Você está na página 1de 23

UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP

INARA GABRIELY DE LIMA DOS SANTOS

RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NA ESCOLA ESTADUAL DE


ENSINO INFANTIL O PEQUENO PRINCÍPE

MACAPÁ-AP
AGOSTO DE 2021

1
INARA GABRIELY DE LIMA DOS SANTOS

RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO NA ESCOLA ESTADUAL DE


ENSINO INFANTIL O PEQUENO PRINCÍPE

Relatório de Estágio apresentado à Universidade


Paulista, como parte dos requisitos para a obtenção do
título delicenciada em Administração.

Orientador: Não houve orientador

MACAPÁ-AP

AGOSTO DE 2021

2
RESUMO

O presente artigo tem o propósito de relatar as experiências desenvolvidas no processo


de desenvolvimento do Estágio na Escola de Educação Infantil O Pequeno Príncipe do
Curso de Administração da Universidade Paulista de Macapá. As experiências
desenvolvidas envolveram situações diferenciadas de aprendizagem e formação. As
atividades aconteceram a partir de observações de elaboração de plano de trabalho,
preparação pedagógica para as intervenções didáticas junto com as crianças entre 1a 5
anos. Nas observações participantes, foi desenvolvido um diagnóstico sobre a realidade
e cotidiano infantil e do trabalho pedagógico docente, tendo como situação de
observação, a interação com as crianças de 1 a 5 anos. Além do relato, buscamos
desenvolver leituras e estudos referente a prática pedagógica docente na educação
infantil e, ainda, sobre a importância da escola conseguir integrar de forma coerente
todos os conteúdos constantes nos projetos trabalhados, além do relato geral das
observações e participações das atividades realizadas com as crianças no ano letivo de
2021.1, Realizamos também as intervenções para compreendermos como é vivenciar o
cotidiano de uma escola. Consideramos o estágio como parte importante do nosso
processo de formação, sendo este o elemento que nos possibilita uma interação mais
próxima com o cotidiano e as vivências da escola infantil e, consequentemente, no
âmbito da Administração.

Palavras-Chave: Educação, experiências, cotidiano, administração

ABSTRACT

This article aims to report the experiences developed in the development process
of the Internship at the School of Early Childhood Education O Pequeno Príncipe of
the

3
Administration Course at Universidade Paulista de Macapá. The experiences developed
involved different learning and training situations. The activities took place based on
observations of the elaboration of a work plan, pedagogical preparation for didactic
interventions with children aged 4 5 years. In the participant observations, a diagnosis
was developed about the reality and daily life of children and the teaching pedagogical
work, having as an observation situation, the interaction with children aged 4 to 5 years.
In addition to the report, we seek to develop readings and studies regarding the teaching
practice of teaching in early childhood education, and also about the importance of the
school being able to coherently integrate all the contents contained in the worked
projects, in addition to the general report of observations and participation in theactivities
carried out. with children in the 2021 school year, We also carry out interventions to
understand what it is like to experience the daily life of a school. We consider the
internship as an important part of our training process, which is the elementthat enables
us to interact more closely with the daily life and experiences of the kindergarten and,
consequently, within the scope of Administration.

Keywords: Education education, experiences, daily life, administration

4
SÚMARIO

APRESENTAÇÃO

RESUMO

INTRODUÇÃO

1. Da adaptação e intervenção pedagógica ......................................................... 09


1.2 Do roteiro para a adaptação dos alunos nas atividades principais .................. 10
1.3 Principal atividade para uma real adaptação e socialização do educando .. 13
2. Da alfabetização ............................................................................................. 07

2.1 Comentário sobre a real situação observada sobre o processo de


alfabetização……………………………………………………………………15

2.2 Propostas de atividades da escola específicas para os alunos no processode


alfabetização ........................................................................................................15

2.3 Desenvolvimento da escola junto à música ................................................... 16

2.4 A análise sobre exploração das artes visuais trabalhadas em sala .................16

3. Natureza e sociedade no meio escolar ............................................................ 18

4. Na educação dos conceitos matemáticos desenvolvidos na escola O Pequeno


Príncipe………………………….……………………………………………...18

5. A alfabetização como recurso de integração dos conteúdos dos projetos ........ 19

5.1 A escola e os conteúdos constantes nos projetos trabalhados........................ 20

6. Conclusão .........................................................................................................21

7. Referências ...................................................................................................... 22

5
INTRODUÇÃO

O Estágio na Educação Infantil se consolida como uma rica oportunidade


derelacionamento entre teoria e prática, de vivência do cotidiano escolar, de convivência
com as crianças e de aprendizados. Neste artigo pretende-se apresentar os resultados do
estágio supervisionado, que ocorreu na Escola de Ensino Infantil O Pequeno Príncipe,
além de relatar as experiências desenvolvidas a partir deste processo de formação do
Administrador.
Nesse texto, tenho a intenção de caracterizar sucintamente o campo de
estágio, a fim de melhor situarmos o trabalho do Administrador em escolas da educação
Infantil observando e vivenciando junto às crianças. Em seguida apresento uma reflexão
sobre a alfabetização como recurso de integração dos conteúdos dos projetos.
Por fim, apresento minhas considerações sobre o que foi o estágio para a
formação, as contribuições, as dificuldades, as partes positivas e negativas nas
intervenções e sugestões para uma nova metodologia de trabalho.

6
DA ESCOLA

A escola em que o estágio foi realizado foi na Escola Estadual O Pequeno


Príncipe, localizado na Av. Pres. Vargas, 651, Central, Macapá/AP, do dia 05/08/2021
ao dia 15/08/2021. Sua proposta pedagógica foi elaborada em 2005, o PPP divide-se em
tópicos que abordam a organização do centro de educação infantil, os princípios
norteadores, a filosofia da escola, o planejamento, os projetos fixos e anuais, os projetos
sociais, bem como o planode avaliação e o calendário escolar.
A escola atende crianças de 1 a 5 anos em período, matutino e vespertino.
O funcionamento efetivo da escola se deu em 15 de novembro de 2005. Os alunos são
principalmente crianças de bairros próximos da escola. O Pequeno Príncipe atende 150
crianças em período da manhã e 150 no período da tarde, funciona de 07:15 às 18:15.
A Escola fundamenta-se no materialismo histórico e dialético, possui
objetivose fins, trabalha com o cuidar e o educar, incluindo os hábitos de higiene como
higiene bucal, alimentação, sono, repouso e proteção. A creche trabalha com a pedagogia
de projetos, permitindo que os alunos analisem problemas, situações e acontecimentos,
utilizando os conhecimentos presentes nas disciplinas. A prática de projetos segundo o
PPP da escola surgiu para romper com as práticas tradicionais e tornar o ensino mais
interessante e inclusivo.
No planejamento geral articula-se a Educação Infantil com o Ensino
Fundamental, existem os projetos anuais, os projetos sociais (natal solidário,
odontologia,projetos ambientais...), o plano de formação continuada dos profissionais da
escola, plano de avaliação institucional, calendário escolar.

A proposta prevê a organização do tempo e espaço, de modo a possibilitar


atividades criativas e enriquecedoras. O espaço deve viabilizar o movimento das crianças
na sala, deve conter espelhos, painéis, quadro de giz, prateleiras, brinquedos e objetos de
uso pessoal da criança, bancada com torneira e o banheiro.
A concepção filosófica é baseada nas ideias de alguns autores, no projeto
político pedagógico da escola, foram citados alguns nomes como: Paulo Freire, Piaget,
Vigotsky, Emilia Ferreira, Ana Teberosky e Telma Weiz. O construtivismo defende que
o aluno pode participar ativamente do processo de aprendizagem através da
7
experimentação, o erro não é visto com algo negativo, mas é visto como algo que faz
parte da aprendizagem durante o processo, o aluno é visto como um indivíduo ativo que
atribui sentido a tudo o que ele realiza sendo ativo durante todo o processo.
Os professores trabalham com apostilas para as crianças terem acesso aos
conteúdos, as apostilas não são as únicas formas de transmitir o conhecimento, são
propostas atividades baseadas nos eixos de forma lúdica, através de brincadeiras. As
professoras que trabalham no centro de educação infantil possuem o curso do magistério,
algumas professoras já são graduadas em Pedagogia e outras estão cursando, os demais
funcionários como secretária e serviços gerais possuem o ensino médio completo.

(Anexo pessoal, Escola de Ensino Infantil o Pequeno Príncipe)

8
1. A ADAPTAÇÃO E INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

Na observação, muitos elementos que envolvem o cotidiano escolar e que


puderam ser observados e avaliados. Pode-se perceber, durante as observações, que
predominantemente a relação professor e aluno era de interação, respeito, afeto,
amor e responsabilidade, assim facilitando a adaptação na escola.

1.1 ROTERIO PARA A ADAPTAÇÃO DOS ALUNOS NAS ATIVIDADES


PRINCIPAIS

Há o planejamento das atividades que precisam ser realizadas no cotidiano


escolar da instituição, elaborada pelos profissionais da mesma, que precisam ser
respeitadas e realizadas com os alunos seguindo o tempo reservado para tal atividade.
No decorrer do estágio eram realizadas observações e ações na sala. As
ações eram realizadas no momento de intervir na adaptação e no cotidiano do aluno,
sendo a princípio para ajudar os professores e alunos na hora da fila, escovar os dentes,
ao dar água, na alimentação, nas brincadeiras, recortes para pintura, organização das
pastas, entre outros.
Desenvolve-se com as crianças, atividades de pintura, percepção de um
objeto em desenho e para que ele é utilizado na realidade, encaixando, teatro, vídeo,
música, e todas essas atividades sempre focadas no aluno, sua aprendizagem, percepção,
habilidades motoras, na fantasia e imaginação das crianças. Ao final da observação pude
ver o quão significativas são as atividades planejadas e pensadas no processo de
aprendizagem e adaptação do aluno e o quanto os alunos correspondem de maneira
positiva o que desenvolvem em sala.
Após o período de observação e participação do cotidiano infantil,
trabalhandocom o projeto sobre “comunicações”. A partir desse processo, elaboramos
propostas de intervenção, com a elaboração de material para possível intervenção junto
às crianças.
A primeira atividade proposta foi formar uma roda com as crianças e
conversarsobre o que elas já sabem sobre os meios de comunicação, visto que as
professoras já
9
haviam iniciado o projeto. Utilizaram fantoches. Norteamos a conversa com base no
conhecimento que as crianças já possuíam.

Como percebi durante a observação da sala, as crianças gostam muito de


brincar com as peças de lego e criarem coisas. A segunda atividade foi mostrar na
televisão fotos de alguns meios de comunicação e pedimos para que com as peças de
lego, as crianças reproduzissem, criassem do seu jeito algum meio de comunicação. De
acordo com o Referencial Curricular para a Educação Infantil, BRASIL (1998, p. 28):

A brincadeira favorece a autoestima das crianças, auxiliando-as a superar


progressivamente suas aquisições de forma criativa. Brincar contribui, assim, para a
interiorização de determinados modelos de adulto, no âmbito de grupos sociais
diversos (...). Nas brincadeiras, as crianças transformam os conhecimentos que já
possuíam anteriormente em conceitos gerais com os quais brinca.

(Peça de lego).

A terceira atividade proposta foi que as crianças assistissem a um vídeo


lúdico que conta a história da invenção do telefone, depois conversamos com elas sobre
o vídeoe demos a atividade de ligar os pontos, por meio da sequência de números que
formamo desenho de um telefone.
A quarta e última atividade foi brincando com seu Lobo, em que uma
criança era escolhida para ser o lobo devendo permanecer um canto virado para a parede,
enquanto isso as demais crianças ficam afastadas, as crianças devem fazer perguntas ao
lobo e o lobo vai respondendo fazendo gestos.

Crianças: Seu lobo está?Lobo: Estou!


10
Crianças: O que você está fazendo?Lobo: Estou tomando banho!Crianças: O que você

está fazendo?

Lobo: Agora estou me enxugando! Crianças: O que você está fazendo?Lobo: Vestindo
a cueca!

Crianças: O que você está fazendo?Lobo: Vestindo a calça! Crianças: O que você está

fazendo?Lobo: Vestindo a camisa! Crianças: O que você está fazendo?Lobo:

Calçando a meia! Crianças: O que você está fazendo?Lobo: Calçando os sapatos!

Crianças: O que você está fazendo?Lobo: Penteando o cabelo! Crianças: O que você

está fazendo?Lobo: Estou pronto!

Nesse momento, o lobo sai correndo tentando pegar uma criança, aquela
que for pega será o lobo. Com a proposta dessa brincadeira as crianças se divertiram
muito, poisaconteceu o jogo simbólico, elas tiveram a oportunidade de assumir o papel
do lobo, deixando de lado suas necessidades para participar desse enredo.

11
1.2 PRINCIPAL ATIVIDADE PARA UMA REAL ADAPTAÇÃO E
SOCIALIZAÇÃO DO EDUCANDO

Sem dúvidas, a escola traça um roteiro que garante a adaptação dos alunos,
rotinas e convivências; seja entre professor e aluno e a classe em geral. A forma de
interagir com as crianças, não é apenas para educar, mas sim, mostrar para o aluno que
ali é onde tudo começa. O processo de adaptação pode ser muito difícil na infância, mas
necessário e importante. As brincadeiras lúdicas, a atenção do professor são fatores
determinantes.

Na primeira atividade, pude perceber a importância da comunicação na


infância,pois geralmente, é onde encontramos certos problemas para serem abordados. As
criançassão mais retraídas, mas quando interagem entre si e com os professores, acabam
tendo uma boa comunicação e consequentemente a adaptação na escola.

1.3 REFERÊNCIA CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUÇÃO INFANTIL


SEGUNDO A ESCOLA

O Projeto Pedagógico é o documento onde a Comunidade Escolar expressa


seusanseios, suas propostas voltadas à formação integral das crianças que ingressam na
instituição. Visa construir um rumo a ser seguido consolidando uma ação intencional,
com um sentido explícito, com compromissos definido coletivamente.

Nesse sentido o Projeto Pedagógico se configura numa ferramenta de


constanteplanejamento e avaliação que deve ser consultado a cada tomada de decisão.
Deve ser umdocumento vivo, ativo e eficiente no fazer pedagógico da Escola na medida
em que servede parâmetro para discutir as referências, experiências, além das ações de
curto, médio elongo prazo. A Escola de Educação Infantil O Pequeno Príncipe apresenta
seu Projeto Pedagógico acreditando no trabalho que realiza, tendo como meta a qualidade
no ensinoministrado e o sucesso na tarefa de educar cidadãos buscando o desenvolvimento
integraldas crianças em seus aspectos físicos, afetivos, intelectuais, linguísticos e sociais,
complementando a ação da família e da comunidade. O Projeto Pedagógico é o
documento que retrata um processo de construção de conhecimento e desenvolvimento

12
que está em constante mudança, cujos resultados são gradativos e desenvolvidos
num esforço comum e responsável.

2. DA ALFABETIZAÇÃO

O aprendizado é inerente ao ser humano que constrói conhecimentos a


partir da convivência com seus pares, onde a interação é o que permeia todo seu
desenvolvimento.Somente a convivência permite a estruturação dos diversos saberes que
fazem parte do cotidiano das crianças. O aprender é algo contínuo e como tal tem
características diversase acontece de forma sistemática e gradual de acordo com o nível
em que cada criança seencontra. No desenvolvimento dessas etapas o conhecimento se
transforma em um instrumento que passa a ser utilizado em todas as situações da vida,
numa construção e reconstrução permanentes. Ao interagir com o conhecimento a criança
lida com conceitos científicos hierarquicamente relacionados, se transforma, constrói
significados e amplia sua visão de mundo, o que possibilita novas formas de pensamento,
inserção e atuação em seu meio. Dessa forma podemos dizer que somos frutos de uma
construção social e não apenas pessoal. A aprendizagem é um processo onde a criança se
desenvolve a partir de situações coletivas permeadas pelas relações que faz entre os
significados que o professor apresenta e as significações que ela mesma estabelece sobre
os diferentes saberes. A experimentação por parte das crianças e a capacidade de
perguntar deve ser o centro do processo educativo de forma a valorizar os diferentes
estilos cognitivos e culturais. “Isto significa desenvolver um currículo identificado com
o contexto sociocultural dos alunos, isto é, promover a articulação do currículo escolar
com vivências e saberes dos estudantes. A prática docente voltada à construção do
conhecimento pressupõe a troca de saberes, o estudo e a formação constante, o trabalho
em equipe é uma organização metodológica, com mediação e pesquisas que propiciam às
crianças aprender de forma prazerosa e significativa.

13
1.4 COMENTÁRIO SOBRE A REAL SITUÇÃO OBSERVADA SOBRE O
PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

O professor é mediador, instigando a busca pelo conhecimento,


possibilitando desenvolvimento de habilidades adquiridas através de observações e de
experiênciaslúdicas. Para que isso aconteça de forma efetiva o professor precisa desafiar
a criança, motivar e oportunizar a construção de saberes que são significativos e
fundamentais no processo de aquisição das diferentes linguagens de comunicação. Os
processos ensino-aprendizagem não devem ser restritos as sala de aula, mas
desenvolvem-se nos diferentes espaços existentes na escola como o pátio e o parque
infantil, por exemplo,possibilitando à criança desenvolver diferentes visões a respeito da
realidade que a cerca reforçando e/ou reconstruindo conhecimentos já desenvolvidos.

2.2 PROPOSTAS DE ATIVIDADES DA ESCOLA ESPECÍFICAS PARA


OS ALUNOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

A atual realidade apresenta um cenário extremamente complexo onde às


mudanças sociais, políticas, econômicas, religiosas e culturais se processam numa
velocidade muito acelerada, muitas vezes fortalecida pela globalização. Se de um lado
usufruímos os benefícios da modernidade de outro lado deixamos de refletir sobre o
verdadeiro sentido da vida e do agir do ser humano nesse contexto de permanente
mudança. A criança na sua essência é um sujeito social e histórico e faz parte de uma
família que está inserida em uma sociedade, em uma cultura que vive um momento
histórico específico. Ela é marcada pelo meio social em que se desenvolve e tem na
família um ponto de referência e apoio. As crianças possuem uma natureza singular e
através delas se esforçam para compreender o mundo em que vivem e as relações que
presenciam. Para construir seus conhecimentos a criança utiliza as mais diferentes
linguagens, uma vez que seu desenvolvimento não é cópia da realidade, mas sim, fruto de
um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação. É nesse contexto que a
Escola O Pequeno Príncipe cria um ser que através da interação com o outro,
desenvolvem seus aspectos físicos, psicológicos, intelectuais e sociais, sendo que
essa

14
interação ocorre inicialmente apenas no seio familiar e após e em conjunto no meio
escolar.

2.3 DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA JUNTO À MÚSICA

O pedagogo e estudioso em ciência e cultura, Levi Silva (2006), em seu


artigo“Música na infância”, analisa alguns autores, os quais acreditam que, mesmo antes
denascer, em sua gestação, a criança já interage com os sons. Enquanto uns dizem que
com os primeiros batimentos cardíacos a criança já responde aos estímulos de música,
outros preferem dizer que os ouvidos desenvolvem só a partir da segunda semana de
gestação, quando aí sim a criança pode interagir com os sons, e que apenas entre a 26ªe a
30ª semana de gestação o bebê começa a assimilar o conteúdo musical.

Na escola O Pequeno Príncipe, os professores incluem de forma lúdicas as


músicas nas aulas ministradas em sala de aula, músicas que são histórias, contos entre
ouros. O objetivo de usar essa ferramenta é a inclusão e socialização de uma criança com
a outra. Embora seja uma forma de recreação, as crianças aprendem da melhor forma
possível: brincando.

2.3 ANÁLISE SOBRE EXPLORAÇÃO DAS ARTES VISUAIS


TRABALHADAS EM SALA

Rabiscando, correndo, pintando, chorando, pulando, são exatamente assim


que as crianças começam a interagir com o mundo, cada uma com seu jeito e maneira de
se expressar, o que implica na formulação de sua arte, ela expõe o que está sentindo no
momento, sua personalidade e tudo isso baseado em suas experiências ou na realidade a
sua volta.

15
Contudo, os educandos da Escola o Pequeno Príncipe todo a semana fazem
pinturas, colagens, rabiscos, com o objetivo de apresentar sobre algum desenhoque expressa
o seu Estado de espírito.
Os pedagogos afirmam que é muito importe que a criança tenha acesso às
artes visuais, pois assim as crianças poderão expressar suas emoções. Além do que, o
professor poderá entender cada aulo.

3.1 NATUREZA E SOCIEDADE NO MEIO ESCOLAR

As noções sobre a vida em sociedade contribuem para que as crianças


compensem desigualdades sociais e culturais desde cedo. Uma das suas principais tarefas
nessa fase é ajudar os pequenos a se adaptar ao meio. Isso significa trabalhar tanto a
relação da criança com as outras pessoas quanto com o meio físico no qual se dá o seu
desenvolvimento. Quando a criança pode conhecer e, principalmente, atuar sobre os
fenômenos, ela compreende que as pessoas vivem em espaços e tempos determinados, e
seguem normas estabelecidas entre si ou impostas pela natureza.

"Vivemos em nosso cotidiano sem entendermos quase nada do mundo. Refletimos


pouco sobre o mecanismo que gera a luz solar e que torna a vida possível, sobre a
gravidade que nas escolas a uma Terra que, de outro modo, nos projetaria girando
para o espaço, ou sobre os átomos de que somos feitos e de cuja estabilidade

16
dependemos fundamentalmente. Com exceção das crianças (que não sabem o
suficiente para não fazerem as perguntas importantes), poucos de nós dedicamos
algum tempo a indagar por que é que a natureza é assim; de onde veio o cosmos
ou se sempre aqui esteve; se um dia o tempo fluirá ao contrário e se os efeitos irão
preceder as causas; ou se haverá limites definidos para o conhecimento humano".
(Introdução de Carl Sagan para o livro "Breve História do Tempo", do físico
Stephen Hawking)

Conhecer diferentes culturas, respeitar (e valorizar) a diversidade -


diferenças étnicas, culturais e sociais - dentro e fora da escola, assim como compreender
como se dão esses fenômenos na natureza são aprendizagens que contribuem
decisivamente para que os pequenos tenham um bom desenvolvimento quando chegarem
ao 1º ano do Ensino Fundamental. A escola O Pequeno Príncipe faz um bom trabalho com
o eixo natureza e sociedade, portanto, ajuda as crianças a aproveitar os conhecimentos
que já possuem e relacioná-los às novas experiências estimuladas no âmbito escolar.

4. MATEMÁTICA NA EDUAÇÃO INFANTIL

A matemática está presente diariamente em nosso cotidiano e com a criança


não poderia ser diferente, por exemplo, enquanto a criança brinca ela usa a matemática
para medir distância, para diferenciar o pesado do leve, ela desenvolve conceitos
espaciais como cima e em baixo, fora e dentro, frente e atrás, etc

Ela deve ensinar às crianças como um meio de interpretação das coisas que
nos rodeiam diariamente, assim formando pessoas conscientes para a cidadania e a
criatividade e não somente como memorização. Existem diversas formas de trabalhar a
matemática na Educação Infantil, pois ela está presente na arte, na música, em histórias
na forma de como organizamos o pensamento, nas brincadeiras e nos jogos

Na Educação Infantil, o trabalho com noções matemáticas deve atender, por um


lado, às necessidades da própria criança de construir conhecimentos que incidam
nos mais variados domínios do pensamento e, por outro, precisa corresponder a
uma necessidade social de melhor instrumentalizá-la para viver, participar e
compreender um mundo que exige diferentes conhecimentos e habilidades
(VIRGULINO, 2014, p. 78

17
Trabalhar a matemática na Educação Infantil é importante pois, assim a
criançaestá trabalhando com algo que ela realmente irá usar fora da escola, algo com que
ela vaiconviver o resto da vida.

Com base nessa perspectiva, observamos que a matemática tem


importância fundamental no desenvolvimento do ser humano de modo geral. Na
Educação Infantil, podemos entender como uma possibilidade de instrumentar a criança
não só para a vida,mas também para o aprimoramento do raciocínio lógico, da identidade
e da capacidade de criação.

4.1 CONSTRUÇÃO DOS CONCEITOS MATEMÁTICOS DESENVOLVIDO NA


ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL O PEQUENO PRÍNCIPE

Logo no primeiro dia de observação pode-se notar que as crianças seguiam


uma rotina, onde elas faziam as atividades e brincavam com algum brinquedo ou até
mesmo, umas com as outras. E assim foram todos os dias de observação em que
evidenciou que não haviam atividades planejadas e dirigidas para a exploração da
matemática na educação infantil de forma intencional para a construção do
conhecimento matemático tão importante nesta faixa etária. Uma das professoras da
escola respondeu de maneira natural e sem preocupações que “os alunos terão o resto
da vida escolar para aprender matemática, essa é a fase deles brincar e de se divertirem”,
o que contradiz com que Lorenzato (2008, p.1), que explica que a matemática pode ser
um bom caminho para favorecer o desenvolvimento intelectual, social e emocional da
criança. Essa é uma faseonde a criança deve se divertir e brincar, mas deve se levar em
consideração que é na educação infantil que a criança constrói os conhecimentos que
levarão para sua vida escolar ao longo do ensino fundamental e médio. As brincadeiras
devem sim ocorrer pois se adquiri muito conhecimento de forma lúdica, o qual favorece
muito na aprendizagem da criança, pois é através das brincadeiras que a criança
desenvolve a suasocialização, memorização, noção de tempo e espaço, raciocínio lógico
além dos aspectos afetivos e emocionais.

18
4.2 CONHECIMENTO MATEMÁTICO DO EDUACADOR

A criança depois que passa a pensar matematicamente amplia sua


capacidade perceptivas e motoras que são essenciais para o seu desenvolvimento pleno e
integral. Porém, quando se trata de conhecimento matemático, o educador da escola está
desconsiderando o fato de que a educação infantil é a base para a vida escolar das crianças
e que se não trabalhar aspectos matemáticos nessa faixa etária essas crianças crescerão
sem essa base e poderão ter fracasso nessa área futuramente.

É de extrema importância a Matemática ser trabalhada de forma adequada


na educação infantil, já que esta etapa é a base para o desenvolvimento da criança, e
através da matemática que a criança desenvolve diversas habilidades que ela levará no
decorrer de sua vida. Deve ser levado em consideração também que, quando não
desenvolvida de forma adequada a matemática pode prejudicar o desenvolvimento da
criança, fazendo ela se tornar um jovem ou adulto que não goste dessa disciplina e tenha
dificuldades no desenvolvimento de certas habilidades.

5. A ALFABETIZAÇÃO COMO RECURSO DE INTEGRAÇÃO


DOS CONTEÚDOS DOS PROJETOS

Foi nesta perspectiva que buscamos desenvolver as atividades em sala de


aula na prática de estágio tendo em vista que articular os jogos e as brincadeiras aos
conteúdosescolares propicia às crianças o conhecimento sobre o uso social da leitura e da
escrita. Essa forma lúdica de se trabalhar é de fundamental importância para o
desenvolvimento da criança, pois, adquirem diversas experiências, interagem com outras
pessoas, organizam seu pensamento, tomam decisões e criam maneiras diversificadas de
jogar, brincar e produzir conhecimentos. Ressalto ainda que os processos de
desenvolvimento da aprendizagem envolvidos no jogar e no brincar contribuíram de
forma significativa nos processos de apropriação do conhecimento, além de desenvolver
as habilidades físicas, cognitivas, afetivas e sociais. Para Vygotsky,

19
“O lúdico influencia enormemente o desenvolvimento da criança. É através do
jogo que a criança aprende a agir, sua curiosidade é estimulada, adquire iniciativa
e autoconfiança, proporciona o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e
da concentração.” (Vygotsky, 1998).

5.1 A ESCOLA E OS CONTEÚDOS CONSTANTES NOS


PROJETOS TRABALHADOS

A escola O Pequeno Príncipe faz o seu papel da melhor forma possível,


optando por trabalhar de forma lúdica, pois o lúdico é “(...) um recurso metodológico
capaz de propiciar uma aprendizagem espontânea e natural. Estimula à crítica, a
criatividade, a sociabilização, sendo, portanto, reconhecidos como uma das atividades
mais significativas pelo seu conteúdo pedagógico social”. Foi desta maneira que os
educandos vivenciam momentos de aprendizagem significativa por meio de
brincadeiras e das artes com situações reais de aprendizagem. Interagiram com os
colegas, afloraram suas emoções e desenvolveram habilidades motoras. Para tanto, a
forma de trabalhar a matemática na educação infantil deve ser aprimorada, de forma
que o professor adote métodos para ensinar de forma intencional os alunos. Assim,
identificando o aprendizado na infância. O educador deve está sempre aprimorando
suas práticas em sala de aula, usando os mais variados métodos de ensino, deve ter
paciência e ser relevante, pois sempre ira deparar-se com crianças que terão
dificuldade em algumas atividades e a mudança na forma de transmitir o
conhecimento é essencial, principalmente em relação a arte. Assim o fundamental é
que o professor de suas aulas com motivação e entusiasmo, e o mesmo deve estar
comprometido em trabalhar com matéria na Educação Infantil. Dessa maneira as
crianças pegam gosto por aprenderem.

20
6. CONCLUSÃO

O estágio curricular obrigatório veio para mim como mais um desafio entre tantos
outros do curso de Pedagogia, acredito que este tenha sido o mais difícil, mas também o mais
prazeroso e real. Digo real, pois é neste momento que colocamos em prática parte do que
aprendemos. O processo vivido nesse percurso me fez compreender a importância deste
momento para a formação profissional. Já que podemos refletir sobre a nossa conduta e
construir a nossa identidade enquanto administradores. Sentir o carinho das crianças e
perceber a evolução no processo de aprendizagem é um momento de muita felicidade,
principalmente quando percebemos a nossa importância para a construção da identidade e
da cidadania dos educandos.

Quanto aos educandos, ficou claro o prazer e comprometimento deles quanto à


participação nas atividades. O brilho nos olhos e o entusiasmo com as brincadeiras deixava
claro, que além da nossa presença, as atividades realizadas nestes dias eram diferenciadas.
Acredito que as dinâmicas realizadas por nós contribuíram para melhorar as relações
interpessoais, o respeito às diversidades, apropriar-se dos diversos tipos de linguagem e
estabelecer relações entre os assuntos abordados e o contexto em que vivem. Penso que
quando há comprometimento do profissional, planejamento das aulas e metas a serem
alcançadas, a atividade de estágio passa a ser um prazer e não apenas mais uma disciplina a
ser estudada. Posso dizer, ao final deste processo, que esta é uma das disciplinas primordiais
para o processo de formação do administrador.

21
7. REFERÊNCIAS

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996

ALMEIDA, Ana Rita Silva. O que é afetividade? Reflexões para um conceito. Disponível
em: http://www.educacaoonline.pro.br. Acessado em: 28.11.2015.

FERNANDES, Reynaldo; GREMAUD, Amaury. Qualidade da educação básica:


avaliação,indicadores e metas. In: VELOSO, Fernando et al. (Orgs.). Educação básica no
Brasil: construindo o país do futuro. Rio de Janeiro: Elseiver, 2009.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola publica: A Pedagogia Crítico Social dos


Conteúdos. São Paulo, Loiola, 1986.

SELAU, Bento. Inclusão na sala de aula. Porto Alegre, RS: Editora Evangraf, 2007.

22
23

Você também pode gostar