservação 95 - 97

EN16 Total de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa 98

EN17 Outras emissões indiretas relevantes de gases de efeitos estufa 98

EN18 Iniciativas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e as reduções obtidas 98 - 100

EN19 Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio 98 - 100

EN20 NOx, SOx e outras emissões atmosféricas significativas 98 - 100

EN21 Descarte total de água, por qualidade e destinação 94

EN22 Peso total de resíduos, por tipo e métodos de disposição 105


Número e volume total de derramamentos
EN23 Em 2009, não houve vazamento significativo
significativos
EN24 Peso de resíduos transportados, considerados perigosos 108

EN25 Descrição de proteção e índice de biodiversidade de corpos d’água e habitats 93, 94

EN26 Iniciativas para mitigar os impactos ambientais 22

EN27 Percentual de produtos e embalagens recuperados, por categoria de produto 84

EN28 Valor multas e número total de sanções resultantes da não conformidade com leis 111

EN29 Impactos ambientais referentes a transporte de produtos e de trabalhadores 101 - 103

EN30 Total de investimentos e gastos em proteção ambiental 110, 111

indiCadores de deseMPenHo soCial

PrÁtiCas trabalHistas

LA1 Total de trabalhadores, por tipo de emprego, contrato de trabalho e região 114 - 116

LA2 Número total e taxa de rotatividade de empregos, por faixa etária, gênero e região 119, 120

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


161

LA3 Comparação entre benefícios a empregados de tempo integral e temporários 123

LA4 Percentual de empregados abrangidos por acordo de negociação coletiva 120, 121

LA5 Prazo mínimo para notificação referente a mudanças operacionais 120

LA6 Percentual dos empregados representados em comitês formais de segurança e saúde 130, 131

LA7 Taxa de lesões, doenças ocupacionais, dias perdidos 132 - 134

LA8 Programas de educação, prevenção e controle de risco 128

LA9 Temas relativos a segurança e saúde cobertos por acordos formais com sindicatos 120

LA10 Média de horas por treinamento por ano 125

LA11 Programas para gestão de competências e aprendizagem contínua 124

LA12 Percentual de empregados que recebem análises de desempenho 117


41, 114,
LA13 Composição da alta direção e dos conselhos, e proporção por grupos e gêneros
115
LA14 Proporção de salário-base entre homens e mulheres, por categoria funcional ND

direitos HuManos

Percentual e número total de contratos de


Em 2009, não houve aquisição e investimentos em outras
HR1 investimentos significativos que incluam
empresas
cláusulas referentes a direitos humanos

HR2 Empresas contratadas submetidas a avaliações referentes a direitos humanos 61

HR3 Políticas para a avaliação e tratamento do desempenho nos direitos humanos 126
Número total de casos de discriminação e as
HR4 Em 2009, não houve casos de discriminação
medidas tomadas
Operações identificadas como de risco significativo de ocorrência de perda de liberdade de
HR5 120
associação ou negociação coletiva
HR6 Operações identificadas como de risco significativo de ocorrência de trabalho infantil 61

HR7 Operações identificadas como de risco significativo de ocorrência de trabalho forçado 61

HR8 Políticas de treinamentos relativos a aspectos de direitos humanos para segurança 126

HR9 Número total de casos de violação de direitos dos povos indígenas e medidas tomadas 43

soCiedade

SO1 Programas e práticas para avaliar e gerir os impactos das operações nas comunidades 136 - 149

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


162

SO2 Unidades submetidas a avaliações de riscos relacionados à corrupção 42

SO3 Percentual de empregados treinados nas políticas e procedimentos anticorrupção 42

SO4 Medidas tomadas em resposta a casos de corrupção 43

SO5 Posições quanto a políticas públicas 34

SO6 Políticas de contribuições financeiras para partidos políticos, políticos ou instituições 46

SO7 Número de ações judiciais por concorrência desleal 43

Descrição de multas significativas e número Em 2009 as empresas da V & M do BRASIL não sofreram
SO8
total de sanções não monetárias qualquer tipo de multa

resPonsabilidades sobre o Produto

Política para preservar a saúde e segurança do


PR1 As multas recebidas em 2009 se referem à gestão ambiental
consumidor durante o uso do produto
PR2 Não conformidades relacionadas aos impactos causados por produtos e serviços 64

PR3 Tipo de informação sobre produtos e serviços exigida por procedimentos de rotulagem 64

PR4 Não conformidades relacionadas à rotulagem de produtos e serviços 64

PR5 Práticas relacionadas à satisfação do cliente, incluindo resultados de pesquisas 65


Programas de adesão às leis, normas e códigos Indicador não foi considerado de alta relevância no processo
PR6
voluntários de materialidade
PR7 Casos de não conformidade relacionados à comunicação de produtos e serviços 64

PR8 Reclamações comprovadas relativas à violação de privacidade de clientes 64

PR9 Multas por não conformidade relacionadas ao fornecimento e uso de produtos e serviços 64

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


163

deClaraÇÃo de Con For M i dade


Confirmação do nível de aplicação Os trabalhos contratados junto à BSD visaram a
das diretrizes Gri G3 – relatório oferecer uma opinião independente e tecnicamente
de sustentabilidade 2009 V & M do bem estruturada sobre a qualidade do Relatório e
brasil sua aderência às diretrizes da GRI. E, ainda, garantir
a correta utilização das ferramentas previstas pela
Carta de declaração do GRI para o engajamento dos stakeholders internos e
nível de aplicação Gri G3 externos, a construção do conteúdo deste Relatório,
A V & M do BRASIL declara o seu Relatório de incluindo a avaliação do Relatório anterior, e a definição
Sustentabilidade 2009 como Nível A de Aplicação dos assuntos de alta relevância através do Teste de
das Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI G3), Materialidade.
fato que foi confirmado pela BSD Consulting, como
terceira parte. A checagem do nível de aplicação como A inclusão das partes interessadas na definição do
terceira parte envolveu a verificação de cada item conteúdo ajudou a aprimorar ainda mais o Relatório.
e indicador referenciados no índice remissivo para Recomendamos a continuidade desse processo para
garantir a existência das informações nas páginas avaliação do Relatório e avaliar possibilidades de
correspondentes, no entanto, os dados não foram aprimoramento do teste de materialidade para evolução
auditados. no processo de prestação de contas. Sugerimos ainda
a auditoria dos dados não financeiros através de
Verificamos que o Nível A de Aplicação do GRI G3 foi auditoria externa independente, o que irá proporcionar
atingido pela segunda vez consecutiva neste Relatório à Empresa maior credibilidade sobre o conteúdo
de Sustentabilidade 2009. A Empresa conseguiu apresentado e avançar para o Nível de Aplicação A+.
consolidar a medição e fornecer as informações
requeridas. Este é o nono Relatório das empresas São Paulo, 4 de maio de 2010
V & M do BRASIL, sendo o quinto relatório produzido
dentro dos padrões estabelecidos pela GRI e o terceiro BSD Consulting
na sua versão G3. Beat Grüninger, Associate Sustainability Assurance
Practitioner IRCA, No. 1189266
O objetivo da prestação de serviços da BSD

A A
Consulting foi garantir a continuidade e a melhoria dos 200720072007 200720072007
processos de produção do conteúdo do Relatório de 200720072007 200720072007
Sustentabilidade de 2009, incluindo acompanhamento
200720072007 200720072007
e assessoramento da aplicação das diretrizes da GRI
200720072007 200720072007
G3, contribuindo com a gestão da sustentabilidade das
empresas.
GRI REPORT
200720072007 GRI REPORT
200720072007
200720072007 200720072007
3rd PARTY CHECKED
200720072007 SELF DECLARED
200720072007
GRADE
Grade Nível de Aplicação GRI NÍVEL DE APLICAÇÃO GRI

2002 C C+ B B+ A A+
“de acordo com”
Obrigatório

Auto-
declarado
Com Verificação Externa

Com Verificação Externa

Com Verificação Externa

Examinado
por
Opcional

Terceiros

Examinado
pela GRI

r e latór io de suste ntab i li dade 2009


164

exPediente Tiragem:
• 1.500 exemplares impressos em papel reciclado em português
• 500 CD-ROMs, português e inglês
nome do relatório
• 8.500 exemplares em versão resumida
• Relatório de Sustentabilidade das Empresas V & M do BRASIL 2009
• Mídia eletrônica: Intranet e Internet (www.vmtubes.com.br)
responsável
Papel:
• Assessoria de Comunicação e Relações Corporativas (Sebastião Carlos
Capa, miolo, marcador de página e embalagem em papel reciclado.
Andrade Merij)
A aplicação do reciclado tem o objetivo de demonstrar o equilíbrio de soluções
e possibilidades em prol da preservação ambiental.
Coordenação
• Assessoria de Comunicação e Relações Corporativas (Carolina Calais de
distribuição:
Souza, Cássia Cristina Gonçalves da Silva e Varda Kendler)
• 1.500 exemplares impressos e 500 CD-ROMs distribuídos aos públicos
de relacionamento, via correio ou contato pessoal.
apuração, redação, edição, Projeto Gráfico,
• 8.500 exemplares do resumo do Relatório de Sustentabilidade 2009 encartado
diagramação e Produção Gráfica
na Revista VMB e distribuído a todos os empregados das empresas
• Vitória Comunicação Estratégica
V & M do BRASIL, estagiários e aposentados associados à Fundação
Sidertube, via correio.
revisão
• Público em geral: internet.
• Assessoria de Comunicação e Relações Corporativas (Carolina Calais de
Souza, Cássia Cristina Gonçalves da Silva e Varda Kendler)
• Superintendências e facilitadores das empresas V & M do BRASIL
endereços e mecanismos para contato e para feedback do relatório:
• Vitória Comunicação Estratégica
• Revisão ortográfica: Fátima Campos
V & M do brasil s.a.
Para a redação dos textos, foram adotadas as normas do Acordo Ortográfico da
Av. Olinto Meireles, nº 65 – Barreiro
Língua Portuguesa, que entrou em vigor no dia 1º de janeiro de 2009.
30640-010 – Belo Horizonte – MG
E-mail corporativo: contato@vmtubes.com.br
tradução
Site: www.vmtubes.com.br
• Wordwise
Econômico:
• Alice Lana
• José Carlos de Souza, e-mail: jose.carlos@vmtubes.com.br
• Gisele Rodrigues Cordeiro, e-mail: gisele.rodrigues@vmtubes.com.br
Fotos
ambiental:
• Apoio e arquivo: Assessoria de Comunicação e Relações Corporativas
• Alexandre Mello, e-mail: alexandre.mello@vmtubes.com.br
• Fotógrafos: Franck Dunouau, Thiago Fernandes Barbosa e Victor Lupianez
• Maria Cecília Vilela, e-mail: cecilia.vilela@vmtubes.com.br
social:
infográficos
• Cássia Cristina, e-mail: cassia@vmtubes.com.br
Dum
Fundação sidertube:
• Roberto Bitar, e-mail: bitar@vmtubes.com.br
Versão eletrônica
• Maria de Betânia, e-mail: betania@vmtubes.com.br
Flammo Comunicação Online

V & M Florestal ltda.


Facilitadores / apoio 2009
Rua Honduras, nº 78
Adriana Magalhães; Aguiar Júnior; Alberto Camisassa; Alexander Xavier;
35790-000 – Curvelo – MG
Alexandre Mello; Ana Alice Maciel; Anderson Sarmento; Andrés Unda; Anibal
E-mail: florestal@vmtubes.com.br
Macedo; Aníbal Filho; Ângelo Issa; Antoine Durand; Antônio Claret de Oliveira;
Econômico:
Caio Milagres; Carla Cristina; Carlice de Souza; Carlos Alberto Ferreira; Carmé-
• José Carlos de Souza, e-mail: jose.carlos@vmtubes.com.br
lia Lage; Carolina Calais; Carolina Ferraz; Cássia Cristina; Ciro Ribeiro; Cristina
• Gisele Rodrigues Cordeiro, e-mail: gisele.rodrigues@vmtubes.com.br
Motter; Dênio da Mata; Edimar de Moura; Eliane Vieira; Elisabeth Lana; Fábio
ambiental:
Yoshida; Felipe Fleury; Fernanda Barcelos; Fernando Campos; Fernando Said;
• Guilherme Freitas, e-mail: guilhermefreitas@vmtubes.com.br
Flávio Leocadio; Gisele Cordeiro; Giselle Miranda; Guilherme Freitas; Hélder
social:
Bolognani; Hudson Couto; Ilmar Lima; Inácio Maia; Isabella Antunes; João
• Eliane Vieira, e-mail: eliane.vieira@vmtubes.com.br
Perez Júnior; José Carlos de Souza; José Davimar; Juarez Carvalho; Juliana
• Kelly Medeiros, e-mail: kelly.medeiros@vmtubes.com.br
Araújo; Juliana Lima; Júlio Márcio; Júlio Vieira; Karen Fleischer; Kelly Medeiros;
Leonardo Bahia; Leonardo Velloso; Luciana Silvestre; Luiz Henrique Alves;
V & M MineraÇÃo ltda.
Mara Gleice Lima; Marcelo Ferreira; Marcelo Marinho; Marcos Camisassa;
Mina Pau Branco
Maria Cecília Vilela; Maria de Betânia Campos; Maria Jaqueline Santana; Mário
Rodovia BR 040 – Km 562,5
Cançado; Mário Winter; Marlon Alex; Paula França; Maximilien de Maison-
35460-000 – Brumadinho – MG
neuve; Paulo César Santos; Paulo Ricci; Paulo Leite; Paulo Sá; Pedro Figueiredo;
E-mail: mineracao@vmtubes.com.br
Regilaine Pimentel; Reinaldo Brandão; Ricardo Junqueira; Roberto Bitar;
Econômico:
Rogério Armond; Rubem Faria; Sandra Nogueira; Sarah Andrade; Scharmack
• José Carlos de Souza, e-mail: jose.carlos@vmtubes.com.br
Vieira; Sebastião Carlos Andrade Merij; Selma Starick; Sérgio Luiz Mendes;
• Gisele Rodrigues Cordeiro, e-mail: gisele.rodrigues@vmtubes.com.br
Sérgio Márcio Melo; Sérgio Grassi; Silas Fernandes; Tancredo Martins; Thaís
• Carlos Alberto Ferreira, e-mail: carlos.alberto@vmtubes.com.br
Merij; Thiago Rocha; Valquíria Cioletti; Varda Kendler; Viviene de Andrade.
ambiental:
• Fernanda Barcellos, e-mail: fernanda.barcellos@vmtubes.com.br
Consultoria para Conformidade do Conteúdo
social:
• BSD Business Meets Social Development
• Alexander Xavier, e-mail: alexander.xavier@vmtubes.com.br
• Aníbal Macedo, e-mail: anibal@vmtubes.com.br
impressão:
Gráfica e Editora 101 Ltda.

r e latór io de suste ntab i li dade 2009