Você está na página 1de 11

FACULDADE DO CENTRO LESTE - UCL

MÁQUINAS DE FLUXO

THYAGO CAPELLO
VINÍCIUS THOMÉ

Serra, 2021
1

THYAGO CAPELLO
VINÍCIUS THOMÉ

Relatório técnico apresentado como atividade


avaliativa da disciplina Máquinas de fluxo, no
Curso de Engenharia Mecânica, na Faculdade do
Centro Leste (UCL). Ministrada por:

Prof. André Luiz Perazzo Amaral

Serra, 2021
2

RESUMO

Este trabalho apresenta o dimensionamento dos triângulos de velocidades,


vazão (Q), altura teórica (H-t∞), potência (Pot-t∞) e torque (T) de um rotor de uma
bomba calculado a partir de uma foto frontal do rotor.

Palavras-chave: Rotor. Bomba. Dimensionamento. Triângulo de velocidades.


3

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.............................................................................................. 4
2 DESENVOLVIMENTO.................................................................................. 5
2.1 OBJETIVO GERAL....................................................................................... 5
2.1.1 Objetivos específicos................................................................................. 5
2.2 METODOLOGIA............................................................................................ 5
2.3 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS........................................................ 6
2.4 RESULTADOS.............................................................................................. 6
3 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES....................................................... 10
REFERÊNCIAS............................................................................................. 11
4

1 INTRODUÇÃO

A bomba centrífuga tem como principal objetivo o transporte de fluido de um


ponto ao outro. Seu funcionamento é conectado a um motor que pode ser elétrico,
de combustão ou vapor, transportando o líquido em diferentes elevações.
O seu funcionamento ocorre através de impulsos vindo de um rotor ligado ao motor por
meio de um eixo motriz, que está dentro de uma carcaça. Esse rotor possui palhetas que
giram rapidamente em espiral, e com essa ação é criada uma zona de alta pressão que
faz a bomba sugar o fluido (convertendo a energia do motor em energia cinética),
aumentando o seu fluxo de rotação. (MUNDO DA ELÉTRICA, 2013).

Para o estabelecimento de equações em mecânica dos fluidos é de enorme


importância a escolha do sistema de referência. Um escoamento que em relação a
um determinado sistema de referência seja variável, pode, se for escolhido um
sistema adequado, ser permanente em relação a este, facilitando, desta maneira o
seu estudo.
Isto poderá levar a que o movimento de uma partícula fluida P seja referido a um
sistema de coordenadas que, por sua vez, também esteja em movimento. Este sistema
será, então, considerado como relativo (O’, X’, Y’, Z’) e terá, no caso geral, um
movimento combinado de translação e rotação com relação a outro considerado fixo e
chamado de sistema
absoluto (O, X, Y, Z)
(Fig.1).

Figura 1: Sistema de coordenadas


absoluto e relativo.

Onde R é o vetor posição da partícula fluida P com relação ao centro O do sistema


absoluto. R0 é o vetor posição do centro O’ do sistema relativo com relação ao
centro O do sistema absoluto. E por fim r é o vetor posição da partícula fluida P com
relação ao centro O’ do sistema relativo.
5

2 DESENVOLVIMENTO

No início dos cálculos foi necessário obter os dados iniciais de entrada e


saída do rotor, para isso foi necessário medir os diâmetros (d1 e d2), alturas das
palhetas (b1 e b2), ângulos (β1 e β2) e por fim o número de rotações do eixo (n).
Logo após as medições, foram criadas algumas hipóteses, como o tipo de
fluido utilizado (ρágua = 1000 Kg/m3), gravidade (g = 9,81 m/s2), entrada radial (α1 =
90°) e o valor estipulado dos ângulos (β1 e β2) através do croqui no AutoCad.

2.1 OBJETIVO GERAL

Calcular o triângulo de velocidades, a vazão (Q), altura teórica (H-t∞), potência (Pot-
t∞) e torque (T).

2.1.1 Objetivos específicos

Calcular a Velocidade periférica ou tangencial do rotor na entrada, Velocidade


absoluta do fluido na entrada, Velocidade relativa do fluido na entrada,
Componente meridiana da velocidade absoluta na saída, Componente
periférica da velocidade relativa, Velocidade relativa na saída, Velocidade
periférica na saída, Componente periférica da velocidade absoluta e por fim
Velocidade absoluta.

2.2 METODOLOGIA

Com os dados obtidos foram desenvolvidas as equações no Excel, onde foi possível
plotar os valores originais e alguns outros valores randômicos para realizar a
6

conferência dos resultados encontrados, ou seja, para analisar alguns distúrbios nos
valores estipulados (não foram encontrados distúrbios).

2.3 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS

Para o dimensionamento foram usadas as equações dadas em sala pelo professor


André Luiz Perazzo Amaral na aula de 17 de agosto de 2021 da matéria de
máquinas de fluxo.

2.4 RESULTADOS

Rotor:

Figura 2: Foto do rotor do exercício proposto

Definição do Triângulo de velocidades:


7

Figura 3: Desenho do rotor no AutoCad com as


velocidades traçadas

Dados:
d1= (0,075) m; d2= (0,145) m; β1= (22)°; n= (1750) rpm;

b1= (0,040) m; b2= (0,030) m; β2= (27)°; g= 9,81 m/s2;


α1=(90)° ρ= 1000 kg/m3;
Polígono de velocidades:

Figura 4: Triângulo de velocidades de


entrada

Velocidade periférica ou tangencial do rotor na entrada:


U1= (πD1n) / 60 Logo U1= (6,8722) m/s
Velocidade absoluta do fluido na entrada:
Tan β1= C1 / U1 Logo C1= (2,7766) m/s
Velocidade relativa do fluido na entrada:
W12= C12+U12 Logo W1= (7,4119) m/s
Do triângulo de velocidade temos que: Cm1=C1= x m/s. Para obter as informações
do segundo triângulo de velocidades podemos utilizar a equação da vazão:
8

Q= πD1b1Cm1 = πD2b2Cm2
Q= πD1b1Cm1 Logo Q= (0,0262) m3/s
Componente meridiana da velocidade absoluta na saída:
Cm2= Q / πD2b2 Logo Cm2= (1,9149) m/s
Componente periférica da velocidade relativa:
Tan β2= Cm2 / WU2 Logo WU2= (3,7581) m/s
Velocidade relativa na saída:
W22= Cm22+WU22 Logo W2= (4,2179) m/s
Velocidade periférica na saída:
U2= (πD2n) / 60 Logo U2= (13,2863) m/s
Componente periférica da velocidade absoluta:
CU2= U2-WU2 Logo CU2= (9,5282) m/s
Velocidade absoluta:
C22= CU22+Cm22 Logo C2= (9,7187) m/s
Tan α2= Cm2 / CU2 Logo α2= (11,3633)°
Assim obtendo:

Figura 5: Triângulo de velocidades de


saída
Altura teórica:
HT∞= (1/g)(U2CU2-U1CU1) Logo HT∞= (12,9046) m
Potência teórica:
PotT∞= ρgQ HT∞ Logo PotT∞= (3,3) Kw ou (4,5) Cv
Torque do eixo:
TEIXO= m(r2CU2-r1CU1) Sabendo que m= ρQ
TEIXO= ρQ(r2CU2-r1CU1) Logo TEIXO= (9,9735) Nm
9

3 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

Nesta análise e dimensionamento do triângulo de velocidades se mostrou


eficaz para determinar dados importantes da bomba como altura manométrica,
vazão, potência e torque mesmo em situações no qual a bomba não possui uma
plaqueta de dados.
10

REFERÊNCIAS

AMARAL, André Luiz Perazzo. Sistemas de bombeamento: Alturas e curva do


sistema. In: AMARAL, André Luiz Perazzo. Sistemas de bombeamento: Alturas e
curva do sistema. Serra-ES, 2021. Disponível em:
https://drive.google.com/file/d/0B6pyn0cdiO3pN0gyOGZYOHRKWWM/view?resourc
ekey=0-0-z-wJiIRW_GRjZa6KWCGw. Acesso em: 29 set. 2021.

AMARAL, André Luiz Perazzo. Teoria unidimensional das máquinas de


fluxo. In: AMARAL, André Luiz Perazzo. Teoria unidimensional das máquinas de
fluxo. [S. l.], 2021. Disponível em:
https://drive.google.com/file/d/0B6pyn0cdiO3pWnFCZGFRLTFjczA/view?resourceke
y=0-GJ_IQVhzei9cSxYtIlkyJA. Acesso em: 29 set. 2021.

SANTOS, Vinícius Gajdeczka dos. Dimensionamento e proposta de melhoria


do rotor de um ventilador centrífugo (Estudo de Caso). 2019. Trabalho de Conclusão
de Curso (Engenharia Mecânica) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná,
Pato Branco, 2019.

BALDAM, R. L.; COSTA, L. AutoCAD 2002, utilizando totalmente. São Paulo :


Érica, 2003. 486p.

Microsoft: Microsoft Excel. In Book Microsoft Excel. Redmond, Washington:


Microsoft; 2011.

Você também pode gostar