Você está na página 1de 47

LEGISLAÇÃO

ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro
de 1994 - Parte II

SISTEMA DE ENSINO

Livro Eletrônico
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

Sumário
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II...................................................... 3
1. Capítulo IV – Dos Elementos do Tratamento Penitenciário................................................ 3
1.1. Seção III – Religião. . ................................................................................................................... 3
1.2. Seção IV – Das Atividades Culturais, Recreativas e Esportivas. . .................................... 4
1.3. Seção V – Do Contato com o Exterior e da Relação com a Família.. ............................... 6
2. Capítulo V – Da Evolução do Tratamento.............................................................................. 11
2.1. Art. 68......................................................................................................................................... 11
2.2. Art. 69.........................................................................................................................................12
2.3. Art. 70.........................................................................................................................................12
3. Título III – Dos Estabelecimentos Penitenciários................................................................13
3.1. Capítulo I – Disposições Gerais.............................................................................................13
3.2. Capítulo II – Do Presídio e da Cadeia Pública................................................................... 20
3.3. Capítulo III – Da Penitenciária.. ............................................................................................ 22
3.4. Capítulo IV – Das Colônias Agrícola e Industrial............................................................. 24
3.5. Capítulo V – Da Casa do Albergado. . ................................................................................... 26
3.6. Capítulo VI – Do Centro de Reeducação do Jovem Adulto............................................. 29
3.7. Capítulo VII................................................................................................................................31
3.8. Capítulo VIII.. .............................................................................................................................31
Resumo............................................................................................................................................. 35
Questões Comentadas em Aula.................................................................................................. 38
Gabarito............................................................................................................................................46

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 2 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

LEI ESTADUAL N. 11.404, DE 25 DE JANEIRO DE 1994 -


PARTE II
1. Capítulo IV – Dos Elementos do Tratamento Penitenciário

1.1. Seção III – Religião


1.1.1. Art. 60

Art. 60. O sentenciado tem direito à liberdade de crença e culto, permitida a manifestação religiosa
pelo aprendizado e pelo exercício do culto, bem como a participação nos serviços organizados no
estabelecimento penitenciário, a posse de livro de instrução religiosa e a prática da confissão, sem
prejuízo da ordem e da disciplina.

O sentenciado tem o direito de seguir a religião que ele quiser, podendo participar do culto,
da missa ou de outra denominação religiosa. Também pode utilizar a Bíblia ou outro qualquer
livro religioso.

001. “É permitida a manifestação religiosa pelo aprendizado e pelo exercício do culto, bem
como a participação nos serviços organizados no estabelecimento penitenciário, a posse de
livro de instrução religiosa e a prática da confissão, sem prejuízo da ordem e da disciplina.” O
trecho do texto da Lei Complementar n. 11.404/1994 citado acima está se referindo ao:
a) direito à liberdade de crença e culto.
b) direito à liberdade política.
c) direito à liberdade espiritual.
d) direito à liberdade do homem.

Todos os sentenciados têm o direito à liberdade de crença e culto garantidos em lei.


Letra a.

Parágrafo único. A manifestação religiosa se dará sem prejuízo da ordem e da disciplina exigidas
no estabelecimento.

A manifestação religiosa deve acontecer sem afetar a ordem ou a disciplina do estabeleci-


mento prisional.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 3 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

1.1.2. Art. 61

Art. 61. É permitida, nas penitenciárias, nos termos do regulamento desta lei, a presença de repre-
sentante religioso, com autorização para organizar serviços litúrgicos e fazer visita pastoral aos
adeptos de sua religião.

É permitida a presença de líderes religiosos para celebrar a missa ou presidir o culto dentro
da penitenciária.

1.2. Seção IV – Das Atividades Culturais, Recreativas e Esportivas


1.2.1. Art. 62

Art. 62. Para os bem-estares físico e mental do sentenciado, serão organizadas, nos estabelecimen-
tos penitenciários, atividades culturais, recreativas e esportivas.

Podem ser organizadas dentro da penitenciária atividades:


• culturais;
• recreativas;
• esportivas.

1.2.2. Art. 63

Art. 63. Os programas de atividades esportivas destinam-se em particular ao jovem adulto, poden-


do ser solicitada, à Diretoria de Esportes e a outros órgãos da comunidade, a colaboração em seu
desenvolvimento.

As atividades esportivas são destinadas ao jovem adulto, podendo o estabelecimento pri-


sional contar com o apoio da Diretoria de Esporte e de outros órgãos da comunidade.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 4 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

002. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – É permitida, nas penitenciárias, nos termos do regulamento desta lei, a presença de re-
presentante religioso, com autorização para organizar serviços litúrgicos e fazer visita
pastoral aos adeptos de sua religião.
II – Para os bem-estares físico e mental do sentenciado, serão organizadas, nos estabeleci-
mentos penitenciários, atividades culturais, recreativas e esportivas.
III – A manifestação religiosa se dará com prejuízo da ordem e da disciplina exigidas no
estabelecimento.
IV – Os programas de atividades esportivas destinam-se somente ao jovem adulto, podendo
ser solicitada, à Diretoria de Esportes e a outros órgãos da comunidade, a colaboração
em seu desenvolvimento.

a) Somente os itens I, II e III estão corretos.


b) Somente os itens I e IV estão corretos.
c) Somente os itens I e II estão corretos.
d) Somente o item I está correto.

III. Errado. É sem prejuízo da ordem e da disciplina exigidas no estabelecimento.


IV. Errado. A palavra somente está errada, o certo é “em particular ao jovem adulto”.
Letra c.

1.2.3. Art. 64

Art. 64. O professor de Educação Física e o recreacionista organizarão sessões de educação física


e atividades dirigidas para grupos de condenados, devendo observar-lhes o comportamento, para
fins de anotação.

Recreacionista: elabora e promove atividades recreativas diversificadas, visando ao entre-


tenimento, à integração social e ao desenvolvimento pessoal. Promove atividades lúdicas, es-
timulantes à participação.

As atividades propostas devem ser anotadas para observar o comportamento do sentenciado.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 5 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

003. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, quem são os responsáveis por organizar
sessões de educação física e atividades dirigidas para grupos de condenados, devendo obser-
var-lhes o comportamento, para fins de anotação?
a) O professor de educação física e o fisioterapeuta.
b) O professor de educação física e o recreacionista.
c) O professor de educação fundamental e o recreacionista.
d) O professor de educação física e o recreativista.

Os responsáveis são o professor de educação física e o recreacionista.


Letra b.

1.3. Seção V – Do Contato com o Exterior e da Relação com a Família


1.3.1. Art. 65

Art. 65. Será estimulado o contato do sentenciado com o mundo exterior pela prática das medidas
de semiliberdade e pelo trabalho com pessoas da sociedade, com o objetivo de conscientizá-lo de
sua cidadania e de sua condição de parte da comunidade livre.

Esse estímulo serve para tentar fazer com que o sentenciado consiga entender que ele faz
parte dessa sociedade livre e que ele pode recuperar o seu perfil social. Além disso, é usada
a semiliberdade para que esse contato com as pessoas no mundo exterior possa acontecer.

004. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, será estimulado o contato do sentenciado


com o mundo exterior por quais práticas?
a) Medidas de liberdade e pelo trabalho com pessoas do sistema penitenciário.
b) Medidas de cautelares e pelo trabalho com pessoas da sociedade.
c) Medidas de educacionais e pelo trabalho com pessoas da sociedade.
d) Medidas de semiliberdade e pelo trabalho com pessoas da sociedade.

Prática das medidas de semiliberdade e trabalho com pessoas da sociedade, com o objetivo
de conscientização cidadã e ressocialização.
Letra d.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 6 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
Parágrafo único. O contato com o meio exterior será programado pelo serviço social, ouvida a Comis-
são Técnica de Classificação. (Parágrafo acrescentado pelo art. 4º da Lei n. 19.478, de 12/1/2011.)

Quem programa essa participação do sentenciado com o mundo exterior é o serviço so-
cial, sempre dando ouvidos ao que diz a Comissão Técnica de Classificação.

1.3.2. Art. 66

Art. 66. O sentenciado tem direito a manter relações familiares, incluindo visitas periódicas da fa-
mília.

O sentenciado não é isolado da sociedade, ele tem direito de receber a visita de seus
familiares.

§ 1º Compete ao serviço social assistir e orientar o sentenciado em suas relações familiares.

Quem auxilia e orienta o sentenciado nessa relação também é o serviço social.

§ 2º O direito estabelecido no caput abrange relações oriundas de casamento, união estável, união
homoafetiva e parentesco. (Artigo com redação dada pelo art. 5º da Lei n. 19.478, de 12/1/2011.)

Esse direito se estende a:


• casamento;
• união estável;
• união homoafetiva;
• parentesco.

005. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – O contato com o meio exterior será programado pela Comissão Técnica de Classifica-
ção, ouvido o serviço social.
II – Art. 66. O sentenciado tem direito a manter relações familiares, incluindo visitas perió-
dicas da família.
III – § 1º Compete à Comissão Técnica de Classificação assistir e orientar o sentenciado em
suas relações familiares.
IV – § 2º O direito estabelecido no caput abrange relações oriundas de casamento, união
estável, união homoafetiva e parentesco.

a) Somente os itens II e IV estão corretos.


b) Somente os itens I, III estão corretos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 7 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

c) Somente os itens I e IV estão corretos.


d) Somente os itens II e III está correto.

I. Errado. A ordem foi invertida. O contato com meio exterior será feito pelo serviço social, sen-
do ouvida a Comissão Técnica de Classificação.
III. Errado. Compete ao serviço social.
Letra a.

1.3.3. Art. 67

Art. 67. O sentenciado e o preso provisório têm direito a visita íntima, com periodicidade duração,
horários e procedimentos definidos pela autoridade competente.

É garantida ao sentenciado e ao preso provisório a visita íntima. E quem vai definir como
essa visita vai acontecer será a autoridade competente.

§ 1º A visita ocorrerá em local específico, adequado à sua finalidade e compatível com a dignidade
humana.

Tem que ter um lugar próprio para o sentenciado receber a visita.

§ 2º O sentenciado indicará cônjuge ou companheiro, para fins de registro e controle pelo estabele-
cimento prisional, e fornecerá a devida documentação comprobatória do casamento, união estável
ou união homoafetiva.

Para que a visita possa adentrar a penitenciária, o sentenciado tem que fornecer o nome.
Essa pessoa deve ser registrada pelo estabelecimento prisional e fornecer documentalmente
o tipo de relação que ela mantém com o sentenciado.

§ 3º A indicação realizada nos termos do § 2º poderá ser cancelada a qualquer tempo, mediante
comprovação de rompimento do vínculo.

Se acabar o vínculo, a indicação poderá ser cancelada com a comprovação documental.

§ 4º Na hipótese do § 3º, somente seis meses após o cancelamento poderá ocorrer nova indicação
de cônjuge ou companheiro para fins de visita íntima.

Se o vínculo for rompido, este só pode ser restaurado após 6 (seis) meses de cancelamento.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 8 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

006. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – Art. 67. O sentenciado e o preso provisório têm direito à visita íntima, com periodicidade
duração, horários e procedimentos definidos pela autoridade competente.
II – § 1º A visita ocorrerá em local específico, adequado à sua finalidade e compatível com
a dignidade humana.
III – § 2º O sentenciado indicará cônjuge ou companheiro, para fins de registro e controle
pelo estabelecimento prisional, e fornecerá a devida documentação comprobatória do
casamento, da união estável ou da união homoafetiva.
IV – § 4º Na hipótese do § 3º, somente seis meses após o cancelamento poderá ocorrer
nova indicação de cônjuge ou companheiro para fins de visita íntima.

a) Somente os itens I, II e IV estão incorretos


b) Somente os itens I, II e III estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Todos os itens estão incorretos.

Peço que você leia novamente os itens da questão.


Letra c.

§ 5º Poderá ser atribuído ao visitante documento de identificação específico, exigível para a realiza-
ção da visita íntima.

Por exemplo, pode-se pedir que o visitante apresente a carteira de identidade.

§ 6º Somente se admitirá visitante menor de dezoito anos quando legalmente casado e, nos demais
casos, quando devidamente autorizado pelo juízo competente.

Menor de 18 (dezoito) só poderá fazer visita íntima se:


• for legalmente casado;
• autorizado pelo Juiz competente.

§ 7º O sentenciado receberá atendimento médico e informações com o objetivo de evitar contato


sexual de risco.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 9 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

Serão informados pela equipe médica ao sentenciado os riscos que ele irá correr se fizer
sexo sem usar a camisinha.

007. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – Não poderá ser atribuído ao visitante documento de identificação específico, exigível
para a realização da visita íntima.
II – Somente se admitirá visitante menor de dezesseis anos quando legalmente casado e,
nos demais casos, quando devidamente autorizado pelo juízo competente.
III – O visitante receberá atendimento médico e informações com o objetivo de evitar con-
tato sexual de risco.

a) Somente os itens I, II estão incorretos.


b) Somente os itens II, III estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Todos os itens estão incorretos.

I. Errado. Poderá ser atribuído ao visitante documento de identificação específico.


II. Errado. Menor de 18 (dezoito) anos.
III. Errado. O sentenciado receberá atendimento médico e informações sobre o risco sexual.
Letra d.

§ 8º A visita íntima poderá ser suspensa ou restringida, por tempo determinado, por ato motivado da
autoridade competente, nas seguintes hipóteses:
I – sanção disciplinar, nos termos do inciso VII do art. 143;
II – registro de ato de indisciplina ou atitude inconveniente praticados pelo visitante, apurados em
procedimento administrativo;
III – risco à segurança do sentenciado, de preso provisório ou de terceiros, ou à disciplina do estabe-
lecimento prisional provocado pela visita;
IV – solicitação do preso. (Artigo com redação dada pelo art. 5º da Lei n. 19.478, de 12/1/2011.)

Motivos para suspensão ou restrição da visita íntima:


• sansão disciplinar;
• registro de ato de indisciplina praticada pelo visitante;
• risco à segurança do sentenciado;
• solicitação do preso.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 10 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

008. A visita íntima poderá ser suspensa ou restringida, por tempo determinado, por ato moti-
vado da autoridade competente, nas seguintes hipóteses, exceto:
a) sanção disciplinar.
b) registro de ato de indisciplina ou atitude inconveniente praticados pelo visitante, apurados
em procedimento administrativo.
c) solicitação do visitante.
d) risco à segurança do sentenciado, de preso provisório ou de terceiros ou à disciplina do
estabelecimento prisional provocado pela visita.

Quem faz a solicitação é o preso.


Letra c.

2. Capítulo V – Da Evolução do Tratamento

2.1. Art. 68
Art. 68. O programa de tratamento será avaliado durante sua evolução, para fins de progressão ou
regressão.

Durante todo o tratamento, o sentenciado será avaliado para saber se ele poderá progredir
ou regredir no regime.

Parágrafo único. A avaliação periódica do tratamento pela Comissão Técnica de Classificação e sua
homologação pelo Juiz da Execução Penal determinarão a progressão ou a regressão do regime de
cumprimento de pena, no mesmo estabelecimento ou em outro.

A avaliação para progressão ou regressão será feita pela Comissão Técnica de Classifica-
ção e homologada pelo Juiz de Execução Penal.

Lei de Execução Penal. Art. 112. A pena privativa de liberdade será executada em forma progressiva
com a transferência para regime menos rigoroso, a ser determinada pelo juiz, quando o preso tiver
cumprido ao menos um sexto da pena no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerá-
rio, comprovado pelo diretor do estabelecimento, respeitadas as normas que vedam a progressão.
§ 1º A decisão será sempre motivada e precedida de manifestação do Ministério Público e do de-
fensor.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 11 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
§ 2º Idêntico procedimento será adotado na concessão de livramento condicional, indulto e comu-
tação de penas, respeitados os prazos previstos nas normas vigentes
Lei de Execução Penal. Art. 118. A execução da pena privativa de liberdade ficará sujeita à forma
regressiva, com a transferência para qualquer dos regimes mais rigorosos, quando o condenado:
I – praticar fato definido como crime doloso ou falta grave;
II – sofrer condenação, por crime anterior, cuja pena, somada ao restante da pena em execução,
torne incabível o regime (artigo 111).
§ 1° O condenado será transferido do regime aberto se, além das hipóteses referidas nos incisos
anteriores, frustrar os fins da execução ou não pagar, podendo, a multa cumulativamente imposta.
§ 2º Nas hipóteses do inciso I e do parágrafo anterior, deverá ser ouvido previamente o condenado.

2.2. Art. 69
Art.  69. A progressão depende da evolução favorável do tratamento, e a regressão, da evolução
desfavorável.

Se o sentenciando tiver um tratamento favorável, o regime vai progredir, se for ao contrário,


o regime irá regredir.

2.3. Art. 70
Art. 70. No término do tratamento ou na proximidade do livramento condicional, a Comissão Técnica
de Classificação elaborará relatório final, no qual constarão o resultado do tratamento, a prognose
favorável quanto à vida futura do sentenciado, bem como informação sobre o pedido de livramento
condicional.

O relatório final como término de tratamento ou para livramento condicional será feito pela
Comissão Técnica de Classificação e deve constar:
• prognóstico favorável ao sentenciado;
• informação sobre o pedido de livramento de condicional.

009. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – A progressão depende da evolução desfavorável do tratamento e a regressão, da evo-
lução favorável.
II – No término do tratamento ou na proximidade do livramento condicional, a Comissão
Técnica de Classificação elaborará relatório final, no qual constarão o resultado do tra-

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 12 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

tamento, a prognose favorável quanto à vida futura do sentenciado, bem como informa-
ção sobre o pedido de livramento condicional.
III – O programa de tratamento será avaliado durante sua evolução, para fins de progressão
ou regressão.
IV – A avaliação periódica do tratamento pela Comissão Técnica de Classificação e sua ho-
mologação pelo Juiz da Execução Penal determinarão a progressão ou a regressão do
regime de cumprimento de pena, somente no mesmo estabelecimento.

a) Somente os itens I e IV estão corretos.


b) Somente os itens II e III estão corretos.
c) Somente os itens I e III estão corretos.
d) Somente os itens II e IV estão corretos.

I. Errado. A progressão depende da evolução favorável e a regressão, da evolução desfavorável.


IV. Errado. No mesmo estabelecimento ou em outro.
Letra b.

Na maioria dos casos, quando tem a palavra somente, o item está errado.

3. Título III – Dos Estabelecimentos Penitenciários

3.1. Capítulo I – Disposições Gerais


3.1.1. Art. 71

Art. 71. Os estabelecimentos penitenciários destinam-se ao cumprimento do disposto nos incisos


XLVI, “a”, XLVIII, XLIX e L do art. 5º da Constituição Federal e compreendem:
I – presídio e cadeia pública, destinados à custódia dos presos à disposição do Juiz processante;
II – penitenciária, para o sentenciado em regime fechado;
III – colônia agrícola, industrial ou similar, para o sentenciado em regime semiaberto;
IV – casa do albergado, para o sentenciado em regime aberto;
V – centro de reeducação do jovem adulto, para o sentenciado em regime aberto ou semiaberto;
VI – centro de observação, para realização do exame criminológico de classificação;
VII – hospital de custódia e tratamento psiquiátrico para inimputáveis e semi-imputáveis, indicados
no art. 26 do Código Penal. (Vide art. 7º da Lei n. 18.030, de 12/1/2009.)

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 13 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

Constituição Federal, Art. 5º, incisos:

XLVI – a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre outras, as seguintes:


a) privação ou restrição da liberdade;
XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito, a
idade e o sexo do apenado;
XLIX – é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;
L – às presidiárias serão asseguradas condições para que possam permanecer com seus filhos
durante o período de amamentação.

Vamos fazer um quadro para ficar mais fácil o entendimento:

Estabelecimento Regime
destinados à custódia dos presos à disposição
presídio e cadeia pública
do Juiz processante
penitenciária para o sentenciado em regime fechado
colônia agrícola, industrial ou similar para o sentenciado em regime semiaberto
casa do albergado para o sentenciado em regime aberto
para o sentenciado em regime aberto ou semia-
centro de reeducação do jovem adulto
berto
para realização do exame criminológico de clas-
centro de observação
sificação
para inimputáveis e semi-imputáveis, indicados
hospital de custódia e tratamento psiquiátrico
no art. 26, do Código Penal

Código Penal. Art. 26. É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental
incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

3.1.2. Art. 72

Art. 72. Os estabelecimentos penitenciários disporão de casa, sistema de energia, reservatório de


água, quadras poliesportivas, locais para a guarda militar e para os agentes prisionais, dependên-
cias para administração, assistência médica, assistência religiosa, gabinete odontológico, ensino,
serviços gerais, visita de familiares e visita íntima, bem como de almoxarifado, celas individuais,
alojamento coletivo, biblioteca e salas equipadas para a realização de videoaudiências e prestação
de assistência jurídica. (Caput com redação dada pelo art. 6º da Lei n. 19.478, de 12/1/2011.)

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 14 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

Os estabelecimentos penitenciários precisam ter um suporte físico adequado para conse-


guir realizar todas as atividades.

§ 1º As penitenciárias disporão ainda de locutório para advogados, salas para autoridades, salas de
estágio para estudantes universitários e gabinete para equipe interdisciplinar de observação ou de
tratamento. (Parágrafo renumerado pelo art. 1º da Lei n. 13.661, de 14/7/2000.)

Além das necessidades dos locais citados nesse artigo, as penitenciárias também
precisam de:
• recinto separado por grades para os advogados atenderem os sentenciados;
• salas para as autoridades;
• salas de estágio para estudantes universitários;
• gabinete para equipe interdisciplinar ou de tratamento.

§ 2º A pessoa recolhida em prisão provisória que ao tempo do delito era policial civil, policial mili-
tar, bombeiro militar, agente de segurança penitenciário ou agente de segurança socioeducativo do
Estado ficará em dependência distinta e isolada dos demais complexos penitenciários. (Parágrafo
acrescentado pelo art. 1º da Lei n. 13.661, de 14/7/2000.) (Parágrafo com redação dada pelo art. 1º
da Lei n. 22.865, de 8/1/2018.)

Policiais em geral, bombeiros, agentes penitenciários ou de segurança que estão em prisão


provisória não podem ficar no mesmo local que os presos comuns, então a penitenciária terá
que dispor de um lugar isolado dos demais.

§ 3º A garantia prevista no § 2º deste artigo estende-se ao condenado em sentença transitada em


julgado que ao tempo do delito era policial civil, policial militar, bombeiro militar, agente de seguran-
ça penitenciário ou agente de segurança socioeducativo do Estado. (Parágrafo acrescentado pelo
art. 1º da Lei n. 13.661, de 14/7/2000.) (Parágrafo com redação dada pelo art. 1º da Lei n. 22.865, de
8/1/2018.)

O mesmo fato ocorre se a sentença já tiver sido transitada em julgado, ou seja, o agente de
segurança pública do Estado tem as mesmas garantias citadas no parágrafo anterior.

3.1.3. Art. 73

Art. 73. As oficinas e instalações agrícolas devem reunir condições semelhantes às da comunidade


livre, observadas as normas legais para a proteção do trabalho e a prevenção de acidente.

As oficinas e instalações que estão dentro da penitenciária têm que ter as mesmas condi-
ções e obedecer a todas as normais legais, iguais às comunidades livres.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 15 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.1.4. Art. 74

Art.  74. Será construído pavilhão de observação, de regime fechado, onde não houver centro de
observação como unidade autônoma.

Centro de Observação: órgão destinado a proceder à classificação dos condenados que


iniciam o cumprimento da pena em regime fechado, mediante a realização de exames e tes-
tes de personalidade, como o criminológico, visando à individualização na execução da pena,
devendo encaminhar os resultados à Comissão Técnica de Classificação, a qual formulará o
programa individualizado.
O Centro de Observação será instalado em unidade autônoma ou em anexo a estabeleci-
mento penal, se não for possível essa instalação, ela será construída no pavilhão de observação.

010. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – Será construído pavilhão de observação, de regime aberto, onde não houver centro de
observação como unidade autônoma.
II – As oficinas e instalações agrícolas devem reunir condições diferentes às da comuni-
dade livre, observadas as normas legais para a proteção do trabalho e a prevenção de
acidente.
III – As penitenciárias disporão ainda de locutório para advogados, salas para autoridades,
salas de estágio para estudantes universitários e gabinete para equipe interdisciplinar
de observação ou de tratamento.
IV – A pessoa recolhida em prisão provisória que ao tempo do delito era policial civil, policial
militar, bombeiro militar, agente de segurança penitenciário ou agente de segurança
socioeducativo do Estado ficará em dependência igual à dos sentenciados que não são
policiais.

a) Todos os itens estão corretos.


b) Somente os itens III e IV estão incorretos.
c) Somente os itens I e III estão corretos.
d) Somente os itens I, II e IV estão incorretos.

I. Errado. É para regime fechado.


II. Errado. Devem reunir condições semelhantes.
IV. Errado. Eles ficarão em dependência distinta e isolada dos demais complexos penitenciários.
Letra d.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 16 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.1.5. Art. 75

Art. 75. Devem ser previstas seções independentes, de segurança reforçada, para internamento de
condenado que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de agente de segurança peni-
tenciário ou de agente de segurança socioeducativo e que, por essa condição, esteja ou possa vir a
estar ameaçado em sua integridade física, bem como para internamento de condenado por crime
hediondo e de rebelde ou opositor ao regime do estabelecimento. (Caput com redação dada pelo art.
2º da Lei n. 22.865, de 8/1/2018.)

Previsão de seções independentes com segurança reforçada para:


• policial, bombeiro, agente de segurança penitenciário e agente de segurança socioedu-
cativo;
• condenado por crime hediondo, rebelde ou opositor ao regime prisional.

§ 1º Será obrigatória a existência das seções previstas no caput para a guarda de condenados que
forem considerados de alta periculosidade e de difícil recuperação.

Condenados por alta periculosidade e de difícil recuperação terão direito à seção in-
dependente.

§ 2º Haverá seção aberta, independente, no estabelecimento de regime fechado ou semiaberto, para


atividades de reintegração na sociedade.

No regime fechado ou semiaberto, deverá ter seção aberta independente para que o sen-
tenciado possa se reintegrar à sociedade.

3.1.6. Art. 76

Art. 76. O complexo penitenciário será constituído de pavilhões separados, para a execução pro-
gressiva dos regimes fechado, semiaberto e aberto.

O Estabelecimento penitenciário terá pavilhões separados para a execução progressiva de


todos os regimes.

3.1.7. Art. 77

Art. 77. A Comissão Técnica de Classificação do estabelecimento penitenciário formará grupos de


sentenciados segundo as necessidades de tratamento, a progressão dos regimes, a concessão ou
a revogação de benefícios, a autorização de saída, a remição da pena, o pedido de livramento con-

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 17 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
dicional e a aplicação de sanção disciplinar. (Artigo com redação dada pelo art. 6º da Lei n. 19.478,
de 12/1/2011.)

Os grupos dos sentenciados devem ser formados pela Comissão Técnica de Classificação
segundo as seguintes características:
• necessidade do tratamento;
• progressão dos regimes;
• concessão ou revogação dos benefícios;
• autorização de saída;
• remição de pena;
• pedido de livramento de condicional;
• aplicação de sansão disciplinar.

011. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – Haverá seção aberta, independente, no estabelecimento de regime fechado ou semia-
berto, para atividades de reintegração na sociedade.
II – O complexo penitenciário será constituído de pavilhões separados, para a execução
progressiva dos regimes fechado, semiaberto e aberto.
III – A Comissão Técnica de Classificação do estabelecimento penitenciário formará grupos
de sentenciados segundo as necessidades de tratamento, a progressão dos regimes, a
concessão ou a revogação de benefícios, a autorização de saída, a remição da pena, o
pedido de livramento condicional e a aplicação de sanção disciplinar.
IV – Devem ser previstas seções independentes, de segurança reforçada, para internamento
de condenado que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de agente de
segurança penitenciário ou de agente de segurança socioeducativo e que, por essa con-
dição, esteja ou possa vir a estar ameaçado em sua integridade física, bem como para
internamento de condenado por crime hediondo e de rebelde ou opositor ao regime do
estabelecimento.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Somente os itens III e IV estão incorretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Somente os itens II e IV estão incorretos.

Recomendo que você leia novamente os itens.


Letra c.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 18 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.1.8. Art. 78

Art. 78. Os estabelecimentos de regime fechado terão a lotação máxima de 500 (quinhentos) sen-
tenciados; os de regime semiaberto, de 300 (trezentos); os de regime aberto, de 50 (cinquenta)
semilivres; o presídio, de 400 (quatrocentos) acusados e a cadeia pública, de 50 (cinquenta) presos.
(Vide § 1º do art. 1º da Lei n. 12.985, de 30/7/1998.)
• Regime fechado: no máximo 500 (quinhentos) sentenciados;
• regime semiaberto: no máximo 300 (trezentos);
• regime aberto: 50 (cinquenta);
• presídio: 400 (quatrocentos) acusados;
• cadeia pública: 50 (cinquenta) presos.

012. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994 e em relação à lotação máxima, marque a


alternativa correta.
a) Regime fechado: no máximo 400 (quatrocentos) sentenciados.
b) Regime semiaberto: no máximo 300 (trezentos) sentenciados.
c) Regime aberto: 500 (quinhentos) sentenciados.
d) Presídio: 50 (cinquenta) acusados.

No regime semiaberto são no máximo 300 (trezentos) sentenciados.


Letra b.

3.1.9. Art. 79

Art. 79. Para a localização do estabelecimento de regime fechado, levar-se-ão em conta as facili-


dades de acesso e comunicação, a viabilidade do aproveitamento de serviços básicos existentes,
as condições necessárias ao adequado internamento, além da existência de áreas destinadas a
instalações de aprendizagem profissional, à prática de esportes e recreação, a visitas, ao ensino e à
assistência especializada.

Para a escolha do local onde será o estabelecimento de regime fechado, serão observadas:
• a facilidade de acesso e comunicação;
• a viabilidade do aproveitamento de serviços básicos existentes;
• as condições necessárias ao adequado internamento;
• a existência de áreas destinadas a instalações de aprendizagem profissional, à prática
de esportes e recreação, às visitas, ao ensino e à assistência especializada.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 19 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
§ 1º Para o estabelecimento de regimes aberto e semiaberto, será considerada ainda a proximidade
de locais de trabalho, de cursos de instrução primária e formação profissional e de assistências
hospitalar e religiosa.

Para o semiaberto, será considerada a proximidade de:


• locais de trabalho;
• cursos de instrução primária;
• formação profissional;
• assistências hospitalar e religiosa.

§ 2º O presídio e a cadeia pública se localizarão no meio urbano, respectivamente, na Capital e em


sedes de comarca com fácil acesso ao fórum local ou a varas criminais.

Para ficar mais fácil a movimentação, o presídio e a cadeia pública devem ser localizados
na cidade, na capital e em locais com fácil acesso para fóruns e varas criminais, devido às au-
diências para as quais os sentenciados são convocados a participar.

3.2. Capítulo II – Do Presídio e da Cadeia Pública


3.2.1. Art. 80

Art. 80. O presídio e a cadeia pública, estabelecimentos de regime fechado, destinam-se à custódia


do preso provisório e à execução da pena privativa de liberdade para o preso residente e domiciliado
na comarca.

Os presídios e a cadeia pública, classificados como regime fechado, são destinados para
presos provisórios e para execução de pena privativa de liberdade.

O preso tem de ser domiciliado na comarca.

3.2.2. Art. 81

Art. 81. No presídio e na cadeia pública, haverá unidades independentes para a mulher, para o jovem
adulto, para o preso que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de agente de segurança
penitenciário ou de agente de segurança socioeducativo e para o cumprimento de pena privativa de
liberdade e de limitação de fim de semana. (Caput com redação dada pelo art. 3º da Lei n. 22.865,
de 8/1/2018.)

Presídio e cadeia pública terão unidades independentes para:


• mulheres;
• jovem adulto;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 20 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

• policiais;
• bombeiros militares;
• agente de segurança penitenciário e socioeducativo;
• cumprimento de pena privativa de liberdade;
• limitação de fim de semana.

013. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – O presídio e a cadeia pública se localizarão no meio rural, respectivamente, na capital e
em sedes de comarca com fácil acesso ao fórum local ou a varas criminais.
II – O presídio e a cadeia pública, estabelecimentos de regime fechado, destinam-se à cus-
tódia do preso temporário e à execução da restritiva de direito para o preso residente e
domiciliado na comarca.
III – No presídio e na cadeia particular, haverá unidades independentes para a mulher, para
o jovem adulto, para o preso que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de
agente de segurança penitenciário ou de agente de segurança socioeducativo e para o
cumprimento de pena privativa de liberdade e de limitação de fim de semana.
IV – Para o estabelecimento de regimes fechados, será considerada ainda a proximidade de
locais de trabalho, de cursos de instrução primária e formação profissional e de assis-
tências hospitalar e religiosa.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Somente os itens III e IV estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Somente os itens I e II estão corretos.

I. Errado. No meio urbano.


II. Errado. Custódia do preso provisório e execução da pena privativa de liberdade.
III. Errado. No presídio e na cadeia pública.
IV. Errado. Para o estabelecimento de regimes aberto e semiaberto.
Letra a.

§ 1º O sentenciado poderá cumprir, na cadeia local, pena em regime fechado ou semiaberto, caso a
penitenciária se localize em área distante da residência de sua família.

Caso não haja penitenciária na comarca, o preso poderá cumprir na cadeia local a pena de
regimes semiaberto e fechado.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 21 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
§ 2º Às presidiárias serão asseguradas condições para permanecer com os filhos durante o período
de amamentação.

Direito garantido pela Constituição Federal.

3.2.3. Art. 82

Art. 82. O presídio e a cadeia pública, além do pessoal de vigilância e segurança e do pessoal admi-
nistrativo, contarão com equipe interdisciplinar de observação.

Equipe do presídio e da cadeia pública:


• agente de vigilância e segurança;
• agente administrativo;
• equipe interdisciplinar de observação.

3.2.4. Art. 83

Art. 83. Aplica-se ao estabelecimento destinado ao preso provisório o disposto no art. 83 da Lei


Federal n. 7.210, de 11 de junho de 1984, com a adequada adaptação ao regime do estabelecimento.

Lei Federal n. 7.210/1984, Art, 83. O estabelecimento penal, conforme a sua natureza, deverá contar
em suas dependências com áreas e serviços destinados a dar assistência, educação, trabalho, re-
creação e prática esportiva.

3.3. Capítulo III – Da Penitenciária


3.3.1. Art. 84

Art. 84. A penitenciária destina-se à execução da pena privativa de liberdade em regime fechado.

Pena privativa de liberdade em regime fechado deve ser cumprida na penitenciária.

3.3.2. Art. 85

Art.  85. O sentenciado será alojado em quarto individual, provido de cama, lavatório, chuveiro e
aparelho sanitário.

Direito do sentenciado para cumprir a pena com qualidade de vida.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 22 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

014. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – O sentenciado será alojado em quarto individual, provido de cama, lavatório, chuveiro e
aparelho sanitário.
II – A penitenciária destina-se à execução da pena privativa de liberdade em regime semia-
berto.
III – O presídio e a cadeia pública, além do pessoal de vigilância e segurança e do pessoal
administrativo, contarão com equipe interdisciplinar de observação.
IV – O sentenciado poderá cumprir, na cadeia local, pena em regime fechado ou semiaberto,
caso a penitenciária se localize em área distante da residência de sua família.

a) Somente o item I está incorreto.


b) Somente os itens I, III e IV estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Somente o item II está incorreto.

II. Errado. Pena privativa de liberdade em regime fechado.


Letra d.

3.3.3. Art. 86

Art. 86. São requisitos básicos da unidade celular:


I – Salubridade do ambiente pela concorrência dos fatores de aeração, insolação e condicionamen-
to térmico adequados à existência humana;
II – área mínima de 6 m2 (seis metros quadrados).

Requisitos básicos que a cela precisa ter para alojar o sentenciado:


• salubridade;
• área mínima de 6 m2.

3.3.4. Art. 87

Art. 87. A penitenciária para mulheres será dotada, ainda, de dependência para atendimento da ges-
tante e da parturiente, de creche e de unidade de educação pré-escolar.

Penitenciária para mulheres dever ter:


• locais para atendimento de gestante e parturiente;
• creche;
• unidade de educação pré-escolar.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 23 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.3.5. Art. 88

Art. 88. O alojamento coletivo terá suas instalações sanitárias localizadas em área separada e so-
mente será ocupado por sentenciados que preencham as necessárias condições para a sua utiliza-
ção.

O alojamento coletivo deve ter os sanitários em área separada, e só poderá ser ocupado
pelo sentenciado em caso de necessidades fisiológicas ou para banho.

3.3.6. Art. 89

Art. 89. No regime fechado, predominam as normas de segurança e disciplina, que cobrirão, durante
24 (vinte e quatro) horas, a vida diária dos reclusos, que serão classificados em grupos, segundo as
necessidades de tratamento, submetendo-se às diferentes atividades do processo de ressocializa-
ção: trabalho, instrução, religião, recreação e esporte.

No regime fechado, as normas se segurança e disciplina devem ser observadas 24 (vinte


e quatro) horas por dia.
A vida diária dos sentenciados será classificada em grupos e segundo a necessidade do
tratamento.

3.4. Capítulo IV – Das Colônias Agrícola e Industrial


3.4.1. Art. 90

Art. 90. A colônia agrícola e a industrial destinam-se à execução da pena privativa de liberdade em


regime semiaberto.

Se o sentenciado for condenado à pena privativa de liberdade em regime semiaberto, ele


cumprirá a pena em colônia agrícola ou industrial.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 24 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

015. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – A colônia agrícola e a industrial destinam-se à execução da pena privativa de liberdade
em regime fechado.
II – A penitenciária para mulheres será dotada, ainda, de dependência para atendimento da
gestante e da parturiente, de creche e de unidade de educação pré-escolar.
III – No regime fechado, predominam as normas de segurança e disciplina, que cobrirão,
durante 24 (vinte e quatro) horas, a vida diária dos reclusos, que serão classificados em
grupos, segundo as necessidades de tratamento, submetendo-se às diferentes ativida-
des do processo de ressocialização: trabalho, instrução, religião, recreação e esporte.
IV – O alojamento individual terá sua instalação sanitária localizada em área separada e so-
mente será ocupado por sentenciados que preencham as necessárias condições para
a sua utilização.

a) Somente os itens I, II e III estão corretos.


b) Somente os itens I e III estão corretos.
c) Somente os itens I e IV estão incorretos.
d) Somente os itens II e III estão incorretos.

I. Errado. A pena privativa de liberdade é em regime semiaberto.


IV. Errado. O alojamento é coletivo.
Letra c.

3.4.2. Art. 91

Art. 91. Os sentenciados poderão ser alojados em dormitório coletivo, observados os requisitos do


art. 88.
Art. 88. O alojamento coletivo terá suas instalações sanitárias localizadas em área separada e so-
mente será ocupado por sentenciados que preencham as necessárias condições para a sua utiliza-
ção.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 25 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.4.3. Art. 92

Art. 92. No regime semiaberto, serão observadas as normas de segurança, ordem e disciplina ne-
cessárias à convivência normal dentro do estabelecimento e à adaptação às peculiaridades do tra-
tamento reeducativo.

No regime semiaberto também serão obedecidas as normas de segurança, ordem e disci-


plina, com o objetivo de reeducar o sentenciado.

Parágrafo único. No regime semiaberto, a agenda diária elaborada pela Comissão Técnica de Clas-
sificação disporá sobre as atividades preceptivas, recreativas e esportivas para o sentenciado, que
manterá contato com a sociedade para o trabalho externo, frequentará cursos de instrução escolar
e profissional e desenvolverá outras atividades de reintegração na sociedade, sob a assistência e a
orientação do pessoal penitenciário ou do serviço social.

A agenda do sentenciado no semiaberto será elaborada pela Comissão Técnica de


Classificação.
Atividades:
• preceptivas, recreativas e esportivas;
• cursos de instrução escolar e profissional;
• atividades de reintegração na sociedade.

3.5. Capítulo V – Da Casa do Albergado


3.5.1. Art. 93

Art. 93. A casa do albergado destina-se à execução da pena privativa de liberdade em regime aberto.

Pena privativa de liberdade em regime aberto é cumprida na casa do albergado.

016. A casa de albergado é destinada à execução da pena privativa de liberdade de qual regime?
a) Semiaberto.
b) Aberto.
c) Fechado.
d) Semifechado.

A casa de albergado é destinada à execução de pena privativa de liberdade em regime aberto.


Letra b.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 26 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.5.2. Art. 94

Art. 94. Haverá casa de albergado na Capital e nas sedes de comarca.

Local de casa de albergado:


• capital;
• sedes de comarca.

Parágrafo único. Onde não houver casa do albergado, o regime aberto poderá ser cumprido em se-
ção independente, separada do estabelecimento de regime fechado ou semiaberto.

Se na Capital ou na comarca não houver casa do albergado, a pena pode ser cumprida em
estabelecimento de regime fechado ou semiaberto, desde que em seção independente.

017. Onde não houver casa do albergado, o regime aberto poderá ser cumprido em seção inde-
pendente, separada do estabelecimento de qual regime?
a) Semifechado ou aberto.
b) Semiaberto ou fechado.
c) Aberto ou fechado.
d) Fechado ou semiaberto.

Será em regime fechado ou semiaberto.


Letra d.

3.5.3. Art. 95

Art. 95. A casa do albergado deverá preencher os seguintes requisitos:


I – localização em meio urbano com autonomia administrativa;
II – ocupação por número reduzido de candidatos, selecionados segundo sua aptidão para o regime
aberto.

A casa do albergado deve ser localizada em meio urbano e ocupado por um número redu-
zido de sentenciado.

3.5.4. Art. 96

Art. 96. São condições para o cumprimento da pena na casa do albergado:


I – aceitação, pelo candidato, do programa de tratamento;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 27 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

O candidato não pode ser obrigado.

II – afetação do semilivre ao trabalho, com preparação profissional para a reintegração na socieda-


de;

O grande objetivo do cumprimento da pena na casa do albergado é a reintegração do sen-


tenciado na sociedade.

III – colaboração da comunidade.

É necessária a contribuição da comunidade.

018. São condições para o cumprimento da pena na casa do albergado, exceto:


a) aceitação, pelo candidato, do programa de tratamento.
b) afetação do semilivre ao trabalho, com preparação profissional para a reintegração na
sociedade.
c) aceitação do programa, em que será permitido ao sentenciado sair para o trabalho.
d) colaboração da comunidade.

É uma fase do regime aberto.


Letra c.

3.5.5. Art. 97

Art. 97. No regime aberto, serão observadas as normas de ordem e disciplina necessárias à convi-
vência normal na comunidade civil, com ausência de precauções de ordem material ou física, em
razão da aceitação voluntária da disciplina e do senso de responsabilidade do sentenciado.

No regime aberto, toda norma de disciplina deve ser observada.

§ 1º No regime aberto, é permitido ao sentenciado mover-se sem vigilância tanto no interior do es-
tabelecimento como nas saídas para trabalho externo, para frequência a curso e para atividades de
pré-liberdade.

É permitido ao sentenciado:
• andar pelo interior do estabelecimento sem ser vigiado;
• sair do estabelecimento para trabalhar, para frequentar curso e para atividade de pré-li-
berdade.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 28 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
§ 2º O regime aberto compõe-se das seguintes fases:
I – iniciação, em que o sentenciado será informado sobre o programa do estabelecimento e seu
regimento interno;
II – aceitação do programa, em que será permitido ao sentenciado sair para o trabalho;
III – confiança em que o sentenciado gozará das vantagens inerentes ao exercício de sua respon-
sabilidade e de autorização de saída. (Inciso com redação dada pelo art. 7º da Lei n. 19.478, de
12/1/2011.)

Três fases do regime aberto:


• iniciação: informação ao candidato sobre o programa;
• aceitação: o sentenciado tem permissão para sair para trabalhar;
• confiança: terá vantagens inerentes ao exercício de suas atividades.

019. São fases do regime aberto, exceto:


a) colaboração da comunidade.
b) iniciação, em que o sentenciado será informado sobre o programa do estabelecimento e
seu regimento interno.
c) aceitação do programa, em que será permitido ao sentenciado sair para o trabalho.
d) confiança, em que o sentenciado gozará das vantagens inerentes ao exercício de sua
responsabilidade e de autorização de saída.

É uma condição para o cumprimento da pena na casa do albergado.


Letra a.

3.6. Capítulo VI – Do Centro de Reeducação do Jovem Adulto


3.6.1. Art. 98

Art. 98. O centro de reeducação do jovem adulto destina-se aos sentenciados de 18 (dezoito) a 21


(vinte e um) anos de idade, em regime aberto e semiaberto.

Jovens sentenciados de 18 (dezoito) a 21 (vinte e um) anos em regime aberto e semiaberto


vão para o centro de reeducação.

Parágrafo único. O centro contará com seção independente para os menores infratores que tive-
rem atingido 18 (dezoito) anos sem conclusão do processo reeducativo.

Se o menor infrator não terminou o processo reeducativo e completou 18 (dezoito) anos


dentro do centro de reeducação, ele terá direito a ficar em uma seção independente.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 29 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.6.2. Art. 99

Art. 99. No centro de reeducação do jovem adulto, será intensiva a ação educativa, com a adoção de
métodos pedagógicos e psicopedagógicos.

A prioridade no centro de reeducação será a ação educativa, com métodos pedagógicos e


psicopedagógicos.

3.6.3. Art. 100

Art.  100. Para individualização do tratamento, as seções separadas conterão de 20 (vinte) a 30


(trinta) sentenciados.

Seções separadas devem conter de 20 (vinte) a 30 (trinta) sentenciados.

A banca gosta muito de trabalhar com números, essa parte é muito importante.

3.6.4. Art. 101

Art. 101. O pessoal do centro terá especialização profissional, com atualização em cursos especiais
promovidos pela administração penitenciária.

É necessário que os profissionais que trabalham no centro tenham especialização e façam


atualizações em cursos especiais que devem ser ofertados pela administração penitenciária.

020. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – O pessoal do centro terá especialização profissional, com atualização em cursos espe-
ciais promovidos pela administração penitenciária.
II – O centro de reeducação do jovem adulto destina-se aos sentenciados de 16 (dezesseis)
a 18 (dezoito) anos de idade, em regime aberto e semiaberto.
III – Para individualização do tratamento, as seções separadas conterão de 15 (quinze) a 25
(vinte e cinco) sentenciados.
IV – No centro de reeducação do jovem adulto, será intensiva a ação educativa, com a ado-
ção de métodos pedagógicos e psicopedagógicos.

a) Somente os itens I, II e III estão corretos.


b) Somente os itens I e III estão corretos.
c) Somente os itens I e IV estão corretos.
d) Somente os itens II e III estão incorretos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 30 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

II. Errado. Jovens de 18 (dezoito) a 21 (vinte um) anos.


III. Errado. Conterão de 20 (vinte) a 30 (trinta) sentenciados.
Letra d.

3.7. Capítulo VII


3.7.1. Art. 102

Art. 102. O centro de observação, estabelecimento de regime fechado, tem por objetivo estudar a
personalidade do delinquente nos planos físico, psíquico e social, para sua afetação ao estabele-
cimento adequado ao regime penitenciário, indicando as medidas de ordem escolar, profissional,
terapêutica e moral que fundamentarão a elaboração do programa de tratamento reeducativo.

Objetivos do centro de observação em regime fechado:


• estudar a personalidade do delinquente nos planos físico, psíquico e social para sua
afetação ao estabelecimento adequado ao regime penitenciário;
• indicar as medidas de ordem escolar, profissional, terapêutica e moral que fundamenta-
rão a elaboração do programa de tratamento reeducativo.

3.7.2. Art. 103

Art. 103. O centro de observação, além do pessoal de segurança, vigilância e administração, contará


com equipe interdisciplinar de observação, constituída de psicólogo, psiquiatra, clínico geral, assis-
tente social, educador e criminólogo.

Equipes que estão à disposição do centro de observação:


• pessoal da segurança, vigilância e administração;
• psicólogo, psiquiatra, clínico geral, assistente social, educador e criminólogo.

3.8. Capítulo VIII


3.8.1. Art. 104

Art.  104. O hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, de regime semiaberto, destina-se aos
inimputáveis e semi-imputáveis indicados no art. 26 e seu parágrafo único do Código Penal.

Código Penal, Art. 26. É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental
incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o
caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 31 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso
Parágrafo único. A pena pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente, em virtude de perturba-
ção de saúde mental ou por desenvolvimento mental incompleto ou retardado não era inteiramente
capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento

§ 1º Haverá seções independentes de regime fechado, segundo as exigências do tratamento psiqui-


átrico, no caso de extrema periculosidade do sentenciado.

Se o sentenciado é de extrema periculosidade, haverá para ele seção independente de regi-


me fechado no hospital de custódia.

§ 2º As seções de regime aberto destinam-se ao tratamento ambulatorial e à preparação para o


reingresso na sociedade.

Regime aberto será para:


• tratamento ambulatorial;
• preparação para reingressar na sociedade.

021. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – O centro de observação, além do pessoal de segurança, vigilância e administração,
contará com equipe interdisciplinar de observação, constituída de psicólogo, psiquia-
tra, clínico geral, assistente social, educador e criminólogo.
II – O hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, de regime semiaberto, destina-se
aos inimputáveis e semi-imputáveis indicados no art. 26 e seu parágrafo único do
Código Penal.
III – Haverá seções independentes de regime fechado, segundo as exigências do trata-
mento psiquiátrico, no caso de extrema periculosidade do sentenciado.
IV – As seções de regime aberto destinam-se ao tratamento ambulatorial e à preparação
para o reingresso na sociedade.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Todos os itens estão corretos.
c) Somente os itens II e III estão corretos.
d) Somente os itens I e IV estão corretos.

Recomendo que você faça outra leitura dos itens.


Letra b.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 32 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.8.2. Art. 105

Art. 105. No estabelecimento psiquiátrico, haverá, além das dependências da administração, segu-


rança e vigilância, seções de observação normal, de praxiterapia, esporte e recreação, observando-
-se, no que for aplicável, o art. 83 da Lei Federal n. 7.210, de 11 de junho de 1984.

Lei Federal n. 7.210/1984, art. 83. O estabelecimento penal, conforme a sua natureza, deverá contar
em suas dependências com áreas e serviços destinados a dar assistência, educação, trabalho, re-
creação e prática esportiva.

Praxiterapia: tratamento que se baseia no trabalho organizado como critério terapêutico.

3.8.3. Art. 106

Art. 106. No hospital, além do exame psiquiátrico, serão realizados o exame criminológico e os exa-
mes necessários aos tratamentos terapêutico e reeducativo, com respeito e proteção aos direitos
da pessoa do sentenciado.

Exames que serão realizados no hospital de custódia:


• psiquiátricos;
• criminológicos;
• exames para tratamento terapêutico e reeducativos.

3.8.4. Art. 107

Art. 107. O pessoal profissional e não profissional do estabelecimento psiquiátrico deverá ser se-
lecionado e qualificado, com especial atenção às exigências peculiares ao tratamento dos senten-
ciados.

Para trabalhar no hospital de custódia, deve haver uma seleção e qualificação com atenção
especial para as atividades que serão desempenhadas junto aos sentenciados.

3.8.5. Art. 108

Art. 108. A direção do hospital deverá informar mensalmente à autoridade judiciária sobre as condi-
ções psíquicas do sentenciado recuperado.

A informação sobre as condições psiquiátricas do sentenciado deve ser informada men-


salmente pelo diretor do hospital à autoridade judiciária.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 33 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

3.8.6. Art. 109

Art. 109. A administração penitenciária poderá firmar convênio com hospital psiquiátrico da comuni-
dade para o tratamento de sentenciado destinado ao hospital de custódia e tratamento psiquiátrico.

O tratamento de sentenciado que precisa de tratamento psiquiátrico pode ser feito por meio
de convênio entre a administração da penitenciária e um hospital psiquiátrico da comunidade.

022. Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternativa correta.


I – O pessoal profissional e não profissional do estabelecimento psiquiátrico deverá ser se-
lecionado e qualificado, com especial atenção às exigências peculiares ao tratamento
dos sentenciados.
II – A administração penitenciária não poderá firmar convênio com hospital psiquiátrico
da comunidade para o tratamento de sentenciado destinado ao hospital de custódia e
tratamento psiquiátrico.
III – No estabelecimento psiquiátrico, haverá, além das dependências da administração, se-
gurança e vigilância, seções de observação normal, de praxiterapia, esporte e recrea-
ção, observando-se, no que for aplicável, o art. 83, da Lei Federal n. 7.210, de 11 de junho
de 1984.
IV – A direção do hospital não precisa à autoridade judiciária sobre as condições psíquicas
do sentenciado recuperado.
V – No hospital, além do exame psiquiátrico, serão realizados o exame criminológico e os
exames necessários aos tratamentos terapêutico e reeducativo, com respeito e prote-
ção aos direitos da pessoa do sentenciado.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Todos os itens estão corretos.
c) Somente os itens I, III e V estão corretos.
d) Somente os itens II e IV estão incorretos.

II. Errado. A administração penitenciária pode firmar o convênio com hospital psiquiátrico para
o tratamento do sentenciado.
IV. Errado. As informações sobre as condições dos sentenciados devem ser dadas mensalmente.
Letra d.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 34 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

RESUMO

• O sentenciado tem direito à liberdade de crença e culto, permitida a manifestação


religiosa pelo aprendizado e pelo exercício do culto, bem como a participação nos
serviços organizados no estabelecimento penitenciário, a posse de livro de instrução
religiosa e a prática da confissão, sem prejuízo da ordem e da disciplina.
• É permitida, nas penitenciárias, nos termos do regulamento desta lei, a presença de
representante religioso, com autorização para organizar serviços litúrgicos e fazer
visita pastoral aos adeptos de sua religião.
• Os programas de atividades esportivas destinam-se em particular ao jovem adulto,
podendo ser solicitada, à Diretoria de Esportes e a outros órgãos da comunidade, a
colaboração em seu desenvolvimento.
• O professor de educação física e o recreacionista organizarão sessões de educação
física e atividades dirigidas para grupos de condenados, devendo observar-lhes o
comportamento, para fins de anotação.
• Será estimulado o contato do sentenciado com o mundo exterior pela prática das
medidas de semiliberdade e pelo trabalho com pessoas da sociedade, com o objetivo
de conscientizá-lo de sua cidadania e de sua condição de parte da comunidade livre.
• O sentenciado tem direito a manter relações familiares, incluindo visitas periódicas
da família.
• O sentenciado e o preso provisório têm direito à visita íntima, com periodicidade, du-
ração, horários e procedimentos definidos pela autoridade competente.
• Somente se admitirá visitante menor de dezoito anos quando legalmente casado e,
nos demais casos, quando devidamente autorizado pelo juízo competente.
• A visita íntima poderá ser suspensa ou restringida, por tempo determinado, por ato
motivado da autoridade competente.
• A progressão depende da evolução favorável do tratamento e a regressão, da evo-
lução desfavorável.
• No término do tratamento ou na proximidade do livramento condicional, a Comis-
são Técnica de Classificação elaborará relatório final, no qual constarão o resulta-
do do tratamento, a prognose favorável quanto à vida futura do sentenciado, bem
como informação sobre o pedido de livramento condicional.
• Presídio e cadeia pública são destinados à custódia dos presos à disposição do
Juiz processante.
• Penitenciária é destinada para o sentenciado em regime fechado.
• Colônia agrícola, industrial ou similar é destinada para o sentenciado em regime
semiaberto.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 35 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

• Casa do albergado é destinada para o sentenciado em regime aberto.


• Centro de reeducação do jovem adulto é destinado para o sentenciado em regime
aberto ou semiaberto.
• Centro de observação é destinado para realização do exame criminológico de clas-
sificação.
• Hospital de custódia e tratamento psiquiátrico para inimputáveis e semi-imputáveis são
indicados no art. 26, do Código Penal.
• A pessoa recolhida em prisão provisória que ao tempo do delito era policial civil, policial
militar, bombeiro militar, agente de segurança penitenciário ou agente de segurança so-
cioeducativo do Estado ficará em dependência distinta e isolada dos demais complexos
penitenciários.
• Os estabelecimentos de regime fechado terão a lotação máxima de 500 (quinhentos)
sentenciados; os de regime semiaberto, de 300 (trezentos); os de regime aberto, de 50
(cinquenta) semilivres; o presídio, de 400 (quatrocentos) acusados; e a cadeia pública,
de 50 (cinquenta) presos.
• No presídio e na cadeia pública, haverá unidades independentes para a mulher, para o
jovem adulto, para o preso que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de
agente de segurança penitenciário ou de agente de segurança socioeducativo e para o
cumprimento de pena privativa de liberdade e de limitação de fim de semana.
• Às presidiárias serão asseguradas condições para permanecer com os filhos durante o
período de amamentação.
• O sentenciado será alojado em quarto individual, provido de cama, lavatório, chuveiro e
aparelho sanitário.
• A penitenciária para mulheres será dotada, ainda, de dependência para atendimento da
gestante e da parturiente, de creche e de unidade de educação pré-escolar.
• A colônia agrícola e a industrial destinam-se à execução da pena privativa de liberdade
em regime semiaberto.
• A casa do albergado destina-se à execução da pena privativa de liberdade em regime
aberto.
• Onde não houver casa do albergado, o regime aberto poderá ser cumprido em seção
independente, separada do estabelecimento de regime fechado ou semiaberto.
• No regime aberto, é permitido ao sentenciado mover-se sem vigilância tanto no interior
do estabelecimento como nas saídas para trabalho externo, para frequência a curso e
para atividades de pré-liberdade.
• O centro de reeducação do jovem adulto destina-se aos sentenciados de 18 (dezoito) a
21 (vinte e um) anos de idade, em regime aberto e semiaberto.
• Para individualização do tratamento, as seções separadas conterão de 20 (vinte) a 30
(trinta) sentenciados.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 36 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

• O hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, de regime semiaberto, destina-se aos


inimputáveis e semi-imputáveis indicados no art. 26 e seu parágrafo único do Código
Penal.
• No hospital, além do exame psiquiátrico, serão realizados o exame criminológico e os
exames necessários aos tratamentos terapêutico e reeducativo, com respeito e prote-
ção aos direitos da pessoa do sentenciado.
• A direção do hospital deverá informar mensalmente à autoridade judiciária sobre as
condições psíquicas do sentenciado recuperado.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 37 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

QUESTÕES COMENTADAS EM AULA


001. (QUESTÃO INÉDITA) “É permitida a manifestação religiosa pelo aprendizado e pelo exercí-
cio do culto, bem como a participação nos serviços organizados no estabelecimento peniten-
ciário, a posse de livro de instrução religiosa e a prática da confissão, sem prejuízo da ordem
e da disciplina.” O trecho do texto da Lei Complementar n. 11.404/1994 citado acima está se
referindo ao:
a) direito à liberdade de crença e culto.
b) direito à liberdade política.
c) direito à liberdade espiritual.
d) direito à liberdade do homem.

002. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – É permitida, nas penitenciárias, nos termos do regulamento desta lei, a presença de re-
presentante religioso, com autorização para organizar serviços litúrgicos e fazer visita
pastoral aos adeptos de sua religião.
II – Para os bem-estares físico e mental do sentenciado, serão organizadas, nos estabeleci-
mentos penitenciários, atividades culturais, recreativas e esportivas.
III – A manifestação religiosa se dará com prejuízo da ordem e da disciplina exigidas no
estabelecimento.
IV – Os programas de atividades esportivas destinam-se somente ao jovem adulto, podendo
ser solicitada, à Diretoria de Esportes e a outros órgãos da comunidade, a colaboração
em seu desenvolvimento.

a) Somente os itens I, II e III estão corretos.


b) Somente os itens I e IV estão corretos.
c) Somente os itens I e II estão corretos.
d) Somente o item I está correto.

003. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, quem são os respon-
sáveis por organizar sessões de educação física e atividades dirigidas para grupos de conde-
nados, devendo observar-lhes o comportamento, para fins de anotação?
a) O professor de educação física e o fisioterapeuta.
b) O professor de educação física e o recreacionista.
c) O professor de educação fundamental e o recreacionista.
d) O professor de educação física e o recreativista.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 38 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

004. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, será estimulado o


contato do sentenciado com o mundo exterior por quais práticas?
a) Medidas de liberdade e pelo trabalho com pessoas do sistema penitenciário.
b) Medidas de cautelares e pelo trabalho com pessoas da sociedade.
c) Medidas de educacionais e pelo trabalho com pessoas da sociedade.
d) Medidas de semiliberdade e pelo trabalho com pessoas da sociedade.

005. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – O contato com o meio exterior será programado pela Comissão Técnica de Classifica-
ção, ouvido o serviço social.
II – Art. 66. O sentenciado tem direito a manter relações familiares, incluindo visitas perió-
dicas da família.
III – § 1º Compete à Comissão Técnica de Classificação assistir e orientar o sentenciado em
suas relações familiares.
IV – § 2º O direito estabelecido no caput abrange relações oriundas de casamento, união
estável, união homoafetiva e parentesco.

a) Somente os itens II e IV estão corretos.


b) Somente os itens I, III estão corretos.
c) Somente os itens I e IV estão corretos.
d) Somente os itens II e III está correto.

006. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
V – Art. 67. O sentenciado e o preso provisório têm direito à visita íntima, com periodicidade
duração, horários e procedimentos definidos pela autoridade competente.
VI – § 1º A visita ocorrerá em local específico, adequado à sua finalidade e compatível com
a dignidade humana.
VII – § 2º O sentenciado indicará cônjuge ou companheiro, para fins de registro e controle
pelo estabelecimento prisional, e fornecerá a devida documentação comprobatória do
casamento, da união estável ou da união homoafetiva.
VIII – § 4º Na hipótese do § 3º, somente seis meses após o cancelamento poderá ocorrer
nova indicação de cônjuge ou companheiro para fins de visita íntima.

a) Somente os itens I, II e IV estão incorretos


b) Somente os itens I, II e III estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Todos os itens estão incorretos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 39 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

007. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – Não poderá ser atribuído ao visitante documento de identificação específico, exigível
para a realização da visita íntima.
II – Somente se admitirá visitante menor de dezesseis anos quando legalmente casado e,
nos demais casos, quando devidamente autorizado pelo juízo competente.
III – O visitante receberá atendimento médico e informações com o objetivo de evitar con-
tato sexual de risco.

a) Somente os itens I, II estão incorretos.


b) Somente os itens II, III estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Todos os itens estão incorretos.

008. (QUESTÃO INÉDITA) A visita íntima poderá ser suspensa ou restringida, por tempo deter-
minado, por ato motivado da autoridade competente, nas seguintes hipóteses, exceto:
a) sanção disciplinar.
b) registro de ato de indisciplina ou atitude inconveniente praticados pelo visitante, apurados
em procedimento administrativo.
c) solicitação do visitante.
d) risco à segurança do sentenciado, de preso provisório ou de terceiros ou à disciplina do
estabelecimento prisional provocado pela visita.

009. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
IV – A progressão depende da evolução desfavorável do tratamento e a regressão, da evo-
lução favorável.
V – No término do tratamento ou na proximidade do livramento condicional, a Comissão
Técnica de Classificação elaborará relatório final, no qual constarão o resultado do tra-
tamento, a prognose favorável quanto à vida futura do sentenciado, bem como informa-
ção sobre o pedido de livramento condicional.
VI – O programa de tratamento será avaliado durante sua evolução, para fins de progressão
ou regressão.
VII – A avaliação periódica do tratamento pela Comissão Técnica de Classificação e sua ho-
mologação pelo Juiz da Execução Penal determinarão a progressão ou a regressão do
regime de cumprimento de pena, somente no mesmo estabelecimento.

a) Somente os itens I e IV estão corretos.


b) Somente os itens II e III estão corretos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 40 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

c) Somente os itens I e III estão corretos.


d) Somente os itens II e IV estão corretos.

010. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – Será construído pavilhão de observação, de regime aberto, onde não houver centro de
observação como unidade autônoma.
II – As oficinas e instalações agrícolas devem reunir condições diferentes às da comuni-
dade livre, observadas as normas legais para a proteção do trabalho e a prevenção de
acidente.
III – As penitenciárias disporão ainda de locutório para advogados, salas para autoridades,
salas de estágio para estudantes universitários e gabinete para equipe interdisciplinar
de observação ou de tratamento.
IV – A pessoa recolhida em prisão provisória que ao tempo do delito era policial civil, policial
militar, bombeiro militar, agente de segurança penitenciário ou agente de segurança
socioeducativo do Estado ficará em dependência igual à dos sentenciados que não são
policiais.

a) Todos os itens estão corretos.


b) Somente os itens III e IV estão incorretos.
c) Somente os itens I e III estão corretos.
d) Somente os itens I, II e IV estão incorretos.

011. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – Haverá seção aberta, independente, no estabelecimento de regime fechado ou semia-
berto, para atividades de reintegração na sociedade.
II – O complexo penitenciário será constituído de pavilhões separados, para a execução
progressiva dos regimes fechado, semiaberto e aberto.
III – A Comissão Técnica de Classificação do estabelecimento penitenciário formará grupos
de sentenciados segundo as necessidades de tratamento, a progressão dos regimes, a
concessão ou a revogação de benefícios, a autorização de saída, a remição da pena, o
pedido de livramento condicional e a aplicação de sanção disciplinar.
IV – Devem ser previstas seções independentes, de segurança reforçada, para internamento
de condenado que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de agente de
segurança penitenciário ou de agente de segurança socioeducativo e que, por essa con-
dição, esteja ou possa vir a estar ameaçado em sua integridade física, bem como para

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 41 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

internamento de condenado por crime hediondo e de rebelde ou opositor ao regime do


estabelecimento.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Somente os itens III e IV estão incorretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Somente os itens II e IV estão incorretos.

012. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994 e em relação à lota-


ção máxima, marque a alternativa correta.
a) Regime fechado: no máximo 400 (quatrocentos) sentenciados.
b) Regime semiaberto: no máximo 300 (trezentos) sentenciados.
c) Regime aberto: 500 (quinhentos) sentenciados.
d) Presídio: 50 (cinquenta) acusados.

013. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – O presídio e a cadeia pública se localizarão no meio rural, respectivamente, na capital e
em sedes de comarca com fácil acesso ao fórum local ou a varas criminais.
II – O presídio e a cadeia pública, estabelecimentos de regime fechado, destinam-se à cus-
tódia do preso temporário e à execução da restritiva de direito para o preso residente e
domiciliado na comarca.
III – No presídio e na cadeia particular, haverá unidades independentes para a mulher, para
o jovem adulto, para o preso que tenha exercido função policial, de bombeiro militar, de
agente de segurança penitenciário ou de agente de segurança socioeducativo e para o
cumprimento de pena privativa de liberdade e de limitação de fim de semana.
IV – Para o estabelecimento de regimes fechados, será considerada ainda a proximidade de
locais de trabalho, de cursos de instrução primária e formação profissional e de assis-
tências hospitalar e religiosa.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Somente os itens III e IV estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Somente os itens I e II estão corretos.

014. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 42 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

I – O sentenciado será alojado em quarto individual, provido de cama, lavatório, chuveiro e


aparelho sanitário.
II – A penitenciária destina-se à execução da pena privativa de liberdade em regime semia-
berto.
III – O presídio e a cadeia pública, além do pessoal de vigilância e segurança e do pessoal
administrativo, contarão com equipe interdisciplinar de observação.
IV – O sentenciado poderá cumprir, na cadeia local, pena em regime fechado ou semiaberto,
caso a penitenciária se localize em área distante da residência de sua família.

a) Somente o item I está incorreto.


b) Somente os itens I, III e IV estão corretos.
c) Todos os itens estão corretos.
d) Somente o item II está incorreto.

015. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – A colônia agrícola e a industrial destinam-se à execução da pena privativa de liberdade
em regime fechado.
II – A penitenciária para mulheres será dotada, ainda, de dependência para atendimento da
gestante e da parturiente, de creche e de unidade de educação pré-escolar.
III – No regime fechado, predominam as normas de segurança e disciplina, que cobrirão,
durante 24 (vinte e quatro) horas, a vida diária dos reclusos, que serão classificados em
grupos, segundo as necessidades de tratamento, submetendo-se às diferentes ativida-
des do processo de ressocialização: trabalho, instrução, religião, recreação e esporte.
IV – O alojamento individual terá sua instalação sanitária localizada em área separada e so-
mente será ocupado por sentenciados que preencham as necessárias condições para
a sua utilização.

a) Somente os itens I, II e III estão corretos.


b) Somente os itens I e III estão corretos.
c) Somente os itens I e IV estão incorretos.
d) Somente os itens II e III estão incorretos.

016. (QUESTÃO INÉDITA) A casa de albergado é destinada à execução da pena privativa de


liberdade de qual regime?
a) Semiaberto.
b) Aberto.
c) Fechado.
d) Semifechado.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 43 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

017. (QUESTÃO INÉDITA) Onde não houver casa do albergado, o regime aberto poderá ser
cumprido em seção independente, separada do estabelecimento de qual regime?
a) Semifechado ou aberto.
b) Semiaberto ou fechado.
c) Aberto ou fechado.
d) Fechado ou semiaberto.

018. (QUESTÃO INÉDITA) São condições para o cumprimento da pena na casa do alberga-
do, exceto:
a) aceitação, pelo candidato, do programa de tratamento.
b) afetação do semilivre ao trabalho, com preparação profissional para a reintegração na
sociedade.
c) aceitação do programa, em que será permitido ao sentenciado sair para o trabalho.
d) colaboração da comunidade.

019. (QUESTÃO INÉDITA) São fases do regime aberto, exceto:


a) colaboração da comunidade.
b) iniciação, em que o sentenciado será informado sobre o programa do estabelecimento e
seu regimento interno.
c) aceitação do programa, em que será permitido ao sentenciado sair para o trabalho.
d) confiança, em que o sentenciado gozará das vantagens inerentes ao exercício de sua
responsabilidade e de autorização de saída.

020. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alterna-


tiva correta.
I – O pessoal do centro terá especialização profissional, com atualização em cursos es-
peciais promovidos pela administração penitenciária.
II – O centro de reeducação do jovem adulto destina-se aos sentenciados de 16 (dezes-
seis) a 18 (dezoito) anos de idade, em regime aberto e semiaberto.
III – Para individualização do tratamento, as seções separadas conterão de 15 (quinze)
a 25 (vinte e cinco) sentenciados.
IV – No centro de reeducação do jovem adulto, será intensiva a ação educativa, com a
adoção de métodos pedagógicos e psicopedagógicos.

a) Somente os itens I, II e III estão corretos.


b) Somente os itens I e III estão corretos.
c) Somente os itens I e IV estão corretos.
d) Somente os itens II e III estão incorretos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 44 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

021. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alter-


nativa correta.
I – O centro de observação, além do pessoal de segurança, vigilância e administra-
ção, contará com equipe interdisciplinar de observação, constituída de psicólogo,
psiquiatra, clínico geral, assistente social, educador e criminólogo.
II – O hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, de regime semiaberto, destina-se
aos inimputáveis e semi-imputáveis indicados no art. 26 e seu parágrafo único do
Código Penal.
III – Haverá seções independentes de regime fechado, segundo as exigências do trata-
mento psiquiátrico, no caso de extrema periculosidade do sentenciado.
IV – As seções de regime aberto destinam-se ao tratamento ambulatorial e à prepara-
ção para o reingresso na sociedade.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Todos os itens estão corretos.
c) Somente os itens II e III estão corretos.
d) Somente os itens I e IV estão corretos.

022. (QUESTÃO INÉDITA) Segundo a Lei Complementar n. 11.404/1994, marque a alternati-


va correta.
I – O pessoal profissional e não profissional do estabelecimento psiquiátrico deverá ser se-
lecionado e qualificado, com especial atenção às exigências peculiares ao tratamento
dos sentenciados.
II – A administração penitenciária não poderá firmar convênio com hospital psiquiátrico
da comunidade para o tratamento de sentenciado destinado ao hospital de custódia e
tratamento psiquiátrico.
III – No estabelecimento psiquiátrico, haverá, além das dependências da administração, se-
gurança e vigilância, seções de observação normal, de praxiterapia, esporte e recrea-
ção, observando-se, no que for aplicável, o art. 83, da Lei Federal n. 7.210, de 11 de junho
de 1984.
IV – A direção do hospital não precisa à autoridade judiciária sobre as condições psíquicas
do sentenciado recuperado.
V – No hospital, além do exame psiquiátrico, serão realizados o exame criminológico e os
exames necessários aos tratamentos terapêutico e reeducativo, com respeito e prote-
ção aos direitos da pessoa do sentenciado.

a) Todos os itens estão incorretos.


b) Todos os itens estão corretos.
c) Somente os itens I, III e V estão corretos.
d) Somente os itens II e IV estão incorretos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 45 de 47
LEGISLAÇÃO ESPECIAL
Lei Estadual n. 11.404, de 25 de Janeiro de 1994 - Parte II
Alessandro Pedroso

GABARITO
1. a
2. c
3. b
4. d
5. a
6. c
7. d
8. c
9. b
10. d
11. c
12. b
13. a
14. d
15. c
16. b
17. d
18. c
19. a
20. d
21. b
22. d

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 46 de 47
Alessandro Pedroso
Sargento da Polícia Militar do Distrito Federal. Especialista em Farmacologia Básica e Clínica pelo Centro
Universitário Europeu (Unieuro). Graduado em Farmácia Generalista pela Faculdade Integrada da União
do Planalto Central (Faciplac). Licenciado em Matemática pela Universidade Norte do Paraná (Unopar).
Graduando em Pedagogia. Professor de Regimento Interno da PMDF, Raciocínio Lógico e Matemática.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para BRUNO CHAVES NOBRE VALENTIM - 61564013340, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

Você também pode gostar