Você está na página 1de 43

1

ACONSELHAMENTO CRISTÃO

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
2
– Capítulo I O atual desafio da Poimênica e do Aconselhamento Pastoral.

O texto inicia com a citação de uma interessante parábola do posto de salva-vidas

contada por Theodore Wedel retratando a situação de muitas igrejas que começam bem a sua

missão e perdem a noção de seu propósito no meio da caminhada. O primeiro desafio atual

citado por Howard J. Clinibell para a poimênica e o aconselhamento pastoral é a irrelevância

das necessidades das pessoas para a igreja nos últimos tempos. Ainda destaca a necessidade

da comunidade de f ter uma linguagem de relacionamentos para tr atar com vidas e

comunicar o evangelho.

Para o autor o aconselhamento pastoral é uma coluna da igreja que mantém de pé seus

relacionamentos fazendo reconciliações constantes na vida das pessoas e lutando pela

preservação do amor. A poimênica proporciona à Igreja relacionamentos profundos que

capacitam pessoas para a cura, libertação e crescimento de seu próximo. À semelhança do

convívio de Jesus com seus discípulos, é no interior da comunidade de fé que surgem as

situações para o tratamento de vidas.

Clinibell fala sobre a renascença contemporânea com satisfação pelas pesquisas e

descobertas da psicanálise, principalmente pela aceitação pela Igr eja a estes recursos no

acompanhamento dos problemas humanos até então tratados apenas espiritualmente. O

interesse pela psicologia aliada à ação pastoral tem crescido a cada dia e vários grupos ou

instituições têm sido formados para esta área específica da missão. A abertura da teologia

para a psicologia tem dado relevantes contribuições ao ministério pastoral principalmente

quanto à autocompreensão ou auto-imagem do/a pastor/a e sua função como conselheiro/a.

A partir desta aliança entre conhecimento teológico e técnicas da psicanálise muitos

equívocos foram evitados no seio da igreja. Há um maior discernimento quanto aos

problemas humanos que hoje são reconhecidos por suas causas reais e não são

espiritualizados. Com isso a aceitação no meio da comunidade de fé é muito maior e mútuo

tratamento é consequência natural na poimênica da igr eja.

Poimênica e aconselhamento estão ligados e devem agir juntas, mas não é a mesma

coisa. O aconselhamento pastoral é o trabalho específico do pastor no acompanhamento de

vidas tratando seus problemas pessoais com apoio da teologia e com auxílio de técnicas da

psicanálise. A poimênica é proporcionada pela igreja como um todo que acolhe e trata

pessoas contribuído para o crescimento e cura de vidas no meio da comunidade de fé ou na

sociedade em geral. Nota-se que uma precisa da outra. Se houver poimênica e faltar

aconselhamento pastoral o trabalho fica incompleto e vice-versa.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
3
O autor passa a esclarecer o objetivo do livro da seguinte maneira:

-Objetivo geral: auxiliar pastores/as ou estudantes de teologia para desenvolverem suas

aptidões de poimênica e aconselhamento pastoral com vistas à cura e crescimento.

-Objetivos específicos:

1) descrever um novo paradigma mais abrangente centrado na integralidade humana e

com objetivo de libertação e crescimento.

2) dar uma visão geral:

- da missão da poimênica;

- dos fundamentos teológicos para o aconselhamento;

- da herança histórica deste ministério;

- falar sobre o caráter único da poimênica e do aconselhamento pastoral.

3) expor procedimentos úteis para toda poimênica e todo aconselhamento pastoral com

propostas de metodologias para o trabalho de cura e crescimento.

4) apresentar uma tipologia sobre situações do aconselhamento pastoral e da poimênica

para melhorar o entendimento do objetivo das mesmas que é a cur a e o cr escimento.

5) ressaltar os tipos de poimênica e aconselhamento pastoral que são essenciais e

normativos para o trabalho de cura e crescimento em diversos tipos de problemas humanos,

com uma forma especial de tratar cada situação especificamente.

6) promover o uso do ensaio de realidade ou desempenho de papéis como método de

aprendizagem da poimênica e do aconselhamento pastoral. Um técnica simples que permite

aprender fazendo sem correr risco de utilizar pessoas e seus reais problemas como =cobaias‘.

Depois de especificar seus objetivos Clinibell ainda ensina como tirar proveito máximo

do livro como uma bula que ensina a utilização e dosagem de um remédio em cinco passos:

1. Ler todo o livro para ter uma visão geral dos métodos expostos.

2. Voltar ao início e ler cuidadosamente refletindo sobre cada capítulo destacando as

idéias úteis e como se aplica ao trabalho pessoal de poimênica ou como conselheiro/a

pastoral.

3. Procurar companheiros interessados em aprender mais sobre aconselhamento

pastoral e poimênica, de preferência que já conheçam o livro para o exercício através do

ensaio de realidade.

4. Utilizar o que foi aprendido na medida em que surgirem oportunidades para o

aconselhamento pastoral intercalando o aprendizado do livro, ensaios de realidade e

prática do aconselhamento.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
4
5. Procurar por supervisão de algum especialista ou conselheiro experiente para

solucionar dúvidas. Se possível é também importante fazer cursos de capacitação ou

especialização na área da psicanálise.

Sobre os ensaios da realidade, Clinibell acredita que seja uma forma eficaz de

aprendizado e orienta que seja feito entre duas ou três pessoas interessadas em treinar as

técnicas apresentadas no livro. Para fazer o ensaio da realidade é muito prático organizando

o grupo da seguinte maneira, podendo variar ou intercalar os papéis para que todos possam

aprender:

Pessoa 1: CONSELHEIRO/A – ouve e aplica as técnicas estudadas para o

aconselhamento pastoral e poimênica com vistas à libertação e crescimento. O

conselheiro precisa saber antecipadamente qual o tipo de caso para se inteirar dos

métodos apropriados para o tratamento.

Pessoa 2: ACONSELHANDO/A – expõe a situação ou problema a ser tr atado

representando o personagem real (ou vítima). O caso apresentado pode ser uma

situação real da vida de um dos participantes ou uma situação específica para o

treinamento como, por exemplo, o luto, vícios, desemprego, enfermidade, etc.

Pessoa 3: OBSERVADOR/A – assiste o ensaio da realidade passivamente analisando

a forma e a aplicação das técnicas utilizadas para correção de possíveis falhas

posteriores. Caso não haja uma terceir a pessoa para ser observador, Clinibell orienta

a utilização de tecnologias de gravação em áudio ou preferencialmente vídeo para

uma posterior análise e estudo.

Pessoa 4: SUPERVISOR/A – se possível é bom ter alguém capacitado e experiente

na área de aconselhamento ou mesmo psicanálise que assiste e contribui com

orientações para melhor alcançar o objetivo e utilização dos métodos estudados. Mas

caso não seja possível a presença de um supervisor nada impede que o ensaio de

realidade aconteça.

O ensaio da realidade é uma forma de treinamento eficaz que proporciona ao/à

estudante a habilidade com o método teórico. No início pode parecer apenas um teatro, mas

com o tempo o/a aprendiz de conselheiro entende sua importância como treinamento de

teorias que devem ser vividas na prática e colocam em jogo a vida das pessoas. À medida

que repete a técnica ganha mais capacidade para lidar com situações reais do

aconselhamento pastoral e da poimênica.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
5
Quanto ao uso do livro em seminários e cursos de aconselhamento, Clinibell também dá

orientações baseado em suas próprias experiências na utilização do conteúdo do livro. Para o

autor a melhor forma de compreensão é composta por três passos:

1. Dar um =mapa cognitivo‘ através de uma primeira explanação geral do tema com as

propostas de técnicas apresentadas no livro.

2. Proporcionar uma prévia observação de como utilizar os métodos através de uma

apresentação de um ensaio da realidade para que vejam e aprendam.

3. Prática em grupo através do ensaio da realidade a partir do que foi aprendido e

posteriormente fazer um feedback com a teoria e a técnica.

A proposta do autor é muito útil levando a sério o objetivo a ser alcançado que é fazer

do/a conselheiro/a alguém capaz de tratar pessoas de forma eficaz. O método de aprendizado

é intercalar teoria e prática até que se torne algo natural na vida do/a conselheiro/a a

aplicação das técnicas propostas. Essa forma de didática do autor se manifesta no texto com

sua formatação em uma primeira explanação do tema com subtítulos, depois uma explicação

detalhada de cada tópico e com propostas para a prática do aconselhamento.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
6
Capítulo II – Um modelo Holístico, centrado em Libertação e
Crescimento.

O propósito deste capítulo é a instituição de paradigmas úteis para o aconselhamento

pastoral e a poimênica mostrando um modelo de trabalho que vise a integralidade humana

centrada no Espírito conduzindo para libertação e crescimento. Num primeiro momento o

autor se dedica a definições de terminologias utilizadas, depois faz uma apresentação geral

do modelo em dezesseis tópicos e então passa para a explicação do modelo passo a passo.

Clinibell demonstra que nos tempos modernos há grandes possibilidades para o trabalho

da psicoterapia pelo amplo estudo do comportamento humano. Também a teologia tem

considerado o fator antropológico como alvo de seus estudos reconsiderando a forma do

trabalho religioso de forma a apontar para o divino e o humano equilibradamente. Mas

chama a atenção para não confiar apenas nestas ciências devido à fácil mutação nos

comportamentos tão presente na atualidade. Para isso é preciso estar atento, com olhos

abertos para novas possibilidades.

As definições apresentadas pelo autor são das terminologias mais utilizadas neste

trabalho: poimênica e aconselhamento pastoral (juntos), poimênica, aconselhamento pastoral

(separados) e psicoterapia pastoral. Assim são conceituadas:

- Poimênica e Aconselhamento Pastoral: é a prática de pessoas que exercem o

ministério de relacionar com indivíduos ou grupos buscando potencializar situações

curativas e de crescimento através relacionamentos principalmente no meio da

comunidade de fé.

- Poimênica: acontece no meio da comunidade de fé como um ministério natural da

Igreja em cuidar de vidas que se achegam durante o ciclo da vida visando sua

integralidade centrada no Espírito com propósito de crescimento.

- Aconselhamento Pastoral: é uma face da poimênica a ser praticada de forma mais

técnica por alguém que se dedique especialmente a este ministério como o/a pastor/a,

por exemplo. Principalmente em períodos de crise o trabalho terapêutico durante um

curto prazo é uma grande ajuda para pessoas que têm seu crescimento comprometido.

- Psicoterapia Pastoral: é um trabalho mais profundo e demorado quando o/a pastor/a

acompanha por longo prazo uma pessoa que precisa de tr atamento devido a um trauma

que precise de acompanhamento especializado. Este trabalho é geralmente exercido por

pessoas que se dedicam a este ministério e se capacitam com técnicas e métodos

psicoterápicos visando a reconstrução de vidas.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
7
O autor expõe de forma resumida os principais temas do modelo holístico centrado no

Espírito e visando a libertação e o crescimento que apresento de forma ainda mais concisa

para depois tratar especificamente:

1. O objetivo de libertar visando à integralidade humana centrada no Espírito;

2. O cerne da integralidade humana é a integralidade espiritual e ética;

3. Integrar insights psicológicos e teológicos;

4. Contemplar todas as dimensões da integralidade humana de forma holística;

5. Aproveitar oportunidades de crescimento nas diversas fases da vida;

6. A poimênica no meio da comunidade é a base par a o aconselhamento pastoral;

7. Tanto a comunidade como o/a pastor/a deve exercer a poimênica;

8. As crises e mudanças são situações que proporcionam o crescimento;

9. A poimênica e A. P. deve ser inclusivo principalmente na questão de gênero;

10. É necessário capacitar pessoas para o trabalho da poimênica e A.P.;

11. Aproveitamento do papel de autoridade pastoral para o aconselhamento;

12. Maior aproveitamento de métodos intuitivos (lado direito do cér ebro);

13. Conceber a integralidade de forma andrógena e livre de estereótipos sexuais;

14. Recorrer às novas psicoterapias orientadas para o crescimento de sistemas;

15. Contemplar o exercício da poimênica em todas as áreas e ministérios da igreja;

16. Continuar a crescer! Reconhecendo a necessidade de ajuda e crescimento.

Este modelo compreende desde a integralidade do ser humano com suas características

físicas, emocionais e espirituais até a integralidade de técnicas terapêuticas, teológicas e

pastorais, à vivência da comunidade de fé como um todo e ao treinamento do/a pastor/a

como líder espiritual e agente da poimênica.

O objetivo alcan ar a =vida abundante‘ prometida por Jesus. Para isso o trabalho do

aconselhamento pastoral e da poimênica são muito eficazes porque contemplam a

espiritualidade humana muito mais do que psicologia somente. O ministério da igreja e do/a

conselheiro/a pastoral juntos possibilitam o empoderamento de pessoas para serem curadas e

libertas alcançando sua integralidade.

O autor fala do objetivo da poimênica e do aconselhamento pastoral em libertar vidas

conduzindo para um crescimento para viver uma vida abundante. A humanidade não utiliza

toda a sua potencialidade e, além disso, há muitas vidas feridas e traumatizas que não

conseguem viver uma vida livre e plena reduzindo sua capacidade de ser feliz. Clinibell

acredita no crescimento de técnicas que possam algum dia medir em uma escala o Quociente

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
8
de Vivacidade (QV) expressando o nível de capacidade humana utilizada por um indivíduo

como um exame para o tratamento que vise o máximo de crescimento para a vida.

Para este modelo holístico o cerne da integralidade é o Espírito. Por isso o tratamento

deve ser feito nas direções vertical (espiritual) e horizontal (humana) associando

conhecimentos da teologia e da psicoterapia unindo forças contra tudo o que impede o ser

humano de crescer e ser livre. O acúmulo de sofrimentos e decepções da vida provoca uma

dor que só pode ser aliviada quando se quebr a este círculo vicioso que impede o ser humano

de crescer. Neste momento o aconselhamento pastoral e a poimênica são a ferramenta de

libertação.

Mas libertação de quê?

É preciso LIBERTAR :

- em direção à VIDA em toda a sua plenitude;

- para uma vida no ESPÍRITO;

- das muitas forças que LIMITAM o crescimento humano.

O ser humano não é um sistema fechado, pronto e sem transformação. É um ser

vulnerável de transformações e mudanças. Por isso o tratamento deve acontecer em meio aos

relacionamentos com vistas ao crescimento. Clinibell não acredita na auto-realização e sim

na integralidade sempre por meio relacional. Somente em conjunto é possível alcançar a

satisfação total.

A eficácia da poimênica e o aconselhamento pastoral consistem em proporcionar às

pessoas um melhor convívio em seus relacionamentos para alcançar integr alidade em si e

nas pessoas de sua vivência. Isso acontece através da satisfação mútua das necessidades.

A integralidade pode ser alcançada gradualmente em cada estágio da vida. A poimênica

e o aconselhamento pastoral não compreendem o crescimento humano como algo imediato e

sim como um processo, por isso trabalham como orientação para o desenvolvimento das

capacidades de libertação e crescimento em várias fases da vida. Especialmente na

comunidade de fé onde há pessoas em faixas etárias diferentes e formações variadas é

possível criar um programa de acompanhamento e troca de experiências para que um ajude o

outro a superar suas dificuldades. Ou seja, que já viveu e venceu um problema aconselha

quem está vivendo tal situação no momento.

Clinibell acredita que tanto os as mudanças nos comportamentos podem resultar em

transformações nos sentimentos e na autopercepção -terapia tradicional orientada para o

insight- como também as mudanças construtivas nos relacionamentos e no comportamento

produz transformações de sentimentos e atitudes.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
9
Com o objetivo de compreender melhor a integralidade o autor descreve seis dimensões

que são alvo da poimênica e o aconselhamento pastoral:

1) Avivar a mente:

Desenvolver os recursos da personalidade. O ser humano tem muito mais

capacidade do que o que utiliza e pode aumentar seu potencial enriquecendo

seu conhecimento, libertando a imaginação e a criatividade além de expandir

intelectualmente.
2) Revitalizar o corpo:

Cuidar melhor da saúde e utilizar plenamente o corpo de forma mais

prazerosa e amorosa. Valorizar o tato e o bem estar par a um equilíbrio entre

corpo-mente-espírito.

3) Renovar e enriquecer os relacionamentos:

Melhorar a qualidade dos relacionamentos e aumentar o círculo de

convivências. Ter relações mais saudáveis e profundas para mútua satisfação

e integralidade.

4) Aprofundar a relação com a natureza e a biosfera:

Aumentar a consciência, comunhão e cuidado ecológicos são formas de

buscar equilíbrio com o que é externo, mas essencial à vida integral do ser

humano cuidando da saúde.


5) Crescer em relação às instituições significativas para a vida:

Lutar em conjunto pela justiça social para a libertação e cr escimento de mais

vidas na sociedade derrubando tudo o que subtrai a integralidade humana.

Isso é possível através da união de forças com instituiçes que lutam pela

vida. O autor cita exemplos de grandes líderes que alcançaram sua

integralidade em conjunto com sua geração pelo amor à vida humana unida

ao trabalho social.

6) Aprofundar e vitalizar o r elacionamento com Deus:

O crescimento espiritual é um vínculo unificador com as outras dimensões da

integralidade. A vida precisa de valores, de fé e amor para fortalecer os

relacionamentos. O cultivo espiritual é uma força proporcionada pela

poimênica e o aconselhamento pastoral para a libertação e o crescimento do

indivíduo considerando sua potencialidade.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
10
No ambiente da igreja como comunidade de fé é que acontecem as oportunidades para a

poimênica e o aconselhamento pastoral. O/a pastor/a tem a função de promover a

capacitação para este ministério nutrindo o rebanho não só espiritualmente, mas com

conhecimentos que possibilitem a comunidade saber e querer cuidar de vidas.

As crises são oportunidades para o crescimento desde que haja uma identificação destas

e a consideração de que há possibilidade para libertação e crescimento. Clinibell diferencia

dois tipos de crises:

-crises desenvolvimentais: acontecem em situações de mudanças e momentos

transiçes que são normais na vida, mas que se tornam um pesadelo se não for bem

trabalhado. Por exemplo, uma mudança de cidade ou trabalho, o casamento, o

nascimento de um/a filho/a, etc.

-crises acidentais: problemas inesperados que pegam a pessoa despreparada gerando

uma situação de pânico em meio a tensões e perdas. Em geral são doenças, acidentes,

desemprego, catástrofes naturais, etc.

O aconselhamento pastoral visa dar forças num momento de fraqueza para que a pessoa

enfrente seus problemas acreditando em seu potencial e transforme a crise em uma

oportunidade para crescimento. O medo é o principal obstáculo em situações de crise. Ao

invés da fuga a melhor soluço é o enfrentamento das crises orientado por alguém capaz.

O autor chama atenção para a valorização da identidade e autoridade pastoral como

agente da poimênica e o aconselhamento pastoral incentivando que este ministério seja

muito mais do que um atendimento formalizado. O relacionamento na comunidade de fé e

do/a pastor/as para as ovelhas proporciona as maiores oportunidades de libertação e

crescimento.

Clinibell aconselha aos/às pastores/as 1:

-conhecer as técnicas para =encontros‘ de aconselhamento pastoral, como entrevistas,

por exemplo, e utilizá-las sempre que possível;

-aproveitar as oportunidades que acontecem em momentos informais para dar um

primeiro passo em direção à libertação e crescimento de vidas;

-ir em direção às pessoas através de uma visita ou um encontro é uma liberdade que

o/a pastor/a tem de não esperar ser procurado, mas tomar a iniciativa assim que

diagnostica a necessidade;

1Pág. 34 (reformulaço do pensamento do autor conforme minha compreensão).

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
11
-usar sua autoridade pastoral através de sua influência social e racional para trabalhar

os relacionamentos e conduzir a comunidade a um processo de cura, crescimento e

auto-satisfação de suas necessidades.

Outro fator interessante que visa à integralidade não só do aconselhando, mas também

do conselheiro é a utilização do cérebro todo conforme as descobertas do cientista Roger

Sperry que permite um conhecimento integral do cérebro humano com seus dois lados e suas

respectivas funções ou capacidades 2:

ESQUERDO:
DIREITO:
Linguagem,
Percepção,
Raciocínio
imaginação,
Análise, Avaliação
integração, modelos e
Pensamentos
consciência.
matemáticos
Intuitivo, integrador,
e abstrato.
metafórico.

Até pouco tempo os métodos da psicoterapia não conheciam esta capacidade da mente

humana, por isso o autor incentiva uma maior utilização de m todos intuitivos do =cérebro

direito‘ com sua capacidade holística aliada racionalidade do =c érebro esquerdo‘ , que é

mais analítico, como ferramenta eficaz para a poimênica e o aconselhamento pastoral.

Uma compreensão andrógena da integralidade surge à medida que a humanidade

alcança valores igualitários para homens e mulheres bem como a derrubada de preconceitos

raciais e abertura de espaço para pessoas com necessidades especiais. Principalmente a

contribuição feminina é um potencial a mais para a saúde holística do ser humano. Para

entender a humanidade de forma integral é preciso deixar a cultura machista para dar espaço

às mulheres que são muito capazes principalmente para o ministério da poimênica e o

aconselhamento pastoral.

O autor incentiva a utilização de diferentes ter apias centradas no crescimento. Nos

últimos tempos com o desenvolvimento das ciências e da capacidade terapêutica existem

diversos tipos de terapias que não devem ser ignoradas pela poimênica e o aconselhamento

pastoral porque podem contribuir ricamente para este ministério. Este campo tem sido

amplamente explorado e deve ser aceito e utilizado pelos conselheiros desde que sejam

centradas no crescimento.

2Pág. 35 (esquema co nforme o texto para melhor memorização ).

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
12
Sobre a relação entre a poimênica e as demais funções do ministério na comunidade de

fé o autor ilustra com um diagrama que tem ao centro a integralidade centrada no Espírito e

ao seu redor os ministérios ou funções da igreja num círculo que demonstra a atividade

holística da poimênica. Todas as funções em conjunto formam uma órbita em torno de seu

objetivo unificador que é a integralidade centrada no Espírito. As funções citadas são:

-Proclamação da boa-nova (pregador/a): a transmissão de uma mensagem centrada na

pessoa é uma rica oportunidade para tratar os problemas humanos, investir no crescimento

cultural e espiritual e valorizar os relacionamentos.

-Culto e adoração (sacerdote): o grupo expressa juntos seus sentimentos e se alimenta

espiritualmente, recebe o perdão dos pecados e adquire maior confiança;

-Educação (professor/a): é uma forma de ensinar e capacitar para o crescimento em

diferentes grupos que podem ser formados para ajuda mútua;

- Liderança e desenvolvimento congregacional (administração): cria um ambiente

curador e organiza as pessoas em grupos de convivência que valorize relacionamentos

sadios;

-Capacitação de leigos (treinador): investir na capacidade das pessoas para o exercício

do ministério e o crescimento na comunidade;

-Serviço comunitário (servidor): vai além da comunidade em direção à sociedade para a

transformação social com objetivo de libertar vidas;

-Ação Social (profeta): luta por mudança nas instituiçes e na comunidade para o apoio

mútuo e não repressão da integralidade humana.

Associado ao ministério da poimênica e o aconselhamento pastoral todas as outras

funções na igreja visam à integralidade humana centr ada no Espírito para libertação e

crescimento através da satisfação das necessidades um do outro. A comunidade de fé

alcança sua integralidade quando os ministérios se juntam com este objetivo e a capacidade

de alcançar e curar vidas é muito maior.

Qual é a história da poimênica e o aconselhamento pastoral? Como começou este

ministério? Uma ponte histórica também é feita pelo autor em direção à herança deste

modelo centrado em libertação e crescimento. Embora as últimas décadas tenham sido

marcadas pelo desenvolvimento de teorias, técnicas e práticas psicoterápicas que auxiliam a

poimênica e o aconselhamento pastoral, este ministério é muito mais antigo do que estas

ciências. Na igreja primitiva a poimênica era conhecida como cura d‘almas com o

significado de cuidado e crescimento de vidas na comunidade. Clinibell cita diversos nomes

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
13
de mulheres e homens que marcar am o trabalho de aconselhamento em toda a história da

Igreja cristã mostrando a importância e antiguidade da poimênica.

Na modernidade o que marcou o aumento de interesse na área foi principalmente a

difusão dos conhecimentos da psicanálise e sua grande necessidade devido aos problemas

humanos deixados após a Segunda Guerra Mundial. A renascença da poimênica remonta da

década de 1920 com apoio para tr atamento de outras doenças e através de treinamento para

capelania hospitalar. Posteriormente os insights do conhecimento da psicoterapia foram

associados para contribuir com o trabalho da poimênica.

Baseado no trabalho de William A. Clebsch e Charles R. Jaekle, o autor apresenta

quatro funções da poimênica secular e fazem um quadro explicando sua funcionalidade, as

expressões históricas que denominavam este ministério e as terminologias utilizadas

atualmente. Em seguida Clinibell acrescenta um tópico a mais de acordo com seus

conhecimentos e sua experiência pessoal.

Principais funções da poimênica:

Cura: tem por objetivo superar alguma debilitação e restituir à pessoa a sua

integralidade. Antigamente utilizada através de unção, exorcismo, santos, relíquias e

curandeiros carismáticos. Atualmente é denominado como psicoterapia pastoral, cura

espiritual, aconselhamento e terapia matrimonial.

Sustentação: auxílio para pessoas que têm dificuldade em transcender situações que

aparentemente são insolúveis. Teve expressões históricas através de preservar,

consolar e consolidar e no momento é chamada de poimênica e o aconselhamento de

apoio em casos de crise, luto ou perda.

Orientação: ajuda para tomada de decisões quando alguém não sabe que direção tomar

em meio aos desafios e alternativas da vida. Antes conhecida como dar conselhos,

exorcismo e o simples ato de escutar e na atualidade é chamada de aconselhamento

educativo, tomada de decisões em curto prazo, aconselhamento de confrontação e

orientação espiritual.

Reconciliação: auxílio para restabelecer relacionamentos rompidos entre a pessoa e

seu próximo ou até mesmo com Deus. Historicamente conhecida como confissão,

perdão e disciplina e para a prática atual é chamada de aconselhamento matrimonial

e aconselhamento existencial (reconciliação com Deus).

Nutrição: capacitação de pessoas para o crescimento desenvolvendo as potencialidades

recebidas por Deus para vencer diante das situações da vida. Na teologia tradicional

é conhecida como santificação ou treinamento de membros novos na vida cristã ou

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
14
educação religiosa. O autor denomina este novo item para as funções da poimênica

de aconselhamento educativo, grupos de crescimento, enriquecimento do matrimônio

e da família, assistência para a possibilitação de crescimento através de crises

desenvolvimentais.

O autor destaca a importância da divulgação destas funções como incentivo à poimênica

na comunidade de fé aumentando a capacidade para a assistência pastoral e o

aconselhamento. Além disso, a igreja deve contar com o apoio de profissionais

especializados para auxiliar em situações que superem o conhecimento das pessoas que

trabalham no ministério como situações clínicas e doenças mentais ou psicológicas.

Clinibell conclui este capítulo sobre Um modelo Holístico, centrado em Libertação e

Crescimento com uma ilustração de Daniel Yankelovich que fala das placas continentais em

movimento comparando com as transformações na humanidade nos últimos tempos. Isso

desafia a constante atualização de conhecimentos para a poimênica e o ministério pastoral ao

mesmo tempo em que demonstra a instabilidade atual da sociedade.

Daniel Yankelovich fala sobre a atual efervescência nos movimentos sociais e as

enormes mudanças comportamentais na humanidade atingindo até mesmo a natureza.

Também mostra uma grande mudança na ética em três momentos:

- antiga ética do trabalho que dava maior valor a responsabilidade, dever e sucesso com

objetivo de alcançar poder, prestígio e propriedade numa luta competitiva (esta foi

abandonada).

- ética da auto-realizaço privatizada que exalta a liberdade, a espontaneidade e o

individualismo como reação à ética tradicional num sentido de mudança (período que

está sendo atravessado).

- nova ética de compromisso que valoriza a responsabilidade mútua nos

relacionamentos através da integralidade como eu, com o próximo e com a sociedade

(demonstra a direção de um novo tempo).

Apesar de em meio a tantos mudanças e tremores este pensamento é uma grande

esperança para a poimênica e o aconselhamento pastoral. A ética voltada para compromisso

e integralidade como um novo chão ou pelo menos uma = placa‘ sólida que dá segurança ao

ministério mesmo correndo o risco de entrar em choque com outros valores. A igreja deve se

mover para ser uma força a mais para este novo tempo.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
15
Capítulo III – A Missão, os Fundamentos Bíblicos e a Unicidade da
Poimênica e do Aconselhamento Pastoral.

O terceiro capítulo é dedicado por Howard J. Clinibell para falar da Missão, os

Fundamentos Bíblicos e a Unicidade da Poimênica e do Aconselhamento Pastoral . O texto

inicia com uma citação de Paul E. Johnson falando da inconstância da humanidade e da

sociedade como o meio onde acontece o trabalho da poimênica, fazendo uma ponte com a

última parte do capítulo anterior onde fala das placas em movimento .

Para falar da missão da poimênica Clinibell define mais uma vez o seu sentido como

“uma resposta à necessidade que cada pessoa tem de calor, sustento, apoio e cuidado” 3.

Quanto ao aconselhamento pastoral sua missão é ser uma continuação da poimênica

reparando o seu trabalho de uma forma mais específica no tratamento de pessoas que

procuram ajuda em meio a suas crises.

O autor conta sua experiência pastoral e diz que do púlpito da igreja um/a pastor/a pode

ver pessoas com diferentes problemas em busca de uma resposta. Num momento difícil a

primeira pessoa que procuram é o/a pastor/a. Tanto fora como dentro das igrejas há pessoas

que precisam de aconselhamento e apoio para o estresse pessoal ou social e a poimênica e o

aconselhamento pastoral prestam serviço a estas vidas como parte do seu ministério no

Reino de Deus.

Sobre a importância crucial do aconselhamento pastoral, uma pesquisa comprova um

considerável aumento na procura de profissionais na área da saúde mental e maior ainda a

procura por clérigos, o que demonstra a importância e confiabilidade do aconselhamento

pastoral para a vida das pessoas. Conforme a pesquisa antes mesmo de procurar um

psicólogo ou terapeuta a maioria das pessoas procura um ministro religioso para se

aconselhar. A maioria das pessoas também tem procurado ajuda para resolver questões de

relacionamentos. O que a maior parte destas pessoas procura é alguém para conversar, para

ser entendido e se aconselhar sobre seus problemas.

Por causa dessa confiança e a demanda por aconselhamento pastoral maior é o desafio

da poimênica na igreja local. É preciso de capacitação para que haja conselheiros para

acolher vidas que procuram a comunidade de fé, bem como auxiliar ao ministério pastoral

na função do aconselhamento. O/a pastor/a não deve ignorar os conhecimentos de métodos

terapêuticos por causa de sua primazia em relação aos outros profissionais da área. Por causa

3Pág. 43.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
16
disso deve ser maior ainda a busca por treinamento em técnicas que contribuam para o

aconselhamento.

Contudo se o/a pastor/ não é um/a clínico/a na área de psicoterapia não deve se

aventurar em ascender uma fogueira que depois não possa apagar. O ministério do

aconselhamento pastoral tem sua contribuição ímpar para a cura e libertação de vidas. Além

do conhecimento de técnicas terapêuticas o/a pastor/a conta com um arsenal de

conhecimentos bíblicos que são úteis no aconselhamento. É possível fazer teologia através

da poimênica e do aconselhamento com insights de exemplos bíblicos de pessoas que

passaram por situações semelhantes ao/à aconselhando/a e outros textos que servem de

inspiração em momentos de angústia.

A Bíblia é um livro que fala de Deus para o ser humano pode e deve ser usada no

aconselhamento por que:

A Bíblia é fonte do imaginário ocidental (judaico-cristão) por isso comunicam de

forma eficaz na sua linguagem quanto aos valores, costumes e a própria her ança

histórica e religiosa;

O diálogo com insights bíblicos ajuda o/a conselheiro/a ter atitudes e consciência de

cura e crescimento;

Principalmente se as histórias da Bíblia fazem parte das verdades consagradas na

mente da pessoa, o uso de imagens bíblicas pode avivar de forma criativa essa

esperança na mentes dessas pessoas;

A Bíblia tem uma concepção de integralidade maior do que a cultura atual e até

mesmo que as ciências atuais. Conceitos bíblicos podem ser utilizados para criticar ,

corrigir e enriquecer esta falta de concepção da integralidade humana.

Devido à fragmentação dos conhecimentos humanos em diversas especialidades nas

quais visam aprofundamento específico de uma área, o mundo sofre de miopia e não

consegue observar-se na sua integralidade. Os paradigmas bíblicos presentes em

personagens judaico-cristãos são instrumentos para a reconstrução da auto-imagem e

consciência de si mesmo.

V rios textos bíblicos podem ser usados para falar de integralidade. Desde a cria ão

imagem e semelhança de Deus como referencial de integralidade. At ao famoso versículo

o Senhor o meu pastor e nada me faltar como desejo de manuten ão dessa

integr alidade. E tamb m a vida abundante‘ dada por Jesus em restitui ão ao que o =ladrão‘

veio roubar, matar e destruir da integralidade humana. Além destas imagens várias palavras

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
17
(termos bíblicos em seu sentido original), parábolas e personagens falam sobre a

humanidade em seu significado integral.

Falar da integralidade compreende equilibrar a potencialidade e as limitações humanas.

É preciso restituir potencialidades subtraídas das pessoas sem cair no erro de esquecer-se de

avisar sobre suas limitações. Seria como tomar um remédio sem receita e sofrer as

conseqüncias de contra-indicações. Por isso a finitude humana faz parte de sua

integralidade. No mundo há um desequilíbrio que faz com que homens e mulheres pensem

que são infinitos e outros/as que não são capazes de suas atribuições mais simples.

Contrabalancear isso é tarefa contínua do aconselhamento.

O autor faz um paralelo entre as seis dimensões da integralidade a partir de suas raízes

bíblicas:

- Avivar a mente: 4 Na visão bíblica não há separação entre alma, espírito e corpo ou o

dualismo mente e corpo. Isso faz a visão bíblica de integralidade mais holística

através de uma compreensão total do ser humano e não em partes. Integralidade

mental é o aspecto cognitivo, intelectual, emocional e espiritual valorizado por Jesus

em Marcos 12.30 que fala do amor total com todo o teu cora ão, de toda a tua alma,

de todo o teu entendimento e de toda a tua for a .

- Revitalizar o corpo: A integralidade física porque o corpo é considerado sagrado no

Antigo Testamento e no Novo ganha significado ainda maior como habitação de

Deus em I Coríntios 6.19 onde fala do corpo como templo do Espírito Santo.

- Renovar e enriquecer os relacionamentos: a integralidade relacional é tema constante

na Bíblia através das palavras shalom que significa inteiro, paz e saúde bem como o

termo koinonia num sentido comunitário da paz que deve ser coletiva, como fruto de

relacionamentos saudáveis. Deus não criou a humanidade para viver só, mas em

família como uma só carne (Gênesis 2.24) em a igreja como membros do corpo de

Cristo (Romanos 12.5).

- Aprofundar a relação com a natureza e a biosfera: a integralidade ecológica é vista na

Bíblia através de um Deus que é Criador e sustentador de sua criação tendo dado a

humanidade a função de mordomos. Na Bíblia tudo que Deus fez é BOM (Gênesis

1.31) e Ele é o dono de tudo (Êxodo 9.29). Jesus andava sempre em meio à natureza

4Nas páginas 47 (último parágrafo ) e 48 (primeiro e segundo parágrafo) o autor troca a ordem originalmente
apresentada nas páginas 29 e 30 quanto às duas primeiras das seis dimen sões da integralidade que é: 1. Avivar
a mente e 2. Revitalizar o corpo para o inverso desta ordem. Embora o autor tenha feito uma associação entre
os d ois primeiros fatores, não demonstrou motivos claros para esta mudança na ordem. Preferi manter a
primeira forma apresentada para melhor coesão no entendimento do texto. Mesmo assim a ordem dos fatores
não altera o produto.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
18
e fazia uso poético de imagens dela tema de suas palavras para ensinar sobre o Reino

de Deus.

- Crescer em relação às instituiçes significativas para a vida: a integralidade

institucional ou social é vista na Bíblia pela atuação profética que busca transformar

não somente o indivíduo, mas tudo ao seu redor. A luta por justiça está presente na

história bíblica desde a instituição da lei como parâmetro da vontade de Deus até o

ministério de cura e libertação de Cristo. Jesus curava pessoas individualmente com

o propósito de libertar a sociedade. Novas teologias como a da libertação, a

feminista, negra, africana e latino-americana têm contribuído para uma melhor

compreensão sobre necessidade de libertação para cumprimento da justiça e

estabelecimento do Reino de Deus.

- Aprofundar e vitalizar o relacionamento com Deus: a integralidade espiritual é o

centro da mensagem bíblica para a humanidade. A Bíblia devolve ao homem e à

mulher esta consciência de que é um ser espiritual. Este fator soma todos outros itens

da integralidade humana reunindo suas potencialidades conforme é o propósito de

Deus.

Esta visão panorâmica da Bíblia sobre a integralidade humana contribui ricamente para

os insights durante um aconselhamento devido ao conteúdo prático que pode ser utilizado e

à visão geral da vida. Não é à toa que a Bíblia é comparada a um manual de instruções, uma

bula, uma lâmpada, uma bússola, mapa, alimento, água e outros essenciais par a a vida.

Contudo o uso da Bíblia não é algo mágico. É um processo onde interagem o/a

conselheiro/a, o/a aconselhando/a com seu meio relacional e Deus como fomentador deste

processo de cura e crescimento.

Trabalhar em busca da integralidade humana é como montar pacientemente um quebra-

cabeça aonde pouco a pouco cada coisa vai chegando ao seu lugar e a imagem original de

Deus vai aparecendo no semblante humano. Jesus mostrou este quadro completo quando se

fez carne e habitou entre os humanos dando esperança para a restauração da integralidade.

A poimênica e o aconselhamento pastoral visam à cura e o crescimento em direção à

integralidade. Isso acontece quando alguém ferido procura a comunidade de fé como um

hospital para sua alma e recebe primeiro um tratamento para cura. Imediatamente a mesma

pessoa deve ser enviada para crescimento. Isso é o que Jesus fazia quando perguntava que

queres que eu te faça mostrando o objetivo de cura e libertação e depois enviando com as

palavras toma teu leito e anda , vai a tua fé te salvou ou vá e não peques mais que

representam o desejo de Cristo pelo crescimento para estas pessoas.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
19
A igreja é o ambiente apropriado tanto para cura e libertação como também

especialmente para o crescimento. É na comunidade de fé que a pessoa recebe confronto e

estímulo para ir adiante. Em meio aos relacionamentos que o amor é aperfeiçoado

conduzindo para o crescimento. O próprio Cristo desejou viver em conjunto mostrando que

desta forma seria possível fazer as pessoas crescer muito mais, por isso procurou pessoas

que não tinham grandes expectativas para ser em seus discípulos e se tornarem em grandes

homens de Deus.

Para Clinibell a igreja proporciona crescimento por que:

- tem como paradigma de integralidade a pessoa de Cristo ;

- a integralidade é vista como um processo contínuo em busca da santificação;

- tem como parâmetros o amor e a justiça ;

- acontece em meio aos relacionamentos ;

- tem a missão de servir ao próximo.

Antes de iniciar um processo de cura e libertação para o crescimento em direção a

integralidade é preciso acontecer um quebrantamento tanto pessoal como social. A situação

humana de degradação de sua original integralidade é descrita na Bíblia com a queda da

humanidade para apontar o pecado como fator gerador de morte. É nesta raiz do problema

que a poimênica e o aconselhamento pastoral contribuem para cura e crescimento mais do

que outras práticas terapêuticas otimistas que não alcançam este entendimento. Contudo o

objetivo não é condenar o pecado porque este já tem suas conseqüncias e sim libertar vidas

para continuar crescendo. Deus tem o r emédio para o pecado que é o perdão e cura para a

conseqüncia do pecado que é a ressurreiço.

A compreensão da finitude humana conduz o olhar para a gr andeza de Deus. Quando

o/a conselheiro/a tem consciência do mal como causa da perca da integralidade pode

conduzir o/a aconselhando/a a desejar se levantar e crescer. No entanto há casos em que

mesmo curadas as pessoas e até mesmo a sociedade estão tão atrofiadas que têm medo da

dor de reagir. Neste momento deve-se contar com a graça de Deus e não desanimar na tarefa

encorajadora em direção ao crescimento.

Para esclarecer o conceito de crescimento, Clinibell faz uma trilogia com as palavras

luta, morte e renascimento. É como um tripé que tem a habilidade de se manter erguido

mesmo em terreno pedregoso ou desnivelado. O eixo que une e equilibra o desejo de lutar,

morrer e ressurgir é a graça de Deus. Somente pela graça Jesus foi capaz de lutar pelo ser

humano, morrer por amor e ressurgir para revelar a integralidade almejada por Deus para a

humanidade.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
20
Os grandes relatos bíblicos de lutas são seguidos das mais belas vitórias. A própria

natureza mostra um ciclo de morte e vida seguidos para iluminar os olhos de quem precisa

de esperança ao saber que renascer á.

O ministério de Jesus focalizou pessoas que pr ecisavam de cura, libertação e salvação

deixando para a igreja o ministério therapeuo de salvar, curar e libertar através do cuidado

com vidas. Jesus anunciou um novo tempo para a integralidade humana restabelecendo

vidas com a visão do Reino de Deus. Entretanto conforme Pierre Teilhard de Chardin a auto-

consciência atingida pela humanidade também constitui num esperançoso desafio para a

poimênica e o aconselhamento pastoral.

A igreja é um centro para a integralidade levando o amor de Deus para as pessoas que

estão privadas deste sentimento devido à falta de amor nos seus relacionamentos. Somente

através da vivência do amor a igreja reintegra vidas mutiladas em sua capacidade de amar.

Essa tarefa da Igreja é descrita tradicionalmente por quatro palavras gregas no Novo

Testamento:

kerygma didache
: :
proclamação da o ensino em
mensagem do direção ao
evangelho que crescimento
restaura o ser
humano;

Igreja

koinonia diakonia
: :
uma comu nidade o serviço ao
unida e voltada próximo como
para Cristo expressão de
amor

Na Igreja acontecem estas quatro dimensões do crescimento em busca da integralidade

quando recebem a mensagem libertadora do evangelho ( kerygma ), aprendem a verdade que

liberta ( didache ), são integradas a um grupo que vive em comum ( koinonia ) e são enviados

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
21
para servir ao próximo ( diakonia ) dando continuidade a este círculo de proclamação, ensino,

comunhão e serviço.

Atualmente a poimênica e o aconselhamento pastoral numa perspectiva holística

associadas a uma teologia integral, sem distinções culturais, sexuais, sociais ou raciais

contribuem par a a visão cristã do Reino de Deus. Quanto a esta teologia inclusiva nas

concepções bíblicas de não haver distinço entre homem e mulher, nas descobertas da

exegese quanto a palavras femininas que se referem a Deus e principalmente no trato de

Jesus igualmente para todas as pessoas quer sejam mulheres, crianças, pobres, ricos e outros

desprezados da sociedade. O autor ressalta a contribuição das mulheres para a igreja bem

como para a teologia quanto a essa abertura com uma visão holística sem estes limites

preconceituosos.

Segundo Clinibell o ministério do aconselhamento pastoral possui uma singularidade e

unicidade que outras áreas que prestam serviço terapêutico não possuem. O/a pastor/a tem,

consciência de si mesmo, de Deus, de sua fé e da necessidade das pessoas. O ministério

pastoral tem a capacidade de unir sua herança, orientação, recursos e consciência teológica

em torno do aconselhamento. Dentre outras funções somente o/a pastor/a tem formação ao

mesmo tempo teológica e psicológica, bem como de outras áreas que falam da humanidade,

o que faz do aconselhamento pastoral mais holístico. A singularidade do ministério pastoral

também é fruto do objetivo de crescimento espiritual, os recursos de tradiço religiosa e o

ambiente proporcionado pela igreja para cura e crescimento.

O ministério pastoral além de unificar várias características e disciplinas de outras

funções terapêuticas e ser singular em diversos aspectos que estas funções não têm acesso,

também tem a vantagem de acontecer dentro de um círculo de relacionamentos saudáveis

que é a Igreja. Além disso, o/a pastor/a exerce uma série de outros papéis que lhe

possibilitam uma visão mais abrangente da vida em sociedade.

Outro fator discutido pelo auto é que geralmente pastores não cobram para aconselhar

porque isso já faz parte de suas atribuições pastorais. O fato do aconselhamento pastoral não

ser cobrado tem o aspecto positivo de ser feito em uma relação de amor e amizade onde a

figura pastoral de torna uma referência para a vida, mas tem outros negativos como o fato de

ser uma tarefa a mais e acaba não sendo feito por completo. Clinibell chama atenção que

fazer aconselhamento de tempo parcial não pode ser desculpa para fazer o serviço mal feito.

Seria melhor cobrar e atuar como conselheiro/a de tempo integral podendo se especializar na

área para tr atamentos mais profundos que o autor não aconselha pastores despreparados a se

aventurar caso não tenham treinamento ou experiência no assunto.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
22

Capítulo IV – O Fundamento de todos os tipos de Poimênica e


Aconselhamento.

A difícil tarefa do aconselhamento e da poimênica pode ser simplesmente resumida no

ato de ouvir verdadeiramente o/a aconselhando. Na agitada sociedade atual essa é uma

missão realmente desafiadora. É preciso treinamento, paciência e reaprendizado para ouvir

atentamente uma pessoa aflita. Como o autor apresenta em sua citação de uma frase de

Dietrich Bonhoefer “quem não mais ouve seu irmão [ou irmã], em breve também não mais

ouvirá a Deus” 5.

Este capítulo traz um prático exemplo de conversa entre um pastor e um homem que

precisava de ajuda como ilustração de como acontece o aconselhamento pastoral. Para fazer

uma relação entre necessidade de correspondência apresento o relato neste quadro 6:

Aconselhando Atitude de Conselheiro


correspondência
depois o pastor o procurou para uma
Primeiro o homem visitou a visita e não o encontrando deixou um
comunidade de fé cartão com um recado e o número de
telefone se dispondo para contato
que espontaneamente o conduziu
então o homem correspondeu
para se abrir perguntando quanto a
telefonando para o pastor
sua dificuldade
propôs uma conversa em um
se abriu inicialmente
encontro marcado no gabinete
contando o seu problema
pastoral no mesmo dia
aceitou e compareceu ao deu continuidade ao assunto
encontro demonstrando interesse
diagnosticando a necessidade marcou
falou mais abertamente sobre
um novo encontro e propôs auxílio
sua situação pessoal
de um membro da comunidade
comunicou com um membro da
aceitou as duas propostas
igreja para que o procurasse
um irmão da igreja o procurou e
marcou um encontro no interregno
do próximo aconselhamento pastoral
aceitou e compareceu ao
encontro dando abertura para
continuar o acompanhamento

5Pág. 69.
6Forma pessoal de descrever a conversa narrad a nas páginas 69 e 70 demonstrando a correspondência das
atitudes de conselheiro/a e aconselhando/a.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
23
O propósito deste exemplo é demonstrar como o/a pastor/a pode agir ativamente e

correspondentemente no aconselhamento e como despertar a pessoa a responder

positivamente.

Um relacionamento curativo não acontece de uma vez. Pode ser comparado a uma

semente que embora pequena tenha a capacidade de crescer. Assim o aconselhamento deve

ser algo crescente. Na primeira sessão de aconselhamento existem cinco passos que devem

ser tomados para estabelecer inicialmente uma r elação curativa 7:

Se continuar o aconselhamento fazer um contrato com objetivos e expectativas 5º passo

Recomendar uma forma de obter ajuda, como um aconselhamento 4º passo

Diagnóstico inicial de como a pessoa se sente interiormente 3º passo

Ouvir com atenção e refletir empaticamente 2º passo Crescimento


em uma
Proporcionar calor e solicitude 1º passo Relaço de Cura

Desta forma o/a conselheiro/a pode ajudar pessoas que têm dificuldade de se abrir

inicialmente não perdendo a oportunidade de um primeiro contato. Outros três conceitos

importantes na mente do/a aconselhador/a são qualidades de uma conversa:

-terapêutica: com o objetivo de cuidar e curar pessoas, tomando cuidado principalmente

com julgamentos;

-maiêutica: ajudar a pessoa a nascer e crescer. Segundo a filosofia de Sócrates é uma

arte de saber inquirir a pessoa para extrair verdades que estão encobertas 8.

-reconciliação: ajudar a enfrentar situações e reativar os laços quebrados.

Pesquisas apontam que a maior necessidade de pessoas que procuram aconselhamento

ou tratamento terapêutico é de serem ouvidas por alguém. A tarefa mais desafiadora para o

aconselhamento não é o que será dito pelo/a conselheiro/a ao/à aconselhando/a e sim o ouvir

verdadeiramente durante o atendimento. Principalmente para pastores e pastoras que são

tentados/as a falar respondendo de imediato, para alcançar este ouvir verdadeiro é preciso

disciplina e treinamento constante. Por isso todo/a conselheiro deve evitar distrações e

outras impressões internas que possam lhe impedir de ouvir atentamente, principalmente se

o/a conselheiro/a não estiver bem emocionalmente podem acontecer interferências.

Segundo Clinibell ouvir é 9 : - presença (estar com a pessoa);

- prestar atenção somente na pessoa sem interromper;

- se interessar pelo que a pessoa está falando;

7Quadro feito para melhorar a compreensão pessoal do texto da página 71.


8Consulta ao dicionário Aurélio.
9Con forme páginas 72 e73.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
24
- estar em sintonia com o sentimento da pessoa;

- ser empático e reflexivo enquanto a pessoa fala;

- ter profundidade na expressão corporal.

Para o autor o/a conselheiro/a deve pr estar mais atenção aos sentimentos expressos do

que às palavras utilizadas na conversa ou fatos ocorridos. O objetivo de ouvir em

profundidade proporciona por si só a cura para pessoas em crise quando o/a conselheiro/a

alcança uma compreensão empática ou demonstra o desejo de compreender de forma que a

pessoa se sinta aceita e motivada ao crescimento.

Antes de continuar as sessões de aconselhamento o/a conselheiro/a precisa descobrir

qual foi a motivação que conduziu a pessoa a procurar sua ajuda. Isso pode ser feito

perguntando por que a pessoa procurou aconselhamento pastoral, o que espera do

aconselhamento, qual é o problema e o que pode ser feito para ajudar. Enquanto a pessoa

fala deve-se prestar atenção especial aos sentimentos dominantes . Algumas motivações

talvez estejam encobertas ou inconscientes para a pessoa e não deve haver pressão. Para isso

é preciso concentrar-se no problema de apresentaço ou problema inicialmente apresentado

como motivo de procurar aconselhamento.

Um exemplo disso é demonstrado na continuação da narrativa ilustrando a conversa do

pastor aconselhando um homem. Nesta sessão o pastor ouve atentamente o homem e lhe faz

algumas perguntas para diagnosticar qual o problema central ou sentimento dominante.

Baseado nisso o aconselhamento pode ser continuado. Então o pastor continua o diagnóstico

no fim da conversa perguntando como o homem se sentia após ter conversado e propõe um

novo encontro.

Quando a pessoa procura voluntariamente aconselhamento o diagnóstico é rápido

porque a pessoa inicia apresentando seu problema. Mas caso a pessoa seja pressionada a ir a

um/a conselheiro/a sem vontade própria, segundo Clinibell cinco passos são tomados para

alcançar um diagnóstico:

1. Descobrir como a pessoa vê seu problema;

2. Saber onde a pessoa sente dor e se este é o motivo de procurar ajuda;

3. Encorajar a expressar sua raiva em ter sido pressionada;

4. Aceitar o direito da pessoa em não continuar o aconselhamento;

5. Fazer com que a pessoa se sinta livre e calorosamente envolvida para continuar a

conversa apresentando seus verdadeiros motivos para pedir ajuda.

Além destas dicas o autor orienta que caso a pessoa seja pressionada a procurar

aconselhamento pode-se procurar quem fez tal pressão para participar da próxima sessão por

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
25
que possivelmente tem algum problema entre as duas pessoas. Neste caso deve também

trabalhar a reconciliação entre ambas.

Qualquer tipo de intervenção na fala do/a aconselhando deve ser feita cuidadosamente

sem interferir diretamente no que pensa. O/a conselheiro/a pode ajudar a pessoa a elaborar

suas palavras para expressar seus sentimentos. Isso pode ser feito através de perguntas

referindo-se a como a pessoa se sente. Toda e qualquer intervenção além de cuidadosa deve

ter como objetivo alcançar o diagnóstico do problema.

O diagnóstico é feito para a continuidade do aconselhamento de forma eficaz e para isso

deve-se observar:

- as seis áreas da integralidade humana, descobrindo em qual delas está o problema;

- a forma de tratamento que pode ser feita para a pessoa, se de curto ou longo prazo ou

mesmo se a pessoa deve ser encaminhada para tratamento clínico especializado;

- um diagnóstico pastoral, se o/a pastor/a tem condiçes de atender a necessidade da

pessoa a ser aconselhada.

Depois de diagnosticar a motivação ou problema inicial é preciso propor uma

continuidade no aconselhamento marcando outras sessões para conversar. Isso não deve ser

feito diretamente e sim sugerir se dispondo caso a pessoa quiser continuar. Se não aceitar ou

procurar novamente deve ser respeitada. Se concordar marcam as próximas sessões e pode

ser feito um contrato especificando objetivos, expectativas e a forma do acompanhamento.

Para o sucesso da continuidade no aconselhamento o/a conselheiro deve focalizar em

cada encontro a catarse emocional que mostrará os verdadeiros sentimentos da pessoa por

trás dos diversos problemas que vão sendo apresentados. Essa catarse é alcançada com

aceitação solícita através de uma linguagem emocional e compreensiva. Além disso, o

aconselhando deve saber que seu engajamento ativo na mobilização de seus próprios

recursos é essencial para resolver seus problemas e para o sucesso do aconselhamento muito

mais do que qualquer intervenção do/a conselheiro/a.

Clinibell deixa algumas dicas de como alcançar a catarse emocional:

Evitar fazer perguntas de informação para não deslocar os sentimentos em

detrimento de detalhes ou fatos;

Fazer apenas perguntas de sentimentos ajudando a pessoa a descobrir suas emoçes

escondidas por trás de suas razões;

Responder aos sentimentos e não tomar tempo com respostas intelectuais;

Ficar atento à portas para os sentimentos com o expressões, palavras, postura

corporal ou facial que demonstrem dor, raiva ou qualquer sentimento;

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
26
Estar alerta para sentimentos negativos especialmente;

Evitar conselhos e interpretações prematuras sobre os fatos ou sentimentos.

Outra preocupação de Clinibell é quanto a aconselhamentos que começam e não têm

continuidade, por isso deixa algumas dicas de como evitar isso:

Expressar interesse ativo em trabalhar com a pessoa;

Explicar sobre a necessidade de várias conversas de aconselhamento;

Dar esperança de que o aconselhamento pode ajudar a pessoa;

Desde a primeira entrevista deixar algo para que pessoa possa refletir;

No fim de cada sessão perguntar como se sentiu coma conversa;

Deixar a pessoa à vontade para falar se não está gostando do aconselhamento para

conversarem evitando ocorrer uma interrupção pelo abandono aos encontros;

Conduzir a expectativas realistas de forma gentil;

Fazer um contrato claro determinando o número de sessões como padrão para que o

tempo seja aproveitado e a pessoa se esforce para alcançar o objetivo.

O autor também orienta prestar atenção em alguns detalhes chamados de mecânicos

como publicidade, ambiente, fichário e o uso do telefone que são imprescindíveis para quem

deseja ter um ministério de aconselhamento pastoral eficaz.

As recomendações de Clinibell são:

Publicidade: visto que muitas pessoas não sabem que o/a pastor/a tem habilidade

ou treinamento em aconselhamento por isso é preciso divulgar isso na comunidade para

que as pessoas procurem o aconselhamento pastoral. Para isso também é preciso

organizar a agenda de atendimento pastoral marcando horários.

Ambiente: deve ser em um lugar tranqüilo e livre de interrupções e para isso o

autor deixa diversas recomendações com desligar telefone, deixar um cartaz na porta ou

ter uma secretária.

Fichário: deve ser um arquivo confidencial com informações sobre os

aconselhamentos visando uma visão holística da situação do/a aconselhando/a para um

futuro feedback. Isso deve ser feito discretamente e com o conhecimento da pessoa e

destruído quando não houver mais utilidade.

Telefone: embora nunca substitua o aconselhamento pessoalmente pode ser

utilizado nos intervalos entre as sessões como uma forma de acompanhamento e

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
27
também na impossibilidade de um encontro dever usado como recurso além de servir

para marcar horários de aconselhamento.

Um sério conselho deixado pelo autor é que pastores/as nunca podem priorizar questões

administrativas a frente dos sentimentos das pessoas. Para isso é preciso ter cuidado na

linguagem e nas decisões com pessoas e famílias que estão em crise ou sofrimento.

De forma prática Clinibell apresenta uma proposta de como aplicar os princípios do

método holístico no aconselhamento pastoral:

Incluir todas as seis dimensões da integralidade inclusive a física;

Ter consciência das forças e potencialidades encobertas no/a aconselhando/a e

declarar isso quando for apropriado;

Usar de forma equilibrada a Fórmula do Crescimento: Solicitude + Confrontação;

Ter em mente o objetivo do crescimento-em-direção-à-integralidade articulando

com expectativas e desafios;

Relacionar-se com o/a aconselhando e considerar sua r ede de relacionamentos

como seu ambiente de crises e potencialidades para o tratamento;

Centralizar a espiritualidade na pessoa levando-a a compreender sua necessidade de

crescimento.

Além de focalizar a integralidade humana de forma holística há também aptidões

essenciais para o ministério do aconselhamento pastoral baseado na experiência de Robert

R. Carkhuff. As aptidões fundamentais para o aconselhamento são:

- comportamento atencioso e solícito até nas expressões corporais e faciais;

- fazer per guntas breves convidando a pessoa a falar sobre assuntos significativos para

sua vida; ouvir e observar mensagens não verbais de forma cuidadosa;

- deixar a conversa fluir naturalmente evitando mudar de assunto e seguir a iniciativa da

pessoa;

- responder empaticamente mostrando que compreende o que a pessoa está sentindo;

- procurar clarear as coisas de forma que tanto conselheiro/a como aconselhando/a

tenham consciência de que entendem o que está acontecendo em cada estágio ou sessão;

- focar e explorar as áreas mais significativas para a pessoa;

- confrontar na medida em que for necessário sempre valorizando a potencialidade da

pessoa;

- a partir da compreensão por meio de insights diagnósticos r ecomendar auxílio

necessário para a solução do problema.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
28
Estas aptidões devem ser alvo de toda pessoa que deseja se preparar para o ministério

do aconselhamento de forma holística e desenvolver a capacidade de tr abalhar com pessoas

conduzindo para a cura e libertação com vistas ao crescimento centrado no Espírito para a

restauração da integralidade humana.

O cuidado com as respostas dadas pelo/a conselheiro/a é uma das preocupações do autor

no aconselhamento e apresenta cinco tipos de respostas baseado em Elias H. Porter Jr. e uma

acrescentada pelo próprio Clinibell.

Os seis tipos de respostas são:

INTERPRETAÇO: APOIO:
AVALIAÇÃO: Indica a intenção de ensinar,
Um julgamento dos Indica o propósito de
comunicar algo significativo
? tranqüilizar e reduzir o
sentimentos da pessoa
ou explicar o porquê. Útil no sofrimento. Principalmente
com uma sugestão aconselhamento matrimonial.
embutida. Usado em em situações de crise as
aconselhamento de respostas de apoio são muito
confrontação. importantes.

INDAG AÇÃO: CONSELHO:


Frases que ajudam a Sugerir abordagens,
pessoa a responder ações, crenças ou
questões internas ou COMPREENSÃO: atitudes recomendando
temas para a discussão. Um retorno à pessoa para que como lidar com o
Usada no saiba que está sendo ouvida de problema. Também útil
aconselhamento forma empática. Muito importante para aconselhamento de
educativo de curto prazo. na fase inicial do aconselhamento. confrontação.

A seguir um exemplo de como em uma situação de aconselhamento estes tipos de

respostas é útil no caso de uma jovem que demonstra ódio pelo próprio pai sem mesmo

saber o motivo. O autor apresenta os seis tipos de respostas que podem ajudar neste

exemplo específico e ensina como estas respostas podem ser práticas para o

aconselhamento. O tipo de resposta mais escasso entre conselheiros é a de compreensão.

Para pessoas moralistas rapidamente dão respostas de avaliação.

A posição pastoral de autoridade e a tendência a uma resposta pronta e rápida são

perigos para o aconselhamento. Quanto a resposta o/a pastor/a deve ser muito cauteloso/a e

quanto a autoridade deve ter cuidado para não ser repressivo/a ou criar expectativas de

resolver o problema da pessoa fazendo-se continuar dependente e inibindo sua libertação e

crescimento.

Mais uma vez Clinibell insiste em que o aconselhamento seja mais inclusivo e

transcultural denunciando o sexismo racista e classicista tão forte na sociedade e influente

sobre as demais ciências. Para o autor a contribuição de pessoas negras, mulheres,

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
29
deficientes e de diversas culturas é um grande avanço para a poimênica. Não são apenas

pessoas de cultura anglo-européia, brancos de classe média e do sexo masculino que

precisam e podem fazer o aconselhamento pastoral.

Segundo Clinibell é preciso uma abertura para outros backgrounds que é o conteúdo de

conhecimento e experiência de vida trazida por pessoas diferentes. A contribuição de

diferentes tipos de pessoas é um grande avanço para o aconselhamento pastoral porque abre

o leque de alcance deste ministério para pessoas que não têm acesso a outro tratamento

terapêutico. Isso é perceptível na formação de grupos que lutam para atender seus desafios

étnicos e culturais como, por exemplo, os ministérios negros, f eministas, latino-americanos

com a teologia da libertação, associações como os Alcoólicos Anônimos e de deficientes que

têm lutado pela cura e crescimento atingindo pessoas fora do alcance de tradicionais meios

terapia.

Para trabalhar em busca de libertação na vida das pessoas o/a próprio/a conselheiro/a

deve ser alguém liberto de preconceitos raciais, culturais e de gênero. O autor lista uma série

de vantagens para um aconselhamento libertador baseado na abertura pessoal do/a

conselheiro que está livre de estereótipos opressivos da sociedade como o racismo e o

machismo.

Um interessante proposta do autor é a formação de grupos de aconselhamento e auto-

ajuda para discussão em conjunto de problemas sociais e comunitários visando a libertação e

crescimento coletivos. Um exemplo clássico disso são as classes wesleyanas e os CEBs

latino-americanos. Também não pode ser ignorada a contribuição do movimento pentecostal

no Brasil com a formação de inúmeras pequenas comunidades onde são agrupadas pessoas

com origem rural em meio aos grandes centros urbanos. Embora o tipo de aconselhamento

pastoral exercido por este grupo seja muito de avaliação e interpretação faltando

principalmente a compreensão, exercem importante trabalho de crescimento porque seus

adeptos podem vivenciar sua forma de pensar e expressar sua espiritualidade

Um exercício de ensaio da realidade é recomendado no final do capítulo e melhor

esclarecido por uma explicação clara dos papéis do/a paroquiano/a, do/a pastor/a e do/a

observador/a ou monitor/a. O caso deve ser baseado em alguma experiência ou problema

pessoal vivido pela pessoa que representará o/a aconselhando/a. Após a repetição da

atividade trocando os papéis no grupo é importante refletir sobre o que ocorreu à luz do

texto estudado.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
30

Capítulo V – Integralidade Espiritual: o cerne da Poimênica e do


Aconselhamento.

A citação inicial do capítulo leva a crer que o tema que intitula o texto não é uma

novidade. Desde Platão já se pensava na importância da contemplação do espírito para o

crescimento integral do se humano. O/a pastor/a devem ter um faro aguçado para perceber

quando as necessidades de um/a aconselhando/a é de natureza espiritual, bem como

aproveitar os conhecimentos teológico e a experiência religiosa como fomentadores de

crescimento.

Uma pesquisa mostra que raramente um problema de origem espiritual é diagnosticado

inicialmente numa primeira sessão de aconselhamento. Mas contraditoriamente a isso se

descobre posteriormente que muitos problemas têm ao menos vínculo com situações re

religiosidade. Quando o problema de apresentação tem alguma característica religiosa pode-

se diagnosticar uma origem espiritual, mas nem sempre o problema de apresentação é

mostrado com ligação espiritual. No decorrer do aconselhamento pode-se chegar a este

diagnóstico porque problemas espirituais podem estar embutidos em outros sintomas.

Segundo o autor vários estudos demonstram que a principal crise no mundo é a falta de

significado chamada de crise existencial e tem como sintomas emocionais um desequilíbrio

religioso em forma de excesso ou falta de espiritualidade e o medo da morte como fruto de

aceitação quanto sua origem familiar. O aumento de tecnologia e modernidade tem feito a

sociedade quebrar sua ponte histórica e como conseqüncia as pessoas têm perdido seu

sentimento de origem e significado existencial.

Problemas espirituais também são percebidos conjuntamente com problemas familiares.

A ligação entr e a figura paterna e divina é um exemplo: ausência do pai pode ser o motivo

para não crer em Deus ou um pai muito rigoroso pode fazer a pessoa acreditar em um Deus

ditador. Do mesmo modo é possível perceber outras raízes espirituais em problemas

familiares como a má convivência entre irmãos e a dificuldade de comunhão com a igreja.

Problemas religiosos podem ocultar problemas psicológicos e vice-versa. Mas

pesquisadores da área têm preferido acreditar que os problemas psicológicos têm maior

probabilidade de ter uma patologia espiritual. No entanto ao tratar questões espirituais o/a

conselheiro/a pastoral está lidando com o cerne da integralidade humana e tem chances de

alcançar libertação total possibilitando o crescimento.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
31
Entretanto o autor chama atenção para não espiritualizar as coisas imediatamente. É

preciso deixar fluir e vir à tona o que está no profundo do/a aconselhando/a. Quando o/a

pastor/a vai direto tratando como problema espiritual pode causar um bloqueio e atrapalhar a

libertação inibindo o crescimento.

Ao falar sobre a dimensão espiritual em todos os problemas humanos o autor mostra

que a ansiedade é um sentimento muito presente em todas as fases da vida humana e mais

forte ainda no intervalo entre estas fazes como na adolescência e intervalo da idade adulta

para terceira idade. A ansiedade pode ser per cebida pelo medo da morte, frustração quanto

aos sonhos, falta de sentido para a vida por causa da dificuldade de fazer vínculo com o

passado e um medo do futuro por causa das decepções com o passado.

Para Paul Tillich a ameaça da ansiedade existencial que toca a heran a da finitude no

ser humano quando este tem a consciência de sua finitude. Este medo do não-ser e tem três

formas: ameaça de destino e morte, culpa e condenação e vazio e perda de sentido tendo no

âmago destes sintomas o medo de não-ser 10 .

Ansiedade existencial:

Segundo Paul Tillich

Ameaça de
Destino e
Morte

MEDO
de
NÃO-SER

Culpa e Vazio e perda


condenaço de Sentido

10Diagrama feito par ilustrar o pensamento do autor na página 103.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
32
Clinibell chama aten ão que a ansiedade existencial a mat ria prima, o protótipo e o

manancial e outras ansiedades e que não h respostas psicológicas ou psicoterápicas para a

ansiedade existencial 11 .

Contudo a religião é uma forma de enfrentar a ansiedade existencial e presta o

importante serviço de dar sentido à vida quando prega o perdão para o passado e esperança

pra o futuro. Entretanto segundo Paul Tillich o impacto religioso poder ter duas formas de

conseqüncias: destrutiva ou patogênica e a criativa ou salugênica.

Vejamos a diferença entre estas duas

Religiosidade
Destrutiva ou patogênica:
Qualquer forma de idolatria que se
Religiosidade
torne uma preocupação
Criativa ou salugênica:
incondicional como a deificação de
posses, saúde, sucesso, álcool, o Uma religião aberta que incrementa
estado ou uma instituição como a a vida e capacita a enfrentar a
igreja. Uma religiosidade repressiva ansiedade existencial ao invés de
leva a fugas através da negação do fugir dela. Ensina a transcender a
ser manifestam em forma de transitoriedade em busca da fé na
neuroses mutiladoras. Uma eternidade. Uma vida religiosa
religiosidade patogênica produz autêntica ajuda a pessoa a perceber a
doença e bloqueia o crescimento. imagem de Deus dentro de si a
Manifesta-se em formas rígidas, aceitar sua existência.
autoritárias e que negam a realidade. Uma religiosidade criativa ou
salugênica respeita a realidade,
produz comunhão com Deus e com
as pessoas e diz um sim à vida acima
de tudo.

formas de religiosidade 12 :

Ao descobrir qual tipo de religiosidade está sendo vivida pelo/a aconselhando/a é

possível perceber como está sua vida espiritual facilitando o diagnóstico. Uma religiosidade

saudável é diagnosticada por conduzir o ser humano para cima, elevando para o

transcendente e Divino. E uma religiosidade prejudicial pode ser per cebida por rebaixar a

humanidade através da negação de sentimentos e valores humanos em rígida obrigação a

regras e exigências moralistas.

O autor se baseia no pensamento de Paul Tillich para falar das necessidades básicas do

ser humano que não são apenas num sentido religioso institucional, mas algo inerente à

própria existência humana. O objetivo da religião de vê ser ajudar a satisfazer as

11Página 104.
12Página 104, 105 e 107.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
33
necessidades espirituais humanas. Não há como separar do ser humano a sua espiritualidade.

É a sua dimensão vertical como afirma Tillich.

O objetivo do aconselhamento relativo a problemas religiosos numa visão holística

centrada no Espírito é ajudar as pessoas a potencializar sua libertação e crescimento a partir

de sua espiritualidade e atingindo todos outros aspectos de sua vida. O crescimento acontece

através de um saudável relacionamento com Deus, com as pessoas ao redor e com a

natureza. Para isso é preciso satisfazer as necessidades espirituais básicas não só num

sentido religioso e sim humano pela compreensão integr al do ser com sua centralidade

espiritual.

Clinibell enumera nove necessidades espirituais básicas 13 :

1. Filosofia de
vida com sistema
de crenças e
símbolos que
9. Pertencer a uma dêem sentido a 2. Imagens e
comunidade vida. valores que
solícita que nutre criativos para
e sustenta a orientar
jornada espiritual. construtivamente
o estilo de vida

8. Buscar 3. Compromisso e
„experiências- relacionamento
pico”ou com um Deus
momentos de amoroso que
transcendência integra e ativa a
espiritual. vida.

7. Desenvolver 4. Desenvolver o
formas de reduzir selfinterior ou a
o narcisismo alma como centro
alienador e de todo o ser.
fortalecer a auto-
estima.
6. Descobrir 5. Renovar a
modos de passar d confiança básica
alienação da culpa para ter esperança
para a em meio a perdas
reconciliarão do e tragédias.
perdão.

Para atingir o crescimento necessário é preciso deixar alguns conceitos cômodos e ir à

busca de respostas que satisfaçam as necessidades espirituais profundamente. No

aconselhamento é pr eciso ajudar as pessoas a procurar estas respostas e não entregar

13Página 106.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
34
respostas prontas. A busca por respostas aos anseios interiores faz parte do processo de

libertação e crescimento. Por isso deve-se ter cuidado com imposição de verdades

cristalizadas que impedem a pessoa de questionar e raciocinar aprisionando a mente num

mundo religioso sem poder enxergar horizontes mais distantes.

Segundo o autor quando a pessoa tem uma experiência-pico consegue transcender sua

finitude e atinge o sentimento de satisfação existencial alcançado quando a se sente em

harmonia com o universo. Isso chamado por Maslow de sentimento oce nico que

permite a pessoa estar ligada a todos os outros =continentes‘ ao mesmo tempo no sentido de

que o espírito da pessoa tem acesso a todas as outras áreas de sua integralidade.

O ser humano precisa constantemente de orientação para sua vida. Em toda a história da

humanidade os líderes têm uma importante função para orientação. Até mesmo na igreja

sempre foi necessário uma liderança para dirigir a congregação. Neste sentido Clinibell

destaca a importância do/a conselheiro/a pastoral como um/a guia espiritual para o/a

aconselhando/a. Essa direção espiritual deve acontecer como um meio de orientação para

evitar autoritarismo que bloqueia o crescimento.

Com o objetivo de enfatizar a importância da direção ou =guia‘ espiritual, o autor faz

uma explicação de semelhanças e diferenças entre direção espiritual e psicoter apia secular

baseado no pensamento de Ruth Barnhouse 14 :

Semelhanças e Diferenças
entre Direção Espiritual e Direço Espiritual Psicoterapia Secular
Psicoterapia Secular
Critério de avaliação: o Critério de avaliação: as
relacionamento da mudanças no ser interior
pessoa com Deus e com e nos relacionamentos
a comunidade cristã. da pessoa.
Diferenças
Faz distinço entre alma
Não faz distinço entre
e psique enfocando a
alma e psique e às vezes
integr alidade dos valores
ignora os valores
orientada para questões
espirituais.
de saúde espiritual.
Motivação interior para mudar
Uma pessoa mais objetiva (terapeuta ou orientador)
Semelhanças para ajudar a identificar áreas cegas na percepção
Lidam com questões específicas e singulares na
vida das pessoas
Exigem treinamento na técnica de escolher

14Quadro formado conforme conteúdo da página 111.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
35
Estes fatores comprovam a relevância da direção espiritual como forma eficaz de

aconselhamento principalmente por contemplar a integralidade humana centrada no espírito

e acontecer em meio a um grupo de relacionamentos que é a comunidade de fé.

Em um mundo secularizado onde a individualidade é supervalorizada, a aceitação de

uma direção espiritual é um desafio para a poimênica. Principalmente porque até mesmo a

religião absorveu estas car acterísticas seculares individualistas tomando forma de uma

religião de consumo e perdendo valores de serviço e comunhão com o próximo. Entretanto

o/a conselheiro/a como diretor/a espiritual tem a capacidade de reunir pessoas para viver

uma vida comunitária visando à mútua satisfação de suas necessidades.

Sobre como diagnosticar o problema de origem espiritual o autor orienta ao/a

conselheiro/a a não ter receio de perguntar sobre questões espirituais ou sentimentais que

tenham raízes no espírito como a culpa, o rancor e o medo da morte, por exemplo. Após

diagnosticar uma questão de cunho espiritual deve-se conduzir a pessoa quebrantada a um

momento de cura para que possa se sentir livre para crescer.

Clinibell pontua dois níveis no processo do aconselhamento 15 :

Níveis no processo do
aconselhamento pastoral

Ajudar as pessoas a enfrentar seus


problemas ou crises

Encorajar a examinar questões espirituais


causadoras dos sintomas .

A partir da compreensão das causas fundantes dos problemas espirituais e sua seqüente

cura é possível dar continuidade ao crescimento por novas portas que vão se abrindo a

medida que a pessoa tem forças para enfrentar suas crises existenciais e encontra sentido

para a vida.

Baseado em sua experiência o autor acredita que a religiosidade pessoal de forma

saudável pode incrementar a integralidade e a ausência de uma religiosidade ou uma religião

patogênica pode diminuir a integralidade humana. Pensando nisso o autor enumera uma

grande lista de Crenças, atitudes e práticas religiosas das pessoas com o objetivo do/a

15Página 113.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
36
aconselhador ter subsídio para conhecer melhor a espiritualidade humana e diagnosticar

práticas e crenças que produzem problemas emocionais ou espirituais.

Segundo Albert Ellis ao se perceber um sistema de valores, crenças e atitudes bem

como uma religiosidade destrutiva para integralidade humana é preciso conduzir a pessoa a

uma mudança destas crenças patogênicas para outra religiosidade criativa e salugênica. Se a

pessoa tem uma fé inibidora fica mais difícil trabalhar sua libertação. Isso é desenvolvido

por Albert Ellis como uma terapia Racional-Emotiva (TER) com o objetivo de tratar os

pensamentos irracionais inválidos corrigindo pela substituiço de crenças que sejam

criativas e salugênicas. Contudo Clinibell destaca que este trabalho não é fácil por causa da

dificuldade das pessoas em reconhecer e repensar seus valores e crenças.

Um exemplo de aconselhamento é apresentado onde um paroquiano demonstra não

acreditar em si mesmo e na soluço de seus problemas. Então o pastor numa sessão de

aconselhamento confronta este sentimento de descrédito demonstrando-se empático ao

paroquiano e conduzindo-o a se sentir aceito. Esse foi um caminho para a mudança. A partir

da solicitude do pastor o paroquiano pôde absorver a fé que o pastor queria transmitir.

Quanto ao uso de subsídios religiosos em poimênica e aconselhamento pastoral o autor

chama atenção à importância de usar termos e figuras bíblico-teológicas, mas tomar cuidado

porque podem ter significados diferentes dependendo da pessoa a ser aconselhada. É

preciso tomar cuidado com imagens rígidas que geram culpa e legalismo para não bloquear

o crescimento.

Clinibell orienta o uso construtivo de subsídios religiosos da seguinte forma:

1) Conhecer a pessoa melhor para saber sua forma de entender a religião para saber

o tipo de conteúdo que pode ser usado;

2) Perguntar se é significativo para a pessoa antes de fazer oração ou ler a Bíblia

para não ser algo forçado;

3) Depois de usar um subsídio religioso perguntar qual foi a impressão da pessoa;

4) Usar com maior freqüência em aconselhamentos de apoio, crise, luto ou perda e

menos vezes em caos de psicoterapia pastoral e aconselhamento orientado para

insight;

5) Especialmente em pessoas dependentes usar subsídios que não diminuam o senso

de iniciativa, força e responsabilidade;

6) Não usar subsídios de forma que reprima os sentimentos da pessoa e sim que se

sinta aceita por Deus e possa expor seus sentimentos negativos;

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
37
7) Ajudar a pessoa a enriquecer sua relação vertical com Deus sem substituir sua

relação horizontal com o próximo;

8) Nunca usar termos ou subsídios religiosos de forma forçada, mas deixar fluir de

acordo com a necessidade e oportunidade;

9) Deixar a pessoa participar, se quiser, orando, fazendo uma leitura ou meditação

como uma forma de ensino e crescimento espiritual.

O autor orienta a observar a formação de valores e crenças das pessoas e utilizar

recursos religiosos de acordo com a necessidade e que a pessoa se sinta a vontade com isso.

Caso seja uma pessoa de formação cristã é fácil perceber a utilidade de subsídios religiosos e

se não for uma pessoa religiosa deve-se fazer isso aos poucos se a pessoa se abrir para isso.

Tudo deve ser feito visando à libertação e o crescimento.

A importância do uso da Bíblia no aconselhamento já foi citado no capítulo 3 e o autor

deixa aqui algumas orientações de como utilizar a Bíblia de forma eficiente:

1- permite que a sabedoria bíblica informe o processo através dos insights

bíblicos que acontecem durante a conversa;

2- palavras de consolo da Bíblia podem ser muito úteis para ajudar pessoas em

situação de sofrimento para fortalecer e curar;

3- ajuda a diagnosticar problemas atr avés dos temas e histórias bíblicas

principais que auxiliam a compreender pessoas no aconselhamento;

4- proporciona cur a e mudança de pensamentos patogênicos com um ensino

adequado da verdade bíblica;

5- a Bíblia ensina o que é bom para manter uma vida espiritual saudável e

produz crescimento na fé e nos relacionamentos da comunidade.

Clinibell alerta quanto ao perigo do mau uso da Bíblia na poimênica e no

aconselhamento pastoral muito difundido no meio de teologias fundamentalistas que

utilizam imagens bíblicas para confrontação das pessoas culpando-as, diagnosticando seus

problemas como conseqüência do =pecado‘ e não direcionando para a cura e crescimento.

Esse método foi muito difundido por Jay Adams e posteriormente O. Hobart Mowrer que

pregavam rejeição a toda ajuda de outras ciências pregando que apenas a Bíblia seria

suficiente e o resto era chamado de puro humanismo num sentido pejorativo.

Deste modo o autor depois de ensinar como utilizar a bíblia no aconselhamento e alertar

sobre os riscos do mau uso da Bíblia ainda mostra três erros principais que devem ser

evitados que são:

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
38
1- O fundamentalismo impede de integrar a sabedoria bíblica com as ciências

humanas e disciplinas psicoterápicas;

2- O legalismo faz que o/a conselheiro/a dê conselhos imediatos inibindo o

crescimento e aumentando a dependência do aconselhando;

3- O biblicismo rígido impede as pessoas de descobrir a Bíblia como Palavra Viva

de Deus que fala e transforma suas vidas.

A oração também é um subsídio importante para a poimênica e o aconselhamento

pastoral e tem três utilidades principais segundo o autor:

1) Preparação espiritual do/a próprio/a conselheiro/a para o aconselhamento;

2) Para intercessão em favor do/a aconselhando/a;

3) Pode ser ensinada ao/à aconselhando/a como forma pessoal de buscar sua cura e

crescimento.

Num mundo agitado e cheio de obrigações se torna cada vez mais difícil parar para

pensar em Deus. E em meio a tanto materialismo é quase impossível crer no invisível. Por

isso e outras coisas a oração é um grande desafio. Mesmo assim Clinibell acredita no valor e

utilidade da oração para cura, libertação e crescimento em direção à integralidade humana

porque a oração parte do centro da integralidade que é o espírito. O autor incentiva

conselheiros/as a ter uma disciplina de oração além de orar com aconselhados/as e ensiná-

los a praticar a oração como forma de cura e crescimento.

Uma ferramenta muito útil para a concentração é a prática da meditação que ajuda tanto

na oração como na reflexão bíblica e principalmente a refletir sobre os próprios problemas

espirituais e emocionais. O autor cita um exercício muito interessante para relaxamento e

meditação que ajuda a usar a imaginação em prol da libertação de tudo que incomoda ao

redor e concentrar no cerne da integralidade que é o espírito. A partir do momento que a

pessoa tem consciência de si mesma e pode transcender suas crises com sua mente encontra

forças pra crescer.

Práticas como a leitura da Bíblia, oração, meditação e imaginação fortalecem o uso do

lado direito do cérebro e podem ser muito úteis na poimênica. Também o uso das percepções

feministas é muito importante para o crescimento espiritual. As mulheres por muito tempo

foram inibidas de pensar e falar sendo consideradas como dependentes dos homens, mas

hoje é possível perceber um enorme desenvolvimento como fruto da participação feminina

na sociedade.

Clinibell chama atenção para o cuidado com o machismo embasado no sistema

patriarcal das famílias tradicionais, na cultura bíblica judaica e no massivo número de

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
39
pastores homens diante da expressiva maioria feminina nas igrejas como forma de legitimar

um autoritarismo masculino que inibe o crescimento. Para isso o autor recomenda a leitura

de textos de teólogas e terapeutas femininas que podem ser formadoras de uma opinião mais

aberta para a contribuição feminista atual.

O/a pastor/a precisa também de subsídios espirituais para sua vida pessoal. Sua

confiança pessoal, sua forma de crer, sentir e ver a vida e a morte influenciará diretamente

no aconselhamento pastoral. Por causa disso o autor orienta a busca contínua de crescimento

espiritual para o bom desenvolvimento da alma do/a pastor/a bem como de sua teologia

viva e amaneira como lida com sua própria ansiedade e problemas existenciais.

É preciso tomar muito cuidado com a imagem do/a pastor/a com um/a super -

herói/heroína. Deus usa o/a pastor/a muito além de sua capacidade ou condiçes espirituais,

mas é importante que se prepare e cuide de si mesmo para estar bem podendo cuidar de

outras vidas. Antes, durante e depois do aconselhamento é preciso orar e pedir ao grande

Conselheiro que ajude e flua pela fragilidade humana através do Espírito potencializando

cura, libertação e crescimento.

Howard Clinibell aponta algumas terapias contemporâneas que têm sido uma esperança

futurística no aconselhamento pastoral com respeito a questões espirituais:

- perspectiva existencialista : enfatiza valores, criatividade, liberdade de escolha com

responsabilidade, autenticidade, ansiedade existencial como fruto de culpa ou até de alegria,

o ser e o sentido. Esse modelo de terapia é compatível com o pensamento hebraico-cristão

da maioria das pessoas quanto à compreensão do ser humano como um ser singular e

espiritual porque não é reducionista considerando a humanidade como um mecanismo

apenas.

- psicossíntese : é uma terapia rica em insights e métodos para o aconselhamento pastoral

centrada no crescimento com orientação espiritual. A psicossíntese foi desenvolvida pelo

psiquiatra italiano Roberto Assagiolo.

No fim do capítulo mais um exercício de ensaio da realidade é recomendado com três

tipos de situações-problema podendo ser representados pelo papel do/a paroquiano/a

baseado em causas reais no meio do grupo:

Primeiro - Sobre conflitos, dúvidas ou confusão de ordem religiosa;

Segundo - Uma mulher que não se conforma com os termos masculinos para falar

de Deus e quer saber se é aceita como mulher;

Terceiro - Um homem de classe média está fraco na fé por causa de problemas de

saúde e a esposa desanimada por causa de dívidas com medicamentos.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
40
Nos três casos representados o/a paroquiano/a procura o/a pastor/a que deve aconselhar

baseado no conteúdo deste capítulo. Enquanto isso o observador ou monitor faz um

feedback para enriquecer o conteúdo do grupo. Os papéis podem ser trocados para fazer o

aconselhamento em três sessões. O capítulo termina com uma rica bibliografia indicada

sobre aconselhamento espiritual.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
41

CONCLUSÃO

O texto estudado tem um conteúdo prático e relevante para a poimênica e o

aconselhamento pastoral além de ser f ruto de experiência pastoral e conteúdo teórico-

terapêutico profissional. O autor utiliza uma linguagem poética evangelical em conjunto

com termos técnicos da psicoterapia pastoral dando o significado aplicado par a os termos

apresentados.

Certamente o autor é alguém que vive o que transmitiu porque o aconselhamento é

apresentado de forma muito simples e prática, podendo ser exercido por qualquer pessoa que

realmente deseje ajudar alguém. Contudo o uso de métodos pode ser ineficaz se não estiver

preenchido da essência apresentada claramente que é a vida com Deus.

Dentre as inúmeras contribuições da leitura para o ministério pastoral, posso destacar

primeiramente a necessidade contínua de aprendizado e o não conformismo com as

experiências passadas para estar aberto ao novo. Em segundo lugar, nunca perder de vista o

caráter curador e potenciador do ministério. Em terceiro a valorização da vida humana de

maneira integral e em particular das pessoas e seus corpos que têm sido alvo maior de crises.

E em quarto lugar a busca constante de tornar a Igreja uma comunidade saudável para tratar

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
42
vidas terapeuticamente e para isso como pastor também preciso estar bem tendo forças para

levantar o meu próximo.

A mensagem central do texto é que o sucesso do aconselhamento pastoral está ligado

a poimênica vivida na igreja local e a dedicação pastoral em treinamento e experiência

com aconselhamento. Para isso é importante muita leitura sobre o assunto, participar

sempre que possível de treinamentos na área de terapia, formar grupos de ensaio da

realidade e dedicar tempo para estar com as pessoas para aprender como trabalhar com

elas em meio a seus relacionamentos.

Aconselhar é um processo vivo que transmite vida para quem perdeu o sentido na

vida. É preciso disposição para estar neste processo doando ou recebendo vida.

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte
43

UBERABA – MG – Filemom Escola Superior de Teologia – Aconselhamento Cristão – Pr. Mateus Duarte

Você também pode gostar