Você está na página 1de 52

DISCORDÂNCIAS

E
ESTRATÉGIAS PARA AUMENTAR A RESISTÊNCIA MECÂNICA

Prof. Sérgio Francisco Santos


Propriedades mecânicas
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
FABRICAÇÃO DE COMPONENTES
Vários processos de conformação mecânica que envolvem deformação plástica

Forjamento

Laminação
Dobramento
Extrusão

Trefilação


Matriz
Embutimento
Cisalhamento
Estiramento Profundo
PROPRIEDADES MECÂNICAS
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA

Em princípio, um material cristalino pode deformar-se


plasticamente por quatro mecanismos:

➢ Deslizamento de planos cristalinos causado pela


movimentação de discordâncias,
➢ Maclação mecânica,
➢ Difusão
➢ Transformações de fases.

Dentre estes quatro mecanismos, o deslizamento ou


escorregamento de planos cristalinos, por causa das
discordâncias, é muito mais significativo que os três
outros mencionados.
Propriedades mecânicas vs. Discordâncias
Estratégias para aumentar resistência

5
Propriedades mecânicas
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA

DENSIDADES DE DISCORDÂNCIAS TÍPICAS

❑ Materiais solidificados lentamente = 103 mm/mm2

❑ Materiais deformados = 109 -1010 mm/mm2

❑ Materiais deformados e tratados termicamente = 105 -106 mm/mm2


Propriedades mecânicas
Estratégias para aumentar resistência
Aumento de resistência dos metais

1. Adição de elemento de liga (formação de solução


sólida ou precipitação de fases)
2. Controle do tamanho de grão
3. Encruamento
4. Tratamento térmico (Recozimento)
Solução sólida: Adição de elemento de liga

8
Estratégias para aumentar resistência
Solução sólida: Adição de elemento de liga

• Os átomos de soluto podem causar tanto tração (átomos


menores) como compressão (átomos maiores) na rede
cristalina.

• Os átomos de soluto se alojam na rede próximo às


discordâncias de forma a minimizar a energia total do
sistema.
Estratégias para aumentar resistência
Solução sólida: Adição de elemento de liga

➢ Tensões podem produzir uma barreira para movimento de


discordâncias ou fornecer energia adicional para que continue
havendo escorregamento.

➢Por isso, soluções sólidas de metais (ligas metálicas) são


sempre mais resistentes que seus metais puros.
Propriedades mecânicas
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
SOLUÇÃO SÓLIDA
❖ Policristais com elementos de liga são mais resistente daqueles
puros.
Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

DEFEITOS LINEARES: DISCORDÂNCIAS

(a) Átomos pequenos (em torno de 15% menor do que o raio do elemento da
matriz) de solução sólida substitucional, provocando um campo de
tensões trativo na rede cristalina.
(b) Esses átomos podem se agrupar formando “atmosferas” acima da linha de
uma discordância aresta positiva, contrabalanceando o campo de tensões
compressivo existente no local, minimizando a distorção elástica da rede e,
consequentemente, a energia do sistema.
Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

DEFEITOS LINEARES: DISCORDÂNCIAS

(a) Átomos grandes (em torno de 15% maior do que o raio do elemento da
matriz) de solução sólida substitucional, provocando um campo de
tensões compressivo na rede cristalina.
(b) Esses átomos podem se agrupar formando “atmosferas” abaixo da linha de
uma discordância aresta positiva, contrabalanceando o campo de tensões
trativo existente no local, minimizando a distorção elástica da rede e,
consequentemente, a energia do sistema.
Estratégias para aumentar resistência
Solução sólida: Adição de elemento de liga

A derivação de uma expressão para o incremento da resistência da liga em


função da concentração (C) é complexa e requer uma análise trabalhosa
baseada na teoria da elasticidade. Uma expressão aproximada, entretanto,
pode ser obtida para o caso de aços carbono (C dissolvido em Ferro CCC)
e fornece:
Estratégias para aumentar resistência

▪ Endurecimento de solução
sólida: Matriz Cobre

▪ Relação empírica:
Estratégias para aumentar resistência

Efeito do endurecimento por solução sólida em aço baixo carbono.


Endurecimento por precipitação

17
Estratégias para aumentar resistência
Endurecimento por precipitação: os elementos químicos
começam a se precipitar em torno de região após um
tratamento térmico.
Estratégias para aumentar resistência

Incoerente Coerente

19
Estratégias para aumentar resistência
Aumento da resistência mecânica por precipitação depende
da localização na microestrutura, assim como da
quantidade, distribuição e tamanho.

Contorno de grão com precipitados


Grande partícula precipitada

Precipitados Área na
Matriz na difusão Pequena partícula
finos difusão Matriz do material
precipitada
Estratégias para aumentar resistência

2 6 𝑓𝛾𝑠
∆𝜎 = ∙
𝜋 𝑟
f = fração volumétrica do precipitado
s= energia superficial do precipitado
r = raio médio do precipitado
Estratégias para aumentar resistência
Mecanismo de Orowan

(1) Aproximação;
(2) A linha começa a se curvar;
(3) Atinge a curvatura crítica;
(4) A discordância se move sem diminuição raio de curvatura e
 >> r deixa um anel de discordância ao redor de cada partícula;
(5) Discordância com comprimento original move-se livremente.
Estratégias para aumentar resistência
Controle do tamanho de grão

24
Estratégias para aumentar resistência
Controle do tamanho de grão
➢ O contorno de grão interfere no
movimento das discordâncias. O
contorno de grão funciona como
Contorno de grão
uma barreira para a continuação
do movimento das discordâncias. Plano
de
escorregamento

➢ Devido as diferentes orientações


cristalinas presentes, resultantes
do grande número de grãos, as
direções de escorregamento das Grão 2
Grão 1
discordâncias variam de grão para
grão.
Estratégias para aumentar resistência
Tensão de escoamento vs. tamanho de grão
EQUAÇÃO DE HALL-PETCH

esc= o + Ke (d)-1/2

• o e Ke são constantes
• o= representa a tensão de cisalhamento oposta ao
movimento das discordâncias
• Ke= constante relacionada com o empilhamento das
discordâncias
• d= tamanho de grão

Essa equação não é válida para grãos muito grosseiros ou muito


pequenos
Estratégias para aumentar resistência
Tensão de escoamento vs. tamanho de grão
Tamanho de grão, d (mm)
Limite de escoamento (MPa)

Limite de escoamento (Ksi)


Latão (70%Cu-30%Zn)
Estratégias para aumentar resistência
Crescimento do grão

Representação esquemática do crescimento de grão por difusão atômica.


Estratégias para aumentar resistência
Crescimento do grão
• Para longos tempos, grãos maiores consomem grãos menores.
0.6 mm 0.6 mm

Coeficiente que depende do


Após 8 s, Depois 15 min, material e temperatura.
580ºC 580ºC

• Lei do crescimento de grão:


Potencia ~ 2
tempo
Tamanho
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico
Crescimento do grão
▪ O tamanho médio do grão aumenta com o tempo e depende da temperatura
também.

K e n são constantes
dependentes da temperatura e
do tempo e,
n igual ou maior que 2
ENCRUAMENTO

31
Estratégias para aumentar resistência
ENCRUAMENTO
❖ É o fenômeno no qual um material endurece devido à deformação
plástica (realizado pelo trabalho à frio).

❖ Trabalho a frio (TF) aquele que é executado entre 0 e 0,3 Tf

❖ Esse endurecimento dá-se devido ao aumento de discordâncias e


imperfeições promovidas pela deformação, que impedem o
escorregamento dos planos atômicos.

❖ A medida que se aumenta o encruamento maior é a força


necessária para produzir uma maior deformação.

❖ O encruamento pode ser removido por tratamento térmico


(recozimento).
Estratégias para aumentar resistência
Policristais
Estágios de Encruamento

σn
III
II

POSSUEM OS ESTÁGIOS II E III


(em alguns casos apresentam um
estágio de comportamento
semelhante ao de deslizamento
fácil e há estudos sobre estágios
IV e V em ensaios em
temperaturas elevadas)

εn
Estratégias para aumentar resistência

Estágios de Encruamento

❑ Estagio II - encruamento linear. Outros sistemas de


escorregamento são ativados e ocorre interação entre
discordâncias formando emaranhados que provocam
encruamento.

❑ Estagio III – encruamento parabólico. Neste estagio ocorre


escorregamento com desvio, em que discordâncias mudam de
sistema de escorregamento.
Estratégias para aumentar resistência
Policristais
Arranjos de Discordâncias: ENCRUAMENTO

❖Na deformação plástica de um material policristalino cada grão deve sofrer


localmente a mesma deformação macroscópica que os seus vizinhos. Caso
contrário o material fratura ao longo do contorno de grão. Para que isto ocorra
diversos sistemas de escorregamento devem ser ativados ao mesmo
tempo. Por este motivo a deformação já se inicia no estágio II e caminha
rapidamente para o estágio III.
Estratégias para aumentar resistência
GRAU DE DEFORMAÇÃO PLÁSTICA EM TERMOS DE TRABALHO À FRIO (TF)

 Ao − Ad 
%TF =   *100
 Ao 
çã
o A
a
àt
r Onde
ia
tênc Ao = área original da seção
is
e res nto transversal que sofre deformação.
ite
d
ame
m o
Li esc
e
ite
d Ad = área após a deformação.
m
Propriedade

Li
Es
tr i

ão

Alo
ng
am
en
to

Deformação por trabalho a frio


Estratégias para aumentar resistência
❑ Todos mecanismos de endurecimento colocam obstáculos a
movimentação das discordâncias. O endurecimento por deformação
(“strain hardening”) ou encruamento e o endurecimento observado nos metais
devido a própria deformação plástica.

❑ Os obstáculos ao movimento de discordâncias neste caso são as próprias


discordâncias que vão sendo multiplicadas com o processo de deformação.
Durante a deformação as discordâncias movimentam-se, multiplicam-se (modelo
de Frank-Read) e interagindo entre si; adquirindo degraus e formando
emaranhados e assim ficando bloqueadas.

❑ A equação de Taylor e uma tentativa de quantificar o fenômeno:

Onde 0, aT são constantes, G e o modulo de cisalhamento e r e a densidade de


discordâncias (em cm/cm3).
Estratégias para aumentar resistência
Estratégias para aumentar resistência

A influência do trabalho à frio sobre o


comportamento mecânico de um aço
com baixo carbono.
Tratamento térmico após material encruado
Recozimento

40
Estratégias para aumentar resistência

Tratamento térmico – Recozimento

• Se os metais deformados plasticamente forem


submetidos ao um aquecimento controlado, este
aquecimento fará com que haja um rearranjo dos
cristais deformados plasticamente, diminuindo a
dureza dos mesmos.
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
Recozimento
MECANISMOS QUE OCORREM NO TRATAMENTO DE UM MATERIAL ENCRUADO

ESTÁGIOS:

➢ Recuperação
➢ Recristalização
➢ Crescimento de grão
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
RECUPERAÇÃO

❑ Há um alívio das tensões internas armazenadas durante a


deformação devido ao movimento das discordâncias resultante
da difusão atômica.

❑ Nesta etapa há uma redução do número de discordâncias e um


rearranjo das mesmas.

❑ Propriedades físicas como condutividade térmica e elétrica


voltam ao seu estado original (correspondente ao material não-
deformado).
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado

RECRISTALIZAÇÃO

➢ Depois da recuperação, os grãos ainda estão tensionados.


➢ Na recristalização os grão se tornam novamente equiaxiais
(dimensões iguais em todas as direções).
➢ O número de discordâncias reduz.
➢ As propriedades mecânicas voltam ao seu estado original.

❑ Forma-se um novo conjunto de grãos que são equiaxiais.


Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
RECRISTALIZAÇÃO
▪ Objetivo deste processo é refinar a microestrutura.
▪ Depois da recristalização o metal torna-se mais dúctil.
▪ Recristalização é uma função do tempo e temperatura, envolve difusão.

Novos
A força motriz para produzir
essa nova estrutura de grão é a
diferença que existe entre as
grãos energias internas do material
submetido a deformação e do
material sem deformação.
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
TEMPERATURAS DE RECRISTALIZAÇÃO

• A temperatura de recristalização é dependente do tempo. A tabela indica


temperaturas típicas para 1 h de tratamento térmico.
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
TEMPERATURAS DE RECRISTALIZAÇÃO
➢ A recristalização prossegue mais rapidamente nos metais puros do que nas
ligas.

➢ Durante a recristalização, ocorre o movimento dos contornos de grão


conforme novos núcleos de grãos se formam e então crescem.

➢ Acredita-se que os átomos de impurezas segregam-se preferencialmente para


esses contornos de grão recristalizados e interagem com eles, de forma a
diminuir suas mobilidades (isto e, dos contornos de grão); isso resulta em uma
diminuição na taxa de recristalização e aumenta a temperatura de
recristalização, algumas vezes de maneira bastante substancial.

➢ Para os metais puros, a temperatura de recristalização e normalmente de


0,4Tf, em que Tf e a temperatura absoluta de fusão; para algumas ligas
comerciais, ela pode ser tão elevada quanto 0,7Tf.
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
TEMPERATURAS DE RECRISTALIZAÇÃO

Temperaturas de Recristalização e de Fusão para Vários Metais e Ligas


Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado
▪ Influência do percentual de trabalho a frio na definição da temperatura de
recristalização para o ferro.
Variação da temperatura
de recristalização com o
percentual de trabalho à
frio. Para percentual
abaixo de 5% a
recristalização não
ocorrerá.
Estratégias para aumentar resistência

Tratamento térmico – Material encruado

CRESCIMENTO DE GRÃO

➢ Depois da recristalização se o material permanecer


por mais tempo em temperaturas elevadas o grão
continuará à crescer.

➢ Em geral, quanto maior o tamanho de grão mais dúctil


é o material e menor é sua resistência mecânica.
Estratégias para aumentar resistência
Tratamento térmico – Material encruado

Ex: Latão
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
❑ Capítulo 7 (Mecanismo de aumento de resistência mecânica) – Introdução a

ciência e engenharia de materiais – 8o ed. – W. Callister.

❑ Princípios de Metalurgia Física – Robert Reed-Hill., 2ed. , Guanabara Dois, 1973.

❑ Introdução à ciência dos materiais para engenheiros; 6 ed. 2008, SHACKELFORD,

JAMES. F.

❑ Capítulo 15 (Propriedades mecânicas) – Materiais de engenharia - Ângelo

Fernando Padilha

❑ HELMAN, Horácio; Fundamentos da conformação mecânica dos metais;

Fundação Christiano Ottoni, 1993.

Você também pode gostar