Você está na página 1de 11

Recordando: CGS é, assim, um acrônimo

QUANTIDADE DE MOVIMENTO

1
maiúsculo para centímetro–grama–segundo. É o
sistema de unidades físicas primordial que precedeu
E o Sistema Internacional de Unidades (SI), por este
sendo substituído. O SI baseou-se, em essência, no
IMPULSO Sistema MKS de unidades, também acrônimo
maiúsculo para metro–kg (quilograma)–segundo.

⃗⃗ )
01. Quantidade de Movimento (𝑸
Se observarmos alguns acontecimentos em nossa
vida diária, veremos que a física está diretamente ou
indiretamente envolvida. Seja em nosso caminhar,
ou no mover dos automóveis, seja quando andamos 01 – Determine a quantidade de movimento de um
de bicicletas etc. Com isso, podemos concluir que a objeto de massa de 5 𝑘𝑔 que se move com
física faz parte de nossas vidas. velocidade igual a 30 𝑚/𝑠.
Vejamos um exemplo: O que você acha mais fácil 02 – Suponha que a velocidade de um objeto obedece
de fazer, parar uma bola de tênis a 20 km/h ou parar a seguinte equação: 𝑣 = 16 − 2𝑡. Sendo a massa
um carro com a mesma velocidade? Certamente a desse objeto igual a 3 𝑘𝑔, calcule a quantidade de
resposta que você dirá é parar uma bola de tênis. movimento desse objeto no instante 5 𝑠.
Mas o que podemos tirar de física envolvida nessa
situação? Tiramos a definição de Quantidade de 03 – (VUNESP) Um objeto de massa 0,50 𝑘𝑔 está se
Movimento de um corpo. deslocando ao longo de uma trajetória retilínea com
Esse exemplo nos permite deduzir que tanto a aceleração escalar constante igual a 0,30 𝑚/𝑠 2 . Se
massa, quanto a velocidade são importantes na o objeto partiu do repouso, calcule o módulo da sua
descrição do movimento e que uma grandeza que se quantidade de movimento, em 𝑘𝑔. 𝑚/𝑠, ao fim de 8 𝑠.
relacione com a massa e a velocidade do objeto
caracteriza melhor o movimento do que somente a 04 – Calcule a quantidade de movimento no instante
velocidade. Essa grandeza, que indica quanto de 5 𝑠 de um corpo de massa igual a 3 𝑘𝑔 que obedece
matéria, isto é, quanto de massa, está se movendo a seguinte função horária: 𝑆 = 4 + 3𝑡 + 2𝑡 2
e com que velocidade ela se move, é a quantidade
de movimento linear, também conhecido como 05 – (FUVEST-SP) Um veículo de 0,30 𝑘𝑔 parte do
quantidade de movimento ou momentum linear. repouso com aceleração constante; 10 𝑠 após,
encontra-se a 40 𝑚 da posição inicial. Qual o valor
A todo corpo de massa m em movimento com da quantidade de movimento nesse instante?
velocidade ⃗𝑽, num dado referencial, associa-se uma
grandeza denominada quantidade de movimento. 06 – (STA. CASA-SP) Em uma carta de Benjamin
Franklin, como objeção a teoria corpuscular da Luz,
⃗⃗ ):
QUANTIDADE DE MOVIMENTO (𝑸 ele declarava: " Uma partícula de luz Caminhando
⃗⃗ com velocidade de 3 ∙ 108 𝑚/𝑠, deveria produzir o
Vetorialmente: 𝑸 ⃗
=𝒎∙𝒗 mesmo Impacto (transferir mesma quantidade de
movimento) que uma bala de canhão de massa de
10𝑘𝑔, animada de velocidade de 300 𝑚/𝑠, ao atingir
Ou
a superfície da Terra." Nessas condições, qual a
massa teria a partícula de luz a que se referia
Franklin?
Algebricamente: 𝑸 =𝒎∙𝒗
07 – Determine, em 𝑘𝑔 ∙ 𝑚/𝑠, o valor da quantidade
Caraterísticas de ⃗⃗𝑸: de movimento dos seguintes corpos:
a) Uma bola de futebol, de massa 0,4 𝑘𝑔, chutada a
⃗;
I) direção: a mesma de 𝒗 uma velocidade de 30 𝑚/𝑠.
⃗;
II) sentido: o mesmo de 𝒗 b) Um automóvel de massa de uma tonelada,
c) intensidade: produto (𝒎 ∙ 𝒗) deslocando-se à velocidade de 72 𝑘𝑚/ℎ.
c) Uma bala de fuzil, de massa de 10 𝑔, a 800 𝑚/𝑠.
Unidades importantes:
𝑸 𝒎 𝒗 08 – A que velocidade uma pessoa de 80 𝑘𝑔 deveria
No SI 𝑘𝑔 ∙ 𝑚/𝑠 𝑘𝑔 𝑚/𝑠 se deslocar para possuir a mesma quantidade de
No CGS 𝑔 ∙ 𝑐𝑚/𝑠 𝑔 𝑐𝑚/𝑠 movimento da bala de fuzil (letra c) do exercício
No MK*S 𝑢𝑡𝑚 ∙ 𝑚/𝑠 𝑢𝑡𝑚 𝑚/𝑠 anterior?
Logo:
02. Impulso (𝑰)

2
Uma pessoa empurrando ⃗
∆𝑣
um carro, outra puxando 𝐹𝑟 = 𝑚 ∙ ou ⃗⃗⃗
⃗⃗⃗ 𝐹𝑟 ∙ ∆𝑡 = 𝑚 ∙ ∆𝑣
∆𝑡
um armário, um jogador
chutando uma bola, um Então:
“cara” saltando uma
montanha ou um nadador ⃗
𝐼 = ∆𝑄
pulando do trampolim da Portando: TI
piscina são alguns “O impulso da força resultante corresponde à
exemplos onde forças são variação da quantidade de movimento”
aplicadas durante certo
tempo. Quando isso acontece, diz-se que o corpo ⃗⃗⃗𝐼𝑟 = ⃗⃗⃗⃗
𝑄𝑓 − ⃗⃗⃗⃗ ⃗
𝑄𝑜 = ∆𝑄
(carro, armário, bola e o próprio “cara”) é
impulsionado. Observação: Caso o movimento do corpo, sob a
A grandeza física que traduz esses atos é ação da força resultante, seja retilíneo, pode-se
denominada impulso (ou impulsão), que também é escrever algebricamente que:
vetorial. Calcula-se impulso adquirido por um corpo
fazendo-se o produto da intensidade da força 𝐼𝑟 = 𝑄𝑓 − 𝑄𝑜
(suposta constante) com o respectivo intervalo de
tempo de aplicação da mesma. Assim: Nota: As unidades 𝑁. 𝑠 e 𝑘𝑔. 𝑚/𝑠

IMPULSO (𝑰):
Vetorialmente: 𝑰 ⃗ ∙ ∆𝒕
=𝑭
(𝑭⃗ 𝒄𝒕𝒆)
Ou
01 – Durante um jogo de futebol, um jogador chuta a
bola, aplicando sobre ela uma força de intensidade
Algebricamente: 𝑰 = 𝑭 ∙ ∆𝒕 igual a 5 ∙ 102 𝑁 durante um intervalo de tempo de
0,1𝑠. Calcule o impulso da força aplicada pelo
jogador.
Caraterísticas de 𝑰:
⃗;
I) direção: a mesma de 𝑭 02 – (PUC – MG) Uma força de 6 𝑁 atuando sobre
⃗; um objeto em movimento altera sua quantidade de
II) sentido: o mesmo de 𝑭 movimento em 3𝑘𝑔 ∙ 𝑚/𝑠. Durante quanto tempo
c) intensidade: produto (𝑭 ∙ ∆𝒕) essa força atuou sobre esse objeto?

Observação: Nos casos 03 – O gráfico a seguir representa a variação da


intensidade da força F em função do tempo:
em que 𝐹 é variável apenas
em sua intensidade, o
impulso é determinado pela
propriedade:
|𝐼|𝑁= á𝑟𝑒𝑎(𝐹𝑥𝑡)

Unidades importantes:
𝑰 𝑭 ∆𝒕
No SI 𝑁∙𝑠 𝑁 𝑠
No CGS 𝑑𝑦𝑛 ∙ 𝑠 𝑑𝑦𝑛 𝑠 Gráfico da força aplicada sobre uma partícula em
No MK*S 𝑘𝑔𝑓 ∙ 𝑠 𝑘𝑔𝑓 𝑠 função do tempo. Calcule o impulso da força no
intervalo de 15𝑠.
03. Teorema do Impulso (𝑻𝑰) 04 – (UNIFOR – CE) Uma bola de massa 0,5 𝑘𝑔 é
Suponha-se um corpo de massa m sob a ação de chutada para o gol, chegando ao goleiro com
uma força resultante ⃗𝑭, constante, durante um velocidade de 40𝑚/𝑠 e, rebatida por ele, sai com
intervalo de tempo ∆𝒕, então: velocidade de 30 𝑚/𝑠 numa direção perpendicular à

∆𝑣 do movimento inicial. Calcule o impulso que a bola
⃗⃗⃗
𝐹𝑟 = 𝑚 ∙ 𝑎𝑟 , onde 𝑎𝑟 = sofre graças à intervenção do goleiro.
∆𝑡
05 – (FAMEMA-SP) Um brinquedo consiste em um 10 – (FGV) Um brinquedo muito simples de construir

3
fole acoplado a um tubo plástico horizontal que se e que vai ao encontro dos ideais de redução,
encaixa na traseira de um carrinho, inicialmente em reutilização e reciclagem de lixo é retratado na
repouso. Quando uma criança pisa no fole, figura.
comprimindo-o até o final, o ar expelido impulsiona o
carrinho.

A brincadeira, em dupla, consiste em mandar o


bólido de 100 𝑔, feito de garrafas plásticas, um para
o outro. Quem recebe o bólido, mantém suas mãos
juntas, tornando os fios paralelos, enquanto, aquele
que o manda, abre com vigor os braços, imprimindo
uma força variável, conforme o gráfico.

Considere que a massa do carrinho seja de 300 𝑔,


que o tempo necessário para que a criança
comprima completamente o fole seja de 0,2 𝑠 e que,
ao final desse intervalo de tempo, o carrinho adquira
uma velocidade de 8 𝑚/𝑠. Admitindo desprezíveis
todas as forças de resistência ao movimento do
carrinho, determine o módulo da força média (FMÉD)
aplicada pelo ar expelido pelo tubo sobre o carrinho, Considere que:
nesse intervalo de tempo. a resistência ao movimento causada pelo ar e o atrito
entre as garrafas com os fios sejam desprezíveis;
06 – Uma força de 5000 𝑁 é aplicada a um objeto de o tempo que o bólido necessita para deslocar-se de
forma indefinida, produzindo um impulso de módulo um extremo ao outro do brinquedo seja igual ou
1000 𝑁. 𝑠. Sabendo que a força é horizontal e para a superior a 0,60 𝑠.
direita, determine o tempo de contato da força sobre Dessa forma, iniciando a brincadeira com o bólido
o corpo e a direção do impulso. em um dos extremos do brinquedo, com velocidade
nula, calcule a velocidade de chegada do bólido ao
07 – Um objeto desloca-se com momento linear igual outro extremo, em m/s.
a 50 𝑘𝑔. 𝑚/𝑠, mas choca-se com uma parede e gasta
0,02 𝑠 para parar. Por meio do teorema do impulso, 11 – (ITA) Uma metralhadora dispara
determine o valor da força necessária para parar 200 𝑏𝑎𝑙𝑎𝑠 𝑝𝑜𝑟 𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜. Cada bala tem massa de 28 𝑔
esse objeto. e uma velocidade escalar e 60 𝑚/𝑠. Neste caso,
calcule a força média que a metralhadora ficará
08 – Um carro de massa igual a 1200 𝐾𝑔 desloca-se sujeita, resultante dos tiros.
com velocidade igual a 36 𝑘𝑚/ℎ. Quando o motorista
acelera o veículo, passa a se movimentar com 12 – (UFSCAR-SP) Ao desferir a primeira
velocidade igual a 54 𝐾𝑚/ℎ. Se o tempo gasto para machadada, a personagem da tirinha movimenta
mudança de velocidade foi de 2 𝑠, determine a força vigorosamente seu machado, que atinge a árvore
resultante que agiu sobre o veículo. com energia cinética de 4𝜋 2 𝐽.

09 – (FUND. CARLOS CHAGAS) Um corpo de


massa 2,0 𝑘𝑔 é lançado verticalmente para cima,
com velocidade escalar inicial de 20 𝑚/𝑠. Despreze
a resistência do ar e considere a aceleração da
gravidade com módulo 𝑔 = 10𝑚/𝑠 2 . Calcule o
módulo do impulso exercido pela força-peso, desde
o lançamento até atingir a altura máxima, em Como a lâmina de aço tem massa 2 𝑘𝑔,
unidades do Sistema Internacional. desconsiderando-se a inércia do cabo, calcule o
impulso transferido para a árvore na primeira
machadada, em 𝑁. 𝑠.
13 – (UNESP-SP) Um atleta, com massa de 80 𝑘𝑔, 16 – (MACKENZIE-SP) O conjunto ilustrado ao lado

4
salta de uma altura de 3,2 𝑚 sobre uma cama elástica, é constituído de fio e polias ideais e
atingindo exatamente o centro da cama, em postura se encontra em equilíbrio, quando o
ereta, como ilustrado na figura. dinamômetro D, de massa
desprezível, indica 60 𝑁.
Em um dado instante, o fio é cortado
e o corpo C cai livremente.
Adotando-se 𝑔 = 10 𝑚/𝑠2, calcule a
quantidade de movimento do corpo,
no instante t = 1,0 s, medido a partir
do início da queda.

Devido à sua interação com a cama, ele é lançado 04. Conservação da Quantidade
novamente para o alto, também em postura ereta, até
a altura de 2,45 𝑚 acima da posição em que a cama se de Movimento
encontrava. Considerando que o lançamento se deve Assim como a energia mecânica mantém-se
exclusivamente à força de restituição da cama elástica constante nos sistemas conservativos, a quantidade
e que a interação do atleta com a cama durou 0,4 𝑠, de movimento de um sistema mecanicamente
calcule o valor médio da força que a cama aplica ao isolado é conservada.
atleta. Considere 𝑔 = 10 𝑚/𝑠 2 Um sistema é denominado mecanicamente
isolado quando a resultante das forças externas é
14 – (UFG-GO) Um jogador de hockey no gelo nula.
consegue imprimir uma velocidade de 162 𝑘𝑚/ℎ ao As principais situações em que os sistemas
puck (disco), cuja massa é de 170 𝑔. estudados podem ser considerados mecanicamente
isolados são:
I. Nenhuma força atuando no sistema.
Ex.: sonda Voyager no
espaço cósmico, livre
da ação de forças
gravitacionais;

II. Forças externas desprezíveis em relação a forças


internas:
𝐹𝑒𝑥𝑡. ≪ 𝐹𝑖𝑛𝑡.
Considerando-se que o tempo de contato entre o
Ex.: choques mecânicos
puck e o stick (o taco) é da ordem de um centésimo
ou colisões, explosões e
de segundo, determine a força impulsiva média, em
disparos de armas.
newton.

15 – (UDESC-SC) No dia 25 de julho o brasileiro


Felipe Massa, piloto da equipe Ferrari, sofreu um
grave acidente na segunda parte do treino oficial
III. Forças externas neutralizando-se.
para o Grande Prêmio da Hungria de Fórmula 1. O
Ex.: equilíbrio de um
piloto sofreu um corte de oito centímetros na altura
bloco como mostra a
do supercílio esquerdo após o choque de uma mola
figura.
que se soltou do carro de Rubens Barrichello contra
seu capacete. O carro de Felipe Massa estava a
280,8 𝑘𝑚/ℎ, a massa da mola era 0,8 𝑘𝑔 e o tempo
estimado do impacto foi 0,026𝑠. 𝑁 ⃗
⃗ + 𝑃⃗ = 0

Portanto, nos sistemas mecanicamente isolados:


Supondo que o choque tenha ocorrido na horizontal,
que a velocidade inicial da mola tenha sido
93,6 𝑘𝑚/ℎ (na mesma direção e sentido da 𝐹𝑟 = ⃗0 ⇒ ⃗⃗𝐼⃗𝑟 = ⃗0 ⇒ 𝑄
⃗⃗⃗ ⃗⃗⃗⃗𝑓 − ⃗⃗⃗⃗
𝑄𝑜 = ⃗0
velocidade do carro) e a velocidade final 0,0 𝑘𝑚/ℎ,
calcule a força média exercida sobre o capacete.
04 – (UFV-MG) Um trenó, com massa total de 250𝑘𝑔,

5
desliza no gelo à velocidade de 10 𝑚/𝑠. Se o seu
condutor atirar para trás 50 𝑘𝑔 de carga à velocidade
de 10𝑚/𝑠, determine a nova velocidade do trenó.
05 – (UFSC-PE) Dois astronautas, A e B, encontram-
01 – (IFSC) Um torcedor de futebol, durante uma se livres na parte externa de uma estação espacial,
partida do campeonato brasileiro de 2015, resolveu sendo desprezíveis as forças de atração gravitacional
utilizar seus conhecimentos de Física para explicar sobre eles. Os astronautas com seus trajes espaciais
diversas jogadas. Nessa perspectiva, leia com atenção têm massas 𝑚𝐴 = 100 𝑘𝑔 e 𝑚𝐵 = 90 𝑘𝑔, além de um
as afirmações a seguir e marque V para as verdadeiras tanque de oxigênio transportado pelo astronauta A,
e F para as falsas: de massa 10 𝑘𝑔. Ambos estão em repouso em relação
(—) A força que o jogador exerce sobre a bola, ao à estação espacial, quando o astronauta A lança o
chutá-la, é maior do que a força que a bola exerce tanque de oxigênio para o astronauta B com uma
sobre o pé do jogador. velocidade de 5,0 𝑚/𝑠. O tanque choca-se com o
(—) A energia cinética da bola em movimento é astronauta B que o agarra, mantendo-o junto a si,
diretamente proporcional ao quadrado da sua enquanto se afasta.
velocidade.
(—) Se, em uma determinada jogada da partida, a bola
cair verticalmente de uma altura, a energia potencial
em relação à Terra será diretamente proporcional ao
quadrado da altura.
(—) Na cobrança de um pênalti, o jogador altera a
quantidade de movimento da bola, que, por sua vez, é
novamente alterada quando a bola se choca com a
rede.
Assinale a opção que contém a sequência CORRETA a) Calcule a velocidade de recuo do astronauta A, após
das respostas, de cima para baixo: jogar o tanque de oxigênio.
a) F, V, V, V. b) V, F, F, V. b) Qual a velocidade do astronauta B, após agarrar o
c) F, V, F, V. d) F, F, V, V. tanque de oxigênio?
e) V, V, V, F.
06 – (UFPE) Um casal de patinadores pesando 80 𝑘𝑔
02 – (Fameca-SP) Em um experimento de e 60 𝑘𝑔, parados um de frente para o outro, empurram-
laboratório, uma mola de massa desprezível se bruscamente de modo a se movimentarem em
inicialmente comprimida é liberada e, ao distender- sentidos opostos sobre uma superfície horizontal sem
se, empurra um carrinho, ao qual está presa, e uma atrito. Num determinado instante, o patinador mais
caixa apoiada sobre ele. Antes da distensão da pesado encontra-se a 12 𝑚 do ponto onde os dois se
mola, o conjunto estava em repouso. Quando a caixa empurraram. Calcule a distância, em metros, que
perde o contato com a mola, sua velocidade tem separa os dois patinadores neste instante.
módulo v em relação ao solo.
07 – (UFU-MG) Um skatista, sabendo que sua massa
é de 45 𝑘𝑔, deseja saber a massa de sua irmãzinha
menor. Sendo ele um bom conhecedor das leis da
Física, realiza o seguinte experimento: ele fica sobre
um skate e coloca sua irmãzinha sentada em outro
skate, distante 40 𝑚 de sua posição, conforme figura a
seguir.
Desprezando-se todos os atritos e sabendo que a
massa do carrinho sem a caixa é 5 vezes maior do
que a massa da caixa, determine o módulo da
velocidade adquirida pelo carrinho (V), em relação
ao solo, no instante em que a mola para de empurrar
a caixa.

03 – Um peixe de massa 𝟒 𝒎 nada a 2 𝑚/𝑠. Em certo


momento, ele vê uma presa de massa 𝒎 vindo em Uma corda muito leve é amarrada no skate da
sentido irmãzinha e o skatista exerce um puxão na corda,
oposto a trazendo o skate e a irmãzinha em sua direção, de
forma que ambos se encontram a 10 𝑚 da posição
0,5 𝑚/𝑠.
inicial do skatista. Sabendo-se que cada skate possui
Determine a
massa de 1 𝑘𝑔 e, desprezando o peso da corda e o
velocidade atrito das rodas dos skates com o chão, calcule a
do conjunto após o momento em que a presa foi massa de sua irmãzinha.
devorada.
08 – (UFU-MG) João, em um ato de gentileza, empurra 05. Choque Mecânico ou Colisões

6
uma poltrona para Maria, que a espera em repouso
Quando dois corpos se chocam, observa-se sempre a
num segundo plano horizontal (0,8 𝑚 abaixo do plano
existência de uma fase de deformação, podendo ou
de João). A poltrona tem uma massa de 10 𝑘𝑔 e Maria
não ocorrer uma segunda fase: a de restituição.
tem uma massa de 50 𝑘𝑔. O chão é tão liso que todos
Durante o processo de deformação, a energia cinética
os atritos podem ser desprezados, conforme figura 1.
do sistema pode se transformar em:
A poltrona é empurrada de A até B, partindo do
I – Potencial elástica;
repouso em A. João exerce uma força constante igual
II – Térmica;
a 25 𝑁, na direção horizontal. Em B a poltrona é solta, III – Sonora;
descendo a pequena rampa de 0,8 𝑚 de altura. Quando IV – Trabalho nas deformações permanentes.
a poltrona chega com uma certa velocidade (v) em
Maria, ela senta-se rapidamente na poltrona, sem Se ocorrer a fase de restituição, a energia potencial
exercer qualquer força horizontal sobre ela, e o sistema elástica (armazenada na deformação) é
poltrona + Maria escorrega no segundo plano retransformada em energia cinética. Pode haver,
horizontal, conforme figura 2. ainda, mais conservação em energias térmicas e
sonora. Há, portanto, diversos tipos de choques
mecânicos:
I. Choque perfeitamente elástico: ocorre a
restituição, de forma que toda a energia cinética
inicial reaparece após o choque como energia
cinética final:
𝑄𝑖 = 𝑄𝑓
𝐸𝑐𝑜 = 𝐸𝑐𝑓

Considerando a aceleração da gravidade 𝑔 = 10 𝑚/𝑠 2,


calcule:
a) o trabalho realizado por João no percurso AB.
b) a velocidade (v) da poltrona ao chegar em Maria.
c) a velocidade do sistema poltrona + Maria, após
Maria sentar-se na poltrona.

09 – (PUC-SP) Um tronco de massa 50kg desce um rio


levado pela correnteza com velocidade constante de
2,0m/s. Uma ave de massa 10kg, voando a 2,0m/s, rio
acima, procura pousar sobre o tronco. A ave escorrega de
uma extremidade a outra sem conseguir permanecer
sobre o tronco, saindo com velocidade de 0,5m/s.
II. Choque perfeitamente inelástico: não ocorre a
restituição; os corpos, que se chocam, permanecem
unidos após o choque. Há, portanto, grande
dissipação de energia cinética:
𝑄𝑖 = 𝑄𝑓
𝐸𝑐𝑜 > 𝐸𝑐𝑓
Desprezando a resistência da água, qual a velocidade do
tronco, assim que a ave o abandona?

10 – Dois blocos, A (𝑚𝐴 = 2 𝑘𝑔) e B (𝑚𝐵 = 5 𝑘𝑔), estão


em repouso sobre um plano horizontal sem atritos.
Entre os dois, há uma mola comprimida, encostada em
suas laterais e mantida nessa posição por um fio ideal,
conforme a figura.

Após o corte do fio, o bloco B adquire a velocidade


escalar de 3,0 𝑚/𝑠. Qual é, então, a velocidade
escalar adquirida por A?
III. Choque parcialmente elástico: ocorre a

7
restituição, mas com dissipação de energia cinética:
𝑄𝑖 = 𝑄𝑓
𝐸𝑐𝑜 > 𝐸𝑐𝑓
01 – Quando uma pessoa dispara uma arma vemos
que ela sofre um pequeno recuo. A explicação para
tal fenômeno é dada:
a) pela conservação da energia.
b) pela conservação da massa.
c) pela conservação da quantidade de movimento do
sistema. x
d) pelo teorema do impulso.
e) pelo teorema da energia cinética.
02 – Supondo que uma arma de massa 1𝑘𝑔 dispare
um projétil de massa 10𝑔 com velocidade de
400 𝑚/𝑠, calcule a velocidade do recuo dessa arma.
03 – (Cesgranrio-RJ) Um carrinho de massa 𝑚1 =
2,0 𝑘𝑔, deslocando-se com velocidade 𝑣1 = 6,0 𝑚/𝑠
06. Coeficiente de restituição (𝒆) sobre um trilho horizontal sem atrito, colide com
Nos choques mecânicos unidimensionais ou outro carrinho de massa 𝑚2 = 4,0 𝑘𝑔, inicialmente
frontais, define-se uma grandeza que permite em repouso sobre o trilho. Após a colisão, os dois
identificar o tipo de choque quanto à conservação ou carrinhos se deslocam ligados um ao outro sobre
não de energia cinética. É o coeficiente de esse mesmo trilho. Qual a perda de energia
restituição definido pela relação a seguir: mecânica na colisão?
04 – (FUVEST) Uma partícula se move com
𝑣𝑒𝑙𝑜𝑐𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑎 𝑑𝑒 𝑎𝑓𝑎𝑠𝑡𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 velocidade uniforme V ao longo de uma reta e choca-
𝑒=
𝑣𝑒𝑙𝑜𝑐𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑙𝑎𝑡𝑖𝑣𝑎 𝑑𝑒 𝑎𝑝𝑟𝑜𝑥𝑖𝑚𝑎çã𝑜 se frontalmente com outra partícula idêntica,
inicialmente em repouso. Considerando o choque

𝒗′𝟐 − 𝒗′𝟏
elástico e desprezando atritos, podemos afirmar
que, após o choque:
𝒆= a) as duas partículas movem-se no mesmo sentido
𝒗𝟏 − 𝒗𝟐 com velocidade V/2.
b) as duas partículas movem-se em sentidos
Atenção: As velocidades, nesta fórmula, devem opostos com velocidades – V e + V.
ser medidas com valores algébricos. E nos c) a partícula incidente reverte o sentido do seu
exercícios, o sentido positivo será considerado para movimento, permanecendo a outra em repouso.
a direita. d) a partícula incidente fica em repouso e a outra se
move com velocidade V. x
e) as duas partículas movem-se em sentidos
RESUMINDO opostos com velocidades – V e 2V.

PERFEITAMENTE PERFEITAMENTE PARCIALMENTE 05 – Uma massinha de 0,3 𝑘𝑔 é lançada


ELÁSTICO INELÁSTICO ELÁSTICO
horizontalmente com velocidade de 5,0 𝑚/𝑠 contra
e=1 e=0 0<e<1 um bloco de 2,7 𝑘𝑔 que se encontra em repouso
sobre uma superfície sem atrito. Após a colisão, a
𝑬𝒄𝟎 = 𝑬𝒄𝒇 𝐸𝑐0 > 𝐸𝑐𝑓 𝐸𝑐0 > 𝐸𝑐𝑓 massinha se adere ao bloco. Determine a velocidade
final do conjunto massinha-bloco em m/s
𝑸𝟎 = 𝑸𝒇 imediatamente após a colisão.

06 – Uma partícula de massa 𝑚𝐴 = 2,0 𝑘𝑔 e


07. Choque Mecânico Oblíquo velocidade inicial 𝒗𝟎 colide elasticamente com outra,
Caso um choque ocorra obliquamente, ou em duas inicialmente em repouso, de massa 𝑚𝐵 . Após a
dimensões, a conservação da quantidade de 𝒗
colisão, a velocidade do corpo A é 𝒐⁄𝟒, na mesma
movimento pode ser analisada sobre os eixos direção e no sentido oposto ao da velocidade do
cartesianos x e y: corpo B. Calcule a massa do corpo B, em kg.
𝑸𝒙𝒐 = 𝑸𝒙𝒇 e 𝑸𝒚𝒐 = 𝑸𝒚𝒇
Colisões mecânicas 08 – (UNIFESP-SP) Completamente lotado, certo

8
ônibus trafega a uma velocidade de 10 𝑚/𝑠. Um
07 – (EFB) Calcular, em cada caso, o que é pedido, rapaz à beira da estrada brinca com uma bola de
considerando: tênis. Quando o ônibus passa, ele resolve jogar a
𝑉𝑋 – Velocidade de X antes do choque bola na traseira do mesmo. Sabendo-se que a bola
𝑉𝑋′ – Velocidade de X depois do choque atinge a traseira do ônibus perpendicularmente, com
𝑉𝑌 – Velocidade de Y antes do choque velocidade de 20 𝑚/𝑠, em relação ao solo, qual a
𝑉𝑌′ – Velocidade de Y depois do choque velocidade horizontal final da bola após o choque?
e – Coeficiente de restituição Considere o choque perfeitamente elástico.
a) Choque perfeitamente elástico – 𝑉𝑌′ =?

b) Calcular o coeficiente de restituição (e) e


especificar o tipo de choque

c) Choque parcialmente elástico com coeficiente de


restituição 𝑒 = 0,8 – 𝑉𝑋′ =?
Choque inelástico
09 – (PUC-MG) Um automóvel a 30𝑚/𝑠 choca-se
contra a traseira de outro de igual massa que segue
no mesmo sentido a 20𝑚/𝑠. Se os dois ficam unidos,
a velocidade comum imediatamente após a colisão
será, em m/s.
d) Choque parcialmente elástico com 𝑒 = 0,6 – 𝑉𝑋′ =?
10 – (UNICAMP-SP) Um objeto de massa 𝒎𝟏 =
𝟒, 𝟎 𝒌𝒈 e velocidade 𝑽𝟏 = 𝟑, 𝟎 𝒎/𝒔 choca-se com
outro objeto em repouso, de massa 𝒎𝟐 = 𝟐, 𝟎 𝒌𝒈. A
colisão ocorre de maneira que a perda de energia
cinética é máxima, mas consistente com o Princípio
de Conservação da Quantidade de Movimento.
a) Quais as velocidades dos objetos imediatamente
após a colisão?
b) Qual a variação de energia cinética do sistema?

11 – (UFPI) Na figura a seguir, o peixe maior, de


massa 𝑀 = 5,0𝑘𝑔, nada para a direita a uma
velocidade 𝑣 = 1,0𝑚/𝑠 e o peixe menor, de massa
𝑚 = 1,0𝑘𝑔, se aproxima dele a uma velocidade 𝑢 =
8,0𝑚/𝑠, para a esquerda.

e) Calcular o valor do coeficiente de restituição e


especificar o tipo de choque

Despreze qualquer efeito de resistência da água.


Após engolir o peixe menor, calcule a velocidade do
peixe maior.
12 – (UFRJ) Eduardo, de massa igual a 30 𝑘𝑔, está 15 – (UERJ) Duas esferas, A e B, deslocam-se

9
parado, em pé sobre seu carrinho de 10 𝑘𝑔, quando sobre uma mesa conforme mostra a figura 1.
seu cachorro Zidane, de 20 𝑘𝑔 de massa, vem Quando as esferas A e B atingem velocidades de
correndo e pula sobre o mesmo. Sabendo que o 8 𝑚/𝑠 e 1 𝑚/𝑠, respectivamente, ocorre uma colisão
carrinho com Eduardo e Zidane passa a ter uma perfeitamente inelástica entre ambas. O gráfico na
velocidade de 0,5 𝑚/𝑠, determine a velocidade do figura 2 relaciona o momento linear Q, em 𝒌𝒈 ∙ 𝒎/𝒔,
cachorro antes de ser apanhado pelo dono, e a velocidade, em m/s, de cada esfera antes da
considerando-a na direção horizontal. colisão.

13 – (EFB) O gráfico abaixo, representa as


velocidades de dois móveis X e Y em função do
tempo, antes e depois de uma colisão. Calcule a
massa do móvel Y, considerando a massa do móvel
X como 𝒎𝑿 = 𝟐, 𝟎 𝒌𝒈.

14 – (UNICAMP-SP) O chamado “para-choque


alicate” foi projetado e desenvolvido na Unicamp Determine a velocidade das esferas após a colisão.
com o objetivo de minimizar alguns problemas com
acidentes. No caso de uma colisão de um carro 16 – (UNIFESP-SP) A figura representa um pêndulo
contra a traseira de um caminhão, a malha de aço balístico usado em laboratórios didáticos.
de um para-choque alicate instalado no caminhão
prende o carro e o ergue do chão pela plataforma,
evitando, assim, o chamado “efeito guilhotina”.

A esfera disparada pelo lançador se encaixa em uma


cavidade do bloco preso à haste – em consequência
ambos sobem até ficarem presos por atrito em uma
pequena rampa, o que permite medir o desnível
vertical h do centro de massa do pêndulo (conjunto
bloco-esfera) em relação ao seu nível inicial. Um
Imagine a seguinte situação: um caminhão de aluno trabalha com um equipamento como esse, em
6000𝑘𝑔 está a 54 𝑘𝑚/ℎ e o automóvel que o segue, que a massa da esfera é 𝑚𝑒 = 10 𝑔, a massa do
de massa igual a 2000𝑘𝑔, está a 72 𝑘𝑚/ℎ. O bloco é 𝑚𝑏 = 190 𝑔 e a massa da haste pode ser
automóvel colide contra a malha, subindo na rampa. considerada desprezível. Em um ensaio
Após o impacto, os veículos permanecem engatados experimental, o centro de massa do conjunto bloco-
um ao outro. esfera sobe ℎ = 10 𝑐𝑚.
a) Qual a velocidade dos veículos imediatamente a) Qual a energia potencial gravitacional adquirida
após o impacto? pelo conjunto bloco-esfera em relação ao nível
b) Qual a fração da energia cinética inicial do inicial?
automóvel que foi transformada em energia b) Qual a velocidade da esfera ao atingir o bloco?
gravitacional, sabendo-se que o centro de massa do Suponha que a energia mecânica do conjunto bloco
mesmo subiu 50 𝑐𝑚? esfera se conserve durante o seu movimento e adote
𝑔 = 10 𝑚/𝑠 2 .
17 – (MACKENZIE-SP) De um ponto situado a 12𝑚 Choque perfeitamente elástico

10
acima do solo abandona-se uma bola, a qual, após
chocar-se com o solo, alcança a altura de 6𝑚. 22 – (Fuvest-SP) Dois caixotes de mesma altura e
Determine o valor do coeficiente de restituição desse mesma massa, A e B, podem movimentar-se sobre
uma superfície plana, sem atrito. Estando inicialmente
choque.
A parado, próximo a uma parede, o caixote B
aproxima-se perpendicularmente à parede, com
Choque parcialmente elástico velocidade 𝑽𝒐, provocando uma sucessão de colisões
18 – (EFB) Dois móveis M e N movendo-se em elásticas no plano da figura.
sentidos opostos com velocidades de 5𝑚/𝑠 e 3𝑚/𝑠
respectivamente, sofrem uma colisão
unidimensional, parcialmente elástica de coeficiente
3
de restituição 𝑒 = . Suas massas são 𝒎𝑴 = 𝟏𝟓 𝒌𝒈
4
e 𝒎𝑵 = 𝟏𝟑 𝒌𝒈. Determine a intensidade e o sentido Após todas as colisões, determine os módulos das
de suas velocidades após o choque. velocidades.
23 – (UFRJ) A figura mostra uma mesa de bilhar sobre
19 – (UFRJ)
a qual se encontram duas bolas de mesma massa. A
bola (1) é lançada em linha reta com uma velocidade
𝑽𝒐 e vai se chocar frontalmente com a bola (2), que se
encontra em repouso.

A esfera A, com velocidade 6,0𝑚/𝑠, colide com a


esfera B, em repouso, como mostra a figura anterior.
Após a colisão as esferas se movimentam com a
mesma direção e sentido, passando a ser a
velocidade da esfera A 4,0𝑚/𝑠 e a da esfera B, Considere o choque perfeitamente elástico e despreze
os atritos. Calcule, em função de 𝑽𝒐 , as velocidades
6,0𝑚/𝑠. Considerando 𝒎𝑨 a massa da esfera A e
𝒎 que as bolas (1) e (2) adquirem após o choque.
𝒎𝑩 a massa da esfera B, determine a razão 𝒎𝑨 .
𝑩
24 – (MACKENZIE-SP) A esfera A, de massa 𝟐 𝒌𝒈 e
velocidade 𝟏𝟎 𝒎/𝒔, colide com outra B de 𝟏 𝒌𝒈, que se
20 – (FUVEST-SP)
encontra inicialmente em repouso. Em seguida, B
Em uma canaleta colide com a parede P. Os choques entre as esferas e
circular, plana e entre a esfera B e a parede P são perfeitamente
horizontal, podem elásticos. Despreze os atritos e o tempo de contato nos
deslizar duas choques.
pequenas bolas A e
B, com massas
𝑴𝑨 = 𝟑𝑴𝑩 , que são
lançadas uma contra
a outra, com igual
velocidade Vo, a
partir das posições
indicadas. Após o
Calcule a distância percorrida pela esfera A entre o
primeiro choque entre elas (em 1), que não é
primeiro e o segundo choque com a esfera B é:
elástico, as duas passam a movimentar-se no
sentido horário, sendo que a bola B mantém o 25 – (UFPE) Um pequeno bloco, de massa 𝑚 =
módulo de sua velocidade Vo. Determine em que 0,5 𝑘𝑔, inicialmente em repouso no ponto A, é
posição ocorrerá o próximo choque entre elas. largado de uma altura ℎ = 0,8 𝑚. O bloco desliza ao
longo de uma superfície sem atrito e colide com um
21 – (UFB) Por transportar uma carga extremamente outro bloco, de mesma massa, inicialmente em
pesada, um certo caminhão trafega a uma repouso no ponto B (veja a figura a seguir).
velocidade de 10 𝑚/𝑠. Um rapaz à beira da estrada
brinca com uma bola de tênis. Quando o caminhão
passa, ele resolve jogar a bola na traseira do
mesmo. Sabendo-se que a bola atinge a traseira do
caminhão perpendicularmente, com velocidade de
20 𝑚/𝑠, em relação ao solo, qual a velocidade
horizontal final da bola após o choque? Determine a
Considere um choque parcialmente elástico de velocidade do segundo bloco após a colisão, em
coeficiente de restituição 𝑒 = 0,6 𝑚/𝑠, considerando-a perfeitamente elástica.
26 – (UFPE)(modificada) Dois carros A e B, 29 – Um jogador de golfe dá uma tacada, imprimindo

11
inicialmente em repouso, podem mover-se uma força de 250𝑁 à bola (ver figura).
livremente na direção x. A massa do carro A é 𝟔𝒌𝒈,
e a do carro B, 𝟐𝒌𝒈. Eles estão unidos, comprimindo
uma mola, conforme figura. Quando a corda que os
mantém é queimada e se rompe, o carro A se
desloca com velocidade de 2,0𝑚/𝑠 em relação ao
solo.

Qual é o módulo da velocidade da bola


imediatamente após o impacto, supondo-se que a
força atue durante um tempo igual a seis milésimos
de segundo? Dado: A massa da bola de golfe é igual
a 45 gramas.

Qual é a energia, em J, que estava armazenada na 30 – (BHWS) Um automóvel de massa 𝑚𝐵 = 800𝑘𝑔,


mola antes do rompimento da corda? (Despreze os deslocando-se para a direita com velocidade
atritos) constante de 10𝑚/𝑠, colide com uma camionete de
massa 𝑚𝐴 = 1200𝑘𝑔 inicialmente em repouso. Leia
27 – Um carrinho de massa igual a 10𝑘𝑔, as afirmativas abaixo referentes a colisão dos
deslocando-se para a direita com velocidade igual veículos representados na figura abaixo. Despreze
10𝑚/𝑠, é fragmentado, por uma explosão, em dois os atritos e eventuais forças externas ao sistema.
pedaços, (1) e (2), de massas iguais (veja figura).

I) Considerando a colisão perfeitamente inelástica


podemos concluir que há conservação da
Sejam 𝑉1 𝑒 𝑉2 as velocidades, respectivas dos dois
quantidade de movimento do sistema e máxima
fragmentos, logo após a explosão e sabendo que o dissipação de energia cinética.
pedaço 1 adquire velocidade igual a 22 𝑚/𝑠 para a II) Considerando a colisão perfeitamente inelástica
direita logo após a explosão, determine o módulo da a velocidade do sistema após a colisão é 4𝑚/𝑠 para
velocidade adquirida pelo pedaço 2 definindo o a direita.
sentido do movimento. III) A força média que o automóvel exerce sobre a
camionete é maior em módulo do que a força média
28 – Um veículo de 700 𝑘𝑔 que trafega a 80𝑘𝑚/ℎ que a camionete exerce sobre o automóvel
(aproximadamente 22𝑚/𝑠) colide com um muro e a) Apenas I e II são verdadeiras.
para (veja figura). b) Apenas II e III são verdadeiras.
c) I, II e III são verdadeiras.
d) Apenas I é verdadeira.
e) Apenas III é verdadeira.

Qual é o módulo da variação da quantidade de


movimento durante a colisão? Qual é o módulo da
força, suposta constante, que atua sobre o veículo,
sabendo-se que a colisão durou um décimo de
segundo?

Você também pode gostar