Você está na página 1de 6

18

ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE

Epidemiologia de fraturas da coluna de acordo com


o mecanismo de trauma: análise de 502 casos
Epidemiologic study on vertebral fractures: analysis of 502
cases in accordance with the trauma mechanism
Epidemiología de fracturas da columna de acuerdo
con sus mecanismos de trauma: el análisis de 502 cajas
Alex Koch1
Xavier Soler I Graells2
Ed Marcelo Zaninelli3

RESUMO ABSTRACT RESUMEN


Objetivo: analisar as fraturas da coluna Objective: to analyze the fractures of Objetivo: analizar las fracturas de la
vertebral em estudo do tipo epide- the spine in an epidemiologic. columna vertebral en estudio del tipo
miológico. Métodos: análise retros- Methods: retrospective analysis of the epidémico. Métodos: el análisis
pectiva dos protocolos dos pacientes patients’ protocols with vertebral retrospectivo de los protocolos con
com fraturas da coluna vertebral no fractures in the period of January of fracturas vertebrales en el período de
período de janeiro de 1999 a janeiro de 1999 to January of 2004. The patients enero de 1999 para enero de 2004 de los
2004. Foram estudados os mecanismos were grouped together according to pacientes. Lo fueron investigar los
de trauma, a forma de apresentação ao their trauma mechanisms and the data mecanismos de trauma, la forma de
hospital, as lesões neurológicas e o were compared among the groups. presentación para el hospital, las
tratamento efetuado. Os pacientes Results: analyzed 502 patients with lesiones neurológicas y la hacer trato.
foram agrupados conforme seus spinal column fracture that were Los pacientes lo fueron contener sus
mecanismos de trauma e comparados attended at the Emergency Room of mecanismos de trauma en conse-cuencia
os dados entre os grupos. Resultados: the “Hospital do Trabalhador” in y comparar los datos entre los grupos.
a análise de 502 casos de pacientes Curitiba (Brasil), and they were all Resultados: el análisis de 502 cajas de
com fratura de coluna vertebral, evaluated by the spine surgery staff. pacientes con fractura de espina dorsal,
atendidos na Emergência do Hospital The most frequent mechanism was the ayudado en la emergencia del hospital
do Trabalhador em Curitiba e avaliados injuries from falls-50.4% of the cases. del trabaja-dor en Curitiba y valorado
pela equipe de cirurgia da coluna In second place was the motor vehicle para el equipo de la cirugía de la
mostrou que o mecanismo mais accidents-25.50%. The mechanism columna. El mecanismo más frecuente era
freqüente foi o acidente por queda com with the major number of neurological el accidente por el otoño con 50,4 % de
50,4% dos casos e em segundo lugar injury was the motor vehicles los casos y en el segundo puesto los
os acidentes automobilísticos com accidents with 31 cases while the accidentes de automóvil con 25,5 %. El
25,5%. O mecanismo com maior número major percentage of the patients with mecanismo con la cantidad más grande
de lesões neurológicas foi o acidente neurological injury occurred with de lesiones neurológicas era el accidente
automobilístico com 31 casos, gunshots injuries-65.91%. The major de automóvil con 31 cajas, mientras que
enquanto a maior porcentagem de number of surgical indications los porcentajes más grandes de pacientes
pacientes com lesão neurológica occurred on the followed by falls con la lesión neurológica ocurrieron en
ocorreu nas lesões por arma de fogo, group-77 surgeries. And the las lesiones por proyectiles de arma de

Trabalho realizado no Hospital do Trabalhador de Curitiba da Universidade Federal do Paraná - UFPR - Curitiba, (PR), Brasil.

1
Ortopedista do Hospital do Trabalhador e Especializando da Cirurgia da Coluna Grupo de Cirurgia de do Hospital do Trabalhador de Curitiba, da Universidade
Federal do Paraná – UFPR – Curitiba (PR), Brasil.
2
Chefe do Grupo de Cirurgia da Coluna do Hospital do Trabalhador e Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná – UFPR – Curitiba (PR), Brasil.
3
Ortopedista do Grupo de Coluna do Hospital do Trabalhador e Hospital das Clínicas da da Universidade Federal do Paraná – UFPR – Curitiba (PR), Brasil.

Recebido: 02/01/2005 - Aprovado: 08/02/2006

COLUNA/COLUMNA.
COLUNA/COLUMNA. 2006;5(1):13-18
2007;6(1):18-23

epidemiologia_210207.pmd 18 02/03/2007, 15:32


Epidemiologia de fraturas da coluna conforme seus mecanismos de trauma: análise de 502 casos 19

com 65,91%. O maior número de mechanism with the major percentage fuego, con 65,91 %. El número más
indicações cirúrgicas ocorreu no grupo of surgical indications was dipping grande de señales quirúrgicas ocurrió
de acidente por queda com 77 cirurgias in shallow waters-66% of the patients. en el grupo de accidente por el otoño
e o mecanismo com maior porcentagem Conclusion: the most frequently lesion con 77 operaciones y el mecanismo con
de indicações cirúrgicas foi o mergulho mechanism was injuries from falls porcentajes más grandes de las señales
em água rasa com 66% dos pacientes (50.4%) followed by motor vehicles quirúrgicas era el clavado en el agua
necessitando de cirurgia. Conclusão: (25.50%). The major number of poco profunda con 66 % de los pacientes
o mecanismo de lesão mais freqüente patients (31 cases) with neurological necesitar la cirugía. Conclusión: El
foi acidente por queda com 50,4%, injuries was in motor vehicle mecanismo de la más frecuente lesión fue
seguido de acidentes automobilísticos accidents. The major percentage of the el accidente por queda con 50,4 %, al
com 25,50%. O maior número de neurological injuries was gunshots que siegue los accidentes de vehículos
pacientes com lesões neurológicas foi injuries with 65.9% followed by con 25,50 %. La major cantidad de
oriundo de acidente automobilístico, dipping in shallow waters with 50%. pacientes con lesiones neurológicas (31
com 31 pacientes. O mecanismo com maior pacientes) ocurrió en el grupo de los
porcentagem de lesões neurológicas accidentes de vehículos. El mecanismo
foi a lesão por FAF com 65,91%, em con mayores porcentajes de lesiones
segundo lugar as lesões por mergulho neurológicas ocurrió en lesiones por
em águas rasas com 50%. proyectiles de armas de fuego con 65,91
%, y en el segundo puesto las lesiones
por zambullo en el agua poco profunda
con 50 %.

DESCRITORES: Fraturas da coluna KEYWORDS: Spinal fracture/ DESCRIPTORS: Fracturas


vertebral/epidemiologia; epidemiology; Wounds espinales/epidemiología;
Ferimentos e lesões and injuries Heridas y traumatismos

INTRODUÇÃO
As fraturas da coluna vertebral são importantes causa de na reabilitação de pacientes com traumatismos raqui-
morbidade e de mortalidade na população mundial 1. medulares, promoveu melhora no prognóstico desses
Estima-se que nos Estados Unidos (EUA) ocorram por pacientes, permitindo uma melhor readaptação destes às
ano 11.000 novos casos necessitando tratamento, com o suas novas limitações físicas8-9.
aumento progressivo ano a ano2. As principais causas Há na literatura nacional um aumento das publicações
são os acidentes de trânsito, quedas de altura, lesões avaliando a epidemiologia, causas específicas, segmentos
por violência (agressão contra a integridade física) e acometidos, tipos de fraturas, tratamentos específicos e
traumas esportivos. A incidência de lesão neurológica complicações2,6-7,10-19, mas com poucas publicações sobre
chega a 40 % nas fraturas cervicais e 15-20 % nas fraturas as proporções etiológicas e as características das lesões
torácicas3. Estima-se que vivam nos EUA 183 e 203 mil por elas produzidas.
pessoas com lesões medulares e que o custo do O objetivo deste trabalho é analisar as fraturas da
tratamento de um paciente com quadriplegia aos 25 anos coluna vertebral da nossa população, separando-as pela
seja de US$ 1.350.0004. sua etiologia e correlacionando-as entre si, visando
Em virtude da maioria dos pacientes com lesão e identificar suas proporções, a origem da maioria das lesões
seqüela neurológica serem jovens, há um gasto financeiro neurológicas e com isso permitir o direcionamento dos
com fim social elevado, principalmente nas lesões trabalhos de prevenção primária.
cervicais, mas também nas toracolombares3.
A atenção dada às fraturas da coluna vertebral no MÉTODOS
Brasil tem aumentado nos últimos anos, principalmente Foram analisados, retrospectivamente, os protocolos de
devido ao aumento da violência urbana, aos acidentes fraturas vertebrais dos pacientes atendidos no Pronto-
de trânsito e às lesões por arma de fogo. Quedas de altura Socorro e no Ambulatório de Lesões Traumáticas da
e mergulho em água rasa também são causas importantes5- Coluna Vertebral do Hospital do Trabalhador da
7
. As fraturas de coluna tomam maior magnitude Universidade Federal do Paraná (UFPR) em Curitiba,
atualmente em virtude da implantação e evolução dos Paraná, no período de janeiro de 1999 a janeiro de 2004.
sistemas de resgate nas grandes cidades, dos meios Os pacientes que não tiveram seu protocolo
diagnósticos e do tratamento, cirúrgico e medicamentoso. completamente preenchido foram excluídos, salvo os que
A implantação de centros especializados no tratamento e chegaram em coma e devido a isso não tiveram definição

COLUNA/COLUMNA. 2007;6(1):18-23
2006;5(1):13-18

epidemiologia_210207.pmd 19 02/03/2007, 15:32


20 Koch A, Soler-Graells X, Zaninelli EM

do quadro neurológico. Também foi critério de exclusão com o comprometimento da parede posterior do corpo
pacientes que não foram avaliados pela equipe de coluna vertebral e lesões por distração. A técnica utilizada foi a
e os com fraturas de sacro, visto que nem todos são artrodese posterior com hastes de Harrington nos
encaminhados para a equipe de cirurgia da coluna. Foram primeiros casos e artrodeses curtas com pinos de Schwanz
protocolados 502 pacientes com fraturas da coluna nos subsequentes. Foi realizada corpectomia por via
vertebral que dispunham de dados suficientes para anterior na presença de colapso do corpo vertebral,
análise, perfazendo 614 fraturas. Agrupados conforme quando sua altura não tenha sido recuperada com a
seus mecanismos de trauma, foram comparados quanto a redução por via posterior 9, 20. Endereço e telefone do
forma de apresentação ao hospital, lesões neurológicas paciente foram registrados, para posterior contato se
e tratamento efetuado. necessário.
O mecanismo do trauma foi dividido em acidente por
queda altura (não se especificando a altura), acidente Análise Estatística
automobilístico (não especificando se passageiro, Os dados foram submetidos a análise estatística através
motorista ou motociclísta, ou uso de cinto de segurnça do programa de informática EPI-INFO versão 6.0,
ou capacete), atropelamento, mergulho em água rasa, comparando a apresentação do paciente, a presença e
lesão por projétil de arma de fogo e outros mecanismos grau de lesão neurológica e o tratamento realizado. As
que não se enquadravam nos grupos anteriores. diferenças foram consideradas com significância
A apresentação do paciente ao pronto-socorro foi estatística quando p<0.05.
classificada em removidos pelo SIATE (Serviço de
Resgate de Emergências) diretamente do local do trauma, RESULTADOS
encaminhados por ambulância oriundos de outra unidade O mecanismo mais freqüente foi o acidente por queda com
de saúde e a apresentação espontânea no pronto-socorro 253 casos (50,40%), seguido de acidente automobilístico
(ou trazido por civis). As lesões neurológicas foram com 128 casos (25,50%), lesões por arma de fogo com 49
classificadas conforme a escala ASIA (American Spine casos (9,76%), atropelamento com 36 casos (7,17%), outros
Injury Association) de A a E. Também foram especificadas mecanismos com 30 casos (5,98%) e mergulho em água
as lesões isoladas de raízes9. rasa com 6 casos (1,20%). Dentro dos outros mecanismos
Radiografias em dois planos ortogonais foram realizadas o mais comum foi o trauma direto e isolado sobre a coluna
em todos os pacientes. Tomografia axial computadorizada e vertebral, com 22 casos (73,33 % dos pacientes) (Tabela1).
ressonância magnética foram utilizados quando nescessário Quando comparados entre si houve diferença
elucidar o grau de acometimento das estruturas vertebrais estatisticamente significativa entre acidente por queda e
para o planejamento do tratamento. aciden0te automobilístico (p=0), entre acidente
Foi registrado o método de tratamento empregado, automobilístico e lesões por arma de fogo (p=0), entre
conservador ou cirúrgico. No tratamento conservador das lesões por arma de fogo e outros mecanismos (p=0,01307),
fraturas cervicais utilizou-se o colar cervical tipo entre atropelamento e mergulho (p=1,14629-06) e entre
Philadélphia e nas tóraco-lombares, o colete tipo Jewett. outros mecanismos e mergulho (p=2,34583-05). Não houve
Nos pacientes que não tinham condições financeiras de diferença estatisticamente significativa entre lesões por
adquiri-lo e o seriço de assistência social do hospital não arma de fogo e atropelamento (p=0,70281) e entre
conseguiu uma doação, foi confeccionado um colete atropelamento e outros mecanismos (p= 0,22332).
gessado tóraco-lombar antigravitacional com a coluna Na forma de apresentação dos pacientes, os vítimas
em extensão9,20. de acidente por queda apresentaram-se 102 casos (40,32
As indicações para o tratamento cirúgico nas fraturas %) foram trazidos pelo SIATE, 89 casos (35,18%) casos
cervicais foram a presença de sinais de instabilidade, seja trazidos por civis e 62 casos (24,51%) trazidos por
translação, maior ou igual a 3 mm, ou angulação maior ou ambulância. As vítimas de acidente automobilístico
igual a 11 graus20. A rotina foi a artrodese anterior com apresentaram-se 90 casos (70,31%) trazidos pelo SIATE,
ressecção do disco ou corpectomia, sendo a fixação 29 casos (22,66%) casos trazidos por ambulância, nove
concomitante e que tenha sido submetido a sutura do (7,03%) casos trazidos por civis. As vítimas de
mesmo na cirurgia de emergência, nesses casos foi atropelamento apresentaram-se 25casos (69,44 %)
realizada artrodese posterior, evitando o contato do trazidos pelo SIATE, seis casos (16,67 %) casos trazidos
implante com a sutura esofágiaca (risco de fístula e por ambulância e cinco (13,89%) casos trazidos por civis.
infecção). Em um segundo tempo após cicatrização do As vítimas de mergulho apresentaram-se dois casos
esôfago o paciente era submetido à atrodese anterior (33,33%) trazidos pelo SIATE, dois (33,33%) casos
como já relatado9. trazidos por ambulância, dois (33,33%) casos trazidos
As indicações cirúrgicas nas fraturas torácicas e por civis. Os de outros mecanismos apresentaram-se 14
lombares foi o comprometimento maior que 50 % do canal, casos (46,67 %) trazidos por ambulância, 11 (36,67%)
lesão das três colunas, cifose maior que 30 graus, perda casos trazidos pelo SIATE e cinco casos (16,67%) casos
de 50 % da altura do corpo vertebral, fratura por explosão trazidos por civis (Tabela 2).

COLUNA/COLUMNA.
COLUNA/COLUMNA. 2006;5(1):13-18
2007;6(1):18-23

epidemiologia_210207.pmd 20 02/03/2007, 15:32


Epidemiologia de fraturas da coluna conforme seus mecanismos de trauma: análise de 502 casos 21

A lesão neurológica estava presente em 94 pacientes TABELA 1 - Número de casos por mecanismo de trauma
(19,33%) do total, sendo 73 (15,02%) Frankel A e 392 Mecanismo Número de casos % Número de fraturas
(80,66%) Frankel E, pois não apresentavam déficit
Acidente 128 25,50 152
neurológico. Nas vítimas em acidente por queda ocorreu
em 21 pacientes (8,57%), sendo 13 Frankel A (5,31%) e Arma de fogo 49 9,76 60
224 Frankel E (91,43%); nas de acidente automobilístico Atropelamento 36 7,17 52
ocorreu em 31 pacientes (24,6%), sendo 24 Frankel A Mergulho 6 1,20 7
(19,05%) e 95 Frankel E (75,40%); nos de atropelamento
Queda 253 50,40 300
ocorreu em quatro pacientes (11,43%), sendo quatro
Frankel A (11,43 %) e 31 Frankel E (88,57%); nos de Outros 30 5,98 43
mergulho ocorreu em três pacientes (50%), sendo dois Total 502 100,00 614
Frankel A (33,33 %), um Frankel D (16,67 %) e três Frankel Fonte: Hospital do Trabalhador
E (50%). Nos com lesão por arma de fogo
ocorreu em 29 pacientes (65,91%), sendo
26 Frankel A (59,09%) e 15 Frankel E TABELA 2 – Número de casos por mecanismo de trauma e
(34,09%). Nos outros mecanismos forma de apresentação
ocorreu em seis pacientes (20%), sendo
Mecanismo Ambulância % Deambulando % Siate %
quatro Frankel A (13,33%) e 24 Frankel E
Acidente 29 22,66 9 7,03 90 70,31
(80%). Nove pacientes com lesão de raiz
Arma de fogo 2 4,08 5 10,20 42 85,71
isolada e setet pacientes que chegaram à
Atropelamento 6 16,67 5 13,89 25 69,44
coma e não permitiram avaliação Mergulho 2 33,33 2 33,33 2 33,33
neurológica, foram excluídos da análise Queda 62 24,51 89 35,18 102 40,32
(Tabela 3). Outros 14 46,67 5 16,67 11 36,67
O tratamento empregado foi o Total 115 22,91 115 22,91 272 54,18
conservador na maioria dos casos, com 311 Hospital do Trabalhador
indicações (62,96 %). Foi o método
empregado na maioria dos casos de atropelamento com 26 por outros mecanismos tiveram 15 casos (50%) de indicações
casos (72,22%), acidente por queda com 174 casos (69,32 %), de tratamento conservador e cirúrgico. Foram excluídos desta
lesões por arma de fogo com 30 casos (65,22 %) e acidentes análise 2 pacientes que evoluíram para óbito antes da
automobilísticos com 64 casos (51,20 %). definição do tratamento e 6 pacientes em que aguardou-se
O tratamento cirúrgico foi predominante nos casos de definição do quadro do Tratamento craneo-encefálico (TCE)
mergulho, com 4 indicações cirúrgicas (66,67%). As lesões e das condições clínicas gerais (Tabela 4).

TABELA 3 – Número de pacientes com lesão neurológica por mecanismo de


trauma (%)
Mecanismo Frankel A Frankel B Frankel C Frankel D Frankel E Total
Acidente 19,05 3,17 1,59 0,79 75,40 100,00
Arma de fogo 59,09 6,82 0,00 0,00 34,09 100,00
Atropelamento 11,43 0,00 0,00 0,00 88,57 100,00
Mergulho 33,33 0,00 0,00 16,67 50,00 100,00
Queda 5,31 2,04 0,41 0,82 91,43 100,00
Outros 13,33 3,33 3,33 0,00 80,00 100,00
Total 15,02 2,67 0,82 0,82 80,66 100,00
Fonte: Hospital do Trabalhador

TABELA 4 – Número de pacientes por tratamento empregado e por


mecanismo de trauma
Mecanismo Conservador % Cirúrgico % Óbito Em branco Total
Acidente 64 51,20 61 48,80 1 2 128
Arma de fogo 30 65,22 16 34,78 1 2 49
Atropelamento 26 72,22 10 27,78 0 0 36
Mergulho 23 3,33 4 66,67 0 0 6
Queda 174 69,32 77 30,68 0 2 253
Outros 15 50,00 15 50,00 0 0 30
Total 311 62,96 183 37,04 2 6 502
Fonte: Hospital do Trabalhador

COLUNA/COLUMNA. 2007;6(1):18-23
2006;5(1):13-18

epidemiologia_210207.pmd 21 02/03/2007, 15:32


22 Koch A, Soler-Graells X, Zaninelli EM

DISCUSSÃO
O mecanismo mais freqüente foi o acidente por queda com neurológico. Cedeño encontrou 48% de Frankel E, seguido
50,40 %, seguido por acidentes de trânsito com 25,50 % e de Frankel D com 13% e Frankel A com 10%.
lesões por Ferimento por Arma de Fogo (FAF) com 9,76 %. As vítimas de acidente por queda foram 21 pacientes
Estes dados condizem com Cedeño21 com 72% de acidentes (8,57 %), sendo 13 Frankel A (5,31 %), cinco Frankel B (2,04
por queda e 14 % para acidentes automobilísticos e FAF. %), um Frankel C (0,41 %), dois Frankel D (0,82 %) e 224
Silberstein22 encontrou 40 % de acidentes por queda e 25 % Frankel E (91,43 %). Lesão neurológica estava presente em
de acidentes automobilísticos, sendo 7,7 % de 8,57 % vítimas de acidente por queda, sendo Frankel A 5,31
atropelamentos. Cedeño21 em Caracas encontrou 72% de %, Frankel B 2,04 %, Frankel C 0,41 %, Frankel D 0,82% e
acidentes por queda e 14% para acidentes automobilísticos Fankel E 91,43 %.
e lesões por FAF. Sanchez23 em meta-análise de 11 trabalhos Nas vítimas por acidente automobilístico ocorreu em 24,6
encontrou como principais causas os acidentes por queda %, sendo Frankel A 19,05 %, Frankel B 3,17 %, Frankel C 1,59
com 52-75 %, e os acidentes de trânsito com 27-42 %. %, Frankel D 0,79 % e Frankel E 75,40 %. Nos de
Em nosso meio Freitas24, em Porto Alegre, encontrou 54 atropelamento ocorreu em 11,43 %, sendo Frankel A 11,43 %
% para acidentes por queda (nestes inclusos as lesões por e Frankel E 88,57 %. Nos de mergulho ocorreu em três
mergulho com 37 %), 26 % por acidentes automobilísticos e pacientes 50 %, sendo Frankel A 33,33 %, Frankel D 16,67%
20 % por agressões (sendo 16 % de FAF e 7 % em e Frankel E 50 %. Defino, em Ribeirão Preto, encontrou 61%
atropelamentos). Barros6 encontrou 36,7 % por FAF, 26,9 % de lesão neurológica em pacientes vítimas de mergulho15.
de acidentes automobilísticos (incluídos os As vítimas com lesão por arma de fogo ocorreu em 65,91
atropelamentos), 22,4 de acidentes por queda e 7,7 % de %, sendo Frankel A 59,09 %, Frankel B 6,82 % e Frankel E
lesões por mergulho. Cunha 12 em Belo Horizonte encontrou 34,09 %. Flores11 avaliou pacientes submetidos à lami-
em fraturas tóraco-lombares, 66% acidente por queda e 25,5 nectomia descompressiva por FAF, encontrando secção
% de acidentes automobilísticos. Observamos em uma cidade completa da medula em 50% dos casos, com 33% de Frankel
com lazer aquático, como Porto Alegre, maior incidência de A e uma menor incidência de pacientes em Frankel E. Lopez25
lesões por mergulho, e uma maior incidência de lesões por relatou 55% de lesões completas da medula e apenas 8% de
FAF em cidades como São Paulo. Nosso principal pacientes sem déficit neurológico (Frankel E). Em nossa
mecanismo, o acidente por queda, figura sempre entre as análise a maioria dos pacientes apresentava lesão completa,
principais causas os acidentes automobilísticos estão em mas pouco mais de 1/3 dos pacientes não apresentavam
segundo lugar na maioria dos relatos. nenhum déficit neurológico. Se for grande o número de
Na forma de apresentação dos pacientes, 70% dos jovens que vêem sua vida estraçalhada por um acidente em
acidentes de trânsito foram trazidos pelo SIATE, assim como mergulho, muitos mais têm o mesmo destino em virtude da
69,44% dos atropelamentos e 40,32% dos acidentes por violência armada numa cidade como Curitiba.
quedas. Isso demonstra que o serviço de atendimento de Nos pacientes com outros mecanismos, lesão neuro-
urgência ao trauma consegue abranger a maioria dos lógica ocorreu em seis pacientes (20 %), sendo quatro
pacientes com trauma de alta energia, e a vinda desses Frankel A (13,33 %), um Frankel B (3,33 %), um Frankel C
pacientes ao nosso hospital se deve ao fato de sermos (3,33 %) e 24 Frankel E (80%).
referência em trauma na cidade. Lopez25, na cidade do México, O tratamento mais empregado foi o conservador (62,96%).
tem 79% de pacientes trazidos de outras instituições e 1/5 Foi o método de escolha na maioria dos casos de
trazidos direto do sítio da lesão. atropelamento 72,22 %, acidente por queda com 69,32 %,
Os pacientes que vieram por ambulância refletem o lesões por arma de fogo com 65,22 % e acidentes
atendimento primário efetuado em unidade de saúde de automobilísticos com 51,20 %; enquanto o tratamento
menor capacidade de atendimento ao trauma, principalmente cirúrgico foi predominante nos casos de mergulho com 66,67
nos casos de acidente por queda e nos acidentes %; as lesões por outros mecanismos 50 % de indicações de
automobilísticos, com aproximadamente 1/4 dos pacientes. tratamento conservador e cirúrgico. Cedeño 21 teve o
O que mais nos preocupa são os casos trazidos por civis ou tratamento cirúrgico em maioria de seus pacientes (57%).
espontâneos, que correspondem a 46,67% das demais Nas lesões por FAF 65,22% dos nossos pacientes foram
causas, 35,18% dos acidentes por queda, 13% dos submetidos a algum tipo de procedimento de descompressão
atropelamentos e 33% dos acidentes em mergulho, visto ou descompressão com artrodese. Lopez25 em pacientes com
que esta é uma situação de risco de vida e de seqüelas FAF mostra um índice de indicações cirúrgicas em 36% dos
graves e irreversíveis, não condizendo com o deslocamento casos e 63% de tratamento conservador e concluiu que o
ao hospital sem assistência médica, fato que requer maior tratamento cirúrgico promove certa melhora aos pacientes
disponibilidade de recursos para o atendimento pré- com déficit neurológico, e observa também que lesões na
hospitalar e conscientização da população. dura-máter não influenciam o prognóstico. Em nosso serviço
Lesão neurológica estava presente 19,33% do total, não fazemos o tratamento conservador para projéteis
sendo 15,02 Frankel A, 2,67% Frankel B, 0,82% Frankel C e localizados no canal medular, assim como não procedemos
D, e 80,66% de Frankel E que não apresentavam déficit à sutura da dura-máter nas lesões por FAF.

COLUNA/COLUMNA.
COLUNA/COLUMNA. 2006;5(1):13-18
2007;6(1):18-23

epidemiologia_210207.pmd 22 02/03/2007, 15:32


Epidemiologia de fraturas da coluna conforme seus mecanismos de trauma: análise de 502 casos 23

CONCLUSÃO
O mecanismo de lesão mais freqüente foi acidente por queda automobilísticos, com 61 casos. A maior porcentagem de
50,4%, seguido de acidentes automobilísticos com 25,50%. procedimentos cirúrgicos ocorreu nas lesões por mergulho
O maior número de pacientes com lesões neurológicas foi com 66%, outras causas com 50% e acidentes
oriundo de acidente automobilístico, com 31 pacientes. O automobilísticos com 48,8%.
mecanismo com maior porcentagem de lesões neurológicas Há a necessidade de um levantamento das situações em
foi a lesão por FAF com 65,91%, em segundo lugar as lesões que ocorrem os acidentes por queda, visto que compreendem
por mergulho com 50%. a maioria dos casos. Somente então poderemos direcionar
O Sistema de atendimento ao trauma - SIATE consegue as campanhas de prevenção, sejam cuidados domésticos
atender a 85,71% das vítimas de FAF, 70,31% dos acidentes para pacientes idosos com queda do mesmo nível ou
automobilísticos e a 69,74% dos atropelamentos. Porém, a trabalhadores com quedas de altura.
maioria dos nossos pacientes, que são oriundos de acidente Com base nestes dados, vemos que o trauma raqui-
por queda, ainda não é deslocada diretamente do local do medular não são casos isolados, mas sim uma verdadeira
trauma para o hospital de referência. epidemia, que é o trauma, e que deve ser tratado como
As principais causas de cirurgias foram: - acidente por questão de saúde pública, já que causam danos importantes
queda, com 77 casos operados; - os acidentes à sociedade e irreversíveis aos indivíduos.

REFERÊNCIAS
1. American College of Surgeons. ATLS: NNSC. Fratura da coluna toracolombar Berlin: Springer-Verlag; 1998.
advanced trauma life support: course for do tipo explosão em T12/L1/L2. Rev 21. Cedeño A, Rangel G, Formigoni M.
physicians. Chicago; 1993. Bras Ortop. 2002; 37(10): 445-53. Fracturas de columna vertebral e
2. Oliveira PAS, Pires JV, Borges Filho 11. Flores LP, Nascimento Filho JS, Pereira inestabilidad post-traumática:
JMM. Traumatismos da coluna torácica Neto A, Suzuki K. Fatores prognósticos experiencia en el Hospital Pérez de
e lombar: avaliação epidemiológica. Rev do trauma raquimedular por projétil de León enero 1997 - diciembre 1998.
Bras Ortop. 1996; 31(9): 771-6. arma de fogo em pacientes submetidos à Centro Méd. 2000; 45(1): 23-31.
3. Montesano PX, Benson BR. Fraturas e laminectomia. Arq Neuropsiquiatr. 1999; 22. Silberstein B, Rabinovich S. Epidemiology
luxações da coluna vertebral. In: 57(3B): 836-42. of spinal cord injuries in Novosibirsk,
Rockwood Jr CA, Grenn DP, Bucholz 12. Cunha FM, Menezes CM, Guimarães Russia. Paraplegia. 1995; 33(6): 322-5.
RW, editors . Fraturas em adultos. 3a ed. EP. Lesões traumáticas da coluna 23. Reyes-Sánchez AA, et al. Revisión Y
São Paulo: Manole; 1993. p. 1332-70. torácica e lombar. Rev Bras Ortop. analisis de la bibliografía en el tratamiento
4. National Spinal Cord Injury Statistical 2000; 35(1/2):17-22. de las fracturas toracolombares. Coluna.
Center: Spinal Cord Injury Facts and 13. Barros Filho TEP, Oliveira RP, Grave 2003; 2(2): 83-92.
Figures at a Glance. Birmingham, Ala: JMD, Taricco MA. Corpectomy and 24. Freitas PEP. Traumatismos
University of Alabama; 1999. anterior plating in cervical spine fractures raquimedulares agudos: estudo
5. Herbert S, Xavier R, Pardini Jr Arlindo with tetraplegia. Rev Paul Med. 1993; epidemiológico de cem casos consecuti-
G, Barros Filho TEP. Ortopedia e 111(2): 375-7. vos. J Bras Neurocir. 1990; 2(1): 1-10.
traumatologia: princípios e prática. 3a 14. Oliveira AR, Avanzi O. Estudo sobre a 25. López B, Anaya Vallejo S, Rodríguez
ed. Porto Alegre: Artmed; 2003. mortalidade de pacientes com fratura da Cabrera R, Palapa Garcia Leobarado R.
6. Barros Filho TEP, Taricco MA, Oliveira coluna cervical durante o período de Estudio clínico-epidemiológico de pacientes
RP, Greve JMA, Santos LCR, Napoli hospitalização. Rev Bras Ortop. 2002; con lesiones de la columna vertebral por
MMM. Estudo epidemiológico dos 37(3): 89-96. heridad de bala atendidos en un hospital de
pacientes com traumatismo da coluna 15. Defino HLA. Lesões traumáticas da referencia de seguridad social. Rev Mex
vertebral e déficit neurológico, internados coluna cervical alta. Rev Bras Ortop. Ortop Traumatol. 2000; 14(1): 44-7.
no Instituto de Ortopedia e Traumatologia 2002; 37(4): 99-107.
do Hospital das Clínicas da Faculdade de 16. Defino HLA, Fuentes AER, Remondi PH,
Medicina da USP. Rev Hosp Clin Fac Med Vallim EC. Fixação monossegmentar das
São Paulo. 1990; 45(3): 123 - 6. fraturas da coluna toracolombar. Rev Bras
7. Silva CLC, Defino HLA. Estudo Ortop. 1998; 33(2): 119-24.
epidemiológico das fraturas da coluna 17. Defino HLA, Rodrigues Fuentes AE, Russo
cervical por mergulho na cidade de Júnior N. Osteossíntese das lesões Correspondência
Ribeirão Preto-SP. Medicina (Ribeirão traumáticas da coluna cervical baixa (C3 -
Preto). 2002; 35(1): 41-7. C7). Rev Bras Ortop. 1994; 29(3):127-35. Alex Koch
8. Boullosa JLR, Dias LAA, Carlotti Júnior 18. Defino HLA, Fuentes ARR, Remondi PH, Av. Cândido Hartmann 3530, Ap. 121,
CG, Colli BO. Traumatismos Ballim EC. Tratamento conservador das
raquimedulares. Medicina (Ribeirão
Santo Inácio
fraturas da coluna toracolombar. Rev Bras
Preto). 1995; 28(4): 777-84. Ortop. 2000; 35(8): 301-8. Curitiba, PR, Brasil
9. Barros Filho TEP. Ensaios clínicos no 19. Avanzi O, Salomão JCA, Dezen E, Pinto
traumatismo raquimedular. In: Pardini Filho WC. Fraturas da coluna vertebral em CEP: 82010-000
Junior AG, Souza JMG. Clínica Ortopédi- crianças: estudo de 38 casos. Rev Bras E-mail: alexkoch@brturbo.com.br ou
ca. Rio de Janeiro: Medsi; 2000. [Série: Ortop. 1993; 28(3): 105-11. xaviersoler@uol.com.br
Clínica Ortopédica : Traumatismos da 20. Magerl F, Aebi M. A comprehensive
Coluna Vertebral, v. 1. n. 4.] classification of thoracic andlumbar Tel: 41 336-5576
10. Garcia EB, Silva AL, Pimenta LG, Cunha injuries. In: Aebi M, Thalgott JS, Webb JK.
Cel: 41 9989-0303
FM, Garcia EB, Gonçalves RG, Reis AO ASIF Principles in spine surgery.

COLUNA/COLUMNA. 2007;6(1):18-23
2006;5(1):13-18

epidemiologia_210207.pmd 23 02/03/2007, 15:32

Você também pode gostar