Você está na página 1de 12

Material Digital do Professor

Língua Portuguesa – 9º ano


4º bimestre – Gabarito

1. Observe a colocação pronominal neste trecho da obra Carolina, de Casimiro de Abreu, escrita em
1856.

— Ora diz-me a verdade, Augusto, sempre partes amanhã? disse a jovem a


seu companheiro, com uma voz suave como teriam os anjos, se eles falassem.

— Não me acreditas, Carolina? Para que te havia de eu enganar?


(Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua00069a.pdf.
Acesso em: 17/9/2018.)

A linguagem usada nessa conversa de um casal de namorados está de acordo com a linguagem
utilizada à época em que o livro foi escrito. Caso o diálogo fosse escrito nos dias de hoje e tivesse
a intenção de representar uma fala de um casal de namorados que se trata com intimidade,
como ficaria a redação da frase sublinhada? Explique as mudanças feitas levando em
consideração a língua falada.

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Coesão
conhecimento
(EF09LP10) Comparar as regras de colocação pronominal na norma-padrão com o seu uso no
Habilidade
português brasileiro coloquial.
Tipo de questão Aberta Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 2
O aluno atende ao enunciado da questão se redige “Para que eu iria te enganar? /
Pra que eu ia te enganar? / Para que eu te enganaria?”, explicando, entre outras
100%
possibilidades, que, na língua falada atual, em situações informais, as pessoas
costumam empregar o pronome átono no meio de dois verbos.
O aluno atende parcialmente ao enunciado da questão se apenas redige as frases: “Para
Grade de correção que eu iria te enganar? / Para que eu ia te enganar? / Para que eu te enganaria?” ou se
50%
apenas justifica que atualmente, na língua falada informal, o pronome átono é colocado
entre verbos, mas não reescreve adequadamente a frase.
O aluno não atende ao enunciado da questão se não elabora a frase alterando a
0% colocação pronominal, trazendo a redação para os tempos atuais. Pode ter alterado
a próclise para ênclise, por exemplo, apenas para apresentar alguma alteração.
Professor: Ao tratar de colocação pronominal, deixe claro que se trata de uma regra
Orientações sobre gramatical da língua escrita e de algumas situações mais formais da língua falada, quando o
como interpretar as uso de uma variedade mais próxima da norma-padrão é desejável. Para isso, proponha a
respostas e reorientar o leitura de textos de diversas esferas (jurídica, publicitária, religiosa, jornalística, etc.),
planejamento com base destinados a públicos distintos e, consequentemente, com linguagens distintas. Proponha
nos resultados também pesquisas de letras de música, peça aos alunos que gravem e transcrevam
conversas informais. Assim, eles poderão comparar as diferenças no uso da língua.
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

2. A frase e a hashtag a seguir fazem parte de uma campanha de conscientização sobre o uso dos
canudos de plástico. Observe-as e, em seguida, leia sobre a campanha.

Canudo?
Não, obrigada!

#semcanudo
(Disponível em: https://scontent-sea1-1.cdninstagram.com/vp/aa0adff5f14ebffda4a0cd5bec79464e/5C262393/
t51.2885-15/e35/39316536_289332365196918_2406813489864638464_n.jpg?se=6&ig_cache_key=
MTg1ODc1MjI0Mzk0MDIxNTIxMA%3D%3D.2. Acesso em: 25/9/2018.)

A campanha que defende a não utilização de canudos de plástico para o consumo de bebidas
surgiu com a finalidade de conscientizar a população sobre os prejuízos causados por essa
prática. Dentre eles, estão, de maneira mais destacada, a poluição do meio ambiente, visto que a
decomposição do plástico é muito demorada, e a morte de animais de diversas espécies
marinhas, que, muitas vezes, engolem os canudos ou ficam presos neles, quando estes são
jogados em rios e mares.

Considerando o slogan, a hashtag da campanha e a informação a respeito dos prejuízos causados


pela utilização de canudos, responda: A qual situação social o slogan faz referência? Qual é a
relação entre o objetivo da campanha e as palavras e expressões utilizadas em sua divulgação?
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Leitura


Reconstrução do contexto de produção, circulação e recepção de textos
Objeto(s) de
Caracterização do campo jornalístico e relação entre os gêneros em circulação, mídias e
conhecimento práticas da cultura digital
(EF89LP02) Analisar diferentes práticas (curtir, compartilhar, comentar, curar etc.) e textos
pertencentes a diferentes gêneros da cultura digital (meme, gif, comentário, charge digital
Habilidade
etc.) envolvidos no trato com a informação e opinião, de forma a possibilitar uma presença
mais crítica e ética nas redes.
Tipo de questão Aberta Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 2
O aluno atende à questão se responde que a campanha reproduz uma atitude de
negação e recusa diante da oferta desse objeto. A expressão “Canudo? Não,
obrigada!” demonstra a postura considerada ideal pelos responsáveis pela
100%
campanha, já que seu objetivo central é a suspensão desse hábito para o consumo
de bebidas. Da mesma forma, a hashtag semcanudo sugere que não se utilizem
mais canudos.
O aluno atende ao enunciado da questão se responde apenas que as palavras, tanto
Grade de correção
da hashtag quanto do slogan da campanha, ajudam a construir uma imagem
50% negativa do consumo de canudos de plástico, mas não relaciona esse fato ao
objetivo principal do movimento, que é conscientizar a população sobre os prejuízos
causados ao meio ambiente por esse hábito.
O aluno não atende ao enunciado da questão se não desenvolve sua resposta com
0% base na relação entre a frase de impacto, a hashtag e o objetivo da campanha,
redigindo-a de forma incoerente.
Orientações sobre
Professor: Ao realizar atividades de análise de recursos verbais e não verbais em diversos
como interpretar as
textos, apresente peças publicitárias, poemas concretos ou outros que explorem diferentes
respostas e reorientar o
efeitos. Para a análise, sempre pergunte sobre esses recursos imagéticos e/ou rítmicos,
planejamento com base relacionando-os ao tema e à situação de comunicação do texto.
nos resultados

3. Observe a hashtag de uma importante campanha:

#UNIÃOPELAVIDA

ESTAMOS TODOS NA MESMA ESTRADA

Ministério dos Transportes, Ministério das Cidades, Ministério da Saúde,


Dnit, Polícia Rodoviária Federal e você em ação conjunta para reduzir acidentes. É a
sociedade se unindo em uma única direção: a vida
(Disponível em: http://brasil.gov.br/semana-nacional-do-transito.
Acesso em: 17/9/2018.)

Sabendo que o texto trata de uma campanha de conscientização no trânsito, explique a relação
entre a hashtag e a outra parte do texto.
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Leitura


Reconstrução do contexto de produção, circulação e recepção de textos
Objeto(s) de
Caracterização do campo jornalístico e relação entre os gêneros em circulação, mídias e
conhecimento práticas da cultura digital
(EF89LP02) Analisar diferentes práticas (curtir, compartilhar, comentar, curar etc.) e textos
pertencentes a diferentes gêneros da cultura digital (meme, gif, comentário, charge digital
Habilidade
etc.) envolvidos no trato com a informação e opinião, de forma a possibilitar uma presença
mais crítica e ética nas redes.
Tipo de questão Aberta Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 2
O aluno atinge o aproveitamento total da questão se responde que a hashtag
apresenta em sua mensagem que todos devem se unir para que o número de
100% acidentes no trânsito diminua, e isso é exatamente o que o texto da campanha
representa: que muitos órgãos públicos, unidos com a sociedade, estão se
esforçando para garantir a vida.
O aluno atende parcialmente ao enunciado se responde apenas que a hashtag está
Grade de correção
incentivando o cuidado que se deve ter no trânsito, sem relacioná-la com a parte
50%
desenvolvida da peça publicitária, que explora justamente a união de órgãos e das
pessoas para evitar mortes por acidentes no trânsito.
O aluno não atende ao enunciado da questão se não responde de forma coerente
0% com o enunciado, dando a entender que a hashtag apenas ilustra a campanha de
conscientização no trânsito, por exemplo.

Orientações sobre Professor: Apresente diferentes imagens de peças publicitárias, separadas de seus slogans ou
textos verbais, e solicite, primeiramente, que os alunos tentem inferir sobre o assunto a que
como interpretar as
a imagem se refere. Peça, também, que eles criem hashtags que poderiam acompanhar
respostas e reorientar o
essas peças publicitárias e, ainda, que elaborem novas peças publicitárias a partir das
planejamento com base imagens e depois solicite que comparem suas produções com o texto verdadeiro de cada
nos resultados peça publicitária, oferecendo uma atividade lúdica de aprendizado.

4. Leia o título e um trecho do texto de uma revista:

A inteligência de cada um

Estudos mostram que a genética é crucial.

[...]

[...] Mas o nosso destino não está selado. É possível nos tornarmos mais
inteligentes. Vários métodos foram testados.
(Rogério Tuma. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/revista/1014/a-inteligencia-de-cada-um. Acesso em: 17/9/2018.)

Segundo o texto, a inteligência pode ser adquirida por meio de outros fatores que não somente a
genética. Identifique a expressão que indica que o autor do texto acredita na capacidade humana
de se tornar mais inteligente independentemente da genética. Se o autor pretendesse discordar
dessa ideia, como poderia ser a redação desse trecho?
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Modalização
conhecimento
(EF89LP31) Analisar e utilizar modalização epistêmica, isto é, modos de indicar uma avaliação
sobre o valor de verdade e as condições de verdade de uma proposição, tais como os
asseverativos – quando se concorda com (“realmente, evidentemente, naturalmente,
Habilidade efetivamente, claro, certo, lógico, sem dúvida” etc.) ou discorda de (“de jeito nenhum, de
forma alguma”) uma ideia; e os quase-asseverativos, que indicam que se considera o
conteúdo como quase certo (“talvez, assim, possivelmente, provavelmente,
eventualmente”).
Tipo de questão Aberta Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 1
O aluno analisa o texto e responde corretamente que a expressão é possível indica
o ponto de vista do autor de que há uma chance de a inteligência ser adquirida por
outros meios que não somente a genética; além disso, explica que, se o autor
100%
discordasse da tese do texto, a redação poderia ser: “O nosso destino está selado.
De forma alguma é possível / É impossível / Não é possível nos tornamos
Grade de correção inteligentes, embora vários métodos tenham sido testados.”.
50% O aluno responde apenas a uma parte da questão.
O aluno não analisa a expressão solicitada no enunciado nem redige o trecho dando
0%
ideia de discordância da tese apresentada.
Orientações sobre
Professor: Sempre que houver atividades de leitura e estudo de texto, destaque as
como interpretar as
expressões modalizadoras e pergunte aos alunos qual efeito de sentido o autor do texto
respostas e reorientar o
constrói ao empregar tais palavras. Proponha, também, que os alunos escrevam pequenos
planejamento com base textos, discordando ou considerando a possibilidade de determinada tese.
nos resultados

5. Leia o trecho de uma entrevista sobre a importância da tecnologia na aprendizagem:

Entrevista

Estudar é preciso, celular (não) é preciso

[...]

Marcos André (Ari): Como sugere o levantamento feito pela reportagem em


questão, entendemos que o uso do celular em sala de aula atrapalha o aprendizado.

Regiana Nepomuceno (C7S): O uso do celular atrapalha, uma vez que não há
intencionalidade pedagógica para a sua utilização. É claro que estamos falando de
hoje. Quando se trata de tecnologia, situar a discussão em um tempo determinado é
fundamental. Quando tivermos aplicações pedagógicas eficazes para o uso de
celulares, certamente elas serão bem-vindas.

[...]
(Disponível em: http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/orlando-nunes/entrevista/. Acesso em: 18/9/2018.)
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

As palavras e as expressões sublinhadas no texto mostram o posicionamento da entrevistada em


relação ao uso do telefone celular em sala de aula. A partir da leitura, indique qual é esse
posicionamento, justificando-o.

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Modalização
conhecimento
(EF89LP31) Analisar e utilizar modalização epistêmica, isto é, modos de indicar uma avaliação
sobre o valor de verdade e as condições de verdade de uma proposição, tais como os
asseverativos – quando se concorda com (“realmente, evidentemente, naturalmente,
Habilidade efetivamente, claro, certo, lógico, sem dúvida” etc.) ou discorda de (“de jeito nenhum, de
forma alguma”) uma ideia; e os quase-asseverativos, que indicam que se considera o
conteúdo como quase certo (“talvez, assim, possivelmente, provavelmente,
eventualmente”).
Tipo de questão Aberta Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 1
O aluno compreende que, para a especialista, à época da entrevista, o uso do celular
era considerado prejudicial, porque, segundo ela, não haveria ainda aplicações
100%
pedagógicas adequadas para o aparelho. Futuramente, portanto, quando houver
aplicações pedagógicas eficazes, ela será a favor desse uso.
Grade de correção
O aluno apenas aponta que a entrevistada é contra do uso de celular em sala de
50%
aula, sem desenvolver sua resposta, indicando as ponderações feitas por ela.
O aluno apresenta uma resposta que não se relaciona com o conteúdo do texto da
0%
questão.
Orientações sobre Professor: Apresente diferentes gêneros textuais e, sempre que se deparar com expressões
como interpretar as modalizadoras, marque-as e depois proponha um debate ou uma roda de conversa para que
respostas e reorientar o os alunos analisem o sentido avaliativo dessas expressões. Apresente, também, temas para
planejamento com base produção textual e solicite aos alunos que se pronunciem, por meio de modalizadores, sobre
nos resultados algo.

6. Observe o título da notícia:

Lei de acesso à informação responde quase 100% dos


pedidos enviados desde 2012
(Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/cidadania-e-inclusao/2018/05/lei-de-acesso-a-informacao-responde-quase-100-
dos-pedidos-enviados-desde-2012. Acesso em: 17/9/2018.)

De acordo com a norma-padrão, o substantivo acesso é um termo que rege preposição,


obrigatoriamente, e o verbo responder, conforme sua transitividade, pode ou não ser
acompanhado de preposição. Nesse título, como foi feita a regência dos termos citados
anteriormente? Ela está adequada à gramática normativa?
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Morfossintaxe
conhecimento
(EF09LP07) Comparar o uso de regência verbal e regência nominal na norma-padrão com seu
Habilidade
uso no português brasileiro coloquial oral.
Tipo de questão Aberta Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 1
O aluno responde que o substantivo acesso rege a preposição a, gerando a crase, o
que está de acordo com a norma-padrão. Já o verbo responder não está
100%
acompanhado de preposição, o que contraria a norma-padrão, pois, na frase, é
verbo transitivo indireto.
Grade de correção O aluno responde apenas a parte da questão corretamente: fala somente sobre um
50% dos termos, não explica ou explica equivocadamente a relação do emprego da frase
com a norma-padrão.
O aluno não redige uma resposta que informe sobre a regência dos termos
0%
indicados no enunciado, nem explica a relação deles com a norma-padrão.
Orientações sobre
Professor: Enfatize que a regra gramatical de regência verbal indica que alguns termos
como interpretar as
podem ter mais de uma regência, ou ser regidos por mais de uma preposição. Há, ainda, a
respostas e reorientar o
ocorrência desses termos na linguagem corrente, que pode sofrer variações em relação ao
planejamento com base que indica a norma-padrão.
nos resultados

7. Leia um trecho da obra Cinco minutos, de José de Alencar, um importante romancista brasileiro:

É uma história curiosa a que lhe vou contar, minha prima.

Mas é uma história e não um romance.

Há mais de dois anos, seriam seis horas da tarde, dirigi-me ao Rocio para
tomar o ônibus de Andaraí.

Sabe que sou o homem menos pontual que há neste mundo; entre os meus
imensos defeitos e as minhas poucas qualidades, não conto a pontualidade, essa
virtude dos reis e esse mau costume dos ingleses.
(Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua00142a.pdf. Acesso em: 17/9/2018.)
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

O trecho da obra de José de Alencar apresenta uma conversa entre um rapaz e sua prima. A
linguagem utilizada equivale ao uso típico do século XIX. Se a linguagem empregada fosse
atualizada para o uso mais corriqueiro do português falado no Brasil de hoje, pensando que se
trata de uma conversa informal entre primos e sem alterar o sentido do enunciado, a redação
com os pronomes átonos poderia ser alterada para:
a) É uma história curiosa a que vou contar, minha prima. / Há mais de dois anos, seriam seis
horas da tarde, dirigi ao Rocio para tomar o ônibus de Andaraí.
b) É uma história curiosa a que vou contar, minha prima. / Há mais de dois anos, seriam seis
horas da tarde, dirigi-me ao Rocio para tomar o ônibus de Andaraí.
c) É uma história curiosa a que vou contar-lhe, minha prima. / Há mais de dois anos, seriam seis
horas da tarde, me dirigi ao Rocio para tomar o ônibus de Andaraí.
d) É uma história curiosa a que vou lhe contar, minha prima. / Há mais de dois anos, seriam seis
horas da tarde, me dirigi ao Rocio para tomar o ônibus de Andaraí.

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Variação linguística
conhecimento
(EF69LP55) Reconhecer as variedades da língua falada, o conceito de norma-padrão e o de
Habilidade
preconceito linguístico.
Tipo de questão Múltipla escolha Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 2

a O aluno não percebe que a omissão dos pronomes altera o sentido do enunciado.
O aluno reconhece que a redação apresentada na primeira frase se assemelha a uma
b conversa atual; entretanto, não percebe que a colocação pronominal na segunda frase
não corresponde ao uso mais corriqueiro atual da fala do português brasileiro.
O aluno reconhece que atualmente, no português falado no Brasil, usa-se com mais
Justificativas frequência a próclise em me dirigi, mas não atenta para o fato de que o pronome é
c
colocado entre os verbos quando utilizado com forma composta, no caso de vou
contar-lhe.
O aluno reconhece, na redação das frases, características do português falado
atualmente no Brasil quanto à colocação pronominal, em que comumente se usa o
d
pronome entre verbos quando vem acompanhando uma forma verbal composta, e
também percebe que é mais comum o uso da próclise.
Professor: Apresente as regras de colocação pronominal enfatizando que a norma-padrão é
Orientações sobre uma abstração que não equivale a nenhuma variedade linguística. Assim, os usos da
como interpretar as colocação pronominal no português do Brasil estão diretamente ligados ao ambiente
linguístico, tanto de fala quanto de escrita, os quais devem ser levados em consideração,
respostas e reorientar o
bem como todos os interlocutores da interação comunicativa. Proponha atividades de
planejamento com base releitura e/ou reescrita de texto, alterando a variedade linguística dos locutores: por
nos resultados exemplo, um mesmo diálogo entre duas pessoas mais velhas, entre dois presidentes, entre
dois amigos, entre uma pessoa muito jovem e outra muito mais velha, etc.
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

8. José de Alencar retratou, por meio de seus livros, a formação da sociedade brasileira. Leia este
trecho de O guarani, uma de suas obras mais conhecidas.

A habitação que descrevemos pertencia a D. Antônio de Mariz, fidalgo


português de cota d’armas1 e um dos fundadores da cidade do Rio de Janeiro.

Era dos cavalheiros que mais se haviam distinguido nas guerras da conquista,
contra a invasão dos franceses e os ataques dos selvagens2.

Em 1567 acompanhou Mem de Sá ao Rio de Janeiro, e depois da vitória


alcançada pelos portugueses, auxiliou o governador nos trabalhos da fundação da
cidade e consolidação do domínio de Portugal nessa capitania.
(Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000135.pdf. Acesso em: 17/9/2018.)

Glossário
1cota d’armas: vestimenta da época com bordado do escudo real.
2selvagens: esse é um uso antigo, inadequado nos dias de hoje.

O trecho apresenta um rápido painel da formação da sociedade do Brasil. Segundo o narrador,


como foi formada a sociedade do Rio de Janeiro?
a) Os portugueses procuraram dominar o local, defendendo-o dos franceses e dos nativos.
b) A sociedade carioca foi concebida pela união de todos os povos indígenas nativos, que
atacaram os estrangeiros nas guerras da conquista.
c) Formou-se muito antes de os colonizadores chegarem ao território e assim permaneceu, sem
interferência externa.
d) A sociedade da cidade foi formada pela união dos povos nativos com os estrangeiros, de
todos os lugares da Europa.
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Leitura


Objeto(s) de Reconstrução das condições de produção, circulação e recepção
conhecimento Apreciação e réplica
(EF69LP44) Inferir a presença de valores sociais, culturais e humanos e de diferentes visões de
mundo, em textos literários, reconhecendo nesses textos formas de estabelecer múltiplos
Habilidade
olhares sobre as identidades, sociedades e culturas e considerando a autoria e o contexto
social e histórico de sua produção.
Tipo de questão Múltipla escolha Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulos 1, 2 e 3
O aluno inferiu que, na época, Portugal tinha total domínio no Rio de Janeiro e a
a
formação dessa sociedade teve muita influência portuguesa.
O aluno que marcou esta alternativa não fez uma leitura atenta, porque o trecho informa
b
que os nativos, considerados selvagens, foram dominados nas guerras da conquista.
Justificativas O aluno não inferiu que a cidade e, consequentemente, a sociedade carioca, começou a
c ser construída e formada a partir da chegada definitiva dos portugueses, alterando a
cultura que antes era apenas dos nativos da terra.
O aluno não atentou para o fato de que o povo nativo foi dominado, escravizado e até
d
mesmo dizimado pelos portugueses para que estes conquistassem o território.
Orientações sobre Professor: Crie um mural contendo diferentes etnias que compõem o povo brasileiro,
como interpretar as apresentando sua diversidade, sua mestiçagem e, consequentemente, sua pluralidade
respostas e reorientar cultural. Proponha uma feira de cultura do povo brasileiro, em que cada grupo de alunos se
o planejamento com responsabilize por apresentar um aspecto da influência dos diferentes povos que formaram o
base nos resultados Brasil.

9. Analise a manchete seguinte, sobre uma descoberta científica:

Contato com urânio é inofensivo à saúde, diz estudo


(Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u2261.shtml. Acesso em: 25/9/2018.)

As manchetes de jornal requerem uma redação objetiva e direta. Mantendo-se a correção da


regência nominal na manchete, bem como o seu sentido, qual seria a melhor opção de redação a
fim de aproximá-la da linguagem falada cotidianamente no Brasil? Por quê?
a) “Contato com urânio é inofensivo a saúde”, porque o uso do acento indicador da crase é
desnecessário nesta sentença, visto que inofensivo não é regido pela preposição a e o seu
uso deixa a sentença mais próxima da fala cotidiana no Brasil.
b) “Contato com urânio é inofensivo da saúde”, porque o substantivo inofensivo é regido, também,
pela preposição de e o seu uso deixa a sentença mais próxima da fala cotidiana no Brasil.
c) “Contato de urânio é inofensivo à saúde”, porque o substantivo contato pode ser regido,
também, pela preposição de e o seu uso deixa a sentença mais próxima da fala cotidiana no
Brasil.
d) “Contato com urânio é inofensivo para a saúde”, porque o substantivo inofensivo pode ser
regido, também, pela preposição para e o seu uso deixa a sentença mais próxima da fala
cotidiana no Brasil.
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Variação linguística
conhecimento
(EF69LP55) Reconhecer as variedades da língua falada, o conceito de norma-padrão e o de
Habilidade
preconceito linguístico.
Tipo de questão Múltipla escolha Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 1
O aluno não reconhece que o uso da crase é obrigatório, visto que o substantivo
a
inofensivo é regido pela preposição a.
O aluno não reconhece que o substantivo inofensivo não é regido pela preposição de e,
b
mesmo que fosse, isso alteraria o significado da manchete.
Justificativas O aluno não reconhece que o substantivo contato não é regido pela preposição de e,
c
mesmo que fosse, isso alteraria o significado da manchete.
O aluno reconhece que o substantivo inofensivo pode ser regido, também, pela
d preposição para, mantendo o sentido original da manchete e aproximando-a da fala
cotidiana no Brasil.
Orientações sobre
como interpretar as Professor: Sugerimos enfatizar que a norma de regência, dependendo do verbo e da situação
respostas e reorientar o de fala, pode ser flexibilizada. De qualquer forma, é interessante que o aluno tenha o
planejamento com base conhecimento das regras utilizadas em diferentes situações comunicativas.
nos resultados

10. Leia o seguinte título de reportagem:

Divórcio demorou a chegar no Brasil


(Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/infograficos/2017/12/arquivo-s-principal-divorcio-demorou-a-chegar-no-
brasil. Acesso em: 25/9/2018.)

O título da notícia utiliza o verbo chegar com uma regência própria da linguagem falada
cotidianamente no português brasileiro. Caso esse verbo fosse utilizado segundo as regras de
regência da norma-padrão da língua portuguesa, a frase seria escrita da seguinte forma.
a) Divórcio demorou de chegar no Brasil.
b) Divórcio demorou a chegar ao Brasil.
c) Divórcio demorou chegar no Brasil.
d) Divórcio demorou para chegar no Brasil.
Material Digital do Professor
Língua Portuguesa – 9º ano
4º bimestre – Gabarito

Prática de linguagem Análise linguística/semiótica


Objeto(s) de
Variação linguística
conhecimento
(EF69LP56) Fazer uso consciente e reflexivo de regras e normas da norma-padrão em
Habilidade
situações de fala e escrita nas quais ela deve ser usada.
Tipo de questão Múltipla escolha Unidade/Capítulo Unidade 4 — Capítulo 1
O aluno não percebe que a mudança feita nesta frase muda a regência do verbo
a
demorar, não a do verbo chegar, que é o foco da questão.
O aluno identifica corretamente que o verbo chegar pede a preposição a, deixando a
b
frase da maneira como prescreve a gramática normativa.

Justificativas O aluno não percebe que a mudança feita nesta frase muda a regência do verbo
demorar, não a do verbo chegar, que é o foco da questão. Além disso, a mudança faz
c
com que a regência de demorar não fique de acordo com o que prescreve a gramática
normativa.
O aluno não percebe que a mudança feita nesta frase muda a regência do verbo
d
demorar, não a do verbo chegar, que é o foco da questão.
Orientações sobre
Professor: Procure em manchetes de jornais e/ou de revistas transcrições de falas nas quais
como interpretar as
sejam utilizadas as formas mais corriqueiras de uso do português falado no Brasil, com
respostas e reorientar o
regências verbais diversas das prescritas pela gramática normativa. Mostre aos alunos que,
planejamento com base conforme o contexto, a regência pode sofrer variações.
nos resultados

Você também pode gostar