Você está na página 1de 8

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS

SÓCIOAMBIENTAIS DA REDE XIQUE


XIQUE/RN

Jônatas Thiago Gois Fernandes


Júlia Kallyne da Silva Belmiro
Larissa Maria Silva Dantas
Matheus Dantas Rodrigues
Thalia Silva Torquato
Novembro, 2020

1 Introduction
A engenharia tem como definição solucionar problemas impostos pelas deman-
das da sociedade. Ela propõe tecnologias para o bem-estar e produção do ser
humano. Sendo assim, no âmbito profissional, o engenheiro fica responsável
por tomar decisões a cerca das tecnologias a serem utilizadas e os materiais
que estarão nos projetos. Dessa forma, devem sempre buscar solucionar seus
problemas atrelando-os com o meio sustentável.
A sustentabilidade tem sido discutida em todos os setores da sociedade. Hoje
em dia, muitos investidores analisam se uma empresa está preocupada com o
meio ambiente, se elas possuem produções mais limpas. A sustentabilidade
deixou de ser um modismo e passou a ser uma necessidade.
Nesse contexto, a engenharia de sustentabilidade ganha um papel impor-
tante, porque ela propõe soluções de forma sustentável. De acordo com a As-
sociação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO, 2009) a Engenharia
da Sustentabilidade tem como objetivo o planejamento da utilização eficiente
dos recursos naturais nos sistemas produtivos diversos, ou seja, uma gestão sun-
tentável tornou-se parte fundamental para as empresas que querem garantir seu
futuro e sucesso, apesar de ser desafiador representa novas oportunidades de
negócio e crescimento.
Ela não depende de uma única pessoa, o fato é que todo o processo de
sustentabilidade de uma organização passa por todos os seus membros. Ser
social e ambientalmente responsável tem se tornado uma vantagem altamente
competitiva, pois ao adotar práticas sustentáveis elas experimentam redução
nos custos e atraem a preferência dos consumidores. Assim, passa a ter mais
visibilidade e vantagens em relação a concorrência.

1
No desenvolvimento sustentável, a agricultura é uma atividade de grande im-
pacto ambiental, ela inclui desmatamento do plantio, o uso degenerado da água,
a contaminação do solo e o uso da agricultura é uma importante atividade para a
economia alimentı́cia e que se faz necessária uma reestruturação nessa área para
melhorar o meio ambiente. Uma solução sustentável para esse problema é a agri-
cultura familiar, pois segundo Santos e Cândido (2013) é uma prática de baixa
utilização de insumos e de alta diversidade de produção, sendo um segmento
que mais pode se beneficiar das tecnologias geradas para a agricultura orgância.
Assim, o objetivo desse estudo é identificar o ı́ndice de sustentabilidade da agri-
cultura orgânica familiar, da Rede Xique-Xique de Comercialização Solidária
(RXX), localizada no estado do Rio Grande do Norte. Tendo como base os
indicadores de sustentabilidade em Empresas de Pequeno Porte, proposto por
Bonassoli (2019), onde avalia a Gestão de Resı́duos Sólidos, Consumo de Água,
Certificação Ambiental, Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho, entre
outros.

2 Referencial Teórico
2.1 Engenharia de Sustentabilidade
Segundo a Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO, 2009) a
Engenharia de Produção é formada por dez áreas, dentre elas, esta a Engenharia
da Sustentabilidade. Que tem como objetivo, o planejamento da utilização
eficiente dos recursos naturais nos sistemas produtivos diversos, a destinação e
o tratamento dos resı́duos e efluentes destes sistemas, bem como da implantação
de sistema de gestão ambiental e responsabilidade social.
A sustentabilidade é um tema bastante discutido em todos as áreas da so-
ciedade e cada vez mais é dado a atenção merecida a esse tema tanto pelos
consumidores quanto aos investidores que passaram a acompanha cada vez mais
o desempenho e desenvolvimentos das empresas.
Com a escassez dos recursos naturais, as empresas tiveram que formular a
sua postura de ante da poluição gerada por elas, sendo assim novas alternativas
foram criadas para uma produção mais limpa que polua menos, sem afetar seu
desenvolvimento. A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento
Industrial afirma o que é uma Produção Mais Limpa:
Aplicação contı́nua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica
integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso de
matérias-primas, água e energia, através da não geração, minimização ou reci-
clagem de resı́duos gerados, com benefı́cios ambientais e econômicos para os
processos produtivos. (Retirado do Artigo: A área de Engenharia da Sus-
tentabilidade: definição, subáreas, mercado de trabalho e projeções futuras,
2010)
O traço especı́fico da ecoeficiência em relação à produção mais limpa é buscar
ir mais além do aproveitamento sustentável dos recursos e da redução da con-
taminação, destacando a criação de valor agregado tanto para os negócios, como

2
para a sociedade em geral, mantendo os padrões de competitividade (DIAS,
2007).
Definir uma empresa sustentável é ainda um mistério para muitos consumi-
dores preocupados com o tema. Afinal de contas, nem sempre são transparentes
para os clientes os processos internos que transformar uma empresa comum
numa empresa sustentável (Abreu, 2009).
Com a crescente preocupação da população com o meio ambiente e a di-
vulgação cada vez mais intensa nas mı́dias, empresas que se preocupam com o
meio ambiente estão sendo cada vez mais valorizadas. Isso faz com que num
futuro próximo as empresas passem a ser cada vez mais ecologicamente correta.
A Responsabilidade Social (RS) tem se tornado, nos últimos anos, um as-
sunto cada vez mais presente no mundo das empresas. Segundo Silva apred.
Toro e Hoyos (1998) A RS é o compromisso da empresa em contribuir com o de-
senvolvimento, o bem-estar e a melhoria da qualidade de vida dos empregados,
suas famı́lias e a comunidade em geral.
Segundo Mendonça apred. Capaz (2004) A RS nas empresas significa uma
visão empreendedora mais preocupada com o entorno social em que a empresa
está inserida, ou seja, sem deixar de se preocupar com a necessidade de geração
de lucro.

2.2 Agricultura Familiar


O conceito de agricultura pode ser compreendido através de estudo realizado no
âmbito de um convênio de cooperação técnica entre a Organização das Nações
Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Instituto Nacional de Col-
onização e Reforma Agrária (INCRA): “[...] a partir de três caracterı́sticas
centrais: a) a gestão da unidade produtiva e os investimentos nela realizados
são feitos por indivı́duos que mantém entre si laços de sangue ou casamento;
b) a maior parte do trabalho é igualmente fornecida pelos membros da famı́lia;
c) a propriedade dos meios de produção (embora nem sempre da terra) per-
tence à famı́lia e é em seu interior que se realiza a sua transmissão em caso
de falecimento ou aposentadoria dos responsáveis pela unidade produtiva” (IN-
CRA/FAO, 1996: 4)
No meio acadêmico, encontramos diversas reflexões sobre o conceito de agri-
cultura familiar e suas origens. Cabe destacar a vertente que defende ser a
agricultura familiar brasileira um conceito em construção, com significativas
raı́zes históricas, sendo o campesinato uma de suas caracterı́sticas (produção
camponesa é aquela em que a famı́lia ao mesmo tempo detém a posse dos
meios de produção e realiza o trabalho na unidade produtiva, podendo produzir
tanto para sua subsistência como para o mercado. (ATALFIN, 2007) A história
desses produtores de alimentos no Brasil está ligada à diferente de cinco grupos:
ı́ndios, negros, mestiços, brancos não herdeiros e imigrantes europeus. Ape-
sar de diferentes, estão ligados sob uma mesma unidade: a posição secundária
que ocupavam dentro do modelo de desenvolvimento do Paı́s desde sua origem.
Enquanto a grande propriedade voltada à monocultura de exportação recebia
estı́mulos e garantias dos governantes, esse mosaico de formas camponesas lig-

3
adas a cultivos alimentares dirigidos ao abastecimento interno era colocado à
margem das polı́ticas públicas. (ATALFIN, 2007)

2.3 Indicadores Sustentáveis


Os indicadores de sustentabilidade podem ser definidos como um tipo de in-
strumento que é utilizado para monitorar o desenvolvimento sustentável. O
artigo em questão aborda vários tipos de indicadores, como os indicadores das
dimensões ambiental e econômica, indicadores sociais, entre outros. Segundo
Gallopin (1996) todo e qualquer indicador tem seu próprio significado, onde a
mais importante caracterı́stica de qualquer um seria a sua relevância para o
processo de tomada de decisão.
A partir de uma pesquisa bibliográfica sobre o tema indicadores de sus-
tentabilidade em empresas, levando em consideração cerca de 200 indicadores,
22 foram considerados compatı́veis com a realidade das empresas de pequeno
porte do Brasil. Estes, são capazes de avaliar o cenário empresarial dessas pe-
quenas empresas, podendo auxiliá-las em relação aos seus investidores, clientes e
fornecedores. O ISE, instituto de Sustentabilidade Empresarial (BMF BOVESPA
2015) afirma que o desenvolvimento da sustentabilidade, de sua gestão, vem gan-
hando destaque e tornando-se referência para grandes investidores do mundo
inteiro. Dos 22 indicadores citados anteriormente, 8 dizem respeito a econo-
mia, 10 se tratam da dimensão ambiental e 4 são voltados para o quesito social.
Dessa forma, podemos dizer que os indicadores contemplam as três dimensões,
social, ambiental e econômica, o que reforça a ideia de Alvarenga (2013), que
dizia que indicadores de sustentabilidade empresarial precisam abranger os três
pilares da mesma.
A aplicação de um método chamado AHP, processo analı́tico hierárquico,
nesses indicadores de sustentabilidade, nos levou a uma seleção dos mesmos,
em função da aplicabilidade em pequenas empresas. A partir de uma tabela
de indicadores de sustentabilidade hierarquizados e seus pesos, Callado (2009)
constatou que os indicadores de sustentabilidade empresarial precisam abranger
alguns parâmetros de dimensões econômica e social, como setor público, fornece-
dores, comunidade, funcionários...

3 Procedimentos Metodológicos
A metodologia utilizada fundamenta-se no modelo spresentado por Bonassoli
(2019), no qual analisa um conjunto de indicadores que resulta em um ı́ndice
de sustentabilidade nas Empresas de Pequeno Porte. Primeiramente, realizou-
se uma pesquisa bibliográfica, incluindo consultas a artigos sobre a temática,
pesquisas junto à rede virtual e acesso aos sı́tios eletrônicos. Em seguida, foi
elaborado e enviado um formulário para a empresa e a mesma disponibilizou um
colaborador para responder, onde também participou da entrevista, juntamente
com um dos pesquisadores. Desta maneira, pode-se também classificar o estudo
como sendo exploratório e descritivo, pois especifica o problema a fim de defini-

4
lo melhor, e promove critérios de compreensão de dados e informações. Além
disso, é descritiva, na medida em que objetiva descrever as caracterı́sticas de
determinado fenômeno, conduzido sob a forma de um estudo de caso.

4 Resultados e Discussão
Indicadores de sustentabilidade para a Dimensão Ambiental e Suas Fontes da
rede xique-xique
Gestão de Resı́duos Sólidos
Esse indicador auxilia as empresas na eliminação de impactos negativos que
os resı́duos provocam. Ao ser aplicada, a gestão de resı́duos consiste em medidas
tomadas de forma adequada nas etapas de coleta, armazenamento, entre outros,
até a destinação final, onde tudo é feito visando a qualidade do meu ambiente.
Além disso, em uma empresa, ela tem como objetivo diminuir a quantidade de
materiais, incentivando o reaproveitamento destes.
Efluentes lı́quidos
São compostos por água (99%), mas para serem lançados devem passar por
um tratamento adequado, para que os impactos ambientais sobre o meio ambi-
ente sejam reduzidos ao máximo. Os efluentes domésticos, popularmente con-
hecidos como esgotos, são gerados nas nossas casas, através de nossas ativi-
dades cotidianas, como tomar banho. Já os efluentes industriais, são gerados
nas indústrias, a água que sobra no processo produtivo acaba se tornando um
efluente.
Uso racional de energia elétrica
A energia elétrica é extremamente importante para o desenvolvimento econômico
e social, além de melhorar a qualidade de vida das pessoas. Se usada de maneira
correta, seu consumo é reduzido, tornando menos necessária a implantação de
sistemas energéticos, logo, os impactos ambientais diminuem. Economizar en-
ergia elétrica é mais barato do que produzir a mesma, já que investimentos,
impactos ambientais e racionamentos são evitados.
Emissões atmosféricas geradas
O lançamento de qualquer matéria lı́quida, sólida ou gasosa, na atmosfera,
é o que chamamos de emissão. As emissões atmosféricas podem ser pontu-
ais, que são geradas por uma fonte capaz de controlar seu fluxo, e podem ser
também fugitivas, que são aquelas lançadas na atmosfera de forma desprovida
de dispositivos capazes de controlar seu fluxo.
Consumo de água
O consumo de água é muito importante para que os impactos ambientais
diminuam. As empresas podem contribuir com ele adotando medidas como o
uso consciente da água, atenção redobrada com vazamentos, aproveitando água
da chuva a partir da instalação de canos no telhado para captação desta, entre
outras medidas.
Certificações ambientais
São estas que garantem que as empresas se enquadram em ações de sus-
tentabilidade. É o meio pelo qual as empresas constituem um método que

5
possa gerenciar os impactos ambientais que elas causam.
Indicadores Econômico-financeiros usados no questionário da rede xique-
xique
Riscos e Oportunidades Administrativas As exigências da sociedade vêm
aumentando para que as instituições deixem de ser meramente econômicas, e
que apresentem um bom desempenho nas questões públicas, na parte ambien-
tal e social. Está sendo exigido pela sociedade que as empresas tenham uma
reflexão com relação aos seus princı́pios éticos, práticas de gestão e aplicação de
tecnologias.
Equilı́brio de Crescimento Entre os indicadores financeiros tradicionais encontra-
se o equilı́brio do crescimento, que permite avaliar se o crescimento de receita de
uma empresa é compatı́vel com seus investimentos e financiamentos. O cresci-
mento da empresa e a gestão do crescimento trazem problemas para o planeja-
mento financeiro, principalmente porque o crescimento pode ser visto como um
fator que deve ser maximizado apenas visando os lucros. O crescimento equi-
librado pode ser definido como a taxa máxima pela qual o volume de negócios
pode aumentar, sem colocar em risco a saúde financeira do negócio (Oliveira,
2010).
Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras são constituı́das
por um conjunto de dados básicos organizados e analisados pelas empresas.
Elas servem para refletir sobre o estado patrimonial da empresa e o seu de-
sempenho econômico. É necessário que seus dados sejam interpretados por
determinadas técnicas e conhecimento. Essas demonstrações são constituı́das
por: As demonstrações financeiras, o balanço patrimonial, a demonstração do
resultado do exercı́cio, a demonstração das modificações do patrimônio lı́quido
e a demonstração das origens e aplicações de recursos.
Indicadores Sociais e Suas Fontes usados no questionário da rede xique-xique
Adequação de Legislação Federal
Um dos maiores desafios com a busca de adequações sejam elas Munici-
pais, Estaduais ou Federais torna-se exatamente a busca pelas adequações e
conformidades exigidas para cada medida de gestão, dependendo da sua lo-
calidade. Uma empresa local necessita unificar as legislações referentes a sua
cidade, estado e paı́s, com diferentes informações trabalhistas, previdenciárias,
tributárias e fiscais respectivas a legislação vigente (SEBRAE, 2015) Compro-
misso com Clientes e Consumidores O comportamento do consumidor pode ser
definido como as atividades fı́sicas e mentais realizadas por clientes de bens de
consumo e industriais que resultam em decisões e ações, como comprar e utilizar
produtos e serviços, bem como pagar por eles (SHETH; MITTAL; NEWMAN,
2001). Visto isso, é importante o compromisso das empresas com seus clientes
e consumidores, e é necessário que esse compromisso seja baseado em respeito.
Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho
Os direitos fundamentais nas relações de trabalho são responsáveis por garan-
tir os direitos inatos a todo cidadão dentro de seu ambiente de trabalho. (ISE;
2015; IBOVESPA). E esses direitos fundamentais são denominados de “direitos
humanos”.
Resultados do questionário aplicado na Rede Xique-Xique.

6
Através dos indicadores propostos por Bonassoli (2019) para pequenas em-
presas, o resultados do questionário (apresentado no Anexo 1), estão relaciona-
dos na tabela a seguir, ]
Pelos resultados apresentados para os Indicadores da Dimensão Econômico-
Financeiro (Análise de seus riscos e oportunidade administrativas, Análise de
seu equilı́brio de crescimento e Análise de suas demonstrações financeiras), a
empresa informa que realiza uma série de ações nessas questões, embora não
as compreendam como fundamentais. O mesmo comportamento ocorre com os
indicadores sociais: Preocupação com adequação de legislação federal, Compro-
missos com clientes e consumidores e Preocupação com os direitos fundamentais
nas relações de trabalho, ou seja, a empresa atua nessas áreas sem, no entanto,
entendê-las como essenciais. Já no que diz respeitos aos indicadores ambientais,
a empresa demonstra abordagens diferentes. Nos quesitos de Gestão de seus
resı́duos sólidos, Ultilização de forma racional do consumo de água e Utilização
de forma racional da energia elétrica, a empresa reconhece a importância desses
assuntos, embora não realize ações para abordar o primeiro e agindo de forma
mais efetivas nos outros. Ela ainda informa que pratica uma quantidade lim-
itada de ações no que diz respeito a Implantação de certificações ambientais.
Finalmente, os indicadores Diminuição do impacto das emissões atmosféricas
geradas e Diminuição do impacto de seus efluentes lı́quidos não eram aplicáveis
a empresa pois a mesma não produzia estes resı́duos. Diante desse quadro é
possı́vel afirmar
Através que a empresa
dos indicadores possuipor
propostos umBonassoli
nı́vel razoável
(2019)de
parasustentabilidade,
pequenas em-
adotando muitas práticas para abordar diversos dos indicadores,
presas, o resultados do questionário (apresentado no Anexo 1), estão muito embora
relaciona-
não reconheça de forma
dos na tabela a seguir, ] efetiva a importância de alguns deles.
Pelos resultados apresentados para os Indicadores da Dimensão Econômico-
Financeiro
5 Referências (Análise de seus riscos e oportunidade administrativas, Análise de
seu equilı́brio de crescimento e Análise de suas demonstrações financeiras), a
empresa informa Site
ABREU,Carlos. que Atitudes
realiza uma série de ações
Sustentáveis. nessas questões,
Sustentabilidade embora Eco-
– Empresas não
as compreendam como fundamentais. O mesmo comportamento
logicamente Corretas. Disponı́vel em: http://www.atitudessustentaveis.com.br/ ocorre com os
indicadores sociais: Preocupação com adequação de
sustentabilidade/ sustentabilidade-empresas-ecologicamente-corretas legislação federal, Compro-
missos com clientes eR.
ALVARENGA, consumidores
A. M.; MATOS, e Preocupação
F. R. N.; comMACHADO,
os direitos fundamentais
D. Q.; SO-
nas relações de trabalho, ou seja, a empresa
BREIRA, M. C.; MATOS, L. B. S. Arranjo Produtivo Local atua nessas árease sem, no entanto,
Desenvolvimento
entendê-las como essenciais. Já no que diz respeitos aos indicadores
Sustentável: uma Relação Sinérgica no Municı́pio de Marco Ceará. Revista de ambientais,
aAdministração
empresa demonstra abordagens
do Mackenzie, diferentes.
São Paulo, v. 14,Nos quesitos
n. 5, p. 15-43,de set.-out.
Gestão de2013.
seus
resı́duos sólidos, Ultilização de forma racional do consumo
CALLADO, A. L. C.; Modelo de mensuração de sustentabilidade empresar- de água e Utilização
de
ial:forma
uma racional
aplicaçãodaemenergia elétrica,
vinı́colas a empresa
localizadas reconhece
na Serra a importância
Gaúcha. 2010. 216 f.desses
Tese
assuntos,
(Doutorado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rioagindo
embora não realize ações para abordar o primeiro e Grandededo forma
Sul,
mais
Portoefetivas
Alegre,nos 2010.outros. Ela ainda informa que pratica uma quantidade lim-
itada CB-de38,
ações no quenadiz
publicado respeito
Revista Meioa Implantação de certificações
Ambiente Industrial março/abril ambientais.
de 2005.
Finalmente, os indicadores Diminuição do impacto das emissões
Disponı́vel em:http://www.abnt.org.br/cb38/ArtigoRMAIMar br
A 2
atmosféricas
005.pdf
geradas e DiminuiçãoBMFBOVESPA
BMFBOVESPA, do impacto de seus efluentes
divulga a 11ªlı́quidos
carteiranão
do eram
ISE -aplicáveis
Índice de
aSustentabilidade
empresa pois a Empresarial.
mesma não produzia
São Paulo, estes resı́duos.
26 de novembro Diante desseDisponı́vel
de 2015. quadro é
possı́vel afirmar que a empresa possui um nı́vel razoável de sustentabilidade,
em: ¡http://isebvmf.com.br/index.php?r=site/conteudoid=93¿ Acesso em: 09
adotando
nov. 2020muitas práticas para abordar diversos dos indicadores, muito embora
não DIAS,
reconheça de forma
Reinaldo. efetiva
Gestão a importância
ambiental, primeira deedição,
alguns Editora
deles. Atlas S.A 2007.

5 Referências 7
ABREU,Carlos. Site Atitudes Sustentáveis. Sustentabilidade – Empresas Eco-
logicamente Corretas. Disponı́vel em: http://www.atitudessustentaveis.com.br/
sustentabilidade/ sustentabilidade-empresas-ecologicamente-corretas
ALVARENGA, R. A. M.; MATOS, F. R. N.; MACHADO, D. Q.; SO-
BREIRA, M. C.; MATOS, L. B. S. Arranjo Produtivo Local e Desenvolvimento
Sustentável: uma Relação Sinérgica no Municı́pio de Marco Ceará. Revista de
Administração do Mackenzie, São Paulo, v. 14, n. 5, p. 15-43, set.-out. 2013.
CALLADO, A. L. C.; Modelo de mensuração de sustentabilidade empresar-
ial: uma aplicação em vinı́colas localizadas na Serra Gaúcha. 2010. 216 f. Tese
(Doutorado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
Porto Alegre, 2010.
assuntos, embora não realize ações para abordar o primeiro e agindo de forma
mais efetivas nos outros. Ela ainda informa que pratica uma quantidade lim-
itada de ações no que diz respeito a Implantação de certificações ambientais.
Finalmente, os indicadores Diminuição do impacto das emissões atmosféricas
geradas e Diminuição do impacto de seus efluentes lı́quidos não eram aplicáveis
a empresa pois a mesma não produzia estes resı́duos. Diante desse quadro é
possı́vel afirmar que a empresa possui um nı́vel razoável de sustentabilidade,
adotando muitas práticas para abordar diversos dos indicadores, muito embora
não reconheça de forma efetiva a importância de alguns deles.

5 Referências
GALLOPIN, G. C. Environmental and sustainability indicators and the con-
cept of situational indicators. A system approach. Environmental Modelling
ABREU,Carlos. Site Atitudes Sustentáveis. Sustentabilidade – Empresas Eco-
Assessment, v.1, p.101-117, 1996.
logicamente Corretas. Disponı́vel em: http://www.atitudessustentaveis.com.br/
sustentabilidade/ sustentabilidade-empresas-ecologicamente-corretas
ALVARENGA, R. A. M.; MATOS, F. R. N.; MACHADO, D. Q.; SO-
BREIRA, M. C.; MATOS, L. B. S. Arranjo Produtivo Local e Desenvolvimento
Sustentável: uma Relação Sinérgica no Municı́pio de Marco Ceará. Revista de
Administração do Mackenzie, São Paulo, v. 14, n. 5, p. 15-43, set.-out. 2013.
CALLADO, A. L. C.; Modelo de mensuração de sustentabilidade empresar-
ial: uma aplicação em vinı́colas localizadas na Serra Gaúcha. 2010. 216 f. Tese
(Doutorado em Agronegócios) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
Porto Alegre, 2010.
CB- 38, publicado na Revista Meio Ambiente Industrial março/abril de 2005.
Disponı́vel em:http://www.abnt.org.br/cb38/ArtigoRMAIMarA br2 005.pdf
BMFBOVESPA, BMFBOVESPA divulga a 11ª carteira do ISE - Índice de
Sustentabilidade Empresarial. São Paulo, 26 de novembro de 2015. Disponı́vel
em: ¡http://isebvmf.com.br/index.php?r=site/conteudoid=93¿ Acesso em: 09
nov. 2020
DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental, primeira edição, Editora Atlas S.A 2007.

GALLOPIN, G. C. Environmental and sustainability indicators and the con-


cept of situational indicators. A system
7 approach. Environmental Modelling
Assessment, v.1, p.101-117, 1996.

Você também pode gostar