Você está na página 1de 35

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EM FISIOPATOLOGIA E TERAPÊUTICA DA DOR - 2016

Avaliação Psicológica e DOR

Dirce Maria Navas Perissinotti


Instauração do Processo
DOR AGUDA DOR CRÔNICA

Estágio 1 - Angústia psicológica inicial


Estágio 2 - Desenvolvimento ou Exacerbação
problemas psicológicos
Estágio 3 - Incorporação e consolidação do
comportamento de doente
Modelo Multidimensional de Dor

Comportamento Doloroso

Sofrimento

Dor

Nocicepção
Adaptado de Loeser JD. In:
Bonica’s Management of Pain.
Philadelphia; Lippincott Williams &
Wilkins: 2001.
O que é o psicológico
Reação Humana  comportamento

 Níveis de expressão
PROCESSO EMOCIONAL
expressão dinâmica
correlação psíquico / somático
Dor e Sofrimento são fenomenos
distintos
• Diferentes regiões do cérebro são metabolicamente ativadas para cada um deles
• SOFRIMENTO OCORRE QUANDO A INTEGRIDADE FÍSICA E/OU PSICOLÓGICA É
AMEAÇADA (Cassel E., 1992)

AVALIAÇÃO DA DOR AVALIAÇÃO DO SOFRIMENTO


 Observações comportamentais  Requer narrativa paciente
 Verbos presente indicativo para
 Paciente deve ser conhecido
perguntas: onde, freqüência,
duração, nexo de causalidade,
integralmente
intensidade, periodicidade,  Relevância cultural
qualidade
 Não requer conhecimento
significado pessoal

Loeser JD. Oct, 2014 - 4th International Multidisciplinary Congress on Pain


Dor comportamento
estado-dependente
Processo corpo-mente

Sensação
Percepção
Somato Atenção
Memória
Psíquico
Ação
• “maçante, forte, latejante contínua dor ao redor da minha
boca” (sensorial-discriminativa)
• Ameaça-me (afetivo-motivacional), porque eu não tenho
controle (cognitivo-avaliativa)
• Para piorar, “afasta-me dos amigos e família (dimensão social)"
• Enquanto a dimensão sensorial-discriminativa reflete a origem
fisiológica, as dimensões sociais, afetivo-motivacional e
cognitivo-avaliativa abrangem os aspectos psicossociais da dor
crônica
Tempo da lesão -> comoção - >
reação
Tipos 3 Fases
• Dores origem lesão clara e começa com uma ruptura (ou lesão),
que desencadeia uma comoção
concretamente sofrida pelo psíquica, e culmina com uma reação
corpo defensiva do eu para rechaçar a
comoção.
• Embora se manifestem em
A cada uma dessas fases
alguma parte específica do corresponderá uma dor específica:
corpo, resultam de alguma • a dor da lesão, a dor da comoção
desordem psíquica e a dor da reação,
respectivamente. É a composição
• Dores que surgem no destas três dores que produzirá
psiquismo e afetam no sujeito a dor que ele sentirá.
somente o psiquismo
3 Fases
• ruptura (pode ser a lesão ou angústia ou
eventos paralelos ao acometimento),
• desencadeia uma comoção psíquica, e
• culmina com uma reação defensiva do eu para
rechaçar (amenizar ou excluir) a comoção
Dor é dor!
• A dor – física ou psíquica, • Dores corporais dois aspectos
tanto faz –, é sempre um fundamentais:
fenômeno de limite entre o • Sensação dolorosa
corpo e a psique, entre o eu e mecanismos neurofisiológicos
o outro ou, ainda, entre um e neuroquímicos
funcionamento regulado do • Emoção, refere-se à maneira
psiquismo e sua desregulação. de viver a dor que já é dor,
• Do ponto de vista psicanalítico uma grande desconhecida
não existe diferença entre dor
física e dor psíquica, ou, mais
exatamente, entre a emoção • Geram um afeto doloroso
dolorosa e a dor psíquica
propriamente dita.

(Nasio JD, 2008)


Interpretação da realidade
Conteúdo Mnêmico + Interpretação Subjetiva +
Situação atual + Condições Sensitivas + Condições
Cognitivas} =

Realidade objetiva + subjetiva =


Realidade psíquica
Mente
• Não é um lugar
• Não é um órgão
• Método de trabalho
• Diferente do INCONSCIENTE freudiano
• Resultado de memórias e fatores ambientais
que “trabalham conjuntamente”
• Resultados de movimento evolutivo do
crescimento e e adaptação
• LIDA COM INFORMAÇÕES SEM TOMAR ATITUDES
DELIBERADAS
• Relação entre como o cérebro afeta o
corpo e como o corpo afeta o cérebro
(Del Nero, 2001)
Ao se cronificar a dor induz a
desintegração dos sistemas
PERCEPÇÃO DA DOR: CÉREBRO É ÚLTIMA
“PARADA”
ESTÍMULO/ANSIEDADE
C A
M
O T
E
N T
M
T E
Ó
R N
R
O Ç
I
L Ã
A
E O

NOCICEPÇÃO
(Holmes, 2010)
Condições que abrem o
• “portão”
Condições Físicas
– Extensão da lesão
– Nível de atividade inadequada
• Condições emocionais
– Ansiedade ou preocupação
– Tensão
– Depressão
• Condições mentais
– Com foco na dor
– Tédio

(Sarafino EP. Health Psychology, Biopsychosocical Interactions, Third Edition.


John Wiley & Sons, Inc. New York: 1998)
Condições que fecham o
“portão”
• Condição Física
– Medicações
– Alívio da hiperexcitação (ex., taquicardia, massagem)
• Condição Emocionais
– Enfrentamento positivo
– Relaxamento
• Condição mental
– Concentração ou distração
– Envolvemento e interesse por atividades de vida

(Sarafino EP. Health Psychology, Biopsychosocical Interactions, Third Edition.


John Wiley & Sons, Inc. New York: 1998)
4 tipos de comportamento
doloroso
• Facial/audível expressão de aflição
• Locomoção distorcida ou postura
• Afeto negativo
• Esquiva da atividade*

*Esquiva de situações imaginadas como aversivas ou que seria


incapaz de enfrentar e não factuais
(Sarafino EP. Health Psychology, Biopsychosocical Interactions, Third Edition.
John Wiley & Sons, Inc. New York: 1998)
Mr. Mind, estou
precisando de você
É pra já

http://www.tutrin.com/
Mr. Mind, estou Espera um pouco, agora tô ocupado.
precisando de você Estou consertando estas conexões.
Estão me dando muito trabalho!!!!

http://www.tutrin.com/
.68

Domínio Domínio
Físico Emocional

.53 .59 .85 .43


.59 .56 .77

AVD MOB VIT SON DEP ANS MEDO

e1 e2 e3 e4 e5 e6 e7

Note: AVD = Atividades de Vida Diária; MOB = Mobilidade; DEP = Depressão


VIT=Vitalidade; SON = Sono ANS = Ansiedade

(Modelo de Young, 2003)


Diagnóstico Psicológico
• Códigos: médico e psicológico
“Diagnóstico sozinho não prediz as necessidades
de serviços, duração da hospitalização, nível
de cuidados ou dos resultados” (WHO)
• Psicopatologia  Incapacidade, déficits
funcionais
•  níveis de funcionamento do corpo, aspectos
psicofisiológicos, psicosociais e pessoais
• International Classification of Functioning and
Disability - ICIDH-2
Diagnósticos Psicológicos
1 - Condições Estruturais relacionadas à(s)
1.1 - Funções/processos mentais:
1.2 - Formação e dinâmica de personalidade
1.3 - Estruturais relacionadas à dinâmica familiar
1.4 - Estruturais motoras e sensitivas

2 – Condições co-mórbidas relacionadas ao(s)


2.1 – Estado reativo
2.2 – Fragilidade egóica
2.3 – Problemas relativos à adesão aos tratamentos (atuais e anteriores)

3 - Condições concorrentes relacionadas ao(s)


3.1 – Aspectos sociais, familiares e psicossociais, incluídos os profissionais e
legais
3.2 – Quadros psicopatológicos
3.4 – Outros (Perissinotti, 2001)
Papel de doente (“sick-role”)
Ser doente é
• estar temporariamente dispensado do papel
normal
• não ser responsável pela doença
MAS
• querer melhorar a sua situação
• colaborar com a ajuda tecnicamente
competente
Comportamento adequado
face à doença
1. monitorização do próprio corpo
2. definição e interpretação dos sintomas
3. resposta a mudanças nos sintomas no curso de uma doença
4. tomada de decisões terapêuticas
5. utilização de fontes de ajuda informais ou do sistema de
cuidados de saúde
6. adesão e resposta ao tratamento
1.

2.

3.

4.
5.

6.

7.

8.
1.

sempre

2.

3.
Avaliação Psicológica
Usar métodos de auto-
EVA relato e observações
comportamentais Inventários breves de
dor
Avaliar padrões
psicocomportamentais em
diferentes dimensões ao longo
do tempo
Questionário de Dor
McGill
Avaliar a
dependência do
ambiente
psicossocial WHY(MPI) Outras Observação
avaliações comportamental
psicológicas
Avaliação da
capacidade Perfil do impacto da Diário de
funcional doença Dor

(Perissinotti DMN, 2003)


Psicodiagnóstico
Psicodiagnóstico
Usar métodos de auto-relato e
observações comportamentais
Avaliar padrões
psicocomportamentais em
diferentes dimensões ao longo do Inventários breves de
tempo dor

Observação
Avaliar a comportamental
dependência do
ambiente +
psicossocial Outras
=
+ avaliações
psicológicas

Avaliação da
capacidade
psicofuncional
+
Perfil do impacto da
doença

(Perissinotti DMN, 2003)


Obrigada

dirce.perissinotti@dor.org.br
dircelko@uol.com.br

Fone: (11)3062-4147

Você também pode gostar