Você está na página 1de 6

FÍSICA MODERNA:

Introdução Histórica:
O que hoje se denomina física moderna constitui
essencialmente a física desenvolvida no início do
século XX. Mais precisamente, nas três primeiras
décadas do século passado. Do ponto de vista
teórico todo o conhecimento produzido nesse
período pode ser resumido em duas grandes
linhas: a teoria da relatividade, proposta por
Einstein, e a teoria quântica, iniciada com
Max Planck. Do ponto de vista prático esse
conhecimento resultou virtualmente em toda a Dilatação dos Tempos:
tecnologia do final do século. Na verdade, toda a Vamos analisar agora como se comportam os
física moderna que é estuda foi incorporada à intervalos de tempo medidos em cada
tecnologia. referencial. Consideremos um observador A' em
repouso no referencial S', a uma distância D de
RELATIVIDADE RESTRITA: um espelho também em repouso no mesmo
Em 1905, com 26 anos, Albert Einstein publicou referencial. O observador produz um pulso
vários artigos, entre os quais um sobre a luminoso e mede o intervalo de tempo Δt' entre
eletrodinâmica dos corpos em movimento. Neste o momento em que o pulso é gerado e o
artigo, ele propõe um princípio de relatividade momento em que detecta o pulso após este ser
mais abrangente, que se aplica tanto às leis da refletido no espelho. O intervalo de tempo é Δt'
mecânica quanto às leis da eletrodinâmica. Com = 2D/c, pois a luz viaja com uma velocidade c e
base nos trabalho de Lorentz e Poincaré, a teoria a distância percorrida pelo pulso é 2D uma vez
da relatividade especial (ou restrita) se baseia que ele é gerado e reflete no espelho voltando
em dois postulados que Einstein menciona ao ponto inicial. Agora do ponto de vista de um
explicitamente em seu artigo de 1905: observador no referencial S que observa o
referencial S' viajar com uma velocidade
I. As Leis da Física são as mesmas em constante de módulo v na direção x, perceberá a
todos os sistemas de coordenadas que se emissão do pulso num ponto x1 e o retorno do
movem com movimento uniforme pulso ao ponto de emissão após ser refletido
relativamente um ao outro, ou seja, em pelo espelho num ponto x2. Entre os instantes
todos os referenciais inerciais. em que o pulso original é gerado e o pulso
refletido é detectado, o observador A' se desloca
II. A velocidade da luz no espaço vazio é a horizontalmente de uma distância v Δt, onde Δt
mesma em todos os sistemas de referência é o intervalo de tempo medido no referencial S.
e é independente do movimento do corpo No referencial S, a luz percorre uma distância
emissor. maior que no referencial S', levando mais tempo
para chegar ao espelho e voltar ao ponto de
CONSEQUÊNCIAS DOS POSTULADOS DE partida, assim o intervalo de tempo Δt é maior
EINSTEIN: que Δt'. À distância percorrida pela luz no
Os postulados de EINSTEIN levam a certas referencial S é cΔt.  Podemos relacionar as
conseqüências que contrariam o senso comum. distâncias utilizando um triângulo retângulo de
São elas, a relatividade da simultaneidade, a hipotenusa cΔt/2
 e catetos D e vΔt/2,
 aplicando
dilatação do tempo, a contração do espaço, a o Teorema de Pitágoras temos:
dilatação da massa e o efeito Doppler
relativístico.

Relatividade da Simultaneidade:
Os postulados de Einstein levam a certas
previsões com relação às medidas executadas
por observações situados em diferentes
referenciais inerciais que em princípio podem
parecer estranhas ou mesmo paradoxais. É o
caso da relatividade da simultaneidade, que é
uma implicação dos postulados da relatividade
especial, que nos diz o seguinte:
Dois eventos que são simultâneos em um
referencial não são simultâneos em
nenhum outro referencial inercial que
esteja em movimento em relação ao
primeiro. Explicitando Δt encontramos:

Como Δt' = 2D/c, então:


Que nos diz que o comprimento de uma barra é
menor quando ela é medida em um referencial
no qual se encontra em movimento.

MASSA RELATIVÍSTICA:
Onde Δt' é o intervalo de tempo próprio, que é o Nas leis de Newton, a massa de um corpo é
intervalo de tempo entre dois eventos que sempre a mesma. Entretanto, Einstein mostrou
ocorrem no mesmo ponto do espaço, medidos que a massa de um corpo depende de sua
pelo mesmo relógio. A equação acima expressa velocidade. A equação que descreve o
à dilatação dos tempos, mostrando que o comportamento da massa de um objeto em
observador no referencial sem linha medirá um movimento, em função da sua massa em
intervalo de tempo maior que o observador no repouso será:
referencial linha.
M0 = massa de repouso m0
Paradoxo dos gêmeos: M = massa relativística m=
O paradoxo dos gêmeos (também conhecido por v2
paradoxo de Langevin) e uma experiência de 1−
pensamento, onde dois gêmeos se separam num EQUIVALÊNCIA MASSA – ENERGIA:
c2
dado instante, iniciando um deles uma viagem A equação obtida por Albert Einstein em 1905, é
numa nave que se desloca a uma velocidade uma das mais conhecidas da Física, e talvez da
próxima da velocidade da luz até uma estrela própria Ciência. Com base nela podemos
distante, e regressa logo em seguida a Terra. Ao compreender uma vasta gama de fenômenos
encontrar-se com o seu gêmeo que ficou na tais como processos atômicos e a produção de
Terra verifica que este está muito mais velho, energia nas estrelas através da fusão nuclear. A
significando isto que o tempo anda mais equivalência entre massa e energia, retratada
lentamente para o gêmeo viajante. na equação, constitui-se no fundamento da
geração de energia nas usinas nucleares (pelo
Contração das Distâncias: processo de fissão nuclear). No futuro, espera-se
Um fenômeno intimamente associado à o domínio da tecnologia da fusão nuclear para a
dilatação dos tempos é a contração das produção de energia limpa e de baixo custo.
distâncias. Denomina-se comprimento próprio o
comprimento de um objeto no referencial em E = mc2
que o objeto está em repouso, sendo
representado pelo símbolo L0. Num referencial Com base nesta equação pode-se concluir que
no qual o objeto está se movendo, o um corpo que esteja em repouso apresenta uma
comprimento na direção do movimento é quantidade de energia só pelo fato de possuir
sempre menor que o comprimento próprio. massa.
Aplicando as Transformações de Lorentz
encontramos: E0 = m0. c2

QUANTIZAÇÃO DA ENERGIA:
A quantização, ou seja, a idéia que o mundo
natural é granular ao invés de um contínuo,
certamente não é uma idéia nova para a física. A
matéria é quantizada, um tijolo de ouro é igual a
um número inteiro de átomos de ouro; a
eletricidade é quantizada, pois a carga elétrica é
sempre um número inteiro da carga do elétron.
A luz também é quantizada, Max Planck lançou a
hipótese de que a luz era composta por vários
“pacotes” discretos de energia que ele chamou
de quanta (que é o plural de quantum). De
acordo com Planck, a energia de cada pacote
era proporcional a freqüência da radiação
emitida ou absorvida.

E=hf

E = 1240 eV.nm
λ
Usando nossas definições ficamos com Onde
E: energia existente em um quantum de luz;
f: freqüência da luz
h: constante de Planck (h=6,63. 10-34 J.s).

DUALIDADE PARTÍCULA-ONDA:
L0 = comprimento inicial
Desde Newton, a polêmica sobre o caráter
L = comprimento final
ondulatório ou corpuscular da radiação foi
continuamente mantida, até que por volta de ejetado do interior do corpo perde energia até
1905, Einstein apresentou uma teoria atingir a superfície, Einstein propôs a seguinte
estabelecendo os limites de validade de um e equação, que relaciona a energia do elétron
outro comportamento. Em suma, na segunda ejetado (E) na superfície, à freqüência da luz
década deste século não havia razão para incidente (f) e à função trabalho do metal (Ø),
duvidar do caráter dualístico da radiação: ora que é a energia necessária para arrancar o
ondulatório, ora corpuscular. Sob o ponto de elétron do material. Isto é,
vista moderno, depois de tudo que sabemos,
parece natural imaginar que essa dualidade E = hf – Ø
também seja verdadeira para a matéria.
Todavia, o conhecimento científico da época não
permitia essa generalização. O passo seguinte
foi dado por Louis de Broglie. Se a luz, que tinha
sido considerada por décadas como uma onda
podia também ser tratada como uma partícula
(os fótons de Einstein), de Broglie supôs que
outras partículas também poderiam ser tratadas
como ondas! De Broglie propôs que todos os
corpos, com momento linear (quantidade de
movimento) p teria um comprimento de onda λ
associado, dado pela fórmula:

Se o potencial negativo da placa coletora for


nulo, todos os elétrons que saem da placa
emissora chegam na coletora. Este é o caso em
que temos a maior distribuição de fóton-
A partir das idéias de Luis de Broglie, vários elétrons. Se aumentarmos este potencial
experimentos confirmaram fenômenos de retardador, a corrente diminui. Quando a
interferência e difração com "ondas" de elétrons corrente for zero, tem-se um potencial (também
e outras partículas elementares. conhecido como potencial de corte ou potencial
frenador) capaz de repelir os elétrons mais
EFEITO FOTOELÉTRICO: energéticos, fazendo com que a corrente seja
nula no circuito.
A Descoberta do Efeito Fotoelétrico:
Como toda descoberta, esta também se deu por
acaso quando Heinrich Hertz, em 1887,
investigava a natureza eletromagnética da luz.
Estudando a produção de descargas elétricas
entre duas superfícies de metal em potenciais
diferentes, ele observou que uma faísca
proveniente de uma superfície gerava uma
faísca secundária na outra. Como esta era difícil
de ser visualizada, Hertz construiu uma proteção
sobre o sistema para evitar a dispersão da luz.
No entanto, isto causou uma diminuição da
faísca secundária. Na seqüência dos seus
experimentos ele constatou que o fenômeno não
era de natureza eletrostática, pois não havia
diferença se a proteção era feita de material
condutor ou isolante. Após uma série de
experimentos, Hertz, confirmou o seu palpite de
que a luz poderia gerar faíscas. Também chegou
à conclusão que o fenômeno deveria ser devido
apenas à luz ultravioleta. Einstein desenvolveu,
em 1905, uma teoria muito simples e
revolucionária para explicar o efeito fotoelétrico.
Simplesmente, ao invés de considerar a luz
como uma onda, ele propôs que ela seja
composta de corpúsculos, denominados fótons.
Cada fóton, ou quantum de luz, transporta uma
energia dada por hf, onde h é a constante de
Planck, e f é a freqüência da luz. A proposta de
Einstein recupera uma idéia que foi defendida
APLICAÇÕES DO EFEITO FOTOELÉTRICO:
por Newton, e abandonada depois do
Graças ao efeito fotoelétrico tornou-se possível o
experimento de Young. De acordo com esta
cinema falado, assim como a transmissão de
proposta, um quantum de luz transfere toda a
imagens animadas (televisão). O emprego de
sua energia (hf) a um único elétron,
aparelhos fotoelétricos permitiu construir
independentemente da existência de outros
maquinaria capaz de produzir peças sem
quanta de luz. Tendo em conta que um elétron
intervenção alguma do homem. Os aparelhos
cujo funcionamento assenta no aproveitamento ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:
do efeito fotoelétrico controlam o tamanho das O rádio e a televisão funcionam graças a ondas
peças melhor do que o pode fazer qualquer
eletromagnéticas. Numa estação de
operário, permite acender e desligar
automaticamente a iluminação de ruas, os rádio, ou televisão, existem os
faróis,(fotocélulas),etc. Outras aplicações do transmissores e uma antena. A antena é
efeito fotoelétrico são controle automático de um condutor de corrente elétrica, cujos
portas, controle remoto de televisão, de elétrons executam um movimento
elevadores e de esteiras de supermercados. vibratório, com determinada freqüência.
Neste caso um feixe de luz, ao ser interrompido, Esse movimento é produzido pelos
aciona um sistema automático que abre a porta
circuitos dos transmissores. O
do elevador ou movimenta a esteira.
movimento vibratório dos elétrons cria
EFEITO COMPTON: as ondas eletromagnéticas
O fenômeno descoberto pelo físico Arthur Holly características daquela estação e que se
Compton em 1923, chamado Efeito Compton, propagam em todas as direções do
analisa a diminuição de energia de um fóton espaço. No aparelho de rádio, ou
quando esse colide com matéria. A diminuição televisão, também existem circuitos e
de energia ocorre com a mudança no
uma antena. Na antena receptora os
comprimento de onda (aumenta). Tal mudança
nos evidencia que a luz, por exemplo, não tem elétrons também têm movimento
caráter puramente ondulatório (assim como vibratório, de mesma freqüência que os
Einstein já havia evidenciado em seu elétrons da antena transmissora. Esse
experimento do efeito fotoelétrico). Usaremos movimento é produzido pelas ondas
um resultado do Eletromagnetismo de que eletromagnéticas captadas pela antena.
radiações eletromagnéticas carregam momento Os elétrons da antena transmissora
linear (p):
produzem a onda e esta faz os elétrons
p=h/λ da antena receptora vibrar com a
ou mesma freqüência. As ondas
eletromagnéticas são dois campos
λ =h/p perpendiculares variáveis, um elétrico e
outro magnético, que se propagam. Essa
A situação descrita no Efeito Compton está propagação pode ocorrer no vácuo e em
ilustrada a abaixo. determinados materiais.
Como exemplo de ondas
eletromagnéticas, podemos citar as
ondas de rádio, as ondas de televisão, as
ondas luminosas, as microondas, os
raios X,os lasers e outras. Essas
denominações são dadas de acordo com
a fonte geradora dessas ondas e, em
geral, correspondem a diferentes faixas
A partir da figura acima chegaremos a uma de freqüências. No vácuo, todas as
expressão para o aumento no comprimento de ondas eletromagnéticas propagam-se
onda do fóton após o choque. com a velocidade de 300.000 km/s.

Vê-se que o aumento do comprimento de onda


no espalhamento é uma função simples do
ângulo de espalhamento e é independente do
comprimento de onda (ou da energia) inicial. A
escala do deslocamento é determinada pela
quantidade

O assim chamado comprimento de onda de Espectro eletromagnético


Compton do elétron, cujo valor é
LASER:
Os fenômenos de excitação, fluorescência e da
fosforescência constituem a base de
funcionamento do laser (ampliação da luz por
emissão estimulada de radiação). A luz pode ser Você já deve ter notado que vários produtos
incoerente ou coerente, a luz de uma lâmpada é vendidos nos supermercados e lojas já vêm com
incoerente, ou seja, é formada por fótons com uma etiqueta com várias barras pretas
freqüências e fases diferentes. Um feixe de separadas por espaço em branco (código de
fótons que tenha mesma freqüência, mesma barras). Na figura são mostrados um código de
fase e mesma direção de propagação é dito barras (à esquerda) e uma leitora ótica (à
coerente. O laser produz um feixe de luz direita). A pessoa no caixa passa o produto em
coerente que se propaga sofrendo pouco frente à leitora ou vice-versa. Na leitora
alargamento e enfraquecimento. Todo laser encontra-se um laser que ao incidir em cada
possui uma fonte de átomos chamada de meio uma das faixas é refletido de volta ou não. A luz
ativo, que pode ser um gás, líquido ou um sólido. refletida (faixa branca) representa um número
Os átomos do meio são excitados para estados (zero) e a faixa escura, que não reflete luz,
metaestáveis por uma fonte externa de energia, corresponde ao número um (1). O código binário
quando a maior parte dos átomos do meio está é baseado nos números 0 e 1. O número binário
excitada, um único fóton emitido pode dar início lido corresponde ao número de controle do
a uma reação em cadeia, onde um fóton colide produto. O computador se encarrega de listar o
com um átomo, estimulando-o a emitir, e assim preço correspondente e agora é só pagar.
por diante produzindo luz coerente, ou seja, o
laser.

COMO FUNCIONA O CD:


Você provavelmente já ouviu dizer que os CDs
armazenam músicas e arquivos no formato
OBS: Luz do laser é: digital. Também já deve ter visto que os
• monocromática arquivos digitais são compostos por séries de
• de alta intensidade numeros 0 e 1. (os famosos bits). Em um CD
• direcional convencional (aqueles que você compra em
• coerente lojas), os números 0 e 1 são representados por
milhões de pequenas depressões e elevações,
EXPERIÊNCIAS QUE DEMONSTRAM sendo que as depressões são identificadas como
ALGUMAS APLICAÇÕES PRÁTICAS DO números zero e as áreas planas como números
LASER: 1. Para criar estes CDs, os fabricantes pegam
Fibras Óticas: uma camada fina de plástico policarbonato e
As fibras óticas são, basicamente, mangueiras usam um laser poderoso para marcar as
de luz. Elas guiam a luz de uma extremidade da depressões. Estas marcas formam uma enorme
fibra até a outra ponta. Isto ocorre devido a espiral que parte do centro do disco em direção
reflexões totais do à extremidade. Quando a placa de policarbonato
feixe de luz no interior da fibra. está pronta, uma fina camada de alumínio
reflexivo é colocada sobre o disco. Por fim, é
aplicada uma camada de acrílico para proteger o
alumínio contra riscos. Como deu para perceber,
é um processo extremamente complexo e que
só é viável quando o objetivo é produzir milhares
de cópias do mesmo disco. Justamente por isso,
o CD-ROM foi durante muitos anos uma mídia
usada apenas para a leitura de arquivos.
As fibras óticas são cada vez mais utilizadas em
telefonia. Em vez de eletricidade, luz, em vez de LEITURA DE CDS:
cabos de cobre, fibras óticas. E por quê? Porque Um motor gira o CD à uma velocidade variável
a luz se propaga a uma velocidade muito maior para que, independentemente da área do disco
do que os elétrons nos fios de cobre. Além disso, que está sendo lida, as marcas (depressões e
é possível transmitir muito mais informações áreas planas) passem pelo leitor sempre à
através de uma fibra ótica do que por via do mesma velocidade. O laser projeta um raio
sistema tradicional que utiliza cabos de cobre. concentrado de luz que é focalizado por uma
Várias cidades do mundo já contam com um lente e por uma bobina focalizadora. Este raio
sistema telefônico baseado em fibras óticas, atravessa a camada protetora do CD e atinge a
inclusive já contam com um sistema telefônico camada reflexiva (de alumínio). A superfície da
baseado em fibras óticas, inclusive ligando-as a camada reflexiva apresenta áreas com
diferentes cidades e continentes. elevações e depressões. As elevações são a área
plana do disco (números 1). Já as depressões são
LEITURA DO CÓDIGO DE BARRAS: as marcas que foram feitas durante a gravação
do CD (números 0). Quando a luz atinge uma
depressão, ela é dispersada. Já quando ela
acerta uma elevação, é refletida diretamente
para o detector, onde passa por um prisma que
desvia o raio para um diodo sensível à luz. Cada RAIOS X:
pulso de luz que atinge o diodo sensível à luz Os raios X são ondas eletromagnéticas de alta
gera uma pequena voltagem elétrica. Estas freqüência produzidas em tubos de vácuo, nos
voltagens são comparadas com um circuito de quais um feixe de elétrons é submetido a uma
tempo e dão origem a uma corrente de zeros e rápida desaceleração ao colidir contra um alvo
uns que são compreendidos pelo computador. metálico.
Os raios X foram descobertos acidentalmente
EFEITO DAS RADIAÇÕES IONIZANTES: em 1895 pelo físico alemão Wilhelm Roentgen,
O efeito das radiações ionizantes em um enquanto estudava um fenômeno de
indivíduo depende basicamente da dose luminescência. Roentgen usou a denominação
absorvida (alta/baixa), da taxa de exposição raios X por não conhecer a natureza das
(crônico-aguda) e da forma da exposição (corpo radiações que havia descoberto. Hoje, sabe-se
inteiro/localizada). Qualquer dose absorvida, que os raios X são uma radiação
inclusive das doses provenientes de radiação eletromagnética com comprimentos de onda
natural, pode induzir câncer ou matar células. A entre 0,001 e 10 nanômetros,
questão é de probabilidade de dano, consideravelmente menor, portanto que o
probabilidade de comprimento de onda da luz - que mede cerca
mutações precursoras de câncer e número de de 500 nanômetros. Os exames de raios X são
células mortas. Quanto maiores às taxas de dose usados para diagnosticar fraturas e doenças,
e as doses absorvidas, maiores as mas também podem ser aplicados a materiais.
probabilidades de dano, de mutações Os inspetores de alfândega usam os raios X para
precursoras de câncer e de morte celular. examinar embrulhos. Os objetos densos,
contidos no embrulho, absorverão mais raios X
RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA: que os objetos menos densos; o que permite
A radiação ultravioleta, conhecida como UV, é localizar armas ou objetos metálicos. Eles são
uma onda eletromagnética de alta freqüência, usados no tratamento de câncer e no estudo das
faz parte da luz solar que atinge o nosso planeta estruturas de cristais.
e é essencial para a preservação do calor e a
existência da vida. No entanto, em função dos
buracos na camada de ozônio, provocados pela
nossa civilização, estamos expostos a esta
radiação sem qualquer proteção. Sem a camada
de ozônio, os raios UV podem causar
queimaduras, fotoalergias, envelhecimento
cutâneo e até o câncer de pele. A radiação
Ultravioleta (UV) ao atingir nossa pele penetra
profundamente e desencadeia reações
imediatas, como as queimaduras solares, e o
bronzeamento.

RADIAÇÃO GAMA:
As radiações gama são as mais energéticas (10 4
eV até 1019 eV) e com menor comprimento de
onda. Possuem elevado poder penetrante,
podendo mesmo atravessar a Terra de um lado
ao outro.

Um único fóton de raios gama tem energia


suficiente para poder ser detectado; o seu
comprimento de onda é tão pequeno que se
torna extremamente difícil observar o seu
comportamento ondulatório. A região dos raios
gama estende-se desde os 5.1019Hz até
aproximadamente 1022 Hz (comprimento de
onda desde os 6.10-12 m até aproximadamente
3.10-14 m). A radiação gama provém de certos
núcleos atômicos (são emitidas por partículas
que sofrem transições no interior do núcleo
atômico). A radiação gama é utilizada no
tratamento de tumores cancerígenos, porque

Você também pode gostar