Você está na página 1de 11

1

O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

Autor: Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira- Terapeuta holístico filiado ao Sindicato


Nacional dos Terapeutas (SINTE) - CRT 38481, sendo instrutor em Magnified
Healing e nos seguintes sistemas de Reiki: Usui Reiki Shiki Ryōhō (tradicional),
Usui-Tibetano (do International Center for Reiki Training), Tibetano, Karuna
Reiki, Karuna Ki, Tera Mai, Nwyre e Supraluminar Magnificado.

O Sistema Reiki:

“É um processo energético de interligação como o nosso Eu Maior, nosso


Mestre Interior, nosso Cristo Interno, baseado não só na Harmonia e no Equilíbrio,
como também no atendimento à Lei do Serviço a Deus e ao próximo”.

(O autor deste trabalho)

O Sistema Reiki:

 nos cura;
 nos acalma;
 nos eleva;
 nos enleva;
 apazigua nossos medos;
 acalenta nossos sonhos;
 finda tantas das nossas dores;
 nos orienta para a Luz;
 e ele próprio é Luz.

Essa dádiva, esse presente divino, estará sendo compartilhada com você!”.

[Maria da Conceição Fittipaldi Rodrigues (Mallika)]


2
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

Gratidão e Respeito:

 “Reiki ni Rei (霊気に礼; Seja grato e respeite o Reiki);


 Sensei ni Rei (先生に礼; Seja grato e respeite o professor);
 Otagai ni Rei 1 (お互いに礼; Seja grato e respeite os outros)”.

(James Deacon)

Felicidade:

Não existe caminho para a felicidade, pois a felicidade já é o caminho”.

(Autor desconhecido - adaptado pelo autor deste trabalho)

Antes de mais nada, analisemos a palavra Reiki:

Reiki [kanji: 霊気; traduções: Energia Espiritual ou Energia guiada pela Alma Universal
(Divindade)] - Rei [kanji: 霊; pronúncia: no rōmaji (a romanização do japonês), o “ r” é
sempre uma consoante vibrante alveolar. Mesmo quando a palavra é iniciada com a le-
tra “r”, a pronúncia não é feita como “rr”. Então, o “R” de “Reiki” é pronunciado, por
muitas pessoas, praticamente conforme nas palavras “faro”, “cara”, “paro”, “farinha”,
etc., e não como nas palavras Raíssa, Rosa, Raul, Romário, etc. Entretanto, muita gente
pronuncia entre “r” e “l”, alguns mais para o “r” e outros mais para o “l”. Pessoas que
estiveram no Japão disseram ter ouvido praticamente “Leiki”. É comum “escutar-se” no
Japão, principalmente em músicas, o som parecido com o do “l” em português, porém,
na verdade, é algo entre “r” e “l”, mais para o “r” em alguns casos e mais para o “l” em
outros. Porém, lá não existem os sons de R(r) e L(l) “puros”, conforme em nosso idioma,
mas algo entre ambos. Portanto, para a palavra “Reiki”, pela pronúncia oficial do idioma
japonês, aconselhamos mais para o “r” fraco, conforme acima sugerido (“faro”, “ca-
ra”...), com uma leve “puxadinha” para o “l”, a exemplo de Fuminori Aoki-Sensei em
Tóquio, 2011, no vídeo <https://www.youtube.com/watch?v=PIXCjEZ7pLA>; tradu-
ções: Alma Universal (Divindade), alma (o aspecto espiritual do ser humano em contraste
com o físico), fantasma e espiritual] - Ki [kanji: 気; pronúncia: qui; traduções: neste
contexto é energia sutil ou Energia Universal da Vida (aquilo que possibilita que uma
alma vibre em um corpo, ou seja, é equivalente ao Prāṇa dos indianos), mas o caractere
pode também ser traduzido como ânimo, estado de espírito, têmpera, personalidade, hu-
mor, clima, moral, consciência, atmosfera, ar, gás, vapor e sopro]. Para maiores detalhes

1 No final de cada uma das três últimas expressões, aparece a palavra ‘Rei’ (kanji: 礼) que, neste caso, é
uma expressão de gratidão e respeito, não sendo o mesmo ‘Rei’ (kanji: 霊) que aparece na palavra Reiki.
Muitas pessoas a traduzem como sendo “curve-se” ou “curvar-se”, pois elas confundem o sentimento de
gratidão e respeito com a demonstração de tal sentimento, que é o ato de curvar-se, isto é, fazer uma vênia
ou saudação respeitosa. Ocorre que no Oriente, de um modo geral, as pessoas curvam-se ao saudarem-se.
3
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

sobre a pronúncia entre “r” e “l”, indicamos a leitura do item 2, na página 4.3 do anexo
que será postado logo a seguir.
Falar em “Energia Reiki” ou “Energia do Reiki” seria redundante: “Energia da
Energia Espiritual” ou “Energia da Energia da Alma Universal”. Entretanto, usar o ter-
mo “Reiki” sem especificações pode dar margem à citada interpretação errada, pelo que
optamos por usar sempre “Sistema Reiki”, isto é, “Sistema via Energia Espiritual” ou
“Sistema via Energia da Alma Universal”, bem como a expressão “Terapia Reiki”.
Muitas pessoas imaginam que em tal sistema atua apenas uma energia, chamada
pelos japoneses de Ki2 , e definido como sendo: (1) Energia vital associada à respiração;
(2) Energia invisível, sendo também equivalente aos termos sânscrito Prāṇa3 e Prāṇaśakti,
aos termos chineses Ch’i4 ou Qi, ao termo sufi Baraka, ao termo hebraico Rúach5, ao ter-
mo grego Pneúma6, ao termo latino Spiritus (traduzido como Espírito, mas que não se tra-
ta, originalmente, de um sinônimo de Alma e nem de uma Alma desencarnada); (3) Ar;
(4) Sopro (Energia); (5) Humor; etc. No entanto, veremos logo a seguir que não é assim!

2 Ki (kanji antigo: 氣; kanji moderno: 気).


3 A base nominal desta palavra do gênero masculino é prāṇa (devanāgarī: प्राण; pronúncia: prâânâ; tra-
dução: sopro de vida, no sentido de energia vital). Segundo a escritura Upaniṣad, trata-se da Energia Vital
Universal que permeia o Cosmos e é absorvida pela respiração e pelos chakra-s, constituindo a base do
segundo corpo do ser humano. Se fôssemos utilizar a gramática sânscrita, a palavra deveria ser declinada
no caso nominativo e no singular: prāṇaḥ (devanāgarī: प्राणः; pronúncias: “prâânâr” se não se não estiver

no final da oração e “prâânârrâ” se estiver). Se fosse no plural: prāṇāḥ (devanāgarī: प्राणाः; pronúncias:
“prâânââr” se não se não estiver no final da oração e “prâânâârrâ” se estiver). O plural prāṇas é
“aportuguesado”.

Quanto à palavra seguinte, Prāṇaśakti, teríamos também a declinação no caso nominativo e no sin-
gular: Prāṇaśaktiḥ (devanāgarī: प्राणशक्तः; tradução: Energia do Prāṇa ou Energia Prânica. Para a
grafia com as palavras separadas, nossos consultores de sânscrito, os irmãos Segal, informaram que a pri-
meira palavra deve ser declinada no caso genitivo e a segunda no caso nominativo: Prāṇasya Śaktiḥ
(devanāgarī: प्राणस्य शक्तः).
4 Romanização Wade Giles: Ch’i e pronúncia “tchi”; romanização Pinyin: Qi e pronúncia “qui” (kanji
antigo: 氣; kanji moderno: 气; traduções: ar, gás, vapor, sopro, espírito, energia universal, aquilo que
possibilita que uma alma vibre em um corpo, ou seja, é equivalente ao Prāṇa dos indianos).

5 Rúach [hebraico bíblico ou quadrado: ‫רוח‬ ; hebraico massorético: ַ‫רּוח‬ ; transliteração alternativa:
Ruach; pronúncia: rúarr, sendo o primeiro “r” fraco (como em “caro”) e o segundo forte (como em “rua”);
tradução do AT (Tanach): vento, ar, fôlego, ou melhor, a energia divina (que mais tarde seria traduzida
por espírito) contida no hálito, expiração, alento, bafo, fôlego ou sopro divino (Neshamá), insuflada na
matéria. A palavra fôlego tem duas conotações, para quem recebe (homem, animais, etc), e para quem o
concede (Deus) e por isso deve ter o seu sentido bem avaliado. Ela é Rúach quando se trata do fôlego
recebido e é Neshamá quando se trata do fôlego projetado por Deus; tradução dos cabalistas: é o segundo
nível da alma, levando o homem a pensar e aspirar pelos estudos superiores da vida (filosofia, astrologia,
medição e sabedoria esotérica)].

6Pneúma (grego: πνεῦμα; pronúncia: pneúma; tradução: vento, ar ou fôlego; português: Pneuma).
4
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

A pergunta que não quer calar é como ocorre o processo Reiki? Bem, a exceção de
alguns poucos céticos, grande parte da humanidade crê na existência de uma Fonte Uni-
versal, Infinita, Eterna, Sagrada, etc, conhecida por muitas denominações: A Fonte Que
Tudo É, A Energia Procriadora, O Pai-Mãe do Cosmos, Sonten7, etc. A bem da verdade,
Deus não tem sexo e não é um Ser específico. Usando um modelo bem simples, Deus é
comparável a uma Rede Infinita e Multidimensional de Luz Pura, Eterna e Sagrada,
permeando toda a Criação e nutrindo-a com sua Energia. Ao ser contatado, através
de uma prece ou uma sintonização, a Divindade age através de uma energia adicional,
podendo a mesma ser considerada uma energia canal da mesma com finalidades de cura,
iluminação etc, e que é nomeada de muitas formas: Shinki8 pelos japoneses, Tiān Ch’i9
pelos chineses, Rúach HaCódesh10 pelos judeus, Mahāprāṇa11 pelos indianos, Fohat pelo
teosofistas12, devido a Helena Petrovna Blavatsky13 [termo que ela adaptou quando esteve

7 Sonten (kanji: 尊天).

8 Shinki (kanji:神気; tradução: Energia Divina) - ‘shin’, também lido como ‘kami’ (kanji: 神; tradução:
deidade, divindade ou divino) + ‘ki’ [kanji: 気; tradução: energia sutil (Prāṇa)].

9 Tiān Ch’i (kanji antigo: 天氣; kanji moderno: 天气; tradução: Energia Celestial) - ‘Tiān’ (kanji: 天
; tradução: céu, celestial, dia) + ‘ch’i’ (kanji antigo: 氣; kanji moderno: 气; traduções: ar, gás, va-por,
sopro, espírito, energia universal, aquilo que possibilita que uma alma vibre em um corpo, ou seja, é
equivalente ao Prāṇa dos indianos). Em um dicionário de chinês o termo Tiān Ch’i é traduzido como tempo
(meteorológico), mas no presente contexto a tradução é Energia ou Prāṇa Celestial.
10 Rúach HaCódesh (hebraico bíblico ou quadrado: ‫ ;רוח הקדש‬hebraico massorético: ‫הַ קֹּ דֶ ש‬
ַ‫ ;רּוח‬transliteração alternativa: Ruach HaCodesh).
11 Mahāprāṇa (devanāgarī: महाप्राणः; pronúncia: mârrââprâânâ; tradução: Grande Prāṇa, não deven-
do ser confundida com outra energia denominada, de Prāṇaśakti ou simplesmente de Prāṇa, que já foi
anteriormente abordada). Se fôssemos utilizar a gramática sânscrita, o composto Mahāprāṇa com as duas
palavras integrantes escritas juntas, deveria ter a segunda palavra declinada no modo nominativo e no
singular: Mahāprāṇaḥ (devanāgarī: महाप्राणः; pronúncias: “mârrââprâânâr” se não se não estiver no final
da oração e “mârrââprâânârrâ” se estiver). Também segundo os irmãos Segal, uma variante, escre-vendo as
palavras separadas seria Mahān Prāṇaḥ (devanāgarī: महान ्
प्राणः). “Mahā” vem do adjetivo “Mahat”.
Esse adjetivo, declinado no nominativo masculino singular (para concordar com “Prāṇaḥ”), é “ Mahān”, o
que justifica a construção em tela.

12 A Sociedade Teosófica (S.T.) surgiu a partir de uma primeira reunião em 7 de setembro de 1875, na
Cidade de Nova York, e teve sua primeira ata lavrada no dia seguinte, tendo como principais fundadores
Helena Petrovna Blavatsky, o coronel Henry Olcott, indicado seu primeiro presidente e William Quan
Judge, primeiro secretário, num total de 16 membros fundadores. O discuros original foi realizado pelo
presidente fundador Henry Olcott em 17 de novembro de 1875 data que é considerada oficial de funda-ção
da S.T.
13 Blavatsky [Helena Petrovna Blavatsky (1831 - 1891)] - nascida Helena Petrovna Hahn, foi uma das
figuras mais notáveis do mundo no último quartel do século XIX. Ela abalou e desafiou de tal modo as
correntes ortodoxas da Religião, da Ciência, da Filosofia e da Psicologia, que é impossível ficar ignorada.
Foi uma verdadeira iconoclasta ao rasgar e fazer em pedaços os véus que encobriam a Realidade. Mas,
5
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

estudando com os tibetanos], Pneúma Hagios14 pelos gregos, Spiritus Sanctus pela Bíblia
Vulgata Latina e Energia do Espírito Santo pelos cristãos em geral. Conforme já dito, não
se trata da própria divindade, mas sim de uma energia canal enviada pela mesma e que,
antes de nos atingir, passa por uma série de calibrações, efetuadas pelos Regentes Cós-
micos. Se a mesma nos atingisse na intensidade em que é gerada pela Fonte Universal
nós seríamos desintegrados! Podemos, inclusive, fazer analogia com um grande sistema
de energia elétrica: para transmitir grandes blocos de energia, geradas por uma determi-
nada usina, a voltagem (tensão elétrica, diferença de potencial, d.d.p., etc.) é aumentada
por transformadores elevadores. Proximamente aos centros de carga, a voltagem é então
reduzida pelos transformadores abaixadores e, perto de nossas residências, a voltagem é
diminuída ainda mais, por aqueles transformadores situados, normalmente, em postes. O
motivo é óbvio: nossos aparelhos eletrodomésticos não têm capacidade de isolamento
para serem ligados em altas tensões. Se o fossem, certamente queimariam, ou até mesmo
explodiriam! Em um modelo físico 3D, esta energia canal descendente é vista, de forma
clarividente, como uma coluna cilíndrica de Luz, com um diâmetro de 10 cm ou mais,
numa combinação das cores branca (predominante), violeta e amarelo-dourado, tendo,
realmente, um aspecto deslumbrante! Os cristãos a denominam Descida do Espírito
Santo, simbolizado-a por uma pomba branca. Repare que os artistas expressam tal si-
tuação em quadros do Divino Mestre Yeshu’a15 (Jesus) e dos santos, com uma coluna de
luz no topo de suas cabeças e uma pomba pairando logo acima.

porque estivesse a maioria presa às exterioridades convencionais, tornou-se o alvo de ataques e injúrias,
pela coragem e ousadia de trazer à luz do dia aquilo que era blasfêmia revelar. Lenta, mas seguramente, os
anos se encarregaram de fazer-lhe justiça.
Para ilustrar suas afirmações, escreveu Isis Unveiled (Ísis sem Véu), em 1877, e The Secret Doctrine (A
Doutrina Secreta), em 1888, obras ambas ditadas a ela pelos Mestres. Em Ísis sem Véu, lançou o peso da
evidência colhida em todas as Escrituras do mundo e em outros anais contra a ortodoxia religiosa, o mate-
rialismo científico e a fé cega, o ceticismo e a ignorância. Foi recebida com agravos e injúrias, mas não
deixou de impressionar e esclarecer o pensamento mundial.
Quando foi para os EUA, um de seus objetivos mais importantes consistiu em fundar uma associação,
que foi formada sob a denominação de The Teosofical Society (A Sociedade Teosófica), para pesquisar e
difundir o conhecimento das leis que governam o Universo. A sociedade apelou para a fraternal coopera-
ção de todos os que pudessem compreender o seu campo de ação e simpatizassem com os objetivos que
ditaram a sua organização.
Sua obra e seu exemplo de renúncia permanecem intocados até os dias de hoje, tendo servido de exem-
plo edificante para muitas gerações de Guerreiros e Servidores da Luz.
14Pneúma Hagios (grego: πνεῦμα ὰγίος; pronúncia: pneúma águios) - Hagios (grego: ὰγίος; pronúncia:
águios; tradução: santo ou sagrado).

15 O Divino Mestre Jesus era um nativo de língua aramaica e, neste idioma, seu nome é Yeshu’a (hebraico:

‫ ;ישוע‬aramaico siríaco: ; pronúncia: iêchúa), segundo o Prof. Fabio Sabino, um grande estu-

dioso do hebraico e do aramaico. No entanto, existe também a versão Yehoshua (hebraico: ‫;יהושוע‬
pronúncia: iêrrochúa), do tempo cativeiro na Babilônia (598 a.C.- 538 a.C.). Após este período a grafia
evoluiu e, no tempo de Jesus, a forma Yehoshua já tinha sido abreviada para Yeshu’a. Na versão peshitta
6
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

Fig. 1 - Shinki em kanji estilizado.

Este fluxo energético atua sobre o aplicador ou terapeuta reikiano, sensibilizando,


SEMPRE o chakra coronário superior do mesmo [Vide parte (c) da figura 3], diferen-
temente de outros sistemas que trabalham, às vezes, apenas com a Energia Ki. No entan-
to, o que conta é que esta Energia chamada Shinki, faz o sistema de chakra-s16 do apli-
cador ser sobreativado, de modo a inserir em sua malha energética [chakra-s e nāḍī-s17
(meridianos da Acupuntura incluídos)] mais Energia Universal da Vida, Ki, Ch’i, Qi,
Prāṇa, Rúach ou qualquer uma das muitas denominações que a ela atribuíram. Os russos
a chamam de Bioplasma ou Bioenergia, os franceses de Élan Vital e os kahunas (xamãs

da Bíblia, escrita em aramaico siríaco, o nome que aparece é Yeshu’a. A forma Yaohoshua (pronúncia:
iaorrochúa) não é correta, embora defendida por “experts” na Internet. O Novo Testamento foi origi-
nalmente escrito em grego koiné (grego: kοινή; pronúncia: coinê). Assim sendo, pode-se afirmar que o
Novo Testamento é um compêndio cuja alma é hebraico-aramaica, ao mesmo tempo em que o corpo é he-
lênico, ou, melhor, um compêndio em que o pensamento semita se exibe em roupagem grega e, neste idi-
oma o nome hebraico/aramaico Yeshu’a ficou sendo Iesous {grego: Ἰησοῦς [Substituíram o “ayin” final da

língua hebraica “‫”ע‬, que não tem equivalente em grego, por um “sigma final “ς” (o “s” grego no final
das palavras). Também o grupo “sh” que representa a consoante shin “‫”ש‬, por não haver em grego som
correspondente a essa consoante fricativa palatal, que soa como “xis” (conforme, por exemplo, a palavra

eixo), foi substituída por sigma “ σ” (o “s” grego não no final das palavras), também fricativa, mas
linguodental, que em grego, mesmo entre vogais, soa como “ss”]; pronúncia: iêssúss (O ditongo grego “ou”
é pronunciado com som de “u”. Em português não existe palavra terminada em “ss”. Isto só foi colocado
desta forma para frisar que a letra sigma é sempre pronunciada com prolongamento)} e, mais tarde, para o
latin, Jesus (com o “j” pronunciado como “i”) ou Iesus. O emprego da letra “j” para representar “i
consonântico” em latim ocorreu na época do Renascimento, e foi difundido por Pierre de la Ramée, também
conhecido como Petrus Ramus. A expressão “letra ramista”, ficou sendo uma designação comum dada às
consoantes “j” e “v”, em homenagem a ele, que primeiro as distinguiu das vogais “i” e “u” em textos
franceses. Em tempo: as informações do grego e do latim vieram do Prof. José Manuel Villar Serrano.

16 A base nominal da palavra é: cakra (devanāgarī: चक्र; pronúncia: tchâcrâ). Se fôssemos utilizar a
gramática sânscrita a palavra deveria se declinada no caso nominativo. No singular temos: cakram (deva-
nāgarī: चक्रम; ् pronúncia: tchâcrâm). Já no plural: cakrāṇi (devanāgarī: चक्राक्ण; pronúncia: tchâcrâânî).
O plural chakras é “aportuguesado” e a grafia chakra -s indica isso.

17 A base nominal da palavra é: nāḍī (devanāgarī: नाडी; pronúncia: nââdîî; traduções: tubo, conduto, va-
so tubular no corpo, veia, pulso, fluxo, corrente ou torrente). No caso nominativo e no singular: nāḍī (de-
vanāgarī: नाडी; pronúncia: nââdîî). Já no plural: nāḍyaḥ (devanāgarī: नाड्यः; pronúncias: “nââdîâr” se
não estiver no final da oração e “nââdîiârrâ” se estiver). O plural nāḍīs é “aportuguesado” e grafia nāḍī-s
indica isso.
7
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

havaianos) de Mana. Os alquimistas chamavam-na de Fluido da Vida, Paracelso18, em


particular, de Munia, Brunler19 de Energia Biocósmica, Pitágoras20 de Pneúma e Hermes
Trismegistus21 de Telesma. Cada civilização, cada cultura, ou cada luminar em sua época
e costume, conheceu-a ou conhece-a por um nome diferente.

18 Paracelsus em latim e Paracelso em português [Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von


Hohenheim (1493-1541)] - foi um famoso médico, alquimista, físico e astrólogo suíço. Seu pseudônimo
significa “Superior a Celso”, referindo-se ao famoso médico romano.
19 Brunler [Oscar Brunler (1894-1952)]- foi um genial médico e físico inglês com muitos títulos pu-
blicados, na área da Psicometria, Radiônica, etc. Ele viajou pelos EUA apresentando seminários sobre suas
pesquisas.

20 Pitágoras [do grego Πυθαγόρας (571 a.C. - 497 a. C.)] - filósofo e matemático grego, nascido na ilha
de Samos e contemporâneo de Tales, Siddhārta Gautama (Buddha), Confúcio e Lao-Tsé. Ele foi o
criador da palavra filosofia (do grego Φιλοσοφία: philos - amor, amizade + sophia - sabedoria) e que hoje
em dia é uma disciplina, ou uma área de estudos, que envolve a investigação, análise, discussão, formação
e reflexão de ideias (ou visões do mundo) em uma situação geral, abstrata ou fundamental. Também foi o
criador da palavra Matemática (Mathematike, em grego, que deriva de “máthema” que significa ciência,
conhecimento ou aprendizagem, derivando daí “mathematikós”, que significa o prazer de aprender), tendo
sido o primeiro a conceber tal ciência como um sistema de pensamento calcado em provas dedutivas. É de
sua autoria o famoso teorema que afirma: “Em todo triângulo retângulo, a soma dos quadrados dos catetos
é igual ao quadrado da hipotenusa”. Descobriu também em que proporções uma corda deve ser dividida
para a obtenção das notas musicais dó, ré, mi, etc. Descobriu ainda que frações simples das notas, tocadas
juntamente com a nota original, produzem sons agradáveis, já que as frações mais complicadas, tocadas
com a nota original, produzem sons desagradáveis. Fundou uma escola mística e filosófica em Crotona
(colônia grega na península itálica), cujos princípios foram determinantes para evolução geral da
Matemática e da Filosofia ocidentais e os principais enfoques eram: harmonia matemática, doutrina dos
números e dualismo cósmico essencial. Esta escola ficou conhecida como Escola Pitagórica. O símbolo
utilizado pela mesma era o pentagrama, que, como descobriu o seu fundador, possui algumas propriedades
interessantes. Um pentagrama é obtido traçando-se as diagonais de um pentágono regular; pelas interseções
dos segmentos destas diagonais, é obtido um novo pentágono regular, que é proporcio-nal ao original
exatamente pela razão áurea.

21 Em latim: Hermes Trismegistus; em grego: Ἑρμῆς ὁ Τρισμέγιστος; tradução: Hermes, o três vezes
grande. É o nome dado pelos neoplatônicos, místicos e alquimistas a Thoth, Sacerdote-Rei atlante, fun-
dador de uma colônia no antigo Egito, após a submersão da Atlântida. Ele foi o insigne construtor da grande
pirâmide de Gizé, feito até hoje atribuído ao Faraó Quéops. Nessa pirâmide, Thoth ocultou seus registros
baseados na sabedoria antiga, bem como, instrumentos dos antigos atlantes.
Durante um período de 16 000 anos, Thoth governou a antiga raça egípcia. Naquele tempo, a raça que
habitava as terras de Khen – como se chamava o antigo Egito – era constituída de gente bárbara. Durante
o longo tempo em que Thoth e seus discípulos permaneceram nessas terras, eles elevaram esse povo a um
alto grau de civilização e cultura.
Thoth conseguiu tornar-se imortal, ou melhor, conquistar a morte, somente passando por este estado-de-
ser, quando ele próprio o desejou e não por força da degradação física que atinge os mortais comuns. A
grande sabedoria de Thoth fê-lo dirigente de várias colônias de atlantes no Egito e nas Américas do Sul e
Central.
Quando chegou o tempo de deixar o Egito, Thoth construiu a grande pirâmide de Gizé, por cima da
entrada para os Salões de Amenti. Nessa pirâmide, Thoth guardou seus registros e, em seguida, nomeou
guardas desses documentos, os quais foram escolhidos dentre os maiores de sua gente. Posteriormente, os
descendentes desses guardas se tornaram sacerdotes da pirâmide e Thoth foi considerado o Deus da Sa-
bedoria e o Conservador dos Registros, pelos filhos de Khen que seguiram sua doutrina.
Segundo a lenda, os Salões de Amenti – os Salões dos Deuses – estão localizados no coração do mun-
do, onde as almas dos homens são submetidas, após a morte, ao julgamento pelo Deus Osíris.
Com o tempo, o Ser-Real (Alma) de Thoth, segundo o relato das Tábuas de Esmeralda, passou a residir
nos corpos de homens escolhidos e, como tal, Thoth encarnou três vezes e, em sua última experiência, fi-
cou conhecido como Hermes Trismegistus, o três vezes nascido ou três vezes grande. Nesta última encar-
8
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

Fig. 2- Esquema.

Esse excesso de Ki, Prāṇa, Ch’i (Qi), etc., que vem do ar, do solo, das reservas hí-
dricas e dos vegetias, é então qualificado por Shinki (Fohat, Mahāprāṇa, Tiānch’i, Espí-
rito Santo, etc.) em três centros que os japoneses chamam de Tanden Superior, Tanden
Médio e Tanden Inferior (Jōtanden, Chūtanden e Seikatanden-vide figura 5.14 na sub-
seção 5.4.4 do capítulo 5). Normalmente, ocorre a projeção pelos chakra-s palmares e das
pontas dos dedos das mãos do aplicador, sendo também possível projetar através da
exalação, bem como dos chakra-s dos olhos, das solas e dos de-dos dos pés22. Esta pro-
jeção de Ki qualificado é nomeada de Reiki pelos japoneses e de Lingch’i23 pelos chi-
neses, ou seja, o Sistema Reiki é o resultado da atuação de Shinki sobre o Ki suplementar
em nosso corpo, já que a Alma é constituída por Shinki. Em tempo: o processo de
qualificação é imediato, conforme ocorre ao acionarmos o interruptor de luz e a lâm-pada
acender quase que instantaneamente! Isso é o que TODO Mestre em Reiki deveria saber
e passar aos os seus estudantes! Ou será que vão continuar, eternamente, usando certas
“frases feitas”, mas muito rentáveis e de efeito, como: “Reiki é amor”! “Reiki é a Energia
Universal da Vida”! Isso nós já sabemos há muito tempo!
Também podemos encarar tal fenômeno como uma projeção da Energia Universal
da Vida sendo guiada pela Divindade, o que faz então TODA a diferença e não permite
que tal processo seja utilizado para fazer mal a quem quer que seja! Então “Reiki” não é,
por assim dizer, uma “nova energia”, mas sim uma projeção da “velha e conhecida” Ki,
só que controlada, qualificada, potencializada (“turbinada”), por Shinki, com vistas a
energizar, guiar, equilibrar, curar e iluminar. Entretanto, se preferirmos chamar este Ki
potencializado de “Reiki”, aí está valendo!

nação, Thoth deixou o escrito chamado pelos ocultistas modernos de As Tábuas de Esmeralda, a última e
singela exposição dos antigos mistérios.
22Vide comentários na página 84, bem como a nota de rodapé nº 126, para ver que o Usui-Sensei real-
mente utilizou tal variedade de meios de projeção.

靈氣; kanji moderno: 灵气). A única diferença entre os dois termos, japo-nês
23 Lingch’i (kanji antigo:

Reiki (kanji antigo: 靈氣; kanji moderno: 霊気), e o chinês Lingch’i, escritos na forma moderna, reside
na maneira de pronunciar os ideogramas.
9
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

(a) (b) (c)

(d) (e) (f)

(g)

(h)

Fig. 3- Representações do processo Reiki.


10
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

Bem, então para finalizar, os japoneses consideram que existe um tipo de Prāëa di-
vino, que é o Shinki, já abordado e outros seis tipos de Ki (Prāëa) que circulam pelo nosso
organismo. No entanto, antes de citá-los é conveniente ressaltar que a língua japonesa é
muito complexa, com muitos dos ideogramas ou caracteres admitindo diferentes pro-
núncias e significados, dependendo do contexto e também dos outros caracteres com os
quais eles forem combinados. Assim, nos nomes a seguir o caracter 気 será algumas
vezes pronunciado como Ki e outras como Ke.

1º) Kekki24 (kanji: 血気; tradução: Energia do sangue).

Fig. 4- Kekki em kanji estilizado.

2º) Shioke25 (kanji: 塩気; tradução: Energia dos sais minerais).

Fig. 5- Shioke em kanji estilizado.

3º) Mizuke26 (kanji: 水気; tradução: Energia da água).

Fig. 6- Mizuke em kanji estilizado.

4º) Kūki27 (kanji: 空気; tradução: Energia do ar).

24 Kek deriva da palavra ketsu, que significa sangue (kanji: 血; tradução: sangue) + ki [kanji: 気; tradução:
energia (Prāṇa)].

25 Shio [kanji: 塩; tradução: sal (mineral)] + sangue) + ke [kanji: 気; tradução: energia (Prāṇa)].
26 Mizu (kanji: 水; tradução: água) + ke [kanji: 気; tradução: energia (Prāṇa)].

27 Ku (kanji: 空; tradução: ar, atmosfera) + ki [kanji: 気; tradução: energia (Prāṇa)].


11
O Sistema Reiki Paulo Cesar Pfaltzgraff Ferreira

Fig. 7 - Kūki em kanji estilizado.

5º).Denki28 (kanji: 電気; tradução: Energia elétrica).

Fig. 8- Denki em kanji estilizado.

6º) Jiki29 (kanji: (kanji: 磁気; tradução: Energia magnética).

Fig. 8- Jiki em kanji estilizado.

28 Den (kanji: 電; tradução: eletricidade, elétrica) + ki [kanji: 気; tradução: energia (Prāṇa)].

29 Ji (kanji: 磁; tradução: magnetismo, magnética) + ki [kanji: 気; tradução: energia (Prāṇa)].

Você também pode gostar