Você está na página 1de 285

OP-066OT-20

CÓD: 7891182039192

AMARGOSA
PREFEITURA MUNICIPAL DE AMARGOSA
DO ESTADO DA BAHIA

Agente de Trânsito

EDITAL Nº 002/2020
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Língua Portuguesa
1. Interpretação de texto: informações literais e inferências possíveis; ponto de vista do autor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Significação contextual de palavras e expressões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Relações entre ideias e recursos de coesão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
4. Figuras de estilo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
5. Conhecimentos linguísticos: ortografia: emprego das letras, divisão silábica, acentuação gráfica, encontros vocálicos e consonantais,
dígrafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
6. Classes de palavras: substantivos, adjetivos, artigos, numerais, pronomes, verbos, advérbios, preposições, conjunções, interjeições:
conceituações, classificações, flexões, emprego, locuções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
7. Sintaxe: estrutura da oração, estrutura do período, concordância (verbal e nominal); regência (verbal e nominal) . . . . . . . . . . . . . 16
8. Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
9. Colocação de pronomes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
10. Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
11. Redação oficial (ofício, memorando, ata, parecer) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Informática Básica e Aplicada


1. Informática básica. Hardwares e periféricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Windows 10 Pro: painel de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Microsoft Office 365: Word, Excel, Power Point, Outlook . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
4. Internet. Intranet Browsers. Sites de busca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
5. Correio eletrônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
6. Backup: conceitos básicos, tipos, dispositivos e ferramentas, unidades de medida de armazenamento, compactação de arquivos 45
7. Vírus e programas maliciosos: conceitos básicos, tipos, ações preventivas/corretivas e softwares de segurança digital . . . . . . . . . 48
8. Redes sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
9. Noções sobre redes e Wi-Fi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

Contexto e Realidade Socioeconômico Local do Município de Amargosa


1. Histórico do município, cultura, economia geografia, política local e atualidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Normas gerais e critérios básicos para a promoção e incentivos à Inovação, objetivando ambientes produtivos e regras para imple-
mentação da Cidade Inteligente (Smart City) no âmbito do munícipio de Amargosa (Lei nº 582, de 21 de agosto de 2020). . . . . . 10

Administração Pública
1. Constituição Federal: Art. 37 A 40 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Estatuto Do Servidor Do Município De Amargosa (Lei Nº 8, De 02 De Março De 2006 E Lei Complementar Nº 35, De 19 De Agosto De
2020) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3. Poderes Administrativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4. Princípios Norteadores Dos Serviços Públicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
5. Processo Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
6. Atos Administrativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7. Lei Da Improbidade Administrativa (Lei Nº 8.429, De 2 De Junho De 1992) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
8. Crimes Contra Administração Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

Conhecimentos Específicos
Agente de Trânsito
1. Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, e suas alterações posteriores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Lei nº 11.705, de 19 de junho de 2008 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3. Lei nº 12.760, de 20 de dezembro de 2012 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
4. Lei 12.971, de 09 de maio de 2014 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
5. Lei nº 13.160, de 25 de agosto de 2015 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
6. Lei nº 13.546, de 19 de dezembro de 2015 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7. Lei nº 13.281, de 04 de maio de 2016 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
ÍNDICE

8. Lei nº 13.614, de 11 de jan. 2018 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49


9. Código de Trânsito Brasileiro. Conceitos e definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
10. Sistema nacional de trânsito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
11. Normas gerais de circulação e conduta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
12. Infrações. Medidas administrativas. Penalidades. Processo Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
13. Pedestres e condutores não motorizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
14. Condução de veículos por motoristas profissionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
15. Condução de escolares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
16. Condução de Moto-frete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
17. Veículos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
18. Segurança dos veículos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
19. Veículos em circulação internacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
20. Identificação dos veículos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
21. Habilitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
22. Licenciamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
23. Crimes de trânsito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
24. Noções sobre Engenharia de tráfego: operação, fiscalização e policiamento ostensivo de trânsito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
25. Sinalização de trânsito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
26. Resolução CONTRAN nº 497, de 29 de julho de 2014 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
27. Resolução CONTRAN nº 561, de 15 de outubro de 2015 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
28. Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
29. Resolução CONTRAN nº 761, de 20 de dezembro de 2018 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Interpretação de texto: informações literais e inferências possíveis; ponto de vista do autor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Significação contextual de palavras e expressões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Relações entre ideias e recursos de coesão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
4. Figuras de estilo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
5. Conhecimentos linguísticos: ortografia: emprego das letras, divisão silábica, acentuação gráfica, encontros vocálicos e consonantais,
dígrafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
6. Classes de palavras: substantivos, adjetivos, artigos, numerais, pronomes, verbos, advérbios, preposições, conjunções, interjeições:
conceituações, classificações, flexões, emprego, locuções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
7. Sintaxe: estrutura da oração, estrutura do período, concordância (verbal e nominal); regência (verbal e nominal) . . . . . . . . . . . . . 16
8. Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
9. Colocação de pronomes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
10. Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
11. Redação oficial (ofício, memorando, ata, parecer) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
LÍNGUA PORTUGUESA
Gêneros Discursivos
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: INFORMAÇÕES LITERAIS E Romance: descrição longa de ações e sentimentos de perso-
INFERÊNCIAS POSSÍVEIS; PONTO DE VISTA DO AUTOR nagens fictícios, podendo ser de comparação com a realidade ou
totalmente irreal. A diferença principal entre um romance e uma
Compreender um texto trata da análise e decodificação do que novela é a extensão do texto, ou seja, o romance é mais longo. No
de fato está escrito, seja das frases ou das ideias presentes. Inter- romance nós temos uma história central e várias histórias secun-
pretar um texto, está ligado às conclusões que se pode chegar ao dárias.
conectar as ideias do texto com a realidade. Interpretação trabalha  
com a subjetividade, com o que se entendeu sobre o texto. Conto: obra de ficção onde é criado seres e locais totalmente
Interpretar um texto permite a compreensão de todo e qual- imaginário. Com linguagem linear e curta, envolve poucas perso-
quer texto ou discurso e se amplia no entendimento da sua ideia nagens, que geralmente se movimentam em torno de uma única
principal. Compreender relações semânticas é uma competência ação, dada em um só espaço, eixo temático e conflito. Suas ações
imprescindível no mercado de trabalho e nos estudos. encaminham-se diretamente para um desfecho.
Quando não se sabe interpretar corretamente um texto pode- Novela: muito parecida com o conto e o romance, diferencia-
-se criar vários problemas, afetando não só o desenvolvimento pro- do por sua extensão. Ela fica entre o conto e o romance, e tem a
fissional, mas também o desenvolvimento pessoal. história principal, mas também tem várias histórias secundárias. O
tempo na novela é baseada no calendário. O tempo e local são de-
Busca de sentidos finidos pelas histórias dos personagens. A história (enredo) tem um
Para a busca de sentidos do texto, pode-se retirar do mesmo ritmo mais acelerado do que a do romance por ter um texto mais
os  tópicos frasais  presentes em cada parágrafo. Isso auxiliará na curto.
apreensão do conteúdo exposto.  
Isso porque é ali que se fazem necessários, estabelecem uma Crônica: texto que narra o cotidiano das pessoas, situações que
relação hierárquica do pensamento defendido, retomando ideias já nós mesmos já vivemos e normalmente é utilizado a ironia para
citadas ou apresentando novos conceitos. mostrar um outro lado da mesma história. Na crônica o tempo não
Por fim, concentre-se nas ideias que realmente foram explici- é relevante e quando é citado, geralmente são pequenos intervalos
tadas pelo autor. Textos argumentativos não costumam conceder como horas ou mesmo minutos.
espaço para divagações ou hipóteses, supostamente contidas nas  
entrelinhas. Deve-se ater às ideias do autor, o que não quer dizer Poesia: apresenta um trabalho voltado para o estudo da lin-
que o leitor precise ficar preso na superfície do texto, mas é fun- guagem, fazendo-o de maneira particular, refletindo o momento,
damental que não sejam criadas suposições vagas e inespecíficas.  a vida dos homens através de figuras que possibilitam a criação de
imagens. 
Importância da interpretação  
A prática da  leitura, seja por prazer, para estudar ou para se Editorial: texto dissertativo argumentativo onde expressa  a 
informar, aprimora o vocabulário e dinamiza o raciocínio e a inter- opinião do editor através de argumentos e fatos sobre  um assunto 
pretação. A leitura, além de favorecer o aprendizado de conteúdos que está sendo muito comentado (polêmico). Sua intenção é con-
específicos, aprimora a escrita. vencer o leitor a concordar com ele.
Uma  interpretação de texto  assertiva depende de inúmeros  
fatores. Muitas vezes, apressados, descuidamo-nos dos detalhes Entrevista: texto expositivo e é marcado pela conversa de um
presentes em um texto, achamos que apenas uma leitura já se faz entrevistador e um entrevistado para a obtenção de informações.
suficiente. Interpretar exige paciência e, por isso, sempre releia o Tem como principal característica transmitir a opinião de pessoas
texto, pois a segunda leitura pode apresentar aspectos surpreen- de destaque sobre algum assunto de interesse.
dentes que não foram observados previamente. Para auxiliar na
busca de sentidos do texto, pode-se também retirar dele os tópicos Cantiga de roda: gênero empírico, que na escola se materiali-
frasais presentes em cada parágrafo, isso certamente auxiliará na za em uma concretude da realidade. A cantiga de roda permite as
apreensão do conteúdo exposto. Lembre-se de que os parágrafos crianças terem mais sentido em relação a leitura e escrita, ajudando
não estão organizados, pelo menos em um bom texto, de maneira os professores a identificar o nível de alfabetização delas.
aleatória, se estão no lugar que estão, é porque ali se fazem ne-  
cessários, estabelecendo uma relação hierárquica do pensamento Receita: texto instrucional e injuntivo que tem como objetivo
defendido, retomando ideias já citadas ou apresentando novos con- de informar, aconselhar, ou seja, recomendam dando uma certa li-
ceitos. berdade para quem recebe a informação.
Concentre-se nas ideias  que de fato foram explicitadas pelo
autor: os textos argumentativos não costumam conceder espaço O modo como o autor narra suas histórias provoca diferentes
para divagações ou hipóteses, supostamente contidas nas entreli- sentidos ao leitor em relação à uma obra. Existem três pontos de
nhas. Devemos nos ater às ideias do autor, isso não quer dizer que vista diferentes. É considerado o elemento da narração que com-
você precise ficar preso na superfície do texto, mas é fundamental preende a perspectiva através da qual se conta a história. Trata-se
que não criemos, à revelia do autor, suposições vagas e inespecífi- da posição da qual o narrador articula a narrativa. Apesar de existir
cas. Ler com atenção é um exercício que deve ser praticado à exaus- diferentes possibilidades de Ponto de Vista em uma narrativa, con-
tão, assim como uma técnica, que fará de nós leitores proficientes. sidera-se dois pontos de vista como fundamentais: O narrador-ob-
servador e o narrador-personagem.
Diferença entre compreensão e interpretação
A compreensão de um texto é fazer uma análise objetiva do Primeira pessoa
texto e verificar o que realmente está escrito nele. Já a interpreta- Um personagem narra a história a partir de seu próprio ponto
ção imagina o que as ideias do texto têm a ver com a realidade. O de vista, ou seja, o escritor usa a primeira pessoa. Nesse caso, lemos
leitor tira conclusões subjetivas do texto. o livro com a sensação de termos a visão do personagem poden-

1
LÍNGUA PORTUGUESA
do também saber quais são seus pensamentos, o que causa uma textuais, devemos pensar também na linguagem adequada a ser
leitura mais íntima. Da mesma maneira que acontece nas nossas adotada em cada um deles. Para isso existem a linguagem literária
vidas, existem algumas coisas das quais não temos conhecimento e e a linguagem não literária.
só descobrimos ao decorrer da história.
Diferente do que ocorre com os textos literários, nos quais há
Segunda pessoa uma preocupação com o objeto linguístico e também com o estilo,
O autor costuma falar diretamente com o leitor, como um diá- os textos não literários apresentam características bem delimitadas
logo. Trata-se de um caso mais raro e faz com que o leitor se sinta para que possam cumprir sua principal missão, que é, na maioria
quase como outro personagem que participa da história. das vezes, a de informar. Quando pensamos em informação, alguns
elementos devem ser elencados, como a objetividade, a transpa-
Terceira pessoa rência e o compromisso com uma linguagem não literária, afastan-
Coloca o leitor numa posição externa, como se apenas obser- do assim possíveis equívocos na interpretação de um texto.
vasse a ação acontecer. Os diálogos não são como na narrativa em
primeira pessoa, já que nesse caso o autor relata as frases como al- Fato
guém que estivesse apenas contando o que cada personagem disse. O fato é algo que aconteceu ou está acontecendo. A existência
do fato pode ser constatada de modo indiscutível. O fato pode é
Sendo assim, o autor deve definir se sua narrativa será transmi- uma coisa que aconteceu e pode ser comprovado de alguma manei-
tida ao leitor por um ou vários personagens. Se a história é contada ra, através de algum documento, números, vídeo ou registro.
por mais de um ser fictício, a transição do ponto de vista de um para
outro deve ser bem clara, para que quem estiver acompanhando a Exemplo:
leitura não fique confuso. A mãe foi viajar.
Detecção de características e pormenores que identifiquem o
texto dentro de um estilo de época Interpretação
É o ato de dar sentido ao fato, de entendê-lo. Interpretamos
quando relacionamos fatos, os comparamos, buscamos suas
Principais características do texto literário
causas, previmos suas consequências.
Há diferença do texto literário em relação ao texto referencial,
Entre o fato e sua interpretação há uma relação lógica: se apon-
sobretudo, por sua carga estética. Esse tipo de texto exerce uma
tamos uma causa ou consequência, é necessário que seja plausível.
linguagem ficcional, além de fazer referência à função poética da
Se comparamos fatos, é preciso que suas semelhanças ou diferen-
linguagem.
ças sejam detectáveis.
Uma constante discussão sobre a função e a estrutura do tex-
Exemplos:
to literário existe, e também sobre a dificuldade de se entenderem A mãe foi viajar porque considerou importante estudar em ou-
os enigmas, as ambiguidades, as metáforas da literatura. São esses tro país.
elementos que constituem o atrativo do texto literário:  a escrita A mãe foi viajar porque se preocupava mais com sua profissão
diferenciada, o trabalho com a palavra, seu aspecto conotativo, do que com a filha.
seus enigmas.
Opinião
A literatura apresenta-se como o instrumento artístico de análi- A opinião é a avaliação que se faz de um fato considerando um
se de mundo e de compreensão do homem. Cada época conceituou juízo de valor. É um julgamento que tem como base a interpretação
a literatura e suas funções de acordo com a realidade, o contexto que fazemos do fato.
histórico e cultural e, os anseios dos indivíduos daquele momento. Nossas opiniões costumam ser avaliadas pelo grau de coerên-
cia que mantêm com a interpretação do fato. É uma interpretação
Ficcionalidade: os textos baseiam-se no real, transfigurando-o, do fato, ou seja, um modo particular de olhar o fato. Esta opinião
recriando-o. pode alterar de pessoa para pessoa devido a fatores socioculturais.

Aspecto subjetivo: o texto apresenta o olhar pessoal do artista, Exemplos de opiniões que podem decorrer das interpretações
suas experiências e emoções. anteriores:
A mãe foi viajar porque considerou importante estudar em ou-
Ênfase na função poética da linguagem: o texto literário mani- tro país. Ela tomou uma decisão acertada.
pula a palavra, revestindo-a de caráter artístico. A mãe foi viajar porque se preocupava mais com sua profissão
do que com a filha. Ela foi egoísta.
Plurissignificação: as palavras, no texto literário, assumem vá-
rios significados. Muitas vezes, a interpretação já traz implícita uma opinião.
Por exemplo, quando se mencionam com ênfase consequên-
Principais características do texto não literário cias negativas que podem advir de um fato, se enaltecem previsões
Apresenta peculiaridades em relação a linguagem literária, en- positivas ou se faz um comentário irônico na interpretação, já esta-
tre elas o emprego de uma linguagem convencional e denotativa. mos expressando nosso julgamento.
É muito importante saber a diferença entre o fato e opinião,
Ela tem como função informar de maneira clara e sucinta, des- principalmente quando debatemos um tema polêmico ou quando
considerando aspectos estilísticos próprios da linguagem literária. analisamos um texto dissertativo.

Os diversos textos podem ser classificados de acordo com a Exemplo:


linguagem utilizada. A linguagem de um texto está condicionada à A mãe viajou e deixou a filha só. Nem deve estar se importando
sua funcionalidade. Quando pensamos nos diversos tipos e gêneros com o sofrimento da filha.

2
LÍNGUA PORTUGUESA
Ironia Exemplo: Em livros com narrador onisciente, que sabe tudo o
Ironia é o recurso pelo qual o emissor diz o contrário do que que se passa na história com todas as personagens, é mais fácil apa-
está pensando ou sentindo (ou por pudor em relação a si próprio ou recer esse tipo de ironia. A peça como Romeu e Julieta, por exem-
com intenção depreciativa e sarcástica em relação a outrem). plo, se inicia com a fala que relata que os protagonistas da história
A ironia consiste na utilização de determinada palavra ou ex- irão morrer em decorrência do seu amor. As personagens agem ao
pressão que, em um outro contexto diferente do usual, ganha um longo da peça esperando conseguir atingir seus objetivos, mas a
novo sentido, gerando um efeito de humor. plateia já sabe que eles não serão bem-sucedidos.
Exemplo:
Humor
Nesse caso, é muito comum a utilização de situações que pare-
çam cômicas ou surpreendentes para provocar o efeito de humor.
Situações cômicas ou potencialmente humorísticas comparti-
lham da característica do efeito surpresa. O humor reside em ocor-
rer algo fora do esperado numa situação.
Há diversas situações em que o humor pode aparecer. Há as ti-
rinhas e charges, que aliam texto e imagem para criar efeito cômico;
há anedotas ou pequenos contos; e há as crônicas, frequentemente
acessadas como forma de gerar o riso.
Os textos com finalidade humorística podem ser divididos em
quatro categorias: anedotas, cartuns, tiras e charges.

Exemplo:

Na construção de um texto, ela pode aparecer em três mo-


dos: ironia verbal, ironia de situação e ironia dramática (ou satírica).

Ironia verbal SIGNIFICAÇÃO CONTEXTUAL DE PALAVRAS E EXPRES-


Ocorre quando se diz algo pretendendo expressar outro sig- SÕES
nificado, normalmente oposto ao sentido literal. A expressão e a
intenção são diferentes. Significação de palavras
Exemplo: Você foi tão bem na prova! Tirou um zero incrível! As palavras podem ter diversos sentidos em uma comunicação.
E isso também é estudado pela Gramática Normativa: quem cuida
Ironia de situação dessa parte é a Semântica, que se preocupa, justamente, com os
A intenção e resultado da ação não estão alinhados, ou seja, o significados das palavras. Veremos, então, cada um dos conteúdos
resultado é contrário ao que se espera ou que se planeja. que compõem este estudo.
Exemplo: Quando num texto literário uma personagem planeja
uma ação, mas os resultados não saem como o esperado. No li- Antônimo e Sinônimo
vro “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, a Começaremos por esses dois, que já são famosos.
personagem título tem obsessão por ficar conhecida. Ao longo da
vida, tenta de muitas maneiras alcançar a notoriedade sem suces- O Antônimo são palavras que têm sentidos opostos a outras.
so. Após a morte, a personagem se torna conhecida. A ironia é que Por exemplo, felicidade é o antônimo de tristeza, porque o signi-
planejou ficar famoso antes de morrer e se tornou famoso após a ficado de uma é o oposto da outra. Da mesma forma ocorre com
morte. homem que é antônimo de mulher.

Ironia dramática (ou satírica) Já o sinônimo são palavras que têm sentidos aproximados e
A ironia dramática é um dos efeitos de sentido que ocorre nos que podem, inclusive, substituir a outra. O uso de sinônimos é mui-
textos literários quando a personagem tem a consciência de que to importante para produções textuais, porque evita que você fi-
suas ações não serão bem-sucedidas ou que está entrando por um que repetindo a mesma palavra várias vezes. Utilizando os mesmos
caminho ruim, mas o leitor já tem essa consciência. exemplos, para ficar claro: felicidade é sinônimo de alegria/conten-
tamento e homem é sinônimo de macho/varão.

3
LÍNGUA PORTUGUESA
Hipônimos e Hiperônimos
Estes conceitos são simples de entender: o hipônimo designa uma palavra de sentido mais específico, enquanto que o hiperônimo
designa uma palavra de sentido mais genérico. Por exemplo, cachorro e gato são hipônimos, pois têm sentido específico. E animais domés-
ticos é uma expressão hiperônima, pois indica um sentido mais genérico de animais. Atenção: não confunda hiperônimo com substantivo
coletivo. Hiperônimos estão no ramo dos sentidos das palavras, beleza?!?!

Outros conceitos que agem diretamente no sentido das palavras são os seguintes:

Conotação e Denotação
Observe as frases:
Amo pepino na salada.
Tenho um pepino para resolver.

As duas frases têm uma palavra em comum: pepino. Mas essa palavra tem o mesmo sentido nos dois enunciados? Isso mesmo, não!
Na primeira frase, pepino está no sentido denotativo, ou seja, a palavra está sendo usada no sentido próprio, comum, dicionarizado.
Já na segunda frase, a mesma palavra está no sentindo conotativo, pois ela está sendo usada no sentido figurado e depende do con-
texto para ser entendida.
Para facilitar: denotativo começa com D de dicionário e conotativo começa com C de contexto.

Por fim, vamos tratar de um recurso muito usado em propagandas:

Ambiguidade
Observe a propaganda abaixo:

https://redacaonocafe.wordpress.com/2012/05/22/ambiguidade-na-propaganda/

Perceba que há uma duplicidade de sentido nesta construção. Podemos interpretar que os móveis não durarão no estoque da loja, por
estarem com preço baixo; ou que por estarem muito barato, não têm qualidade e, por isso, terão vida útil curta.
Essa duplicidade acontece por causa da ambiguidade, que é justamente a duplicidade de sentidos que podem haver em uma palavra,
frase ou textos inteiros.

RELAÇÕES ENTRE IDEIAS E RECURSOS DE COESÃO

Coesão e coerência fazem parte importante da elaboração de um texto com clareza. Ela diz respeito à maneira como as ideias são
organizadas a fim de que o objetivo final seja alcançado: a compreensão textual. Na redação espera-se do autor capacidade de mobilizar
conhecimentos e opiniões, argumentar de modo coerente, além de expressar-se com clareza, de forma correta e adequada.

Coerência
É uma rede de sintonia entre as partes e o todo de um texto. Conjunto de unidades sistematizadas numa adequada relação semânti-
ca, que se manifesta na compatibilidade entre as ideias. (Na linguagem popular: “dizer coisa com coisa” ou “uma coisa bate com outra”).
Coerência é a unidade de sentido resultante da relação que se estabelece entre as partes do texto. Uma ideia ajuda a compreender a
outra, produzindo um sentido global, à luz do qual cada uma das partes ganha sentido. Coerência é a ligação em conjunto dos elementos
formativos de um texto.
A coerência não é apenas uma marca textual, mas diz respeito aos conceitos e às relações semânticas que permitem a união dos
elementos textuais.

4
LÍNGUA PORTUGUESA
A coerência de um texto é facilmente deduzida por um falante É pedra de gelo ao sol.
de uma língua, quando não encontra sentido lógico entre as propo- (Geraldo Azevedo/ Alceu Valença)
sições de um enunciado oral ou escrito. É a competência linguística,
tomada em sentido lato, que permite a esse falante reconhecer de Encarnado e azul são as cores do meu desejo.
imediato a coerência de um discurso. (Carlos Drummond de Andrade)

A coerência: Comparação: aproxima dois elementos que se identificam,


- assenta-se no plano cognitivo, da inteligibilidade do texto; ligados por conectivos comparativos explícitos: como, tal qual, tal
- situa-se na subjacência do texto; estabelece conexão concei- como, que, que nem. Também alguns verbos estabelecem a com-
tual; paração: parecer, assemelhar-se e outros.
- relaciona-se com a macroestrutura; trabalha com o todo, com
o aspecto global do texto; Exemplo
- estabelece relações de conteúdo entre palavras e frases. Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol, quando
você entrou em mim como um sol no quintal.
Coesão (Belchior)
É um conjunto de elementos posicionados ao longo do texto,
numa linha de sequência e com os quais se estabelece um vínculo Catacrese: emprego de um termo em lugar de outro para o
ou conexão sequencial. Se o vínculo coesivo se faz via gramática, qual não existe uma designação apropriada.
fala-se em coesão gramatical. Se se faz por meio do vocabulário,
tem-se a coesão lexical. Exemplos
A coesão textual é a ligação, a relação, a conexão entre pala- – folha de papel
vras, expressões ou frases do texto. Ela manifesta-se por elementos – braço de poltrona
gramaticais, que servem para estabelecer vínculos entre os compo- – céu da boca
nentes do texto. – pé da montanha
Existem, em Língua Portuguesa, dois tipos de coesão: a lexical,
que é obtida pelas relações de sinônimos, hiperônimos, nomes ge- Sinestesia: fusão harmônica de, no mínimo, dois dos cinco sen-
néricos e formas elididas, e a gramatical, que é conseguida a partir tidos físicos.
do emprego adequado de artigo, pronome, adjetivo, determinados
advérbios e expressões adverbiais, conjunções e numerais. Exemplo
Vem da sala de linotipos a doce (gustativa) música (auditiva)
A coesão: mecânica.
- assenta-se no plano gramatical e no nível frasal; (Carlos Drummond de Andrade)
- situa-se na superfície do texto, estabele conexão sequencial;
- relaciona-se com a microestrutura, trabalha com as partes A fusão de sensações físicas e psicológicas também é sineste-
componentes do texto; sia: “ódio amargo”, “alegria ruidosa”, “paixão luminosa”, “indiferen-
- Estabelece relações entre os vocábulos no interior das frases. ça gelada”.

Antonomásia: substitui um nome próprio por uma qualidade,


atributo ou circunstância que individualiza o ser e notabiliza-o.
FIGURAS DE ESTILO
Exemplos
As figuras de linguagem ou de estilo são empregadas para O filósofo de Genebra (= Calvino).
valorizar o texto, tornando a linguagem mais expressiva. É um re- O águia de Haia (= Rui Barbosa).
curso linguístico para expressar de formas diferentes experiências
comuns, conferindo originalidade, emotividade ao discurso, ou tor- Metonímia: troca de uma palavra por outra, de tal forma que
nando-o poético. a palavra empregada lembra, sugere e retoma a que foi omitida.

As figuras de linguagem classificam-se em Exemplos


– figuras de palavra; Leio Graciliano Ramos. (livros, obras)
– figuras de pensamento; Comprei um panamá. (chapéu de Panamá)
– figuras de construção ou sintaxe. Tomei um Danone. (iogurte)

Figuras de palavra Alguns autores, em vez de metonímia, classificam como siné-


Emprego de um termo com sentido diferente daquele conven- doque quando se têm a parte pelo todo e o singular pelo plural.
cionalmente empregado, a fim de se conseguir um efeito mais ex-
pressivo na comunicação. Exemplo
A cidade inteira viu assombrada, de queixo caído, o pistoleiro
Metáfora: comparação abreviada, que dispensa o uso dos co- sumir de ladrão, fugindo nos cascos de seu cavalo. (singular pelo
nectivos comparativos; é uma comparação subjetiva. Normalmente plural)
vem com o verbo de ligação claro ou subentendido na frase. (José Cândido de Carvalho)

Exemplos Figuras Sonoras


...a vida é cigana Aliteração: repetição do mesmo fonema consonantal, geral-
É caravana mente em posição inicial da palavra.

5
LÍNGUA PORTUGUESA
Exemplo Dentro de nós os mistérios
Vozes veladas veludosas vozes volúpias dos violões, vozes ve- [do espaço sem fim!
ladas. (Toquinho/Mutinho)
(Cruz e Sousa)
Assíndeto: ocorre quando orações ou palavras que deveriam
Assonância: repetição do mesmo fonema vocal ao longo de um vir ligadas por conjunções coordenativas aparecem separadas por
verso ou poesia. vírgulas.

Exemplo Exemplo
Sou Ana, da cama, Não nos movemos, as mãos é
da cana, fulana, bacana que se estenderam pouco a
Sou Ana de Amsterdam. pouco, todas quatro, pegando-se,
(Chico Buarque) apertando-se, fundindo-se.
(Machado de Assis)
Paronomásia: Emprego de vocábulos semelhantes na forma ou
na prosódia, mas diferentes no sentido. Polissíndeto: repetição intencional de uma conjunção coorde-
nativa mais vezes do que exige a norma gramatical.
Exemplo
Berro pelo aterro pelo desterro berro por seu berro pelo seu Exemplo
[erro Há dois dias meu telefone não fala, nem ouve, nem toca, nem
quero que você ganhe que tuge, nem muge.
[você me apanhe (Rubem Braga)
sou o seu bezerro gritando
[mamãe. Pleonasmo: repetição de uma ideia já sugerida ou de um ter-
(Caetano Veloso) mo já expresso.

Onomatopeia: imitação aproximada de um ruído ou som pro- Pleonasmo literário: recurso estilístico que enriquece a expres-
duzido por seres animados e inanimados. são, dando ênfase à mensagem.

Exemplo Exemplos
Vai o ouvido apurado Não os venci. Venceram-me
na trama do rumor suas nervuras eles a mim.
inseto múltiplo reunido (Rui Barbosa)
para compor o zanzineio surdo
circular opressivo Morrerás morte vil na mão de um forte.
zunzin de mil zonzons zoando em meio à pasta de calor (Gonçalves Dias)
da noite em branco Pleonasmo vicioso: Frequente na linguagem informal, cotidia-
(Carlos Drummond de Andrade) na, considerado vício de linguagem. Deve ser evitado.

Observação: verbos que exprimem os sons são considerados Exemplos


onomatopaicos, como cacarejar, tiquetaquear, miar etc. Ouvir com os ouvidos.
Rolar escadas abaixo.
Figuras de sintaxe ou de construção Colaborar juntos.
Dizem respeito a desvios em relação à concordância entre os Hemorragia de sangue.
termos da oração, sua ordem, possíveis repetições ou omissões. Repetir de novo.

Podem ser formadas por: Elipse: Supressão de uma ou mais palavras facilmente suben-
omissão: assíndeto, elipse e zeugma; tendidas na frase. Geralmente essas palavras são pronomes, con-
repetição: anáfora, pleonasmo e polissíndeto; junções, preposições e verbos.
inversão: anástrofe, hipérbato, sínquise e hipálage;
ruptura: anacoluto; Exemplos
concordância ideológica: silepse. Compareci ao Congresso. (eu)
Espero venhas logo. (eu, que, tu)
Anáfora: repetição da mesma palavra no início de um período, Ele dormiu duas horas. (durante)
frase ou verso. No mar, tanta tormenta e tanto dano. (verbo Haver)
(Camões)
Exemplo
Dentro do tempo o universo Zeugma: Consiste na omissão de palavras já expressas anterior-
[na imensidão. mente.
Dentro do sol o calor peculiar
[do verão. Exemplos
Dentro da vida uma vida me Foi saqueada a vila, e assassina dos os partidários dos Filipes.
[conta uma estória que fala (Camilo Castelo Branco)
[de mim.

6
LÍNGUA PORTUGUESA
Rubião fez um gesto, Palha outro: mas quão diferentes.
(Machado de Assis) CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS: ORTOGRAFIA: EM-
PREGO DAS LETRAS, DIVISÃO SILÁBICA, ACENTUAÇÃO
Hipérbato ou inversão: alteração da ordem direta dos elemen- GRÁFICA, ENCONTROS VOCÁLICOS E CONSONANTAIS,
tos na frase. DÍGRAFOS

Exemplos ORTOGRAFIA OFICIAL


Passeiam, à tarde, as belas na avenida. • Mudanças no alfabeto: O alfabeto tem 26 letras. Foram rein-
(Carlos Drummond de Andrade) troduzidas as letras k, w e y.
O alfabeto completo é o seguinte: A B C D E F G H I J K L M N O
Paciência tenho eu tido... PQRSTUVWXYZ
(Antônio Nobre) • Trema: Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a
letra u para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gue,
Anacoluto: interrupção do plano sintático com que se inicia a gui, que, qui.
frase, alterando a sequência do processo lógico. A construção do
período deixa um ou mais termos desprendidos dos demais e sem Regras de acentuação
função sintática definida. – Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das
palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima
Exemplos sílaba)
E o desgraçado, tremiam-lhe as pernas.
(Manuel Bandeira)
Como era Como fica
Aquela mina de ouro, ela não ia deixar que outras espertas bo- alcatéia alcateia
tassem as mãos. apóia apoia
(José Lins do Rego)
apóio apoio
Hipálage: inversão da posição do adjetivo (uma qualidade que
pertence a um objeto é atribuída a outro, na mesma frase). Atenção: essa regra só vale para as paroxítonas. As oxítonas
continuam com acento: Ex.: papéis, herói, heróis, troféu, troféus.
Exemplo
...em cada olho um grito castanho de ódio. – Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no
(Dalton Trevisan) u tônicos quando vierem depois de um ditongo.
...em cada olho castanho um grito de ódio)
Como era Como fica
Silepse
Silepse de gênero: Não há concordância de gênero do adjetivo baiúca baiuca
ou pronome com a pessoa a que se refere. bocaiúva bocaiuva
Exemplos
Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho... Atenção: se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em
(Rachel de Queiroz) posição final (ou seguidos de s), o acento permanece. Exemplos:
tuiuiú, tuiuiús, Piauí.
V. Ex.a parece magoado...
(Carlos Drummond de Andrade) – Não se usa mais o acento das palavras terminadas em êem
e ôo(s).
Silepse de pessoa: Não há concordância da pessoa verbal com
o sujeito da oração.
Como era Como fica
Exemplos abençôo abençoo
Os dois ora estais reunidos...
crêem creem
(Carlos Drummond de Andrade)
– Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/
Na noite do dia seguinte, estávamos reunidos algumas pessoas.
para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera.
(Machado de Assis)
Atenção:
Silepse de número: Não há concordância do número verbal
• Permanece o acento diferencial em pôde/pode.
com o sujeito da oração.
• Permanece o acento diferencial em pôr/por.
• Permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural
Exemplo
dos verbos ter e vir, assim como de seus derivados (manter, deter,
Corria gente de todos os lados, e gritavam.
reter, conter, convir, intervir, advir etc.).
(Mário Barreto)
• É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as
palavras forma/fôrma.

7
LÍNGUA PORTUGUESA
Uso de hífen
Regra básica:
Sempre se usa o hífen diante de h: anti-higiênico, super-homem.

Outros casos
1. Prefixo terminado em vogal:
– Sem hífen diante de vogal diferente: autoescola, antiaéreo.
– Sem hífen diante de consoante diferente de r e s: anteprojeto, semicírculo.
– Sem hífen diante de r e s. Dobram-se essas letras: antirracismo, antissocial, ultrassom.
– Com hífen diante de mesma vogal: contra-ataque, micro-ondas.

2. Prefixo terminado em consoante:


– Com hífen diante de mesma consoante: inter-regional, sub-bibliotecário.
– Sem hífen diante de consoante diferente: intermunicipal, supersônico.
– Sem hífen diante de vogal: interestadual, superinteressante.

Observações:
• Com o prefixo sub, usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r: sub-região, sub-raça. Palavras iniciadas por h perdem essa
letra e juntam-se sem hífen: subumano, subumanidade.
• Com os prefixos circum e pan, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por m, n e vogal: circum-navegação, pan-americano.
• O prefixo co aglutina-se, em geral, com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o: coobrigação, coordenar, cooperar,
cooperação, cooptar, coocupante.
• Com o prefixo vice, usa-se sempre o hífen: vice-rei, vice-almirante.
• Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição, como girassol, madressilva, mandachuva, pon-
tapé, paraquedas, paraquedista.
• Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen: ex-aluno, sem-terra, além-mar, aquém-mar,
recém-casado, pós-graduação, pré-vestibular, pró-europeu.

Viu? Tudo muito tranquilo. Certeza que você já está dominando muita coisa. Mas não podemos parar, não é mesmo?!?! Por isso vamos
passar para mais um ponto importante.

Muitas pessoas acham que fonética e fonologia são sinônimos. Mas, embora as duas pertençam a uma mesma área de estudo, elas
são diferentes.

Fonética
Segundo o dicionário Houaiss, fonética “é o estudo dos sons da fala de uma língua”. O que isso significa? A fonética é um ramo da
Linguística que se dedica a analisar os sons de modo físico-articulador. Ou seja, ela se preocupa com o movimento dos lábios, a vibração
das cordas vocais, a articulação e outros movimentos físicos, mas não tem interesse em saber do conteúdo daquilo que é falado. A fonética
utiliza o Alfabeto Fonético Internacional para representar cada som.

Sintetizando: a fonética estuda o movimento físico (da boca, lábios...) que cada som faz, desconsiderando o significado desses sons.

Fonologia
A fonologia também é um ramo de estudo da Linguística, mas ela se preocupa em analisar a organização e a classificação dos sons,
separando-os em unidades significativas. É responsabilidade da fonologia, também, cuidar de aspectos relativos à divisão silábica, à acen-
tuação de palavras, à ortografia e à pronúncia.

Sintetizando: a fonologia estuda os sons, preocupando-se com o significado de cada um e não só com sua estrutura física.

8
LÍNGUA PORTUGUESA
Para ficar mais claro, leia os quadrinhos:

(Gibizinho da Mônica, nº73, p.73)

O humor da tirinha é construído por meio do emprego das palavras acento e assento. Sabemos que são palavras diferentes, com signi-
ficados diferentes, mas a pronúncia é a mesma. Lembra que a fonética se preocupa com o som e representa ele por meio de um Alfabeto
específico? Para a fonética, então, essas duas palavras seriam transcritas da seguinte forma:

Acento asẽtu
Assento asẽtu

Percebeu? A transcrição é idêntica, já que os sons também são. Já a fonologia analisa cada som com seu significado, portanto, é ela
que faz a diferença de uma palavra para a outra.
Bom, agora que sabemos que fonética e fonologia são coisas diferentes, precisamos de entender o que é fonema e letra.

Fonema: os fonemas são as menores unidades sonoras da fala. Atenção: estamos falando de menores unidades de som, não de síla-
bas. Observe a diferença: na palavra pato a primeira sílaba é pa-. Porém, o primeiro som é pê (P) e o segundo som é a (A).
Letra: as letras são as menores unidades gráfica de uma palavra.

Sintetizando: na palavra pato, pa- é a primeira sílaba; pê é o primeiro som; e P é a primeira letra.
Agora que já sabemos todas essas diferenciações, vamos entender melhor o que é e como se compõe uma sílaba.

Sílaba: A sílaba é um fonema ou conjunto de fonemas que emitido em um só impulso de voz e que tem como base uma vogal.
A sílabas são classificadas de dois modos:

Classificação quanto ao número de sílabas:


As palavras podem ser:
– Monossílabas: as que têm uma só sílaba (pé, pá, mão, boi, luz, é...)
– Dissílabas: as que têm duas sílabas (café, leite, noites, caí, bota, água...)
– Trissílabas: as que têm três sílabas (caneta, cabeça, saúde, circuito, boneca...)
– Polissílabas: as que têm quatro ou mais sílabas (casamento, jesuíta, irresponsabilidade, paralelepípedo...)

Classificação quanto à tonicidade


As palavras podem ser:
– Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última (ca-fé, ma-ra-cu-já, ra-paz, u-ru-bu...)
– Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima (me-sa, sa-bo-ne-te, ré-gua...)
– Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima (sá-ba-do, tô-ni-ca, his-tó-ri-co…)

Lembre-se que:
Tônica: a sílaba mais forte da palavra, que tem autonomia fonética.
Átona: a sílaba mais fraca da palavra, que não tem autonomia fonética.

9
LÍNGUA PORTUGUESA
Na palavra telefone: te-, le-, ne- são sílabas átonas, pois são Viu que não é nenhum bicho de sete cabeças? Agora é só trei-
mais fracas, enquanto que fo- é a sílaba tônica, já que é a pronun- nar e fixar as regras.
ciada com mais força.
Divisão silábica
Agora que já sabemos essas classificações básicas, precisamos A cada um dos grupos pronunciados de uma determinada pa-
entender melhor como se dá a divisão silábica das palavras. lavra numa só emissão de voz, dá-se o nome de sílaba. Na Língua
Portuguesa, o núcleo da sílaba é sempre uma vogal, não existe síla-
Divisão silábica ba sem vogal e nunca mais que uma vogal em cada sílaba.
A divisão silábica é feita pela silabação das palavras, ou seja,
pela pronúncia. Sempre que for escrever, use o hífen para separar Para sabermos o número de sílabas de uma palavra, devemos
uma sílaba da outra. Algumas regras devem ser seguidas neste pro- perceber quantas vogais tem essa palavra. Mas preste atenção, pois
cesso: as letras i e u (mais raramente com as letras e e o) podem represen-
Não se separa: tar semivogais.
• Ditongo: encontro de uma vogal e uma semivogal na mesma
sílaba (cau-le, gai-o-la, ba-lei-a...) Classificação por número de sílabas
• Tritongo: encontro de uma semivogal, uma vogal e uma semi-
vogal na mesma sílaba (Pa-ra-guai, quais-quer, a-ve-ri-guou...) Monossílabas: palavras que possuem uma sílaba.
• Dígrafo: quando duas letras emitem um único som na pala- Exemplos: ré, pó, mês, faz
vra. Não separamos os dígrafos ch, lh, nh, gu e qu (fa-cha-da, co-
-lhei-ta, fro-nha, pe-guei...) Dissílabas: palavras que possuem duas sílabas.
• Encontros consonantais inseparáveis: re-cla-mar, psi-có-lo- Exemplos: ca/sa, la/ço.
-go, pa-trão...)
Trissílabas: palavras que possuem três sílabas.
Deve-se separar: Exemplos: i/da/de, pa/le/ta.
• Hiatos: vogais que se encontram, mas estão é sílabas vizinhas
(sa-ú-de, Sa-a-ra, ví-a-mos...) Polissílabas: palavras que possuem quatro ou mais sílabas.
• Os dígrafos rr, ss, sc, e xc (car-ro, pás-sa-ro, pis-ci-na, ex-ce- Exemplos: mo/da/li/da/de, ad/mi/rá/vel.
-ção...) Divisão Silábica
• Encontros consonantais separáveis: in-fec-ção, mag-nó-lia,
rit-mo...) - Letras que formam os dígrafos “rr”, “ss”, “sc”, “sç”, “xs”, e “xc”
devem permanecer em sílabas diferentes. Exemplos:
Acentuação é o modo de proferir um som ou grupo de sons des – cer
com mais relevo do que outros. Os sinais diacríticos servem para pás – sa – ro...
indicar, dentre outros aspectos, a pronúncia correta das palavras.
Vejamos um por um: - Dígrafos “ch”, “nh”, “lh”, “gu” e “qu” pertencem a uma única
sílaba. Exemplos:
Acento agudo: marca a posição da sílaba tônica e o timbre chu – va
aberto. quei – jo
Já cursei a Faculdade de História.
Acento circunflexo: marca a posição da sílaba tônica e o timbre - Hiatos não devem permanecer na mesma sílaba. Exemplos:
fechado. ca – de – a – do
Meu avô e meus três tios ainda são vivos. ju – í – z
Acento grave: marca o fenômeno da crase (estudaremos este
caso afundo mais à frente). - Ditongos e tritongos devem pertencer a uma única sílaba.
Sou leal à mulher da minha vida. Exemplos:
en – xa – guei
As palavras podem ser: cai – xa
– Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última (ca-fé, ma-ra-cu-
-já, ra-paz, u-ru-bu...) - Encontros consonantais que ocorrem em sílabas internas não
– Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima (me-sa, permanecem juntos, exceto aqueles em que a segunda consoante
sa-bo-ne-te, ré-gua...) é “l” ou “r”. Exemplos:
– Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima
ab – dô – men
(sá-ba-do, tô-ni-ca, his-tó-ri-co…)
flau – ta (permaneceram juntos, pois a segunda letra é repre-
sentada pelo “l”)
As regras de acentuação das palavras são simples. Vejamos:
pra – to (o mesmo ocorre com esse exemplo)
• São acentuadas todas as palavras proparoxítonas (médico,
íamos, Ângela, sânscrito, fôssemos...)
- Alguns grupos consonantais iniciam palavras, e não podem
• São acentuadas as palavras paroxítonas terminadas em L, N,
ser separados. Exemplos:
R, X, I(S), US, UM, UNS, OS, ÃO(S), Ã(S), EI(S) (amável, elétron, éter,
fênix, júri, oásis, ônus, fórum, órfão...) peu – mo – ni – a
• São acentuadas as palavras oxítonas terminadas em A(S), psi – có – lo – ga
E(S), O(S), EM, ENS, ÉU(S), ÉI(S), ÓI(S) (xarás, convéns, robô, Jô, céu,
dói, coronéis...) Acento Tônico
• São acentuados os hiatos I e U, quando precedidos de vogais Quando se pronuncia uma palavra de duas sílabas ou mais, há
(aí, faísca, baú, juízo, Luísa...) sempre uma sílaba com sonoridade mais forte que as demais.

10
LÍNGUA PORTUGUESA
valor - a sílaba lor é a mais forte. Primitivo: É o que deriva uma série de palavras de mesma famí-
maleiro - a sílaba lei é a mais forte. lia etimológica; não se origina de nenhum
outro nome.
Classificação por intensidade Ex.: pedra, pobre.
-Tônica: sílaba com mais intensidade.
- Átona: sílaba com menos intensidade. Derivado: Origina-se de um primitivo.
- Subtônica: sílaba de intensidade intermediária. Ex.: pedrada, pobreza.

Simples: Apresenta apenas um radical.


Classificação das palavras pela posição da sílaba tônica Ex.: pedra, tempo, roupa.
As palavras com duas ou mais sílabas são classificadas de acor-
do com a posição da sílaba tônica. Composto: Apresenta mais de um radical.
Ex.: pedra-sabão, guarda-chuva.
- Oxítonos: a sílaba tônica é a última. Exemplos: paletó, Paraná,
jacaré. Coletivo: Embora no singular, expressa pluralidade.
- Paroxítonos: a sílaba tônica é a penúltima. Exemplos: fácil, ba- Ex.: enxame, cardume, frota
nana, felizmente.
- Proparoxítonos: a sílaba tônica é a antepenúltima. Exemplos: Adjetivo
mínimo, fábula, término. Palavra que modifica um substantivo, dando-lhe uma qualida-
de.

Exemplo:
CLASSES DE PALAVRAS: SUBSTANTIVOS, ADJETIVOS, Cadeira confortável
ARTIGOS, NUMERAIS, PRONOMES, VERBOS, ADVÉR-
BIOS, PREPOSIÇÕES, CONJUNÇÕES, INTERJEIÇÕES: Locução adjetiva
CONCEITUAÇÕES, CLASSIFICAÇÕES, FLEXÕES, EMPRE- Expressão formada de preposição mais substantivo com valor e
GO, LOCUÇÕES emprego de adjetivo. A preposição faz com que um substantivo se
junte a outro para qualificá-lo:
menina (substantivo)      de sorte (substantivo)
CLASSES GRAMATICAIS     Menina de sorte
As palavras costumam ser divididas em classes, segundo suas                  = sortuda (qualifica o substantivo)
funções e formas. Palavras que se apresentam sempre com a mes-
ma forma chamam-se invariáveis; são variáveis, obviamente, as Flexão do adjetivo - gênero
que apresentam flexão ou variação de forma. Uniformes: Uma forma única para ambos os gêneros.
Ex.: O livro comum – a receita comum
Artigo
É a palavra que antecede os substantivos, de forma determinada Biformes: Duas formas, para o masculino e outra para o femi-
(o, a, os, as) ou indeterminada (um, uma, uns, umas). nino.
Ex.: homem mau – mulher má
Classificação Flexão do adjetivo - número
Definidos: Determinam o substantivo de modo particular. Adjetivos simples: plural seguindo as mesmas regras dos subs-
Ex.: Liguei para o advogado. tantivos simples.
Ex.: menino gentil – meninos gentis
Indefinidos: Determinam o substantivo de modo geral.
Ex.: Liguei para um advogado. Adjetivos compostos: plural com a flexão do último elemento.
Ex.: líquido doce-amargo – líquidos doce-amargos
Substantivo
É a palavra que nomeia o que existe, seja ele animado ou Observações
inanimado, real ou imaginário, concreto ou abstrato. Havendo a ideia de cor no adjetivo composto, far-se-á o plural
mediante a análise morfológica dos elementos do composto:
Classificação
Concreto: Dá nome ao ser de natureza independente, real ou – se o último elemento do adjetivo composto for adjetivo, ha-
imaginário. verá apenas a flexão desse último elemento.
Abstrato: Nomeia ação, estado, qualidade, sensação ou senti-
mento e todos os seres que não tem existência independente de Ex.: tecido verde-claro – tecidos verde-claros
outros.
Comum: Dá nome ao ser genericamente, como pertencente a – se o último elemento do adjetivo composto for substantivo,
uma determinada classe. o adjetivo fica invariável.
Ex.: cavalo, menino, rio, cidade.
Ex.: terno amarelo-canário – ternos amarelo-canário
Próprio: Dá nome ao ser particularmente, dentro de uma es-
pécie. Exceção
Ex.: Pedro, Terra, Pacífico, Belo Horizonte. – azul-marinho (invariável):
carro azul-marinho – carros azul-marinho

11
LÍNGUA PORTUGUESA
Flexão do adjetivo -grau
Há dois graus: comparativo (indica se o ser é superior, inferior ou igual na qualificação) superlativo (uma qualidade é levada ao seu
mais alto grau de intensidade).

Comparativo de superioridade Superlativo absoluto


Adjetivo
Analítico Sintético Analítico Sintético
Bom mais bom melhor muito bom ótimo
Mau mais mau pior muito mau péssimo
Grande mais grande maior muito grande máximo
Pequeno mais pequeno menor muito pequeno mínimo
Alto mais alto superior muito alto supremo
Baixo mais baixo inferior muito baixo ínfimo

Numeral
Palavra que exprime quantidade, ordem, fração e multiplicação, em relação ao substantivo.

Classificação
Numeral cardinal: indica quantidade.

Exemplos
duas casas
dez anos

Numeral ordinal: indica ordem.

Exemplos
segunda rua
quadragésimo lugar

Numeral fracionário: indica fração.

Exemplos
um quinto da população
dois terços de água

Numeral multiplicativo: indica multiplicação.

Exemplos
o dobro da bebida
o triplo da dose
Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal
Um Primeiro Vinte Vigésimo
Dois Segundo Trinta Trigésimo
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Seis Sexto Cem Centésimo
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
Nove Nono Novecentos Noningentésimo
Dez Décimo Mil Milésimo

Pronome
Palavra que designa os seres ou a eles se refere, indicando-os apenas como pessoas do discurso, isto é:
– 1ª pessoa, o emissor da mensagem (eu, nós);
– 2ª pessoa, o receptor da mensagem (tu, você, vós, vocês);
– 3ª pessoa, o referente da mensagem, (ele, eles, ela, elas).

12
LÍNGUA PORTUGUESA
O pronome pode acompanhar um substantivo, ou substitui-lo.

Pessoais

Pronomes Pessoais
Pronomes do caso reto Pronomes do caso oblíquo
(função de sujeito) (função de complemento)
átonos (sem preposição) tônicos (com preposição)
eu me mim, comigo
singular tu te ti, contigo
ele/ela o, a, lhe, se si, ele, ela, consigo
nós nos nós, conosco
plural vós vos vós, convosco
eles/elas os, as, lhes, se si, eles, elas, consigo

Tratamento (trato familiar, cortes, cerimonioso)


Você – tratamento familiar
O Senhor, a Senhora – tratamento cerimonioso
Vossa Alteza (V. A.) – príncipes, duques
Vossa Eminência (V. Ema.) – cardeais
Vossa Excelência (V. Exa.) – altas autoridades
Vossa Magnificência – reitores de universidades
Vossa Majestade (V. M.) – reis
Vossa Majestade Imperial (V. M. I.) – imperadores
Vossa Santidade (V. S.) – papas
Vossa Senhoria (V. Sa.) – tratamento geral cerimonioso
Vossa Reverendíssima (V. Revma.) – sacerdotes
Vossa Excelência Reverendíssima – bispos e arcebispos

Esses pronomes, embora usados no tratamento com o interlocutor (2ª pessoa), levam o verbo para a 3ª pessoa.
Quando se referem a 3ª pessoa, apresentam-se com a forma: Sua Senhoria (S. Sa.), Sua Excelência (S. Exa.), Sua Santidade (S. S.) etc.

Possessivos
Exprimem posse:

1.ªpessoa: meu(s), minha(s)


Singular 2.ªpessoa: teu(s), tua(s)
3.ª pessoa: seu(s), sua(s)
1.ªpessoa: nosso(s), nossa(s)
Plural 2.ªpessoa: vosso(s), vossa(s)
3.ª pessoa: seu(s), sua(s)

Observação: Dele, dela, deles, delas são considerados possessivos também.

Demonstrativos
Indicam posição:
1.ª pessoa: este(s), esta(s), isto, estoutro(a)(s).
2.ª pessoa: esse(s), essa(s), isso, essoutro(a)(s).
3.ª pessoa: aquele(s), aquela(s), aquilo, aqueloutro(a)(s).

Também são considerados demonstrativos os pronomes:


– o, a, os, as
– mesmo(s), mesma(s)
– próprio(s), própria(s)
– tal, tais
– semelhante(s)

Relativos
Os pronomes relativos ligam orações, retomam uma palavra já expressa antes e exercem função sintática na oração que eles introduzem.
São relativos os pronomes que, o qual (e suas variações), quem, cujo (e suas variações), onde (advérbio relativo com o sentido de em
que), quanto.

13
LÍNGUA PORTUGUESA
Indefinidos Exemplos
Vagamente, referem-se à 3ª pessoa: Se eu estudasse bastante.
todo(s), toda(s), tudo
algum(ns), alguma(s), alguém, algo Imperativo: Exprime ordem, pedido, instrução.
nenhum(ns), nenhuma(s), ninguém, nada Exemplo
outro(s), outra(s), outrem Estude bastante.
muito(s), muita(s), muito
pouco(s), pouca(s), pouco Formas nominais
mais, menos, bastante(s) As três formas (gerúndio, particípio e infinitivo), além de seu
certo(s), certa(s) valor verbal, podem desempenhar função de substantivo.
cada, qualquer, quaisquer
tanto(s), tanta(s) Exemplos
os demais, as demais O andar do menino trazia alegria aos pais. (infinitivo com valor
vários, várias de substantivo).
um, uma, uns, umas, que, quem Mulher sabida (particípio com valor de adjetivo, qualificando o
substantivo mulher.
Verbo Recebemos uma proposta contendo o valor. (gerúndio com va-
Conjugação lor de adjetivo).
São três: As formas têm duplo estado: são verbos (indicam processos:
1ª conjugação: AR (cantar) andar, saber, conter; tem voz ativa ou passiva), mas ao mesmo tem-
2ª conjugação: ER (comer) po tem características e comportamentos dos nomes (flexão de gê-
3ª conjugação: IR (dormir) nero e número).

Observação: O verbo  pôr  (bem como seus derivados:  com- Advérbio


por,  depor  etc.) é considerado verbo da 2.ª conjugação, pois, no O advérbio é uma palavra invariável que modifica o verbo, ad-
português arcaico, era poer. jetivo, outro advérbio ou toda uma oração.

Número e pessoas Exemplos


Ele fala bem. (verbo)
Eu Ele fala muito bem. (advérbio)
Singular tu Ele é muito inteligente. (adjetivo)
ele / ela / você Realmente ele viajou. (oração)

nós
Plural vós Locução adverbial
eles / elas / vocês O advérbio também pode ser formado por mais de um vocábu-
lo (normalmente expressa por preposição + substantivo), com valor
Tempos verbais e emprego de advérbio.
Presente: pode indicar referência a fatos que se passam no
momento em que falamos, uma verdade geral, sendo comum em Exemplos
expressões proverbiais, pode também indicar um hábito. É comum, às pressas, por prazer, sem dúvida, de graça, com carinho etc.
empregarmos o presente ao invés do futuro para indicar a realiza-
ção próxima de uma ação. Classificação
Passado: que usamos em referência aos fatos que se pas- Tempo:  hoje, amanhã, depois, já, ontem, sempre, nunca, ja-
sam antes do momento em que falamos. São eles: mais, antes, cedo, tarde, etc.
Perfeito: (eu trabalhei), que indica uma ação concluída. Lugar: acima, além, aquém, atrás, dentro, perto, etc.
Imperfeito: (eu trabalhava), se trata de uma ação anterior ao Intensidade:  muito, pouco, bastante, mais, menos, tão, meio,
momento em que se fala, mas que tem uma certa duração no pas- completamente, demais etc.
sado. Modo: bem, mal, assim, depressa, como, melhor, pior, calma-
Mais-que-perfeito simples e composto: (eu trabalhara ou tinha mente, apressadamente, etc.
trabalhado) que denota uma ação concluída antes de outra que já Afirmação: sim, certamente, deveras, realmente, efetivamente
era passada, passado anterior a outro. etc.
Futuro do presente: (eu trabalharei), refere-se ao momento Negação: não.
que falamos. Dúvida: talvez, quiçá, provavelmente etc.
Futuro do pretérito: (eu trabalharia) refere-se a um momento Interrogativo:  onde (aonde, donde), quando, como, por que
do passado. (nas interrogativas diretas e indiretas).

Modos verbais Graus do advérbio


Indicativo: Exprime o que realmente aconteceu. Alguns advérbios de modo, tempo, lugar e intensidade podem,
Exemplo algumas vezes, assim como os adjetivos e substantivos, sofrer a fle-
Eu estudei bastante. xão gradual.

Subjuntivo: Exprime algo possível, provável. Comparativo:


De igualdade: O homem falava tão alto quanto o irmão.

14
LÍNGUA PORTUGUESA
De superioridade: O homem falava mais alto (do) que o irmão. ai! (dor)
De inferioridade: O homem falava menos alto (do) que o ir- bis! (repetição)
mão. psiu! (silencio)
cuidado! atenção! (advertência)
Superlativo: vai! (desapontamento)
Absoluto analítico: O homem falava muito alto. oxalá! tomara! (desejo)
Absoluto sintético: O homem falava altíssimo. perdão! (desculpa)
adeus! (saudação)
Preposição arre! (desagrado, alivio)
Serve de conectivo de subordinação entre palavras e orações. claro! pudera! ótimo! (assentimento)
Vem antes da palavra por ela subordinada a outra.
Locuções interjetivas
Exemplos Expressões formadas por mais de um vocábulo, com valor e
O carro de Ana é novo. (A preposição de subordina o substan- emprego de interjeição.
tivo Ana ao substantivo carro; carro é
subordinante e Ana, palavra subordinada.) Exemplos
Ora bolas!
O antecedente da preposição pode ser: Valha-me Deus!
- Substantivo: relógio de ouro; Raios te partam!
- Adjetivo: contente com a sorte; Nossa Senhora!
- Pronome: quem de nós?;
- Verbo: gosto de você. Conjunção
Conectivo de coordenação entre palavras e orações e o conec-
Locução prepositiva tivo de subordinação entre orações.
Geralmente formada de  advérbio + preposição, com valor As locuções com valor e emprego de conjunção (para que, a
e emprego de preposição: acima de,  atrás de,  através de,  antes fim de que, à proporção que, logo que, depois que) são chamadas
de, depois de, de acordo com, devido a, para com, a fim de, etc. de locuções conjuntivas.

Exemplo Classificação
O senhor ficou atrás de mim. Conjunções coordenativas: Ligam termos oracionais ou orações
de igual valor ou função no período.
Classificação
Essenciais: guardam, o valor de preposição. São seguidas de Aditivas (adição):  e, nem, e as correlações entre  não só, não
pronome obliquo:  a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, somente, não apenas, mas também, mas ainda, senão etc.
entre, para, perante, por, sem, sob, sobre. Adversativas (posição contrária):  mas, porém, contudo, toda-
Acidentais: palavras essencialmente de outras classes gramati- via, entretanto, no entanto, não obstante etc.
cais que, acidentalmente, funcionam como preposição: como, con- Alternativas (alternância): ou… ou, ora… ora, quer… quer, já…
forme, durante, exceto, feito, mediante, segundo, etc. já etc.
Conclusivas (conclusão):  logo, portanto, por conseguinte,
Combinação e contração pois (posposto ao verbo).
As preposições a, de, per, em podem juntar-se com outras pa- Explicativas (explicação): que, porque, por quanto, pois (ante-
lavras. Então, teremos: posto ao verbo).

Combinação: sem alteração fônica. Conjunções subordinativas: Ligam uma oração principal a uma
oração subordinada com o verbo flexionado.
Exemplos
ao (a + o), aonde (a + onde) Classificação
Integrantes (iniciam oração subordinada substantiva): que, se,
Contração: com alteração fônica. como (= que).
Temporais (tempo): quando, enquanto, logo que, mal, apenas,
Exemplos sempre que, assim que, desde que, antes que etc.
à  (a + a),  àquele  (a + aquele),  do  (de + o),  donde  (de + Finais (finalidade): para que, a fim de que, que (= para que), por-
onde), no (em + o), naquele (em + aquele), pelo (per + o), coa (com que (= para que).
+ a). Proporcionais (proporcionalidade): à proporção que, à medida
que, quanto mais ... mais, quanto menos ... menos.
Interjeição Causais (causa):  porque, como, porquanto, visto que, já que,
Palavra que exprime nossos estados emotivos. uma vez que etc.
Condicionais (condição): se, caso, contanto que, desde que, sal-
Exemplos: vo se, sem que (= se não) etc.
ah! (admiração) Comparativas (comparação):  como, que, do que, quanto, que
viva! (exaltação) nem etc.
ufa! eh! (alivio) Conformativas (conformidade): como, conforme, segundo, con-
coragem! (animação) soante, etc.
bravo! (aplauso)

15
LÍNGUA PORTUGUESA
Consecutivas (consequência):  que  (precedido dos termos in- Exemplos
tensivos: tal, tão, tanto, de tal forma etc.), de forma que etc. A notícia corria rápida como pólvora. (Corria está no singular
Concessivas (concessão): embora, conquanto, ainda que, mes- concordando com a notícia.)
mo que, posto que, por mais que, se bem que etc. As notícias corriam rápidas como pólvora. (Corriam, no plural,
concordando com as notícias.)

O núcleo do sujeito é a palavra principal do sujeito, que encerra


SINTAXE: ESTRUTURA DA ORAÇÃO, ESTRUTURA DO a essência de sua significação. Em torno dela, como que gravitam
PERÍODO, CONCORDÂNCIA (VERBAL E NOMINAL); as demais.
REGÊNCIA (VERBAL E NOMINAL) Exemplo: Os teus lírios brancos embelezam os campos. (Lí-
rios é o núcleo do sujeito.)
Frase
É todo enunciado capaz de transmitir a outrem tudo aquilo que Podem exercer a função de núcleo do sujeito o substantivo e
pensamos, queremos ou sentimos. palavras de natureza substantiva. Veja:
O medo salvou-lhe a vida. (substantivo)
Exemplos Os medrosos fugiram. (Adjetivo exercendo papel de substanti-
Caía uma chuva. vo: adjetivo substantivado.)
Dia lindo.
A definição mais adequada para sujeito é: sujeito é o termo da
Oração oração com o qual o verbo normalmente concorda.
É a frase que apresenta estrutura sintática (normalmente, su-
jeito e predicado, ou só o predicado). Sujeito simples: tem um só núcleo.
Exemplo: As flores morreram.
Exemplos
Ninguém segura este menino. (Ninguém: sujeito;  segura este Sujeito composto: tem mais de um núcleo.
menino: predicado) Exemplo: O rapaz e a moça foram encostados ao muro.
Havia muitos suspeitos. (Oração sem sujeito; havia muitos sus-
peitos: predicado) Sujeito elíptico (ou oculto): não expresso e que pode ser de-
terminado pela desinência verbal ou pelo contexto.
Termos da oração Exemplo: Viajarei amanhã. (sujeito oculto: eu)

Sujeito indeterminado: é aquele que existe, mas não podemos


Termos sujeito ou não queremos identificá-lo com precisão.
1.    
essenciais predicado Ocorre:
- quando o verbo está na 3ª pessoa do plural, sem referência a
nenhum substantivo anteriormente expresso.
Exemplo: Batem à porta.
complemento objeto - com verbos intransitivo (VI), transitivo indireto (VTI) ou de li-
verbal direto gação (VL) acompanhados da partícula SE, chamada de índice de
Termos
2. complemento objeto indeterminação do sujeito (IIS).
integrantes
nominal indireto Exemplos:
agente da passiva   Vive-se bem. (VI)
  Precisa-se de pedreiros. (VTI)
    Falava-se baixo. (VI)
Era-se feliz naquela época. (VL)
Adjunto
Termos adnominal Orações sem sujeito
3.    
acessórios adjunto adverbial São orações cujos verbos são impessoais, com sujeito inexis-
aposto tente.
4. Vocativo        
Ocorrem nos seguintes casos:
Diz-se que sujeito e predicado são termos “essenciais”, mas - com verbos que se referem a fenômenos meteorológicos.
note que o termo que realmente é o núcleo da oração é o verbo: Exemplo: Chovia. Ventava durante a noite.
Chove. (Não há referência a sujeito.)
Cansei. (O sujeito e eu, implícito na forma verbal.) - haver no sentido de existir ou quando se refere a tempo de-
Os termos “acessórios” são assim chamados por serem supos- corrido.
tamente dispensáveis, o que nem sempre é verdade. Exemplo: Há duas semanas não o vejo. (= Faz duas semanas)

Sujeito e predicado - fazer referindo-se a fenômenos meteorológicos ou a tempo


Sujeito é o termo da oração com o qual, normalmente, o verbo decorrido.
concorda. Exemplo: Fazia 40° à sombra.

- ser nas indicações de horas, datas e distâncias.

16
LÍNGUA PORTUGUESA
Exempl: São duas horas. Objeto indireto
É o complemento verbal que se liga ao verbo pela preposição
Predicado nominal por ele exigida. Nesse caso o verbo pode ser transitivo indireto ou
O núcleo, em torno do qual as demais palavras do predicado transitivo direto e indireto. Normalmente, as preposições que ligam
gravitam e que contém o que de mais importante se comunica a o objeto indireto ao verbo são a, de, em, com, por, contra, para etc.
respeito do sujeito, e um nome (isto é, um substantivo ou adjetivo, Exemplo: Acredito em você.
ou palavra de natureza substantiva). O verbo e de ligação (liga o nú-
cleo ao sujeito) e indica estado (ser, estar, continuar, ficar, perma- Objeto direto
necer; também andar, com o sentido de estar; virar, com o sentido Complemento verbal que se liga ao verbo sem preposição obri-
de transformar-se em; e viver, com o sentido de estar sempre). gatória. Nesse caso o verbo pode ser transitivo direto ou transitivo
Exemplo: direto e indireto.
Os príncipes viraram sapos muito feios. (verbo de ligação mais Exemplo: Comunicaram o fato aos leitores.
núcleo substantivo: sapos)
Objeto direto preposicionado
Verbos de ligação É aquele que, contrariando sua própria definição e característi-
São aqueles que, sem possuírem significação precisa, ligam um ca, aparece regido de preposição (geralmente preposição a).
sujeito a um predicativo. São verbos de ligação: ser, estar, ficar, pa- O pai dizia aos filhos que adorava a ambos.
recer, permanecer, continuar, tornar-se etc.
Exemplo: A rua estava calma. Objeto pleonástico
É a repetição do objeto (direto ou indireto) por meio de um
Predicativo do sujeito pronome. Essa repetição assume valor enfático (reforço) da noção
É o termo da oração que, no predicado, expressa qualificação contida no objeto direto ou no objeto indireto.
ou classificação do sujeito. Exemplos
Exemplo: Você será engenheiro. Ao colega, já lhe perdoei. (objeto indireto pleonástico)
Ao filme, assistimos a ele emocionados. (objeto indireto pleo-
- O predicativo do sujeito, além de vir com verbos de liga- nástico)
ção, pode também ocorrer com verbos  intransitivos  ou com ver-
bos transitivos. Predicado verbo-nominal
Esse predicado tem dois núcleos (um verbo e um nome), é for-
Predicado verbal mado por predicativo com verbo transitivo ou intransitivo.
Ocorre quando o núcleo é um verbo. Logo, não apresenta pre- Exemplos:
dicativo. E formado por verbos transitivos ou intransitivos. A multidão assistia ao jogo emocionada. (predicativo do sujei-
Exemplo: A população da vila assistia  ao embarque. (Núcleo to com verbo transitivo indireto)
do sujeito: população; núcleo do predicado: assistia, verbo transi- A riqueza tornou-o orgulhoso. (predicativo do objeto com ver-
tivo indireto) bo transitivo direto)

Verbos intransitivos Predicativo do sujeito


São verbos que não exigem complemento algum; como a ação O  predicativo do sujeito, além de vir com verbos de ligação,
verbal não passa, não transita para nenhum complemento, rece- pode também ocorrer com verbos intransitivos ou transitivos. Nes-
bem o nome de verbos intransitivos. Podem formar predicado sozi- se caso, o predicado é verbo-nominal.
nhos ou com adjuntos adverbiais. Exemplo: A criança brincava alegre no parque.
Exemplo: Os visitantes retornaram ontem à noite.
Predicativo do objeto
Verbos transitivos Exprime qualidade, estado ou classificação que se referem ao
São verbos que, ao declarar alguma coisa a respeito do sujei- objeto (direto ou indireto).
to, exigem um complemento para a perfeita compreensão do que
se quer dizer. Tais verbos se denominam transitivos e a pessoa ou Exemplo de predicativo do objeto direto:
coisa para onde se dirige a atividade transitiva do verbo se denomi- O juiz declarou o réu culpado.
na objeto. Dividem-se em: diretos, indiretos e diretos e indiretos. Exemplo de predicativo do objeto indireto:
Gosto de você alegre.
Verbos transitivos diretos: Exigem um objeto direto.
Exemplo: Espero-o no aeroporto. Adjunto adnominal
É o termo acessório que vem junto ao nome (substantivo), res-
Verbos transitivos indiretos: Exigem um objeto indireto. tringindo-o, qualificando-o, determinando-o (adjunto: “que vem
Exemplo: Gosto de flores. junto a”; adnominal: “junto ao nome”). Observe:
Os meus três grandes amigos [amigos: nome substantivo] vie-
Verbos transitivos diretos e indiretos: Exigem um objeto direto ram me fazer uma visita [visita: nome substantivo] agradável on-
e um objeto indireto. tem à noite.
Exemplo: Os ministros informaram  a nova política econômi- São adjuntos adnominais os (artigo definido), meus (pronome
ca aos trabalhadores. (VTDI) possessivo adjetivo), três (numeral), grandes (adjetivo), que estão
gravitando em torno do núcleo do sujeito, o substantivo  amigos;
Complementos verbais o mesmo acontece com uma (artigo indefinido) e agradável (adje-
Os complementos verbais são representados pelo objeto direto tivo), que determinam e qualificam o núcleo do objeto direto, o
(OD) e pelo objeto indireto (OI). substantivo visita.

17
LÍNGUA PORTUGUESA
O adjunto adnominal prende-se diretamente ao substantivo, A 2ª oração vem introduzida por uma conjunção que expressa
ao passo que o predicativo se refere ao substantivo por meio de ideia de acréscimo ou adição com referência à oração anterior, ou
um verbo. seja, por uma conjunção coordenativa aditiva.

Complemento nominal - Orações coordenadas sindéticas adversativas: mas, porém,


É o termo que completa o sentido de substantivos, adjetivos e todavia, contudo, entretanto, no entanto.
advérbios porque estes não têm sentido completo. A 2ª oração vem introduzida por uma conjunção que expressa
- Objeto – recebe a atividade transitiva de um verbo. ideia de oposição à oração anterior, ou seja, por uma conjunção
- Complemento nominal – recebe a atividade transitiva de um coordenativa adversativa.
nome.
O complemento nominal é sempre ligado ao nome por prepo- - Orações coordenadas sindéticas conclusivas: portanto, por
sição, tal como o objeto indireto. isso, pois, logo.
Exemplo: Tenho necessidade de dinheiro. A 2ª oração vem introduzida por uma conjunção que expres-
sa ideia de conclusão de um fato enunciado na oração anterior, ou
Adjunto adverbial seja, por uma conjunção coordenativa conclusiva.
É o termo da oração que modifica o verbo ou um adjetivo ou
o próprio advérbio, expressando uma circunstância: lugar, tempo, - Orações coordenadas sindéticas alternativas: ou, ou... ou,
fim, meio, modo, companhia, exclusão, inclusão, negação, afirma- ora... ora, seja... seja, quer... quer.
ção, duvida, concessão, condição etc. A 2ª oração vem introduzida por uma conjunção que estabele-
ce uma relação de alternância ou escolha com referência à oração
Período anterior, ou seja, por uma conjunção coordenativa alternativa.
Enunciado formado de uma ou mais orações, finalizado por:
ponto final ( . ), reticencias (...), ponto de exclamação (!) ou ponto - Orações coordenadas sindéticas explicativas: que, porque,
de interrogação (?). De acordo com o número de orações, classifi- pois, porquanto.
ca-se em: A 2ª oração é introduzida por uma conjunção que expressa
Apresenta apenas uma oração que é chamada absoluta. ideia de explicação, de justificativa em relação à oração anterior, ou
O período é simples quando só traz uma oração, chamada seja, por uma conjunção coordenativa explicativa.
absoluta; o período é composto quando traz mais de uma oração.
Exemplo: Comeu toda a refeição. (Período simples, oração absolu- Período Composto por Subordinação
ta.); Quero que você leia. (Período composto.) Nesse período, a segunda oração exerce uma função sintática
Uma maneira fácil de saber quantas orações há num período em relação à primeira, sendo subordinada a ela. Quando um perío-
é contar os verbos ou locuções verbais. Num período haverá tan- do é formado de pelo menos um conjunto de duas orações em que
tas orações quantos forem os verbos ou as locuções verbais nele uma delas (a subordinada) depende sintaticamente da outra (prin-
existentes. cipal), ele é classificado como período composto por subordinação.
Há três tipos de período composto: por coordenação, por su- As orações subordinadas são classificadas de acordo com a função
bordinação e por coordenação e subordinação ao mesmo tempo que exercem.
(também chamada de misto).
Orações Subordinadas Adverbiais
Período Composto por Coordenação Exercem a função de adjunto adverbial da oração principal
(OP). São classificadas de acordo com a conjunção subordinativa
As três orações que formam esse período têm sentido próprio que as introduz:
e não mantêm entre si nenhuma dependência sintática: são inde- - Causais: Expressam a causa do fato enunciado na oração prin-
pendentes. Há entre elas uma relação de sentido, mas uma não de- cipal. Conjunções: porque, que, como (= porque), pois que, visto que.
pende da outra sintaticamente. - Condicionais: Expressam hipóteses ou condição para a ocor-
As orações independentes de um período são chamadas de rência do que foi enunciado na principal. Conjunções: se, contanto
orações coordenadas (OC), e o período formado só de orações co- que, a menos que, a não ser que, desde que.
ordenadas é chamado de período composto por coordenação. - Concessivas: Expressam ideia ou fato contrário ao da oração
As orações coordenadas podem ser assindéticas e sindéticas. principal, sem, no entanto, impedir sua realização. Conjunções: em-
As orações são coordenadas assindéticas (OCA) quando não bora, ainda que, apesar de, se bem que, por mais que, mesmo que.
vêm introduzidas por conjunção. Exemplo: - Conformativas: Expressam a conformidade de um fato com
Os jogadores correram, / chutaram, / driblaram. outro. Conjunções: conforme, como (=conforme), segundo.
OCA OCA OCA - Temporais: Acrescentam uma circunstância de tempo ao que
foi expresso na oração principal. Conjunções: quando, assim que,
- As orações são coordenadas sindéticas (OCS) quando vêm in- logo que, enquanto, sempre que, depois que, mal (=assim que).
troduzidas por conjunção coordenativa. Exemplo: - Finais: Expressam a finalidade ou o objetivo do que foi enun-
A mulher saiu do prédio / e entrou no táxi. ciado na oração principal. Conjunções: para que, a fim de que, por-
OCA OCS que (=para que), que.
- Consecutivas: Expressam a consequência do que foi enuncia-
As orações coordenadas sindéticas se classificam de acordo do na oração principal. Conjunções: porque, que, como (= porque),
com o sentido expresso pelas conjunções coordenativas que as in- pois que, visto que.
troduzem. Pode ser: - Comparativas: Expressam ideia de comparação com referên-
cia à oração principal. Conjunções: como, assim como, tal como,
- Orações coordenadas sindéticas aditivas: e, nem, não só... (tão)... como, tanto como, tal qual, que (combinado com menos ou
mas também, não só... mas ainda. mais).

18
LÍNGUA PORTUGUESA
- Proporcionais: Expressam uma ideia que se relaciona pro- Reduzida: Respeitando as regras, não terão problemas.
porcionalmente ao que foi enunciado na principal. Conjunções: à Desenvolvida: Desde que respeitem as regras, não terão pro-
medida que, à proporção que, ao passo que, quanto mais, quanto blemas. (Oração Subordinada Adverbial Condicional)
menos.
Orações Subordinadas Substantivas
São aquelas que, num período, exercem funções sintáticas pró- Concordância Nominal
prias de substantivos, geralmente são introduzidas pelas conjun- Os adjetivos, os pronomes adjetivos, os numerais e os artigos
ções integrantes que e se. concordam em gênero e número com os substantivos aos quais se
- Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta: É aquela referem.
que exerce a função de objeto direto do verbo da oração principal. Os nossos primeiros contatos começaram de maneira amisto-
Observe: O filho quer a sua ajuda. (objeto direto) sa.
- Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta: É aquela
que exerce a função de objeto indireto do verbo da oração princi- Casos Especiais de Concordância Nominal
pal. Observe: Preciso de sua ajuda. (objeto indireto) • Menos e alerta são invariáveis na função de advérbio:
- Oração Subordinada Substantiva Subjetiva: É aquela que Colocou menos roupas na mala./ Os seguranças continuam
exerce a função de sujeito do verbo da oração principal. Observe: É alerta.
importante sua ajuda. (sujeito)
- Oração Subordinada Substantiva Completiva Nominal: É • Pseudo e todo são invariáveis quando empregados na forma-
aquela que exerce a função de complemento nominal de um ter- ção de palavras compostas:
mo da oração principal. Observe: Estamos certos de sua inocência. Cuidado com os pseudoamigos./ Ele é o chefe todo-poderoso.
(complemento nominal)
- Oração Subordinada Substantiva Predicativa: É aquela que • Mesmo, próprio, anexo, incluso, quite e obrigado variam de
exerce a função de predicativo do sujeito da oração principal, vindo acordo com o substantivo a que se referem:
sempre depois do verbo ser. Observe: O principal é sua felicidade. Elas mesmas cozinhavam./ Guardou as cópias anexas.
(predicativo)
- Oração Subordinada Substantiva Apositiva: É aquela que • Muito, pouco, bastante, meio, caro e barato variam quando
exerce a função de aposto de um termo da oração principal. Obser- pronomes indefinidos adjetivos e numerais e são invariáveis quan-
ve: Ela tinha um objetivo: a felicidade de todos. (aposto) do advérbios:
Muitas vezes comemos muito./ Chegou meio atrasada./
Orações Subordinadas Adjetivas Usou meia dúzia de ovos.
Exercem a função de adjunto adnominal de algum termo da
oração principal. • Só varia quando adjetivo e não varia quando advérbio:
Os dois andavam sós./ A respostas só eles sabem.
As orações subordinadas adjetivas são sempre introduzidas por
um pronome relativo (que, qual, cujo, quem, etc.) e são classifica-
• É bom, é necessário, é preciso, é proibido variam quando o
das em:
substantivo estiver determinado por artigo:
- Subordinadas Adjetivas Restritivas: São restritivas quando
É permitida a coleta de dados./ É permitido coleta de dados.
restringem ou especificam o sentido da palavra a que se referem.
- Subordinadas Adjetivas Explicativas: São explicativas quan-
Concordância Verbal
do apenas acrescentam uma qualidade à palavra a que se referem,
O verbo concorda com seu sujeito em número e pessoa:
esclarecendo um pouco mais seu sentido, mas sem restringi-lo ou O público aplaudiu o ator de pé./ A sala e quarto eram enor-
especificá-lo. mes.
Orações Reduzidas Concordância ideológica ou silepse
São caracterizadas por possuírem o verbo nas formas de gerún-
dio, particípio ou infinitivo. Ao contrário das demais orações subor- • Silepse de gênero trata-se da concordância feita com o gêne-
dinadas, as orações reduzidas não são ligadas através dos conecti- ro gramatical (masculino ou feminino) que está subentendido no
vos. Há três tipos de orações reduzidas: contexto.
Vossa Excelência parece satisfeito com as pesquisas.
- Orações reduzidas de infinitivo: Blumenau estava repleta de turistas.
Infinitivo: terminações –ar, -er, -ir. • Silepse de número trata-se da concordância feita com o nú-
mero gramatical (singular ou plural) que está subentendido no con-
Reduzida: Meu desejo era ganhar na loteria. texto.
Desenvolvida: Meu desejo era que eu ganhasse na loteria. O elenco voltou ao palco e [os atores] agradeceram os aplau-
(Oração Subordinada Substantiva Predicativa) sos.
• Silepse de pessoa trata-se da concordância feita com a pes-
- Orações Reduzidas de Particípio: soa gramatical que está subentendida no contexto.
Particípio: terminações –ado, -ido. O povo temos memória curta em relação às promessas dos po-
líticos.
Reduzida: A mulher sequestrada foi resgatada.
Desenvolvida: A mulher que sequestraram foi resgatada. (Ora- • Regência Nominal 
ção Subordinada Adjetiva Restritiva) A regência nominal estuda os casos em que nomes (substan-
tivos, adjetivos e advérbios) exigem outra palavra para completar-
- Orações Reduzidas de Gerúndio: -lhes o sentido. Em geral a relação entre um nome e o seu comple-
Gerúndio: terminação –ndo. mento é estabelecida por uma preposição.

19
LÍNGUA PORTUGUESA
• Regência Verbal • Devemos usar crase:
A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre o – Antes palavras femininas:
verbo (termo regente) e seu complemento (termo regido).  Iremos à festa amanhã
Isto pertence a todos. Mediante à situação.
O Governo visa à resolução do problema.

– Locução prepositiva implícita “à moda de, à maneira de”


Devido à regra, o acento grave é obrigatoriamente usado nas
locuções prepositivas com núcleo feminino iniciadas por a:
Os frangos eram feitos à moda da casa imperial.
Às vezes, porém, a locução vem implícita antes de substanti-
vos masculinos, o que pode fazer você pensar que não rola a crase.
Mas... há crase, sim!
Depois da indigestão, farei uma poesia à Drummond, vestir-
-me-ei à Versace e entregá-la-ei à tímida aniversariante.

– Expressões fixas
Existem algumas expressões em que sempre haverá o uso de
crase:
à vela, à lenha, à toa, à vista, à la carte, à queima-roupa, à von-
tade, à venda, à mão armada, à beça, à noite, à tarde, às vezes, às
pressas, à primeira vista, à hora certa, àquela hora, à esquerda, à
direita, à vontade, às avessas, às claras, às escuras, à mão, às escon-
didas, à medida que, à proporção que.

• NUNCA devemos usar crase:


– Antes de substantivos masculinos:
Andou a cavalo pela cidadezinha, mas preferiria ter andado a
pé.

– Antes de substantivo (masculino ou feminino, singular ou


plural) usado em sentido generalizador:
Depois do trauma, nunca mais foi a festas.
Não foi feita menção a mulher, nem a criança, tampouco a ho-
mem.

– Antes de artigo indefinido “uma”


Iremos a uma reunião muito importante no domingo.

– Antes de pronomes
Obs.: A crase antes de pronomes possessivos é facultativa.

Fizemos referência a Vossa Excelência, não a ela.


A quem vocês se reportaram no Plenário?
Assisto a toda peça de teatro no RJ, afinal, sou um crítico.

– Antes de verbos no infinitivo


A partir de hoje serei um pai melhor, pois voltei a trabalhar.

COLOCAÇÃO DE PRONOMES

A colocação do pronome átono está relacionada à harmonia da


frase. A tendência do português falado no Brasil é o uso do prono-
me antes do verbo – próclise. No entanto, há casos em que a norma
CRASE culta prescreve o emprego do pronome no meio – mesóclise – ou
após o verbo – ênclise.
A crase é a fusão de duas vogais idênticas. A primeira vogal a De acordo com a norma culta, no português escrito não se ini-
é uma preposição, a segunda vogal a é um artigo ou um pronome cia um período com pronome oblíquo átono. Assim, se na lingua-
demonstrativo. gem falada diz-se “Me encontrei com ele”, já na linguagem escrita,
a (preposição) + a(s) (artigo) = à(s) formal, usa-se “Encontrei-me’’ com ele.

20
LÍNGUA PORTUGUESA
Sendo a próclise a tendência, é aconselhável que se fixem bem Verbo principal no particípio: Se não houver fator de próclise,
as poucas regras de mesóclise e ênclise. Assim, sempre que estas o pronome átono ficará depois do auxiliar.
não forem obrigatórias, deve-se usar a próclise, a menos que preju- Exemplo: Havia-lhe dito a verdade.
dique a eufonia da frase.
Se houver fator de próclise, o pronome átono ficará antes do
Próclise auxiliar.
Na próclise, o pronome é colocado antes do verbo. Exemplo: Não lhe havia dito a verdade.

Palavra de sentido negativo: Não me falou a verdade. Haver de e ter de + infinitivo: Pronome átono deve ficar depois
Advérbios sem pausa em relação ao verbo: Aqui te espero pa- do infinitivo.
cientemente. Exemplos:
Havendo pausa indicada por vírgula, recomenda-se a ênclise: Hei de dizer-lhe a verdade.
Ontem, encontrei-o no ponto do ônibus. Tenho de dizer-lhe a verdade.
Pronomes indefinidos: Ninguém o chamou aqui.
Pronomes demonstrativos: Aquilo lhe desagrada. Observação
Orações interrogativas: Quem lhe disse tal coisa? Não se deve omitir o hífen nas seguintes construções:
Orações optativas (que exprimem desejo), com sujeito ante- Devo-lhe dizer tudo.
posto ao verbo: Deus lhe pague, Senhor! Estava-lhe dizendo tudo.
Orações exclamativas: Quanta honra nos dá sua visita! Havia-lhe dito tudo.
Orações substantivas, adjetivas e adverbiais, desde que não se-
jam reduzidas: Percebia que o observavam.
Verbo no gerúndio, regido de preposição em: Em se plantando,
tudo dá. PONTUAÇÃO.
Verbo no infinitivo pessoal precedido de preposição: Seus in-
tentos são para nos prejudicarem.
Pontuação
Ênclise Com Nina Catach, entendemos por pontuação um “sistema
Na ênclise, o pronome é colocado depois do verbo. de reforço da escrita, constituído de sinais sintáticos, destinados a
organizar as relações e a proporção das partes do discurso e das
Verbo no início da oração, desde que não esteja no futuro do pausas orais e escritas. Estes sinais também participam de todas as
indicativo: Trago-te flores. funções da sintaxe, gramaticais, entonacionais e semânticas”. (BE-
Verbo no imperativo afirmativo: Amigos, digam-me a verdade! CHARA, 2009, p. 514)
Verbo no gerúndio, desde que não esteja precedido pela pre- A partir da definição citada por Bechara podemos perceber a
posição em: Saí, deixando-a aflita. importância dos sinais de pontuação, que é constituída por alguns
Verbo no infinitivo impessoal regido da preposição a. Com sinais gráficos assim distribuídos: os separadores (vírgula [ , ], pon-
outras preposições é facultativo o emprego de ênclise ou próclise: to e vírgula [ ; ], ponto final [ . ], ponto de exclamação [ ! ], reti-
Apressei-me a convidá-los. cências [ ... ]), e os de comunicação ou “mensagem” (dois pontos
[ : ], aspas simples [‘ ’], aspas duplas [ “ ” ], travessão simples [ – ],
Mesóclise travessão duplo [ — ], parênteses [ ( ) ], colchetes ou parênteses
Na mesóclise, o pronome é colocado no meio do verbo. retos [ [ ] ], chave aberta [ { ], e chave fechada [ } ]).

É obrigatória somente com verbos no futuro do presente ou no Ponto ( . )


futuro do pretérito que iniciam a oração. O ponto simples final, que é dos sinais o que denota maior pau-
Dir-lhe-ei toda a verdade. sa, serve para encerrar períodos que terminem por qualquer tipo
Far-me-ias um favor? de oração que não seja a interrogativa direta, a exclamativa e as
reticências.
Se o verbo no futuro vier precedido de pronome reto ou de Estaremos presentes na festa.
qualquer outro fator de atração, ocorrerá a próclise.
Eu lhe direi toda a verdade. Ponto de interrogação ( ? )
Tu me farias um favor? Põe-se no fim da oração enunciada com entonação interrogati-
va ou de incerteza, real ou fingida, também chamada retórica.
Colocação do pronome átono nas locuções verbais Você vai à festa?
Verbo principal no infinitivo ou gerúndio: Se a locução verbal
não vier precedida de um fator de próclise, o pronome átono deve- Ponto de exclamação ( ! )
rá ficar depois do auxiliar ou depois do verbo principal. Põe-se no fim da oração enunciada com entonação exclama-
Exemplos: tiva.
Devo-lhe dizer a verdade. Ex: Que bela festa!
Devo dizer-lhe a verdade.
Reticências ( ... )
Havendo fator de próclise, o pronome átono deverá ficar antes Denotam interrupção ou incompletude do pensamento (ou
do auxiliar ou depois do principal. porque se quer deixar em suspenso, ou porque os fatos se dão com
Exemplos: breve espaço de tempo intervalar, ou porque o nosso interlocutor
Não lhe devo dizer a verdade. nos toma a palavra), ou hesitação em enunciá-lo.
Não devo dizer-lhe a verdade. Ex: Essa festa... não sei não, viu.

21
LÍNGUA PORTUGUESA
Dois-pontos ( : ) Perceba que, na frase acima, não há o uso de vírgula. Isso ocor-
Marcam uma supressão de voz em frase ainda não concluída. re por alguns motivos:
Em termos práticos, este sinal é usado para: Introduzir uma citação 1) NÃO se separa com vírgula o sujeito de seu predicado.
(discurso direto) e introduzir um aposto explicativo, enumerativo, 2) NÃO se separa com vírgula o verbo e seus complementos.
distributivo ou uma oração subordinada substantiva apositiva. 3) Não é aconselhável usar vírgula entre o complemento do
Ex: Uma bela festa: cheia de alegria e comida boa. verbo e o adjunto.

Ponto e vírgula ( ; ) Podemos estabelecer, então, que se a frase estiver na ordem


Representa uma pausa mais forte que a vírgula e menos que o comum (SVOAdj), não usaremos vírgula. Caso contrário, a vírgula
ponto, e é empregado num trecho longo, onde já existam vírgulas, é necessária:
para enunciar pausa mais forte, separar vários itens de uma enume- Ontem, Maria foi à padaria.
ração (frequente em leis), etc. Maria, ontem, foi à padaria.
Ex: Vi na festa os deputados, senadores e governador; vi tam- À padaria, Maria foi ontem.
bém uma linda decoração e bebidas caras.
Além disso, há outros casos em que o uso de vírgulas é neces-
Travessão ( — ) sário:
Não confundir o travessão com o traço de união ou hífen e com • Separa termos de mesma função sintática, numa enumera-
o traço de divisão empregado na partição de sílabas (ab-so-lu-ta- ção.
-men-te) e de palavras no fim de linha. O travessão pode substituir Simplicidade, clareza, objetividade, concisão são qualidades a
vírgulas, parênteses, colchetes, para assinalar uma expressão inter- serem observadas na redação oficial.
calada e pode indicar a mudança de interlocutor, na transcrição de • Separa aposto.
um diálogo, com ou sem aspas. Aristóteles, o grande filósofo, foi o criador da Lógica.
Ex: Estamos — eu e meu esposo — repletos de gratidão. • Separa vocativo.
Brasileiros, é chegada a hora de votar.
Parênteses e colchetes ( ) – [ ] • Separa termos repetidos.
Os parênteses assinalam um isolamento sintático e semântico Aquele aluno era esforçado, esforçado.
mais completo dentro do enunciado, além de estabelecer maior in-
timidade entre o autor e o seu leitor. Em geral, a inserção do parên- • Separa certas expressões explicativas, retificativas, exempli-
tese é assinalada por uma entonação especial. Intimamente ligados ficativas, como: isto é, ou seja, ademais, a saber, melhor dizendo,
aos parênteses pela sua função discursiva, os colchetes são utiliza- ou melhor, quer dizer, por exemplo, além disso, aliás, antes, com
dos quando já se acham empregados os parênteses, para introduzi- efeito, digo.
rem uma nova inserção. O político, a meu ver, deve sempre usar uma linguagem clara,
Ex: Vamos estar presentes na festa (aquela organizada pelo go- ou seja, de fácil compreensão.
vernador)
• Marca a elipse de um verbo (às vezes, de seus complemen-
Aspas ( “ ” ) tos).
As aspas são empregadas para dar a certa expressão sentido O decreto regulamenta os casos gerais; a portaria, os particula-
particular (na linguagem falada é em geral proferida com entoação res. (= ... a portaria regulamenta os casos particulares)
especial) para ressaltar uma expressão dentro do contexto ou para
apontar uma palavra como estrangeirismo ou gíria. É utilizada, ain- • Separa orações coordenadas assindéticas.
da, para marcar o discurso direto e a citação breve. Levantava-me de manhã, entrava no chuveiro, organizava as
Ex: O “coffe break” da festa estava ótimo. ideias na cabeça...

Vírgula • Isola o nome do lugar nas datas.


São várias as regras que norteiam o uso das vírgulas. Eviden- Rio de Janeiro, 21 de julho de 2006.
ciaremos, aqui, os principais usos desse sinal de pontuação. Antes
disso, vamos desmistificar três coisas que ouvimos em relação à • Isolar conectivos, tais como: portanto, contudo, assim, dessa
vírgula: forma, entretanto, entre outras. E para isolar, também, expressões
1º – A vírgula não é usada por inferência. Ou seja: não “senti- conectivas, como: em primeiro lugar, como supracitado, essas infor-
mos” o momento certo de fazer uso dela. mações comprovam, etc.
2º – A vírgula não é usada quando paramos para respirar. Em Fica claro, portanto, que ações devem ser tomadas para ame-
alguns contextos, quando, na leitura de um texto, há uma vírgula, o nizar o problema.
leitor pode, sim, fazer uma pausa, mas isso não é uma regra. Afinal,
cada um tem seu tempo de respiração, não é mesmo?!?! A vírgula realmente tem uma quantidade maior de regras, mas
3º – A vírgula tem sim grande importância na produção de tex- nada impossível de saber, não é?!?! Bom, já vimos muita coisa até
tos escritos. Não caia na conversa de algumas pessoas de que ela é aqui e não vamos parar agora.
menos importante e que pode ser colocada depois.
Agora, precisamos saber que a língua portuguesa tem uma or-
dem comum de construção de suas frases, que é Sujeito > Verbo >
Objeto > Adjunto, ou seja, (SVOAdj).
Maria foi à padaria ontem.
Sujeito Verbo Objeto Adjunto

22
LÍNGUA PORTUGUESA
A Impessoalidade
REDAÇÃO OFICIAL (OFÍCIO, MEMORANDO, ATA, A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela
PARECER) escrita. Para que haja comunicação, são necessários:
a) alguém que comunique,
b) algo a ser comunicado, e
O que é Redação Oficial1 c) alguém que receba essa comunicação.
Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a maneira
pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunicações. No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o Serviço
Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executivo. A reda- Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departamento, Di-
ção oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso do padrão visão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre algum assunto
culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade. relativo às atribuições do órgão que comunica; o destinatário dessa
Fundamentalmente esses atributos decorrem da Constituição, que comunicação ou é o público, o conjunto dos cidadãos, ou outro ór-
dispõe, no artigo 37: “A administração pública direta, indireta ou gão público, do Executivo ou dos outros Poderes da União. Perce-
fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do be-se, assim, que o tratamento impessoal que deve ser dado aos
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de lega- assuntos que constam das comunicações oficiais decorre:
lidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)”. a) da ausência de impressões individuais de quem comunica:
Sendo a publicidade e a impessoalidade princípios fundamentais de embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado por Che-
toda administração pública, claro está que devem igualmente nor- fe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço Público
tear a elaboração dos atos e comunicações oficiais. Não se concebe que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma desejável padro-
que um ato normativo de qualquer natureza seja redigido de forma nização, que permite que comunicações elaboradas em diferentes
obscura, que dificulte ou impossibilite sua compreensão. A transpa- setores da Administração guardem entre si certa uniformidade;
rência do sentido dos atos normativos, bem como sua inteligibili- b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com
dade, são requisitos do próprio Estado de Direito: é inaceitável que duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre
um texto legal não seja entendido pelos cidadãos. A publicidade concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois casos,
implica, pois, necessariamente, clareza e concisão. Além de atender temos um destinatário concebido de forma homogênea e impes-
à disposição constitucional, a forma dos atos normativos obedece soal;
a certa tradição. Há normas para sua elaboração que remontam ao c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o uni-
período de nossa história imperial, como, por exemplo, a obrigato- verso temático das comunicações oficiais se restringe a questões
riedade – estabelecida por decreto imperial de 10 de dezembro de que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe
1822 – de que se aponha, ao final desses atos, o número de anos qualquer tom particular ou pessoal. Desta forma, não há lugar na
transcorridos desde a Independência. Essa prática foi mantida no redação oficial para impressões pessoais, como as que, por exem-
período republicano. Esses mesmos princípios (impessoalidade, cla- plo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo assinado de
reza, uniformidade, concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação oficial deve ser
às comunicações oficiais: elas devem sempre permitir uma única in- isenta da interferência da individualidade que a elabora. A concisão,
terpretação e ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige a clareza, a objetividade e a formalidade de que nos valemos para
o uso de certo nível de linguagem. Nesse quadro, fica claro também elaborar os expedientes oficiais contribuem, ainda, para que seja
que as comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois alcançada a necessária impessoalidade.
há sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor
dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto dos A necessidade de empregar determinado nível de linguagem
cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o público). nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do próprio ca-
Outros procedimentos rotineiros na redação de comunicações ráter público desses atos e comunicações; de outro, de sua finalida-
oficiais foram incorporados ao longo do tempo, como as formas de de. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de caráter normati-
tratamento e de cortesia, certos clichês de redação, a estrutura dos vo, ou estabelecem regras para a conduta dos cidadãos, ou regulam
expedientes, etc. Mencione-se, por exemplo, a fixação dos fechos o funcionamento dos órgãos públicos, o que só é alcançado se em
para comunicações oficiais, regulados pela Portaria no 1 do Ministro sua elaboração for empregada a linguagem adequada. O mesmo
de Estado da Justiça, de 8 de julho de 1937, que, após mais de meio se dá com os expedientes oficiais, cuja finalidade precípua é a de
século de vigência, foi revogado pelo Decreto que aprovou a primei- informar com clareza e objetividade. As comunicações que partem
ra edição deste Manual. Acrescente-se, por fim, que a identificação dos órgãos públicos federais devem ser compreendidas por todo e
que se buscou fazer das características específicas da forma oficial qualquer cidadão brasileiro. Para atingir esse objetivo, há que evitar
de redigir não deve ensejar o entendimento de que se proponha o uso de uma linguagem restrita a determinados grupos. Não há
a criação – ou se aceite a existência – de uma forma específica de dúvida que um texto marcado por expressões de circulação restrita,
linguagem administrativa, o que coloquialmente e pejorativamente como a gíria, os regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem
se chama burocratês. Este é antes uma distorção do que deve ser a sua compreensão dificultada. Ressalte-se que há necessariamente
redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e clichês uma distância entre a língua falada e a escrita. Aquela é extrema-
do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção de frases. mente dinâmica, reflete de forma imediata qualquer alteração de
A redação oficial não é, portanto, necessariamente árida e infensa à costumes, e pode eventualmente contar com outros elementos que
evolução da língua. É que sua finalidade básica – comunicar com im- auxiliem a sua compreensão, como os gestos, a entoação, etc. Para
pessoalidade e máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso mencionar apenas alguns dos fatores responsáveis por essa distân-
que se faz da língua, de maneira diversa daquele da literatura, do cia. Já a língua escrita incorpora mais lentamente as transforma-
texto jornalístico, da correspondência particular, etc. Apresentadas ções, tem maior vocação para a permanência, e vale-se apenas de
essas características fundamentais da redação oficial, passemos à si mesma para comunicar. A língua escrita, como a falada, compre-
análise pormenorizada de cada uma delas. ende diferentes níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por
exemplo, em uma carta a um amigo, podemos nos valer de deter-
1 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

23
LÍNGUA PORTUGUESA
minado padrão de linguagem que incorpore expressões extrema- do assunto sobre o qual se escreve, o necessário tempo para revisar
mente pessoais ou coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de o texto depois de pronto. É nessa releitura que muitas vezes se
estranhar a presença do vocabulário técnico correspondente. Nos percebem eventuais redundâncias ou repetições desnecessárias
dois casos, há um padrão de linguagem que atende ao uso que se de ideias. O esforço de sermos concisos atende, basicamente ao
faz da língua, a finalidade com que a empregamos. O mesmo ocorre princípio de economia linguística, à mencionada fórmula de empre-
com os textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua finalidade gar o mínimo de palavras para informar o máximo. Não se deve de
de informar com o máximo de clareza e concisão, eles requerem o forma alguma entendê-la como economia de pensamento, isto é,
uso do padrão culto da língua. Há consenso de que o padrão cul- não se devem eliminar passagens substanciais do texto no afã de
to é aquele em que a) se observam as regras da gramática formal, reduzi-lo em tamanho. Trata-se exclusivamente de cortar palavras
e b) se emprega um vocabulário comum ao conjunto dos usuários inúteis, redundâncias, passagens que nada acrescentem ao que já
do idioma. É importante ressaltar que a obrigatoriedade do uso do foi dito. Procure perceber certa hierarquia de ideias que existe em
padrão culto na redação oficial decorre do fato de que ele está aci- todo texto de alguma complexidade: ideias fundamentais e ideias
ma das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos secundárias. Estas últimas podem esclarecer o sentido daquelas de-
modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permitindo, talhá-las, exemplificá-las; mas existem também ideias secundárias
por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão por todos que não acrescentam informação alguma ao texto, nem têm maior
os cidadãos. relação com as fundamentais, podendo, por isso, ser dispensadas. A
Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplicidade clareza deve ser a qualidade básica de todo texto oficial, conforme
de expressão, desde que não seja confundida com pobreza de ex- já sublinhado na introdução deste capítulo. Pode-se definir como
pressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica empre- claro aquele texto que possibilita imediata compreensão pelo leitor.
go de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos sintáticos e No entanto a clareza não é algo que se atinja por si só: ela depende
figuras de linguagem próprios da língua literária. Pode-se concluir, estritamente das demais características da redação oficial. Para ela
então, que não existe propriamente um “padrão oficial de lingua- concorrem:
gem”; o que há é o uso do padrão culto nos atos e comunicações a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações
oficiais. É claro que haverá preferência pelo uso de determinadas que poderia decorrer de um tratamento personalista dado ao texto;
expressões, ou será obedecida certa tradição no emprego das for- b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de en-
mas sintáticas, mas isso não implica, necessariamente, que se con- tendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circulação
sagre a utilização de uma forma de linguagem burocrática. O jargão restrita, como a gíria e o jargão;
burocrático, como todo jargão, deve ser evitado, pois terá sempre c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a impres-
sua compreensão limitada. A linguagem técnica deve ser empre- cindível uniformidade dos textos;
gada apenas em situações que a exijam, sendo de evitar o seu uso d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos linguís-
indiscriminado. Certos rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vo- ticos que nada lhe acrescentam.
cabulário próprio a determinada área, são de difícil entendimento
por quem não esteja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, É pela correta observação dessas características que se redige
portanto, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de todo
órgãos da administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos. texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos obscuros
Outras questões sobre a linguagem, como o emprego de neologis- e de erros gramaticais provém principalmente da falta da releitu-
mo e estrangeirismo, são tratadas em detalhe em 9.3. Semântica. ra que torna possível sua correção. Na revisão de um expediente,
deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil compreensão por seu
Formalidade e Padronização destinatário. O que nos parece óbvio pode ser desconhecido por
As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é, terceiros. O domínio que adquirimos sobre certos assuntos em de-
obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas exi- corrência de nossa experiência profissional muitas vezes faz com
gências de impessoalidade e uso do padrão culto de linguagem, é que os tomemos como de conhecimento geral, o que nem sempre
imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento. Não se trata é verdade. Explicite, desenvolva, esclareça, precise os termos técni-
somente da eterna dúvida quanto ao correto emprego deste ou da- cos, o significado das siglas e abreviações e os conceitos específicos
quele pronome de tratamento para uma autoridade de certo nível que não possam ser dispensados. A revisão atenta exige, necessa-
(v. a esse respeito 2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento); riamente, tempo. A pressa com que são elaboradas certas comu-
mais do que isso, a formalidade diz respeito à polidez, à civilidade nicações quase sempre compromete sua clareza. Não se deve pro-
no próprio enfoque dado ao assunto do qual cuida a comunicação. ceder à redação de um texto que não seja seguida por sua revisão.
A formalidade de tratamento vincula-se, também, à necessária “Não há assuntos urgentes, há assuntos atrasados”, diz a máxima.
uniformidade das comunicações. Ora, se a administração federal é Evite-se, pois, o atraso, com sua indesejável repercussão no redigir.
una, é natural que as comunicações que expede sigam um mesmo
padrão. O estabelecimento desse padrão, uma das metas deste Ma- As comunicações oficiais
nual, exige que se atente para todas as características da redação A redação das comunicações oficiais deve, antes de tudo, se-
oficial e que se cuide, ainda, da apresentação dos textos. A clareza guir os preceitos explicitados no Capítulo I, Aspectos Gerais da
datilográfica, o uso de papéis uniformes para o texto definitivo e a Redação Oficial. Além disso, há características específicas de cada
correta diagramação do texto são indispensáveis para a padroniza- tipo de expediente, que serão tratadas em detalhe neste capítulo.
ção. Consulte o Capítulo II, As Comunicações Oficiais, a respeito de Antes de passarmos à sua análise, vejamos outros aspectos comuns
normas específicas para cada tipo de expediente. a quase todas as modalidades de comunicação oficial: o emprego
dos pronomes de tratamento, a forma dos fechos e a identificação
Concisão e Clareza do signatário.
A concisão é antes uma qualidade do que uma característica do
texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um máximo
de informações com um mínimo de palavras. Para que se redija com
essa qualidade, é fundamental que se tenha, além de conhecimento

24
LÍNGUA PORTUGUESA
Pronomes de Tratamento Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
Breve História dos Pronomes de Tratamento
O uso de pronomes e locuções pronominais de tratamento tem c) do Poder Judiciário:
larga tradição na língua portuguesa. De acordo com Said Ali, após Ministros dos Tribunais Superiores;
serem incorporados ao português os pronomes latinos tu e vos, Membros de Tribunais;
“como tratamento direto da pessoa ou pessoas a quem se dirigia a Juízes;
palavra”, passou-se a empregar, como expediente linguístico de dis- Auditores da Justiça Militar.
tinção e de respeito, a segunda pessoa do plural no tratamento de
pessoas de hierarquia superior. Prossegue o autor: “Outro modo de O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos
tratamento indireto consistiu em fingir que se dirigia a palavra a um Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo respec-
atributo ou qualidade eminente da pessoa de categoria superior, e tivo:
não a ela própria. Assim aproximavam-se os vassalos de seu rei com Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
o tratamento de vossa mercê, vossa senhoria (...); assim usou-se Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
o tratamento ducal de vossa excelência e adotou-se na hierarquia Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Fede-
eclesiástica vossa reverência, vossa paternidade, vossa eminência, ral.
vossa santidade. ” A partir do final do século XVI, esse modo de
tratamento indireto já estava em voga também para os ocupantes As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Senhor,
de certos cargos públicos. Vossa mercê evoluiu para vosmecê, e de- seguido do cargo respectivo:
pois para o coloquial você. E o pronome vós, com o tempo, caiu em Senhor Senador,
desuso. É dessa tradição que provém o atual emprego de pronomes Senhor Juiz,
de tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos às autorida- Senhor Ministro,
des civis, militares e eclesiásticas. Senhor Governador,

Concordância com os Pronomes de Tratamento No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas às


Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indireta) autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte forma:
apresentam certas peculiaridades quanto à concordância verbal,
nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pessoa gra- A Sua Excelência o Senhor
matical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige a comuni- Fulano de Tal
cação), levam a concordância para a terceira pessoa. É que o verbo Ministro de Estado da Justiça
concorda com o substantivo que integra a locução como seu núcleo 70.064-900 – Brasília. DF
sintático: “Vossa Senhoria nomeará o substituto”; “Vossa Excelên-
cia conhece o assunto”. Da mesma forma, os pronomes possessivos A Sua Excelência o Senhor
referidos a pronomes de tratamento são sempre os da terceira pes- Senador Fulano de Tal
soa: “Vossa Senhoria nomeará seu substituto” (e não “Vossa... vos- Senado Federal
so...”). Já quanto aos adjetivos referidos a esses pronomes, o gênero 70.165-900 – Brasília. DF
gramatical deve coincidir com o sexo da pessoa a que se refere, e
não com o substantivo que compõe a locução. Assim, se nosso in- A Sua Excelência o Senhor
terlocutor for homem, o correto é “Vossa Excelência está atarefa- Fulano de Tal
do”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeito”; se for mulher, “Vossa Juiz de Direito da 10a Vara Cível
Excelência está atarefada”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeita”. Rua ABC, no 123
01.010-000 – São Paulo. SP
Emprego dos Pronomes de Tratamento
Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obedece Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento
a secular tradição. São de uso consagrado: digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dig-
Vossa Excelência, para as seguintes autoridades: nidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público,
sendo desnecessária sua repetida evocação.
a) do Poder Executivo; Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e
Presidente da República; para particulares. O vocativo adequado é:
Vice-Presidente da República; Senhor Fulano de Tal,
Ministros de Estado; (...)
Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito Fe-
deral; No envelope, deve constar do endereçamento:
Oficiais-Generais das Forças Armadas; Ao Senhor
Embaixadores; Fulano de Tal
Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes de Rua ABC, nº 123
cargos de natureza especial; 70.123 – Curitiba. PR
Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
Prefeitos Municipais. Como se depreende do exemplo acima fica dispensado o em-
prego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que recebem
b) do Poder Legislativo: o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É suficiente o
Deputados Federais e Senadores; uso do pronome de tratamento Senhor. Acrescente-se que doutor
Ministro do Tribunal de Contas da União; não é forma de tratamento, e sim título acadêmico. Evite usá-lo
Deputados Estaduais e Distritais; indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-o apenas em

25
LÍNGUA PORTUGUESA
comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal grau por terem Ministro de Estado da Justiça
concluído curso universitário de doutorado. É costume designar por
doutor os bacharéis, especialmente os bacharéis em Direito e em Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura
Medicina. Nos demais casos, o tratamento Senhor confere a dese- em página isolada do expediente. Transfira para essa página ao me-
jada formalidade às comunicações. Mencionemos, ainda, a forma nos a última frase anterior ao fecho.
Vossa Magnificência, empregada por força da tradição, em comu-
nicações dirigidas a reitores de universidade. Corresponde-lhe o O Padrão Ofício
vocativo: Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela fi-
nalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando. Com
Magnífico Reitor, o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação única,
(...) que siga o que chamamos de padrão ofício. As peculiaridades de
cada um serão tratadas adiante; por ora busquemos as suas seme-
Os pronomes de tratamento para religiosos, de acordo com a lhanças.
hierarquia eclesiástica, são:
Partes do documento no Padrão Ofício
Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao Papa. O voca- O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes
tivo correspondente é: partes:
Santíssimo Padre, a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão que
(...) o expede:
Exemplos:
Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima, em co- Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME
municações aos Cardeais. Corresponde-lhe o vocativo:
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou b) local e data em que foi assinado, por extenso, com alinha-
Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal, mento à direita:
(...) Exemplo:
13
Vossa Excelência Reverendíssima é usado em comunicações Brasília, 15 de março de 1991.
dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Reverendíssima ou Vossa Se-
nhoria Reverendíssima para Monsenhores, Cônegos e superiores c) assunto: resumo do teor do documento
religiosos. Vossa Reverência é empregado para sacerdotes, clérigos Exemplos:
e demais religiosos. Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.
Fechos para Comunicações
O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalidade d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida
óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os modelos a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o en-
para fecho que vinham sendo utilizados foram regulados pela Por- dereço.
taria nº1 do Ministério da Justiça, de 1937, que estabelecia quinze
padrões. Com o fito de simplificá-los e uniformizá-los, este Manual e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento
estabelece o emprego de somente dois fechos diferentes para to- de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:
das as modalidades de comunicação oficial: – Introdução, que se confunde com o parágrafo de abertura,
a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da Re- na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação. Evite o
pública: uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”, “Cumpre-
Respeitosamente, -me informar que”, empregue a forma direta;
b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia in- – Desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto
ferior: contiver mais de uma ideia sobre o assunto, elas devem ser tratadas
Atenciosamente, em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à exposição;
– Conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapresen-
Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas a au- tada a posição recomendada sobre o assunto.
toridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição próprios, de-
vidamente disciplinados no Manual de Redação do Ministério das Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos
Relações Exteriores. em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.
Já quando se tratar de mero encaminhamento de documentos
Identificação do Signatário a estrutura é a seguinte:
Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da Repú- – Introdução: deve iniciar com referência ao expediente que
blica, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o nome e solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não tiver
o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local de sua assina- sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo da comu-
tura. A forma da identificação deve ser a seguinte: nicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados completos
do documento encaminhado (tipo, data, origem ou signatário, e as-
(espaço para assinatura) sunto de que trata), e a razão pela qual está sendo encaminhado,
NOME segundo a seguinte fórmula:
Chefe da Secretária-geral da Presidência da República “Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991, enca-
minho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990, do Depar-
(espaço para assinatura) tamento Geral de Administração, que trata da requisição do servi-
NOME dor Fulano de Tal. ” Ou “Encaminho, para exame e pronunciamento,

26
LÍNGUA PORTUGUESA
a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de fevereiro de 1991, do demais autoridades. Ambos têm como finalidade o tratamento de
Presidente da Confederação Nacional de Agricultura, a respeito de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e,
projeto de modernização de técnicas agrícolas na região Nordeste. ” no caso do ofício, também com particulares.
– Desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fazer
algum comentário a respeito do documento que encaminha, pode- — Forma e Estrutura
rá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso contrário, Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do padrão
não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou ofício de mero ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatário (v. 2.1
encaminhamento. Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.
Exemplos:
f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações); Excelentíssimo Senhor Presidente da República
Senhora Ministra
g) assinatura do autor da comunicação; e Senhor Chefe de Gabinete
Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as seguin-
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do Signa- tes informações do remetente:
tário). – Nome do órgão ou setor;
– Endereço postal;
Forma de diagramação – telefone E endereço de correio eletrônico.
Os documentos do Padrão Ofício5 devem obedecer à seguinte
forma de apresentação: Memorando
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de corpo
12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de rodapé; — Definição e Finalidade
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman po- O memorando é a modalidade de comunicação entre unidades
der-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings; administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquica-
c) é obrigatória constar a partir da segunda página o número mente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-se, portanto,
da página; de uma forma de comunicação eminentemente interna. Pode ter
d) os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser impres- caráter meramente administrativo, ou ser empregado para a ex-
sos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens esquerda posição de projetos, ideias, diretrizes, etc. a serem adotados por
e direta terão as distâncias invertidas nas páginas pares (“margem determinado setor do serviço público. Sua característica principal é
espelho”); a agilidade. A tramitação do memorando em qualquer órgão deve
e) o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de distân- pautar-se pela rapidez e pela simplicidade de procedimentos buro-
cia da margem esquerda; cráticos. Para evitar desnecessário aumento do número de comuni-
f) o campo destinado à margem lateral esquerda terá, no míni- cações, os despachos ao memorando devem ser dados no próprio
mo, 3,0 cm de largura; documento e, no caso de falta de espaço, em folha de continuação.
g) o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm; 5 O Esse procedimento permite formar uma espécie de processo sim-
constante neste item aplica-se também à exposição de motivos e à plificado, assegurando maior transparência à tomada de decisões,
mensagem (v. 4. Exposição de Motivos e 5. Mensagem). e permitindo que se historie o andamento da matéria tratada no
h) deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas e de memorando.
6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor de texto utilizado não
comportar tal recurso, de uma linha em branco; — Forma e Estrutura
i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinhado, Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do padrão
letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou qualquer ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser mencio-
outra forma de formatação que afete a elegância e a sobriedade do nado pelo cargo que ocupa.
documento; Exemplos:
j) a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em papel Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Subche-
branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para gráficos fe para Assuntos Jurídicos
e ilustrações;
l) todos os tipos de documentos do Padrão Ofício devem ser Exposição de Motivos
impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm;
m) deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de arquivo — Definição e Finalidade
Rich Text nos documentos de texto; Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente da
n) dentro do possível, todos os documentos elaborados devem República ou ao Vice-Presidente para:
ter o arquivo de texto preservado para consulta posterior ou apro- a) informá-lo de determinado assunto;
veitamento de trechos para casos análogos; b) propor alguma medida; ou
o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.
ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número do
documento + palavras-chaves do conteúdo Ex.: “Of. 123 - relatório Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente da
produtividade ano 2002” República por um Ministro de Estado.
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um Mi-
Aviso e Ofício nistério, a exposição de motivos deverá ser assinada por todos os
— Definição e Finalidade Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de intermi-
Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial pratica- nisterial.
mente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso é expe-
dido exclusivamente por Ministros de Estado, para autoridades de
mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido para e pelas

27
LÍNGUA PORTUGUESA
— Forma e Estrutura 7. Alterações propostas
Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação do 8. Síntese do parecer do órgão jurídico
padrão ofício (v. 3. O Padrão Ofício). O anexo que acompanha a Com base em avaliação do ato normativo ou da medida pro-
exposição de motivos que proponha alguma medida ou apresente posta à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
projeto de ato normativo, segue o modelo descrito adiante. A ex- A falta ou insuficiência das informações prestadas pode acar-
posição de motivos, de acordo com sua finalidade, apresenta duas retar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil,
formas básicas de estrutura: uma para aquela que tenha caráter a devolução do projeto de ato normativo para que se complete o
exclusivamente informativo e outra para a que proponha alguma exame ou se reformule a proposta. O preenchimento obrigatório do
medida ou submeta projeto de ato normativo. anexo para as exposições de motivos que proponham a adoção de
No primeiro caso, o da exposição de motivos que simplesmen- alguma medida ou a edição de ato normativo tem como finalidade:
te leva algum assunto ao conhecimento do Presidente da República, a) permitir a adequada reflexão sobre o problema que se busca
sua estrutura segue o modelo antes referido para o padrão ofício. resolver;
Já a exposição de motivos que submeta à consideração do Pre- b) ensejar mais profunda avaliação das diversas causas do pro-
sidente da República a sugestão de alguma medida a ser adotada blema e dos efeitos que pode ter a adoção da medida ou a edição
ou a que lhe apresente projeto de ato normativo – embora sigam do ato, em consonância com as questões que devem ser analisadas
também a estrutura do padrão ofício –, além de outros comentá- na elaboração de proposições normativas no âmbito do Poder Exe-
rios julgados pertinentes por seu autor, devem, obrigatoriamente, cutivo (v. 10.4.3.).
apontar: c) conferir perfeita transparência aos atos propostos.
a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção da
medida ou do ato normativo proposto; Dessa forma, ao atender às questões que devem ser analisadas
b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou na elaboração de atos normativos no âmbito do Poder Executivo,
aquele ato normativo o ideal para se solucionar o problema, e even- o texto da exposição de motivos e seu anexo complementam-se e
tuais alternativas existentes para equacioná-lo; formam um todo coeso: no anexo, encontramos uma avaliação pro-
c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada, ou funda e direta de toda a situação que está a reclamar a adoção de
qual ato normativo deve ser editado para solucionar o problema. certa providência ou a edição de um ato normativo; o problema a
ser enfrentado e suas causas; a solução que se propõe, seus efeitos
Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à exposição e seus custos; e as alternativas existentes. O texto da exposição de
de motivos, devidamente preenchido, de acordo com o seguinte motivos fica, assim, reservado à demonstração da necessidade da
modelo previsto no Anexo II do Decreto no 4.176, de 28 de março providência proposta: por que deve ser adotada e como resolverá
de 2002. o problema. Nos casos em que o ato proposto for questão de pes-
Anexo à Exposição de Motivos do (indicar nome do Ministério soal (nomeação, promoção, ascensão, transferência, readaptação,
ou órgão equivalente) nº de 200. reversão, aproveitamento, reintegração, recondução, remoção,
exoneração, demissão, dispensa, disponibilidade, aposentadoria),
1. Síntese do problema ou da situação que reclama providên- não é necessário o encaminhamento do formulário de anexo à ex-
cias posição de motivos.
2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na Ressalte-se que:
medida proposta – A síntese do parecer do órgão de assessoramento jurídico
3. Alternativas existentes às medidas propostas não dispensa o encaminhamento do parecer completo;
Mencionar: – O tamanho dos campos do anexo à exposição de motivos
- Se há outro projeto do Executivo sobre a matéria; pode ser alterado de acordo com a maior ou menor extensão dos
- Se há projetos sobre a matéria no Legislativo; comentários a serem ali incluídos.
- Outras possibilidades de resolução do problema.
Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha presente que
4. Custos a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza, conci-
Mencionar: são, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do padrão
- Se a despesa decorrente da medida está prevista na lei orça- culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de motivos é
mentária anual; se não, quais as alternativas para custeá-la; a principal modalidade de comunicação dirigida ao Presidente da
- Se é o caso de solicitar-se abertura de crédito extraordinário, República pelos Ministros. Além disso, pode, em certos casos, ser
especial ou suplementar; encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou ao Poder Judiciário
- Valor a ser despendido em moeda corrente; ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da União, no todo ou em
parte.
5. Razões que justificam a urgência (a ser preenchido somente
se o ato proposto for medido provisória ou projeto de lei que deva Mensagem
tramitar em regime de urgência)
Mencionar: — Definição e Finalidade
- Se o problema configura calamidade pública; É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos
- Por que é indispensável a vigência imediata; Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo Chefe
- Se se trata de problema cuja causa ou agravamento não te- do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar sobre fato
nham sido previstos; da Administração Pública; expor o plano de governo por ocasião
- Se se trata de desenvolvimento extraordinário de situação já da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congresso Nacional
prevista. matérias que dependem de deliberação de suas Casas; apresentar
veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tudo quanto seja
6. Impacto sobre o meio ambiente (sempre que o ato ou medi- de interesse dos poderes públicos e da Nação. Minuta de mensa-
da proposta possa vir a tê-lo) gem pode ser encaminhada pelos Ministérios à Presidência da Re-

28
LÍNGUA PORTUGUESA
pública, a cujas assessorias caberá a redação final. As mensagens f) encaminhamento das contas referentes ao exercício ante-
mais usuais do Poder Executivo ao Congresso Nacional têm as se- rior. O Presidente da República tem o prazo de sessenta dias após a
guintes finalidades: abertura da sessão legislativa para enviar ao Congresso Nacional as
a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, complemen- contas referentes ao exercício anterior (Constituição, art. 84, XXIV),
tar ou financeira. Os projetos de lei ordinária ou complementar são para exame e parecer da Comissão Mista permanente (Constitui-
enviados em regime normal (Constituição, art. 61) ou de urgência ção, art. 166, § 1o), sob pena de a Câmara dos Deputados realizar a
(Constituição, art. 64, §§ 1o a 4o). Cabe lembrar que o projeto pode tomada de contas (Constituição, art. 51, II), em procedimento disci-
ser encaminhado sob o regime normal e mais tarde ser objeto de plinado no art. 215 do seu Regimento Interno.
nova mensagem, com solicitação de urgência. Em ambos os casos, g) mensagem de abertura da sessão legislativa.
a mensagem se dirige aos Membros do Congresso Nacional, mas é Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a situação
encaminhada com aviso do Chefe da Casa Civil da Presidência da do País e solicitação de providências que julgar necessárias (Cons-
República ao Primeiro Secretário da Câmara dos Deputados, para tituição, art. 84, XI). O portador da mensagem é o Chefe da Casa
que tenha início sua tramitação (Constituição, art. 64, caput). Quan- Civil da Presidência da República. Esta mensagem difere das demais
to aos projetos de lei financeira (que compreendem plano pluria- porque vai encadernada e é distribuída a todos os Congressistas em
nual, diretrizes orçamentárias, orçamentos anuais e créditos adicio- forma de livro.
nais), as mensagens de encaminhamento dirigem-se aos Membros h) comunicação de sanção (com restituição de autógrafos).
do Congresso Nacional, e os respectivos avisos são endereçados ao Esta mensagem é dirigida aos Membros do Congresso Nacio-
Primeiro Secretário do Senado Federal. A razão é que o art. 166 nal, encaminhada por Aviso ao Primeiro Secretário da Casa onde
da Constituição impõe a deliberação congressual sobre as leis fi- se originaram os autógrafos. Nela se informa o número que tomou
nanceiras em sessão conjunta, mais precisamente, “na forma do a lei e se restituem dois exemplares dos três autógrafos recebidos,
regimento comum”. E à frente da Mesa do Congresso Nacional está nos quais o Presidente da República terá aposto o despacho de san-
o Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 57, § 5o), que co- ção.
manda as sessões conjuntas. As mensagens aqui tratadas coroam o i) comunicação de veto.
processo desenvolvido no âmbito do Poder Executivo, que abrange Dirigida ao Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 66,
minucioso exame técnico, jurídico e econômico-financeiro das ma- § 1o), a mensagem informa sobre a decisão de vetar, se o veto é
térias objeto das proposições por elas encaminhadas. Tais exames parcial, quais as disposições vetadas, e as razões do veto. Seu texto
materializam-se em pareceres dos diversos órgãos interessados no vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União (v. 4.2. Forma e
assunto das proposições, entre eles o da Advocacia-Geral da União. Estrutura), ao contrário das demais mensagens, cuja publicação se
Mas, na origem das propostas, as análises necessárias constam da restringe à notícia do seu envio ao Poder Legislativo. (v. 19.6.Veto)
exposição de motivos do órgão onde se geraram (v. 3.1. Exposição j) outras mensagens.
de Motivos) – exposição que acompanhará, por cópia, a mensagem Também são remetidas ao Legislativo com regular frequência
de encaminhamento ao Congresso. mensagens com:
b) encaminhamento de medida provisória. – Encaminhamento de atos internacionais que acarretam en-
Para dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constituição, cargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. 49, I);
o Presidente da República encaminha mensagem ao Congresso, – Pedido de estabelecimento de alíquotas aplicáveis às opera-
dirigida a seus membros, com aviso para o Primeiro Secretário do ções e prestações interestaduais e de exportação
Senado Federal, juntando cópia da medida provisória, autenticada (Constituição, art. 155, § 2o, IV);
pela Coordenação de Documentação da Presidência da República. – Proposta de fixação de limites globais para o montante da
c) indicação de autoridades. dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI);
As mensagens que submetem ao Senado Federal a indicação – Pedido de autorização para operações financeiras externas
de pessoas para ocuparem determinados cargos (magistrados dos (Constituição, art. 52, V); e outros.
Tribunais Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e Diretores do Entre as mensagens menos comuns estão as de:
Banco Central, Procurador-Geral da República, Chefes de Missão Di- – Convocação extraordinária do Congresso Nacional (Constitui-
plomática, etc.) têm em vista que a Constituição, no seu art. 52, inci- ção, art. 57, § 6o);
sos III e IV, atribui àquela Casa do Congresso Nacional competência – Pedido de autorização para exonerar o Procurador-Geral da
privativa para aprovar a indicação. O curriculum vitae do indicado, República (art. 52, XI, e 128, § 2o);
devidamente assinado, acompanha a mensagem. – Pedido de autorização para declarar guerra e decretar mobi-
d) pedido de autorização para o Presidente ou o Vice-Presiden- lização nacional (Constituição, art. 84, XIX);
te da República se ausentarem do País por mais de 15 dias. Trata- – Pedido de autorização ou referendo para celebrar a paz
-se de exigência constitucional (Constituição, art. 49, III, e 83), e a (Constituição, art. 84, XX);
autorização é da competência privativa do Congresso Nacional. O – Justificativa para decretação do estado de defesa ou de sua
Presidente da República, tradicionalmente, por cortesia, quando a prorrogação (Constituição, art. 136, § 4o);
ausência é por prazo inferior a 15 dias, faz uma comunicação a cada – Pedido de autorização para decretar o estado de sítio (Cons-
Casa do Congresso, enviando-lhes mensagens idênticas. tituição, art. 137);
e) encaminhamento de atos de concessão e renovação de – Relato das medidas praticadas na vigência do estado de sítio
concessão de emissoras de rádio e TV. A obrigação de submeter ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo único);
tais atos à apreciação do Congresso Nacional consta no inciso XII – Proposta de modificação de projetos de leis financeiras
do artigo 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos legais a (Constituição, art. 166, § 5o);
outorga ou renovação da concessão após deliberação do Congresso – Pedido de autorização para utilizar recursos que ficarem sem
Nacional (Constituição, art. 223, § 3o). Descabe pedir na mensagem despesas correspondentes, em decorrência de veto, emenda ou re-
a urgência prevista no art. 64 da Constituição, porquanto o § 1o do jeição do projeto de lei orçamentária anual (Constituição, art. 166,
art. 223 já define o prazo da tramitação. Além do ato de outorga § 8o);
ou renovação, acompanha a mensagem o correspondente processo – Pedido de autorização para alienar ou conceder terras públi-
administrativo. cas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art. 188, § 1o); etc.

29
LÍNGUA PORTUGUESA
— Forma e Estrutura vel com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem dos Atos e
As mensagens contêm: Comunicações Oficiais). O campo assunto do formulário de correio
a) a indicação do tipo de expediente e de seu número, horizon- eletrônico mensagem deve ser preenchido de modo a facilitar a or-
talmente, no início da margem esquerda: ganização documental tanto do destinatário quanto do remetente.
Mensagem no Para os arquivos anexados à mensagem deve ser utilizado, prefe-
b) vocativo, de acordo com o pronome de tratamento e o cargo rencialmente, o formato Rich Text. A mensagem que encaminha al-
do destinatário, horizontalmente, no início da margem esquerda; gum arquivo deve trazer informações mínimas sobre seu conteúdo.
Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal, Sempre que disponível, deve-se utilizar recurso de confirmação de
c) o texto, iniciando a 2 cm do vocativo; leitura. Caso não seja disponível, deve constar na mensagem o pe-
d) o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do texto, e dido de confirmação de recebimento.
horizontalmente fazendo coincidir seu final com a margem direita.
A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presidente —Valor documental
da República, não traz identificação de seu signatário. Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de
correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa ser
Telegrama aceito como documento original, é necessário existir certificação di-
gital que ateste a identidade do remetente, na forma estabelecida
— Definição e Finalidade em lei.
Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar os proce-
dimentos burocráticos, passa a receber o título de telegrama toda
comunicação oficial expedida por meio de telegrafia, telex, etc. Por EXERCÍCIOS
tratar-se de forma de comunicação dispendiosa aos cofres públicos
e tecnologicamente superada, deve restringir-se o uso do telegra-
ma apenas àquelas situações que não seja possível o uso de correio 1. (NCE/UFRJ – TRE/RJ – AUXILIAR JUDICIÁRIO – 2001) O item
eletrônico ou fax e que a urgência justifique sua utilização e, tam- abaixo que apresenta erradamente uma separação de sílabas é:
(A) trans-o-ce-â-ni-co;
bém em razão de seu custo elevado, esta forma de comunicação
(B) cor-rup-te-la;
deve pautar-se pela concisão (v. 1.4. Concisão e Clareza).
(C) sub-li-nhar;
(D) pneu-má-ti-co;
— Forma e Estrutura
Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a estrutura
2. (FGV – SPTRANS – ESPECIALISTA EM TRANSPORTES – 2001)
dos formulários disponíveis nas agências dos Correios e em seu sítio
Assinale a alternativa em que o x representa fonema igual ao de
na Internet.
“exame”.
(A) exceto.
Fax (B) enxame.
(C) óxido.
— Definição e Finalidade (D) exequível.
O fax (forma abreviada já consagrada de fac-símile) é uma for-
ma de comunicação que está sendo menos usada devido ao desen- 3. (FUNDEC – TJ/MG – OFICIAL DE JUSTIÇA – 2002) Todas as
volvimento da Internet. É utilizado para a transmissão de mensa- palavras a seguir apresentam o mesmo número de sílabas e são pa-
gens urgentes e para o envio antecipado de documentos, de cujo roxítonas, EXCETO:
conhecimento há premência, quando não há condições de envio do (A) gratuito;
documento por meio eletrônico. Quando necessário o original, ele (B) silencio;
segue posteriormente pela via e na forma de praxe. Se necessário (C) insensível;
o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia xerox do fax e não com (D) melodia.
o próprio fax, cujo papel, em certos modelos, se deteriora rapida-
mente. 4. (FDC – PROFESSOR DE PORTUGUÊS II – 2005) Marque a série
em que o hífen está corretamente empregado nas cinco palavras:
— Forma e Estrutura (A) pré-nupcial, ante-diluviano, anti-Cristo, ultra-violeta, infra-
Os documentos enviados por fax mantêm a forma e a estrutura -vermelho.
que lhes são inerentes. É conveniente o envio, juntamente com o (B) vice-almirante, ex-diretor, super-intendente, extrafino,
documento principal, de folha de rosto, i. é., de pequeno formulário infra-assinado.
com os dados de identificação da mensagem a ser enviada, confor- (C) anti-alérgico, anti-rábico, ab-rupto, sub-rogar, antihigiêni-
me exemplo a seguir: co.
(D) extraoficial, antessala, contrassenso, ultrarrealismo, con-
Correio Eletrônico trarregra.
(E) co-seno, contra-cenar, sobre-comum, sub-humano, infra-
— Definição e finalidade -mencionado.
Correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e celeridade,
transformou-se na principal forma de comunicação para transmis- 5. (FUNIVERSA – CEB – ADVOGADO – 2010) Assinale a alterna-
são de documentos. tiva em que todas as palavras são acentuadas pela mesma razão.
(A) “Brasília”, “prêmios”, “vitória”.
— Forma e Estrutura (B) “elétrica”, “hidráulica”, “responsáveis”.
Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é sua (C) “sérios”, “potência”, “após”.
flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para sua es- (D) “Goiás”, “já”, “vários”.
trutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem incompatí- (E) “solidária”, “área”, “após”.

30
LÍNGUA PORTUGUESA
6. (CESGRANRIO – CMB – ASSISTENTE TÉCNICO ADMINISTRA- (D) Perdida no tempo, vinham-lhe à lembrança a imagem
TIVO – 2012) Algumas palavras são acentuadas com o objetivo ex- muito branca da mãe, as brincadeiras no quintal, à tarde, com
clusivo de distingui-las de outras. Uma palavra acentuada com esse os irmãos e o mundo mágico dos brinquedos.
objetivo é a seguinte: (E) Estava sempre dizendo coisas de que mais tarde se arre-
(A) pôr. penderia. Prometia a si própria que da próxima vez, tomaria
(B) ilhéu. cuidado com as palavras, o que entretanto, não acontecia.
(C) sábio.
(D) também. 11. (FCC – INFRAERO – ADMINISTRADOR – 2011) Está inteira-
(E) lâmpada. mente correta a pontuação do seguinte período:
(A) Os personagens principais de uma história, responsáveis
7. (ESAF – SRF – AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL – 2003) pelo sentido maior dela, dependem, muitas vezes, de peque-
Indique o item em que todas as palavras estão corretamente em- nas providências que, tomadas por figurantes aparentemente
pregadas e grafadas. sem importância, ditam o rumo de toda a história.
(A) A pirâmide carcerária assegura um contexto em que o (B) Os personagens principais, de uma história, responsáveis
poder de infringir punições legais a cidadãos aparece livre de pelo sentido maior dela, dependem muitas vezes, de peque-
qualquer excesso e violência. nas providências que tomadas por figurantes, aparentemente
(B) Nos presídios, os chefes e subchefes não devem ser exata- sem importância, ditam o rumo de toda a história.
mente nem juízes, nem professores, nem contramestres, nem (C) Os personagens principais de uma história, responsáveis
suboficiais, nem “pais”, porém avocam a si um pouco de tudo pelo sentido maior dela dependem muitas vezes de pequenas
isso, num modo de intervenção específico. providências, que, tomadas por figurantes aparentemente,
(C) O carcerário, ao homogeinizar o poder legal de punir e o sem importância, ditam o rumo de toda a história.
poder técnico de disciplinar, ilide o que possa haver de violen- (D) Os personagens principais, de uma história, responsáveis
to em um e de arbitrário no outro, atenuando os efeitos de pelo sentido maior dela, dependem, muitas vezes de peque-
revolta que ambos possam suscitar. nas providências, que tomadas por figurantes aparentemente
(D) No singular poder de punir, nada mais lembra o antigo p sem importância, ditam o rumo de toda a história.
der do soberano iminente que vingava sua autoridade sobre o (E) Os personagens principais de uma história, responsáveis,
corpo dos supliciados. pelo sentido maior dela, dependem muitas vezes de pequenas
(E) A existência de uma proibição legal cria em torno dela um providências, que tomadas por figurantes, aparentemente,
campo de práticas ilegais, sob o qual se chega a exercer con- sem importância, ditam o rumo de toda a história.
trole e aferir lucro ilícito, mas que se torna manejável por sua
organização em delinqüência. 12. (CONSULPLAN – ANALISTA DE INFORMÁTICA (SDS-SC) –
2008) A alternativa em que todas as palavras são formadas pelo
8. (FCC – METRÔ/SP – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO JÚNIOR – mesmo processo de formação é:
2012) A frase que apresenta INCORREÇÕES quanto à ortografia é: (A) responsabilidade, musicalidade, defeituoso;
(A) Quando jovem, o compositor demonstrava uma capacida- (B) cativeiro, incorruptíveis, desfazer;
de extraordinária de imitar vários estilos musicais. (C) deslealdade, colunista, incrível;
(B) Dizem que o músico era avesso à ideia de expressar senti- (D) anoitecer, festeiro, infeliz;
mentos pessoais por meio de sua música. (E) reeducação, dignidade, enriquecer.
(C) Poucos estudiosos se despõem a discutir o empacto das
composições do músico na cultura ocidental. 13. (IMA – PREF. BOA HORA/PI – PROCURADOR MUNICIPAL –
(D) Salvo algumas exceções, a maioria das óperas do compo- 2010) No verso “Para desentristecer, leãozinho”, Caetano Veloso
sitor termina em uma cena de reconciliação entre os persona- cria um neologismo. A opção que contém o processo de formação
gens. utilizado para formar a palavra nova e o tipo de derivação que a
(E) Alguns acreditam que o valor da obra do compositor se palavra primitiva foi formada respectivamente é:
deve mais à árdua dedicação do que a arroubos de inspiração. (A) derivação prefixal (des + entristecer); derivação parassinté-
tica (en + trist + ecer);
9. (CESGRANRIO – FINEP – TÉCNICO – 2011) A vírgula pode ser (B) derivação sufixal (desentriste + cer); derivação imprópria
retirada sem prejuízo para o significado e mantendo a norma pa- (en + triste + cer);
drão na seguinte sentença: (C) derivação regressiva (des + entristecer); derivação paras-
(A) Mário, vem falar comigo depois do expediente. sintética (en + trist + ecer);
(B) Amanhã, apresentaremos a proposta de trabalho. (D) derivação parassintética (en + trist + ecer); derivação prefi-
(C) Telefonei para o Tavares, meu antigo chefe. xal (des + entristecer);
(D) Encomendei canetas, blocos e crachás para a reunião. (E) derivação prefixal (en + trist + ecer); derivação parassintéti-
(E) Entrou na sala, cumprimentou a todos e iniciou o discurso. ca (des + entristecer).

10. (CESGRANRIO – PETROBRAS – TÉCNICO DE ENFERMAGEM 14. (IMA – PREF. BOA HORA/PI – PROCURADOR MUNICIPAL –
DO TRABALHO – 2011) Há ERRO quanto ao emprego dos sinais de 2010) A palavra “Olhar” em (meu olhar) é um exemplo de palavra
pontuação em: formada por derivação:
(A) Ao dizer tais palavras, levantou-se, despediu-se dos convi- (A) parassintética;
dados e retirou-se da sala: era o final da reunião. (B) prefixal;
(B) Quem disse que, hoje, enquanto eu dormia, ela saiu sorra- (C) sufixal;
teiramente pela porta? (D) imprópria;
(C) Na infância, era levada e teimosa; na juventude, tornou-se (E) regressiva.
tímida e arredia; na velhice, estava sempre alheia a tudo.

31
LÍNGUA PORTUGUESA
15. (CESGRANRIO – BNDES – ADVOGADO – 2004) No título do 20. (FCC – TRE/MG – TÉCNICO JUDICIÁRIO – 2005) As liberda-
artigo “A tal da demanda social”, a classe de palavra de “tal” é: des ...... se refere o autor dizem respeito a direitos ...... se ocupa a
(A) pronome; nossa Constituição. Preenchem de modo correto as lacunas da frase
(B) adjetivo; acima, na ordem dada, as expressões:
(C) advérbio; (A) a que – de que;
(D) substantivo; (B) de que – com que;
(E) preposição. (C) a cujas – de cujos;
(D) à que – em que;
16. Assinale a alternativa que apresenta a correta classificação (E) em que – aos quais.
morfológica do pronome “alguém” (l. 44).
(A) Pronome demonstrativo. 21. (ESAF – CGU – ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE – 2008)
(B) Pronome relativo. Assinale o trecho que apresenta erro de regência.
(C) Pronome possessivo. (A) Depois de um longo período em que apresentou taxas de
(D) Pronome pessoal. crescimento econômico que não iam além dos 3%, o Brasil
(E) Pronome indefinido. fecha o ano de 2007 com uma expansão de 5,3%, certamente
a maior taxa registrada na última década.
(B) Os dados ainda não são definitivos, mas tudo sugere
17. Em relação à classe e ao emprego de palavras no texto, na que serão confirmados. A entidade responsável pelo estudo
oração “A abordagem social constitui-se em um processo de traba- foi a conhecida Comissão Econômica para a América Latina
lho planejado de aproximação” (linhas 1 e 2), os vocábulos subli- (CEPAL).
nhados classificam-se, respectivamente, em (C) Não há dúvida de que os números são bons, num momen-
(A) preposição, pronome, artigo, adjetivo e substantivo. to em que atingimos um bom superávit em conta-corrente,
(B) pronome, preposição, artigo, substantivo e adjetivo. em que se revela queda no desemprego e até se anuncia a
(C) conjunção, preposição, numeral, substantivo e pronome. ampliação de nossas reservas monetárias, além da descoberta
(D) pronome, conjunção, artigo, adjetivo e adjetivo. de novas fontes de petróleo.
(E) conjunção, conjunção, numeral, substantivo e advérbio. (D) Mesmo assim, olhando-se para os vizinhos de continente,
percebe-se que nossa performance é inferior a que foi atribu-
18. (VUNESP – TJ/SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – ída a Argentina (8,6%) e a alguns outros países com partici-
2011) Assinale a alternativa em que a concordância verbal está cor- pação menor no conjunto dos bens produzidos pela América
reta. Latina.
(A) Haviam cooperativas de catadores na cidade de São Paulo. (E) Nem é preciso olhar os exemplos da China, Índia e Rússia,
(B) O lixo de casas e condomínios vão para aterros. com crescimento acima desses patamares. Ao conjunto inteiro
(C) O tratamento e a destinação corretos do lixo evitaria que da América Latina, o organismo internacional está atribuindo
35% deles fosse despejado em aterros. um crescimento médio, em 2007, de 5,6%, um pouco maior
(D) Fazem dois anos que a prefeitura adia a questão do lixo. do que o do Brasil.
(E) Somos nós quem paga a conta pelo descaso com a coleta
de lixo. 22. (FGV – SENADO FEDERAL – POLICIAL LEGISLATIVO FEDERAL
– 2008) Assinale a alternativa em que se tenha optado corretamen-
19. (ESAF – CGU – ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE – 2012) te por utilizar ou não o acento grave indicativo de crase.
Assinale a opção que fornece a correta justificativa para as relações (A) Vou à Brasília dos meus sonhos.
de concordância no texto abaixo. (B) Nosso expediente é de segunda à sexta.
O bom desempenho do lado real da economia proporcionou (C) Pretendo viajar a Paraíba.
um período de vigoroso crescimento da arrecadação. A maior lucra- (D) Ele gosta de bife à cavalo.
tividade das empresas foi decisiva para os resultados fiscais favo-
ráveis. Elevaram-se, de forma significativa e em valores reais, de- 23. (FDC – MAPA – ANALISTA DE SISTEMAS – 2010) Na oração
flacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as “Eles nos deixaram À VONTADE” e no trecho “inviabilizando o ata-
receitas do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), a Contribuição que, que, naturalmente, deveria ser feito À DISTÂNCIA”, observa-se
Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), e a Contribuição para o Finan- a ocorrência da crase nas locuções adverbiais em caixa-alta. Nas
ciamento da Seguridade Social (Cofins). O crescimento da massa de locuções das frases abaixo também ocorre a crase, que deve ser
salários fez aumentar a arrecadação do Imposto de Renda Pessoa marcada com o acento, EXCETO em:
Física (IRPF) e a receita de tributação sobre a folha da previdência (A) Todos estavam à espera de uma solução para o problema.
social. Não menos relevantes foram os elevados ganhos de capital, (B) À proporção que o tempo passava, maior era a angústia do
responsáveis pelo aumento da arrecadação do IRPF. eleitorado pelo resultado final.
(A) O uso do plural em “valores” é responsável pela flexão de (C) Um problema à toa emperrou o funcionamento do siste-
plural em “deflacionados”. ma.
(B) O plural em “resultados” é responsável pela flexão de (D) Os técnicos estavam face à face com um problema insolú-
plural em “Elevaram-se”. vel.
(C) Emprega-se o singular em “proporcionou” para respeitar (E) O Tribunal ficou à mercê dos hackers que invadiram o
as regras de concordância com “economia”. sistema.
(D) O singular em “a arrecadação” é responsável pela flexão
de singular em “fez aumentar”.
(E) A flexão de plural em “foram” justifica-se pela concordân-
cia com “relevantes”.

32
LÍNGUA PORTUGUESA
24. Levando-se em consideração os conceitos de frase, oração (B) subordinada adjetiva restritiva e coordenada sindética
e período, é correto afirmar que o trecho abaixo é considerado um explicativa;
(a): (C) subordinada adverbial conformativa e subordinada adver-
“A expectativa é que o México, pressionado pelas mudanças bial concessiva;
americanas, entre na fila.” (D) subordinada substantiva completiva nominal e coordenada
(A) Frase, uma vez que é composta por orações coordenadas e sindética adversativa;
subordinadas. (E) subordinada adjetiva restritiva e subordinada adverbial
(B) Período, composto por três orações. concessiva.
(C) Oração, pois possui sentido completo.
(D) Período, pois é composto por frases e orações. 30. (ACEP – PREF. QUIXADÁ/CE – PSICÓLOGO – 2010) No perí-
odo “O essencial é o seguinte: //nunca antes neste país houve um
25. (AOCP – PREF. DE CATU/BA – MECÂNICO DE VEÍCULOS – governo tão imbuído da ideia // de que veio // para recomeçar a
2007) Leia a seguinte sentença: Joana tomou um sonífero e não dor- história.”, a oração sublinhada é classificada como:
miu. Assinale a alternativa que classifica corretamente a segunda (A) coordenada assindética;
oração. (B) subordinada substantiva completiva nominal;
(A) Oração coordenada assindética aditiva. (C) subordinada substantiva objetiva indireta;
(B) Oração coordenada sindética aditiva. (D) subordinada substantiva apositiva.
(C) Oração coordenada sindética adversativa.
(D) Oração coordenada sindética explicativa. 31. (CESGRANRIO – SEPLAG/BA – PROFESSOR PORTUGUÊS –
(E) Oração coordenada sindética alternativa. 2010) Estabelece relação de hiperonímia/hiponímia, nessa ordem,
o seguinte par de palavras:
26. (AOCP – PREF. DE CATU/BA – BIBLIOTECÁRIO – 2007) Leia (A) estrondo – ruído;
a seguinte sentença: Não precisaremos voltar ao médico nem fazer (B) pescador – trabalhador;
exames. Assinale a alternativa que classifica corretamente as duas (C) pista – aeroporto;
(D) piloto – comissário;
orações.
(E) aeronave – jatinho.
(A) Oração coordenada assindética e oração coordenada
adversativa.
32. (VUNESP – SEAP/SP – AGENTE DE ESCOLTA E VIGILÂNCIA
(B) Oração principal e oração coordenada sindética aditiva.
PENITENCIÁRIA – 2012) No trecho – Para especialistas, fica uma
(C) Oração coordenada assindética e oração coordenada
questão: até que ponto essa exuberância econômica no Brasil é
aditiva.
sustentável ou é apenas mais uma bolha? – o termo em destaque
(D) Oração principal e oração subordinada adverbial consecu-
tem como antônimo:
tiva. (A) fortuna;
(E) Oração coordenada assindética e oração coordenada (B) opulência;
adverbial consecutiva. (C) riqueza;
(D) escassez;
27. (EMPASIAL – TJ/SP – ESCREVENTE JUDICIÁRIO – 1999) Ana- (E) abundância.
lise sintaticamente a oração em destaque:
“Bem-aventurados os que ficam, porque eles serão recompen- 33. (FEMPERJ – VALEC – JORNALISTA – 2012) Intertextualidade
sados” (Machado de Assis). é a presença de um texto em outro; o pensamento abaixo que NÃO
(A) oração subordinada substantiva completiva nominal. se fundamenta em intertextualidade é:
(B) oração subordinada adverbial causal. (A) “Se tudo o que é bom dura pouco, eu já deveria ter morri-
(C) oração subordinada adverbial temporal desenvolvida. do há muito tempo.”
(D) oração coordenada sindética conclusiva. (B) “Nariz é essa parte do corpo que brilha, espirra, coça e se
(E) oração coordenada sindética explicativa. mete onde não é chamada.”
(C) “Une-te aos bons e será um deles. Ou fica aqui com a
28. (FGV – SENADO FEDERAL – TÉCNICO LEGISLATIVO – ADMI- gente mesmo!”
NISTRAÇÃO – 2008) “Mas o fato é que transparência deixou de ser (D) “Vamos fazer o feijão com arroz. Se puder botar um ovo,
um processo de observação cristalina para assumir um discurso de tudo bem.”
políticas de averiguação de custos engessadas que pouco ou quase (E) “O Neymar é invendável, inegociável e imprestável.”
nada retratam as necessidades de populações distintas.”.
A oração grifada no trecho acima classifica-se como: Atenção: Leia o texto abaixo para responder as questões.
(A) subordinada substantiva predicativa; UM APÓLOGO
(B) subordinada adjetiva restritiva; Machado de Assis.
(C) subordinada substantiva subjetiva; Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:
(D) subordinada substantiva objetiva direta; — Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrola-
(E) subordinada adjetiva explicativa. da, para fingir que vale alguma coisa neste mundo?
— Deixe-me, senhora.
29. (FUNCAB – PREF. PORTO VELHO/RO – MÉDICO – 2009) No — Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está
trecho abaixo, as orações introduzidas pelos termos grifados são com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me
classificadas, em relação às imediatamente anteriores, como: der na cabeça.
“Não há dúvida de que precisaremos curtir mais o dia a dia, — Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha.
mas nunca à custa de nossos filhos...” Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem
(A) subordinada substantiva objetiva indireta e coordenada o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos
sindética adversativa; outros.

33
LÍNGUA PORTUGUESA
— Mas você é orgulhosa.
— Decerto que sou.
— Mas por quê?
— É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa
ama, quem é que os cose, senão eu?
— Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora
que quem os cose sou eu, e muito eu?
— Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pe-
daço ao outro, dou feição aos babados…
— Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante,
puxando por você, que vem atrás, obedecendo ao que eu faço e
mando…
— Também os batedores vão adiante do imperador.
— Você é imperador?
— Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel su-
balterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o (A) “- Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda en-
trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto… rolada, para fingir que vale alguma coisa neste mundo?” (L.02)
Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. (B) “- Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é
Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que agulha. Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar?”
tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a (L.06)
costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, en- (C) “- Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adian-
fiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando te, puxando por você, que vem atrás, obedecendo ao que eu
orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre faço e mando...” (L.14-15)
os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana — para dar a (D) “- Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há
isto uma cor poética. E dizia a agulha: pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa
— Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a
Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é eles, furando abaixo e acima.” (L.25-26)
que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo (E) “- Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para
e acima… ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha
A linha não respondia nada; ia andando. Buraco aberto pela de costura. Faze como eu, que não abro caminho para nin-
agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe guém. Onde me espetam, fico.” (L.40-41)
o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha vendo que
ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era 35. O diminutivo, em Língua Portuguesa, pode expressar outros
tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-pli- valores semânticos além da noção de dimensão, como afetividade,
c-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a pejoratividade e intensidade. Nesse sentido, pode-se afirmar que
costura, para o dia seguinte; continuou ainda nesse e no outro, até os valores semânticos utilizados nas formas diminutivas “unidi-
que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile. nha”(L.26) e “corpinho”(L.32), são, respectivamente, de:
Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que (A) dimensão e pejoratividade;
a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para (B) afetividade e intensidade;
dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da (C) afetividade e dimensão;
bela dama, e puxava a um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, (D) intensidade e dimensão;
alisando, abotoando, acolchetando, a linha, para mofar da agulha, (E) pejoratividade e afetividade.
perguntou-lhe:
— Ora agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da 36. Em um texto narrativo como “Um Apólogo”, é muito co-
baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que mum uso de linguagem denotativa e conotativa. Assinale a alterna-
vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para tiva cujo trecho retirado do texto é uma demonstração da expressi-
a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? vidade dos termos “linha” e “agulha” em sentido figurado.
Vamos, diga lá. (A) “- É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de
Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de ca- nossa ama, quem é que os cose, senão eu?” (L.11)
beça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha: (B) “- Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agu-
— Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é lha. Agulha não tem cabeça.” (L.06)
que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze (C) “- Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um
como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, pedaço ao outro, dou feição aos babados...” (L.13)
fico. (D) “- Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordi-
Contei esta história a um professor de melancolia, que me dis- nária!” (L.43)
se, abanando a cabeça: — Também eu tenho servido de agulha a (E) “- Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pou-
muita linha ordinária! co?” (L.25)

34. De acordo com o texto “Um Apólogo” de Machado de Assis 37. De acordo com a temática geral tratada no texto e, de modo
e com a ilustração abaixo, e levando em consideração as persona- metafórico, considerando as relações existentes em um ambiente
gens presentes nas narrativas tanto verbal quanto visual, indique de trabalho, aponte a opção que NÃO corresponde a uma ideia pre-
a opção em que a fala não é compatível com a associação entre os sente no texto:
elementos dos textos: (A) O texto sinaliza que, normalmente, não há uma relação
equânime em ambientes coletivos de trabalho;

34
LÍNGUA PORTUGUESA
(B) O texto sinaliza que, normalmente, não há uma relação 39. Observe as assertivas relacionadas ao texto “A lama que
equânime em ambientes coletivos de trabalho; ainda suja o Brasil”:
(C) O texto indica que, em um ambiente coletivo de trabalho, I- O texto é coeso, mas não é coerente, já que tem problemas
cada sujeito possui atribuições próprias. no desenvolvimento do assunto.
(D) O texto sugere que o reconhecimento no ambiente cole- II- O texto é coerente, mas não é coeso, já que apresenta pro-
tivo de trabalho parte efetivamente das próprias atitudes do blemas no uso de conjunções e preposições.
sujeito. III- O texto é coeso e coerente, graças ao bom uso das classes
(E) O texto revela que, em um ambiente coletivo de trabalho, de palavras e da ordem sintática.
frequentemente é difícil lidar com as vaidades individuais. IV- O texto é coeso e coerente, já que apresenta progressão
temática e bom uso dos recursos coesivos.
Leia o texto abaixo para responder a questão.
A lama que ainda suja o Brasil Analise as assertivas e responda:
Fabíola Perez(fabiola.perez@istoe.com.br) (A) Somente a I é correta.
(B) Somente a II é incorreta.
A maior tragédia ambiental da história do País escancarou um (C) Somente a III é correta.
dos principais gargalos da conjuntura política e econômica brasilei- (D) Somente a IV é correta.
ra: a negligência do setor privado e dos órgãos públicos diante de
um desastre de repercussão mundial. Confirmada a morte do Rio
Doce, o governo federal ainda não apresentou um plano de recu-
peração efetivo para a área (apenas uma carta de intenções). Tam-
GABARITO
pouco a mineradora Samarco, controlada pela brasileira Vale e pela
anglo-australiana BHP Billiton. A única medida concreta foi a aplica- 01 A
ção da multa de R$ 250 milhões – sendo que não há garantias de
que ela será usada no local. “O leito do rio se perdeu e a calha pro- 02 D
funda e larga se transformou num córrego raso”, diz Malu Ribeiro, 03 A
coordenadora da rede de águas da Fundação SOS Mata Atlântica,
sobre o desastre em Mariana, Minas Gerais. “O volume de rejeitos 04 D
se tornou uma bomba relógio na região.” 05 A
Para agravar a tragédia, a empresa declarou que existem riscos
06 A
de rompimento nas barragens de Germano e de Santarém. Segun-
do o Departamento Nacional de Produção Mineral, pelo menos 16 07 B
barragens de mineração em todo o País apresentam condições de 08 C
insegurança. “O governo perdeu sua capacidade de aparelhar ór-
gãos técnicos para fiscalização”, diz Malu. Na direção oposta 09 B
Ao caminho da segurança, está o projeto de lei 654/2015, 10 E
do senador Romero Jucá (PMDB-RR) que prevê licença única em um
tempo exíguo para obras consideradas estratégicas. O novo marco 11 A
regulatório da mineração, por sua vez, também concede priorida- 12 A
de à ação de mineradoras. “Ocorrerá um aumento dos conflitos ju-
13 A
diciais, o que não será interessante para o setor empresarial”, diz
Maurício Guetta, advogado do Instituto Sócio Ambiental (ISA). Com 14 D
o avanço dessa legislação outros danos irreversíveis podem ocorrer. 15 A
FONTE: http://www.istoe.com.br/reportagens/441106_A+LA MA+-
QUE+AINDA+SUJA+O+BRASIL 16 E
17 B
38. Observe as assertivas relacionadas ao texto lido:
I. O texto é predominantemente narrativo, já que narra um 18 E
fato. 19 A
II. O texto é predominantemente expositivo, já que pertence ao 20 A
gênero textual editorial.
III. O texto é apresenta partes narrativas e partes expositivas, já 21 D
que se trata de uma reportagem. 22 A
IV. O texto apresenta partes narrativas e partes expositivas, já
se trata de um editorial. 23 D
24 B
Analise as assertivas e responda:
25 C
(A) Somente a I é correta.
(B) Somente a II é incorreta. 26 C
(C) Somente a III é correta 27 E
(D) A III e IV são corretas.
28 A
29 D
30 B

35
LÍNGUA PORTUGUESA
31 E ANOTAÇÕES
32 D
33 E ______________________________________________________
34 E ______________________________________________________
35 D
______________________________________________________
36 D
37 D ______________________________________________________
38 D ______________________________________________________
39 C
______________________________________________________

______________________________________________________
ANOTAÇÕES
______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ _____________________________________________________

______________________________________________________ _____________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

_____________________________________________________ ______________________________________________________

_____________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

36
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
1. Informática básica. Hardwares e periféricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Windows 10 Pro: painel de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. Microsoft Office 365: Word, Excel, Power Point, Outlook . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
4. Internet. Intranet Browsers. Sites de busca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
5. Correio eletrônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
6. Backup: conceitos básicos, tipos, dispositivos e ferramentas, unidades de medida de armazenamento, compactação de arquivos 45
7. Vírus e programas maliciosos: conceitos básicos, tipos, ações preventivas/corretivas e softwares de segurança digital . . . . . . . . . 48
8. Redes sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
9. Noções sobre redes e Wi-Fi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

INFORMÁTICA BÁSICA. HARDWARES E PERIFÉRICOS

Hardware

O hardware são as partes físicas de um computador. Isso inclui


a Unidade Central de Processamento (CPU), unidades de armazena-
mento, placas mãe, placas de vídeo, memória, etc.1. Outras partes
extras chamados componentes ou dispositivos periféricos incluem
o mouse, impressoras, modems, scanners, câmeras, etc.
Para que todos esses componentes sejam usados apropriada- CPU.
mente dentro de um computador, é necessário que a funcionalida- Fonte: https://www.showmetech.com.br/porque-o-processador-e-u-
de de cada um dos componentes seja traduzida para algo prático. ma-peca-importante
Surge então a função do sistema operacional, que faz o intermédio
desses componentes até sua função final, como, por exemplo, pro- Coolers
cessar os cálculos na CPU que resultam em uma imagem no moni-
tor, processar os sons de um arquivo MP3 e mandar para a placa de Quando cada parte de um computador realiza uma tarefa, elas
som do seu computador, etc. Dentro do sistema operacional você usam eletricidade. Essa eletricidade usada tem como uma conse-
ainda terá os programas, que dão funcionalidades diferentes ao quência a geração de calor, que deve ser dissipado para que o com-
computador. putador continue funcionando sem problemas e sem engasgos no
desempenho. Os coolers e ventoinhas são responsáveis por promo-
Gabinete ver uma circulação de ar dentro da case do CPU. Essa circulação de
ar provoca uma troca de temperatura entre o processador e o ar
O gabinete abriga os componentes internos de um computa- que ali está passando. Essa troca de temperatura provoca o resfria-
dor, incluindo a placa mãe, processador, fonte, discos de armaze- mento dos componentes do computador, mantendo seu funciona-
namento, leitores de discos, etc. Um gabinete pode ter diversos mento intacto e prolongando a vida útil das peças.
tamanhos e designs.

Cooler.
Fonte: https://www.terabyteshop.com.br/produto/10546/cooler-deep-
Gabinete. cool-gammaxx-c40-dp-mch4-gmx-c40p-intelam4-ryzen
Fonte: https://www.chipart.com.br/gabinete/gabinete-gamer-game-
max-shine-g517-mid-tower-com-1-fan-vidro-temperado-preto/2546 Placa-mãe

Processador ou CPU (Unidade de Processamento Central) Se o CPU é o cérebro de um computador, a placa-mãe é o es-
queleto. A placa mãe é responsável por organizar a distribuição dos
É o cérebro de um computador. É a base sobre a qual é cons- cálculos para o CPU, conectando todos os outros componentes ex-
truída a estrutura de um computador. Uma CPU funciona, basica- ternos e internos ao processador. Ela também é responsável por
mente, como uma calculadora. Os programas enviam cálculos para enviar os resultados dos cálculos para seus devidos destinos. Uma
o CPU, que tem um sistema próprio de “fila” para fazer os cálculos placa mãe pode ser on-board, ou seja, com componentes como pla-
mais importantes primeiro, e separar também os cálculos entre os cas de som e placas de vídeo fazendo parte da própria placa mãe,
núcleos de um computador. O resultado desses cálculos é traduzido ou off-board, com todos os componentes sendo conectados a ela.
em uma ação concreta, como por exemplo, aplicar uma edição em
uma imagem, escrever um texto e as letras aparecerem no monitor
do PC, etc. A velocidade de um processador está relacionada à ve-
locidade com que a CPU é capaz de fazer os cálculos.

1 https://www.palpitedigital.com/principais-componentes-internos-pc-perife-
ricos-hardware-software/#:~:text=O%20hardware%20s%C3%A3o%20as%20
partes,%2C%20scanners%2C%20c%C3%A2meras%2C%20etc.

1
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Placa-mãe.
Fonte: https://www.terabyteshop.com.br/produto/9640/placa-mae- Periféricos de entrada.
-biostar-b360mhd-pro-ddr4-lga-1151 Fonte: https://mind42.com/public/970058ba-a8f4-451b-b121-3ba-
35c51e1e7
Fonte
- Periféricos de saída: São aqueles que recebem informações
É responsável por fornecer energia às partes que compõe um do computador. Ex.: monitor, impressora, caixas de som.
computador, de forma eficiente e protegendo as peças de surtos
de energia.

Placa-mãe.
Fonte: https://www.magazineluiza.com.br/fonte-atx-alimentacao-pc-
-230w-01001-xway/p/dh97g572hc/in/ftpc
Periféricos de saída.
Placas de vídeo Fonte: https://aprendafazer.net/o-que-sao-os-perifericos-de-saida-pa-
ra-que-servem-e-que-tipos-existem
Permitem que os resultados numéricos dos cálculos de um pro-
cessador sejam traduzidos em imagens e gráficos para aparecer em - Periféricos de entrada e saída: são aqueles que enviam e
um monitor. recebem informações para/do computador. Ex.: monitor touchs-
creen, drive de CD – DVD, HD externo, pen drive, impressora mul-
tifuncional, etc.

Placa-mãe.
Fonte: https://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2012/12/conhe-
ca-melhores-placas-de-video-lancadas-em-2012.html Periféricos de entrada e saída.
Fonte: https://almeida3.webnode.pt/trabalhos-de-tic/dispositivos-de-
Periféricos de entrada, saída e armazenamento -entrada-e-saida

São placas ou aparelhos que recebem ou enviam informações - Periféricos de armazenamento: são aqueles que armazenam
para o computador. São classificados em: informações. Ex.: pen drive, cartão de memória, HD externo, etc.
- Periféricos de entrada: são aqueles que enviam informações
para o computador. Ex.: teclado, mouse, scanner, microfone, etc.

2
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
QUESTÕES

01. (Prefeitura de Portão/RS - Médico - OBJETIVA/2019) São


exemplos de dois softwares e um hardware, respectivamente:

(A) Placa de vídeo, teclado e mouse.


(B) Microsoft Excel, Mozilla Firefox e CPU.
(C) Internet Explorer, placa-mãe e gravador de DVD.
(D) Webcam, editor de imagem e disco rígido.

02. (GHC-RS - Contador - MS CONCURSOS/2018) Nas alternati-


vas, encontram-se alguns conceitos básicos de informática, exceto:

(A) Hardware são os componentes físicos do computador, ou


seja, a máquina propriamente dita.
Periféricos de armazenamento. (B) Software é o conjunto de programas que permite o funcio-
Fonte: https://www.slideshare.net/contatoharpa/perifricos-4041411 namento e utilização da máquina.
(C) Entre os principais sistemas operacionais, pode-se destacar
Software o Windows, Linux e o BrOffice.
(D) O primeiro software necessário para o funcionamento de
Software é um agrupamento de comandos escritos em uma lin- um computador é o Sistema Operacional.
guagem de programação2. Estes comandos, ou instruções, criam as (E) No software livre, existe a liberdade de estudar o funciona-
ações dentro do programa, e permitem seu funcionamento. mento do programa e de adaptá-lo as suas necessidades.
Um software, ou programa, consiste em informações que po-
dem ser lidas pelo computador, assim como seu conteúdo audiovi- 03. (Prefeitura de Carlos Barbosa/RS - Agente Administrativo
sual, dados e componentes em geral. Para proteger os direitos do (Legislativo) - OBJETIVA/2019) Sobre as classificações de software,
criador do programa, foi criada a licença de uso. Todos estes com- analisar a sentença abaixo:
ponentes do programa fazem parte da licença. Software de sistema são programas que permitem a interação
A licença é o que garante o direito autoral do criador ou dis- do usuário com a máquina, como exemplo pode-se citar o Windows
tribuidor do programa. A licença é um grupo de regras estipuladas (1ª parte).
pelo criador/distribuidor do programa, definindo tudo que é ou não Software de aplicativo são programas de uso cotidiano do
é permitido no uso do software em questão. usuário, permitindo a realização de tarefas, como editores de texto,
Os softwares podem ser classificados em: planilhas, navegador de internet, etc. (2ª parte).
- Software de Sistema: o software de sistema é constituído pe- A sentença está:
los sistemas operacionais (S.O). Estes S.O que auxiliam o usuário,
para passar os comandos para o computador. Ele interpreta nossas (A) Totalmente correta.
ações e transforma os dados em códigos binários, que podem ser (B) Correta somente em sua 1ª parte.
processados (C) Correta somente em sua 2ª parte.
- Software Aplicativo: este tipo de software é, basicamente, os (D) Totalmente incorreta.
programas utilizados para aplicações dentro do S.O., que não es-
tejam ligados com o funcionamento do mesmo. Exemplos: Word, 04. (Prefeitura de Santo Antônio do Sudoeste/PR - Professor
Excel, Paint, Bloco de notas, Calculadora. - Instituto UniFil/2018) Assinale a alternativa que representa um
- Software de Programação: são softwares usados para criar Software.
outros programas, a parir de uma linguagem de programação,
como Java, PHP, Pascal, C+, C++, entre outras. (A) Windows.
- Software de Tutorial: são programas que auxiliam o usuário (B) Mouse.
de outro programa, ou ensine a fazer algo sobre determinado as- (C)Hard Disk – HD.
sunto. (D) Memória Ram.
- Software de Jogos: são softwares usados para o lazer, com
vários tipos de recursos. 05. (Prefeitura de Jahu/SP - Auxiliar de Desenvolvimento In-
- Software Aberto: é qualquer dos softwares acima, que tenha fantil - OBJETIVA/2018) Quanto aos periféricos de um computador,
o código fonte disponível para qualquer pessoa. assinalar a alternativa que apresenta somente periféricos de arma-
zenamento:
Todos estes tipos de software evoluem muito todos os dias.
Sempre estão sendo lançados novos sistemas operacionais, novos (A) Teclado e drive de CD.
games, e novos aplicativos para facilitar ou entreter a vida das pes- (B) Pen drive e cartão de memória.
soas que utilizam o computador. (C) Monitor e mouse.
(D) Impressora e caixas de som.

06. (Prefeitura de Sobral/CE - Analista de Infraestrutura - UE-


CE-CEV/2018) O componente do hardware do computador que tem
como função interligar diversos outros componentes é a

(A) memória diferida.


2 http://www.itvale.com.br

3
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
(B) memória intangível.
(C) placa de fase.
(D) placa mãe.

GABARITO

01 B
02 C
03 A
04 A
05 B
06 D

WINDOWS 10 PRO: PAINEL DE CONTROLE

WINDOWS 10

Lançado em 2015, O Windows 10 chega ao mercado com a proposta ousada, juntar todos os produtos da Microsoft em uma única
plataforma. Além de desktops e notebooks, essa nova versão equipará smartphones, tablets, sistemas embarcados, o console Xbox One e
produtos exclusivos, como o Surface Hub e os óculos de realidade aumentada HoloLens3.

Versões do Windows 10
- Windows 10 Home: edição do sistema operacional voltada para os consumidores domésticos que utilizam PCs (desktop e notebook),
tablets e os dispositivos “2 em 1”.
- Windows 10 Pro: o Windows 10 Pro também é voltado para PCs (desktop e notebook), tablets e dispositivos “2 em 1”, mas traz
algumas funcionalidades extras em relação ao Windows 10 Home, os quais fazem com que essa edição seja ideal para uso em pequenas
empresas, apresentando recursos para segurança digital, suporte remoto, produtividade e uso de sistemas baseados na nuvem.
- Windows 10 Enterprise: construído sobre o Windows 10 Pro, o Windows 10 Enterprise é voltado para o mercado corporativo. Os
alvos dessa edição são as empresas de médio e grande porte, e o Sistema apresenta capacidades que focam especialmente em tecnologias
desenvolvidas no campo da segurança digital e produtividade.
- Windows 10 Education: Construída a partir do Windows 10 Enterprise, essa edição foi desenvolvida para atender as necessidades
do meio escolar.
- Windows 10 Mobile: o Windows 10 Mobile é voltado para os dispositivos de tela pequena cujo uso é centrado no touchscreen, como
smartphones e tablets
- Windows 10 Mobile Enterprise: também voltado para smartphones e pequenos tablets, o Windows 10 Mobile Enterprise tem como
objetivo entregar a melhor experiência para os consumidores que usam esses dispositivos para trabalho.
- Windows 10 IoT: edição para dispositivos como caixas eletrônicos, terminais de autoatendimento, máquinas de atendimento para o
varejo e robôs industriais – todas baseadas no Windows 10 Enterprise e Windows 10 Mobile Enterprise.
- Windows 10 S: edição otimizada em termos de segurança e desempenho, funcionando exclusivamente com aplicações da Loja Microsoft.
- Windows 10 Pro – Workstation: como o nome sugere, o Windows 10 Pro for Workstations é voltado principalmente para uso profis-
sional mais avançado em máquinas poderosas com vários processadores e grande quantidade de RAM.

Área de Trabalho (pacote aero)

Aero é o nome dado a recursos e efeitos visuais introduzidos no Windows a partir da versão 7.

3 https://estudioaulas.com.br/img/ArquivosCurso/materialDemo/SlideDemo-4147.pdf

4
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Área de Trabalho do Windows 10.


Fonte: https://edu.gcfglobal.org/pt/tudo-sobre-o-windows-10/sobre-a-area-de-trabalho-do-windows-10/1/

Aero Glass (Efeito Vidro)

Recurso que deixa janelas, barras e menus transparentes, parecendo um vidro.

Efeito Aero Glass.


Fonte: https://www.tecmundo.com.br/windows-10/64159-efeito-aero-glass-lancado-mod-windows-10.htm

Aero Flip (Alt+Tab)

Permite a alternância das janelas na área de trabalho, organizando-as de acordo com a preferência de uso.

5
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Efeito Aero Flip.

Aero Shake (Win+Home)

Ferramenta útil para quem usa o computador com multitarefas. Ao trabalhar com várias janelas abertas, basta “sacudir” a janela
ativa, clicando na sua barra de título, que todas as outras serão minimizadas, poupando tempo e trabalho. E, simplesmente, basta sacudir
novamente e todas as janelas serão restauradas.

Efeito Aero Shake (Win+Home)

Aero Snap (Win + Setas de direção do teclado)

Recurso que permite melhor gerenciamento e organização das janelas abertas.


Basta arrastar uma janela para o topo da tela e a mesma é maximizada, ou arrastando para uma das laterais a janela é dividida de
modo a ocupar metade do monitor.

6
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Efeito Aero Snap.

Aero Peek (Win+Vírgula – Transparência / Win+D – Minimizar Tudo)

O Aero Peek (ou “Espiar área de trabalho”) permite que o usuário possa ver rapidamente o desktop. O recurso pode ser útil quando você pre-
cisar ver algo na área de trabalho, mas a tela está cheia de janelas abertas. Ao usar o Aero Peek, o usuário consegue ver o que precisa, sem precisar
fechar ou minimizar qualquer janela. Recurso pode ser acessado por meio do botão Mostrar área de trabalho (parte inferior direita do Desktop). Ao
posicionar o mouse sobre o referido botão, as janelas ficam com um aspecto transparente. Ao clicar sobre ele, as janelas serão minimizadas.

Efeito Aero Peek.

Menu Iniciar

Algo que deixou descontente grande parte dos usuários do Windows 8 foi o sumiço do Menu Iniciar.
O novo Windows veio com a missão de retornar com o Menu Iniciar, o que aconteceu de fato. Ele é dividido em duas partes: na direita,
temos o padrão já visto nos Windows anteriores, como XP, Vista e 7, com a organização em lista dos programas. Já na direita temos uma
versão compacta da Modern UI, lembrando muito os azulejos do Windows Phone 8.

7
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Menu Iniciar no Windows 10.


Fonte: https://pplware.sapo.pt/microsoft/windows/windows-10-5-dicas-usar-melhor-menu-iniciar

Nova Central de Ações

A Central de Ações é a nova central de notificações do Windows 10. Ele funciona de forma similar à Central de Ações das versões an-
teriores e também oferece acesso rápido a recursos como modo Tablet, Bloqueio de Rotação, Luz noturna e VPN.

Central de ações do Windows 10.


Fonte: https://support.microsoft.com/pt-br/help/4026791/windows-how-to-open-action-center

Paint 3D

O novo App de desenhos tem recursos mais avançados, especialmente para criar objetos em três dimensões. As ferramentas antigas
de formas, linhas e pintura ainda estão lá, mas o design mudou e há uma seleção extensa de funções que prometem deixar o programa
mais versátil.

Para abrir o Paint 3D clique no botão Iniciar ou procure por Paint 3D na caixa de pesquisa na barra de tarefas.

8
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Paint 3D.

Cortana

Cortana é um/a assistente virtual inteligente do sistema operacional Windows 10.


Além de estar integrada com o próprio sistema operacional, a Cortana poderá atuar em alguns aplicativos específicos. Esse é o caso
do Microsoft Edge, o navegador padrão do Windows 10, que vai trazer a assistente pessoal como uma de suas funcionalidades nativas. O
assistente pessoal inteligente que entende quem você é, onde você está e o que está fazendo. O Cortana pode ajudar quando for solicita-
do, por meio de informações-chave, sugestões e até mesmo executá-las para você com as devidas permissões.
Para abrir a Cortana selecionando a opção na Barra de Tarefas. Podendo teclar ou falar o tema que
deseja.

Cortana no Windows 10.


Fonte: https://www.tecmundo.com.br/cortana/76638-cortana-ganhar-novo-visual-windows-10-rumor.htm

Microsot Edge

O novo navegador do Windows 10 veio para substituir o Internet Explorer como o browser-padrão do sistema operacional da Mi-
crosoft. O programa tem como características a leveza, a rapidez e o layout baseado em padrões da web, além da remoção de suporte a
tecnologias antigas, como o ActiveX e o Browser Helper Objects.
Dos destaques, podemos mencionar a integração com serviços da Microsoft, como a assistente de voz Cortana e o serviço de arma-
zenamento na nuvem OneDrive, além
do suporte a ferramentas de anotação e modo de leitura.
O Microsoft Edge é o primeiro navegador que permite fazer anotações, escrever, rabiscar e realçar diretamente em páginas da Web.
Use a lista de leitura para salvar seus artigos favoritos para mais tarde e lê-los no modo de leitura . Focalize guias abertas para visua-
lizá-las e leve seus favoritos e sua lista de leitura com você quando usar o Microsoft Edge em outro dispositivo.
O Internet Explorer 11, ainda vem como acessório do Windows 10. Devendo ser descontinuado nas próximas atualizações.

Para abrir o Edge clique no botão Iniciar , Microsoft Edge ou clique no ícone na barra de tarefas.

9
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Microsoft Edge no Windows 10.

Windows Hello

O Windows Hello funciona com uma tecnologia de credencial chamada Microsoft Passport, mais fácil, mais prática e mais segura do
que usar uma senha, porque ela usa
autenticação biométrica. O usuário faz logon usando face, íris, impressão digital, PIN, bluetooth do celular e senha com imagem.
Para acessar o Windows Hello, clique no botão , selecione Configurações > Contas > Opções de entrada. Ou procure por Hello
ou Configurações de entrada na barra de pesquisa.

Windows Hello.

Bibliotecas

As Bibliotecas são um recurso do Windows 10 que permite a exibição consolidada de arquivos relacionados em um só local. Você pode
pesquisar nas Bibliotecas para localizar os arquivos certos rapidamente, até mesmo quando esses arquivos estão em pastas, unidades
ou em sistemas diferentes (quando as pastas são indexadas nos sistemas remotos ou armazenadas em cache localmente com Arquivos
Offline).

10
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Tela Bibliotecas no Windows 10.


Fonte: https://agorafunciona.wordpress.com/2017/02/12/como-remover-as-pastas-imagens-da-camera-e-imagens-salvas

One Drive

O OneDrive é serviço um de armazenamento e compartilhamento de arquivos da Microsoft. Com o Microsoft OneDrive você pode
acessar seus arquivos em qualquer lugar e em qualquer dispositivo.
O OneDrive é um armazenamento on-line gratuito que vem com a sua conta da Microsoft. É como um disco rígido extra que está
disponível para todos os dispositivos que você usar.

OneDivre.
Fonte: https://tecnoblog.net/286284/como-alterar-o-local-da-pasta-do-onedrive-no-windows-10

Manipulação de Arquivos

É um conjunto de informações nomeadas, armazenadas e organizadas em uma mídia de armazenamento de dados. O arquivo está
disponível para um ou mais programas de computador, sendo essa relação estabelecida pelo tipo de arquivo, identificado pela extensão
recebida no ato de sua criação ou alteração.
Há arquivos de vários tipos, identificáveis por um nome, seguido de um ponto e um sufixo com três (DOC, XLS, PPT) ou quatro letras
(DOCX, XLSX), denominado extensão. Assim, cada arquivo recebe uma denominação do tipo arquivo.extensão. Os tipos mais comuns são
arquivos de programas (executavel.exe), de texto (texto.docx), de imagens (imagem.bmp, eu.jpg), planilhas eletrônicas (tabela.xlsx) e
apresentações (monografia.pptx).

11
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Pasta

As pastas ou diretórios: não contém informação propriamente dita e sim arquivos ou mais pastas. A função de uma pasta é organizar
tudo o que está dentro das unidades.
O Windows utiliza as pastas do computador para agrupar documentos, imagens, músicas, aplicações, e todos os demais tipos de
arquivos existentes.
Para visualizar a estrutura de pastas do disco rígido, bem como os arquivos nela armazenados, utiliza-se o Explorador de Arquivos.

Manipulação de arquivos e/ou pastas (Recortar/Copiar/Colar)

Existem diversas maneiras de manipular arquivos e/ou pastas.


1. Através dos botões RECORTAR, COPIAR E COLAR. (Mostrados na imagem acima – Explorador de arquivos).
2. Botão direito do mouse.
3. Selecionando e arrastando com o uso do mouse (Atenção com a letra da unidade e origem e destino).

Central de Segurança do Windows Defender

A Central de Segurança do Windows Defender fornece a área de proteção contra vírus e ameaças.
Para acessar a Central de Segurança do Windows Defender, clique no botão , selecione Configurações > Atualização e segurança
> Windows Defender. Ou procure por Windows Defender na barra de pesquisa.

Windows Defender.
Fonte: https://answers.microsoft.com/pt-br/protect/forum/all/central-de-seguran%C3%A7a-do-windows-defender/9ae1b77e-de7c-4ee7-b90f-
-4bf76ad529b1

12
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Lixeira WIN + HOME: aero shake.
ALT + TAB: alternar entre janelas.
A Lixeira armazena temporariamente arquivos e/ou pastas ex- WIN + X: menu de acesso rápido.
cluídos das unidades internas do computador (c:\). F1: ajuda.
Para enviar arquivo para a lixeira:
- Seleciona-lo e pressionar a tecla DEL.
- Arrasta-lo para a lixeira. QUESTÕES
- Botão direito do mouse sobre o arquivo, opção excluir.
- Seleciona-lo e pressionar CTRL+D. 01. (Prefeitura de Sentinela do Sul/RS - Fiscal - OBJETI-
VA/2020) Considerando-se o Internet Explorer 11, marcar C para as
Arquivos apagados permanentemente: afirmativas Certas, E para as Erradas e, após, assinalar a alternativa
- Arquivos de unidades de rede. que apresenta a sequência CORRETA:
- Arquivos de unidades removíveis (pen drive, ssd card...).
(---) No Windows 10, é necessário instalar o aplicativo do Inter-
- Arquivos maiores do que a lixeira. (Tamanho da lixeira é mos-
net Explorer.
trado em MB (megabytes) e pode variar de acordo com o tamanho
(---) É possível fixar o aplicativo do Internet Explorer na barra de
do HD (disco rígido) do computador). tarefas do Windows 10.
- Deletar pressionando a tecla SHIFT.
- Desabilitar a lixeira (Propriedades). (A) C - C.
(B) C - E.
Para acessar a Lixeira, clique no ícone correspondente na (C) E - E.
área de trabalho do Windows 10. (D) E – C

Outros Acessórios do Windows 10 02. (Prefeitura de São Francisco/MG - Assistente Social - CO-
TEC/2020) Um usuário de computador realiza comumente um conjunto
Existem outros, outros poderão ser lançados e incrementados, de atividades como copiar, recortar e colar arquivos utilizando o Win-
mas os relacionados a seguir são os mais populares: dows Explorer. Dessa forma, existe um conjunto de ações de usuários,
- Alarmes e relógio. como realizar cliques com o mouse e utilizar-se de atalhos de teclado,
- Assistência Rápida. que deve ser seguido com o fim de realizar o trabalho desejado. Assim,
- Bloco de Notas. para mover um arquivo entre partições diferentes do sistema operacio-
- Calculadora. nal Windows 10, é possível adotar o seguinte conjunto de ações:
- Calendário.
- Clima. (A) Clicar sobre o arquivo com o botão direito do mouse, man-
- E-mail. tendo-o pressionado e mover o arquivo para a partição de destino
- Facilidade de acesso (ferramenta destinada a deficientes fí- e escolher a ação de colar.
sicos). (B) Clicar sobre o arquivo com o botão esquerdo do mouse,
- Ferramenta de Captura. mantendo-o pressionado e mover o arquivo para a partição de des-
- Gravador de passos. tino. Por fim soltar o botão do mouse.
- Internet Explorer. (C) Clicar sobre o arquivo com o botão direito do mouse, man-
- Mapas. tendo-o pressionado e mover o arquivo para a partição de destino.
Por fim soltar o botão do mouse.
- Mapa de Caracteres.
(D) Clicar uma vez sobre o arquivo com o botão direito do mou-
- Paint.
se e mover o arquivo para a partição de destino.
- Windows Explorer.
(E) Clicar sobre o arquivo com o botão direito do mouse, man-
- WordPad. tendo-o pressionado e mover o arquivo para a partição de destino
- Xbox. e escolher a ação de mover.
Principais teclas de atalho 03. (Prefeitura de Brasília de Minas/MG - Engenheiro Ambien-
tal - COTEC/2020) Sobre organização e gerenciamento de informa-
CTRL + F4: fechar o documento ativo. ções, arquivos, pastas e programas, analise as seguintes afirmações
CTRL + R ou F5: atualizar a janela. e assinale V para as verdadeiras e F para as falsas.
CTRL + Y: refazer.
CTRL + ESC: abrir o menu iniciar. ( ) - Arquivos ocultos são arquivos que normalmente são re-
CTRL + SHIFT + ESC: gerenciador de tarefas. lacionados ao sistema. Eles ficam ocultos, pois alterações podem
WIN + A: central de ações. danificar o Sistema Operacional.
WIN + C: cortana. ( ) - Existem vários tipos de arquivos, como arquivos de textos,
WIN + E: explorador de arquivos. arquivos de som, imagem, planilhas, sendo que o arquivo .rtf só é
WIN + H: compartilhar. aberto com o WordPad.
WIN + I: configurações. ( ) - Nas versões Vista, 7, 8 e 10 do Windows, é possível usar
WIN + L: bloquear/trocar conta. criptografia para proteger todos os arquivos que estejam armaze-
WIN + M: minimizar as janelas. nados na unidade em que o Windows esteja instalado.
WIN + R: executar. ( ) - O Windows Explorer é um gerenciador de informações,
WIN + S: pesquisar. arquivos, pastas e programas do sistema operacional Windows da
WIN + “,”: aero peek. Microsoft.
WIN + SHIFT + M: restaurar as janelas. ( ) - São bibliotecas padrão do Windows: Programas, Documen-
WIN + TAB: task view (visão de tarefas). tos, Imagens, Músicas, Vídeos.

13
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
A sequência CORRETA das afirmações é:

(A) F, V, V, F, F.
(B) V, F, V, V, F.
(C) V, F, F, V, V.
(D) F, V, F, F, V.
(E) V, V, F, V, F.

04. (Prefeitura de Portão/RS - Assistente Social - OBJETIVA/2019) Em relação ao sistema operacional Windows 10, analisar os itens
abaixo:

I. Possibilita o gerenciamento do tempo de tela.


II. Disponibiliza somente uma atualização de segurança por ano.
III. Possibilita a conexão de contas da Microsoft entre usuários.
IV. Possui recursos de segurança integrados, incluindo firewall e proteção de internet para ajudar a proteger contra vírus, malware e
ransomware.

Estão CORRETOS:

(A) Somente os itens I, II e III.


(B) Somente os itens I, III e IV.
(C) Somente os itens II, III e IV
(D) Todos os itens.

05. (Prefeitura de Porto Xavier/RS - Técnico em Enfermagem - FUNDATEC/2018) A tecla de atalho Ctrl+A, no sistema operacional
Microsoft Windows 10, possui a função de:

(A) Selecionar tudo.


(B) Imprimir.
(C) Renomear uma pasta.
(D) Finalizar o programa.
(E) Colocar em negrito.

GABARITO

01 E
02 E
03 B
04 B
05 A

MICROSOFT OFFICE 365: WORD, EXCEL, POWER POINT, OUTLOOK

MICROSOFT EXCEL 2016

O Microsoft Excel 2016 é um software para criação e manutenção de Planilhas Eletrônicas.


A grande mudança de interface do aplicativo ocorreu a partir do Excel 2007 (e de todos os aplicativos do Office 2007 em relação as
versões anteriores). A interface do Excel, a partir da versão 2007, é muito diferente em relação as versões anteriores (até o Excel 2003). O
Excel 2016 introduziu novas mudanças, para corrigir problemas e inconsistências relatadas pelos usuários do Excel 2010 e 2013.
Na versão 2016, temos uma maior quantidade de linhas e colunas, sendo um total de 1.048.576 linhas por 16.384 colunas.
O Excel 2016 manteve as funcionalidades e recursos que já estamos acostumados, além de implementar alguns novos, como4:
- 6 tipos novos de gráficos: Cascata, Gráfico Estatístico, Histograma, Pareto e Caixa e Caixa Estreita.
- Pesquise, encontra e reúna os dados necessários em um único local utilizando “Obter e Transformar Dados” (nas versões anteriores
era Power Query disponível como suplemento.
- Utilize Mapas 3D (em versões anteriores com Power Map disponível como suplemento) para mostrar histórias junto com seus dados.

Especificamente sobre o Excel 2016, seu diferencial é a criação e edição de planilhas a partir de dispositivos móveis de forma mais fácil
e intuitivo, vendo que atualmente, os usuários ainda não utilizam de forma intensa o Excel em dispositivos móveis.

4 https://ninjadoexcel.com.br/microsoft-excel-2016/

14
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Tela Inicial do Excel 2016.

Ao abrir uma planilha em branco ou uma planilha, é exibida a área de trabalho do Excel 2016 com todas as ferramentas necessárias
para criar e editar planilhas5.

As cinco principais funções do Excel são6:


- Planilhas: Você pode armazenar manipular, calcular e analisar dados tais como números, textos e fórmulas. Pode acrescentar grá-
fico diretamente em sua planilha, elementos gráficos, tais como retângulos, linhas, caixas de texto e botões. É possível utilizar formatos
pré-definidos em tabelas.
- Bancos de dados: você pode classificar pesquisar e administrar facilmente uma grande quantidade de informações utilizando opera-
ções de bancos de dados padronizadas.
5 https://juliobattisti.com.br/downloads/livros/excel_2016_basint_degusta.pdf
6 http://www.prolinfo.com.br

15
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
- Gráficos: você pode rapidamente apresentar de forma visual seus dados. Além de escolher tipos pré-definidos de gráficos, você pode
personalizar qualquer gráfico da maneira desejada.
- Apresentações: Você pode usar estilos de células, ferramentas de desenho, galeria de gráficos e formatos de tabela para criar apre-
sentações de alta qualidade.
- Macros: as tarefas que são frequentemente utilizadas podem ser automatizadas pela criação e armazenamento de suas próprias
macros.

Planilha Eletrônica

A Planilha Eletrônica é uma folha de cálculo disposta em forma de tabela, na qual poderão ser efetuados rapidamente vários tipos de
cálculos matemáticos, simples ou complexos.
Além disso, a planilha eletrônica permite criar tabelas que calculam automaticamente os totais de valores numéricos inseridos, impri-
mir tabelas em layouts organizados e criar gráficos simples.

Barra de ferramentas de acesso rápido

Essa barra localizada na parte superior esquerdo, ajudar a deixar mais perto os comandos mais utilizados, sendo que ela pode ser
personalizada. Um bom exemplo é o comando de visualização de impressão que podemos inserir nesta barra de acesso rápido.

Barra de ferramentas de acesso rápido.

Barra de Fórmulas

Nesta barra é onde inserimos o conteúdo de uma célula podendo conter fórmulas, cálculos ou textos, mais adiante mostraremos
melhor a sua utilidade.

Barra de Fórmulas.

Guia de Planilhas

Quando abrirmos um arquivo do Excel, na verdade estamos abrindo uma pasta de trabalho onde pode conter planilhas, gráficos, tabe-
las dinâmicas, então essas abas são identificadoras de cada item contido na pasta de trabalho, onde consta o nome de cada um.
Nesta versão quando abrimos uma pasta de trabalho, por padrão encontramos apenas uma planilha.

Guia de Planilhas.

Coluna: é o espaçamento entre dois traços na vertical. As colunas do Excel são representadas em letras de acordo com a ordem alfa-
bética crescente sendo que a ordem vai de “A” até “XFD”, e tem no total de 16.384 colunas em cada planilha.
Linha: é o espaçamento entre dois traços na horizontal. As linhas de uma planilha são representadas em números, formam um total
de 1.048.576 linhas e estão localizadas na parte vertical esquerda da planilha.

16
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Linhas e colunas.

Célula: é o cruzamento de uma linha com uma coluna. Na figura abaixo podemos notar que a célula selecionada possui um endereço
que é o resultado do cruzamento da linha 4 e a coluna B, então a célula será chamada B4, como mostra na caixa de nome logo acima da
planilha.

Células.

Faixa de opções do Excel (Antigo Menu)

Como na versão anterior o MS Excel 2013 a faixa de opções está organizada em guias/grupos e comandos. Nas versões anteriores ao
MS Excel 2007 a faixa de opções era conhecida como menu.
1. Guias: existem sete guias na parte superior. Cada uma representa tarefas principais executadas no Excel.
2. Grupos: cada guia tem grupos que mostram itens relacionados reunidos.
3. Comandos: um comando é um botão, uma caixa para inserir informações ou um menu.

Faixa de opções do Excel.

Pasta de trabalho

É denominada pasta todo arquivo que for criado no MS Excel. Tudo que for criado será um arquivo com extensão: xls, xlsx, xlsm, xltx
ou xlsb.

Fórmulas

Fórmulas são equações que executam cálculos sobre valores na planilha. Uma fórmula sempre inicia com um sinal de igual (=).
Uma fórmula também pode conter os seguintes itens: funções, referências, operadores e constantes.

Referências: uma referência identifica uma célula ou um intervalo de células em uma planilha e informa ao Microsoft Excel onde pro-
curar os valores ou dados a serem usados em uma fórmula.
Operadores: um sinal ou símbolo que especifica o tipo de cálculo a ser executado dentro de uma expressão. Existem operadores ma-
temáticos, de comparação, lógicos e de referência.

17
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Constantes: é um valor que não é calculado, e que, portanto, não é alterado. Por exemplo: =C3+5.
O número 5 é uma constante. Uma expressão ou um valor resultante de uma expressão não é considerado uma constante.

Níveis de Prioridade de Cálculo

Quando o Excel cria fórmulas múltiplas, ou seja, misturar mais de uma operação matemática diferente dentro de uma mesma fórmula,
ele obedece a níveis de prioridade.
Os Níveis de Prioridade de Cálculo são os seguintes:
Prioridade 1: Exponenciação e Radiciação (vice-versa).
Prioridade 2: Multiplicação e Divisão (vice-versa).
Prioridade 3: Adição e Subtração (vice-versa).

Os cálculos são executados de acordo com a prioridade matemática, conforme esta sequência mostrada, podendo ser utilizados pa-
rênteses “ () ” para definir uma nova prioridade de cálculo.

Criando uma fórmula

Para criar uma fórmula simples como uma soma, tendo como referência os conteúdos que estão em duas células da planilha, digite o seguinte:

Funções

Funções são fórmulas predefinidas que efetuam cálculos usando valores específicos, denominados argumentos, em uma determinada
ordem ou estrutura. As funções podem ser usadas para executar cálculos simples ou complexos.
Assim como as fórmulas, as funções também possuem uma estrutura (sintaxe), conforme ilustrado abaixo:

Estrutura da função.

18
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
NOME DA FUNÇÃO: todas as funções que o Excel permite usar em suas células tem um nome exclusivo.
Para obter uma lista das funções disponíveis, clique em uma célula e pressione SHIFT+F3.
ARGUMENTOS: os argumentos podem ser números, texto, valores lógicos, como VERDADEIRO ou FALSO, matrizes, valores de erro
como #N/D ou referências de célula. O argumento que você atribuir deve produzir um valor válido para esse argumento. Os argumentos
também podem ser constantes, fórmulas ou outras funções.

Função SOMA

Esta função soma todos os números que você especifica como argumentos. Cada argumento pode ser um intervalo, uma referência
de célula, uma matriz, uma constante, uma fórmula ou o resultado de outra função. Por exemplo, SOMA (A1:A5) soma todos os números
contidos nas células de A1 a A5. Outro exemplo: SOMA (A1;A3; A5) soma os números contidos nas células A1, A3 e A5.

Função MÉDIA

Esta função calcula a média aritmética de uma determinada faixa de células contendo números. Para tal, efetua o cálculo somando os
conteúdos dessas células e dividindo pela quantidade de células que foram somadas.

Função MÁXIMO e MÍNIMO

Essas funções dado um intervalo de células retorna o maior e menor número respectivamente.

19
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Função SE

A função SE é uma função do grupo de lógica, onde temos que tomar uma decisão baseada na lógica do problema. A função SE verifica
uma condição que pode ser Verdadeira ou Falsa, diante de um teste lógico.

Sintaxe
SE (teste lógico; valor se verdadeiro; valor se falso)

Exemplo:
Na planilha abaixo, como saber se o número é negativo, temos que verificar se ele é menor que zero.
Na célula A2 digitaremos a seguinte formula:

Função SOMASE

A função SOMASE é uma junção de duas funções já estudadas aqui, a função SOMA e SE, onde buscaremos somar valores desde que
atenda a uma condição especificada:

Sintaxe
SOMASE (intervalo analisado; critério; intervalo a ser somado)
Onde:
Intervalo analisado (obrigatório): intervalo em que a função vai analisar o critério.
Critério (obrigatório): Valor ou Texto a ser procurado no intervalo a ser analisado.
Intervalo a ser somado (opcional): caso o critério seja atendido é efetuado a soma da referida célula analisada. Não pode conter texto
neste intervalo.

20
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Algumas características do Office 365:
- Sistema de assinatura: pagamento mensal ou anual. Você não
adquire o produto, mas sim, paga pelo o uso do produto.
- Ter sempre a versão mais nova do Office sem custo adicional.
Hoje, versão 2016.
- Recursos adicionais em telefones e tablets. Algumas atualiza-
ções com ferramentas extras que só os assinantes têm direito.
- Suporte técnico por toda a assinatura.
- Office Home & Student 2019: o essencial para os usuários
fazerem tudo. Versões clássicas dos aplicativos do Office instaladas
em um PC ou Mac7.
- Microsoft 365 Family: uma assinatura conveniente para até
seis pessoas. Inclui aplicativos de produtividade premium, até 6 TB
de armazenamento em nuvem (1 TB por pessoa) e segurança avan-
çada para todos os seus dispositivos.
Exemplo: - Microsoft 365 Personal: uma assinatura conveniente que in-
Vamos calcular a somas das vendas dos vendedores por Gêne- clui aplicativos de produtividade premium, 1 TB de armazenamento
ro. Observando a planilha acima, na célula C9 digitaremos a função em nuvem e segurança avançada para todos os seus dispositivos.
=SOMASE (B2:B7;”M”; C2:C7) para obter a soma dos vendedores.

Função CONT.SE QUESTÕES

Esta função conta quantas células se atender ao critério solici- 01. (Prefeitura de São Joaquim do/PE - Auditor de Controle
tado. Ela pede apenas dois argumentos, o intervalo a ser analisado Interno - ADM&TEC/2018) Leia as afirmativas a seguir:
e o critério para ser verificado.
I. As funções “OU” e “SE”, no Microsoft Excel, são funções lógicas.
II. A dinâmica de transmissão de informação na internet não
Sintaxe
permite que as ações se sucedam concomitantemente.
CONT.SE (intervalo analisado; critério)
Onde:
Marque a alternativa CORRETA:
Intervalo analisado (obrigatório): intervalo em que a função vai
analisar o critério.
(A) As duas afirmativas são verdadeiras.
Critério (obrigatório): Valor ou Texto a ser procurado no inter- (B) A afirmativa I é verdadeira, e a II é falsa.
valo a ser analisado. (C) A afirmativa II é verdadeira, e a I é falsa.
(D) As duas afirmativas são falsas.

02. (TJ/DFT - Estágio - CIEE/2019) Toda função do Excel deverá


ser iniciada com o seguinte sinal:

(A) Igual.
(B) Soma.
(C) Média.
(D) Menor.

03. (GHC/RS - Contador -: MS CONCURSOS/2018) O Excel pos-


sui a utilização de macros. Dentre as alternativas, assinale a que
corretamente explica o que vem a ser “macro”.

(A) Uma sequência de comandos utilizados em linguagem de


Aproveitando o mesmo exemplo da função anterior, podemos máquina que corrigem as células.
contar a quantidade de homens e mulheres. (B) Uma programação cuja função é gerenciar os recursos do
Na planilha acima, na célula C9 digitaremos a função =CONT.SE sistema Excel, fornecendo uma interface entre o computador e o
(B2:B7;”M”) para obter a quantidade de vendedores. usuário.
(C) Um programa do Excel que tem por objetivo ajudar o seu
Office 365 usuário a desempenhar uma tarefa específica, em geral ligada à edi-
toração dos dados.
De acordo com a própria desenvolvedora Microsoft, em seu (D) Um programa que executa o cruzamento de uma linha com
site oficial: o Office 365 é um serviço de assinatura na nuvem que uma coluna e nela são inseridas as informações necessárias do seu
reúne as melhores ferramentas para as pessoas trabalharem. documento.
Combinando os melhores aplicativos de produtividade, como o (E) Uma sequência de comandos, que podem ser cliques, to-
Excel e o Outlook, com eficientes serviços na nuvem, como o One- ques no teclado ou até mesmo pequenas linhas de códigos com
Drive. funções mais avançadas. Essas sequências são gravadas em um mó-
Concluímos que basicamente a diferença é o sistema de aqui- dulo VBA e são executadas sempre que forem necessárias.
sição, onde o Office tradicional é adquirido em lojas através de um
7 https://www.microsoft.com/pt-br/microsoft-365/buy/compare-all-microsof-
DVD de instalação e o 365 por sistema de assinatura.
t-365-products-b

21
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
04. (Câmara de Montes Claros/MG - Agente do Legislativo - COTEC/2020) Dado o recorte de tabela a seguir, as fórmulas necessárias
para se obter a quantidade de alunos aprovados, conforme exposto na célula B16 e a média de notas da Prova 1, disposta na célula B13,
estão na alternativa:

(A) B16=CONT.APROVADO (F2:F11) e B13=MÉDIA (B2:B11).


(B) B16=SOMA (APROVADO) e B13=MÉDIA (B2:B11).
(C) B16=CONT.APROVADO (F2:F11) e B13=MED (B13).
(D) B16=CONT.SE (F2:F11;”APROVADO”) e B13=MÉDIA (B2:B11).
(E) B16=SOMA (F2:F11) –(F4+F5+F6+F7) e B13=MED(B13).

05. (Prefeitura de Boa Vista/RR - Técnico em Saúde Bucal - SELECON/2020) A planilha abaixo foi elaborada no Excel 2019 BR, na qual
foram realizados os procedimentos descritos a seguir.

• Em E13, foi inserida a expressão =SOMA(A11:D11).


• Em E15, foi inserida a expressão =CONT.SE(A11:D11;”>=15”)

Os valores mostrados nas células E13 e E15 são, respectivamente:

(A) 65 e 2
(B) 65 e 3
(C) 90 e 2
(D) 90 e 3

22
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
06. (TJ/RN - Técnico de Suporte Sênior - COMPERVE/2020) Um técnico de suporte recebeu uma planilha elaborada no Microsoft
Excel, com os quantitativos de equipamentos em 3 setores diferentes e o valor unitário em reais de cada equipamento, conforme imagem
abaixo.

Para que uma célula mostre o valor em reais do somatório dos valores de todos os equipamentos do departamento de informática,
seria necessário utilizar a fórmula:

(A) =SOMA(B3:B8 + C3:C8)


(B) =SOMA(B3:B8 * C3:C8)
(C) =SOMA(B3:B8 * D3:D8)
(D) =SOMA(B3:B8 + D3:D8)

07. (Prefeitura de São Carlos/SP - Médico - Instituto Excelência/2018) Tendo por base o programa Microsoft Excel na sua configura-
ção padrão e versão mais recente, responda: Qual operador aritmético é utilizado quando for preciso inserir uma potenciação?

(A) !
(B) $
(C) *
(D) @
(E) ^

GABARITO

01 B
02 A
03 E
04 D
05 D
06 B
07 C

POWERPOINT 2016

O aplicativo Power Point 2016 é um programa para apresentações eletrônicas de slides. Nele encontramos os mais diversos tipos de
formatações e configurações que podemos aplicar aos slides ou apresentação de vários deles. Através desse aplicativo, podemos ainda,
desenvolver slides para serem exibidos na web, imprimir em transparência para projeção e melhor: desenvolver apresentações para pa-
lestras, cursos, apresentações de projetos e produtos, utilizando recursos de áudio e vídeo.
O MS PowerPoint é um aplicativo de apresentação de slides, porém ele não apenas isso, mas também realiza as seguintes tarefas8:
- Edita imagens de forma bem simples;
- Insere e edita áudios mp3, mp4, midi, wav e wma no próprio slide;
- Insere vídeos on-line ou do próprio computador;
- Trabalha com gráficos do MS Excel;
- Grava Macros.
8 FRANCESCHINI, M. Ms PowerPoint 2016 – Apresentação de Slides.

23
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Tela inicial do PowerPoint 2016.

- Ideal para apresentar uma ideia, proposta, empresa, produto ou processo, com design profissional e slides de grande impacto;
- Os seus temas personalizados, estilos e opções de formatação dão ao utilizador uma grande variedade de combinações de cor, tipos
de letra e feitos;
- Permite enfatizar as marcas (bullet points), com imagens, formas e textos com estilos especiais;
- Inclui gráficos e tabelas com estilos semelhantes ao dos restantes programas do Microsoft Office (Word e Excel), tornando a apre-
sentação de informação numérica apelativa para o público.
- Com a funcionalidade SmartArt é possível criar diagramas sofisticados, ideais para representar projetos, hierarquias e esquemas
personalizados.
- Permite a criação de temas personalizados, ideal para utilizadores ou empresas que pretendam ter o seu próprio layout.
- Pode ser utilizado como ferramenta colaborativa, onde os vários intervenientes (editores da apresentação) podem trocar informa-
ções entre si através do documento, através de comentários.

Novos Recursos do MS PowerPoint

Na nova versão do PowerPoint, alguns recursos foram adicionados. Vejamos quais são eles.
- Diga-me: serve para encontrar instantaneamente os recursos do aplicativo.
- Gravação de Tela: novo recurso do MS PowerPoint, encontrado na guia Inserir. A Gravação de Tela grava um vídeo com áudio das
ações do usuário no computador, podendo acessar todas as janelas do micro e registrando os movimentos do mouse.

- Compartilhar: permite compartilhar as apresentações com outros usuários on-line para edição simultânea por meio do OneDrive.
- Anotações à Tinta: o usuário pode fazer traços de caneta à mão livre e marca-texto no documento. Esse recurso é acessado por meio
da guia Revisão.

- Ideias de Design: essa nova funcionalidade da guia Design abre um painel lateral que oferece sugestões de remodelagem do slide
atual instantaneamente.

24
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Guia Arquivo: ao clicar na guia Arquivo, serão exibidos comandos básicos: Novo, Abrir, Salvar, Salvar Como, Imprimir, Preparar, Enviar,
Publicar e Fechar9.

Barra de Ferramentas de Acesso Rápido10: localiza-se no canto superior esquerdo ao lado do Botão do Microsoft Office (local padrão),
é personalizável e contém um conjunto de comandos independentes da guia exibida no momento. É possível adicionar botões que repre-
sentam comandos à barra e mover a barra de um dos dois locais possíveis.

9 popescolas.com.br/eb/info/power_point.pdf
10 http://www.professorcarlosmuniz.com.br

25
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Modos de Exibição do PowerPoint

O menu das versões anteriores, conhecido como menu Exibir,


agora é a guia Exibição no Microsoft PowerPoint 2010. O Power-
Point 2010 disponibiliza aos usuários os seguintes modos de exi-
bição:
- Normal,
- Classificação de Slides,
- Anotações,
- Modo de exibição de leitura,
Barra de Título: exibe o nome do programa (Microsoft Power- - Slide Mestre,
Point) e, também exibe o nome do documento ativo. - Folheto Mestre,
- Anotações Mestras.

Botões de Comando da Janela : acio-


nando esses botões, é possível minimizar, maximizar e restaurar a
janela do programa PowerPoint.
Faixa de Opções: a Faixa de Opções é usada para localizar ra-
pidamente os comandos necessários para executar uma tarefa. Os
comandos são organizados em grupos lógicos, reunidos em guias.
Cada guia está relacionada a um tipo de atividade como gravação
ou disposição de uma página. Para diminuir a desorganização, algu-
mas guias são exibidas somente quando necessário. Por exemplo, a
guia Ferramentas de Imagem somente é exibida quando uma ima-
gem for selecionada. O modo de exibição Normal é o principal modo de edição, onde
você escreve e projeta a sua apresentação.
Grande novidade do Office 2007/2010, a faixa de opções elimi-
na grande parte da navegação por menus e busca aumentar a pro- Criar apresentações
dutividade por meio do agrupamento de comandos em uma faixa
localizada abaixo da barra de títulos11. Criar uma apresentação no Microsoft PowerPoint 2013 englo-
ba: iniciar com um design básico; adicionar novos slides e conteúdo;
escolher layouts; modificar o design do slide, se desejar, alterando
o esquema de cores ou aplicando diferentes modelos de estrutura
e criar efeitos, como transições de slides animados.
Ao iniciarmos o aplicativo Power Point 2016, automaticamente
é exibida uma apresentação em branco, na qual você pode começar
a montar a apresentação. Repare que essa apresentação é montada
sem slides adicionais ou formatações, contendo apenas uma caixa
Painel de Anotações: nele é possível digitar as anotações que de texto com título e subtítulo, sem plano de fundo ou efeito de
se deseja incluir em um slide. preenchimento. Para dar continuidade ao seu trabalho e criar uma
Barra de Status: exibe várias informações úteis na confecção outra apresentação em outro slide, basta clicar em Página Inicial e
dos slides, entre elas: o número de slides; tema e idioma. em seguida Novo Slide.

Nível de Zoom: clicar para ajustar o nível de zoom.

11 LÊNIN, A; JUNIOR, M. Microsoft Office 2010. Livro Eletrônico.

26
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
acionado através do comando Ctrl+I.
Sublinhado: sublinha o texto selecionado. Também pode ser
acionado através do comando Ctrl+S.
Tachado: desenha uma linha no meio do texto selecionado.
Sombra de Texto: adiciona uma sombra atrás do texto selecio-
nado para destacá-lo no slide.
Espaçamento entre Caracteres: ajusta o espaçamento entre
caracteres.
Maiúsculas e Minúsculas: altera todo o texto selecionado para
MAIÚSCULAS, minúsculas, ou outros usos comuns de maiúsculas/
minúsculas.
Cor da Fonte: altera a cor da fonte.
Alinhar Texto à Esquerda: alinha o texto à esquerda. Também
pode ser acionado através do comando Ctrl+Q.
Centralizar: centraliza o texto. Também pode ser acionado
através do comando Ctrl+E.
Layout Alinhar Texto à Direita: alinha o texto à direita. Também pode
ser acionado através do comando Ctrl+G.
O layout é o formato que o slide terá na apresentação como Justificar: alinha o texto às margens esquerda e direita, adicio-
títulos, imagens, tabelas, entre outros. Nesse caso, você pode esco- nando espaço extra entre as palavras conforme o necessário, pro-
lher entre os vários tipos de layout. movendo uma aparência organizada nas laterais esquerda e direita
Para escolher qual layout você prefere, faça o seguinte proce- da página.
dimento: Colunas: divide o texto em duas ou mais colunas.
1. Clique em Página Inicial;
2. Após clique em Layout;
3. Em seguida, escolha a opção.

Excluir slide

Selecione o slide com um clique e tecle Delete no teclado.

Salvar Arquivo

Para salvar o arquivo, acionar a guia Arquivo e sem sequência,


salvar como ou pela tecla de atalho Ctrl + B.

Inserir Figuras

Para inserir uma figura no slide clicar na guia Inserir, e clicar em


um desses botões:
- Imagem do Arquivo: insere uma imagem de um arquivo.
- Clip-Art: é possível escolher entre várias figuras que acompa-
Então basta começar a digitar. nham o Microsoft Office.

Formatar texto - Formas: insere formas prontas, como retângulos e círculos,


setas, linhas, símbolos de fluxograma e textos explicativos.
Para alterar um texto, é necessário primeiro selecioná-lo. Para - SmartArt: insere um elemento gráfico SmartArt para comu-
selecionar um texto ou palavra, basta clicar com o botão esquerdo nicar informações visualmente. Esses elementos gráficos variam
sobre o ponto em que se deseja iniciar a seleção e manter o botão desde listas gráficas e diagramas de processos até gráficos mais
pressionado, arrastar o mouse até o ponto desejado e soltar o bo- complexos, como diagramas de Venn e organogramas.
tão esquerdo. - Gráfico: insere um gráfico para ilustrar e comparar dados.
Para formatar nossa caixa de texto temos os grupos da guia - WordArt: insere um texto com efeitos especiais.
Página Inicial. O primeiro grupo é a Fonte, podemos através deste
grupo aplicar um tipo de letra, um tamanho, efeitos, cor, etc.
Fonte: altera o tipo de fonte.
Tamanho da fonte: altera o tamanho da fonte.
Negrito: aplica negrito ao texto selecionado. Também pode ser
acionado através do comando Ctrl+N.
Itálico: aplica Itálico ao texto selecionado. Também pode ser

27
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Transição de Slides

A Microsoft Office PowerPoint 2016 inclui vários tipos diferentes de transições de slides. Basta clicar no guia transição e escolher a
transição de slide desejada.

Exibir apresentação

Para exibir uma apresentação de slides no Power Point.


1. Clique na guia Apresentação de Slides, grupo Iniciar Apresentação de Slides.
2. Clique na opção Do começo ou pressione a tecla F5, para iniciar a apresentação a partir do primeiro slide.
3. Clique na opção Do Slide Atual, ou pressione simultaneamente as teclas SHIFT e F5, para iniciar a apresentação a partir do slide atual.

Slide mestre

O slide mestre é um slide padrão que replica todas as suas características para toda a apresentação. Ele armazena informações como
plano de fundo, tipos de fonte usadas, cores, efeitos (de transição e animação), bem como o posicionamento desses itens. Por exemplo, na
imagem abaixo da nossa apresentação multiuso Power View, temos apenas um item padronizado em todos os slides que é a numeração
da página no topo direito superior.
Ao modificar um ou mais dos layouts abaixo de um slide mestre, você modifica essencialmente esse slide mestre. Embora cada layout
de slide seja configurado de maneira diferente, todos os layouts que estão associados a um determinado slide mestre contêm o mesmo
tema (esquema de cor, fontes e efeitos).
Para criar um slide mestre clique na Guia Exibição e em seguida em Slide Mestre.

Office 365

De acordo com a própria desenvolvedora Microsoft, em seu site oficial: o Office 365 é um serviço de assinatura na nuvem que reúne
as melhores ferramentas para as pessoas trabalharem.

28
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Combinando os melhores aplicativos de produtividade, como o 3. O PowerPoint permite alternar entre slides em formato Pai-
Excel e o Outlook, com eficientes serviços na nuvem, como o One- sagem e Retrato de forma nativa, em uma mesma apresentação.
Drive. Basta configurar a página de cada slide individualmente.
Concluímos que basicamente a diferença é o sistema de aqui-
sição, onde o Office tradicional é adquirido em lojas através de um Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas.
DVD de instalação e o 365 por sistema de assinatura. (A) É correta apenas a afirmativa 2.
Algumas características do Office 365: (B) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2.
- Sistema de assinatura: pagamento mensal ou anual. Você não (C) São corretas apenas as afirmativas 1 e 3.
adquire o produto, mas sim, paga pelo o uso do produto. (D) São corretas apenas as afirmativas 2 e 3.
- Ter sempre a versão mais nova do Office sem custo adicional. (E) São corretas as afirmativas 1, 2 e 3.
Hoje, versão 2016.
- Recursos adicionais em telefones e tablets. Algumas atualiza- 04. (CIS - AMOSC/SC - Auxiliar Administrativo - FEPESE/2018)
ções com ferramentas extras que só os assinantes têm direito. Alguns projetores são considerados wide-screen, ou formato 16:9.
- Suporte técnico por toda a assinatura. Assinale a alternativa que permite ao usuário alterar o tama-
nho do slide para widescreen utilizando o MS PowerPoint para Of-
- Office Home & Student 2019: o essencial para os usuários fice 365 em português.
fazerem tudo. Versões clássicas dos aplicativos do Office instaladas (A) Através da guia Design, selecionar o Tamanho do Slide, e
em um PC ou Mac12. clicar em Widescreen (16:9).
- Microsoft 365 Family: uma assinatura conveniente para até (B) Através da guia Inserir, selecionar a opção Inserir Slide Wi-
seis pessoas. Inclui aplicativos de produtividade premium, até 6 TB descreen (16:9).
de armazenamento em nuvem (1 TB por pessoa) e segurança avan- (C) Através da guia Transições, selecionar a opção de alterar o
çada para todos os seus dispositivos. formato do slide para Widescreen (16:9).
- Microsoft 365 Personal: uma assinatura conveniente que in- (D) Através da guia Apresentação de Slides, selecionar a opção
clui aplicativos de produtividade premium, 1 TB de armazenamento Apresentar em Formato Widescreen (16:9).
em nuvem e segurança avançada para todos os seus dispositivos. (E) Através da guia Exibir, selecionar o tamanho do slide e clicar
em Exibir no formato Widescreen (16:9).

QUESTÕES 05. (UFPB - Administrador de Edifícios - INSTITUTO AOCP/2019)


No Ambiente Operacional Windows e Microsoft Office, todo tipo de
01. (TJ/DFT - Estágio - CIEE/2019) O PowerPoint permite, ao arquivo tem sua extensão, o que possibilita a diferenciação entre
preparar uma apresentação, inserir efeitos de transições entre os os milhões de arquivos existentes em cada máquina. Relacione as
slides. Analise os passos para adicionar a transição de slides. colunas associando cada extensão ao seu respectivo aplicativo do
( ) Selecionar Opções de Efeito para escolher a direção e a Microsoft Office e assinale a alternativa com a sequência correta.
natureza da transição 1. .xlsx
( ) Selecionar a guia Transições e escolher uma transição; sele- 2. .docx
cionar uma transição para ver uma visualização. 3. .pptx
( ) Escolher o slide no qual se deseja adicionar uma transição.
( ) Selecionar a Visualização para ver como a transição é exibi- ( ) Word.
da. ( ) Excel.
( ) Power Point
A sequência está correta em
(A) 3, 2, 1, 4. (A) 1 – 2 – 3.
(B) 1, 2, 3 ,4. (B) 3 – 2 – 1.
(C) 3, 4, 1, 2. (C) 2 – 1 – 3.
(D) 1, 4, 2, 3. (D) 3 – 1 – 2.
(E) 1 – 3 – 2.
02. (Prefeitura de Vila Velha/ES - Psicólogo - IBADE/2020) O
programa utilizado para criação/edição e exibição de slides é: GABARITO
(A) Excel.
(B) Word.
(C) Photoshop. 01 A
(D) Power Point. 02 D
(E) Media Player.
03 A
03. (Prefeitura de Rio das Antas/SC - Auxiliar Educacional - FE- 04 A
PESE/2018) Sobre o MS PowerPoint para Office 365 em português, 05 C
considere as seguintes afirmativas.
1. Uma apresentação pode conter somente um único slide
mestre, que pode ser personalizado de modo individual para cada
WORD 2016
slide da apresentação.
Essa versão de edição de textos vem com novas ferramentas e
2. Para padronizar as fontes e imagens de fundo, por exemplo,
novos recursos para que o usuário crie, edite e compartilhe docu-
de modo que os slides da apresentação contenham a mesma for-
mentos de maneira fácil e prática13.
matação, pode-se editar o slide mestre da apresentação.
12 https://www.microsoft.com/pt-br/microsoft-365/buy/compare-all-
microsoft-365-products-b 13 http://www.popescolas.com.br/eb/info/word.pdf

29
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
O Word 2016 está com um visual moderno, mas ao mesmo tempo simples e prático, possui muitas melhorias, modelos de documen-
tos e estilos de formatações predefinidos para agilizar e dar um toque de requinte aos trabalhos desenvolvidos. Trouxe pouquíssimas no-
vidades, seguiu as tendências atuais da computação, permitindo o compartilhamento de documentos e possuindo integração direta com
vários outros serviços da web, como Facebook, Flickr, Youtube, Onedrive, Twitter, entre outros.

Novidades no Word 2016


- Diga-me o que você deseja fazer: facilita a localização e a realização das tarefas de forma intuitiva, essa nova versão possui a caixa
Diga-me o que deseja fazer, onde é possível digitar um termo ou palavra correspondente a ferramenta ou configurações que procurar.

- Trabalhando em grupo, em tempo real: permite que vários usuários trabalhem no mesmo documento de forma simultânea.

Ao armazenar um documento on-line no OneDrive ou no SharePoint e compartilhá-lo com colegas que usam o Word 2016 ou Word
On-line, vocês podem ver as alterações uns dos outros no documento durante a edição. Após salvar o documento on-line, clique em Com-
partilhar para gerar um link ou enviar um convite por e-mail. Quando seus colegas abrem o documento e concordam em compartilhar
automaticamente as alterações, você vê o trabalho em tempo real.

30
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
- Pesquisa inteligente: integra o Bing, serviço de buscas da Microsoft, ao Word 2016. Ao clicar com o botão do mouse sobre qualquer
palavra do texto e no menu exibido, clique sobre a função Pesquisa Inteligente, um painel é exibido ao lado esquerdo da tela do programa
e lista todas as entradas na internet relacionadas com a palavra digitada.
- Equações à tinta: se utilizar um dispositivo com tela sensível ao toque é possível desenhar equações matemáticas, utilizando o dedo
ou uma caneta de toque, e o programa será capaz de reconhecer e incluir a fórmula ou equação ao documento.

- Histórico de versões melhorado: vá até Arquivo > Histórico para conferir uma lista completa de alterações feitas a um documento e
para acessar versões anteriores.
- Compartilhamento mais simples: clique em Compartilhar para compartilhar seu documento com outras pessoas no SharePoint, no
OneDrive ou no OneDrive for Business ou para enviar um PDF ou uma cópia como um anexo de e-mail diretamente do Word.

- Formatação de formas mais rápida: quando você insere formas da Galeria de Formas, é possível escolher entre uma coleção de
preenchimentos predefinidos e cores de tema para aplicar rapidamente o visual desejado.
- Guia Layout: o nome da Guia Layout da Página na versão 2010/2013 do Microsoft Word mudou para apenas Layout14.

Interface Gráfica

Guia de Início Rápido.


Fonte: https://www.udesc.br/arquivos/udesc/id_cpmenu/5297/Guia_de_Inicio_Rapido___Word_2016_14952206861576.pdf

14 CARVALHO, D. e COSTA, Renato. Livro Eletrônico.

31
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Ao clicar em Documento em branco surgirá a tela principal do Word 201615.

Área de trabalho do Word 2016.

Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Permite adicionar atalhos, de funções comumente utilizadas no trabalho com documentos que podem ser personalizados de acordo
com a necessidade do usuário.

Faixa de Opções

Faixa de Opções é o local onde estão os principais comandos do Word, todas organizadas em grupos e distribuídas por meio de guias,
que permitem fácil localização e acesso. As faixas de Opções são separadas por nove guias: Arquivos; Página Inicial, Inserir, Design, Layout,
Referências, Correspondências, Revisão e Exibir.

- Arquivos: possui diversas funcionalidades, dentre algumas:


Novo: abrir um Novo documento ou um modelo (.dotx) pré-formatado.
Abrir: opções para abrir documentos já salvos tanto no computador como no sistema de armazenamento em nuvem da Microsoft,
One Drive. Além de exibir um histórico dos últimos arquivos abertos.
Salvar/Salvar como: a primeira vez que irá salvar o documento as duas opções levam ao mesmo lugar. Apenas a partir da segunda vez
em diante que o Salvar apenas atualiza o documento e o Salvar como exibe a janela abaixo. Contém os locais onde serão armazenados os
arquivos. Opções locais como na nuvem (OneDrive).
Imprimir: opções de impressão do documento em edição. Desde a opção da impressora até as páginas desejadas. O usuário tanto
pode imprimir páginas sequenciais como páginas alternadas.
15 Melo, F. INFORMÁTICA. MS-Word 2016.

32
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Página Inicial: possui ferramentas básicas para formatação de texto, como tamanho e cor da fonte, estilos de marcador, alinhamento
de texto, entre outras.

Grupo Área de Transferência

Para acessá-la basta clicar no pequeno ícone de uma setinha para baixo no canto inferior direito, logo à frente de Área de Transferên-
cia.
Colar (CTRL + V): cola um item (pode ser uma letra, palavra, imagem) copiado ou recortado.
Recortar (CTRL + X): recorta um item (pode ser uma letra, palavra, imagem) armazenando-o temporariamente na Área de Transferên-
cia para em seguida ser colado no local desejado.
Copiar (CTRL+C): copia o item selecionado (cria uma cópia na Área de Transferência).
Pincel de Formatação (CTRL+SHIFT+C / CTRL+SHIFT+V): esse recurso (principalmente o ícone) cai em vários concursos. Ele permite
copiar a formatação de um item e aplicar em outro.

Grupo Fonte

Fonte: permite que selecionar uma fonte, ou seja, um tipo de letra a ser exibido em seu texto. Em cada texto pode
haver mais de um tipo de fontes diferentes.

Tamanho da fonte: é o tamanho da letra do texto. Permite escolher entre diferentes tamanhos de fonte na lista ou que
digite um tamanho manualmente.

33
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Negrito: aplica o formato negrito (escuro) ao texto selecionado. Se o cursor estiver sobre uma palavra, ela ficará toda em negrito.
Se a seleção ou a palavra já estiver em negrito, a formatação será removida.

Itálico: aplica o formato itálico (deitado) ao texto selecionado. Se o cursor estiver sobre uma palavra, ela ficará toda em itálico.
Se a seleção ou palavra já estiver em itálico, a formatação será removida.

Sublinhado: sublinha, ou seja, insere ou remove uma linha embaixo do texto selecionado. Se o cursor não está em uma palavra,
o novo texto inserido será sublinhado.

Tachado: risca uma linha, uma palavra ou apenas uma letra no texto selecionado ou, se o cursor somente estiver sobre uma
palavra, esta palavra ficará riscada.

Subscrito: coloca a palavra abaixo das demais.

Sobrescrito: coloca a palavra acima das demais.

Cor do realce do texto: aplica um destaque colorido sobre a palavra, assim como uma caneta marca texto.

Cor da fonte: permite alterar a cor da fonte (letra).

Grupo Parágrafo

Marcadores: permite criar uma lista com diferentes marcadores.

Numeração: permite criar uma lista numerada.

Lista de vários itens: permite criar uma lista numerada em níveis.

Diminuir Recuo: diminui o recuo do parágrafo em relação à margem esquerda.

Aumentar Recuo: aumenta o recuo do parágrafo em relação à margem esquerda.

Classificar: organiza a seleção atual em ordem alfabética ou numérica.

34
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Mostrar tudo: mostra marcas de parágrafos e outros símbolos de formatação ocultos.

Alinhar a esquerda: alinha o conteúdo com a margem esquerda.

Centralizar: centraliza seu conteúdo na página.

Alinhar à direita: alinha o conteúdo à margem direita.

Justificar: distribui o texto uniformemente entre as margens esquerda e direita.

Espaçamento de linha e parágrafo: escolhe o espaçamento entre as linhas do texto ou entre parágrafos.

Sombreamento: aplica uma cor de fundo no parágrafo onde o cursor está posicionado.

Bordas: permite aplicar ou retirar bordas no trecho selecionado.

Grupo Estilo

Possui vários estilos pré-definidos que permite salvar configurações relativas ao tamanho e cor da fonte, espaçamento entre linhas
do parágrafo.

Grupo Edição
CTRL+L: ao clicar nesse ícone é aberta a janela lateral, denominada navegação, onde é possível localizar um
uma palavra ou trecho dentro do texto.

CTRL+U: pesquisa no documento a palavra ou parte do texto que você quer mudar e o substitui por outro
de seu desejo.

Seleciona o texto ou objetos no documento.

Inserir: a guia inserir permite a inclusão de elementos ao texto, como: imagens, gráficos, formas, configurações de quebra de página,
equações, entre outras.

35
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Adiciona uma folha inicial em seu documento, parecido como uma capa.

Adiciona uma página em branco em qualquer lugar de seu documento.

Uma seção divide um documento em partes determinadas pelo usuário para que sejam aplicados diferen-
tes estilos de formatação na mesma ou facilitar a numeração das páginas dentro dela.

Permite inserir uma tabela, uma planilha do Excel, desenhar uma tabela, tabelas rápidas ou converter o texto em tabela e
vice-versa.

Design: esta guia agrupa todos os estilos e formatações disponíveis para aplicar ao layout do documento.

Layout: a guia layout define configurações características ao formato da página, como tamanho, orientação, recuo, entre outras.

Referências: é utilizada para configurações de itens como sumário, notas de rodapé, legendas entre outros itens relacionados a iden-
tificação de conteúdo.

Correspondências: possui configuração para edição de cartas, mala direta, envelopes e etiquetas.

Revisão: agrupa ferramentas úteis para realização de revisão de conteúdo do texto, como ortografia e gramática, dicionário de sinô-
nimos, entre outras.

Exibir: altera as configurações de exibição do documento.

36
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Formatos de arquivos

Veja abaixo alguns formatos de arquivos suportados pelo Word 2016:


.docx: formato xml.
.doc: formato da versão 2003 e anteriores.
.docm: formato que contém macro (vba).
.dot: formato de modelo (carta, currículo...) de documento da versão 2003 e anteriores.
.dotx: formato de modelo (carta, currículo...) com o padrão xml.
.odt: formato de arquivo do Libre Office Writer.
.rtf: formato de arquivos do WordPad.
.xml: formato de arquivos para Web.
.html: formato de arquivos para Web.
.pdf: arquivos portáteis.

Office 365

De acordo com a própria desenvolvedora Microsoft, em seu site oficial: o Office 365 é um serviço de assinatura na nuvem que reúne
as melhores ferramentas para as pessoas trabalharem.
Combinando os melhores aplicativos de produtividade, como o Excel e o Outlook, com eficientes serviços na nuvem, como o OneDrive.
Concluímos que basicamente a diferença é o sistema de aquisição, onde o Office tradicional é adquirido em lojas através de um DVD
de instalação e o 365 por sistema de assinatura.
Algumas características do Office 365:
- Sistema de assinatura: pagamento mensal ou anual. Você não adquire o produto, mas sim, paga pelo o uso do produto.
- Ter sempre a versão mais nova do Office sem custo adicional. Hoje, versão 2016.
- Recursos adicionais em telefones e tablets. Algumas atualizações com ferramentas extras que só os assinantes têm direito.
- Suporte técnico por toda a assinatura.

- Office Home & Student 2019: o essencial para os usuários fazerem tudo. Versões clássicas dos aplicativos do Office instaladas em
um PC ou Mac16.
- Microsoft 365 Family: uma assinatura conveniente para até seis pessoas. Inclui aplicativos de produtividade premium, até 6 TB de
armazenamento em nuvem (1 TB por pessoa) e segurança avançada para todos os seus dispositivos.
- Microsoft 365 Personal: uma assinatura conveniente que inclui aplicativos de produtividade premium, 1 TB de armazenamento em
nuvem e segurança avançada para todos os seus dispositivos.

QUESTÕES

01. (Prefeitura de Jahu/SP - Auxiliar de Desenvolvimento Infantil - OBJETIVA/2019) Considerando-se o Word 2007, analisar os itens abaixo:

I. O botão “Formatar Pincel”, na guia “Início”, copia a formatação de um local para aplicá-lo a outro.
II. Na guia “Exibição”, além da opção “Régua”, são opções que podem ser habilitadas: “Linhas de Grade”, “Mapa do Documento”,
“Miniaturas”.
III. O botão “Dividir”, na guia “Exibição”, exibe dois documentos distintos do Word lado a lado para poder comparar os respectivos
conteúdos.

Estão CORRETOS:

(A) Somente os itens I e II.


(B) Somente os itens I e III.
(C) Somente os itens II e III.
(D) Todos os itens.

02. (TJ/DFT - Estágio - CIEE/2018) A tecla de atalho Ctrl+I, no Word 2007, serve para aplicar:

(A) Subscrito.
(B) Itálico
(C) Sobrescrito.
(D) Tachado.
16 https://www.microsoft.com/pt-br/microsoft-365/buy/compare-all-microsoft-365-products-b

37
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
03. (Prefeitura de Aruanã/GO - Professor - Itame/2018) A op- 08. (Prefeitura de São Francisco/MG - Assistente Social - CO-
ção de salvar o documento é algo comum para quem trabalha com TEC/2020) No processador de texto Microsoft Word, pertencente
o pacote Office. Podemos executar atalhos via teclado para facilitar à suíte de Escritório Microsoft Office 2016, um rodapé permite a
a utilização do software. Em relação ao Microsoft Word 2007, qual inclusão de informações na parte inferior da página. Por padrão,
atalho abaixo é utilizado para salvar o documento: rodapés são incluídos:

(A) CRTL + S (A) Na primeira página.


(B) CRTL + B (B) Na última página.
(C) CRTL + A (C) Em todas as páginas.
(D) CRTL + E (D) Em páginas ímpares.
(E) Em páginas pares.
04. (Prefeitura de Portão/RS - Médico - OBJETIVA/2019) Em
relação aos comandos utilizados no Word 2010, analisar os itens 09. (Prefeitura de Taubaté/SP - Auditor Pleno - Instituto Exce-
abaixo: lência/2019) Utilizando o Microsoft Word 2016 para formatar o tex-
to em um documento como colunas. Qual das alternativas contém
I. O comando Ctrl + S é utilizado para deletar o conteúdo sele- o caminho certo para realizar essa ação?
cionado.
II. Ao utilizar o comando Ctrl + U, o conteúdo selecionado será (A) Selecione o texto - Guia Inserir - Opção Colunas.
sublinhado. (B) Selecionar o texto - Guia Layout - Opção Colunas.
III. O comando Ctrl + I é utilizado para a impressão rápida do (C) Selecione o texto - Guia Página Inicial - Opção Colunas.
conteúdo selecionado. (D) Nenhuma das alternativas.
IV. O comando Ctrl + Z é utilizado para desfazer a última ação
realizada. 10. (Prefeitura de Tibagi/PR - Agente de Defesa Civil - FAFI-
PA/2019) O Microsoft Word Pt-Br versão 2016 possui guias que faci-
Está(ão) CORRETO(S): litam e organizam a utilização do Software. Por padrão, as guias que
vêm disponíveis no programa são exatamente essas apresentadas
(A) Somente o item III. abaixo, com exceção da:
(B) Somente o item IV.
(C) Somente os itens I, II e IV. (A) Exibir.
(D) Somente os itens II, III e IV. (B) Layout.
(C) Design.
05. (Prefeitura de Avelinópolis/GO - Técnico em Enfermagem (D) Corrigir.
- Itame/2019) No Microsoft Word 2010 ao selecionar um texto e
pressionar CTRL + G o que ocorre: GABARITO

(A) O texto é alinhado à direita. 01 A


(B) O texto é copiado para área de transferência
(C) O texto recebe o comando go-back. 02 B
(D) O texto fica com a fonte grande. 03 B
04 B
06. (Prefeitura de Porto Xavier/RS - Técnico em Enfermagem
- FUNDATEC/2018) 05 A
06 B

Os ícones , pertencentes ao programa Microsoft 07 C


Word 2013, são chamados, respectivamente, de: 08 C
09 B
(A) Maiúsculas e Minúsculas.
(B) Subscrito e Sobrescrito. 10 D
(C) Negrito e Itálico.
(D) Imprimir e Substituir.
(E) Itálico e Imprimir. INTERNET. INTRANET BROWSERS. SITES DE BUSCA
07. (FUNDATEC - Contador - FUNDATEC/2018) Em que Guia do
programa Microsoft Word 2013, em sua configuração padrão, está Internet
localizado o recurso Inserir Nota de Rodapé?
A Internet é uma rede mundial de computadores interligados
(A) Inserir. através de linhas de telefone, linhas de comunicação privadas, ca-
(B) Página inicial. bos submarinos, canais de satélite, etc17. Ela nasceu em 1969, nos
(C) Referências. Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa
(D) Revisão. e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency).
(E) Layout da Página. Com o passar do tempo, e com o sucesso que a rede foi tendo, o nú-

17 https://cin.ufpe.br/~macm3/Folders/Apostila%20Internet%20-%20
Avan%E7ado.pdf

38
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
mero de adesões foi crescendo continuamente. Como nesta época, Domínio
o computador era extremamente difícil de lidar, somente algumas
instituições possuíam internet. Se não fosse o conceito de domínio quando fossemos acessar
No entanto, com a elaboração de softwares e interfaces cada um determinado endereço na web teríamos que digitar o seu en-
vez mais fáceis de manipular, as pessoas foram se encorajando a dereço IP. Por exemplo: para acessar o site do Google ao invés de
participar da rede. O grande atrativo da internet era a possibilida- você digitar www.google.com você teria que digitar um número IP
de de se trocar e compartilhar ideias, estudos e informações com – 74.125.234.180.
outras pessoas que, muitas vezes nem se conhecia pessoalmente. É através do protocolo DNS (Domain Name System), que é pos-
sível associar um endereço de um site a um número IP na rede.
Conectando-se à Internet O formato mais comum de um endereço na Internet é algo como
http://www.empresa.com.br, em que:
Para se conectar à Internet, é necessário que se ligue a uma www: (World Wide Web): convenção que indica que o ende-
rede que está conectada à Internet. Essa rede é de um provedor de reço pertence à web.
acesso à internet. Assim, para se conectar você liga o seu computa- empresa: nome da empresa ou instituição que mantém o ser-
dor à rede do provedor de acesso à Internet; isto é feito por meio viço.
de um conjunto como modem, roteadores e redes de acesso (linha com: indica que é comercial.
telefônica, cabo, fibra-ótica, wireless, etc.). br: indica que o endereço é no Brasil.

World Wide Web URL

A web nasceu em 1991, no laboratório CERN, na Suíça. Seu Um URL (de Uniform Resource Locator), em português, Locali-
criador, Tim Berners-Lee, concebeu-a unicamente como uma lin- zador-Padrão de Recursos, é o endereço de um recurso (um arqui-
guagem que serviria para interligar computadores do laboratório e vo, uma impressora etc.), disponível em uma rede; seja a Internet,
outras instituições de pesquisa, e exibir documentos científicos de ou uma rede corporativa, uma intranet.
forma simples e fácil de acessar. Uma URL tem a seguinte estrutura: protocolo://máquina/ca-
Hoje é o segmento que mais cresce. A chave do sucesso da minho/recurso.
World Wide Web é o hipertexto. Os textos e imagens são interli-
gados por meio de palavras-chave, tornando a navegação simples HTTP
e agradável.
É o protocolo responsável pelo tratamento de pedidos e res-
Protocolo de comunicação postas entre clientes e servidor na World Wide Web. Os endereços
web sempre iniciam com http:// (http significa Hypertext Transfer
Transmissão e fundamentalmente por um conjunto de proto- Protocol, Protocolo de transferência hipertexto).
colos encabeçados pelo TCP/IP. Para que os computadores de uma
rede possam trocar informações entre si é necessário que todos os Hipertexto
computadores adotem as mesmas regras para o envio e o recebi-
mento de informações. Este conjunto de regras é conhecido como São textos ou figuras que possuem endereços vinculados a
Protocolo de Comunicação. No protocolo de comunicação estão de- eles. Essa é a maneira mais comum de navegar pela web.
finidas todas as regras necessárias para que o computador de desti-
no, “entenda” as informações no formato que foram enviadas pelo Navegadores
computador de origem.
Existem diversos protocolos, atualmente a grande maioria das Um navegador de internet é um programa que mostra informa-
redes utiliza o protocolo TCP/IP já que este é utilizado também na ções da internet na tela do computador do usuário.
Internet. Além de também serem conhecidos como browser ou web bro-
O protocolo TCP/IP acabou se tornando um padrão, inclusive wser, eles funcionam em computadores, notebooks, dispositivos
para redes locais, como a maioria das redes corporativas hoje tem móveis, aparelhos portáteis, videogames e televisores conectados
acesso Internet, usar TCP/IP resolve a rede local e também o acesso à internet.
externo. Um navegador de internet condiciona a estrutura de um site
e exibe qualquer tipo de conteúdo na tela da máquina usada pelo
TCP / IP internauta.
Esse conteúdo pode ser um texto, uma imagem, um vídeo, um
Sigla de Transmission Control Protocol/Internet Protocol (Pro- jogo eletrônico, uma animação, um aplicativo ou mesmo servidor.
tocolo de Controle de Transmissão/Protocolo Internet). Ou seja, o navegador é o meio que permite o acesso a qualquer
Embora sejam dois protocolos, o TCP e o IP, o TCP/IP aparece página ou site na rede.
nas literaturas como sendo: Para funcionar, um navegador de internet se comunica com
- O protocolo principal da Internet; servidores hospedados na internet usando diversos tipos de pro-
- O protocolo padrão da Internet; tocolos de rede. Um dos mais conhecidos é o protocolo HTTP, que
- O protocolo principal da família de protocolos que dá suporte transfere dados binários na comunicação entre a máquina, o nave-
ao funcionamento da Internet e seus serviços. gador e os servidores.

Considerando ainda o protocolo TCP/IP, pode-se dizer que: Funcionalidades de um Navegador de Internet
A parte TCP é responsável pelos serviços e a parte IP é respon-
sável pelo roteamento (estabelece a rota ou caminho para o trans- A principal funcionalidade dos navegadores é mostrar para o
porte dos pacotes). usuário uma tela de exibição através de uma janela do navegador.

39
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Ele decodifica informações solicitadas pelo usuário, através de Já foi o mais navegador mais utilizado do mundo, mas hoje per-
códigos-fonte, e as carrega no navegador usado pelo internauta. deu a posição para o Google Chrome e o Mozilla Firefox.
Ou seja, entender a mensagem enviada pelo usuário, solicitada
através do endereço eletrônico, e traduzir essa informação na tela
do computador. É assim que o usuário consegue acessar qualquer
site na internet.
O recurso mais comum que o navegador traduz é o HTML, uma
linguagem de marcação para criar páginas na web e para ser inter-
pretado pelos navegadores.
Eles também podem reconhecer arquivos em formato PDF,
imagens e outros tipos de dados.
Essas ferramentas traduzem esses tipos de solicitações por Principais recursos do Internet Explorer:
meio das URLs, ou seja, os endereços eletrônicos que digitamos na - Transformar a página num aplicativo na área de trabalho,
parte superior dos navegadores para entrarmos numa determinada permitindo que o usuário defina sites como se fossem aplicativos
página. instalados no PC. Através dessa configuração, ao invés de apenas
Abaixo estão outros recursos de um navegador de internet: manter os sites nos favoritos, eles ficarão acessíveis mais facilmente
- Barra de Endereço: é o espaço em branco que fica localiza- através de ícones.
do no topo de qualquer navegador. É ali que o usuário deve digitar - Gerenciador de downloads integrado.
a URL (ou domínio ou endereço eletrônico) para acessar qualquer - Mais estabilidade e segurança.
página na web. - Suporte aprimorado para HTML5 e CSS3, o que permite uma
- Botões de Início, Voltar e Avançar: botões clicáveis básicos navegação plena para que o internauta possa usufruir dos recursos
que levam o usuário, respectivamente, ao começo de abertura do implementados nos sites mais modernos.
navegador, à página visitada antes ou à página visitada seguinte. - Com a possibilidade de adicionar complementos, o navegador
- Favoritos: é a aba que armazena as URLs de preferência do já não é apenas um programa para acessar sites. Dessa forma, é
usuário. Com um único simples, o usuário pode guardar esses en- possível instalar pequenos aplicativos que melhoram a navegação e
dereços nesse espaço, sendo que não existe uma quantidade limite oferecem funcionalidades adicionais.
de links. É muito útil para quando você quer acessar as páginas mais - One Box: recurso já conhecido entre os usuários do Google
recorrentes da sua rotina diária de tarefas. Chrome, agora está na versão mais recente do Internet Explorer.
- Atualizar: botão básico que recarrega a página aberta naquele Através dele, é possível realizar buscas apenas informando a pala-
momento, atualizando o conteúdo nela mostrado. Serve para mos- vra-chave digitando-a na barra de endereços.
trar possíveis edições, correções e até melhorias de estrutura no
visual de um site. Em alguns casos, é necessário limpar o cache para Microsoft Edge
mostrar as atualizações.
- Histórico: opção que mostra o histórico de navegação do Da Microsoft, o Edge é a evolução natural do antigo Explorer18.
usuário usando determinado navegador. É muito útil para recupe- O navegador vem integrado com o Windows 10. Ele pode receber
rar links, páginas perdidas ou revisitar domínios antigos. Pode ser aprimoramentos com novos recursos na própria loja do aplicativo.
apagado, caso o usuário queira. Além disso, a ferramenta otimiza a experiência do usuário con-
- Gerenciador de Downloads: permite administrar os down- vertendo sites complexos em páginas mais amigáveis para leitura.
loads em determinado momento. É possível ativar, cancelar e pau-
sar por tempo indeterminado. É um maior controle na usabilidade
do navegador de internet.
- Extensões: já é padrão dos navegadores de internet terem um
mecanismo próprio de extensões com mais funcionalidades. Com
alguns cliques, é possível instalar temas visuais, plug-ins com novos
recursos (relógio, notícias, galeria de imagens, ícones, entre outros.
- Central de Ajuda: espaço para verificar a versão instalada do
navegador e artigos (geralmente em inglês, embora também exis- Outras características do Edge são:
tam em português) de como realizar tarefas ou ações específicas - Experiência de navegação com alto desempenho.
no navegador. - Função HUB permite organizar e gerenciar projetos de qual-
quer lugar conectado à internet.
Firefox, Internet Explorer, Google Chrome, Safari e Opera são - Funciona com a assistente de navegação Cortana.
alguns dos navegadores mais utilizados atualmente. Também co- - Disponível em desktops e mobile com Windows 10.
nhecidos como web browsers ou, simplesmente, browsers, os na- - Não é compatível com sistemas operacionais mais antigos.
vegadores são uma espécie de ponte entre o usuário e o conteúdo
virtual da Internet.
Firefox
Internet Explorer
Um dos navegadores de internet mais populares, o Firefox é
Lançado em 1995, vem junto com o Windows, está sendo conhecido por ser flexível e ter um desempenho acima da média.
substituído pelo Microsoft Edge, mas ainda está disponível como Desenvolvido pela Fundação Mozilla, é distribuído gratuita-
segundo navegador, pois ainda existem usuários que necessitam de mente para usuários dos principais sistemas operacionais. Ou seja,
algumas tecnologias que estão no Internet Explorer e não foram mesmo que o usuário possua uma versão defasada do sistema ins-
atualizadas no Edge. talado no PC, ele poderá ser instalado.
18 https://bit.ly/2WITu4N

40
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Outros pontos de destaques do Opera são:
- Alto desempenho com baixo consumo de recursos e de ener-
gia.
- Recurso Turbo Opera filtra o tráfego recebido, aumentando a
velocidade de conexões de baixo desempenho.
- Poupa a quantidade de dados usados em conexões móveis
(3G ou 4G).
- Impede armazenamento de dados sigilosos, sobretudo em
páginas bancárias e de vendas on-line.
Algumas características de destaque do Firefox são: - Quantidade moderada de plug-ins para implementar novas
- Velocidade e desempenho para uma navegação eficiente. funções, além de um bloqueador de publicidade integrado.
- Não exige um hardware poderoso para rodar. - Disponível em desktop e mobile.
- Grande quantidade de extensões para adicionar novos recur-
sos. Safari
- Interface simplificada facilita o entendimento do usuário.
- Atualizações frequentes para melhorias de segurança e pri- O Safari é o navegador oficial dos dispositivos da Apple. Pela
vacidade. sua otimização focada nos aparelhos da gigante de tecnologia, ele
- Disponível em desktop e mobile. é um dos navegadores de internet mais leves, rápidos, seguros e
confiáveis para usar.
Google Chorme

É possível instalar o Google Chrome nas principais versões do


sistema operacional Windows e também no Linux e Mac.
O Chrome é o navegador de internet mais usado no mundo.
É, também, um dos que têm melhor suporte a extensões, maior
compatibilidade com uma diversidade de dispositivos e é bastante
convidativo à navegação simplificada.

O Safari também se destaca em:


- Sincronização de dados e informações em qualquer dispositi-
vo Apple (iOS).
- Tem uma tecnologia anti-rastreio capaz de impedir o direcio-
namento de anúncios com base no comportamento do usuário.
- Modo de navegação privada não guarda os dados das páginas
visitadas, inclusive histórico e preenchimento automático de cam-
pos de informação.
Principais recursos do Google Chrome: - Compatível também com sistemas operacionais que não seja
- Desempenho ultra veloz, desde que a máquina tenha recursos da Apple (Windows e Linux).
RAM suficientes. - Disponível em desktops e mobile.
- Gigantesca quantidade de extensões para adicionar novas
funcionalidades. Intranet
- Estável e ocupa o mínimo espaço da tela para mostrar conteú-
dos otimizados. A intranet é uma rede de computadores privada que assenta
- Segurança avançada com encriptação por Certificado SSL (HT- sobre a suíte de protocolos da Internet, porém, de uso exclusivo de
TPS). um determinado local, como, por exemplo, a rede de uma empresa,
- Disponível em desktop e mobile. que só pode ser acessada pelos seus utilizadores ou colaboradores
internos19.
Opera Pelo fato, a sua aplicação a todos os conceitos emprega-se à
intranet, como, por exemplo, o paradigma de cliente-servidor. Para
Um dos primeiros navegadores existentes, o Opera segue evo- tal, a gama de endereços IP reservada para esse tipo de aplicação
luindo como um dos melhores navegadores de internet. situa-se entre 192.168.0.0 até 192.168.255.255.
Ele entrega uma interface limpa, intuitiva e agradável de usar.
Além disso, a ferramenta também é leve e não prejudica a qualida- Dentro de uma empresa, todos os departamentos possuem
de da experiência do usuário. alguma informação que pode ser trocada com os demais setores,
podendo cada sessão ter uma forma direta de se comunicar com as
demais, o que se assemelha muito com a conexão LAN (Local Area
Network), que, porém, não emprega restrições de acesso.
A intranet é um dos principais veículos de comunicação em cor-
porações. Por ela, o fluxo de dados (centralização de documentos,
formulários, notícias da empresa, etc.) é constante, pretendendo
reduzir os custos e ganhar velocidade na divulgação e distribuição
de informações.
19 https://centraldefavoritos.com.br/2018/01/11/conceitos-basicos-ferramen-
tas-aplicativos-e-procedimentos-de-internet-e-intranet-parte-2/

41
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Apesar do seu uso interno, acessando aos dados corporativos, (E) Os cookies, em regra, não são salvos pelos navegadores
a intranet permite que computadores localizados numa filial, se co- quando estão em uma rede da internet.
nectados à internet com uma senha, acessem conteúdos que este-
jam na sua matriz. Ela cria um canal de comunicação direto entre 05. (Câmara de Salvador/BA - Assistente Legislativo Municipal
a empresa e os seus funcionários/colaboradores, tendo um ganho - FGV/2018) Considere os seguintes aplicativos: I. Chrome; II. Fire-
significativo em termos de segurança. fox; III. Internet Explorer; IV. Windows Explorer. Da lista acima, são
destinados à navegação na Internet somente os aplicativos:

QUESTÕES (A) I e II;


(B) I, II e III;
01. (Prefeitura de Areal - RJ - Técnico em Informática - GUA- (C) I, II e IV;
LIMP/2020) São características exclusivas da Intranet: (D) III e IV;
(E) IV.
(A) Acesso restrito e Rede Local (LAN).
(B) Rede Local (LAN) e Compartilhamento de impressoras.
(C) Comunicação externa e Compartilhamento de Dados. GABARITO
(D) Compartilhamento de impressoras e Acesso restrito.
01 B
02. (Prefeitura de São Francisco/MG - Assistente Administra-
tivo - COTEC/2020) Os termos internet e World Wide Web (WWW) 02 C
são frequentemente usados como sinônimos na linguagem corren- 03 C
te, e não são porque
04 A
(A) a internet é uma coleção de documentos interligados (pá-
ginas web) e outros recursos, enquanto a WWW é um serviço de
acesso a um computador. CORREIO ELETRÔNICO
(B) a internet é um conjunto de serviços que permitem a cone-
xão de vários computadores, enquanto WWW é um serviço espe-
cial de acesso ao Google. E-mail
(C) a internet é uma rede mundial de computadores especial,
enquanto a WWW é apenas um dos muitos serviços que funcionam O e-mail revolucionou o modo como as pessoas recebem men-
dentro da internet. sagem atualmente20. Qualquer pessoa que tenha um e-mail pode
(D) a internet possibilita uma comunicação entre vários com- mandar uma mensagem para outra pessoa que também tenha
putadores, enquanto a WWW, o acesso a um endereço eletrônico. e-mail, não importando a distância ou a localização.
(E) a internet é uma coleção de endereços eletrônicos, enquan- Um endereço de correio eletrônico obedece à seguinte estru-
to a WWW é uma rede mundial de computadores com acesso es- tura: à esquerda do símbolo @ (ou arroba) fica o nome ou apelido
pecial ao Google. do usuário, à direita fica o nome do domínio que fornece o acesso.
O resultado é algo como:
03. (Prefeitura de Pinto Bandeira/RS - Auxiliar de Serviços
Gerais - OBJETIVA/2019) Sobre a navegação na internet, analisar a maria@apostilasopcao.com.br
sentença abaixo:
Os acessos a sites de pesquisa e de notícias são geralmente rea- Atualmente, existem muitos servidores de webmail – correio
lizados pelo protocolo HTTP, onde as informações trafegam com o eletrônico – na Internet, como o Gmail e o Outlook.
uso de criptografia (1ª parte). O protocolo HTTP não garante que Para possuir uma conta de e-mail nos servidores é necessário
os dados não possam ser interceptados (2ª parte). A sentença está: preencher uma espécie de cadastro. Geralmente existe um conjun-
to de regras para o uso desses serviços.
(A) Totalmente correta.
(B) Correta somente em sua 1ª parte. Correio Eletrônico
(C) Correta somente em sua 2ª parte.
(D) Totalmente incorreta. Este método utiliza, em geral, uma aplicação (programa de cor-
reio eletrônico) que permite a manipulação destas mensagens e um
04. (CRN - 3ª Região (SP e MS) - Operador de Call Center - IA- protocolo (formato de comunicação) de rede que permite o envio
DES/2019) A navegação na internet e intranet ocorre de diversas e recebimento de mensagens21. Estas mensagens são armazenadas
formas, e uma delas é por meio de navegadores. Quanto às funções no que chamamos de caixa postal, as quais podem ser manipuladas
dos navegadores, assinale a alternativa correta. por diversas operações como ler, apagar, escrever, anexar, arquivos
e extração de cópias das mensagens.
(A) Na internet, a navegação privada ou anônima do navegador
Firefox se assemelha funcionalmente à do Chrome. Funcionamento básico de correio eletrônico
(B) O acesso à internet com a rede off-line é uma das vantagens
do navegador Firefox. Essencialmente, um correio eletrônico funciona como dois pro-
(C) A função Atualizar recupera as informações perdidas quan- gramas funcionando em uma máquina servidora:
do uma página é fechada incorretamente. 20 https://cin.ufpe.br/~macm3/Folders/Apostila%20Internet%20-%20
(D) A navegação privada do navegador Chrome só funciona na Avan%E7ado.pdf
intranet. 21 https://centraldefavoritos.com.br/2016/11/11/correio-eletronico-webmail-
-e-mozilla-thunderbird/

42
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
- Servidor SMTP (Simple Mail Transfer Protocol): protocolo de transferência de correio simples, responsável pelo envio de mensagens.
- Servidor POP3 (Post Office Protocol – protocolo Post Office) ou IMAP (Internet Mail Access Protocol): protocolo de acesso de cor-
reio internet), ambos protocolos para recebimento de mensagens.

Para enviar um e-mail, o usuário deve possuir um cliente de e-mail que é um programa que permite escrever, enviar e receber e-mails
conectando-se com a máquina servidora de e-mail. Inicialmente, um usuário que deseja escrever seu e-mail, deve escrever sua mensagem
de forma textual no editor oferecido pelo cliente de e-mail e endereçar este e-mail para um destinatário que possui o formato “nome@
dominio.com.br“. Quando clicamos em enviar, nosso cliente de e-mail conecta-se com o servidor de e-mail, comunicando-se com o pro-
grama SMTP, entregando a mensagem a ser enviada. A mensagem é dividida em duas partes: o nome do destinatário (nome antes do @)
e o domínio, i.e., a máquina servidora de e-mail do destinatário (endereço depois do @). Com o domínio, o servidor SMTP resolve o DNS,
obtendo o endereço IP do servidor do e-mail do destinatário e comunicando-se com o programa SMTP deste servidor, perguntando se o
nome do destinatário existe naquele servidor. Se existir, a mensagem do remetente é entregue ao servidor POP3 ou IMAP, que armazena
a mensagem na caixa de e-mail do destinatário.

Ações no correio eletrônico

Independente da tecnologia e recursos empregados no correio eletrônico, em geral, são implementadas as seguintes funções:
- Caixa de Entrada: caixa postal onde ficam todos os e-mails recebidos pelo usuário, lidos e não-lidos.
- Lixeira: caixa postal onde ficam todos os e-mails descartados pelo usuário, realizado pela função Apagar ou por um ícone de Lixeira.
Em geral, ao descartar uma mensagem ela permanece na lixeira, mas não é descartada, até que o usuário decida excluir as mensagens de-
finitivamente (este é um processo de segurança para garantir que um usuário possa recuperar e-mails apagados por engano). Para apagar
definitivamente um e-mail é necessário entrar, de tempos em tempos, na pasta de lixeira e descartar os e-mails existentes.
- Nova mensagem: permite ao usuário compor uma mensagem para envio. Os campos geralmente utilizados são:
- Para: designa a pessoa para quem será enviado o e-mail. Em geral, pode-se colocar mais de um destinatário inserindo os e-mails de
destino separados por ponto-e-vírgula.
- CC (cópia carbono): designa pessoas a quem também repassamos o e-mail, ainda que elas não sejam os destinatários principais da
mensagem. Funciona com o mesmo princípio do Para.
- CCo (cópia carbono oculta): designa pessoas a quem repassamos o e-mail, mas diferente da cópia carbono, quando os destinatários
principais abrirem o e-mail não saberão que o e-mail também foi repassado para os e-mails determinados na cópia oculta.
- Assunto: título da mensagem.
- Anexos: nome dado a qualquer arquivo que não faça parte da mensagem principal e que seja vinculada a um e-mail para envio ao
usuário. Anexos, comumente, são o maior canal de propagação de vírus e malwares, pois ao abrirmos um anexo, obrigatoriamente ele
será “baixado” para nosso computador e executado. Por isso, recomenda-se a abertura de anexos apenas de remetentes confiáveis e, em
geral, é possível restringir os tipos de anexos que podem ser recebidos através de um e-mail para evitar propagação de vírus e pragas. Al-
guns antivírus permitem analisar anexos de e-mails antes que sejam executados: alguns serviços de webmail, como por exemplo, o Gmail,
permitem analisar preliminarmente se um anexo contém arquivos com malware.
- Filtros: clientes de e-mail e webmails comumente fornecem a função de filtro. Filtros são regras que escrevemos que permitem que,
automaticamente, uma ação seja executada quando um e-mail cumpre esta regra. Filtros servem assim para realizar ações simples e pa-
dronizadas para tornar mais rápida a manipulação de e-mails. Por exemplo, imagine que queremos que ao receber um e-mail de “joao@
blabla.com”, este e-mail seja diretamente descartado, sem aparecer para nós. Podemos escrever uma regra que toda vez que um e-mail
com remetente “joao@blabla.com” chegar em nossa caixa de entrada, ele seja diretamente excluído.

Fonte: https://support.microsoft.com/pt-br/office/ler-e-enviar-emails-na-vers%C3%A3o-light-do-outlook-582a8fdc-152c-4b61-85fa-ba5dd-
f07050b

43
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Respondendo uma mensagem

Os ícones disponíveis para responder uma mensagem são:


Responder ao remetente: responde à mensagem selecionada para o autor dela (remetente).
Responde a todos: a mensagem é enviada tanto para o autor como para as outras pessoas que estavam na lista de cópias.
Encaminhar: envia a mensagem selecionada para outra pessoa.

Clientes de E-mail

Um cliente de e-mail é essencialmente um programa de computador que permite compor, enviar e receber e-mails a partir de um ser-
vidor de e-mail, o que exige cadastrar uma conta de e-mail e uma senha para seu correto funcionamento. Há diversos clientes de e-mails
no mercado que, além de manipular e-mails, podem oferecer recursos diversos.
Outlook: cliente de e-mails nativo do sistema operacional Microsoft Windows. A versão Express é uma versão mais simplificada e que,
em geral, vem por padrão no sistema operacional Windows. Já a versão Microsoft Outlook é uma versão que vem no pacote Microsoft
Office possui mais recursos, incluindo, além de funções de e-mail, recursos de calendário.
- Mozilla Thunderbird: é um cliente de e-mails e notícias Open Source e gratuito criado pela Mozilla Foundation (mesma criadora do
Mozilla Firefox).

Webmails

Webmail é o nome dado a um cliente de e-mail que não necessita de instalação no computador do usuário, já que funciona como uma
página de internet, bastando o usuário acessar a página do seu provedor de e-mail com seu login e senha. Desta forma, o usuário ganha
mobilidade já que não necessita estar na máquina em que um cliente de e-mail está instalado para acessar seu e-mail. A desvantagem da
utilização de webmails em comparação aos clientes de e-mail é o fato de necessitarem de conexão de Internet para leitura dos e-mails,
enquanto nos clientes de e-mail basta a conexão para “baixar” os e-mails, sendo que a posterior leitura pode ser realizada desconectada
da Internet.
Exemplos de servidores de webmail do mercado são:
- Gmail
- Yahoo!Mail
- Microsoft Outlook: versão on-line do Outlook. Anteriormente era conhecido como Hotmail, porém mudou de nome quando a Micro-
soft integrou suas diversas tecnologias.

Fonte: https://www.dialhost.com.br/ajuda/abrir-uma-nova-janela-para-escrever-novo-email

Diferença entre webmail e correio eletrônico

O webmail (Yahoo ou Gmail) você acessa através de seu navegador (Firefox ou Google Chrome) e só pode ler conectado na internet.
Já o correio eletrônico (Thunderbird ou Outlook) você acessa com uma conexão de internet e pode baixar seus e-mails, mas depois pode
ler na hora que quiser sem precisar estar conectado na internet.

44
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
QUESTÕES Estão CORRETOS:

01. (Prefeitura de São Francisco/MG - Assistente Administra- (A) Somente os itens I e II.
tivo - COTEC/2020) Em observação aos conceitos e componentes (B) Somente os itens I e III.
de e-mail, faça a relação da denominação de item, presente na 1.ª (C) Somente os itens II e III.
coluna, com a sua definição, na 2.ª coluna. (D) Todos os itens.

Item 05. (Prefeitura de Sobral/CE - Analista de Infraestrutura - UE-


1- Spam CE-CEV/2018) Angélica enviou um e-mail para três colaboradoras,
2- IMAP Luíza, Rafaela e Tatiana, tendo preenchido os campos do destinatá-
3- Cabeçalho rio da seguinte forma:
4- Gmail
Para: luiza@email.com.br
Definição Cc: rafaela@email.com.br
( ) Protocolo de gerenciamento de correio eletrônico. Cco: tatiana@email.com.br
( ) Um serviço gratuito de webmail. Assunto: reunião importante
( ) Mensagens de e-mail não desejadas e enviadas em massa
para múltiplas pessoas. Todas as três colaboradoras receberam o e-mail de Angélica e
( ) Uma das duas seções principais das mensagens de e-mail. o responderam através do comando “Responder a todos”. Conside-
rando a situação ilustrada, é correto afirmar que:
A alternativa CORRETA para a correspondência entre colunas é:
(A) 1, 2, 3, 4. (A) somente Angélica recebeu todas as respostas.
(B) 3, 1, 2, 4. (B) Tatiana não recebeu nenhuma das respostas.
(C) 2, 1, 4, 3. (C) somente Luíza e Rafaela receberam todas as respostas.
(D) 2, 4, 1, 3. (D) todas receberam as respostas umas das outras.
(E) 1, 3, 4, 2.

02. (Prefeitura de Brasília de Minas/MG - Engenheiro Ambien- GABARITO


tal - COTEC/2020) Leia as afirmações a seguir:

I - É registrada a data e a hora de envio da mensagem. 01 D


II - As mensagens devem ser lidas periodicamente para não 02 A
acumular.
03 D
III - Não indicado para assuntos confidenciais.
IV - Utilizada para comunicações internacionais e regionais, 04 D
economizando despesas com telefone e evitando problemas com 05 B
fuso horário.
V - As mensagens podem ser arquivadas e armazenadas, per-
mitindo-se fazer consultas posteriores.
BACKUP: CONCEITOS BÁSICOS, TIPOS, DISPOSITIVOS
São vantagens do correio eletrônico aquelas dispostas em apenas: E FERRAMENTAS, UNIDADES DE MEDIDA DE ARMAZE-
NAMENTO, COMPACTAÇÃO DE ARQUIVOS
(A) I, IV e V.
(B) I, III e IV. Quando se fala em computação nas nuvens, fala-se na possibi-
(C) II, III e V.
lidade de acessar arquivos e executar diferentes tarefas pela inter-
(D) II, IV e V.
net22. Ou seja, não é preciso instalar aplicativos no seu computador
(E) III, IV e V.
para tudo, pois pode acessar diferentes serviços on-line para fazer o
que precisa, já que os dados não se encontram em um computador
03. (FITO - Técnico em Gestão - VUNESP/2020) Um usuário, ao
específico, mas sim em uma rede.
preparar um e-mail e não enviá-lo imediatamente, pode, para não
Uma vez devidamente conectado ao serviço on-line, é possível
perder o trabalho feito, salvar o e-mail para envio posteriormente.
O recurso que permite salvar um e-mail ainda não enviado é desfrutar suas ferramentas e salvar todo o trabalho que for feito
para acessá-lo depois de qualquer lugar — é justamente por isso
(A) Favorito. que o seu computador estará nas nuvens, pois você poderá acessar
(B) Lembrete. os aplicativos a partir de qualquer computador que tenha acesso à
(C) Acompanhamento. internet.
(D) Rascunho. Basta pensar que, a partir de uma conexão com a internet, você
(E) Marcas. pode acessar um servidor capaz de executar o aplicativo desejado,
que pode ser desde um processador de textos até mesmo um jogo
04. (TJ/DFT - Estágio - CIEE/2018) Podem ser consideradas al- ou um pesado editor de vídeos. Enquanto os servidores executam
gumas atividades do correio eletrônico: um programa ou acessam uma determinada informação, o seu
computador precisa apenas do monitor e dos periféricos para que
I - Solicitar informações. você interaja.
II - Fazer download de arquivos.
III - Mandar mensagens. 22 https://www.tecmundo.com.br/computacao-em-nuvem/738-o-que-e-com-
putacao-em-nuvens-.htm

45
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Vantagens: Para quem gosta de editar documentos como Word, Excel e
- Não necessidade de ter uma máquina potente, uma vez que PowerPoint diretamente do gerenciador de arquivos do serviço,
tudo é executado em servidores remotos. o OneDrive disponibiliza esse recurso na nuvem para que seja dis-
- Possibilidade de acessar dados, arquivos e aplicativos a partir pensada a necessidade de realizar o download para só então poder
de qualquer lugar, bastando uma conexão com a internet para tal modificar o conteúdo do arquivo.
— ou seja, não é necessário manter conteúdos importantes em um
único computador. iCloud

Desvantagens: O iCloud, serviço de armazenamento da Apple, possuía em um


- Gera desconfiança, principalmente no que se refere à segu- passado recente a ideia principal de sincronizar contatos, e-mails,
rança. Afinal, a proposta é manter informações importantes em um dados e informações de dispositivos iOS. No entanto, recentemente
ambiente virtual, e não são todas as pessoas que se sentem à von- a empresa também adotou para o iCloud a estratégia de utilizá-lo
tade com isso. como um serviço de armazenamento na nuvem para usuários iOS.
- Como há a necessidade de acessar servidores remotos, é pri- De início, o usuário recebe 5 GB de espaço de maneira gratuita.
mordial que a conexão com a internet seja estável e rápida, princi- Existem planos pagos para maior capacidade de armazena-
palmente quando se trata de streaming e jogos. mento também.

Exemplos de computação em nuvem

Dropbox

O Dropbox é um serviço de hospedagem de arquivos em nu-


vem que pode ser usado de forma gratuita, desde que respeitado o
limite de 2 GB de conteúdo. Assim, o usuário poderá guardar com
segurança suas fotos, documentos, vídeos, e outros formatos, libe- No entanto, a grande vantagem do iCloud é que ele possui um
rando espaço no PC ou smartphone. sistema muito bem integrado aos seus aparelhos, como o iPhone.
A ferramenta “buscar meu iPhone”, por exemplo, possibilita que
o usuário encontre e bloqueie o aparelho remotamente, além de
poder contar com os contatos e outras informações do dispositivo
caso você o tenha perdido.

Google Drive

Apesar de não disponibilizar gratuitamente o aumento da ca-


pacidade de armazenamento, o Google Drive fornece para os usuá-
rios mais espaço do que os concorrentes ao lado do OneDrive. São
15 GB de espaço para fazer upload de arquivos, documentos, ima-
gens, etc.

Além de servir como ferramenta de backup, o Dropbox tam-


bém é uma forma eficiente de ter os arquivos importantes sempre
acessíveis. Deste modo, o usuário consegue abrir suas mídias e do-
cumentos onde quer que esteja, desde que tenha acesso à Internet.

OneDrive

O OneDrive, que já foi chamado de SkyDrive, é o serviço de ar-


mazenamento na nuvem da Microsoft e oferece inicialmente 15 GB Uma funcionalidade interessante do Google Drive é o seu ser-
de espaço para os usuários23. Mas é possível conseguir ainda mais viço de pesquisa e busca de arquivos que promete até mesmo re-
espaço gratuitamente indicando amigos e aproveitando diversas conhecer objetos dentro de imagens e textos escaneados. Mesmo
promoções que a empresa lança regularmente. que o arquivo seja um bloco de notas ou um texto e você queira
Para conseguir espaço ainda maior, o aplicativo oferece planos encontrar algo que esteja dentro dele, é possível utilizar a busca
pagos com capacidades variadas também. para procurar palavras e expressões.
Além disso, o serviço do Google disponibiliza que sejam feitas
edições de documentos diretamente do browser, sem precisar fazer
o download do documento e abri-lo em outro aplicativo.

Tipos de implantação de nuvem

Primeiramente, é preciso determinar o tipo de implantação de


nuvem, ou a arquitetura de computação em nuvem, na qual os ser-
viços cloud contratados serão implementados pela sua gestão de
TI24.
23 https://canaltech.com.br/computacao-na-nuvem/comparativo-os-princi-
pais-servicos-de-armazenamento-na-nuvem-22996/ 24 https://ecoit.com.br/computacao-em-nuvem/

46
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Há três diferentes maneiras de implantar serviços de nuvem: As arquiteturas sem servidor são altamente escalonáveis e
- Nuvem pública: pertence a um provedor de serviços cloud controladas por eventos: utilizando recursos apenas quando ocorre
terceirizado pelo qual é administrada. Esse provedor fornece recur- uma função ou um evento que desencadeia tal necessidade.
sos de computação em nuvem, como servidores e armazenamento
via web, ou seja, todo o hardware, software e infraestruturas de su- SaaS (software como serviço)
porte utilizados são de propriedade e gerenciamento do provedor
de nuvem contratado pela organização. O SaaS é um método para a distribuição de aplicativos de soft-
- Nuvem privada: se refere aos recursos de computação em nu- ware pela Internet sob demanda e, normalmente, baseado em as-
vem usados exclusivamente por uma única empresa, podendo estar sinaturas.
localizada fisicamente no datacenter local da empresa, ou seja, uma Com o SaaS, os provedores de computação em nuvem hospe-
nuvem privada é aquela em que os serviços e a infraestrutura de dam e gerenciam o aplicativo de software e a infraestrutura subja-
computação em nuvem utilizados pela empresa são mantidos em cente.
uma rede privada. Além de realizarem manutenções, como atualizações de soft-
- Nuvem híbrida: trata-se da combinação entre a nuvem públi- ware e aplicação de patch de segurança.
ca e a privada, que estão ligadas por uma tecnologia que permite o Com o software como serviço, os usuários da sua equipe po-
compartilhamento de dados e aplicativos entre elas. O uso de nu- dem conectar o aplicativo pela Internet, normalmente com um na-
vens híbridas na computação em nuvem ajuda também a otimizar vegador da web em seu telefone, tablet ou PC.
a infraestrutura, segurança e conformidade existentes dentro da
empresa.
QUESTÕES
Tipos de serviços de nuvem
01. (Câmara de Cabixi/RO - Contador - MS CONCURSOS/2018)
A maioria dos serviços de computação em nuvem se enquadra São considerados modelos de implantação de computação em nu-
em quatro categorias amplas: vem:
- IaaS (infraestrutura como serviço);
- PaaS (plataforma como serviço); I- Nuvem privada (private clouds): compreende uma infraes-
- Sem servidor; trutura de nuvem operada publicamente por uma organização. Os
- SaaS (software como serviço). serviços são oferecidos para serem utilizados internamente pela
própria organização, não estando disponíveis publicamente para
Esses serviços podem ser chamados algumas vezes de pilha uso geral.
da computação em nuvem por um se basear teoricamente sobre II- Nuvem comunidade (community cloud): fornece uma in-
o outro. fraestrutura compartilhada por uma comunidade de organizações
com interesses em comum.
IaaS (infraestrutura como serviço) III- Nuvem pública (public cloud): a nuvem é disponibilizada
publicamente através do modelo pay-per-use. Tipicamente, são
A IaaS é a categoria mais básica de computação em nuvem. oferecidas por companhias que possuem grandes capacidades de
Com ela, você aluga a infraestrutura de TI de um provedor de servi- armazenamento e processamento.
ços cloud, pagando somente pelo seu uso.
A contratação dos serviços de computação em nuvem IaaS IV- Nuvem híbrida (hybrid cloud): a infraestrutura é uma com-
(infraestrutura como serviço) envolve a aquisição de servidores e posição de duas ou mais nuvens (privada, comunidade ou pública)
máquinas virtuais, armazenamento (VMs), redes e sistemas opera- que continuam a ser entidades públicas, porém, conectadas através
cionais. de tecnologia proprietária ou padronizada.

PaaS (plataforma como serviço) Está correto o contido:

PaaS refere-se aos serviços de computação em nuvem que for- (A) Apenas na opção I.
necem um ambiente sob demanda para desenvolvimento, teste, (B) Apenas na opção II.
fornecimento e gerenciamento de aplicativos de software. (C)Apenas nas opções II e III.
A plataforma como serviço foi criada para facilitar aos desen- (D) Nas opções I, II e III.
volvedores a criação de aplicativos móveis ou web, tornando-a mui-
to mais rápida. 02. (Câmara de Cabixi/RO - Contador - MS CONCURSOS/2018)
Além de acabar com a preocupação quanto à configuração ou O modelo de computação em nuvem é composto por algumas ca-
ao gerenciamento de infraestrutura subjacente de servidores, ar- racterísticas essenciais, dentre elas:
mazenamento, rede e bancos de dados necessários para desenvol-
vimento. I- Serviço sob-demanda: as funcionalidades computacionais
são providas automaticamente sem a interação humana com o pro-
Computação sem servidor vedor do serviço.
II- Amplo acesso aos serviços: os recursos computacionais es-
A computação sem servidor, assim como a PaaS, concentra-se tão disponíveis através da Internet e são acessados via mecanismos
na criação de aplicativos, sem perder tempo com o gerenciamento padronizados para que possam ser utilizados por dispositivos mó-
contínuo dos servidores e da infraestrutura necessários para isso. veis e portáteis, computadores, etc.
O provedor em nuvem cuida de toda a configuração, planeja- III- Resource pooling: os recursos computacionais (físicos ou
mento de capacidade e gerenciamento de servidores para você e virtuais) do provedor são utilizados para servir a múltiplos usuários,
sua equipe. sendo alocados e realocados dinamicamente conforme a demanda

47
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
do usuário. Nesse cenário, o usuário do serviço não tem a noção da - Autenticidade: a ideia aqui é assegurar que a origem e autoria
localização exata do recurso, mas deve ser capaz de definir a locali- do conteúdo seja mesmo a anunciada.
zação em um nível mais alto (país, estado, região).
Existem outros termos importantes com os quais um profissio-
Está correto o contido: nal da área trabalha no dia a dia.
Podemos citar a legalidade, que diz respeito à adequação do
(A) Apenas na opção I. conteúdo protegido à legislação vigente; a privacidade, que se re-
(B) Apenas na opção II. fere ao controle sobre quem acessa as informações; e a auditoria, que
(C) Apenas nas opções II e III. permite examinar o histórico de um evento de segurança da informação,
(D) Nas opções I, II e III. rastreando as suas etapas e os responsáveis por cada uma delas.

03. (Prefeitura de São José dos Cordeiros/PB - Técnico em En- Alguns conceitos relacionados à aplicação dos pilares
fermagem - CPCON/2019) Sobre a computação em nuvem, assinale - Vulnerabilidade: pontos fracos existentes no conteúdo prote-
a alternativa que apresenta FALSA informação. gido, com potencial de prejudicar alguns dos pilares de segurança
da informação, ainda que sem intenção
(A) Reduz os custos do usuário na aquisição de hardware e software. - Ameaça: elemento externo que pode se aproveitar da vulne-
(B) Fornece diversos serviços de computação, dentre os quais, rabilidade existente para atacar a informação sensível ao negócio.
banco de dados, servidores e softwares. - Probabilidade: se refere à chance de uma vulnerabilidade ser
(C) O IaaS (infraestrutura como serviço) é uma categoria de ser- explorada por uma ameaça.
viços de computação em nuvem, responsável pela distribuição de - Impacto: diz respeito às consequências esperadas caso o con-
aplicativos de software pela Internet sob demanda e, normalmente, teúdo protegido seja exposto de forma não autorizada.
baseado em assinaturas. - Risco: estabelece a relação entre probabilidade e impacto,
(D) O PaaS (plataforma como serviço) refere-se aos serviços de ajudando a determinar onde concentrar investimentos em segu-
computação em nuvem que fornecem um ambiente sob deman- rança da informação.
da para desenvolvimento, teste, fornecimento e gerenciamento de
aplicativos de software. Tipos de ataques
(E) Permite acesso remoto às informações.
Cada tipo de ataque tem um objetivo específico, que são eles27:
- Passivo: envolve ouvir as trocas de comunicações ou gravar
GABARITO de forma passiva as atividades do computador. Por si só, o ataque
passivo não é prejudicial, mas a informação coletada durante a ses-
01 C são pode ser extremamente prejudicial quando utilizada (adultera-
ção, fraude, reprodução, bloqueio).
02 D - Ativos: neste momento, faz-se a utilização dos dados cole-
03 C tados no ataque passivo para, por exemplo, derrubar um sistema,
infectar o sistema com malwares, realizar novos ataques a partir da
máquina-alvo ou até mesmo destruir o equipamento (Ex.: intercep-
tação, monitoramento, análise de pacotes).
VÍRUS E PROGRAMAS MALICIOSOS: CONCEITOS BÁ-
SICOS, TIPOS, AÇÕES PREVENTIVAS/CORRETIVAS E Política de Segurança da Informação
SOFTWARES DE SEGURANÇA DIGITAL
Este documento irá auxiliar no gerenciamento da segurança
Segurança da informação é o conjunto de ações para proteção da organização através de regras de alto nível que representam os
de um grupo de dados, protegendo o valor que ele possui, seja para princípios básicos que a entidade resolveu adotar de acordo com
um indivíduo específico no âmbito pessoal, seja para uma organi- a visão estratégica da mesma, assim como normas (no nível táti-
zação25. co) e procedimentos (nível operacional). Seu objetivo será manter
É essencial para a proteção do conjunto de dados de uma cor- a segurança da informação. Todos os detalhes definidos nelas serão
poração, sendo também fundamentais para as atividades do negó- para informar sobre o que pode e o que é proibido, incluindo:
cio. - Política de senhas: define as regras sobre o uso de senhas nos
Quando bem aplicada, é capaz de blindar a empresa de ata- recursos computacionais, como tamanho mínimo e máximo, regra
ques digitais, desastres tecnológicos ou falhas humanas. Porém, de formação e periodicidade de troca.
qualquer tipo de falha, por menor que seja, abre brecha para pro- - Política de backup: define as regras sobre a realização de có-
blemas. pias de segurança, como tipo de mídia utilizada, período de reten-
A segurança da informação se baseia nos seguintes pilares26: ção e frequência de execução.
- Confidencialidade: o conteúdo protegido deve estar disponí- - Política de privacidade: define como são tratadas as infor-
vel somente a pessoas autorizadas. mações pessoais, sejam elas de clientes, usuários ou funcionários.
- Disponibilidade: é preciso garantir que os dados estejam - Política de confidencialidade: define como são tratadas as
acessíveis para uso por tais pessoas quando for necessário, ou seja, informações institucionais, ou seja, se elas podem ser repassadas
de modo permanente a elas. a terceiros.
- Integridade: a informação protegida deve ser íntegra, ou seja,
sem sofrer qualquer alteração indevida, não importa por quem e
nem em qual etapa, se no processamento ou no envio.
25 https://ecoit.com.br/seguranca-da-informacao/ 27 https://www.diegomacedo.com.br/modelos-e-mecanismos-de-seguranca-
26 https://bit.ly/2E5beRr -da-informacao/

48
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Códigos maliciosos (Malware) - Vírus de macro: tipo específico de vírus de script, escrito em
linguagem de macro, que tenta infectar arquivos manipulados por
Códigos maliciosos (malware) são programas especificamente aplicativos que utilizam esta linguagem como, por exemplo, os que
desenvolvidos para executar ações danosas e atividades maliciosas compõe o Microsoft Office (Excel, Word e PowerPoint, entre ou-
em um computador28. Algumas das diversas formas como os códi- tros).
gos maliciosos podem infectar ou comprometer um computador - Vírus de telefone celular: vírus que se propaga de celular para
são: celular por meio da tecnologia bluetooth ou de mensagens MMS
- Pela exploração de vulnerabilidades existentes nos programas (Multimedia Message Service). A infecção ocorre quando um usuá-
instalados; rio permite o recebimento de um arquivo infectado e o executa.
- Pela autoexecução de mídias removíveis infectadas, como
pen-drives; Worm
- Pelo acesso a páginas Web maliciosas, utilizando navegadores
vulneráveis; Worm é um programa capaz de se propagar automaticamen-
- Pela ação direta de atacantes que, após invadirem o computa- te pelas redes, enviando cópias de si mesmo de computador para
dor, incluem arquivos contendo códigos maliciosos; computador.
- Pela execução de arquivos previamente infectados, obtidos Diferente do vírus, o worm não se propaga por meio da inclu-
em anexos de mensagens eletrônicas, via mídias removíveis, em são de cópias de si mesmo em outros programas ou arquivos, mas
páginas Web ou diretamente de outros computadores (através do sim pela execução direta de suas cópias ou pela exploração auto-
compartilhamento de recursos). mática de vulnerabilidades existentes em programas instalados em
computadores.
Uma vez instalados, os códigos maliciosos passam a ter acesso Worms são notadamente responsáveis por consumir muitos
aos dados armazenados no computador e podem executar ações em recursos, devido à grande quantidade de cópias de si mesmo que
nome dos usuários, de acordo com as permissões de cada usuário. costumam propagar e, como consequência, podem afetar o desem-
Os principais motivos que levam um atacante a desenvolver penho de redes e a utilização de computadores.
e a propagar códigos maliciosos são a obtenção de vantagens fi-
nanceiras, a coleta de informações confidenciais, o desejo de au- Bot e botnet
topromoção e o vandalismo. Além disto, os códigos maliciosos são
muitas vezes usados como intermediários e possibilitam a prática Bot é um programa que dispõe de mecanismos de comunicação
de golpes, a realização de ataques e a disseminação de spam (mais com o invasor que permitem que ele seja controlado remotamente.
detalhes nos Capítulos Golpes na Internet, Ataques na Internet e Possui processo de infecção e propagação similar ao do worm, ou
Spam, respectivamente). seja, é capaz de se propagar automaticamente, explorando vulne-
A seguir, serão apresentados os principais tipos de códigos ma- rabilidades existentes em programas instalados em computadores.
liciosos existentes. A comunicação entre o invasor e o computador infectado pelo
bot pode ocorrer via canais de IRC, servidores Web e redes do tipo
Vírus P2P, entre outros meios. Ao se comunicar, o invasor pode enviar
instruções para que ações maliciosas sejam executadas, como des-
Vírus é um programa ou parte de um programa de computador, ferir ataques, furtar dados do computador infectado e enviar spam.
normalmente malicioso, que se propaga inserindo cópias de si mes- Um computador infectado por um bot costuma ser chamado de
mo e se tornando parte de outros programas e arquivos. zumbi (zombie computer), pois pode ser controlado remotamente,
Para que possa se tornar ativo e dar continuidade ao processo sem o conhecimento do seu dono. Também pode ser chamado de
de infecção, o vírus depende da execução do programa ou arquivo spam zombie quando o bot instalado o transforma em um servidor
hospedeiro, ou seja, para que o seu computador seja infectado é de e-mails e o utiliza para o envio de spam.
preciso que um programa já infectado seja executado. Botnet é uma rede formada por centenas ou milhares de com-
O principal meio de propagação de vírus costumava ser os putadores zumbis e que permite potencializar as ações danosas
disquetes. Com o tempo, porém, estas mídias caíram em desuso e executadas pelos bots.
começaram a surgir novas maneiras, como o envio de e-mail. Atual- Quanto mais zumbis participarem da botnet mais potente ela
mente, as mídias removíveis tornaram-se novamente o principal será. O atacante que a controlar, além de usá-la para seus próprios
meio de propagação, não mais por disquetes, mas, principalmente, ataques, também pode alugá-la para outras pessoas ou grupos que
pelo uso de pen-drives. desejem que uma ação maliciosa específica seja executada.
Há diferentes tipos de vírus. Alguns procuram permanecer ocul- Algumas das ações maliciosas que costumam ser executadas
tos, infectando arquivos do disco e executando uma série de ativi- por intermédio de botnets são: ataques de negação de serviço,
dades sem o conhecimento do usuário. Há outros que permanecem propagação de códigos maliciosos (inclusive do próprio bot), coleta
inativos durante certos períodos, entrando em atividade apenas em de informações de um grande número de computadores, envio de
datas específicas. Alguns dos tipos de vírus mais comuns são: spam e camuflagem da identidade do atacante (com o uso de pro-
- Vírus propagado por e-mail: recebido como um arquivo ane- xies instalados nos zumbis).
xo a um e-mail cujo conteúdo tenta induzir o usuário a clicar sobre
este arquivo, fazendo com que seja executado. Spyware
- Vírus de script: escrito em linguagem de script, como VBScript
e JavaScript, e recebido ao acessar uma página Web ou por e-mail, Spyware é um programa projetado para monitorar as ativida-
como um arquivo anexo ou como parte do próprio e-mail escrito des de um sistema e enviar as informações coletadas para terceiros.
em formato HTML. Pode ser usado tanto de forma legítima quanto maliciosa, de-
pendendo de como é instalado, das ações realizadas, do tipo de
informação monitorada e do uso que é feito por quem recebe as
informações coletadas. Pode ser considerado de uso:
28 https://cartilha.cert.br/malware/

49
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
- Legítimo: quando instalado em um computador pessoal, pelo Ransomware
próprio dono ou com consentimento deste, com o objetivo de veri-
ficar se outras pessoas o estão utilizando de modo abusivo ou não Ransomware é um tipo de código malicioso que torna inacessí-
autorizado. veis os dados armazenados em um equipamento, geralmente usan-
- Malicioso: quando executa ações que podem comprometer do criptografia, e que exige pagamento de resgate (ransom) para
a privacidade do usuário e a segurança do computador, como mo- restabelecer o acesso ao usuário29.
nitorar e capturar informações referentes à navegação do usuário O pagamento do resgate geralmente é feito via bitcoins.
ou inseridas em outros programas (por exemplo, conta de usuário Pode se propagar de diversas formas, embora as mais comuns
e senha). sejam através de e-mails com o código malicioso em anexo ou que
induzam o usuário a seguir um link e explorando vulnerabilidades
Alguns tipos específicos de programas spyware são: em sistemas que não tenham recebido as devidas atualizações de
Keylogger: capaz de capturar e armazenar as teclas digitadas segurança.
pelo usuário no teclado do computador.
Screenlogger: similar ao keylogger, capaz de armazenar a posi- Mecanismos de segurança
ção do cursor e a tela apresentada no monitor, nos momentos em
que o mouse é clicado, ou a região que circunda a posição onde o Um mecanismo de segurança da informação é uma ação, técni-
mouse é clicado. ca, método ou ferramenta estabelecida com o objetivo de preservar
Adware: projetado especificamente para apresentar propagandas. o conteúdo sigiloso e crítico para uma empresa.
Ele pode ser aplicado de duas formas:
Backdoor - Controle físico: é a tradicional fechadura, tranca, porta e qual-
quer outro meio que impeça o contato ou acesso direto à informa-
Backdoor é um programa que permite o retorno de um invasor ção ou infraestrutura que dá suporte a ela
a um computador comprometido, por meio da inclusão de serviços - Controle lógico: nesse caso, estamos falando de barreiras ele-
criados ou modificados para este fim. trônicas, nos mais variados formatos existentes, desde um antiví-
Pode ser incluído pela ação de outros códigos maliciosos, que rus, firewall ou filtro anti-spam, o que é de grande valia para evitar
tenham previamente infectado o computador, ou por atacantes, infecções por e-mail ou ao navegar na internet, passa por métodos
que exploram vulnerabilidades existentes nos programas instalados de encriptação, que transformam as informações em códigos que
no computador para invadi-lo. terceiros sem autorização não conseguem decifrar e, há ainda, a
Após incluído, o backdoor é usado para assegurar o acesso fu- certificação e assinatura digital, sobre as quais falamos rapidamente
turo ao computador comprometido, permitindo que ele seja aces- no exemplo antes apresentado da emissão da nota fiscal eletrônica.
sado remotamente, sem que haja necessidade de recorrer nova-
mente aos métodos utilizados na realização da invasão ou infecção Todos são tipos de mecanismos de segurança, escolhidos por
e, na maioria dos casos, sem que seja notado.
profissional habilitado conforme o plano de segurança da informa-
ção da empresa e de acordo com a natureza do conteúdo sigiloso.
Cavalo de troia (Trojan)
Criptografia
Cavalo de troia, trojan ou trojan-horse, é um programa que,
além de executar as funções para as quais foi aparentemente proje-
É uma maneira de codificar uma informação para que somen-
tado, também executa outras funções, normalmente maliciosas, e
te o emissor e receptor da informação possa decifrá-la através de
sem o conhecimento do usuário.
Exemplos de trojans são programas que você recebe ou obtém uma chave que é usada tanto para criptografar e descriptografar a
de sites na Internet e que parecem ser apenas cartões virtuais ani- informação30.
mados, álbuns de fotos, jogos e protetores de tela, entre outros. Tem duas maneiras de criptografar informações:
Estes programas, geralmente, consistem de um único arquivo e ne- - Criptografia simétrica (chave secreta): utiliza-se uma chave
cessitam ser explicitamente executados para que sejam instalados secreta, que pode ser um número, uma palavra ou apenas uma
no computador. sequência de letras aleatórias, é aplicada ao texto de uma mensa-
Trojans também podem ser instalados por atacantes que, após gem para alterar o conteúdo de uma determinada maneira. Tanto
invadirem um computador, alteram programas já existentes para o emissor quanto o receptor da mensagem devem saber qual é a
que, além de continuarem a desempenhar as funções originais, chave secreta para poder ler a mensagem.
também executem ações maliciosas. - Criptografia assimétrica (chave pública):tem duas chaves re-
lacionadas. Uma chave pública é disponibilizada para qualquer pes-
Rootkit soa que queira enviar uma mensagem. Uma segunda chave privada
é mantida em segredo, para que somente você saiba.
Rootkit é um conjunto de programas e técnicas que permite
esconder e assegurar a presença de um invasor ou de outro código Qualquer mensagem que foi usada a chave púbica só poderá
malicioso em um computador comprometido. ser descriptografada pela chave privada.
Rootkits inicialmente eram usados por atacantes que, após in- Se a mensagem foi criptografada com a chave privada, ela só
vadirem um computador, os instalavam para manter o acesso pri- poderá ser descriptografada pela chave pública correspondente.
vilegiado, sem precisar recorrer novamente aos métodos utilizados A criptografia assimétrica é mais lenta o processamento para
na invasão, e para esconder suas atividades do responsável e/ou criptografar e descriptografar o conteúdo da mensagem.
dos usuários do computador. Apesar de ainda serem bastante usa- Um exemplo de criptografia assimétrica é a assinatura digital.
dos por atacantes, os rootkits atualmente têm sido também utili-
zados e incorporados por outros códigos maliciosos para ficarem
29 https://cartilha.cert.br/ransomware/
ocultos e não serem detectados pelo usuário e nem por mecanis-
30 https://centraldefavoritos.com.br/2016/11/19/conceitos-de-protecao-e-se-
mos de proteção.
guranca-da-informacao-parte-2/

50
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
- Assinatura Digital: é muito usado com chaves públicas e permitem ao destinatário verificar a autenticidade e a integridade da infor-
mação recebida. Além disso, uma assinatura digital não permite o repúdio, isto é, o emitente não pode alegar que não realizou a ação. A
chave é integrada ao documento, com isso se houver alguma alteração de informação invalida o documento.
- Sistemas biométricos: utilizam características físicas da pessoa como os olhos, retina, dedos, digitais, palma da mão ou voz.

Antivírus

O antivírus é um software de proteção do computador que elimina programas maliciosos que foram desenvolvidos para prejudicar o
computador.
O vírus infecta o computador através da multiplicação dele (cópias) com intenção de causar danos na máquina ou roubar dados.
O antivírus analisa os arquivos do computador buscando padrões de comportamento e códigos que não seriam comuns em algum tipo
de arquivo e compara com seu banco de dados. Com isto ele avisa o usuário que tem algo suspeito para ele tomar providência.
O banco de dados do antivírus é muito importante neste processo, por isso, ele deve ser constantemente atualizado, pois todos os
dias são criados vírus novos.
Uma grande parte das infecções de vírus tem participação do usuário. Os mais comuns são através de links recebidos por e-mail ou do-
wnload de arquivos na internet de sites desconhecidos ou mesmo só de acessar alguns sites duvidosos pode acontecer uma contaminação.
Outro jeito de contaminar é através de dispositivos de armazenamentos móveis como HD externo e pen drive. Nestes casos devem
acionar o antivírus para fazer uma verificação antes.
Existem diversas opções confiáveis, tanto gratuitas quanto pagas. Entre as principais estão:
- Avast;
- AVG;
- Norton;
- Avira;
- Kaspersky;
- McAffe.

Filtro anti-spam

Spam é o termo usado para referir-se aos e-mails não solicitados, que geralmente são enviados para um grande número de pessoas.
Spam zombies são computadores de usuários finais que foram comprometidos por códigos maliciosos em geral, como worms, bots,
vírus e cavalos de tróia. Estes códigos maliciosos, uma vez instalados, permitem que spammers utilizem a máquina para o envio de spam,
sem o conhecimento do usuário. Enquanto utilizam máquinas comprometidas para executar suas atividades, dificultam a identificação
da origem do spam e dos autores também. Os spams zombies são muito explorados pelos spammers, por proporcionar o anonimato que
tanto os protege.
Estes filtros são responsáveis por evitar que mensagens indesejadas cheguem até a sua caixa de entrada no e-mail.

Antimalwares

Ferramentas antimalware são aquelas que procuram detectar e, então, anular ou remover os códigos maliciosos de um computador.
Antivírus, antispyware, antirootkit e antitrojan são exemplos de ferramentas deste tipo.

Firewall

Firewall ou “parede de fogo” é uma solução de segurança baseada em hardware ou software (mais comum) que, a partir de um con-
junto de regras ou instruções, analisa o tráfego de rede para determinar quais operações de transmissão ou recepção de dados podem
ser executadas. O firewall se enquadra em uma espécie de barreira de defesa. A sua missão, por assim dizer, consiste basicamente em
bloquear tráfego de dados indesejado e liberar acessos bem-vindos.

Representação de um firewall.
Fonte: https://helpdigitalti.com.br/o-que-e-firewall-conceito-tipos-e-arquiteturas/#:~:text=Firewall%20%C3%A9%20uma%20solu%C3%A7%-
C3%A3o%20de,de%20dados%20podem%20ser%20executadas.

51
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Procedimentos de backup QUESTÕES

Backup é uma cópia de segurança que você faz em outro dis- 01. (Prefeitura de Portão/RS - Médico - OBJETIVA/2019) Para
positivo de armazenamento como HD externo, armazenamento na que a segurança da informação seja efetiva, é necessário que os
nuvem ou pen drive por exemplo, para caso você perca os dados serviços disponibilizados e as comunicações realizadas garantam
originais de sua máquina devido a vírus, dados corrompidos ou ou- alguns requisitos básicos de segurança. Sobre esses requisitos, assi-
tros motivos e assim possa restaurá-los (recuperá-los)31. nalar a alternativa CORRETA:

Tipos de backup (A) Repúdio de ações realizadas, integridade, monitoramento


- Backups completos (normal): cópias de todos os arquivos, e irretratabilidade.
independente de backups anteriores. Conforma a quantidade de (B) Protocolos abertos, publicidade de informação, incidentes
dados ele pode ser é um backup demorado. Ele marca os arquivos e segurança física.
copiados. (C) Confidencialidade, integridade, disponibilidade e autentica-
- Backups incrementais: é uma cópia dos dados criados e al- ção.
terados desde o último backup completo (normal) ou incremental, (D) Indisponibilidade, acessibilidade, repúdio de ações realiza-
ou seja, cópia dos novos arquivos criados. Por ser mais rápidos e das e planejamento.
ocupar menos espaço no disco ele tem maior frequência de backup.
Ele marca os arquivos copiados. 02. (Prefeitura de Jahu/SP - Monitor de Alunos com Necessi-
- Backups diferenciais: da mesma forma que o backup incre- dades Educacionais Especiais - OBJETIVA/2019) Em conformidade
mental, o backup diferencial só copia arquivos criados ou alterados com a Cartilha de Segurança para Internet, quanto a alguns cuida-
desde o último backup completo (normal), mas isso pode variar em dos que se deve tomar ao usar redes, independentemente da tec-
diferentes programas de backup. Juntos, um backup completo e nologia, analisar os itens abaixo:
um backup diferencial incluem todos os arquivos no computador,
alterados e inalterados. No entanto, a diferença deste para o incre- I. Manter o computador atualizado, com as versões mais recen-
mental é que cada backup diferencial mapeia as modificações em tes e com todas as atualizações aplicadas.
relação ao último backup completo. Ele é mais seguro na manipula- II. Utilizar e manter atualizados mecanismos de segurança,
ção de dados. Ele não marca os arquivos copiados. como programa antimalware e firewall pessoal.
III. Ser cuidadoso ao elaborar e ao usar suas senhas.
Formas de segurança e proteção
Estão CORRETOS:
- Controles de acesso através de senhas para quem acessa, (A) Somente os itens I e II.
com autenticação, ou seja, é a comprovação de que uma pessoa (B) Somente os itens I e III.
que está acessando o sistema é quem ela diz ser32. (C) Somente os itens II e III.
- Se for empresa e os dados a serem protegidos são extrema- (D) Todos os itens.
mente importantes, pode-se colocar uma identificação biométrica
como os olhos ou digital. 03. (Prefeitura de Cunha Porã/SC - Enfermeiro - UniFil/2020)
- Evitar colocar senhas com dados conhecidos como data de Devido aos riscos e a sua importância, a segurança da informação
nascimento ou placa do seu carro. é um tópico que se tornou um objetivo constante para as organi-
- As senhas ideais devem conter letras minúsculas e maiúscu- zações. Contudo, para que ele possa ser reforçado nas empresas,
las, números e caracteres especiais como @ # $ % & *. é preciso atenção aos três pilares que sustentam a segurança das
- Instalação de antivírus com atualizações constantes. informações em um ambiente informatizado. Assinale a alternativa
- Todos os softwares do computador devem sempre estar atua- que não representa um dos pilares de segurança da informação.
lizados, principalmente os softwares de segurança e sistema opera-
cional. No Windows, a opção recomendada é instalar atualizações (A) Confidencialidade.
automaticamente. (B) Integridade.
- Dentre as opções disponíveis de configuração qual opção é a (C) Disponibilidade.
recomendada. (D) Imparcialidade.
- Sempre estar com o firewall ativo.
- Anti-spam instalados. 04. ( Prefeitura de Santa Luzia/MG - Arquivista - IBGP/2018)
- Manter um backup para caso de pane ou ataque. Sobre as maneiras como os códigos maliciosos podem atuar em um
- Evite sites duvidosos. computador, analise as afirmativas a seguir:
- Não abrir e-mails de desconhecidos e principalmente se tiver
anexos (link). I- Execução de arquivos previamente infectados.
- Evite ofertas tentadoras por e-mail ou em publicidades. II- Autoexecução de mídias removíveis infectadas.
- Tenha cuidado quando solicitado dados pessoais. Caso seja III- Exploração de vulnerabilidades existentes nos programas
necessário, fornecer somente em sites seguros. instalados.
- Cuidado com informações em redes sociais.
- Instalar um anti-spyware. Estão CORRETAS as afirmativas:
- Para se manter bem protegido, além dos procedimentos ante-
riores, deve-se ter um antivírus instalado e sempre atualizado. (A) I e II apenas.
(B) I e III apenas.
(C) II e III apenas.
31 https://centraldefavoritos.com.br/2017/07/02/procedimentos-de-backup/
(D) I, II e III.
32 https://centraldefavoritos.com.br/2016/11/19/conceitos-de-protecao-e-se-
guranca-da-informacao-parte-3/

52
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
05. (Câmara de Perdizes/MG - Advogado - IBGP/2019) São O Facebook é uma rede social versátil e abrangente, que reúne
considerados tipos de vírus mais comuns, EXCETO: muitas funcionalidades no mesmo lugar. Serve tanto para gerar ne-
gócios quanto para conhecer pessoas, relacionar-se com amigos e
(A) Vírus propagado por e-mail. família, informar-se, dentre outros34.
(B) Vírus de script.
(C) Vírus de macro. WhatsApp
(D) Vírus de micro.
É uma rede para mensagens instantânea. Faz também ligações
GABARITO telefônicas através da internet gratuitamente.

01 C
02 D
03 D
04 D
05 D

REDES SOCIAIS A maioria das pessoas que têm um smartphone também o têm
instalado. Por aqui, aliás, o aplicativo ganhou até o apelido de “zap
REDES SOCIAIS zap”.
Para muitos brasileiros, o WhatsApp é “a internet”. Algumas
Redes sociais são estruturas formadas dentro ou fora da inter- operadoras permitem o uso ilimitado do aplicativo, sem debitar do
net, por pessoas e organizações que se conectam a partir de inte- consumo do pacote de dados. Por isso, muita gente se informa atra-
resses ou valores comuns33. Muitos confundem com mídias sociais, vés dele.
porém as mídias são apenas mais uma forma de criar redes sociais,
inclusive na internet. YouTube
O propósito principal das redes sociais é o de conectar pessoas.
Você preenche seu perfil em canais de mídias sociais e interage com Rede que pertence ao Google e é especializada em vídeos.
as pessoas com base nos detalhes que elas leem sobre você. Po-
de-se dizer que redes sociais são uma categoria das mídias sociais.
Mídia social, por sua vez, é um termo amplo, que abrange
diferentes mídias, como vídeos, blogs e as já mencionadas redes
sociais. Para entender o conceito, pode-se olhar para o que com-
preendíamos como mídia antes da existência da internet: rádio, TV,
jornais, revistas. Quando a mídia se tornou disponível na internet,
ela deixou de ser estática, passando a oferecer a possibilidade de
interagir com outras pessoas. O YouTube é a principal rede social de vídeos on-line da atuali-
No coração das mídias sociais estão os relacionamentos, que são
dade, com mais de 1 bilhão de usuários ativos e mais de 1 bilhão de
comuns nas redes sociais — talvez por isso a confusão. Mídias sociais
horas de vídeos visualizados diariamente.
são lugares em que se pode transmitir informações para outras pessoas.
Estas redes podem ser de relacionamento, como o Facebook,
Instagram
profissionais, como o Linkedin ou mesmo de assuntos específicos
como o Youtube que compartilha vídeos.
Rede para compartilhamento de fotos e vídeos.
As principais são: Facebook, WhatsApp, Youtube, Instagram,
Twitter, Linkedin, Pinterest, Snapchat, Skype e agora mais recente-
mente, o Tik Tok.

Facebook

Seu foco principal é o compartilhamento de assuntos pessoais


de seus membros.

O Instagram foi uma das primeiras redes sociais exclusivas para


acesso por meio do celular. E, embora hoje seja possível visualizar
publicações no desktop, seu formato continua sendo voltado para
dispositivos móveis.
É possível postar fotos com proporções diferentes, além de ou-
tros formatos, como vídeos, stories e mais.
33 https://resultadosdigitais.com.br/especiais/tudo-sobre-redes-sociais/ 34 https://bit.ly/32MhiJ0

53
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Os stories são os principais pontos de inovação do aplicativo. Pinterest
Já são diversos formatos de post por ali, como perguntas, enquetes,
vídeos em sequência e o uso de GIFs. Rede social focada em compartilhamento de fotos, mas tam-
Em 2018, foi lançado o IGTV. E em 2019 o Instagram Cenas, bém compartilha vídeos.
uma espécie de imitação do TikTok: o usuário pode produzir vídeos
de 15 segundos, adicionando música ou áudios retirados de outro
clipezinho. Há ainda efeitos de corte, legendas e sobreposição para
transições mais limpas – lembrando que esta é mais uma das fun-
cionalidades que atuam dentro dos stories.

Twitter

Rede social que funciona como um microblog onde você pode


seguir ou ser seguido, ou seja, você pode ver em tempo real as
atualizações que seus contatos fazem e eles as suas. O Pinterest é uma rede social de fotos que traz o conceito de
“mural de referências”. Lá você cria pastas para guardar suas inspi-
rações e também pode fazer upload de imagens assim como colocar
links para URLs externas.
Os temas mais populares são:
- Moda;
- Maquiagem;
- Casamento;
- Gastronomia;
- Arquitetura;
- Faça você mesmo;
- Gadgets;
O Twitter atingiu seu auge em meados de 2009 e de lá para cá - Viagem e design.
está em declínio, mas isso não quer dizer todos os públicos pararam
de usar a rede social. Seu público é majoritariamente feminino em todo o mundo.
A rede social é usada principalmente como segunda tela em
que os usuários comentam e debatem o que estão assistindo na Snapchat
TV, postando comentários sobre noticiários, reality shows, jogos de
futebol e outros programas. Rede para mensagens baseado em imagens.
Nos últimos anos, a rede social acabou voltando a ser mais uti-
lizada por causa de seu uso por políticos, que divulgam informações
em primeira mão por ali.

Linkedin

Voltada para negócios. A pessoa que participa desta rede quer


manter contatos para ter ganhos profissionais no futuro, como um
emprego por exemplo.

O Snapchat é um aplicativo de compartilhamento de fotos, ví-


deos e texto para mobile. Foi considerado o símbolo da pós-moder-
nidade pela sua proposta de conteúdos efêmeros conhecidos como
snaps, que desaparecem algumas horas após a publicação.
A rede lançou o conceito de “stories”, despertando o interesse
de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, que diversas vezes tentou
adquirir a empresa, mas não obteve sucesso. Assim, o CEO lançou
a funcionalidade nas redes que já haviam sido absorvidas, criando
A maior rede social voltada para profissionais tem se tornado os concorrentes WhatsApp Status, Facebook Stories e Instagram
cada vez mais parecida com outros sites do mesmo tipo, como o Stories.
Facebook. Apesar de não ser uma rede social de nicho, tem um público
A diferença é que o foco são contatos profissionais, ou seja: no bem específico, formado por jovens hiperconectados.
lugar de amigos, temos conexões, e em vez de páginas, temos com-
panhias. Outro grande diferencial são as comunidades, que reúnem Skype
interessados em algum tema, profissão ou mercado específicos.
É usado por muitas empresas para recrutamento de profissio- O Skype é um software da Microsoft com funções de videocon-
nais, para troca de experiências profissionais em comunidades e ferência, chat, transferência de arquivos e ligações de voz. O serviço
outras atividades relacionadas ao mundo corporativo também opera na modalidade de VoIP, em que é possível efetuar
uma chamada para um telefone comum, fixo ou celular, por um
aparelho conectado à internet

54
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
02. (CRF/AC - Advogado - INAZ do Pará/2019) “Trata-se da
maior rede social voltada para profissionais, formada por comuni-
dades que reúnem interessados em algum tema, profissão ou mer-
cado específico. É usado por muitas empresas para recrutamento
de pessoas, para troca de experiências profissionais e outras ativi-
dades relacionadas ao mundo corporativo”.
O trecho textual acima se refere a(o):
O Skype é uma versão renovada e mais tecnológica do extinto
MSN Messenger. (A) Instagram.
Contudo, o usuário também pode contratar mais opções de (B) Pinterest.
uso – de forma pré-paga ou por meio de uma assinatura – para (C) Linkedln.
realizar chamadas para telefones fixos e chamadas com vídeo em (D) Snapchat.
grupo ou até mesmo enviar SMS. (E) Google Corp.
É possível, no caso, obter um número de telefone por meio pró-
prio do Skype, seja ele local ou de outra região/país, e fazer ligações 03. (SAAE de Juazeiro/BA - Engenheiro Civil - Asconprev/2019)
a taxas reduzidas. É um dos aplicativos de mensagem mais usados no mundo, espe-
Tudo isso torna o Skype uma ferramenta válida para o mundo cialmente fora do seu país de origem, os Estados Unidos. Em agosto
corporativo, sendo muito utilizado por empresas de diversos nichos de 2014, já era o aplicativo de mensagens mais popular do mundo
e tamanhos. com 600 milhões de usuários ativos mensalmente. Em janeiro de
2015, esse número chegou a 700 milhões. Um ano depois, o núme-
Tik Tok ro de usuários chegou a 1 bilhão. O nome deste aplicativo refere-se
a uma expressão, em inglês, que pode ser traduzida como “E aí?”
O TikTok, aplicativo de vídeos e dublagens disponível para iOS e ou “Como vai?”. A descrição acima se refere ao:
Android, possui recursos que podem tornar criações de seus usuá-
rios mais divertidas e, além disso, aumentar seu número de segui- (A) WhatsApp
dores35. (B) Facebook
(C) Instagran
(D) Twitter
(E) Orkut

04. (Prefeitura de Jardim de Piranhas/RN - Agente de Admi-


nistração - FUNCERN/2019) Marcela é compositora e cantora solo.
Ela sempre filma suas performances e seus shows, mas gostaria
muito de divulgar seu trabalho em uma rede social para ficar mais
conhecida. Para isso, deve encontrar uma rede social que possa
criar seu espaço e postar seus vídeos. Assim, a melhor rede social
para Marcela fazer a divulgação de seu trabalho é o

Além de vídeos simples, é possível usar o TikTok para postar (A) Telegram.
duetos com cantores famosos, criar GIFs, slideshow animado e sin- (B) Youtube.
cronizar o áudio de suas dublagens preferidas para que pareça que (C) Flickr.
é você mesmo falando. (D) LinkedIn.
O TikTok cresceu graças ao seu apelo para a viralização. Os
usuários fazem desafios, reproduzem coreografias, imitam pessoas 05. (Consórcio do Trairí/RN - Agente Administrativo - FUN-
famosas, fazem sátiras que instigam o usuário a querer participar da CERN) Sandra tem uma loja de roupas e deseja aumentar o lucro
brincadeira — o que atrai muito o público jovem. de suas vendas montando uma conta em uma rede social, na qual
possa postar várias fotos dos seus produtos e divulgar bastante sua
loja por esse meio on-line. A melhor alternativa para Sandra abrir
QUESTÕES sua conta é:

01. (Prefeitura de Linhares/ES - Agente Administrativo - IBA- (A) No Youtube.


DE/2020) Facebook, Instagram e Twiter são softwares conhecidos (B) No Instagram.
como: (C) No WhatsApp.
(D) No Skype.
(A) Redes Sociais.
(B) WebMail. GABARITO
(C) Correio Eletrônico.
(D) Sistema operacional. 01 A
(E) Comércio Eletrônico.
02 C
03 A
04 B
05 B
35 https://canaltech.com.br/redes-sociais/tiktok-dicas-e-truques/

55
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
No modelo cliente-servidor, um processo cliente em uma má-
NOÇÕES SOBRE REDES E WI-FI quina se comunica com um processo servidor na outra máquina.
O termo processo se refere a um programa em execução.
Uma rede de computadores é formada por um conjunto de Uma máquina pode rodar vários processos clientes e servido-
módulos processadores capazes de trocar informações e comparti- res simultaneamente.
lhar recursos, interligados por um sistema de comunicação (meios
de transmissão e protocolos)36. Equipamentos de redes

Existem diversos equipamentos que podem ser utilizados nas


redes de computadores37. Alguns são:
- Modem (Modulador/Demodulador): é um dispositivo de
hardware físico que funciona para receber dados de um provedor
de serviços de internet através de um meio de conexão como cabos,
fios ou fibra óptica. .Cconverte/modula o sinal digital em sinal analó-
gico e transmite por fios, do outro lado, deve ter outro modem para
receber o sinal analógico e demodular, ou seja, converter em sinal digi-
tal, para que o computador possa trabalhar com os dados. Em alguns
tipos, a transmissão já é feita enviando os próprios sinais digitais, não
precisando usar os modens, porém, quando se transmite sinais através
da linha telefônica é necessário o uso dos modems.
- Placa de rede: possui a mesma tarefa dos modens, porém,
somente com sinais digitais, ou seja, é o hardware que permite os
As redes de computadores possuem diversas aplicações co- computadores se comunicarem através da rede. A função da placa
merciais e domésticas. é controlar todo o recebimento e envio dos dados através da rede.
As aplicações comerciais proporcionam: - Hub: atuam como concentradores de sinais, retransmitindo
- Compartilhamento de recursos: impressoras, licenças de soft- os dados enviados às máquinas ligadas a ele, ou seja, o hub tem a
ware, etc. função de interligar os computadores de uma rede local, recebendo
- Maior confiabilidade por meio de replicação de fontes de da- dados de um computador e transmitindo à todos os computadores
dos da rede local.
- Economia de dinheiro: telefonia IP (VoIP), vídeo conferência, - Switch: semelhante ao hub – também chamado de hub in-
etc. teligente - verifica os cabeçalhos das mensagens e a retransmite
- Meio de comunicação eficiente entre os empregados da em- somente para a máquina correspondente, criando um canal de co-
presa: e-mail, redes sociais, etc. municação exclusiva entre origem e destino.
- Comércio eletrônico. - Roteador: ao invés de ser conectado às máquinas, está co-
nectado às redes. Além de possuir as mesmas funções do switch,
As aplicações domésticas proporcionam: possui a capacidade de escolher a melhor rota que um determinado
- Acesso a informações remotas: jornais, bibliotecas digitais, etc. pacote de dados deve seguir para chegar a seu destino. Podemos
- Comunicação entre as pessoas: Twitter, Facebook, Instagram, citar como exemplo uma cidade grande e o roteador escolhe o ca-
etc. minho mais curto e menos congestionado.
- Entretenimento interativo: distribuição de músicas, filmes, - Access Point (Ponto de acesso – AP): similar ao hub, oferece
etc. sinais de rede em formas de rádio, ou seja, o AP é conectado a uma
- Comércio eletrônico. rede cabeada e serve de ponto de acesso a rede sem fio.
- Jogos.
Meios de transmissão
Modelo Cliente-Servidor
Existem várias formas de transmitir bits de uma máquina para
Uma configuração muito comum em redes de computadores outra através de meios de transmissão, com diferenças em termos
emprega o modelo cliente-servidor O cliente solicita o recurso ao de largura de banda, atraso, custo e facilidade de instalação e ma-
servidor: nutenção. Existem dois tipos de meios de transmissão: guiados e
não guiados:
- Meios de transmissão guiados: os cabos de par trançado,
cabo coaxial e fibra ótica;
- Meios de transmissão não guiados: as redes terrestres sem
fios, satélites e raios laser transmitidos pelo ar.

36 NASCIMENTO, E. J. Rede de Computadores. Universidade Federal do Vale do


São Francisco. 37 http://www.inf.ufpr.br/albini/apostila/Apostila_Redes1_Beta.pdf

56
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
tetora que absorve a luz. A fibra de vidro possui forma cilíndrica,
flexível e capaz de conduzir um raio ótico. Estas fibras óticas são
agrupadas em um cabo ótico, e podem ser colocadas várias fibras
no mesmo cabo.
Nas fibras óticas, um pulso de luz indica um bit e a ausência de
luz indica zero bit. Para conseguir transmitir informações através da
fibra ótica, é necessário conectar uma fonte de luz em uma ponta
da fibra ótica e um detector na outra ponta, assim, a ponta que vai
transmitir converte o sinal elétrico e o transmite por pulsos de luz, a
ponta que vai receber deve converter a saída para um sinal elétrico.
As fibras óticas possuem quatro características que a diferem
dos cabos de par traçado e coaxial, que são:
- Maior capacidade: possui largura de banda imensa com ve-
locidade de dados de centenas de Gbps por distâncias de dezenas
Fonte: http://eletronicaapolo.com.br/novidades/o-que-e-o-cabo- de quilômetros;
-de-rede-par-trancado - Menor tamanho e menor peso: são muito finas e por isso, pe-
sam pouco, desta forma, reduz os requisitos de suporte estrutural;
Cabos de pares trançado - Menor atenuação: possui menor atenuação comparando
com os cabos de par trançado e coaxial, por isso, é constante em
Os pares trançados são o meio de transmissão mais antigo um intervalo de frequência maior;
e ainda mais comum em virtude do custo e desempenho obtido. - Isolamento eletromagnético: as fibras óticas não sofrem in-
Consiste em dois fios de cobre encapados e entrelaçados. Este en- terferências externas, à ruído de impulso ou à linha cruzada, e estas
trelaçado cancela as ondas de diferentes partes dos fios diminuin- fibras também não irradiam energia.
do a interferência. Os pares trançados são comuns em sistemas Esse sistema das fibras óticas funciona somente por um princí-
telefônicos, que é usado tanto para chamadas telefônicas quanto pio da física: quando um raio de luz passa de um meio para outro, o
para o acesso à internet por ADSL, estes pares podem se estender raio é refratado no limite sílica/ar. A quantidade de refração depen-
por diversos quilômetros, porém, quando a distância for muito lon- de das propriedades das duas mídias (índices de refração). Para ân-
ga, existe a necessidade de repetidores. E quando há muitos pa- gulos de incidência acima de um certo valor crítico ou acima é inter-
res trançados em paralelo percorrendo uma distância grande, são ceptado dentro da fibra e pode se propagar por muitos quilômetros
envoltos por uma capa protetora. Existem dois tipos básico deste praticamente sem perdas. Podemos classificar as fibras óticas em:
cabo, que são: - Monomodo: se o diâmetro da fibra for reduzido a alguns com-
- UTP (Unshielded Twisted Pair – Par trançado sem blinda- primentos de onda, a luz só poderá se propagar em linha reta, sem
gem): utilizado em redes de baixo custo, possui fácil manuseio e ricochetear, produzindo assim, uma fibra de modo único (fibra mo-
instalação e podem atingir até 100 Mbps na taxa de transmissão nomodo). Estas fibras são mais caras, porém amplamente utilizadas
(utilizando as especificações 5 e 5e). em distâncias mais longas podendo transmitir dados a 100 Gbps
- STP (Shielded Twisted Pair – Par trançado com blindagem): por 100 quilômetros sem amplificação.
possui uma utilização restrita devido ao seu custo alto, por isso, é - Multimodo: se o raio de luz incidente na fronteira acima do
utilizado somente em ambientes com alto nível de interferência ele- ângulo critico for refletido internamente, muitos raios distintos es-
tromagnética. Existem dois tipos de STP: tarão ricocheteando em diferentes ângulos. Dizemos que cada raio
1- Blindagem simples: todos os pares são protegidos por uma tem um modo específico, desta forma, na fibra multimodo, os raios
camada de blindagem. são ricocheteados em diferentes ângulos
2- Blindagem par a par: cada par de fios é protegido por uma
camada de blindagem. Tipos de Redes

Cabo coaxial Redes Locais

O cabo coaxial consiste em um fio condutor interno envolto por As redes locais (LAN - Local Area Networks) são normalmen-
anéis isolantes regularmente espaçados e cercado por um condutor te redes privativas que permitem a interconexão de equipamentos
cilíndrico coberto por uma malha. O cabo coaxial é mais resistente à presentes em uma pequena região (um prédio ou uma universidade
interferência e linha cruzada do que os cabos de par trançado, além ou que tenha poucos quilômetros de extensão).
de poder ser usado em distâncias maiores e com mais estações. As LANs podem ser cabeadas, sem fio ou mistas.
Assim, o cabo coaxial oferece mais capacidade, porém, é mais caro Atualmente as LANs cabeadas mais usadas usam o padrão IEEE
do que o cabo de par trançado blindado. 802.3
Os cabos coaxiais eram usados no sistema telefônico para lon- Para melhorar a eficiência, cada computador é ligado por um
gas distância, porém, foram substituídos por fibras óticas. Estes ca- cabo a uma porta de um comutador (switch).
bos estão sendo usados pelas redes de televisão a cabo e em redes
metropolitanas.

Fibras óticas

A fibra ótica é formada pelo núcleo, vestimenta e jaqueta, o


centro é chamado de núcleo e a próxima camada é a vestimenta,
tanto o núcleo quanto a vestimenta consistem em fibras de vidro
com diferentes índices de refração cobertas por uma jaqueta pro-

57
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA

Exemplo de rede WAN.


Fonte: https://10infrcpaulo.wordpress.com/2012/12/11/wan
Exemplo de rede LAN.
Fonte: http://www.bosontreinamentos.com.br/redes-compu- Nos enlaces de longa distância em redes WAN são usadas tec-
tadores/qual-a-diferenca-entre-lan-man-e-wan-em-redes-de-da- nologias que permitem o tráfego de grandes volumes de dados:
dos SONET, SDH, etc.
Quando não há cabos, satélites podem ser utilizados em parte
Dependendo do cabeamento e tecnologia usados, essas redes dos enlaces.
atingem velocidades de 100Mbps, 1Gbps ou até 10Gbps. A sub-rede é em geral operada por uma grande empresa de
Com a preferência do consumidor por notebooks, as LANs sem telecomunicações conhecida como provedor de serviço de Internet
fio ficaram bastante populares. O padrão mais utilizado é o IEEE (ISP - Internet Service Provider).
802.11 conhecido como Wi-Fi. A versão mais recente, o 802.11n,
permite alcançar velocidades da ordem de 300Mbps. Topologia de redes
LANs sem fio são geralmente interligadas à rede cabeada atra-
vés de um ponto de acesso. A topologia de rede é o padrão no qual o meio de rede está
conectado aos computadores e outros componentes de rede38. Es-
Redes Metropolitanas sencialmente, é a estrutura topológica da rede, e pode ser descrito
fisicamente ou logicamente.
Uma rede metropolitana (MAN - Metropolitan Area Network) Há várias formas nas quais se pode organizar a interligação en-
é basicamente uma grande versão de uma LAN onde a distância tre cada um dos nós (computadores) da rede. A topologia física é
entre os equipamentos ligados à rede começa a atingir distâncias a verdadeira aparência ou layout da rede, enquanto que a lógica
metropolitanas (uma cidade). descreve o fluxo dos dados através da rede.
Exemplos de MANs são as redes de TV a cabo e as redes IEEE Existem duas categorias básicas de topologias de rede:
802.16 (WiMAX). - Topologia física: representa como as redes estão conectadas
(layout físico) e o meio de conexão dos dispositivos de redes (nós
ou nodos). A forma com que os cabos são conectados, e que gene-
ricamente chamamos de topologia da rede (física), influencia em
diversos pontos considerados críticos, como a flexibilidade, veloci-
dade e segurança.
- Topologia lógica: refere-se à maneira como os sinais agem so-
bre os meios de rede, ou a maneira como os dados são transmitidos
através da rede a partir de um dispositivo para o outro sem ter em
conta a interligação física dos dispositivos. Topologias lógicas são
capazes de serem reconfiguradas dinamicamente por tipos espe-
ciais de equipamentos como roteadores e switches.

Topologia Barramento

Exemplo de rede WAN. Todos os computadores são ligados em um mesmo barramento


Fonte: https://informaticaeadministracao.wordpress. físico de dados. Apesar de os dados não passarem por dentro de
com/2014/04/22/lan-man-e-wan cada um dos nós, apenas uma máquina pode “escrever” no barra-
mento num dado momento. Todas as outras “escutam” e recolhem
Redes a Longas Distâncias para si os dados destinados a elas. Quando um computador estiver
a transmitir um sinal, toda a rede fica ocupada e se outro computa-
Uma rede a longas distâncias (WAN - Wide Area Network) é dor tentar enviar outro sinal ao mesmo tempo, ocorre uma colisão
uma rede que cobre uma área geográfica grande, usualmente um e é preciso reiniciar a transmissão.
país ou continente. Os hospedeiros da rede são conectados por uma
sub-rede de comunicação. A sub-rede é composta de dois elemen-
tos: linhas de transmissão e elementos de comutação (roteadores). 38 https://www.oficinadanet.com.br/artigo/2254/topologia_de_redes_van-
tagens_e_desvantagens

58
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Vantagens:
- Todos os computadores acessam a rede igualmente;
- Performance não é impactada com o aumento de usuários.

Desvantagens:
- Falha de um computador pode afetar o restante da rede;
- Problemas são difíceis de isolar.

Vantagens: Topologia Malha


- Uso de cabo é econômico;
- Mídia é barata, fácil de trabalhar e instalar; Esta topologia é muito utilizada em várias configurações, pois
- Simples e relativamente confiável; facilita a instalação e configuração de dispositivos em redes mais
- Fácil expansão. simples. Todos os nós estão atados a todos os outros nós, como se
estivessem entrelaçados. Já que são vários os caminhos possíveis
Desvantagens: por onde a informação pode fluir da origem até o destino.
- Rede pode ficar extremamente lenta em situações de tráfego
pesado;
- Problemas são difíceis de isolar;
- Falha no cabo paralisa a rede inteira.

Topologia Estrela

A mais comum atualmente, a topologia em estrela utiliza cabos


de par trançado e um concentrador como ponto central da rede.
O concentrador se encarrega de retransmitir todos os dados para
todas as estações, mas com a vantagem de tornar mais fácil a loca-
lização dos problemas, já que se um dos cabos, uma das portas do
concentrador ou uma das placas de rede estiver com problemas, Vantagens:
apenas o nó ligado ao componente defeituoso ficará fora da rede. - Maior redundância e confiabilidade;
- Facilidade de diagnóstico.

Desvantagem:
- Instalação dispendiosa.

Modelos de Referência

Dois modelos de referência para arquiteturas de redes mere-


cem destaque: OSI e TCP/IP.
Vantagens:
- A codificação e adição de novos computadores é simples; Modelo de referência ISO OSI (Open Systems Interconnec-
- Gerenciamento centralizado; tion)
- Falha de um computador não afeta o restante da rede.
Modelo destinado à interconexão de sistemas abertos. Possui
Desvantagem: 7 camadas: física, enlace de dados, rede, transporte, sessão, apre-
- Uma falha no dispositivo central paralisa a rede inteira. sentação e aplicação.

Topologia Anel

Na topologia em anel os dispositivos são conectados em sé-


rie, formando um circuito fechado (anel). Os dados são transmiti-
dos unidirecionalmente de nó em nó até atingir o seu destino. Uma
mensagem enviada por uma estação passa por outras estações,
através das retransmissões, até ser retirada pela estação destino ou
pela estação fonte.

Modelo OSI.

59
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
O modelo OSI não é uma arquitetura de rede, pois não especifica os serviços e protocolos que devem ser usados em cada camada.
O modelo OSI informa apenas o que cada camada deve fazer:

1. Camada física
A sua função é assegurar o transporte de bits através de um meio de transmissão. Dessa forma, as questões de projeto dessa camada
estão ligadas a níveis de tensão, tempo de bit, interfaces elétricas e mecânicas, quantidade de pinos, sentidos da comunicação, etc.

2. Camada de enlace de dados


A sua principal função é transmitir quadros entre duas máquinas ligadas diretamente, transformando o canal em um enlace de dados
confiável.
- Divide os dados em quadros e os envia sequencialmente.
- Regula o tráfego
- Detecta a ocorrência de erros ocorridos na camada física
- Em redes de difusão, uma subcamada de controle de acesso ao meio é inserida para controlar o acesso ao canal compartilhado

3. Camada de rede
A sua função é encaminhar pacotes entre a máquina de origem e a máquina de destino.
- O roteamento pode ser estático ou dinâmico.
- Realiza o controle de congestionamento.
- Responsável pela qualidade de serviço.
- Tem que permitir que redes heterogêneas se comuniquem, sendo assim, deve lidar com questões como endereçamento, tamanho
dos pacotes e protocolos heterogêneos.

4. Camada de transporte
A sua função básica é efetuar a comunicação fim-a-fim entre processos, normalmente adicionando novas funcionalidades ao serviço
já oferecido pela camada de rede. Pode oferecer um canal ponto a ponto livre de erros com entrega de mensagens na ordem correta.

5. Camada de sessão
A sua função é controlar quem fala e quando, entre a origem e o destino (analogia com operações críticas em bancos de dados).

6. Camada de apresentação
A sua função básica é transformar a sintaxe dos dados (forma de representação) sem afetar a semântica. Gerencia estruturas de dados
abstratas.

7. Camada de aplicação
Contém uma série de protocolos necessários para os usuários. É nessa camada que o usuário interage.

Modelo TCP/IP

Arquitetura voltada para a interconexão de redes heterogêneas (ARPANET)


Posteriormente, essa arquitetura ficou conhecida como modelo TCP/IP graças aos seus principais protocolos.
O modelo TCP/IP é composto por quatro camadas: enlace, internet, transporte e aplicação.

Modelo TCP/IP.

1. Camada de enlace
Não é uma camada propriamente dita, mas uma interface entre os hospedeiros e os enlaces de transmissão

2. Camada internet (camada de rede)


Integra toda a arquitetura, mantendo-a unida. Faz a interligação de redes não orientadas a conexão.

60
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
Tem o objetivo de rotear as mensagens entre hospedeiros, ocultando os problemas inerentes aos protocolos utilizados e aos tama-
nhos dos pacotes. Tem a mesma função da camada de rede do modelo OSI.
O protocolo principal dessa camada é o IP.

3. Camada de transporte
Permite que entidades pares (processos) mantenham uma comunicação.
Foram definidos dois protocolos para essa camada: TCP (Transmission Control Protocol) e UDP (User Datagram Protocol).
O TCP é um protocolo orientado a conexões confiável que permite a entrega sem erros de um fluxo de bytes.
O UDP é um protocolo não orientado a conexões, não confiável e bem mais simples que o TCP.

4. Camada de aplicação
Contém todos os protocolos de nível mais alto.

Modelo TCP/IP e seus protocolos.

Modelo OSI versus TCP/IP.

QUESTÕES

01. (Prefeitura de Vinhedo/SP - Guarda Municipal - IBFC/2020) Leia atentamente a frase abaixo referente às Redes de Computadores:
“_____ significa _____ e é um conjunto de _____ que pertence a uma mesma organização, conectados entre eles por uma rede, numa
_____ área geográfica”.
Assinale a alternativa que preencha correta e respectivamente as lacunas.

(A) LAN / Local Area Network / computadores / pequena


(B) MAN / Much Area Network / computadores / grande
(C) MAN / Much Area Network / roteadores / pequena
(D) LAN / Local Area Network / roteadores / grande

61
INFORMÁTICA BÁSICA E APLICADA
02. (Prefeitura de Águia Branca/ES - Técnico em Informática - GABARITO
IDCAP/2018) Analise o trecho e assinale a alternativa que completa
corretamente a lacuna: 01 A
O _________ é um protocolo da camada de Transporte, não
orientado a conexões, não confiável e bem mais simples que o TCP. 02 B
03 D
(A) SSH.
04 D
(B) UDP.
(C) IP. 05 E
(D) ISP.
(E) HTTP.

03. (GHC/RS - Psicólogo - MS CONCURSOS/2018) Dentre os


ANOTAÇÕES
conceitos básicos de rede e internet, analise os itens seguintes e
assinale a alternativa correta: ______________________________________________________
I- Rede é quando se tem 02 ou mais computadores interligados ______________________________________________________
com a finalidade de compartilhar informações.
II- Internet é chamada de Rede mundial porque as diversas ______________________________________________________
redes interconectadas de computadores estão “espalhadas” pelo
mundo todo. ______________________________________________________
III- Os requisitos básicos para se acessar a rede mundial são
______________________________________________________
utilizar o TCP/IP e ter um endereço IP válido.
IV- No protocolo de comunicação, estão definidas todas as re- ______________________________________________________
gras necessárias para que o computador de destino “entenda” as
informações no formato que foram enviadas pelo computador de ______________________________________________________
origem.
(A) Somente os itens III e IV estão corretos. ______________________________________________________
(B) Somente o item III está correto.
(C) Somente o item II está correto. ______________________________________________________
(D) Todos os itens estão corretos.
(E) Somente os itens I, II e IV estão corretos. ______________________________________________________

______________________________________________________
04. (GHC-RS Contador - MS CONCURSOS/2018) Dentre as
alternativas, encontram-se vários motivos pelos quais podemos _____________________________________________________
perder a conexão com a internet ao utilizarmos uma rede com fio
(Ethernet), exceto: _____________________________________________________

(A) Modem ou Switch queimado. ______________________________________________________


(B) Placa de rede sem o driver necessário, ou seja, desconfigu-
rada. ______________________________________________________
(C) Cabos de rede desconectados.
______________________________________________________
(D) WEP, WPA ou WPA2 não ativados.
(E) Configuração de rede inapropriada ou incorreta. ______________________________________________________
05. (Câmara de São Felipe D’Oeste/RO - Advogado - IBA- ______________________________________________________
DE/2020) Ao contratar uma rede doméstica (Wireless) — dessas
comercializadas pelas diversas operadoras — é necessário instalar ______________________________________________________
um equipamento, geralmente fornecido pelas operadoras, para
viabilizar a conexão dos computadores da casa. Este equipamento ______________________________________________________
executa as funções:
______________________________________________________
(A) Switch/Modem.
______________________________________________________
(B) Modem/Hub.
(C) Hub/Switch. ______________________________________________________
(D) Roteador/Hub.
(E) Modem/Roteador. ______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

62
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
1. Histórico do município, cultura, economia geografia, política local e atualidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Normas gerais e critérios básicos para a promoção e incentivos à Inovação, objetivando ambientes produtivos e regras para imple-
mentação da Cidade Inteligente (Smart City) no âmbito do munícipio de Amargosa (Lei nº 582, de 21 de agosto de 2020). . . . . . 10
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
período de sua história, até a década de 60 do século XX, Amargosa
HISTÓRICO DO MUNICÍPIO, CULTURA, ECONOMIA viveu o seu apogeu econômico, registrando o surgimento de vários
GEOGRAFIA, POLÍTICA LOCAL E ATUALIDADES estabelecimentos comerciais, grandes armazéns, alguns deles com
filiais na Europa, como era a Casa Paris na América, conhecida por
Amargosa está localizada na mesorregião do Centro-Sul Baia- emitir sua própria moeda, que circulava na cidade e na região.
no, no Vale do Jiquiriçá, e é conhecida como “Cidade Jardim” pela Além do comércio, a agricultura e pecuária tiveram muita pros-
beleza de suas praças e jardins, atração imperdível para moradores peridade, principalmente as fazendas de gado, café e fumo, fazendo
e visitantes da cidade. Atualmente, sua importância regional se ve- com que Amargosa fosse conhecida na época como a “pequena São
rifica pela sua relevância política (sede da 29ª Região Administrativa Paulo”, cujas marcas ainda são perceptíveis na arquitetura dos pré-
do Estado), por ser conhecida internacionalmente pela festa de São dios mais antigos ainda preservados.
João e pelo crescimento econômico e educacional, principalmente Com o encerramento das atividades na linha férrea, através
depois da implantação do Centro de Formação de Professores da do “Projeto de Erradicação dos Trilhos”, datado de 04 de março de
UFRB, em 2006. 1966, e com o declínio na produção de café, Amargosa perde sua
Belas praças e jardins, clima agradável, população hospitaleira, hegemonia econômica para cidades como Santo Antonio de Jesus,
fartas paisagens naturais, progresso econômico, tudo isso faz com Jequié e Feira de Santana. Para isso também contribuiu a distância
que Amargosa seja uma cidade de referência no interior da Bahia. das grandes rodovias nacionais e a precariedade das estradas que
Aqui o Centro de Formação de Professores da UFRB ajuda a ratificar faziam essa ligação. Por conta dessa complexa história econômica
a vocação histórica da cidade na formação de professores, registra- e influência regional, a cidade de Amargosa foi estudada pelo mais
da desde a atuação do Ginásio Santa Bernadete (Sacramentinas) e importante geógrafo brasileiro, o Professor Milton Santos, que ela-
do Seminário Menor da Imaculada Conceição, no século XX. borou um importante trabalho sobre o município no século XX.
Amargosa retomou sua importância econômica no século XXI,
INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE AMARGOSA graças aos investimentos em turismo, com a popularização da sua
Festa de São João, conhecida nacional e internacionalmente, e com
População: 34.351 (Censo 2010) os investimentos no comércio e na indústria. Atualmente é sede da
Área: 463,185 Km2 29ª Região Administrativa do Estado, e vê seu desenvolvimento se
Gentílico: Amargosense ampliar ainda mais com a chegada do Centro de Formação de Pro-
Altitude: 400m fessores da UFRB, que começou a funcionar no ano de 2006.

Clima: O clima em Amargosa tem grande variação, abrangendo A ORIGEM DO NOME


o úmido, úmido-subúmido, subúmido-semi-árido e semi-árido. As
temperaturas variam de 15ºC no inverno a 26ºC nas estações mais O nome da cidade é inspirado em uma espécie de pomba co-
quentes. mum da região, a Pomba-Amargosa (Patagioneas Plumbea), de cor
pardo-cinzento com lustro roxo. Sua carne é amarga, mas muito sa-
BREVE HISTÓRICO DE AMARGOSA borosa, o que atraía vários caçadores à região, através do convite:
“Vamos às Amargosas!”. Atualmente existem registros dessa espé-
A região onde hoje está situado o município de Amargosa era cie vivendo na região do Timbó, reduto de Mata Atlântica da região.
dominada pelos índios Sapuyás e Kariris, que viveram na região até
o final do século XIX, quando, por volta do ano de 1884, após cerca FILHO ILUSTRE
de 40 anos de lutas, um grupo de índios foi preso e levado para
Jequié e posteriormente Santa Cruz de Cabrália. Pedro Calmon Moniz de Bittencourt (1902-1985) nasceu numa
A resolução provincial nº 1.726 de 21 de abril de 1877 criou a casa que ainda hoje preserva em sua estrutura as mesmas caracte-
Vila de Nossa Senhora do Bom Conselho de Amargosa, desmem- rísticas da época, localizada na Praça Tiradentes. Pedro Calmon foi
brando-a de Tapera (atual Santa Terezinha). Amargosa foi elevada ensaísta, orador, historiador e educador. Professor catedrático de
de Vila a condição de cidade pelo ato de criação datado de 19 de ju- Direito Constitucional na Faculdade Nacional de Direito e de Histó-
nho de 1891, assinado pelo então Governador do Estado da Bahia, ria no Colégio D. Pedro II, no Rio de Janeiro. Foi escritor de vários
José Gonçalves da Silva. Esse ato, porém, só foi efetivado em sessão livros, principalmente na área de História. Foi membro da Academia
solene do Conselho Municipal, realizada em 02 de julho de 1891. Brasileira de Letras, da qual foi presidente em 1945. Foi também
Em 1894 foi inaugurado o Hospital da Santa Casa de Misericórdia, membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e da
diante do crescimento populacional da cidade. Em 1905 foi fundada Academia Portuguesa de História, da Real Academia Espanhola, da
a Filarmônica Lira Carlos Gomes, importante instituição cultural da Real Academia de História da Espanha e membro do Conselho Fe-
região. A Catedral de Nossa Senhora do Bom Conselho, localizada na deral de Cultura, entre outros. Foi ainda Ministro da Educação e
Praça Lourival Monte, começou a ser construída em 1917 e foi inaugu- Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
rada em 1936. O Cristo Redentor, obra do escultor Pedro Ferreira, que
fica localizado onde antes estava erigida a primeira igreja da cidade, foi Entidade: Prefeitura Municipal de Amargosa - BA
inaugurado em 1938 pelo então prefeito Raul Paranhos. CNPJ: 13.825.484/0001-50
Em Amargosa, o carnaval representava uma disputa de beleza Endereço: Praça Lourival Monte, S/Nº Centro, Amargosa - BA
e luxo entre os blocos. Esmeravam-se em fantasias, criavam carros 45300-000
alegóricos admiráveis e músicos de fama abrilhantavam a alegria Estado: BA
nas ruas e nos salões. Havia destaque também nas representações Município: AMARGOSA
folclóricas e teatrais, sempre acompanhadas por um público entu- Telefone Geral: (75) 3634-3977
siasmado. E-Mail Geral: gabinete@amargosa.ba.gov.br
Em 17 de julho de 1892, foi inaugurado em Amargosa o Ramal Gestor Atual: JÚLIO PINHEIRO DOS SANTOS JÚNIOR
da Estrada de Ferro de Nazaré, com o objetivo de facilitar o comér-
cio direto com os grandes centros e escoar a produção local. Nesse

1
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
Órgão/Setor/Secretaria: CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍ- Telefone: (075) 3634 3977
PIO E-mail: seagri@amargosa.ba.gov.br
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 7h30min às
Gestor/Responsável: Marcelo Sales 12h e das 13h30min às 17h.
Endereço Completo: Praça da Bandeira s/nº
Telefone: (075) 363643977 Órgão/Setor/Secretaria: SEGOV - SECRETARIA MUNICIPAL DE
E-mail: controladoria@amargosa.ba.gov.br GOVERNO
Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 12h e Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA
das 14h às 18horas. Gestor/Responsável: Paulo Rocha
Endereço Completo: Praça Lourival Monte s/nº
Órgão/Setor/Secretaria: DGP - DIRETORIA DE GESTÃO DE PES- Telefone: (075) 3634-3977
SOAS E-mail: segov@amargosa.ba.gov.br
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 12 ho-
Gestor/Responsável: Edsandro dos santos Carvalho ras.
Endereço Completo: Praça da Bandeira s/nº
Telefone: (075) 3634 3977 Órgão/Setor/Secretaria: SEMAS - SECRETARIA MUNICIPAL DE
E-mail: dgp-amargosa@amargosa.ba.gov.br ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO
Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 18 ho- Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA
ras. Gestor/Responsável: Jailton Fernandes Chagas
Endereço Completo: Rua Deraldo Bulhões, 381 - A, Centro.
Órgão/Setor/Secretaria: GABINETE DO VICE-PREFEITO Telefone: (075) 3634 3977
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA E-mail: semas@amargosa.ba.gov.br
Gestor/Responsável: Eliseu das Mercês Silveira Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 12h e
Endereço Completo: Praça Lourival Monte, s/nº das13h30min às 17h.
Telefone: (075) 3634 3977
E-mail: gabinetevice@amargosa.ba.gov.br Órgão/Setor/Secretaria: SEMED - SECRETARIA MUNICIPAL DE
Horário de Atendimento: de segunda a sexta, das 8h às 12 ho- EDUCAÇÃO
ras. Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA
Gestor/Responsável: Márcia Batista de Almeida
Órgão/Setor/Secretaria: GP - GABINETE DO PREFEITO Endereço Completo: Praça da Bandeira s/nº
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA Telefone: (075) 3634-1769
Gestor/Responsável: Silas Lomanto E-mail: semed@amargosa.ba.gov.br
Endereço Completo: Praça Lourival Monte, S/Nº Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 12ho-
Telefone: (075) 3634 3977 ras.
E-mail: gabinete@amargosa.ba.gov.br
Horário de Atendimento: De segunda a sexta< das 8h às 12ho- ECONOMIA
ras.
Produção Agropecuária
Órgão/Setor/Secretaria: PROCURADORIA JURÍDICA DO MUNI-
CÍPIO A pecuária extensiva é a marca do médio e grande produtor,
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA sendo que a pecuária de leite intensiva, que inserida no contexto
Gestor/Responsável: Cláudio Queiroz nos anos 70 tinha se mostrado como alternativa, tem passado por
Endereço Completo: Praça Lourival Monte, s/nº grandes dificuldades devido ao custo dos insumos. Atualmente, a
Telefone: (075) 363643977 maioria da população ativa em Amargosa está inserida no setor pri-
E-mail: procuradoria@amargosa.ba.gov.br mário, produzindo na agricultura as culturas de subsistência tendo
Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 12 ho- a mandioca como a mais importante, com ênfase para banana, mi-
ras. lho, feijão, fumo e amendoim, que são o sustentáculo da pequena
produção. No cacau, café e a cana encontram-se as alternativas da
Órgão/Setor/Secretaria: SEAFI - SECRETARIA MUNICIPAL DE pequena e da média produção.
ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA Comercialização
Gestor/Responsável: Joanildo Borges
Endereço Completo: Praça da Bandeira s/nº Das várias formas de comercialização na região, a mais usual
Telefone: (075) 3634-3977 é a feira livre, destacando-se como centro de convergência da pro-
E-mail: seafi@amargosa.ba.gov.br dução regional, onde se reúnem produtores, intermediários, cami-
Horário de Atendimento: De segunda a sexta, das 8h às 12h e nhoneiros e outros agentes. A produção leiteira é beneficiada pelas
das 14h às 18 horas. micro-usinas de produtores ou comprada por usinas em Salvador e
Cachoeira. O café, cacau e o fumo são comercializados por arma-
Órgão/Setor/Secretaria: SEAGRI - SECRETARIA MUNICIPAL DE zém representantes de grandes empresas do ramo. Parte do café
AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE está sendo beneficiada por torrefadoras locais.
Natureza: ADMINISTRAÇÃO DIRETA
Gestor/Responsável: Igor Brito Santa Rosa Shopping: As obras do Shopping Center Valle, localizado em
Endereço Completo: Parque de Exposições Jorge Sales - Av. Lo- Amargosa, na Avenida Luis Sande, iniciaram em Janeiro de 2012. O
manto Jr, nº 445 empreendimento tem previsão para estar concluído em dezembro

2
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
de 2017. A edificação possui aproximadamente 31.000 m² de área DADOS DO IBGE
construída, com três blocos unidos, sendo o do meio um vasto pavi-
mento em concreto moldado onde terá um mix de lojas, e os outros Histórico
dois blocos, terá o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) e
Clínicas Médicas e Odontológicas. Além disso, haverá pavimentos A região de Amargosa era de domínio dos índios Karirís de lín-
de lojas específicas, com cinema, praça de alimentação, boliche, gua Karamuru e Sapuyá, que perdurou até meado do século XIX
restaurantes e um grande estacionamento. Instalações do Vale Sho- quando os remanescentes foram massacrados pelos colonizadores.
pping de Amargosa que já estão com mais de 50% construídas. Por volta de 1840 começou a formar o próspero povoado ini-
ciado com as famílias de Gonçalo Correia Caldas e Francisco José
Bancos da Costa Moreira, em volta de uma Capelinha por eles construída.
Fruto da localização e ponto de troca comercial com o sertão,
A cidade contam atualmente com três agências Bancárias: Ban- em 1855, foi ereta freguesia a Capela de Nossa Senhora do Bom
co do Brasil, Caixa Econômica, e Bradesco. Há também duas lotéri- Conselho das Amargosas, pertencendo a Vila de Tapera (atual Santa
cas e uma agência dos Correios. Terezinha).
Com o crescimento do povoado, devido ao prospero plantio
Indústrias de fumo e café, em 1878, foi instalada a Vila de Nossa Senhora do
Bom Conselho das Amargosas, sendo que no dia 2 de julho de 1891,
As indústrias, em sua maioria, são de pequeno porte, com a aconteceu a sessão solene de elevação de Vila a categoria de cidade
produção consumida no município e em outros circunvizinhos. São de Amargosa, executando o ato de criação de 19 de junho de 1891,
quatro as microusinas de leite em funcionamento e duas torrefa- do Dr. José Gonçalves da Silva, governador do Estado da Bahia.
ções de café. As casas de farinha e olarias são de caráter artesanal, A importância da imigração e colonização européia no final do
existindo mais de trinta casas no município. século XIX, está presente na cultura de Amargosa e nas construções
ainda existentes, seja ela italiana, portuguesa ou espanhola que se
Daiby Implantada no ano de 1998, a fábrica de calçados era estabeleceram na cidade. A maioria entrou no comércio com os ar-
considerada uma das maiores empregadoras do município com mazéns de secos e molhados, empórios, na exportação e importa-
mais de 500 empregos diretos, produzia cerca de 2.400 pares de ção e na área rural com plantio de café e fumo.
sapatos por dia. Crise: Em 2015, a direção da fábrica chegou a dar Também é necessário ressaltar a importância dos afrodescen-
férias coletivas aos quase 600 funcionários, alegando crise eco- dentes que aqui chegaram na condição de escravos para executa-
nômica, em 05 de setembro de 2016 a empresa fechou as portas rem o trabalho na cultura do café. As marcas desse povo estão em
de forma oficial. em 29 de setembro do mesmo mês o governo da toda parte, seja na religiosidade, ritmos musicais, folclore, a forma
Bahia anunciou a assinatura do protocolo de intenções da vinda da de produção das culturas de subsistência, principalmente na cultura
Ferracini para o Município. da mandioca

A nova unidade será a primeira fábrica da Ferracini no Nordeste Formação Administrativa


e deve ser instalada em um galpão utilizado no passado pela Daiby
Calçados. Segundo o diretor industrial da empresa, Carlos Antônio Distrito criado com a denominação de Amargosa, pela resolu-
Oliveira, a escolha da Bahia foi estratégica para os negócios. Segun- ção nº 574, de 30-06-1855, subordinado ao município Tapera (mais
do o gestor, os incentivos fiscais oferecidos pelo governo baiano, tarde Monte Cruzeiro).
por meio da SDE, bem como a concessão de uso remunerado dos Elevado à categoria de vila com a denominação de Amargosa,
galpões existentes em Amargosa, são interessantes, quando leva- pela lei provincial nº 1726, de 21-04-1877, desmembrado de Ta-
dos em conta com a facilitação da logística de distribuição das mer- pera. Sede no antigo distrito de Amargosa. Constituído do distrito
cadorias. sede. Instalado em 15-02-1878.
Pela lei provincial nº 2190, 28-06-1881, é criado o distrito de
Frigórifico Frigamar era a terceira maior empregadora da cida- Tartaruga e anexado ao município de Amargosa.
de, no ano de 2014 foi vendido para o grupo JBS Friboi. Elevado à condição de cidade com a denominação de Amargo-
sa, por ato de 09-06-1891.
Transportes O Município de Amargosa não é cortado por ne- Pela lei estadual nº 767, de 25-04-1910, é criado o distrito de
nhuma rodovia Federal. As principais vias de Acesso a Cidade são Corta Mão e anexado ao município de Amargosa.
as rodovias estaduais BA 026 que liga o município as Cidades de Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o municí-
Elísio Medrado, São Miguel das Matas, Varzedo, e Santo Antônio pio aparece constituído de 4 distritos: Amargosa, Corrente, Curta-
de Jesus. Os seus 44 km de extensão é conhecida pelos buracos, -Mão e Tartaruga.
falta de sinalização que acaba aumentando o tempo de viagem e os Pela lei municipal nº 126, de 07-05-1917, é criado o distrito de
riscos de acidentes. A rodovia vem sendo negligenciada a anos pelo Brejões e anexado ao município de Amargosa.
poder público. Nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-IX-
1920, município é constituído de 7 distritos: Amargosa, Brejões,
Outra rodovia estadual que dá acesso ao município é a BA 046 Corrente, Corta Mão, Ribeirão, Tartaruga e Veados (ex-Triunfo).
que liga Amargosa a cidade de Milagres é que também da acesso Pela lei estadual nº 1715, de 24-07-1924, desmembra do muni-
a BR-116. Esta está em melhor estado de conservação. A BA 540 cípio de Amargosa os distritos de Brejões e Veados, para constituí-
trecho Amargosa/Mutuípe foi requalificada recentemente. rem o novo município de Brejões.
Pelo decreto estadual nº 8622, de 01-09-1933, é criado o distri-
to de São Roque e anexado ao município de Amargosa.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o municí-
pio é constituído de 5 distritos: Amargosa, Corrente, Corta Mão, São
Roque e Tartaruga.

3
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
Pelo decreto estadual nº 11089, de 30-11-1938, o distrito de São Roque tomou a denominação de Diógenes Sampaio.
No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído de 5 distritos: Amargosa, Corrente, Corta Mão,
Diógenes Sampaio (ex-São Roque) e Tartaruga.
Pelo decreto estadual nº 12978, de 01-06-1944, o distrito de Corrente tomou a denominação de Itachama.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 5 distritos: Amargosa, Corta Mão, Diógenes Sampaio, Itacha-
ma (ex-Corrente) e Tartaruga.
Pela lei estadual nº 628, de 30-12-1953, é criado o distrito de Nossa Senhora dos Milagres (ex-povoado de Milagres), com terras des-
membradas do distrito de Tartaruga e anexado ao município de Amargosa.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 6 distritos: Amargosa, Corta Mão, Diógenes Sampaio, Itacha-
ma, Nossa Senhora dos Milagres e Tartaruga.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.
Pela lei estadual nº 1589, de 22-12-1961, desmembra do município de Amargosa os distritos de Nossa Senhora dos Milagres e Tarta-
ruga, para constituírem o novo município de Milagres (ex-Nossa Senhora dos Milagres).
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 4 distritos: Amargosa, Corta Mão, Diógenes Sampaio e
Itachama.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte
Prefeitura Municipal <www.amargosa.ba.gov.br>

POPULAÇÃO

População estimada [2020] 37.441 pessoas


População no último censo [2010] 34.351 pessoas
Densidade demográfica [2010] 74,16 hab/km²

4
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA

TRABALHO E RENDIMENTO

Em 2018, o salário médio mensal era de 1.5 salários mínimos. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era
de 11.0%. Na comparação com os outros municípios do estado, ocupava as posições 352 de 417 e 92 de 417, respectivamente. Já na
comparação com cidades do país todo, ficava na posição 4941 de 5570 e 3145 de 5570, respectivamente. Considerando domicílios com
rendimentos mensais de até meio salário mínimo por pessoa, tinha 46.7% da população nessas condições, o que o colocava na posição
332 de 417 dentre as cidades do estado e na posição 1925 de 5570 dentre as cidades do Brasil.

Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2018] 1,5 salários mínimos
Pessoal ocupado [2018] 4.090 pessoas
População ocupada [2018] 11,0 %
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010] 46,7 %

5
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA

EDUCAÇÃO

Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010] 96,8 %


IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental (Rede pública) [2017] 5,0
IDEB – Anos finais do ensino fundamental (Rede pública) [2017] 3,2
Matrículas no ensino fundamental [2018] 5.188 matrículas
Matrículas no ensino médio [2018] 1.208 matrículas
Docentes no ensino fundamental [2018] 266 docentes
Docentes no ensino médio [2018] 93 docentes
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2018] 37 escolas
Número de estabelecimentos de ensino médio [2018] 5 escolas

6
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA

7
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
ECONOMIA

PIB per capita [2017] 8.855,02 R$


Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015] 90,3 %
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010] 0,625
Total de receitas realizadas [2017] 63.402,11 R$ (×1000)
Total de despesas empenhadas [2017] 57.123,32 R$ (×1000)

SAÚDE

A taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 8.66 para 1.000 nascidos vivos. As internações devido a diarreias são de 0.9 para
cada 1.000 habitantes. Comparado com todos os municípios do estado, fica nas posições 332 de 417 e 249 de 417, respectivamente. Quan-
do comparado a cidades do Brasil todo, essas posições são de 3418 de 5570 e 2577 de 5570, respectivamente.

Mortalidade Infantil [2017] 8,66 óbitos por mil nascidos vivos


Internações por diarreia [2016] 0,9 internações por mil habitantes
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009] 14 estabelecimentos

8
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA

TERRITÓRIO E AMBIENTE

Apresenta 22.7% de domicílios com esgotamento sanitário adequado, 67.5% de domicílios urbanos em vias públicas com arboriza-
ção e 15.7% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada (presença de bueiro, calçada, pavimentação e meio-fio).
Quando comparado com os outros municípios do estado, fica na posição 203 de 417, 201 de 417 e 94 de 417, respectivamente. Já quando
comparado a outras cidades do Brasil, sua posição é 3488 de 5570, 3260 de 5570 e 2222 de 5570, respectivamente.

Área da unidade territorial [2019] 431,673 km²


Esgotamento sanitário adequado [2010] 22,7 %
Arborização de vias públicas [2010] 67,5 %
Urbanização de vias públicas [2010] 15,7 %
Bioma [2019] Caatinga;Mata Atlântica
Sistema Costeiro-Marinho [2019] Não pertence
Hierarquia urbana [2018] Centro de Zona B (4B)
Região de Influência [2018] Arranjo Populacional de Salvador/BA - Metrópole (1C)

9
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA

NORMAS GERAIS E CRITÉRIOS BÁSICOS PARA A PROMOÇÃO E INCENTIVOS À INOVAÇÃO, OBJETIVANDO AMBIENTES
PRODUTIVOS E REGRAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA CIDADE INTELIGENTE (SMART CITY) NO ÂMBITO DO MUNÍCIPIO
DE AMARGOSA (LEI Nº 582, DE 21 DE AGOSTO DE 2020)

LEI Nº 582, DE 21 DE AGOSTO DE 2020

Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção e incentivos à Inovação, objetivando ambientes produtivos e regras para
implementação da Cidade Inteligente (Smart City) no âmbito do munícipio de Amargosa e dá outras providências.

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA – ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte
Lei:

CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º Por esta Lei ficam estabelecidos os princípios e regras que nortearão a implantação de equipamentos, dispositivos e medidas
de incentivo à inovação, à pesquisa científica e tecnológica, para ambientes produtivos próprios de uma Cidade Inteligente (Smart City),
com vistas ao desenvolvimento do Ecossistema de Empreendedorismo e Inovação do município de Amargosa-Ba.
Art. 2º Para fins desta Lei considera-se Smart City ou Cidade Inteligente a cidade que possua inteligência coletiva, que tenha respon-
sabilidade ambiental, que promova o desenvolvimento social e que estimule o crescimento econômico equilibrado por todo o território
da cidade.
Art. 3º Aplicam-se, no âmbito desta Lei, os seguintes princípios, além daqueles definidos nas Leis n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004
(Lei Federal), Lei nº 11.174 de 09 de dezembro De 2008. (Lei Estadual) e no Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei nº 13.243,
de 11.01.2016) (Lei Federal), regulamentadas pelo Decreto Federal n° 9.283, de 07 de fevereiro de 2018:
I - promoção e fomento das atividades científicas e tecnológicas como condutas estratégicas para o desenvolvimento econômico e
social do Município de Amargosa;

10
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
II - aproximação máxima da Municipalidade e dos serviços pú- XVII - incentivo à constituição de arranjos promotores de ino-
blicos municipais a tecnologias da informação e comunicação avan- vação visando a conformação de vínculos de articulação, interação,
çadas, baseadas em “Big Data” e “Internet das Coisas”, capazes de cooperação e aprendizagem, voltados para a geração e difusão de
otimizar e atribuir eficiência técnica e econômica a serviços e utili- inovações entre agentes econômicos, políticos e sociais que ope-
dades públicas de competência municipal; ram em atividades econômicas correlatas;
III - gestão eficiente e inteligente dos dados gerados a partir da XVIII - promoção e continuidade dos processos de formação e
prestação de serviços públicos ao cidadão e gerando-se valor atra- capacitação científica e tecnológica;
vés de sua análise e processamento integrado e inteligente, contri- XIX - simplificação do processo de registro, abertura de empre-
buindo à tomada de decisões mais qualificadas pelo Poder Público sas e na concessão de alvarás;
Municipal em suas diversas áreas de atuação; XX - desenvolvimento coletivo em detrimento dos interesses
IV - aplicação prática dos recentes estudos conduzidos na es- individuais;
fera federal quanto ao potencial da “Internet das Coisas” na otimi- XXI – amplo desenvolvimento institucional das rotinas adminis-
zação de serviços municipais, como iluminação pública, mobilidade trativas com foco na publicidade e eficiência.
urbana e gestão do trânsito, saneamento básico (água, esgoto, re- Art. 4º A aplicação desta Lei tem como objetivo:
síduos sólidos e drenagem urbana), segurança pública municipal, I - estimular o desenvolvimento colaborativo entre sociedade,
entre outros; empresas investidoras e Prefeitura do Município de Amargosa-BA.
V - compreensão da conectividade pública em locais de gran- II - garantir a liberdade de escolha, a livre iniciativa, a economia
de circulação de pessoas (parques, praças, centros comerciais), por de mercado e a defesa do consumidor dos serviços do município;
meio de “Wi-Fi” e tecnologias análogas, como serviço público mu- III - desenvolver a pluralidade e a eficiência de soluções de ser-
nicipal gratuito, acessível a todos os cidadãos e turistas de modo viços, equipamentos e dispositivos no município;
progressivo, conforme regulamento; IV - fomentar os investimentos externos, o empreendedorismo
VI - compreensão do alto potencial de otimização que aplica- e a prosperidade econômica da cidade;
tivos virtuais detêm na gestão colaborativa de serviços e utilidades Art. 5º São prioridades para a implantação da infraestrutura e
públicas municipais, inseridas no conceito de Cidade Inteligente; dos dispositivos inteligentes no município de Amargosa:
VII - adoção de instrumentos de cooperação, junto a entes fe- I - gerar dados para o planejamento eficiente e preciso;
derais, estaduais e à iniciativa privada, de modo a se alcançar, tanto II- facilitar a integração entre os entes públicos e privados para
quanto possível, a modernização de serviços públicos municipais o desenvolvimento local;
por meios criativos e não onerosos ao município, aportando-se III - preservar e conservar o meio ambiente natural e o patrimô-
inteligência e geração de valor na gestão de dados e serviços ao nio cultural quando da implantação de infraestrutura inteligente;
cidadão; IV - incentivar o empreendedorismo privilegiando empresários
VIII - atenção aos bairros mais pobres e localidades socialmen- individuais, pequenas e médias empresas da região e em especial
te vulneráveis quando da otimização de serviços e utilidades públi- do município de Amargosa;
cas municipais por meio de tecnologias da informação e comunica- V- fomentar o investimento de capitais para execução e melho-
ção avançadas, com vistas à redução das desigualdades sociais e de ria de infraestrutura do município;
acesso a serviços e recursos tecnológicos avançados nestas regiões, VI - desenvolver tecnologias para o engajamento social e me-
especialmente no que concerne à segurança pública e à conectivi- lhoria da democracia;
dade pública; VII - ter como meta a segurança de dados e a criação de parâ-
IX - compreensão da “educação tecnológica” como ferramenta metros precisos para medição dos serviços e estabilidade dos sis-
para a transformação social, mediante o progressivo engajamento temas;
e capacitação gratuita de jovens residentes em áreas vulneráveis, VIII - proteger da privacidade do cidadão, dos dados coletivos e
no âmbito das ações de inovação e Cidade Inteligente adotadas por dos dados pessoais capitados;
força desta Lei; Art. 6º Os dados individuais, gerados dentro da cidade, como
X - estímulo à atividade de inovação nas Instituições Cientifica, produto pela utilização de equipamentos, dispositivos ou serviços
Tecnológica e de Inovação (ICTs) e nas empresas, inclusive para a públicos urbanos e rurais, prestados sob regime de concessão ou
atração, a constituição e a instalação de centros de pesquisa, desen- mediante autorização do poder público são de propriedade exclusi-
volvimento e inovação e de parques e polos tecnológicos no Muni- va de cada cidadão, sendo vedada qualquer manipulação ou comer-
cípio de Amargosa; cialização dos mesmos sem prévia autorização.
XI - incentivo à constituição de ambientes favoráveis à inovação Parágrafo Único - Fica vedado contrato de adesão, de qualquer
e às atividades de transferência e intercâmbio de tecnologias no produto ou aplicativo, que obrigue o cidadão a autorizar acesso a
Município de Amargosa; seus dados para fim estranho ao interesse municipal.
XII - garantia de atratividade, segurança jurídica e regulação Art. 7º Os dados individuais de saúde, tributários, financeiros,
adequada, com vistas a viabilizar instrumentos de fomento e de cré- e a vida funcional somente podem ser utilizados, com autorização
dito que alavanquem as ações de inovação e de Cidade Inteligente explicita do cidadão, sendo vedado a manipulação e comercializa-
do Município, desonerando-se os cofres públicos municipais. ção para qualquer ou qualquer utilização sem interesse coletivo
XIII - promoção da cooperação e interação entre os entes públi- municipal.
cos, entre os setores público e privado e entre empresas; Art. 8º Os dados coletivos gerados dentro da cidade são de
XIV - promoção da competitividade empresarial nos mercados uso exclusivo do município, prioritariamente para planejamento,
nacional e internacional; desenvolvimento urbano, rural e social, sendo vedada a sua comer-
XV - promoção do empreendedorismo inovador e intensivo de cialização e manipulação para fins estranhos ao interesse público.
conhecimento, em particular da criação e desenvolvimento de em- Art. 9º Qualquer desvio sobre guarda, armazenamento e trans-
presas nascentes de base tecnológica; missão de dados, de qualquer natureza, que violem as normas es-
XVI - promoção do desenvolvimento e a difusão de tecnologias tabelecidas nesta Lei, autoriza a imediata suspensão dos contratos
sociais e o fortalecimento da extensão tecnológica para a inclusão com a prestadora de serviço, sem prejuízo da sua responsabilização
produtiva e social; civil, administrativa e criminal no que couber.

11
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
CAPÍTULO II quando se tratar de sociedades limitadas, o contrato social prever a
SEÇÃO I aplicação supletiva das regras da Lei no 6.404, de 15 de dezembro
DOS ESTÍMULOS de 1976.
§ 5º A participação minoritária de que trata o caput dar-se-á
Art. 10 Administração Pública Municipal poderá estimular e por meio de contribuição financeira ou não financeira, desde que
apoiar a constituição de alianças estratégicas e o desenvolvimento economicamente mensurável, e poderá ser aceita como forma de
de projetos de cooperação, envolvendo os componentes do Ecos- remuneração pela transferência de tecnologia e pelo licenciamento
sistema de Empreendedorismo e Inovação de Amargosa voltados para outorga de direito de uso ou de exploração de criação de titu-
para atividades de pesquisa e desenvolvimento, que objetivem a laridade do município e de suas entidades.
geração de produtos, processos e serviços inovadores e a transfe- Art. 15 A Administração Pública Municipal fica autorizada a
rência e a difusão de tecnologia. conceder recursos para a execução de projetos pesquisa, desen-
Parágrafo único. O apoio previsto no caput poderá contemplar volvimento, inovação e de transferência de tecnologia entre ICT´s
arranjos de inovação, redes e projetos nacionais ou internacionais e empresas, às ICT´s ou diretamente aos pesquisadores a elas vin-
de pesquisa tecnológica, as ações de empreendedorismo tecnoló- culados, por termo de outorga, convênio, contrato ou instrumento
gico e de criação de ambientes de inovação, inclusive incubadoras jurídico assemelhado.
e parques tecnológicos, e a formação e a capacitação de recursos § 1º A concessão de apoio financeiro depende de aprovação de
humanos qualificados. plano de trabalho.
Art. 11 A Administração Pública Municipal poderá apoiar a cria- § 2º A celebração e a prestação de contas dos instrumentos aos
ção, a implantação e a consolidação de ambientes promotores da quais se refere o caput serão feitas de forma simplificada e compa-
inovação, incluídos parques e polos tecnológicos e incubadoras de tível com as características das atividades de ciência, tecnologia e
empresas, como forma de incentivar o desenvolvimento tecnológi- inovação, nos termos de regulamento.
co, o aumento da competitividade e a interação entre as empresas § 3º A vigência dos instrumentos jurídicos aos quais se refere o
e as ICT´s. caput deverá ser suficiente à plena realização do objeto, admitida
Parágrafo único. Para os fins previstos no caput, a Administra- a prorrogação, desde que justificada tecnicamente e refletida em
ção Pública Municipal poderá: ajuste do plano de trabalho.
I - Ceder o uso de imóveis para a instalação e a consolidação de
ambientes promotores da inovação, diretamente às empresas e às SEÇÃO II
Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICT´s) interessa- DO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NAS EMPRESAS
das ou por meio de entidade com ou sem fins lucrativos que tenha
por missão institucional a gestão de parques e polos tecnológicos Art. 16 A Administração Pública Municipal promoverá e in-
e de incubadora de empresas, mediante contrapartida obrigatória, centivará a pesquisa e o desenvolvimento de produtos, serviços e
financeira ou não financeira; processos inovadores em empresas brasileiras, preferencialmente
II - Participar da criação e da governança das entidades gesto- locais, e em ICT`s privadas, mediante a concessão de recursos finan-
ras de parques tecnológicos ou de incubadoras de empresas, desde ceiros, humanos, materiais ou de infraestrutura a serem ajustados
que adotem mecanismos que assegurem a segregação das funções em instrumentos específicos e destinados a apoiar atividades de
de financiamento e de execução. pesquisa, desenvolvimento e inovação.
Art. 12 A Administração Pública Municipal estimulará a atração § 1º A concessão de recursos financeiros, sob a forma de sub-
de centros de pesquisa e desenvolvimento de empresas nacionais venção econômica ou participação societária, visando ao desenvol-
e estrangeiras, promovendo sua interação com ICT´s e empresas lo- vimento de produtos ou processos inovadores, será́ precedida de
cais e, ainda, oferecendo-lhes o acesso aos instrumentos de fomen- aprovação de projeto.
to, visando ao adensamento do processo de inovação. § 2º São instrumentos de estímulo à inovação nas empresas,
Art. 13 A Administração Pública Municipal manterá programas quando aplicáveis, entre outros:
específicos para as Microempresas, para as Empresas de Pequeno I - Subvenção econômica;
Porte e Micro Empreendedor Individual – MEI , observando-se o II - participação societária;
III - Bônus tecnológico;
disposto na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, Lei Complemen-
IV - Encomenda tecnológica;
tar Federal nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
V - Incentivos fiscais;
Art. 14 A Administração Pública Municipal, direta e indireta
VI - Concessão de bolsas;
fica autorizada, nos termos regulamentados pelo Poder Executivo,
VII - Uso do poder de compra governamental;
a participar minoritariamente do capital social de empresas, com o
VIII - Fundos de participação;
propósito de desenvolver produtos ou processos inovadores.
IX - Previsão de investimento em pesquisa e desenvolvimento
§ 1º A propriedade intelectual sobre os resultados obtidos per-
em contratos de concessão de serviços públicos ou em regulações
tencerá à empresa, na forma da legislação vigente e de seus atos
setoriais.
constitutivos. § 3º A Administração Pública Municipal poderá utilizar simul-
§ 2º O poder público poderá condicionar a participação socie- taneamente mais de um instrumento de estímulo à inovação a fim
tária via aporte de capital à previsão de licenciamento da proprie- de conferir efetividade aos programas de inovação em empresas.
dade intelectual para atender ao interesse público. Art. 17 A Administração Pública Municipal, em matéria de in-
§ 3º Os recursos recebidos em decorrência da alienação da teresse público, poderá contratar diretamente ICT em consórcios,
participação societária referida no caput deverão ser aplicados em voltadas para atividades de pesquisa e de reconhecida capacitação
pesquisa e desenvolvimento ou em novas participações societárias. tecnológica no setor, visando à realização de atividades de pesqui-
§ 4º Nas empresas a que se refere o caput, o estatuto ou con- sa, desenvolvimento e inovação que envolvam risco tecnológico,
trato social poderá conferir às ações ou quotas detidas pelo municí- para solução de problema técnico específico ou obtenção de pro-
pio por suas entidades poderes especiais, inclusive de veto às deli- duto, serviço ou processo inovador.
berações dos demais sócios nas matérias que especificar, devendo,

12
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
Art. 18 Cabe à Administração Pública Municipal, direta e indire- § 1º Cada entidade indicará um membro titular e um suplente.
ta, promover, por meio de programas específicos, ações de estímu- § 2º A composição do Conselho deverá primar pela competên-
lo à inovação nas micro e pequenas empresas, inclusive mediante cia técnica nas áreas de ciência, tecnologia, inovação, empreende-
extensão tecnológica realizada pelas ICT. dorismo e desenvolvimento econômico.
Art. 19 A Administração Pública Municipal poderá conceder § 3º A Secretaria Executiva, com a finalidade de mobilizar, arti-
bolsas de estímulo à inovação no ambiente produtivo, destinadas à cular e dar suporte às atividades do Conselho será exercida, prefe-
formação e à capacitação de recursos humanos e à agregação de es- rencialmente, por um Representante do Poder Executivo Municipal.
pecialistas, em ICT e em empresas, que contribuam para a execução § 4º Os representantes serão nomeados para mandatos de 2
de projetos de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação e (dois) anos, sem remuneração, sendo permitida a recondução su-
para as atividades de extensão tecnológica, de proteção da proprie- cessiva.
dade intelectual e de transferência de tecnologia com repercussão § 5º As deliberações do conselho reclamam maioria simples
no município. dos presentes.

SEÇÃO III SECÃO II


DO ESTÍMULO AO INVENTOR INDEPENDENTE DAS ATRIBUIÇÕES

Art. 20 Ao inventor independente que comprove depósito de Art. 24 Ao Conselho compete:


pedido de patente, é facultado solicitar a suporte para divulgação, I - estudar, formular e propor princípios, diretrizes, políticas,
pesquisa e comercialização de sua invenção à Administração Públi- estratégias e ações para promoção da Ciência, Tecnologia e Inova-
ca Municipal, que decidirá quanto à conveniência e à oportunidade ção, doravante denominada Política e contribuir para estruturar o
da solicitação e à elaboração de projeto voltado à avaliação de de- Ecossistema de Empreendedorismo e Inovação de Amargosa, em
senvolvimento, incubação, utilização, industrialização e inserção no harmonia com demais Políticas de Desenvolvimento Urbano e Re-
mercado. gional;
Parágrafo único. O inventor independente, mediante instru- II - acompanhar a implementação da Política, em especial os
mento jurídico específico, deverá comprometer-se a compartilhar programas relativos a Ciência, Tecnologia e Inovação, bem como o
os eventuais ganhos econômicos auferidos com a exploração da in- empreendedorismo inovador intensivo de conhecimento, e reco-
venção protegida adotada pela Administração Pública. mendar as providências necessárias ao alcance de seus objetivos;
Art. 21 A Administração Pública Municipal poderá apoiar o in- III - representar e promover os interesses comuns de seus mem-
ventor independente que comprovar o depósito de patente de sua bros junto aos órgãos municipais, regionais, estaduais e do Distrito
criação, entre outras formas, por meio de: Federal, em observância ao cumprimento de seus objetivos;
I - análise da viabilidade técnica e econômica do objeto de sua IV - elaborar e sugerir ações que visem propiciar a geração,
invenção; apropriação e utilização de conhecimentos científicos, tecnológi-
II - assistência para transformação da invenção em produto ou cos, gerenciais e organizativos;
processo com os mecanismos financeiros e creditícios dispostos na V - sugerir a realização de estudos, debates e pesquisas sobre
legislação; a aplicação dos resultados estratégicos alcançados pelos programas
III - assistência para constituição de empresa que produza o e projetos;
bem objeto da invenção VI - opinar em processos que envolvam a estruturação ou alte-
IV - orientação para transferência de tecnologia para empresas ração do conjunto de incentivos voltados para o desenvolvimento
já constituídas. econômico de base tecnológica e inovação;
Art. 22. O município disponibilizará espaço devidamente mo- VII - sugerir, ao Poder Executivo Municipal, a criação de me-
biliado para inovação e empreendedorismo, em funcionamento canismos de articulação entre os programas e os recursos federais
sob a forma de Coworking, espaço coletivo de trabalho, que possua que tenham impacto sobre a Política Municipal de Inovação;
acesso à internet, computadores com impressora e scaner, sala de VIII - promover, quando necessário, a realização de seminá-
reunião e estações de trabalho livre de qualquer custo para os em- rios ou encontros regionais sobre temas de sua agenda, bem como
preendedores. estudos sobre a definição de convênios e parcerias necessárias ao
cumprimento da Política;
CAPÍTULO III IX - manter e divulgar uma agenda anual de seus eventos con-
DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E soante aos seus respectivos objetivos;
INOVAÇÃO X - dar publicidade e divulgar seus trabalhos e resultados;
SEÇÃO I XI - aprovar seu regimento interno e decidir sobre as alterações
DA FINALIDADE E COMPOSIÇÃO propostas por seus membros.
XII – Autorizar qualquer ação municipal ligada ao empreende-
Art. 23 Fica criado o Conselho Municipal de Cidade Inteligente dorismo e inovação que se baseie nesta Lei.
- CMCI, que tem por objetivo o controle e a fiscalização da implan- Art. 25 A participação no Conselho será considerada função
tação e uso de sistemas inteligentes na cidade de Amargosa-Ba, do- relevante, de caráter não oneroso e não remunerada, seja na con-
ravante Conselho, órgão superior de consulta, de natureza delibera- dição de membros representantes indicados, na participação dos
tiva, consultiva e propositiva, é composto por: Comitês Técnicos, bem como na Secretaria Executiva.
I - 2 (dois) membros representantes do Poder Público Munici- Art. 26 A organização e o funcionamento do Conselho serão
pal, nomeados pelo Chefe do Poder Executivo, que indicará o pre- disciplinados em Regimento Interno, a ser aprovado por ato próprio
sidente; do referido Conselho, no prazo de 90 (noventa) dias da nomeação
II - 2 (dois) representantes do Setor Econômico do município deste.
de Amargosa;
III - 2 (dois) representantes das Instituições de Ensino, Ciência
ou Tecnologia com sede em Amargosa.

13
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
CAPÍTULO IV CAPÍTULO V
SEÇÃO I PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIAS DA CIDADE INTELIGENTE
DO ORÇAMENTO
Art. 31 Fica a Municipalidade, por intermédio da Secretaria
Art. 27 As ações e projetos referidos nesta Lei, destinados à Municipal indicada pelo prefeito municipal para responder pelo Pla-
inovação e à consolidação de Amargosa como Cidade Inteligente, no Diretor de Tecnologias da Cidade Inteligente - PDTCI, autorizada
poderão destinar recursos ou contar com recursos provenientes do a formatar e executar o referido plano.
Fundo Municipal de Desenvolvimento Econômico e Inovação – FM- Parágrafo único. O PDTCI destina-se a aproximar os serviços pú-
DEI, instituído por esta lei. blicos locais às tecnologias da informação e comunicação disponí-
Art. 28 O Conselho Municipal de Cidade Inteligente - CMCI de- veis, com ênfase em soluções físicas e cibernéticas para o ambiente
verá editar Resolução estabelecendo os termos de referência, os urbano baseadas em “Big Data” e “Internet das Coisas”, com alto
documentos obrigatórios, a forma e os procedimentos para apre- potencial de otimização de serviços e utilidades públicas ao cidadão
sentação e aprovação de projetos a serem apoiados pelo FMDEI, e ao turista, e de atribuição de eficiência técnica e econômica ao
assim como a forma, o conteúdo e a periodicidade dos relatórios Poder Público, conforme estudos desenvolvidos na esfera federal
financeiros e de atividades que deverão ser apresentados pelos be- (Plano Nacional de Internet das Coisas).
neficiários. Art. 32 Os projetos inseridos no Plano Diretor de Tecnologias
da Cidade Inteligente deverão basear-se em aplicações voltadas à
SEÇÃO II eficiência de serviços e utilidades públicas ao cidadão e ao turista,
DEMAIS INCENTIVOS ÀS ATIVIDADES DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E nos campos de atuação do município, como mobilidade urbana, se-
INOVAÇÃO gurança pública (em conjunto com o Estado), iluminação pública,
saneamento básico, entre outros, compreendendo, por exemplo,
Art. 29 O Poder Público Municipal poderá, na forma desta Lei e soluções relativas a:
da legislação aplicável, bem como observados os limites orçamen- I - desenvolvimento de controle centralizado, integrado e infor-
tários, viabilizar mecanismos de incentivo às atividades de ciência, matizado das infraestruturas e serviços públicos;
tecnologia e inovação, especialmente mediante: II - redes de iluminação pública inteligente, por meio de lumi-
I - a concessão de bolsas de auxílio a pesquisadores vinculados nárias “LED” e estruturas acessórias habilitadas à telegestão e ao
às instituições de ensino médio ou superior e às ICT´’s instaladas no controle de múltiplas estruturas do ambiente urbano, permitindo
Município de Amargosa; o trânsito de dados e informações pelas luminárias, postes e estru-
II - a criação de mecanismos de interação entre os diversos inte- turas acessórias;
grantes do Ecossistema Municipal de Inovação, especialmente com III - paradas de ônibus inteligentes, dotadas de totens informa-
vistas a proporcionar a troca de conhecimentos e a coordenação de tivos multisserviços;
esforços voltados a iniciativas de ciência, tecnologia e inovação no IV - sistemas de bicicletas públicas compartilhadas;
campo produtivo; e V - sistemas de bicicletas elétricas públicas compartilhadas;
III - a cessão ou compartilhamento de infraestrutura municipal VI - sistemas de carros elétricos públicos (inclusive autônomos)
para fins de implantação ou realização de atividades de pesquisa,
compartilhados;
desenvolvimento e inovação;
VII - semáforos inteligentes, dotados de inteligência artificial
IV – Realizar eventos, competitivos ou não, que visem o es-
que permita a atuação dinâmica conforme o tráfego observado;
tímulo ao empreendedorismo e a inovação para a superação de
VIII - sistemas de radares e fiscalização inteligente de infrações
problemas municipais, concedendo ou não premiação de qualquer
de trânsito;
natureza;
IX - gestão inteligente de vagas públicas, mediante a utilização
V – Custear, conforme disponibilidade financeira do município,
de aplicativos;
despesas com transportes, alimentação e hospedagem para estu-
dantes municipais e cidadãos que representarem o município em X - monitoramento climático e meteorológico inteligente;
eventos de inovação e/ou empreendedorismo com soluções tecno- XI - sistemas inteligentes de detecção de potenciais desaba-
lógicas para a cidade. mentos e outros desastres do ambiente urbano;
Parágrafo único. A infraestrutura referida no inc. III inclui labo- XII - sistemas de hidrômetros inteligentes, controle informati-
ratórios, equipamentos públicos (inclusive os situados nas vias pú- zado de perdas físicas e comerciais na rede de abastecimento de
blicas), banco de dados, servidores, instrumentos e materiais, bem água e monitoramento digital da qualidade da água na rede de
como quaisquer outras instalações à disposição do Poder Público abastecimento;
Municipal que possam ser utilizadas para fins de pesquisa, desen- XIII - tratamento inteligente de esgoto, inclusive para produção
volvimento e inovação, prioritariamente ligados às iniciativas no de água de reuso e geração energética a partir do lodo resultante
campo das Cidades Inteligentes. dos processos;
Art. 30 O Município de Amargosa, poderá, na forma desta Lei XIV - redes de lixeiras inteligentes, dotadas de sensores que
e da legislação aplicável, conceder bolsas de auxílio a pesquisado- permitam a mensuração de capacidade em tempo real, otimizan-
res vinculados a programas de pós-graduação lato ou Stricto Sensu, do- se as rotas de coleta;
envolvidos em projetos inovadores desenvolvidos por empresas e XV - telemetria de lixo residencial e industrial individualizada;
entidades estabelecidas no Município e integrantes do Ecossistema XVI - bueiros inteligentes, dotados de sensores “IoT” que per-
Municipal de Inovação. mitam a identificação prévia de focos de enchentes e prevenção de
§ 1° Para a concessão das bolsas de auxílio, deverão constar en- problemas de drenagem;
tre os proponentes do projeto o proprietário, sócio ou funcionário XVII - monitoramento inteligente de vias públicas, por intermé-
de empresas estabelecidas no Município; dio de câmeras de vídeo e drones, além de sensores de tiros, em
§ 2° Os recursos referidos no caput serão destinados pagamen- permanente cooperação com o Governo do Estado da Bahia;
to de bolsas de auxílio, pagas diretamente ao bolsista-pesquisador, XVIII - controles inteligentes de acesso a prédios públicos mu-
nos estritos termos de Regulamento a ser editado pelo Poder Exe- nicipais;
cutivo Municipal.

14
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
XIX - geração municipal de energia por fonte solar, eólica, pie- CAPÍTULO VI
zoelétrica (através dos passos e do movimento de veículos) e outras RESÍDUOS TECNOLÓGICOS
fontes limpas, recomendadas internacionalmente;
XX - introdução do conceito de telemedicina e aplicação de “Big Art. 37 Os produtos e os componentes eletroeletrônicos con-
Data” na gestão da saúde pública municipal, permitindo-se diag- siderados como lixo tecnológico devem receber destinação final
nósticos e controles à distância e atribuindo-se eficiência ao siste- adequada que não provoque danos ou impactos negativos ao meio
ma municipal de saúde, inclusive no que concerne ao controle de ambiente e à sociedade, na forma da Lei Federal n° 12.305/10.
distribuição de medicamentos e acompanhamento de tempos de Parágrafo único - A responsabilidade pela destinação final é so-
espera em unidades públicas de saúde; lidária entre as empresas que produzam, comercializem ou impor-
XXI - utilização de aplicativos de celular e totens nas vias pú- tem produtos e componentes eletroeletrônicos, na forma da Lei.
blicas para desenvolvimento do conceito de Administração Pública Art. 38 Para os efeitos desta Lei, consideram-se lixo tecnológico
Colaborativa, otimizando-se os canais de comunicação com o cida- os aparelhos eletrodomésticos e os equipamentos e componentes
dão e o turista de Amargosa; e eletroeletrônicos de uso doméstico, industrial, comercial ou no se-
XXII - outras soluções indicadas no Plano Diretor de Tecnologias tor de serviços, inclusive serviços públicos, que estejam em desuso
da Cidade Inteligente. e sujeitos à disposição final, tais como:
Art. 33 É pressuposto do Plano Diretor de Tecnologias da Cida- I - componentes e periféricos de computadores;
de Inteligente a compreensão do alto potencial de otimização que II - monitores e televisores;
aplicativos virtuais detêm na gestão colaborativa de serviços e utilida- III - acumuladores de energia (baterias e pilhas); e
des públicas municipais, inseridas no conceito de Cidade Inteligente, IV - produtos magnetizados.
bem como a gestão eficiente e inteligente dos dados gerados a partir Art. 39 A destinação final do lixo tecnológico, ambientalmente
da prestação de serviços públicos ao cidadão e ao turista, incremen- adequada, darse-á́ mediante:
tando-se valor através de sua análise e processamento integrado e in- I - processos de reciclagem e aproveitamento do produto ou
teligente, e contribuindo à tomada de decisões mais qualificadas pelo componentes para a finalidade original ou diversa;
Poder Público Municipal em suas diversas áreas de atuação. II - práticas de reutilização total ou parcial de produtos e com-
ponentes tecnológicos; e
Art. 34 Fica reconhecida como serviço público municipal gra-
III - neutralização e disposição final apropriada dos componen-
tuito, no âmbito de Amargosa, a conectividade pública em locais
tes tecnológicos equiparados a lixo químico.
de grande circulação de pessoas (parques, praças, centros comer-
Parágrafo único - A destinação final de que trata o caput deverá
ciais, vias mais movimentadas), por meio de “Wi-Fi” e tecnologias
se dar em consonância com a legislação ambiental e as normas de
análogas, a ser implementada de forma progressiva e acessível a
saúde e segurança pública, respeitando-se as vedações e restrições
todos os cidadãos e turistas (brasileiros ou estrangeiros), mediante
estabelecidas pelos órgãos públicos competentes, cabendo ao mu-
cadastramento de usuários.
nicípio, sempre que possível buscar ou auxiliar soluções em prol da
Art. 35 A realização de investimentos e a prestação de serviços coletividade.
públicos ou de utilidade pública, relacionados a aplicações inseri- Art. 40 É de responsabilidade da empresa que fabrica, impor-
das no Plano Diretor de Tecnologias da Cidade Inteligente, poderá ta ou comercializa produtos tecnológicos eletroeletrônicos manter
se dar na forma de (PPPs – Parcerias Público-Privadas), desde que pontos de coleta para receber o lixo tecnológico a ser descartado
disciplinada em Lei Municipal própria e observados seus preceitos pelo consumidor, conforme disposto na Política Nacional de Resí-
de estruturação e modelagem, seus requisitos prévios obrigatórios duos Sólidos (Lei Federal n° 12.305/10).
(Audiências e Consultas Públicas, Licitações Públicas, entre outros.
Parágrafo único - Poderão ser estabelecidos, nos Contratos de CAPÍTULO VII
PPP celebrados sob o Plano Diretor de Tecnologias da Cidade Inteli- DA EFICIENTIZAÇÃO E DA SUSTENBILIDADE ADMINISTRATIVA
gente, mecanismos de repasse, para o FMDEI, de recursos advindos
da operação de estruturas concedidas, de forma a retroalimentar o Art. 41 A Administração Municipal deverá assegurar de forma
sistema de inovação do município. crescente a utilização de soluções tecnológicas que eliminem a uti-
Art. 36 Nos projetos conduzidos sob o Plano Diretor de Tec- lização de papel em todas as suas rotinas e desburocratize o acesso
nologias da Cidade Inteligente, deverá o Poder Público Municipal do cidadão aos serviços públicos, sendo vedadas medidas regressi-
priorizar soluções integradas e inteligentes, que atribuam eficiência vas em favor de processos físicos.
e criatividade de utilização dos equipamentos públicos municipais, Parágrafo único. Fica vedada a tramitação de processos em
e que se baseiem na tomada de riscos operacionais e de integração meio físico, a partir de 01/01/2021.
tecnológica pelos contratados. Art. 42 O website municipal e os softwares contratados pela
§ 1° Insere-se no disposto no caput deste artigo a moderniza- Administração municipal devem assegurar a funcionamento em
ção do sistema municipal de iluminação pública e a utilização de ambiente plenamente web e responsivo, contribuindo para a segu-
suas estruturas para o desenvolvimento de rede inteligente muni- rança e alta performance dos recursos disponibilizados aos servido-
cipal multisserviços, capaz de transitar dados e informações e, as- res e cidadãos.
sim, otimizar a prestação de serviços públicos nas diversas áreas de § 1°. O website municipal deverá garantir acessibilidade neces-
atuação do Poder Público Municipal, dentro do conceito de “Cidade sária para usuários com deficiência.
Inteligente”, conforme estudos conduzidos em nível federal e apon- § 2° Os softwares contratados pela Administração municipal
tados no Plano Nacional de Internet das Coisas. deverão realizar obrigatoriamente a migração do banco de dados,
§ 2° O Poder Público Municipal poderá atribuir ao delegató- evitando descontinuidades na prestação dos serviços perda da série
rio do sistema municipal de iluminação pública a obrigação de, em histórica.
determinadas áreas e regiões do município, oferecer conectividade § 3° O município deverá alcançar solução(ões) tecnológica(s)
pública gratuita, por meio de tecnologia Wi-Fi ou meios análogos, que permita(m) aos cidadãos, servidores e estabelecimentos em-
utilizando-se as luminárias públicas como instrumento de conecti- presariais a possibilidade de formalizar, tramitar e monitorar suas
vidade e distribuição de sinal, sem prejuízo de sua função de video- demandas/processos de forma digital, por meio de computador ou
monitoramento. smartphone.

15
CONTEXTO E REALIDADE SOCIOECONÔMICO LOCAL DO MUNICÍPIO DE AMARGOSA
§ 4° As demandas dos cidadãos relacionadas à iluminação pú-
blica, limpeza, paisagismo, vias rurais, reparo de pavimentação,
ANOTAÇÕES
trânsito, entre outros, deverão ser registradas por meio da sitío ou
aplicativo de celular, assegurando o número do protocolo da recla- ______________________________________________________
mação e o acompanhamento do serviço pelo solicitante.
§ 5° A Administração deverá assegurar canal de interação via ______________________________________________________
internet que permita aos contribuintes acessarem certidão fiscal
atualizada de forma gratuita, bem como documento de arrecada- ______________________________________________________
ção municipal de tributos.
Art. 43 O município manterá toda a legislação municipal, por- ______________________________________________________
tarias e decretos do executivo disponíveis para acesso à população
______________________________________________________
de forma simplificada por meio da internet das coisas, sem prejuízo
do diário oficial. ______________________________________________________
Art. 44 O Diário oficial do município deve oferecer sistema de
busca de informações que permita utilizar como critério de locali- ______________________________________________________
zação qualquer nome ou parte de nome existente numa dada pu-
blicação oficial. ______________________________________________________
§ 1°. O município deverá disponibilizar em seu sítio institucio-
nal links de acesso a todos os portais de diário oficial que já manti- ______________________________________________________
veram vínculo contratual com o Poder Executivo.
______________________________________________________
§ 2°. As licitações realizadas pela Administração deverão ser
publicadas nas redes sociais oficiais do município. ______________________________________________________
Art. 45 O município manterá aplicativo mobile com conteúdo
institucional, de modo a assegurar a transparência dos atos do Exe- _____________________________________________________
cutivo, a unificação dos diversos canais de interação institucional,
bem como servindo de indutor do desenvolvimento econômico _____________________________________________________
local por meio do cadastro e divulgação de empresas e microem-
preendedores individuais. ______________________________________________________
Art. 46. O município procederá implantação de sistema de cap-
tação de energia sustentável em todas as unidades das secretarias ______________________________________________________
municipais, de forma a assegurar consumo elétrico plenamente
______________________________________________________
sustentável até dezembro de 2024.
Art. 47. O Arquivo municipal de Amargosa deverá ter seu acer- ______________________________________________________
vo histórico e administrativo totalmente digitalizado até dezembro
de 2022. ______________________________________________________
Art. 48. Todas as secretarias municipais desenvolverão rotinas
de coleta seletiva de lixo até 31/12/2021. ______________________________________________________
Parágrafo único. Em todas as sedes das secretarias municipais
e na prefeitura serão instalados coletores de pilhas e baterias, asse- ______________________________________________________
gurando o devido descarte.
______________________________________________________
Art. 49. O A frota veicular municipal deverá possuir sistema de
rastreamento em tempo real, devendo o abastecimento ocorrer ______________________________________________________
apenas por solução tecnológica que permita o monitoramento em
tempo de real do consumo, servidor responsável pelo abastecimen- ______________________________________________________
to e relatórios detalhados de consumo.
Art 50. A Rede Pública Escolar do Município implantará rotinas ______________________________________________________
de matrículas histórico escolar online, bem como, acompanhamen-
to de notas pelos alunos e seus responsáveis por meio de acesso a ______________________________________________________
internet, que será implantado até dezembro de 2021.
Art. 51. As dúvidas e lacunas legais do texto desta Lei serão di- ______________________________________________________
rimidas pela secretaria municipal indicada pelo Chefe do Executivo
______________________________________________________
com auxílio do Conselho Municipal de Cidades Inteligentes- CMCI.
Art. 52 Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, ______________________________________________________
revogadas as disposições em contrário.
Gabinete do Prefeito Municipal de Amargosa, em 21 de agosto ______________________________________________________
de 2020
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

16
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
1. Constituição Federal: Art. 37 A 40 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Estatuto Do Servidor Do Município De Amargosa (Lei Nº 8, De 02 De Março De 2006 E Lei Complementar Nº 35, De 19 De Agosto De
2020) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3. Poderes Administrativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
4. Princípios Norteadores Dos Serviços Públicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
5. Processo Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
6. Atos Administrativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7. Lei Da Improbidade Administrativa (Lei Nº 8.429, De 2 De Junho De 1992) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
8. Crimes Contra Administração Pública . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
c) Princípio da moralidade: A posição deste princípio no artigo
EXEMPLO CONSTITUIÇÃO FEDERAL: ART. 37 A 40 37 da CF representa o reconhecimento de uma espécie de morali-
dade administrativa, intimamente relacionada ao poder público. A
1) Princípios da Administração Pública administração pública não atua como um particular, de modo que
Os valores éticos inerentes ao Estado, os quais permitem que enquanto o descumprimento dos preceitos morais por parte deste
ele consolide o bem comum e garanta a preservação dos interesses particular não é punido pelo Direito (a priori), o ordenamento juríd-
da coletividade, se encontram exteriorizados em princípios e regras. ico adota tratamento rigoroso do comportamento imoral por par-
Estes, por sua vez, são estabelecidos na Constituição Federal e em te dos representantes do Estado. O princípio da moralidade deve
legislações infraconstitucionais, a exemplo das que serão estudadas se fazer presente não só para com os administrados, mas também
neste tópico, quais sejam: Decreto n° 1.171/94, Lei n° 8.112/90 e no âmbito interno. Está indissociavelmente ligado à noção de bom
Lei n° 8.429/92. administrador, que não somente deve ser conhecedor da lei, mas
Todas as diretivas de leis específicas sobre a ética no setor pú- também dos princípios éticos regentes da função administrativa.
blico partem da Constituição Federal, que estabelece alguns princí- TODO ATO IMORAL SERÁ DIRETAMENTE ILEGAL OU AO MENOS IM-
pios fundamentais para a ética no setor público. Em outras palavras, PESSOAL, daí a intrínseca ligação com os dois princípios anteriores.
é o texto constitucional do artigo 37, especialmente o caput, que d) Princípio da publicidade: A administração pública é obriga-
permite a compreensão de boa parte do conteúdo das leis especí- da a manter transparência em relação a todos seus atos e a todas
ficas, porque possui um caráter amplo ao preconizar os princípios informações armazenadas nos seus bancos de dados. Daí a publi-
fundamentais da administração pública. Estabelece a Constituição cação em órgãos da imprensa e a afixação de portarias. Por exem-
Federal: plo, a própria expressão concurso público (art. 37, II, CF) remonta
Artigo 37, CF. A administração pública direta e indireta de ao ideário de que todos devem tomar conhecimento do processo
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos seletivo de servidores do Estado. Diante disso, como será visto, se
Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, negar indevidamente a fornecer informações ao administrado car-
moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: [...] acteriza ato de improbidade administrativa.
No mais, prevê o §1º do artigo 37, CF, evitando que o princípio
São princípios da administração pública, nesta ordem: da publicidade seja deturpado em propaganda político-eleitoral:
Legalidade
Impessoalidade Artigo 37, §1º, CF. A publicidade dos atos, programas, obras,
Moralidade serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter ed-
Publicidade ucativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo
Eficiência constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção
pessoal de autoridades ou servidores públicos.
Para memorizar: veja que as iniciais das palavras formam o
vocábulo LIMPE, que remete à limpeza esperada da Administração Somente pela publicidade os indivíduos controlarão a legali-
Pública. É de fundamental importância um olhar atento ao signifi- dade e a eficiência dos atos administrativos. Os instrumentos para
cado de cada um destes princípios, posto que eles estruturam todas proteção são o direito de petição e as certidões (art. 5°, XXXIV, CF),
as regras éticas prescritas no Código de Ética e na Lei de Improbi- além do habeas data e - residualmente - do mandado de segurança.
dade Administrativa, tomando como base os ensinamentos de Car- Neste viés, ainda, prevê o artigo 37, CF em seu §3º:
valho Filho1 e Spitzcovsky2: Artigo 37, §3º, CF. A lei disciplinará as formas de participação
a) Princípio da legalidade: Para o particular, legalidade significa do usuário na administração pública direta e indireta, regulando
a permissão de fazer tudo o que a lei não proíbe. Contudo, como especialmente:
a administração pública representa os interesses da coletividade, I - as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos
ela se sujeita a uma relação de subordinação, pela qual só poderá em geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento
fazer o que a lei expressamente determina (assim, na esfera estatal, ao usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da qualidade
é preciso lei anterior editando a matéria para que seja preservado dos serviços;
o princípio da legalidade). A origem deste princípio está na criação II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a infor-
do Estado de Direito, no sentido de que o próprio Estado deve res- mações sobre atos de governo, observado o disposto no art. 5º, X
peitar as leis que dita. e XXXIII;
b) Princípio da impessoalidade: Por força dos interesses que III - a disciplina da representação contra o exercício negligente
representa, a administração pública está proibida de promover ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração pública.
discriminações gratuitas. Discriminar é tratar alguém de forma dif-
erente dos demais, privilegiando ou prejudicando. Segundo este e) Princípio da eficiência: A administração pública deve man-
princípio, a administração pública deve tratar igualmente todos ter o ampliar a qualidade de seus serviços com controle de gastos.
aqueles que se encontrem na mesma situação jurídica (princípio Isso envolve eficiência ao contratar pessoas (o concurso público
da isonomia ou igualdade). Por exemplo, a licitação reflete a im- seleciona os mais qualificados ao exercício do cargo), ao manter
pessoalidade no que tange à contratação de serviços. O princípio tais pessoas em seus cargos (pois é possível exonerar um servidor
da impessoalidade correlaciona-se ao princípio da finalidade, pelo público por ineficiência) e ao controlar gastos (limitando o teto de
qual o alvo a ser alcançado pela administração pública é somente o remuneração), por exemplo. O núcleo deste princípio é a procura
interesse público. Com efeito, o interesse particular não pode influ- por produtividade e economicidade. Alcança os serviços públicos
enciar no tratamento das pessoas, já que deve-se buscar somente a e os serviços administrativos internos, se referindo diretamente à
preservação do interesse coletivo. conduta dos agentes.
Além destes cinco princípios administrativo-constitucionais
1 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administra-
diretamente selecionados pelo constituinte, podem ser apontados
tivo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.
como princípios de natureza ética relacionados à função pública a
2 SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São Paulo:
probidade e a motivação:
Método, 2011.

1
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
a) Princípio da probidade: um princípio constitucional incluído Aprofundando a questão, tem-se o artigo 5º da Lei nº
dentro dos princípios específicos da licitação, é o dever de todo o 8.112/1990, que prevê:
administrador público, o dever de honestidade e fidelidade com o
Estado, com a população, no desempenho de suas funções. Possui Artigo 5º, Lei nº 8.112/1990. São requisitos básicos para inves-
contornos mais definidos do que a moralidade. Diógenes Gasparini3 tidura em cargo público:
alerta que alguns autores tratam veem como distintos os princípi- I - a nacionalidade brasileira;
os da moralidade e da probidade administrativa, mas não há car- II - o gozo dos direitos políticos;
acterísticas que permitam tratar os mesmos como procedimentos III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;
distintos, sendo no máximo possível afirmar que a probidade ad- IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo;
ministrativa é um aspecto particular da moralidade administrativa. V - a idade mínima de dezoito anos;
b) Princípio da motivação: É a obrigação conferida ao admin- VI - aptidão física e mental.
istrador de motivar todos os atos que edita, gerais ou de efeitos § 1º As atribuições do cargo podem justificar a exigência de
concretos. É considerado, entre os demais princípios, um dos mais outros requisitos estabelecidos em lei. [...]
importantes, uma vez que sem a motivação não há o devido pro- § 3º As universidades e instituições de pesquisa científica e
cesso legal, uma vez que a fundamentação surge como meio inter- tecnológica federais poderão prover seus cargos com professores,
pretativo da decisão que levou à prática do ato impugnado, sendo técnicos e cientistas estrangeiros, de acordo com as normas e os
verdadeiro meio de viabilização do controle da legalidade dos atos procedimentos desta Lei.
da Administração.
Motivar significa mencionar o dispositivo legal aplicável ao Destaca-se a exceção ao inciso I do artigo 5° da Lei nº 8.112/1990
caso concreto e relacionar os fatos que concretamente levaram à e do inciso I do artigo 37, CF, prevista no artigo 207 da Constituição,
aplicação daquele dispositivo legal. Todos os atos administrativos permitindo que estrangeiros assumam cargos no ramo da pesquisa,
devem ser motivados para que o Judiciário possa controlar o méri- ciência e tecnologia.
to do ato administrativo quanto à sua legalidade. Para efetuar esse Artigo 37, II, CF. A investidura em cargo ou emprego público
controle, devem ser observados os motivos dos atos administra- depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de
tivos. provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do car-
Em relação à necessidade de motivação dos atos administra- go ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações
tivos vinculados (aqueles em que a lei aponta um único comporta- para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e ex-
mento possível) e dos atos discricionários (aqueles que a lei, dentro oneração.
dos limites nela previstos, aponta um ou mais comportamentos Preconiza o artigo 10 da Lei nº 8.112/1990:
possíveis, de acordo com um juízo de conveniência e oportuni- Artigo 10, Lei nº 8.112/90. A nomeação para cargo de carreira
dade), a doutrina é uníssona na determinação da obrigatoriedade ou cargo isolado de provimento efetivo depende de prévia habili-
de motivação com relação aos atos administrativos vinculados; to- tação em concurso público de provas ou de provas e títulos, obede-
davia, diverge quanto à referida necessidade quanto aos atos dis- cidos a ordem de classificação e o prazo de sua validade.
cricionários. Parágrafo único. Os demais requisitos para o ingresso e o de-
Meirelles4 entende que o ato discricionário, editado sob os senvolvimento do servidor na carreira, mediante promoção, serão
limites da Lei, confere ao administrador uma margem de liberdade estabelecidos pela lei que fixar as diretrizes do sistema de carreira
para fazer um juízo de conveniência e oportunidade, não sendo na Administração Pública Federal e seus regulamentos.
necessária a motivação. No entanto, se houver tal fundamentação, No concurso de provas o candidato é avaliado apenas pelo seu
o ato deverá condicionar-se a esta, em razão da necessidade de ob- desempenho nas provas, ao passo que nos concursos de provas e
servância da Teoria dos Motivos Determinantes. O entendimento títulos o seu currículo em toda sua atividade profissional também
majoritário da doutrina, porém, é de que, mesmo no ato discri- é considerado. Cargo em comissão é o cargo de confiança, que não
cionário, é necessária a motivação para que se saiba qual o camin- exige concurso público, sendo exceção à regra geral.
ho adotado pelo administrador. Gasparini5, com respaldo no art. 50 Artigo 37, III, CF. O prazo de validade do concurso público será
da Lei n. 9.784/98, aponta inclusive a superação de tais discussões de até dois anos, prorrogável uma vez, por igual período.
doutrinárias, pois o referido artigo exige a motivação para todos Artigo 37, IV, CF. Durante o prazo improrrogável previsto no ed-
os atos nele elencados, compreendendo entre estes, tanto os atos ital de convocação, aquele aprovado em concurso público de provas
discricionários quanto os vinculados. ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos
concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira.
2) Regras mínimas sobre direitos e deveres dos servidores
O artigo 37 da Constituição Federal estabelece os princípios Prevê o artigo 12 da Lei nº 8.112/1990:
da administração pública estudados no tópico anterior, aos quais Artigo 12, Lei nº 8.112/1990. O concurso público terá validade
estão sujeitos servidores de quaisquer dos Poderes em qualquer de até 2 (dois) anos, podendo ser prorrogado uma única vez, por
das esferas federativas, e, em seus incisos, regras mínimas sobre o igual período.
serviço público: §1º O prazo de validade do concurso e as condições de sua real-
ização serão fixados em edital, que será publicado no Diário Oficial
Artigo 37, I, CF. Os cargos, empregos e funções públicas são da União e em jornal diário de grande circulação.
acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabeleci- § 2º Não se abrirá novo concurso enquanto houver candidato
dos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei. aprovado em concurso anterior com prazo de validade não expirado.
3GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. 9ª ed. São Paulo:
O edital delimita questões como valor da taxa de inscrição,
Saraiva, 2004.
casos de isenção, número de vagas e prazo de validade. Havendo
4MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. São Pau-
candidatos aprovados na vigência do prazo do concurso, ele deve
lo: Malheiros, 1993.
ser chamado para assumir eventual vaga e não ser realizado novo
5GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. 9ª ed. São Paulo:
concurso.
Saraiva, 2004.

2
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Destaca-se que o §2º do artigo 37, CF, prevê:

Artigo 37, §2º, CF. A não-observância do disposto nos incisos II e III implicará a nulidade do ato e a punição da autoridade responsáv-
el, nos termos da lei.
Com efeito, há tratamento rigoroso da responsabilização daquele que viola as diretrizes mínimas sobre o ingresso no serviço público,
que em regra se dá por concurso de provas ou de provas e títulos.
Artigo 37, V, CF. As funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em
comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se ap-
enas às atribuições de direção, chefia e assessoramento.

Observa-se o seguinte quadro comparativo6:

Função de Confiança Cargo em Comissão


Exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de Qualquer pessoa, observado o percentual mínimo re-
cargo efetivo. servado ao servidor de carreira.
Com concurso público, já que somente pode exercê-la Sem concurso público, ressalvado o percentual míni-
o servidor de cargo efetivo, mas a função em si não mo reservado ao servidor de carreira.
prescindível de concurso público.
Somente são conferidas atribuições e responsabilida- É atribuído posto (lugar) num dos quadros da
de Administração Pública, conferida atribuições e
responsabilidade àquele que irá ocupá-lo
Destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia Destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia
e assessoramento e assessoramento
De livre nomeação e exoneração no que se refere à De livre nomeação e exoneração
função e não em relação ao cargo efetivo.

Artigo 37, VI, CF. É garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical.

A liberdade de associação é garantida aos servidores públicos tal como é garantida a todos na condição de direito individual e de
direito social.
Artigo 37, VII, CF. O direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que os servidores públicos possuem o direito de greve, devendo se atentar pela preservação da
sociedade quando exercê-lo. Enquanto não for elaborada uma legislação específica para os funcionários públicos, deverá ser obedecida a
lei geral de greve para os funcionários privados, qual seja a Lei n° 7.783/89 (Mandado de Injunção nº 20).
Artigo 37, VIII, CF. A lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os
critérios de sua admissão.

Neste sentido, o §2º do artigo 5º da Lei nº 8.112/1990:


Artigo 5º, Lei nº 8.112/90. Às pessoas portadoras de deficiência é assegurado o direito de se inscrever em concurso público para provi-
mento de cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que são portadoras; para tais pessoas serão reservadas até 20%
(vinte por cento) das vagas oferecidas no concurso.

Prossegue o artigo 37, CF:


Artigo 37, IX, CF. A lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excep-
cional interesse público.

A Lei nº 8.745/1993 regulamenta este inciso da Constituição, definindo a natureza da relação estabelecida entre o servidor contratado
e a Administração Pública, para atender à “necessidade temporária de excepcional interesse público”.
“Em se tratando de relação subordinada, isto é, de relação que comporta dependência jurídica do servidor perante o Estado, duas
opções se ofereciam: ou a relação seria trabalhista, agindo o Estado iure gestionis, sem usar das prerrogativas de Poder Público, ou in-
stitucional, estatutária, preponderando o ius imperii do Estado. Melhor dizendo: o sistema preconizado pela Carta Política de 1988 é o
do contrato, que tanto pode ser trabalhista (inserindo-se na esfera do Direito Privado) quanto administrativo (situando-se no campo do
Direito Público). [...] Uma solução intermediária não deixa, entretanto, de ser legítima. Pode-se, com certeza, abonar um sistema híbrido,
eclético, no qual coexistam normas trabalhistas e estatutárias, pondo-se em contiguidade os vínculos privado e administrativo, no sen-
tido de atender às exigências do Estado moderno, que procura alcançar os seus objetivos com a mesma eficácia dos empreendimentos
não-governamentais”7.

6 http://direitoemquadrinhos.blogspot.com.br/2011/03/quadro-comparativo-funcao-de-confianca.html
7 VOGEL NETO, Gustavo Adolpho. Contratação de servidores para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_39/Artigos/Art_Gustavo.htm>. Acesso em: 23 dez. 2014.

3
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Artigo 37, X, CF. A remuneração dos servidores públicos e o Prevê a Lei nº 8.112/1990 em seu artigo 42:
subsídio de que trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados
ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa em Artigo 42, Lei nº 8.112/90. Nenhum servidor poderá perce-
cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e ber, mensalmente, a título de remuneração, importância superior
sem distinção de índices. à soma dos valores percebidos como remuneração, em espécie, a
Artigo 37, XV, CF. O subsídio e os vencimentos dos ocupantes qualquer título, no âmbito dos respectivos Poderes, pelos Minis-
de cargos e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o dis- tros de Estado, por membros do Congresso Nacional e Ministros do
posto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, Supremo Tribunal Federal. Parágrafo único. Excluem-se do teto de
153, III, e 153, § 2º, I. remuneração as vantagens previstas nos incisos II a VII do art. 61.
Artigo 37, §10, CF. É vedada a percepção simultânea de Com efeito, os §§ 11 e 12 do artigo 37, CF tecem aprofunda-
proventos de aposentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 mentos sobre o mencionado inciso XI:
e 142 com a remuneração de cargo, emprego ou função pública, Artigo 37, § 11, CF. Não serão computadas, para efeito dos lim-
ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os ites remuneratórios de que trata o inciso XI do caput deste artigo,
cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre as parcelas de caráter indenizatório previstas em lei.
nomeação e exoneração. Artigo 37, § 12, CF. Para os fins do disposto no inciso XI do caput
deste artigo, fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar,
Sobre a questão, disciplina a Lei nº 8.112/1990 nos artigos 40 em seu âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e
e 41: Lei Orgânica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembar-
gadores do respectivo Tribunal de Justiça, limitado a noventa in-
Art. 40. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de teiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal dos
cargo público, com valor fixado em lei. Ministros do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o disposto
Art. 41. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acres- neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e Distritais
cido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. e dos Vereadores.
§ 1º A remuneração do servidor investido em função ou cargo Por seu turno, o artigo 37 quanto à vinculação ou equiparação
em comissão será paga na forma prevista no art. 62. salarial:
§ 2º O servidor investido em cargo em comissão de órgão ou Artigo 37, XIII, CF. É vedada a vinculação ou equiparação de
quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração
entidade diversa da de sua lotação receberá a remuneração de
de pessoal do serviço público.
acordo com o estabelecido no § 1º do art. 93.
Os padrões de vencimentos são fixados por conselho de políti-
§ 3º O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens de
ca de administração e remuneração de pessoal, integrado por ser-
caráter permanente, é irredutível.
vidores designados pelos respectivos Poderes (artigo 39, caput e §
§ 4º É assegurada a isonomia de vencimentos para cargos de
1º), sem qualquer garantia constitucional de tratamento igualitário
atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder, ou entre ser-
aos cargos que se mostrem similares.
vidores dos três Poderes, ressalvadas as vantagens de caráter indi-
Artigo 37, XIV, CF. Os acréscimos pecuniários percebidos por
vidual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho. servidor público não serão computados nem acumulados para fins
§ 5º Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salário de concessão de acréscimos ulteriores.
mínimo. A preocupação do constituinte, ao implantar tal preceito, foi
Ainda, o artigo 37 da Constituição: de que não eclodisse no sistema remuneratório dos servidores, ou
seja, evitar que se utilize uma vantagem como base de cálculo de
Artigo 37, XI, CF. A remuneração e o subsídio dos ocupantes um outro benefício. Dessa forma, qualquer gratificação que venha
de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, a ser concedida ao servidor só pode ter como base de cálculo o
autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes próprio vencimento básico. É inaceitável que se leve em consider-
da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos ação outra vantagem até então percebida.
detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os Artigo 37, XVI, CF. É vedada a acumulação remunerada de car-
proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos gos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários,
cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de observado em qualquer caso o disposto no inciso XI: a) a de dois
qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, cargos de professor; b) a de um cargo de professor com outro, téc-
em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplican- nico ou científico; c) a de dois cargos ou empregos privativos de
do-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos profissionais de saúde, com profissões regulamentadas.
Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no Artigo 37, XVII, CF. A proibição de acumular estende-se a em-
âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e pregos e funções e abrange autarquias, fundações, empresas pú-
Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desem- blicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e socie-
bargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e dades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público.
vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em es-
pécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Segundo Carvalho Filho8, “o fundamento da proibição é im-
Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério pedir que o cúmulo de funções públicas faça com que o servidor
Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos. não execute qualquer delas com a necessária eficiência. Além dis-
so, porém, pode-se observar que o Constituinte quis também im-
Artigo 37, XII, CF. Os vencimentos dos cargos do Poder Legis- pedir a cumulação de ganhos em detrimento da boa execução de
lativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos tarefas públicas. [...] Nota-se que a vedação se refere à acumulação
pelo Poder Executivo. remunerada. Em consequência, se a acumulação só encerra a per-
cepção de vencimentos por uma das fontes, não incide a regra con-
stitucional proibitiva”.
8CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrati-
vo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.

4
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
A Lei nº 8.112/1990 regulamenta intensamente a questão: “O Estado tem como finalidade essencial a garantia do bem-es-
Artigo 118, Lei nº 8.112/1990. Ressalvados os casos previstos tar de seus cidadãos, seja através dos serviços públicos que dis-
na Constituição, é vedada a acumulação remunerada de cargos ponibiliza, seja através de investimentos na área social (educação,
públicos. saúde, segurança pública). Para atingir esses objetivos primários,
§ 1o A proibição de acumular estende-se a cargos, empregos deve desenvolver uma atividade financeira, com o intuito de obter
e funções em autarquias, fundações públicas, empresas públicas, recursos indispensáveis às necessidades cuja satisfação se compro-
sociedades de economia mista da União, do Distrito Federal, dos meteu quando estabeleceu o “pacto” constitucional de 1988. [...]
Estados, dos Territórios e dos Municípios. A importância da Administração Tributária foi reconhecida ex-
§ 2o A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica condiciona- pressamente pelo constituinte que acrescentou, no artigo 37 da
da à comprovação da compatibilidade de horários. Carta Magna, o inciso XVIII, estabelecendo a sua precedência e de
§ 3o Considera-se acumulação proibida a percepção de venci- seus servidores sobre os demais setores da Administração Pública,
mento de cargo ou emprego público efetivo com proventos da ina- dentro de suas áreas de competência”10.
tividade, salvo quando os cargos de que decorram essas remuner-
ações forem acumuláveis na atividade. Artigo 37, XIX, CF. Somente por lei específica poderá ser criada
autarquia e autorizada a instituição de empresa pública, de socie-
Art. 119, Lei nº 8.112/1990. O servidor não poderá exercer dade de economia mista e de fundação, cabendo à lei complemen-
mais de um cargo em comissão, exceto no caso previsto no pará- tar, neste último caso, definir as áreas de sua atuação.
grafo único do art. 9o, nem ser remunerado pela participação em
órgão de deliberação coletiva. Artigo 37, XX, CF. Depende de autorização legislativa, em cada
Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica à remu- caso, a criação de subsidiárias das entidades mencionadas no inciso
neração devida pela participação em conselhos de administração e anterior, assim como a participação de qualquer delas em empresa
fiscal das empresas públicas e sociedades de economia mista, suas privada.
subsidiárias e controladas, bem como quaisquer empresas ou en-
tidades em que a União, direta ou indiretamente, detenha partici- Órgãos da administração indireta somente podem ser criados
pação no capital social, observado o que, a respeito, dispuser legis- por lei específica e a criação de subsidiárias destes dependem de
lação específica. autorização legislativa (o Estado cria e controla diretamente deter-
minada empresa pública ou sociedade de economia mista, e estas,
Art. 120, Lei nº 8.112/1990. O servidor vinculado ao regime por sua vez, passam a gerir uma nova empresa, denominada sub-
desta Lei, que acumular licitamente dois cargos efetivos, quando sidiária. Ex.: Transpetro, subsidiária da Petrobrás). “Abrimos um
investido em cargo de provimento em comissão, ficará afastado de parêntese para observar que quase todos os autores que abordam
ambos os cargos efetivos, salvo na hipótese em que houver compat- o assunto afirmam categoricamente que, a despeito da referência
ibilidade de horário e local com o exercício de um deles, declarada no texto constitucional a ‘subsidiárias das entidades menciona-
pelas autoridades máximas dos órgãos ou entidades envolvidos. das no inciso anterior’, somente empresas públicas e sociedades
de economia mista podem ter subsidiárias, pois a relação de con-
“Os artigos 118 a 120 da Lei nº 8.112/90 ao tratarem da acu- trole que existe entre a pessoa jurídica matriz e a subsidiária seria
mulação de cargos e funções públicas, regulamentam, no âmbito própria de pessoas com estrutura empresarial, e inadequada a au-
do serviço público federal a vedação genérica constante do art. 37, tarquias e fundações públicas. OUSAMOS DISCORDAR. Parece-nos
incisos VXI e XVII, da Constituição da República. De fato, a acumu- que, se o legislador de um ente federado pretendesse, por exemplo,
lação ilícita de cargos públicos constitui uma das infrações mais co- autorizar a criação de uma subsidiária de uma fundação pública,
muns praticadas por servidores públicos, o que se constata obser- NÃO haveria base constitucional para considerar inválida sua au-
vando o elevado número de processos administrativos instaurados torização”11.
com esse objeto. O sistema adotado pela Lei nº 8.112/90 é relativa- Ainda sobre a questão do funcionamento da administração in-
mente brando, quando cotejado com outros estatutos de alguns Es- direta e de suas subsidiárias, destaca-se o previsto nos §§ 8º e 9º
tados, visto que propicia ao servidor incurso nessa ilicitude diversas do artigo 37, CF:
oportunidades para regularizar sua situação e escapar da pena de Artigo 37, §8º, CF. A autonomia gerencial, orçamentária e fi-
demissão. Também prevê a lei em comentário, um processo admin- nanceira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta
istrativo simplificado (processo disciplinar de rito sumário) para a poderá ser ampliada mediante contrato, a ser firmado entre seus
apuração dessa infração – art. 133” 9. administradores e o poder público, que tenha por objeto a fixação
Artigo 37, XVIII, CF. A administração fazendária e seus serv- de metas de desempenho para o órgão ou entidade, cabendo à lei
idores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e juris- dispor sobre:
dição, precedência sobre os demais setores administrativos, na I - o prazo de duração do contrato;
forma da lei. II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direi-
tos, obrigações e responsabilidade dos dirigentes;
Artigo 37, XXII, CF. As administrações tributárias da União, dos III - a remuneração do pessoal.
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, atividades essenciais Artigo 37, § 9º, CF. O disposto no inciso XI aplica-se às empre-
ao funcionamento do Estado, exercidas por servidores de carreiras sas públicas e às sociedades de economia mista e suas subsidiári-
específicas, terão recursos prioritários para a realização de suas as, que receberem recursos da União, dos Estados, do Distrito Fed-
atividades e atuarão de forma integrada, inclusive com o compar- eral ou dos Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou
tilhamento de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei de custeio em geral.
ou convênio.
10 http://www.sindsefaz.org.br/parecer_administracao_tributar-
9 MORGATO, Almir. O Regime Disciplinar dos Servidores Públicos da ia_sao_paulo.htm
União. Disponível em: <http://www.canaldosconcursos.com.br/artigos/ 11 ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Administrativo Descomplicado.
almirmorgado_artigo1.pdf>. Acesso em: 11 ago. 2013. São Paulo: GEN, 2014.

5
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Continua o artigo 37, CF: A Lei nº 12.813, de 16 de maio de 2013 dispõe sobre o conflito
de interesses no exercício de cargo ou emprego do Poder Executivo
Artigo 37, XXI, CF. Ressalvados os casos especificados na legis- federal e impedimentos posteriores ao exercício do cargo ou em-
lação, as obras, serviços, compras e alienações serão contratados prego; e revoga dispositivos da Lei nº 9.986, de 18 de julho de 2000,
mediante processo de licitação pública que assegure igualdade e das Medidas Provisórias nºs 2.216-37, de 31 de agosto de 2001, e
de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabe- 2.225-45, de 4 de setembro de 2001.
leçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da Neste sentido, conforme seu artigo 1º:
proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências
de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do Artigo 1º, Lei nº 12.813/2013. As situações que configuram
cumprimento das obrigações. conflito de interesses envolvendo ocupantes de cargo ou emprego
no âmbito do Poder Executivo federal, os requisitos e restrições a
A Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, regulamenta o art. 37, ocupantes de cargo ou emprego que tenham acesso a informações
inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações privilegiadas, os impedimentos posteriores ao exercício do cargo
e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Lic- ou emprego e as competências para fiscalização, avaliação e pre-
itação nada mais é que o conjunto de procedimentos administra- venção de conflitos de interesses regulam-se pelo disposto nesta Lei.
tivos (administrativos porque parte da administração pública) para
as compras ou serviços contratados pelos governos Federal, Estad- 3) Atos de improbidade administrativa
ual ou Municipal, ou seja todos os entes federativos. De forma mais A Lei n° 8.429/1992 trata da improbidade administrativa, que
simples, podemos dizer que o governo deve comprar e contratar é uma espécie qualificada de imoralidade, sinônimo de desones-
serviços seguindo regras de lei, assim a licitação é um processo for- tidade administrativa. A improbidade é uma lesão ao princípio da
mal onde há a competição entre os interessados. moralidade, que deve ser respeitado estritamente pelo servidor
público. O agente ímprobo sempre será um violador do princípio da
Artigo 37, §5º, CF. A lei estabelecerá os prazos de prescrição moralidade, pelo qual “a Administração Pública deve agir com boa-
para ilícitos praticados por qualquer agente, servidor ou não, que fé, sinceridade, probidade, lhaneza, lealdade e ética”12.
causem prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de res- A atual Lei de Improbidade Administrativa foi criada devido ao
sarcimento. amplo apelo popular contra certas vicissitudes do serviço público
que se intensificavam com a ineficácia do diploma então vigente, o
A prescrição dos ilícitos praticados por servidor encontra disci- Decreto-Lei nº 3240/41. Decorreu, assim, da necessidade de acabar
plina específica no artigo 142 da Lei nº 8.112/1990: com os atos atentatórios à moralidade administrativa e causadores
de prejuízo ao erário público ou ensejadores de enriquecimento il-
Art. 142, Lei nº 8.112/1990. A ação disciplinar prescreverá: ícito, infelizmente tão comuns no Brasil.
I - em 5 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis com de- Com o advento da Lei nº 8.429/1992, os agentes públicos
missão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade e destituição passaram a ser responsabilizados na esfera civil pelos atos de im-
de cargo em comissão; probidade administrativa descritos nos artigos 9º, 10 e 11, ficando
II - em 2 (dois) anos, quanto à suspensão; sujeitos às penas do art. 12. A existência de esferas distintas de re-
III - em 180 (cento e oitenta) dias, quanto á advertência. sponsabilidade (civil, penal e administrativa) impede falar-se em bis
§ 1o O prazo de prescrição começa a correr da data em que o in idem, já que, ontologicamente, não se trata de punições idênti-
fato se tornou conhecido. cas, embora baseadas no mesmo fato, mas de responsabilização em
§ 2o Os prazos de prescrição previstos na lei penal aplicam-se às esferas distintas do Direito.
infrações disciplinares capituladas também como crime. Destaca-se um conceito mais amplo de agente público previsto
§ 3o A abertura de sindicância ou a instauração de processo pela lei nº 8.429/1992 em seus artigos 1º e 2º porque o agente pú-
disciplinar interrompe a prescrição, até a decisão final proferida por blico pode ser ou não um servidor público. Ele poderá estar vincu-
autoridade competente. lado a qualquer instituição ou órgão que desempenhe diretamente
§ 4o Interrompido o curso da prescrição, o prazo começará a o interesse do Estado. Assim, estão incluídos todos os integrantes
correr a partir do dia em que cessar a interrupção. da administração direta, indireta e fundacional, conforme o preâm-
bulo da legislação.
Prescrição é um instituto que visa regular a perda do direito Pode até mesmo ser uma entidade privada que desempenhe
de acionar judicialmente. No caso, o prazo é de 5 anos para as in- tais fins, desde que a verba de criação ou custeio tenha sido ou
frações mais graves, 2 para as de gravidade intermediária (pena de seja pública em mais de 50% do patrimônio ou receita anual. Caso
suspensão) e 180 dias para as menos graves (pena de advertência), a verba pública que tenha auxiliado uma entidade privada a qual
contados da data em que o fato se tornou conhecido pela adminis- o Estado não tenha concorrido para criação ou custeio, também
tração pública. Se a infração disciplinar for crime, valerão os prazos haverá sujeição às penalidades da lei. Em caso de custeio/criação
prescricionais do direito penal, mais longos, logo, menos favoráveis pelo Estado que seja inferior a 50% do patrimônio ou receita an-
ao servidor. Interrupção da prescrição significa parar a contagem ual, a legislação ainda se aplica. Entretanto, nestes dois casos, a
do prazo para que, retornando, comece do zero. Da abertura da sanção patrimonial se limitará ao que o ilícito repercutiu sobre a
sindicância ou processo administrativo disciplinar até a decisão final contribuição dos cofres públicos. Significa que se o prejuízo causado
proferida por autoridade competente não corre a prescrição. Pro- for maior que a efetiva contribuição por parte do poder público, o
ferida a decisão, o prazo começa a contar do zero. Passado o prazo, ressarcimento terá que ser buscado por outra via que não a ação de
não caberá mais propor ação disciplinar. improbidade administrativa.
Artigo 37, §7º, CF. A lei disporá sobre os requisitos e as re- A legislação em estudo, por sua vez, divide os atos de improbi-
strições ao ocupante de cargo ou emprego da administração direta dade administrativa em três categorias:
e indireta que possibilite o acesso a informações privilegiadas.
12 LENZA, Pedro. Curso de direito constitucional esquematizado.
15. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

6
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
a) Ato de improbidade administrativa que importe enriqueci- c) Ato de Improbidade Administrativa Decorrentes de Con-
mento ilícito (artigo 9º, Lei nº 8.429/1992) cessão ou Aplicação Indevida de Benefício Financeiro ou Tributário
O grupo mais grave de atos de improbidade administrativa se (Incluído pela Lei Complementar nº 157, de 2016)
caracteriza pelos elementos: enriquecimento + ilícito + resultante Uma das alterações recentes à disciplina do ISS visou evitar
de uma vantagem patrimonial indevida + em razão do exercício de a continuidade da guerra fiscal entre os municípios, fixando-se a
cargo, mandato, emprego, função ou outra atividade nas entidades alíquota mínima em 2%.
do artigo 1° da Lei nº 8.429/1992. Com efeito, os municípios não poderão fixar dentro de sua
O enriquecimento deve ser ilícito, afinal, o Estado não se opõe competência constitucional alíquotas inferiores a 2% para atrair e
que o indivíduo enriqueça, desde que obedeça aos ditames morais, fomentar investimentos novos (incentivo fiscal), prejudicando os
notadamente no desempenho de função de interesse estatal. municípios vizinhos.
Exige-se que o sujeito obtenha vantagem patrimonial ilícita. Em razão disso, tipifica-se como ato de improbidade adminis-
Contudo, é dispensável que efetivamente tenha ocorrido dano aos trativa a eventual concessão do benefício abaixo da alíquota míni-
cofres públicos (por exemplo, quando um policial recebe propina ma.
pratica ato de improbidade administrativa, mas não atinge direta- d) Ato de improbidade administrativa que atente contra os
mente os cofres públicos). princípios da administração pública (artigo 11, Lei nº 8.429/1992)
Como fica difícil imaginar que alguém possa se enriquecer Nos termos do artigo 11 da Lei nº 8.429/1992, “constitui ato de
ilicitamente por negligência, imprudência ou imperícia, todas as improbidade administrativa que atenta contra os princípios da ad-
condutas configuram atos dolosos (com intenção). Não cabe prática ministração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres
por omissão.13 de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às institu-
b) Ato de improbidade administrativa que importe lesão ao ições [...]”. O grupo mais ameno de atos de improbidade adminis-
erário (artigo 10, Lei nº 8.429/1992) trativa se caracteriza pela simples violação a princípios da adminis-
O grupo intermediário de atos de improbidade administrativa tração pública, ou seja, aplica-se a qualquer atitude do sujeito ativo
se caracteriza pelos elementos: causar dano ao erário ou aos cofres que viole os ditames éticos do serviço público. Isto é, o legislador
públicos + gerando perda patrimonial ou dilapidação do patrimô- pretende a preservação dos princípios gerais da administração pú-
nio público. Assim como o artigo anterior, o caput descreve a fór- blica18.
mula genérica e os incisos algumas atitudes específicas que exem- O objeto de tutela são os princípios constitucionais. Basta a vul-
neração em si dos princípios, sendo dispensáveis o enriquecimento
plificam o seu conteúdo14.
ilícito e o dano ao erário. Somente é possível a prática de algum
Perda patrimonial é o gênero, do qual são espécies: desvio, que
destes atos com dolo (intenção), embora caiba a prática por ação
é o direcionamento indevido; apropriação, que é a transferência in-
ou omissão.
devida para a própria propriedade; malbaratamento, que significa
Será preciso utilizar razoabilidade e proporcionalidade para
desperdício; e dilapidação, que se refere a destruição15.
não permitir a caracterização de abuso de poder, diante do conteú-
O objeto da tutela é a preservação do patrimônio público, em
do aberto do dispositivo. Na verdade, trata-se de tipo subsidiário,
todos seus bens e valores. O pressuposto exigível é a ocorrência de
ou seja, que se aplica quando o ato de improbidade administrativa
dano ao patrimônio dos sujeitos passivos.
não tiver gerado obtenção de vantagem
Este artigo admite expressamente a variante culposa, o que Com efeito, os atos de improbidade administrativa não são
muitos entendem ser inconstitucional. O STJ, no REsp n° 939.142/ crimes de responsabilidade. Trata-se de punição na esfera cível,
RJ, apontou alguns aspectos da inconstitucionalidade do artigo. não criminal. Por isso, caso o ato configure simultaneamente um
Contudo, “a jurisprudência do STJ consolidou a tese de que é indis- ato de improbidade administrativa desta lei e um crime previsto na
pensável a existência de dolo nas condutas descritas nos artigos legislação penal, o que é comum no caso do artigo 9°, responderá o
9º e 11 e ao menos de culpa nas hipóteses do artigo 10, nas quais agente por ambos, nas duas esferas.
o dano ao erário precisa ser comprovado. De acordo com o minis-
tro Castro Meira, a conduta culposa ocorre quando o agente não Em suma, a lei encontra-se estruturada da seguinte forma: ini-
pretende atingir o resultado danoso, mas atua com negligência, cialmente, trata das vítimas possíveis (sujeito passivo) e daqueles
imprudência ou imperícia (REsp n° 1.127.143)”16. Para Carvalho que podem praticar os atos de improbidade administrativa (sujeito
Filho17, não há inconstitucionalidade na modalidade culposa, lem- ativo); ainda, aborda a reparação do dano ao lesionado e o ressarci-
brando que é possível dosar a pena conforme o agente aja com dolo mento ao patrimônio público; após, traz a tipologia dos atos de im-
ou culpa. probidade administrativa, isto é, enumera condutas de tal natureza;
O ponto central é lembrar que neste artigo não se exige que o seguindo-se à definição das sanções aplicáveis; e, finalmente, de-
sujeito ativo tenha percebido vantagens indevidas, basta o dano ao screve os procedimentos administrativo e judicial.
erário. Se tiver recebido vantagem indevida, incide no artigo anteri- No caso do art. 9°, categoria mais grave, o agente obtém um
or. Exceto pela não percepção da vantagem indevida, os tipos exem- enriquecimento ilícito (vantagem econômica indevida) e pode ain-
plificados se aproximam muito dos previstos nos incisos do art. 9°. da causar dano ao erário, por isso, deverá não só reparar eventual
dano causado mas também colocar nos cofres públicos tudo o que
13 SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São Paulo:
adquiriu indevidamente. Ou seja, poderá pagar somente o que enri-
Método, 2011.
queceu indevidamente ou este valor acrescido do valor do prejuízo
14 Ibid.
causado aos cofres públicos (quanto o Estado perdeu ou deixou de
15 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito adminis-
ganhar). No caso do artigo 10, não haverá enriquecimento ilícito,
trativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.
mas sempre existirá dano ao erário, o qual será reparado (eventual-
16BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Improbidade administrativa:
mente, ocorrerá o enriquecimento ilícito, devendo o valor adquirido
desonestidade na gestão dos recursos públicos. Disponível em: <http://
ser tomado pelo Estado). Na hipótese do artigo 10-A, não se denota
www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.
nem enriquecimento ilícito e nem dano ao erário, pois no máximo
texto=103422>. Acesso em: 26 mar. 2013.
17 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito adminis- 18 SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São Paulo:
trativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010. Método, 2011.

7
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
a prática de guerra fiscal pode gerar. Já no artigo 11, o máximo que conforme o resultado na esfera penal (por exemplo, uma absolvição
pode ocorrer é o dano ao erário, com o devido ressarcimento. Além por negativa de autoria impede a condenação na esfera cível, ao
disso, em todos os casos há perda da função pública. Nas três cate- passo que uma absolvição por falta de provas não o faz).
gorias, são estabelecidas sanções de suspensão dos direitos políti- A responsabilidade civil do Estado acompanha o raciocínio
cos, multa e vedação de contratação ou percepção de vantagem, de que a principal consequência da prática de um ato ilícito é a
graduadas conforme a gravidade do ato. É o que se depreende da obrigação que gera para o seu auto de reparar o dano, mediante o
leitura do artigo 12 da Lei nº 8.929/1992 como §4º do artigo 37, pagamento de indenização que se refere às perdas e danos. Todos
CF, que prevê: “Os atos de improbidade administrativa importarão os cidadãos se sujeitam às regras da responsabilidade civil, tanto
a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a podendo buscar o ressarcimento do dano que sofreu quanto re-
indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma spondendo por aqueles danos que causar. Da mesma forma, o Esta-
e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível”. do tem o dever de indenizar os membros da sociedade pelos danos
A única sanção que se encontra prevista na Lei nº 8.429/1992 que seus agentes causem durante a prestação do serviço, inclusive
mas não na Constituição Federal é a de multa. (art. 37, §4°, CF). se tais danos caracterizarem uma violação aos direitos humanos
Não há nenhuma inconstitucionalidade disto, pois nada impediria reconhecidos.
que o legislador infraconstitucional ampliasse a relação mínima de
penalidades da Constituição, pois esta não limitou tal possibilidade Trata-se de responsabilidade extracontratual porque não de-
e porque a lei é o instrumento adequado para tanto19. pende de ajuste prévio, basta a caracterização de elementos genéri-
Carvalho Filho20 tece considerações a respeito de algumas das cos pré-determinados, que perpassam pela leitura concomitante
sanções: do Código Civil (artigos 186, 187 e 927) com a Constituição Federal
- Perda de bens e valores: “tal punição só incide sobre os bens (artigo 37, §6°).
acrescidos após a prática do ato de improbidade. Se alcançasse an- Genericamente, os elementos da responsabilidade civil se en-
teriores, ocorreria confisco, o que restaria sem escora constitucion- contram no art. 186 do Código Civil:
al. Além disso, o acréscimo deve derivar de origem ilícita”.
- Ressarcimento integral do dano: há quem entenda que en- Artigo 186, CC. Aquele que, por ação ou omissão voluntária,
globa dano moral. Cabe acréscimo de correção monetária e juros
negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem,
de mora.
ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
- Perda de função pública: “se o agente é titular de mandato,
a perda se processa pelo instrumento de cassação. Sendo servidor
Este é o artigo central do instituto da responsabilidade civil, que
estatutário, sujeitar-se-á à demissão do serviço público. Havendo
tem como elementos: ação ou omissão voluntária (agir como não
contrato de trabalho (servidores trabalhistas e temporários), a per-
se deve ou deixar de agir como se deve), culpa ou dolo do agente
da da função pública se consubstancia pela rescisão do contrato
(dolo é a vontade de cometer uma violação de direito e culpa é a
com culpa do empregado. No caso de exercer apenas uma função
pública, fora de tais situações, a perda se dará pela revogação da falta de diligência), nexo causal (relação de causa e efeito entre a
designação”. Lembra-se que determinadas autoridades se sujeitam ação/omissão e o dano causado) e dano (dano é o prejuízo sofrido
a procedimento especial para perda da função pública, ponto em pelo agente, que pode ser individual ou coletivo, moral ou material,
que não se aplica a Lei de Improbidade Administrativa. econômico e não econômico).
- Multa: a lei indica inflexibilidade no limite máximo, mas flex- 1) Dano - somente é indenizável o dano certo, especial e anor-
ibilidade dentro deste limite, podendo os julgados nesta margem mal. Certo é o dano real, existente. Especial é o dano específico,
optar pela mais adequada. Há ainda variabilidade na base de cál- individualizado, que atinge determinada ou determinadas pessoas.
culo, conforme o tipo de ato de improbidade (a base será o valor Anormal é o dano que ultrapassa os problemas comuns da vida em
do enriquecimento ou o valor do dano ou o valor da remuneração sociedade (por exemplo, infelizmente os assaltos são comuns e o
do agente). A natureza da multa é de sanção civil, não possuindo Estado não responde por todo assalto que ocorra, a não ser que na
caráter indenizatório, mas punitivo. circunstância específica possuía o dever de impedir o assalto, como
- Proibição de receber benefícios: não se incluem as imuni- no caso de uma viatura presente no local - muito embora o direito à
dades genéricas e o agente punido deve ser ao menos sócio major- segurança pessoal seja um direito humano reconhecido).
itário da instituição vitimada. 2) Agentes públicos - é toda pessoa que trabalhe dentro da ad-
- Proibição de contratar: o agente punido não pode participar ministração pública, tenha ingressado ou não por concurso, pos-
de processos licitatórios. sua cargo, emprego ou função. Envolve os agentes políticos, os
servidores públicos em geral (funcionários, empregados ou tem-
4) Responsabilidade civil do Estado e de seus servidores porários) e os particulares em colaboração (por exemplo, jurado ou
O instituto da responsabilidade civil é parte integrante do direi- mesário).
to obrigacional, uma vez que a principal consequência da prática de 3) Dano causado quando o agente estava agindo nesta quali-
um ato ilícito é a obrigação que gera para o seu auto de reparar o dade - é preciso que o agente esteja lançando mão das prerrogati-
dano, mediante o pagamento de indenização que se refere às per- vas do cargo, não agindo como um particular.
das e danos. Afinal, quem pratica um ato ou incorre em omissão Sem estes três requisitos, não será possível acionar o Estado
que gere dano deve suportar as consequências jurídicas decor- para responsabilizá-lo civilmente pelo dano, por mais relevante
rentes, restaurando-se o equilíbrio social.21 que tenha sido a esfera de direitos atingida. Assim, não é qualquer
A responsabilidade civil, assim, difere-se da penal, podendo re- dano que permite a responsabilização civil do Estado, mas somente
cair sobre os herdeiros do autor do ilícito até os limites da herança, aquele que é causado por um agente público no exercício de suas
embora existam reflexos na ação que apure a responsabilidade civil funções e que exceda as expectativas do lesado quanto à atuação
do Estado.
19 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito adminis-
É preciso lembrar que não é o Estado em si que viola os direitos
trativo. 23. ed. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2010.
humanos, porque o Estado é uma ficção formada por um grupo de
20 Ibid.
pessoas que desempenham as atividades estatais diversas. Assim,
21 GONÇALVES, Carlos Roberto. Responsabilidade Civil. 9. ed. São
viola direitos humanos não o Estado em si, mas o agente que o rep-
Paulo: Saraiva, 2005.

8
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
resenta, fazendo com que o próprio Estado seja responsabilizado Tomadas as exigências de características dos danos acima col-
por isso civilmente, pagando pela indenização (reparação dos danos acionadas, notadamente a anormalidade, considera-se que para o
materiais e morais). Sem prejuízo, com relação a eles, caberá ação Estado ser responsabilizado por um dano, ele deve exceder expec-
de regresso se agiram com dolo ou culpa. tativas cotidianas, isto é, não cabe exigir do Estado uma excepcional
Prevê o artigo 37, §6° da Constituição Federal: vigilância da sociedade e a plena cobertura de todas as fatalidades
que possam acontecer em território nacional.
Artigo 37, §6º, CF. As pessoas jurídicas de direito público e as de Diante de tal premissa, entende-se que a responsabilidade civil
direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos do Estado será objetiva apenas no caso de ações, mas subjetiva
danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, no caso de omissões. Em outras palavras, verifica-se se o Estado
assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos se omitiu tendo plenas condições de não ter se omitido, isto é, ter
de dolo ou culpa. deixado de agir quando tinha plenas condições de fazê-lo, acar-
retando em prejuízo dentro de sua previsibilidade.
Este artigo deixa clara a formação de uma relação jurídica São casos nos quais se reconheceu a responsabilidade omissiva
autônoma entre o Estado e o agente público que causou o dano
do Estado: morte de filho menor em creche municipal, buracos não
no desempenho de suas funções. Nesta relação, a responsabilidade
sinalizados na via pública, tentativa de assalto a usuário do metrô
civil será subjetiva, ou seja, caberá ao Estado provar a culpa do
resultando em morte, danos provocados por enchentes e escoa-
agente pelo dano causado, ao qual foi anteriormente condenado a
reparar. Direito de regresso é justamente o direito de acionar o cau- mento de águas pluviais quando o Estado sabia da problemática e
sador direto do dano para obter de volta aquilo que pagou à vítima, não tomou providência para evitá-las, morte de detento em prisão,
considerada a existência de uma relação obrigacional que se forma incêndio em casa de shows fiscalizada com negligência, etc.
entre a vítima e a instituição que o agente compõe. Logo, não é sempre que o Estado será responsabilizado. Há ex-
Assim, o Estado responde pelos danos que seu agente causar cludentes da responsabilidade estatal, notadamente: a) caso for-
aos membros da sociedade, mas se este agente agiu com dolo ou tuito (fato de terceiro) ou força maior (fato da natureza) fora dos
culpa deverá ressarcir o Estado do que foi pago à vítima. O agente alcances da previsibilidade do dano; b) culpa exclusiva da vítima.
causará danos ao praticar condutas incompatíveis com o comporta-
mento ético dele esperado.22 5) Exercício de mandato eletivo por servidores públicos
A responsabilidade civil do servidor exige prévio processo ad- A questão do exercício de mandato eletivo pelo servidor pú-
ministrativo disciplinar no qual seja assegurado contraditório e am- blico encontra previsão constitucional em seu artigo 38, que no-
pla defesa. Trata-se de responsabilidade civil subjetiva ou com cul- tadamente estabelece quais tipos de mandatos geram incompatib-
pa. Havendo ação ou omissão com culpa do servidor que gere dano ilidade ao serviço público e regulamenta a questão remuneratória:
ao erário (Administração) ou a terceiro (administrado), o servidor
terá o dever de indenizar. Artigo 38, CF. Ao servidor público da administração direta,
Não obstante, agentes públicos que pratiquem atos violadores autárquica e fundacional, no exercício de mandato eletivo, apli-
de direitos humanos se sujeitam à responsabilidade penal e à re- cam-se as seguintes disposições:
sponsabilidade administrativa, todas autônomas uma com relação I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital,
à outra e à já mencionada responsabilidade civil. Neste sentido, o ficará afastado de seu cargo, emprego ou função;
artigo 125 da Lei nº 8.112/90: II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo,
emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua remuner-
Artigo 125, Lei nº 8.112/1990. As sanções civis, penais e admin- ação;
istrativas poderão cumular-se, sendo independentes entre si. III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibili-
dade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego
No caso da responsabilidade civil, o Estado é diretamente acio- ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo, e, não
nado e responde pelos atos de seus servidores que violem direitos
havendo compatibilidade, será aplicada a norma do inciso anterior;
humanos, cabendo eventualmente ação de regresso contra ele.
IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício
Contudo, nos casos da responsabilidade penal e da responsabili-
de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para todos
dade administrativa aciona-se o agente público que praticou o ato.
os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento;
São inúmeros os exemplos de crimes que podem ser praticados
V - para efeito de benefício previdenciário, no caso de afasta-
pelo agente público no exercício de sua função que violam direi-
mento, os valores serão determinados como se no exercício es-
tos humanos. A título de exemplo, peculato, consistente em apro-
tivesse.
priação ou desvio de dinheiro público (art. 312, CP), que viola o bem
comum e o interesse da coletividade; concussão, que é a exigência
de vantagem indevida (art. 316, CP), expondo a vítima a uma situ- 6) Regime de remuneração e previdência dos servidores pú-
ação de constrangimento e medo que viola diretamente sua digni- blicos
dade; tortura, a mais cruel forma de tratamento humano, cuja pena Regulamenta-se o regime de remuneração e previdência dos
é agravada quando praticada por funcionário público (art. 1º, §4º, servidores públicos nos artigo 39 e 40 da Constituição Federal:
I, Lei nº 9.455/97); etc.
Quanto à responsabilidade administrativa, menciona-se, a títu- Artigo 39, CF. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Mu-
lo de exemplo, as penalidades cabíveis descritas no art. 127 da Lei nicípios instituirão conselho de política de administração e remu-
nº 8.112/90, que serão aplicadas pelo funcionário que violar a ética neração de pessoal, integrado por servidores designados pelos re-
do serviço público, como advertência, suspensão e demissão. spectivos Poderes. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
Evidencia-se a independência entre as esferas civil, penal e 19, de 1998 e aplicação suspensa pela ADIN nº 2.135-4, destacan-
administrativa no que tange à responsabilização do agente público do-se a redação anterior: “A União, os Estados, o Distrito Federal
que cometa ato ilícito. e os Municípios instituirão, no âmbito de sua competência, regime
22 SPITZCOVSKY, Celso. Direito Administrativo. 13. ed. São Paulo:
jurídico único e planos de carreira para os servidores da adminis-
Método, 2011. tração pública direta, das autarquias e das fundações públicas”).

9
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais compo- § 2º Os proventos de aposentadoria e as pensões, por ocasião
nentes do sistema remuneratório observará: de sua concessão, não poderão exceder a remuneração do respecti-
I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos vo servidor, no cargo efetivo em que se deu a aposentadoria ou que
cargos componentes de cada carreira; serviu de referência para a concessão da pensão.
II - os requisitos para a investidura; § 3º Para o cálculo dos proventos de aposentadoria, por oca-
III - as peculiaridades dos cargos. sião da sua concessão, serão consideradas as remunerações utiliza-
§ 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas das como base para as contribuições do servidor aos regimes de
de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores previdência de que tratam este artigo e o art. 201, na forma da lei.
públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos requis- § 4º É vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados
itos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração para a concessão de aposentadoria aos abrangidos pelo regime
de convênios ou contratos entre os entes federados. de que trata este artigo, ressalvados, nos termos definidos em leis
§ 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o complementares, os casos de servidores:
disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV,XVI, XVII, XVIII, XIX, I - portadores de deficiência;
XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de II - que exerçam atividades de risco;
admissão quando a natureza do cargo o exigir. III - cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os que prejudiquem a saúde ou a integridade física.
Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão § 5º Os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão
remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela úni- reduzidos em cinco anos, em relação ao disposto no § 1º, III, a, para
ca, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, o professor que comprove exclusivamente tempo de efetivo ex-
prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, ercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino
obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. fundamental e médio.
§ 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu- § 6º Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos
nicípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor re- acumuláveis na forma desta Constituição, é vedada a percepção
muneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, de mais de uma aposentadoria à conta do regime de previdência
o disposto no art. 37, XI. previsto neste artigo.
§ 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão § 7º Lei disporá sobre a concessão do benefício de pensão por
anualmente os valores do subsídio e da remuneração dos cargos e morte, que será igual:
empregos públicos.
I - ao valor da totalidade dos proventos do servidor falecido, até
§ 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municí-
o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de
pios disciplinará a aplicação de recursos orçamentários provenientes
previdência social de que trata o art. 201, acrescido de setenta por
da economia com despesas correntes em cada órgão, autarquia
cento da parcela excedente a este limite, caso aposentado à data
e fundação, para aplicação no desenvolvimento de programas de
do óbito; ou
qualidade e produtividade, treinamento e desenvolvimento, mod-
II - ao valor da totalidade da remuneração do servidor no cargo
ernização, reaparelhamento e racionalização do serviço público, in-
efetivo em que se deu o falecimento, até o limite máximo estabele-
clusive sob a forma de adicional ou prêmio de produtividade.
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em cido para os benefícios do regime geral de previdência social de que
carreira poderá ser fixada nos termos do § 4º. trata o art. 201, acrescido de setenta por cento da parcela exceden-
te a este limite, caso em atividade na data do óbito.
Artigo 40, CF. Aos servidores titulares de cargos efetivos da Un- § 8º É assegurado o reajustamento dos benefícios para
ião, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme
autarquias e fundações, é assegurado regime de previdência de critérios estabelecidos em lei.
caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respecti- § 9º O tempo de contribuição federal, estadual ou municipal
vo ente público, dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas, será contado para efeito de aposentadoria e o tempo de serviço
observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuar- correspondente para efeito de disponibilidade.
ial e o disposto neste artigo. § 10. A lei não poderá estabelecer qualquer forma de contagem
§ 1º Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de de tempo de contribuição fictício.
que trata este artigo serão aposentados, calculados os seus proven- § 11. Aplica-se o limite fixado no art. 37, XI, à soma total dos
tos a partir dos valores fixados na forma dos §§ 3º e 17: proventos de inatividade, inclusive quando decorrentes da acumu-
I - por invalidez permanente, sendo os proventos proporcio- lação de cargos ou empregos públicos, bem como de outras ativ-
nais ao tempo de contribuição, exceto se decorrente de acidente idades sujeitas a contribuição para o regime geral de previdência
em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou social, e ao montante resultante da adição de proventos de inativi-
incurável, na forma da lei; dade com remuneração de cargo acumulável na forma desta Con-
II - compulsoriamente, com proventos proporcionais ao tempo stituição, cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e
de contribuição, aos 70 (setenta) anos de idade, ou aos 75 (setenta exoneração, e de cargo eletivo.
e cinco) anos de idade, na forma de lei complementar; § 12. Além do disposto neste artigo, o regime de previdência
III - voluntariamente, desde que cumprido tempo mínimo dos servidores públicos titulares de cargo efetivo observará, no que
de dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos couber, os requisitos e critérios fixados para o regime geral de
no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria, observadas as previdência social.
seguintes condições: § 13. Ao servidor ocupante, exclusivamente, de cargo em
a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuição, se comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem
homem, e cinquenta e cinco anos de idade e trinta de contribuição, como de outro cargo temporário ou de emprego público, aplica-se o
se mulher; regime geral de previdência social.
b) sessenta e cinco anos de idade, se homem, e sessenta anos § 14. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
de idade, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de desde que instituam regime de previdência complementar para os
contribuição. seus respectivos servidores titulares de cargo efetivo, poderão fixar,

10
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
para o valor das aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo Art. 20, Lei nº 8.112/1990. Ao entrar em exercício, o servidor
regime de que trata este artigo, o limite máximo estabelecido para nomeado para cargo de provimento efetivo ficará sujeito a estágio
os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o probatório por período de 24 (vinte e quatro) meses, durante o qual
art. 201. a sua aptidão e capacidade serão objeto de avaliação para o de-
§ 15. O regime de previdência complementar de que trata o sempenho do cargo, observados os seguinte fatores:
§ 14 será instituído por lei de iniciativa do respectivo Poder Exec- I - assiduidade;
utivo, observado o disposto no art. 202 e seus parágrafos, no que II - disciplina;
couber, por intermédio de entidades fechadas de previdência com- III - capacidade de iniciativa;
plementar, de natureza pública, que oferecerão aos respectivos IV - produtividade;
participantes planos de benefícios somente na modalidade de con- V - responsabilidade.
tribuição definida. § 1º 4 (quatro) meses antes de findo o período do estágio pro-
§ 16. Somente mediante sua prévia e expressa opção, o dispos- batório, será submetida à homologação da autoridade competente
to nos §§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que tiver ingressa- a avaliação do desempenho do servidor, realizada por comissão
do no serviço público até a data da publicação do ato de instituição constituída para essa finalidade, de acordo com o que dispuser a lei
do correspondente regime de previdência complementar. ou o regulamento da respectiva carreira ou cargo, sem prejuízo da
§ 17. Todos os valores de remuneração considerados para o cál- continuidade de apuração dos fatores enumerados nos incisos I a V
culo do benefício previsto no § 3° serão devidamente atualizados, do caput deste artigo.
na forma da lei. § 2º O servidor não aprovado no estágio probatório será exon-
§ 18. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposentado- erado ou, se estável, reconduzido ao cargo anteriormente ocupado,
rias e pensões concedidas pelo regime de que trata este artigo que observado o disposto no parágrafo único do art. 29.
superem o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime § 3º O servidor em estágio probatório poderá exercer quais-
geral de previdência social de que trata o art. 201, com percentual quer cargos de provimento em comissão ou funções de direção,
igual ao estabelecido para os servidores titulares de cargos efetivos. chefia ou assessoramento no órgão ou entidade de lotação, e so-
§ 19. O servidor de que trata este artigo que tenha completa- mente poderá ser cedido a outro órgão ou entidade para ocupar
do as exigências para aposentadoria voluntária estabelecidas no
cargos de Natureza Especial, cargos de provimento em comissão do
§ 1º, III, a, e que opte por permanecer em atividade fará jus a um
Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS, de níveis 6, 5 e
abono de permanência equivalente ao valor da sua contribuição
4, ou equivalentes.
previdenciária até completar as exigências para aposentadoria
§ 4º Ao servidor em estágio probatório somente poderão ser
compulsória contidas no § 1º, II.
concedidas as licenças e os afastamentos previstos nos arts. 81,
§ 20. Fica vedada a existência de mais de um regime próprio
incisos I a IV, 94, 95 e 96, bem assim afastamento para participar
de previdência social para os servidores titulares de cargos efe-
de curso de formação decorrente de aprovação em concurso para
tivos, e de mais de uma unidade gestora do respectivo regime em
cada ente estatal, ressalvado o disposto no art. 142, § 3º, X. outro cargo na Administração Pública Federal.
§ 21. A contribuição prevista no § 18 deste artigo incidirá apenas § 5º O estágio probatório ficará suspenso durante as licenças e
sobre as parcelas de proventos de aposentadoria e de pensão que os afastamentos previstos nos arts. 83, 84, § 1o, 86 e 96, bem assim
superem o dobro do limite máximo estabelecido para os benefícios na hipótese de participação em curso de formação, e será retomado
do regime geral de previdência social de que trata o art. 201 desta a partir do término do impedimento.
Constituição, quando o beneficiário, na forma da lei, for portador de
doença incapacitante. O estágio probatório pode ser definido como um lapso de tem-
po no qual a aptidão e capacidade do servidor serão avaliadas de
7) Estágio probatório e perda do cargo acordo com critérios de assiduidade, disciplina, capacidade de ini-
Estabelece a Constituição Federal em seu artigo 41, a ser lido ciativa, produtividade e responsabilidade. O servidor não aprovado
em conjunto com o artigo 20 da Lei nº 8.112/1990: no estágio probatório será exonerado ou, se estável, reconduzido
ao cargo anteriormente ocupado. Não existe vedação para um serv-
Artigo 41, CF. São estáveis após três anos de efetivo exercício idor em estágio probatório exercer quaisquer cargos de provimento
os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em vir- em comissão ou funções de direção, chefia ou assessoramento no
tude de concurso público. órgão ou entidade de lotação.
§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo: Desde a Emenda Constitucional nº 19 de 1998, a disciplina do
I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado; estágio probatório mudou, notadamente aumentando o prazo de 2
II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegu- anos para 3 anos. Tendo em vista que a norma constitucional prev-
rada ampla defesa; alece sobre a lei federal, mesmo que ela não tenha sido atualizada,
III - mediante procedimento de avaliação periódica de desem- deve-se seguir o disposto no artigo 41 da Constituição Federal.
penho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa. Uma vez adquirida a aprovação no estágio probatório, o ser-
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor vidor público somente poderá ser exonerado nos casos do §1º do
estável, será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se artigo 40 da Constituição Federal, notadamente: em virtude de sen-
estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, tença judicial transitada em julgado; mediante processo admin-
aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remu- istrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa; ou mediante
neração proporcional ao tempo de serviço. procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma
§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o ser- de lei complementar, assegurada ampla defesa (sendo esta lei com-
vidor estável ficará em disponibilidade, com remuneração propor- plementar ainda inexistente no âmbito federal.
cional ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento em
outro cargo.
§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é
obrigatória a avaliação especial de desempenho por comissão in-
stituída para essa finalidade.

11
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
8) Dos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Terri- TÍTULO II
tórios DO PROVIMENTO, VACÂNCIA, REMOÇÃO, REDISTRIBUIÇÃO E
Prevê o artigo 42, CF: SUBSTITUIÇÃO
CAPÍTULO I
Art. 42. Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bombei- DO PROVIMENTO
ros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e SEÇÃO I
disciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Ter- DISPOSIÇÕES GERAIS
ritórios.
§ 1º Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito Federal e Art. 5º São requisitos básicos para ingresso no serviço público
dos Territórios, além do que vier a ser fixado em lei, as disposições do Município:
do art. 14, § 8º; do art. 40, § 9º; e do art. 142, §§ 2º e 3º, cabendo I - nacionalidade brasileira ou estrangeira na forma da lei;
a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art. 142, § 3º, II - o gozo dos direitos políticos;
inciso X, sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos respectivos III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;
governadores. IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo;
§ 2º Aos pensionistas dos militares dos Estados, do Distrito Fed- V - aptidão física e mental;
eral e dos Territórios aplica-se o que for fixado em lei específica do VI - habilitação legal para o exercício do cargo;
respectivo ente estatal. VII - não estar incompatibilizado para o serviço público em ra-
zão de penalidade sofrida;
ESTATUTO DO SERVIDOR DO MUNICÍPIO DE AMARGO- VIII - idade mínima de dezoito anos.
SA (LEI Nº 8, DE 02 DE MARÇO DE 2006 E LEI COMPLE- § 1º As atribuições do cargo podem justificar a exigência de
MENTAR Nº 35, DE 19 DE AGOSTO DE 2020) outros requisitos estabelecidos em lei.
§ 2º Às pessoas portadoras de deficiência física é assegurado o
direito de se inscrever em concurso público para o provimento de
LEI COMPLEMENTAR Nº 8, DE 02 DE MARÇO DE 2006. cargo cujas atribuições sejam compatíveis com a deficiência de que
são portadoras, reservando-se-lhes dez por cento das vagas ofere-
DISPÕE SOBRE O ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO
cidas no concurso, conforme dispuser o edital.
MUNICÍPIO DE AMARGOSA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.
Art. 6º O provimento dos cargos públicos far-se-á mediante ato
do Chefe do Poder Executivo e do Presidente da Câmara Municipal.
O Prefeito Municipal de Amargosa, Estado Federado da Bahia,
SUBSEÇÃO I
faz saber que a Câmara Municipal aprovou, e sanciono a seguinte
DO CONCURSO PÚBLICO
Lei:

TÍTULO I Art. 7º Concurso público é o processo de recrutamento e sele-


DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ção, de natureza competitiva, eliminatória e classificatória, aberta
ao público em geral, atendidos os requisitos de inscrição estabele-
Art. 1º Esta Lei dispõe sobre o Estatuto dos Servidores Públicos cidos em edital.
da administração direta, das autarquias e das fundações públicas Art. 8º O concurso público será de provas ou de provas e títu-
municipais, dos Poderes Executivo e Legislativo, cujo regime jurídi- los e curso de formação, se plausível pela complexidade do cargo,
co único tem natureza de direito público, com caráter institucional podendo ser realizado em uma ou mais de uma etapa, conforme
estatutário. dispuserem a lei, o regulamento do respectivo Plano de Carreira e
Art. 2º Para os efeitos desta Lei, servidor público é a pessoa o edital, condicionado a inscrição do candidato ao pagamento do
física legalmente investida em cargo público. valor fixado no edital e ressalvadas as hipóteses de isenção nele
Art. 3º Cargo Público é o conjunto de atribuições e responsabi- expressamente previstas. (Redação dada pela Lei Complementar nº
lidades específicas cometidas a servidor público. 25/2011)
Parágrafo único. Os cargos públicos são acessíveis a todos os Art. 9º O prazo de validade do concurso público será de até
brasileiros, assim como aos estrangeiros na forma da lei, são criados 2 (dois) anos, prorrogável uma vez, por igual período, por ato do
por lei, em número certo, com denominação própria e remunera- Chefe do Executivo ou do Presidente da Câmara de Vereadores, de
ção paga pelos cofres públicos, para provimento em caráter efetivo, acordo com a atribuição de cada um.
ou em comissão. § 1º O ato de renovação deverá ser publicado em até 24 horas
Art. 4º É proibida a prestação de serviços gratuitos, salvo os antes do dia em que se expirar o prazo de validade.
casos previstos em lei, bem como a determinação de atribuições ao § 2º O prazo de validade do concurso, as condições de sua
servidor efetivo, além das inerentes ao cargo que ocupa, estabele- realização, os critérios de classificação e o procedimento recursal
cidas nas descrições e requisitos para provimento na Lei do Plano cabível serão fixados em edital, que será publicado em jornal de
de Cargos e Vencimentos. grande circulação e nos átrios das repartições públicas do Municí-
pio de Amargosa.
§ 3º Durante o prazo improrrogável previsto no edital de con-
vocação, aquele aprovado em concurso público de provas ou de
provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos con-
cursados para assumir cargo ou emprego, na carreira;
§ 4º Nenhum órgão da administração pública de qualquer dos
poderes poderá recrutar servidores para o seu quadro permanente
sem prévia aprovação em concurso público, salvo o disposto no art.
37, IX, da Constituição Federal;

12
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 5º Durante o prazo de validade do concurso público, previs- § 1º A posse ocorrerá no prazo de até trinta dias, contados da
to no edital de convocação e enquanto tiver candidatos aprovados, publicação do ato de provimento.
não poderão ser nomeados candidatos para os mesmos cargos, § 2º Em se tratando de servidor que se submeteu a concurso
aprovados em outro concurso posteriormente realizado, sob pena público para cargo diferente daquele que ocupa e se estiver afasta-
de nulidade. do em gozo de férias ou de licença, salvo para tratar de interesses
Art. 10 Concluído o concurso público e homologados os seus particulares, o prazo será contado do término do afastamento, não
resultados, terão direito subjetivo à nomeação os candidatos apro- podendo, entretanto, ultrapassar aquele estabelecido para a vali-
vados, dentro do limite de vagas dos cargos estabelecidos em edital dade do concurso.
e de acordo com as necessidades imediatas da administração, obe- § 3º Poderá haver posse por procuração específica.
decendo à ordem de classificação, ficando aos demais candidatos § 4º Só haverá posse nos casos de provimento de cargo por
habilitados reservado o direito à nomeação, durante o período de nomeação.
validade do concurso, de acordo com as necessidades e possibilida- § 5º No ato da posse, o servidor apresentará declaração de
des da Administração. bens e valores que constituem seu patrimônio e declaração quanto
Art. 11 A investidura em cargo público ocorrerá com a posse, ao exercício ou não de outro cargo, emprego ou função pública.
completando-se com o exercício. § 6º Será tornado sem efeito o ato de provimento se a posse
Art. 12 São formas de provimento de cargo público: não ocorrer no prazo previsto no § 1º deste artigo.
I - nomeação; Art. 16 Só poderá ser empossado aquele que for julgado apto
II - promoção; física e mentalmente para o exercício do cargo, em inspeção médica
III - readaptação; oficial do Município.
IV - reversão; Art. 17 São competentes para dar posse as autoridades indica-
V - reintegração; das no art. 6º desta lei, salvo delegação de competência.
VI - recondução; Art. 18 Exercício é o efetivo desempenho pelo servidor das
VII - aproveitamento. atribuições do cargo público, efetivo, em comissão ou função de
Art. 12-A Os servidores municipais responsáveis pelo proces- confiança.
samento da folha de pagamento municipal responderão civil, penal
§ 1º É de trinta dias corridos o prazo para o servidor empossa-
e administrativamente por eventuais alterações na ocupação dos
do em cargo público, entrar em exercício, contados da data da pos-
cargos públicos em descompasso com a legislação vigente, devendo
se, podendo ser prorrogado por igual período, a pedido do servidor.
manter sempre registro no dossiê funcional do servidor qualquer
§ 2º O servidor será exonerado do cargo ou será tornado sem
ato de alteração e/ou regulamentação funcional. (Redação acresci-
efeito o ato de sua designação para função de confiança, se não
da pela Lei Complementar nº 35/2020)
entrar em exercício nos prazos previstos neste artigo, observado o
disposto no parágrafo anterior.
SEÇÃO II
§ 3º Compete à autoridade do órgão ou entidade para onde
DA NOMEAÇÃO
for designado o servidor, dar-lhe exercício, passando os efeitos fi-
Art. 13 A nomeação far-se-á: nanceiros a vigorar a partir da data de início efetivo deste exercício.
I - em caráter efetivo, quando se tratar de cargo isolado ou de § 4º O início do exercício de função de confiança coincidirá
carreira; com a data de publicação do ato de designação, salvo quando o
II - em comissão, inclusive na condição de interino, para cargos servidor estiver em licença ou afastado por qualquer outro motivo
de confiança previstos no Plano de Cargos e salários, de livre no- legal, hipótese em que recairá no primeiro dia útil após o término
meação e exoneração. do impedimento.
§ 1º O ato de nomeação de cargo em comissão (CC) obrigato- Art. 19 O início, a suspensão, a interrupção e o reinicio do exer-
riamente trará o nome completo do seu ocupante, sua classificação cício serão registrados no assentamento individual, devendo o ser-
enquanto CC, o local e horário do desempenho de suas atividades vidor apresentar ao órgão competente os elementos necessários à
e um resumo de suas competências, sob pena de nulidade do mes- sua formulação.
mo. Parágrafo único. Na ocasião da posse, deverá o novo servidor
§ 2º O servidor ocupante de cargo em comissão ou de nature- ser informado sobre sua lotação com indicação precisa do setor de
za especial poderá ser nomeado para ter exercício, interinamente, trabalho, mediante publicação no diário oficial do município. (Reda-
em outro cargo de confiança, sem prejuízo das atribuições do que ção acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
atualmente ocupa, hipótese em que deverá optar pela remunera- Art. 20 A promoção não interrompe o tempo de exercício, que
ção de um deles durante o período da interinidade, não podendo é contado no novo posicionamento no cargo ou na carreira a partir
ser esta superior a doze meses. da data de publicação do ato que promover o servidor.
Art. 14 O ingresso em cargos isolados ou de carreira de provi-
mento efetivo depende de prévia habilitação em concurso público SUBSEÇÃO II
de provas ou de provas e títulos, obedecidos a ordem de classifica- DA JORNADA DE TRABALHO E DA FREQUÊNCIA AO SERVIÇO
ção e o prazo de validade, na forma do art. 9º.
Art. 21 A jornada de trabalho do Servidor Público Municipal,
SUBSEÇÃO I será de oito horas diárias ou quarenta horas semanais, excetuando
DA POSSE E DO EXERCÍCIO o regime de turnos e os cargos que por força de Lei Federal, regu-
lamentar de profissão, tenha outra jornada estabelecida, reservan-
do-se à Lei Municipal que instituir Plano de Cargos e Vencimentos
Art. 15 Posse é a aceitação formal, pelo servidor, das atribui- a sua normatização; facultada a compensação de horário e a redu-
ções, dos deveres, das responsabilidades e dos direitos inerentes ao ção da jornada nos setores que por sua natureza e especificidade
cargo público, que não poderão ser alterados unilateralmente, por requeiram jornada diferenciada, de forma plenamente justificada,
qualquer das partes, ressalvados os atos de ofício previstos em lei. por ato do Chefe do Executivo Municipal.

13
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 1º A jornada dos cargos comissionados será de quarenta Art. 23 Atendida a conveniência do serviço, ao servidor que
horas semanais e o exercício de cargo em comissão ou função de seja estudante será concedido horário especial de trabalho, na for-
confiança exigirá do seu ocupante dedicação integral ao serviço, ma do art. 121, § 2º, sem prejuízo de sua remuneração e demais
podendo ser convocado sempre que houver interesse da Adminis- vantagens, observadas as seguintes condições:
tração; I - Comprovação da incompatibilidade dos horários das aulas e
§ 2º A jornada dos profissionais de educação será a prevista no do serviço, mediante atestado fornecido pela instituição de ensino,
Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério. onde está matriculado;
§ 3º Para os setores públicos que demandem funcionamento II - Apresentação de atestado de frequência mensal, fornecido
ininterrupto, fica a Administração municipal autorizada a adotar o pela instituição de ensino.
regime de escala funcional sob plantões de 12x36 (doze horas de III - Comprovação de que o curso para o qual foi matriculado
trabalho por trinta e seis horas de descanso) ou, ainda, 24x72 (vinte não tem disponibilidade em outro horário.
e quatro horas de trabalho por setenta e duas horas de descanso). Parágrafo único. Ao estudante matriculado em curso noturno
(Redação acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020) de formação educacional será facultado ausentar-se da sua função
§ 4º As horas de trabalho computadas no intervalo de descanso trinta minutos antes do término do expediente, para possibilitar
de que trata o caput deste Artigo serão contabilizadas como extras, sua locomoção e preparação das atividades educacionais, obser-
devendo ser convertidas em folga ou remuneradas até o último dia vando-se o que determinam os incisos I, II, e III deste artigo.
do mês subsequente a sua execução, atentando-se sempre para Art. 24 Não haverá trabalho nas repartições públicas munici-
excepcionalidade de medida. (Redação acrescida pela Lei Comple- pais aos sábados e domingos, considerados como de descanso se-
mentar nº 35/2020) manal remunerado exceto em órgãos ou entidades cujos serviços,
§ 5º Não será contabilizada como hora extra o fiel cumprimen- pela sua natureza e especificidade, exijam a execução nestes dias.
to das escalas laborais de 12x36 ou 24x72, desde que sejam cumpri- Parágrafo único. Poderá, a critério da Administração, ser com-
dos os seguintes números de plantões mensais: pensado o trabalho desenvolvido aos sábados e domingos com o
I - Para a escala de 12x36 (doze horas de trabalho por trinta e correspondente descanso em dias úteis da semana, garantindo-se,
seis horas de descanso): 14 (catorze) plantões no máximo; pelo menos, o descanso em dois domingos ao mês.
II - Para a escala de 24x72 (vinte e quatro horas de trabalho por
Art. 25 A frequência dos servidores será apurada através de re-
setenta e duas horas de descanso): 8 (oito) plantões no máximo
gistro, a ser definido pela Administração, pelo qual se verificarão
(Redação acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
diariamente as entradas e saídas, exceto aqueles serviços que por
§ 6º Poderá a Administração, mediante o consentimento ex-
sua natureza e especificidade demandem outros métodos de con-
presso do servidor, ou a pedido deste, prover a redução ou acrés-
trole.
cimo transitório da carga horária funcional, seguido da devida
§ 1º Nos setores em que for possível o monitoramento das ta-
equivalência remuneratória, mediante processo administrativo e
refas funcionais de modo “on-line” e com máxima precisão de in-
publicação do ato autorizativo no diário oficial. (Redação acrescida
pela Lei Complementar nº 35/2020) dicadores de produtividade, poderá o município valer-se da rotina
§ 7º A alteração de carga horária de que trata o parágrafo an- denominada de “Teletrabalho”, ficando autorizado o servidor a de-
terior será revogada a qualquer tempo a pedido do servidor ou por sempenhar suas funções fora das dependências administrativas do
interesse da Administração, não acarretando qualquer direito ad- município. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
quirido ao servidor, tampouco mudança no cargo em que estiver § 2º O servidor que estiver em rotina de Teletrabalho” deverá
investido. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020) comparecer às reuniões regulares do setor ou sempre que convo-
§ 8º Ato do Poder executivo disciplinará a redução e o acrésci- cado de forma “on-line” pela Chefia. (Redação acrescida pela Lei
mo de carga horária de que tratam os parágrafos acima. (Redação Complementar nº 35/2020)
acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020) § 3º Ato do poder executivo disciplinará a rotina do “Teletraba-
§ 9º As atividades laborais desenvolvidas aos domingos e feria- lho” nos setores em que for possível sua operacionalização. (Reda-
dos serão considerado como serviço extraordinário e deverão ser ção acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
remunerados com o acréscimo de sessenta por cento sobre a hora Art. 26 Compete ao Chefe imediato do servidor o controle e a
normal, nos termos do artigo 81 desta Lei. (Redação acrescida pela fiscalização da sua frequência, sob pena de responsabilidade fun-
Lei Complementar nº 35/2020) cional com a possibilidade de exoneração do cargo ou da função de
§ 10 Mediante regulamento do Poder Executivo, poderá a confiança.
Administração municipal conceder horário especial em regime de Parágrafo único. A falta de registro de frequência ou a prática
“turnão” com redução de carga horária para os servidores, sem pre- de ações que visem a sua burla, pelo servidor, implicará a adoção
juízo remuneratório. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº obrigatória, pela chefia imediata, das providencias necessárias à
35/2020) aplicação de pena disciplinar com instauração de inquérito admi-
Art. 22 Poderá haver prorrogação da jornada normal do traba- nistrativo.
lho, por necessidade do serviço ou motivo de força maior, devida- Art. 26-A Durante a vigência de estado de calamidade pública,
mente justificado pelo chefe imediato. devidamente reconhecido pela Assembleia Legislativa do Estado da
§ 1º A prorrogação de que trata o “caput” deste artigo, não Bahia, fica o poder executivo autorizado a proceder a concessão
poderá ultrapassar o limite máximo de dez horas diárias, salvo nos de férias e licença-prêmio de forma antecipada aos períodos aqui-
caso de jornada especial ou em regime de turnos. sitivos, para os casos de servidores que não possam desenvolver
§ 2º As horas que excederem a jornada regular de trabalho suas atividades laborais de forma presencial no posto de trabalho
serão remuneradas ou compensadas, a critério da Administração. ou mesmo por “Teletrabalho”.
(Redação dada pela Lei Complementar nº 35/2020) § 1º Tratando-se de férias, será permitido a antecipação de até
§ 3º O pagamento ou compensação de que tratam o parágra- 02 (duas) férias subsequentes ao ano vigente.
fo acima deve ocorrer preferencialmente no mês de realização das § 2º Tratando-se de licença-prêmio, será permitido a antecipa-
horas extraordinárias, podendo ser realizado no mês subsequente, ção de apenas 01 (uma) licença. (Redação acrescida pela Lei Com-
caso de já tenha ocorrido o processamento da folha mensal. (Reda- plementar nº 35/2020)
ção dada pela Lei Complementar nº 35/2020)

14
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SUBSEÇÃO III SEÇÃO III
DO ESTÁGIO PROBATÓRIO DA PROMOÇÃO E DA PROGRESSÃO

Art. 27 Ao entrar em exercício, o servidor nomeado para o car- Art. 31 Promoção é a passagem do servidor público efetivo de
go de provimento efetivo ficará sujeito a estágio probatório, por pe- um nível para o imediatamente superior na carreira, obedecidos
ríodo de três anos, durante o qual a sua aptidão e capacidade serão aos requisitos estabelecidos nas leis que instituírem as diretrizes do
objeto de avaliação para o desempenho do cargo, observados os sistema de carreira e planos de cargos e vencimentos e se dará por
seguintes fatores: antiguidade e merecimento, respectivamente, nos termos da Lei.
I - assiduidade; Parágrafo único. Existindo vaga não preenchida por promoção,
II - disciplina; em virtude da inexistência de interessados ou de pessoas tecnica-
III - responsabilidade; mente qualificadas, poderá ser nomeado candidato, aprovado em
IV - iniciativa e produtividade. concurso público específico, obedecendo a ordem de classificação.
§ 1º Quatro meses antes de findar o período do estágio proba- Art. 32 Progressão é a passagem do servidor público efetivo de
tório, será submetida à homologação da autoridade competente, uma referência de vencimentos para a imediatamente subsequente
na forma do art. 6º, avaliação do desempenho do servidor, reali- num mesmo cargo, nos termos da Lei.
zada pela Comissão Permanente de Avaliação prevista no parágra-
fo único do art. 29, sem prejuízo da continuidade da apuração dos SEÇÃO IV
fatores enumerados nos incisos I a IV deste artigo ao longo de toda DA READAPTAÇÃO
a sua carreira;
§ 2º O servidor não aprovado no estágio probatório será exo- Art. 33 Readaptação é a investidura do servidor em cargo de
nerado; atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que
§ 3º No caso do parágrafo anterior, caso o servidor já compu- tenha sofrido em sua capacitação física ou mental, verificada em
nha o quadro da administração pública e gozava de estabilidade no inspeção médica oficial.
cargo antecedente ao qual fazia estágio probatório será reconduzi- § 1º A readaptação será efetivada em cargos de atribuições
do a aquele cargo, observando art. 38. afins, respeitada a habilitação exigida, nível de escolaridade e equi-
§ 4º O servidor em estágio probatório poderá exercer quais- valência de vencimentos e, na hipótese de inexistência de cargo
quer cargos de provimento em comissão ou funções de direção, vago, o servidor exercerá suas atribuições como excedente até a
chefia ou assessoramento no órgão ou entidade de lotação. ocorrência de vaga.
Art. 28 O servidor só poderá afastar-se do cargo, durante o pe- § 2º Se constatado a incapacidade para o serviço público, o
ríodo de cumprimento do estágio probatório, para gozo de licença readaptando será encaminhado ao órgão competente para fins de
para tratamento de saúde, por acidente em serviço, licença à ges- aposentadoria.
tante, lactante e adotante, exercício de mandato classista, licença
para atividade política e licença paternidade, ou no caso previsto SEÇÃO V
no § 3º, do art. 27. DA REVERSÃO
Parágrafo único. O período de afastamento para exercício de
mandato classista e eletivo não será computado para o fim previsto Art. 34 Reversão é o retorno à atividade de servidor aposenta-
no art. 29. do por invalidez, quando, por junta médica oficial, forem declarados
insubsistentes os motivos da aposentadoria.
SUBSEÇÃO IV Art. 35 A reversão far-se-á no mesmo cargo ou no cargo resul-
DA ESTABILIDADE tante de sua transformação.
Parágrafo único. Encontrando-se provido o cargo, o servidor
Art. 29 O servidor habilitado em concurso público e empossado exercerá suas atribuições como excedente, até a ocorrência de vaga.
em cargo de provimento efetivo adquirirá estabilidade no serviço Art. 36 O aposentado não poderá reverter à atividade, se tiver
público ao completar três anos de efetivo exercício. idade igual ou superior a setenta anos.
Parágrafo único. Como condição para a aquisição da estabilida-
de, é obrigatória a avaliação especial de desempenho pela Comis- SEÇÃO VI
são Permanente de Avaliação e subcomissões especiais que serão DA REINTEGRAÇÃO
compostas de forma paritária por representantes da Administração
e dos servidores municipais, com mandato de dois anos, possibili- Art. 37 A reintegração é a reinvestidura do servidor estável no
tada uma única recondução por igual período e regulamentada por cargo anteriormente ocupado, ou no cargo resultante de sua trans-
decreto do Chefe do Poder Executivo Municipal. formação, quando invalidada a sua demissão por decisão adminis-
Art. 30 O servidor estável só perderá o cargo em virtude de trativa ou judicial.
sentença judicial transitada em julgado, de processo administrativo § 1º Na hipótese de o cargo ter sido extinto, o servidor exercerá
disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa, do disposto suas atribuições como excedente ou ficará em disponibilidade re-
no art. 169, § 4º, § 5º e § 6º da Constituição Federal ou mediante munerada, observado o disposto nos arts. 40 e 41.
procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma da § 2º Encontrando-se provido o cargo, o seu ocupante, se está-
Lei Complementar Federal, efetuada pela Comissão Permanente de vel, será reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indeniza-
Avaliação prevista no parágrafo único do art. 29, assegurada ampla ção, ou aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade
defesa. com remuneração proporcional ao tempo de serviço.
§ 3º O servidor reintegrado deve ser ressarcido de todas as re-
munerações a que tiver direito, contando-se o tempo de serviço em
que esteve afastado por demissão invalidada, como se em exercício
estivesse.

15
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO VII CAPÍTULO III
DA RECONDUÇÃO DA REMOÇÃO E DA REDISTRIBUIÇÃO
SEÇÃO I
Art. 38 Recondução é o retorno do servidor estável ao cargo DA REMOÇÃO
anteriormente ocupado e decorrerá de:
I - inabilitação em estágio probatório relativo a outro cargo na Art. 45 Remoção é o deslocamento do servidor, a pedido ou de
hipótese prevista no inciso II do art. 12; ofício, no âmbito do mesmo quadro, com ou sem mudança de sede.
II - reintegração do anterior ocupante. § 1º Para fins do disposto neste artigo, entende-se por modali-
Parágrafo único. Encontrando-se provido o cargo de origem, o dades de remoção:
servidor será aproveitado em outro, observado o disposto no art. I - de ofício, no interesse da Administração;
39. II - a pedido, a critério da Administração;
III - a pedido do servidor, independentemente do interesse da
SEÇÃO VIII administração.
DO APROVEITAMENTO § 2º Em caso de impasse entre os incisos I e II, ou entre os
incisos II e III, deverá o Executivo constituir uma Comissão Especial
Art. 39 Aproveitamento é o retorno à atividade do servidor composta por 5 (cinco) membros, garantidas pelo menos 2 (duas)
estável em disponibilidade, ao cargo de atribuição e vencimentos vagas para os servidores municipais indicados por sua respectiva
compatíveis com o anteriormente ocupado, bem como a sua natu- representação sindical.
reza e complexidade. § 3º A Comissão Especial a que se refere o parágrafo anterior
§ 1º O aproveitamento de servidor que se encontre em dispo- terá o prazo de até 8 (oito) dias para deliberar sobre a meteria em
nibilidade há mais de doze meses dependerá de prévia comprova- questão.
ção de sua capacitação física e mental, por junta médica oficial do § 4º Deverá a Administração municipal manter atualizado e
Município. de forma pública o quadro de cargos e vagas por secretaria, a fim
§ 2º Se julgado apto, o servidor será convocado a assumir o de melhor operacionalização dos institutos da remoção e redistri-
exercício do cargo no prazo de dez dias, contados da publicação. buição funcional. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº
Art. 40 A Secretaria competente para assuntos de Administra- 35/2020)
ção determinará o imediato aproveitamento do servidor em dis-
ponibilidade na forma de excedente até o surgimento de vaga em SEÇÃO II
órgão ou entidades da administração pública municipal. DA REDISTRIBUIÇÃO
Art. 41 Tornar-se-á sem efeito o aproveitamento e será cassada
a disponibilidade se o servidor não entrar em exercício no prazo Art. 46 Redistribuição é o deslocamento de cargo de provimen-
legal, salvo doença comprovada por junta médica oficial. to efetivo, ocupado ou vago no âmbito do quadro geral de pessoal,
Parágrafo único. Verificada a incapacidade definitiva, o servi- para outro órgão ou entidade do mesmo poder com prévia apre-
dor em disponibilidade será encaminhado ao órgão previdenciário ciação da secretaria competente para assuntos de administração,
competente para fins de aposentadoria. observados os seguintes preceitos:
I - interesse da Administração;
CAPÍTULO II II - equivalência de vencimentos;
DA VACÂNCIA III - manutenção da essência das atribuições do cargo;
IV - vinculação entre graus de responsabilidade e complexidade
Art. 42 A vacância do cargo público decorrerá de: das atividades;
I - exoneração; V - mesmo nível de escolaridade, especialidade ou habilitação
II - demissão; profissional;
III - readaptação; VI - compatibilidade entre as atribuições do cargo e as finalida-
IV - aposentadoria; des institucionais do órgão ou entidade.
V - posse em outro cargo inacumulável; § 1º A redistribuição ocorrerá de ofício para ajustamento de
VI - falecimento; lotação e da força de trabalho às necessidades dos serviços, inclu-
VII - promoção. sive nos casos de reorganização, extinção ou criação de órgão ou
Art. 43 A exoneração do cargo efetivo dar-se-á a pedido do ser- entidade.
vidor, ou de ofício. § 2º A redistribuição de cargos efetivos vagos se dará mediante
Parágrafo único. A exoneração de ofício dar-se-á: ato conjunto entre a Secretaria competente para assuntos de Admi-
I - quando não satisfeitas as condições do estágio probatório; nistração e os órgãos ou entidades da Administração Pública Muni-
II - quando, tendo tomado posse, o servidor não entrar em cipal envolvidos.
exercício no prazo estabelecido. § 3º Nos casos de reorganização ou extinção de órgão ou enti-
Art. 44 A exoneração de cargo em comissão e dispensa da fun- dade, extinto o cargo ou declarado sua desnecessidade no órgão ou
ção de confiança dar-se-á: entidade, o servidor estável que não for redistribuído será colocado
I - a juízo da autoridade competente; em disponibilidade, até seu aproveitamento na forma dos arts. 40
II - a pedido do próprio servidor. e 41.

CAPÍTULO IV
DA SUBSTITUIÇÃO

Art. 47 Substituição é o exercício temporário de cargo em co-


missão ou função de confiança, nos casos de impedimento legal ou
afastamento do titular.

16
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 1º A substituição é automática ou depende de ato de autori- Art. 55 O servidor em débito para com a Fazenda Pública inclu-
dade competente, na forma prevista em regulamento. sive autarquias e fundações, que for demitido, exonerado ou que
§ 2º O substituto fará jus a gratificação pelo exercício de cargo tiver cassada a sua disponibilidade, terá prazo de sessenta dias para
em comissão ou de função de confiança quando o afastamento do quitá-lo, constituindo-se a certidão emitida pelo órgão administrati-
titular for superior a trinta dias, paga na proporção dos dias de efe- vo e inscrito na dívida ativa título hábil à execução judicial.
tiva substituição. § 1º Quando o débito é originado de comprovada má-fé, o ser-
§ 3º Não haverá substituição em cargo de provimento efetivo, vidor deve quitá-lo em trinta dias, a contar do fato, sem prejuízo das
salvo do profissional da educação por prazo determinado. penalidades cabíveis;
§ 2º A não quitação do débito no prazo previsto neste artigo
TÍTULO III implicará sua inscrição na dívida ativa do Município;
DOS DIREITOS E VANTAGENS Art. 56 Mediante autorização do servidor, poderá haver con-
CAPÍTULO I signação em folha de pagamento a favor de terceiros, a critério da
DO VENCIMENTO E DA REMUNERAÇÃO administração e com reposição dos custos de operação, na forma
definida em regulamento.
Art. 48 Vencimento é a retribuição pecuniária devida ao servi-
Parágrafo único. A soma das consignações compulsórias e fa-
dor público pelo efetivo exercício do cargo, com valor fixado em lei.
cultativas não poderá exceder a setenta por cento do vencimento
Art. 49 Provento é a retribuição pecuniária paga ao servidor
ou provento do servidor.
público em disponibilidade.
Art. 50 Remuneração é o vencimento ou o provento do car- Art. 57 O servidor perderá:
go, acrescido das vantagens pecuniárias, de caráter permanente ou I - a remuneração dos dias que faltar injustificadamente ao ser-
temporário, estabelecidas em lei. viço;
§ 1º Quando os servidores, participarem de programas e parce- II - parcela da remuneração diária, proporcionalmente aos
rias em condições de trabalho diferenciadas e específicas, poderá o atrasos acima da tolerância máxima de sessenta minutos ao mês,
Poder Executivo Municipal firmar com estes, contratos temporários ausências eventuais e saídas antecipadas quando não autorizadas
com duração restrita ao período de participação do servidor, de for- pela chefia imediata;
ma a alcançar a isonomia de remuneração com demais participan- § 1º O servidor que for afastado em virtude de condenação por
tes ou compatível com a natureza do programa ou projeto. sentença definitiva a pena que não resulte em demissão ou perda
§ 2º A remuneração dos servidores públicos municipais de do cargo terá suspensa a sua remuneração.
qualquer dos órgãos da administração direita ou indireta, somente § 2º No caso de falta injustificada ao serviço nos dias imedia-
poderão ser fixados ou alterados por lei específica de iniciativa pri- tamente anterior e posterior ao repouso remunerado ou feriado,
vativa do Chefe do Poder Executivo Municipal, assegurada revisão ou ainda, em dia ou dias compreendidos entre feriado e repouso
geral anual, sempre no dia 1º de maio e sem distinção de índices; remunerado, ou vice-versa serão estes dias também computados
Art. 51 O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens para efeito de desconto de forma proporcional;
de caráter permanente é irredutível, ressalvado o disposto nos §§ § 3º Na hipótese de não comparecimento do servidor ao ser-
1º e 2º, do art. 23, da Lei Complementar nº 101/2000. viço ou escala de plantão o número total de faltas abrangerá, para
Art. 52 É assegurada a isonomia de vencimentos para cargos todos os efeitos legais, o período destinado ao descanso.
de atribuições iguais ou assemelhados da administração direta do
mesmo Poder ou entre servidores dos Poderes Executivo e Legisla- CAPÍTULO II
tivo, ressalvadas as vantagens de caráter individual e as relativas a DAS VANTAGENS
natureza e ao local de trabalho, observando-se o disposto no inciso
XII, do Art. 37 da Constituição Federal. Art. 58 Além do vencimento, poderão ser pagas ao servidor as
Art. 53 Ressalvados os casos de acumulação lícita, os servidores
seguintes vantagens:
de provimento efetivo do município não poderão perceber, men-
I - indenizações;
salmente a título de remuneração, importância superior à sessenta
II - gratificações;
por cento da remuneração total atribuída ao Prefeito.
III - adicionais;
§ 1º Ficam excluídas do limite estabelecido neste artigo as se-
guintes parcelas: IV - benefícios; (Redação dada pela Lei Complementar nº
I - salário-família; 25/2011)
II - décimo terceiro salário; V - auxílios; (Redação dada pela Lei Complementar nº 25/2011)
III - adicional de férias; VI - Premiação (Redação dada pela Lei Complementar nº
IV - adicional pela prestação de serviços extraordinários; 35/2020)
V - diárias. § 1º As indenizações, auxílios e benefícios, não se incorporam
Parágrafo único. Ficam também excluídos do limite previsto no ao vencimento ou provento para qualquer efeito, nem servirão de
“caput” deste artigo os honorários advocatícios de sucumbência base para cálculo de outras vantagens.
em razão do patrocínio de interesses do Município, aplicando-se no § 2º As gratificações e os adicionais poderão ser incorporados
que couber o Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil. ao vencimento ou provento, bem como, servir de base de cálculo
Art. 54 A remuneração do servidor público não sofrerá descon- para outras vantagens, desde que previsto em Lei;
to além do previsto em lei, ou por força de mandado judicial, salvo § 3º As vantagens pecuniárias não serão computadas nem acu-
em virtude de indenização ou restituição à Fazenda Pública Muni- muladas, para fins de concessão de vantagens sob o mesmo título
cipal, nem serão objeto de arresto, sequestro ou penhora, exceto ou idêntico fundamento;
o caso de prestação de alimentos resultantes de homologação ou § 4º Qualquer vantagem deferida a servidor público sem a
decisão judicial. existência de Lei Municipal, será de exclusiva responsabilidade do
Parágrafo único. A indenização ou a restituição será descontada agente que a deferiu, ficando o responsável coobrigado com o be-
em parcelas mensais não excedentes a décima parte do valor da neficiado a restituir todos os valores, acrescidos de juros e correção
remuneração bruta. monetária, sem prejuízo de outras cominações legais.

17
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Art. 58-A Ao servidor municipal ocupante de cargo de provi- SUBSEÇÃO III
mento efetivo, será concedida premiação anual, com valores, cri- DA AJUDA DE CUSTO
térios e metodologia de avaliação disciplinados por ato do Poder
Executivo. Art. 63 A ajuda de custo destina-se a compensar as despesas
§ 1º Respeitado o direito adquirido dos atuais servidores muni- de instalação do servidor que, no interesse do serviço, passa a ter
cipais, a premiação de que trata este Artigo apenas será concedido exercício em nova sede, com mudança de domicílio em caráter per-
ao servidor que possua: manente.
I - Até 25 (vinte e cinco) faltas injustificadas durante o primeiro § 1º Correm por conta da administração as despesas de trans-
quinquênio laboral; e porte do servidor e de sua família, compreendendo passagem, ba-
II - Até 05 (cinco) faltas injustificadas por ano, nos anos seguin- gagem e bens pessoais.
tes após o quinto ano de efetivo exercício. Art. 64 A ajuda de custo é calculada sobre a remuneração do
§ 2º A data de efetivo exercício do servidor servirá de referên- servidor conforme dispuser em regulamento, não podendo exceder
cia para apuração do período aquisitivo. a importância correspondente a três meses desta.
§ 3º O início do pagamento do quinquênio decorrerá da exis- Art. 65 Não será concedida ajuda de custo ao servidor que se
tência de cinco anos de efetivo exercício, consecutivos ou não, aten- afastar do cargo, em virtude de mandato classista ou eletivo.
didos a exigência mínima de até 05 (cinco) faltas injustificadas por Art. 66 O servidor ficará obrigado a restituir a ajuda de custo
ano. quando, injustificadamente, não se apresentar na nova sede no pra-
§ 4º Após adquirir direito ao anuênio, sob nenhuma hipóte- zo de trinta dias.
se será realizado pagamento retroativo referente aos períodos que
eventualmente o servidor deixou de atender aos incisos I e II do SEÇÃO II
parágrafo primeiro desse Artigo. (Redação acrescida pela Lei Com- DAS GRATIFICAÇÕES
plementar nº 35/2020)
Art. 67 Além do vencimento e das vantagens previstas nesta
SEÇÃO I Lei, serão deferidas aos servidores as seguintes gratificações:
DAS INDENIZAÇÕES I - pelo exercício de função de direção, chefia e assessoramen-
to:
Art. 59 Constituem indenizações ao servidor: II - gratificação natalina;
I - diárias; III - por local de difícil acesso, ou provimento;
II - transporte; IV - gratificação por deslocamento;
III - ajuda de custo. V - gratificação de Produção;
Parágrafo único. Os valores das indenizações, assim como as VI - gratificação complementar;
condições para a sua concessão, serão regulamentados por decreto VII - participação no produto da arrecadação fiscal;
do Poder Executivo Municipal. VIII - Gratificação de Risco de Vida; (Redação acrescida pela Lei
Complementar nº 25/2011)
SUBSEÇÃO I IX - Gratificação Especial para Regime de Plantão em Unidade
DAS DIÁRIAS Móvel de Urgência e Emergência. (Redação acrescida pela Lei Com-
plementar nº 28/2014)
Art. 60 O servidor que, a serviço, se afastar da sede em cará-
ter eventual ou transitório, para outro ponto do território nacional, SUBSEÇÃO I
fará jus a passagens e diárias, para cobrir as despesas extraordiná- DA GRATIFICAÇÃO PELO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO DE DIREÇÃO,
rias com hospedagem, alimentação e locomoção urbana, confor- CHEFIA OU ASSESSORAMENTO
me dispuser em regulamentação, por decreto do Poder Executivo
Municipal. Art. 68 Ao servidor ocupante de cargo efetivo investido em
Art. 61 O servidor que receber diárias e não se afastar da sede, função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de provimento
por qualquer motivo, ficará obrigado a restituí-las integralmente, em comissão ou de natureza especial é devida retribuição pelo seu
no prazo de cinco dias. exercício.
§ 1º Na hipótese de o servidor retornar à sede em prazo menor Parágrafo único. A remuneração dos cargos em comissão de
do que o previsto para o seu afastamento, restituirá as diárias rece- que trata o inciso II, do art. 13 será estabelecida em lei específica.
bidas em excesso, no prazo previsto no “caput” deste artigo.
§ 2º É vedado o pagamento de diárias com o objetivo de retri- SUBSEÇÃO II
buir serviços, encargos ou como forma de compensação de remu- DA GRATIFICAÇÃO NATALINA
neração.
Art. 69 A gratificação natalina corresponde a um doze avos da
SUBSEÇÃO II remuneração a que o servidor fizer jus no mês de dezembro, por
DA INDENIZAÇÃO POR TRANSPORTE mês de exercício no respectivo ano.
§ 1º A fração igual ou superior a quinze dias será considerada
Art. 62 Conceder-se-á indenização por transporte, em percen- como mês integral.
tual máximo de vinte e cinco por cento de seus vencimentos, ao § 2º A gratificação será paga até o dia vinte do mês de dezem-
servidor que realizar despesas com a utilização de meio próprio de bro de cada ano.
locomoção para a execução de serviços externos, por força das atri- § 3º O servidor exonerado receberá sua gratificação natalina
buições próprias do cargo, conforme se dispuser em regulamento, proporcionalmente aos meses de exercício, calculada sobre a remu-
por decreto do Poder Executivo Municipal. neração dos últimos doze meses.
§ 4º A gratificação natalina não será considerada para cálculo
de qualquer vantagem pecuniária.

18
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 5º No mês de junho ou na data de aniversário do servidor po- § 2º Os valores pagos a título de participação no produto de
derá o município pagar a título de adiantamento da gratificação na- arrecadação fiscal devem ser computados na base de cálculo para
talina, metade da gratificação definida no “caput”, ficando o saldo efeito de cálculo de férias, 13º salário, licença para tratamento de
a ser pago na forma prevista no parágrafo 2º, a pedido do servidor. saúde e por acidente em serviço, licença gestante e licença prêmio;
§ 3º A apuração da produtividade dos servidores que fizerem
SUBSEÇÃO III jus a esta gratificação será realizada através de relatórios pessoais,
DA GRATIFICAÇÃO POR LOCAL DE DIFÍCIL ACESSO OU PROVI- devidamente homologados pela chefia imediata;
MENTO § 4º Esta gratificação poderá ser paga a servidores de outros
entes da Federação que estejam cedidos ao Município;
Art. 70 O servidor em exercício em unidade de difícil acesso, § 5º A gratificação de produtividade tem seu piso mínimo es-
situada na zona rural, ou de difícil provimento poderá receber uma tabelecido em vinte por cento e não poderá superar o dobro do
gratificação no valor correspondente a até vinte por cento do seu vencimento do servidor;
vencimento, na forma e condições a serem estabelecidas em regu- § 6º Não fará jus à gratificação de produtividade, por período
lamento, por decreto do Poder Executivo Municipal. máximo de um ano, o servidor que concorrer direta ou indireta-
§ 1º A caracterização da zona rural será fixada, para efeito de mente para a perda de recursos ou diminuição de receitas públicos.
concessão desta gratificação, com base na lei que fixa o perímetro
urbano do Município. SUBSEÇÃO VI
§ 2º Não terá direito a esta gratificação, o servidor: DA GRATIFICAÇÃO COMPLEMENTAR
I - nomeado em virtude de concurso público regionalizado e
cujo exercício tenha ocorrido para o lugar onde o candidato tenha Art. 73 No exercício de cargo de provimento efetivo ou de co-
feito opção no ato da inscrição; missão, o servidor poderá receber gratificação complementar de
II - que resida próximo ao local do trabalho; até sessenta por cento do vencimento base, a título de condições
III - que utilize transporte fornecido diariamente pelo Municí- especiais de trabalho, não se integrando estes valores ao vencimen-
pio to para base de qualquer outro benefício, exceto adicional de férias
§ 3º A gratificação referida neste artigo não será objeto de in- e gratificação natalina. (Regulamentado pelo Decreto nº 40/2017)
corporação ao vencimento, ou provento, para qualquer efeito, nem § 1º O deferimento deste benefício será de exclusiva compe-
servirá de base para cálculo de outras vantagens. tência da autoridade competente para o exercício da nomeação.
§ 4º Deixando de existir as condições previstas neste artigo, au- § 2º Cessadas as condições especiais de que trata o “caput” o
tomaticamente será extinto o benefício, independente do tempo de servidor deixará de receber a vantagem estabelecida.
exercício com esta vantagem.
SUBSEÇÃO VII
SUBSEÇÃO IV DA PARTICIPAÇÃO NO PRODUTO DA ARRECADAÇÃO FISCAL
DA GRATIFICAÇÃO POR DESLOCAMENTO
Art. 74 Os servidores de que trata o art. 72, bem como aos ser-
Art. 71 O servidor que no exercício regular de suas atividades, vidores diretamente envolvidos no processo de cadastramento e
desloca-se diariamente por mais de dez quilômetros em zona rural monitoramento, terão direito a dez por cento sobre o produto da
poderá receber uma gratificação no valor correspondente a até vin- arrecadação decorrente das notificações ou dos autos de infração
te por cento do seu vencimento a título de deslocamento, na forma por ele lavrados, inclusive os inscritos na dívida ativa, desde que
e condições a serem estabelecidas em regulamento, por decreto do efetivamente pagos.
Poder Executivo Municipal, aplicando-se o previsto nos parágrafos § 1º Para que seja consumado o crédito em favor do servidor
e incisos do art. 70. o procedimento de arrecadação e fiscalização deverá estar devida-
Parágrafo único. O servidor que fizer jus às gratificações por mente formalizado em processo administrativo protocolado e regis-
difícil acesso ou provimento e de deslocamento deverá optar por trado no sistema de informática do município.
um deles. § 2º O percentual fixado no “caput” deste artigo será distribuí-
do da seguinte forma:
SUBSEÇÃO V I - cinco por cento será crédito exclusivo do servidor ou servido-
DA GRATIFICAÇÃO DE PRODUÇÃO res responsáveis pelo ato que originou o crédito;
II - cinco por cento será para a constituição de um fundo, que
Art. 72 A gratificação de produção será paga aos servidores será utilizado da seguinte forma:
cujas atividades específicas são de arrecadação e de fiscalização de a) todos os titulares de cargos de provimento efetivo previstos
tributos, rendas municipais, obras ou posturas e serviços públicos, no “caput” e regulamentado por decreto terão direito ao rateio dos
com atribuições especificas de instrução, diligência, informação de valores apurados e que integrem o fundo.
processo administrativo, fiscal e tributário, bem como aos servido- b) os valores apurados até o dia trinta do mês do pagamento
res cuja variação de desempenho influa diretamente no aumento serão distribuídos no mês seguinte, por ato do Prefeito ou do Secre-
ou na minimização de impacto negativo das receitas públicas mu- tário que tenha competência para assuntos da Fazenda Municipal.
nicipais e transferências de recursos oriundos de outros entes da § 3º Os valores pagos a título de participação no produto da
Federação, na forma de regulamentação por meio de decreto do arrecadação fiscal devem ser computados na base de cálculo para
Executivo Municipal. efeito de cálculo de férias, 13º salário, licença para tratamento de
§ 1º O valor da gratificação a que se refere este artigo será fi- saúde e por acidente em serviço.
xado com base em pontuações pelo cumprimento das atribuições § 4º É vedado a acumulação da participação no produto da ar-
especificadas no “caput”, de acordo com os critérios estabelecidos recadação fiscal com a gratificação prevista no art. 72 da presente
por uma comissão composta de cinco membros, garantida a pre- lei.
sença de dois representantes dos Servidores Públicos Municipais,
indicados pela representação sindical da categoria.

19
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SUBSEÇÃO VIII SUBSEÇÃO II
DA GRATIFICAÇÃO DE RISCO DE VIDA (REDAÇÃO ACRESCIDA DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE, PERICULOSIDADE OU
PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 25/2011) ATIVIDADE PENOSA

Art. 74-A Fica criada a gratificação de risco de vida, na razão de Art. 77 Os servidores que trabalhem com habitualidade em lo-
20% (vinte por cento) do vencimento base inicial para o cargo de cais insalubres ou em contato permanente com substâncias tóxicas,
Agente de Trânsito, que exerça sua atividade em logradouros públi- radioativas ou com risco de vida, fazem jus a um adicional sobre o
cos externos, bem como não sendo devida em casos de afastamen- vencimento do cargo.
tos previstos nesta lei. (Redação acrescida pela Lei Complementar § 1º O servidor que fizer jus aos adicionais de insalubridade e
nº 25/2011) de periculosidade deverá optar por um deles.
§ 2º O direito ao adicional de insalubridade ou de periculosida-
SUBSEÇÃO IX de cessa com a eliminação das condições ou dos riscos que deram
GRATIFICAÇÃO ESPECIAL PARA REGIME DE PLANTÃO EM causa à sua concessão.
UNIDADE MÓVEL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA (REDAÇÃO Art. 78 Haverá permanente controle do trabalho de servidores
ACRESCIDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 28/2014) em operações ou locais considerados insalubres, perigosos ou de
Art. 74-B Os titulares de cargos e os ocupantes de funções de atividades penosas.
Técnico de Enfermagem e Motorista, em caráter efetivo ou tempo- § 1º A servidora gestante ou lactante será afastada, enquanto
rário, que estejam lotados no Serviço de Atendimento Móvel de Ur- durar a gestação e lactação, das operações e locais previstos neste
gências - SAMU 192 farão Jus à percepção de Gratificação Especial artigo, exercendo suas atividades em local salubre e em serviço não
para Regime de Plantão em Unidade Móvel de Urgência e Emergên- penoso e não perigoso.
cia, na forma e condições a serem estabelecidas em regulamento § 2º Na concessão dos adicionais de insalubridade, de periculo-
por Decreto do Poder Executivo Municipal. sidade e de atividades penosas serão observadas as situações esta-
§ 1º A Gratificação Especial para Regime de Plantão só será belecidas em legislação específica.
paga se cumprido efetiva e integralmente o Plantão, não sendo de- Art. 79 O adicional de atividade penosa será devido aos servi-
vida nas faltas, ainda que abonadas, atrasos e saídas antecipadas no dores em exercício em localidades cujas condições de vida o justifi-
referido Plantão, bem como nas férias, licenças e afastamentos de quem, nos termos, condições e limites fixados em regulamento, por
quaisquer espécies. decreto do Poder Executivo Municipal.
§ 2º Não é possível o Pagamento cumulativo de Diárias e Gra- Art. 80 Os locais de trabalho e os servidores que operam com
tificação Especial para Regime de Plantão. (Redação acrescida pela Raios-X ou substâncias radioativas serão mantidos sob controle per-
Lei Complementar nº 28/2014) manente, de modo que as doses de radiação ionizante não ultra-
Art. 74-C A Gratificação Especial para Regime de Plantão não passem o nível máximo previsto na legislação própria.
se incorpora, tampouco se torna permanente, aos vencimentos Parágrafo único. Os servidores a que se refere este artigo serão
dos servidores, não servindo de base para o cálculo de qualquer submetidos a exames médicos a cada seis meses.
indenização ou vantagem pecuniária, inclusive férias, 13º salário e
adicionais por tempo de serviço. (Redação acrescida pela Lei Com- SUBSEÇÃO III
plementar nº 28/2014) DO ADICIONAL POR SERVIÇO EXTRAORDINÁRIO E SOBREA-
VISO
SEÇÃO III
DOS ADICIONAIS Art. 81 A remuneração do serviço extraordinário será superior
ao da hora normal, em cinquenta por cento nos dias úteis, e aos sá-
Art. 75 Serão também deferidos aos servidores os adicionais bados, domingos, feriados serão remunerados com o acréscimo de
que se seguem: sessenta por cento sobre a hora normal, exceto para os servidores
I - por tempo de serviço; que laborem por turno.
II - pelo exercício de atividades insalubres, perigosas ou peno- § 1º Somente será permitido serviço extraordinário para aten-
sas; der a situações excepcionais e temporárias, respeitado o limite má-
III - pela prestação de serviço extraordinário; ximo de duas horas por jornada;
IV - pela prestação de serviço noturno; § 2º Poderá ser instituída escala de sobreaviso nos setores que
V - adicional de férias. por sua natureza e especificidade ou necessidade extraordinária,
justifiquem a permanência do estado de alerta do servidor, através
SUBSEÇÃO I de regulamento específico do Poder Executivo Municipal, observa-
DO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO dos os termos dos art. 21 a 26;
§ 3º Será devido valor correspondente a cinquenta por cento
Art. 76 Ao completar cinco anos de efetivo exercício o servidor do adicional previsto no “caput” deste artigo ao servidor que per-
terá direito ao adicional por tempo de serviço à razão de cinco por manecer sobreavisado;
cento, além de um por cento ao ano, a partir do sexto ano de servi- § 4º O servidor não poderá cumprir mais que dois períodos
ço público efetivamente prestado ao Município, observado o limite mensais de sobreaviso, nos quais estará obrigado a permanecer em
máximo de trinta e cinco por cento incidente exclusivamente sobre local de fácil localização e em
o vencimento, ainda que investido o servidor em função gratificada permanente contato com o setor ao qual esteja vinculado.
ou cargo em comissão.

20
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SUBSEÇÃO IV SEÇÃO V
DO ADICIONAL NOTURNO DO AUXÍLIO

Art. 82 O serviço noturno, prestado em horário compreendido Art. 89 Será facultado à administração conceder ao servidor
entre vinte e duas horas de um dia e cinco horas do dia seguinte, público municipal:
terá o valor hora acrescido de vinte e cinco por cento, computan- I - auxílio educação;
do-se cada hora como cinquenta e dois minutos e trinta segundos. Parágrafo único. Em situações excepcionais e após parecer po-
Parágrafo único. Em se tratando de serviço extraordinário, o sitivo do Conselho de Política de Administração e Remuneração de
acréscimo de que trata este artigo incidirá sobre a remuneração Pessoal, poderá o Chefe do Executivo Municipal suspender tempo-
prevista no art. 81. rariamente a concessão do auxílio previsto neste artigo.
Art. 89-A Por motivo de nascimento ou adoção de filho, o ser-
SUBSEÇÃO V vidor ocupante do cargo de provimento efetivo, que perceba até
DO ADICIONAL DE FÉRIAS 02 (dois) salários mínimos de vencimento base, fará jus ao auxílio
natalidade, em parcela única, na quantia referente ao salário míni-
Art. 83 Independentemente de solicitação, será pago ao ser- mo vigente.
vidor por ocasião das férias anuais remuneradas, de acordo com o § 1º O benefício de que trata este artigo será devido apenas a
inciso XVII, do art. 7º da Constituição Federal, um adicional corres- um dos cônjuges, na hipótese de ambos os pais serem servidores
pondente a um terço da média dos últimos doze meses de remune- municipais.
ração no período de gozo das respectivas férias. § 2º Tratando-se de natimorto, fará jus o servidor ao pagamen-
§ 1º No caso de o servidor exercer função gratificada, ou ocu- to no valor de 50% do valor de que trata o caput deste artigo. (Re-
par cargo em comissão, a respectiva vantagem será considerada no dação acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
cálculo do adicional de que trata este artigo.
§ 2º O adicional de férias não será considerado para cálculo de SUBSEÇÃO I
qualquer vantagem pecuniária. DO AUXÍLIO EDUCAÇÃO

SEÇÃO IV Art. 90 O auxílio educação tem caráter indenizatório e será de-


DOS BENEFÍCIOS vido, conforme regulamentação do Poder Executivo Municipal, ao
SUBSEÇÃO ÚNICA servidor efetivo que:
DO SALÁRIO-FAMÍLIA I - estiver cursando o ensino fundamental ou médio em estabe-
lecimento da rede pública de ensino;
Art. 84 O salário-família é devido ao servidor ativo, na forma II - estiver regularmente matriculado em curso de formação
do Regime Geral de Previdência Social, por dependente econômico. técnica ou superior, em estabelecimento devidamente reconhecido
§ 1º Consideram-se dependentes econômicos para efeito de pelo Ministério da Educação;
percepção do salário-família: III - estiver regularmente matriculado em pós-graduação ou
I - o filho, filha ou equiparado menor, até quatorze anos de ida- especialização em estabelecimento devidamente autorizado pelo
de; Ministério da Educação.
II - filho, filha ou equiparado de qualquer idade, inválido. § 1º Na hipótese do inciso I, o auxílio educação se dará em valor
§ 2º A invalidez do filho ou equiparado maior de quatorze anos não superior a vinte por cento do vencimento do servidor, e condi-
de idade deve ser verificada em exame médico-pericial a cargo da cionada à comprovação de frequência mínima anual de oitenta por
previdência social. cento e aprovação sob pena de suspensão do benefício por período
Art. 85 Tendo havido divórcio, separação judicial ou de fato dos não superior a dois anos;
pais, ou em caso de abandono legalmente caracterizado ou perda § 2º Nas hipóteses previstas nos incisos II e III o currículo dos
do pátrio-poder, o salário-família passará a ser pago diretamente cursos devem possuir estrita relação com as áreas de atuação ou
àquele a cujo cargo ficar o sustento do menor, ou a outra pessoa, se atribuições do cargo exercido pelo servidor, e o benefício será de
houver determinação judicial nesse sentido. até cinquenta por cento do vencimento do servidor, não podendo
Parágrafo único. Ao pai e a mãe equiparam-se o padrasto, a ultrapassar igual percentual do valor da mensalidade em caso de
madrasta e, na falta deles, os representantes legais dos menores. estabelecimento particular de ensino, condicionado à comprovação
Art. 86 O direito ao salário-família cessa automaticamente: de frequência mínima de oitenta por cento e observada a aprova-
I - por morte do filho ou equiparado, a contar do mês seguinte ção nas disciplinas matriculadas, vedado o abandono do curso sob
ao do óbito; pena de suspensão automática do benefício por período mínimo de
II - quando o filho ou equiparado completar quatorze anos de seis meses e não superior a um ano;
idade, salvo se inválido, a contar do mês seguinte ao da data do Art. 91 O servidor beneficiário deverá apresentar termo de
aniversário; compromisso, no qual assume com a administração o compromisso
III - pela recuperação da capacidade do filho ou equiparado in- de permanecer no serviço público municipal por período não infe-
válido, a contar do mês seguinte ao da cessação da incapacidade; rior a um ano após o término do ensino médio e não inferior a dois
ou anos após o término do curso nas hipóteses dos incisos II e III, do
IV - pelo desemprego do segurado. art. 90, sob pena de restituição aos cofres públicos dos valores rece-
Art. 87 O salário-família não está sujeito a qualquer tributo, bidos de forma integral e atualizada no ato da elaboração do termo
nem servirá de base para qualquer contribuição, inclusive para Pre- de desligamento do servidor.
vidência Social.
Art. 88 O afastamento do cargo efetivo, sem remuneração,
acarreta a suspensão do pagamento do salário-família.

21
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO VI CAPÍTULO IV
DAS INCORPORAÇÕES DAS LICENÇAS
SUBSEÇÃO ÚNICA SEÇÃO I
DA ESTABILIDADE ECONÔMICA DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 92 (Revogado pela Lei Complementar nº 35/2020) Art. 97 Conceder-se-á ao servidor licença:
I - por motivo de doença em pessoa da família;
CAPÍTULO III II - por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro;
DAS FÉRIAS III - para prestar serviço militar obrigatório;
IV - para atividade política;
Art. 93 O servidor fará jus, anualmente, a trinta dias de férias, V - prêmio por assiduidade;
que podem ser acumuladas, até o máximo de dois períodos, no VI - para capacitação;
caso de necessidade do serviço, ressalvadas as hipóteses em que VII - para interesses particulares;
haja legislação específica na seguinte proporção: VIII - para servidor atleta participar de competição oficial;
I - trinta dias corridos, quando não houver faltado injustifica- IX - para desempenho de mandato classista;
damente ao serviço por mais de cinco vezes no período aquisitivo; X - para tratamento de saúde;
II - vinte e quatro dias corridos, quando houver tido de seis a XI - da Licença à Gestante, à Adotante e da Licença-Paternida-
quatorze faltas injustificadas no período aquisitivo; de. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 22/2011 e Lei nº
III - dezoito dias corridos, quando houver tido de quinze a vinte 336/2011)
e três dias de faltas injustificadas no período aquisitivo; Parágrafo único. A licença concedida dentro de sessenta dias
IV - doze dias corridos, quando houver tido de vinte e quatro a do término de outra da mesma espécie será considerada como
trinta e duas faltas injustificadas no período aquisitivo. prorrogação.
§ 1º Para o primeiro período aquisitivo de férias serão exigidos
doze meses de exercício do cargo. SUBSEÇÃO I
§ 2º As férias poderão ser parceladas em até três etapas, desde DA LICENÇA POR MOTIVO DE
que assim requeridas pelo servidor, e no interesse da administração DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA
pública.
§ 4º As ausências injustificadas do servidor que desenvolver Art. 98 Poderá ser concedida licença ao servidor por motivo
suas funções em regime de plantão serão computadas para efeito de doença do cônjuge ou companheiro, dos pais, dos filhos, do
de redução do período de férias na proporção de 1/3 (um terço) padrasto ou madrasta e enteado, ou dependente que viva às suas
para a escala 24x72 (vinte e quatro horas de trabalho por setenta e expensas e conste do seu assentamento funcional, mediante com-
duas horas de descanso) e de 2/3 (dois terços) para a escala 12x36 provação por junta médica oficial.
(doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso), em § 1º A licença prevista neste artigo será precedida de exame
relação às ausências de que trata o caput deste artigo. (Redação por médico credenciado ou junta médica oficial do Município.
acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020) § 2º É vedado o exercício de atividade remunerada durante o
Art. 94 O pagamento do adicional de férias será efetuado no período de licença prevista neste artigo.
mês anterior ao início do gozo do respectivo período. § 3º A licença somente será deferida se a assistência direta do
§ 1º O servidor exonerado do cargo efetivo, ou em comissão, servidor for indispensável e não puder ser prestada simultaneamen-
perceberá indenização relativa ao período das férias a que tiver di- te com o exercício do cargo ou mediante compensação de horário.
reito e ao incompleto, na proporção de um doze avos por mês de § 4º A licença será concedida sem prejuízo da remuneração do
efetivo exercício, ou fração superior a quatorze dias. cargo efetivo até trinta dias, podendo ser prorrogada por até trinta
§ 2º A indenização de que trata o parágrafo anterior será cal- dias, mediante parecer de junta médica, e, excedendo esses prazos,
culada com base na remuneração do mês em que for publicado o sem remuneração, por até noventa dias.
ato exoneratório. § 5º A licença a que se refere o caput deste artigo poderá ser
§ 3º Em caso de parcelamento, o servidor receberá o valor adi- concedida ao servidor conforme o tempo que durar o procedimen-
cional previsto no inciso XVII, do art. 7º, da Constituição Federal to para acompanhar consultas médicas e exames complementares
quando da utilização do primeiro período; durante o período de gravidez de sua esposa ou companheira, por
§ 4º A pedido do servidor e à critério da Administração poderá até 9 (nove) eventos, devendo o tempo que durar o procedimento
ser convertido até metade do período de férias a que faz jus o ser- e a espera constarem no atestado de comparecimento. (Redação
vidor em prestação pecuniária. acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
Art. 95 O servidor que opera direta e permanentemente com § 6º A licença a que se refere o caput deste artigo poderá ser
Raios-X ou substâncias radioativas gozará vinte dias consecutivos de concedida também ao servidor para acompanhar filho de até 6
férias, por semestre de atividade profissional, proibida em qualquer (seis) anos em consulta médica, por até 2 (dois) eventos por ano,
hipótese a acumulação, vedada a conversão prevista no § 4º do art. devendo o tempo que durar o procedimento e a espera constarem
94. no atestado de comparecimento. (Redação acrescida pela Lei Com-
Art. 96 As férias programadas somente poderão ser suspensas plementar nº 35/2020)
ou interrompidas por motivo de calamidade pública, comoção in-
terna, convocação para júri, serviço militar ou eleitoral, ou por ne-
cessidade do serviço declarada pela autoridade máxima do órgão
ou entidade.
Parágrafo único. O restante do período interrompido será goza-
do de uma vez, observado o disposto no art. 94.

22
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SUBSEÇÃO II § 2º O tempo de serviço não gozado através da licença prêmio
DA LICENÇA POR MOTIVO DE AFASTAMENTO não se reverte para fins de contagem de aposentadoria por tempo
DO CÔNJUGE OU COMPANHEIRO de serviço;
§ 3º O direito de requerer licença prêmio não prescreve nem
Art. 99 Poderá ser concedida licença ao servidor para acompa- está sujeito a caducidade;
nhar cônjuge ou companheiro que for deslocado para outro ponto § 4º O servidor que estiver em regime de acumulação, nas
do território nacional, ou para exercício de mandato eletivo dos Po- hipóteses previstas na Constituição, terá direito a licença prêmio
deres Executivos e Legislativo por período máximo de dois anos e correspondente a ambos os cargos, contando-se porém, separada-
sem remuneração. mente o tempo de serviço em relação a cada um deles;
§ 5º O gozo da licença prêmio ou especial ficará condiciona-
SUBSEÇÃO III do a conveniência do serviço, devendo, entretanto, ser concedida
DA LICENÇA PARA O SERVIÇO MILITAR em um período máximo de doze meses, a contar da aquisição do
direito;
Art. 100 Ao servidor convocado para o serviço militar obrigató-
§ 6º Na hipótese de desligamento definitivo, exceto nos casos
rio será concedida licença, na forma e condições previstas na legis-
previstos no art. 30, o servidor fará jus à conversão do período de
lação própria.
Parágrafo único. Concluído o serviço militar o servidor terá até licença prêmio em prestação pecuniária.
trinta dias sem remuneração para reassumir o exercício do cargo. § 7º Fica vedada a conversão de licenças prêmio em verbas
pecuniárias, devendo o Poder Executivo assegurar efetivo gozo en-
SUBSEÇÃO IV quanto o servidor ainda estiver na ativa. (Redação acrescida pela Lei
DA LICENÇA PARA CONCORRER A CARGO ELETIVO Complementar nº 35/2020)
§ 8º O poder executivo publicará até o dia 31 de janeiro de
Art. 101 O servidor terá direito a licença, sem remuneração, cada ano, a relação de servidores com licenças prêmio pendentes
durante o período em que mediar entre a sua escolha em conven- de gozo e até o dia 31 de março, o cronograma de concessão para
ção partidária, como candidato a cargo eletivo, e um dia antes do as referidas licenças. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº
registro da sua candidatura perante a Justiça Eleitoral. 35/2020)
§ 1º O servidor candidato a cargo eletivo na localidade onde Art. 107 Não se concederá licença prêmio a servidor que, no
desempenha as suas funções e que exerça cargo de direção, chefia, período aquisitivo:
assessoramento, arrecadação ou fiscalização, dele será afastado, I - sofrer penalidade disciplinar de suspensão;
seis meses antes do pleito. II - afastar-se do cargo em virtude de:
§ 2º A partir do registro da candidatura e até o décimo dia se- a) Licença por motivo de doença em pessoa da família;
guinte ao da eleição, o servidor fará jus à licença, assegurados os b) licença para tratar de interesse particular;
vencimentos do cargo efetivo, somente pelo período de três meses. c) condenação à pena privativa de liberdade, por sentença de-
Art. 102 O servidor quando no mandato de Prefeito, afastar-se- finitiva;
-á de seu cargo, por todo período do mandato, podendo optar pela d) afastamento para acompanhar o cônjuge ou companheiro.
remuneração do cargo efetivo. III - faltar injustificadamente ao serviço por mais de 05 (cinco)
Art. 103 O servidor investido no mandato de Vereador, haven- dias por ano ou 25 (vinte cinco) dias por quinquênio. (Redação dada
do compatibilidade de horários, perceberá as vantagens de seu pela Lei Complementar nº 35/2020)
cargo, emprego ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo
eletivo, e, não havendo compatibilidade, será aplicada a norma do SUBSEÇÃO VI
artigo anterior.
DA LICENÇA PARA CAPACITAÇÃO
Art. 104 Em qualquer caso que exija o afastamento para o exer-
cício de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para
Art. 108 Após cada três anos de efetivo exercício, o servidor
todos os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento;
Parágrafo único. O servidor, afastado nos termos deste artigo, poderá, no interesse da administração municipal e após parecer
só poderá reassumir o exercício do cargo após o término ou renún- positivo da Comissão Permanente de Avaliação, prevista no pará-
cia do mandato. grafo único do art. 29, afastar-se parcial ou totalmente do exercício
Art. 105 O servidor ocupante do cargo em comissão será exo- do cargo efetivo, com a respectiva remuneração, por período não
nerado do cargo, de ofício, com a posse no mandato eletivo. superior a doze meses, para participar de curso de capacitação pro-
Parágrafo único. Se o ocupante do cargo em comissão for tam- fissional, cujo conteúdo mantenha estrita relação com as atividades
bém titular de um cargo de provimento efetivo, ficará licenciado na por ele desempenhadas.
forma prevista nesta Seção. Parágrafo único. Durante o gozo do período de licença previs-
to no “caput” deste artigo é terminantemente vedado ao servidor
SUBSEÇÃO V manter vínculo a qualquer título, remunerado ou não, com entida-
DA LICENÇA PRÊMIO POR ASSIDUIDADE de diversa da administração municipal, sob pena de cassação da
licença e devolução integral e corrigida dos valores recebidos, sem
Art. 106. O servidor que ingressar nas carreiras de cargos de prejuízo das demais cominações legais.
provimento efetivo deste município até 01/06/2020 terá direito a
licença prêmio de 03 (três) meses em cada período de 05 (cinco) SUBSEÇÃO VII
anos de exercício efetivo e ininterrupto, sem prejuízo da remunera- DA LICENÇA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES
ção. (Redação dada pela Lei Complementar nº 35/2020)
§ 1º Para efeito de licença prêmio, considera-se o efetivo exer- Art. 109 A critério da administração, poderá ser concedida ao
cício o tempo de serviço prestado pelo servidor ocupante de cargo servidor estável licença para tratar de interesses particulares, sem
de provimento efetivo exclusivamente ao município de Amargosa remuneração pelo prazo de até dois anos consecutivos, não se com-
no cargo para o qual pleiteia a referida licença. (Redação dada pela putando o tempo de licença para nenhum efeito.
Lei Complementar nº 35/2020) § 1º Suprimido.

23
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 1º O servidor aguardará em exercício a concessão da licença. § 3º O segurado do Instituto Nacional do Seguro Social, em
§ 2º Não se concederá nova licença antes de decorridos dois gozo de auxílio - doença, concedido judicial ou administrativamen-
anos do término da anterior, seja qual for o período da concessão te, poderá ser convocado a qualquer momento para avaliação das
inicial. condições que ensejaram a concessão ou a manutenção.
§ 3º A licença prevista neste artigo não será concedida ao ser- § 4º O Município de Amargosa poderá, a requerimento do ser-
vidor nomeado, antes de completar três anos de exercício, nem ao vidor, efetuar o pagamento de até 30 (trinta) dias, nos seguintes
servidor que esteja respondendo a processo administrativo ou que termos, em virtude de atraso no deferimento do benefício de auxí-
esteja obrigado a devolução ou indenização aos cofres públicos, a lio doença pelo INSS:
qualquer título. II - o servidor deverá autorizar, no requerimento apresentado,
§ 4º O servidor em licença para tratamento de interesses parti- o desconto do valor correspondente ao recebido pelo Município as-
culares não poderá exercer atividade remunerada em outros órgãos sim que for deferido o pagamento do benefício pelo INSS;
ou entidades da administração do próprio Município, salvo a hipó- III - assim que for creditado o benefício, o servidor comunicará
tese de acumulação legal sob pena de cassação imediata da licença. ao departamento de pessoal para que realize o desconto;
§ 5º A licença poderá ser interrompida, a qualquer tempo, a pe- IV - a não comunicação pelo servidor e constatado o pagamen-
dido do servidor, ou pela Administração, nos casos de calamidade to do benefício, será instaurado processo administrativo disciplinar
pública, comoção interna ou surto epidêmico. para apuração do fato. (Redação dada pela Lei Complementar nº
§ 6º O período de gozo em licença para tratar de interesses par- 35/2020)
ticulares não servirá de base para computo do adicional por tempo Art. 113. Havendo necessidade de afastamento superior a
de serviço de que trata o artigo 75, I. (Redação acrescida pela Lei 15 (quinze) dias, o servidor deverá nos termos da Lei Federal nº
Complementar nº 35/2020) 8.213/91, art. 60, realizar perícia pelo INSS, a quem incumbirá a
obrigatoriedade de pagamento dos salários findo o prazo previsto
SUBSEÇÃO VIII no artigo 112 desta lei.
DA LICENÇA PARA O SERVIDOR ATLETA § 1º Durante os primeiros 15 (quinze) dias consecutivos ao do
PARTICIPAR DE COMPETIÇÃO OFICIAL afastamento da atividade por motivo de doença, incumbirá ao Mu-
nicípio pagar ao segurado empregado o seu salário integral.
Art. 110 Será concedida licença ao servido atleta selecionado § 2º Dispondo o Município de serviço médico, próprio ou em
para representar o Município, o Estado ao a Federação, durante o convênio, terá a seu cargo o exame médico e o abono das faltas
período de sua participação na competição oficial, sem prejuízo de correspondentes ao período referido no parágrafo anterior, deven-
sua remuneração. do encaminhar o segurado à perícia médica da Previdência Social
quando a incapacidade ultrapassar 15 (quinze) dias.
SUBSEÇÃO IX § 3º O servidor que não tiver o tempo de carência necessá-
DA LICENÇA PARA O DESEMPENHO DE MANDATO CLASSISTA rio para pleitear o auxílio doença, nos termos da Lei Federal nº
8.213/91, art. 25, após avaliação da perícia municipal, poderá per-
Art. 111 É assegurado ao servidor o direito à licença sem pre- ceber até 30 (trinta) dias de licença remunerada. (Redação dada
juízo da sua remuneração, se não houver pagamento pela entidade, pela Lei Complementar nº 35/2020)
para o desempenho de mandato de dirigente em confederação, fe- Art. 114 O servidor licenciado para tratamento de saúde não
deração, entidade fiscalizadora da profissão e associação de classe poderá dedicar-se a qualquer atividade remunerada, sob pena de
de âmbito nacional, estadual ou municipal. ter cassada a licença.
Parágrafo único. Será ainda liberado o dirigente sindical repre- Art. 115. Findo o prazo da licença doença, previsto no art. 112
sentante da categoria dos Servidores Públicos Municipais observa- desta lei, e permanecendo a impossibilidade laboral do servidor,
dos os seguintes limites: será este encaminhado ao INSS para perícia. (Redação dada pela Lei
I - para entidades com vinte a duzentos associados, dois servi- Complementar nº 35/2020)
dores; Art. 116 Considerado apto, em exame médico, o servidor reas-
II - para entidades com mais de duzentos, três servidores. sumirá o exercício, sob pena de se apurarem como faltas injustifica-
III - Suprimido. das os dias de ausência.
Parágrafo único. No curso da licença, o servidor poderá reque-
SUBSEÇÃO IX rer exame médico caso se julgue em condições de reassumir o exer-
DA LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE cício.
Art. 117 O atestado e o laudo da junta médica não se referirão
Art. 112. Será concedida ao servidor público municipal licença ao nome ou natureza da doença, salvo quando se tratar de lesões
para tratamento de saúde pelo prazo de até 15 (quinze) dias, a seu produzidas por acidente em serviço ou doença profissional.
pedido, com base em perícia médica, sem prejuízo da remuneração, Art. 118 O servidor que apresentar indícios de lesões orgânicas
que será paga pelo erário municipal. ou funcionais será submetido a inspeção médica.
§ 1º Sempre que necessário, a inspeção médica será realizada Subseção XI
na residência do servidor ou no estabelecimento hospitalar onde Da Licença à Gestante, à Adotante e da Licença-Paternidade
se encontrar internado, caso esteja ele impossibilitado de se apre- (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 22/2011 e Lei nº
sentar ao órgão de inspeção médica, desde que comprovada tal im- 336/2011)
possibilidade. Art. 118-A Será concedida licença à servidora gestante por 180
§ 2º Diante da impossibilidade de atendimento no órgão ou (cento e oitenta) dias consecutivos, sem prejuízo da remuneração.
entidade do local onde se encontra ou tenha exercício em caráter § 1º A licença poderá ter início no primeiro dia do nono mês de
permanente o servidor, e não se configurando as hipóteses previs- gestação, salvo antecipação por prescrição médica.
tas nos parágrafos do art. 203, será aceito atestado passado por § 2º No caso de nascimento prematuro, a licença terá início a
profissional médico da rede privada ou pública. partir do parto.

24
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
§ 3º No caso de natimorto, decorridos 30 (trinta) dias do even- § 4º A permuta visa o desenvolvimento institucional do muni-
to, a servidora será submetida a exame médico, e se julgada apta, cípio por meio da troca de experiências com outras Administrações,
reassumirá o exercício. exigindo sempre a disponibilização recíproca de servidor com idên-
§ 4º No caso de aborto atestado por médico oficial, a servido- tica carga horária e escolaridade, cabendo a cada instituição arcar
ra terá direito a 30 (trinta) dias de repouso remunerado. (Redação com a remuneração do servidor que ceder em permuta. (Redação
acrescida pela Lei Complementar nº 22/2011 e Lei nº 336/2011) acrescida pela Lei Complementar nº 35/2020)
Art. 118-B Pelo nascimento ou adoção de filhos, o servidor terá § 5º Ato do poder executivo disciplinará as hipóteses previs-
direito à licença - paternidade de 15 (quinze) dias consecutivos. tas neste artigo. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº
§ 1º Será concedida licença a servidor público municipal que 35/2020)
requeira o benefício da licença-paternidade, dentro do prazo de 5
(cinco) dias úteis, após o nascimento ou adoção de crianças ou ado- CAPÍTULO VI
lescente. (Redação dada pela Lei Complementar nº 35/2020) DAS CONCESSÕES
Art. 118-C Para amamentar o próprio filho, até a idade de seis
Art. 120 O servidor poderá ausentar-se do serviço sem qual-
meses, a servidora lactante terá direito, durante a jornada de tra-
quer prejuízo:
balho, a uma hora de descanso, que poderá ser parcelada em dois
I - por um dia, para apresentação obrigatória em órgão militar;
períodos de meia hora. (Redação acrescida pela Lei Complementar
II - por um dia, para doação de sangue, devidamente compro-
nº 22/2011 e Lei nº 336/2011)
vada;
Art. 118-D À servidora que adotar ou obtiver guarda judicial de III - por um dia, para se alistar como eleitor;
criança até 1 (um) ano de idade, serão concedidos 90 (noventa) dias IV - por oito dias consecutivos em razão de:
de licença remunerada. a) casamento,
§ 1º No caso de adoção ou guarda judicial de criança com mais b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais, madrasta ou
de 1 (um) ano de idade, e menos de 4 anos de idade o prazo de que padrasto, filhos, enteados menores sob guarda ou tutela e irmãos;
trata este artigo será de 30 (trinta) dias. V - por todo o período, em virtude de convocações oficiais;
§ 2º No caso de adoção ou guarda judicial de criança com mais VI - para prestar exame em processo seletivo para ingresso em
de 4 (quatro) anos de idade, o prazo de que trata este artigo será curso de graduação superior.
de 15 (quinze) dias Art. 121 Será concedido horário especial ao servidor estudante,
§ 3º Para os fins de concessão no disposto nos parágrafos an- quando comprovada incompatibilidade entre o horário escolar e o
teriores, considera-se criança a pessoa de até doze anos de idade da unidade administrativa, sem prejuízo do exercício do cargo.
incompletos, nos termos do Art. 2º da Lei nº 8069, de 13 de julho § 1º Ao servidor estudante que mudar da sede do Município,
de 1990. (Redação acrescida pela Lei Complementar nº 22/2011 e no interesse da administração é assegurada, na localidade da nova
Lei nº 336/2011) residência ou na mais próxima, matrícula em instituição de ensino
Art. 118-E A servidora em gozo de licença-maternidade, na congênere da rede municipal de ensino, em qualquer época, inde-
data de publicação desta Lei, terá o prazo de 30 (trinta) dias para re- pendentemente de vaga.
querer a prorrogação da licença, sendo-lhe concedida automatica- § 2º Para efeito do disposto neste artigo, será exigida a com-
mente os 60 (sessenta) dias conferidos nesta lei. (Redação acrescida pensação de horário no órgão ou entidade que tiver exercício, res-
pela Lei Complementar nº 22/2011 e Lei nº 336/2011) peitada a duração semanal do trabalho.
§ 3º Será concedido também horário especial ao servidor por-
CAPÍTULO V tador de deficiência, quando comprovada a necessidade por junta
DA CESSÃO médica oficial, independentemente de compensação de horário.
§ 4º As disposições do parágrafo anterior são extensivas ao
servidor que tenha cônjuge, filho ou dependente portador de ne-
Art. 119 O servidor poderá ser cedido para ter exercício em ou-
cessidades especiais, exigindo-se, porém, neste caso, compensação
tro órgão ou entidade dos Poderes da União, dos Estados ou do
de horário.
Distrito Federal e dos Municípios, nas seguintes hipóteses:
§ 5º O disposto no parágrafo 1º deste artigo estende-se ao
I - para exercício de cargo em comissão ou função de confiança;
cônjuge ou companheiro, aos filhos, ou enteados do servidor que
II - em casos previstos em leis específicas. vivam na sua companhia, bem como aos menores sob sua guarda,
III - Em caso de permuta; (Redação acrescida pela Lei Comple- com autorização judicial.
mentar nº 35/2020)
IV - Para atender obrigação municipal decorrente de convênio CAPÍTULO VII
municipal com outras instituições públicas. (Redação acrescida pela DO TEMPO DE SERVIÇO
Lei Complementar nº 35/2020)
§ 1º Na hipótese do inciso I, sendo a cessão para os órgãos Art. 122 É contado para todos os efeitos o tempo de serviço
ou entidades dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios, o público prestado à administração direta, do município, inclusive às
ônus da remuneração será do órgão ou entidade cessionária, man- Forças Armadas, desde que remunerado.
tido o ônus para o cedente nos demais casos. Art. 123 A apuração do tempo de serviço será feita em dias,
§ 2º Na hipótese de o servidor cedido à empresa ou socieda- que serão convertidos em anos, considerado o ano como de trezen-
de de economia mista, nos termos das respectivas normas, optar tos e sessenta e cinco dias.
pela remuneração do cargo efetivo, a entidade cessionária efetua- Art. 124 Além das ausências ao serviço previstas no art. 120,
rá o reembolso das despesas realizadas pelo órgão ou entidade de são considerados como de efetivo exercício os afastamentos em
origem. virtude de:
§ 3º A cessão far-se-á mediante tramitação de processo admi- I - férias;
nistrativo e publicação de Portaria própria com registro no dossiê II - exercício de cargo em comissão ou equivalente, em órgão
de lotação do servidor. (Redação dada pela Lei Complementar nº ou entidade dos Poderes da União, dos Estados, Municípios e Dis-
35/2020) trito Federal;

25
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
III - exercício de cargo ou função de governo ou da administra- Parágrafo único. O requerimento e o pedido de reconsideração
ção, em qualquer parte do território nacional, por nomeação do de que tratam os artigos anteriores deverão ser despachados no
Presidente da República; prazo de cinco dias e decididos dentro de trinta dias.
IV - participação em programa de treinamento regularmente Art. 129 Caberá recurso:
instituído, conforme dispuser o regulamento; I - do indeferimento do pedido de reconsideração;
V - desempenho de mandato eletivo federal, estadual, muni- II - das decisões sobre os recursos sucessivamente interpostos.
cipal; § 1º O recurso será dirigido à autoridade imediatamente su-
VI - júri e outros serviços obrigatórios por lei; perior à que tiver expedido o ato ou proferido a decisão sucessiva-
VII - missão ou estudo no exterior, quando autorizado o afasta- mente, em escala ascendente, às demais autoridades.
mento, conforme dispuser o regulamento. § 2º O recurso será encaminhado por intermédio da autoridade
VIII - licença; a que estiver subordinado o requerente.
a) à gestante, à adotante e à paternidade; Art. 130 O prazo para interposição de pedido de reconsidera-
b) para tratamento da própria saúde, até o limite de vinte e ção ou de recurso é de trinta dias, a contar da publicação ou da
quatro meses, cumulativo ao longo do tempo de serviço público ciência, pelo interessado, da decisão recorrida.
prestado aos Estados, Municípios e Distrito Federal, em cargo de Art. 131 O recurso poderá ser recebido com efeito suspensivo,
provimento efetivo. a juízo da autoridade competente.
c) para o desempenho de mandato classista, exceto para efeito Parágrafo único. Em caso de provimento do pedido de reconsi-
de promoção por merecimento; deração ou do recurso, os efeitos da decisão retroagirão à data do
d) por motivo de acidente em serviço ou doença profissional; ato impugnado.
e) para capacitação, conforme dispuser o regulamento; Art. 132 O direito de requerer prescreve:
f) por convocação para o serviço militar ou tempo relativo a I - em cinco anos, quanto aos atos de demissão e de cassação
tiro de guerra. de disponibilidade, ou que afetam interesse patrimonial e créditos
IX - participação em competição desportiva nacional ou convo- resultantes das relações de trabalho;
cação para integrar representação desportiva nacional no País ou II - em cento e vinte dias, nos demais casos, salvo quando outro
no exterior, conforme disposto em lei específica. prazo for fixado em lei.
X - abono de falta, a critério do chefe imediato do servidor, no Parágrafo único. O prazo de prescrição será contado da data da
máximo de 03 (três) dias por mês, desde que não seja ultrapassado publicação do ato impugnado ou da data da ciência pelo interessa-
o limite de 12 (doze) por ano; do, quando for fixado em lei.
Art. 125 Contar-se-á apenas para efeito de aposentadoria e dis- Art. 133 O pedido de reconsideração e o recurso, quando cabí-
ponibilidade: veis, interrompem a prescrição.
I - o tempo de serviço público prestado aos Estados, Municípios Art. 134 A prescrição é de ordem pública, não podendo ser re-
e Distrito Federal; levada pela administração.
II - a licença para tratamento de saúde de pessoa da família do Art. 135 Para o exercício do direito de petição é assegurada vis-
servidor, com remuneração; ta do processo ou documento, na unidade administrativa, ao servi-
III - a licença para atividade política, no caso do art. 101; dor ou a procurador por ele constituído.
IV - o tempo correspondido ao desempenho de mandato eleti- Art. 136 A administração deverá rever seus atos, a qualquer
vo federal, estadual, municipal ou distrital anterior ao ingresso no tempo, quando eivados de ilegalidade.
serviço público municipal; Art. 137 São fatais e improrrogáveis os prazos estabelecidos
V - o tempo de licença para tratamento da própria saúde que neste Capítulo.
exceder o prazo de vinte e quatro meses.
§ 1º Será contado em dobro o tempo de serviço prestado às TÍTULO IV
Forças Armadas em operações de guerra. DO REGIME DISCIPLINAR
§ 2º Para os efeitos desta lei, é vedada a contagem cumulativa CAPÍTULO I
de tempo de serviço prestado concomitantemente em mais de um DOS DEVERES
cargo ou função de órgão ou entidades dos Poderes da União, Es-
tado, Distrito Federal e Município, autarquia, fundação e empresa Art. 138 São deveres do servidor:
pública e sociedade de economia mista. I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo;
II - ser leal as instituições a que servir;
CAPÍTULO VIII III - observar as normas legais e regulamentares;
DO DIREITO DE PETIÇÃO IV - cumprir ordens superiores, exceto quando manifestamente
ilegais;
Art. 126 É assegurado ao servidor o direito de peticionar para: V - atender com presteza:
I - requerer defesa de direito ou de interesse legítimo; a) ao público em geral, prestando as informações requeridas,
II - representar contra abuso ou desvio de poder e para preser- ressalvadas as protegidas por sigilo;
var o princípio da legalidade, moralidade, publicidade e impessoali- b) à expedição de certidões requeridas para defesa de direito
dade dos atos administrativos; ou esclarecimento de situações de interesse pessoal;
III - pedir reconsideração de ato ou decisão; c) às requisições para defesa da Fazenda Pública;
IV - recorrer a instância superior contra decisões de sua chefia. VI - levar ao conhecimento da autoridade superior as irregula-
Art. 127 O requerimento será dirigido a autoridade competen- ridades de que tiver ciência em razão do cargo;
te para decidir, em razão da matéria, e por intermédio daquela a VII - zelar pela economia do material e a conservação do patri-
que o servidor estiver imediatamente subordinado. mônio público;
Art. 128 O pedido de reconsideração será dirigido a autoridade VIII - guardar sigilo sobre assunto da unidade administrativa;
que houver expedido o ato ou proferido a primeira decisão, não IX - manter conduta compatível com a moralidade administra-
podendo ser renovado. tiva;

26
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
X - tratar com civilidade as pessoas; § 3º Considera-se acumulação proibida a percepção de venci-
XI - representar contra ilegalidade, omissão ou abuso de poder. mento de cargo ou emprego público efetivo com provento da inati-
Parágrafo único. A representação de que trata o inciso XI será vidade suportado por regime próprio de Previdência Social público,
encaminhada pela via hierárquica e apreciada pela autoridade su- salvo quando os cargos de que decorram essas remunerações fo-
perior àquela contra a qual é formulada, assegurando-se ao repre- rem acumuláveis na atividade.
sentando ampla defesa. Art. 141 O servidor não poderá exercer mais de um cargo em
comissão exceto no caso previsto no parágrafo segundo do art. 13,
CAPÍTULO II nem ser remunerado pela participação em órgão de deliberação
DAS PROIBIÇÕES coletiva.
Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica à remu-
Art. 139 Ao servidor é proibido: neração devida pela participação em conselhos de administração e
I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia au- fiscal das empresas públicas e sociedades de economia mista, suas
torização do chefe imediato; subsidiárias e controladas, bem como quaisquer entidades sob con-
II - retirar, sem prévia anuência da autoridade competente, trole direto ou indireto da União, Estados, Distrito Federal e Muni-
qualquer documento ou objeto da unidade administrativa; cípios, observado o que, a respeito, dispuser legislação específica.
III - recusar a fé a documentos públicos; Art. 142 O servidor vinculado ao regime desta Lei, que acumu-
IV - opor resistência injustificada ao andamento de documento lar licitamente dois cargos efetivos, quando investido em cargo de
e processo ou execução de serviço; provimento em comissão, ficará afastado de ambos os cargos efe-
V - promover manifestação de desapreço no recinto da unidade tivos salvo na hipótese em que houver compatibilidade de horário
administrativa; e local com o exercício de um deles, declarada pelas autoridades
VI - atribuir a pessoa estranha à unidade administrativa, fora máximas dos órgãos ou entidades envolvidos.
dos casos previstos em lei, o desempenho de atribuição que seja de
sua responsabilidade ou de seu subordinado; CAPÍTULO IV
VII - coagir ou aliciar subordinados no sentido de filiarem-se a DAS RESPONSABILIDADES
associação profissional ou sindical, ou a partido político;
VIII - manter sob sua chefia imediata, em cargo ou função de Art. 143 O servidor responde civil, penal e administrativamente
confiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau pelo exercício irregular de suas atribuições.
civil; Art. 144 A responsabilidade civil decorre de ato omissivo ou
IX - valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de ou- comissivo, doloso ou culposo, que resulte em prejuízo ao erário ou
trem, em detrimento da dignidade da função pública; a terceiros.
X - participar de gerência ou administração de empresa priva- § 1º A indenização de prejuízo dolosamente causado ao erário
da, de sociedade civil, ou exercer o comércio, exceto na qualidade somente será liquidada na forma prevista no parágrafo único do art.
de acionista, cotista ou comandatário; 54, na falta de outros bens que assegurem a execução do débito
XI - atuar como procurador ou intermediário, junto a institui- pela via judicial.
ções públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciários § 2º Tratando-se de dano causado a terceiros, responderá o
ou assistenciais de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou servidor perante a Fazenda Pública, em ação regressiva.
companheiro; § 3º A obrigação de reparar o dano estende-se aos sucessores
XII - receber comissão, presente ou vantagem de qualquer es- e contra eles será executada, até o limite do valor da herança rece-
pécie, em razão de suas atribuições; bida.
XIII - aceitar comissão, emprego ou pensão de estado estran- Art. 145 A responsabilidade penal abrange os crimes e contra-
geiro; venções imputadas ao servidor, nessa qualidade.
XIV - praticar usura sob qualquer de suas formas; Art. 146 A responsabilidade civil-administrativa resulta de ato
XV - proceder de forma desidiosa; omissivo ou comissivo praticado no desempenho do cargo ou fun-
XVI - utilizar pessoal ou recursos materiais da unidade adminis- ção.
trativa em serviços ou atividades particulares; Art. 147 As sanções civis, penais e administrativas poderão
XVII - cometer a outro servidor atribuições estranhas ao cargo cumular-se, sendo independentes entre si.
que ocupa, exceto em situações de emergência e transitórias; Art. 148 A responsabilidade administrativa do servidor será
XVIII - exercer qualquer atividades que sejam incompatíveis afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do
com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho; fato ou sua autoria.
XIX - recusar-se a atualizar seus dados cadastrais quando soli-
citado. CAPÍTULO V
DAS PENALIDADES
CAPÍTULO III
DA ACUMULAÇÃO Art. 149 São penalidades disciplinares:
I - advertência;
Art. 140 Ressalvadas os casos previstos na Constituição Fede- II - suspensão;
ral, é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. III - demissão;
§ 1º A proibição de acumular estende-se a cargos, empregos e IV - cassação de disponibilidade;
funções em autarquias, fundações públicas, sociedades de econo- V - destituição de cargo em comissão ou função de confiança.
mia mista da União, do Distrito Federal, dos Estados, dos Territórios Art. 150 Na aplicação das penalidades serão consideradas a
e dos Municípios. natureza e a gravidade da infração cometida, os danos que dela
§ 2º A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica condicionada provierem para o serviço público, as circunstâncias agravantes ou
à comprovação da compatibilidade de horários. atenuantes e os antecedentes funcionais do servidor.

27
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Parágrafo único. O ato de imposição da penalidade mencionará sua chefia imediata, para, no prazo de cinco dias, apresentar defesa
sempre o fundamento legal e a causa da sanção disciplinar. escrita, assegurando-lhe vista do processo na unidade administrati-
Art. 151 A advertência será aplicada por escrito, nos casos de va, observado o disposto nos arts. 173 e 174.
violação de proibição constante do art. 139, incisos I a VIII e XIX, e § 3º Apresentada a defesa, a comissão elaborará relatório con-
de inobservância de dever funcional previsto em lei, regulamenta- clusivo quanto à inocência ou à responsabilidade do servidor, em
ção ou norma interna, que não justifique imposição de penalidade que resumirá as peças principais dos autos, opinará sobre a licitude
mais grave. da acumulação em exame, indicará o respectivo dispositivo legal e
Art. 152 A suspensão será aplicada em caso de reincidência das remeterá o processo à autoridade instauradora, para julgamento.
faltas punidas com advertência e de violação das demais proibições § 4º No prazo de cinco dias, contados do recebimento do pro-
que não tipifiquem infração sujeita à penalidade de demissão, não cesso, a autoridade julgadora proferirá a sua decisão.
podendo exceder de trinta dias. § 5º A opção pelo servidor até o último dia de prazo para defesa
Parágrafo único. Será punido com suspensão de até quinze dias configurará sua boa-fé, hipótese em que se converterá automatica-
o servidor que, injustificadamente, recusar-se a ser submetido a mente em pedido de exoneração do outro cargo.
inspeção médica determinada pela autoridade competente, ces- § 6º Caracterizada a acumulação ilegal e provada a má-fé, apli-
sando os efeitos da penalidade uma vez cumprida a determinação. car-se-á a pena de demissão, destituição ou cassação de disponibi-
Art. 153 As penalidades de advertência e de suspensão terão lidade em relação aos cargos, empregos ou funções públicas