Você está na página 1de 39

INTRODUÇÃO

Sabe-se que são muitos os distúrbios de aprendizagem que afligem as

crianças na fase escolar. Estes distúrbios têm vários sintomas, e dentre eles

podemos destacar a Dislexia, que é muito mais comum do que se imagina. Vive-

se hoje em um mundo tão moderno onde há professores que ainda não sabem ou

nunca ouviram falar sobre essa diferença de aprendizado. As dificuldades de

aprendizagem se apresentam nas escolas, principalmente aquelas que dizem

respeito à aquisição da leitura e escrita. Porém muitos professores não

conseguem entender porque algumas crianças aprendem e outras não.

Dentro de algumas questões encontra-se uma dificuldade muito comum,

porém pouco discutida. Pensando neste aspecto, este estudo tem por objetivo

enfocasse esta situação e os principais aspectos do distúrbio de aprendizagem

dislexia e como ela interfere na interpretação textual dos alunos.

Neste sentido, como problema de pesquisa questionou-se as dificuldades

na aprendizagem da linguagem escrita e da interpretação textual por parte das

crianças disléxicas.

Para responder a tal questionamento levantamos as seguintes hipóteses: o

educador nem sempre tem clareza sobre os problemas apresentados pelos

alunos; as dificuldades de trabalhar com crianças disléxicas em sala de aula sem

um conhecimento prévio deste distúrbio o que torna o trabalho do professor

moroso no o processo de ensino aprendizagem; a falta de feeling e feed-back em

relação ao educador que atual em sala de aula e finalmente, a necessidade de


9

conhecer, obter e produzir instrumentos pedagógicos que possam ser utilizados

pelo professor em sala.

Justificamos a intenção da pesquisa, pois acreditamos que as dislexias

estão presentes em muitos indivíduos, no entanto, muitas vezes são

erroneamente e tardiamente diagnosticadas. Diante disso, a falta de preparo dos

professores em compreender as origens desta disfunção do sistema nervoso

central que causam dificuldades de aprendizagem principalmente no que diz

respeito à aquisição da leitura, escrita e interpretação de textos. Ler significa

interpretar símbolos gráficos. Ao contrário da linguagem verbal, a leitura e a

escrita não são processos naturais, automáticos, as crianças precisam ser

ensinadas.

Sendo assim, há a necessidade de conhecer, aperfeiçoar e até mesmo

formular instrumentos metodológicos que indiquem caminhos para o diagnóstico

das dificuldades encontradas em crianças com dislexia. Desta forma o educando

fará o uso da linguagem obtendo habilidades também na escrita e na interpretação

das palavras. Isso é inclusão, é reconhecer a especificidade histórica e social do

cidadão.

Como objetivo geral pretende-se indicar estratégias para o ensino da leitura

e escrita em sala de aula com crianças disléxicas.

Como objetivos específicos buscou-se traçar um panorama geral

descrevendo os pontos principais da dislexia, suas causas, sintomas e as

intervenções possíveis para esta dificuldade de aprendizagem.

Para o desenvolvimento deste estudo foi utilizada pesquisa qualitativa de

caráter bibliográfico.
10

No capitulo 1: Panorama geral da Dislexia abordou-se a conceituação, os

tipos de Dislexia, os principais sintomas e causas do distúrbio.

No capitulo 2: Métodos de ensino da leitura apresentou-se como estratégias

de ensino a Panlexia e a Rota Fonológica para demonstrar como trabalhar de

forma diferenciada com alunos disléxicos na aprendizagem.

No capitulo 3: A dislexia e as dificuldades com a leitura descreveu-se de

que forma esses distúrbio se desenvolve a partir de teorias neurocientíficas e

como o educador necessita posicionar-se frente às dificuldades encontradas em

sala de aula no ensino da língua escrita e na interpretação textual.

Como contribuição este estudo pretende elucidar questões a respeito do

trato com alunos disléxicos no ambiente escolar e apresentar algumas estratégias

de ensinos para facilitar o trabalho do professor.


11

CAPITULO 1: PANORAMA GERAL DA DISLEXIA: CONCEITUAÇÃO

1.1 CONCEITUAÇÕES E PRINCIPAIS SINTOMAS

O saber ler é uma das aprendizagens mais importantes, porque é a chave

que permite o acesso a todos os outros saberes. A leitura e a escrita são formas

do processamento lingüístico. Aprender a ler, embora seja uma competência

complexa, é relativamente fácil para a maioria das pessoas. Contudo um número

significativo de pessoas, embora possuindo um nível de inteligência médio ou

superior, manifesta dificuldades na sua aprendizagem. Pringle Morgan (1896, p.

02) foi o primeiro estudioso a descrever o caso clínico de um jovem de 14 anos

que, apesar de ser inteligente, tinha uma incapacidade quase absoluta em relação

à linguagem escrita, que designou de “cegueira verbal”. Desde então esta

perturbação tem recebido diversas denominações: “cegueira verbal congênita”,

“dislexia congênita”, “estrefossimbolia”, “alexia do desenvolvimento”, “dislexia

constitucional”, “parte do contínuo das perturbações de linguagem, caracterizada

por um déficit no processamento verbal dos sons”...

Segundo Chiland (1973), somente na década de 1960, sob a influência das

correntes psicodinâmicas, foram minimizados os aspectos biológicos da dislexia,

atribuindo as dificuldades leitoras a problemas emocionais, afetivos e

“imaturidade”.

Em 1968, a Federação Mundial de Neurologia, utilizou pela primeira vez o

termo “Dislexia do Desenvolvimento” definindo-a como: “um transtorno que se

manifesta por dificuldades na aprendizagem da leitura, apesar das crianças serem


12

ensinadas com métodos de ensino convencionais, terem inteligência normal e

oportunidades socioculturais adequadas. Em 1994, O Manual de Diagnóstico e

Estatística de Doenças Mentais, DSM IV1, inclui a dislexia nas perturbações de

aprendizagem, utiliza a denominação de “Perturbação da Leitura e da Escrita” e

estabelece os seguintes critérios de diagnóstico :

1 - O rendimento na leitura/escrita, medido através de provas normalizadas,

situa-se substancialmente abaixo do nível esperado para a idade do sujeito,

quociente de inteligência e escolaridade própria para a sua idade;

2 - A perturbação interfere significativamente com o rendimento escolar, ou

atividades da vida quotidiana que requerem aptidões de leitura/escrita;

3 - Se existe um déficit sensorial, as dificuldades são excessivas em relação

às que lhe estariam habitualmente associadas.

Em 2003, a Associação Internacional de Dislexia adaptou a seguinte

definição: “Dislexia é uma incapacidade específica de aprendizagem, de origem

neurobiológica. É caracterizada por dificuldades na correção e/ou fluência na

leitura de palavras e por baixa competência leitora e ortográfica. Estas

dificuldades resultam de um Déficit Fonológico, inesperado, em relação às

outras capacidades cognitivas e às condições educativas. Secundariamente

podem surgir dificuldades de compreensão leitora, experiência de leitura

reduzida que pode impedir o desenvolvimento do vocabulário e dos

1
American Psychiatric Association. DSM IV: Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações
Mentais. Climepsi Editores, 1996.
13

conhecimentos gerais” Esta definição de dislexia é a atualmente aceita pela

grande maioria da comunidade científica.

Para Martins, (2004), a dislexia é um problema que se detecta em crianças

que sofrem dificuldades de leitura. Os testes psicopedagógicos, com uma relativa

precisão, diagnosticam as dificuldades de aprendizagem relacionadas à

linguagem.

Entende-se por dislexia “um conjunto de sintomas reveladores” de uma

disfunção parietal (o lobo do cérebro onde fica o centro nervoso da escrita),

geralmente hereditária, ou às vezes adquirida, que afeta a aprendizagem da

leitura num contínuo que se estende do leve sintoma ao sintoma grave.

A dislexia atinge crianças com dificuldades específicas de leitura e escrita.

Essas crianças são incapazes de ler com a mesma facilidade que seus colegas da

mesma idade, embora possuam inteligência normal, saúde e órgãos sensoriais

perfeitos, estejam em estado emocional considerado normal, tenham motivação

normal e instrução adequada.

Para Luczinski (2002, p. 134) Dislexia, é muito mais do que uma dificuldade

em leitura, embora muitas vezes, ainda lhe seja atribuído este significado

circunscrito. Refere-se à disfunção ou dano no uso de palavras. O prefixo “dys”,

vem do grego e significa imperfeita como disfunção, isto é, uma função anormal ou

prejudicada; “lexia”, do grego referente ao uso de palavras (não somente em

leitura). Dislexia começou a partir da decodificação do termo criado para nomear

essas específicas dificuldades de aprendizado; que foi eleito o significado latino

dys, como dificuldade; e lexia, como palavra.


14

Mas que é na decodificação do sentido da derivação grega de Dislexia, que

está à significação intrínseca do termo: dys, significando imperfeito como

disfunção, isto é, uma função anormal ou prejudicada; e lexia que, do grego, dá

significação mais ampla ao termo palavra, isto é, como Linguagem em seu sentido

abrangente.

De acordo com a ABD, (Associação Brasileira de Dislexia), ressalta

Luczinski (2002, p. 34) “a definição vem do grego e do latim: Dis, de distúrbio, vem

do latim, e Lexia, do grego, significa linguagem. Ou seja, Dislexia é uma disfunção

neurológica que apresenta como conseqüência dificuldades na leitura e escrita”.

Os Fonoaudiólogos especialistas em voz definem dislexia como a dificuldade

específica que afeta a aprendizagem da decodificação do sistema verbal escrito,

classificada entre as patologias de linguagem, mais especificamente de linguagem

escrita.

A dislexia persiste apesar da boa escolaridade. É necessário que pais e

educadores estejam cientes de que um alto número de crianças sofre de dislexia.

Caso contrário, eles confundirão dislexia com preguiça ou má disciplina. É normal

que crianças disléxicas expressem sua frustração por meio de mal-comportamento

dentro e fora da sala de aula. Portanto, pais e educadores devem saber identificar

os sinais que indicam que uma criança é disléxica - e não preguiçosa pouco

inteligente ou mal-comportada.

A dislexia é apresentada também como uma dificuldade de aprendizado do

nível básico e pode ser resultante da história de vida ou da estrutura

organizacional, porém não tendo sua origem na Linguagem. Criança que,


15

provavelmente, necessite de tratamento não lingüístico ou pré-linguístico. (apud

LUCZYNSKI, 2002, p. 134).

Dislexia também pode ser definida como dislexia do desenvolvimento ou de

evolução é uma desordem na aquisição da leitura e/ou escrita com competência

que acomete crianças com inteligência dentro dos padrões de normalidade, sem

deficiências sensoriais, isentas de comprometimento emocional significativo e com

oportunidades educacionais adequadas. (ELLIS, 1995)

Assim, pode-se afirmar que a dislexia evolutiva se caracteriza como um

transtorno específico nas operações envolvidas no reconhecimento das palavras

que compromete, em maior ou menor grau, a compreensão da leitura. É uma

dificuldade que pode interferir no registro, no processamento da informação ou na

elaboração da resposta, em crianças, jovens e adultos. (LUCZYNSKY, 2001)

Dislexia é uma específica dificuldade de aprendizado da Linguagem: em

Leitura, Soletração, Escrita, em Linguagem Expressiva ou Receptiva, em Razão e

Cálculo Matemáticos, como na Linguagem Corporal e Social. Não tem como

causa falta de interesse, de motivação, de esforço ou de vontade, como nada tem

a ver com acuidade visual ou auditiva como causa primária.

Dificuldades no aprendizado da leitura, em diferentes graus, é característica

evidenciada em cerca de 80% dos disléxicos. Dislexia é um jeito de ser e de

aprender; reflete a expressão individual de uma mente, muitas vezes arguta e até

genial, mas que aprende de maneira diferente. Como a criança disléxica aprende

de maneira diferente é necessário entender que o modo como a criança articula a

linguagem é fundamental para o sucesso da mesma na escola.


16

Na primeira infância os disléxicos apresentam os seguintes sintomas:

1 - atraso no desenvolvimento motor desde a fase do engatinhar, sentar e

andar;

2 - atraso ou deficiência na aquisição da fala, desde o balbucio á pronúncia

de palavras;

3 - parece difícil para essa criança entender o que está ouvindo;

4 - distúrbios do sono;

5 - enurese noturna;

6 - suscetibilidade à alergias e à infecções;

7 - tendência à hiper ou a hipo-atividade motora;

8 - chora muito e parece inquieta ou agitada com muita freqüência;

9 - dificuldades para aprender a andar de triciclo;

10 - dificuldades de adaptação nos primeiros anos escolares.

Pesquisas científicas neurobiológicas recentes concluíram que o sintoma

mais conclusivo acerca do risco de dislexia em uma criança, pequena ou mais

velha, é o atraso na aquisição da fala e sua deficiente percepção fonética.

Quando este sintoma está associado a outros casos familiares de

dificuldades de aprendizado - dislexia é, comprovadamente, genética, afirmam

especialistas que essa criança pode vir a ser avaliada já a partir de cinco anos e

meio, idade ideal para o início de um programa remediativo, que pode trazer as
17

respostas mais favoráveis para superar ou minimizar essa dificuldade.

A dificuldade de discriminação fonológica leva a criança a pronunciar as

palavras de maneira errada. Essa falta de consciência fonética, decorrente da

percepção imprecisa dos sons básicos que compõem as palavras, acontece, já, a

partir do som da letra e da sílaba. Essas crianças podem expressar um alto nível

de inteligência, "entendendo tudo o que ouvem", como costumam observar suas

mães, porque têm uma excelente memória auditiva.

Portanto, sua dificuldade fonológica não se refere à identificação do

significado de discriminação sonora da palavra inteira, mas da percepção das

partes sonoras diferenciais de que a palavra é composta. Esta a razão porque o

disléxico apresenta dificuldades significativas em leitura, que leva a tornar-se, até,

extremamente difícil sua soletração de sílabas e palavras. Por isto, sua tendência

é ler a palavra inteira, encontrando dificuldades de soletração sempre que se

defronta com uma palavra nova.

Desta forma, sendo a linguagem fundamental para o sucesso escolar ela

está presente em todas as disciplinas como instrumento de transmissão de

informações.

Por isso é necessário que o diagnóstico da dislexia seja precoce. Já nos

primeiros anos da Educação Infantil, entre 4 e 5 anos. Quando não se diagnostica

a dislexia ainda na Educação Infantil, os distúrbios de letras podem levar crianças

a apresentar perturbações de ordem emocional, afetiva e lingüística. Uma criança

disléxica encontra dificuldade para ler e as frustrações acumuladas podem

conduzir a comportamentos anti-sociais e uma situação de agressividade.


18

Por isso, como afirma Mário Ângelo Braggio, orientador educacional,

fundador e membro da diretoria da ABD (Associação Brasileira de Dislexia),

quanto mais cedo for detectada, melhores serão as possibilidade de uma

intervenção terapêutica ajudando a criança a se desenvolver melhor, sendo capaz

de driblar as dificuldades e desenvolver novas habilidades que possam fazer com

que ela não sofra tanto na escola ou em outras situações nas quais depende da

leitura e escrita.

O histórico de dificuldades na família e na escola poderá ser de grande

utilidade para profissionais como psicólogos, psicopedagogos e neuropsicólogos

que atuam no processo de reeducação lingüística das crianças disléxicas.

Os principais sintomas verificados são:

• No plano da linguagem, os disléxicos fazem confusão entre letras, sílabas

ou palavras com diferenças sutis de grafia, como "a-o", "h-n" e "e-d".

• As crianças disléxicas escrevem com letra muito defeituosa, de desenho

irregular, o que denota perda de concentração e de fluidez no raciocínio.

• As crianças disléxicas confundem letras com grafia similar, mas com

diferente orientação no espaço, como "b-d", "d-p", "b-q", "d-b", "d-q", "n-u" e

"a-e". A dificuldade pode acontecer ainda com letras que possuem um

ponto de articulação comum e cujos sons são acusticamente próximos,

como "d-t" e "c-q".

• inversões de sílabas ou palavras como "sol-los", "som-mos", bem como

para a adição ou omissão de sons como "casa-casaco", repetição de

sílabas, salto de linhas e soletração defeituosa de palavras..


19

Educadores devem estar atentos a dois importantes indicadores para o

diagnóstico precoce da dislexia: a história pessoal do aluno e as suas

manifestações lingüísticas nas aulas de leitura e escrita, pois, como esta é uma

síndrome geralmente detectada na infância, o papel do professor é muito

importante.

Ter o feeling de perceber algo errado com determinado aluno é essencial

para evitar traumas futuros. Porém o que muitas vezes acontece é a falta de

conhecimento sobre a dislexia que pode trazer avaliações distorcidas. Esse

quadro de dificuldade de leitura não tem cura, e acompanha uma pessoa por toda

a vida, do Ensino Fundamental até o Superior.

O professor é capaz de notar que o estudante não está enxergando bem no

dia-a-dia da sala de aula. O mesmo vale para a audição e outras deficiências,

como a própria dislexia ele pode perceber se a criança é inteligente, perspicaz,

criativa, tem facilidades assim como de perceber quando tem dificuldades ao ler,

escrever ou entender textos e contextos.

Com base em Calafange (2004), um dos principais sintomas da dislexia é a

leitura sem modulação, sobre o assunto, a autora descreve que a criança

apresenta, leitura lenta sem modulação, sem ritmo e sem domínio da

compreensão/interpretação do texto lido; confunde algumas letras; sérios erros

ortográficos; apresenta dificuldades de memória; dificuldades no manuseio de

dicionários e mapas; dificuldades de copiar do quadro ou dos livros; dificuldades

de entender o tempo: passado presente e futuro; tendência a uma escrita

descuidada, desordenada e às vezes incompreensível; não utilização de sinais de


20

pontuação/acentuação gramaticais; inversões, omissões, reiterações e

substituições de letras, palavras ou silabas na leitura e na escrita, problemas com

seqüenciações.

1.2 TIPOS DE DISLEXIA

Afirma Calafange (2004), que a dislexia existe em vários níveis:

• Dislexia Congênita ou Inata: é a Dislexia que nasce com o indivíduo.

Pode ter as mais variadas causas e tem características próprias como por

exemplo, uma comprovada alteração hemisférica cerebral, onde os

hemisférios encontram-se com tamanhos invertidos ou em tamanhos

exatamente iguais, quando o considerado normal é que o esquerdo seja

maior que o direito. Em conseqüência desta alteração, o indivíduo disléxico

tem pouca ou nenhuma habilidade para a aquisição de leitura/escrita,

geralmente não chega a ser alfabetizado e, quando o é, não consegue

ler/escrever por muito tempo e, quando termina de ler/escrever já não se

lembra de nada. Este tipo de Dislexia é incurável, deve ser tratada por uma

junta de profissionais, Tratamento Multidisciplinar, envolvendo sempre

Psicopedagogo, Neurologista e/ou Psiquiatra, dependendo da gravidade do

caso. Em casos onde haja também distúrbios de fala/audição, um

Fonoaudiólogo, caso haja dificuldades motoras e/ou de lateralidade, um

Psicomotricista e, neste caso, também é aconselhável que um Psicólogo

acompanhe o tratamento e desenvolva atendimento paralelo.


21

• Dislexia Adquirida: é a Dislexia que vem através de um acidente qualquer.

Como exemplo, temos "Anoxia Perinatal", "Anoxia" (falta de oxigenação no

cérebro) por afogamento, Acidente Vascular Cerebral e outros

acidentes/distúrbios que podem causar uma Dislexia Adquirida. Neste caso,

o indivíduo que antes lia e escrevia normalmente, passa a ter

períodos/fases de Dislexia. Nestes períodos, ele não consegue ler/escrever

ou o faz com muita dificuldade, tem falhas de memória e pode também

apresentar problemas de lateralidade. Dependendo do grau de dificuldade

que o indivíduo apresente é também necessário um Tratamento

Multidisciplinar, mas neste caso, é bem provável que somente o

Psicopedagogo e o Neuro ou Psiquiatra sejam solicitados. Caso o acidente

tenha afetado também a lateralidade, um Psicomotricista será necessário.

Se a fala/audição estiver comprometida, também o Fono e, assim por

diante. Neste caso, se o indivíduo já tinha uma profissão, deverá apenas

adaptar-se para enfrentar os períodos em que "estiver disléxico" e seguir

seu tratamento, podendo obter cura ou boa melhora, já que sua dislexia

não envolve alterações hemisféricas.

• Dislexia ocasional: É a Dislexia causada por fatores externos e que

aparece ocasionalmente. Pode ser causada por esgotamento do Sistema

Nervoso/estresse, excesso de atividades, e, em alguns casos considerados

raros por TPM e/ou hipertensão. Se este tipo de Dislexia for diagnosticado,

não há a necessidade de grandes tratamentos. Apenas repouso, talvez

umas boas férias, uma mudança de horários/rotina e tudo voltará ao


22

normal. Dentro destes tipos existem variações que parecem tornar cada

caso um caso, cada disléxico, único. Portanto não dá mais para admitir

generalizações.

Sobre generalizações Calafange (2004), também destaca que é preciso

parar definitivamente de imaginar que a Dislexia faça trocar letras. O que acontece

com o disléxico é que, na maioria dos casos, ele não identifica sinais

gráficos/letras ou qualquer código que caracterize um texto. Portanto ele não troca

letras porque seu cérebro sequer identifica o que seja letra. Inverte-se

letras/sílabas é simplesmente por nem saber o que são.

1.2.1 Principais causas

A partir de uma leitura atenta do histórico da dislexia, Ballone (2001),

ressalta que, a Dislexia tem sempre como causa primária a relação espacial

alterada, fazendo com que a criança não consiga decifrar satisfatoriamente os

códigos da escrita. O diagnóstico da Dislexia exige quase sempre uma equipe

multidisciplinar, formada por neurologista, psicólogo, psiquiatra e psicopedagogo.

Esta equipe tem a função básica de eliminar outras causas responsáveis pelas

trocas de letras e outras alterações de linguagem.

As causas da dislexia são neurobiológicas e genéticas. A dislexia é herdada

e, portanto, uma criança disléxica tem algum pai, avô, tio ou primo que também é

disléxico em alguns casos. Diferentemente de outras pessoas que não sofrem de

dislexia, disléxicos processam informações em uma área diferente de seu cérebro;

não obstante, os cérebros de disléxicos são perfeitamente normais.


23

A dislexia parece resultar de falhas nas conexões cerebrais. Felizmente,

existem tratamentos que curam a dislexia. Estes tratamentos buscam estimular a

capacidade do cérebro de relacionar letras aos sons que as representam e,

posteriormente, ao significado das palavras que elas formam.

Alguns pesquisadores acreditam que quanto mais cedo é tratada a dislexia,

maior a chance de corrigir as falhas nas conexões cerebrais da criança. Em outras

palavras, a dislexia, se tratada nos primeiros anos de vida da criança, pode ser

curada por completo.


24

CAPITULO 2: MÉTODOS DE ENSINO DA LEITURA

2.1 A PANLEXIA

De acordo com LUCZYNSKI (2007) Panlexia é um método de orientação

diagnóstica e um programa abrangente de assistência pedagógica ao indivíduo

disléxico. É o resultado de longos anos de pesquisas e experiências

compartilhadas por diferentes fontes de informação. E se torna interessante

perceber que muitas dessas influências vieram do trabalho cooperativo de

profissionais ligados a domínios nos quais crianças disléxicas eram observadas e

assistidas.

Dentre as primeiras influências que alicerçaram a construção progressiva

do Método PANLEXIA, destaca-se o trabalho de um professor de lingüística da

Yale University, Leonard BLOOMFIELD, cujo filho era disléxico. Ele formulou o

conceito de que seria melhor ensinar leitura a estudantes disléxicos, através da

introdução de elementos consistentes do idioma escrito primeiramente, e só então,

depois de estabelecidas essas conexões, ir acrescentando, paulatinamente, os

padrões menos comuns de soletração.

Ele deu o nome de "Lingüística Estruturada" a essa forma de abordagem

pedagógica. E desde então (1933), muitos pesquisadores vêm investigando os

inúmeros aspectos da Dislexia e diferentes programas remediativos de ensino têm


25

sido publicados nos Estados Unidos. Luczynski (2007), enfatiza que já na década

de 1960, o Dr. Jesse GRIMES, Ph. D da Harvard University, foi convidado pelas

Escolas Públicas Newton, em Newton, Massachusetts, EUA, para investigar qual

seria o melhor dentre os três métodos de iniciação à leitura que eram, então,

formas típicas de ensino utilizadas em programas de leitura: fonético -

visual/global – lingüístico estruturado.

Essa pesquisa realizada pelo Dr. Grimes incluiu 30 salas de aula,

envolvendo 10 classes em cada uma das três abordagens típicas de leitura, e foi

desenvolvida com a seguinte orientação prognóstica: bons leitores - leitores em

nível médio - pobres leitores.

A avaliação do resultado dessa pesquisa deixou claro que a Leitura

Lingüística Estruturada obteve os melhores resultados em todas as categorias.

Entretanto, desde que nessa abordagem lingüística foram incluídos métodos

específicos de ensino desenvolvidos e supervisionados pelo Dr.Grimes, e não tão

somente a técnica de leitura segmentada em elementos lingüísticos, seus

resultados foram ignorados àquela época.

Em virtude disso, não ficou estabelecido o conceito de que o ensino da

leitura em séries lingüísticas era mais eficiente em si, e por si mesmo. Porém,

ficou evidenciado que os métodos de ensino de leitura desenvolvidos pelo Dr.

Grimes, constituíam-se na chave-mestra do grande sucesso do Programa

Estruturado em Leitura Lingüística.

O filho e o neto do Dr Grimes eram disléxicos, e ele desenvolveu esses

métodos de ensino para ajudá-los no aprendizado da leitura. Ele havia sido

treinado, inicialmente, em métodos baseados em técnicas Orton-Gillinghan de


26

ensino para estudantes disléxicos, porém desenvolveu e aprimorou outras

técnicas que ele comprovou serem essenciais para ensinar o disléxico a ler.

Dentre essas técnicas está incluído o treinamento para desenvolvimento da

consciência fonológica, que somente nos últimos poucos anos têm sido

reconhecido por pesquisadores famosos como um componente-chave do sucesso

alcançado no aprendizado de leitura e soletração. Essas técnicas pedagógicas

com base em ensino terapêutico em lingüística estruturada, em que está

alicerçado o Método Panlexia, tiveram comprovada sua eficiência para ensinar o

disléxico.

2.2 A ROTA FONOLÓGICA

A partir do estudo de crianças em aquisição de leitura e escrita e de

pacientes neurológicos com distúrbios em tal aquisição, diversos pesquisadores,

como Frith (1990) e Morton (1989), descreveram os três estágios pelos quais a

criança passa no processo de domínio da linguagem escrita: logográfico,

alfabético e ortográfico.

No estágio logográfico, a criança trata a palavra escrita como se fosse

uma representação pictoideográfica e visual do referente, não atentando à sua

característica alfabética, ou seja, ao código de correspondências entre letras e

combinações de letras (grafemas) e seus respectivos sons da fala (fonemas).

Neste estágio, a leitura consiste no reconhecimento visual global de algumas

palavras comuns que a criança encontra com grande freqüência, como seu próprio

nome e os nomes de comidas, bebidas e lugares impressos em rótulos e cartazes.


27

A escrita também se resume a uma produção visual global, sendo que a

escolha e a ordenação das letras ainda não estão sob controle dos sons da fala. A

manutenção de tal estratégia de leitura logográfica exigiria muito da memória

visual e acabaria levando a uma série crescente de erros grosseiros, como trocas

de palavras (paralexias) visualmente semelhantes. Frente ao crescente contato

com material escrito e às instruções sobre a linguagem escrita, a criança começa

a ingressar no segundo estágio, o alfabético.

No estágio alfabético, as relações entre o texto e a fala se fortalecem e,

com o desenvolvimento da rota fonológica. Neste estágio, a criança aprende o

princípio da decodificação na leitura (isto é, a converter as letras do texto escrito

em seus sons correspondentes) e o da codificação na escrita (converter os sons

da fala ouvidos ou apenas evocados em seus grafemas correspondentes). De

início, tal processo é muito lento e a criança tende a cometer erros na leitura e

escrita de palavras em que há irregularidade nas relações entre letras e sons.

No entanto, à medida que a criança tem maior contato com a leitura e a

escrita, ela vai se tornando cada vez mais rápida e fluente em tais habilidades, e

vai cometendo cada vez menos erros envolvendo as palavras irregulares, desde

que as encontre com uma certa freqüência. Com a prática, a criança não apenas

deixa de hesitar, como também passa a processar agrupamentos de letras cada

vez maiores, em vez das letras individuais, chegando a processar palavras inteiras

se estas forem muito comuns e lendo-as de memória. Neste ponto, a criança está

deixando o segundo estágio e entrando no terceiro, o ortográfico.

No estágio ortográfico, a criança aprende que há palavras que envolvem


28

irregularidade nas relações entre os grafemas e os fonemas. Ela aprende que é

preciso memorizar essas palavras para que possa fazer uma boa pronúncia na

leitura e uma boa produção ortográfica na escrita. Tendo já passado pelo estágio

alfabético, em que aprendeu as regras de correspondência entre grafemas e

fonemas, agora, no estágio ortográfico, a criança pode concentrar-se na

memorização das exceções às regras (isto é, na ortografia das palavras

grafofonemicamente irregulares), na análise morfológica das palavras que lhe

permite apreender seu significado, e no processamento cada vez mais avançado

da sintaxe do texto. Neste ponto, seu sistema de leitura pode ser considerado

completo e maduro, conseguindo ler as palavras familiares com cada vez maior

rapidez e fluência, por meio do reconhecimento visual direto (isto é, pela estratégia

lexical).

É importante ressaltar que, ao chegar a este último estágio, só porque a

criança passa a ser capaz de fazer uso da estratégia lexical, não significa que ela

abandone as estratégias anteriores. Em verdade, as três estratégias de leitura

ficam disponíveis o tempo todo à criança, sendo que ela aprende a fazer uso da

estratégia que se revelar mais eficaz para um ou outro tipo de material de leitura e

escrita.

De acordo com os estudiosos a rota fonológica que predomina no segundo

estágio, o alfabético, é essencial para o desenvolvimento da leitura. E, para que a

rota fonológica seja competente, é essencial a consciência de que a fala tem uma

estrutura fonêmica subjacente. Isto porque, quando a criança consegue perceber

que a fala é segmentável em sons e que esses sons são mapeados pela escrita,
29

ela passa a usar um sistema gerativo que converte a ortografia em fonologia, o

que possibilita a leitura de qualquer palavra nova, desde que envolva

correspondências grafofonêmicas regulares.

Esta geratividade, característica das ortografias alfabéticas, permite a auto-

aprendizagem pelo leitor, pois, ao se deparar com uma palavra nova, ele a lerá

por decodificação fonológica. Tal processo aos poucos contribuirá para criar uma

representação ortográfica daquela palavra. É a constituição dessa representação

ortográfica que permite com que tal palavra, daí por diante, possa ser lida pela

rota lexical. Logo, essencialmente, é o próprio processo fonológico, que depende

da consciência fonológica, que permitirá anteriormente a leitura e a escrita lexicais

competentes.

Assim, como a consciência fonológica e a decodificação são pré-requisitos

para o domínio da linguagem escrita, pessoas com dificuldades para desenvolver

a consciência fonológica (como ocorre com grande parte dos disléxicos)

apresentam dificuldades na alfabetização.

Diversas pesquisas têm buscado desenvolver procedimentos para avaliação

de leitura, escrita e habilidade relacionadas, bem como de intervenção em

dificuldades com a linguagem escrita. Nosso grupo de pesquisa tem

disponibilizado instrumentos de avaliação e de intervenção. Os procedimentos de

intervenção encontram-se disponibilizados em Capovilla e Capovilla (2005, 2004,

2003).

Quanto aos procedimentos de avaliação, estudos têm mostrado que as

habilidades de consciência fonológica, especialmente manipulação e transposição


30

silábicas e fonêmicas, e a consciência sintática, que avalia a capacidade da

criança de refletir sobre a sintaxe da língua, são as mais fortemente

correlacionadas com a habilidade de leitura (Demont, 1997). Muter, Snowling e

Taylor (1994) apontaram as tarefas de consciência fonológica, especialmente

segmentação fonêmica e rima, e tarefas de conhecimento de letras. Outros

estudos mostraram a importância de se avaliar também memória fonológica de

curto-prazo (Hulme & Roodenrys, 1995), discriminação auditiva (Masterson,

Hazan & Wijayatilake, 1995), nomeação de figuras (Locke, 1980) e repetição de

palavras e pseudopalavras (Vance, 2004). Dentre os instrumentos disponíveis no

Brasil, pode-se citar:

 Teste de Competência de Leitura de Palavras (Capovilla, Viggiano,

Capovilla, Raphael, Mauricio, & Bidá, 2004);

 Teste de Competência de Leitura de Sentenças (Capovilla, Viggiano,

Capovilla, Raphael, Bidá, Neves, & Mauricio, 2005).

 Prova de Consciência Fonológica por Produção Oral (Capovilla &

Capovilla, 1998, 2000): avalia a habilidade das crianças de manipular sons da

fala, expressando oralmente o resultado dessa manipulação.

 Prova de Consciência Sintática (Capovilla, Soares & Capovilla, 2004):

avalia as habilidades de julgamento gramatical, correção gramatical, correção

gramatical de frases agramaticais e as semânticas e categorização de

palavras.

 Teste de Vocabulário por Imagens Peabody (Capovilla & Capovilla,


31

1997): avalia as habilidades de compreensão de vocabulário, de crianças

entre 2 a 6 meses até 18 anos de idade.

 Lista de Avaliação de Vocabulário Expressivo (Capovilla & Capovilla,

1997): avalia vocabulário expressivo, quais palavras uma criança fala,

destinada a crianças a partir de 2 anos de idade, com o objetivo de avaliar

atraso de linguagem.

Ao usar procedimentos de avaliação e de intervenção cientificamente

validados, os profissionais da educação poderão acompanhar o desenvolvimento

da leitura e da escrita em crianças, bem como detectar e intervir de forma mais

eficaz no desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem.

Estudos realizados demostraram que os métodos de intervenção são

eficientes e devem ser aplicados às crianças disléxicas que apresentam

dificuldades na memória auditiva e visual bem como dificuldade de automatização

Os métodos de ensino multissensoriais ajudam as crianças a aprender utilizando

mais do que um sentido, enfatizam os aspectos cinestésicos da aprendizagem

integrando o ouvir e o ver, com o dizer e o escrever. A Associação Internacional

de Dislexia promove ativamente a utilização dos métodos multissensoriais e indica

os princípios e os conteúdos educativos a ensinar:

• Aprendizagem Multissensorial: A leitura e a escrita são atividades

multissensoriais. As crianças têm que olhar para as letras impressas,

dizer, ou subvocalizar, os sons, fazer os movimentos necessários à

escrita e usar os conhecimentos lingüísticos para aceder ao sentido das

palavras.
32

• Os Métodos Fonomímicos-Multissensoriais utilizam simultaneamente

os diversos sentidos. As crianças ouvem e reproduzam os fonemas,

memorizam as lengalengas e os gestos que lhes estão associados

ativando assim em simultâneo as diferentes vias de acesso ao cérebro.

Os diversos neurônios estabelecem interligações entre si facilitando a

aprendizagem e a memorização.

• Estruturado e Cumulativo: A organização dos conteúdos a aprender

segue a seqüência do desenvolvimento lingüístico e fonológico. Inicia-se

com os elementos mais fáceis e básicos e progride gradualmente para

os mais difíceis. Os conceitos ensinados devem ser revistos

sistematicamente para manter e reforçar a sua memorização.

• Ensino Direto, Explícito: Os diferentes conceitos devem ser ensinados

direta, explícita e conscientemente, nunca por dedução.

• Ensino Diagnóstico: Deve ser realizada uma avaliação diagnóstica das

competências adquiridas e a adquirir.

• Ensino Sintético e Analítico: Devem ser realizados exercícios de

ensino explícito da “Fusão Fonêmica”, “Fusão Silábica”, “Segmentação

Silábica” e “Segmentação Fonêmica”.

• Automatização das Competências Aprendidas: As competências

aprendidas devem ser treinadas até à sua automatização, isto é, até à

sua realização, sem atenção consciente e com o mínimo de esforço e de


33

tempo. A automatização irá disponibilizar a atenção para aceder à

compreensão do texto.

O disléxico tem um ritmo diferente dos não-disléxicos. Portanto, é preciso

evitar submetê-lo a pressões de tempo ou competição com os colegas. É

importante estimulá-lo e fazer com que acredite na sua capacidade.

A criança disléxica deve ser avaliada por uma equipe multidisciplinar,

composta por vários profissionais de diversas áreas. Após um diagnóstico, o

professor deve usar diferentes estratégias até mudar o método de ensino para

adaptá-la objetivando uma melhoria da aprendizagem do aluno com dislexia.

Não é o aluno que necessita se adaptar a apreensão do conhecimento, mas

o sistema escolar necessita se moldar ao problema buscando juntamente com a

comunidade escolar, diferentes meios para que o processo de ensino-

aprendizagem se concretize de forma a não discriminar o disléxico. A

compreensão e a parceria são essenciais para garantir esse direito garantido por

lei.
34

CAPITULO 3: A DISLEXIA E AS DIFICULDADES COM A LEITURA

A Dislexia é uma síndrome que acomete o ser humano. Porém, é

perfeitamente possível, que ele desenvolva-se e tenha uma aprendizagem

satisfatória. Para isso é preciso ter sensibilidade em lidar com o educando com

dificuldades de leitura.

Quando se fala em dislexia, existem dois componentes que devem ser

levados em conta: ler e compreender o texto. Quem tem dificuldade de leitura, tem

problemas em ler um texto em voz alta e, conseqüentemente, em compreendê-lo.

É importante que os professores dêem atenção especial a esses indivíduos,

que fiquem atentos aos sintomas da dislexia como dificuldades na leitura e escrita,

Pessoas cem dislexia têm dificuldade de leitura e, conseqüentemente, levam mais

tempo para ler, interpretar e resolver os enunciados. A pessoa disléxica é capaz

de ler, mas não é capaz de entender o que lê de maneira eficiente.

Têm sido formuladas diversas teorias em relação aos processos cognitivos

responsáveis por estas dificuldades. Nos estudos sobre as causas das

dificuldades leitoras a hipótese aceita pela grande maioria dos investigadores, é a

hipótese do Déficit Fonológico defendidas por estudiosos como Muter, Snowling

e Taylor (1994). Outros mostraram a importância da memória fonológica como


35

Hulme & Roodenrys (1995), Masterson, Hazan & Wijayatilake (1995), Locke

(1980) e Vance (2004).

De acordo com esta hipótese, a dislexia é causada por um déficit no

sistema de processamento fonológico motivado por a uma “disfunção” no sistema

neurológico cerebral, ao nível do processamento fonológico. Este Déficit

Fonológico dificulta a discriminação e processamento dos sons da linguagem, a

consciência de que a linguagem é formada por palavras, as palavras por sílabas,

as sílabas por fonemas e o conhecimento de que os caracteres do alfabeto são a

representação gráfica desses fonemas.

A leitura integra dois processos cognitivos distintos e indissociáveis: a

decodificação (a correspondência grafonemica) e a compreensão da mensagem

escrita. Para que um texto escrito seja compreendido tem que ser lido primeiro,

isto é, descodificado. O déficit fonológico dificulta apenas a decodificação. Todas

as competências cognitivas superiores, necessárias à compreensão estão

intactas: a inteligência geral, o vocabulário, a sintaxe, o discurso, o raciocínio e a

formação de conceitos.

Sally Shaywitz et al, (1998) estudaram o funcionamento do cérebro, durante

as tarefas de leitura e identificaram três áreas, no hemisfério esquerdo, que

desempenham funções chave no processo de leitura: o girus inferior frontal, a área

parietal-temporal e a área occipital-temporal.


36

FIGURA 01- Áreas de processamento da leitura no cérebro

A região inferior-frontal é a área da linguagem oral. É a zona onde se

processa a vocalização e articulação das palavras, onde se inicia a análise dos

fonemas. A subvocalização ajuda a leitura fornecendo um modelo oral das


37

palavras. Esta zona está particularmente ativa nos leitores iniciantes e disléxicos.

A região parietal-temporal é a área onde é feita a análise das palavras.

Realiza o processamento visual da forma das letras, a correspondência grafo-

fonêmica, a segmentação e a fusão silábica e fonêmica. Esta leitura analítica

processa-se lentamente, é a via utilizada pelos leitores iniciantes e disléxicos.

A região occipital-temporal é a área onde se processa o reconhecimento

visual das palavras, onde se realiza a leitura rápida e automática. É a zona para

onde convergem todas as informações dos diferentes sistemas sensoriais, onde

se encontra armazenado o “modelo neurológico da palavra”. Este modelo contém

a informação relevante sobre cada palavra, integra a ortografia “como parece”, a

pronúncia “como soa”, o significado “o que quer dizer”. Quanto mais

automaticamente for feita a ativação desta área, mais eficiente é o processo leitor.

Os leitores eficientes utilizam este percurso rápido e automático para ler as

palavras. Ativam intensamente os sistemas neurológicos que envolvem a região

parietal-temporal e a occipital-temporal e conseguem ler as palavras

instantaneamente (em menos de 150 milésimos de segundo).

Os leitores disléxicos utilizam um percurso lento e analítico para

descodificar as palavras. Ativam intensamente o girus inferior frontal, onde

vocalizam as palavras, e a zona parietal-temporal onde segmentam as palavras

em sílabas e em fonemas, fazem a tradução grafo-fonêmica, a fusão fonêmica e

as fusões silábicas até aceder ao seu significado. Os diferentes sub-sistemas

desempenham diferentes funções na leitura. O modo como são ativados depende

das necessidades funcionais dos leitores ao longo do seu processo evolutivo.


38

As crianças com dislexia apresentam uma “disfunção” no sistema

neurológico que dificulta o processamento fonológico e o conseqüente acesso ao

sistema de análise das palavras e ao sistema de leitura automática. Para

compensar esta dificuldade utilizam mais intensamente a área da linguagem oral,

região inferior-frontal, e as áreas do hemisfério direito que fornecem pistas visuais.

A leitura é uma competência cultural específica que se baseia no

conhecimento da linguagem oral, é, contudo uma competência com um grau de

dificuldade muito superior à da linguagem oral.

A linguagem existe há cerca de 100 mil anos, faz parte do nosso patrimônio

genético. Aprende-se a falar naturalmente sem necessidade de ensino explícito.

Os sistemas de escrita, sendo produtos da evolução histórica e cultural, são

relativamente recentes na história da humanidade, existem apenas há cerca de 5

mil anos.

A escrita utiliza um código gráfico que necessita ser ensinado

explicitamente. Para decifrar o código escrito, é necessário tornar consciente e

explícito, o que na linguagem oral era um processo mental implícito.

Para Sally Shaywitz et al, (1998), os processos cognitivos envolvidos na

produção e compreensão da linguagem falada diferem significativamente dos

processos cognitivos envolvidos na leitura e na escrita. Aprender a ler não é um

processo natural. Contrariamente à linguagem oral a leitura não emerge

naturalmente da interação com os pais e os outros adultos, por mais estimulante

que seja o meio a nível cultural. Para aprender a ler é necessário ter uma boa

consciência fonológica, isto é, o conhecimento consciente de que a linguagem é


39

formada por palavras, as palavras por sílabas, as sílabas por fonemas e que os

caracteres do alfabeto representam esses fonemas.

Para os autores, a consciência fonológica é uma competência difícil de

adquirir, porque na linguagem oral não é perceptível a audição separada dos

diferentes fonemas. Quando ouvimos a palavra “pai” ouvimos os três sons

conjuntamente e não três sons individualizados. Para ler é necessário conhecer o

princípio alfabético, saber que as letras do alfabeto têm um nome e representam

um som da linguagem, saber encontrar as correspondências grafo-fonêmicas,

saber analisar e segmentar as palavras em sílabas e fonemas, saber realizar as

fusões fonêmicas e silábicas e encontrar a pronúncia correta para aceder ao

significado das palavras.

Para realizar uma leitura fluente e compreensiva é ainda necessário realizar

automaticamente estas operações, isto é, sem atenção consciente e sem esforço.

A capacidade de compreensão leitora está fortemente relacionada com a

compreensão da linguagem oral, com o possuir um vocabulário oral rico e com a

fluência e correção leitora. Todas as competências têm que ser integradas através

do ensino e da prática. As dificuldades na aprendizagem da leitura têm origem na

existência de um déficit fonológico. As crianças com dislexia embora falem

utilizando palavras, sílabas e fonemas, não têm um conhecimento consciente

destas unidades lingüísticas, apresentam um déficit a nível da consciência dos

segmentos fonológicos da linguagem, um déficit fonológico.

Sendo a dislexia como uma perturbação da linguagem, que tem na sua

origem dificuldades a nível do processamento fonológico podem observar-se


40

algumas manifestações antes do início da aprendizagem da leitura. Existem

alguns sinais que podem indiciar dificuldades futuras. Se esses sinais forem

observados e se persistirem ao longo de vários meses os pais devem procurar

uma avaliação especializada. A intervenção precoce é provavelmente o fator mais

importante na recuperação dos leitores disléxicos. A identificação e intervenção

precoce são o segredo do sucesso na aprendizagem da leitura. A identificação de

um problema é a chave que permite a sua resolução. Quanto mais cedo um

problema for identificado mais rapidamente se pode obter ajuda.

Como já referido acima os resultados dos estudos de Sally Shaywitz et aL

(1998) provam que é possível “reorganizar” os circuitos neurológicos se for

implementado um programa reeducativo concebido com base nos novos

conhecimentos neurocientíficos. Os novos conhecimentos sobre o modo como os

leitores iniciantes aprendem a ler e sobre os déficits que impedem o sucesso

nesta aprendizagem tiveram implicações importantes nas práticas educativas.

Atualmente verifica-se um grande consenso quer em relação aos princípios

orientadores, estratégias educativas, quer em relação aos conteúdos, o que

ensinar.

Enfim, leitura e escrita são uma coisa só, um gesto de descoberta e de

aprofundamento, através da expressão escrita podem oferecer a possibilidade de

o leitor produzir matéria-prima para criar mundos para si. São uma aventura que

não estará nunca refletida no boletim escolar, mas no reconhecimento do que se

ganhou, do que se aproveitou e se ampliou na existência. Nesse sentido, Gardner

(1994), sugere uma reflexão que pode contribuir para as práticas pedagógicas. Se
41

os processos mentais põem em funcionamento as operações centrais da

linguagem, não há como desconsiderar tal expediente no circuito escolar, já que

ele pode oferecer benefícios ao desenvolvimento das potencialidades lingüísticas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A convivência em sala de aula com crianças que apresentam distúrbio de

leitura exige, inegavelmente, um nível de preparo mais especifico do professor,

que vai além dos níveis atuais. O professor precisa ter consciência da

necessidade de se conhecerem as possibilidades e limites do portador de déficits

de linguagem, procurando ampliar-lhe, assim, o potencial.

Pensando neste aspecto, decidiu-se elaborar um estudo que enfocasse

esta situação. Com esta pesquisa descobriu-se os principais aspectos do distúrbio

de aprendizagem dislexia, assim o estudo foi focado nas dificuldades de alunos e

professores, já que são esses os maiores prejudicados.

O objetivo principal foi descrever os pontos principais da dislexia, bem como

enfatizar suas causas, sintomas e as intervenções possíveis para esta dificuldade

de aprendizagem especificando o que é a dislexia, quais seus principais sintomas,

causas, assim como, descrever as principais formas de intervenções que

educadores podem utilizar em sala de aula para melhorar a capacidade de leitura,

escrita e interpretação textual destes educandos.

O uso de instrumentos diferenciados para a avaliação da leitura e escrita

pode apresentar vantagens para a realização de um diagnóstico diferencial e

preventivo de transtornos relacionados a Dislexia e as dificuldades de

interpretação textual.
42

É necessário estabelecer um panorama das condições de aprendizagem

dos alunos com tais dificuldades visando um bom desempenho dos mesmos em

sua vida escolar, uma vez que, a Dislexia não é causada por fatores ambientais,

mas necessita das condições em que o disléxico está inserido.

Portanto, uma educação que reconheça as dificuldades específicas destes

educandos pode contribuir para o seu desenvolvimento associando um tratamento

interdisciplinar, a escola e a família, instituições que exercem um papel

fundamental para que a dislexia não se torne mais um fator de impedimento no

crescimento acadêmico.

O professor é indispensável neste caminho, pois é ele quem identifica o

distúrbio, em um primeiro momento, e pode assim, compreender e auxiliar esses

indivíduos em seu processo educativo.

Desta forma, os resultados deste estudo poderão auxiliar no conhecimento

e na compreensão dos melhores métodos de intervenção de ensino para crianças

com dislexia e dificuldades interpretativas.


43

REFERENCIAS

AGUIAR, Vera Teixeira de (Org.). Era uma vez... na escola: formando


educadores para formar leitores. Belo Horizonte: Formato, 2001.

Ballone, G. J. Linguagem. In: PsiqWeb Psiquiatria Geral, Internet, 2001 -


disponível em http://www.psiqweb.med.br/cursos/linguag.html. Acesso em 02 de
abril de 2010.

Byrne, B., & Fielding-Barnsley, R. Phonemic. Awareness and letter knowledge. In:
The child's acquisition of the alphabetic principle. Journal of Educational
Psychology, 81, 313-321. 1989.

CALAFANGE, Selene. Dislexia, um desafio do processo de ensino


aprendizagem. Disponível em www.internewwws.com.br. Acesso em 02 de abril
de 2010.

Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições


clínicas e diretrizes diagnósticas. Organização Mundial de Saúde (Org.). Porto
Alegre: Artes Médicas, 1993.

CAPOVILLA, A. G. S., & CAPOVILLA, F .C. O desenvolvimento da consciência


fonológica durante a alfabetização. Temas sobre Desenvolvimento, 6(36), 15-
21.1997.

_______________________________. Prova de Consciência Fonológica:


desenvolvimento de dez habilidades da pré-escola à segunda série. Temas
sobre Desenvolvimento, 7(37), 14-20. 1998.

_______________________________. Problemas de leitura e escrita: Como


identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica. 2a. ed. São Paulo,
SP: Memnon, Edipusp, Fapesp. 2003.

_______________________________. Alfabetização: método fônico. 3a. ed.


São Paulo, SP: Memnon, Fapesp, CNPq. 2004.

_______________________________. Alfabetização fônica: construindo


competência de leitura e escrita. 2a. ed. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
2005.
44

CAPOVILLA, A. G. S., SOARES, J. V. T., & CAPOVILLA, F. C. Consciência


sintática no ensino fundamental: correlações com consciência fonológica,
vocabulário, leitura e escrita. PsicoUSF, 9(1), 39-47. 2004.

CAPOVILLA, F. C., VIGGIANO, K., CAPOVILLA, A. G. S., RAPHAEL, W.,


MAURICIO, A. & BIDÁ, M. Como avaliar o desenvolvimento da competência
de leitura de palavras em surdos do ensino fundamental ao médio, e analisar
processos de reconhecimento e decodificação: Teste de Competência de
Leitura de Palavras. Em F. Capovilla, & W. Raphael (Orgs.), Enciclopédia da
Língua de Sinais Brasileira: O mundo do surdo em Libras, Vol. 1 (pp. 297680) São
Paulo, SP: Edusp e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 2004.

CAPOVILLA, F. C., VIGGIANO, K., CAPOVILLA, A. G. S., RAPHAEL, W., BIDÁ,


M., NEVES, M. & MAURICIO, A. Como avaliar o desenvolvimento da
compreensão de leitura de sentenças em surdos do ensino fundamental ao
médio, e analisar processamento sintático para extração de significado:
Versão original validada e normatizada do Teste de Competência de Leitura
de Sentenças. Em F. C. Capovilla, & W. D. Raphael (Orgs.), Enciclopédia da
Língua de Sinais Brasileira: O mundo do surdo em Libras, Vol. 3 (pp. 405857). São
Paulo, SP: Edusp. 2005.

CAPOVILLA, F. C.; VIGGIANO, K. Q.; CAPOVILLA, A. G. S.; RAPHAEL, W. D.;


BIDÁ, M. R. & MAURICIO, A. C. Como avaliar o desenvolvimento da
compreensão de sinais da Libras em surdos de 1a.a 8a.série do ensino
fundamental: Versão 1.1 do Teste de Vocabulário Receptivo de Sinais da
Libras, validada e normatizada para aplicação com sinalização ao vivo. Em F.
Capovilla & W. Raphael (Orgs.), Enciclopédia da Língua de Sinais Brasileira: O
mundo do surdo em Libras, Vol. 2 (pp. 285-827). São Paulo: Edusp e Imprensa
Oficial do Estado de São Paulo. 2004.

CHILAND, C. La Maladie nommée dyslexie existe-t-elle? In: L’enfant de 6 ans et


son avenir. Puf, 1973, vol. 1: 203-48.

DEMONT, E. Consciência fonológica, consciência sintática: que papel (ou papéis)


desempenha na aprendizagem eficaz da leitura? In: J. Gregóire & B. Piérart
(Orgs.). Avaliação dos problemas de leitura: novos modelos teóricos e suas
implicações diagnósticas. (pp. 189-202). Porto Alegre, RS: ArtMed. 1997.

ELLIS, A.W. Leitura, escrita e dislexia: uma análise cognitiva. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1995.

FERNÁNDEZ. A. A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica


clínica da criança e da família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas.


Porto Alegre: Artmed, 1994.
45

GONÇALVES FILHO, Antenor Antunes. Língua portuguesa e literatura


brasileira. São Paulo: Cortez, 1991.

HULME, C. & SNOWLING, M. Dyslexia: Biology, Cognition and Intervention.


London, UK: Whurr Publishers Ltd. (1997)

HULME, C. ROODENRYS, S. Verbal working memory development and its


disorders. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 36, 373 –98. 1995.

JONHSON, D.; MYKELEBUST, H. Distúrbios de aprendizagem. São Paulo:


Pioneira, 1987.

LEITE, Lígia Chiappini de Moraes. Gramática e literatura: desencontros e


esperanças. In: GERALDI, João Wanderley (org.) O texto na sala de aula. São
Paulo: Atica, 1997.

LOCKE, J. The inference of speech perception in the phonologically


disordered child. Part II: Some clinically novel procedures, their use, some
findings. Journal of Speech and Hearing Disorders, 45, 445-468. 1980.

LUCZYNSKI, Z. B. Panlexia: histórico do método. Disponível em


www.dislexia.com.br. Acesso em 02 de abril de 2010.

MARTINS, Vicente. Dislexia e o projeto genoma humano. Disponível em


www.prosaber.com.br. Acesso em 02 de abril de 2010.

MASTERSON, J., HAZAN, V., WIJAYATILAKE, L. Phonemic processing problems.


In developmental phonological dyslexia. Cognitive Neuropsychology, 12(3),
233-259. 1995.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA.


Orientações curriculares para o ensino médio: Linguagens, códigos e suas
tecnologias. Brasília, 2006.

MIRANDA, M. I. Crianças com problemas de aprendizagem na alfabetização:


contribuições da teoria piagetiana. Araraquara, SP: JM Editora, 2000.

MOOJEN, S. Dificuldades ou transtornos de aprendizagem? In: Rubinstein, E.


(Org.). Psicopedagogia: uma prática, diferentes estilos. São Paulo: Casa do
Psicólogo, 1999.

MUTER, V., SNOWLING, M., TAYLOR, S. Orthographic analofies and


phonological awareness: Their role and significance. In early reading
development. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 35, 293-310. 1994.

PRINGLE-MORGAN W. A case of congenital word blindness. British Medical


Journal, 1896; 2: 1378.
46

ROMERO, J. F. Os atrasos maturativos e as dificuldades de aprendizagem. In:


COLL. C., PALACIOS, J., MARCHESI, A. Desenvolvimento psicológico e
educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1995, v. 3.

SANCHEZ, Emilio. A Aprendizagem da leitura e seus problemas. In: COLL,


PALACIOS, MARCHESI (Org). Desenvolvimento Psicológico e Educação.
Porto Alegre, Artes Médicas: 1995.

SERRANO, Graciete. Dislexia, uma nova abordagem terapêutica. Disponível


em www.abd.org.br. Acesso em 02 de abril de 2010.

VANCE, M. Avaliação da habilidade de processamento da fala nas crianças. In: M.


Snowling & J. Stackhouse (Eds.). Dislexia, fala e linguagem (pp.57-73). Porto
Alegre, RS: Artes Médicas. 2004.

VARELLA, Drauzio. Dislexia. Disponível em


www.drauziovarella.com.br/entrevistas/dislexiaII6.asp>. As máquinas ficam mais
inteligentes e nós? . Acesso em 02 de abril de 2010.

ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 2003.