Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

CAMPUS DE SALINÓPOLIS
ENGENHARIA DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO

PREPARO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÃO DE HIDRÓXIDO DE SÓDIO


Prática 4

DISCIPLINA: Química Analítica Experimental


PROF(A): Fabíola Fernandes
GRUPO: 3
Nome Matrícula
1. Alonso Reis Sacramento 201868840005
2. Flávio Alessandro Almeida de Souza 201868840041
3. Marcelo Augusto da Silva Oliveira 201868840004
4. Marcos Vinicius de Sousa Araújo 201868840022
5. Stefane Carvalho de Oliveira 201868840040
6. Vinicius Frantinne Brito Alves 201868840026

ABRIL DE 2019
Sumário
1 Introdução.....................................................................................3
2 Objetivos........................................................................................4
3 Materiais........................................................................................4
4 Procedimentos..............................................................................5
5 Resultados.....................................................................................6
6 Conclusão......................................................................................9
7 Referências..................................................................................10
1 INTRODUÇÃO

A volumetria é o processo de adição de quantidades discretas de um


reagente específico para quantificar algumas propriedades. Geralmente, é
utilizado neste método de análise o auxílio de uma bureta para medir o volume
da amostra utilizada (titulação volumétrica). Mas, em alguns casos, pode-se
analisar a variação da massa (titulação gravimétrica) ou absorção de luz
(titulação espectrofotométrica). No que diz respeito aos métodos volumétricos,
trata-se da determinação da concentração de uma espécie de interesse em uma
amostra a partir do volume (ou massa) de uma solução com concentração
conhecida (solução padrão), necessária para reagir quantitativamente com esta
amostra em solução (solução problema).

A determinação da concentração de uma solução a partir de sua reação


quantitativa com uma quantidade de uma substância pura (padrão primário) é
chamada de titulação de padronização ou simplesmente padronização. Sendo
assim, após sua concentração ser determinada, a solução problema passa a ser
uma solução padrão. A solução duvidosa, em que se quer descobrir a
concentração (solução problema), é chamada de titulado, e a solução que reage
com ela, cuja concentração é conhecida é denominada titulante. Sabe-se que
uma reação química de neutralização ocorre entre um ácido e uma base,
produzindo sal e água. Da mesma forma, uma titulação entre ácido e base é
chamada de titulação ácido-base. Além disso, adiciona-se também uma
pequena quantidade de um indicador, pois a mudança de cor indica exatamente
o momento em que a reação ocorre por completo, chamado "ponto de viragem".

3
2 OBJETIVOS
• Preparar e padronizar uma solução de hidróxido de sódio (NaOH) 0,1 M

3 METERIAIS
• Reagentes
1. Água destilada
2. Biftalato de potássio p.a.
3. Hidróxido de sódio (pastilhas)
4. Solução indicadora de fenolftaleína
• Vidrarias e equipamentos
1. Balão volumétrico 100 mL
2. Béquer de 50 mL (2 unidades)
3. Bastão de vidro
4. Proveta de 50 mL
5. Bureta 25 mL
6. Erlenmeyer 250 mL (2 unidades)
7. Frasco de plástico
8. Bico de Bunsen
9. Estufa
10. Balança analítica

4
4 PROCEDIMENTOS
• Preparação da solução de hidróxido de sódio 0,1 M
Inicialmente se calculou a massa de NaOH necessária para uma solução
de 100 mL através da seguinte formula:
𝑚𝑁𝑎𝑂𝐻 (𝑔)
𝑀=
𝑀𝑀𝑁𝑎𝑂𝐻 . 𝑉(𝐿)
Onde M é a molaridade da solução a ser preparada, m a massa de NaOH
a ser utilizada, MM a massa molar do hidróxido de sódio e V o volume da solução
a ser preparada.
Com o valor da massa de NaOH necessária, o hidróxido de sódio foi
pesado em um béquer de 50 mL. Cerca de 250 mL de água destilada foram
fervidas em um béquer de 500 mL no bico de Bunsen (para a eliminação do CO2
presente) posteriormente o hidróxido de sódio foi dissolvido em 30 mL de água
destilada fervida com ajuda do bastão de vidro. Após a dissolução completa, a
solução foi transferida para o balão volumétrico de 100 mL e o volume
completado, foi realizada a homogeneização da solução
• Padronização com biftalato de potássio 0,1 (KHC8H4O4)
O biftalato de potássio secou por 2 horas 110°C e foi deixado no
dessecador para resfriar, foi pesado no béquer 0,408 gramas de KHC8H4O4 na
balança analítica. Foi medido 10 mL de água destilada na pipeta volumétrica de
10 mL e transferido para do béquer com biftalato, a solução foi dissolvida com
ajuda do bastão de vidro, após a dissolução foram adicionadas mais 10 mL de
água destilada. O KHC8H4O4 dissolvido foi transferido para o Erlenmeyer de 250
mL e posteriormente foi adicionado 2 gotas de solução indicadora fenolftaleína.
Para dar início a titulação foi transferido 25 mL de solução de hidróxido de
sódio para a bureta de 25 mL e a mesma fixada no suporte universal, o
Erlenmeyer de 250 mL com biftalato de potássio + fenolftaleína foi posicionado
logo a baixo da bureta. O titulante (NaOH) foi gotejado até que o titulado (biftalato
de potássio + fenolftaleína) mudasse sua coloração de incolor para levemente
rosa (Figura 1), após o fim da titulação o volume de NaOH utilizado foi anotado
para realizar o cálculo da concentração real e fator de correção, o restante de
hidróxido de sódio (presente na bureta e no balão de 100 mL) foi transferido para
um frasco etiquetado e identificado (solução, data, grupo e turma).

5
Figura 1: Fenolftaleína / Fonte: http://www.ufjf.br/nupis

O cálculo de concentração real da solução NaOH foi realizado através da


seguinte equação:
𝑀𝑁𝑎𝑂𝐻 . 𝑉𝑁𝑎𝑂𝐻 (𝐸𝑥𝑝𝑒𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑎𝑙) = 𝑀𝑏𝑖𝑓𝑡𝑎𝑙𝑎𝑡𝑜 𝑉𝑏𝑖𝑓𝑡𝑎𝑙𝑎𝑡𝑜
Onde M são as concentrações molares e V os volumes.
Com o resultado da concentração real da solução de NaOH foi realizado
o cálculo do fator de correção (adimensional) através da seguinte equação:
Fator de correção (fc)= Concentração real/Concentração teórica

5 RESULTADOS
Após se realizar os cálculos de massa necessária de NaOH se obteve um
valor de 0,4 gramas, foi pesado na balança analítica 0,4007 g de NaOH, a
pesagem foi feita o mais rápido possível já que o reagente hidróxido de sódio é
higroscópico, ou seja, absorve a humidade do ar ambiente (Figura 2).
Figura 2: Massa de NaOH aferida

Após o preparo do titulante se iniciou a preparação do titulado, o biftalato de


potássio foi pesado na balança analítica e se aferiu 0,4050 gramas (Figura 3).

6
Figura 3: Biftalato de Potássio sendo pesado

Após o preparo da solução de biftalato de potássio + fenolftaleína se


montou o sistema para se realizar a titulação da solução de NaOH (Figura 4).
Figura 4: Sistema para a titulação.

Após 23,9 mL de NaOH adicionados ao titulado a solução mudou de


incolor para rosa (Figura 5) indicando assim que a titulação havia sido concluída.

7
Figura 5: Solução pós titulação
Com o valor de solução NaOH utilizado foi possível calcular a real
concentração de hidróxido de sódio.
𝑀𝑁𝑎𝑂𝐻 . 0,0239 = 0,1 . 0,02
M= 0,0836
Com a real concentração de NaOH foi realizado do cálculo do fator de
correção da solução.
Fator de correção (fc)= Concentração real/Concentração teórica
Fc= 0,0836/0,1
Fc≌ 0,84

8
6 CONCLUSÃO
A titulação é uma técnica analítica, que tem como finalidade determinar a
concentração exata de uma solução. O objetivo da prática descrita acima
consiste em preparar uma solução de NaOH e padronizá-la por meio da titulação.
A molaridade real da solução preparada foi calculada e obteve-se um resultado
de 0,0836 mol/L, um valor abaixo do esperado. Alguns fatores a serem levados
em consideração para análise do erro da concentração real da solução, que pode
ter sido ocasionada por descuidos eventuais, como na pesagem, na diluição da
solução ou até mesmo na ambientação das vidrarias utilizadas.
Contudo, é importante ressaltar que o hidróxido de sódio (NaOH) em estado
sólido é uma substância altamente higroscópica. Devido à demora da pesagem
a substância pode ter absorvido água do ambiente, alterando o valor real da
massa pesada para o preparo da solução a ser padronizada. Acredita-se que a
presença de água na massa inicial de NaOH é a principal causadora da
discrepância no resultado da padronização da solução. O experimento
possibilitou observar que alguns fatores causadores de erros em uma análise
química. Entretanto, os conceitos de padronização ficaram evidentes, uma vez
que sua aplicabilidade é feita de boa forma.

9
7 REFERÊNCIAS
1. MATOS, MARIA. Introdução a Análise química
Disponível em : http://www.ufjf.br/nupis/files/2011/04/aula-5-
Titula%C3%A7%C3%A3o-%C3%A1cido-base-QUI094-2016.pdf
Acesso em 27/04/2019
2. SKOOG, HOLLER, NIEMAN, Princípios de Análise Instrumental, 5ª Edição,
Editora Bookman, São Paulo-SP, 2002.

10

Você também pode gostar