Você está na página 1de 6

Técnicas de rastreamento humano no uso

policial.
BY Sérgio NettoFev 20, 2017

O rastreamento é uma técnica milenar, que surgiu nos primórdios da humanidade. Sendo
utilizada especialmente para obtenção de alimentos, por meio da caça.

Nesta época, ainda não se possuía o conhecimento para cultivar alimentos, em atividades de agricultura, ou
para a criação de animais domésticos, que pudessem suprir essas necessidades nutricionais de
subsistência.
De acordo com pesquisadores, somente há cerca de 10 ou 15 mil anos, os povos primitivos começaram a
domesticar animais, e a dominar técnicas de agricultura.

Isto teria ocorrido na fase da “Revolução Neolítica” (ou “revolução agrícola”). Denominação de autoria
de Gordon Childe, pesquisador e arqueólogo australiano. Para quem, esta etapa viabilizou a transição dos
hábitos nômades (Período Paleolítico) do Homo Sapiens para a sedentarização. Implicando na
permanência dos povos em locais fixos, e diminuindo consideravelmente a necessidade de deslocamentos
transitórios das tribos antigas.

Ou seja, no início, os grupos primitivos dependiam basicamente de três maneiras para se alimentar:
 Colheita de alimentos vegetais (coletores): mas isso dependia de encontrar estes
alimentos, que eram escassos, e precisavam ser primeiro identificados (por tentativa e erro) para saber se
poderiam ser ingeridos.

 Carniças: aproveitando os restos de animais abatidos por predadores, mas dependia da


oportunidade de encontrar estas carcaças, e por isso não atendia as necessidades de grupos maiores.

 Caça: abatendo animais por meios próprios, tarefa que não era fácil, pois não tinham
artefatos de caça adequados, e os animais tendem a se afastar da presença humana.

Em razão destes fatores, foi necessário, ainda que instintivamente, desenvolver meios de localizar os
animais que se afastavam da presença de humanos, para que pudessem ser abatidos. Dando origem, ainda
que na sua forma rudimentar, ao RASTREAMENTO.
Tarefa que também não era simples, pois os animais estão sempre alertas contra predadores. E, ainda não
havia sido desenvolvida tecnologia de armas eficazes que pudessem ser utilizadas para a caça.

Pesquisas apontam que o arco e flecha, por exemplo, somente teria sido inventado recentemente, já na
época do Homo sapiens. A evidência mais recente de vestígios daquilo que teria sido um arco flecha, foi
encontrada na África do Sul, datando de aproximadamente 71.000 atrás.
Equivale a afirmar que, como não se dispunha de artefatos eficazes para a caça, os povos primitivos
precisavam chegar bastante próximos das presas. Para então conseguir abater o animal. O que somente
seria possível – é uma dedução razoável de se aceitar – por meio do rastreamento.

Pelos registros históricos disponíveis, apesar de o rastreamento ter sido desenvolvido pelos povos
primitivos, e nativos, que os sucederam no tempo, veio a ser incorporado ao conhecimento dos povos ditos
civilizados.

Isso teria acontecido, quando os exploradores, e colonizadores, tiveram contato com estas tribos, que
habitavam terras até então desconhecidas. Quando os países mais avançados, iniciaram o que ficou
conhecido como a era das grandes navegações, e dos descobrimentos.

Ao longo da História, as técnicas de rastreamento alcançaram tanta importância, que foram inclusive
empregadas em conflitos armados, com a finalidade de rastrear, localizar, e neutralizar inimigos.

No passado relativamente recente norte-americano, há registros de que o Exército dos Estados Unidos da
América, criou uma unidade especial (United StatesScouts) composta por índios nativos (Apache Scouts).
Para rastrear índios rebeldes durante a fase de colonização do país recém-criado (Século XVI – idos de
1700).
Assim como estes indígenas também foram empregados para o rastreamento de inimigos, durante a Guerra
Civil de Secessão norte-americana (1861 a 1865).
Outro marco importantíssimo para o rastreamento, ocorreu nas décadas de 1960 e 1970, no país africano
então conhecido como Rhodesia (hoje Zimbabwe). Quando foi desenvolvido um sistema de rastreamento
para enfrentar a guerrilha decorrente de conflitos regionais. Allan Savory, foi um dos idealizadores daquilo
que ficou mundialmente conhecido como o método de rastreamento da Rhodesia.
Estas técnicas de rastreamento passaram a ser utilizadas pelas unidades SELOUS SCOUT, do Exército da
Rodhesia. Que recebeu este nome em homenagem ao explorador, caçador e conservacionista britânico
Frederick Courteney Selous, respeitado por suas explorações na região do sul da África.

No Brasil, o rastreamento também foi amplamente utilizado,


por exemplo, na chamada época do CANGAÇO
Logo após o final da Primeira Guerra Mundial (nos idos de 1918), o governo brasileiro teve que enfrentar o
problema do Cangaço no Nordeste.Bandos integrados aproximadamente por 30 a 40 pessoas,
aterrorizavam as vilas e povoados das pequenas cidades do interior nordestino. Dentre estes bandos se
destacou o de Virgulino Ferreira da Silva.
CONHECIDO COMO LAMPIÃO
Para capturar estes cangaceiros, as polícias dos estados nordestinos criaram as VOLANTES. Grupamentos
compostos por cerca de 50 policiais, que perseguiam estes bandos, utilizando várias estratégias e técnicas.
Dentre elas, a de rastreamento.

Nos dias de hoje, o rastreamento volta a ter grande importância para a repressão daquilo que vem sendo
chamado de NOVO CANGAÇO.

Que tem como característica mais marcante, o furto ou roubo praticado a bancos (inclusive com o emprego
de explosivos), ou carros de transporte de valores, por bandos bem treinados e organizados. E que usam os
reféns como escudos humanos, para conseguirem fugir do local. Nesta hipótese, o rastreamento é utilizado
se os assaltantes fugirem para a região de mata ou floresta.
Na Operação ARCANJO, realizada no Rio de Janeiro/RJ, para ocupação e pacificação dos Complexos do
Alemão e da Penha (2010-2012), as técnicas de rastreamento também foram utilizadas para diversas
finalidades, conforme relatou o Coronel Fernando Montenegro.
Como para identificar locais de execução de pessoas, popularmente conhecidos como “forno micro-ondas.”

Vestígios de um "forno micro-ondas" no alto da Serra da Misericórdia, Complexo do Alemão, onde


incineravam pessoas.
O rastreamento vem sendo fundamental também, no combate ao abate ilegal de animais, que vem
ocorrendo em alguns países africanos.
Elefantes e rinocerontes, são os alvos prediletos dos caçadores, que matam estes animais apenas para
depois venderem seus chifres e dentes, para serem usados como enfeites, joias, ou por suas supostas
propriedades medicinais.

As unidades de patrulha (Anti-Poaching) de proteção de parques nacionais como o Kruger National Park,
localizado na África do Sul, são treinadas para rastrear e prender estes caçadores. Evitando o morticínio
inútil destes animais, que correm até mesmo risco de extinção.
Como se verifica, a aplicação das técnicas de RASTREAMENTO vem sendo de fundamental importância
para as mais variadas finalidades.

Por mais que sejam derivadas de conhecimentos ancestrais, continuam tendo grande relevância na
atualidade.

Você também pode gostar