Você está na página 1de 3

Faculdade FADESA Professor. Ms.

Eduardo Paz
Aluno: Gabriel Marcelo de Oliveira 1°Período de Direito -Matutino

PSICOLOGIA/CRIMINOLOGIA

 Análise do filme “A Caça”


Sobre as funções mentais superiores (A Síndrome de Pirandello)

As sensações e percepções dos dois indivíduos.


PROFESSOR (Lucas): No que diz respeito ao docente, há uma sensação de preocupação e
pressão (estresse), o mesmo está aflito e preocupado por que Klara o denunciou para a diretora da
creche, e ele se sente pressionado, chega até se exaltar com a sua companheira que se fazia
presente na sua casa, chegando a expulsá-la só porque o indagou se ele tinha feito mal a criança.
Ao longo do conflito, as percepções de Lucas o levaram a buscar o entendimento do caso e junto
com seus amigos provar a sua inocência.

ALUNA (Klara): No diz respeito à criança, há uma sensação emocional muito forte, pois no
momento em que ele a repreendeu, ela ficou com raiva de Lucas, o que a levou a fazer uma falsa
acusação contra ele. Logo após a denúncia Klara não sabe determinar o que havia acontecido, o
que gerou sensação de dúvida. De tal forma as percepções de Klara a levaram a desmentir a falsa
acusação feita acerca da conduta de Lucas.

1.2- Fatores que afetaram as percepções deles.


PROFESSOR (Lucas): Os fatores que foram possíveis detectar que estavam afetando as percepções de
Lucas foram as acusações falsas levantadas contra ele, já que ele se encontrava em constante pressão e
indignação com a opressão que ele estava sofrendo pelo resto da população da vila.

ALUNA (Klara): Para Klara os fatores que foram possíveis de detectar que estavam afetando as suas
percepções eram a angústia, a falta de segurança do que ele havia dito, a confusão de suas ideias acerca
daquele assunto, e a opinião das outras pessoas inclusive a sua mãe e a diretora que a pressionavam a
dizer a verdade.

1.3 ATENÇÃO: fatores que influenciaram.


PROFESSOR (Lucas): No que diz respeito à Lucas, a sua falta de atenção estava concentrada eu não
compreender o porque de tais denúncias estarem sendo levantadas contra ele, pois ele não havia feito mal a
Klara.

ALUNA (Klara): No que tange o caso de Klara, um fator primordial que levou a afetar sua atenção foi a sua
memória em si, pois ela não lembrava do ocorrido. Uma vez que memória e atenção estão interligadas a
primeira prima pela constância, a segunda costuma protagonizar notáveis confusões.

1.4 MEMÓRIA: fatores que influenciaram.


PROFESSOR (Lucas): Ao concluir do longa metragem o professor decide perdoar e deixar de lado as
desavenças causadas pelos moradores da cidade, assim “esquecendo” os males feitos por Klara e voltando a ter
uma vida normal dentro da sociedade.

ALUNA (Klara): Tem-se como entendido que questões dolorosas tendem a ser “esquecidas”, esse entendimento
é um fator principal para a memória de Klara tem sido influenciada e “esquecida”, assim que foi chamada a
testemunhar o ocorrido com Lucas, porém os espectadores puderam perceber que Klara havida levantado uma
falsa denúncia.

1.5 LINGUAGEM E PENSAMENTO.


PROFESSOR (Lucas): Através da linguagem, Lucas tentou mostrar que era inocente e que não havia
molestado Klara, e por meio do pensamento de que era inocente, com a ajuda de seus amigos provou pras
autoridades legais que era inocente, ele usou do emocional dele para o racional até provar que era inocente.

ALUNA (Klara): Sabe-se que a linguagem possibilita representar o mundo, é por meio da linguagem que o
homem transforma o outro e, dessa maneira a criança transformou Lucas em um “aliciador de crianças”, uma
vez que ela fez o uso da linguagem e disse pra diretora que Lucas o havia mostrando a genitália. E aí entra o
pensamento que foi condicionado na frustração que ela teve após Lucas ter a repreendido.

1.5.2 Pensamento, linguagem e conflitos.


PROFESSOR (Lucas): “As práticas, as percepções, os conhecimentos transformam-se quando são falados”, na
linguagem podemos ver isso quando Lucas diversas vezes tenta se explicar, dizer que era inocente porém
sempre que tentava falar com os outros habitantes da cidade era rejeitado e chegou e ser espancado, tais
rejeições acontecem até que ele perde o controle após ser agredido pelo açougueiro e pelos seguranças de um
supermercado famoso na cidade. No pensamento o professor chega a ter desavenças pessoais, com seu filho,
com seu melhor amigo que o ajudava a concretizar sua inocência, tudo isso devido a confusão em sua mente
por não saber o porquê de tal situação estar acontecendo, sendo que ele é inocente. No conflito Lucas tentava
de várias formas ter com seu melhor amigo, o pai de Klara, para que ele entendesse que Lucas não havia
molestado sua filha, porém o pai da garotinha disse que sua filha não mentia e preferiu acreditar na sua filha,
até que na missa de véspera de natal, durante a cantata Lucas afim de ter a atenção de seu melhor amigo o
soca, até que ele perceba que ele não fez do alegado por todos na cidade.

ALUNA (Klara): É de conhecimento a linguagem pode transformar um homem, por sua vez Klara usou desse
artifício para transformar o próprio professor em pedófilo em detrimento da sua frustração. No pensamento
Klara havia aceitado o que tinha falado pois todos também diziam as mesmas coisas, que Lucas havia molestado
ela. No conflito houve a situação em que todos diziam que Klara estava dizendo a verdade, entretanto no
decorrer do filme a própria garotinha diz a mãe que o Lucas era inocente e que ela só havia inventado uma
mentirinha e que todos da escolha tinham acreditado, infelizmente já era tarde demais pois todos da cidade já
estava certos de que Lucas tinha molestado não só Klara mas muitas crianças da creche onde era professor.

1.6 EMOÇÃO.
PROFESSOR (Lucas): É completamente notório as mudanças de emoções dos dois personagens principais dento
do filme. No início do filme após Lucas ter sido acusado de molestar Klara, pode-se perceber que ele está TRISTE
e DECEPCIONADO, pois ele nunca se imaginou de forma alguma estar naquela situação. Todavia no final do
longa, ao perceber que havia conseguido o perdão dos moradores da cidade que souberam da história ele
sentiu ALEGRIA e SATISFAÇÃO, pois ele havia provado sua inocência perante o restante.
ALUNA (Klara): É completamente notório as mudanças de emoções dos dois personagens principais dentro do
filme. No início do filme podemos ver que Klara sempre que via Lucas se sentia PROTEGIDA, como se ele
fosse pra ela uma figura paterna (tendo em vista que seus pais tinham um relacionamento um tanto quanto
conturbado). Mas é evidente que no momento em que Lucas reprova algumas atitudes dela, a mesma se sente
frustrada e levanta falsa acusação contra o professor com base na sua RAIVA, porém ao ver o quanto ele estava
sofrendo com a mentira contada por ela, a garotinha começa a ter em si uma TRISTEZA e um sentimento de
CULPA.

1.7 A Síndrome de Pirandello: Identificar em qual dos 2 (dois) indivíduos a síndrome aconteceu.
Com base nos conhecimentos adquiridos do filme e do capítulo 1º do livro psicologia jurídica, tem-se como
entendido que a Síndrome de Pirandello aconteceu em Klara, pois ele tem diversos sentimentos acerca do
ocorrido. De forma mútua ela acusa Lucas de molesta-la e em outros momentos diz que Lucas é inocente e
que disse apenas uma mentirinha.

Você também pode gostar