Você está na página 1de 130

Nestor távora

rosmar rodrigues aleNcar

Comentários
AO ANTEPROJETO
DE LEI ANTICRIME
Tripartido em três Projetos de Lei conforme
versão enviada ao Congresso Nacional
Nestor Távora
Rosmar Rodrigues Alencar

Comentários
A O A N T E PROJETO
D E L E I A N TIC RIME
Tripartido em três Projetos de Lei
conforme versão enviada ao Congresso Nacional

2019
Nestor Távora Rosmar Rodrigues Alencar
Ex-Defensor Público – AL. Advogado. Mestre Juiz Federal – AL. Doutor em Direito pela PUC/
em Direito Público pela Universidade Federal SP.  Mestre  em Direito pela UFBA. Especialis-
da Bahia. Especialista em Ciências Criminais ta em Direito Processual Penal  (FESMP/RN).
pelas Faculdades Jorge Amado. Professor da Professor Adjunto da Faculdade de Direito de
Escola de Magistrados da Bahia. Professor da Alagoas (UFAL). Professor Titular do UNIT/AL.
Fundação Escola Superior do Ministério Público Professor da Faculdade Seune/AL. Professor em
da Bahia. Professor da Escola Superior de Advo- cursos de pós-graduação e na Escola Superior
cacia Orlando Gomes. Professor da Faculdade da Magistratura de Alagoas. Membro da Aca-
Baiana de Direito nos cursos de graduação e demia Maceioense de Letras, da Associação de
Pós-Graduação. Coordenador da pós-gradua- Juízes para a Democracia - AJD e do IBCCRIM.
ção em Direito e Processo Penal no IMADEC e Ex-Promotor de Justiça – RN. Ex-Defensor Públi-
no IGD. co da União. Ex-Juiz Militar do CPJ/AL.

E-mail: nestor@nestortavora.com.br E-mail: rosmar.antonni@gmail.com
Instagram: @nestor_tavora Facebook: Rosmar Rodrigues Alencar
YouTube: Rosmar Rodrigues Alencar
Instagram: @rosmar_rodrigues_alencar

Rua Território Rio Branco, 87 – Pituba – CEP: 41830-530 – Salvador – Bahia


Tel: (71) 3045.9051
• Contato: https://www.editorajuspodivm.com.br/sac

Copyright: Edições JusPODIVM

Conselho Editorial: Eduardo Viana Portela Neves, Dirley da Cunha Jr., Leonardo de Medeiros Garcia, Fredie Didier Jr., José
Henrique Mouta, José Marcelo Vigliar, Marcos Ehrhardt Júnior, Nestor Távora, Robério Nunes Filho, Roberval Rocha Ferreira Filho,
Rodolfo Pamplona Filho, Rodrigo Reis Mazzei e Rogério Sanches Cunha.

ISBN e-Book: 978-85-442-2669-8

Todos os direitos desta edição reservados à Edições JusPODIVM.


É terminantemente proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem a expressa
autorização do autor e da Edições JusPODIVM. A violação dos direitos autorais caracteriza crime descrito na legislação
em vigor, sem prejuízo das sanções civis cabíveis.
S UM Á R IO

1. Em torno dos objetivos do Anteprojeto “Anticrime”................................................................ 11


2. O apelo populista e o apoio midiático ao discurso do “combate” ao crime..................... 12

PROJETO DE LEI – I
(Medidas contra a corrupção)................................................................................................. 15
1. Falta de observância de técnica legislativa.................................................................................. 15
2. Descrição incompleta do objeto da lei......................................................................................... 17
3. Relação do projeto de lei com as vinte medidas do pacote anticrime.............................. 18
3.1. Medidas para assegurar a execução provisória da condenação criminal após
julgamento em segunda instância.................................................................................... 19
3.2. Medidas para aumentar a efetividade do Tribunal do Júri....................................... 19
3.3. Medidas para alteração das regras do julgamento dos embargos infringen-
tes................................................................................................................................................... 20
3.4. Medidas relacionadas à legítima defesa.......................................................................... 21
3.5. Medidas para endurecer o cumprimento das penas.................................................. 21
3.6. Medidas para alterar conceito de organização criminosa......................................... 22
3.7. Medidas para elevar penas em crimes relativos a armas de fogo.......................... 22
3.8. Medidas para aprimorar o perdimento de produto do crime................................. 22
3.9. Medida para permitir o uso do bem apreendido pelos órgãos de segurança
pública.......................................................................................................................................... 23
3.10. Medidas para evitar a prescrição........................................................................................ 23
3.11. Medida para reformar o crime de resistência................................................................ 23
3.12. Medidas para introduzir soluções negociadas no Código de Processo Penal e
na Lei de Improbidade........................................................................................................... 23
3.13. Medida para melhor criminalizar o uso de caixa dois em eleições (em separa-
do – Projeto de Lei – II: crime de caixa dois)................................................................... 25

5
Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

3.14. Medidas para alterar o regime de interrogatório por videoconferência............. 25


3.15. Medidas para dificultar a soltura de criminosos habituais........................................ 27
3.16. Medidas para alterar o regime jurídico dos presídios federais................................ 27
3.17. Medidas para aprimorar a investigação de crimes...................................................... 28
3.18. Introdução do “informante do bem” ou do whistleblower......................................... 29
3.19. Medidas para alteração da competência para facilitar o julgamento de cri-
mes com autoridades com foro (em separado – Projeto de Lei – III: compe-
tência da Justiça comum e da Justiça Eleitoral)............................................................ 30

4. Mudanças no Código Penal............................................................................................................... 31


4.1. Ampliação do alcance objetivo da legítima defesa..................................................... 31
4.2. Ampliação do alcance subjetivo da legítima defesa................................................... 33
4.3. Conduta criminal habitual, reiterada ou profissional e insignificância de in-
fração pretérita.......................................................................................................................... 34
4.4. Execução provisória ou definitiva da pena de multa.................................................. 36
4.5. Competência para execução da pena de multa........................................................... 37
4.6. Discricionariedade na fixação de período mínimo de pena no regime fecha-
do................................................................................................................................................... 37
4.7. A estimativa como critério para perda de bens............................................................ 38
4.8. Suspensão da prescrição pela pendência de julgamento de recursos inad-
missíveis....................................................................................................................................... 39
4.9. Início da execução provisória da pena e interrupção da prescrição..................... 40
4.10. Majoração das penas abstratas do crime de resistência............................................ 40

5. Mudanças no Código de Processo Penal...................................................................................... 41


5.1. A obrigatoriedade da ação penal e a inconstitucionalidade da generalização
da barganha no sistema brasileiro..................................................................................... 43
5.2. Encontro fortuito de provas e definição da competência em razão de cone-
xão................................................................................................................................................. 48
5.3. Redundância de previsão de alienação antecipada e inconstitucionalidade
da irreversibilidade.................................................................................................................. 48
5.4. Desnecessidade de casuísmo diante da função reitora da norma jurídica......... 49
5.5. Antecipação dos efeitos civis da sentença penal condenatória e irreversibili-
dade.............................................................................................................................................. 50
5.6. Desnecessidade da proposta de alteração, diante da previsão do art. 144-
A, do CPP............................................................................................................................... 50
5.7. Concretização dos efeitos civis da condenação de ofício e inadequação à sis-
temática das medidas assecuratórias patrimoniais..................................................... 51

6
Sumário

5.8. Ausência de previsão de responsabilidade pelo uso de bens particulares


pelo Poder Público................................................................................................................... 54
5.9. Desumanização do interrogatório e inserção da economia como valor máxi-
mo no processo penal............................................................................................................ 55
5.10. Antecipação de prisão provisória sem razão cautelar................................................ 56
5.11. Concessão de liberdade provisória pela autoridade policial e aparente exclu-
dente de ilicitude..................................................................................................................... 57
5.12. Riscos de desvio na aplicação do enunciado diante do conceito de dispositi-
vo.................................................................................................................................................... 58
5.13. Inserção do conceito de criminoso habitual e de outros elementos hauridos
do direito penal do autor para denegar liberdade provisória................................. 59
5.14. Inclusão do princípio da insignificância para limitar a possibilidade de dene-
gar liberdade provisória......................................................................................................... 61
5.15. Inconstitucionalidade da inserção generalizada da barganha................................ 62
5.16. O esvaziamento pragmático da decisão de pronúncia em detrimento da ne-
cessidade de controle............................................................................................................. 63
5.17. A soberania dos veredictos não autoriza execução antecipada da pena............ 65
5.18. Ampliação indevida de discricionariedade para deixar de autorizar execução
provisória.................................................................................................................................... 66
5.19. Ainda a discricionariedade ampliada: atribuição de efeito suspensivo a
recurso............................................................................................................................. 67
5.20. Efeito suspensivo incidental diferido no tempo........................................................... 68
5.21. Violações a direitos fundamentais do imputado diante da localização do di-
reito individual ao julgamento pelo júri no art. 5º, da Constituição...................... 69
5.22. A indevida previsão de ausência de efeito suspensivo contra a decisão de
pronúncia.................................................................................................................................... 70
5.23. Limitação do objeto dos embargos infringentes e de nulidade............................. 71
5.24. Execução provisória de ofício e discricionariedade de sua denegação............... 73
5.25. Efeito suspensivo em recurso extraordinário ou especial em matéria penal..... 74
5.26. Remissão à lei processual civil............................................................................................. 76

6. Mudanças na Lei de Execução Penal.............................................................................................. 77

6.1. Ampliação de submissão do imputado à identificação genética........................... 77


6.2. Efeito retroativo da previsão aos que se encontram cumprindo pena................ 78
6.3. Emissão de guia de recolhimento para a execução definitiva ou provisória..... 79
6.4. Execução das penas restritivas de direito........................................................................ 79
6.5. Execução da pena de multa................................................................................................. 80

7
Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

7. Mudanças na Lei dos Crimes Hediondos...................................................................................... 82


7.1. Restrições à progressão de regime.................................................................................... 82
7.2. Permissão de saída e saída temporária............................................................................ 82

8. Mudanças na Lei de Improbidade Administrativa.................................................................... 83


8.1. Inconstitucionalidade da ampliação do plea bargain de forma genérica........... 83
8.2. Inconstitucionalidade formal da disciplina cível por intermédio de projeto
de lei com conteúdo criminal.............................................................................................. 83

9. Mudanças na Lei das Interceptações Telefônicas...................................................................... 84


9.1. Necessidade de demarcação de conceitos em matéria de comunicações......... 84
9.2. Inconstitucionalidade da previsão diante de sua excessiva abertura textual.... 84

10. Mudanças na Lei de Lavagem de Capitais................................................................................... 86


10.1. Vedação à punição por crime impossível........................................................................ 86
10.2. Agente policial disfarçado e agente provocador......................................................... 86

11. Mudanças no Estatuto do Desarmamento.................................................................................. 87


11.1. Crime impossível e deslealdade estatal........................................................................... 87
11.2. Agente policial disfarçado e incremento de prisões................................................... 88
11.3. Majoração de pena por motivos alheios ao fato.......................................................... 88
11.4. Controle de armas e banco nacional de perfis balísticos.......................................... 89

12. Mudanças na Lei de Drogas.............................................................................................................. 91


12.1. Inserção do agente encoberto............................................................................................ 91
12.2. Caracterização do crime impossível – Súmula 145, do STF...................................... 91

13. Mudanças na Lei de Transferência e Inclusão de Presos Federais....................................... 92


13.1. Competência cível do juízo federal das execuções penais....................................... 92
13.2. Generalização de regime disciplinar rigoroso............................................................... 94
13.3. Duração........................................................................................................................................ 97
13.4. Decisões colegiadas................................................................................................................ 98
13.5. Construção de novos estabelecimentos de segurança máxima............................. 98

14. Mudanças na Lei de Identificação Criminal................................................................................. 99


14.1. Exclusão dos perfis genéticos e trânsito em julgado.................................................. 99
14.2. Exclusão dos perfis genéticos e proporcionalidade da medida............................. 99
14.3. Banco Nacional Multibiométrico........................................................................................ 101

15. Mudanças na Lei de Controle da Criminalidade Organizada................................................ 102


15.1. Casuísmo no conceito de organização criminosa........................................................ 103

8
Sumário

15.2. Progressão especial de regime............................................................................................ 103


15.3. Aplicação da legislação da criminalidade organizada a outros delitos................ 104
15.4. Forças-tarefa conjuntas.......................................................................................................... 105
15.5. Demonstração da cadeia de custódia de provas.......................................................... 105
15.6. Escuta ambiental e demarcação de conceitos.............................................................. 110
15.7. Redundância na ampliação do alcance da Lei de Controle do Crime Organi-
zado............................................................................................................................................... 110
15.8. Proteção constitucional em face da tecnologia............................................................ 111
15.9. Inserção do assunto na trilogia dimensional da prova............................................... 112
15.10. Regras em torno da excepcionalidade da medida...................................................... 112
15.11. Crime de captação ambiental de sinais........................................................................... 115

16. Mudanças na Lei do Recebimento de Denúncias Anônimas................................................ 115


16.1. Atribuições dos entes federativos e a proteção do reportante............................... 116
16.2. Preservação da identidade do reportante e valor probatório................................. 117
16.3. Simbolismo e extrapolação dos limites formais em face de temas distintos..... 118

17. Cláusula de revogação expressa de outros dispositivos legais............................................ 118


17.1. Revogação expressa e revogação tácita.......................................................................... 118
17.2. Dispositivos com previsão de revogação expressa..................................................... 119

18. Cláusula de vigência............................................................................................................................ 119


18.1. Finalidade da cláusula de vigência.................................................................................... 120
18.2. Vacatio legis reduzida.............................................................................................................. 120

PROJETO DE LEI – II
(Crime de caixa dois)........................................................................................................................ 121
1. Mudanças no Código Eleitoral......................................................................................................... 121
1.1. Figura típica de caixa dois..................................................................................................... 121
1.2. Cláusula de vigência............................................................................................................... 122

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – III


(Competência da Justiça Comum e da Justiça Eleitoral)............................. 123
1. Mudanças no Código de Processo Penal...................................................................................... 123
1.1. Objetivo de evitar a atração da competência da justiça eleitoral.......................... 123
1.2. Outras finalidades.................................................................................................................... 123

9
Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

2. Mudanças no Código Eleitoral......................................................................................................... 124


2.1. Competência do juiz eleitoral.............................................................................................. 124
2.2. Aplicação subsidiária do Código de Processo Penal................................................... 124
2.3. Cláusula de vigência............................................................................................................... 126

10
A NT EPRO J E TO
D E LEI A NT IC RI ME
E SUA T RIPARTI ÇÃO
EM T RÊS PROJETOS DE LEI

1. EM TORNO DOS OBJETIVOS DO ANTEPROJETO “ANTI-


CRIME”
A denominação do pacote, conhecido como “anteprojeto anticrime”, consoante
denominação dada pelo Ministro da Justiça, tem sentido populista, considerando
que a noção de “anticrime” é uma contradição em seus próprios termos. A escolha
indica que quem o redigiu desconsiderou, inclusive, avanços da ciência, nas áreas
do direito processual penal, do direito penal e da criminologia.
O leitor perceberá que, em boa medida, as sugestões documentadas nos artigos
do anteprojeto representam, a um só tempo, a tentativa:
(1) de legalizar práticas que, durante a conhecida “operação lava-jato”, foram ex-
postas como ilegais, inconstitucionais e/ou eivadas de nulidade absoluta;
(2) de fazer prevalecer a vontade do autor da proposta, diante da não contem-
plação de teses pelo Supremo Tribunal Federal, em razão da constituciona-
lidade duvidosa e da dissonância relativamente à legislação;
(3) de imunizar-se contra alegações de vícios graves, seja no que concerne à
prova, seja no que tange ao procedimento; e
(4) de neutralizar argumentos acadêmicos que, no curso daquela investigação
e processo, alertaram sobre as deformidades processuais penais e de direi-
to penal.
Tirante raríssimos pontos do anteprojeto, mais de um motivo lastreiam a nossa
discordância acerca de seu teor, abrangência, sentido e alcance, mormente por con-
sistir em tentativa de minar valores humanos e constitucionais, conforme veremos.

11
Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

2. O APELO POPULISTA E O APOIO MIDIÁTICO AO DISCUR-


SO DO “COMBATE” AO CRIME
Sobre o populista termo anticrime, adotado por esse projeto punitivista re-
cente, Luciano Nascimento Silva, pesquisador em direito penal, em texto inédito,
questionou: “Um projeto jurídico anticrime? Existe projeto jurídico prócrime, taxa-
tivamente falando? Que linguagem é esta? Qual seu sentido?”1. Iñaki Rivera Beiras,
importante Professor da Universidade de Barcelona, analisando outro palco, mas
que calha ao caso brasileiro atual, adverte que, “evidentemente, o ‘problema da se-
gurança’ foi construído de modo meramente populista”. E explica que “o recurso
à ‘ameaça terrorista’, à chamada ‘insegurança cidadã’, aos ‘perigos da imigração’ e
outros clichês semelhantes, representa a versão mais aguda do populismo punitivo
que se emprega – e não somente pelos partidos de direita ideológica – com fins
estritamente eleitorais e de consolidação de consensos que somente buscam a per-
petuação no poder”2.
De fato, como metodologia de aproximação da temática, devemos anotar uma
grande interrogação: projeto de lei anticrime? Isso porque o midiático “endureci-
mento” de leis criminais não é coisa nova. Para se ter uma ideia, ler a exposição de
motivos do Código de Processo Penal de 1941 é providência ilustrativa3.
Nessa época, o discurso era o mesmo: de “combate” ao crime por meio de am-
pliação de possibilidades de prisão, redução de hipóteses de soltura, evitação de re-
conhecimento de nulidades e limitações à atuação da advocacia. São apenas alguns
exemplos, daquele período.
De lá para cá, foi multiplicado o cardápio do “combate” ao delito, não somen-
te pela proliferação de leis alinhadas ao punitivismo, mas também pelo incentivo
ao protagonismo judicial como ator da “luta” contra o crime e pela divulgação da
cultura de que a eficiência do processo penal se dá com a maximização do encar-
ceramento. A Lei dos Crimes Hediondos – Lei nº 8.072/1990 - é um dos melhores
exemplos daquele “endurecimento”. O CPP também é ótimo exemplo revelador de
um vetusto “combate”.
De logo, registramos que é equivocado o discurso de combate. Esse discurso
segue linha de uma “crimininologia midiática”, criando uma realidade geradora de

1. SILVA, Luciano Nascimento. Projeto de lei anticrime. Disponível em: <https://www.facebook.com/lucia-


no.n.silva>. Acesso em: 06 fev. 2019
2. BEIRAS, Iñaki Rivera. Pena criminal: seus caminhos e suas possíveis formas. Tradução: Denise Hammersch-
midt. Curitiba: Juruá, 2012. p.138.
3. BRASIL. Exposição de motivos do Código de Processo Penal brasileiro de 1941. Disponível em: <http://hono-
riscausa.weebly.com/uploads/1/7/4/2/17427811/exmcpp_processo_penal.pdf>. Acesso em: 06 fev. 2019

12
Anteprojeto de Lei Anticrime e sua tripartição em três projetos de lei

“pânico na sociedade a ponto desta reclamar uma repressão enorme”, devendo as-
sim ser feito, haja vista que “é necessária para normalizar a situação e reequilibrar
o sistema”, como pondera Eugenio Raúl Zaffaroni4. A lei não combate o crime, eis
que somente é aplicada após a ocorrência daquele. Não é atribuição do juiz comba-
ter o crime, mas aplicar o Direito, especialmente a Constituição e as leis compatíveis
com esta.
Para os propósitos do projeto ora analisado, o aumento de vagas nas prisões
seria somente um “detalhe”, notadamente diante daqueles que formam a fortaleza
que impulsionou a facilitação da punição e a obstaculização contra as chances de
defesa. A vingança ao crime, nesse contexto, é um óbice ao alcance civilizatório.
A defesa, nesse contexto, seria mais de natureza embelezadora, eis que as dificulda-
des ínsitas ao cenário de seu exercício impedem sua plenitude.
Era de se esperar – se fôssemos confiar nos objetivos de lei mais dura e comba-
tiva – que crimes não mais ocorressem. Ou não? Nós testemunhamos, ao longo da
história do Brasil, o nascimento de leis com punições maiores, regimes mais gravo-
sos, permeabilidade a “condenações” céleres, dentre outras. Poderíamos indagar,
por que ainda há crimes de homicídio, estupros, roubos e outros? Agora, a geniali-
dade da hora traz um termo, “bonito” (para alguns, talvez).
“Projeto de lei anticrime”? Será que, no dia seguinte a sua vigência – caso ocorra
–, será estancada a prática de “crime”? Ou, depois do crime, haverá um antídoto que
reverta seus efeitos? De outro modo, não teremos mais problemas? Se cumprido seu
enunciado, devemos esperar que essa lei (mais uma) seja um impedimento eficaz
ao delito, é isso? Mais prisões? A lei anticrime será compatível com as vigas centrais
da Constituição de 1988? As garantias que constituem o núcleo duro do processo
penal civilizado sobreviverão? Ou nada disso importa à humanidade? Mais e mais,
precisaremos sustentar o escudo dos valores constitucionais que foram construí-
dos com muito sangue derramado.
Assim diz a história. História? A fundamentação histórica dos direitos humanos
é narrada por Fábio Konder Comparato5.

4. ZAFFARONI, Eugênio Raúl. A questão criminal. Tradução: Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2018.
p.129.
5. COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.
p.37.

13
bb PROJETO DE LEI – I
(Medidas contra a corrupção)

Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Códi-


go Penal, o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Códi-
go de Processo Penal, a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 - Lei
de Execução Penal, a Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, a Lei
nº 8.429, de 2 de junho de 1992, a Lei nº 9.296, de 24 de julho
de 1996, a Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, a Lei nº 10.826,
de 22 de dezembro de 2003, a Lei nº 11.343, de 23 de agosto
de 2006, a Lei nº 11.671, de 8 de maio de 2008, a Lei nº 12.037,
de 1º de outubro de 2009, a Lei nº 12.850, de 2 de agosto de
2013, e a Lei nº 13.608, de 10 de janeiro de 2018, para estabele-
cer medidas contra a corrupção, o crime organizado e os crimes
praticados com grave violência a pessoa.

1. FALTA DE OBSERVÂNCIA DE TÉCNICA LEGISLATIVA


A ementa do anteprojeto denuncia que quem o escreveu não atendeu as regras
de técnica legislativa previstas na Lei Complementar nº 95/1998. Isso porque, em
um só anteprojeto, reúne modificações sobre, nada menos, 13 (treze) diplomas le-
gislativos, que tratam de variados assuntos que repercutem, especialmente, sobre
as grandes áreas do direito penal, processo penal e execução penal.
Decerto, nos termos daquela Lei Complementar, não seria possível reunir tan-
tos assuntos, ainda que sob a alegação de conexão, por ser esta não essencial em
face da diversidade de campos de conhecimento de natureza criminal6.
É verdade que o pouco apreço do inventor do diploma anticrime pelas leis do
país e – sobremodo – pela Constituição de 1988 não é novidade. Também é verdade
que de última hora o projeto foi tripartido, atendendo a exigências (ou pressões) do
Poder Legislativo.

6. De acordo com o gizado na Lei Complementar nº 95/1998, “Art. 7º O primeiro artigo do texto indicará o
objeto da lei e o respectivo âmbito de aplicação, observados os seguintes princípios: I - excetuadas as co-
dificações, cada lei tratará de um único objeto; II - a lei não conterá matéria estranha a seu objeto ou a este
não vinculada por afinidade, pertinência ou conexão; III - o âmbito de aplicação da lei será estabelecido
de forma tão específica quanto o possibilite o conhecimento técnico ou científico da área respectiva; IV - o
mesmo assunto não poderá ser disciplinado por mais de uma lei, exceto quando a subsequente se destine
a complementar lei considerada básica, vinculando-se a esta por remissão expressa.

15
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Diante da relevância dos problemas que daí podem decorrer, vamos relacionar
e especificar os assuntos das leis que se deseja modificar, enfatizando a diversidade
de temas que cada uma cuida, malgrado tenham em comum, ainda que algumas de
forma remota, o aspecto penal:
(1) Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal);
(2) Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941(Código de Processo Penal);
(3) Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal);
(4) Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990 (dispõe sobre os crimes hediondos, nos
termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras provi-
dências);
(5) Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992 (dispõe sobre as sanções aplicáveis aos
agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, car-
go, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou fundacional e
dá outras providências – improbidade administrativa);
(6) Lei nº 9.296, de 24 de julho de 1996 (regulamenta o inciso XII, parte final, do
art. 5° da Constituição Federal – interceptações telefônicas);
(7) Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998 (dispõe sobre os crimes de “lavagem”
ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema finan-
ceiro para os ilícitos previstos nesta Lei; cria o Conselho de Controle de Atividades
Financeiras - COAF, e dá outras providências);
(8) Lei nº 10.826, de 23 de dezembro de 2003 (dispõe sobre registro, posse e
comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas –
Sinarm, define crimes e dá outras providências);
(9) Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006 (institui o Sistema Nacional de Po-
líticas Públicas sobre Drogas – Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso
indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabe-
lece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas;
define crimes e dá outras providências);
(10) Lei nº 11.671, de 8 de maio de 2008 (dispõe sobre a transferência e in-
clusão de presos em estabelecimentos penais federais de segurança máxima e dá
outras providências);
(11) Lei nº 12.037, de 1º de outubro de 2009 (dispõe sobre a identificação cri-
minal do civilmente identificado, regulamentando o art. 5º, inciso LVIII, da Consti-
tuição Federal);

16
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

(12) Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013 (define organização criminosa e


dispõe sobre a investigação criminal, os meios de obtenção da prova, infrações pe-
nais correlatas e o procedimento criminal; altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de
dezembro de 1940 – Código Penal; revoga a Lei no 9.034, de 3 de maio de 1995; e dá
outras providências);
(13) Lei nº 13.608, de 10 de janeiro de 2018 (dispõe sobre o serviço telefônico
de recebimento de denúncias e sobre recompensa por informações que auxiliem nas
investigações policiais; e altera o art. 4o da Lei no 10.201, de 14 de fevereiro de 2001,
para prover recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública para esses fins).

O CONGRESSO NACIONAL decreta:


Art. 1º Esta Lei estabelece medidas contra a corrupção, o crime organizado e os cri-
mes praticados com grave violência a pessoa.

2. DESCRIÇÃO INCOMPLETA DO OBJETO DA LEI


O enunciado foi redigido de forma incompleta. Isso porque o primeiro artigo de
um texto legislativo deve indicar o objeto da lei e o respectivo âmbito de aplicação.
No entanto, ele foi demasiadamente lacônico, ocultando que afeta não somente âm-
bitos do direito penal, mas também do direito processual penal e de execução penal,
indo bem além de uma área criminal.
Decerto, como justificar modificações no campo processual penal, além das
legislações extravagantes que repercutem em campos que podem ir bem além do
criminal, a exemplo daqueles que rezam sobre identificação criminal ou que inter-
ferem no procedimento para apuração de atos de improbidade administrativa? A
baixa organização do documento intitulado de projeto anticrime salta aos olhos. O
que se quer dizer com a expressão “estabelece medidas contra a corrupção”?
A seguir, veremos que o texto anteprojeto antidelito se divide em vinte tópicos,
salientando sua lamentável forma de estruturação, de sentido e de função que pro-
põe. Além de parca técnica de redação, o texto segue na contramão de tudo que a
academia avançou em termos de humanização do direito processual penal.
Pelo teor dos seus tópicos, já se depreende populismo, eficientismo, punitivis-
mo e pouca preocupação com o ser humano pelo uso de termos vulgares como: “au-
mentar a efetividade”, “endurecer”, “elevar penas”, “aprimorar”, “autoridades com
foro”, “ melhor criminalizar o caixa dois”, “dificultar a soltura”, “criminosos habitu-
ais”, “informante do bem ou do ‘whistleblower’” e “facilitar o julgamento”.

17
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

3. RELAÇÃO DO PROJETO DE LEI COM AS VINTE MEDIDAS


DO PACOTE ANTICRIME
O primeiro projeto de lei, aqui analisado, encampa quase a totalidade das vinte
medidas expostas no originário “anteprojeto anticrime”, apresentado à mídia antes
de ser debatido ou enviado ao Congresso Nacional.
Eis a descrição dos tópicos, cujos conteúdos examinaremos detalhadamente
adiante, com comentários, artigo por artigo:
I) Medidas para assegurar a execução provisória da condenação criminal
após julgamento em segunda instância;
II) Medidas para aumentar a efetividade do Tribunal do Júri;
III) Medidas para alteração das regras do julgamento dos embargos infrin-
gentes;
IV) Medidas relacionadas à legítima defesa;
V) Medidas para endurecer o cumprimento das penas;
VI) Medidas para alterar conceito de organização criminosa;
VII) Medidas para elevar penas em crimes relativos a armas de fogo;
VIII) Medidas para aprimorar o perdimento de produto do crime;
IX) Medida para permitir o uso do bem apreendido pelos órgãos de segu-
rança pública;
X) Medidas para evitar a prescrição;
XI) Medida para reformar o crime de resistência;
XII) Medidas para introduzir soluções negociadas no Código de Processo Pe-
nal e na Lei de Improbidade;
XIII) Medidas para alteração de procedimento para facilitar o julgamento de
crimes com autoridades com foro;
XIV) Medida para melhor criminalizar o uso de caixa dois em eleições;
XV) Medidas para alterar o regime de interrogatório por videoconferência;
XVI) Medidas para dificultar a soltura de criminosos habituais;
XVII) Medidas para alterar o regime jurídico dos presídios federais;
XVIII) Medidas para aprimorar a investigação de crimes;

18
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

XIX) Introdução do “informante do bem” ou do whistleblower;


XX) Medidas para alteração da competência para facilitar o julgamento de
crimes com autoridades com foro.
Vejamos cada um desses tópicos que constituem a suma do pacote do Ministro
da Justiça, agora enviado pelo Presidente da República ao Congresso Nacional, por
intermédio de três projetos de lei.

3.1. Medidas para assegurar a execução provisória da condenação criminal


após julgamento em segunda instância

O título é seguido de dispositivos que não observam a ordem numérica. Per-


ceberemos que as sugestões esbarram em problemas de ordem sistemática, seja
de respeito à ordem constitucional, seja de coerência com a legislação já em vigor.
A pressa é marca característica de suas disposições, direcionando a pretensão de
modificar, suprimir e/ou inserir caput e/ou parágrafos: (a) ao Código de Processo
Penal, arts. 122, 133, 283, 617-A, 637 e 638; (b) ao Código Penal, arts. 50 e 51; e
(c) à Lei de Execução Penal, art. 105, 147 e 164.

3.2. Medidas para aumentar a efetividade do Tribunal do Júri


Que finalidade tem o direito processual penal? Ele serve – como instrumento – à
punição? Que significa aumentar a efetividade da garantia fundamental do Tribunal
do Júri, inserta no art. 5º, da Constituição de 1988? Incrementar a efetividade do
Tribunal do Júri quer dizer punir mais e mais rápido? Qual a natureza das normas
de direito processual penal?
Duas perspectivas podemos enfrentar:
(1) a primeira, punitivista e eficientista;
(2) a segunda, garantista e científica.
Para a primeira perspectiva, punitivista, o direito processual penal serviria para
punir (primeira finalidade). A sua eficiência seria traduzida na aplicação da pena,
permeada pela impaciência do senso comum, isto é, os que assim entendem cla-
mam por celeridade na punição. A vingança continuaria presente, para satisfazer a
ânsia popular de castigar, não pelas próprias mãos, mas pelas mãos do Estado-jul-
gador, implacável. A segunda finalidade – segundo pensam – seria a outorga da paz
social. Porém, não explicam como a punição, o castigo e o processo criminal podem
trazer paz para a vítima, para a sua família ou para a sociedade. A punição se justi-
fica como fim, desprezando os meios, valendo mais a punição, ainda que represente

19
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

um custo alto. O maior poder do juiz seria, sob essa visão, o de prender, de cercear
a liberdade do ser humano.
Sob o ponto de vista da segunda perspectiva, a finalidade do processo penal é
a de escudo da liberdade, de proteção de salvaguarda dos direitos fundamentais.
Garantismo deve significar a ação de cumprir a Constituição. Nessa ótica, “ser muito
garantista” – qualidade pregada, com ódio, pelos punitivistas – significa “ser muito
cumpridor da Constituição. Então, indagamos, é ruim “cumprir muito a Constitui-
ção”? Essa postura, por outro lado, prestigia os valores científicos e liberais hauri-
dos a partir do derramamento de sangue que ensejou a produção de grandes decla-
rações de direitos humanos. Científico porque os direitos fundamentais de primeira
geração, ao proteger o indivíduo contra o arbítrio do Estado, exige conhecimento,
somente sendo possível impor pena se forem seguidos os rigorosos trilhos legais7,
método, prova e limites para que seja firmada a culpa de alguém. É a garantia de
que só é possível impor pena se forem seguidos os rigorosos trilhos legais. O maior
poder do juiz, nesse sentido, não seria o de prender, mas o de conceder a liberdade,
não sendo valioso punir de qualquer maneira. Não se deseja vingança, mas aplica-
ção do direito numa civilização.
Diferenciada essas noções, perguntamos, qual a natureza do júri? E responde-
mos: a de direito fundamental de primeira geração, que visa tutelar a liberdade do
imputado contra o Estado. Que significa eficiência no tribunal popular? Proteger o
indivíduo contra o arbítrio, o abuso de poder. Foi ele instituído como garantia. Desta
sorte, não é correta a interpretação que torna o resultado condenatório do júri algo
pior do que aquele conduzido pelo juiz singular. Isso significa dizer que o júri deve
ser entendido como reforço de garantia contra o arbítrio e a vingança e não como
meio para constranger o imputado, execrá-lo ou facilitar sua punição.
Este tópico intenta modificar e/ou inserir caput e/ou parágrafos ao Código de
Processo Penal, repercutindo nos arts. 421, 492 e 584.

3.3. Medidas para alteração das regras do julgamento dos embargos infrin-
gentes

Pensamos que a alteração proposta é inconstitucional, a par de desnecessária.


Tende a aumentar as possibilidades recursais do Ministério Público, mantendo a

7. Como aduz Rubens Casara, “a função jurisdicional é uma atividade estatal de natureza cognitiva e, portanto,
é impossível pensa-la desassociada da busca da verdade. Procura-se conhecer a verdade, reconstruir, na
medida do possível, um fato histórico. Registre-se, porém, que os atores jurídicos devam reconhecer os
limites humanos que impedem a descoberta da verdade” (CASARA, Rubens R. R. Prisão e liberdade. São
Paulo: Estúdio Editores, 2014. p.19).

20
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

defesa em patamar inferior, com carência de armas. A acusação já tem nas mãos um
grande número de recursos.
Por exemplo, as hipóteses de recurso em sentido estrito, do art. 581, do CPP,
são, em maior número, privativas da parte acusadora. O réu não tem possibilidade
de recorrer em várias hipóteses em que a correlata decisão comporta recurso em
sentido estrito (o MP pode recorrer da decisão que rejeita a denúncia, o acusado
não tem recurso contra a decisão que a recebe).
De tal modo, diminui a abrangência do princípio da ampla defesa a restrição do
objeto dos embargos infringentes e de nulidade, bem como a falta de menção de
que são recurso somente interponível em favor do réu.
Este tópico direciona a alteração para os parágrafos do art. 609, do Código de
Processo Penal.

3.4. Medidas relacionadas à legítima defesa

O Código Penal contempla hipóteses que, a nosso aviso, já são suficientes para
abarcar situações de legítima defesa, dentre outras excludentes de ilicitude. De tal
modo entendemos as mudanças alvitradas desnecessárias e, em muitos pontos, in-
constitucionais. Na forma como descrita, o anteprojeto visa agigantar os agentes do
Estado, em detrimento do indivíduo.
As “medidas relacionadas à legítima defesa” propõem alterar, suprimir e/ou in-
serir caput e/ou parágrafos: (a) ao Código Penal, arts. 23 e 25; e (b) ao Código de
Processo Penal, art. 309-A.

3.5. Medidas para endurecer o cumprimento das penas

Triste o uso do termo vulgar “endurecer” em um documento pretensamente


público, embora feito de forma “enfurnada”, solitariamente, pelo proponente.
O alvitre de anteprojeto desconsidera todo o sofrimento dos que respondem à
investigação criminal, notadamente dos que estão recolhidos em celas, em ambien-
tes com grades.
Em suma, a proposta visa aumentar o sofrimento, sofrimento este que, segundo
pensamos, não é só do imputado, mas da vítima e de todos que ficam no entorno da
expectativa de ver o suplício do acusado de um crime.
Sob essa advertência, o processo e a duração da pena prolongam a violência,
sofrida pelo imputado, sofrida pelo ofendido e por sua família. O anteprojeto repre-
senta a vitória da barbárie em detrimento de uma tentativa de projeto civilizatório.

21
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

O objeto de tais medidas é alterar, suprimir e/ou inserir caput e/ou parágrafos:
(a) ao Código Penal, arts. 33 e 59; (b) à Lei dos Crimes Hediondos – Lei nº 8.072/1990,
art. 2º; e (c) à Lei do Controle do Crime Organizado – Lei nº 12.850/2013, art. 2º.

3.6. Medidas para alterar conceito de organização criminosa

O conceito de organização criminosa é recheado de abertura conceitual. O pró-


prio nome “organização” é, em certa medida, indeterminado. A depender do ponto
de vista, o que é organizado por ser entendido como desorganizado. Por exemplo,
há quem diga que presidiários atirando pedras, disparando armas em péssimo es-
tado de conservação, com celulares e correndo sem camisa, para um lado e para o
outro constituem “organização criminosa”. De outro prisma, pode-se entender que
eles estão agindo desordenadamente, embora cometendo crimes. Seriam, assim,
uma “desorganização criminosa”.
Tirante essa digressão, fato é que temos conceituada a expressão organização
criminosa. Não vemos necessidade de alteração, muito menos para introduzir casu-
ísmos ou exemplos, por considerar que seria má técnica legislativa.
Este tópico direciona a alteração para o art. 1º, § 1º, da Lei nº 12.850/2013.

3.7. Medidas para elevar penas em crimes relativos a armas de fogo

O aumento de penas nunca foi capaz de evitar crimes ou debelar ocorrências.


As causas do delito são muito mais complexas e difíceis de controlar. Os delitos
que envolviam porte de arma de fogo eram, anteriormente a 1997, contravenções
penais. Daquele período aos dias atuais, o legislador impôs penas maiores, debalde.
Pensamos que não deve haver fomento, incentivo, ao uso de armas de fogo – pos-
se ou porte. No entanto, também entendemos que a legislação simbólica, com in-
cremento de sanções penais, não é via adequada e que agrava o problema criminal.
O ponto pretende modificar o art. 20, do Estatuto do Desarmamento (Lei nº
10.826/2003).

3.8. Medidas para aprimorar o perdimento de produto do crime

Que significa aprimorar o perdimento de produto do crime? O texto não o diz.


Se tomarmos em consideração o examinado até aqui, as medidas serviriam para
piorar a qualidade de nossa legislação.
De fato.

22
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

O Ministro da Justiça tenta inserir cláusulas abertas que parecem querer justifi-
car condenações que proferiu quando juiz.
A escolha das palavras em uma legislação é por demais importante.
Se, em uma lei penal – que tem como valor caro a legalidade estrita – ocorre a
inclusão de termos vagos para permitir a conclusão de que alguém logrou proveito
com a prática de uma infração, sufragaremos condenações com base em suposi-
ções. Tal proceder é inconstitucional: viola a presunção de inocência, fere o direito
de propriedade, olvida o cânone da culpabilidade que coroa a teoria do crime.
Deseja-se, com as medidas epigrafadas, inserir o art. 91-A e parágrafos ao Códi-
go Penal, bem como o art. 124-A, ao Código de Processo Penal.

3.9. Medida para permitir o uso do bem apreendido pelos órgãos de segu-
rança pública

Entendemos que a permissão de uso não deve significar usurpação da proprie-


dade privada. Também não deve legitimar a tomada de decisões provisórias sobre
o título dominial, sem que haja garantia de responsabilização dos agentes estatais.
O presente tópico consiste no intento de introduzir o art. 133-A, ao Código de
Processo Penal.

3.10. Medidas para evitar a prescrição

Mais uma vez transparece o ranço persecutório ao acusado e aos advogados:


“medidas para evitar a prescrição”? O punitivismo é eleito como algo bom pelo sig-
natário do anteprojeto, como é cediço.
As medidas em tela visam inserir incisos aos art. 116 e 117, do Código Penal.

3.11. Medida para reformar o crime de resistência

Mais uma medida punitivista de índole fascista por realçar a posição do Estado
policial em detrimento do cidadão, propondo modificar e/ou incluir parágrafos ao
art. 329, do Código Penal.

3.12. Medidas para introduzir soluções negociadas no Código de Processo


Penal e na Lei de Improbidade

A pretensão é de alargar o plea bargain no Brasil, para que a solução negociada


se dê sem peias. A empolgação com a tentativa de fazer prevalecer o acordo sobre o

23
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

legislado8 levou o proponente a sugerir mudanças também em lei de natureza civil,


a de improbidade administrativa (Lei nº 8.429/1992), denunciando sofrível técnica
legislativa e pressa.
Entendemos inconstitucional a ampliação da barganha porque é refratária à
efetividade das garantias. Trata-se de limitação pactuada de direitos, sem exame
acurado de provas. A Constituição apenas previu, em seu art. 98, transação penal
para crimes de menor potencial ofensivo9.
A Lei nº 12.850/2013 e outras leis contém previsão de colaboração premiada.
Sem embargo, agora se quer autorizativo amplo, para que o Ministério Público ne-
gocie a aplicação imediata de penas. Isso corrói o sistema constitucional de direitos
fundamentais, fere a Constituição.
Na prática, teremos maior encarceramento, para além da superlotação dos pre-
sídios.
Para ilustrar a apreensão dos estudiosos no tema, trazemos à baila a palavra de
Aury Lopes Jr, para quem “a ampliação dos espaços de consenso é uma tendência
inexorável e necessária, diante do entulhamento da Justiça criminal em todas as suas
dimensões”. No entanto – prossegue o jurista – “é preciso compreender que nosso
sistema jurídico (civil law) impõe limites que não permitem a importação de uma
negociação tão ampla e ilimitada no que se refere à quantidade de pena – como a
proposta pelo projeto ‘anticrime’ do governo federal – que se assemelha ao plea bar-
gaining norte-americano (common law)”. Deveras, “uma negociação dessa magnitude
representa o fim do processo penal, na medida em que legitima em larguíssima escala
a ‘aplicação de pena privativa de liberdade sem processo’”. Daí a pergunta central que
formula o processualista: “qual o espaço de negociação que nosso sistema admite e
tolera, sem gravíssimo prejuízo para a qualidade da administração da Justiça?”10.

8. JARDIM, Afrânio Silva; AMORIM, Pierre Souto Maior Coutinho de. Direito processual penal: estudos, parece-
res e crônicas. 15. ed. Salvador: Juspodivm, 2018. p.576 e seg.
9. Seguimos o magistério de Geraldo Prado, conforme tese de seu doutoramento (PRADO, Geraldo. Transação
penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. p.25-27).
10. Ainda, no mesmo estudo, Aury Lopes Jr adverte que, “nos Estados Unidos, acordos assim superam 90% dos
meios de resolução de casos penais, chegando a 97% nos casos federais e até 99% em Detroit. Significa dizer
que 9 de cada 10 casos criminais são resolvidos com a aplicação de uma pena sem nenhum processo, sem
contraditório e sem produção de provas”. Aliás, é de ver que “o plea bargaining viola desde logo o pressupos-
to fundamental da jurisdição, pois a violência repressiva da pena não passa mais pelo controle jurisdicional
efetivo e tampouco se submete aos limites da legalidade, senão que está nas mãos do Ministério Público e
submetida à sua discricionariedade. Isso significa uma inequívoca incursão do Ministério Público em uma
área que deveria ser dominada pelo tribunal, que erroneamente limita-se a homologar o resultado do acor-
do entre o acusado e o promotor. Não sem razão, afirma-se que o promotor é o juiz às portas do tribunal. É
verdade que o projeto tenta dar maior protagonismo para o juiz, inclusive permitindo que não homologue
o acordo quando ‘as provas existentes no processo forem insuficientes para uma condenação criminal’. Mas
isso é simbólico e meramente sedante, pois não resolve o problema e serve como mero paliativo a uma
(apenas uma) das críticas ao modelo de ampla negociação que pretende implantar” (LOPES JR, Aury. Adoção
do ‘plea bargain’ no projeto anticrime: remédio ou veneno. Conjur: limite penal, 22 fev. 2019. Disponível em:

24
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Marcelo Semer, a propósito, indaga, de forma desconcertante: “não dá para di-


zer exatamente que a plea bargain foi um sucesso nos Estados Unidos, não é mes-
mo?” Isso porque eles alcançaram “um patamar de 2,5 milhão de presos, maior cár-
cere do mundo em termos absolutos e proporcionais, com 800 presos por 100.000
habitantes”. Os Estados Unidos têm “ótimos exemplos em muitas áreas”. No entanto,
no sistema penal, eles não são exemplo e isso “é internacionalmente reconhecido e
nacionalmente também”11.
Com as medidas para introdução de soluções consensuais no processo penal,
visa-se inserir, suprimir e/ou modificar enunciados: (a) do Código de Processo Pe-
nal, arts. 28-A, 395-A; e (b) Lei de Improbidade Administrativa, art. 17.
3.13. Medidas para alteração de procedimento para facilitar o julgamento de cri-
mes com autoridades com foro
A ideia de “facilitar o julgamento” não deve implicar suplantação de regras im-
portantes para a proteção de direitos fundamentais, para a produção de prova lícita
e para sustentação dos pilares do Estado Democrático de Direito. Em outras pa-
lavras, defendemos que a punição não pode se legitimar ao alvedrio da estrutura
constitucional.
O art. 84-A, do Código de Processo Penal, é o dispositivo cuja inserção é sugerida.

3.13. Medida para melhor criminalizar o uso de caixa dois em eleições (em
separado – Projeto de Lei – II: crime de caixa dois)
A estratégia de estabelecer previsão legal considerando fatos passados que não
eram regulamentados parece ser uma constante no anteprojeto. Caixa dois é cri-
me? Haverá “melhor criminalização” do uso de caixa dois em eleições? Ou não era
criminalizado?
A alteração indicada visa inserir o art. 350-A e parágrafos, ao Código Eleitoral.

3.14. Medidas para alterar o regime de interrogatório por videoconferência

O direito do imputado ser ouvido na presença do juiz é inerente ao ideal de hu-


manização do processo penal. O interrogatório por videoconferência foi instituído
com fundamento em situações de excepcionalidade. Quando do seu advento, apre-
sentamos sérias objeções ao seu uso. A substituição do momento de diálogo que

<https://www.conjur.com.br/2019-fev-22/limite-penal-adocao-plea-bargaining-projeto-anticrimereme-
dio-ou-veneno>. Acesso em: 05 mar. 2019).
11. SEMER, Marcelo. Lei anticrime de Moro é um dos documentos mais simplórios que já tive acesso. Vice, 04
fev. 2019. Disponível em: <https://www.vice.com/pt_br/article/wjmnmw/lei-anticrime-de-moro-e-um-
-dos-documentos-mais-simplorios-que-ja-tive-acesso>. Acesso em: 06 mar. 2019.

25
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

deve ter o juiz com o acusado por sistema televisivo é refratária ao cuidado com os
direitos humanos que se deve ter.
Não demorou para que diversos órgãos do Estado transformassem o que era
exceção em regra: o interrogatório passou a ser realizado por videoconferência, sob
argumentos como carência de agentes penitenciários para realizar a condução ao
fórum, falta de recursos financeiros diante dos custos com o deslocamento, dentre
outras razões de natureza econômica, na linha pragmática que coloca o indivíduo
com ser desprezível relativamente ao Estado.
Na prática, a medida finda por encarcerar mais facilmente os presos. As pala-
vras justificadoras são “estatística”, “maior número de audiências” e “celeridade”.
Em segundo plano restará o direito do réu de ser ouvido, paciente e cuidadosamen-
te, pelo juiz, em ambiente que não lhe seja hostil ou dificultoso, ou seja, com todas
as chances para que possa exercer direito de defesa ampla.
Se o Estado não tem condições econômicas para honrar com os custos de um
ser humano preso, com todos os direitos que compõem sua dignidade, a persecução
penal e a prisão se convolam em prática autoritária e arbitrária. O motivo econô-
mico alegado não poderia transformar o ser humano em instrumento, eis que, na
concepção kantiana, deve ser considerado fim em si mesmo.
A título exemplificativo, vale citar o caso do Estado de Alagoas, noticiado na pá-
gina do Tribunal de Justiça. Segundo consignado, a videoconferência “está disponí-
vel em todas as varas criminais do Estado e permite que sejam realizadas audiências
com réus e testemunhas sem que essas pessoas precisem se deslocar ao fórum”. Em
tom de comemoração, prossegue explicando que “no Judiciário alagoano, 6.322 au-
diências por videoconferência já foram realizadas desde a implantação do sistema
e aproximadamente 500 audiências estão agendadas para as próximas semanas”.
Nesse passo, teria havido “aumento no número de audiências realizadas, uma vez
que não há necessidade do transporte do preso para o fórum e isso tem viabilizado
e tem empreendido uma maior celeridade na instrução processual”. Aliás, “além da
celeridade, a videoconferência também proporciona economia”, isso porque “acele-
ra muito o tempo do processo e poupa uma série de recursos humanos e econômi-
cos do nosso Estado. Também podemos fazer isso para oitiva de testemunhas, o que
pode significar uma melhora muito grande da qualidade da prova obtida”12.
Acompanhando a onda da economia, esse discurso foi adotado também pela
Justiça Federal no mesmo Estado, sob a alegação de que “o sistema é positivo porque
traz mais segurança processual e permite a economia de recursos”, arrematando

12. BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas. Videoconferência dá mais segurança e agilidade a proces-
sos criminais. Disponível em: <http://www.tjal.jus.br/comunicacao2.php?pag=verNoticia&not=13660>.
Acesso em: 15 fev. 2019.

26
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

que, “com a videoconferência não há necessidade de deslocar uma escolta para


acompanhar o preso e não há preocupação com a logística de transporte deles”13.
Como se depreende, os princípios constitucionais, nessa toada, seria mero de-
talhe irrelevante. A dignidade não importa: nem a humana, nem a do Estado em
cumprir seu dever de tutelar direitos.
A sugestão é de modificação da sistemática do art. 185, do Código de Processo
Penal, com inclusão de parágrafos e incisos.

3.15. Medidas para dificultar a soltura de criminosos habituais

Estarrecedor o título “medidas para dificultar a soltura de criminosos habituais”.


Dificultar a soltura com qual argumento racional? O que menos interessa aos
fins do anteprojeto é a racionalidade.
Criminosos habituais? Que isso significa? Homem mau? Qual o sentido impreg-
nado no conceito de “criminoso”? Devemos usar essa palavra em texto legal estatal
ou ela abre espaço a violações a direitos do ser humano?
Quem redigiu o projeto, certamente, não se preocupou em examinar o extenso
repertório de estudos científicos que ajudam a compreender essas questões.
Objetiva-se, com essas medidas, modificar o art. 310, do CPP, com desdobra-
mento de parágrafo.

3.16. Medidas para alterar o regime jurídico dos presídios federais

Se pode ser necessária melhor delimitação de competências e atribuições dos


juízes, autoridades policiais e diretores de estabelecimentos penitenciários, certo é
que não da maneira como proposta no anteprojeto “anticrime”.
De outro lado, não é constitucional o recrudescimento da forma de cumprimen-
to de pena, para desumanizar ainda mais as condições da execução penal, ofen-
dendo o acusado não apenas quando a penitenciária não dispõe de um ambiente
salubre, mas também quando lhe afeta o equilíbrio mental.

13. BRASIL. Justiça Federal em Alagoas. Justiça Federal assina convênio com TJ para utilização de sistema de
videoconferência com réus presos. Disponível em: <http://www.jfal.jus.br/noticias/4030>. Acesso em: 15
fev. 2019.

27
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Em outras palavras, isolar o apenado, suprimir suas potencialidades, vedar ain-


da que parcialmente seu contato com familiares ou com advogados são medidas
cruéis, proibidas pela Constituição.
A modificação sugere recair sobre a Lei nº 11.671/2008, modificando e/ou in-
cluindo os arts. 2º, 3º, 10, 11-A e 11-B.

3.17. Medidas para aprimorar a investigação de crimes

É provocativo o tópico que diz tratar de “medidas para aprimorar a investigação


de crimes”, mas que inicia com enunciado que se aplica a pessoas já condenadas,
depois que todo tipo de investigação e de instrução já se encerrou. A coleta de mate-
rial genético da pessoa condenada, para fins de formação de um perfil genético em
base de dados, é matéria de intensa controvérsia. Está, inclusive, sob debate no STF.
Sem considerar o seu uso futuro já é, ainda assim, fonte de intensas divergências.
Se tivermos de levar em conta a tentativa de uso do perfil genético para investi-
gações de delitos futuros, haverá maior acirramento de entendimentos divergentes.
O § 2º, do art. 9º-A, da Lei de Execução Penal, prevê, em dispositivo de duvidosa
constitucionalidade inserido pela Lei nº 12.654/2012, que “a autoridade policial,
federal ou estadual, poderá requerer ao juiz competente, no caso de inquérito ins-
taurado, o acesso ao banco de dados de identificação de perfil genético”. Pensamos
não ser possível premunir o Estado com elementos para facilitações de investiga-
ções de eventuais infrações penais vindouras atribuídas ao mesmo réu. Garantias
decorrentes do princípio da autodeterminação informativa estariam fadadas à ine-
fetividade.
De compasso com Geraldo Prado, “o chamado direito à autodeterminação in-
formativa, compreendido como direito de o sujeito sobre o qual são armazenadas
informações conhecer previamente os limites de emprego futuro dessas mesmas
informações, está previamente prejudicado”. Esse problema pode ser agigantado
caso não seja respeitado os subcritérios constitutivos do princípio da proporciona-
lidade e que devem orientar o deferimento da medida14.
No entanto, a voracidade da vontade de punir é um buraco sem fundo que busca
devastar todos os limites.
A sugestão tem o fito de propor alteração, supressão e/ou inclusão que repercu-
te: (a) na Lei de Execução Penal, art. 9º-A; (b) na Lei nº 12.037/2009 (identificação

14. PRADO, Geraldo. Sistema acusatório: a conformidade constitucional das leis processuais penais. 4. ed. Rio
de Janeiro: Lumen Juris, 2006. p.268-269.

28
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

criminal), art. 7º-A; (c) na Lei nº 9.296/1996 (interceptação telefônica), art. 9º-A;
(d) na Lei de Drogas, art. 33; (e) na Lei nº 9.613/1998 (lavagem de valores), art.
1º; (f) no Estatuto do Desarmamento, arts. 17, 18 e 34-A; (g) Lei nº 12.037/2009
(identificação criminal), art. 7º-C; e (h) na Lei nº 12.850/2013 (controle do crime
organizado), arts. 3º, 3º-A, 21-A e 21-B.

3.18. Introdução do “informante do bem” ou do whistleblower

O “informante” referido é, deveras, “do bem”? É profissionalização do denuncia-


dor anônimo? Informa “o bem” ou “o mal”?
Não é verdade que se está introduzindo essa nefasta figura no sistema brasilei-
ro. Ele já existe, talvez em menor dimensão.
É também conhecido como “reportante”.
De forma vulgar, poderia ser chamado de “dedo duro”, diferente do delator ou
colaborador. O delator é também imputado. O whistleblower – literalmente “sopra-
dor de apito”, figura norte-americana, é um terceiro, sem relação com o fato objeto
da notícia que leva à autoridade.
O propósito de receber valores em troca da informação prestada torna o insti-
tuto ética e filosoficamente criticável.
A Lei nº 13.608/2018 foi além da tradicional notícia do fato meramente apó-
crifa, ao prever a possibilidade de, por meio telefônico, qualquer pessoa reportar
anonimamente um fato delituoso, preconizando a possibilidade de recebimento de
dinheiro em troca da informação prestada, em compasso com a sua eficácia. A novi-
dade tem inspiração estrangeira e, a nosso ver, é refratária à compatibilização com
o sistema de garantias fundamentais. Essa legislação finda por fomentar o denun-
cismo, com a agravante de estabelecer um “preço” de troca.
Trata-se de modificação legislativa que recaiu sobre o art. 4°, da Lei n°
10.201/2001, que disciplina o Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP, do Mi-
nistério da Justiça), com a inserção de dois incisos que preveem a possibilidade de
notícia-crime apócrifa, garantindo o sigilo para o usuário. Entendemos que o seu
valor como prova deve ser bastante reduzido, diante da informação comportar um
“preço”, por consistir em notitia criminis inqualificada e porque o anonimato é ve-
dado pela Constituição.
As modificações sugeridas são direcionadas à legislação que passou a prever
esse polêmico instituto, para inclusão dos arts. 4º-A, 4º-B e 4º-C, no texto da Lei nº
13.608/2018.

29
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

3.19. Medidas para alteração da competência para facilitar o julgamento de


crimes com autoridades com foro (em separado – Projeto de Lei – III: compe-
tência da Justiça comum e da Justiça Eleitoral)

As mudanças visam assegurar a vontade do subscritor do anteprojeto. Como


veremos, o objetivo é de garantir que a competência (atribuição) universal da enti-
dade “operação lava jato” não seja objeto de desmembramento.
Cabe sublinhar que é perceptível que o fito da proposta alteradora é o de imuni-
zar eventuais ilicitudes que tenham decorrido da incompetência do juízo curitiba-
no, porquanto o argumento de ser o delito de corrupção conexo ao crime eleitoral é
mais um daqueles que evidenciam a ausência de competência do juízo da 13ª Vara
Federal do Paraná para a condução da maioria dos casos sob sua jurisdição.
A repetição da locução “para facilitar o julgamento” é extremamente lamentá-
vel. Entendemos que o julgamento criminal é sempre difícil, por estar em jogo a
liberdade, o patrimônio, a vida de um ser humano. Facilidades que desprezem ga-
rantias fundamentais são justificativas torpes, sob essa ótica.
Este tópico contém medidas que intentam modificar e/ou inserir caput e/ou
parágrafos: (a) ao Código de Processo Penal, repercutindo no art. 79; e (b) ao Códi-
go Eleitoral, por meio de Lei Complementar, recaindo sobre os arts. 35 e 364.

30
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

4. MUDANÇAS NO CÓDIGO PENAL

Art. 2º O Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, passa a


vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 23. (...)


§ 1º O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, respon-
derá pelo excesso doloso ou culposo.
§ 2º O juiz poderá reduzir a pena até a metade ou deixar de
aplicá-la se o excesso decorrer de escusável medo, surpresa ou
violenta emoção.” (NR)

4.1. Ampliação do alcance objetivo da legítima defesa

O § 1º deste dispositivo objeto de proposta de alteração repete a redação do


parágrafo único, do art. 23, do Código Penal. A novidade fica por conta do § 2º que,
a seu turno, aviva permissivo perigoso.
Com efeito, de acordo com ele, o juiz poderá aplicar redução de pena ou perdão
judicial, toda vez que considerar que o excesso decorreu de:
(1) escusável medo: o medo, como regra está sempre presente em situações
extremas, podendo significar licença para a polícia ou agentes de segurança pública
abater pessoas, como denunciado pela crítica doutrinária15. No entanto, quanto ao
ponto, Luís Greco – apesar de também condenar o projeto quanto às disposições
sobre legítima defesa –, anota que, ao contrário do que se poderia cogitar, a aludida
escusa não deve alcançar os agentes de segurança pública por conta de se esperar
que, pelo preparo que se supõe devam ter, tenham capacidade de enfrentar situa-
ções extremas. Sem embargo, o anteprojeto não seria “de todo nocivo”, por ser digna
de discussão “a proposta de introdução de dispositivo sobre o excesso na legítima
defesa, que opera como causa de diminuição de pena ou mesmo fundamento para
um perdão judicial”, previsão constante em “vários ordenamentos em que tradicio-
nalmente nos espelhamos, como o alemão (§ 33 Strafgesetzbuch) ou o português

15. CAMARGO, Gilson. Projeto anticrime: licença para matar. In: Extra classe. Disponível em: <https://www.ex-
traclasse.org.br/exclusivoweb/2019/02/projeto-anticrime-licenca-para-matar/>. Acesso em: 13 fev. 2019.

31
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

(art. 33º)”, que sufragam “esse instituto de forma expressa, e nossa melhor doutrina
propõe o seu reconhecimento no Brasil”16;
(2) surpresa: essa previsão não consta do Código Penal e tem o potencial de
permitir que o agente sempre possa agredir alguém sob essa alegação, com forte
dose de subjetividade;
(3) violenta emoção: a previsão já é superiormente regulada no texto do Código,
com delimitação de sua abrangência de forma proporcional, a exemplo do § 1º, do
art. 121, do Código Penal (homicídio privilegiado).
Pensamos totalmente irresponsável a modificação, evidenciando desconheci-
mento sobre problemas graves de violência urbana, inclusive policial. Na prática,
pode legitimar e exacerbar ainda mais derramamento de sangue.
Alexandre Morais da Rosa, entendendo da maneira aqui exposta, acrescenta
que a hipótese proposta consiste em “ampliação trágica da excludente de ilicitude
da legítima defesa (licença para matar) para incorporar as hipóteses decorrentes
de medo ou surpresa do agente”, eis que o documento anticrime prevê que “a mera
possibilidade sobre os fatos (imaginária, porque não verificável) autoriza alguém a
matar”. Como refere o processualista, também Luís Greco enxerga na proposta uma
nociva “lógica de guerra”17.
De acordo com o consagrado penalista, “uma leitura mais cuidadosa do adendo
revela que ele, na verdade, é supérfluo. Afinal, ele inicia recordando que têm de
ser ‘observados os requisitos do caput’. Se essa formulação for levada a sério, como
o deveriam ser as palavras da lei, só se afirmaria a legítima defesa na presença de
tudo o que está mencionado no caput”. Por outro lado, consoante ainda aduz Luís
Greco, “o mais problemático é que, se de fato se trata de aplicar o direito de guerra,
ter-se-á um regime que trabalha com a dicotomia combatente/civil, e que permi-
te não apenas matar os combatentes com dolo direto independentemente de um
agressão atual” – a exemplo do que seriam os “abates de seres humanos”, recente-
mente comentados na mídia – “como também matar civis, desde que como ‘danos
colaterais’ de ações contra combatentes”. Em outros termos, “a população das fa-
velas poderá ser morta, com o consolo de que isso não ocorrerá de propósito, mas
como dano colateral”18.

16. GRECO, Luís. Análise sobre propostas relativas a legítima defesa no ‘projeto de lei anticrime’: proposta
ou é supérflua, ou nociva. Em qualquer das duas hipóteses, ela não pode prosperar. Jota: penal em foco.
Disponível em: <https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/penal-em-foco/analise-sobre-propos-
tas-relativas-a-legitima-defesa-no-projeto-de-lei-anticrime-07022019>. Acesso em: 05 mar. 2019.
17. ROSA, Alexandre Morais da. O projeto anticrime passaria no teste Kobayashi Maru. Conjur: limite penal,
01 mar. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-mar-01/limite-penal-projeto-anticrime-
-passaria-teste-kobayashi-maru>. Acesso em: 05 mar. 2019.
18. GRECO, Luís. Análise sobre propostas relativas a legítima defesa no ‘projeto de lei anticrime’: proposta
ou é supérflua, ou nociva. Em qualquer das duas hipóteses, ela não pode prosperar. Jota: penal em foco.

32
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 25. (...)


Parágrafo único. Observados os requisitos do caput, considera-
-se em legítima defesa:
I - o agente de segurança pública que, em conflito armado ou
em risco iminente de conflito armado, previne injusta e iminen-
te agressão a direito seu ou de outrem; e
II - o agente de segurança pública que previne agressão ou risco
de agressão a vítima mantida refém durante a prática de crimes.”
(NR)

4.2. Ampliação do alcance subjetivo da legítima defesa

A intenção do proponente do documento “anticrime” é revelada no enunciado


do art. 25. A primeira expressão que chama atenção: que são agentes de segurança
pública? O texto é repetitivo quando alude “o agente policial ou de segurança pú-
blica”. Seria necessário? Evidentemente que não. A previsão retrata uma patologia,
cujo risco está no imaginário do seu criador.
Fernando Oliveira Samuel pondera que, “no caso brasileiro, a pergunta colocada
sobre ser os membros do Judiciário agentes de segurança pública somente pode
ter relevância por conta de circunstâncias específicas do momento histórico, que
dizem respeito ao aumento da criminalidade (fato que é inegável)”. Decerto – com-
plementa o autor – seria muito difícil ver pertinência nesse questionamento “em
uma sociedade com equilíbrio social visível, que as pessoas viventes tenham em
seu benefício a fruição básica dos direitos sociais, como saúde, educação, moradia,
a proteção à infância, previdência social e a própria segurança19.
Quem serão considerados “agentes de segurança pública”, caso seja aprovado o
anteprojeto “anticrime”? Como se não bastasse essa preocupação, outra maior de-
corre das expressões abertas e que retratam a disposição de autorizar que os agen-
tes estatais abatam pessoas em virtude de “risco iminente de conflito armado”?
Sabemos, na história brasileira, onde chegou esse tipo de ideia, incrustada na
narrativa da violência policial em diversos estados.

Disponível em: <https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/penal-em-foco/analise-sobre-propos-


tas-relativas-a-legitima-defesa-no-projeto-de-lei-anticrime-07022019>. Acesso em: 05 mar. 2019.
19. SAMUEL, Fernando Oliveira. O problema carcerário brasileiro e o judiciário: juízes/as são agentes de segu-
rança pública? Reflexões sobre incoerência e alteridade. Brasília: IDP/EDB, 2017. 210f. Dissertação (Mes-
trado). Instituto Brasiliense de Direito Público. p.60.

33
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Pensamos – reitere-se – que o texto do Código Penal já é suficiente e tem téc-


nica redacional superior e melhor se coaduna com o valor da dignidade da pessoa
humana.

“Art. 33. (...)


§ 5º Na hipótese de reincidência ou se houver elementos pro-
batórios que indiquem conduta criminal habitual, reiterada ou
profissional, o regime inicial da pena será o fechado, exceto se
insignificantes as infrações penais pretéritas ou de reduzido po-
tencial ofensivo.
§ 6º Na hipótese de condenação pelos crimes previstos nos art.
312, caput e § 1º, art. 317, caput e § 1º, e art. 333, caput e pará-
grafo único, o regime inicial da pena será o fechado, exceto se
de pequeno valor a coisa apropriada ou a vantagem indevida
ou se as circunstâncias previstas no caput do art. 59 forem todas
favoráveis.
§ 7º Na hipótese de condenação pelo crime previsto no art. 157,
na forma do § 2º-A e do inciso I do § 3º, o regime inicial da pena
será o fechado, exceto se as circunstâncias previstas no art. 59
forem todas favoráveis.” (NR)

4.3. Conduta criminal habitual, reiterada ou profissional e insignificância de


infração pretérita

As previsões dos parágrafos, que o Ministro da Justiça deseja acrescer, supri-


mem a eficácia do princípio da individualização da pena. O § 5º incorre em abertura
para discricionariedade do juiz quando permite não impor regime inicial fechado
quando “insignificantes as infrações penais pretéritas ou de reduzido potencial
ofensivo”.
Note-se que o Código Penal não usa tais expressões. É preocupante a recorrên-
cia do anteprojeto ao conceito de “criminoso habitual”. Quem conhece a história
desse termo, com consciência da realidade e considera que os momentos de horror
que a humanidade passou devem ser evitados, não aceita que seja ele introduzido
na legislação.
Precisamos do socorro de Eugenio Raul Zaffaroni e dos seus conhecimentos de
criminologia, ao lado de tantos outros estudiosos.

34
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Com efeito, Zaffaroni explica, especialmente no contexto do positivismo crimi-


nológico, que “as expressões mais grosseiras” da “teorização da periculosidade e da
pretensão ôntica do inimigo pertencem a Rafael Garofalo, para quem a ciência penal
teria por objeto a defesa contra os ‘inimigos naturais da sociedade’ e a indulgência
dos magistrados não seria mais que ‘o triunfo da lógica conseguido às expensas
da segurança e da moralidade sociais’”. Mas os inimigos não eram apenas os “cri-
minosos graves”, mas igualmente “os indesejáveis (pequenos ladrões, prostitutas,
homossexuais, bêbados, vagabundos, jogadores etc.), caracterizados desde muito
antes como classes perigosas e depois batizadas momo má vida e tratadas na lite-
ratura com pretensões de trabalho de campo”. Sem embargo, é com Franz von Liszt
que Zaffaroni elucida que foi declarada “guerra à delinquência e à má vida”, contra
os casos de pessoas com hábitos considerados “enfermidade social” e que, segundo
pontifica, “indica a validade da afirmação de que as ideias de habitualidade criminal
de Franz von Liszt, talvez o mais normativista e elaborado dos positivistas, concre-
tizaram-se com a lei nazista de 1933 sobre delinquência habitual”20.
Sobre a aplicação do princípio da insignificância, os tribunais não adotam cri-
térios uniformes para fins absolutórios ou de arquivamento de investigação pre-
liminar. Precisamos também saber o que se quis dizer com a oração “de reduzido
potencial ofensivo”, inexistente no nosso ordenamento com essa dicção.
A redação proposta – como as anteriores – alarga o campo da dúvida, não aten-
dendo os objetivos que deve ter a legislação, especialmente o de previsibilidade e
diminuição do arbítrio judicial.
A confiança no regime fechado para solução dos “males” do delito é um grande
equívoco, além de desrespeitar princípios humanos nucleares, sufragados constitu-
cionalmente e reconhecidos pelos tribunais superiores do País.

20. ZAFFARONI, Eugenio Raul. O inimigo no direito penal. Tradução: Sérgio Lamarão. 3. ed. Rio de Janeiro: Re-
van, 2017. p.93-95.

35
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 50. A multa deverá ser paga no prazo de dez dias depois
de iniciada a execução provisória ou definitiva da sentença
condenatória e, a requerimento do condenado e conforme as
circunstâncias, o juiz da execução penal poderá permitir que o
pagamento se realize em parcelas mensais.
(...)” (NR)

4.4. Execução provisória ou definitiva da pena de multa

O dispositivo que se deseja alterar exige trânsito em julgado da sentença penal


condenatória. A mudança proposta quer permitir que a multa seja cobrada sem
sentença definitiva. O art. 50, do Código Penal, reza que “a multa deve ser paga den-
tro de 10 (dez) dias depois de transitada em julgado a sentença. A requerimento do
condenado e conforme as circunstâncias, o juiz pode permitir que o pagamento se
realize em parcelas mensais”.
Pelas mesmas razões, consideramos a proposta inconstitucional por violar pre-
sunção de inocência, ao alijar a necessidade de que o caso passe em julgado. Aliás, o
texto proposto conflita com decisões dos tribunais superiores que, malgrado a exis-
tência de julgados admitindo execução provisória da pena privativa de liberdade,
não admitem, de regra, execução das restritivas de direito, inclusive multa.
Deveras, a Quinta Turma, do STJ, avivou expressamente que, “no caso das penas
restritivas de direitos, este Tribunal manteve o entendimento de que não cabe exe-
cução provisória antes do trânsito em julgado da condenação, nos termos do art.
147 da Lei de Execução Penal”. Enfatizou ainda que a Quinta Turma seguiu “a mes-
ma orientação no julgamento do AgRg no REsp 1.618.434/MG e do AREsp 971.249/
SP”21. O próprio STJ, entretanto, já edificou precedente em sentido diametralmente
oposto, inaugurado, mais uma vez, a absoluta incerteza em torno do tema.

21. Afirmou-se nesse julgado que “a condenação ainda não transitou em julgado, o que impede o início da
execução das penas substitutivas”, pelo que foi concedida a “ordem concedida de ofício para suspender a
execução das penas restritivas de direitos, até o trânsito em julgado da condenação” (STJ – Quinta Turma –
HC 468.066/SC – Rel. Min. Felix Fischer – julgado em 18/10/2018 – DJe 23/10/2018).

36
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 51. A multa será executada perante o juiz da execução


penal e será considerada dívida de valor, aplicáveis as normas
relativas à dívida ativa da Fazenda Pública, inclusive no que con-
cerne às causas interruptivas e suspensivas da prescrição.” (NR)

4.5. Competência para execução da pena de multa


No mesmo sentido do enunciado anterior, o art. 51, do anteprojeto, pretende
dispensar o trânsito em julgado para que haja a execução da multa, exigido pela
disposição correlata do Código Penal22, o que é de todo inconveniente e inconstitu-
cional, conforme os motivos que já expusemos. Em acréscimo, estabelece a compe-
tência da Vara de Execução Penal, consonante recente entendimento do STF.

“Art. 59. (...)


Parágrafo único. O juiz poderá, com observância aos critérios
previstos neste artigo, fixar período mínimo de cumprimento
da pena no regime inicial fechado ou semiaberto antes da pos-
sibilidade de progressão.” (NR)

4.6. Discricionariedade na fixação de período mínimo de pena no regime fe-


chado
O parágrafo sugestionado segue a mesma linha de aumentar o poder de discri-
cionariedade judicial, sem que sejam seguidos parâmetros objetivos. A remissão às
circunstâncias judiciais, usadas para fixar a pena base, evidencia que o proponente
não tem compromisso com o que foi construído pela ciência e pela crítica ao longo
dos anos.
Aquelas circunstâncias já permitem, em demasia, liberdade para o juiz graduar
a pena base. Elas representam discurso oficial que muito se aproxima do “direito
penal do autor”, admitindo julgamento pelo que a pessoa é ou foi, quando o imputa-
do deveria ser julgado pelo que fez (direito penal do fato).

22. Código Penal: “Art. 51 - Transitada em julgado a sentença condenatória, a multa será considerada dívida de
valor, aplicando-se-lhes as normas da legislação relativa à dívida ativa da Fazenda Pública, inclusive no que
concerne às causas interruptivas e suspensivas da prescrição”.

37
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

A proposta, então, significa autorizativo para infligir mais dor ao imputado, sem
justificativa proporcional e humana, sendo, portanto, inconstitucional.

“Art. 91-A. Na hipótese de condenação por infrações às quais a


lei comine pena máxima superior a seis anos de reclusão, pode-
rá ser decretada a perda, como produto ou proveito do crime,
dos bens correspondentes à diferença entre o valor do patri-
mônio do condenado e aquele que seja compatível com o seu
rendimento lícito.
§ 1º A decretação da perda prevista no caput fica condicionada
à existência de elementos probatórios que indiquem conduta
criminosa habitual, reiterada ou profissional do condenado ou
sua vinculação à organização criminosa.
§ 2º Para efeito da perda prevista no caput, entende-se por pa-
trimônio do condenado todos os bens:
I - de sua titularidade, ou em relação aos quais ele tenha o domí-
nio e o benefício direto ou indireto, na data da infração penal ou
recebidos posteriormente; e
II - transferidos a terceiros a título gratuito ou mediante contra-
prestação irrisória, a partir do início da atividade criminal.
§ 3º O condenado poderá demonstrar a inexistência da incom-
patibilidade ou a procedência lícita do patrimônio.” (NR)

4.7. A estimativa como critério para perda de bens

O inventor do projeto tem uma forma marcante de sustentar teses: a presunção


sem base empírica, sem demonstração. Isso se evidencia na descrição do caput, do
ora comentado art. 91-A, do Código Penal: “no caso de condenação por infrações
as quais a lei comine pena máxima superior a seis anos de reclusão, poderá ser
decretada a perda, como produto ou proveito do crime, dos bens correspondentes
à diferença entre o valor do patrimônio do condenado e aquele que seja compatível
com o seu rendimento lícito”.
Observe-se que, em outras palavras, o dispositivo tem o propósito de determinar
perda de bens com base em critérios práticos. Praticidade esta que dispensa que o Mi-
nistério Público prove o percurso dos bens, o seu trânsito, a sua origem. Inversão da
prova em direito criminal vedada por ofender importantes princípios. Tal inversão,
ademais, está estampada no § 3º, que averba que “o condenado terá a oportunidade
de demonstrar a inexistência da incompatibilidade ou a procedência lícita do patri-
mônio”.

38
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Os pressupostos para a decretação da perda aludida são limites parcos, insufi-


cientes e fictícios. Chama-se a atenção para o § 2º, inciso I, que preconiza que, “para
efeito do perdimento previsto neste artigo, entende-se por patrimônio do condena-
do todos os bens que estejam na sua titularidade, ou em relação aos quais ele tenha
o domínio e o benefício direto ou indireto, na data da infração penal ou recebidos
posteriormente”.
Frise-se a dúvida que recairá em saber o que se pretendeu dizer com os bens “que
estejam na sua titularidade, ou em relação aos quais ele tenha o domínio e o benefício
direto ou indireto, na data da infração penal ou recebido posteriormente”. Com dispo-
sitivo dessa natureza poderá estar sendo construída uma “desordem” jurídica.

“Art. 116. (...)


II - enquanto o agente cumpre pena no exterior; e
III - na pendência de embargos de declaração ou de recursos
aos Tribunais Superiores, estes quando inadmissíveis.
(...)” (NR)

4.8. Suspensão da prescrição pela pendência de julgamento de recursos


inadmissíveis

Entendemos desproporcional e carente de justificativa lógica a proposta con-


signada no inciso III, eis que o inciso II já faz parte do Código Penal.
Qual o argumento racional para impedir o curso da prescrição naquele caso?
No caso do inciso III, o imputado estaria exercendo o sagrado direito de defesa.
Pior, nessa segunda hipótese, subordinar a incidência da absurda causa à inadmis-
sibilidade dos embargos. Isso quer dizer que se o tribunal inadmite o recurso, foi
feito um julgamento correto apto a considerar suspensa a prescrição?

“Art. 117. (...)


IV - pela publicação da sentença e do acordão recorríveis;
V - pelo início ou continuação da execução provisória ou defini-
tiva da pena; e
(...)” (NR)

39
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

4.9. Início da execução provisória da pena e interrupção da prescrição

A novidade fica por conta do início ou continuação da execução provisória para


fins interruptivos da prescrição, eis que antes somente se falava em início de cum-
primento da pena que, logicamente, deveria ser de natureza definitiva. Já expuse-
mos as razões da inconstitucionalidade da execução provisória que, igualmente, é
aplicável ao caso em tela.

“Art. 329. (...)


Pena - detenção, de dois meses a dois anos, e multa.
§ 1º Se o ato, em razão da resistência, não se executa:
Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.
§ 2º Se da resistência resulta morte ou risco de morte ao funcio-
nário ou a terceiro:
Pena - reclusão, de seis a trinta anos, e multa.
§ 3º As penas previstas no caput e no § 1º são aplicáveis sem
prejuízo das correspondentes à violência.” (NR)

4.10. Majoração das penas abstratas do crime de resistência

Vamos comparar as penas ora sugeridas que, incrivelmente, chegam a trinta


anos sem que se considere se a morte do funcionário se deu por conduta do sujeito
ativo, dolosa ou culposa. O incremento de pena é desproporcional e ofende a veda-
ção de responsabilidade objetiva.
Dispõe o Código Penal, em seu art. 329, caput, ser crime “opor-se à execução de
ato legal, mediante violência ou ameaça a funcionário competente para executá-lo
ou a quem lhe esteja prestando auxílio: pena - detenção, de dois meses a dois anos”.
O seu § 1º, pontifica que “se o ato, em razão da resistência, não se executa: pena -
reclusão, de um a três anos. E o § 2º que “as penas deste artigo são aplicáveis sem
prejuízo das correspondentes à violência”.
Como se depreende, a redação vigente é superior à do anteprojeto.

40
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

5. MUDANÇAS NO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

Art. 3º O Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal,


passa a vigorar com as seguintes alterações:
“Art. 28-A. O Ministério Público ou o querelante poderá pro-
por acordo de não persecução penal, desde que necessário e
suficiente para a reprovação e prevenção do crime, se não for
hipótese de arquivamento e se o investigado tiver confessado
circunstanciadamente a prática de infração penal, sem violência
ou grave ameaça, e com pena máxima não superior a quatro
anos, mediante o cumprimento das seguintes condições, ajus-
tadas cumulativa ou alternativamente:
I - reparar o dano ou restituir a coisa à vítima, exceto impossibi-
lidade de fazê-lo;
II - renunciar voluntariamente a bens e direitos, indicados pelo
Ministério Público como instrumentos, produto ou proveito do
crime;
III - prestar serviço à comunidade ou a entidades públicas por
período correspondente à pena mínima cominada ao delito di-
minuída de um a dois terços, em local a ser indicado pelo juízo
da execução;
IV - pagar prestação pecuniária, a ser estipulada nos termos
do art. 45 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940
- Código Penal, a entidade pública ou de interesse social, a ser
indicada pelo juízo da execução, que tenha, preferencialmente,
como função proteger bens jurídicos iguais ou semelhantes aos
aparentemente lesados pelo delito; ou
V - cumprir, por prazo determinado, outra condição indicada
pelo Ministério Público, desde que proporcional e compatível
com a infração penal imputada.
§ 1º Para aferição da pena máxima cominada ao delito a que
se refere o caput, serão consideradas as causas de aumento e
diminuição aplicáveis ao caso concreto.
§ 2º O disposto no caput não se aplica nas seguintes hipóteses:
I - se for cabível transação penal de competência dos Juizados
Especiais Criminais, nos termos da lei;
II - se o investigado for reincidente ou se houver elementos pro-
batórios que indiquem conduta criminal habitual, reiterada ou
profissional, exceto se insignificantes as infrações penais preté-
ritas;

41
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

III - ter sido o agente beneficiado nos cinco anos anteriores ao


cometimento da infração, em acordo de não persecução penal,
transação penal ou suspensão condicional do processo; e
IV - os antecedentes, a conduta social, a personalidade do agen-
te e os motivos e as circunstâncias não indicarem ser necessária
e suficiente a adoção da medida.
§ 3º O acordo de não persecução penal será formalizado por es-
crito e será firmado pelo membro do Ministério Público, pelo
investigado e por seu defensor.
§ 4º Para a homologação do acordo de não persecução penal,
será realizada audiência na qual o juiz deverá verificar a sua vo-
luntariedade, por meio da oitiva do investigado na presença do
seu defensor, e sua legalidade.
§ 5º Se o juiz considerar inadequadas ou insuficientes as condi-
ções dispostas no acordo de não persecução penal, devolverá os
autos ao Ministério Público para que seja reformulada a proposta
de acordo, com concordância do investigado e seu defensor.
§ 6º Homologado judicialmente o acordo de não persecução
penal, o juiz devolverá os autos ao Ministério Público para que
inicie sua execução perante o juízo de execução penal.
§ 7º O juiz poderá recusar homologação à proposta que não
atender aos requisitos legais ou quando não for realizada a ade-
quação a que se refere o § 5º.
§ 8º Recusada a homologação, o juiz devolverá os autos ao Mi-
nistério Público para a análise da necessidade de complementa-
ção das investigações ou o oferecimento da denúncia.
§ 9º A vítima será intimada da homologação do acordo de não
persecução penal e de seu descumprimento.
§ 10. Descumpridas quaisquer das condições estipuladas no
acordo de não persecução penal, o Ministério Público deverá
comunicar ao juízo, para fins de sua rescisão e posterior ofereci-
mento de denúncia.
§ 11. O descumprimento do acordo de não persecução penal
pelo investigado também poderá ser utilizado pelo Ministério
Público como justificativa para o eventual não oferecimento de
suspensão condicional do processo.
§ 12. A celebração e o cumprimento do acordo de não persecu-
ção penal não constará de certidão de antecedentes criminais,
exceto para os fins previstos no inciso III do § 2º.
§ 13. Cumprido integralmente o acordo de não persecução pe-
nal, o juízo competente decretará a extinção de punibilidade.
§ 14. Não correrá a prescrição durante a vigência de acordo de
não persecução penal.” (NR)

42
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

5.1. A obrigatoriedade da ação penal e a inconstitucionalidade da generali-


zação da barganha no sistema brasileiro

A previsão, generalizante, é inteiramente inconstitucional, em compasso com o


que avivamos. A introdução desse mecanismo significa grande desastre em nosso sis-
tema. Somos, portanto, filiados a corrente que entende que não deve haver acordo
de não propositura de denúncia entre Ministério Público e acusado23, eis que a ação
penal é imperativa. Sobre o ponto, remetemos o leitor a outros estudos onde tecemos
considerações em torno da Resolução-CNMP 181/2017 e da Lei nº 12.850/201324.
Razões jurídicas, políticas, sociais e humanas recomendam que não seja inserida a
colaboração premiada, com imediata aplicação de pena, nessa amplitude.
Parte das disposições da proposta de plea bargain é reprodução do que já acon-
tece nos juizados especiais criminais em sede de transação penal (art. 76, da Lei nº
9.099/1995) e do que é praticado nas hipóteses de delito que envolva organização
criminosa. O autor do anteprojeto pensa em tornar os órgãos de jurisdição criminal
em grandes juizados, com permeabilidade à aplicação imediata de pena.
Deveras, compreendemos como incompatível com o art. 129, inciso I, da Consti-
tuição do Brasil, tanto a previsão contida no § 4º, do art. 4º, da Lei nº 12.850/2013,
como – com maior razão – a que está agora escrita no anteprojeto. Não há grande no-
vidade no ponto. É mais do mesmo, porém com ampliação de sua aplicabilidade, per-
mitindo maior punição, mais encarceramento. O inciso V, do art. 28-A, permite ampla
discrição, de forma incompatível com a maneira estrita como deve ser decotado, pro-
porcionalmente, o direito de liberdade, ao permitir que seja estipulado o cumprimen-
to “por prazo determinado, outra condição indicada pelo Ministério Público, desde
que proporcional e compatível com a infração penal imputada”. Que “outra condição
indicada pelo Ministério Público” seria? Mais um cheque em branco.
Infelizmente, enxergamos que o pano de fundo do anteprojeto é econômico,
mais uma vez25.

23. AMORIM, Pierre Souto Maior Coutinho do. Observações sobre a Resolução nº 181/2017 do CNMP. Empó-
rio do direito. Disponível em: <http://emporiododireito.com.br/backup/observacoes-sobre-a-resolucao-
-n-181cnmp-por-pierre-souto-maior-coutinho-de-amorim/>. Acesso em: 29 nov. 2017.
24. ARAÚJO, Fábio Roque de; TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Legislação criminal para concur-
sos. 4. ed. Salvador: Juspodivm, 2019. p.1519-1522; TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso
de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodivm, 2019. p.805-809.
25. Na seara do direito norte-americano, artigo traduzido por Aury Lopes Júnior explica que, naquele sistema,
“embora a barganha tenha começado de forma obscura — intermediários, policiais torcendo os braços dos
detentos —, ela se tornou, desde então, um costume judicial. É o pão diário de todos os tribunais penais em
todas as jurisdições do país e praticamente todos a serviço da eficiência/economia” (WALSH, Dylan. Por
que os tribunais dos EUA são tão dependentes do plea bargaining? Limite penal. Tradução: Aury Lopes Jr.
Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-15/limite-penal-tribunais-eua-sao-tao-dependen-
tes-plea-bargain>. Acesso em: 16 fev. 2019). Em poucas palavras, parte-se da ideia de que é caro o sistema

43
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Geraldo Prado é elucidativo ao abordar o tema da transação penal, perfeitamen-


te aplicável à atual tentativa generalizadora. Do que podemos sintetizar do raciocí-
nio do jurista, podemos alinhar as seguintes ilações, adaptando ao contexto da plea
bargain do pacote anticrime: (1) a “privatização” do processo penal é recebida com
euforia por setores do Judiciário e da doutrina, anunciando “suas virtudes, entre
elas a instauração de um espaço de consenso no lugar do antigo território de con-
flito”; (2) são enfatizadas “as vantagens da diminuição das formalidades, como são
chamadas em alguns casos a redução das garantias do devido processo legal”; (3)
a base teórica também ajunta a ênfase “do papel da vítima e no garantismo penal”;
(4) os setores favoráveis à barganha não revelam “suas incongruências e incompa-
tibilidades”; (5) não há, nesse âmbito, “um verdadeiro procedimento jurisdicional”;
(6) majora-se o perigo de reforçar a “institucionalização de um direito penal do au-
tor, de caráter estigmatizante”; (7) existem cláusulas no anteprojeto cuja finalidade
é obrigar o imputado a firmar o acordo; (8) há “incompatibilidade com um sistema
processual que fundamenta a sentença em provas colhidas em contraditório; (9) de
acordo com o “método histórico-crítico”, a descrição fundante da barganha dispos-
ta no anteprojeto exige exame da autonomia da vontade, do consenso e do devido
processo legal, a fim de “identificar afinidades e incompatibilidades culturais” no
contexto brasileiro; (10) no que toca à autonomia de vontade, infere-se que “os des-
níveis socioeconômicos ainda vivos na sociedade brasileira interditam a pretensão
de garantir ao sujeito, principalmente ao sujeito investigado/imputado, condições
de exercer plenamente suas potencialidades”; (11) quanto ao escrutínio do consen-
so, há revelação do “esforço de ‘abafar’ o conflito, que é inerente à vida social, sem
enfrentamento dos interesses antagônicos num espaço economicamente desigual;
(12) já no que se refere ao devido processo legal, a barganha é causa de sua ampu-
tação; e (13) relega-se o poder a baixo controle26.
O § 1º do anteprojeto anti-infração penal reprisa regra que já é aplicada no di-
reito brasileiro. Nenhuma contribuição ao controle sobre o abuso de poder estatal.
O § 2º, por sua vez, prevê hipóteses de não admissibilidade da proposta de barga-
nha. Adjetivar as hipóteses ali descritas como eticamente reprováveis não deixa de
soar contraditório, mormente sob o ponto de vista de que entendemos que o acu-
sado não deve aceitar tal forma de chantagem, porque espezinha seus direitos fun-
damentais. De todo modo, se estivéssemos de acordo com a sugestão de ampliação
de plea bargain, ainda assim identificaríamos sinais de crueldade com os direitos

tradicional e que não se pode priorizar recursos para proporcionar garantias fundamentais a todos. Solu-
ção: suprimir direitos fundamentais. Tudo o que não concordamos.
26. PRADO, Geraldo. 2. ed. Transação penal. Rio de janeiro: Lumen Juris, 2006. p.222-225.

44
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

fundamentais do imputado, na trilha de um recrudescimento cuja (ir)racionalidade


é o sofrimento.
Outrossim, certos dispositivos dizem o óbvio se comparado com a assinatura de
um contrato, tal como preconiza o § 3º, ao exigir que todos assinem, avivando que
“o acordo será formalizado por escrito e será firmado pelo membro do Ministério
Público, pelo investigado e seu defensor”.
O § 4º repete o que já consta da Lei nº 12.850/2013, em seu § 7º, do art. 4º, com
discretas diferenças, ao asseverar que, “para homologação do acordo, será realizada
audiência na qual o juiz deverá verificar a sua legalidade e voluntariedade, deven-
do, para este fim, ouvir o investigado na presença do seu defensor”. Note-se que se
deseja que a confissão suplante a instrução criminal, tornando-a uma espécie de
“rainha das provas”, em retorno surpreendente ao que acontecia no medievo.
Equívoco grave é o juiz tomar a frente para exercer funções de órgão ministe-
rial. Também o inverso não deve ocorrer. O juiz não deve orientar como a acusação
deve fazer. Porém, essa conduta do Judiciário que visa preservar a estrutura acusa-
tória é olvidada. No § 5º, o anteprojeto aduz que “se o juiz considerar inadequadas
ou insuficientes as condições celebradas, devolverá os autos ao Ministério Público
para reformular a proposta de acordo de não persecução, com concordância do in-
vestigado e seu defensor”. Em casos como este, o juiz deve simplesmente indeferir
o pedido do Ministério Público e não devolver os autos “para reformular a propos-
ta de acordo de não persecução”, ainda que com a “concordância do investigado e
seu defensor”. Essa previsão, inclusive, conflita com a do § 7º e incrementa poderes
discricionários do julgador, ao afirmar que “o juiz poderá recusar homologação à
proposta que não atender aos requisitos legais ou quando não for realizada a ade-
quação, prevista no § 5º”.
E o anteprojeto segue com o plano de tornar o Ministério Público um superpo-
der. No § 6º, do dispositivo aqui criticado, há previsão para que, seguidamente a
homologação judicial, o juiz devolva os autos Parquet para que inicie sua execução
perante o juízo de execução penal. A atuação de ofício do juiz representada no tre-
cho “para que inicie” é complementada pelo protagonismo do Ministério Público
para que dê início à execução, confundido os papeis que, constitucionalmente, cada
órgão deve exercer.
Aliás, o compromisso com o punitivismo é, a todo tempo, reiterado. No § 8º,
nessa linha, está dito que, uma vez “recusada a homologação, o juiz fará remessa
dos autos ao Ministério Público para análise da necessidade de complementação
das investigações ou oferecimento de denúncia”. Essa “sugestão” do enunciado para
que o Ministério Público adote soluções persecutórias, bem como para que o juiz

45
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

colabore com o órgão da acusação, corrói toda estrutura de um sistema que é obse-
quioso à divisão de funções.
O § 9º prevê a comunicação processual da vítima acerca do acordo. Já consta, no
Código de Processo Penal, previsão para comunicação ao ofendido acerca dos atos
processuais que especifica, em tópico próprio. A proposta contribui para a falta de
sistematicidade do CPP. Deveras, é o seu § 2º, do art. 201, que prevê a que “o ofendi-
do será comunicado dos atos processuais relativos ao ingresso e à saída do acusado
da prisão, à designação de data para audiência e à sentença e respectivos acórdãos
que a mantenham ou modifiquem”. Entrementes, a evidente pressa impediu o cria-
dor do documento anticrime de elaborar texto mais organizado.
Quanto a nossa posição sobre a participação da vítima em processo criminal,
anotamos que “passamos a entender que a participação da vítima no processo pe-
nal conflita com as garantias fundamentais do imputado, bem como com a ideia
do processo substituir a vingança privada”. De fato, além de reduzir as chances de
defesa da liberdade, a intromissão da vítima “insere o elemento vindita no proces-
so”. De outro lado, “caso seja a hipótese de permitir a intervenção da vítima no pro-
cesso, como assistente do Ministério Público, sua atuação deve visar tão somente a
obtenção de título executivo para fins indenizatórios”. É que “a permissibilidade de
atuação da vítima no processo penal também amplia indevidamente, além dos limi-
tes subjetivos da demanda, os seus limites objetivos”27. Amilton Bueno de Carvalho,
nessa toada, pontifica que o direito penal não deve ser confundido com o direito
“em geral”, razão pela qual não é recomendável relacionar o processo penal com o
processo civil, por exemplo, para interpretar aquele com as lentes deste último, “a
ponto de inverter, inclusive, toda a teoria do ônus da prova ou o carcinoma teórico
do discurso que ambiciona a ‘proteção dos direitos da vítima’ no âmbito do proces-
so penal”28.
Repetindo solução vincada em enunciado sumular do Supremo Tribunal Fede-
ral, aplicável aos juizados especiais criminais, o § 10, do artigo sob exame, afirma
que se “descumpridas quaisquer das condições estipuladas no acordo, o Ministério
Público deverá comunicar o juízo, para fins de sua rescisão e posterior oferecimen-
to de denúncia”. Algumas objeções, para além de considerarmos a proposta de in-
serção da plea bargain absolutamente inconstitucional: (1) pode haver justificativa
que demonstre porque a condição não tenha sido cumprida; (2) o desatendimento
da condição pode representar algo bem menor que o todo fixado no ajuste; (3) o

27. TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.543.
28. CARVALHO, Amilton Bueno. Direito penal a marteladas: algo sobre Nietzsche e o direito. Rio de Janeiro:
Lumen Juris, 2016. p.20-21.

46
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Ministério Público deve requerer a rescisão, não basta “comunicar”, afinal quem
está sujeito aos atos de comunicação processual são as partes e não o juiz; e (4)
discordamos da política criminal, cristalizada na Súmula Vinculante 35, do STF29,
que permite dupla via de persecução penal, quais sejam, o acordo que, se declarado
ineficaz, permite a propositura de denúncia, por afetar o campo de incidência do
princípio do ne bis in idem.
A criatividade punitivista é, novamente, estampada no § 11. A ideia é conhecida:
criar constrangimentos para que o imputado aceite fazer o acordo de não persecu-
ção penal e compeli-lo a cumprir o pactuado, ainda que isso custe enorme sacrifício,
sem que haja processo criterioso que permita o exame de provas (devido processo
legal). Novamente sem que se observe a legislação que regula o sursis processual
(Lei nº 9.099/1995), indica mais uma limitação a esse “benefício”, agregando, toda-
via, discricionariedade. O arbítrio é o elemento comum que se vê nos dispositivos
do projeto anticrime. Na hipótese, dita que “o descumprimento do acordo de não
persecução pelo investigado também poderá ser utilizado pelo membro do Ministé-
rio Público como justificativa para o eventual não oferecimento de suspensão con-
dicional do processo”.
Mais estímulo para que tudo se resolva punindo antecipadamente se verifica no
§ 12, ao prever que “a celebração e o cumprimento do acordo tratado neste artigo
não constará de certidão de antecedentes criminais, salvo para os fins previstos
no inciso III do § 2º”. Sabemos que, apesar de não se registrar nas certidões, não
raras vezes a informação constrangedora poderá ser encontrada nos sites de busca
disponíveis na rede mundial de computadores. O que seria de bom tom que espe-
rássemos do Estado era, ao menos, boa-fé.
O § 13 estabelece o óbvio, ao dispor que será extinta a punibilidade por decisão
judicial depois de cumprido “integralmente” o acordo.
E a pitada de sal, para temperar a bondade quase legislativa, é complementada
com o desejo de criação de causa suspensiva da prescrição. Novamente, a baixa
técnica legislativa se faz presente. Temos o lugar próprio no sistema para regular
as causas suspensivas e interruptivas da prescrição, disciplinadas nos artigos 116 e
117 do Código Penal. Mesmo assim, para rechear a bagunça de letras reunidas, o §
14, do enunciado aqui estudado, do anteprojeto, arrematou que “não corre a pres-
crição durante a vigência de acordo de não-persecução”.

29. Súmula Vinculante 35 – STF: “A homologação da transação penal prevista no artigo 76 da Lei 9.099/1995
não faz coisa julgada material e, descumpridas suas cláusulas, retoma-se a situação anterior, possibilitan-
do-se ao Ministério Público a continuidade da persecução penal mediante oferecimento de denúncia ou
requisição de inquérito policial”.

47
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 84-A. Se, durante a investigação ou a instrução criminal,


surgirem provas de crimes funcionais cometidos por autorida-
de com prerrogativa de função, o juiz do processo extrairá có-
pia do feito ou das peças pertinentes e as remeterá ao tribunal
competente para apuração da conduta do agente, mantida a
competência do juiz do processo em relação aos demais agen-
tes e fatos.
Parágrafo único. O tribunal competente poderá, para a apura-
ção da conduta do agente com prerrogativa de função, deter-
minar a reunião dos feitos, caso seja imprescindível a unidade
de processo e julgamento.” (NR)

5.2. Encontro fortuito de provas e definição da competência em razão de co-


nexão

O dispositivo inverte a lógica de definição da competência entre os órgãos juris-


dicionais com graus hierárquicos diferentes. A relação de conexão deve ser resolvida
pelo tribunal de maior grau. É garantia contra abusos, notadamente quando do uso
de afastamento de sigilo de comunicações telefônicas em que se dá encontro fortuito
de provas. Pensamos que a solução já foi definida pelos tribunais superiores em caso
concreto bem semelhante à descrição deste dispositivo. Veja-se que não há sentido
lógico em outorgar ao juiz de menor grau a competência para deliberar sobre o des-
membramento de fatos aparentemente conexos na forma do art. 76, do CPP.

“Art. 122. Sem prejuízo do disposto no art. 120, as coisas apreen-


didas serão alienadas nos termos do disposto no art. 133.” (NR)

5.3. Redundância de previsão de alienação antecipada e inconstitucionali-


dade da irreversibilidade

Pensamos desnecessária a modificação alvitrada, além de inconstitucional por-


que determina situação de irreversibilidade patrimonial sem devido processo legal.
A alusão ao art. 120, do CPP, quer satisfazer a sede de dar destino aos bens apre-
endidos, com efeitos patrimoniais antecipados. Isto é, de forma acelerada, quer-se
alienar bens apreendidos, sem demarcação do momento temporal. Malgrado não se
possa ter como modelo de texto, a redação vigente do art. 122, do CPP, exige, para

48
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

tanto, que esteja transitada em julgado a sentença condenatória, o que se coaduna


com a Constituição do Brasil30.

“Art. 124-A. Na hipótese de decretação de perdimento de obras


de arte ou de outros bens de relevante valor cultural ou artísti-
co, se os crimes não tiverem vítima determinada ou se a vítima
for a administração pública direta ou indireta, poderá haver des-
tinação dos bens a museus públicos.” (NR)

5.4. Desnecessidade de casuísmo diante da função reitora da norma jurídica

O dispositivo parece mais dizer respeito a um caso concreto. Não cumpre o pa-
pel de ser uma abstração, um standard, um modelo para aplicação a casos futuros.
Esse poder do juiz já se encontra regulamentado legalmente. Desnecessário o casu-
ísmo, além de se afastar da função reitora da norma jurídica.

“Art. 133. Iniciada a execução provisória ou definitiva da conde-


nação, o juiz, de ofício ou a requerimento do interessado ou do
Ministério Público, determinará a avaliação e a venda dos bens
em leilão público cujo perdimento tenha sido decretado.
§ 1º Do dinheiro apurado, será recolhido aos cofres públicos o
que não couber ao lesado ou a terceiro de boa-fé.
§ 2º O valor apurado deverá ser recolhido ao Fundo Penitenciá-
rio Nacional, exceto se houver previsão diversa em lei especial.
§ 3º Na hipótese de absolvição superveniente, fica assegurado
ao acusado o direito à restituição dos valores acrescidos de cor-
reção monetária.” (NR)

30. Código de Processo Penal: “Art. 122.  Sem prejuízo do disposto nos arts. 120 e 133, decorrido o prazo de 90
dias, após transitar em julgado a sentença condenatória, o juiz decretará, se for caso, a perda, em favor da
União, das coisas apreendidas […] e ordenará que sejam vendidas em leilão público. Parágrafo único.  Do
dinheiro apurado será recolhido ao Tesouro Nacional o que não couber ao lesado ou a terceiro de boa-fé”.

49
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

5.5. Antecipação dos efeitos civis da sentença penal condenatória e irrever-


sibilidade

O anteprojeto deseja permitir aplicação de efeitos civis da sentença penal sem


que haja definitividade da decisão, numa impaciência que finda por ferir a garantia
da coisa julgada e por permitir risco de irreversibilidade do provimento. O puniti-
vismo se revela irracional: admite que antes de exauridos os recursos, com a confir-
mação de juízo de certeza, seja solapada a vida de uma pessoa.
Se verificado posteriormente o recurso, como será sanado esse prejuízo? Não o
será, evidentemente.
Poder-se-ia argumentar que, geralmente, os tribunais não reformam as deci-
sões de grau inferior, assim como menos de 1% (um por cento) dos habeas corpus e
recursos criminais são exitosos.
Esse argumento, todavia, é inválido, por mais de uma razão:
(1) primeiramente, por querer justificar, estatisticamente, a proteção insufi-
ciente do direito fundamental à liberdade e a baixa aplicabilidade da Constituição;
(2) em segundo lugar, por querer que a reconhecida ineficácia desses direitos
force a admissão de que se deve desistir de uma melhor prestação jurisdicional:
como não se consegue examinar bem, sem autoritarismo, pretende-se modificar a
estrutura dos direitos fundamentais, explicando – e se valendo – da própria torpeza
em seu favor.

5.6. Desnecessidade da proposta de alteração, diante da previsão do art.


144-A, do CPP

A pretendida alteração é inteiramente desnecessária.


O art. 144-A, do CPP, já prevê a possibilidade de “alienação antecipada de bens”,
mediante os critérios ali fixados31. São requisitos cuja exigência demanda propor-
cionalidade, por se tratar de providência trágica ao patrimônio do imputado.

31. De acordo com a redação ora vigente do nosso Código de Processo Penal, com texto incluído pela Lei nº
12.694/2012, está disposto, em seu artigo 144-A, que “o juiz determinará a alienação antecipada para
preservação do valor dos bens sempre que estiverem sujeitos a qualquer grau de deterioração ou deprecia-
ção, ou quando houver dificuldade para sua manutenção. § 1o O leilão far-se-á preferencialmente por meio
eletrônico. § 2o Os bens deverão ser vendidos pelo valor fixado na avaliação judicial ou por valor maior. Não
alcançado o valor estipulado pela administração judicial, será realizado novo leilão, em até 10 (dez) dias
contados da realização do primeiro, podendo os bens ser alienados por valor não inferior a 80% (oitenta
por cento) do estipulado na avaliação judicial. § 3o  O produto da alienação ficará depositado em conta
vinculada ao juízo até a decisão final do processo, procedendo-se à sua conversão em renda para a União,

50
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

De compasso com o enunciado desse art. 144-A, do Código, é necessária prova


de que a venda dos bens do imputado – antes do trânsito em julgado – somente
ocorra, diante da presença de uma das seguintes hipóteses:
(1) “para preservação do valor dos bens sempre que estiverem sujeitos a qual-
quer grau de deterioração ou depreciação”; ou,
(2) “quando houver dificuldade para sua manutenção”.
O anteprojeto sugestiona inverter tudo isso: primeiro se considera culpado o
condenado provisório e, somente se revertida a condenação em grau de recurso,
que ele busque ressarcimento. No curso de todo seu texto, o anteprojeto expõe sua
ideologia de colocar o cidadão em patamar demasiadamente inferior ao do Estado,
com alijamento de direitos fundamentais caros, como o da liberdade e o da pro-
priedade. Esse desnível é preocupante e revela uma verdadeira inversão de valores.
Vejamos, analiticamente, o art. 133, do anteprojeto, em cotejo com o teor do art.
133, do CPP.
Pelo enunciado do Código de Processo Penal, redação original de 1941 – época
em que tínhamos um regime fascista com inspiração no Código Rocco italiano (mas
não tanto como o consignado no anteprojeto), uma vez “transitada em julgado a
sentença condenatória, o juiz, de ofício ou a requerimento do interessado, determi-
nará a avaliação e a venda dos bens em leilão público”. Essa exigência é tradicional
em nosso direito e está de acordo com a necessidade de que o imputado seja trata-
do como inocente, até que seja considerado culpado por sentença final, transitada
em julgado.

5.7. Concretização dos efeitos civis da condenação de ofício e inadequação à


sistemática das medidas assecuratórias patrimoniais

Por sua vez, o caput do enunciado proposto, surpreendentemente, aduz que


“iniciada a execução provisória ou definitiva da condenação, o juiz, de ofício ou a

Estado ou Distrito Federal, no caso de condenação, ou, no caso de absolvição, à sua devolução ao acusado.
§ 4o Quando a indisponibilidade recair sobre dinheiro, inclusive moeda estrangeira, títulos, valores mobi-
liários ou cheques emitidos como ordem de pagamento, o juízo determinará a conversão do numerário
apreendido em moeda nacional corrente e o depósito das correspondentes quantias em conta judicial. §
5o No caso da alienação de veículos, embarcações ou aeronaves, o juiz ordenará à autoridade de trânsito ou
ao equivalente órgão de registro e controle a expedição de certificado de registro e licenciamento em favor
do arrematante, ficando este livre do pagamento de multas, encargos e tributos anteriores, sem prejuízo
de execução fiscal em relação ao antigo proprietário. § 6o O valor dos títulos da dívida pública, das ações
das sociedades e dos títulos de crédito negociáveis em bolsa será o da cotação oficial do dia, provada por
certidão ou publicação no órgão oficial.

51
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

requerimento do interessado ou do Ministério Público, determinará a avaliação e a


venda dos bens cujo perdimento foi decretado em leilão público”.
Como se depreende, a baixa técnica redacional, desconhecimento do ordena-
mento jurídico brasileiro, o pouco compromisso com a sistematicidade e o despre-
zo pelos valores maiores consagrados na Constituição são evidenciados, consoante
aqui destacado.
(1) É sem sentido a previsão legal que não limita a atuação jurisdicional, vale
dizer, ao referir, indiferentemente, à “execução provisória ou definitiva da condena-
ção”, sem se referir aos pressupostos para a concretização dos seus efeitos cíveis, o
enunciado desejou ampliar os poderes do juiz, sem peias, sem limites, afastando-se
da ideia de previsibilidade que deve permear um texto legal. Não seria necessário
um artigo de tal natureza. Bastaria dizer: o juiz poderá fazer o que bem entender
com os bens do condenado, cuja execução provisória tenha sido iniciada.
(2) O dispositivo contém comando para o juiz atuar de ofício, sem necessida-
de de provocação do legitimado, nem tem preocupação com a natureza do curioso
“perdimento” que se refere. Vejamos:
(a) o perdimento de bens, salvo disposição – válida – em contrário, é decretado
por sentença, segundo requisitos legais, em favor da União (art. 92, I, do Código
Penal);
(b) o regime que autoriza requerimentos da vítima para fins de reparação civil
em função do delito não tem a ver com tal perdimento e, se os bens apreendidos
pertencerem ao ofendido, ser-lhe-ão devolvidos ou a ele revertidos, cabendo dizer:
é sem sentido declarar o perdimento de bens a favor da vítima;
(c) é importante lembrar que o Código de Processo Penal contém uma série de
artigos que dispõe sobre limites, possibilidades e legitimidade para o ajuizamento
de medidas assecuratórias patrimoniais, como o sequestro, o arresto e a hipoteca
legal. O caput do enunciado do art. 133, do anteprojeto não se encaixa no modelo
disposto na legislação brasileira, descurando de lições elementares;
(d) a atuação do juiz, de ofício, para reaver valores ofende a estrutura do siste-
ma, notadamente quando se imagina que podem estar em jogo direitos disponíveis
(ao se cuidar de bem de particular, por exemplo) ou de direitos inseridos naqueles
conhecidos como de interesse público secundário (cuja atribuição deve ser do ente
público legitimado, segundo a hipótese – Ministério Público ou Procuradoria do
ente público afetado);
(e) é curiosíssimo o trecho da disposição que alude a “venda dos bens cujo per-
dimento foi decretado em leilão”. Como assim? Qual será o procedimento legal para

52
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

que a decretação de perda de bens ocorra em leilão público? Quem decretará será o
juiz ou o leiloeiro? Terá sido observado algum princípio constitucional nesse caso?
Pensamos que a decretação da perda de bens deve ser circunscrita a linhas bem
demarcadas. Não concordamos com um festival de venda de bens, sem que haja
delimitação precisa. Não anuímos como venda de bens cujo fundamento se dá em
uma única frase, sem se evidenciar o percurso do desvio, a origem dos recursos, o
destino dos bens. Isso não deve acontecer na jurisdição criminal, ampliando dema-
siadamente o seu espectro, em prejuízo a regras fundantes.
Sempre devemos prezar pelo uso de linguagem competente em direito, com seu
vernáculo próprio. Não se trata somente de deixar esteticamente bem apresentado
um dispositivo. Cuida-se do propósito de reduzir dúvidas, limitar contingências na
hora de decidir, evitando arbítrio, discricionariedade excessiva e abusos de poder.
Esse não foi o norte seguido pelo subscritor da proposta antidelito. O § 1º, do
seu art. 133, não é menos surpreendente que o caput, ao dizer que “do dinheiro
apurado, será recolhido aos cofres públicos o que não couber ao lesado ou a ter-
ceiro de boa fé”. Note-se que haverá incerteza em função de termos vulgares como
“dinheiro apurado” e “cofres públicos”, ao lado de uma redação sofrível. Um texto
legal não deve ter a mesma dicção que conversas informais. Basta comparar a forma
apressada deste dispositivo com a dos parágrafos 3º e 4º, do art. 144-A, já transcrito
na nota de rodapé anterior.
O § 3º, do art. 133, do projeto anticrime, remete ao imputado que tiver sofrido
indevidamente os efeitos civis de condenação provisória, à via do ressarcimento
cível, malgrado tenha dito que “fica assegurado ao acusado o direito à restituição
dos valores acrescidos de correção monetária”. Embora no seu caput, tenha referido
também a execução definitiva, no § 3º olvidou disciplinar a hipótese. Sabemos as
dificuldades inerentes ao êxito e fruição de uma ação movida contra o Estado. O pa-
gamento raras vezes é rápido. Como o texto propõe a entrega imediata do “dinheiro
apurado” a quem couber, provavelmente aquele a quem foi atribuída a culpa de
forma antecipada, sofrerá também os efeitos nefastos e trágicos da jurisdição civil,
caso se concretize a aprovação do pacote antidelito.

“Art. 133-A. O juiz poderá autorizar, constatado o interesse pú-


blico, a utilização de bem sequestrado, apreendido ou sujeito a
qualquer medida assecuratória pelos órgãos de segurança pú-
blica previstos no art. 144 da Constituição para uso exclusivo em
atividades de prevenção e repressão a infrações penais.

53
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

§ 1º O órgão de segurança pública participante das ações de in-


vestigação ou repressão da infração penal que ensejou a cons-
trição do bem terá prioridade na sua utilização.
§ 2º Fora das hipóteses anteriores, demonstrado o interesse pú-
blico, o juiz poderá autorizar o uso do bem pelos demais órgãos
públicos.
§ 3º Se o bem a que se refere o caput for veículo, embarcação ou
aeronave, o juiz ordenará à autoridade de trânsito ou ao órgão
de registro e controle a expedição de certificado provisório de
registro e licenciamento em favor do órgão público beneficiário,
o qual estará isento do pagamento de multas, encargos e tribu-
tos anteriores à disponibilização do bem para a sua utilização,
que deverão ser cobrados de seu responsável.
§ 4º Transitada em julgado a sentença penal condenatória com
a decretação de perdimento dos bens, ressalvado o direito do
lesado ou terceiro de boa-fé, o juiz poderá determinar a transfe-
rência definitiva da propriedade ao órgão público beneficiário
ao qual foi custodiado o bem.” (NR)

5.8. Ausência de previsão de responsabilidade pelo uso de bens particulares


pelo Poder Público

A hipótese cuida do uso de bens particulares pelo Poder Público. É de ver que o
uso não deve significar aviltamento dos bens particulares, especialmente diante da
possibilidade de absolvição ou de não comprovação de terem sido adquiridos com
proventos da infração.
Já existe previsão de uso de bens, a exemplo dos casos de tráfico de drogas,
a respeito do que o art. 62, § 1º, da Lei nº 11.343/2006, impõe a necessidade da
autoridade policial se responsabilizar, bem como realça o objetivo de conservação,
aliado ao serviço policial32.
O dispositivo proposto no anteprojeto se afasta desses fins, parecendo permitir
o malbaratamento de bens particulares, pendentes ainda de perdimento.

32. Lei de Drogas: “Art. 62.  Os veículos, embarcações, aeronaves e quaisquer outros meios de transporte, os
maquinários, utensílios, instrumentos e objetos de qualquer natureza, utilizados para a prática dos crimes
definidos nesta Lei, após a sua regular apreensão, ficarão sob custódia da autoridade de polícia judiciária,
excetuadas as armas, que serão recolhidas na forma de legislação específica. § 1o  Comprovado o interesse
público na utilização de qualquer dos bens mencionados neste artigo, a autoridade de polícia judiciária po-
derá deles fazer uso, sob sua responsabilidade e com o objetivo de sua conservação, mediante autorização
judicial, ouvido o Ministério Público.”

54
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 185. (...)


§ 2º O juiz, por decisão fundamentada, de ofício ou a requeri-
mento das partes, poderá realizar o interrogatório do réu preso
por sistema de videoconferência ou outro recurso tecnológico
de transmissão de sons e imagens em tempo real, desde que a
medida seja necessária para atender a uma das seguintes fina-
lidades:
(...)
IV - responder à questão de ordem pública ou prevenir custos
com deslocamento ou escolta de preso.
(...)
§ 8º Aplica-se o disposto nos § 2º, § 3º, § 4º e § 5º, no que cou-
ber, à realização de outros atos processuais que dependam da
participação de pessoa que esteja presa, como acareação, reco-
nhecimento de pessoas e coisas, audiência de custódia e inqui-
rição de testemunha ou tomada de declarações do ofendido.
(...)
§ 10. Se o réu preso estiver recolhido em estabelecimento prisio-
nal localizado fora da comarca ou da subseção judiciária, o inter-
rogatório e a sua participação nas audiências deverão ocorrer na
forma do § 2º, desde que exista o equipamento necessário.” (NR)

5.9. Desumanização do interrogatório e inserção da economia como valor


máximo no processo penal
Como salientamos acima, a modificação descura de princípios inerentes ao nú-
cleo da pessoa presa. Acaba por legitimar sua transformação em objeto, ferindo sua
dignidade, legitimando a desumanização do processo penal e elevando os objetivos
econômicos.
Cabe gizar, generaliza a possibilidade do uso da videoconferência.
O que deveria ser excepcional, torna-se regra. Ademais, os conceitos de “ordem
pública” (já presente no texto) e de prevenção de “custos com deslocamento ou
escolta de preso” (novidade pretendida pelo anteprojeto) ensejam baixíssimo con-
trole acerca da necessidade do uso do sistema de videoconferência.
Quanto ao primeiro, é ela excessivamente aberta. Abre espaço para qualquer
tipo de argumento para justificar a negativa de deslocamento da pessoa presa à pre-
sença do juiz. Se o ritmo continuar como está, juiz, promotor de justiça e advogado
passarão a fazer a audiência em casa? Será necessária a manutenção de um fórum?
A justiça criminal será virtual?

55
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Essas questões são motivo de enorme preocupação, pois, se confirmada essa


tendência, restará sufragado o desacato ao direito à ampla defesa. Inata a esta é o
direito do acusado à presença, em ambiente adequado para ser ouvido. Certamente,
um sistema de videoconferência não é capaz de suprir aquele ideal.
Os enunciados dos parágrafos 8º e 10º completam o propósito do “vale tudo”
para se punir: (1) preconiza a aplicação da videoconferência a todo ato processual;
e (2) determina o uso da videoconferência quando o preso estiver recolhido em
local diverso da comarca.
Insistimos: se o Estado não pode, financeiramente, arcar com esses custos para
assegurar um processo justo, ele deveria colocar o acusado em liberdade e não cer-
cear direitos.

“Art. 283. Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito


ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária
competente, em decorrência de prisão cautelar ou em virtude
de condenação criminal transitada em julgado ou exarada por
órgão colegiado.
(...)” (NR)

5.10. Antecipação de prisão provisória sem razão cautelar

A aparentemente sutil proposta de modificação do art. 283 permite concluir


que o seu mentor reconhece que as prisões sem motivação cautelar, que foram de-
cretadas antes do trânsito em julgado, conhecidas sob a expressão “prisão em se-
gunda instância”, violaram o texto em vigor do enunciado sob essa numeração, do
Código de Processo Penal33.
Note-se que não se trata de controvérsia sobre a qual poderia existir algum
espaço nublado que permitisse dúvida sobre a admissão de prisão provisória não
cautelar. Inversamente, o teor do dispositivo do Código é bastante claro, como se
pode ver de sua transcrição na nota de rodapé abaixo.

33. O texto ignorado, tantas vezes, pelo Poder Judiciário, consignado no art. 283, do CPP, está assim vazado,
desde a reforma processual penal promovida pela Lei nº12.403/2011: “Art. 283.  Ninguém poderá ser pre-
so senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em
decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo,
em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva”.

56
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

O enunciado do anteprojeto quer permitir a prisão, independentemente da


existência de necessidade, como forma de antecipação do cumprimento de pena,
desde que exarada por órgão colegiado. Cuida-se de outorga de poder imenso ao
colegiado de um tribunal, para cercear a liberdade de alguém, sem observância do
sentido e alcance do princípio da presunção de não-culpabilidade gizado na Cons-
tituição do Brasil.
Essa sugestão de alteração do art. 283, do CPP, tem fundamento em antecipações
punitivas, na linha de uma impaciência generalizada, a partir de fontes midiáticas e
das redes sociais. Tal característica permeia todo o projeto, identificando-se com o
que Ney Bello elenca como um dos elementos constitutivos “da predisposição para
a punibilidade como movimento da magistratura”, referindo-se à “campanha midi-
ática dos meios de comunicação e das redes sociais em apologia ao avanço da luta
contra a corrupção, o fim da impunidade e a punição dos pretensos culpados”. En-
trementes, o autor destaca que se vê, por toda parte, “um forte conteúdo ideológico
repressor, claramente presente na mídia, com identificação manifesta de um rol de
culpados prévios”. Daí que se vislumbra, até mesmo, “uma atuação da imprensa po-
liticamente interessada, com informações parciais e mensagens subliminares – e
até explícitas – criminalizando opiniões e condutas específicas, e protegendo os que
lhe são ideologicamente próximos”34.

“Art. 309-A. Se a autoridade policial verificar, quando da lavratu-


ra do auto de prisão em flagrante, que o agente manifestamente
praticou o fato em qualquer das condições constantes dos incisos
I, II ou III do caput do art. 23 do Decreto-Lei nº 2.848, de 1940 -
Código Penal, poderá, fundamentadamente, deixar de efetuar a
prisão, sem prejuízo da investigação cabível, e registrar em termo
de compromisso a necessidade de comparecimento obrigatório
a todos os atos processuais, sob pena de revelia e prisão.” (NR)

5.11. Concessão de liberdade provisória pela autoridade policial e aparente


excludente de ilicitude

A disposição confere ao delegado a possibilidade de conceder liberdade pro-


visória sem fiança, hoje de competência do Poder Judiciário. Nos termos do art.

34. BELLO, Ney. A punição como necessidade: a encruzilhada da justiça criminal. Conjur: crime e castigo, 17
fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-17/crime-castigo-punicao-necessidade-
-encruzilhada-jurisdicao-criminal>. Acesso em: 06 mar. 2019.

57
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

309-A, vasado no anteprojeto, a autoridade policial “poderá, fundamentadamente,


deixar de efetuar a prisão, sem prejuízo da investigação cabível, registrando em
termo de compromisso a obrigatoriedade de comparecimento a todos os atos pro-
cessuais, sob pena de revelia e prisão”. O poder da polícia, como se depreende, é de-
masiadamente inflado. O controle judicial é posterior, no momento do recebimento
do auto de flagrante e/ou da realização da audiência de custódia.
De acordo com o art. 5º, do texto constitucional brasileiro, a prisão ilegal será
imediatamente relaxada pela autoridade judiciária” (inciso LXV). Trata-se de uma
garantia fundamental da pessoa presa, protetiva da liberdade contra o arbítrio es-
tatal. Desse modo, não há reserva jurisdicional para ser efetivado o direito de liber-
dade. Esse valor é maior para permitir que a legislação preveja que outros agentes
do poder público ponham em liberdade pessoas submetidas a prisões indevidas,
a exemplo da imposição do flagrante e do conseguinte recolhimento ao cárcere da
pessoa que cometeu um crime em situação de aparente legítima defesa. Entre o
encarceramento e a liberdade, deve prevalecer a liberdade.
De outro lado, é de ver que a previsão do dever da autoridade policial registrar
“em termo de compromisso a obrigatoriedade de comparecimento a todos os atos
processuais, sob pena de revelia e prisão” torna a situação jurídica, sugerida no ante-
projeto, equivalente à de “liberdade provisória”. Sob essa lente, é possível que o legis-
lador autorize – sempre sob a lente constitucional e sob o princípio da proporcionali-
dade – que seja concedida ao imputado liberdade provisória, conforme o inciso LXVI,
do art. 5º, da Constituição de 1988, que reza que “ninguém será levado à prisão ou
nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança”.

5.12. Riscos de desvio na aplicação do enunciado diante do conceito de dis-


positivo

Por fim, devemos advertir que a interpretação de uma previsão como essa não
pode funcionar odiosa e seletivamente na esfera penal.
Vale dizer, os autos do flagrante ou do inquérito devem narrar o fato de forma
fidedigna, não sendo lícito, por exemplo, o favorecimento de agentes estatais e a não
aplicação do enunciado para os demais imputados de forma aleatória e arbitrária,
em casos como o de “troca de tiros com a polícia” ou de “morte de bandidos em
confronto com a polícia”35.

35. Podem ser encontradas uma infinidade de notícias nesse sentido nos sites de busca da rede mundial de com-
putadores (Internet), quase sempre sugerindo que a polícia teve razão, como na notícia seguinte: GLOBO.
Bandidos são mortos em confronto com a polícia em SP. Disponível em: <http://g1.globo.com/globo-news/
jornal-globo-news/videos/v/bandidos-sao-mortos-em-confronto-com-a-policia-em-sp/7002711/>.
Acesso em: 26 fev. 2019.

58
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Nossa preocupação com o permissivo de concessão de juízo de valor ao delega-


do de polícia se deve ao fato de que a verdade é um elemento complexo e que de-
pende de várias conexões entre diversos elementos empíricos. Isto é, nas palavras
de Rui Cunha Martins, “a possibilidade de afirmação de um sentido dá-se pois ao
nível da conectividade. O que, para todos os efeitos, confere o maior destaque aos
componentes do dispositivo e as relações entre eles”36. Há um espaço, no “dispositi-
vo”, chamado “auto de prisão em flagrante” ou naquele denominado “inquérito po-
licial”, que pode ser útil a manipulações discursivas, tornando possível fazer constar
ou não aspectos, ou seja, aqueles autos são dispositivos de aspectos relatados e não
relatados. É nesse campo que enxergamos um grande risco para o uso da seletivi-
dade – tão inata à experiência e ao estado da arte do direito criminal – quando da
concretização da regra em tela.

“Art. 310. (...)


§ 1º Se o juiz verificar, pelo auto de prisão em flagrante, que o
agente praticou o fato em qualquer das condições constantes
dos incisos I, II ou III do caput do art. 23 do Decreto-Lei nº 2.848,
de 1940 - Código Penal, poderá, fundamentadamente, conce-
der ao acusado liberdade provisória, mediante termo de com-
parecimento obrigatório a todos os atos processuais, sob pena
de revogação.
§ 2º Se o juiz verificar que o agente é reincidente ou que está
envolvido na prática habitual, reiterada ou profissional de infra-
ções penais ou que integra organização criminosa, ou que porta
arma de fogo de uso restrito em circunstâncias que indique ser
membro de grupo criminoso, deverá denegar a liberdade provi-
sória, com ou sem medidas cautelares, exceto se insignificantes
ou de reduzido potencial ofensivo as condutas.” (NR)

5.13. Inserção do conceito de criminoso habitual e de outros elementos hau-


ridos do direito penal do autor para denegar liberdade provisória

O § 1º, do art. 310, do anteprojeto aqui comentado, tem redação similar à atual
do parágrafo único, do art. 310, do CPP. A distinção está descrita no § 2º, recheado

36. MARTINS, Rui Cunha. Mapeamento processual da verdade. In: Decisão judicial. Geraldo Prado; Rui Cunha
Martins; L. G. Grandinetti Castanho de Carvalho (orgs). Madrid: Marcial Pons, 2012. p.74-75.

59
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

de medidas de direito penal do autor, sem que seja atendido o pressuposto de cau-
telaridade para que se possa cercear a liberdade de alguém.
A abertura de possibilidades, para “pegar” a todo custo o “réu-inimigo” também
se faz presente no enunciado do § 2º, do art. 310, do anteprojeto. Eis os requisitos,
que o juiz deve verificar, para “dificultar” a soltura, de forma alternativa: (1) agente
reincidente; (2) envolvido na prática habitual, reiterada ou profissional de infra-
ções penais; (3) integrante de organização criminosa; (4) portador de arma de fogo
de uso restrito em circunstâncias que indiquem ser membro de grupo criminoso.
É repugnante a sugestão de inserção dessas possibilidades, pelas seguintes ra-
zões:
(a) a reincidência não deveria ser motivo para maior limitação da liberdade do
imputado, seja porque se ajusta à postura autoritária de direito penal do autor, seja
porque o próprio Estado e a sociedade são corresponsáveis pela recidiva do egresso
do sistema prisional na prática de delito, haja vista que a prisão não cumpre a sua
promessa de ressocializar;
(b) não sabemos o que é “prática habitual, reiterada ou profissional” de delitos.
Provavelmente também não o sabe o subscritor da proposta modificadora de nossa
legislação. Há crime habitual (conceito), mas que é prática habitual? Cuida-se de um
homem mau? Estamos julgando a pessoa pelo que ela é ou pelo que ela fez? Qual
o critério para acusar alguém de prática reiterada ou profissional de infrações pe-
nais? Pelos registros de antecedentes criminais? Ou por boatos (hearsay)? A nossa
preocupação com o rumo sugerido no pacote anticrime é gigante, como se pode ver;
(c) com base em qual material empírico que poderá alguém ser considerado
integrante de organização criminosa? Basta que o delegado, promotor de justiça ou
juiz o afirme? Pelo que conhecemos, o conceito de organização criminosa, embora
inconvenientemente aberto, tem linhas conceituais demarcadas e que devem ser
evidenciadas na decisão e nos autos. Por outro lado, o anteprojeto é contraditório:
de um lado permite plea bargain que pode levar a soltura (já prevista na Lei nº
12.850/2013, por meio de dispositivos de duvidosa constitucionalidade) e, de ou-
tro, pretende “dificultar a soltura”. Trata-se de um desastre lógico;
(d) a constatação de que o imputado é portador de arma de fogo de uso restrito,
em circunstância que permita concluir ser ele membro de “grupo criminoso” é mais
um dos dispositivos que autorizam ao juiz decidir conforme o que vier em sua men-
te. Primeiro, que é “grupo criminoso”? Temos conceito de organização criminosa e
associação criminosa em nosso ordenamento jurídico. É novidade, porém, a noção
de “grupo criminoso”. Pior: o enunciado alarga o flanco para deliberações judiciais
com base em presunções, ao invés de exigir elementos empíricos, ainda que em

60
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

menor proporção. Por derradeiro, a previsão conflita com a jurisprudência do STF


que proíbe que a prisão preventiva se lastreie somente na gravidade do crime.

5.14. Inclusão do princípio da insignificância para limitar a possibilidade de


denegar liberdade provisória

O ingrediente não menos nefasto está na proposição consequente, cuja aplica-


ção pode decorrer da afirmação de qualquer um dos pressupostos anteriores. De
acordo com a parte final do § 2º comentado, o juiz “deverá denegar a liberdade pro-
visória, com ou sem medidas cautelares, salvo se insignificantes ou de reduzido po-
tencial ofensivo as condutas”. Insignificantes? Adotamos expressamente o princípio
da insignificância em matéria criminal? Que deve fazer o juiz quando um crime for
considerado insignificante? Deve aplicar pena no processo anterior e, no segundo,
“aliviar” a prisão provisória? Não menos decepcionante é a ressalva baseada no “re-
duzido potencial ofensivo” das condutas: que é isso? Existe no ordenamento jurídi-
co brasileiro o conceito de “infração de menor potencial ofensivo”, agora, “reduzido
potencial ofensivo” é uma invenção que vai demandar capacidade criativa do jul-
gador, com majoração do perfil inquisitivo do sistema processual penal brasileiro.

“Art. 395-A. Após o recebimento da denúncia ou da queixa e até


o início da instrução, o Ministério Público ou o querelante e o
acusado, assistido por seu defensor, poderão requerer mediante
acordo penal a aplicação imediata das penas.
§ 1º São requisitos do acordo de que trata o caput:
I - a confissão circunstanciada da prática da infração penal;
II - o requerimento de que a pena privativa de liberdade seja
aplicada dentro dos parâmetros legais e consideradas as cir-
cunstâncias do caso penal, com a sugestão de penas ao juiz; e
III - a expressa manifestação das partes no sentido de dispensar
a produção de provas por elas indicadas e de renunciar ao direi-
to de recorrer.
§ 2º As penas poderão ser diminuídas em até a metade ou po-
derá ser alterado o regime de cumprimento das penas ou pro-
movida a substituição da pena privativa por restritiva de direi-
tos, segundo a gravidade do crime, as circunstâncias do caso
e o grau de colaboração do acusado para a rápida solução do
processo.
§ 3º Se houver cominação de pena de multa, esta deverá cons-
tar do acordo.

61
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

§ 4º Se houver produto ou proveito da infração identificado, ou


bem de valor equivalente, a sua destinação deverá constar do
acordo.
§ 5º Se houver vítima da infração, o acordo deverá prever valor
mínimo para a reparação dos danos por ela sofridos, sem preju-
ízo do direito da vítima de demandar indenização complemen-
tar no juízo cível.
§ 6º Para homologação do acordo, será realizada audiência na
qual o juiz deverá verificar a sua voluntariedade, por meio da oi-
tiva do acusado na presença do seu defensor, e sua legalidade.
§ 7º O juiz não homologará o acordo se a proposta de penas
formulada pelas partes for manifestamente ilegal ou manifesta-
mente desproporcional à infração ou se as provas existentes no
processo forem manifestamente insuficientes para uma conde-
nação criminal.
§ 8º Para todos os efeitos, o acordo homologado é considerado
sentença condenatória.
§ 9º Se, por qualquer motivo, o acordo não for homologado,
será ele desentranhado dos autos e ficarão proibidas quaisquer
referências aos termos e condições então pactuados pelas par-
tes e pelo juiz.
§ 10. No caso de acusado reincidente ou de haver elementos
probatórios que indiquem conduta criminal habitual, reitera-
da ou profissional, o acordo deverá incluir o cumprimento de
parcela da pena em regime fechado, exceto se insignificantes as
infrações penais pretéritas.
§ 11. A celebração do acordo exige a concordância de todas as
partes, não sendo a falta de assentimento suprível por decisão
judicial, e o Ministério Público, ou o querelante, poderá deixar
de celebrar o acordo com base na gravidade e nas circunstân-
cias da infração penal.” (NR)

5.15. Inconstitucionalidade da inserção generalizada da barganha

Pelas mesmas razões apontadas acima e nos livros que citamos37, defendemos
que a inserção da barganha ofende princípios e garantias basilares da Constituição
do Brasil. Vale sublinhar o valor que a proposta dá à confissão, de maneira contrária

37. ARAÚJO, Fábio Roque de; TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Legislação criminal para concur-
sos. 4. ed. Salvador: Juspodivm, 2019. p.1519-1522; TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso
de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodivm, 2019. p.805-809.

62
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

à tradição brasileira e à sua realidade. O art. 197, aliás, impõe que o juiz confronte a
confissão “com as demais provas do processo, verificando se entre ela e estas existe
compatibilidade ou concordância”.
Mesmo os autores que anuem com a possibilidade de ampliação da barganha,
discordam da forma como inserida no anteprojeto.
Por todos, Alexandre Morais da Rosa observa que se lançou “um arremedo de plea
bargaining, em que o acusado confessa crimes em troca da uma pena menor, porque
não estabelece regras sobre como se processa, negocia e se fixam as penas”. Ficou
mesmo evidente que se deu “o aproveitamento da lógica do acordo de não persecu-
ção penal previsto na Resolução 181 e alterações, do Conselho Nacional do Ministério
Público”, sendo necessário frisar que “o projeto do novo Código de Processo Penal, em
debate legislativo já iniciado, trata a questão de modo mais profundo”. Nas palavras
do processualista, o plea bargaining não parece inconstitucional, “entretanto, é neces-
sário reorganizar todo o sistema, situação não abordada, nem justificada. De reforma
parcial em reforma parcial o CPP está um monstro” e, de outro lado, “aprovar sem
discutir é próprio de regimes totalitários em que se nega o direito de participar efeti-
va ou potencialmente, porque concernidos, do processo de elaboração normativa”38.

“Art. 421. Proferida a decisão de pronúncia ou de eventuais em-


bargos de declaração, os autos serão encaminhados ao juiz-pre-
sidente do Tribunal do Júri, independentemente da interposi-
ção de outros recursos, que não obstarão o julgamento.
§ 1º Se ocorrer circunstância superveniente que altere a classi-
ficação do crime, o juiz ordenará a remessa dos autos ao Minis-
tério Público.
(...)” (NR)

5.16. O esvaziamento pragmático da decisão de pronúncia em detrimento


da necessidade de controle

O dispositivo esvazia a função (pragmática) de filtro e de controle que deve ter


a pronúncia.

38. ROSA, Alexandre Morais da. Proposta ‘anticrime’ de Moro despista sobre foco principal. Emais Editora, 18
fev. 2019. Disponível em: <https://www.emaiseditora.com.br/site/proposta-anticrime-de-moro-despista-
-sobre-foco-principal-alexandre-morais-da-rosa/>. Acesso em: 05 mar. 2019.

63
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

No Código de Processo Penal, exige-se a preclusão da pronúncia, conforme nos-


sa tradição, nos termos do caput, do art. 421: “preclusa a decisão de pronúncia, os
autos serão encaminhados ao juiz presidente do Tribunal do Júri”. Há mais de uma
razão para se exigir a preclusão da pronúncia:
(1) o julgamento pelos jurados é baseado na íntima convicção: eles respondem
a quesitos, sem expor os motivos da culpa ou da inocência do réu;
(2) os jurados são leigos: a garantia de contenção de ilicitudes, de excessos e de
arbítrio no uso do processo penal para acusar é da competência do juiz da instrução
preliminar, exercida quando da prolação da pronúncia;
(3) o controle sob a pronúncia, por intermédio de recursos, visa garantir que
não se despreze critérios de conhecimento motivado a respeito dos fatos que se-
rão submetidos aos jurados: vale dizer, revela o cuidado para não se remeter a júri
popular alguém cuja condenação não seria válida ou que o juiz singular não conde-
naria.
Como se infere, a proposta de alteração realça o desprezo por valores humanos:
não é tolerável usar o ser humano como instrumento para o alcance de fins popu-
listas, como a saciedade da sociedade com a vingança antecipada e com alijamento
dos critérios para conhecimento dos fatos imputados ao réu.
Sob outro prisma, a sugestão vazada no § 1º, do anteprojeto, é desprovida de
sentido, indicativo do açodamento que o inspirou. Nos termos do CPP, “ainda que
preclusa a decisão de pronúncia, havendo circunstância superveniente que altere a
classificação do crime, o juiz ordenará a remessa dos autos ao Ministério Público”.
O sentido deste dispositivo é alcançado pela ulterior modificação do fato, antes do
julgamento do imputado e, notadamente, do seu trânsito em julgado, em hipótese
como a da morte da vítima que estaria internada em estabelecimento hospitalar.
A “celeridade” do inventor do anteprojeto o impediu de ver essa nuance, ao di-
zer que: “havendo circunstância superveniente que altere a classificação do crime, o
juiz ordenará a remessa dos autos ao Ministério Público”. Que o Parquet irá fazer se
o julgamento pelo júri já tiver ocorrido? E se tiver transitado em julgado? Ingressará
com ação de revisão criminal, com habeas corpus ou com recurso contra o julgado,
ainda que com prazo expirado?
O dispositivo será capaz de causar tumulto processual grave, mormente por
desconsiderar a necessidade de preclusão da pronúncia.

64
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 492. (...)


I - (...)
e) determinará a execução provisória das penas privativas de li-
berdade, restritivas de direito e pecuniárias, com expedição do
mandado de prisão, se for o caso, sem prejuízo do conhecimen-
to de recursos que vierem a ser interpostos;
(...)
§ 3º O presidente poderá, excepcionalmente, deixar de auto-
rizar a execução provisória das penas se houver uma questão
substancial cuja resolução pelo Tribunal de Apelação possa
plausivelmente levar à revisão da condenação.
§ 4º A apelação interposta contra decisão condenatória do Tri-
bunal do Júri não terá efeito suspensivo.
§ 5º Excepcionalmente, poderá o Tribunal de Apelação atribuir
efeito suspensivo à apelação, quando verificado cumulativa-
mente que o recurso:
I - não tem propósito meramente protelatório; e
II - levanta questão substancial e que pode resultar em absol-
vição, anulação da sentença, novo julgamento, substituição da
pena privativa de liberdade por restritiva de direitos ou altera-
ção do regime de cumprimento da pena para o aberto.
§ 6º O pedido de concessão de efeito suspensivo poderá ser
feito incidentemente na apelação ou por meio de petição em
separado dirigida diretamente ao relator da apelação no Tri-
bunal, instruída com cópias da sentença condenatória, das
razões da apelação e de prova da tempestividade, das con-
trarrazões e das demais peças necessárias à compreensão da
controvérsia.” (NR)

5.17. A soberania dos veredictos não autoriza execução antecipada da pena

Girando em torno do mesmo círculo vicioso, o remendo alterador disposto na


alínea “e”, do inciso I, do art. 492, do anteprojeto, indica que deve ser iniciada a
execução provisória de toda e qualquer espécie de pena, assim que julgado o caso,
soberanamente, pelo tribunal do júri. Cuida-se de solução equivocada, em razão do
estado de inocência. A questão vem sendo ventilada, pelos tribunais, com base no
sentido deturpado atribuído ao princípio da soberania dos vereditos.

65
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Foi nessa senda que a Primeira Turma do STF reduziu a eficácia do postulado
da presunção da inocência, quando deliberou que “nas condenações pelo tribunal
do júri não é necessário aguardar julgamento de recurso em segundo grau de
jurisdição para a execução da pena”. Naquela oportunidade, “a Turma asseverou
que as decisões do tribunal do júri são soberanas e, por isso, o tribunal de justiça
poderia, eventualmente, anulá-las, porém não poderia substituí-las.
Todavia, neste caso apreciado pela Primeira Turma, havia sido manejado ha-
beas corpus contra decisão de segunda instância que confirmou condenação por
homicídio tentado e, de outro lado, determinou novo júri por outro homicídio,
conexo, na forma consumada39. Vale dizer, o dito pelo STF não foi dito como razão
de decidir, porém de passagem, sem força vinculativa.
O STJ, por outro lado, refutou, por decisão liminar monocrática, essa pretensa
força executória automática – sem requisitos cautelares – das decisões do júri.
Foi objeto de exame o Enunciado nº 14, do Fonajuc que, de forma contrária e
interpretando os direitos fundamentais de maneira restritiva – além de exercen-
do indevidamente a função de inovar o ordenamento jurídico –, declarou que “o
réu condenado pelo Tribunal do Júri deve ser imediatamente recolhido ao siste-
ma prisional a fim de que seja iniciada a execução da pena em homenagem aos
princípios da soberania dos veredictos e da efetividade processual”. Em decisão
monocrática, da lavra da Min. Laurita Vaz, do STJ, relativamente a julgamento em
que foi aplicado o aludido enunciado, foi dito que o juiz de primeiro grau se limi-
tou “a invocar entendimento antijurídico, fundado no Enunciado nº 14 do FONA-
JUC (Fórum Nacional dos Juízes Criminais)”, destacando, ainda que aquela dicção
“é contrária ao posicionamento do Supremo Tribunal Federal e desta Corte sobre
a controvérsia”.

5.18. Ampliação indevida de discricionariedade para deixar de autorizar


execução provisória

Sob outro prisma, o § 3º, do mesmo art. 492, do anteprojeto, é repleto de ter-
mos indeterminados, não cumprindo minimamente a condição de previsibilidade
que um texto legislativo deve ter. Cuida-se de dispositivo que pretende dar ao
juiz-presidente amplo poder discricionário, ao avivar que “o presidente poderá,
excepcionalmente, deixar de autorizar a execução provisória das penas se houver

39. STF - Primeira Turma - HC 140449/RJ, rel. orig. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto Barroso,
julgamento em 6.11.2018.

66
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

uma questão substancial cuja resolução pelo Tribunal de Apelação possa plausi-
velmente levar à revisão da condenação”.
O despreparo de quem escreveu o anteprojeto salta aos olhos. Ele retorna com
expressão que já havia sido banida dos textos reformadores do Código de Proces-
so Penal: “tribunal de apelação”. São usados os advérbios de modo “excepcional-
mente” e “plausivelmente”, carentes de função delimitativa dos pressupostos de
fato que poderiam impedir a execução provisória que tem o intento de autorizar
automaticamente40. Em outros termos, é difícil demonstrar, por meio de provas, o
motivo pelo qual se entendeu excepcional ou plausível uma situação. São termos
que pouco dizem acerca do que se entende por suficiente à incidência do enuncia-
do, ou seja, grassa demasiadamente o arbítrio para suspender a execução apenas
nos casos que se deseja.
Os demais parágrafos preconizam a inexistência de efeito suspensivo do re-
curso de apelação contra a sentença condenatória decorrente de decisões do júri.
Trata-se de retrocesso injustificável. O estado de inocência é golpeado. Inverte-se
o valor do ser humano. Descura-se de que o imputado não teve contra si a culpa
formada por título transitado em julgado. É imprimida velocidade máxima a já
existente permeabilidade entre a situação de suspeito à apenado.

5.19. Ainda a discricionariedade ampliada: atribuição de efeito suspensivo


a recurso

O § 5º é curioso ao permitir que se atribua efeito suspensivo se o julgador


considerar que o recurso não é “manifestamente protelatório”. Aliás, alguma vez
o recurso interposto pelo Ministério Público foi considerado protelatório ou so-
mente o do acusado assim o foi na prática forense? Onde estará a régua para pre-
julgarmos que um recurso não é protelatório? Quer dizer que o acusado deve co-
laborar com seu próprio encarceramento? Deve ele mitigar o prejuízo – the duty

40. Percebendo o abuso do vernáculo no anteprojeto, Alexandre Morais da Rosa ponderou, apropriadamente,
que, “por mais que o artigo 5º, LVII, da Constituição da República seja claro ao estatuir que ‘ninguém será
considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória’ e que o artigo 283 do Códi-
go de Processo Penal dispõe que ‘ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita
e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada
em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão pre-
ventiva’, pelo projeto “anticrime” se pretende inverter a lógica para que a prisão seja a regra, e a suspensão
da execução provisória exceção, reservada aos casos em que houver uma ‘questão constitucional ou legal
relevante’ (sic). Aliás, o projeto do ministro é cheio de ‘excepcionalmentes’” (ROSA, Alexandre Morais da. O
projeto anticrime passaria no teste Kobayashi Maru. Conjur: limite penal, 01 mar. 2019. Disponível em: <ht-
tps://www.conjur.com.br/2019-mar-01/limite-penal-projeto-anticrime-passaria-teste-kobayashi-maru>.
Acesso em: 05 mar. 2019).

67
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

to mitigate the loss? Ele não tem direito a dilatar o procedimento, alçando maiores
possibilidades de exercer a ampla defesa?

Mais uma vez o projeto assusta por propor alternativas inquisitivas, extirpa-
doras do direito à ampla defesa (plenitude de defesa – no júri) e dos meios e re-
cursos a ela inerentes. A dificuldade sugerida, aplicável com mais rigor ao júri, é
frontalmente contraditória à razão de ser dessa instituição:

(1) o júri é direito fundamental garantido ao imputado: não pode ser interpre-
tado em seu desfavor o princípio da soberania dos vereditos; e

(2) o princípio da plenitude de defesa tem sentido mais forte que o da ampla
defesa: não é adequada a interpretação que admite ausência de efeito suspensivo
ao recurso de apelação, pois isso significaria menores chances de defesa ao réu
no rito dos crimes dolosos contra a vida, comparativamente aos demais procedi-
mentos.

O autor do anteprojeto tem o vezo de se valer de expressões dúbias ou de


manipulação discursiva para atender o propósito de punir mais. Os incisos do §
5º contém duas hipóteses que tendem a alargar o perfil inquisitivo do juiz, diante
do casuísmo sugerido e do vernáculo aberto. Nessa esteira, o seu inciso II é as-
sustador, porquanto só terá aplicação se “o tribunal de apelação” – ou o relator
singularmente?! – julgar provisoriamente o recurso, mantendo reserva sobre o
que imagina que será, no futuro, a sua decisão final. Nada mais técnico e mais
confuso.

Na prática, não vemos como aplicar tal enunciado redigido como está. E os ca-
sos de admissão de aplicação de efeito suspensivo à apelação são incríveis, aven-
tando que assim poderá ser quando o apelo levantar “uma questão substancial e
que pode resultar em absolvição, anulação da sentença, novo julgamento, subs-
tituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos ou alteração do
regime de cumprimento da pena para o aberto”.

5.20. Efeito suspensivo incidental diferido no tempo


O tumulto está completo com a ilação do § 6º, que aviva que “o pedido de
concessão de efeito suspensivo poderá ser feito incidentemente no recurso ou
através de petição em separado dirigida diretamente ao Relator da apelação no
Tribunal, e deverá conter cópias da sentença condenatória, do recurso e de suas
razões, das contrarrazões da parte contrária, de prova de sua tempestividade, e
das demais peças necessárias à compreensão da controvérsia”.

68
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

5.21. Violações a direitos fundamentais do imputado diante da localização


do direito individual ao julgamento pelo júri no art. 5º, da Constituição

Para arrematar tudo o que dissemos até aqui, devemos chamar a atenção para
a opinião abalizada dos processualistas penais sobre o tema.

Nessa linha, Vítor Paczek e Aury Lopes Jr também apontam que “a proposta
legislativa não é adequada à Constituição Federal”, especificando quatro equívo-
cos violadores do devido processo legal, da presunção de inocência e do direi-
to ao recurso, além do que evidencia que a antítese do documento anticrime “à
real efetividade dos julgamentos do recurso em sentido estrito”, de acordo com
“amostragem no âmbito do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul”. Em suma,
os equívocos são sintetizados como: (1) “desvio de finalidade, em nome da eficá-
cia do Direito Penal”, haja vista que “O devido processo legal não permite que, a
pretexto de julgamento céleres, despreze-se que a demora jurisdicional está na
tramitação dos casos nas cortes superiores”; (2) tolerância a julgamentos infun-
dados, tornando “restrito juízo de revisão das decisões que encerram o primeiro
procedimento do júri, como a pronúncia”, com legitimação do “envio do caso para
julgamento pelo plenário do júri”, sem sua necessária preclusão, prestigiando,
açodadamente, “a decisão do juiz que conduziu a primeira fase do procedimento
e dar efetividade, mitigando os efeitos do juízo de revisão”; (3) “patente risco de
perda do objeto dos recursos em sentido estrito que questionem a decisão de pro-
núncia”, além do que “a proposta será prejudicial em relação ao tempo e recursos
gastos na análise dos recursos que serão esvaziados pelo julgamento no tribunal
do júri”, diante da possível perda do objeto de recursos interpostos; e (4) acredi-
tar que as decisões de pronúncia são, geralmente, “produzidas de maneira válida,
o que também viola o devido processo legal e o direito ao recurso, pretendendo
imunizar as decisões do efetivo juízo de revisão”41.

41. PACZEK, Vítor. LOPES JR, Aury. Alteração das regras do tribunal do júri no pacote ‘anticrime’ é inconstitu-
cional. Conjur: opinião, 14 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-14/opiniao-al-
teracao-regras-tribunal-juri-pacote-anticrime>. Acesso em: 05 mar. 2019.

69
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 584. (...)


§ 2º O recurso da pronúncia não terá efeito suspensivo e será
processado por meio de cópias das peças principais dos autos
ou, no caso de processo eletrônico, dos arquivos.
(...)” (NR)

5.22. A indevida previsão de ausência de efeito suspensivo contra a decisão


de pronúncia

Como anotamos acima, é de todo indevido tentar suprimir o efeito suspensivo


do recurso em sentido estrito contra a decisão de pronúncia.
De outra vertente, é de ver que a lamentável forma de querer a todo custo re-
mendar o Código tornou cego o proponente do anteprojeto.
De fato, a redação do caput, do art. 584, do CPP, refere-se à “concessão de li-
vramento condicional”42, no tópico que disciplina o recurso em sentido estrito. No
entanto, a modificação recai sobre o § 2º, sem referir ao enunciado da cabeça do
dispositivo, carente de adequação legislativa.
Isso porque é cediço que aquele incidente (livramento condicional) é do pro-
cesso de execução penal (independentemente da sua natureza definitiva ou provi-
sória) e que a Lei de Execução Penal revogou tacitamente vários casos de recurso
sem sentido estrito, diante da previsão de recurso de agravo em execução contra os
incidentes do processo executivo penal.
Assim sendo, o recurso cabível contra a decisão que delibera sobre livramento
condicional é o do art. 197, da Lei de Execução Penal.
Veja-se que o subscritor do anteprojeto poderia ter atualizado o caput, a fim de
sistematizar o ordenamento jurídico no ponto. No entanto, somente o reproduziu,
com idêntica redação e, no seu § 2º, preocupou-se em prever a ausência de efeito
suspensivo do “recurso da pronúncia”, em redação de parca técnica.
A falta de zelo com o texto que ora se apresenta como “projeto anticrime” é sur-
preendente neste enunciado, máxime em razão de repetir menção de incisos revo-
gados tacitamente pela Lei de Execução Penal, a exemplo do inciso XVII, que prevê
a hipótese da decisão de unificação das penas que desafiava recurso em sentido
estrito mas, com a LEP, passou a exigir agravo em execução penal. Mesmo raciocínio

42. Art. 584.  Os recursos terão efeito suspensivo nos casos de perda da fiança, de concessão de livramento
condicional e dos ns. XV, XVII e XXIV do art. 581.

70
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

vale para o citado inciso XXIV (conversão da pena de multa em pena restritiva de li-
berdade, com redação vetusta aventando a possibilidade de aplicação de “detenção
ou prisão simples” em substituição).

“Art. 609. (...)


§ 1º Quando houver voto vencido pela absolvição em segunda
instância, serão admitidos embargos infringentes e de nulidade,
que poderão ser opostos no prazo de dez dias, contado da pu-
blicação do acórdão, na forma do art. 613.
§ 2º Os embargos a que se refere o § 1º serão restritos à matéria
objeto de divergência e suspenderão a execução da condena-
ção criminal.” (NR)

5.23. Limitação do objeto dos embargos infringentes e de nulidade

Vamos, primeiramente, comparar a redação do anteprojeto com a do Código de


Processo Penal.
O parágrafo único, do art. 609, do CPP, pontifica que “quando não for unânime
a decisão de segunda instância, desfavorável ao réu, admitem-se embargos infrin-
gentes e de nulidade, que poderão ser opostos dentro de 10 (dez) dias, a contar da
publicação de acórdão, na forma do art. 613. Se o desacordo for parcial, os embar-
gos serão restritos à matéria objeto de divergência”.
Veja-se que o teor daquele dispositivo do Código permite interposição ampla
dos embargos infringentes, em favor do réu, exigindo, tão somente, que:
(a) a decisão de segunda instância seja desfavorável ao réu (não somente deci-
são de absolvição, mas outras com outro conteúdo desfavorável – malgrado, no STF,
tenha sido criado o conceito de “voto absolutório em sentido próprio”43, para que os
embargos infringentes previstos no seu Regimento Interno seja admitido);
(b) não haja unanimidade, independentemente do número de votos vencidos.
Por sua vez, os parágrafos que são sugestionados no corpo do pacote anticrime
logram piorar o regramento dos embargos infringentes e de nulidade, com ambígua
redação, que dificulta o entendimento:

43. STF – Pleno – AP 863 EI – AgR/SP – Rel. Min. Edson Fachin – j. 19 abr. 2018.

71
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

(1) suprimiu a necessidade de que a decisão de segunda instância seja “des-


favorável ao réu”, para colocar no lugar a expressão “quando houver voto vencido
pela absolvição em segunda instância”, em péssimo vernáculo: o texto, como está,
indica o desejo de tornar aberta a possibilidade de interposição de embargos in-
fringentes e de nulidade em favor da acusação, desde que “restritos à matéria ob-
jeto de divergência”, a partir da existência de voto absolutório (note-se que o texto
permite sustentar a possibilidade, tanto do cabimento de embargos infringentes
e de nulidade pelo réu defendendo sua absolvição, como também pelo Ministério
Público que, a partir do voto absolutório pede revisão do julgado como um todo,
pleiteando aumento de pena – reformatio in pejus vedada44);
(2) tornou sem sentido ser os embargos infringentes também de nulidade:
o recurso é um só, no entanto a expressão “embargos de nulidade” reporta-se
à questão processual, desfavorável ao réu, tais como a equivocada admissibili-
dade de recurso intempestivo interposto pelo Ministério Público, mas com voto
vencido pelo seu não conhecimento. Ora, se somente cabível diante da existência
de “voto vencido pela absolvição”, desaparece a razão de ser da expressão com-
posta “embargos infringentes e de nulidade”, porque apenas será “embargos in-
fringentes”;
(3) o § 2º, ademais, averba, desnecessariamente, a existência de efeito sus-
pensivo deste recurso: se o for interposto pelo Ministério Público, terá o condão
de suspender efeitos favoráveis ao réu? Outra lamentável e inconstitucional pre-
visão do anteprojeto e que, diante da simpatia do proponente com os juízos dis-
cricionários, o resultado poderá ser de redução do raio do direito de defesa que,
necessariamente, subentende meios e recursos inerentes a ela.

44. Pondere-se, ainda, que a nossa preocupação não é sem razão, eis que os embargos infringentes e de nulidade,
sempre em favor da defesa nos termos do Código, permitem ampla devolução da matéria. Luís Manzano expli-
ca – sob a ótica de ser um recurso exclusivamente manejável pelo réu ou a seu favor – que “por sua natureza,
os embargos infringentes propiciam o reexame da matéria objeto da discordância, ocorrida no julgamento de
uma apelação ou de um recurso em sentido estrito, por uma turma ampliada de juízes ou desembargadores”
(MANZANO, Luís Fernando de Moraes. Curso de processo penal. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013. p.760).

72
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 617-A. Ao proferir acórdão condenatório, o tribunal deter-


minará a execução provisória das penas privativas de liberdade,
restritivas de direitos ou pecuniárias, sem prejuízo do conheci-
mento de recursos que vierem a ser interpostos.
§ 1º O tribunal poderá, excepcionalmente, deixar de autorizar
a execução provisória das penas se houver questão constitu-
cional ou legal relevante, cuja resolução por Tribunal Superior
possa levar à provável revisão da condenação.
§ 2º Caberá ao relator comunicar o resultado ao juiz competen-
te, sempre que possível de forma eletrônica, com cópia do voto
e expressa menção à pena aplicada.” (NR)

5.24. Execução provisória de ofício e discricionariedade de sua denegação


O dispositivo deseja permitir a denominada “execução provisória de pena”.
A proposta esbarra no postulado da presunção de inocência, princípio-base do direito
processual penal. A execução provisória não pode ocorrer de forma automática.
Aliás, consoante pondera Lenio Luiz Streck, o projeto “endossa a tese da prisão au-
tomática e obrigatória”, porém: (a) parece-lhe “muito claramente inconstitucional; e
(b) “não traduz ‘o entendimento atual’, mas, sim, a leitura de dois ministros. O ministro
pode sustentar o que bem entender, mas isso deve ser dito, e deve ser dito às claras”45.
Outrossim, o enunciado, ainda, inverte toda a lógica consagrada da execução
penal para determinar que ela se dê imediatamente, avivando, no entanto, no seu §
1º, que “o tribunal poderá, excepcionalmente, deixar de autorizar a execução provi-
sória das penas se houver uma questão constitucional ou legal relevante”.
Note-se que o espaço de discricionariedade do tribunal seria aumentado dema-
siadamente com esse enunciado.
Ora, o direito deve pretender o contrário: limitar a contingência, conferir previ-
sibilidade, evitar arbitrariedades, conter abuso de poder.
Por mais de uma razão, o art. 617-A, proposto ao CPP, é inconstitucional. Aliás,
anotamos em outro lugar46, que a regra que afirma a ausência de efeito suspensivo
dos recursos extraordinário e especial, interpostos contra condenação, deve rece-
ber interpretação conforme a constituição.

45. STRECK, Lenio Luiz. O “pacote anticrime” de Sérgio Moro e o martelo dos feiticeiros. Conjur: senso in-
comum, 07 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-07/pacote-anticrime-sergio-
-moro-martelo-feiticeiros>. Acesso em: 06 mar. 2019.
46. TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.1468-1470.

73
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 637. O recurso extraordinário e o recurso especial interpos-


tos contra acórdão condenatório não terão efeito suspensivo.
§ 1º Excepcionalmente, poderão o Supremo Tribunal Federal e
o Superior Tribunal de Justiça atribuir efeito suspensivo ao re-
curso extraordinário e ao recurso especial, quando verificado
cumulativamente que o recurso:
I - não tem propósito meramente protelatório; e
II - levanta questão constitucional ou legal relevante, com re-
percussão geral e que pode resultar em absolvição, anulação da
sentença, substituição da pena privativa de liberdade por res-
tritiva de direitos ou alteração do regime de cumprimento da
pena para o aberto.
§ 2º O pedido de concessão de efeito suspensivo poderá ser fei-
to incidentemente no recurso ou por meio de petição em sepa-
rado, dirigida diretamente ao relator do recurso no Tribunal Su-
perior, instruída com cópias do acórdão impugnado, das razões
do recurso e de prova da sua tempestividade, das contrarrazões
e das demais peças necessárias à compreensão da controvérsia.”
(NR)

5.25. Efeito suspensivo em recurso extraordinário ou especial em matéria


penal

A inerente ausência de efeito suspensivo dos recursos especial e extraordinário


em matéria não penal tem resvalado em “publicidade opressiva de julgamentos cri-
minais”, na dicção de Simone Schreiber47. Isso porque a grande mídia repete reitera-
damente a inexistência de efeito suspensivo de recursos extraordinário e especial,
inclusive em matéria criminal.
A proposta de modificação do art. 637, do CPP, reprisa tentativa de manter a
possibilidade de execução imediata da pena e incrementa doses de discricionarie-
dade. No entanto, conforme sustentamos48, aquele efeito não deve ter aplicação ao

47. Consoante aduz a autora, “a distinção entre a verdade midiática e a verdade processual é de fundamental
importância para se compreender a nocividade de determinadas manifestações jornalísticas que se arvo-
ram em desvendar fatos criminosos e pautar a atuação da justiça a partir de sua atuação. A verdade produ-
zida pela imprensa não é mediada pelas garantias do processo, portanto, não pode ser levada em conta pelo
juiz quando dita a sentença” (SCHREIBER, Simone. A publicidade opressiva de julgamentos criminais. Rio de
Janeiro: Renovar, 2008. p.410).
48. TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.1468-1470.

74
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

processo penal de maneira irrestrita, notadamente quando aqueles recursos forem


interpostos em favor do acusado.
Isso porque os dispositivos processuais penais devem ser interpretados de
acordo com o princípio da presunção de não culpabilidade, cuja natureza é de ve-
tor hermenêutico maior, estruturador, autêntico postulado. Ademais, outros enun-
ciados constitucionais e infraconstitucionais impõem o dever dos órgãos do Poder
Judiciário reexaminar amplamente uma decisão condenatória, escoimando-a de
qualquer equívoco, considerando a importância que a Constituição conferiu ao va-
lor liberdade do ser humano49.
Por outro lado, a ilação de que recursos extraordinário e especial não autorizam
reexame de fatos e de provas em matéria não criminal também precisa ser retifica-
da. Diferentemente do propalado pela grande mídia, os recursos criminais, ainda
que de natureza extraordinária, impõem aos órgãos jurisdicionais exame amplo de
provas e de fatos, em função do efeito translativo em favor do réu.
Os tribunais superiores mencionam a técnica de concessão de habeas corpus de
ofício, ou seja, sem provocação, quando, ao apreciarem um recurso extraordinário
ou especial, constatam ilicitude, antijuridicidade, mesmo no tocante à prova. Não
deve ser tolerada, por exemplo, prova ilícita ou colhida sem respeito à forma gizada
na Constituição, nas convenções e nas leis.
Ainda que se cuide de recurso extraordinário – cuja jurisprudência reiterada
afirma que nele somente cabe exame de matéria de direito –, quando o caso con-
frontar a limitação da liberdade do réu, é dever do tribunal aplicar o seu efeito trans-
lativo, a fim de coibir condenações abusivas, ilícitas, inconstitucionais ou ilegítimas.
Diversos dispositivos permitem essa conclusão. Senão vejamos:
(a) o inciso LXV, do art. 5º, da Constituição, preconiza que “a prisão ilegal será
imediatamente relaxada pela autoridade judiciária”, previsão essa que permite con-
cluir, sistematicamente, que o tribunal deve coibir tanto a prisão ilegal quanto a sua
ameaça por meio de um processo que consubstancia uma antijuridicidade;

49. De forma contrária e interpretando os direitos fundamentais de maneira restritiva – além de exercendo
indevidamente a função de inovar o ordenamento jurídico –, juízes criminais reunidos emitiram o Enun-
ciado nº 14, do Fonajuc, declarando que “o réu condenado pelo Tribunal do Júri deve ser imediatamente
recolhido ao sistema prisional a fim de que seja iniciada a execução da pena em homenagem aos princípios
da soberania dos veredictos e da efetividade processual”. Em decisão monocrática, da lavra da Min. Laurita
Vaz, do STJ, relativamente a julgamento em que foi aplicado o aludido enunciado, foi dito que o juiz de
primeiro grau se limitou “a invocar entendimento antijurídico, fundado no Enunciado n.º 14 do FONAJUC
(Fórum Nacional dos Juízes Criminais)”, destacando, ainda que aquela dicção “é contrária ao posiciona-
mento do Supremo Tribunal Federal e desta Corte sobre a controvérsia” (STJ – HC 458.249/TO – Decisão
Monocrática – Min. Laurita Vaz – j. 2/8/2018).

75
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

(b) a Constituição realça, ademais, que “ninguém será levado à prisão ou nela
mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança”, de modo
que, em sede de recurso, pode-se extrair que a atuação fiscalizatória da liberdade
do acusado é dever atribuído ao tribunal (art. 5º, LXVI, CF);
(c) em conjunto com essas disposições, o LXVIII, do art. 5º, da CF, estatui que
será concedido “habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de
sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso
de poder”; e, no plano infraconstitucional,
(d) o § 2º, do art. 654, do CPP, que estampa que “os juízes e os tribunais têm
competência para expedir de ofício ordem de habeas corpus, quando no curso de
processo verificarem que alguém sofre ou está na iminência de sofrer coação ilegal”.
Como se depreende, negar efeito suspensivo a recurso especial e extraordinário
manejado contra condenação não encontra respaldo jurídico, seja diante do postu-
lado da presunção de inocência, seja em razão do expresso no art. 283, do CPP, seja
ainda pelos dispositivos aqui descritos.

“Art. 638. O recurso extraordinário e o recurso especial serão pro-


cessados e julgados no Supremo Tribunal Federal e no Superior
Tribunal de Justiça na forma estabelecida por leis especiais, pela
lei processual civil e pelos respectivos regimentos internos.” (NR)

5.26. Remissão à lei processual civil

A assimilação automática da disciplina civil dos recursos extraordinário e espe-


cial, criticada por nós acima, ao processo penal, é de todo não recomendada. O direito
processual penal – é cediço – veicula direito de liberdade. A falta de efeito suspensivo
generalizada autorizaria a execução automática e, somente nos casos discricionaria-
mente permitidos pelo juiz, poderia ser impedida a execução. A lógica do sistema fun-
dado na presunção de inocência é, justamente, contrária a essa solução.
Também é equivocado pensar que, no direito criminal, os recursos extraordi-
nário e especial não admitam exame de matéria fática, sobre provas. Isso em razão
do dever – imposto constitucionalmente – que tem o Poder Judiciário de coibir, de
ofício, ameaça de lesão (por processo com ilicitude) ou lesão efetiva a direito. In-
constitucional, portanto, a tentativa de mistura de categorias próprias do processo
civil ao penal.

76
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

6. MUDANÇAS NA LEI DE EXECUÇÃO PENAL

Art. 4º A Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 - Lei de Execução Penal, passa a vigorar
com as seguintes alterações:
“Art. 9º-A. Os condenados por crimes praticados com dolo, mes-
mo antes do trânsito em julgado da decisão condenatória, serão
submetidos, obrigatoriamente, à identificação do perfil genéti-
co, mediante extração de DNA - ácido desoxirribonucleico, por
técnica adequada e indolor, quando do ingresso no estabeleci-
mento prisional.
(...)
§ 3º Os condenados por crimes dolosos que não tiverem sido
submetidos à identificação do perfil genético quando do in-
gresso no estabelecimento prisional poderão ser submetidos
ao procedimento durante o cumprimento da pena.
§ 4º Constitui falta grave a recusa do condenado em submeter-
-se ao procedimento de identificação do perfil genético.” (NR)

6.1. Ampliação de submissão do imputado à identificação genética

O art. 9º-A, caput, em tela, do anteprojeto anticrime, correlato ao mesmo


dispositivo da LEP, pretende ampliar a submissão do imputado à identificação
genética:
(1) o enunciado se satisfaz que seja o identificado pessoa condenada por cri-
me doloso, deixando de exigir que o delito tenha sido cometido com violência ou
grave ameaça à pessoa;
(2) prevê, expressamente, que o imputado seja submetido à identificação do
perfil genético, “mesmo antes do trânsito em julgado da decisão condenatória”; e
(3) especifica que a identificação seja feita “quando do ingresso no estabele-
cimento prisional”.
O seu § 3º, de sua vez, “faculta” que aqueles “condenados” que não tenham
sido submetidos à identificação do perfil genético quando da entrada no estabe-
lecimento prisional, sejam assim identificados “durante o cumprimento da pena”.
Como se infere, há desproporção na generalização da submissão de pessoas à
identificação do perfil genético. É inconstitucional:

77
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

(a) ao dispensar o trânsito em julgado, por antecipar efeitos que seriam pró-
prios da condenação, violando o princípio da presunção da inocência;
(b) ao aumentar o leque de identificados, permitindo que o procedimento se
dê amplamente para todo condenado por crime doloso, sem indicar necessidade
concreta (descompasso com o princípio da proporcionalidade);
(3) ao imprimir efeitos retroativos da identificação para quem estiver cum-
prindo pena quando do eventual advento da legislação respectiva, inclusive em
relação ao que cumprem condenações transitadas em julgado (violação ao princí-
pio da irretroatividade da lei mais gravosa); e
(4) ao não prever cessação de controle dos identificados geneticamente, ins-
tituindo regime similar ao de liberdade vigiada capaz de se protrair para momen-
to subsequente à extinção da pena (vedação de efeitos perpétuos decorrente da
pena).
Vale comparar o que aqui foi dito com alcance da redação atual, do art. 9º-A,
da Lei de Execução Penal. Cuida-se de dispositivo que, apesar de também violar
direitos fundamentais, é bem mais restrito se cotejado com a proposta antidelito.
Segundo disciplina a LEP no ponto, “os condenados por crime praticado, dolosa-
mente, com violência de natureza grave contra pessoa, ou por qualquer dos cri-
mes previstos no art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, serão submetidos,
obrigatoriamente, à identificação do perfil genético, mediante extração de DNA
- ácido desoxirribonucleico, por técnica adequada e indolor”. 

6.2. Efeito retroativo da previsão aos que se encontram cumprindo pena

Veja-se, de outra lente, que logo se amplia o espectro da identificação gené-


tica, admitindo-a também durante o cumprimento da pena (§ 3º). Note-se que a
aplicação retroativa – não somente em relação aos fatos cometidos anteriormente
ao advento da futura lei, mas também aos atuais apenados – é inconstitucional.
O § 4º, também inconstitucional, estabelece regra que viola o princípio de que
ninguém deve ser compelido a contribuir com sua própria incriminação (presen-
te ou futura), sintetizada na expressão nemo tenetur se detegere.
Realmente, como justificar punição administrativa em virtude de exercí-
cio de um direito? Eis o texto do aludido parágrafo: “constitui falta grave a re-
cusa do condenado em submeter-se ao procedimento de identificação do perfil
genético”.

78
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 105. Transitada em julgado a sentença que aplicar pena


privativa de liberdade ou determinada a execução provisória
após condenação em segunda instância de pena privativa de
liberdade, o juiz ordenará a expedição de guia de recolhimento
para a execução.” (NR)

6.3. Emissão de guia de recolhimento para a execução definitiva ou provisória

O dispositivo proposto é inteiramente desnecessário. Trata-se de corolário do


fetiche do seu inventor pela execução provisória de pena. O texto do art. 105, da
Lei de Execução Penal já admite a emissão de guia de recolhimento para execução
penal de presos provisórios. A mudança é sem sentido e indica desconhecimento de
que há permissivo legal para emissão de guia de execução penal toda vez que, por
exemplo, uma pessoa condenada tem contra si decreto de prisão preventiva com
fundamento nos seus requisitos legais (art. 312, CPP).
Vale dizer, o preso cautelar que tiver contra si sentença condenatória será re-
colhido por meio de guia que garanta a ele a aplicação dos institutos que lhe forem
benéficos, previstos ao preso definitivo. A Lei de Execução Penal, ademais, tem ór-
bita de incidência que alcança apenados e custodiados cautelares, como endossam
os enunciados 716 e 717 da Súmula do STF.
De acordo com o parágrafo único, do seu art. 2º, ela deve ser aplicada “igual-
mente ao preso provisório e ao condenado pela Justiça Eleitoral ou Militar, quando
recolhido a estabelecimento sujeito à jurisdição ordinária”. E, em compasso com
o seu art. 105, “transitando em julgado a sentença que aplicar pena privativa de
liberdade, se o réu estiver ou vier a ser preso, o Juiz ordenará a expedição de guia
de recolhimento para a execução”.

“Art. 147. Transitada em julgado a sentença que aplicar pena


restritiva de direitos ou determinada a execução provisória após
condenação em segunda instância de pena restritiva de direi-
tos, o juiz da execução, de ofício ou a requerimento do Ministé-
rio Público, promoverá a execução e poderá requisitar, quando
necessário, a colaboração de entidades públicas ou solicitá-la a
particulares.” (NR)

6.4. Execução das penas restritivas de direito


A execução da pena, seja ela restritiva de direito ou privativa de liberdade, só
deve ser implementada depois do trânsito em julgado. O Supremo Tribunal Federal,

79
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

seguido dos demais tribunais, já havia fixado a orientação de que ofende o princípio
da não-culpabilidade a execução da pena privativa de liberdade antes do trânsito
em julgado da sentença condenatória, permitindo-se a prisão cautelar do réu, desde
que presentes os requisitos autorizadores da decretação da prisão preventiva50.
A teor do art. 147, da Lei de Execução Penal, é necessário estar “transitada em
julgado a sentença que aplicou a pena restritiva de direitos”, para que o juiz da exe-
cução, “de ofício ou a requerimento do Ministério Público”, promova a execução.
Para tanto, poderá “requisitar, quando necessário, a colaboração de entidades pú-
blicas ou solicitá-la a particulares”. Como se depreende, a proposta apresentada de-
seja, na linha das demais modificações, antecipar o momento da punição, à míngua
das garantias fundamentais.

“Art. 164. Extraída certidão da decisão condenatória em segun-


da instância ou de trânsito em julgado da sentença condenató-
ria, que valerá como título executivo judicial, o Ministério Públi-
co requererá, em autos apartados, a citação do condenado para,
no prazo de dez dias, pagar o valor da multa ou nomear bens à
penhora.
(...)” (NR)

6.5. Execução da pena de multa

Se o responsável pelo anteprojeto anticrime desejasse diminuir o espaço de dú-


vidas ocasionado pela disposição do art. 164, da LEP, em confronto com o art. 51,
do Código Penal, explicitaria se a legitimação para promover a execução da multa
caberia apenas ao Ministério Público, apenas à Fazenda Pública (por ser dívida de
valor) ou a ambos, como entendeu o STF recentemente.
Entretanto, a ideia fixa que norteou o criador do anteprojeto foi a de permitir
a execução antes da formação de culpa. Olvidou acirrado debate que houve no STF,
no bojo do julgamento da ADI n.º 3150, cuja controvérsia girava sobre o art. 51, do
Código Penal, que estabelece a conversão da multa pecuniária em dívida de valor
quando do trânsito em julgado da sentença penal condenatória, ordenando que a
cobrança se dê na forma da legislação alusiva à dívida ativa.

50. STF – HC 84.078/MG – Rel. Min. Eros Grau – DJ 05/02/2009 – Informativo STF nº 534.

80
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Naquela ocasião, por decisão majoritária, o Pleno da Corte Suprema entendeu


que a transformação da multa em dívida de valor não suprime a atribuição do Mi-
nistério Público para executar o quantum debeatur, haja vista que a multa continu-
aria a ter natureza jurídica penal, não sendo possível desnaturá-la por meio de lei.
Desse modo, como a Lei de Execução Penal possui previsão para que o Ministé-
rio Público execute a multa (art. 164, caput, LEP), a prioridade para a sua cobrança
deve ser atribuída, segundo tal entendimento da Corte Maior brasileira, àquele ór-
gão e não à Fazenda Pública. Daí ter o STF assentado que caso o Parquet, no prazo
de noventa dias, não cobre a multa, o juízo da vara criminal deverá comunicar ao
órgão da Fazenda Pública, que funcionaria com atuação subsidiária51.
Nada disso foi observado no anteprojeto. Aliás, como foi ele escrito, de forma
inédita, sem debate com os diversos setores preocupados com o sistema de justiça
criminal, nada mais lógica a cegueira na redação dos dispositivos.
Vale dizer, sem embargo, que, não obstante os argumentos exarados naquele
julgado, pensamos que a promoção da execução de dívidas, ainda que de valores
decorrentes de sanção criminal, não se acomoda a qualquer das funções institu-
cionais do Ministério Público, instituição com o dever de promover e defender in-
teresses primários, sejam eles difusos, coletivos e individuais indisponíveis (art.
127, CF/1988). Como o valor da multa é carreado à União, o órgão que detém essa
atribuição é, segundo as divisões de tarefas instituídas na legislação brasileira, o da
Fazenda Pública52.

51. STF – ADI 3150 – Rel. Min. Roberto Barroso –j. 13/12/2018 – Notícias: Notícias. Legitimidade para execu-
ção da multa penal é do Ministério Público. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticia-
Detalhe.asp?idConteudo=398607>. Acesso em: 15 dez. 2018.
52. Nesse sentido, anotamos em outro trabalho (ARAÚJO, Fábio Roque de; TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar
Rodrigues. Legislação criminal para concursos. 4. ed. Salvador: Juspodivm, 2019. p.1758-1759).

81
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

7. MUDANÇAS NA LEI DOS CRIMES HEDIONDOS

Art. 5º A Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, passa a vigorar com as seguintes alte-
rações:
“Art. 2º (...)
§ 5º A progressão de regime, para condenados pelos crimes pre-
vistos neste artigo, se dará somente após o cumprimento de 3/5
(três quintos) da pena quando o resultado envolver a morte da
vítima.
§ 6º Observado o disposto no § 5º, a progressão de regime ficará
subordinada ao mérito do condenado e à constatação de condi-
ções pessoais que façam presumir que ele não voltará a delinquir.
§ 7º Ficam vedadas aos condenados, definitiva ou provisoria-
mente, por crimes hediondos, de tortura ou de terrorismo:
I - durante o cumprimento do regime fechado, saídas temporá-
rias, por qualquer motivo, do estabelecimento prisional, exceto
nas hipóteses de que trata o art. 120 da Lei nº 7.210, de 1984 -
Lei de Execução Penal, ou para comparecer em audiências, sem-
pre mediante escolta; e
II - durante o cumprimento do regime semiaberto, saídas tem-
porárias, por qualquer motivo, do estabelecimento prisional,
exceto nas hipóteses de que trata o art. 120 da Lei nº 7.210, de
1984 - Lei de Execução Penal, para comparecer em audiências,
sempre mediante escolta, ou para trabalho ou para cursos de
instrução ou profissionalizantes.” (NR)

7.1. Restrições à progressão de regime

Os parágrafos 2º e 3º seguem o caminho de procurar dificultar a progressão de


regime. A ignorância científica tomou conta de todo o texto. Parece se arrimar apenas
na fé de que o aumento do tempo de prisão é adequado ao tratamento da questão
criminal. Para completar, também incrementa as doses de discricionariedade e de
subjetividade, para subordinar a progressão de regime a critérios de difícil controle.

7.2. Permissão de saída e saída temporária


Uma brutalidade, desumano, vedar “saída temporária” por qualquer motivo
(§ 7º), a exemplo dos estudos. Pior ainda quando o subscritor do anteprojeto con-
funde o instituto com a “permissão de saída”, esta sim disciplinada no mencionado
art. 120, da LEP. Os conceitos de “permissão de saída” e de “saída temporária” são

82
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

distintos e pertencem ao gênero “autorizações de saída”. Tudo disposto na Lei de Exe-


cução Penal, explicados pela doutrina, como aliás anotamos em outros estudos53.
Por derradeiro – não poderia faltar –, o fetiche pela execução provisória tam-
bém se faz presente para impor rigidez punitiva arbitrária.

8. MUDANÇAS NA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Art. 6º A Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, passa a vigorar com as seguintes alte-
rações:
“Art. 17. (...)
§ 1º A transação, o acordo ou a conciliação nas ações de que
trata este artigo poderão ser celebradas por meio de acordo de
colaboração ou de leniência, de termo de ajustamento de con-
duta ou de termo de cessação de conduta, com aplicação, no
que couber, das regras previstas na Lei nº 12.850, de 2 de agosto
de 2013, e na Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013.
(...)” (NR)

8.1. Inconstitucionalidade da ampliação do plea bargain de forma genérica

O rigor técnico passou bem distante desse dispositivo que, a sua vez, sugere
mesclar o regime cível da improbidade administrativa com o criminal da Lei nº
12.850/2013 e, ainda, com aquele da legislação anticorrupção aplicável à pessoa
jurídica (Lei nº 12.846/2013). O resultado dessa mistura significará grande espaço
de incerteza, maior discricionariedade e supressão de garantias. Inconstitucional
do ponto de vista material.

8.2. Inconstitucionalidade formal da disciplina cível por intermédio de pro-


jeto de lei com conteúdo criminal
No ponto, também inconstitucional formalmente a proposta, por ofender o pro-
cedimento talhado na Lei Complementar nº 95/1998, eis que cada projeto deve
cuidar de uma matéria específica. Não é adequado à legislação que regula a feitura

53. TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.1802.

83
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

das leis inserir propostas de modificação da Lei de Improbidade Administrativa no


“pacote anticrime”.

9. MUDANÇAS NA LEI DAS INTERCEPTAÇÕES TELEFÔNICAS

Art. 7º A Lei nº 9.296, de 24 de julho de 1996, passa a vigorar com as seguintes al-
terações:
“Art. 9º-A A interceptação de comunicações em sistemas de in-
formática e telemática poderá ocorrer por qualquer meio tec-
nológico disponível, desde que assegurada a integridade da
diligência, e poderá incluir a apreensão do conteúdo de men-
sagens e arquivos eletrônicos já armazenado em caixas postais
eletrônicas.” (NR)

9.1. Necessidade de demarcação de conceitos em matéria de comunicações


O dispositivo confunde o conceito de interceptação que pressupõe fluxo de si-
nais, sonoros ou de dados, com o afastamento de sigilo de dados em um dispositivo
muito peculiar, que é a caixa postal eletrônica.
Podemos dizer que a apreensão do que está armazenado em caixas de e-mail não
é, logicamente, objeto de interceptação. Também não se trata de correspondência que
possa ser interpretada como que a versão atual das antigas cartas ou missivas.
Para a regulamentação de tal espaço virtual, de realidade ampliada, seria ne-
cessário amplo debate. Estudiosos sobre o tema, juristas já expuseram advertências
sobre a questão. Precisaríamos de um amplo debate. O que desejamos para o Bra-
sil? Estado de polícia? Privação ilimitada da intimidade em busca de desvendamen-
to de crimes emblemáticos, tal como se dá no cinema?
Dois textos de fácil acesso podemos recomendar para incentivar à reflexão. O pri-
meiro é o de Geraldo Prado, sobre os limites da interceptação telefônica, já amplamen-
te repercutido54. O segundo é a entrevista prestada por Tércio Sampaio Ferraz Jr55.

9.2. Inconstitucionalidade da previsão diante de sua excessiva abertura tex-


tual
O dispositivo objeto da proposta anticrime não resiste ao filtro de constitucio-
nalidade.

54. PRADO, Geraldo. Limite às interceptações telefônicas e a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. 2. ed.
Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.
55. FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Juízes operam com conceitos velhos em um mundo novo. Gazeta do Povo.
Disponível em: <https://www.gazetadopovo.com.br/justica/tercio-sampaio-juizes-operam-conceitos-ve-
lhos-em-um-mundo-novo-4fniz3cac3p5jpu70hzu40qnw/>. Acesso em: 16 fev. 2019.

84
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

Isso por mais de uma razão:


(1) a caixa de e-mail pode ser dotada de multifuncionalidade e de grande capa-
cidade de armazenamento, com várias regras de sigilo envolvidas: nela podem estar
depositados todos os dados de uma vida, tais como fotos, dados fiscais, documentos
digitalizados, dentre outras;
(2) as mensagens eletrônicas armazenadas podem não ter sido abertas, podem
ter conteúdo que extravasa os limites do sigilo afastado, como sigilo bancário e fi-
nanceiro;
(3) os conceitos usados pelos juristas estão defasados diante das novas tecno-
logias encontradas: se podemos acreditar que precisamos de nova regulamentação
acerca do afastamento do sigilo nestes casos, também temos que convir que não
pode ser feito por um dispositivo que permita o alijamento do sigilo de caixas pos-
tais eletrônicas de qualquer maneira;
(4) é extremamente rico em incertezas o primeiro trecho do enunciado que diz
que as interceptações de comunicações em sistemas de informática e telemática
poderá ocorrer por qualquer meio tecnológico disponível desde que assegurada a
integridade da diligência: vale dizer, que “qualquer meio tecnológico” seria esse?
Existem equipamentos capazes de devassar a intimidade no grau máximo. Seriam
esses permitidos? Um grampo ilimitado? Veja-se a preocupação que aqui se coloca:
o dispositivo deseja autorizativo para qualquer espécie de invasão, sem observân-
cia de conceitos que forcem o agente estatal a seguir parâmetros que não fira de
morte o elemento nuclear do ser humano. Há notícia, por exemplo, de tecnologia
israelense56, capaz de invadir todos os campos da intimidade, ao menos aquela que
seja objeto de comunicação ou de armazenamento (até hoje não se sabe o que se

56. Vale conferir a seguinte notícia que informa o uso desse equipamento sem que haja previsão legal específica
e adequação constitucional. “Listas de contatos, conversas pelo WhatsApp, informações das redes sociais e de
e-mails, fotos e vídeos e dados de localização, além de buscas e sites visitados. Nada escapa do temido equi-
pamento usado pelo Polícia Federal para extrair todos os dados de aparelhos celulares apreendidos na opera-
ção Lava Jato. Com ele, os investigadores fazem uma verdadeira limpa nos aparelhos, mesmo os bloqueados
por senha ou criptografados. O equipamento, chamado Ufed Touch, desenvolvido pela empresa israelense
Cellebrite, foi um dos produtos que mais despertaram a curiosidade do público durante a Laad — Feira
Internacional de Segurança Pública e Corporativa, que aconteceu no Rio de terça a quinta-feira da última
semana. — É importante dizer que garantimos a preservação doa dados após a extração. Não deixamos que
nada se perca ou corrompa-se. É um equipamento 100% forense, que garante a preservação das provas —
explica Frederico Bonincontro. O equipamento já é utilizado no Brasil de seis a oito anos, mas vai evoluindo
ano a ano. Além dos criminosos, o Ufed também pode ser utilizado para retirar informações dos aparelhos de
vítimas de crimes, como, por exemplo, alguém que tenha sido sequestrado ou esteja desaparecido. Na Laad,
a Cellebrite apresentou ainda outro equipamento de extração de dados de celulares. Esse modelo, chamado
Infield Kiosk, ainda não é utilizado no Brasil. A ideia é que cada delegacia tenha o terminal, onde os policiais
podem fazer a retirada de dados no momento em que a vítima, suspeito ou testemunha estejam na unidade.

85
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

pensa enquanto o pensamento está adstrito ao cérebro; caso haja essa possibilida-
de, o punitivista tentará um meio de documentar o que outro ser humano pensa).

10. MUDANÇAS NA LEI DE LAVAGEM DE CAPITAIS

Art. 8º A Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, passa a vigorar com as seguintes al-
terações:
“Art. 1º (...)
§ 6º Não exclui o crime a participação, em qualquer fase da
atividade criminal de lavagem, de agente policial disfarçado,
quando presentes elementos probatórios razoáveis de conduta
criminal preexistente.” (NR)

10.1. Vedação à punição por crime impossível

Malgrado a redação confusa, o dispositivo proposto traz a mesma possibilidade


de punir alguém pelo crime impossível. Os comentários tecidos acima ao inciso IV,
do § 1º, do art. 33, têm lugar também aqui.

10.2. Agente policial disfarçado e agente provocador

Vale enfatizar que o “agente policial disfarçado” tem o potencial de atuar como
“agente provocador”. Daí nascer o crime impossível. Na esteira de Rubens Casara,
o delito provocado é apto “a gerar um ‘delito putativo por obra do agente provo-
cador’”, numa situação que se caracteriza como “um simulacro no qual o agente,
desconhecendo o contexto, encontra-se em situação na qual é incapaz de colocar
em risco o bem jurídico pela norma penal”. A impossibilidade de consumação do

Nesse caso, a extração é consentida. — A ideia do equipamento é agilizar a coleta desse tipo de dados ainda
na delegacia, no início das investigações, e não esperar que as provas precisem ser produzidas já no curso
do processo. Agiliza muito o trabalho da polícia — explica o diretor da Cellebrite. A Laad é a maior feira de
segurança da América Latina. Este ano, o evento contou com mais de cem expositores” (HERINGER, Carolina.
Equipamento israelense foi usado pela PF para extrair dados de celulares na Lava Jato. Extra Globo. Disponível
em: <https://extra.globo.com/casos-de-policia/equipamento-israelense-foi-usado-pela-pf-para-extrair-da-
dos-de-celulares-na-lava-jato-19101625.html>. Acesso em: 16 fev. 2019).

86
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

delito acontece em razão de ter sido toda a ação “induzida, instigada e controlada
por terceiro (provocador) com o objetivo de prender o agente (provocado)”57.

11. MUDANÇAS NO ESTATUTO DO DESARMAMENTO

Art. 9º A Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, passa a vigorar com as seguintes


alterações:
“Art. 17. (...)
§ 1º Equipara-se à atividade comercial ou industrial, para efeito
deste artigo, qualquer forma de prestação de serviços, fabrica-
ção ou comércio irregular ou clandestino, inclusive o exercido
em residência.
§ 2º Incorre na mesma pena quem vende ou entrega arma de
fogo, acessório ou munição, sem autorização ou em desacordo
com a determinação legal ou regulamentar, a agente policial
disfarçado, quando presentes elementos probatórios razoáveis
de conduta criminal preexistente.” (NR)

11.1. Crime impossível e deslealdade estatal

Pelas mesmas razões que aduzimos acima, incabível tornar crime a preparação
de crime. Teremos um engodo, um crime impossível. Os comentários tecidos acima
ao inciso IV, do § 1º, do art. 33, têm perfeita aplicação a essa hipótese. A lei sufraga
a deslealdade do próprio Estado, incentivando a prática de conduta aparentemente
criminosa, para lograr êxito em prender.

“Art. 18. (...)


Parágrafo único. Incorre na mesma pena quem vende ou en-
trega arma de fogo, acessório ou munição, em operação de im-
portação, sem autorização da autoridade competente, a agente
policial disfarçado, quando presentes elementos probatórios
razoáveis de conduta criminal preexistente.” (NR)

57. CASARA, Rubens R. R. Prisão e liberdade. São Paulo: Estúdio Editores, 2014. p.74.

87
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

11.2. Agente policial disfarçado e incremento de prisões

Novamente, o autor do anteprojeto planeja prender pessoas preparando fla-


grante. Remetemos ao que escrevemos acima. A indignação deve-se ao fato de ver,
de um lado, a tentativa de ampliar “colaborações premiadas” e, de outro, a proposta
de prender mais com agentes disfarçados. Que resultado teremos? Redução de cri-
minalidade?

“Art. 20. Nos crimes previstos nos art. 14, art. 15, art. 16, art. 17 e
art. 18, a pena é aumentada da metade se:
I - forem praticados por integrante dos órgãos e empresas refe-
ridas nos art. 6º, art. 7º e art. 8º; ou
II - o agente possuir registros criminais pretéritos, com conde-
nação transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado.”
(NR)

11.3. Majoração de pena por motivos alheios ao fato


Por desconhecimento dos estudos de criminologia ou por outra razão, o propo-
nente insiste em estabelecer critérios de julgamento filiados ao direito penal do au-
tor. Não se deve julgar um fato, com aumento de penal, por conta do “agente possuir
registros criminais pretéritos, com condenação transitada em julgado ou proferida
por órgão colegiado”.
Aliás, que se quis dizer com essa expressão? Maus antecedentes, reincidência
ou outra coisa não explicitada? Mais uma vez verificamos a preferência do subscri-
tor pela imprevisibilidade, em contradição com os objetivos de uma lei.

“Art. 34-A. Os dados relacionados à coleta de registros balísticos


serão armazenados no Banco Nacional de Perfis Balísticos.
§ 1º O Banco Nacional de Perfis Balísticos tem como objetivo
cadastrar armas de fogo e armazenar características de classe e
individualizadoras de projéteis e de estojos de munição defla-
grados por arma de fogo.
§ 2º O Banco Nacional de Perfis Balísticos será constituído pelos
registros de elementos de munição deflagrados por armas de
fogo relacionados a crimes, para subsidiar ações destinadas às
apurações criminais federais, estaduais e distritais.

88
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

§ 3º O Banco Nacional de Perfis Balísticos será gerido pela uni-


dade oficial de perícia criminal.
§ 4º Os dados constantes do Banco Nacional de Perfis Balísti-
cos terão caráter sigiloso e aquele que permitir ou promover
sua utilização para fins diversos dos previstos nesta Lei ou
em decisão judicial responderá civil, penal e administrativa-
mente.
§ 5º É vedada a comercialização, total ou parcial, da base de da-
dos do Banco Nacional de Perfis Balísticos.
§ 6º A formação, a gestão e o acesso ao Banco Nacional de Per-
fis Balísticos serão regulamentados em ato do Poder Executivo
federal.” (NR)

11.4. Controle de armas e banco nacional de perfis balísticos

A iniciativa de controle das armas de fogo é necessária.

Da década de 1990 aos dias atuais, o Brasil tem experimentado crescimento do


número de homicídios. A exasperação de penas não tem evidenciado resultados
satisfatórios.

Esses dados podem ser encontrados no Atlas da Violência, do Fórum Brasilei-


ro de Segurança Pública, elaborado por vários especialistas, para os quais “o enfo-
que no controle responsável e na retirada de armas de fogo de circulação nas cida-
des deve, portanto, ser objetivo prioritário das políticas de segurança pública”58.

Pensamos que a posse de armas não deveria ser incentivada, não deveria ser
fomentada, nem muito menos o mercado de armas deveria ser movimentado com
base em ato normativo do Governo Federal. É sabido que foi editado o Decreto nº
9.685/2019, facilitando a posse de armas, ao modificar a regulamentação dos re-
quisitos contidos no art. 4º do Estatuto do Desarmamento59.

58. CERQUEIRA, Daniel et alii. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da Violência: IPEA; FBSP. Dispo-
nível em: <http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/06/FBSP_Atlas_da_Violen-
cia_2018_Relatorio.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2019.
59. O Decreto nº 9.685/2019 é acusado de ilegal e inconstitucional, sob os argumentos: (1) de esvaziar
o propósito de desarmamento do Estatuto sob exame, sendo o decreto incompatível com a legislação
que deveria disciplinar; e (2) por ter o Presidente da República invadido competência do Poder Legis-
lativo, exorbitando o poder regulamentar (SEMER, Marcelo. A farsa da pátria armada. Revista Cult, São
Paulo, 21 jan. 2019. Disponível em: <https://revistacult.uol.com.br/home/farsa-da-patria-armada/?
fbclid=IwAR0SDRkLWvBqt-VJCnrjU2peKqMgDTIBDiQx5VCZlEvUgmQw2alKbd9FBJo>. Acesso em: 23
jan. 2019).

89
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Por outro lado, pensamos que o direito penal não deveria ser banalizado para
se expandir a ponto de exacerbar a punição de crimes de perigo abstrato. Os de-
litos de posse e de porte de armas eram contravenções penais até o advento da
Lei nº 9.437/1997, que os alçaram à categoria de crime. Com a promulgação da
Lei nº 10.826/2003 (Estatuto do Desarmamento), mais uma vez aquelas condu-
tas receberam tratamento punitivo mais severo. No entanto, o aumento do rigor
persecutório não foi eficaz à contenção do aumento do número de delitos contra a
vida.

Reiteramos, contudo, que não concordamos com a empolgação, fomento e in-


centivo à aquisição e à posse de armas.
Talvez esse seja o único ponto do anteprojeto que não resvale em medida
inconstitucional, ao menos em tese. É uma tentativa de controle que, apenas
com a numeração da arma, tem se mostrado insuficiente. No entanto, são ne-
cessárias duas advertências, além das que decorram do sigilo previsto naqueles
enunciados:
(1) o valor a ser atribuído a esses elementos não deve ser idêntico a de uma
prova técnica constituída na delimitação dos vestígios que constituem o corpo de
delito. Serão elementos de informação, devendo se cuidar contra o seu uso arbitrá-
rio e para incriminar pessoas sem relação de tempo próxima com a arma;
(2) ainda necessário frisar que existem armas sofisticadas, capazes de apresen-
tarem vários perfis balísticos60, dificultando a identificação da arma de fogo a partir
da qual se efetuou disparos.

60. Colhe-se, de texto técnico, que “a empresa Aimpoint mostrou sua mira/sistema de controle de tiro FCS12. O
sistema foi projetado para ser instalado no canhão sem recuo Carl Gustaf e no Panzerfaust 3. O sistema tem
uma mira tipo ponto vermelho sem zoom e um telêmetro laser. A mira pode ser programada para 50 perfis
balísticos diferentes para ser selecionar conforme a munição usada. Uma manete pode ser instalada no lan-
çador para se comunicar com a mira por conexão wireless” (FORTE. FCS12 da Aimpoint. Forças terrestres:
noticiário internacional. Disponível em: <https://www.forte.jor.br/2011/11/23/fcs12-da-aimpoint/>.
Acesso em: 17 fev. 2019).

90
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

12. MUDANÇAS NA LEI DE DROGAS

Art. 10. A Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006, passa a vigorar com as seguintes
alterações:
“Art. 33. (...)
§ 1º (...)
IV - vende ou entrega drogas ou matéria-prima, insumo ou pro-
duto químico destinado à preparação de drogas, sem autoriza-
ção ou em desacordo com a determinação legal ou regulamen-
tar, a agente policial disfarçado, quando presentes elementos
probatórios razoáveis de conduta criminal preexistente.
(...)” (NR)

12.1. Inserção do agente encoberto

A “inovação” pretende legitimar o “flagrante provocado”, figura vetusta refuta-


da, inclusive, por súmula pelos tribunais, diante das narrativas de abusos de poli-
ciais no curso da história brasileira. Denominado de “agente encoberto” ou “agente
policial disfarçado” este estaria autorizado a incriminar pessoas, por fatos pretéri-
tos, em razão de incentivo à venda de drogas.
Mais uma absurda sugestão, impressionante.
Usa-se o conhecido “jeitinho” para incriminar alguém que é vítima de flagrante
preparado pela polícia “descaracterizada”. O jeito encontrado é o descrito na parte
final do inciso IV, do § 1º, do enunciado em tela, correspondente ao art. 33, da Lei
de Drogas: se for entregue droga a agente disfarçado, haverá crime de tráfico, desde
que “presentes elementos probatórios razoáveis de conduta criminal pré-existen-
te”. A “colher de chá” é a suposição de que tudo está justificado, diante da enigmáti-
ca expressão “elementos probatórios razoáveis de conduta criminal pré-existente”.

12.2. Caracterização do crime impossível – Súmula 145, do STF

Por amor à didática, cabe transcrever o teor da antiga Súmula nº 145, do STF:
“não há crime, quando a preparação do flagrante pela polícia torna impossível a sua
consumação”.

91
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Vale dizer, ainda, que o anteprojeto pretende regular direito criminal (que deve-
ria ser claro, estrito – mas é ambíguo!). No dispositivo fala “elementos probatórios
‘razoáveis’”, de delito anterior. Que é isso? De que ordenamento jurídico se retirou
a inspiração para o uso da palavra “razoáveis”? Imagine-se: o agente policial “dis-
farçado” (sem farda ou fantasiado?) pede para comprar drogas a um suposto trafi-
cante de drogas, oferecendo-lhe dinheiro. Antes de se tornar perfeita a venda, surge
a voz de prisão. Houve provocação da situação de flagrante? Havia condições de
se consumar o delito de tráfico? É proceder do Estado aceitável eticamente ou em
conformidade com as garantias do art. 5°, CF? Esse o sentido do enunciado do ante-
projeto. Depois de “preso” com a prova ilícita decorrente da provocação, somado ao
elemento “probatório” anterior “razoável”, oferece-se uma “barganha”. Em síntese,
teremos uma fábrica de fazer presos. E de forma muito facilitada.
Note-se ainda que as figuras do “agente infiltrado” (Lei nº 12.850/2013) e
“agente encoberto” (pacote anticrime) podem se apresentar como “agente provoca-
dor”. Ou seja, aqueles agentes podem atuar na preparação e no incentivo de crimes,
atuando ilicitamente. A diferença é que a proposta de se inserir o “policial disfarça-
do” coincide, de acordo com o texto, com a figura da provocação do flagrante e com
a produção de prova ilícita, máxime quando se fala na venda de drogas ao próprio
agente (que não espera o delito, mas participa da cena, adquirindo a substância
entorpecente).

13. MUDANÇAS NA LEI DE TRANSFERÊNCIA E INCLUSÃO


DE PRESOS FEDERAIS

Art. 11. A Lei nº 11.671, de 8 de maio de 2008, passa a vigorar com as seguintes
alterações:
“Art. 2º (...)
Parágrafo único. O juízo federal de execução penal será compe-
tente para as ações de natureza cível ou penal que tenham por
objeto fatos ou incidentes relacionados à execução da pena ou
infrações penais ocorridas no estabelecimento penal federal.” (NR)

13.1. Competência cível do juízo federal das execuções penais

Não enxergamos justificativa proporcional para conferir ao juiz da execução pe-


nal competência civil ou competência para ações penais condenatórias, como cons-
ta do teor do parágrafo único, do art. 2º, ora anotado. A mudança tem por objeto

92
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

a Lei nº 11.671/2008, que reza sobre a inclusão de presos em estabelecimentos


penais federais de segurança máxima e a transferência de presos de outros estabe-
lecimentos para aqueles.
É de ver que, naturalmente, onde existir apenas uma vara judicial, esta cumu-
lará as competências civis e criminais, inclusive da execução penal do presídio sob
sua jurisdição.
No entanto, não há razão para que o juiz federal de execução penal, automatica-
mente e em desacordo com a competência delimitada pela lei específica, seja tam-
bém “competente para toda ação de natureza cível ou penal que tenha por objeto
fatos ou incidentes relacionados à execução”.
O dispositivo terá apenas o propósito de permitir a personificação e a onipre-
sença do juiz da execução penal para todos os problemas que o apenado tiver, algo
que compromete o princípio da imparcialidade e, notadamente, viola as bases do
princípio do juiz natural.

“Art. 3º Serão incluídos em estabelecimentos penais federais de


segurança máxima aqueles para quem a medida se justifique no
interesse da segurança pública ou do próprio preso, condenado
ou provisório.
§ 1º A inclusão em estabelecimento penal federal de seguran-
ça máxima, no atendimento do interesse da segurança pública,
será em regime fechado de segurança máxima, com as seguin-
tes características:
I - recolhimento em cela individual;
II - visita do cônjuge, do companheiro, de parentes e de amigos
somente em dias determinados, por meio virtual ou no parlató-
rio, com o máximo de duas pessoas por vez, além de eventuais
crianças, separados por vidro e comunicação por meio de inter-
fone, com filmagem e gravações;
III - banho de sol de até duas horas diárias; e
IV - monitoramento de todos os meios de comunicação, inclusi-
ve correspondência escrita.
§ 2º Os atendimentos de advogados serão previamente agen-
dados, mediante requerimento, escrito ou oral, à direção do es-
tabelecimento penal federal.
§ 3º Os estabelecimentos penais federais de segurança máxima
deverão dispor de monitoramento de áudio e vídeo no parla-
tório e nas áreas comuns, para fins de preservação da ordem
interna e da segurança pública, vedado seu uso nas celas.

93
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

§ 4º As gravações das visitas não poderão ser utilizadas como


meio de prova de infrações penais pretéritas ao ingresso do pre-
so no estabelecimento.
§ 5º As gravações de atendimentos de advogados só poderão
ser autorizadas por decisão judicial fundamentada.
§ 6º Os diretores dos estabelecimentos penais federais de se-
gurança máxima ou o Diretor do Sistema Penitenciário Federal
poderão suspender e restringir o direito de visitas previsto no
inciso II do § 1º por meio de ato fundamentado.
§ 7º Configura o crime do art. 325 do Decreto-Lei nº 2.848, de
7 de dezembro de 1940 - Código Penal, a violação ao disposto
no § 4º.
§ 8º O regime prisional previsto neste artigo poderá ser excep-
cionado por decisão do diretor do estabelecimento penal fe-
deral de segurança máxima no caso de criminoso colaborador,
extraditado, extraditando ou se presentes outras circunstâncias
excepcionais.” (NR)

13.2. Generalização de regime disciplinar rigoroso

O art. 3º, da Lei nº 11.671/2008, estatui que “serão recolhidos em estabeleci-


mentos penais federais de segurança máxima aqueles cuja medida se justifique no
interesse da segurança pública ou do próprio preso, condenado ou provisório”. Indo
além do que já preconiza a legislação, o anteprojeto sugere uma espécie similar ao
“regime disciplinar diferenciado”, agregando vários enunciados que, se aprovados,
passariam a ser parágrafos daquele artigo.
A rigidez alvitrada é inconstitucional, salientando violação a direitos humanos e
recrudescimento desnecessário. Primeira pergunta: “que é regime fechado de segu-
rança máxima”? A pretendida alteração mexe, inclusive, com a temática tratada na
lei específica: ela não estabelece regras sobre regime pela simples razão de que já
temos, na lei de execução penal, um manancial de disposições que regulam a forma
de cumprimento da pena.
A boa técnica legislativa, no ponto, passou bem distante. E, nessa perspectiva, o
respeito à Constituição não se sabe o que é.
O inciso I, do § 1º, determina o recolhimento em cela individual: para qual pro-
pósito? Emudecer o preso? Proibir que ele converse durante longo tempo? Há algo
semelhante a tortura psíquica com esse proceder?

94
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

O inciso II, do mesmo parágrafo, prevê, de uma só cajadada, a supressão abso-


luta do direito à intimidade da pessoa que estiver presa naquele estabelecimento,
ao exigir que as visitas do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos somente
ocorram “em dias determinados”. Além do mais, prevê uma curiosidade: a visita
deverá ser “assegurada por meio virtual ou no parlatório”. Visita por meio virtual?
Tal “visita” será, doravante, a regra, enquanto a visita “real” a exceção? E prossegue
aventando que a visita acontecerá “com o máximo de duas pessoas por vez, além
de eventuais crianças”. Mas não para por aí o cenário de guerra do Estado contra o
apenado , de forma que todos estarão “separados por vidro e comunicação por meio
de interfone, com filmagem e gravações”.
Verdade seja dita: os tribunais concederam a ousadia ao subscritor para que
pudesse ter tamanha ideia de monitorar os pensamentos do detento durante todos
os minutos de seu cumprimento de pena. Além dos familiares, os advogados têm se
sujeitado a todo tipo de constrangimento em determinados estabelecimentos pri-
sionais. A notícia não é nova, girando a controvérsia em torno da interceptação da
conversação entre preso e advogado no interior do estabelecimento de Catanduvas/
PR. A OAB impugnou a normatização editada pela autoridade judiciária federal com-
petente, alegando que haveria, em caso como este, ultraje à prerrogativa do advogado
de avistar-se pessoal e reservadamente com seus clientes. Foi, então, impetrado o
Habeas Corpus nº 115.114, no Supremo Tribunal Federal, pendente de julgamento
e com parecer desfavorável da Procuradoria-Geral da República61. Até a conclusão
deste estudo, não temos anunciado o julgamento deste writ.
Em outro lugar registramos que, “quanto às conversas entre advogado e preso
no interior do estabelecimento prisional”, deve ser “reservado espaço para que seja
assegurado o sigilo profissional”, reconhecendo-se “um núcleo intangível que permi-
ta ao advogado – que não seja investigado ou acusado por crime em coautoria com o
detento – entrevistar seu cliente sem que sejam devassadas as conversas por inter-
ceptação ambiental” 62.
Entrementes, a sede cavalar de punir não encontra saciedade jamais. E a omissão
em coibir violação de prerrogativas do advogado encorajou o Ministro da Justiça a co-
locar o permissivo que, somente a título aparente – com o uso da já batida manipula-
ção discursiva, sobre o que Luís Alberto Warat advertiu63 –, chancela todos os abusos

61. MARTINS, Jomar. Gravação em presídio: OAB defende sigilo de conversa entre advogado e preso. Conjur.
Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2013-abr-30/oab-atuar-hc-stf-gravacao-conversas-entre-ad-
vogado-preso>. Acesso em: 15 fev. 2019.
62. TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.696.
63. De acordo com Luís Alberto Warat, pode-se convir que “toda expressão possui um número considerável de
implicações não manifestas. A mensagem nunca se esgota na significação de base das palavras empregadas.

95
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

até hoje perpetrados, ao dizer que “as gravações de atendimentos de advogados só


poderão ser autorizadas por decisão judicial fundamentada”. O sutil “favor” enta-
bulado na expressão “só poderão ser autorizadas”, além de violar a Constituição,
acontece “só” raramente?
O inciso III, do § 1º, prevê banho de sol por “até duas horas” e o inciso IV com-
pleta a cruzada “combativa”, averbando que haverá monitoração de todos os meios
de comunicação, inclusive da correspondência escrita. Literalmente um “regime de
exceção”.
Mas não para por aí. Os advogados são vilipendiados em seu mister, seja por ne-
cessitar agendar visitas – disfarçando a incomunicabilidade do preso aí embutida,
medida que é vedada pela Constituição até nos casos de estado de defesa –, seja por
se submeterem ao monitoramento de áudio e vídeo no parlatório, em funcionamen-
to diuturno, como explicitado nos parágrafos 2º e 3º, malgrado a “benesse” de ser
vedado seu uso nas celas.
Sobre a violência ao exercício da advocacia, há notícia de graves violações ao
sigilo dessa profissão no ano de 2016, com o uso de “grampos no ramal central” de
escritório de advogados. De acordo com o informado, decisão judicial disponibili-
zou “mais de 400 áudios”, havendo, inclusive, “um ‘organograma da defesa’, dese-
nhando a estratégia dos advogados”. Agora, com o projeto antidelito, pretende-se
“legalizar” – inconstitucionalmente – gravações das conversas entre advogados e
imputados presos64.
O § 4º, a seu turno, traz aparente concessão. Cuida-se de dispositivo desne-
cessário e que serve à imunização dos demais abusos contemplados no antepro-
jeto. É vedada a utilização de prova ilícita. Seria ilícito o uso de provas tomadas
com base nas gravações de visitas, ambiente onde deve prevalecer a confiança de
poder o apenado se comunicar livremente. O enunciado prevê uma demarcação
temporal que parece mais querer justificar a possibilidade jurídica da monitora-
ção, aduzindo que as gravações são vedadas para provar fatos pretéritos. Como
se infere, a todo tempo o inventor do projeto se vale de estratégias que poderiam

O sentido gira em torno do dito e do calado”. Dessa maneira, “o êxito de uma comunicação depende de como
o receptor possa interpretar o sentido latente. A forma gramatical e o significado de base, por vezes, em
lugar de ajudarem na busca do sentido latente, servem para encobri-lo” (WARAT, Luis Alberto. O direito e
sua linguagem: 2ª versão, com a colaboração de Leonel Severo Rocha. 2. ed. Porto Alegre: Sergio Antonio
Fabris, 1995. p.65).
64. RODAS, Sérgio. Pacote “anticrime” quer permitir gravação de conversa entre advogado e cliente preso. Con-
jur: sigilo violado, 07 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-07/pacote-anticri-
me-permitir-gravacao-entre-advogado-cliente-preso>. Acesso em: 06 mar. 2019.

96
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

ser qualificadas de “capciosas” se cotejadas com perguntas maldosas formuladas


em audiência.
O poder de restringir direitos é dado ao diretor do estabelecimento prisional, a
teor do § 6º. Trata-se de limitação de liberdade que deve competir ao juiz.
O § 7º traz péssima técnica para tipificar condutas. Os livros de direito penal
explicam a inconveniência da remissão para assimilar um fato típico a outro.
O § 8º traz mais uma previsão inusitada, que é finalizada por cláusula de aber-
tura: “ou se presentes outras circunstâncias excepcionais”, ratificando o caráter in-
quisidor, autoritário, representado pelo aumento de discricionariedade. Trata-se de
previsões que ceifam garantias dos apenados, diante da imprevisibilidade contem-
plada nos enunciados do anteprojeto. O dispositivo intenta transferir ao diretor do
estabelecimento o poder de excepcionar “o regime prisional previsto neste artigo”,
em “caso de criminoso colaborador, extraditado, extraditando”, além da menciona-
da válvula de escape que admite outras causas.

“Art. 10. (...)


§ 1º O período de permanência será de até três anos, renová-
vel por iguais períodos, quando solicitado motivadamente pelo
juízo de origem, observados os requisitos da transferência e se
persistirem os motivos que a determinaram.
(...) (NR)

13.3. Duração

A renovação do tempo de permanência no aludido regime é prevista de ma-


neira vaga, conferindo amplos poderes ao juiz que estiver conduzindo o processo
de execução penal. Entendemos que os permissivos abertos, que tenham por fito
a restrição de liberdade, são inconstitucionais. A liberdade é valor constitucional,
cuja eficácia de garantia fundamental lhe outorga operatividade máxima. Em outros
termos, a limitação da liberdade depende de autorizativo legal expresso e estrito65.
Não deve ser aberto, como em tela, permitindo renovações por iguais períodos de
até três anos.

65. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Teoria da nulidade no processo penal. São Paulo: Noeses, 2016. p.626.

97
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 11-A. As decisões relativas à transferência ou à prorrogação


da permanência do preso em estabelecimento penal federal de
segurança máxima, à concessão ou à denegação de benefícios
prisionais ou à imposição de sanções ao preso federal poderão
ser tomadas por órgão colegiado de juízes, na forma das nor-
mas de organização interna dos tribunais.” (NR)

13.4. Decisões colegiadas

Dispositivo totalmente dispensável. Já há lei específica disciplinando a possibili-


dade de instauração de colegiado de primeiro grau, qual seja, a Lei nº12.694/2012,
que regula a matéria de forma exauriente. Desnecessária, repetimos, a aludida pre-
tensão de sobreposição normativa.

“Art. 11-B. Os Estados e o Distrito Federal poderão construir es-


tabelecimentos penais de segurança máxima, ou adaptar os já
existentes, aos quais será aplicável, no que couber, o disposto
nesta Lei.” (NR)

13.5. Construção de novos estabelecimentos de segurança máxima

Trata-se de previsão inteiramente deslocada do objeto da Lei nº 11.671/2008.


Decerto, o exame que ora fazemos é sobre enunciado que se pretende inserir na-
quele diploma legal. Todavia, ela não cuida de permissivos para empenhar recursos
federais ou estaduais para construção de presídios. Ela tem a ver com “a transferên-
cia e inclusão de presos em estabelecimentos penais federais de segurança máxi-
ma”, dando “outras providências” que, decerto, não visa autorizar gastos.

98
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

14. MUDANÇAS NA LEI DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL

Art. 12. A Lei nº 12.037, de 1º de outubro de 2009, passa a vigorar com as seguintes
alterações:
“Art. 7º-A A exclusão dos perfis genéticos dos bancos de dados
ocorrerá:
I - no caso de absolvição do acusado; ou
II - no caso de condenação do acusado, mediante requerimento,
após decorridos vinte anos do cumprimento da pena.” (NR)

14.1. Exclusão dos perfis genéticos e trânsito em julgado

A proposta de modificação recai sobre o texto atual do art. 7º-A, que estabele-
ce que “a exclusão dos perfis genéticos dos bancos de dados ocorrerá no término
do prazo estabelecido em lei para a prescrição do delito”. Malgrado a controvérsia
sobre se seria necessário o trânsito em julgado da sentença para se permitir a iden-
tificação genética, nosso posicionamento sempre foi restritivo, seja para impor o
trânsito em julgado, seja para vedar sua realização forçada, seja ainda para limitar
o seu uso ao acompanhamento da execução penal (vedado o seu manejo para apu-
ração de infração penal futura).
O enunciado sugerido concede um “favor” que seria decorrência óbvia para o
caso da identificação genética ter sido permitida antes da condenação definitiva,
isto é, que haverá “a exclusão dos perfis genéticos dos bancos de dados” na hipótese
de “absolvição”.

14.2. Exclusão dos perfis genéticos e proporcionalidade da medida

O “presente” ao egresso do sistema prisional – que não poderia faltar – está


descrito na segunda parte que prevê a exclusão daqueles perfis, “mediante requeri-
mento, decorridos vinte anos após o cumprimento da pena no caso do condenado”.
O dies ad quem, como se depreende, é quase que perpétuo, podendo se estender
sobremodo após a extinção da pena.
Em outras palavras, o anteprojeto deseja maximizar o estigma, ampliar a dor e
dificultar a reinserção do ex-apenado ao convívio social. Ademais, ele prevê forma
de controle da pessoa que se protrai para depois de vinte anos da condenação. Cui-
da-se de algo que extrapola todos os limites jurídico-constitucionais e – evidente-
mente – do razoável.

99
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 7º-C Fica autorizada a criação, no Ministério da Justiça e


Segurança Pública, do Banco Nacional Multibiométrico e de Im-
pressões Digitais.
§ 1º O Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais
tem como objetivo armazenar dados de registros biométricos,
de impressões digitais e, quando possível, de íris, face e voz,
para subsidiar investigações criminais federais, estaduais ou
distritais.
§ 2º O Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais
será integrado pelos registros biométricos, de impressões digi-
tais, íris, face e voz colhidos em investigações criminais ou por
ocasião da identificação criminal.
§ 3º Poderão ser colhidos os registros biométricos, de impres-
sões digitais, íris, face e voz dos presos provisórios ou definitivos
quando não tiverem sido extraídos por ocasião da identificação
criminal.
§ 4º Poderão integrar o Banco Nacional Multibiométrico e de
Impressões Digitais ou com ele interoperar os dados de regis-
tros constantes em quaisquer bancos de dados geridos por ór-
gãos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário das esferas
federal, estadual e distrital, inclusive pelo Tribunal Superior Elei-
toral e pelos Institutos de Identificação civil.
§ 5º No caso de bancos de dados de identificação de nature-
za civil, administrativa ou eleitoral, a integração ou o compar-
tilhamento dos registros do Banco Nacional Multibiométrico e
de Impressões Digitais será limitado às impressões digitais e às
informações necessárias para identificação do seu titular.
§ 6º A integração ou a interoperação dos dados de registros
multibiométricos constantes em outros bancos de dados com o
Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais ocor-
rerá por meio de acordo ou convênio com a unidade gestora.
§ 7º Os dados constantes do Banco Nacional Multibiométrico e
de Impressões Digitais terão caráter sigiloso e aquele que per-
mitir ou promover sua utilização para fins diversos dos previstos
nesta Lei ou em decisão judicial responderá civil, penal e admi-
nistrativamente.
§ 8º As informações obtidas a partir da coincidência de registros
biométricos relacionados a crimes deverão ser consignadas em
laudo pericial firmado por perito oficial habilitado.
§ 9º É vedada a comercialização, total ou parcial, da base de da-
dos do Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais.
§ 10. A autoridade policial e o Ministério Público poderão re-
querer ao juiz competente, no caso de inquérito ou ação penal
instauradas, o acesso ao Banco Nacional Multibiométrico e de
Impressões Digitais.

100
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

§ 11. A formação, a gestão e o acesso ao Banco Nacional Multi-


biométrico e de Impressões Digitais serão regulamentados em
ato do Poder Executivo federal.” (NR)

14.3. Banco Nacional Multibiométrico

Situação diversa diz respeito ao registro das características humanas inseridas


no rótulo “multibiométrico”. Não somente por conta dos problemas éticos que daí
decorrem, mas, especialmente, pelas seguintes razões:
(1) o civilmente identificado não deve ser identificado criminalmente: os dis-
positivos do pacote anticrime permitem a automática identificação biométrica de
presos provisórios e definitivos, sem apresentar razão proporcional para tanto. De-
veras, o debate em torno da justificativa para a identificação criminal e, de modo
similar agora, para a identificação multibiométrica envolve critério de necessidade.
O Estado não pode pretender o controle que extravase os limites do razoável, nem
pode interferir no núcleo da dignidade das pessoas;
(2) os registros biométricos de íris, face, voz e digitais viabilizam o controle
de seres humanos, com efeito diferido, para o futuro. Isto é, o armazenamento de
dados que afetam a individualidade de uma pessoa e finda por instaurar regime de
liberdade vigiada, sutilmente disfarçada pelas regras que preveem sigilo e punição
para quem o viola;
(3) o uso futuro de dados colhidos no passado fere o princípio da autodetermi-
nação informativa: entendemos que, nas hipóteses restritas, esses dados somente
poderiam auxiliar o controle no cumprimento da pena. A postergação dos seus efei-
tos no tempo viola regras probatórios, sendo incompatível a previsão que eterniza
aquele controle, ao avivar que “a autoridade policial e o Ministério Público pode-
rão requerer ao juiz competente, no caso de inquérito ou ação penal instauradas, o
acesso ao Banco Nacional Multibiométrico e de Impressões Digitais”.
Em alguma medida, os argumentos que a doutrina usa para limitar a identifica-
ção genética e armazenamento de dados de perfis genéticos, são aplicáveis à iden-
tificação criminal em tela: seja no que diz respeito à demonstração de necessidade,
seja no que se refere a não ser usada para investigações futuras, seja ainda para que
não assuma efeitos de pena perpétua.
Nesse sentido, André Nicolitt e Carlos Wehrs pontificam, no contexto da “identi-
ficação criminal por meio de material genético”, que tal providência somente “pode

101
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

ser utilizada para os fins exclusivos de identificação criminal. Nesse passo, não é
possível que a autoridade policial, sabendo quem é o indivíduo que busca identifi-
car, solicite a extração de seu material biológico para comparação com vestígios da
cena do crime”, haja vista que o fito da legislação não deve ser “o recolhimento de
prova de autoria do investigado, mas, sim, de prova de sua identidade”66.
Por essas razões – que demonstram o desejo inconstitucional de controlar as
pessoas e facilitar punições de forma açodada –, reputamos inconstitucional, desu-
mana e desnecessária a previsão que, só encontraria acolhida em ambiente policia-
lesco.

15. MUDANÇAS NA LEI DE CONTROLE DA CRIMINALIDADE


ORGANIZADA

Art. 13. A Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013, passa a vigorar com as seguintes
alterações:
“Art. 1º (...)
§ 1º Considera-se organização criminosa a associação de 4 (qua-
tro) ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada
pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, e que:
I - tenham objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem
de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais
cujas penas máximas sejam superiores a 4 (quatro) anos;
II - sejam de caráter transnacional; ou
III - se valham da violência ou da força de intimidação do vínculo
associativo para adquirir, de modo direto ou indireto, o controle
sobre a atividade criminal ou sobre a atividade econômica, tais
como:
a) o Primeiro Comando da Capital;
b) o Comando Vermelho;
c) a Família do Norte;
d) o Terceiro Comando Puro;
e) o Amigo dos Amigos; e

66. NICOLITT, André Luiz; WEHRS, Carlos Ribeiro. Intervenções corporais no processo penal e a nova identifica-
ção criminal: Lei nº 12.694/2012. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014. p.155.

102
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

f ) as milícias ou outras associações como localmente denomi-


nadas.
(...)” (NR)

15.1. Casuísmo no conceito de organização criminosa


É de péssima qualidade técnica exemplificar organizações criminosas como
“Primeiro Comando da Capital, Comando Vermelho, Família do Norte, Terceiro Co-
mando Puro, Amigo dos Amigos, Milícias, ou outras associações como localmente
denominadas”. Cuida-se de casuísmo odioso.
Além de prejulgar imputados que se declarem filiados a esses rótulos, vale-se
de interpretação analógica desnecessária. Trata-se de indicativo de que a lei foi
feita com o objetivo de identificar destinatário certo, de todo vedado, seja pela
vedação à seletividade, seja pela necessidade do dispositivo ser dotado de abs-
tração (depende de confronto com caso concreto) e generalidade (para todos, de
forma igual).

“Art. 2º (...)
§ 8º As lideranças de organizações criminosas armadas ou que
tenham armas à disposição deverão iniciar o cumprimento da
pena em estabelecimentos penais de segurança máxima.
§ 9º O condenado por integrar organização criminosa ou por
crime praticado por meio de organização ou associação crimi-
nosa não poderá progredir de regime de cumprimento de pena
ou obter livramento condicional ou outros benefícios prisionais
se houver elementos probatórios que indiquem a manutenção
do vínculo associativo.” (NR)

15.2. Progressão especial de regime

Entendemos que o ordenamento jurídico já é dotado de regras que aderem


às situações descritas. Na forma como redigida, transparece que o autor do ante-
projeto estava imbuído de finalidades não somente punitivistas, mas políticas e
populistas. As regras de progressão de regime alcançam situações especiais. Da
forma como proposta, entendemos que haverá desproporcionalidade no cumpri-
mento da pena.

103
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

“Art. 3º Em qualquer fase da investigação ou da persecução pe-


nal de infrações penais praticadas por organizações criminosas,
de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a
quatro anos ou de infrações penais conexas, serão permitidos,
sem prejuízo de outros já previstos em lei, os seguintes meios
de obtenção da prova:
(...)” (NR)

15.3. Aplicação da legislação da criminalidade organizada a outros delitos

O remendo ao art. 3º supradito tem o objetivo de legitimar a aplicação da legis-


lação reguladora da criminalidade organizada a outros delitos. Desde que adveio a
Lei nº 12.850/2013, reiteramos o óbvio: para que tenha lugar sua incidência – que
deveria ser sempre excepcional – é necessária base empírica suficiente de que a
conduta delituosa seja imputada à organização criminosa, cujos elementos consti-
tutivos devem ser demonstrados.
O anteprojeto prevê mudança que desnatura por completo o objeto da lei. Pode-
ria até mesmo resumir numa frase que afirmasse: “vale tudo”. Coteje-se o enunciado
aqui analisado com o art. 3º, caput, da Lei 12.850/2013, que dispõe que “em qual-
quer fase da persecução penal, serão permitidos, sem prejuízo de outros já previs-
tos em lei, os seguintes meios de obtenção da prova”, sem referir à organização cri-
minosa pela simples razão da lei somente se aplicar a grupo de pessoas que atuem
em conformidade com o seu conceito.
Mais uma tentativa de generalização punitiva, notadamente nos crimes com
pena máxima superior a quatro anos, igualmente com falta de observância à técni-
ca legislativa.

“Art. 3º-A O Ministério Público Federal e a Polícia Federal pode-


rão constituir equipes conjuntas de investigação para a apura-
ção de crimes de terrorismo, crimes transnacionais ou crimes
cometidos por organizações criminosas internacionais.
§ 1º No âmbito das suas atribuições e competências, outros
órgãos federais e entes públicos estaduais poderão compor as
equipes conjuntas de investigação a que se refere o caput.
§ 2º O compartilhamento ou a transferência de provas no âmbi-
to das equipes conjuntas de investigação constituídas dispen-
sará formalização ou autenticação especiais, exigida apenas a
demonstração da cadeia de custódia.

104
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

§ 3º Para a constituição de equipes conjuntas de investigação,


não será exigida a previsão em tratados.
§ 4º A constituição e o funcionamento das equipes conjuntas de
investigação serão regulamentadas em ato do Poder Executivo
federal.” (NR)

15.4. Forças-tarefa conjuntas

O enunciado do pacote anticrime pretende exarcebar o poder das forças-tarefa


(task force). Impressiona o desejo de permitir, de todos os modos imagináveis, as
investigações. O § 3º sob exame quer dispensar previsão em tratados. Note-se que
precisamos de regras, de uma dogmática firme67, para fixar limites precisos, porque
estamos lidando com o direito de liberdade. Se inserido no ordenamento jurídico
dessa forma, a noção de soberania terá sua eficácia mitigada.
Trata-se de simplificação perniciosa e que demonstra o afã de instaurar estado
de polícia, com menoscabo dos direitos fundamentais. Vale realçar: também nas in-
vestigações é necessária a existência de regras bem minudenciadas, a fim de evitar
a prática de abusos de poder estatal. Para isso, é necessário diálogo com os setores
especializados naqueles assuntos. O que não é valioso, no dizer de Afrânio Silva
Jardim, é punir a qualquer preço, pelo menos se queremos em vigor um Estado
Democrático de Direito68.

15.5. Demonstração da cadeia de custódia de provas

O § 2º merece especial atenção em razão do uso do conceito de “cadeia de cus-


tódia”, que se refere ao encadeamento consistente, lógico e causal dos elementos
probatórios, de forma a preservar a sua fiabilidade. O conceito é estudado por Ge-
raldo Prado em livro clássico. Certamente os propósitos do autor do anteprojeto
se desviam por completo dos objetivos garantidores e democráticos alinhados por
aquele jurista. Deveras, o enunciado indica manipulação discursiva, mediante a

67. João Maurício Adeodato, ao aludir aos “constrangimentos dogmáticos”, evidencia a indispensabilidade de
um procedimento que estabeleça a forma de produção de normas: “é preciso antes de tudo fixar as regras
de base, aquelas que definem quem vai e como vai fixar outras regras para decidir casos individuais. Não
pode haver dogmática sem um sistema de regras (supostamente) explícitas” (ADEODATO, João Maurício.
Uma teoria retórica da norma jurídica e do direito subjetivo. São Paulo: Noeses, 2011. p.116-117).
68. JARDIM, Afrânio Silva. Garantismo no processo penal: breve e parcial reflexão. Revista Eletrônica de Direito
Processual – REDP, Rio de janeiro (UERJ), a.8, n.14, p.10, jul.-dez. 2014.

105
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

proclamação tão-somente retórica, na sua parte final: “sendo exigida apenas a de-
monstração da cadeia de custódia”.

Como assim?

Vamos à íntegra do malfadado enunciado desse § 2º, do art. 3º-A, que se pre-
tende inserir na Lei nº 12.850/2013: “o compartilhamento ou a transferência de
provas no âmbito das equipes conjuntas de investigação devidamente constitu-
ídas dispensam formalização ou autenticação especiais, sendo exigida apenas
a demonstração da cadeia de custódia”. Note-se: a primeira parte do dispositi-
vo afirma algo incompatível com o conceito de “cadeia de custódia”. Isso porque
quando afirma que o compartilhamento ou a transferência do que chama de “pro-
vas”, na atuação de forças tarefas de investigação, “dispensam (sic) formalização
ou autenticação especiais”, finda por admitir qualquer forma de reunião de ele-
mentos de informação.

O que escrito no anteprojeto evidencia o desconhecimento do assunto, ou má-fé


inerente às manipulações dos discursos linguísticos.

Vejamos como anotamos no nosso Curso, a partir de leitura da obra de Ge-


raldo Prado: “a descrição de um fato delituoso por meio de provas implica enca-
deamento. Para que a narrativa se dê de forma lógica, inteligível, compreensível,
ela deve conter os seus elementos essenciais, tais como sujeitos envolvidos, fato
central, circunstância, tempo e lugar”. E prosseguimos, diante da importância do
tema, explicando que “a descrição do desfecho pressupõe a do seu iter, do seu ca-
minho. Assim também deve ser a prova que é produzida para construir a versão
do fato delituoso, sua base empírica”. Em outros termos, devemos destacar que
“as provas documentadas pressupõem fontes que, muitas das vezes, são também
provas. Assim, um primeiro testemunho pode ser fonte de conhecimento da exis-
tência de um outro testemunho que, antes daquele, não se conhecia. Pode tam-
bém ser fonte do conhecimento do local onde se encontram produtos ilícitos, cuja
documentação de apreensão constituirá outra prova e assim por diante. Cuida-se
de um encadeamento, de uma relação de causação”69. A única coisa que a cadeia
de custódia não poderia ser é “apenas” (como consignado no impressionante § 2º
ora analisado).

Indispensável citar expressamente a obra que detalha cuidadosamente os as-


pectos teóricos e práticos da quebra da cadeia de custódia das provas obtidas

69. TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.650-651.

106
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

por métodos ocultos, notadamente por meio de novas tecnologias, utilizadas si-
gilosamente. Geraldo Prado, nesse diapasão, enfatiza a necessidade de que seja
possível controle, mediante fundamentação da decisão que deferir prova a ser
realizada em ambiente de reserva, a fim de que não haja quebra do encadeamento
probatório, preservando a sua fiabilidade. Nas suas palavras, “o rastreamento das
fontes de prova será uma tarefa impossível se parcela dos elementos probatórios
colhidos de forma encadeada vier a ser destruída”. Decerto, ausente o controle, “a
identificação do vínculo eventualmente existente entre uma prova aparentemen-
te lícita e outra, anterior, ilícita, de que a primeira é derivada, dificilmente será
revelado”70.

Indispensável trazer à ribalta a lição de Gustavo Badaró que, em texto ainda


inédito, adverte-nos acerca do perigo da questão, com o título “Cadeia de custódia e
mensagens via BlackBerry: dois temas atuais e complicados”, ao comentar decisão
monocrática recente, da lavra do Ministro Gilmar Mendes71. No caso, foi suscitado “o
problema da cadeia de custódia, agora juntamente com mensagens via BlackBerry”.

70. PRADO, Geraldo. Prova penal e sistemas de controles epistêmicos: a quebra de cadeia de custódia das provas
obtidas por métodos ocultos. São Paulo: Marcial Pons, 2014. p.77-79.
71. Da decisão monocrática proferida, colhe-se argumentos relevantes: “neste caso concreto, a defesa re-
quer “acesso as interceptações telefônicas constantes na Medida Cautelar nº. 718-39.2013.4.01.3601
tal como obtidas em sua originalidade” (eDoc 1, p. 35). Não se trata, portanto, de questionar a legalida-
de ou legitimidade da interceptação realizada, o que já foi debatido em outras instâncias e ações, mas de
pugnar pelo acesso aos dados interceptados em seu formato original. Conforme narrado a autoridade
policial, ao receber os arquivos enviados pela ‘Blackberry’, teria alterado os cabeçalhos das transcrições
das mensagens, adicionando o nome dos supostos interlocutores em lugar dos números de IDs indica-
dos originalmente pela empresa. Diante de tal constatação, o juízo de origem oficiou a Polícia Federal
para responder questionamentos sobre a interceptação realizada: ‘1- Se há possibilidade de acesso aos
diálogos da maneira como eram disponibilizados pela Blackberry; 2- Como se dava o procedimento de
extração dos diálogos; 3- Como e em que momento se deu o procedimento de inserção dos nomes dos
investigados no cabeçalho dos índices dos diálogos interceptados; 4- Se os diálogos apresentados pela
BBM seguiam, necessariamente, uma ordem numérica crescente; 5- Se a quebra da sequência numérica
representaria, necessariamente, que o diálogo estava sendo cortado e não disponibilizado em sua ín-
tegra.” (eDoc 191, p. 3) Ao responder o quesito 1, afirmou-se que: ‘a BlackBerry encaminha os pacotes
originalmente no formato .zip, na forma como são disponibilizados à Justiça; caso necessite novamente,
pode ser encaminhado novo CD contendo todos os pacotes da operação” (eDoc 190). Portanto, inexisti-
ria prejuízo às investigações ao se deferir eventual acesso aos dados como originalmente fornecidos às
autoridades investigativas. Desse modo, por um lado, estabeleceu-se uma situação de dúvida, embasada
em elementos concretos, sobre a confiabilidade dos dados apresentados pela autoridade investigatória
em relação às comunicações interceptadas. Assim, a incerteza sobre a fidedignidade das investigações
impõe a adotação de medidas para proteção da cadeia de custódia das informações. Na doutrina, afir-
ma-se que “um dos aspectos mais delicados da aquisição de fontes de prova consiste em preservar a
idoneidade de todo o trabalho que tende a ser realizado sigilosamente, em um ambiente de reserva que,
se não for respeitado, compromete o conjunto de informações que eventualmente venham a ser obtidas
dessa forma’. (PRADO, Geraldo. Prova penal e sistema de controles epistêmicos. São Paulo: Marcial Pons,
2014. p. 77) A continuidade deste procedimento demonstra a existência do periculum in mora, a ensejar
a liminar requerida, visto que posterior deferimento do mérito pode ocasionar a nulidade de eventual
sentença proferida” (STF – Decisão Monocrática – RCL 32722 MC/MT – Rel. Min. Gilmar Mendes. J. 18 fev.
2019).

107
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

Consoante aduziu, “a Polícia Federal brasileira tem ignorado as regras legais de co-
operação jurídica internacional entre Brasil e Canadá”, preferindo utilizar de ca-
nal direto, solicitando “a comunicação telemática via ‘pso rim’ (pso.br@rim.com),
com a posterior retransmissão para ‘pso.br@blackberry.com’, da empresa RIM. Com
isso, os dados são enviados diretamente, da empresa canadense, para a Polícia bra-
sileira”. Entrementes – pontua Badaró – tal procedimento “não é correto” 72.

Essa aludida forma – indevida – de obtenção de dados tem o objetivo de contor-


nar a tecnologia BlackBerry que, a sua vez, promete segurança na comunicação por
meio de mensagens. De acordo com informações constantes de página da Internet,
“o Smartphone Blindado BlackBerry utiliza o BBM Enterprise (BBM Protected Plus)
que garante total confiabilidade de suas mensagens dentro do contêiner seguro”.
Decerto – aviva –, as mensagens “estarão tão seguras que não serão armazenados
nem nos servidores da BlackBerry. Trata-se de uma tecnologia de criptografia pon-
ta a ponta, no momento que o histórico for deletado dos dispositivos é como se
as mensagens nunca tivessem sido enviadas”. De tal modo, o usuário não estaria
sujeito a “ter suas comunicações interceptadas ou ter o serviço interrompido por
decisões judiciais locais”73.
Vale dizer, “sendo necessário algum ato de cooperação com o Canadá, o regi-
me jurídico deve ser o do Tratado de Assistência Mútua em Matéria Penal entre o
Governo da República Federativa do Brasil e o Governo do Canadá”, firmado “em
Brasília, em 27 de janeiro de 1995, que foi incorporado à nossa ordem jurídica
pelo Decreto nº 6.747, de 22 de janeiro de 1995, que pode ter por objeto ‘diligên-
cias preparatórias’ necessárias ao processo (Decreto nº 6.747/2009, art. 1.4)”. O
jurista salientou ainda que “o acordo entre o Brasil e o Canadá tem uma diferença
quando comparado com a maioria dos tratados bilaterais de cooperação jurídica
internacional dos quais o Brasil é parte: a autoridade central brasileira é a Procu-
radoria-Geral da República (Decreto nº 6.747/2009, art. 11), e não o Ministério
da Justiça, como geralmente se prevê”. Volvendo para a questão central da cadeia
de custódia de provas, Gustavo Badaró sublinhou também que “sem a utilização
do auxílio direito, e com a simples comunicação entre a polícia e a RiM, fica im-
possível saber se aquilo que é apresentado no Brasil, como sendo o conjunto das
comunicações telepáticas via BBM, num determinado período, corresponde à to-
talidade das mensagens transmitidas”. Em acréscimo, “em muitos casos, não há
segurança sobre a própria autenticidade das mesmas. Por tudo isso, o caminho

72. BADARÓ, Gustavo. Cadeia de custódia e mensagens via BlackBerry: dois temas atuais e complicados. Dis-
ponível em: <https://www.facebook.com/gustavo.badaro.1/posts/1983052101807843?__tn__=-UC-R>.
Acesso em: 26 fev. 2019.
73. BLACKBERRY BRASIL. Mensagens de texto invioláveis. Disponível em: <https://www.blackberrybrasil.com.
br/smartphone-blindado-blackberry/>. Acesso em: 26 fev. 2019.

108
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

utilizado, de troca de e-mail direto entre a polícia e a RiM, pode ser mais rápido
e mais fácil que o auxílio direito, mas muitas vezes, é um atalho daquele perigo-
sos”. Daí que, em arremate, pode-se concluir que, “sendo necessário ato de coo-
peração entre autoridades do Brasil e Canadá, o canal correto é o auxílio direito,
permitindo formalmente o ato de cooperação das autoridades policiais brasileira,
com as autoridades canadenses, onde fica sediada a empresa Tenho insistido na
necessidade de formal  cooperação internacional – MLAT (busca de informações
diretamente no Canadá), para obtenção de dados de mensagens envias via BBM –
BlackBerry Messager”. Em outros termos, “investigação de dados e comunicação
telemática, realizada via BBM, isto é, BlackBerry Messenger, com obtenção de di-
reta de dados pela Polícia Federal, para a obtenção do conteúdo de comunicações,
sem a observância do rito probatório adequado da cooperação jurídica interna-
cional, caracteriza prova obtida ilegitimamente”74.

“Seção VI
Da escuta ambiental

Art. 21-A. Para investigação ou instrução criminal, poderá ser


autorizada pelo juiz a requerimento da autoridade policial ou
do Ministério Público a captação ambiental de sinais eletromag-
néticos, ópticos ou acústicos, quando:
I - a prova não puder ser feita por outros meios disponíveis e
igualmente eficazes; e
II - houver elementos probatórios razoáveis de autoria e partici-
pação em infrações criminais cujas penas máximas sejam supe-
riores a quatro anos ou em infrações penais conexas.
§ 1º O requerimento deverá descrever circunstanciadamente
o local e a forma de instalação do dispositivo de captação am-
biental.
§ 2º A instalação do dispositivo de captação ambiental pode-
rá ser realizada, quando necessária, no período noturno ou por
meio de operação policial disfarçada.
§ 3º A captação ambiental não poderá exceder o prazo de quinze
dias, renovável por decisão judicial por iguais períodos, se com-
provada a indispensabilidade do meio de prova e quando pre-
sente atividade criminal permanente, habitual ou continuada.

74. BADARÓ, Gustavo. Cadeia de custódia e mensagens via BlackBerry: dois temas atuais e complicados. Dis-
ponível em: <https://www.facebook.com/gustavo.badaro.1/posts/1983052101807843?__tn__=-UC-R>.
Acesso em: 26 fev. 2019.

109
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

§ 4º A captação ambiental feita por um dos interlocutores sem


o prévio conhecimento da autoridade policial ou do Ministério
Público poderá ser utilizada como prova de infração criminal
quando demonstrada a integridade da gravação.
§ 5º Aplicam-se subsidiariamente à captação ambiental as re-
gras previstas na legislação específica para a interceptação te-
lefônica e telemática.
§ 6º A captação ambiental de sinais ópticos em locais abertos ao
público não depende de prévia autorização judicial.” (NR)

15.6. Escuta ambiental e demarcação de conceitos

Vale lembrar que o dispositivo em tela pretende inserir regras sobre a captação
ambiental na Lei de Controle da Criminalidade Organizada. Utiliza o nome genérico
“escuta”, descurando do amadurecimento doutrinário que busca distinguir “inter-
ceptação” (quando um terceiro, desconhecido pelos protagonistas da comunicação
ambiental, capta as comunicações), “escuta” (quando um terceiro, conhecido por
pelo menos um dos participantes, ouve ou registra a conversação) e “gravação”
(quando é um dos participantes da comunicação que efetua a documentação das
conversas ambientais).

15.7. Redundância na ampliação do alcance da Lei de Controle do Crime Or-


ganizado

O anteprojeto, de outro lado, deseja que essa lei não seja mais de aplicação exclu-
siva a delitos imputados a organização criminosa, para alcançar qualquer infração
penal com pena abstrata máxima superior a quatro anos (art. 21-A, II, redundante
em relação ao art. 3º, caput). Cabe enfatizar que, se aprovado for, teremos uma lei
de controle do crime organizado que não conterá disposições exclusivamente rela-
cionadas à criminalidade organizada.
Um contrassenso lógico – semântico e estrutural –, como se depreende.
Aliás, a numeração sugerida põe o artigo dentro de seção que se segue à dos
crimes tipificados nesse diploma legal e, logo depois, torna a capitular nova figu-
ra típica, como se verá abaixo. A técnica legislativa, ainda uma vez, apresenta-se
deficiente.
Sob outro giro, os enunciados aqui analisados consubstanciam a possibilidade
de intensa restrição ao direito à intimidade (art. 5º, incisos X e XII, CF). Só por esse

110
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

motivo, seria plausível esperar que o autorizativo tivesse esfera menor de aplicação,
sem incidência generalizada, uma exceção devidamente demarcada.

15.8. Proteção constitucional em face da tecnologia

Interessa confrontar as disposições do anteprojeto com dispositivos da nossa


Lei Maior. De acordo com o inciso XII, do art. 5º, da Constituição, “é inviolável o
sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comuni-
cações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na for-
ma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual
penal”. Devemos entender que a regra é a liberdade e que sua limitação carece de
veículo introdutor de normas jurídicas específicas.

Fato é que a Constituição não previu avanços tecnológicos que pudessem re-
tratar a realidade atualmente vivida. O cuidado que se deve ter com a garantia da
intimidade, nessa toada, vai além dos critérios que conformam o princípio da pro-
porcionalidade. Trata-se de assunto para amplo e participativo debate.

Veja-se que existem meios tecnológicos – que ainda não estão nas mãos da
maioria das pessoas – capazes de invadir enormemente a intimidade, diante de
maior potencial de captação de sons (sinais acústicos). Mas não apenas, o caput, do
art. 21-A, do anteprojeto, admite não somente a apreensão de tais sinais acústicos,
mas também a captação ambiental de sinais eletromagnéticos e ópticos.

Trata-se de assunto extremamente técnico que necessitaria de discussões com


especialistas para que pudéssemos ter a exata dimensão do permissivo pretendido.
Permitir captações à distância, com a onipresença do Estado-investigador, ainda
que com ordem judicial, é medida que suprime a garantia da intimidade de forma
absoluta, sendo inconstitucional, portanto.

Se, de um lado, o Estado deve ser dotado de estrutura para controlar uma cri-
minalidade distinta da tradicional, de outro, ele deve se valer de meios que não
signifiquem ofensa à dignidade da pessoa humana. A investigação estatal não pode
ser avassaladora para permitir controle integral – inclusive do pensamento – das
pessoas. Nem em estado de sítio ou de defesa (arts. 137 e 139, da CF/1988), o con-
trole previsto pode chegar a esse ponto, malgrado a previsão de “restrições” (não
suspensão!), no estado de defesa, das garantias ao sigilo de correspondência, tele-
fônico e telegráfico, assim como, no estado de sítio, das garantias à inviolabilidade
da correspondência, ao sigilo das comunicações, à prestação de informações e à
liberdade de imprensa, radiodifusão e televisão, na forma da lei”.

111
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

15.9. Inserção do assunto na trilogia dimensional da prova

Consoante analisamos no nosso Curso de Direito Processual Penal75, “com os


avanços tecnológicos, percebeu-se que situações de invasão à privacidade podem
acontecer sem que haja qualquer intrusão física em residência ou em comunicações
telefônicas convencionais”. Considerando essa nuança, fala-se em “divisão das ge-
rações de direito probatório, encontra seu nascedouro nos precedentes Olmstead
(1928), Katz (1967) e Kyllo (2001), nos quais a Suprema Corte Norte-Americana
decidiu em quais casos incidiria a proteção conferida pela 4ª Emenda à Constitui-
ção dos Estados Unidos da América, tornando-se assim necessária a expedição pré-
via de ordem judicial de busca e apreensão para a obtenção lícita das provas”76. Com
Danilo Knijnik, então, explicamos: (1) no primeiro precedente (Olmstead), prote-
geu-se a inviolabilidade das comunicações telefônicas e a privacidade residencial
(primeira dimensão probatória: teoria proprietária ou trespass theory). Foi confe-
rida proteção às coisas, aos lugares e aos pertences; (2) no precedente seguinte
(Katz), avançou-se para proteger as expectativas de privacidade, por exemplo, a
confiança na privacidade de comunicações telefônicas, ainda que captados os sons
em ambiente público, como em uma cabine telefônica (segunda dimensão probató-
ria: teoria da proteção constitucional integral); e (3) no último (Kyllo), conferiu-se
maior amplitude para proteger a privacidade contra tecnologias capazes de revelar,
por exemplo, atividades ilícitas em interior de casa sem sequer carecendo de nela
penetrar, por meio de aferidores externos de temperatura (terceira dimensão pro-
batória: teoria das provas tecnológicas invasivas, na qual estaria inserida a proteção
dos dados de conversa via WhatsApp, Telegram e similares). O enfoque dessa tutela
é o tecnológico”77.

15.10. Regras em torno da excepcionalidade da medida

A depender da situação concreta, podemos estar diante de um direito probató-


rio de terceira dimensão. Aqui surgem algumas angústias, em razão da sistemática
formulação de pedidos de interceptação telefônica, acompanhados de divulgação
do seu conteúdo pela grande mídia.

75. TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador: Juspodi-
vm, 2019. p.794.
76. BIFFE JÚNIOR, João; LEITÃO JÚNIOR, Joaquim. O acesso pela polícia a conversas gravadas no Whatsapp e
as gerações probatórias decorrentes das limitações à atuação estatal. Genjurídico. Disponível em: <http://
genjuridico.com.br/2016/08/12/o-acesso-pela-policia-a-conversas-gravadas-no-whatsapp-e-as-gera-
coes-probatorias-decorrentes-das-limitacoes-a-atuacao-estatal/>. Acesso em: 18 fev. 2019.
77. KNIJNIK, Danilo. A trilogia Olmstead-Katz-Kyllo: o art. 5º da Constituição Federal do Século XXI. In: Temas
de direito penal, criminologia e processo penal. Ângelo Roberto Ilha da Silva (org.). Porto Alegre: Livraria do
Advogado, 2014. p.178-187.

112
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

(1) O inciso I, do art. 21-A em foco, afirma que somente será deferida a captação
ambiental se “a prova não puder ser feita por outros meios disponíveis e igualmen-
te eficazes”. O dispositivo é similar ao art. 2º, inciso II, da Lei º 9.296/1996, mas
coloca, ao cabo, o argumento manipulador e igualmente eficaz, enquanto o último
enunciado, da Lei de Interceptação Telefônica, aduz que “não será admitida a in-
terceptação de comunicações telefônicas quando ocorrer qualquer das seguintes
hipóteses”, dentre elas, se “a prova puder ser feita por outros meios disponíveis”. O
anteprojeto quer abocanhar mais um pouco do direito fundamental a “intimidade”.
(2) Na tradição autoritária vivida no sistema de justiça criminal brasileiro, per-
cebemos a generalização do acatamento de pedidos de interceptações telefônicas78.
Deveria ser exceção, como o enunciado da Lei nº 9.296/1996 (não se defere quando
a prova puder ser feita por outros meios disponíveis). Entretanto, essa oração pro-
picia a aplicação de suposições, ou seja, o requerente argumenta que não há outra
forma de obter o elemento probatório, afirmando ter exaurido as possibilidades.
A tentação pela facilidade de investigar, finda por admitir o “atalho”, com o decote
indevido sobre o direito à intimidade e ao sigilo. Da maneira como previsto no pro-
jeto, existirão dois fundamentos para o uso da teoria da suposição: (a) o de que não
haveria outro meio disponível; e (2) o de que não haveria outro meio igualmente
eficaz para a obtenção do elemento de informação esperado.
O § 2º, do art. 21-A, ofende a inviolabilidade domiciliar, estampado no inciso XI,
do art. 5º, da Constituição Federal: “a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém
nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante
delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação
judicial”. É verdade que o STF reconheceu a possibilidade do ingresso de agentes
policiais à noite, em escritório de advocacia, para instalar equipamentos de inter-
ceptação ambiental, nos autos do Inquérito 242479. O debate girou em torno de sa-
ber se o escritório de advocacia seria domicílio, resultando em decisão tomada por
maioria. Entendemos ter sido equivocada a decisão, tanto sob a luz do conceito de

78. O escândalo dos grampos telefônicos, objeto de Comissão Parlamentar de Inquérito, é o fato que nos au-
toriza a chegar a essa conclusão: “ao divulgar os primeiros dados do levantamento, em março de 2008, a
CPI conseguiu pela primeira vez levantar a discussão sobre a utilização dos grampos. De concreto, a gran-
de quantidade de interceptações levou o Conselho Nacional de Justiça a produzir resolução para instruir
os juizes sobre a forma de autorização e utilização desse instrumento. Um número, ainda tímido, revela
que a polêmica deu resultado. Entre 2007 e 2008, houve uma redução 5% no número de interceptações”
(COUTINHO, Filipe. Relatório final: depois da CPI, grampo nunca mais foi o mesmo. Conjur, 25 abr. 2009.
Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2009-abr-25/cpi-nao-prendeu-ninguem-expos-submundo-
-grampo-pais>. Acesso em: 18 fev. 2019).
79. BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Supremo reconhece como prova escutas feitas em escritório de advo-
gado, 20 nov. 2008. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteu-
do=99428>. Acesso em: 18 fev. 2019.

113
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

inviolabilidade domiciliar, como sob a ótica de que o escritório de advocacia é res-


guardado em função de sigilo especial.
Aproveitando o gancho oferecido pelo STF, o anteprojeto traz o § 2º, do dispo-
sitivo ora estudado, acrescentando, ainda a noção de “operação policial disfarçada”,
cujo sentido projeta imagem autoritária antiga, própria de regimes opressivos: não
só pelo “disfarce”, mas também por ser “no período noturno”, ao arrepio da letra da
Constituição.
No § 3º, o inventor do pacote se supera ao tentar positivar a renovação quinze-
nal ad infinitum, a similii do que acontece, indevidamente, com as interceptações
telefônicas. A permissão para renovações sucessivas, pelo mesmo prazo, finda por
tolerar investigações que extrapolam o prazo legal. A contraditoriedade do texto é
visualizada quando se vê:
(1) de um lado, o deferimento de renovações de uma medida cautelar de or-
dem excepcional, em razão de não haver elementos suficientes e ser indispensável
o “meio de prova”; e
(2) de outro, a afirmação da necessidade de estar “presente atividade criminal
permanente, habitual ou continuada”. Cumpre indagar: se está constatada tal ati-
vidade, por que é preciso esse meio de prova que deveria ser permitido em último
caso?
Nos parágrafos 4º e 5º, do presente dispositivo analisado, é feita uma misce-
lânea de regras, com péssima técnica legislativa. O § 4º menciona a “captação am-
biental” feita por um dos interlocutores, sem especificar a posição deste sujeito na
relação comunicativa. Se se cuidar de “gravação” feita por pessoa que seja vítima de
crime, a validade exigiria concomitância com a prática do delito.
Fora dessa hipótese, a investigação de fatos passados deve obedecer aos limites
postos à persecução conduzida pelos órgãos do Estado.
Por outro lado, indispensável sempre ordem judicial proporcional quando o
caso for de terceira pessoa, não envolvida no delito, eis que teremos aqueles concei-
tos expostos acima, quais sejam: “interceptação” e “escuta”.
Por fim, apesar da similitude do vernáculo, o objeto “ambiente” é sobremodo
distinto do “telefônico”. Não há sentido lógico em determinar a aplicação da Lei nº
9.296/1996 (que cuida do sigilo das comunicações telefônicas) aos casos de co-
municação ambiental. Rogamos que a matéria seja colocada sob análise séria, de
juristas e técnicos qualificados para fazerem as devidas distinções. Caso contrário,
teremos um resultado desastroso no campo da interpretação dos direitos funda-
mentais.

114
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

“Art. 21-B. Realizar captação ambiental de sinais eletromagnéti-


cos, ópticos ou acústicos para investigação ou instrução crimi-
nal sem autorização judicial, quando esta for exigida.
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.
§ 1º Não há crime se a captação é realizada por um dos interlo-
cutores.
§ 2º Incorre na mesma pena o funcionário público que descum-
prir determinação de sigilo das investigações que envolvam a
captação ambiental ou revelar o conteúdo das gravações en-
quanto mantido o sigilo judicial.” (NR)

15.11. Crime de captação ambiental de sinais

O dispositivo segue a tendência simbólica e de expansão punitiva, com a crença


de que o direito penal, sancionador, é capaz de resolver todos os problemas. Preten-
de tipificar a interceptação sem ordem judicial. Quanto aos limites da legislação e
das decisões judiciais, queda silente.

16. MUDANÇAS NA LEI DO RECEBIMENTO DE DENÚNCIAS


ANÔNIMAS

Art. 14. A Lei nº 13.608, de 10 de janeiro de 2018, passa a vigorar com as seguintes
alterações:
“Art. 4º-A A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
pios e suas autarquias e fundações, empresas públicas e socie-
dades de economia mista, manterão unidade de ouvidoria ou
correição, para assegurar a qualquer pessoa o direito de relatar
informações sobre crimes contra a administração pública, ilíci-
tos administrativos ou quaisquer ações ou omissões lesivas ao
interesse público.
Parágrafo único. Considerado razoável o relato pela unidade
de ouvidoria ou correição e procedido o encaminhamento
para apuração, ao informante serão asseguradas proteção in-
tegral contra retaliações e isenção de responsabilização civil
ou penal em relação ao relato, exceto se o informante tiver
apresentado, de modo consciente, informações ou provas fal-
sas.” (NR)

115
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

16.1. Atribuições dos entes federativos e a proteção do reportante

O dispositivo do art. 4º-A que se quer inserir, propugna por investimentos por
parte dos entes federativos. A nosso ver, legislação da União não deve criar deve-
res para os demais entes, especialmente os estados-membros e os municípios. Tal
proceder desequilibra o princípio federativo, negando a autonomia desses entes e
colocando a União em patamar superior aos demais.

O parágrafo único prevê proteção integral ao reportante. A isenção de respon-


sabilidade por fato civil culposo é indevida. Primeiro, porque o objeto da legislação
que se pretende modificar não é civil. Segundo, porque afeta a estrutura lógica e
normativa da responsabilidade subjetiva civil. Terceiro porque coloca o reportante
e o Estado acima dos direitos do imputado, destruindo garantias individuais im-
portantes, uma das marcas do fascismo (superioridade dos interesses estatais aos
direitos do ser humano enquanto indivíduo).

De acordo com o magistério de Eugenio Raul Zaffaroni, o padrão de homem fas-


cista propõe, “também intuitiva e confusamente”, “um modelo de Estado diferente,
no qual uma autoridade vertical não discuta e sim faça que cada um permaneça em
seu lugar e não incomode, mediante um exercício ilimitado do poder repressivo.
Isso não é mais nem menos que o modelo do Estado policial”80.

“Art. 4º-B O informante terá o direito de preservação de sua


identidade, a qual apenas será revelada em caso de relevante
interesse público ou interesse concreto para a apuração dos
fatos.
§ 1º Se a revelação da identidade do informante for imprescin-
dível no curso de processo cível, de improbidade ou penal, a
autoridade processante poderá determinar ao autor que opte
entre a revelação da identidade ou a perda do valor probatório
do depoimento prestado, ressalvada a validade das demais pro-
vas produzidas no processo.
§ 2º Ninguém poderá ser condenado apenas com base no de-
poimento prestado pelo informante, quando mantida em sigilo
a sua identidade.

80. ZAFFARONI, Eugenio Raúl. A questão criminal. Tradução: Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2018.
p.118.

116
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

§ 3º A revelação da identidade somente será efetivada median-


te comunicação prévia ao informante, com prazo de trinta dias,
e com sua concordância.” (NR)

16.2. Preservação da identidade do reportante e valor probatório

Conforme já salientamos, o valor probatório do indigitado informante é diminu-


to. As vantagens ofertadas em troca de informação são reprováveis, tornando o ins-
tituto parecido com forma de profissionalizar a atividade. Defendemos que se cuida
de prova ilícita, incompatível com as garantias constitucionais que constituem o
núcleo duro do processo penal.
Observe-se que a escrita do artigo do projeto tenta convencer o receptor da
mensagem acerca de alguma valia das informações anônimas. Pensamos, inclusive,
que há diferença relevante entre a conhecida “notícia anônima” ou aquele prove-
niente do reportante, com toda estrutura criada para forjar um delinquente. A pri-
meira, conquanto não seja prova, constitui ponta pé válido para que a autoridade
policial se acautele e verifique a procedência das informações. A segunda, diferen-
temente, resvala em inconstitucionalidade manifesta, sendo, portanto, prova ilícita.

“Art. 4º-C Além das medidas de proteção previstas na Lei nº


9.807, de 13 de julho de 1999, será assegurada ao informante
proteção contra ações ou omissões praticadas em retaliação
ao exercício do direito de relatar, tais como demissão arbitrária,
alteração injustificada de funções ou atribuições, imposição de
sanções, de prejuízos remuneratórios ou materiais de qualquer
espécie, retirada de benefícios, diretos ou indiretos, ou negativa
de fornecimento de referências profissionais positivas.
§ 1º A prática de ações ou omissões de retaliação ao informante
configurará falta disciplinar grave e sujeitará o agente à demis-
são a bem do serviço público.
§ 2º O informante será ressarcido em dobro por eventuais danos
materiais causados por ações ou omissões praticadas em reta-
liação, sem prejuízo de danos morais.
§ 3º Quando as informações disponibilizadas resultarem em re-
cuperação de produto de crime contra a administração pública,
poderá ser fixada recompensa em favor do informante em até
cinco por cento do valor recuperado.” (NR)

117
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

16.3. Simbolismo e extrapolação dos limites formais em face de temas dis-


tintos

A proteção de vítimas e testemunhas é regulada suficientemente na Lei nº


9.807/1999, que o próprio caput do enunciado refere. Mais um dispositivo desne-
cessário, com forte teor simbólico, prevendo sanções de naturezas administrativa
(disciplinar), civil e criminal.
No ponto, falta ao projeto coerência com a área que visa regular, pelo que recai-
rá duvidosa constitucionalidade diante dos limites delineados pela Lei Complemen-
tar nº 95/1998.
É mais uma providência sancionatória populista que indica, até mesmo, a “re-
compensa em favor do informante”, de forma eticamente deplorável.

17. CLÁUSULA DE REVOGAÇÃO EXPRESSA DE OUTROS


DISPOSITIVOS LEGAIS

Art. 15. Ficam revogados:


I - o parágrafo único do art. 23 do Decreto-Lei nº 2.848, de 1940 - Código Penal;
II - os seguintes dispositivos do Decreto-Lei nº 3.689, de 1941 - Código de Processo
Penal:
a) o parágrafo único do art. 133;
b) o parágrafo único do art. 310; e
c) o parágrafo único do art. 609; e
III - o parágrafo único do art. 17 da Lei nº 10.826, de 2003.

17.1. Revogação expressa e revogação tácita

A revogação expressa ocorre no plano do ordenamento jurídico, com a demar-


cação do termo final da vigência do dispositivo. Veja-se que algum enunciado, be-
néfico ao imputado, poderá ter incidência mesmo depois de revogado, se presente
norma penal material, toda vez que o fato parâmetro de aplicação normativa tiver
ocorrido dentro da órbita de sua vigência.
Por outro lado, a revogação tácita acontece no plano do sistema, isto é, no pata-
mar da interpretação. Além dos dispositivos indicados como passíveis de revogação
expressa, a eventual aprovação do projeto de lei poderá ensejar divergências de

118
PROJETO DE LEI – I (Medidas contra a corrupção)

interpretação. Isso significa dizer que revogação tácita não é, em sentido próprio,
revogação, mas interpretação.

17.2. Dispositivos com previsão de revogação expressa

Os dispositivos que o anteprojeto pretende revogar expressamente são:


(1) o parágrafo único, do art. 23, do Código Penal: “o agente, em qualquer das
hipóteses deste artigo, responderá pelo excesso doloso ou culposo”;
(2) o parágrafo único, do art. 133, do Código de Processo Penal: “do dinheiro
apurado, será recolhido ao Tesouro Nacional o que não couber ao lesado ou a ter-
ceiro de boa-fé”;
(3) o parágrafo único, do art. 310, do Código de Processo Penal: “se o juiz veri-
ficar, pelo auto de prisão em flagrante, que o agente praticou o fato nas condições
constantes dos incisos I a III do caput do art. 23 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de
dezembro de 1940 - Código Penal, poderá, fundamentadamente, conceder ao acu-
sado liberdade provisória, mediante termo de comparecimento a todos os atos pro-
cessuais, sob pena de revogação”;
(4) o parágrafo único, do art. 609, do Código de Processo Penal: “quando não for
unânime a decisão de segunda instância, desfavorável ao réu, admitem-se embar-
gos infringentes e de nulidade, que poderão ser opostos dentro de 10 (dez) dias, a
contar da publicação de acórdão, na forma do art. 613. Se o desacordo for parcial,
os embargos serão restritos à matéria objeto de divergência.
(5) o parágrafo único, do art. 17, da Lei nº 10.826/2003: “equipara-se à ativida-
de comercial ou industrial, para efeito deste artigo, qualquer forma de prestação de
serviços, fabricação ou comércio irregular ou clandestino, inclusive o exercido em
residência”.
Comentamos acima as questões que podem decorrer da eventual substituição
desses enunciados, divididos em mais de um parágrafo. Entendemos que proble-
mas de ordem constitucional e sistemática recomendam que o projeto não seja
aprovado pelo Congresso Nacional.

18. CLÁUSULA DE VIGÊNCIA

Art. 16. Esta Lei entra em vigor trinta dias após a data da sua publicação.
Brasília,

119
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

18.1. Finalidade da cláusula de vigência

Com a vacatio legis, objetiva-se tornar conhecida a lei nova por parte de todos,
com assimilação de seu conteúdo. A ideia é a de propiciar transição de um sistema
a outro sem intercorrências mais graves, permanecendo em vigor a lei antiga nesse
lapso.
Se não houver menção específica no texto legal acerca do período de vacância, o
seu prazo será de quarenta e cinco dias.

18.2. Vacatio legis reduzida

Em razão da multiplicidade de assuntos e do potencial impacto no sistema bra-


sileiro por parte do projeto “antidelito”, entendemos que a vacância de trinta dias é
insuficiente para o propósito anunciado no tópico anterior.

120
bb PROJETO DE LEI – II
(Crime de caixa dois)

Altera a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral,


para criminalizar o uso de caixa dois em eleições.

1. MUDANÇAS NO CÓDIGO ELEITORAL

O CONGRESSO NACIONAL decreta:


Art. 1º A Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral, passa a vigorar com
as seguintes alterações:

“Art. 350-A. Arrecadar, receber, manter, movimentar ou utilizar


qualquer recurso, valor, bens ou serviços estimáveis em dinhei-
ro, paralelamente à contabilidade exigida pela legislação elei-
toral.
Pena - reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, se o fato não consti-
tuir crime mais grave.
§ 1º Incorre na mesma pena quem doar, contribuir ou fornecer
recursos, valores, bens ou serviços nas circunstâncias estabele-
cidas no caput.
§ 2º Incorrem nas mesmas penas os candidatos e os integrantes
dos órgãos dos partidos políticos e das coligações quando con-
correrem, de qualquer modo, para a prática criminosa.
§ 3º A pena será aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços),
no caso de algum agente público concorrer, de qualquer modo,
para a prática criminosa.” (NR)

1.1. Figura típica de caixa dois


Como se depreende, a proposta é de nova figura típica penal, na via da expansão
punitivista.
Não há, no Código Eleitoral – pelo menos até a conclusão destes escritos –, a
conduta de caixa dois descrita como crime. Ser crime ou não envolveria debate filo-
sófico, permeado pelas noções que sustentam que o direito criminal somente deve

121
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

incidir em última hipótese. Essa forma de pensar é oposta à do subscritor do ante-


projeto, filiado que é à postura policialesca.

Art. 2º Esta Lei entra em vigor a partir da data da sua publicação.


Brasília,

1.2. Cláusula de vigência

A previsão é para vigorar imediatamente, sem lapso de vacatio legis. Embora


destacado do projeto principal, os argumentos tecidos no tópico antecedente têm
também lugar aqui, porquanto faz parte do conjunto sob o epíteto “anticrime”.

122
bb PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – III
(Competência da Justiça Comum e da Justiça Eleitoral)

Altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código


de Processo Penal, e a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 - Códi-
go Eleitoral, para estabelecer regras de competência da Justiça
Comum e da Justiça Eleitoral.

1. MUDANÇAS NO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

O CONGRESSO NACIONAL decreta:


Art. 1º O Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal,
passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 79. (...)


III - no concurso entre a jurisdição comum e a eleitoral.
(...)” (NR)

1.1. Objetivo de evitar a atração da competência da justiça eleitoral

A sugestão do pacote é de inclusão do inciso III, a fim de evitar que o crime conexo
ao eleitoral seja por esta julgada por ser foro atrativo, estabelecendo exceção à regra
de unidade de julgamento preconizada pelo art. 79, do Código de Processo Penal.

1.2. Outras finalidades

As finalidades não declaradas são:


(1) justificar a competência universal do juízo da “operação lava-jato” que, de-
certo, não detinha competência para julgar todos os fatos que lhes foram colocados
à disposição;

123
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

(2) tentar imunizar ilegalidades e inconstitucionalidades por vício de compe-


tência, com a nulificação dos processos que tenham veiculado crimes comuns, mas
conexos aos delitos previstos no Código Eleitoral e cometidos em razão de prélio
eleitoral.

2. MUDANÇAS NO CÓDIGO ELEITORAL

Art. 2º A Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral, passa a vigorar com
as seguintes alterações:

“Art. 35. (...)


II - processar e julgar os crimes eleitorais, ressalvada a compe-
tência originária do Tribunal Superior Eleitoral e dos Tribunais
Regionais Eleitorais;
(...)” (NR)

2.1. Competência do juiz eleitoral

Mais do mesmo, a sugestão quer tirar das mãos da Justiça Eleitoral, a competên-
cia para julgar crimes conexos comuns, na linha de uma visão que somente enxerga
o processo penal pelo funil da “operação lava-jato”. Vejamos o próximo e último
dispositivo.

“Art. 364. No processo e julgamento dos crimes eleitorais, assim


como nos recursos e na execução que lhes digam respeito, será
aplicado, subsidiariamente ou supletivamente, o Decreto-Lei nº
3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal.” (NR)

2.2. Aplicação subsidiária do Código de Processo Penal

O fito da singela modificação é retirar da Justiça Eleitoral o julgamento de cri-


mes conexos. Eis o texto correlato do art. 364, do Código Eleitoral, que estabelece
que, “no processo e julgamento dos crimes eleitorais e dos comuns que lhes forem

124
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR – III (Competência da Justiça Comum e da Justiça Eleitoral)

conexos, assim como nos recursos e na execução, que lhes digam respeito, aplicar-
-se-á, como lei subsidiária ou supletiva, o Código de Processo Penal”.

Durante a designada “operação lava-jato”, houve desmembramento de caso de


colaboração premiada, junto ao STF, para a Justiça Eleitoral, contrariando o defendi-
do – porém ilegal (art. 76, CPP, sobre regras de conexão) e inconstitucional (juiz na-
tural) – juízo universal (competência). Na hipótese, a suposta corrupção noticiada
em delação premiada teria sido destinada à campanha eleitoral. No caso, existiriam
crime eleitoral e crimes conexos que deveriam ser remetidos à Justiça Eleitoral, por
ser atrativa relativamente à comum.

O julgado da Segunda Turma do STF teria prejudicado aquela pretensa univer-


salidade do juízo curitibano, conquanto não diretamente, porque em trâmite na Su-
prema Corte, por envolver parlamentar federal. De acordo com a ementa do julgado,
“o suposto recebimento de valores não declarados, relativos a contratos públicos,
para financiamento de campanhas eleitorais, mediante a utilização do instrumento
denominado ‘caixa dois’, configura, em tese, o crime de falsidade ideológica eleitoral
estabelecido no art. 350 do Código Eleitoral, atraindo a competência da Justiça Elei-
toral para julgamento deste crime e dos conexos, nos termos do art. 35, II, do Código
Eleitoral e art. 78, IV, do Código de Processo Penal (CPP)”81.

Ao que tudo indica, a modificação é casuística, rompendo com tradicional com-


petência prevalente da Justiça Eleitoral, ressalvada pela Constituição, ao tratar da
competência dos demais tribunais. Se aprovada – o que só deve ser por lei comple-
mentar –, permitirá interpretação que sustente a impossibilidade da Justiça Eleito-
ral julgar delitos comuns conexos aos crimes eleitorais.

No entanto, a forma de alteração não espanca todas as dúvidas, eis que o enun-
ciado não demarca a competência da Justiça Eleitoral para julgar apenas crimes
eleitorais, mas permanece autorizando a aplicação supletiva do Código de Processo
Penal, omitindo, todavia, a alusão aos casos de conexão.

Art. 3º Esta Lei Complementar entra em vigor na data da sua publicação.


Brasília,

81. STF – Segunda Turma – Inq 4428/DF – Rel. Min. Gilmar Mendes – j. 28 ago. 2018.

125
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

2.3. Cláusula de vigência

A regra prevista é a de vigência imediata, isto é, sem lapso de vacatio legis. Em-
bora destacado do projeto principal, os argumentos tecidos no tópico antecedente
têm também lugar aqui, porquanto faz parte do conjunto de nome “anteprojeto an-
ticrime”.

126
REF ER ÊN C I AS

ADEODATO, João Maurício. Uma teoria retórica da norma jurídica e do direito subjetivo. São Paulo:
Noeses, 2011.
ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Teoria da nulidade no processo penal. São Paulo: Noeses, 2016.
AMORIM, Pierre Souto Maior Coutinho do. Observações sobre a Resolução nº 181/2017 do CNMP.
Empório do direito. Disponível em: <http://emporiododireito.com.br/backup/observacoes-
-sobre-a-resolucao-n-181cnmp-por-pierre-souto-maior-coutinho-de-amorim/>. Acesso em:
29 nov. 2017.
ARAÚJO, Fábio Roque de; TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Legislação criminal
para concursos. 4. ed. Salvador: Juspodivm, 2019.
BADARÓ, Gustavo. Cadeia de custódia e mensagens via BlackBerry: dois temas atuais e complicados.
Disponível em: <https://www.facebook.com/gustavo.badaro.1/posts/1983052101807843?
__tn__=-UC-R>. Acesso em: 26 fev. 2019.
BEIRAS, Iñaki Rivera. Pena criminal: seus caminhos e suas possíveis formas. Tradução: Denise
Hammerschmidt. Curitiba: Juruá, 2012.
BELLO, Ney. A punição como necessidade: a encruzilhada da justiça criminal. Conjur: crime e cas-
tigo, 17 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-17/crime-castigo-
-punicao-necessidade-encruzilhada-jurisdicao-criminal>. Acesso em: 06 mar. 2019.
BIFFE JÚNIOR, João; LEITÃO JÚNIOR, Joaquim. O acesso pela polícia a conversas gravadas no
Whatsapp e as gerações probatórias decorrentes das limitações à atuação estatal. Genjurí-
dico. Disponível em: <http://genjuridico.com.br/2016/08/12/o-acesso-pela-policia-a-con-
versas-gravadas-no-whatsapp-e-as-geracoes-probatorias-decorrentes-das-limitacoes-a-a-
tuacao-estatal/>. Acesso em: 18 fev. 2019.
BLACKBERRY BRASIL. Mensagens de texto invioláveis. Disponível em: <https://www.blackber-
rybrasil.com.br/smartphone-blindado-blackberry/>. Acesso em: 26 fev. 2019.CAMARGO,
Gilson. Projeto anticrime: licença para matar. In: Extra classe. Disponível em: <https://www.
extraclasse.org.br/exclusivoweb/2019/02/projeto-anticrime-licenca-para-matar/>. Acesso
em: 13 fev. 2019.
CARVALHO, Amilton Bueno. Direito penal a marteladas: algo sobre Nietzsche e o direito. Rio de
Janeiro: Lumen Juris, 2016.
CASARA, Rubens R. R. Prisão e liberdade. São Paulo: Estúdio Editores, 2014.

127
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

CERQUEIRA, Daniel et alii. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da Violência: IPEA; FBSP.
Disponível em: <http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/06/FBSP_
Atlas_da_Violencia_2018_Relatorio.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2019.
COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 4. ed. São Paulo: Saraiva,
2006.
COUTINHO, Filipe. Relatório final: depois da CPI, grampo nunca mais foi o mesmo. Conjur, 25
abr. 2009. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2009-abr-25/cpi-nao-prendeu-nin-
guem-expos-submundo-grampo-pais>. Acesso em: 18 fev. 2019.
FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Juízes operam com conceitos velhos em um mundo novo. Ga-
zeta do Povo. Disponível em: <https://www.gazetadopovo.com.br/justica/tercio-sampaio-
juizes-operam-conceitos-velhos-em-um-mundo-novo-4fniz3cac3p5jpu70hzu40qnw/>.
Acesso em: 16 fev. 2019.
FORTE. FCS12 da Aimpoint. Forças terrestres: noticiário internacional. Disponível em: <https://
www.forte.jor.br/2011/11/23/fcs12-da-aimpoint/>. Acesso em: 17 fev. 2019.
GLOBO. Bandidos são mortos em confronto com a polícia em SP. Disponível em: <http://g1.globo.
com/globo-news/jornal-globo-news/videos/v/bandidos-sao-mortos-em-confronto-com-a-
-policia-em-sp/7002711/>. Acesso em: 26 fev. 2019.
GRECO, Luís. Análise sobre propostas relativas a legítima defesa no ‘projeto de lei anticrime’:
proposta ou é supérflua, ou nociva. Em qualquer das duas hipóteses, ela não pode prosperar.
Jota: penal em foco. Disponível em: <https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/pe-
nal-em-foco/analise-sobre-propostas-relativas-a-legitima-defesa-no-projeto-de-lei-anticri-
me-07022019>. Acesso em: 05 mar. 2019.
HERINGER, Carolina. Equipamento israelense foi usado pela PF para extrair dados de celulares na Lava
Jato. Extra Globo. Disponível em: <https://extra.globo.com/casos-de-policia/equipamento-is-
raelense-foi-usado-pela-pf-para-extrair-dados-de-celulares-na-lava-jato-19101625.html>.
Acesso em: 16 fev. 2019.
JARDIM, Afrânio Silva. Garantismo no processo penal: breve e parcial reflexão. Revista Eletrônica
de Direito Processual – REDP, Rio de janeiro (UERJ), a.8, n.14, p.10, jul.-dez. 2014.
JARDIM, Afrânio Silva; AMORIM, Pierre Souto Maior Coutinho de. Direito processual penal: estu-
dos, pareceres e crônicas. 15. ed. Salvador: Juspodivm, 2018.
KNIJNIK, Danilo. A trilogia Olmstead-Katz-Kyllo: o art. 5º da Constituição Federal do Século XXI. In:
Temas de direito penal, criminologia e processo penal. Ângelo Roberto Ilha da Silva (org.). Porto
Alegre: Livraria do Advogado, 2014.
LOPES JR, Aury. Adoção do ‘plea bargain’ no projeto anticrime: remédio ou veneno. Conjur: limite
penal, 22 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-22/limite-penal-
-adocao-plea-bargaining-projeto-anticrimeremedio-ou-veneno>. Acesso em: 05 mar. 2019.
MANZANO, Luís Fernando de Moraes. Curso de processo penal. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.
MARTINS, Jomar. Gravação em presídio: OAB defende sigilo de conversa entre advogado e preso.
Conjur. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2013-abr-30/oab-atuar-hc-stf-grava-
cao-conversas-entre-advogado-preso>. Acesso em: 15 fev. 2019.
MARTINS, Rui Cunha. Mapeamento processual da verdade. In: Decisão judicial. Geraldo Prado; Rui
Cunha Martins; L. G. Grandinetti Castanho de Carvalho (orgs). Madrid: Marcial Pons, 2012.
p.71-86.

128
REFERÊNCIAS

NICOLITT, André Luiz; WEHRS, Carlos Ribeiro. Intervenções corporais no processo penal e a nova
identificação criminal: Lei nº 12.694/2012. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.
PACZEK, Vítor. LOPES JR, Aury. Alteração das regras do tribunal do júri no pacote ‘anticrime’ é
inconstitucional. Conjur: opinião, 14 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/
2019-fev-14/opiniao-alteracao-regras-tribunal-juri-pacote-anticrime>. Acesso em: 05 mar.
2019.
PRADO, Geraldo. Sistema acusatório: a conformidade constitucional das leis processuais penais. 4.
ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.
______. 2. ed. Transação penal. Rio de janeiro: Lumen Juris, 2006.
______. Limite às interceptações telefônicas e a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça. 2. ed.
Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.
______. Prova penal e sistemas de controles epistêmicos: a quebra de cadeia de custódia das provas
obtidas por métodos ocultos. São Paulo: Marcial Pons, 2014.
RODAS, Sérgio. Pacote “anticrime” quer permitir gravação de conversa entre advogado e clien-
te preso. Conjur: sigilo violado, 07 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/
2019-fev-07/pacote-anticrime-permitir-gravacao-entre-advogado-cliente-preso>. Acesso em:
06 mar. 2019.
ROSA, Alexandre Morais da. O projeto anticrime passaria no teste Kobayashi Maru. Conjur: limite
penal, 01 mar. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-mar-01/limite-pe-
nal-projeto-anticrime-passaria-teste-kobayashi-maru>. Acesso em: 05 mar. 2019.
______. Proposta ‘anticrime’ de Moro despista sobre foco principal. Emais Editora, 18 fev. 2019.
Disponível em: <https://www.emaiseditora.com.br/site/proposta-anticrime-de-moro-des-
pista-sobre-foco-principal-alexandre-morais-da-rosa/>. Acesso em: 05 mar. 2019
SAMUEL, Fernando Oliveira. O problema carcerário brasileiro e o judiciário: juízes/as são agen-
tes de segurança pública? Reflexões sobre incoerência e alteridade. Brasília: IDP/EDB, 2017.
210f. Dissertação (Mestrado). Instituto Brasiliense de Direito Público.
SCHREIBER, Simone. A publicidade opressiva de julgamentos criminais. Rio de Janeiro: Renovar,
2008.
SEMER, Marcelo. A farsa da pátria armada. Revista Cult, São Paulo, 21 jan. 2019. Disponível em:
<https://revistacult.uol.com.br/home/farsa-da-patria-armada/?fbclid=IwAR0SDRkLWvB-
qt-VJCnrjU2peKqMgDTIBDiQx5VCZlEvUgmQw2alKbd9FBJo>. Acesso em: 23 jan. 2019.
______. Lei anticrime de Moro é um dos documentos mais simplórios que já tive acesso. Vice, 04 fev.
2019. Disponível em: <https://www.vice.com/pt_br/article/wjmnmw/lei-anticrime-de-mo-
ro-e-um-dos-documentos-mais-simplorios-que-ja-tive-acesso>. Acesso em: 06 mar. 2019.
SILVA, Luciano Nascimento. Projeto de lei anticrime. Disponível em: <https://www.facebook.
com/luciano.n.silva>. Acesso em: 06 fev. 2019.
STRECK, Lenio Luiz. O “pacote anticrime” de Sérgio Moro e o martelo dos feiticeiros. Conjur: senso
incomum, 07 fev. 2019. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-07/pacote-
-anticrime-sergio-moro-martelo-feiticeiros>. Acesso em: 06 mar. 2019.
TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Curso de direito processual penal. 14. ed. Salvador:
Juspodivm, 2019.

129
COMENTÁRIOS AO ANTEPROJETO DE LEI ANTICRIME Nestor Távora e Rosmar Rodrigues Alencar

WALSH, Dylan. Por que os tribunais dos EUA são tão dependentes do plea bargaining? Limite
penal. Tradução: Aury Lopes Jr. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2019-fev-15/
limite-penal-tribunais-eua-sao-tao-dependentes-plea-bargain>. Acesso em: 16 fev. 2019.
WARAT, Luis Alberto. O direito e sua linguagem: 2ª versão, com a colaboração de Leonel Severo
Rocha. 2. ed. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1995.
ZAFFARONI, Eugenio Raul. O inimigo no direito penal. Tradução: Sérgio Lamarão. 3. ed. Rio de
Janeiro: Revan, 2017.
______. A questão criminal. Tradução: Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan, 2018.

130