Você está na página 1de 7

APOSTILA

SOBRE AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

Prof. Nelson Salviano da Silva


AS SETENTAS SEMANAS DE DANIEL

Daniel 9:20-27

Introdução:

O livro de Daniel tem muita importância por causa de suas muitas profecias cumpridas literal
e detalhadamente.

Daniel tem estreita ligação com Apocalipse. Daniel encerra e sela a profecia, enquanto que
Apocalipse abre. Daniel é o Apocalipse do VT, e Apocalipse, o Daniel do N.T.

Quando se estuda Daniel necessário se faz uma palavrinha sobre o cativeiro de Judá em
Babilônia. Quando Gabriel trouxe a Daniel a revelação das Setenta Semanas, o cativeiro de
Judá, de setenta anos, tinha chegado ao fim. O curioso é que Judá ficou 480 anos sem
guardar o ano SABÁTICO. Por isso o número 70 foi o dos anos do cativeiro. Agora Deus dá
490 anos para restaurar completamente a Israel. A profecia das SETENTA SEMANAS é
multo especial. Foi trazida especialmente por Gabriel. Tem a ver exclusivamente com Israel
e Jerusalém. O seu cumprimento nada tem a ver com a IGREJA.

Daniel foi profeta do Senhor que foi levado ainda jovem para a Babilônia (cativo), estando ali
desterrado, viu visões celestiais e entre elas, a visão das Setenta Semanas.

1. O QUE SIGNIFICA SETENTA SEMANAS?

Literalmente significa "70 setes". Trata-se de dias proféticos de anos. Cada dia corresponde
a um ano, formado um total de 490 anos (70 x 7 = 490).

Em Levítico 25:3-8, encontramos o Senhor falando sobre uma semana, tratando-se de 7


anos.

RAZÕES PORQUE PENSAR EM “SETENTA SETES DE ANOS”:

A. A palavra Hebraica "SHABUA" empregada no texto de Daniel 9 significa “dias de anos” -


Daniel só empregou SHABUA, quando se referia á bem conhecida semana de anos, uso
costumeiro, que todo Judeu entenderia.

B. No calendário Sagrado (Divino) inspirado, os Judeus tinham "um sete de anos", como um
"sete de dias" e esta "semana de anos" era tão familiar como semana de dias para os
judeus.

C. "Em certos casos era mais importante ainda; seis anos os judeus estariam livres para arar
e plantar, mas o 7º seria um sábado solene de repouso para a terra (Lv 25:3, 4). Sete
sábados de anos era o grande ano jubileu comemorado de 50 em 50 anos (Lv 25:8, 9).
Nada poderia ser mais importante para os judeus do que esta "semana de anos".

D. Daniel pensava não somente em anos em vez de dias, mas um definido múltiplo de 7
(Dn. 9;1, 2).

E. Pelo argumento da razão podemos dizer que:


 Todo contexto da profecia exige que os "setenta setes" sejam de anos, porque, se fosse
70 setes de dias (490 dias) daria pouco mais de um ano e, considerado todos os eventos
desta profecia, toma-se improvável e sem apoio esta interpretação.

 Por toda a regra de bom senso e lealdade em interpretação os "Setenta setes" devem ser
interpretados como "de anos" e não como "de dias".

 O cumprimento desta profecia, conforme já dissemos, não tem relação com a Igreja.
Refere-se exclusivamente a Israel. O Senhor anuncia um tempo de correção determinado se
esta nação, Daniel 9:20-24.

2. QUANDO TIVERAM INÍCIO AS "SETE SEMANAS DE DANIEL”

Daniel 9:25 - Esse período de 490 anos correspondente à visão das 70 semanas não teve
início em Zorobabel e Esdras porque eles se preocuparam exclusivamente com a
reconstrução dos muros e do templo que fora destruído por Nabucodonozor quando invadiu
Jerusalém, mas manteve começo com Neemias.

Se lermos Neemias 1:1 a 5, cap. 2 e 4:17 3, veremos que ali fala da reconstrução da cidade,
como anuncia o verso 9:25 de Daniel.

As SETENTA SEMANAS começaram nessa época, mais ou menos 455 anos antes de
Cristo e podemos dividi-la em três (3) partes ou em três períodos, ASSIM:

3. AS SETENTA SEMANAS SE DIVIDEM EM 3 PARTES:

A. Daniel 9:25 - Sete Semanas ou 49 anos


Iniciaram com o decreto feito por Artaxerxes no dia 14 de Março (mês de Nisã) do ano de
445 a. C., para reconstruir Jerusalém, Neemias 2:1-10. Os 49 anos representam o tempo
gasto na reconstrução dos muros e restauração da cidade.

B. O segundo período corresponde à 62 semanas ou 434 anos que iniciaram depois deste
período (49 anos) e iriam passar até a vinda do MESSIAS, quando ELE entraria em
Jerusalém, Mi. 21:1-11. Depois desse tempo o messias seria tirado (morto). Dn. 9:26 - "...
depois das 62 semanas será tirado ou morto o Ungido e mais não estará, e o povo do
príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma
inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinados assolações."

Até aqui constam-se dois períodos da visão de Daniel correspondentes à 69 semanas ou


483 anos. Resta ainda uma semana ou 7 anos de castigo sobre o povo Judeu, E QUE ESTÁ
INTERROMPIDO PELA IGREJA.

Entre a 69ª semana e a 70ª há um período de tempo chamado de "intervalo", de


"parêntesis", quando o cumprimento das SETENTA SEMANAS é interrompido. Neste
intervalo antes do cumprimento última semeia, algumas coisas acontecera, listes fatos estão
registrados no v. 26. São eles:
lº) A morte do Ungido; 2º) a destruirão da cidade; 3º) e do santuário pelo povo do príncipe
que havia de vir, que aconteceu no ano 70 d.c., quando o general Tito, destruiu totalmente a
cidade de Jerusalém, e quando os judeus foram dispersos por todo o mundo; 4º) A guerra
que iria ate o fim; 5º) As desolações que estavam determinadas.
Cristo morreu uma semana depois que se cumpriram 69 semanas. A cidade e o santuário
foram totalmente destruídos. Os judeus nunca tiveram sossego. A terra da Palestina ficou
desolada, abandonada, foi transformada num deserto, até 1943, quando começou a reviver,
Esse reviver da terra da Palestina, com Israel transformado-se em nação livre, indica que o
tempo do fim indicado no v. 26, chegou. Estamos começando a entrar na era do tempo do
fim.

AS SETENTA SEMANAS CUMPRIDAS SEM INTERRUPÇÃO

Como Seria o cumprimento assim?

Se o cumprimento das setenta semanas fosse ininterrupto, sem o intervalo, o seu


cumprimento final teria sido no ano 39 d. c., visto que as 69 semanas primeiras se
cumpriram no ano 32-d.c.

TOTALMENTE IMPOSSÍVEL O CUMPRIMENTO SEM A INTERRUPÇÃO:

Caso o cumprimento das Setenta semanas fossem ininterrupto como querem alguns
interpretes, a profecia ficaria totalmente sem sentido.

A. As Setenta Semanas sem interrupção seria totalmente impossível de ser cumprida pelas
seguistes razões:

- ficaria sem sentido a profecia;

- não haveria possibilidade do cumprimento dos fatos do intermeio da 69a. a 70a. estes fatos
são: l) Cessação da transgressão; 2} Fim aos pecados; 3) Expiação da iniqüidade;

4) Chefada da justiça eterna; 5) selagem (cessação) da visão e da profecia; 6} Unção do


Santo dos Santos.

Jesus Cristo falou de una abominação em I-''t.24:15, citando c profeta Daniel 9:27, deixando
claro que era futuro, do tempo do fim.

- Como explicar o fato de que a cidade seria destruída entre a 69a. e a 70a. se isto só
ocorreu no ano 70 d.c? Os que argumentam que o cumprimento foi ininterrupto tem que
fazer um malabarismo impossível para tentar explicar a profecia.

- Outro fato é que no v. 27 fala de uma aliança dos judeus com o príncipe que havia de vir.
Nunca houve tal aliança pois Israel deixou de ser nação livre no ano 70 d.c. só voltando a
ser livre em 1948. Desta data para cá nunca houve nenhuma aliança, entre os judeus.
- O mesmo versículo diz também que uma destruição virá sobre o príncipe que fará um
pacto com os judeus. Não aconteceu com o Império Romano, nem precisava haver, pois o
Império Romano dominava sobre Israel.

- Como explicar o surgimento de igreja gentílica totalmente fora do contexto do V.T.?


- Como explicar o fato de que a ultime, semana Israel deva estar com o deu Templo
construído e com os seus sacrifícios em vigor, se nem Templo tem atualmente?

É MAIS FÁCIL PROVAR E CRER QUE HÁ UM INTERVALO DO QUE TENTAR PROVAR O


CONTRARIO.
B. A 70a. Semana é obrigatoriamente futura:

- Porque ela é ligada com Israel este permanece rejeitado;

- Porque nela haverá uma aliança com o povo de Israel e isto jamais aconteceu.

- Porque Israel deve ter seu Templo construído e o seu lugar de culto em funcionamento.
Isto não está acontecendo, nem Templo eles tem ainda (no lugar do Templo há hoje a
.Mesquita de Ornar).

- Porque os eventos do v. 24 não aconteceram ainda.

- Porque o príncipe que fará aliança com Israel, pertencerá ao antigo Império Romano e este
desapareceu no 5- Século - ressurgirá no futuro.

C. As Setenta Semanas é estritamente judaica.

- Tem a ver com o povo de Daniel- v.24.

- AS primeiras 69 Semanas cumpriram-se no tempo da Lei. No N.T. não estamos debaixo da


lei e nada indica que a última Semana s será cumprida fora da lei Mosaica. Para o seu
cumprimento final deverá voltar o sistema legal o que não correrá no tempo da Igreja.

- Paulo fala que a nação será salva quando se completar o numero dos gentios. Isto tem que
ser antes do Milênio.

D. Por que duas fases entre a parte histórica e parte futura desta visão profética?

Para muita gente, o problema das Setenta Semanas está em aceitar as duas fases, com
intervalo entre a 69a. e a 70a. Semanas. Entretanto, essa questão de duas fases é muito
comum na profecia bíblica, corno exemplo destacamos tais:

- Duas fases na vinda do Messias- Is. 11 e Is. 53.


- Duas fases na lº ressurreição.
- Duas fases Arrebatamento - Ap. 11
- Duas fases na Grande Tribulação - Dn. 9:27.
- Duas fases do Reino.
- Duas fases das Setenta Semanas, isto é, histórica e futura.

3.D. .Dn. 9:26 "...e o povo de um príncipe, que há de vir, destruirá a cidade...”

Apôs o cumprimento de intervalo citado entramos no 3º período da visão ou seja, a última


semana de Daniel ou ainda, 7 anos que restam, os quais só se cumprirão com o
aparecimento do anticristo no período da Grande Tribulação, apôs o Arrebatamento da
Igreja tendo assim o cumprimento total da visão profética que o Senhor deu ao seu servo
Daniel para o povo judeu (Dn. 9:27; Ap. 11:7 13:5).

O intervalo entre 69a. e a 70a. Semana e chamado de "tempo dos gentios" no qual foi
inaugurado a dispensação da Graça dando aos gentios a oportunidade de salvação
pela graça. Logo, estaremos entrando na última semana. O período da graça cessará com
o arrebatamento da Igreja, Esta última semana (7 anos) é chamada de Grande
Tribulação, período em que Deus estará tratando com o povo de Israel.

A última semana será assim:

- Haverá um acordo feito pelo príncipe com os judeus.

- No meio da semana este príncipe (mencionado em II Ts. 2 e era Ap) porá abominação no
santuário.

- Ele começará urna perseguição contra os judeus.

- No fim da semana Deus trará o julgamento e um reino de justiça será estabelecido.


O Anticristo:

- Jesus falou deste abominável da desolação; M t.24:15-21

- Paulo, o apostolo diz-nos que ele (Anticristo) é um heresiarca.

- O apostolo João disse que muitos se tem feito anticristos (I Jo.2:18) mas nunca tais foram
como este anunciado deste o Velho Testamento.

- O apocalipse aponta-o como pertencente à trindade de mal Diabo, Anticristo e o Falso


Profeta ou a besta.

- Tudo se faz crer que será um judeu pois Israel o receberá como o Messias.

- Governará o mundo requerendo adoração.

Como é chamado o Anticristo na Bíblia?

- II Ts.2:1-4 - o homem do pecado.


- II Ts.2:9-l2- iníquo que realizará prodígios da mentira.
- Ap. 13: 1-8-a besta que saiu do mar e que agirá com autoridade de Satanás.

O seu domínio será:

POLÍTICO (Ap 13:7).


ECONÔMICO (Ap 13:8).
RELIGIOSO (Ap 13:16, 17 e 14:9).

Será um período de 7 anos:

- Já foram cumpridas 69 Semanas, falta l semana que corresponde a 7 anos.

- v. 27 fala de uma aliança de l semana.

- v.27 fala que a última semana será dividida em duas partes, de metades iguais, e há várias
expressões em Daniel a APocalipse - "Um tempo, dois tempos e metade de um tempo" (Dn
7:25; 12:7; Ap 12:14). Em Daniel 11:13, "tempos" quer dizer “anos”.

- Ap 11:3 e 12:6 - 1.260 dias, isto é, 3 anos e meio.


- 7 anos será de Grande Tribulação. Os primeiros 3 anos e meio será uma preparação do
Anticristo para o domínio total e os outros 3 anos e meio finais ele, o Anticristo, mostrará
quem realmente ele é.

- Neste período de Grande Tribulação a igreja não mais estará na Terra, Deus para si a
tomou (2 Ts 2:6-8).

- Os 144.000 judeus mencionados em Apocalipse serão o número de judeus que se


converterão nessa época de Grande Tribulação e que pregarão a Palavra como nunca foi
pregada nos quatro cantos da Terra.

- Nos três anos e meio iniciais virá as Duas Testemunhas (uns crêem que será Enoque e
Elias, outros Moisés e Elias) a quem o Assolador matará.

- No final, serão reunidos sob o poder de demônios para um ataque final contra Israel, mas
Jesus virá, matará o Assolador e estabelecerá o seu reino milenar (Ap 16:13,14).

CONCLUSÃO:

Embora o pecado vá aumentar e os santos hajam de ser provados, virá o dia quando Deus
porá fim ao pecado e trará um reino de justiça. Esta última semana terminará com a volta
visível de Cristo para estabelecer o Milênio. Nesta ocasião todo o olho o verá até os que o
transpassaram (Ap 1:7). Os judeus se converterão nesse tempo.

É tempo de abraçar a. graça bendita de Deus, porque estamos chegando ao fim. Deus virá
arrebatar a sua Igreja e em seguida iniciará o processo da Grande Tribulação; tempos
terríveis, haverá desespero, grande confusão, tragédias terríveis, lamentação, angustia,
profunda tristeza, desmaios...

Preparemo-nos antes que o relógio de Deus assinale o fim... O fim do tempo da graça e
venha a ira de Deus sobre os rebeldes, desobedientes e contumazes.

MARANATA!
ORA
VEM
SENHOR JESUS