Você está na página 1de 11

3

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS


INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS
DEPARTAMENTO DE FÍSICA
LICENCIATURA EM FÍSICA

Balança de Corrente

Allison Allan Dias Rocha


Elias Silva de Oliveira
Enock Nogueira dos Santos Junior
Larissa dos Santos Barroso
Thiago Damaceno Castro

Manaus – AM
2021
Allison Allan Dias Rocha – 21950579
4

Elias Silva de Oliveira – 21950575


Enock Nogueira dos Santos Junior – 22050914
Larissa dos Santos Barroso – 21954737
Thiago Damaceno Castro - 21952766

Balança de Corrente

Relatório de prática experimental do


Curso de Licenciatura em Física,
apresentado como requisito para a
obtenção de nota parcial na disciplina
Laboratório de Física Geral III, sob
supervisão do Professor Henrique
Duarte, ano 2021, da Universidade
Federal do Amazonas.

Manaus – AM
2021
5

1. INTRODUÇÃO
A Balança de Corrente é um dispositivo que permite detectar e medir variações
nas forças às quais um condutor é submetido enquanto é percorrido por uma
corrente elétrica. Um imã permanente com o formato de ferradura suspenso por um
eixo produz um campo magnético em uma espira por onde passa uma corrente I. A
interação entre a corrente elétrica e o campo magnético B (gerado pelo ímã) no qual
o condutor desta corrente é imerso, resulta numa Força dF, que neste caso, atua no
trecho dL do condutor e é dada por dF = I dL x B. Essa força que aparece no
condutor é capaz de desequilibrar a haste a qual o ímã está preso. O momento
mecânico gerado por essa força pode ser compensado por um momento oposto
resultante de uma massa colocada na haste. Através desse fenômeno podemos
obter o campo magnético do ímã utilizado.

2. OBJETIVO
Estudar o funcionamento da balança de corrente, determinando os
parâmetros que influenciam na força sobre o braço na balança. Aplicar os conceitos
envolvidos na Força de Lorentz para calcular a indução magnética.

3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Neste experimento estudaremos o efeito da força de Lorentz através de um
arranjo muito útil conhecido como balança de corrente. O segmento de um condutor
é preso por uma balança de corrente. O segmento de um condutor é preso ao braço
de uma balança e suspenso entre um pólo de um ímã,
Quando as cargas em movimentos (corrente elétrica) passaram pelo
condutor que este imerso no campo magnético do ímã, cada carga que estará
submetida a uma força de Lorentz dada por:

F =q .( v × B )

onde vÉ vetor velocidade de cada uma das cargas elétricas no condutor. No ramo
horizontal do condutor, ~v está sempre perpendicular ao campo magnético B~ ,
então podemos escrever o módulo da força sobre cada carga i que atravessa o
condutor como
6

F=q . v . B

A força total que a balança registrou é dada pela somatória das forças sobre todos
os elétrons que atravessam o comprimento L do o, que está imerso no campo
magnético, 20 isto é,
F=NevB

onde N é o número de elétrons que atravessam o condutor, e a carga do elétron é


a velocidade média dos elétrons. Como Ne representa a carga total que atravessa o
condutor, é possível reescrever o tempo Nev em função da corrente elétrica que
atravessa o comprimento do o L as seguinte forma:

Nev=IL
e a força total sobre o como:
F=iLB

Para casos mais gerais podemos escrever

F =iL × B

Suponha que o campo esteja perpendicular ao plano da página (eixo-z) e que o


esteja no plano da página e paralelo ao eixo-x, a direção da força será sempre
perpendicular ao o e a de B~ (eixo-y), e o sentido será para cima ou para baixo
dependendo do sentido do campo na região entre os pólos do ímã, e do sentido da
corrente no o. Desta forma dependemos da corrente i, a força que aparecerá no o
puxará o braço da balança.

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES
7

1) Para cada espira utilizada (para n=1 e para n=2), faça uma tabela de duas
colunas, onde a primeira coluna seja a corrente e a segunda coluna seja o valor
correspondente medido pela balança.

Tabela 1: Dados referentes aos valores da corrente e da massa da aspira para N = 1.

Corrente (A) ±∆A Massa (g) ± Δ m

0,50 A ± 0,005 34,03 g ± 0,01

1,00 A ± 0,005 34,15 g ± 0,01

1,50 A ± 0,005 34,28 g ± 0,01

2,00 A ± 0,005 34,45 g ± 0,01

2,50 A ± 0,005 34,58 g ± 0,01

3,00 A ± 0,005 34,74 g ± 0,01

3,50 A ± 0,005 34,89 g ± 0,01

4,00 A ± 0,005 35,05 g ± 0,01

Tabela 2: Dados referentes aos valores da corrente e da massa da aspira para N = 2.

Corrente (A) Massa (g) ± Δ m

0,50 A ± 0,005 35,75 g ± 0,01

1,00 A ± 0,005 36,07 g ± 0,01

1,50 A ± 0,005 36,33 g ± 0,01

2,00 A ± 0,005 36,65 g ± 0,01

2,50 A ± 0,005 36,97 g ± 0,01

3,00 A ± 0,005 37,27 g ± 0,01

3,50 A ± 0,005 37,53 g ± 0,01

4,00 A ± 0,005 37,72 g ± 0,01

2) Qual é o valor da massa de cada placa contendo as respectivas espiras?


Tabela 3: Tabela referentes aos valores das massas de cada placa das respectivas aspiras.

Massa (g) ± ΔV
n=1 33,85 g ± 0,01
8

n=2 35,41 g ± 0,01

3) Para cada espira utilizada, faça uma tabela de duas colunas, onde a primeira
coluna seja a corrente e a segunda coluna mostra o valor correspondente da força F
de Lorentz sobre o fio de corrente imerso no campo magnético.

Para o cálculo da força utilizaremos a seguinte expressão:

F=( m−m 0 ) g

Onde m0 é massa inicial e m são os valores subsequentes mostras nas tabelas.

Tabela 4: Dados referentes ao valor da corrente e do valor da força de Lorentz sobre o fio de corrente de N =1 .

Corrente (A) Força de Lorentz (N) ±

0,50 A ± 0,005 0,0018

1,00 A ± 0,005 0,003

1,50 A ± 0,005 0,0043

2,00 A ± 0,005 0,006

2,50 A ± 0,005 0,0073

3,00 A ± 0,005 0,0089

3,50 A ± 0,005 0,0104

4,00 A ± 0,005 0,012

Tabela 5: Dados referentes ao valor da corrente e do valor da força de Lorentz sobre o fio de corrente de N = 2.

Corrente (A) Força de Lorentz (N)

0,50 A ± 0,005 0,019

1,00 A ± 0,005 0,0222

1,50 A ± 0,005 0,0248


9

2,00 A ± 0,005 0,028

2,50 A ± 0,005 0,0312

3,00 A ± 0,005 0,0342

3,50 A ± 0,005 0,0368

4,00 A ± 0,005 0,0387

4) Para cada espira utilizada, faça uma figura de F versus i, onde F é a força de
Lorentz e i é a corrente que passa pelo fio imerso no campo magnético.

Gráfico 1: Referente aos valores da tabela 4.

Gráfico 2: Referente aos valores da tabela 5.


10

Qua
l é a dependência de F em função de i, observada nesta figura?

5) Para cada espira utilizada, calcule o valor do campo magnético B do ímã utilizado
(calculando o erro). Para isto, utilize a informação que fornece os resultados das questões 3
e 4. Mostre detalhadamente o procedimento de propagação do erro. Note que o
comprimento L do fio imerso vale 50 mm (considere o erro de L igual a zero). O valor de B ±
ΔB deve ser dado em mT. Comente para que espira o valor obtido de B ± ΔB se aproxima
melhor ao valor de B medido pelo teslâmetro.
11

Sendo o campo magnético dado por:

F
B=
iL

Pela expressão do campo magnético sabemos que o coeficiente angular nos gráficos
anteriores é dado por:
F=BLi
Onde o coeficiente do gráfico é Bl.
Então:
F=BLi

Para o calculo da incerteza ∆B do campo magnetico utilizaremos a seguinte


expressão para a propagação:

∂B ∂B ∂B
∆ B= ∆ F+ + 0
∂F ∂i ∂ L

Assim:

1 F
∆ B= ∆ F+ 2 ∆ i
iL i

Substituindo pelos valores encontrados utilizando um dos valores tabelados:

1 1
∆ B= 0,1− 0,005
(0,5)(0,05) (0,5)2

∆ B=4,0 mT
12

Para o campo da espira n = 1:


0,0018 N
B= =0,072T
0,5 A ( 0,05 m )
Para o campo da espira n= 1
0,0019 N
B= =0,076T
0,5 A ( 0,05 m )

5. CONCLUSÃO
Através da realização desse experimento, foi possível observar, portanto, que
a corrente, ao passar por um campo magnético, criou uma força magnética que foi
responsável por alterar o valor obtido da massa da placa, conforme esperado. Desse
modo, o valor do campo magnético (usaremos 138,85 T) pôde ser encontrado
através do cálculo realizado com os dados coletados. Assim, pode-se concluir que
os valores de massa, comprimento, corrente e campo magnético estão relacionados
e influenciam um nos outros em um sistema que os contenham, visto que foram
encontrados diversos valores para os diferentes tipos de configuração de montagem
do experimento.
13

6. REFERÊNCIAS
1 Manual de Laboratório de Física III. UFAM - Universidade Federal do Amazonas.
2 Halliday, David, 1916-2010. FUNDAMENTOS DE FÍSICA, Vol III - 10º Edição.
3 Guia para disciplinas de laboratório básico – Física experimental lll Instituto de
Física, UNICAMP
4 R.M. Eisberg e L.S. Lerner, Física, Fundamentos e aplicações, vol 3 McGraw-Hill
do Brasil Ltda, São paulo 1983.