Você está na página 1de 10

Planificação a longo prazo

O número de aulas indicado para cada conteúdo tem em conta o total de aulas disponível e o grau de
comple- xidade do assunto. O professor face à turma que lhe é atribuída, aos recursos disponíveis poderá
adotar diferen- tes métodos e ajustar o número de aulas necessário.
As sugestões metodológicas são apresentadas no livro do professor.

NÚMERO
BLOCO UNIDADE CONTEÚDOS METAS CURRICULARES
DE AULAS(1)
Bloco 1 Unidade 1 Unidades estruturais. Indicar que a matéria é constituída por corpúsculos
submicroscópicos (átomos, moléculas e iões) com base
Teoria corpuscular. na análise de imagens fornecidas, obtidas
experimentalmente.
Pressão de um gás. Indicar que os átomos, moléculas ou iões estão em inces-
sante movimento existindo espaço vazio entre eles.
Simbologia química.
Interpretar a diferença entre sólidos, líquidos e gases
com base na liberdade de movimentos e proximidade
Lei de Lavoisier.
entre os corpúsculos que os constituem.

Equações químicas. Associar a pressão de um gás à intensidade da força


que os corpúsculos exercem, por unidade de área, na
superfície do recipiente onde estão contidos.
Relacionar, para a mesma quantidade de gás, variações
de temperatura, de pressão ou de volume mantendo,
em cada caso, constante o valor de uma destas
grandezas.
Descrever a constituição dos átomos com base em
partículas mais pequenas (protões, neutrões e
eletrões) e concluir que são eletricamente neutros.
Indicar que existem diferentes tipos de átomos e que
átomos do mesmo tipo são de um mesmo elemento
químico, que se representa por um símbolo químico
universal.
Associar nomes de elementos a símbolos químicos para
alguns elementos (H, C, O, N, NA, K, Ca, Mg, Al, Cl, S). 17
Definir molécula como um grupo de átomos ligados
entre si.
Descrever a composição qualitativa e quantitativa de
moléculas a partir de uma fórmula química e associar
essa fórmula à representação da substância e da
respetiva unidade estrutural.
Classificar as substâncias em elementares ou
compostas a partir dos elementos constituintes, das
fórmulas químicas e, quando possível, do nome das
substâncias.
Definir ião como um corpúsculo com carga elétrica
positiva (catião) ou negativa (anião) que resulta de um
átomo ou grupo de átomos que perdeu ou ganhou
eletrões e distinguir iões monoatómicos de iões
poliatómicos.
Indicar os nomes e as fórmulas de iões mais comuns
(Na+, K+, Ca2+, Mg2+, Al3+, NH4+, Cl-, SO42-, NO3-, CO32-,
PO43-, OH-, O2-).
Escrever uma fórmula química a partir do nome de um
sal ou indicar o nome de um sal a partir da sua fórmula
química.

UNIDADE CONTEÚDOS METAS CURRICULARES Concluir,


BLOCO
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
a partir de form se o lavoisier para o estudo das reações químicas. NÚMERO
representações ação número Verificar, através de uma atividade laboratorial, o que DE AULAS(1)
de modelos de de total de acontece à massa total das substâncias envolvidas numa
átomos e nova átomos reação química em sistema fechado.
moléculas, que s de cada
Concluir que, numa reação química, a massa dos
nas reações subst element
reagentes diminui e a massa dos produtos aumenta,
químicas há ância o.
conservando-se a massa total, associando este
rearranjos dos s, Indicar comportamento à lei da conservação da massa
átomos dos cons o (lei de lavoisier).
reagentes que erva contrib
conduzem à ndo- Representar reações químicas através de equações
uto de
químicas, aplicando a lei da conservação da massa.

Unidade 2 reações de Identificar, em reações de combustão no dia a dia e


combustão. em laboratório, os reagentes e os produtos da reação,
distinguindo combustível e comburente.
Carácter ácido/base Representar reações de combustão, realizadas em
de soluções. atividades laboratoriais, por equações químicas.
Escala Sorensen de pH.
Associar as reações de combustão, a corrosão de
Reações ácido-base.
metais e a respiração a um tipo de reações químicas
Reações de que se designam por reações de oxidação-redução.
precipitação.
Identificar, a partir de informação selecionada,
Dureza da água. reações de combustão relacionadas com a emissão
de poluentes para a atmosfera (óxidos de enxofre e
nitrogénio) e referir consequências dessas emissões e
medidas para minimizar os seus efeitos.
Dar exemplos de soluções aquosas ácidas, básicas
e neutras existentes no laboratório e em casa.
Classificar soluções aquosas em ácidas, básicas
(alcalinas) ou neutras, com base no comportamento de 13
indicadores colorimétricos (ácido-base).
Distinguir soluções ácidas de soluções básicas usando
a escala de Sorensen.
Determinar o carácter ácido, básico ou neutro de
soluções aquosas com indicadores colorimétricos, e
medir o respetivo pH com indicador universal e
medidor de pH.
Ordenar soluções aquosas por ordem crescente ou
decrescente de acidez ou de alcalinidade, dado o valor
de pH de cada solução.
Prever se há aumento ou diminuição de pH quando se
adiciona uma solução ácida a uma solução básica ou
vice-versa.
Identificar ácidos e bases comuns: HCl, H2SO4,
HNO3, H3PO4, NaOH, KOH, Ca(OH)2, Mg(OH)2.
Classificar as reações que ocorrem, em solução
aquosa, entre um ácido e uma base como reações
ácido-base e indicar os produtos dessa reação.

DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana


NÚMERO
BLOCO UNIDADE CONTEÚDOS METAS CURRICULARES
DE AULAS(1)
Representar reações ácido-base por equações químicas.
Concluir que certos sais são muito solúveis ao passo
que outros são pouco solúveis em água. Unidade 3 A
s
Classificar como reações de precipitação as reações em
Velocs
que ocorre a formação de sais pouco solúveis em água
(precipitados). idado
e dec
Identificar reações de precipitação, no laboratório e no
umai
ambiente (formação de estalactites e de estalagmites). a
reaçã
Representar reações de precipitação, realizadas em o r
atividades laboratoriais, por equações químicas. quím
Associar águas duras a soluções aquosas com elevada ica. a
concentração em sais de cálcio e de magnésio.
Fatores
v que
Relacionar, a partir de informação selecionada,
permitem
e
propriedades da água com a sua dureza, referindo
controlar
l a
consequências do seu uso industrial e doméstico, e
velocidade
o de
identificando processos usados no tratamento de
umac reação
águas duras.
química.
i
d
a
d
e

d
e

u
m
a

r
e
a
ç
ã
o

q
u
í
m
i
c
a

r
a
p
i
d
e
z

c
o
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
m f m s z a l tivida n s
i i e n i de a
q c c s p d m exper i
u a a o o e iment c n
e r s f d n al, o i
a e o t quais n b
o e t o são s i
u
s o s os e d
m t u
r , efeito r o
d e s
e s, na v r
r f a r o
s m veloci a e
e a r
e dade ç s
a t n d
d de ã
g o e s a e
i reaçõ o
e r x ã n
c es
n e e o ã
v r a quími
t s m d o
e e m cas,
e p r e
l c e da
q l e o i conce s
n
é u o l c p ntraç a ã
t
e s e i i ão l o
o
v d e dos i
c s
i d a a n reage m c
o
n o n d t ntes, e o
n e
f t e e da n n
s
l e s temp t s
u d
u s r eratu o u
m i d
e . e ra, do s m
i a e e
n I a estad . i
d s
c d g o de I d
o a c c
i e e divisã n o
e u
a n n o d s
o r r
m d t
u t t o do(s) i
i e
i a s reage c n
a s
a f s nte(s) a a
u .
i o sólido r s
m o
v c u C (s) e
u r
e a o da q 8 r
p e
l r n prese u e
r a o
o l c nça e a
o ç p
c a a l de ç
d õ a
i b u um õ
u e c o
d o i catali e
t i s o s
a r r sador s
o n s
d a , aprop
f q c
e t riado.
l u n a q
é o a Asso
u í a t u
r t ciar
d ê m a í
f i r os
a n i l m
o a p a antio
s c c i i
r i r v xida
i a s c
m s o é ntes
r a s a a
a t s e os
e , d s
d e e cons
a q o ,
o m ç erva
ç u d r
. j ã ntes
õ e e e m
u o a
I e q s a
s inibi
d s u u s
a t d
e e m dore
i e e
n a s
q l f utiliz p
t e
u u i ados o o
i s a
í c a d
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
e d m . o f e g s m d n onclu font
m e ,C i t a o a aI o
m D ir, a e
Bl U I D
e e n 7 o
C
partir que
p d on n r e s o lo da origi
d
c Propagação m m m r n prod na a
e a
o i i a a g ução vibr
r s
c
2 do som. n , o de açã
d s
a a d onda o.
e r r ó f
r m o s na
r e l r D
Velocidade i e a m água, e
a
a ç de q f d q s ei numa f
u
propagaçã r o, corda
õ o u i
o doe som. e s ê n a ou n
s e
q , n ã p numa
u s i
u
Onda u c o e mola,
a r
m ê i n que
l
c a
sonora. n a as uma
í s o
a o c tr onda
q e
t m v i a result
u d
i i a ns a da p
i a p
v b b s fe prop e
d r
i a r o re agaç r
r o
d s a n s m ão de í
e p
a e ç e e uma o
s a
d ã s n vibra d
e p g
e n o s er ção. o
e a
. o a gi
g t Iden
I é a i n a tifica d
n u v d e
c s o r,
t o n a e
o e num
e i u u
n s v esqu
r d m m
t m f á ema,
a as
p r o c o c a a
d p
r o v o n u ampl
e ar
e l i m t o itude o
. a
t o m e . de n
a e I o vibra
a d
r n n 1 ut ção
d comp a
t d U C ME ra em
o ressã ,
o i N O TA s. onda
a s o, i
c I N S
a com A s na n
r D T CU maior ss água d
v f r
e A E RRI
a a press o , i
p D Ú CU ci num c
r t ão).
e q E D LA ar a
i o a
t u O RES Expl
a a cord r
r i e S icar
ç v a ou
e t Explicar que a que,
ã el num a
s i o transmissão do som na
o o a
v no ar se deve à pro
ci mola
q o propagação do pag r
s d .
d u movimento açã e
o a Indicar
a e d m vibratório em o do s
d que uma
e sucessivas camadas som p
e onda é
v a de ar, surgindo, , as e
s d caracteri
e alternadamente, cam t
u e o zada por
l zonas de menor adas i
a m s uma
o densidade do ar de v
l p o frequên-
c (zonas de rarefação, ar a
t c r m cia igual
i com menor não
e o o n à
d pressão) e zonas de se u
r r p u frequênc
a maior densidade do desl n
a p a m ia da
ar (zonas de oca
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
i Ú ME o om d i
d R Unidade
I 5 atrib no ar e n
a O n utos com a a
d d que ampli s i
Atributos do som.
e D i per tude o s
E c mite da n
Sons puros e sons complexos.
S a m press s o
I A r sonoro. disti
Espetro
ão b
U ngui num t
e
L r gráfic i
e Nível qde intensidade sonora. m
A sons o d
u sonora.
Poluição i
S . press o
r e t
(
Asso ão- s
e i
1 Ouvido humano e audição. temp
l ciar d
) a o.
a a o e
Reflexão do som. Refração do
c mai Associar a s m
i or altura de
i som. n
o inte um som à p o
t nsid sua
n e o s
á ade frequência r c
n de ,
- s i
l um identifican l
i d
o som do sons o
d i
a altos com s
a a
um sons c
c d p
som agudos e ó
o e a
mais sons p
m , s
fort baixos i
õ
e. com sons o
a a e
R graves. s
s
e Comparar,
f a usando um 14
l o
r l a
a gráfico u
e t c pressão-
q u i tempo, p
u r intensidades a e
o
ê a de sons ou r m
n
n a alturas de t
c e r sons. i p
i Associar um r r
a som puro ao o
o a
som emitido d g
d por um a r
t i a
a diapasão,
i n m
t caracterizado v
m a
o e por uma i
b s
n n frequência s
r
d s bem definida. u
e
a Indicar a d
i
. que um l e
d d
R a microfone i
e
e d transforma z c
l e uma onda a o
u ç m
a sonora
m ã p
c d num sinal
i elétrico. o u
e
o s t
Compara
n o d a
u r
a m e d
m intensida
r o
des e
p s r
alturas s
ã s .
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
D o i a a ERO ação da luz.
Bloc L
e s s l t sI DE
o3 u
t e i AULAS
C (1) Unid z
e s g s
D ade 6
r i u s
m e v
n n U
BLOCO
i g i
a d N
n u s
i o
a n í
s s
r d v
o e
e e l
p s
l
e .
é m
r e
t de
í r B im
METAS
o i l
L ag
CURRICULARES
d c u
O en
o o z
C Cs
s s O o e
C n
m
e I ã
c os
d o
o cil
e
f r os
n
r r có v
ti
e e pi i
fi
q s os s
c
u p ou í
a
ê o pr v
r
n n og e
s
c d ra l
o Reflexão
i e m .
n
a n as
s da luz.
s t de O
c
e co n
o Espelhos
d s m d
m
e , pu a
p planos e
ta s
l esféric
c do
o e
o r. e
n x os.
m Unid l
d oD
ade e
a s e Refraç
7 t
s e ( f
s s i r ão da
c on o
s
a ni m luz.
o
l s r a
n
a n g
o Lentes
s ãt n
r
oi é
a .
pm t
s t
ub i
e Potência
r r c
a m focal.
oe a
p
s s
o Olho
p ) c .
r
a ao
a humano e
r pm P
i
t ao r visão.
s
i r o
r p Defeitos de
e ti
o a
m r
d g
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
t r ã m m m e e por r i e
v Dr i o
De e aA d t ordem e d s
o d c c e p r cresce 6 f a
D
is m ã â â r o nte de l d e
o I
a n n u o frequê e e
ã D
g i i m p e ncias, e x
r
n e c c a a l dar ã l
o e
é a a g e exempl o a
c f
t s s s a t os de b
o l
i o ç r aplicaç d o
n e
o c m d ( ã o ões no a r
d t
o b e s o m dia a a
a i
m ) r o . a dia. t
l d
, a m I g Indicar que a velocidade o
o n u o
u , d n máxima com que a energia r
n u z s
a à d m e é ou a , i .
n n t informação a
a o A
l a s n t i podem ser l
s d e s
u u d a i c transmitida ,
n s
z s a d f o séa
. e u o
ê s o i , velocidade a
l n c
n c da luz no p
v e c i
c a n vácuo, uma l
i t d m i a
i r o ideia i
s r e e a r
C a m proposta c
í o i r
o l e por a
v m s a
o d : u a Einstein. n
e a u e
l e g z n Repres d
p r
r n p d entar a o
e v e
l é e d o direção -
d r e f
u t r e de a
a f r l
z i í o propag s
í i e
c c o d s ação
e l f x
v a i d i de uma n
u i ã
i s e o f t onda o
z c o
s , , e i de luz
a
í r p por um t
n n r e
l v d f e o raio de r
ã e a s
a r n s luz. a
u o l e a p
n t Distinguir ç
á q s e
d e d materiais a
z v e g u c
o s e transparent d
i u ê s u
es, opacos o
. s a n u l
p e f ou
í , c l a a
e x r translúcidos d
v i u s r
n e e à luz visível e
e u n a z
m q e dar
l m u exemplos l à
p u r
. b m e e do dia a dia. e
l ê a
A r a i r
o n Concluir que a i
s a v o s e
s c luz visível se o
s c e i r propaga em f
s
o à o l a d linha reta e jus- n l
d
c r o s e u e
e tificar as zonas
i d d c n i x
de sombra com m
a i a i a n ã
n base nesta a
r m o d n c o
o propriedade.
i n a d i
e a
e n d d o Definir ótica como o estudo d
da luz. t d
s u a e e - e
n i a
c i s s o n
u p Definir v t
u ç d s
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
l e u d e . l u mplos de a de o
u o m n C p u z objetos e s luz e m
z , i i a o z instrume s indic u
n m r i ntos cujo o ar n
e e a a r n funciona c que s
p
m m d g e c mento se i ele
r a
b o e f i baseia na a poss (
e b
o s n l d reflexão r ui m
s d s
r s e e da luz meio i
u o o
a a t n (espelhos o s o
p m r
i t , trans p
e e i ç
d e caleidosc pare i
r p p n ã d
a . ópios, ntes a
f r a a â o e
periscópi que ,
í e r n D s
os, radar, atua
c d t c e e a v
m etc.). m
i o i i r i h
e como
e m r a d Distinguir o i
n r lente
s i a imagem p
o e e s
n d d real de d e
r l x conv
p e a a imagem a r
a l e erge
o virtual. m
o c ntes,
l u espelho e
r u r i B U C MET l carac
i m s t
e e o L N O AS u teriza
d . esférico r
f f n O I N CUR z ndo
a m s o
E l l a C D T RICU as
s a convexo p
x e e r O A E LARE à imag
i se i
p x x , D Ú S ens
o côncavo a
e l ã ã E D form
r sa a )
i o o j O Aplicar as leis da adas
partir da l
a c u S reflexão na na
n observa t e
a d e s construção retin
i ção de e
r a s t geométrica de a.
r t imagens r
p i imagens em j
e i em a C
a e f espelhos planos u
f l d espelho ç a
c i e caracterizar s
l u e s ã r
u c essas imagens. t
e n z z esférico o a
l a Identificar i
x o . s usados c
a n superfícies polidas f
ã s I no dia a d t
e r d 10
curvas que i
o s n dia ou a e
m o funcionam como c
a t numa r
, espelhos no dia a a
d e o montag i
s dia, distinguir s r
i v r u em z
u espelhos côncavos u
f i p a laborato a
p de convexos e dar a o
u s r d s rial. r
e exemplos de d
s ã e a Definir
r aplicações. v e t
a o t i refração
f e f i
a r n concluir, a partir da da luz,
í l e p
à r e t observação, que a luz represen
d c o
e incidente num tar i o
o i f c
n espelho côncavo geometri t
r s a e l i
s origina luz camente o d
e s e d
i convergente num esse s e
f c f x a
d ponto (fo-co real) e fenómen d
l o o ã d
c a que a luz incidente o em e
e r r o e l
o d num espelho convexo várias v
x p m . e
m e origina luz divergente situações i
ã o a d n
s de um ponto (foco (ar-vidro, C s
o s ç i t
b virtual). ar-água, o ã
ã f e
a vidro-ar n o
o u d Caracterizar as s
d i s e água- c
s a imagens virtuais
a l e ar) e l c
a formadas em p
DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana
eN
(1)
Ú
cM Segmen
tos de
oE
45 min
mR
O ou de
50 min.
a
D Nota:
lE no
u número
zA de aulas
U indicad
L o nesta
v
A planific
i
S ação
s( não se
í1 contabil
v) izou
e aulas
l para
prepara
q ção,
u realizaç
e ão e
correçã
e o de
l testes.
e

r
e
f
l
e
t
e
.

DESAFIOS • Físico-Química • 8.o ano • © Santillana

Você também pode gostar