Você está na página 1de 17

15º CONCURSO DE CREDENCIAMENTO DE ESTAGIÁRIOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROVA A

1) “A” nasceu com enfermidade que lhe retira, absolutamente, a capacidade de


autodeterminação. “A”, portanto:
a) tem personalidade jurídica e capacidade de direito ou de gozo;
b) não tem capacidade de direito ou de gozo, mas tem personalidade jurídica;
c) tem capacidade de fato, ou de exercício ou de ação, pois tem personalidade jurídica;
d) não tem personalidade jurídica nem capacidade de fato, ou de exercício ou de ação.

2) “A” é proprietário de um lote de medicamento, que, por lei (“fato do príncipe”),


teve a venda proibida em razão de nocividade à saúde pública. “A” pode:
a) vender os medicamentos até o fim do lote, pois tem direito adquirido à venda de referidos
bens;
b) submeter-se à norma cogente que proibiu a venda do medicamento;
c) vender os futuros lotes do medicamento, desde que assuma a responsabilidade pelo
ressarcimento dos danos que eventualmente forem causados pelo seu uso;
d) mediante declaração lavrada em tabelião, sob a forma de escritura pública, vender os
medicamentos até o fim do lote previamente adquirido.

3) Um quadro de Portinari e um vaso produzido industrialmente são:


a) ambos os bens fungíveis;
b) ambos os bens infungíveis;
c) respectivamente, bem infungível e fungível;
d) ambos fungíveis e consumíveis.

4) O domicílio da pessoa natural pode ser:


a) o local de sua residência com ânimo definitivo;
b) onde ela for encontrada;
c) o lugar onde nasceu;
d) nenhuma das alternativas anteriores.

5) “A”, com 16 anos de idade e filho único, herdou, pelo falecimento de seus pais,
uma casa e pretende vendê-la. Para tanto, além de autorização judicial, ele
precisa:
a) ser representado pelo tutor;
b) ser assistido pelo representante legal;
c) não precisa ser representado, porque é absolutamente capaz;
d) não precisa ser assistido, porque é relativamente incapaz.

6) A emancipação só é possível:
a) apenas pela vontade de ambos os genitores;
b) se o filho tiver 18 anos de idade completos;
c) por vontade de um dos genitores, ainda que o outro não concorde, e se o filho tiver 16
anos completos, no mínimo;
d) por vontade de um dos pais, na falta do outro, e desde que filho tenha, no mínimo, 15
completos.

7) O negócio jurídico é anulável quando:


a) celebrado por pessoa relativamente incapaz e for reconhecido como tal de ofício pelo Juiz;
b) celebrado por pessoa absolutamente incapaz e for reconhecido como tal por sentença do
Juiz, após alegação de pessoa interessada;
c) celebrado por erro, dolo ou coação e for reconhecido de ofício pelo Juiz;
d) celebrado por pessoa relativamente incapaz e for reconhecido por sentença após alegação
de pessoa interessada.

8) O prazo prescricional não corre para:


a) os menores de 16 anos e entre os cônjuges durante o casamento;
b) as pessoas jurídicas;
c) os maiores de 16 anos e menores de 18 anos de idade;
d) os pródigos e menores de 16 anos de idade.

9) Considera-se como termo inicial para a maioridade penal:


a) o dia em que o agente se casa;
b) a data em que o agente é emancipado;
c) o horário correspondente ao do nascimento no dia em que o agente completa 18 anos;
d) o primeiro minuto do dia em que o agente completa 18 anos.

10) A diminuição da pena decorrente da tentativa será aplicada entre as frações de


um a dois terços:
a) de acordo com a intensidade do dolo do agente;
b) levando-se em conta o número de vítimas atingidas pela ação ou omissão;
c) proporcionalmente ao “iter criminis” percorrido pelo agente;
d) na proporção da pluralidade de agentes.

11) São modalidades de penas restritivas de direito:


a) a prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas e a detenção;
b) a prestação pecuniária e a multa;
c) a perda de bens e valores e a interdição temporária de direitos;
d) a limitação de fim de semana e o uso de algemas; a limitação de fim de semana e o uso
de algemas.

12) A embriaguez isenta o agente de pena se for:


a) voluntária ou culposa;
b) voluntária e o agente apresentar concentração de álcool por litro de sangue igual ou
superior a 6 decigramas;
c) completa, proveniente de caso fortuito ou força maior e tornar o agente, ao tempo da
ação ou omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou determinar-se
de acordo com este entendimento;
d) proveniente de caso fortuito ou força maior e o agente, ao tempo da ação ou omissão,
não possuir a plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou determinar-se de
acordo com este entendimento.

13) Nos crimes de mera conduta, a norma penal incriminadora só descreve o


comportamento do agente, não fazendo menção ao resultado naturalístico. Tal
assertiva é:
a) correta, mas somente aplicável aos delitos matérias consumados;
b) parcialmente correta;
c) equivocada, pois essa espécie de crime não apresenta resultado naturalístico;
d) absolutamente correta.

14) Se o agente, mediante uma só ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes
diversos, a ele é (são) aplicada (s):
a) cumulativamente as penas cabíveis, por se tratar de concurso material;
b) a mais grave das penas, aumentada de um sexto até a metade, por se tratar de concurso
formal;
c) a mais grave das penas, aumentada de um sexto até a metade, por tratar-se de crime
continuado;
d) cumulativamente as penas cabíveis, por se tratar de concurso formal.

15) Para a configuração do crime culposo, além da tipicidade, torna-se necessária


a prática de conduta com:
a) observância de dever de cuidado que cause um resultado não desejado e imprevisível;
b) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado não desejado e imprevisível;
c) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado cujo risco foi assumido pelo
agente;
d) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado não desejado, mas previsível.

16) O Código Penal, em relação à aplicação da lei penal no tempo, determina:


a) retroatividade da lei posterior mais benigna, desde que o não ainda não tenha ocorrido o
trânsito em julgado;
b) retroatividade irrestrita da lei posterior mais benigna;
c) retroatividade irrestrita apenas no caso de “abolitio criminis”;
d) irretroatividade para os fatos já alcançados pelo trânsito em julgado.

17) É direito do estagiário:


a) férias anuais de 30 dias, no primeiro mês de janeiro após a posse;
b) permanecer no estágio após o período de três anos, em casos excepcionais e
devidamente autorizado;
c) ter o período de exercício na função de estagiário considerado tempo de serviço público
para todos os fins;
d) ter reconhecido o vínculo empregatício com o Estado, com a extensão dos direitos ou
vantagens assegurados ao servidor público.

18) Não é atribuição do estagiário:


a) atendimento ao público, nos limites da orientação que venha a receber;
b) acompanhamento das diligências de investigação de que for incumbido, exceto as de
polícia judiciária e para apuração de infrações penais;
c) execução de serviços de datilografia, digitação, correspondência, escrituração, registro e
arquivo;
d) assinar peças processuais ou manifestações nos autos independente de assinatura
conjunta do Promotor de Justiça.

19) A reprovação em duas disciplinas do curso de graduação em Direito gera ao


estagiário:
a) suspensão da bolsa, até futura aprovação;
b) descredenciamento;
c) perda de direito a férias anuais;
d) nenhuma conseqüência funcional.

20) São deveres do estagiário:


a) manter sigilo sobre fatos relevantes de que tiver conhecimento no exercício das funções;
b) apresentar, trimestralmente, à Corregedoria-Geral do Ministério Público, relatório de suas
atividades;
c) cumprir o horário que lhe for fixado;
d) todas as alternativas.

21) É correto afirmar sobre o número de estagiários:


a) em nenhuma hipótese será excedido o limite máximo de 05 estagiários, por Promotoria
de Justiça;
b) em nenhuma hipótese será excedido o limite máximo de 20 estagiários, por Promotoria
de Justiça;
c) em nenhuma hipótese será excedido o limite máximo de 10 estagiários, por Promotoria
de Justiça;
d) Não há limite máximo de estagiários, por Promotoria de Justiça, dependendo sempre dos
imperativos do interesse público.

22) O órgão do Ministério Público responsável pelo credenciamento dos estagiários


é:
a) Procuradoria-Geral de Justiça;
b) Promotoria de Justiça;
c) Conselho Superior do Ministério Público;
d) Corregedoria-Geral do Ministério Público.

23) Sobre a carga horária semanal de serviço do estagiário, é correto afirmar que:
a) o horário é livre, dependendo de acerto entre o estagiário e o Promotor de Justiça;
b) é de 20 horas semanais a jornada de trabalho de estagiário;
c) é de 30 horas semanais a jornada de trabalho de estagiário;
d) não há um horário fixo, dependendo sempre do número de processos confiados aos
cuidados do estagiário.

24) O estagiário terá direito a licença, com prejuízo da bolsa mensal:


a) para a realização de provas até o máximo de 20 dias por ano;
b) para a realização de provas até o máximo de 30 dias por ano;
c) para a realização de provas até o máximo de 60 dias por ano;
d) para a realização das provas bimestrais, sem limite de dias por ano.

25) A substituição processual é também denominada:


a) legitimação extraordinária;
b) representação processual;
c) sucessão processual;
d) litispendência.

26) Qual o ramo de justiça especializada não possui jurisdição penal?


a) Justiça Militar Federal;
b) Justiça Militar Estadual;
c) Justiça Eleitoral;
d) Justiça do Trabalho.

27) Sobre a ação penal é correto dizer que:


a) sempre detém o Ministério Público legitimidade para propô-la;
b) a requisição do Ministro da Justiça, nos crimes contra a honra do Presidente da República,
não obriga o membro do Ministério Público a oferecer denúncia contra o detrator;
c) pode o ofendido, nos crimes de persecução penal privada originária, escolher, dentre os
autores do crime, aqueles que figurarão no pólo passivo da ação penal;
d) nos crimes sujeitos a ação penal privada exclusiva a legitimidade conferida à vítima ou a
seu representante legal não é transmissível, aos sucessores, nas hipóteses de morte ou
ausência dos primeiros.

28) Por força dos princípios da obrigatoriedade e indisponibilidade nos crimes de


ação pública, é incorreto assinalar que:
a) é permitido ao Juiz rejeitar denúncia oferecida pelo Promotor de Justiça;
b) cabe ao Juiz, em discordando da promoção de arquivamento de inquérito policial
deduzida pelo Ministério Público, rechaçá-la e, em seguida, remeter os autos ao Procurador-
Geral de Justiça;
c) em consonância com o art. 28, do Código de Processo Penal, insistindo o Procurador-
Geral de Justiça no pedido de arquivamento de inquérito policial, é o Juiz obrigado a atendê-
lo;
d) incumbe ao Ministério Público, diante da insuficiência de provas, desistir da ação penal.

29) Quanto à competência no processo penal é incorreto dizer que:


a) firma a competência o local da conduta;
b) firma a competência o local da consumação do delito;
c) nos delitos qualificados pelo resultado há competência do juízo em que ocorrer o
resultado mais grave;
d) pode ela ser disciplinada nas normas de organização judiciária.

30) No processo civil, é incorreto afirmar que o Juiz dará curador especial:
a) ao incapaz, se não tiver representante legal;
b) ao réu preso;
c) ao réu pobre;
d) ao réu revel, citado por edital.

31) Sobre as sentenças abaixo, é correto afirmar que:


I – A ilegitimidade passiva leva à falta de condição de procedibilidade.
II – Capacidade processual é a capacidade do Advogado de postular em Juízo.
III – O incapaz não detém legitimidade ativa para o processo.
a) a assertiva I está correta e as demais estão incorretas;
b) a assertiva III está correta e as demais estão incorretas;
c) as assertivas I, II e III estão corretas;
d) as assertivas I, II e III estão incorretas.

32) Na ação penal pública condicional, a representação é retratável:


a) depois do recebimento da denúncia;
b) antes do oferecimento da denúncia;
c) só depois do trânsito em julgado da sentença;
d) só no dia em que é apresentada.

33) A destituição do Procurador-Geral de Justiça, nas hipóteses previstas em lei,


se dá:
a) por decisão da maioria simples do Conselho Superior do Ministério Público;
b) por deliberação da maioria absoluta do Colégio de Procuradores de Justiça;
c) por decisão da maioria absoluta da Assembléia Legislativa do Estado;
d) por ato do Governador do Estado.
34) Entre as funções institucionais do Ministério Público, não se inclui:
a) promover privativamente a ação penal pública;
b) promover a ação popular;
c) promover a representação para fins de intervenção da União e dos Estados nos casos
previstos na Constituição;
d) o controle externo da atividade policial.

35) Segundo a Constituição Federal, a posição do Ministério Público na estrutura


do Estado Brasileiro é a de:
a) órgão auxiliar do Poder Judiciário;
b) órgão de defesa dos interesses do Poder Executivo;
c) pessoa jurídica de direito público interno;
d) instituição permanente e essencial à função jurisdicional do Estado.

36) Sendo vitalício, o membro do Ministério Público só perderá o cargo:


a) por força de sentença judicial transitada em julgado;
b) por decisão da maioria simples do respectivo Colégio de Procuradores;
c) por decisão de maioria absoluta do respectivo Colégio de Procuradores;
d) por decisão da maioria absoluta do Conselho Superior do Ministério Público

37) A autonomia funcional e administrativa do Ministério Público implica a


possibilidade de:
a) elaborar sua proposta orçamentária, independentemente dos limites estabelecidos na lei
de diretrizes orçamentárias;
b) criar e extinguir, por ato do Procurador-Geral de Justiça, seus cargos e serviços auxiliares
c) propor ao Poder Legislativo a política remuneratória de seus membros e servidores;
d) fixar, por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça, os planos de carreira de seus
servidores.

38) Segundo a Constituição da República, o Procurador-Geral de Justiça será


nomeado pelo Governador do Estado, na forma da lei respectiva:
a) dentre os integrantes da carreira, para mandato de dois anos, vedada a recondução;
b) dentre integrantes da carreira, para mandato de quatro anos, vedada a recondução;
c) dentre os integrantes da carreira, para mandato de quatro anos, permitida a recondução;
d) dentre integrantes da carreira, para mandato de dois anos, permitida uma recondução.

39) Sobre a estrutura do Ministério Público na Constituição da República, assinale


a alternativa incorreta:
a) a chefia do Ministério Público da União cabe ao Procurador-Geral da República;
b) o Ministério Público da União compreende o Ministério Público Federal, o Ministério Público
Militar, o Ministério Público do Trabalho, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios
e o Ministério Público Eleitoral;
c) as funções institucionais são exclusivas dos membros do Ministério Público, sendo
proibida a nomeação de Promotores “ad hoc”;
d) cada Ministério Público terá sua organização estabelecida por lei complementar, cuja
iniciativa é facultada ao respectivo Procurador-Geral.

40) É princípio constitucional aplicável ao Ministério Público:


a) a distribuição imediata de processos, salvo em caso de excesso de serviço;
b) a atividade funcional ininterrupta, funcionando, nos dias em que não houver expediente
forense normal e nas férias coletivas, Promotores e Procuradores de Justiça em plantão
permanente;
c) a obrigatoriedade de residência do Promotor titular na comarca da respectiva lotação,
salvo autorização do Procurador-Geral de Justiça;
d) a publicidade das decisões administrativas do Órgão Especial e do Conselho Superior do
Ministério Público, salvo as disciplinares.

GABARITO DA PROVA “A”

1. A 11. C 21. B 31. D


2. B 12. C 22. C 32. B
3. C 13. D 23. B 33. C
4. A 14. B 24. A 34. B
5. B 15. D 25. A 35. D
6. C 16. B 26. D 36. A
7. D 17. C 27. B 37. C
8. A 18. D 28. D 38. D
9. D 19. B 29. A 39. B
10. C 20. D 30. C 40. C

PROVA B

1) A substituição processual é também denominada:


a) legitimação extraordinária;
b) representação processual;
c) sucessão processual;
d) litispendência.

2) Qual o ramo de justiça especializada não possui jurisdição penal?


a) Justiça Militar Federal;
b) Justiça Militar Estadual;
c) Justiça Eleitoral;
d) Justiça do Trabalho.
3) Sobre a ação penal é correto dizer que:
a) sempre detém o Ministério Público legitimidade para propô-la;
b) a requisição do Ministro da Justiça, nos crimes contra a honra do Presidente da República,
não obriga o membro do Ministério Público a oferecer denúncia contra o detrator;
c) pode o ofendido, nos crimes de persecução penal privada originária, escolher, dentre os
autores do crime, aqueles que figurarão no pólo passivo da ação penal;
d) nos crimes sujeitos a ação penal privada exclusiva a legitimidade conferida à vítima ou a
seu representante legal não é transmissível, aos sucessores, nas hipóteses de morte ou
ausência dos primeiros.

4) Por força dos princípios da obrigatoriedade e indisponibilidade nos crimes de


ação pública, é incorreto assinalar que:
a) é permitido ao Juiz rejeitar denúncia oferecida pelo Promotor de Justiça;
b) cabe ao Juiz, em discordando da promoção de arquivamento de inquérito policial
deduzida pelo Ministério Público, rechaçá-la e, em seguida, remeter os autos ao Procurador-
Geral de Justiça;
c) em consonância com o art. 28, do Código de Processo Penal, insistindo o Procurador-
Geral de Justiça no pedido de arquivamento de inquérito policial, é o Juiz obrigado a atendê-
lo;
d) incumbe ao Ministério Público, diante da insuficiência de provas, desistir da ação penal.

5) Quanto à competência no processo penal é incorreto dizer que:


a) firma a competência o local da conduta;
b) firma a competência o local da consumação do delito;
c) nos delitos qualificados pelo resultado há competência do juízo em que ocorrer o
resultado mais grave;
d) pode ela ser disciplinada nas normas de organização judiciária.

6) No processo civil, é incorreto afirmar que o Juiz dará curador especial:


a) ao incapaz, se não tiver representante legal;
b) ao réu preso;
c) ao réu pobre;
d) ao réu revel, citado por edital.

7) Sobre as sentenças abaixo, é correto afirmar que:


I – A ilegitimidade passiva leva à falta de condição de procedibilidade.
II – Capacidade processual é a capacidade do Advogado de postular em Juízo.
III – O incapaz não detém legitimidade ativa para o processo.
a) a assertiva I está correta e as demais estão incorretas;
b) a assertiva III está correta e as demais estão incorretas;
c) as assertivas I, II e III estão corretas;
d) as assertivas I, II e III estão incorretas.
8) Na ação penal pública condicional, a representação é retratável:
a) depois do recebimento da denúncia;
b) antes do oferecimento da denúncia;
c) só depois do trânsito em julgado da sentença;
d) só no dia em que é apresentada.

9) É direito do estagiário:
a) férias anuais de 30 dias, no primeiro mês de janeiro após a posse;
b) permanecer no estágio após o período de três anos, em casos excepcionais e
devidamente autorizado;
c) ter o período de exercício na função de estagiário considerado tempo de serviço público
para todos os fins;
d) ter reconhecido o vínculo empregatício com o Estado, com a extensão dos direitos ou
vantagens assegurados ao servidor público.

10) Não é atribuição do estagiário:


a) atendimento ao público, nos limites da orientação que venha a receber;
b) acompanhamento das diligências de investigação de que for incumbido, exceto as de
polícia judiciária e para apuração de infrações penais;
c) execução de serviços de datilografia, digitação, correspondência, escrituração, registro e
arquivo;
d) assinar peças processuais ou manifestações nos autos independente de assinatura
conjunta do Promotor de Justiça.

11) A reprovação em duas disciplinas do curso de graduação em Direito gera ao


estagiário:
a) suspensão da bolsa, até futura aprovação;
b) descredenciamento;
c) perda de direito a férias anuais;
d) nenhuma conseqüência funcional.

12) São deveres do estagiário:


a) manter sigilo sobre fatos relevantes de que tiver conhecimento no exercício das funções;
b) apresentar, trimestralmente, à Corregedoria-Geral do Ministério Público, relatório de suas
atividades;
c) cumprir o horário que lhe for fixado;
d) todas as alternativas.

13) É correto afirmar sobre o número de estagiários:


a) em nenhuma hipótese será excedido o limite máximo de 05 estagiários, por Promotoria
de Justiça;
b) em nenhuma hipótese será excedido o limite máximo de 20 estagiários, por Promotoria
de Justiça;
c) em nenhuma hipótese será excedido o limite máximo de 10 estagiários, por Promotoria
de Justiça;
d) Não há limite máximo de estagiários, por Promotoria de Justiça, dependendo sempre dos
imperativos do interesse público.

14) O órgão do Ministério Público responsável pelo credenciamento dos estagiários


é:
a) Procuradoria-Geral de Justiça;
b) Promotoria de Justiça;
c) Conselho Superior do Ministério Público;
d) Corregedoria-Geral do Ministério Público.

15) Sobre a carga horária semanal de serviço do estagiário, é correto afirmar que:
a) o horário é livre, dependendo de acerto entre o estagiário e o Promotor de Justiça;
b) é de 20 horas semanais a jornada de trabalho de estagiário;
c) é de 30 horas semanais a jornada de trabalho de estagiário;
d) não há um horário fixo, dependendo sempre do número de processos confiados aos
cuidados do estagiário.

16) O estagiário terá direito a licença, com prejuízo da bolsa mensal:


a) para a realização de provas até o máximo de 20 dias por ano;
b) para a realização de provas até o máximo de 30 dias por ano;
c) para a realização de provas até o máximo de 60 dias por ano;
d) para a realização das provas bimestrais, sem limite de dias por ano.

17) Considera-se como termo inicial para a maioridade penal:


a) o dia em que o agente se casa;
b) a data em que o agente é emancipado;
c) o horário correspondente ao do nascimento no dia em que o agente completa 18 anos;
d) o primeiro minuto do dia em que o agente completa 18 anos.

18) A diminuição da pena decorrente da tentativa será aplicada entre as frações de


um a dois terços:
a) de acordo com a intensidade do dolo do agente;
b) levando-se em conta o número de vítimas atingidas pela ação ou omissão;
c) proporcionalmente ao “iter criminis” percorrido pelo agente;
d) na proporção da pluralidade de agentes.

19) São modalidades de penas restritivas de direito:


a) a prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas e a detenção;
b) a prestação pecuniária e a multa;
c) a perda de bens e valores e a interdição temporária de direitos;
d) a limitação de fim de semana e o uso de algemas; a limitação de fim de semana e o uso
de algemas.

20) A embriaguez isenta o agente de pena se for:


a) voluntária ou culposa;
b) voluntária e o agente apresentar concentração de álcool por litro de sangue igual ou
superior a 6 decigramas;
c) completa, proveniente de caso fortuito ou força maior e tornar o agente, ao tempo da
ação ou omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou determinar-se
de acordo com este entendimento;
d) proveniente de caso fortuito ou força maior e o agente, ao tempo da ação ou omissão,
não possuir a plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou determinar-se de
acordo com este entendimento.

21) Nos crimes de mera conduta, a norma penal incriminadora só descreve o


comportamento do agente, não fazendo menção ao resultado naturalístico. Tal
assertiva é:
a) correta, mas somente aplicável aos delitos matérias consumados;
b) parcialmente correta;
c) equivocada, pois essa espécie de crime não apresenta resultado naturalístico;
d) absolutamente correta.

22) Se o agente, mediante uma só ação ou omissão, pratica dois ou mais crimes
diversos, a ele é (são) aplicada (s):
a) cumulativamente as penas cabíveis, por se tratar de concurso material;
b) a mais grave das penas, aumentada de um sexto até a metade, por se tratar de concurso
formal;
c) a mais grave das penas, aumentada de um sexto até a metade, por tratar-se de crime
continuado;
d) cumulativamente as penas cabíveis, por se tratar de concurso formal.

23) Para a configuração do crime culposo, além da tipicidade, torna-se necessária


a prática de conduta com:
a) observância de dever de cuidado que cause um resultado não desejado e imprevisível;
b) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado não desejado e imprevisível;
c) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado cujo risco foi assumido pelo
agente;
d) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado não desejado, mas previsível.

24) O Código Penal, em relação à aplicação da lei penal no tempo, determina:


a) retroatividade da lei posterior mais benigna, desde que o não ainda não tenha ocorrido o
trânsito em julgado;
b) retroatividade irrestrita da lei posterior mais benigna;
c) retroatividade irrestrita apenas no caso de “abolitio criminis”;
d) irretroatividade para os fatos já alcançados pelo trânsito em julgado.

25) A destituição do Procurador-Geral de Justiça, nas hipóteses previstas em lei,


se dá:
a) por decisão da maioria simples do Conselho Superior do Ministério Público;
b) por deliberação da maioria absoluta do Colégio de Procuradores de Justiça;
c) por decisão da maioria absoluta da Assembléia Legislativa do Estado;
d) por ato do Governador do Estado.

26) Entre as funções institucionais do Ministério Público, não se inclui:


a) promover privativamente a ação penal pública;
b) promover a ação popular;
c) promover a representação para fins de intervenção da União e dos Estados nos casos
previstos na Constituição;
d) o controle externo da atividade policial.

27) Segundo a Constituição Federal, a posição do Ministério Público na estrutura


do Estado Brasileiro é a de:
a) órgão auxiliar do Poder Judiciário;
b) órgão de defesa dos interesses do Poder Executivo;
c) pessoa jurídica de direito público interno;
d) instituição permanente e essencial à função jurisdicional do Estado.

28) Sendo vitalício, o membro do Ministério Público só perderá o cargo:


a) por força de sentença judicial transitada em julgado;
b) por decisão da maioria simples do respectivo Colégio de Procuradores;
c) por decisão de maioria absoluta do respectivo Colégio de Procuradores;
d) por decisão da maioria absoluta do Conselho Superior do Ministério Público

29) A autonomia funcional e administrativa do Ministério Público implica a


possibilidade de:
a) elaborar sua proposta orçamentária, independentemente dos limites estabelecidos na lei
de diretrizes orçamentárias;
b) criar e extinguir, por ato do Procurador-Geral de Justiça, seus cargos e serviços auxiliares
c) propor ao Poder Legislativo a política remuneratória de seus membros e servidores;
d) fixar, por resolução do Colégio de Procuradores de Justiça, os planos de carreira de seus
servidores.

30) Segundo a Constituição da República, o Procurador-Geral de Justiça será


nomeado pelo Governador do Estado, na forma da lei respectiva:
a) dentre os integrantes da carreira, para mandato de dois anos, vedada a recondução;
b) dentre integrantes da carreira, para mandato de quatro anos, vedada a recondução;
c) dentre os integrantes da carreira, para mandato de quatro anos, permitida a recondução;
d) dentre integrantes da carreira, para mandato de dois anos, permitida uma recondução.

31) Sobre a estrutura do Ministério Público na Constituição da República, assinale


a alternativa incorreta:
a) a chefia do Ministério Público da União cabe ao Procurador-Geral da República;
b) o Ministério Público da União compreende o Ministério Público Federal, o Ministério Público
Militar, o Ministério Público do Trabalho, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios
e o Ministério Público Eleitoral;
c) as funções institucionais são exclusivas dos membros do Ministério Público, sendo
proibida a nomeação de Promotores “ad hoc”;
d) cada Ministério Público terá sua organização estabelecida por lei complementar, cuja
iniciativa é facultada ao respectivo Procurador-Geral.

32) É princípio constitucional aplicável ao Ministério Público:


a) a distribuição imediata de processos, salvo em caso de excesso de serviço;
b) a atividade funcional ininterrupta, funcionando, nos dias em que não houver expediente
forense normal e nas férias coletivas, Promotores e Procuradores de Justiça em plantão
permanente;
c) a obrigatoriedade de residência do Promotor titular na comarca da respectiva lotação,
salvo autorização do Procurador-Geral de Justiça;
d) a publicidade das decisões administrativas do Órgão Especial e do Conselho Superior do
Ministério Público, salvo as disciplinares.

33) “A” nasceu com enfermidade que lhe retira, absolutamente, a capacidade de
autodeterminação. “A”, portanto:
a) tem personalidade jurídica e capacidade de direito ou de gozo;
b) não tem capacidade de direito ou de gozo, mas tem personalidade jurídica;
c) tem capacidade de fato, ou de exercício ou de ação, pois tem personalidade jurídica;
d) não tem personalidade jurídica nem capacidade de fato, ou de exercício ou de ação.

34) “A” é proprietário de um lote de medicamento, que, por lei (“fato do


príncipe”), teve a venda proibida em razão de nocividade à saúde pública. “A”
pode:
a) vender os medicamentos até o fim do lote, pois tem direito adquirido à venda de referidos
bens;
b) submeter-se à norma cogente que proibiu a venda do medicamento;
c) vender os futuros lotes do medicamento, desde que assuma a responsabilidade pelo
ressarcimento dos danos que eventualmente forem causados pelo seu uso;
d) mediante declaração lavrada em tabelião, sob a forma de escritura pública, vender os
medicamentos até o fim do lote previamente adquirido.

35) Um quadro de Portinari e um vaso produzido industrialmente são:


a) ambos os bens fungíveis;
b) ambos os bens infungíveis;
c) respectivamente, bem infungível e fungível;
d) ambos fungíveis e consumíveis.

36) O domicílio da pessoa natural pode ser:


a) o local de sua residência com ânimo definitivo;
b) onde ela for encontrada;
c) o lugar onde nasceu;
d) nenhuma das alternativas anteriores.

37) “A”, com 16 anos de idade e filho único, herdou, pelo falecimento de seus pais,
uma casa e pretende vendê-la. Para tanto, além de autorização judicial, ele
precisa:
a) ser representado pelo tutor;
b) ser assistido pelo representante legal;
c) não precisa ser representado, porque é absolutamente capaz;
d) não precisa ser assistido, porque é relativamente incapaz.

38) A emancipação só é possível:


a) apenas pela vontade de ambos os genitores;
b) se o filho tiver 18 anos de idade completos;
c) por vontade de um dos genitores, ainda que o outro não concorde, e se o filho tiver 16
anos completos, no mínimo;
d) por vontade de um dos pais, na falta do outro, e desde que filho tenha, no mínimo, 15
completos.

39) O negócio jurídico é anulável quando:


a) celebrado por pessoa relativamente incapaz e for reconhecido como tal de ofício pelo Juiz;
b) celebrado por pessoa absolutamente incapaz e for reconhecido como tal por sentença do
Juiz, após alegação de pessoa interessada;
c) celebrado por erro, dolo ou coação e for reconhecido de ofício pelo Juiz;
d) celebrado por pessoa relativamente incapaz e for reconhecido por sentença após alegação
de pessoa interessada.

40) O prazo prescricional não corre para:


a) os menores de 16 anos e entre os cônjuges durante o casamento;
b) as pessoas jurídicas;
c) os maiores de 16 anos e menores de 18 anos de idade;
d) os pródigos e menores de 16 anos de idade.
GABARITO DA PROVA “B”

1. A 2. D 3. B 4. D
5. A 29. C
6. C 30. D
7. D 31. B
8. B 32. C
9. C 33. A
10. D 34. B
11. B 35. C
12. D 36. A
13. B 37. B
14. C 38. C
15. B 39. D
16. A 40. A
17. D
18. C
19. C
20. C
21. D
22. B
23. D
24. B
25. C
26. B
27. D
28. A