Você está na página 1de 28

ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Unidade II
5 A INFLUÊNCIA DA ECONOMIA ÀS ORGANIZAÇÕES

A economia é o estudo de como as pessoas ganham a vida, adquirem alimentos, casa, roupa e
outros bens, sejam eles necessários ou de luxo (WONNACOTT; WONNACOTT, 1994). Para atender essas
necessidades, as empresas produzem bens e prestam serviços para que sejam comprados e consumidos
pelas pessoas de uma sociedade, que, neste ponto do ciclo econômico, são chamadas de consumidoras.

A capacidade de produção de bens e prestação de serviços das empresas é limitada, ou seja, os recursos
econômicos, que também são chamados de fatores de produção, como matérias-primas, mão de obra,
capital, máquinas e equipamentos, dentre outros, são escassos. Por outro lado, os desejos materiais
ou as necessidades dos consumidores são insaciáveis e ilimitados. Consequentemente, conclui-se
que quanto mais escasso for um recurso, maior será o seu valor e maior será o preço do bem ou do
serviço produzido a partir desse recurso (Lei da Escassez) (SILVA; LUIZ, 2018).

Uma empresa precisa estar atenta às alterações da economia para ser competitiva e ter sucesso no
mercado. Cabe ao administrador organizar a produção, reunindo os fatores de produção de forma a
produzir bens e serviços; tomar decisões de negócio, estabelecendo quais bens produzir, como e para
quem produzi-los; assumir riscos, pois não há garantia de que suas decisões sejam as melhores; e inovar,
introduzindo novos produtos, tecnologias e formas de organização. Portanto, as empresas desempenham
um papel estratégico na determinação do dinamismo e do crescimento da economia, uma vez que são
elas que desempenham a tarefa de produzir novos bens e serviços (WONNACOTT; WONNACOTT, 1994).

5.1 Teorias econômicas: a macroeconomia e a microeconomia

Para que possamos entender a economia e seus impactos, é importante abordar suas grandes teorias
econômicas: a macroeconomia e a microeconomia (SILVA; LUIZ, 2018).

A macroeconomia tem como objetivo enfatizar as grandes magnitudes em economia, como


a produção, o consumo/despesa e a renda da população como um todo (agregados econômicos). A
produção é a somatória de todos os bens produzidos por uma sociedade em um determinado período de
tempo. O consumo é a somatória de gastos efetuados por indivíduos e empresas para comprar produtos
ou serviços em geral. A renda é a somatória da remuneração dos indivíduos de uma sociedade em um
determinado período.

Os problemas macroeconômicos estão concentrados em estudos que têm relação com o planejamento
governamental, como, por exemplo: o que determina os níveis de preços e suas possíveis consequências
(inflação e deflação); o que determina a taxa de emprego; como a taxa de juros é determinada; ou,

67
Unidade II

ainda, o que determina o nível de produto agregado total da economia e a respectiva renda agregada
total da economia.

A microeconomia refere-se ao estudo do comportamento de consumo de pessoas, famílias


e empresas, da produção de bens e prestação de serviços, da formação dos preços e dos fatores de
produção relacionados a essas pessoas, famílias e empresas.

A microeconomia está, portanto, concentrada em estudar os agentes econômicos consumidores


e produtores isoladamente. Dessa maneira, os princípios da microeconomia estão ligados aos
comportamentos de comprar e vender bens ou serviços, trabalhar em empresas ou ser empreendedor,
gerando, assim, bens e serviços que serão adquiridos por outras pessoas. Enfatizamos aqui os impactos
da economia nas empresas, portanto, daremos enfoque à microeconomia neste livro-texto.

Saiba mais

SILVA, C. R. L.; LUIZ, S. Economia e mercados: introdução à economia.


20. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

VERAS, M. Gestão da tecnologia da informação: sustentação e inovação


para a transformação digital. Rio de Janeiro: Brasport, 2019.

5.2 A importância da microeconomia à gestão de empresas

A microeconomia pode ser uma ferramenta útil no sentido de estabelecer políticas e estratégias
para as empresas em geral. Por meio de uma análise microeconômica, as empresas podem fornecer
subsídios às seguintes decisões em relação ao seu planejamento (SILVA; LUIZ, 2018):

• Política de preços.

• Previsões de custos de produção.

• Previsões de demanda e faturamento.

• Decisões ótimas de produção (escolha da melhor alternativa para produção ou da melhor


combinação dos fatores de produção).

• Avaliação e elaboração de projetos de investimentos (análise de custo-benefício da compra de


equipamentos, ampliação da empresa, aquisição de outras empresas).

• Localização geográfica da empresa (escolha da melhor alternativa para o estabelecimento da


empresa: se próxima aos centros consumidores ou aos centros fornecedores de insumos).

68
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

• Segmentação de mercados (possibilidade de praticar preços diferenciados em diferentes mercados


consumidores em relação ao mesmo produto).

• Políticas de marketing (como as preferências dos consumidores podem influenciar na procura


do produto).

Além disso, a teoria microeconômica pode auxiliar na análise de tomada de decisões das empresas
com base na política econômica quando considera os seguintes elementos (SILVA; LUIZ, 2018):

• Impactos dos impostos sobre mercados específicos.

• Política de subsídios nos preços de determinados produtos ou na compra de insumos para


a produção.

• Fixação de preços mínimos em determinados setores de produção, o que pode levar ao controle
de preços.

• Política de tarifas públicas (água, luz, gás).

• Política de preços públicos (petróleo, aço).

• Leis antitrustes (controle de lucros de monopólios e oligopólios).

• Avaliação de projetos de investimentos públicos.

• Política salarial.

Assim, a teoria microeconômica abrange a análise da demanda ou procura por bens ou serviços,
assim como a análise da sua oferta. A microeconomia também analisa as estruturas de mercado, que
determinam o preço e a quantidade de equilíbrio de um determinado bem ou serviço a partir de sua
demanda e oferta, considerando a competitividade de mercado e os efeitos da oferta e da demanda no
mercado de bens e serviços e no de fatores de produção.

Lembrete

As ciências econômicas são apoiadas em diversas teorias, linhas de


pensamento de economistas, sociólogos, filósofos e outros estudiosos,
além de fatores históricos e culturais, com o propósito de buscar respostas
para os diversos problemas existentes na sociedade.

69
Unidade II

Observação

A economia brasileira é fundamentada no setor agrícola. O país é um


grande exportador de soja, carne de frango e suco de laranja, além de ser
líder no ranking mundial de cultivo de cana-de-açúcar. O Brasil também
tem papel de destaque na indústria, especialmente na fabricação de
peças automotivas e no setor aeronáutico. Além disso, nosso país assume
relevância na produção de petróleo, figurando entre os maiores produtores
do mundo e liderando a exploração mundial em águas profundas.

6 O ESTUDO DO DIREITO NA GESTÃO DE EMPRESAS

Dentre tantas definições possíveis a partir de diversas escolas jurídicas, podemos destacar que “o
direito é a ordenação bilateral atributiva das relações sociais, na medida do bem comum” (REALE, 2013,
p. 59). Em Lições preliminares de direito (2013, p. 1), Miguel Reale afirma que “aos olhos do homem
comum, o direito é a lei e a ordem, isto é, um conjunto de regras obrigatórias que garante a convivência
social graças ao estabelecimento de limites à ação de cada um de seus membros”.

O direito é, portanto, fundamental para o regramento social, pois oferece a garantia das condutas
sociais dos indivíduos, estabelecendo os direitos e deveres de cada cidadão e das organizações
em geral. De outra forma, a convivência social seria impraticável, sem respeito às leis, normas e
regras que permitem o respeito ao direito do indivíduo e das organizações. Agora daremos ênfase à
importância do direito nas organizações e, de maneira sucinta, veremos as implicações dos diversos
ramos do direito nas empresas.

6.1 Os ramos do direito e suas implicações às empresas

Na área jurídica, há dois grandes grupos de análise: o de direito público e o de direito privado.
O direito público é formado por normas que possuem um foco social e organizacional. Isso quer
dizer que o Estado representa os interesses da coletividade em detrimento dos interesses individuais.
O direito público é aplicado por meio de ramos específicos: direito constitucional, direito administrativo,
direito tributário, direito financeiro e direito penal. Já o direito privado organiza as relações e interesses
entre partes em suas vidas privadas, ou seja, no direito privado, as normas existem como mecanismos
para fomentar a igualdade entre partes na esfera privada. Os ramos principais do direito privado são:
direito civil, direito empresarial, direito do trabalho e direito do consumidor.

Neste livro-texto, como o objeto principal de análise são as empresas, a ênfase recai no ramo do
direito empresarial (também chamado de direito comercial), que é aquele que examina as questões
pertinentes às atividades empresariais.

70
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Segundo Mamede (2020, p. 20),

Direito empresarial é um ramo do direito privado que disciplina as


atividades das empresas e dos empresários comerciais, considerando
estes últimos como sendo a atividade econômica daqueles que atuam na
circulação ou produção de bens ou prestação de serviços, assim como os
atos considerados comerciais, ainda que não diretamente relacionados às
atividades das empresas.

O direito empresarial aborda temas relacionados à natureza jurídica das empresas, tanto sob a forma
de Sociedades Anônimas quanto sob a forma de Sociedades Limitadas. O processo de recuperação de
uma empresa por meio de pedido de concordata ou de extinção por meio de pedido de falência também
são analisados pelo direito empresarial. Além disso, este ramo do direito regulamenta, entre outros temas,
a emissão de títulos, os direitos autorais ou a propriedade industrial e o registro de patentes e de marcas.

Outros ramos do direito e suas implicações às empresas que merecem destaque são:

• Direito trabalhista: aborda questões relacionadas à negociação de acordos trabalhistas com


sindicatos e trabalhadores. Conhecer este ramo do direito evita o crescimento de passivos
trabalhistas, o que pode causar prejuízos financeiros às empresas.

• Direito tributário: trata do estabelecimento de um conjunto sistematizado de normas para


controlar a ação do Estado sobre as riquezas individuais, a título de tributação. Conhecer a
legislação tributária propicia às empresas fazer um planejamento tributário adequado, evitando
perdas financeiras que podem prejudicar o crescimento sustentável do negócio.

• Direito administrativo: trata de princípios e regras que disciplinam a função administrativa e


que abrange a administração pública na consecução do interesse público. Conhecer o direito
administrativo facilita o entendimento dos processos de licitação e de contratos com os entes
públicos, tornando o Estado um parceiro comercial.

• Direito econômico: refere-se à regulação jurídica com função econômica, ou seja, o exercício
deste ramo do Direito abrange a regulação da economia ou o funcionamento dos mercados por
meio de dispositivos jurídicos de controle. Conhecer o direito econômico pode ser importante
para empresas em processos de reestruturação, fusão ou aquisição de empresas.

• Direito ambiental: regulamenta as atividades humanas que podem causar impacto sobre o
meio ambiente com o objetivo principal de preservá-lo. Conhecer este ramo do direito permite
a continuidade da atividade empresarial sem as sanções quanto ao descumprimento da
legislação ambiental.

71
Unidade II

Saiba mais

Alguns livros que podem propiciar uma inter-relação com os


conteúdos tratados:

BERNARDES, C.; MARCONDES, R. C. Sociologia aplicada à administração.


7. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

MAMEDE, G. Direito empresarial brasileiro: empresa e atuação


empresarial. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2020.

6.2 A importância do direito à administração

Para o administrador, o direito é uma ferramenta vital para as organizações, pois por meio dele
é possível formar a base das normas e regras que norteiam a administração das empresas públicas e
privadas em geral.

O administrador baseia-se nas leis, por exemplo, para identificar a natureza jurídica de sua
empresa, o que pode acarretar impactos nas áreas contábil, fiscal e tributária; para a contratação de
um empregado ou de um fornecedor, o que causa desdobramentos nas áreas trabalhista, tributária e
previdenciária; ou até mesmo quando decide encerrar as atividades de seu negócio, uma vez que esta
decisão pode comprometer o patrimônio constituído da empresa. Portanto, a contribuição do direito
é uma das mais relevantes para a vida profissional do administrador.

Observação

O ordenamento jurídico brasileiro tem como modelo o civil law e teve


muita influência dos sistemas de leis alemão e romano. Diferentemente
do que acontece no sistema do common law, que tem suas principais
manifestações no direito norte-americano e no direito inglês, e cuja fonte
de direito primordial está fundada no sistema de precedentes e no uso de
costumes, o civil law tem como principal característica a utilização pelo
ordenamento jurídico de normas escritas, publicadas e documentadas em
códigos próprios.

7 A SOCIOLOGIA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO

A sociologia é considerada uma ciência, pois procura explicar fenômenos de forma sistemática,
tendo como objeto de estudo o entendimento da vida social humana (BERNARDES; MARCONDES, 2012).
É possível afirmar que uma sociedade é formada por um conjunto variado de relações sociais, que se

72
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

mostram complexas para suprir as necessidades das pessoas. Os modelos de relação social consolidam-se
como definitivos ao longo do tempo quando produzem os resultados esperados, e são evitados quando
não satisfazem as necessidades humanas. O conjunto de situações referentes a um mesmo aspecto da
convivência é chamado pela sociologia de instituição. As instituições sociais mais comuns são: família,
educação, economia, política, religião e lazer (SILVA, 2014).

Cada instituição social influencia as demais em diversos níveis de frequência e intensidade, e é


também influenciada pelas outras, suscitando o grande desafio social da atualidade, que é como
trabalhar de maneira conjunta os diversos problemas sociais existentes (SILVA, 2014). Assim, os
cientistas sociais têm grande interesse em pesquisar as organizações para buscar explicações dos fatos
sociais observados, recorrendo à chamada sociologia aplicada à administração, cujas bases são as
teorizações de pesquisas aplicadas em organizações formais, como empresas, hospitais, instituições de
ensino, igrejas e órgãos governamentais. a sociologia aplicada à administração também está intimamente
relacionada à psicologia, que enfatiza os aspectos psicológicos individuais a fim de melhor conhecer o
comportamento humano (BERNARDES; MARCONDES, 2012).

7.1 As implicações da sociologia à gestão de empresas

As técnicas administrativas mudam de acordo com as alterações culturais da sociedade. Assim,


princípios usados para gerenciar pessoas, aceitos em tempos passados, não podem mais ser validados
nos dias de hoje, uma vez que crenças, normas e valores dos indivíduos se transformam ao longo do
tempo (BERNARDES; MARCONDES, 2012), ou seja, a administração é influenciada pela cultura presente
nas organizações.

A cultura indica o conjunto de comportamentos, crenças e valores partilhados pelos membros de


uma sociedade. Como as sociedades não são homogêneas, em função das diferenças de posição social,
ocupação, renda e localidade, grupos sociais com peculiaridades próprias vão emergir, caracterizando
a existência de subculturas. A subcultura é, portanto, uma ramificação da cultura mais ampla de uma
sociedade (BERNARDES; MARCONDES, 2012).

A cultura da sociedade influencia a cultura das organizações. Para Schein (1990), a cultura
organizacional é definida como o conjunto de pressupostos básicos que um dado grupo inventou,
descobriu ou desenvolveu ao aprender a lidar com problemas de adaptação externa e integração interna
e que funcionou bem o suficiente para ser considerado válido, e que, portanto, pode ser levado a novos
membros como forma correta de perceber, pensar e sentir em relação a esses problemas.

Cada organização tem a sua cultura, que forma o significado das coisas, que orienta e mobiliza, e
é a energia social que move a empresa para o sucesso ou até para a sua destruição. Segundo Schein
(1990), não é possível entender, administrar ou melhorar uma organização sem uma compreensão de
sua essência cultural. A cultura organizacional tem fortes influências no conjunto de respostas que a
organização oferece aos ambientes externo e interno, afetando sua estratégia, sua definição estrutural,
seus processos e sistemas, assim como sua produtividade e seu desenvolvimento tecnológico. Dessa
forma, a cultura ajuda e orienta os membros a se adequarem internamente para melhor lidar com as
questões externas.
73
Unidade II

Os elementos da cultura organizacional mais importantes, de acordo com Schein (1990), são:

• Valores compartilhados: são as noções compartilhadas que as pessoas têm do que é importante e
acessível para o grupo a que pertencem. Em outras palavras, os valores compartilhados explicitam
para a organização o que é considerado importante ou irrelevante, prioritário ou desprezível.

• Pressuposições básicas: correspondem a uma solução pronta, disponível e, até certo ponto,
inquestionável pelo grupo, ou seja, são conjecturas antecipadas ou respostas prévias sobre o que
é, o que se faz e o que acontece em termos de comportamento na organização.

• Artefatos: comportamentos públicos e outras manifestações físicas, compostos por regras


pessoais, ritos, cerimônias e criações – histórias, rituais e símbolos.

A cultura desempenha várias funções na organização, dentre elas:

• Papel de definição de fronteiras, o que permite a distinção de uma e outra organização.

• Sentido de identidade para os membros da organização.

• Facilita o comprometimento com algo maior que os interesses individuais.

• Intensifica a estabilidade do sistema social, fornecendo padrões apropriados de comportamento


aos empregados da organização.

A cultura organizacional pode causar um impacto na eficácia da organização. As principais


implicações da cultura organizacional são:

• Vantagem competitiva e sucesso financeiro: pesquisas apontam que as empresas nas quais os
empregados percebiam a existência de uma ligação entre os esforços individuais e as metas da
organização demonstraram maior retorno de investimentos.

• Produtividade, qualidade e moral: uma cultura que enfatiza a produtividade e a qualidade


encoraja os trabalhadores a serem produtivos.

• Inovação: da mesma forma, uma organização que encoraja a criatividade e a tomada de decisão
contribuirá para a inovação.

• Compatibilidade de fusões e aquisições: um indicador de sucesso em fusões e aquisições é


a compatibilidade de suas respectivas culturas.

• Ajuste pessoa/organização: um ponto fundamental para o sucesso tanto do indivíduo quanto


da organização é o ajuste dos valores individuais e organização.

• Direção da atividade de liderança: a cultura organizacional diz o modo como liderar.


74
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

A sociologia procura explicar como a cultura é interiorizada pela socialização. Os processos sociais
são comportamentos coletivos aprendidos desde a infância em seu ambiente cultural. Portanto, a
socialização é o processo pelo qual um indivíduo aprende e interioriza os elementos socioculturais de
seu meio ao longo da vida, incorporando-os na estrutura de sua personalidade e adaptando-se, assim,
ao ambiente social em que vive (BERNARDES; MARCONDES, 2012).

Bernardes e Marcondes (2012) citam Max Weber, um dos principais teóricos da sociologia, para
ilustrar as diferenças que o tipo de socialização imprime a católicos e protestantes, por exemplo.
Para Weber, o progresso econômico dos países protestantes da Europa e América do Norte tem ligação
com sua religião, que valoriza e incentiva o individualismo, o trabalho árduo, o êxito pessoal e a
acumulação de riquezas, opondo-se ao catolicismo, que prega a renúncia de bens materiais, o amor
fraterno e reprova a usura (BERNARDES; MARCONDES, 2012).

Portanto, é possível afirmar que, em função das diferenças culturais, a socialização determina tipos
diferentes de indivíduos. Isso quer dizer que culturas diversas possuem comportamentos próprios e têm
objetivos específicos para satisfazer no trabalho. Além disso, como vimos anteriormente, a cultura está
ramificada em subculturas, sugerindo diferenças na socialização das várias classes sociais e profissionais
existentes em uma sociedade (BERNARDES; MARCONDES, 2012).

O conflito nas organizações também é abordado pela sociologia por considerá-lo externo e
decorrente das interações de pessoas e de grupos na forma de comportamentos. Na visão de relações
humanas, o conflito é uma ocorrência natural nos grupos e nas organizações e, portanto, inevitável.
A visão interacionista encoraja as organizações a manter um nível mínimo e constante de conflito,
suficiente para manter o grupo viável, autocrítico e criativo.

Para Robbins e Judge (2019), o conflito pode ser encarado como funcional ou positivo: se utilizado
para enriquecimento pessoal ou como algo construtivo; e disfuncional ou negativo: se percebido como
algo destrutivo. Em relação ao conflito funcional ou positivo, pode-se afirmar que ele:

• Ajusta o relacionamento interpessoal, amenizando tensões ao promover a sua liberação.

• Provoca o diálogo, forçando a expressão de ideias e reivindicações, favorecendo o feedback.

• Ativa o espírito criativo e inovador na busca das soluções.

• Contribui para um aprimoramento no senso de propósito e direção, expondo as adversidades e


posições contrárias.

Quanto ao conflito disfuncional ou negativo, seus efeitos podem causar, dentre outros
desdobramentos: aumento do ressentimento pessoal e entre grupos; enfraquecimento dos meios de
cooperação grupal; prevalecimento de objetivos de retaliação sobre objetivos de produção; e prejuízos
diversos para a organização como um todo.

75
Unidade II

De acordo com Robbins e Judge (2019), existem alguns comportamentos possíveis para administrar
o conflito nas organizações:

• Competição: quando a pessoa busca a satisfação de seus próprios interesses, independentemente


do impacto que isso exerce sobre as outras partes envolvidas no conflito. Relação ganha-perde,
ou seja, um tem que ganhar.
• Colaboração: quando as partes conflitantes desejam satisfazer aos interesses de ambas,
proporcionando uma situação de cooperação e de resultados mutuamente benéficos.
Relação ganha-ganha.
• Não enfrentamento ou abstenção: nesse caso, duas alternativas são consideradas: fuga ou
tentativa de supressão. Relação perde-perde.
• Acomodação: quando uma das partes abre mão de seus interesses e coloca os do outro em
primeiro lugar. Relação perde-ganha.
• Concessão ou transigência: quando as partes em conflito abrem mão de alguma coisa, o que
pode conduzir a um resultado de compromisso.

Esses elementos constituem um referencial teórico para o administrador compreender melhor os


impactos das questões sociológicas nas organizações, a fim de que possa entender os comportamentos
dos grupos sociais nelas presentes, procurando administrá-los com eficácia e eficiência e fazendo com
que todos os membros organizacionais possam mais facilmente alcançar seus objetivos dentro do
ambiente de trabalho.

7.2 A importância da sociologia à administração

O objetivo da sociologia é estudar, entender e classificar as formações sociais e os agrupamentos


humanos para que outras áreas do conhecimento possam apresentar propostas de intervenção social
com a finalidade de beneficiar a sociedade como um todo. Nesse sentido, os administradores necessitam
das teorias fornecidas pela sociologia para aprimorar suas capacidades gerenciais e liderar organizações
cada vez mais comprometidas com a sociedade.

As empresas socialmente responsáveis são aquelas que colocam em prática atitudes que fomentam
o bem-estar de todos os seus stakeholders, criando um espaço mais saudável para trocas de experiências
e mais e melhores oportunidades de negócio, sem deixar de levar em consideração a preservação da
sociedade e do meio ambiente em que elas estão inseridas.

Lembrete

A Sociologia, enquanto disciplina, favorece a nossa reflexão sobre o


meio no qual estamos inseridos, permitindo-nos um olhar crítico aos mais
diversos fatos cotidianos.

76
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Observação

O sociólogo e economista alemão Max Weber foi o criador da Teoria


da Burocracia, que tem como base o pensamento racional para alcançar
a excelência. Por meio de sua teoria, Weber procura explicar como as
atividades de trabalho são realizadas. As características principais da Teoria
da Burocracia são: caráter legal de normas e regulamentos, formalização
das comunicações, racionalidade e divisão do trabalho, impessoalidade nas
relações, hierarquia de autoridade, rotina e procedimentos padronizados,
competência técnica e meritocracia, especialização e profissionalização dos
trabalhadores, e previsibilidade das atividades estabelecidas. Max Weber é
considerado um dos mais importantes autores que contribuíram para o
desenvolvimento da administração como a conhecemos nos dias de hoje.

8 O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

A tecnologia da informação (TI) desempenha um papel importante nas organizações


modernas, uma vez que grande parte das transações comerciais corporativas ocorre em ambientes
informatizados ou digitais.

A TI é um conjunto organizado de pessoas, hardware, software, redes de comunicações e recursos de


dados que coleta, transforma e dissemina informações em uma organização (O’BRIEN; MARAKAS, 2013).
De maneira geral, a tecnologia da informação é um conjunto de atividades e soluções providas por
recursos computacionais que possibilitam o armazenamento, o acesso, o gerenciamento e o uso das
informações (VERAS, 2019).

8.1 As implicações da tecnologia da informação à gestão de empresas

Uma empresa é composta de diversos elementos, como dados, tecnologia, mão de obra, equipamentos,
máquinas, clientes e empregados, que, interagindo, procuram atingir objetivos comuns, como lucro
financeiro, bem-estar social, liderança no mercado, qualidade dos produtos e serviços, ou seja, a empresa
pode ser vista como um sistema integrado. Dessa maneira, um sistema é definido como um grupo
de elementos inter-relacionados que formam um todo unificado, recebendo insumos e produzindo
resultados em um processo organizado de transformação, para alcance de um objetivo comum.

Assim, todo sistema apresenta os seguintes elementos: entradas de dados (input), processamento e
saída (output) das informações e feedback. Os dados são elementos que representam eventos ocorridos
na empresa antes que tenham sido organizados de maneira que as pessoas possam entendê-los ou
usá-los. Já a informação é um dado ajustado ao entendimento e à utilização pelo indivíduo. O input
está relacionado com a coleta de dados para processamento no sistema. O processamento, por sua
vez, é o tratamento da matéria-prima, que entra no sistema de uma forma e sai de outra para ser
compreensível pelo indivíduo. O output refere-se à saída da informação processada que será utilizada

77
Unidade II

para a tomada de decisão. E, por fim, o feedback são as saídas que retornam para auxílio na avaliação
ou correção das entradas de dados (ROSINI; PALMISANO, 2012).

Para serem competitivas no mercado, as organizações modernas utilizam diferentes sistemas de


informação, que são divididos em (ROSINI; PALMISANO, 2012):

• Sistemas de informações transacionais (SIT): refletem os resultados das transações, operações


e processos diários que são necessários para conduzir os negócios da empresa. São sistemas de
informação usados por profissionais que estão na operação da empresa.

• Sistemas especialistas (SE): são usados por profissionais especializados em determinadas áreas
da empresa e que têm como objetivo a criação de novas tecnologias e a integração desse novo
conhecimento dentro da organização.

• Sistemas de informações gerenciais (SIG): atendem às funções de planejamento, organização,


controle e tomada de decisão, a fim de estabelecer o sumário da rotina diária e as eventuais
exceções passíveis de ocorrência.

• Sistemas de apoio à decisão (SAD): são destinados aos altos escalões empresariais. São
sistemas de informação que visam combinar dados a sofisticados modelos de análise para
apoiar decisões de todos os tipos.

Os sistemas de informação têm como principal objetivo aumentar o desempenho das organizações.
O administrador é considerado como um cliente, pois sua responsabilidade é a manipulação da
informação de alguma maneira para atingir os objetivos da sua empresa.

Além de estudarmos os diferentes sistemas de informação, veremos a seguir, de maneira resumida,


as principais tecnologias/ferramentas emergentes que impactam a gestão das empresas modernas
(ROSINI; PALMISANO, 2012):

• Customer relationship management (CRM): também conhecido como software de automação


de marketing. É um sistema de administração de relacionamento com clientes. Um CRM de
marketing foca na atração e gestão de leads, que são pessoas que se interessam pelos produtos
ou serviços de uma empresa. Para atrair esses leads, as empresas trabalham com o chamado
marketing de conteúdo, que é baseado na formação de um público fiel por meio da criação e
compartilhamento de conteúdo relevante nos meios digitais. Normalmente, o CRM é utilizado
por empresas que trabalham com vendas complexas ou vendas de produtos ou serviços de
alto valor agregado.

• Business performance/process management (BPM): consiste em uma abordagem qualitativa


da administração integrada entre os níveis estratégico, tático e operacional. O BPM tem como
vantagens: transparência em todas as etapas dos processos organizacionais, maior controle
administrativo, aumento de produtividade, redução de custos e automação de processos e
geração de evidências.
78
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

• Data warehouse: é um conjunto de programas que extrai dados dos diversos ambientes
operacionais da empresa, ou seja, são sistemas capazes de manipular os dados residentes nos
bancos de dados e fornecer informações de acordo com as necessidades de seus usuários, que são
os gestores da organização.

• Data mining: ou mineração de dados, consiste em descobrir padrões ocultos nos dados, com o
objetivo de antecipar o comportamento de compra de clientes-chaves ou preparar a empresa
para o lançamento de novos produtos e serviços. O data mining consiste na extração automática
de dados sobre padrões, tendências, associações, mudanças e anomalias previamente não
identificados. O surgimento dessa tecnologia está associado a máquinas de busca na internet.

• Enterprise resource planning (ERP): é um sistema integrado de fábrica, desenvolvido com


o objetivo de integrar não apenas sistemas de escritório, mas também a fábrica ao escritório,
aplicando as melhores práticas de administração de negócios existentes. O ERP funciona melhor
em atividades padronizadas e rotineiras do que em processos de tomadas de decisões estratégicas
e atividades que exigem mais competências humanas. O ERP ajuda o gestor, por exemplo, a
administrar as contas a pagar e a receber, monitorar as vendas e acompanhar os pedidos de
compra. Um sistema ERP completo apresenta diversos módulos que podem fazer parte do modelo
padrão ou indexados conforme as necessidades da organização.

• Enterprise content management (ECM): consiste em um conjunto de estratégias, métodos e


ferramentas para capturar, armazenar, gerir, preservar e disponibilizar conteúdo corporativo ou
informação. O ECM é um sistema que age como um facilitador de uma gestão do conhecimento
sustentável, além de englobar os métodos, estratégias e ferramentas utilizadas para a captura,
gestão, armazenamento, preservação e difusão dos conteúdos e documentos relacionados com
os processos organizacionais.

• Business intelligence (BI): é uma nova ferramenta da tecnologia da informação utilizada para
suportar a tomada de decisão no nível estratégico da empresa, e, para isso, os dados devem ser
trabalhados em um processo de transformação para atender a esse nível gerencial. O BI não deixa
de ser um processo de coleta, transformação, análise e distribuição de dados, para melhorar a
decisão dos negócios pertinentes às organizações. Os bancos de dados são a infraestrutura básica
de qualquer sistema de BI, pois é onde serão armazenados os dados que serão transformados em
informações relevantes.

• Cloud computing: ou computação em nuvem, refere-se à utilização da memória e da capacidade


de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por
meio da internet, seguindo o princípio da computação em grade. O armazenamento de dados é
feito em serviços que poderão ser acessados de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora, não
havendo necessidade de instalação de programas.

79
Unidade II

É importante mencionar também o uso cada vez mais frequente das redes sociais, mídias sociais
e mídias digitais por parte das empresas, o que gera uma grande quantidade de informações e
interações com clientes potenciais. A adequada utilização dessas ferramentas tecnológicas por parte
das empresas permite expandir mercados, melhorar o relacionamento com clientes e fornecedores,
reduzir custos, evitar duplicidade de informação, aumentar o trabalho colaborativo e agilizar processos
de negócios em geral.

8.2 A importância da tecnologia da informação à administração

A informação é um fator fundamental para as organizações nos dias de hoje. A competitividade, a


concorrência, a dinamização e inovação das empresas, características inerentes a mercados abertos, não
seriam possíveis sem a existência e acesso rápido à informação, daí a importância de estudar a relação
entre tecnologia da informação e gestão de empresas.

Nos escritórios corporativos, a tecnologia da informação inclui: processamento de textos;


planilhas eletrônicas; programas de pesquisa em banco de dados; sistemas de informação
(transacionais, especialistas, gerenciais e de apoio à decisão); arquivamento automático; conferências,
videoteleconferências e reuniões eletrônicas; dentre outros exemplos. Na fábrica, a TI engloba:
instrumentos de manufatura, como robôs e dispositivos automáticos; sistemas de armazenagem e busca
automática de materiais; planejamento e controle de necessidades e recursos de manufatura e gestão
por meio de sistemas de suporte (ROSINI; PALMISANO, 2012).

Entre os benefícios da tecnologia da informação para a gestão de empresas, é possível mencionar:


otimização dos processos; aumento da produtividade; expansão do mercado de atuação; acesso fácil
e ágil a dados e informações; melhoria da logística; segurança para a inovação; garantia da segurança
dos dados; aumento dos níveis de satisfação dos clientes; auxílio na redução de custos. Dessa maneira,
pode-se concluir que a tecnologia da informação é uma grande aliada das empresas para o alcance de
seus objetivos e para garantir avanços nos mais diversos níveis de gestão.

Observação

O setor brasileiro de tecnologia da informação é o sétimo maior do


mundo em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Software.
O cenário é altamente positivo para o profissional da área, uma vez que
as empresas estão injetando capital e investindo fortemente no setor.
Além disso, o Brasil não tem mão de obra suficiente para suprir cargos em
empresas de TI, o que faz com que a oferta de profissionais seja menor do
que a demanda e, consequentemente, acabem sobrando empregos na área.

80
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Exemplo de aplicação

Exemplo 1

(FCC/Sabesp, 2018). A diferença entre a macroeconomia e a microeconomia se dá:

A) pelas diferenças entre os tamanhos das plantas das firmas.

B) pelas formas de organização dos mercados, se mais concorrenciais ou mais monopolizados.

C) porque é exclusividade da microeconomia o estudo de variáveis como a oferta, a demanda e


a produção.

D) porque a abordagem macroeconômica não leva em conta as expectativas dos agentes econômicos.

E) porque se tratam de abordagens da ciência econômica que estudam diferentes graus de agregação
entre os agentes econômicos.

Resolução

A microeconomia analisa a economia em menor escala, tratando com entidades específicas,


como empresas, famílias e indivíduos. Por outro lado, a macroeconomia faz uma análise mais ampla
da economia, abrangendo fatores como a economia nacional, regional ou global como um todo. A
alternativa E é a que melhor expressa essa ideia.

Exemplo 2

(IBFC/EBSERH, 2020). A cultura organizacional pode ser entendida como um conjunto de ideias,
conhecimento, forma de agir, pensar e sentir expressas em termos materiais ou não, que são partilhados
por um grupo ou uma organização, com certa regularidade no tempo e no espaço. Sobre a cultura
organizacional, analise as afirmativas a seguir:

I – A cultura se caracteriza como um fenômeno organizacional de caráter mais profundo e de maior


permanência e surge das tradições, dos costumes e da forma como as coisas são feitas.

II – Embora seja fácil implementar a cultura no início da constituição de uma organização, é


importante conduzir os colaboradores a adotá-la rapidamente para que as alterações na cultura deixem
de ocorrer no futuro.

III – O conjunto de padrões valorativos, técnicos e comportamentais, construídos ao longo da história


de uma organização, são fortes indícios para definição de uma cultura organizacional.

81
Unidade II

Assinale a alternativa correta:

A) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.

B) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.

C) Apenas as afirmativas II e III estão corretas.

D) Apenas a afirmativa II está correta.

E) Apenas a afirmativa I está correta.

Resolução

A cultura organizacional reflete um conjunto complexo de valores, crenças e ações que, ao longo do
tempo, moldam como uma organização conduz seu negócio. Portanto, a cultura organizacional não é
implementada facilmente no início da constituição de uma empresa. Assim, a alternativa A é a correta.

Exemplo 3

(FGV, 2015). Assinale a alternativa correta em relação aos conceitos de empresa e empresário no
direito empresarial:

A) Empresa é a sociedade com ou sem personalidade jurídica; empresário é o sócio da empresa,


pessoa natural ou jurídica com responsabilidade limitada ao valor das quotas integralizadas.

B) Empresa é qualquer atividade econômica destinada à produção de bens; empresário é a pessoa


natural que exerce profissionalmente a empresa e tenha receita bruta anual de até R$ 100.000,00
(cem mil reais).

C) Empresa é a atividade econômica organizada para a produção e/ou a circulação de bens e de


serviços; empresário é o titular da empresa, quem a exerce em caráter profissional.

D) Empresa é a repetição profissional dos atos de comércio ou mercancia; empresário é a pessoa


natural ou jurídica que pratica de modo habitual tais atos de comércio.

E) Nenhuma das anteriores.

Resolução

Para o direito empresarial, empresário é aquele que exerce profissionalmente uma atividade
econômica organizada; e empresa é a atividade econômica organizada de produção ou circulação de
bens ou serviços. Portanto, a alternativa C é a correta.

82
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Exemplo 4

(FCC/ARCE, 2012). A revista Info Exame publicou a seguinte notícia:

O investimento em estratégias de aproximação com o consumidor é um dos pontos centrais no


negócio da fabricante de bebidas Femsa Cerveja Brasil, dona das marcas Kaiser, Bavaria, Xingu e Sol.
A companhia foi a primeira em sua área de atuação a estampar, no rótulo dos produtos, um número
de telefone para atendimento ao público. A empresa decidiu renovar a infraestrutura de TI que apoia
o relacionamento com os clientes. A cervejaria, de origem mexicana, fez um upgrade em seu sistema
de... e ainda este ano adotará uma nova plataforma de call center. A central de atendimento tem
uma importância comercial estratégica. Atualmente, as vendas por telefone representam 42% do
faturamento da companhia no país. Nesse projeto, o principal objetivo da empresa, que no Brasil usa
o sistema de distribuição da Coca-Cola, foi ganhar mais eficiência no tempo de resposta ao público,
uma exigência em um setor que precisa seguir normas rígidas de atendimento devido a regras do
Código do Consumidor.

Disponível em: https://bit.ly/3AaDb2X. Acesso em: 1º fev. 2021.

O sistema a que a notícia se refere é:

A) Governança de TI.

B) ERP.

C) Gerenciamento de Serviços de TI.

D) Automação de Processos de Trabalho.

E) CRM.

Resolução

O trecho em questão é: “A empresa decidiu renovar a infraestrutura de TI que apoia o relacionamento


com os clientes. A cervejaria, de origem mexicana, fez um upgrade em seu sistema de... e ainda este ano
adotará uma nova plataforma de call center. A central de atendimento tem uma importância comercial
estratégica...”.

A partir desse trecho é possível inferir que a estrutura de TI que apoia o relacionamento com os
clientes é o CRM (customer relationship management). Assim, a alternativa correta é a E.

83
Unidade II

Resumo

Nesta segunda unidade, estudamos os aspectos econômicos, sociais e


do direito que impactam a vida das organizações. Primeiramente, para o
administrador, é fundamental entender conceitos básicos de economia, a
fim de acompanhar adequadamente as flutuações de oferta e demanda
e do mercado como um todo, o comportamento dos concorrentes, a
interferência governamental, entre outros fatores que afetam as empresas.

Em segundo lugar, o administrador precisa levar em consideração os


diferentes ramos do direito que têm reflexo sobre as atividades empresariais.
Afinal de contas, são as leis que vão nortear a empresa e as pessoas, cabendo
ao administrador utilizar o direito como uma ferramenta essencial para a
condução de seu negócio, agindo sempre em conformidade com as normas
jurídicas vigentes.

A seguir, vimos que a sociologia pode contribuir para o entendimento


do comportamento humano e da relação entre os indivíduos e o meio
onde estão inseridos, fomentando embasamento teórico sobre questões
sociais relevantes que podem influenciar a tomada de decisão do
administrador de empresas.

Por fim, estudamos as implicações e a importância da tecnologia da


informação nas organizações modernas, pois grande parte das operações
comerciais realizadas pelas empresas nos dias de hoje depende de recursos
tecnológicos e está concentrada em ambientes digitais.

84
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Exercícios

Questão 1 (Enade 2018). Preocupado com a crise mundial na economia, o gerente comercial
de uma empresa procurou mapear as contingências ambientais e os seus impactos na estratégia da
organização para os próximos anos. Sua conclusão é a de que haverá redução na demanda por seu
produto no mercado externo, com uma consequente redução nas exportações. Sendo assim, está
prevendo que, no curto prazo, a empresa terá que se adaptar a essa realidade a partir das seguintes
ações: (i) redução do quadro de funcionários; (ii) redirecionamento da produção para o mercado
interno; e (iii) otimização dos custos empresariais.

Considerando essa situação hipotética, avalie as afirmativas e a relação proposta entre elas.

I – As previsões do gerente comercial apontam para o contingenciamento dos recursos organizacionais


em face de uma nova configuração global.

Porque

II – Em períodos de tensionamento da situação econômica mundial, o mapeamento das contingências


ambientais deve considerar a natureza cíclica e pré-determinada dos períodos de crise.

A respeito dessas afirmativas, assinale a opção correta.

A) As afirmativas I e II são proposições verdadeiras, e a II justifica a I.

B) As afirmativas I e II são proposições verdadeiras, e a II não justifica a I.

C) A afirmativa I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa.

D) A afirmativa I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira.

E) As afirmativas I e II são proposições falsas.

Resposta correta: alternativa C.

Análise das afirmativas

I – Afirmativa verdadeira.

Justificativa: no enunciado, menciona-se a crise mundial e as ações do gerente em reduzir o número


de funcionários e otimizar os recursos, priorizando o mercado interno.

85
Unidade II

II – Afirmativa falsa.

Justificativa: embora haja ciclos de crises no sistema capitalista, não é possível pré-determinar
com precisão suas ocorrências. Além disso, as ações devem considerar o momento do tensionamento e
procurar soluções que evitem ou minimizem prejuízos.

Questão 2. Leia o texto e os quadrinhos.

A TI provocou uma transformação na natureza do trabalho, que passou de manual para eletrônico,
alterando o conteúdo das tarefas, sendo o impacto mais forte percebido nesta geração. Diminuindo o
tempo de realização de uma tarefa, cada funcionário passou a ser mais cobrado sobre a qualidade de
seus serviços e a quantidade de procedimentos, práticas e relatórios, que foram possíveis graças à TI,
aumentando assim o ritmo de trabalho e suas exigências. Em relação às habilidades dos funcionários,
muitas outras foram exigidas, começando em como utilizar o computador. O impacto das novas
tecnologias nas empresas tem sido um dos principais focos de estudo nos últimos anos, devido a sua
rápida disseminação no ambiente empresarial e grande repercussão na sociedade, a qual recebe suas
influências. Todo esse arsenal de inovações produz “impulsos”, estes se apresentam das mais variadas
formas, gerando ciclos como os impactos das novas tecnologias no trabalho; percebeu-se, também,
o impacto decorrente da implantação da TI na estrutura física das empresas, devido à evolução dos
equipamentos, ao aumento do número de máquinas e às mudanças na estrutura organizacional.

Adaptado de: https://bit.ly/3vW7K9a. Acesso em: 1º abr. 2021.

Figura 6

Disponível em: https://bit.ly/3vWRDsb. Acesso em: 1º abr. 2021.

86
ADMINISTRAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Com base na leitura e nos seus conhecimentos, avalie as afirmativas.

I – O uso da tecnologia da informação em uma organização traz, como benefício, mudanças na mão
de obra, que não precisa ser qualificada, como mostram os quadrinhos.

II – Os equipamentos de TI tendem a acelerar tarefas e podem provocar mudanças organizacionais.

III – O armazenamento de informações e a realização das tarefas sem necessidade da capacidade


humana são as principais vantagens do uso de TI em qualquer empresa.

É correto somente o que se afirma em:

A) I.

B) II.

C) III.

D) I e II.

E) II e III.

Resposta correta: alternativa B.

Análise das afirmativas

I – Afirmativa incorreta.

Justificativa: o uso de TI não prescinde de funcionários qualificados. O personagem dos quadrinhos


não é o modelo que se espera nas empresas.

II – Afirmativa correta.

Justificativa: no texto, menciona-se que as tarefas tendem a ser realizadas de forma mais rápida e
que o uso de TI pode provocar mudanças estruturais.

III – Afirmativa incorreta.

Justificativa: o uso de TI não dispensa a capacidade humana.

87
REFERÊNCIAS

BERNARDES, C.; MARCONDES, R. C. Sociologia aplicada à administração. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

CEZARINO, L. O.; CORRÊA, H. L. Interdisciplinaridade no ensino em administração: visão de


especialistas e coordenadores de cursos de graduação. Administração – Ensino e Pesquisa, v. 16, n. 4,
p. 751-784, 2015.

CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna


administração das organizações. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2020.

CHIAVENATO, I. Recursos humanos: o capital humano das organizações. 10. ed. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2015.

COVEY, S. R. Liderança baseada em princípios. 3. ed. São Paulo: Elsevier, 2002.

DRUCKER, P. Management: tasks, responsibilities, practices. New York: Harper and Row, 1973.

FAYOL, J. H. Administração industrial e geral: previsão, organização, comando, coordenação, controle.


7. ed. São Paulo: Atlas, 1968.

GOLEMAN, D. Liderança: a inteligência emocional na formação do líder de sucesso. Rio de Janeiro:


Objetiva, 2015.

HUNTER, J. C. De volta ao mosteiro: o monge e o executivo falam de liderança e trabalho em equipe.


Rio de Janeiro: Sextante, 2014.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 14. ed. São Paulo: Pearson Universidades, 2013.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 15. ed. São Paulo: Pearson Universidades, 2019.

LACOMBE, F. J. M.; HEILBORN, G. L. J. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2014.

MAMEDE, G. Direito empresarial brasileiro: empresa e atuação empresarial. 12. ed. São
Paulo: Atlas, 2020.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 7. ed.


São Paulo: Atlas, 2012.

O’BRIEN, J. A.; MARAKAS, G. M. Administração de sistemas de informação. 15. ed. São Paulo: McGraw‑Hill,
Bookman, 2013.

POSSI, M. Gerenciamento de projetos – guia do profissional: aspectos humanos e interpessoais.


Rio de Janeiro: Brasport, 2006.
88
REALE, M. Lições preliminares de direito. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

ROBBINS, S.; JUDGE, T. Organizational behavior. 18. ed. London: Pearson, 2019.

ROSINI, A. M.; PALMISANO, A. Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento.


2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

ROSS, S. A. Administração financeira. 10. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2015.

SCHEIN, E. H. Organizational culture. American Psychologist, v. 45, n. 2, p. 109-119, 1990.

SCHULTZ, G. Introdução à gestão de organizações. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

SILVA, G. Sociologia aplicada à administração. 3. ed. Departamento de Ciências da


Administração/UFSC, 2014.

SILVA, C. R. L.; LUIZ, S. Economia e mercados: introdução à economia. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

SLACK, N. et al. Administração da produção. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2018.

SOBRAL, F.; PECI, A. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. 2. ed. São Paulo: Pearson
Universidades, 2013.

SOUZA, M. Z. A.; SOUZA, V. L. Gestão de pessoas: uma vantagem competitiva? Rio de Janeiro:
FGV Editora, 2016.

VERAS, M. Gestão da tecnologia da informação: sustentação e inovação para a transformação digital.


Rio de Janeiro: Brasport, 2019.

WONNACOTT, P.; WONNACOTT, R. Economia. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 1994.

89
90
91
92
Informações:
www.sepi.unip.br ou 0800 010 9000

Você também pode gostar