Você está na página 1de 134

PGR FORM-20 / ENG

REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 1 de 80

MAKRO ENGENHARIA LTDA

PGR

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO
DE RISCOS

PÉTIO DE MONTAGEM

Contrato N° 5900076712

Emissão Inicial

ELABORAÇÃO:

PARAUAPEBAS – PA
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 2 de 80

CONTROLE DE REVISÃO

Data Inicial Motivo da Revisão Responsável pela Revisão


Frederico Sabino Diniz
30/10/2020 00 Elaboração Inicial Engenheiro de Segurança do Trabalho
CREA 12.3396/D
Sumário
CONTROLE DE REVISÃO........................................................................................................................2
INTRODUÇÃO.......................................................................................................................................4
OBJETIVO............................................................................................................................................4
IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E CAMPO DE APLICAÇÃO.............................................................................4
Organograma funcional..........................................................................................................................5
CONTRATANTE.....................................................................................................................................6
REFERÊNCIAS......................................................................................................................................6
DEFINIÇÕES........................................................................................................................................6
MONITORAMENTO DE RISCOS................................................................................................................7
ATMOSFERAS EXPLOSIVAS E DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO..........................................................................8
VENTILAÇÃO EM ATIVIDADES DE SUBSOLO.............................................................................................8
PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA.....................................................................................................................8
INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES DO TRABALHO.........................................................................8
ERGONOMIA, ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E TRABALHOS MANUAIS.........................................................9
TRABALHO EM ALTURA..........................................................................................................................9
TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO........................................................................................................9
TRABALHO COM ELETRICIDADE..............................................................................................................9
TRABALHO COM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E VEÍCULOS.......................................................................10
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL...........................................................................................10
ESTABILIDADE DO MACIÇO..................................................................................................................10
PLANO DE EMERGÊNCIA.......................................................................................................................10
ASPECTOS DE SEGURANÇA RESULTANTES DE NOVA TECNOLOGIA............................................................11
ACOMPANHAMENTO DAS MEDIDAS DE CONTROLE IMPLEMENTADAS.........................................................11
MONITORIZAÇÃO DA EXPOSIÇÃO AOS FATORES DE RISCOS....................................................................11
REGISTRO E MANUTENÇÃO DOS DADOS DO PGR....................................................................................12
ANÁLISE CRÍTICA DO PROGRAMA.........................................................................................................12
PLANEJAMENTO ANUAL DO PGR............................................................................................................12
CRONOGRAMA DE TREINAMENTOS DO PGR............................................................................................13
RESPONSABILIDADES..........................................................................................................................14
Empregados.......................................................................................................................................14
CIPA..................................................................................................................................................15
SESMT...............................................................................................................................................15
CONSIDERAÇÕES FINAIS.....................................................................................................................15
Relação de funções..............................................................................................................................18
Planilha de RAC por Função..................................................................................................................75
Planilha de EPIs por Função..................................................................................................................76
Carteira profissional............................................................................................................................77
Anotação de Responsabilidade Técnica - ART..........................................................................................78
Plano de Contingência COVID - 19.........................................................................................................79
INTRODUÇÃO

A elaboração e implementação deste Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) é uma


exigência da Norma Regulamentadora 22, Portaria 3.214/78 do MTE para empresa ou Permissionário de
Lavra Garimpeira, e visa à preservação da saúde e integridade física dos trabalhadores diante dos riscos
do ambiente de trabalho e considerando também a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.
Este documento contempla os aspectos da norma citada acima, incluindo, no mínimo, os
relacionados a:
a) Riscos físicos, químicos e biológicos;
b) Atmosferas explosivas;
c) Deficiência de oxigênio;
d) Ventilação;
e) Proteção respiratória, de acordo com a Instrução Normativa nº 1, de 11/04/94, da Secretaria de
Segurança e Saúde no Trabalho;
f) Investigação e análise de acidentes do trabalho;
g) Ergonomia e organização do trabalho;
h) Riscos decorrentes do trabalho em altura, em profundidade e em espaços confinados;
i) Riscos decorrentes da utilização de energia elétrica, máquinas, equipamentos, veículos e
trabalhos manuais;
j) Equipamentos de proteção individual de uso obrigatório, observando-se no mínimo o constante
na Norma Regulamentadora nº 6;
k) Estabilidade do maciço;
l) Plano de emergência, e
m) Outros resultantes de modificações e introduções de novas tecnologias.

OBJETIVO

 Disciplinar os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma


a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento da atividade mineira com a busca
permanente da segurança e saúde dos trabalhadores;
 Identificar riscos ambientais, ergonômicos e de acidentes presentes no local de trabalho,
propondo medidas de prevenção e proteção adequadas;
 Atender aos requisitos da Norma Regulamentadora 22, Portaria 3.214/78 do MTE.

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E CAMPO DE APLICAÇÃO

Razão Social Makro Engenharia LTDA.


CNPJ 05.325.014/0005-22
Inscrição Estadual 15.241.779 – 6
Serviços de operação e fornecimento de equipamentos para transporte e
Atividade principal
elevação de cargas e pessoas para uso em obras.
CNAE 43.99-1-04
Grau de risco 04 (quatro)
Rodovia PA 160 S/N Loja 06 Lote 19, Novo Brasil –Parauapebas – PA
Endereço
CEP: 68515-000.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 5 de 80

Telefone (85) 3444-3000


E-mail makroengenharia@makroengenharia.com.br

O Programa de Gerenciamento de Risco – PGR tem como abrangência de aplicação o Complexo


Consolidado Carajás.

Organograma funcional

1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA
CONTRATANTE

Nº Contrato 5900076712
Contratante Vale S.A.
CNPJ 33.592.510/0001-54
Este contrato tem por objetivo a prestação de serviços de içamento e
movimento de cargas, para apoio as atividades operacionais e de
manutenções relacionadas à DIFN, Diretoria de ferrosos norte, a ser
Objeto
executado nas instalações da Vale, em Serra dos Carajás, Parauapebas-Pará,
Curionópolis, Canaã dos Carajás e Eldorado dos Carajás, estado do Pará,
pela contratada a Vale (os “serviços”).
Gerência Geral Gerência Exec. De Engenharia e Manutenção
Gerência de área Ger. Engenharia Mina Carajás
Diretoria DIFN
Márcio Freire
Gestor Vale Celular: (94) 8107-0727
e-mail:Márcio.freire@vale.com
Josean Silva
Fiscal Celular: (94) 8107-0727
e-mail: Josean.silva@vale.com
Analista de Execução Erica.souza@vale.com
Paulo Robson Oliveira
Preposto do contrato Celualr: (85) 99628-6862
e-mail: paulorobson@makroengenharia.com.br
Vigência do contrato 23/09/2020 à 21/01/2021

REFERÊNCIAS

 NR 22 – Norma Regulamentadora: Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração.


 NR 06 – Norma Regulamentadora: Equipamento de Proteção Individual
 NR 07 – Norma Regulamentadora: Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO.
 NR 09 – Norma Regulamentadora: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.
 NR 15 – Norma Regulamentadora: Atividades e Operações Insalubres.

DEFINIÇÕES

 Higiene Ocupacional: Ciência da antecipação, reconhecimento e avaliação de riscos e condições


prejudiciais para a saúde no ambiente de trabalho, assim como do desenvolvimento de
estratégias de prevenção e controle, com o objetivo de proteger e promover a saúde e o bem-
estar dos trabalhadores, salvaguardando também a comunidade e o meio ambiente em geral.
 Antecipação: A antecipação consiste na análise de projetos de novas instalações, métodos ou
processos de trabalho, ou de modificação dos já existentes, visando a identificar os riscos
potenciais e introduzir medidas de proteção para sua redução ou eliminação.
 Reconhecimento: Etapa da avaliação qualitativa, que identifica e lista os agentes ambientais que
podem ser considerados como riscos potenciais aos trabalhadores.
 Agente Ambiental: Agente físico, químico ou biológico encontrado nos locais de trabalho que em
função de sua natureza, concentração ou intensidade e +, podem ser caracterizados como risco e
causar danos à saúde do trabalhador.
 Agentes Físicos: Diferentes formas de energia propagadas no ar, que podem interagir com o
organismo humano tais como ruído, calor, frio, vibrações mecânicas, pressões a Normais,
radiações não ionizantes (radio frequências, ultravioleta, micro-ondas, campo eletromagnético,
laser, etc.), radiações ionizantes (raios-x, alfa, gama, beta), infrassom e ultrassom.
 Agentes Químicos: Substâncias, compostos ou elementos que possam penetrar no organismo por
via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela
natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvido pelo organismo através
da pele ou por ingestão.
 Agentes Biológicos: Microrganismos vivos ou mortos que podem interagir com o organismo
humano.
 Grupo Homogêneo de Exposição (GHE) ou Grupo de Exposição Similar (GES): Grupo de
trabalhadores expostos aos agentes ambientais de forma bastante semelhante, a tal ponto que a
avaliação de qualquer um de seus componentes oferece dados úteis para estimar o risco dos
demais integrantes.
 Análise Qualitativa: Caracterização preliminar dos riscos ambientais a partir da identificação dos
agentes físicos, químicos e biológicos presentes no ambiente de trabalho ou decorrentes do
processo produtivo, da categorização dos seus efeitos à saúde, da listagem e do tempo de
execução das tarefas desempenhadas pelos empregados.
 Avaliação Quantitativa: Determinação das concentrações dos agentes químicos e biológicos ou
intensidade dos agentes físicos, através de metodologias de Higiene Ocupacional.
 Avaliação Ambiental: Medições feitas com instrumentos instalados em um ponto fixo, para coletar
amostras do ar ou de energias (acústica, térmica, mecânica, radioativa etc.) propagadas no local
de trabalho.
 Limite de Tolerância (LT): Valor de concentração ou intensidade relacionado à natureza e tempo
de exposição a um agente ambiental estabelecido pelas autoridades governamentais, que deve
ser respeitado para fins de prevenção das doenças ocupacionais.
 Monitoramento: Atividade planejada que deve ser realizada sistematicamente, visando identificar
se as medidas implementadas asseguram a eficácia dos controles da exposição ocupacional.
 Nível de Ação (NA): Valor acima do qual devem ser iniciadas ações preventivas de forma a
minimizar a probabilidade de que as exposições a agentes ambientais ultrapassem os limites de
exposição, sendo representado por 50% do Limite de Tolerância para os agentes químicos e 50%
da dose para o ruído.
 Controle dos Riscos Ambientais: Aplicação e gerenciamento de medidas de controle de ordem
coletiva, administrativa ou individual, para eliminar ou atenuar a propagação dos agentes físicos,
químicos e biológicos nos locais de trabalho.

MONITORAMENTO DE RISCOS

Antecipação, o reconhecimento, a avaliação, o controle e o monitoramento da exposição dos


trabalhadores aos riscos (físicos, químicos, biológicos, ergonômico e de acidente) serão realizados através
da planilha de antecipação e reconhecimento dos riscos por função de forma qualitativa (anexo II), e dos
Laudos Técnicos das Condições Ambientais de Trabalho – LTCAT, de forma quantitativa.
O desenvolvimento da planilha de antecipação e reconhecimento dos riscos por função consiste
na antecipação, reconhecimento, avaliação e controle de agentes agressivos de natureza química, física,
biológica, ergonômica e de acidente encontrados nos ambientes de trabalho, visando prevenir doenças
ocupacionais e outros prejuízos à saúde do trabalhador (Ações Qualitativas).
Esta metodologia de aplicação contempla as seguintes etapas:
a) Antecipação e reconhecimentos dos riscos;
b) Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;
c) Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;
d) Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
e) Monitoramento da exposição aos riscos;
f) Registro e divulgação dos dados.

Os critérios utilizados para a realização das análises quantitativas são as Normas


Regulamentadoras do Ministério do Trabalho, as Normas de Higiene Ocupacional da Fundacentro e na
inexistência de regulação nacional, aplicam-se os critérios da American Conference Governmental
Industrial Hygienists – ACGIH.
Os resultados das avaliações Qualitativas e Quantitativas são divulgados para todas as partes
interessadas seguindo-se as diretrizes estabelecidas no plano de comunicação do PGR.

ATMOSFERAS EXPLOSIVAS E DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO

Não aplicável às atividades operacionais da empresa Makro Engenharia.

VENTILAÇÃO EM ATIVIDADES DE SUBSOLO

A NR 22, em seu item 22.24 determina que as atividades subterrâneas devem dispor de sistema
de ventilação mecânica que atenda aos requisitos da norma. No entanto, as atividades são desenvolvidas
em mina a céu aberto, ou seja, este item não se aplica ao Complexo Consolidado Carajás.

PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

As exposições a gases, vapores, poeiras, fumos, névoas e neblinas serão controladas pelo
Programa de Proteção Respiratória (PPR), seguindo as orientações constantes na Instrução Normativa
SSST/Mtb Nº 1 de 11/04/1994. Para as exposições com nível de ação identificadas através do Laudo
Técnico, é obrigatório o uso de proteção respiratória adequada, especificada em função do agente e da
concentração do mesmo, conforme estabelecido no mapeamento de EPIs por função.
A aplicação do PPR inicia-se com a identificação de riscos respiratórios considerados maior ou
igual ao nível médio, que caracteriza a necessidade de adoção de medidas de controle de treinamento,
dispositivos de proteção coletiva e/ou individual e verificações de saúde a serem descritas no PCMSO.
O PPR define a estratégia de gerenciamento, controle e registro do tratamento dos riscos
respiratórios.

INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DE ACIDENTES DO TRABALHO


Os acidentes ocorridos com os empregados Makro nas dependências do Complexo Consolidado
Carajás serão investigados e analisados conforme ST POP 01 – Comunicação, registro, investigação e
análise de incidentes (procedimento Makro) e procedimento interno da Vale.
A comunicação dos acidentes deve ocorrer conforme estabelecido nestes procedimentos.
Após a conclusão da investigação e análise do acidente, é formalizado um plano de ação visando
o bloqueio das causas levantadas. As medidas estabelecidas no plano de ação são registradas no Sistema
Informatizado de Gestão da Vale, visando o acompanhamento pelas gerências ou gestores de contrato das
medidas já implantadas e as que deverão ser implementadas.
As evidências para a baixa das ações são enviadas antes do vencimento para gerente, supervisor
e técnico de segurança da área da ocorrência, para a verificação da eficácia, e posterior baixa de cada
ação.

ERGONOMIA, ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E TRABALHOS MANUAIS

Na execução de tarefas envolvendo trabalhos manuais, movimentos repetitivos bem como


àquelas que envolvam esforços excessivos, e outras que por sua natureza ou método de execução possam
representar riscos aos trabalhadores, são observados os preceitos da NR-17 Ergonomia (Portaria
3.214/78).
Esta norma apresenta parâmetros para o posto e organização do trabalho. O objetivo é de
adaptar os postos de trabalho, ajustando a área para a economia de movimentos, redução de
manipulações e repetições, melhora do ritmo de trabalho, adequação do formato ao trabalhador, o que
possibilita a diminuição da atividade muscular.
A medida de controle existente é o Programa de Ergonomia que estabelece as orientações e
ações preventivas visando à minimização ou eliminação dos riscos ergonômicos no desenvolvimento das
atividades ou postos de trabalho.

TRABALHO EM ALTURA

Para as atividades e serviços desenvolvidos em ambientes ou locais do Complexo Consolidado


Carajás que apresentem possibilidade de queda por diferença de nível, igual ou superior a 1,8 metros, são
realizadas Análise de Riscos da Tarefa - ART, emitidos uma Permissão para Trabalhos Especiais – PTE e
uma Avaliação de Estado de Saúde – AES, seguidos os procedimentos operacionais e também os
Requisitos de Atividades Críticas e NR 35 - Trabalho em Altura.

TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO

Não aplicável às atividades operacionais da empresa Makro Engenharia.

TRABALHO COM ELETRICIDADE

Em seu contrato de prestação de serviços a Makro não executa atividades com eletricidade.
Quando existe a necessidade deste tipo de intervenção é aberto um chamado de solicitação de serviços e
este é executado pela Vale.
Para as atividades de bloqueio de energias são utilizados os requisitos dispostos nos Requisitos de
Atividades Críticas (PTP-000813-Vale). Previamente é avaliada e priorizada a condição de energia zero
para a realização dos trabalhos, conforme procedimentos internos.
TRABALHO COM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E VEÍCULOS

A montagem e instalação de máquinas, equipamentos e dispositivos auxiliares são executadas


conforme os projetos e orientações da Engenharia, que estão em conformidade com as normas técnicas
vigentes, as instruções dos fabricantes e o previsto na NR-12 e NR-22 (Portaria 3.214/78), itens 22.8
Transportadores de Correia, 22.11 Máquinas, Equipamentos, Ferramentas e Instalações e 22.13 Cabos,
Correntes e Polias.
As máquinas, equipamentos e sistemas operacionais que possuam partes móveis ou provoquem
lançamento ou queda de material/fragmento são acessados quando estão instalados os dispositivos ou
sistemas de proteção conforme exigido no item 22.10.11 da NR 22, ou ainda, quando estiverem
devidamente bloqueados, conforme RAC 04, para a realização de manutenção preventiva ou corretiva.
A operação de equipamentos móveis e a condução de veículos automotores, nas dependências de
Carajás, são executadas por trabalhador treinado, qualificado e autorizado. No início dos trabalhos são
verificados e preenchidos os check-list de pré-uso dos equipamentos e veículos, conforme os
procedimentos operacionais, os Requisitos de Atividades Críticas.

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

São fornecidos aos empregados Equipamentos de Proteção Individual adequados ao risco, em


perfeito estado de conservação e funcionamento, de acordo com a indicação dos programas de segurança
e em conformidade com NR-06 Equipamentos de Proteção Individual (Portaria 3.214/78) do Ministério do
Trabalho e Emprego.
A caracterização de EPI X Função é realizada avaliando-se cada cargo, funções executadas e risco
existente pelo SESMT MAKRO. O mapeamento dos EPIs por função consta no anexo deste documento. Os
EPIs são disponibilizados e/ou substituídos no almoxarifado do canteiro Makro. O controle de entrega é
realizado através de ficha de EPIs.
Todos os empregados são treinados quanto ao uso, guarda e conservação do EPI quando da sua
admissão, de acordo com os requisitos estabelecidos na NR 06. Também são realizados treinamentos
anuais de reciclagem, conforme cronograma de treinamentos.
Todos os empregados e visitantes são orientados a utilizar o Equipamento de Proteção Individual
- EPI, de acordo com os procedimentos específicos estabelecidos, do local, da natureza do trabalho e dos
perigos contidos na Análise de Riscos da Tarefa, bem como dos riscos identificados nos programas de
prevenção.
A utilização de botina de segurança, capacete com jugular, protetor auricular tipo concha e óculos
de segurança é de uso obrigatório na área operacional para todos empregados e visitantes.

ESTABILIDADE DO MACIÇO

Nas atividades desenvolvidas pela Makro no interior do Complexo Consolidado Carajás que
tenham proximidade com taludes e pilhas de minério, como no pátio de estocagem, usinas e minas, todos
os empregados expostos ao risco são treinados em procedimentos internos, como: percepção de risco em
estabilidade de solo e Trânsito interno do pátio de estocagem e expedição, além do atendimento às
recomendações e procedimentos estabelecidos para acesso ás minas.

PLANO DE EMERGÊNCIA
Em caso de ocorrência de acidentes de qualquer natureza, incêndio, derramamento de produtos
químicos, entre outros, deverão ser seguidas as orientações do Plano de Atendimento a Emergência (PAE).
Todos os funcionários deverão receber este treinamento no introdutório Makro, de forma a conhecerem o
Plano de Emergência, podendo ainda participar dos simulados que a contratante poderá
realizar.

ASPECTOS DE SEGURANÇA RESULTANTES DE NOVA TECNOLOGIA

Os aspectos de segurança resultantes de modificações e introduções de novas tecnologias para a


minimização e melhoria das condições de exposição aos riscos durante a execução das atividades podem
ser sugeridos pela mão de obra direta ou indireta, sendo avaliados e discutidos por comissão habilitada e,
se aprovados, são enviados para a contratante Vale aprovar a inclusão nos procedimentos de trabalho. A
contratada Makro não possui autorização de implantar/implementar ferramentas e/ou dispositivos para a
melhoria das condições de trabalho, sem o consentimento da Vale.

ACOMPANHAMENTO DAS MEDIDAS DE CONTROLE IMPLEMENTADAS

Para cada risco identificado é proposto medidas de prevenção e proteção para controle da
exposição ao risco, podendo ser proteção coletiva ou individual. Para controles de ordem coletiva,
identifica-se e sugere-se as melhorias das condições de trabalho juntamente ao cliente, sendo elaborados
conforme projeto e implementados diversos tipos de proteção que visam a minimização ou eliminação dos
riscos presentes. Quando os métodos de controle coletivo não ofereçam completa proteção contra os
riscos, são adotados os controles de ordem individual, através do fornecimento de Equipamentos de
Proteção Individual (EPI).
Os equipamentos de proteção individual e coletiva são adquiridos de fabricantes de acordo com
padrões e normas de projetos aceitos, aprovados pela Vale e aprovados/certificados pelos órgãos
competentes, bem como mantidos e utilizados dentro de padrões preestabelecidos pelos fabricantes.
As medidas de controle implementadas são verificadas e acompanhadas através de:
 Aprovação e definição dos equipamentos de proteção individual para uso através do SESMT
Makro;
 Realização de inspeções periódicas para avaliação de conformidade dos itens de saúde e
segurança, bem como o planejamento de ações corretivas para a adequação dos itens
identificados como não conformes;
 Realização de avaliação quantitativa dos riscos, através do Laudo Técnico das Condições
Ambientais de Trabalho – LTCAT;
 Para os itens considerados não conformes, são estabelecidas medidas de tratamento para
adequação, com plano de ação e prazos devidamente estabelecidos.

MONITORIZAÇÃO DA EXPOSIÇÃO AOS FATORES DE RISCOS

As condições de trabalho e a exposição aos fatores de risco serão monitoradas através dos
programas de saúde e segurança, dentre eles:
 Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO);
 Análise Preliminar de Riscos através das planilhas de antecipação e reconhecimento dos riscos
por função, de forma qualitativa;
 Programa de Ergonomia;
 Realização de Inspeção Integrada de Saúde, Segurança e Meio Ambiente;
 Atendimento aos Requisitos para Atividades Críticas da contratante Vale;
 Programa de Conservação Auditiva - PCA;
 Programa de Proteção Respiratória - PPR;
 Plano de Gerenciamento de Fadiga;
 Avaliação quantitativa através do Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho – LTCAT.
A fim de assegurar que os trabalhadores estejam aptos para a execução das atividades são
realizados exames médicos relacionados aos riscos das atividades para definir a aptidão laboral de cada
trabalhador.
O monitoramento sistemático dos riscos ambientais (físicos, químicos e biológicos) é realizado de
forma qualitativa através das planilhas de antecipação e reconhecimento dos riscos por função.

REGISTRO E MANUTENÇÃO DOS DADOS DO PGR

Todas as informações pertinentes ao desenvolvimento e implantação deste Programa de


Gerenciamento de Riscos serão registradas em formulários e relatórios específicos, divulgados para
conhecimento dos trabalhadores conforme cronograma de ação do PGR. Sua manutenção será assegurada
pela empresa, através, de avaliações globais realizadas anualmente e os documentos serão arquivados e
mantidos à disposição da fiscalização pelo período previsto em legislação, (20 anos); em arquivo
identificado na sede da empresa em Parauapebas.

ANÁLISE CRÍTICA DO PROGRAMA

O PGR sofrerá revisão para avaliação do seu desenvolvimento, realização dos ajustes necessários
e estabelecimento de novas metas e prioridades, nas seguintes situações:
 Pelo menos uma vez por ano, através da avaliação global do programa;
 Quando as atividades executadas pela empresa sofrerem alterações/modificações significativas.
Essa revisão periódica será realizada pela equipe de SESMT da MAKRO.

PLANEJAMENTO ANUAL DO PGR

2020 2021
FEVEREIRO

SETEMBRO
ABRIL
MARÇO

JUNHO

JULHO

AGOSTO
NOVEMBRO

DEZEMBRO

MAIO
JANEIRO
OUTUBRO

AÇÃO

Divulgação do PGR
Apresentação do PGR à CIPA

Divulgação do LTCAT

Revisão e Análise global do PGR

CRONOGRAMA DE TREINAMENTOS DO PGR

2020 2021

SETEMBRO
JANEIRO

MAIO

AGOSTO
JUNHO

JULHO
FEVEREIRO

MARÇO

ABRIL
DEZEMBRO
NOVEMBRO
OUTUBRO
AÇÃO

Previsto
Divulgação do PGR
Realizado

Divulgação dos resultados Previsto

qualitativos e quantitativos do
Realizado
LTCAT

Treinamento/orientação sobre Previsto

riscos existentes na execução


das atividades (direito de Realizado
recusa)
Previsto
Treinamento sobre EPI e EPC
Realizado

Orientação sobre Proteção Previsto

auditiva e respiratória Realizado


Previsto
Palestra sobre ergonomia
conforme análise ergonômica Realizado

Treinamento/orientação sobre Previsto

FISPQ Realizado

Revisão e análise global do Previsto

PGR Realizado

Observações:
 Todas as ações previstas nos cronogramas acima serão desenvolvidas pelo SESMT da Makro, com
a colaboração da gerência do contrato/preposto;
 A rastreabilidade de comprovação da sua realização dar-se-á por meio de listas de presença, atas
de reuniões e pela sua implantação física, quando for o caso;
 Durante o ano serão ministrados palestras e treinamentos em conjunto com o SESMT da empresa
MAKRO, abordando os temas em referência.

RESPONSABILIDADES

Diretores e gerente de contrato/prepostos


 Estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do PGR, como atividade permanente da
empresa, de acordo com o prescrito na Norma Regulamentadora NR 22 (Portaria nº 3214/78, do
Ministério do Trabalho).
 Informar aos trabalhadores os riscos ambientais que possam originar-se nos locais de trabalho,
os meios necessários para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos;
 Considerar o conhecimento e percepção que os trabalhadores têm do processo de trabalho;
 Garantir a interrupção das tarefas, quando proposta pelos empregados, em função da existência
de risco grave e iminente, desde que confirmado o fato pelo superior hierárquico e Segurança do
Trabalho, que diligenciarão as medidas cabíveis;
 Programar e aplicar treinamentos com objetivo de instruir os empregados expostos;
 Propor e adotar soluções para eliminar / reduzir a exposição aos riscos;
 Acompanhar o desenvolvimento do PCMSO e sua compatibilidade com o PGR;
 Contribuir com informações técnicas e de organização do trabalho sobre os riscos à saúde dos
trabalhadores que podem ser causados por exposição aos agentes de risco;
 Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e saúde ocupacional e procedimentos
operacionais aplicáveis;
 Fornecer ao SESMT, correta e integralmente, as informações necessárias à elaboração, a
implantação e o desenvolvimento do Programa;
 Comunicar ao SESMT:
a) Quaisquer alterações no modo de execução de tarefas, na quantidade ou qualidade dos
materiais, produtos e insumos utilizados e nas máquinas e equipamentos, e qualquer outra
modificação que possa interferir positiva ou negativamente na exposição dos trabalhadores
aos riscos ambientais;
b) Sempre que forem implantadas medidas de proteção coletiva ou medidas administrativas e de
organização do trabalho, para o controle da exposição dos trabalhadores a riscos ambientais;
c) Sempre que ocorrer a contratação de novos serviços;
d) Primarização e contratação de empregados cuja função não esteja contemplada no programa.

Empregados
 Contribuir através dos seus representantes legais (CIPA) com a implementação e execução do
PGR;
 Seguir as orientações recebidas nos treinamentos de segurança e regras de trabalhos;
 Informar ao seu superior hierárquico direto ocorrências que, a seu julgamento, possam implicar
risco à saúde dos trabalhadores;
 Interromper de imediato as suas atividades, na ocorrência de riscos ambientais nos locais de
trabalho que coloquem em situação de grave e iminente risco um ou mais trabalhadores,
comunicando o fato ao superior hierárquico direto para as devidas providências;
 Atender as medidas de prevenção estabelecidas na planilha de antecipação e reconhecimento dos
riscos.
CIPA
 Participar na implantação, discussão e execução do PGR;
 Informar ao seu superior hierárquico direto ocorrências que, a seu julgamento, possam implicar
risco à saúde dos trabalhadores;
 Realizar as investigações de acidentes ou quase acidentes e doenças ocupacionais, com ou sem
afastamento;
 Participar da avaliação, discussão e identificação dos riscos gerados nos postos de trabalho;
 Inter-relacionar-se com as áreas de segurança e medicina do trabalho da empresa no sentido de
analisar soluções que reduzam, eliminem ou neutralizem os riscos;
 Participar dos treinamentos programados e sugerir outros para seu desenvolvimento e dos
empregados, conforme riscos identificados;
 Fazer recomendações sobre segurança e saúde.

SESMT
 Executar as fases de antecipação, de reconhecimento e de avaliação de riscos ambientais e de
monitoramento da exposição aos riscos;
 Recomendar as medidas de controle necessárias e suficientes para a eliminação, a minimização
ou o controle dos riscos ambientais identificados no programa;
 Treinar todos os funcionários de forma a assegurar que todos estejam informados sobre os
materiais e equipamentos com os quais estão trabalhando e dos riscos ocupacionais a que estão
expostos;
 Negociar com os gestores a implementação de medidas de controle para o gerenciamento dos
riscos ocupacionais;
 Realizar as investigações de acidentes ou quase acidentes e doenças ocupacionais, com ou sem
afastamento;
 Acompanhar, avaliar e executar as revisões do programa.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este PGR - Programa de Gerenciamento de Riscos é parte integrante das ações de saúde,
segurança do trabalho e meio ambiente da empresa Makro Engenharia Ltda., visando à preservação da
saúde e integridade física dos seus empregados, através da antecipação e identificação dos fatores de
riscos e, consequente, estabelecimento de medidas de controle/eliminação e monitoramento da exposição
a estes fatores de riscos.
Para os riscos ambientais identificados qualitativamente como leves, são propostas as medidas de
prevenção e proteção para o controle da exposição ao agente. Quando identificados riscos acima do limite
de tolerância, conforme avaliação quantitativa, são tomadas as medidas imediatas de controle e
eliminação/minimização da exposição ao agente, conforme determinado na legislação pertinente.
A responsabilidade de garantir a implantação deste programa na MAKRO far-se-á através dos
diretores e gerente de contrato/preposto. Sendo imprescindível que se faça o uso deste para promover um
ambiente de trabalho mais seguro e com os riscos mitigados.
O presente programa consta páginas impressas, todas elas rubricadas pelo elaborador do PGR e
assinado pelo preposto do contrato e pela Engenheira de Segurança do Trabalho.
ASSINATURA DOS ELABORADORES DO PGR E RESPONSAVEL LEGAL DA EMPRESA
MAKRO ENGENHARIA LTDA
Responsável legal

RESPONSABILIDADE TÉCNICA:

Assinado de forma digital por


FREDERICO FREDERICO SABINO
DINIZ:00901398608
DINIZ:00901398608
SABINO Dados: 2020.11.06 12:04:37 -03'00'

FREDERICO SABINO DINIZ


ENGENHEIRO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
CREA: 123396/D

Nota: Este trabalho é apenas de caráter estritamente técnico.


Cabe a Administração da empresa a responsabilidade quanto ao cumprimento das orientações e sugestões aqui propostas,
estão de acordo com as NR-s (Normas Regulamentadoras) da Portaria 3.214/78 da Lei 6.514 de 22/12/77 relativo a
Segurança e Medicina do Trabalho.
ANEXOS

Relação de funções
DEMONSTRATIVO DO QUADRO DE PESSOAL – GRUPOS SIMILARES DE EXPOSIÇÃO - GSE
GSE Cargo Nº de Funcionários
GES - 04 - CARAJÁS/SERRA LESTE SUPERVISOR OPERACIONAL 01
GES - 05 - CARAJÁS/SERRA LESTE SINALEIRO RIGGER I 01
OPERADOR DE GUINDASTE MEDIO 01
GES - 06 - CARAJÁS/SERRA LESTE 01
OPERADOR DE GUINDASTE PESADO
GES - 07 - CARAJÁS/SERRA LESTE MOTORISTA DE CAMINHAO PRANCHA I 01
GES - 08 - CARAJÁS/SERRA LESTE MOTORISTA DE MUNCK 01
GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE OPERADOR DE EMPILHADEIRA 01
ELETRICISTA DE AUTOS 01
MECANICO 01
GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE TECNICO DE MANUTENÇÃO I 01
TECNICO DE MANUTENÇÃO II 01

TOTAL 11

VALE S.A.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 20 de 80

Nº de Funcionários
- GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1

Setor: VALE S.A. (RM 11384) - CUSTO DIRETO


Nº de Funcionários
Cargo: SUPERVISOR OPERACIONAL Masc.: 1 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 3
Descrição Detalhada: Validar e verificar Mão de Obra x Equipamento, controlando
folgas de campo e férias dos colaboradores. Aplicar Medida Disciplinar, atender as
fiscalizações de órgãos governamentais e auxiliar nas defesas jurídicas das Reclamações
Trabalhistas, inclusive atuando como Preposto da empresa. Dar apoio no recrutamento e
seleção da sua equipe, na gestão de Desempenho e do Clima Organizacional. Auxiliar na
execução e divulgação do Programa de Reconhecimento e facilitar as ações de
Treinamento e Desenvolvimento dos seus subordinados. Garantir a execução da operação
conforme especificação técnica e contratual. Dimensionar, no local de operação, as
necessidades para execução dos serviços e propor soluções para a viabilização das
operações. Realizar alinhamento com Cliente (entender fragilidades, melhorias, reforçar
pontos fortes, etc.). Buscar e sinalizar oportunidades comerciais para os gestores
imediatos ou para a área comercial. Dar suporte ao CDI, repassando informações de
documentação dos colaboradores e equipamentos. Garantir a correta utilização dos
recursos, solicitando e viabilizando as manutenções preventivas e corretivas dos
equipamentos, bem como limpeza e conservação dos mesmos. Controlar o uso correto
dos acessórios dos equipamentos, assim como realizar inspeções dos mesmos, Realizar
Check List Operacional e blitz operacional. Validar e verificar aparelhos celulares nos
equipamentos (obrigatoriedade de BDE e checklists Equipamento, Manutenção e PQAPI’s
realizados via APP). Controlar a localização de todos os equipamentos sob sua
responsabilidade, validar e divulgar status dos equipamentos (RDE) p/ CCO. Dar suporte
ao CCO, aplicando as regras de utilização das frotas leves e auxiliando nas investigações
de desvio de consumo de combustível. Garantir a segurança das operações, Realizar DDS
(temas relevantes relacionados ao contrato/operação e a situações de segurança
alinhados corporativamente). Realizar gestão de EPI’s e EPC’s, APT’s e PTE’s, Garantir a
aplicação da Cartilha de Segurança, Viabilizar as informações de acidentes ocorridos,
seguindo o fluxo de comunicação do cliente e acompanhando o acidentado no
atendimento médico. Realizar análise dos acidentes ocorridos, quando solicitado.
Controlar as NF’s emitidas dos contratos sob sua responsabilidade. Manter
relacionamento com fornecedores locais, negociando melhorias dos prazos e condições de
pagamentos. Realizar Fórum intersetorial com a Manutenção (acompanhar evolução
liberação de frotas), logística (acompanhar evolução aquisições insumos, sublocações,
etc), RH, CCO, etc.
CBO: 3421-15
Nº de Funcionários
- GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE Masc.: 1 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1

Setor: VALE S.A. CONSOLIDADO PA (RM 8732) - CUSTO DIRETO


Nº de Funcionários
Cargo: SINALEIRO RIGGER I Masc.: 1 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 1
Descrição Detalhada: Conhecer por completo os equipamentos em que trabalha. Fazer
sinalização para o operador durante a atividade de içamento. Auxiliar o operador na
atividade de movimentação da carga. Montar os módulos para composição da lança,
juntamente com o operador. Estender cabos na montagem da lança, juntamente com o
operador, no caso de guindaste treliçados. Fixar pinos e contrapesos para montagem do
moitão, juntamente o operador. Auxiliar o operador no patolamento, ou seja, observar as
patolas (quando a máquina estiver em operação). Auxiliar o operador no
despatolamento. Realizar fixação dos cabos na peça a ser içada, juntamente com o
operador. Orientar manobras do veículo. Realizar a lubrificação e/ou abastecimento do
veículo ou equipamento, sob orientação do operador. Zelar pela conservação e limpeza
da máquina e/ou equipamento. Auxiliar o operador na análise da compactação do solo.
CBO: 7821-45

Nº de Funcionários
- GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1

Setor: VALE S.A. CONSOLIDADO PA (RM 8732) - CUSTO DIRETO


Nº de Funcionários
Cargo: OPERADOR DE GUINDASTE MEDIO Masc.: 3 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 3
Descrição Detalhada: Operar e dirigir Guindastes com capacidade até 199 TON,
conforme entregas técnicas recebidas internamente. Operar e dirigir caminhões
equipados com guindauto (Munck). Operar e dirigir veículos e equipamentos.
Acompanhar as vistorias do equipamento. Comunicar o supervisor operacional e gerente
operacional o andamento das operações. Auxiliar a montagem e desmontagem dos
equipamentos na obra, e coordenar os ajudantes nessa atividade. Executar tarefas de
operação conforme plano de rigging. Fiscalizar as atividades dos riggers e ajudante de
equipamento. Preencher check-list do equipamento diariamente nos locais de operação e
encaminhar ao supervisor operacional. Preencher os Boletins Diários de Equipamento,
BDE, diariamente. Propor soluções para viabilizar as operações. Solicitar e acompanhar a
manutenção das máquinas e equipamentos. Verificar os avisos operacionais. Zelar pela
conservação e limpeza da máquina e/ou equipamento.

CBO: 7821-10
Nº de Funcionários
Cargo: OPERADOR DE GUINDASTE PESADO Masc.: 12 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 12
Descrição Detalhada: Operar e dirigir Guindastes com capacidade até 399 TON,
conforme entregas técnicas recebidas internamente. Operar e dirigir caminhões
equipados com guindauto (Munck). Operar e dirigir veículos e equipamentos.
Acompanhar as vistorias do equipamento. Comunicar o supervisor operacional e gerente
operacional o andamento das operações. Auxiliar a montagem e desmontagem dos
equipamentos na obra, e coordenar os ajudantes nessa atividade. Executar tarefas de
operação conforme plano de rigging. Fiscalizar as atividades dos riggers e ajudante de
equipamento. Preencher check-list do equipamento diariamente nos locais de operação e
encaminhar ao supervisor operacional. Preencher os Boletins Diários de Equipamento,
BDE, diariamente. Propor soluções para viabilizar as operações. Solicitar e acompanhar a
manutenção das máquinas e equipamentos. Verificar os avisos operacionais. Zelar pela
conservação e limpeza da máquina e/ou equipamento.

CBO: 7821-10
Nº de Funcionários
- GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1

Setor: VALE S.A. CONSOLIDADO PA (RM 8732) - CUSTO DIRETO


Nº de Funcionários
Cargo: MOTORISTA DE CAMINHAO PRANCHA I Masc.: 1 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 1
Descrição Detalhada: Conduzir conjunto transportador na configuração Cavalo +
Prancha ou Cavalo + dolly + prancha, observando o tipo de carga e orientações,
conforme destino e logística envolvida. Cumprir os procedimentos estabelecidos e as
normas de segurança da área nas viagens e transporte de cargas. Orientar e acompanhar
o carregamento e descarregamento da carreta, observando a estrutura do veículo e
orientações técnicas, quando se tratar de máquinas e equipamentos. Participar de
reuniões técnicas de operação, quanto às condições de transporte, conforme a
localidade/destino. Preencher informações em controles apropriados quanto à condução
das cargas. Prestar atenção na documentação do veículo quanto a regularização,
tratando com a área competente os assuntos correlatos (multas, licença etc.). Realizar
limpeza básica do veículo e encaminhar quando necessário para lavagem. Relatar
condições do veículo, encaminhando a área de manutenção para ajustes, trocas e
revisões programadas ou não (Manutenção Preventiva e Corretiva). Zelar pelo veículo
quanto à limpeza e condições de operação/condução. Realizar amarração da carga a ser
transportada e as demais atividades correlatas e inerentes ao cargo/função.
CBO: 7825-10

Nº de Funcionários
- GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1

Setor: VALE S.A. CONSOLIDADO PA (RM 8732) - CUSTO DIRETO


Nº de Funcionários
Cargo: MOTORISTA DE MUNCK Masc.: 1 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 1
Descrição Detalhada: Operar os veículos e guindautos. Acompanhar as vistorias do
equipamento. Obter Ordem de Serviço antes de sair para a operação. Preencher os
Boletins Diários de Equipamento (BDE), diariamente. Solicitar a assinatura do cliente na
Ordem de Serviço e entregar ao assistente operacional ao chegar da operação. Solicitar e
acompanhar a manutenção das máquinas e equipamentos. Usar obrigatoriamente
equipamentos de proteção e fardamento. Verificar os avisos operacionais.

CBO: 7825-15

Nº de Funcionários
- GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1

Setor: VALE S.A. CONSOLIDADO PA (RM 8732) - CUSTO DIRETO


Nº de Funcionários
Cargo: OPERADOR DE EMPILHADEIRA Masc.: 1 Fem.: 0
Menor: 0 Total: 1
Descrição Detalhada: Operar os veículos e equipamentos. Acompanhar as vistorias do
equipamento. Comunicar o supervisor de campo e gerente operacional o andamento das
operações. Cumprir as normas da empresa. Cumprir os procedimentos estabelecidos.
Entregar o BDE assinado pelo cliente ao operacional, Pegar Ordem de Serviço antes de
sair para a operação. Preencher os Boletins Diários de Equipamento (BDE), diariamente.
Propor soluções para viabilizar as operações. Solicitar e acompanhar a manutenção das
máquinas e equipamentos. Verificar os avisos operacionais.
CBO: 7822-20
Nº de Funcionários
- GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE Masc.: 2 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 2

Unidade Setor Cargo


VALE S.A. VALE S.A. CONSOLIDADO PA TECNICO DE MANUTENCAO I
(RM 8732) - CUSTO DIRETO
Descrição Detalhada do Cargo: Diagnosticar defeitos eletroeletrônicos. Instalar
sistemas e componentes eletrônicos. Interpretar esquemas elétricos. Ler e interpretar os
esquemas hidráulicos, pneumáticos e elétricos dos veículos e equipamentos. Liberar
equipamento para testes de funcionamento. Planejar serviços de manutenção e
instalação eletroeletrônica. Realizar manutenções preventivas, preditiva e corretiva.
Selecionar e utilizar adequadamente as ferramentas manuais e materiais necessários ao
desempenho da função. Verificar tensões, resistência, continuidade e correntes dos
circuitos elétricos.
CBO: 3144-10
VALE S.A. VALE S.A. CONSOLIDADO PA MECANICO
(RM 8732) - CUSTO DIRETO
Descrição Detalhada do Cargo: Selecionar e utilizar adequadamente as ferramentas
manuais necessárias ao desempenho da função. Fazer a leitura e utilizar adequadamente
instrumentos de medição tais como: escala, trena, paquímetro, manômetro, calibrador
de lâminas, taquímetro e multímetro. Executar serviços de ajustagem, reparação,
regulagem, desmontagem e montagem de peças e componentes. Executar as trocas de
óleo, filtros e lubrificação dos veículos e equipamentos. Executar a manutenção dos
sistemas de freios, no que se refere a substituição de lonas e cuícas de freio, cilindros de
freio, tambores de freio e regulagem do sistema. Executar a limpeza necessária aos
serviços de manutenção mecânica. Executar a manutenção do sistema de direção dos
veículos e equipamentos no que se refere a retirada e instalação dos seus componentes,
tais como: caixa de direção, barras de direção e terminais de direção. Executar a
manutenção em sistemas hidráulicos. Identificar mau funcionamento, desmontar e
montar componentes, substituir vedações e mangueiras e regular pressões. Realizar a
retirada e instalação de componentes, tais como: mangueiras, cilindros hidráulicos,
válvulas, bombas e motores. Executar a manutenção de motores diesel e a gasolina no
que se refere a substituição de óleo, filtros, fluido de arrefecimento e correção de
vazamentos. Detectar, diagnosticar e corrigir condições a Normais de funcionamento nos
veículos e equipamentos. Registrar as atividades de manutenção realizadas nas
respectivas Ordens de Manutenção Preventiva e Corretiva. Operar equipamentos tipo
prensa, serras, furadeira de bancada, policorte e esmeril de bancada e lixadeira, quando
habilitado. Executar a manutenção dos sistemas pneumático dos veículos e
equipamentos. Executar a manutenção do sistema de suspensão dos veículos e
equipamentos no que se refere a retirada e instalação dos seus componentes, tais como:
molas, amortecedores, batedores, coxins e amortecedores. Executar a manutenção do
sistema elétrico dos veículos e equipamentos no que se refere a substituição de lentes
das lanternas, lâmpadas e fusíveis. Executar a manutenção do sistema de transmissão
dos veículos e equipamentos no que se refere a retirada e instalação dos seus
componentes, tais como: embreagem, caixa de marcha, transmissão automática, eixos
cardans, caixas de redução, caixas de transferência, diferenciais e cubos redutores.
Executar manutenção de mancais de rolamento e deslizamento. Realizar a instalação e
desinstalação de pneu.
CBO: 9144-25
VALE S.A. VALE S.A. CONSOLIDADO PA ELETRICISTA DE AUTOS
(RM 8732) - CUSTO DIRETO
Descrição Detalhada do Cargo: Diagnosticar defeitos elétricos. Executar serviços de
manutenção e instalação elétrica. Instalar sistemas e componentes elétricos. Realizar
manutenções preventivas, preditiva e corretiva. Realizar medições e testes de: tensão,
corrente, resistência e continuidade. Selecionar e utilizar adequadamente as ferramentas
manuais e materiais necessários ao desempenho da função. Depositar resíduos em
locais próprios. Substituir componentes e dispositivos elétricos. Reparar motor de partida
e alternado.
CBO: 9531-15
VALE S.A. VALE S.A. CONSOLIDADO PA TECNICO DE MANUTENCAO
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 24 de 80

(RM 8732) - CUSTO DIRETO II


Descrição Detalhada do Cargo: Diagnosticar defeitos eletroeletrônicos. Instalar
sistemas e componentes eletrônicos. Interpretar esquemas elétricos. Ler e interpretar os
esquemas hidráulicos, pneumáticos e elétricos dos veículos e equipamentos. Liberar
equipamento para testes de funcionamento. Planejar serviços de manutenção e
instalação eletroeletrônica. Realizar manutenções preventivas, preditiva e corretiva.
Selecionar e utilizar adequadamente as ferramentas manuais e materiais necessários ao
desempenho da função. Verificar tensões, resistência, continuidade e correntes dos
circuitos elétricos.
CBO: 3144-10
Matriz de Riscos

METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO DA CRITICIDADE DOS RISCOS RECONHECIDOS:

CONCEITO:

Os riscos reconhecidos nos locais de trabalho serão classificados por meio da análise da probabilidade de Frequência e da
Classificação dos Efeitos. Esta classificação será determinante para as prioridades das avaliações quantitativas, bem como da
prioridade para adoção das medidas de controle. Esta classificação será transportada para os quadros de risco no campo de
CRITICIDADE.

1. FREQUENCIA OU PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA:


2.
• Permanente: Atividade realizada diariamente, tendo como exposição a jornada integral à riscos, ou seja durante os
100% do tempo laboral.

• Habitual: Atividade realizada diariamente, tendo exposição à riscos em um período contínuo que resulte parte da
jornada, ou seja, igual ou superior à 50%.

• Intermitente: Atividade realizada diariamente e/ou em dias alternados, tendo exposição à riscos em diversos
momentos da jornada, sendo que, a soma desses períodos resulte em menos que 49% da jornada.

• Ocasional: Atividade realizada em condições variáveis de acordo com a necessidade do laboro, sem programação,
sendo que a soma desses períodos resulte em menos de 8 horas semanais.

2. CLASSIFICAÇÃO DO EFEITO OU DAS CONSEQUÊNCIAS:

• L = Leve - No caso de agente não mensurável, será considerado Leve o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. No caso de agente mensurável, será considerado Leve o nível avaliado que encontrar-se abaixo do limite de
quantificação, ou não possível sua mensuração por ausência de tempo de exposição mas passivo de reconhecimento e
proteção.

• M = Moderado - No caso de agente não mensurável, será considerado Moderado o provável dano que for reversível,
mas demandar tempo para reversão dos danos. No caso de agente mensurável, será considerado Moderado o nível
avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação até a sua metade, ou seja até 50% do Limite de exposição
Ocupacional, dose ou Limite de tolerância.

• S = Sério - No caso de agente não mensurável, será considerado Sério o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação e/ou deixar sequelas. No caso de agente mensurável, será considerado Sério
o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite de exposição Ocupacional , dose ou Limite de
Tolerância, ou seja, entre 50% a 100% dos Limites.

• SE = Severo - No caso de agente não mensurável, será considerado Severo o provável dano que for irreversível,
irrecuperável, causa sequelas graves no Trabalhador, causa dano permanente. No caso de agente mensurável, será
considerado Severo o nível avaliado que encontrar-se acima do limite de exposição Ocupacional ou Limite de Tolerância,
ou seja acima de 100% dos Limites.

3. CRITICIDADE OU SEVERIDADE DO RISCO:

Capacidade de um risco gerar um dano a saúde do trabalhador, considerando sua recuperação. Para determinação da
CRITICIDADE será feito o cruzamento matricial entre a FREQUÊNCIA versus a CLASSIFICAÇÃO DO EFEITO. Abaixo define-se
cada classificação da CRITICIDADE e suas formas de monitoramento.
• RISCO IRRELEVANTE - Adotar o monitoramento do risco de forma qualitativa e caso seja possível a adoção de
alguma proteção coletiva, administrativa ou individual, deverá ser proposta, respeitando sempre esta hierarquia, mas
não
obterá prioridade sobre a proteção de riscos classificados como Baixo, Médio, Alto e Critico.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 26 de 80

• RISCO BAIXO - Realizar uma avaliação quantitativa se couber a cada 5 (cinco) anos, de modo a monitorar a
exposição dos trabalhadores; Não é prioridade melhorar a medida de controle. No entanto devem ser consideradas
soluções mais rentáveis ou melhorias que não impliquem em uma carga econômica importante. Caso seja possível
a adoção de alguma proteção coletiva, administrativa ou individual, deverá ser proposta, respeitando sempre esta
hierarquia, mas não obterá prioridade sobre a proteção de riscos classificados como Médio, Alto e Critico.

• RISCO MÉDIO - Realizar uma avaliação quantitativa se couber a cada 3 (Três) anos, de modo a monitorar a
exposição dos trabalhadores. As medidas para reduzir o risco devem ser implementadas. Quando o risco estiver
associado a consequências sérias ou severas, será necessária uma ação posterior para eliminar a exposição do
trabalhador. Caso seja possível a adoção de alguma proteção coletiva, administrativa ou individual, deverá ser
proposta, respeitando sempre esta hierarquia, mas não obterá prioridade sobre a proteção de riscos classificados como
Alto e Critico.

• RISCO ALTO - Realizar uma avaliação quantitativa se couber a cada 2 (Dois) anos, de modo a monitorar a
exposição dos trabalhadores; Quando o risco corresponder a um trabalho que está a ser realizado, devem tomar-se
medidas de proteção de modo a contornar o problema, num tempo inferior ao dos riscos Médios. Medidas de controle
coletivas não poderão ser dispensáveis, a menos que seja comprovada formalmente a inviabilidade técnica e econômica
da adoção da medida. A adoção de proteção coletiva deverá ser proposta, mas não obterá prioridade sobre a proteção de
riscos classificados como Severo. Enquanto não houver a adoção de medidas coletivas, as individuais deverão ser
disponibilizadas aos trabalhadores.

• RISCO CRÍTICO - Realizar uma avaliação quantitativa se couber anualmente, de modo a monitorar a exposição dos
trabalhadores; A execução desta atividade será proibida caso não seja tomada as devidas proteções cabíveis relacionadas
a hierarquia de mitigação dos riscos, pois podem proporcionar um risco grave e iminente, e caso aconteça a exposição a
riscos graves e iminentes será necessário a interdição do processo de trabalho caso as proteções coletivas e/ou
individuais não sejam efetivas.

MATRIZ:

Matriz de Avaliação de Risco

CLASSIFICAÇÃO
CRITICIDADE CRITICIDADE CRITICIDADE CRITICIDADE
DOEFEITO
Severo Risco Médio Risco Alto Risco Alto Risco Crítico
Sério Risco Baixo Risco Médio Risco Alto Risco Alto
Moderado Risco Baixo Risco Baixo Risco Médio Risco Alto
Leve Risco Irrelevante Risco Baixo Risco Baixo Risco Médio
FREQUÊNCIA Ocasional Intermitente Habitual Permanente
Instruções para consulta
a. Considerar ausência de exposição a agentes nocivos quando não há risco especificado nos setores ou cargos.
b. Considerar exposição a todos os cargos relacionados quando o agente nocivo for especificado no setor.

VALE S.A.

GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE


CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 17
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 18
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 19
CE - Deslocamentos a pé contínuos durante a jornada de trabalho GH / Quadro 20
CE - COLISÕES DE VEÍCULOS GH / Quadro 21
GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 22
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 23
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 24
CE- Postura de pé por longos períodos GH / Quadro 25
CE- QUEDA DE EQUIPAMENTOS E/OU OBJETOS GH / Quadro 26
GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE
CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de exposição normalizada GH / Quadro 27
- aren)
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 28
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 29
CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) GH / Quadro 30
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 31
CE- Postura sentada por longos períodos GH / Quadro 32
CE- ACIDENTE DE TRANSITO GH / Quadro 33
CE- Trabalho em Altura GH / Quadro 34
GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de exposição normalizada GH / Quadro 35
- aren)
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 36
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 37
CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) GH / Quadro 38
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 39
CE- Postura sentada por longos períodos GH / Quadro 40
CE- ACIDENTE DE TRANSITO GH / Quadro 41
GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de exposição normalizada GH / Quadro 42
- aren)
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 43
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 44
CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) GH / Quadro 45
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 46
CE- Levantamento e transporte manual de cargas GH / Quadro 47
CE - Probabilidade de Esmagamento de membros. GH / Quadro 48
CE- ACIDENTE DE TRANSITO GH / Quadro 49
GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE
CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de exposição normalizada GH / Quadro 50
- aren)
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 51
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 52
CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) GH / Quadro 53
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 54
CE- Postura sentada por longos períodos GH / Quadro 55
CE - COLISÕES DE VEÍCULOS GH / Quadro 56
GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) GH / Quadro 57
CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) GH / Quadro 58
CE- VIBRAÇÃO de MÃOS e BRAÇOS (VMB) GH / Quadro 59
CE- Graxas e óleos GH / Quadro 60
CE- Sílica Livre - Poeira Respirável GH / Quadro 61
CE- Trabalho em posturas incômodas GH / Quadro 62
CE - Probabilidade de Esmagamento de membros. GH / Quadro 63
Quadro 17 GHE GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação in loco dos postos de trabalho;
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Avaliação in loco do posto de trabalho.
Conclusão Será feita a avaliação quantitativa do agente, para inferir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (Lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 18 GHE GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de
correta utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não
exponha mais os trabalhadores ao agente; - Utilização de equipamento de proteção individual
com dimensionamento exclusivo para cada atividade;
- Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a)Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes.(Lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 19 GHE GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Limite de Tolerância N/A Nível de Ação 0,000 mg/m³
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Fornecimento de Máscaras PFF-1 e óculos de segurança;
- Utilização dos equipamentos de proteção;
- Realização das trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento
interno existente;
Medidas Propostas - Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades (máscara contra partículas de
poeira - PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a)Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes.(Lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 20 GHE GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE - Deslocamentos a pé contínuos durante a jornada de Grupo Ergonômicos
trabalho
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Movimentação de Máquinas
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são: problemas ortopédicos, osteomusculares, circulatórios, dores, fadiga
e stress.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho as características psicofisiologicas
dos Trabalhadores;
- Adotar meios e acessos que evitem os sobresforços ou as posturas irregulares como
flexões, extensões demasiadas dos membros;
- Nas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes deverá o local ser
adequado quanto a temperatura, umidade, ruído e velocidade do vento para melhor
conforto dos trabalhadores;
- A iluminação
geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, re
flexos incômodos, sombras e contrastes excessivos;
- A organização do trabalho deve ser adequada às características psicofisiológicas dos
trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado.
Medidas Existentes - Realizar pequenas pausas durante a jornada de trabalho;
- Cadeira para descanso no local de trabalho;
Medidas Propostas - A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR-17.
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco, o agente será considerado pouco danoso. No caso de agente
não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado;
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR 17.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é
necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de
praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores
condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no
relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas,
postura adequada , onde todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem
estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho
a ser executado.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 32 de 80

Quadro 21 GHE GES - 04 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE - COLISÕES DE VEÍCULOS Grupo Acidente
Meio de Propagação Não aplicável
Frequência Habitual
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 3h
Fonte Geradora Veículos automotores
EPC CINTO DE SEGURANÇA
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são estresse; Lesões variadas e óbito;
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- A empresa deverá solicitar ao motorista carteira de habilitação de acordo com a categoria, o
acompanhante deverá ser instruído, permanecendo ciente dos riscos que estão expostos,
devendo sempre utilizar o cinto de segurança;
Medidas Existentes - Utilização do cinto de segurança do veículo;
- Seguir as placas de sinalização existentes nas vias
Medidas Propostas - Manter o veículo em perfeito estado de conservação, fazendo manutenções e vistorias
periodicamente, fornecer aos colaboradores treinamentos de direção defensiva. Deverá ser feito
previamente vistorias nos veículos sempre antes de sua utilização.
Análise Qualitativa -Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais - No caso de agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o provável dano
que for irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa dano
permanente. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR09, NR15 e CTB.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Deverão cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito das
respectivas atribuições, minimizando o risco que o trânsito representa, podendo ser evitado os
acidentes da seguinte maneira: trafegar em velocidade compatível; obedecer a sinalização;
dirigir com atenção; transportar carga arrumada e na altura regulamentar; usar pneus em boas
condições; não usar drogas e não ingerir álcool.
Quadro 22 GHE GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa -Avaliação in loco dos postos de trabalho.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 23 GHE GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 24 GHE GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Frequência Habitual – Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Fornecimento de Máscaras PFF-1 e óculos de segurança;
- Utilização dos equipamentos de proteção;
- Realização das trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento interno
existente;
Medidas Propostas - Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades (máscara contra partículas de
poeira - PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 25 GHE GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Postura de pé por longos períodos Grupo Ergonômicos
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora POSTO DE TRABALHO
EPC Cadeira para descanso
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são: problemas ortopédicos, osteomusculares, circulatórios, dores, fadiga
e stress.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho
as características psicofisiologicas dos Trabalhadores; - Adotar meios e acessos que evitem os
sobresforços ou as posturas irregulares como flexões, extensões demasiadas dos membros; -
Nas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes deverá o local ser
adequado quanto a temperatura, umidade, ruído e velocidade do vento para melhor conforto
dos trabalhadores; - A iluminação
geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, re
flexos incômodos, sombras e contrastes excessivos; - A organização do trabalho deve ser
adequada às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser
executado. - Aos trabalhadores de checkout, e teleatendimento deverá ser garantido o disposto
na NR17, bem como horário específicos de trabalho, treinamentos periódicos e demais itens da
legislação.
Medidas Existentes - Realizar pequenas pausas durante a jornada de trabalho;
- Cadeira para descanso no local de trabalho;
Medidas Propostas - A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR-17.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais -De acordo com a matriz de risco, o agente será considerado pouco danoso. No caso de agente
não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado;
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR 17.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é
necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de
praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores
condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no
relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas,
postura adequada , onde todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem
estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho
a ser executado.
Quadro 26 GHE GES - 05 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- QUEDA DE EQUIPAMENTOS E/OU OBJETOS Grupo Acidente
Meio de Propagação Não há
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI LUVA LATEX
CAPACETE CLASSE A
LUVA NITRILICA
EPC Utilizar as faixas para pedestres
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são: Escoriações, hematomas, aprisionamento de membros, esmagamento
de membros, lesões leves/pesadas em membros.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;- Realização de treinamentos e/ou procedimentos de
segurança.- Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do prédio a uma
distância de pelo menos 0,50m (cinquenta centímetros);- A disposição da carga não deverá
dificultar o trânsito, a iluminação, e o acesso às saídas de emergência; - O armazenamento
deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material.
Medidas Existentes - Utilizar o equipamento de proteção adequado ao risco;
- Seguir as placas de sinalização indicativa de segurança;
Medidas Propostas Deverá a Empresa fornecer meios de controle ao risco (Botas de segurança e/ou Capacetes),
manter o local de trabalho limpo e organizado com os materiais (caixas, mercadorias, materiais
diversos) devidamente empilhados de acordo com suas capacidades de suporte de carga.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente foi classificado como danoso. No caso de agente não
mensurável, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas pode criar
dificuldades após a recuperação. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09 e NR11.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão A Empresa deverá adotar como forma de controle primeiramente as medidas coletivas, tais
como automatização dos processos. Sendo que na inviabilidade técnica da adoção de medidas
de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes ou encontrarem-se em fase de
estudo, planejamento ou implantação, ou ainda em caráter complementar ou emergencial,
deverão ser adotadas outras medidas como mudança do processo de trabalho, redução do
tempo de exposição ao agente, e por último a utilização de equipamentos de proteção
individual como Botas de proteção e/ou capacetes.
Quadro 27 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de Grupo Físico
exposição normalizada - aren)
Limite de Tolerância 1,10 m/s² Nível de Ação 0,50 m/s²
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Manter os pneus calibrados
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas - Modificação do processo ou da operação de trabalho;
- Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas.
- Adotando a utilização das luvas antivibração.
- Redução do tempo e da intensidade de exposição diária a vibração durante a jornada de
trabalho do funcionário, adotando o revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 28 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa -Avaliação in loco dos postos de trabalho.
Efeitos Potenciais Conforme a Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 40 de 80

atividade.

Quadro 29 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
Quadro 30 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) Grupo Físico
Limite de Tolerância 21,00 m/s1,75 Nível de Ação 11,50 m/s1,75
Meio de Propagação Via Cutânea e Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Assento acolchoado e sistema de ar
Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas - Modificação do processo ou da operação de trabalho;
- Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas.
- Adotando a utilização das luvas antivibração.
- Redução do tempo e da intensidade de exposição diária a vibração durante a jornada de
trabalho do funcionário, adotando o revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 42 de 80

Quadro 31 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 3h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Utilizar os equipamentos de proteção existentes;
- Realizar as trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento
interno existente;
- Realizar higienização adequada conforme orientações do fabricante.
Medidas Propostas Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades(máscara contra partículas de poeira
- PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 32 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Postura sentada por longos períodos Grupo Ergonômicos
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora POSTO DE TRABALHO
EPC Cadeira com regulagem
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são: problemas ortopédicos, osteomusculares, circulatórios, dores, fadiga
e stress.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho
as características psicofisiologicas dos Trabalhadores; - Adotar meios e acessos que evitem os
sobresforços ou as posturas irregulares como flexões, extensões demasiadas dos membros; -
Nas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes deverá o local ser
adequado quanto a temperatura, umidade, ruído e velocidade do vento para melhor conforto
dos trabalhadores; - A iluminação
geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, re
flexos incômodos, sombras e contrastes excessivos; - A organização do trabalho deve ser
adequada às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser
executado. - Aos trabalhadores de checkout, e teleatendimento deverá ser garantido o disposto
na NR17, bem como horário específicos de trabalho, treinamentos periódicos e demais itens da
legislação.
Medidas Existentes - Realizar pequenas pausas durante a jornada de trabalho;
- Cadeira para descanso no local de trabalho;
Medidas Propostas A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR17.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais -De acordo com a matriz de risco, o agente será considerado pouco danoso. No caso de agente
não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado;
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR 17.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é
necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de
praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores
condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no
relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas,
postura adequada , onde todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem
estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho
a ser executado.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 44 de 80

Quadro 33 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE- ACIDENTE DE TRANSITO Grupo Acidente
Meio de Propagação Não há
Frequência Habitual
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Veículos automotores
EPC CINTO DE SEGURANÇA
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são estresse; Lesões variadas e óbito;
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- A empresa deverá solicitar ao motorista carteira de habilitação de acordo com a categoria, o
acompanhante deverá ser instruído, permanecendo ciente dos riscos que estão expostos,
devendo sempre utilizar o cinto de segurança;
Medidas Existentes - Utilização do cinto de segurança do veículo;
- Seguir as placas de sinalização existentes nas vias
Medidas Propostas - Manter o veículo em perfeito estado de conservação, fazendo manutenções e vistorias
periodicamente, fornecer aos colaboradores treinamentos de direção defensiva. Deverá ser feito
previamente vistorias nos veículos sempre antes de sua utilização.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais - No caso de agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o provável dano
que for irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa dano
permanente. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR09, NR15 e CTB.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Deverão cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito das
respectivas atribuições, minimizando o risco que o trânsito representa, podendo ser evitado os
acidentes da seguinte maneira: trafegar em velocidade compatível; obedecer a sinalização;
dirigir com atenção; transportar carga arrumada e na altura regulamentar; usar pneus em boas
condições; não usar drogas e não ingerir álcool.
Quadro 34 GHE GES - 06 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Trabalho em Altura Grupo Acidente
Meio de Propagação Não há
Frequência Habitual
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 1h
Fonte Geradora Trabalho acima de 2 metros
EPI CINTO DE SEGURANÇA COM TALABARTE E TRAVA-QUEDAS
EPC Guarda Corpo
Linha de Vida
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são: traumatismos diversos, fraturas e óbito.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos
meios de proteção; - Capacitar os trabalhadores em altura, submetendo a exames teórico e
prático, com carga horária mínima de oito horas; - Todo trabalho em altura deve ser planejado,
organizado e executado por trabalhador capacitado e autorizado. - Todo trabalho em altura
deve ser realizado sob supervisão, cuja forma será definida pela análise de risco de acordo com
as peculiaridades da atividade. - Todo trabalho em altura deve ser precedido de Análise de
Risco - Todo trabalho em altura deve ser precedido de Procedimento Operacional; - As
atividades de trabalho em altura não rotineiras devem ser previamente autorizadas mediante
Permissão de Trabalho; - O sistema de proteção contra queda deve ser dimensionado conforme
a atividade e por profissional Habilitado.
Medidas Existentes - Seguir as orientações nos procedimentos internos;
-Seguir as orientações existentes nas placas de sinalização;
- Utilizar os equipamentos recomendados;
- Interromper os serviços em caso de condições meteorológicas ruins;
- Utilizar os EPC's existentes.
Medidas Propostas A empresa deverá dimensionar o sistema de proteção contra queda de forma a atender aos
itens abaixo a) sistema de proteção coletiva contra quedas -SPCQ; b) sistema de proteção
individual contra quedas -SPIQ, nas seguintes situações: b.1) na impossibilidade de adoção do
SPCQ; b.2) sempre que o SPCQ não ofereça completa proteção contra os riscos de queda; b.3)
para atender situações de emergência. Lembrando que o SPIQ deverá conter: a) sistema de
ancoragem; b) elemento de ligação; c) equipamento de proteção individual.
Análise Qualitativa Visita in loco ao posto de trabalho avaliado.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco o agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o
provável dano que for irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa
dano permanente. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao
risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, e NR35.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão As medidas de controle para Trabalho em Altura devem ser dimensionadas em atividades a
mais de 2 metros de altura do piso nas quais haja riscos de queda do trabalhador, envolvendo o
planejamento, a organização e a execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos
trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade.
Quadro 35 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de Grupo Físico
exposição normalizada - aren)
Limite de Tolerância 1,10 m/s² Nível de Ação 0,50 m/s²
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Manter os pneus calibrados
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas Quando ultrapassados os limites de tolerância, a empresa deverá adotar as seguintes medidas
para diminuir a exposição do risco ao funcionário: - Modificação do processo ou da operação de
trabalho; - Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas. -
Adotando a utilização das luvas antivibração. - Redução do tempo e da intensidade de
exposição diária a vibração durante a jornada de trabalho do funcionário, adotando o
revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente foi classificado como pouco danoso. No caso de
agente não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante
e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o nível avaliado
que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência deste documento
não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do
risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (Lembrando
que todo EPI deve possuir CA -Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c)Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 36 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa -Avaliação in loco dos postos de trabalho.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 37 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 38 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) Grupo Físico
Limite de Tolerância 21,00 m/s1,75 Nível de Ação 11,50 m/s1,75
Meio de Propagação Via Cutânea e Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Assento acolchoado e sistema de ar
Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas - Modificação do processo ou da operação de trabalho;
- Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas.
- Adotando a utilização das luvas antivibração.
- Redução do tempo e da intensidade de exposição diária a vibração durante a jornada de
trabalho do funcionário, adotando o revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (Lembrando
que todo EPI deve possuir CA -Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c)Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 39 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Limite de Tolerância N/A Nível de Ação 0,000 mg/m³
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Fornecimento de Máscaras PFF-1 e óculos de segurança;
- Utilização dos equipamentos de proteção;
- Realização das trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento interno
existente;
Medidas Propostas - Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades (máscara contra partículas de
poeira - PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inferir se a atividade é insalubre ou não. Porém,
sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e, além
disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto laboral,
sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o ambiente de
trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores sobre a
utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica da adoção
de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (Lembrando que todo
EPI deve possuir CA -Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c)Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 40 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Postura sentada por longos períodos Grupo Ergonômicos
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posições Estáticas por longos períodos
EPC Cadeira com regulagem
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são: problemas ortopédicos, osteomusculares, circulatórios, dores, fadiga
e stress.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho
as características psicofisiologicas dos Trabalhadores; - Adotar meios e acessos que evitem os
sobresforços ou as posturas irregulares como flexões, extensões demasiadas dos membros; -
Nas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes deverá o local ser
adequado quanto a temperatura, umidade, ruído e velocidade do vento para melhor conforto
dos trabalhadores; - A iluminação
geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, re
flexos incômodos, sombras e contrastes excessivos; - A organização do trabalho deve ser
adequada às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser
executado. - Aos trabalhadores de checkout, e teleatendimento deverá ser garantido o disposto
na NR17, bem como horário específicos de trabalho, treinamentos periódicos e demais itens da
legislação.
Medidas Existentes - Realizar pequenas pausas durante a jornada de trabalho;
- Cadeira para descanso no local de trabalho;
Medidas Propostas - A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR-17.
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais -De acordo com a matriz de risco, o agente será considerado pouco danoso. No caso de agente
não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado;
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR 17.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é
necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de
praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores
condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no
relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas,
postura adequada , onde todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem
estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho
a ser executado.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 52 de 80

Quadro 41 GHE GES - 07 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE- ACIDENTE DE TRANSITO Grupo Acidente
Meio de Propagação Não há
Frequência Habitual
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Veículos automotores
EPC CINTO DE SEGURANÇA
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são estresse; Lesões variadas e óbito;
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- A empresa deverá solicitar ao motorista carteira de habilitação de acordo com a categoria, o
acompanhante deverá ser instruído, permanecendo ciente dos riscos que estão expostos,
devendo sempre utilizar o cinto de segurança;
Medidas Existentes - Utilização do cinto de segurança do veículo;
- Seguir as placas de sinalização existentes nas vias.
Medidas Propostas - Manter o veículo em perfeito estado de conservação, fazendo manutenções e vistorias
periodicamente, fornecer aos colaboradores treinamentos de direção defensiva. Deverá ser feito
previamente vistorias nos veículos sempre antes de sua utilização.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais - No caso de agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o provável dano
que for irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa dano
permanente. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR09, NR15 e CTB.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Deverão cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito das
respectivas atribuições, minimizando o risco que o trânsito representa, podendo ser evitado os
acidentes da seguinte maneira: trafegar em velocidade compatível; obedecer a sinalização;
dirigir com atenção; transportar carga arrumada e na altura regulamentar; usar pneus em boas
condições; não usar drogas e não ingerir álcool.
Quadro 42 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de Grupo Físico
exposição normalizada - aren)
Limite de Tolerância 1,10 m/s² Nível de Ação 0,50 m/s²
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Manter os pneus calibrados
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas Quando ultrapassados os limites de tolerância, a empresa deverá adotar as seguintes medidas
para diminuir a exposição do risco ao funcionário: - Modificação do processo ou da operação de
trabalho; - Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas. -
Adotando a utilização das luvas antivibração. - Redução do tempo e da intensidade de
exposição diária a vibração durante a jornada de trabalho do funcionário, adotando o
revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 43 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa -Avaliação in loco dos postos de trabalho.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 44 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI; - Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;- Treinamento sobre
proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 45 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) Grupo Físico
Limite de Tolerância 21,00 m/s1,75 Nível de Ação 11,50 m/s1,75
Meio de Propagação Via Cutânea e Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Assento acolchoado e sistema de ar
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas - Modificação do processo ou da operação de trabalho;
- Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas.
- Adotando a utilização das luvas antivibração.
- Redução do tempo e da intensidade de exposição diária a vibração durante a jornada de
trabalho do funcionário, adotando o revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 46 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 3h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Fornecimento de Máscaras PFF-1 e óculos de segurança;
- Utilização dos equipamentos de proteção;
- Realização das trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento interno
existente;
Medidas Propostas - Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades (máscara contra partículas de
poeira - PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 47 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE
Agente CE- Levantamento e transporte manual de cargas Grupo Ergonômicos
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Patolamento e transporte/colocação de dormentes.
EPI BOTA DE SEGURANÇA OPERACIONAL-PA
LUVA RASPA DE COURO/VAQUETA-PA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são: Problemas osteomusculares, fadiga muscular, rompimento de tendões
e/ou de músculos estress físico.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho
as características psicofisiologicas dos Trabalhadores; - Adotar meios e acessos que evitem os
sobresforços ou as posturas irregulares como flexões, extensões demasiadas dos membros; -
Designar o levantamento de carga a um so Trabalhador sendo que a carga deverá ser
suportado por este; - Não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por
um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança. - O
trabalho de levantamento de material feito com equipamento mecânico de ação manual deverá
ser executado de forma que o esforço físico realizado pelo trabalhador seja compatível
com sua capacidade de força e não comprometa a sua saúde ou a sua segurança. - Todo
trabalhador designado para o transporte manual regular de cargas, que não as leves, deve
receber treinamento ou instruções satisfatórias quanto aos métodos de trabalho que deverá
utilizar, com vistas a salvaguardar sua saúde e prevenir acidentes.
Medidas Existentes A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR17.
Medidas Propostas A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR17.
Análise Qualitativa - Analise qualitativa in loco nos postos de trabalho.
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente é considerado danoso, pois o dano pode ser
recuperado Porém, também pode causar dificuldades após a recuperação. A empresa
apresentou que não houve evidencias de efeitos potenciais para o risco acima.
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR17.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão Não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por um trabalhador, cujo
peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança. O trabalho de levantamento
de material feito com equipamento mecânico de ação manual deverá ser executado de forma
que o esforço físico realizado pelo trabalhador seja compatível com a sua capacidade de forçae
não comprometa a sua saúde ou sua segurança. A empresa deverá fornecer aos
funcionários condições para realização do trabalho e promover treinamento orientando e
informando quando ao risco existente e como prevenir acidentes laborais.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 59 de 80

Quadro 48 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE - Probabilidade de Esmagamento de membros. Grupo Acidente
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Patolamento e transporte/colocação de dormentes.
EPI BOTA DE SEGURANÇA OPERACIONAL-PA
LUVA RASPA DE COURO/VAQUETA-PA
LUVA MISTA VAQUETA - PA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são: Escoriações, hematomas, aprisionamento de membros, esmagamento
de membros, lesões leves/pesadas em membros.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;- Realização de treinamentos e/ou procedimentos de
segurança.- Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do prédio a uma
distância de pelo menos 0,50m (cinquenta centímetros);- A disposição da carga não deverá
dificultar o trânsito, a iluminação, e o acesso às saídas de emergência; - O armazenamento
deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material.
Medidas Existentes - Utilizar o equipamento de proteção adequado ao risco;
- Seguir as placas de sinalização indicativa de segurança;
Medidas Propostas Deverá a Empresa fornecer meios de controle ao risco (Botas de segurança e/ou Capacetes),
manter o local de trabalho limpo e organizado com os materiais (caixas, mercadorias, materiais
diversos) devidamente empilhados de acordo com suas capacidades de suporte de carga.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente foi classificado como danoso. No caso de agente não
mensurável, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas pode criar
dificuldades após a recuperação. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09 e NR11.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - A Empresa deverá adotar como forma de controle primeiramente as medidas coletivas, tais
como automatização dos processos. Sendo que na inviabilidade técnica da adoção de medidas
de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes ou encontrarem-se em fase de
estudo, planejamento ou implantação, ou ainda em caráter complementar ou emergencial,
deverão ser adotadas outras medidas como utilização de equipamentos de proteção individual
como luvas de proteção.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 60 de 80

Quadro 49 GHE GES - 08 - CARAJAS/SERRA LESTE


Agente CE- ACIDENTE DE TRANSITO Grupo Acidente
Meio de Propagação Não há
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Veículos automotores
EPC Placas de Sinalização
CINTO DE SEGURANÇA
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são estresse; Lesões variadas e óbito;
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- A empresa deverá solicitar ao motorista carteira de habilitação de acordo com a categoria, o
acompanhante deverá ser instruído, permanecendo ciente dos riscos que estão expostos,
devendo sempre utilizar o cinto de segurança;
Medidas Existentes - Utilização do cinto de segurança do veículo;
- Seguir as placas de sinalização existentes nas vias.
Medidas Propostas - Manter o veículo em perfeito estado de conservação, fazendo manutenções e vistorias
periodicamente, fornecer aos colaboradores treinamentos de direção defensiva. Deverá ser feito
previamente vistorias nos veículos sempre antes de sua utilização.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais - No caso de agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o provável dano
que for irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa dano
permanente. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR09, NR15 e CTB.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Deverão cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito das
respectivas atribuições, minimizando o risco que o trânsito representa, podendo ser evitado os
acidentes da seguinte maneira: trafegar em velocidade compatível; obedecer a sinalização;
dirigir com atenção; transportar carga arrumada e na altura regulamentar; usar pneus em boas
condições; não usar drogas e não ingerir álcool.
Quadro 50 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE - Vibração de corpo inteiro (aceleração resultante de Grupo Físico
exposição normalizada - aren)
Limite de Tolerância 1,10 m/s² Nível de Ação 0,50 m/s²
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Manter os pneus calibrados
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas Quando ultrapassados os limites de tolerância, a empresa deverá adotar as seguintes medidas
para diminuir a exposição do risco ao funcionário- Modificação do processo ou da operação de
trabalho; - Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas.-
Adotando a utilização das luvas antivibração. - Redução do tempo e da intensidade de
exposição diária a vibração durante a jornada de trabalho do funcionário, adotando o
revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros a dados existentes de comprometimentos da saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO09.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 51 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa -Avaliação in loco dos postos de trabalho.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.

Quadro 52 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE


Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI; - Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;- Treinamento sobre
proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 53 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- VIBRAÇÃO de CORPO INTEIRO (VDVR) Grupo Físico
Limite de Tolerância 21,00 m/s1,75 Nível de Ação 11,50 m/s1,75
Meio de Propagação Via Cutânea e Osteomuscular
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPC Assento acolchoado e sistema de ar
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões na
coluna vertebral, dores lombares.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Redução das vibrações na fonte;
- Diminuição da transmissão da energia mecânica ao corpo;
- Redução da amplitude da vibração;
- Redução do tempo de exposição caso seja necessário;
- Treinamento quanto à nocividade do risco bem como medidas de minimização e neutralização
do agente;
- Realizar avaliação conforme a matriz de risco da exposição para levantar alterações no nível
de exposição após adotada as medidas indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Banco do equipamento com regulagem;
- Realização da calibração periódica dos pneus;
- Utilização do caminho em boas condições.
Medidas Propostas - Modificação do processo ou da operação de trabalho;
- Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas.
- Adotando a utilização das luvas antivibração.
- Redução do tempo e da intensidade de exposição diária a vibração durante a jornada de
trabalho do funcionário, adotando o revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco o agente Habitual pouco danoso o provável dano que for
insignificante e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o
nível avaliado que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência
deste documento não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde
decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal - NR-09 e NR-15.
Observações/Metodologia - Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (Lembrando
que todo EPI deve possuir CA -Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c)Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 54 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Fornecimento de Máscaras PFF-1 e óculos de segurança;
- Utilização dos equipamentos de proteção;
- Realização das trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento interno
existente;
Medidas Propostas - Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades (máscara contra partículas de
poeira - PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros a dados existentes de comprometimentos da saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será feito a avaliação quantitativa do agente, para inquerir se atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 55 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- Postura sentada por longos períodos Grupo Ergonômicos
Meio de Propagação Via Osteomuscular
Frequência Habitual – Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posições Estáticas por longos períodos
EPC Cadeira com regulagem
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são: problemas ortopédicos, osteomusculares, circulatórios, dores, fadiga
e stress.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho as características psicofisiologicas
dos Trabalhadores;
- Adotar meios e acessos que evitem os sobresforços ou as posturas irregulares como
flexões, extensões demasiadas dos membros;
- Nas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes deverá o local ser
adequado quanto a temperatura, umidade, ruído e velocidade do vento para melhor
conforto dos trabalhadores;
- A iluminação
geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, ref
lexos incômodos, sombras e contrastes excessivos;
- A organização do trabalho deve ser adequada às características psicofisiológicas dos
trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado.
Medidas Existentes - Realizar pequenas pausas durante a jornada de trabalho;
- Cadeira para descanso no local de trabalho;
Medidas Propostas - A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR-17.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados existentes de comprometimentos da saúde;
Efeitos Potenciais - De acordo com a matriz de risco, o agente será considerado pouco danoso. No caso de agente
não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado;
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR 17.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é
necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de
praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores
condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no
relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas,
postura adequada , onde todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem
estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho
a ser executado.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 67 de 80

Quadro 56 GHE GES - 09 - CARAJÁS/SERRA LESTE


Agente CE - COLISÕES DE VEÍCULOS Grupo Acidente
Meio de Propagação Não aplicável
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Veículos automotores
EPC CINTO DE SEGURANÇA
Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são estresse; Lesões variadas e óbito;
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- A empresa deverá solicitar ao motorista carteira de habilitação de acordo com a categoria, o
acompanhante deverá ser instruído, permanecendo ciente dos riscos que estão expostos,
devendo sempre utilizar o cinto de segurança;
Medidas Existentes - Utilização do cinto de segurança do veículo;
- Seguir as placas de sinalização existentes nas vias.
Medidas Propostas - Manter o veículo em perfeito estado de conservação, fazendo manutenções e vistorias
periodicamente, fornecer aos colaboradores treinamentos de direção defensiva. Deverá ser feito
previamente vistorias nos veículos sempre antes de sua utilização.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da saúde;
Efeitos Potenciais - No caso de agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o provável dano
que for irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa dano
permanente. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR09, NR15 e CTB.
Observações/Metodologia -Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Deverão cumprir e fazer cumprir a legislação e as normas de trânsito, no âmbito das
respectivas atribuições, minimizando o risco que o trânsito representa, podendo ser evitado os
acidentes da seguinte maneira: trafegar em velocidade compatível; obedecer a sinalização;
dirigir com atenção; transportar carga arrumada e na altura regulamentar; usar pneus em boas
condições; não usar drogas e não ingerir álcool.
Quadro 57 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (P) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 82,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de correta
utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não exponha
mais os trabalhadores ao agente;
- Utilização de equipamento de proteção individual com dimensionamento exclusivo para cada
atividade; - Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente
Análise Qualitativa - Avaliação in loco dos postos de trabalho;
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão -Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a)Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes.(Lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPIs fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 58 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- RUÍDO CONTÍNUO ou INTERMITENTE (T) Grupo Físico
Limite de Tolerância 85,00 dB (A) Nível de Ação 80,00 dB (A)
Meio de Propagação Via Aérea
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
EPI PROTETOR AUDITIVO TIPO PLUG
PROTETOR AUDITIVO TIPO CONCHA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito - Os possíveis efeitos são: Irritação, perda auditiva, stress, diminuição de concentração, dores
de cabeça, distúrbios cardiovasculares, gastrite, aumento da frequência cardíaca, diminuição da
capacidade de concentração e reflexos, irritação permanente, embaraço nas conversações e
perda da inteligibilidade das palavras.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios
de prevenção que estarão expostos;
- Nas situações em que o ruído esteja acima do N.A. deverá ser adotado ações que inclua o
monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico;
- Nas situações em que a intensidade do ruído ultrapasse o Limite de Tolerância, deverá o
Empregador adotar medidas de controle que garantam a integridade dos Trabalhadores
conforme a hierarquia que segue: medidas de caráter coletivo que eliminem a exposição ou a
fonte geradora de ruído, medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho, e
por último a utilização de equipamento de proteção individual.
- Qualquer medida adotada deverá ser garantida aos Trabalhadores o Treinamento de
correta utilização desta.
Medidas Existentes - Fornecimento do EPI;
- Cumprimento da periodicidade de troca do EPI;
- Treinamento sobre proteção Auditiva.
Medidas Propostas - Realizar o monitoramento do agente conforme determinado em Matriz de risco supracitada,
- Enclausuramento do risco ou mudança no processo de trabalho de maneira que não
exponha mais os trabalhadores ao agente; - Utilização de equipamento de proteção individual
com dimensionamento exclusivo para cada atividade;
- Treinamento quanto a correta utilização da medida de controle adotada;
- Realização de manutenções dos equipamentos para se garantir a baixa intensidade do agente.
Análise Qualitativa - Avaliação quantitativas in loco, conforme a função avaliada.
Efeitos Potenciais Conforme Matriz de Risco, durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR09, NR15, NHO01 e Decreto 3048/99.
Observações/Metodologia Foram adotados as Metodologias da NHO 01 da Fundacentro e a Utilização de equipamentos
calibrados por certificadoras acreditadas pelo INMETRO. A especificação do equipamento
utilizado estará disposta em anexo a este Programa em forma do Certificado de calibração.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a)Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes.(Lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 70 de 80

Quadro 59 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE


Agente CE- VIBRAÇÃO de MÃOS e BRAÇOS (VMB) Grupo Físico
Limite de Tolerância 5,00 m/s² Nível de Ação 2,50 m/s²
Meio de Propagação Via Cutânea e Osteomuscular
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Máquina e equipamentos em funcionamento
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são: Alterações neurovasculares, problemas nas articulações, lesões nas
mãos e braços.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Redução das vibrações na fonte; - Diminuição da
transmissão da energia mecânica ao corpo; - Redução da amplitude da vibração; - Redução do
tempo de exposição caso seja necessário; -Treinamento quanto à nocividade do risco bem
como medidas de minimização e neutralização do agente;- Realizar avaliação conforme a matriz
de risco da exposição para levantar alterações no nível de exposição após adotada as medidas
indicadas nesse quadro.
Medidas Existentes - Utilização dos EPI's disponibilizados;
- Realização de manutenção dos equipamentos.
Medidas Propostas Quando ultrapassados os limites de tolerância, a empresa deverá adotar as seguintes medidas
para diminuir a exposição do risco ao funcionário: - Modificação do processo ou da operação de
trabalho; - Adequação dos maquinários utilizados, realizando manutenções periódicas. -
Adotando a utilização das luvas antivibração. - Redução do tempo e da intensidade de
exposição diária a vibração durante a jornada de trabalho do funcionário, adotando o
revezamento de funcionários na execução da atividade.
Análise Qualitativa - Não há registros á dados existentes de comprometimentos da saúde.
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente foi classificado como pouco danoso. No caso de
agente não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante
e/ou reversível. No caso de agente mensurável, será considerado pouco danoso o nível avaliado
que encontrar-se abaixo do nível de ação. Durante o ano anterior a vigência deste documento
não houve afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do
risco supracitado.
Fundamentação Legal - NR01, NR06, NR09, NR15 e NHO10.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não. Porém,
sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e, além
disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto laboral,
sugerimos que a empresa: a) Adote medidas de ordem coletiva que conservem o ambiente de
trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores sobre a
utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica da adoção
de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes. (Lembrando que todo
EPI deve possuir CA -Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c)Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 60 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- Graxas e óleos Grupo Químico
Limite de Tolerância 0 mg/m³ Nível de Ação 0 mg/m³
Meio de Propagação Aéreo e Cutâneo
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Severo
Nível de risco Risco Alto
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora POSTO DE TRABALHO
EPI OCULOS INCOLOR
LUVA NITRÍLICA-CSP
LUVA QUÍMICA PROTETORA PARA AS MÃOS
RESPIRADOR DESCARTAVEL PFF2
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação na pele, nariz e garganta, pode causar desconforto nos olhos.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Substituir o agente por um menos agressivo; - Realizar
treinamento de uso correto das medidas de controle; - Realizar a manipulação
preferencialmente em ambientes abertos; - Lavar os membros sempre que ocorrer respingos; -
Evitar o contato com materiais incompatíveis: Ácidos fortes e agentes oxidantes.
Medidas Existentes - Utilizar os equipamentos de proteção existentes; - Realizar as trocas de EPI's conforme
orientação do fabricante ou procedimento interno existente; - Seguir as placas de sinalização
existentes; - Realizar a higienização adequada conforme orientações do fabricante.
Medidas Propostas Orienta-se o uso ininterrupto dos EPI's durante todo o decorrer da atividade: creme de proteção
insolúvel para as mãos com especificidade para óleos minerais (a cada 35 dias), e vestimenta
impermeável quando ocorrer a pulverização de respingos. Nas situações em que ocorrer a
sujidade de uniformes e/ou roupas deverá ser disponibilizado aos Colaboradores Uniformes
extras para troca.
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente foi classificado como extremamente danoso. No caso
de agente não mensurável, será considerado extremamente danoso o provável dano que for
irreversível, irrecuperável, causa sequelas graves no empregado, causa dano
permanente. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR 01, NR 06, NR 09, e NR 15.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão De acordo com a avaliação qualitativa do agente, a atividade é considerada insalubre em grau
máximo. Sendo assim a Empresa deverá adotar como forma de controle primeiramente as
medidas coletivas, tais como troca do produto por outro menos agressivo, ou de caráter
administrativo, tais como redução do tempo de exposição ao agente, ou de proteção individual,
tais como uso ininterrupto dos cremes de proteção. Sendo que na inviabilidade técnica da
adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes ou
encontrarem-se em fase de estudo, planejamento ou implantação, ou ainda em caráter
complementar ou emergencial, deverão ser adotadas outras medidas como utilização de
equipamentos de proteção individual. Conforme determinado pela Legislação, a utilização
correta da forma de controle neutralizará o pagamento do adicional de insalubridade,
lembrando que a eficácia de utilização do EPI se dá quando é realizado o correto
dimensionamento, o registro em fichas, a garantia da periodicidade de troca, a realização do
treinamento e a cobrança de uso ininterrupto.
Quadro 61 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- Sílica Livre - Poeira Respirável Grupo Químico
Limite de Tolerância N/A Nível de Ação 0,000 mg/m³
Frequência Habitual
Classif. Efeito Moderado
Nível de risco Risco Médio
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora Posto de Trabalho
EPI Óculos de Segurança
Respirador semifacial com filtro para poeira – PFF1 e/ou PFF2
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são irritação das vias respiratórias e outras doenças pulmonares
obstrutivas.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;
- Realização de treinamentos quanto a correta utilização dos meios de proteção;
- Realizar a umidificação do ambiente.
Medidas Existentes - Fornecimento de Máscaras PFF-1 e óculos de segurança;
- Utilização dos equipamentos de proteção;
- Realização das trocas de EPI's conforme orientação do fabricante ou procedimento interno
existente;
Medidas Propostas - Fornecer o EPI necessário para a realização das atividades (máscara contra partículas de
poeira - PFF1).
Análise Qualitativa - Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde.
Efeitos Potenciais Conforme a matriz de risco, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas
pode criar dificuldades após a recuperação. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos
a saúde decorrente ao risco. Conforme a matriz de risco o agente mensurável, será
considerado danoso o nível avaliado que encontrar-se acima do nível de ação e abaixo do limite
de tolerância. Não foi apresentado indicativos de possíveis danos a saúde decorrente ao risco.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09, NR15 e ACGIH.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Será realizada avaliação quantitativa, para inquerir-se se a atividade é insalubre ou não.
Porém, sugere-se que a empresa deverá seguir as recomendações citadas no quadro acima, e,
além disso, para preservar a saúde e integridade física dos colaboradores durante o pacto
laboral, sugerimos que a empresa: a)Adote medidas de ordem coletiva que conservem o
ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; b) Forneça e oriente os colaboradores
sobre a utilização de equipamento de proteção individual quando houver inviabilidade técnica
da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes.(Lembrando
que todo EPI deve possuir CA - Certificado de Aprovação expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego). c) Estabeleça uma periodicidade de troca bem definida dos EPI's; d) Treine
periodicamente os funcionários quanto a correta utilização e conservação dos EPI's; e) Registre
os EPI's fornecidos em ficha Individual de Proteção; f) Obrigue o uso do EPI na execução da
atividade.
Quadro 62 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE
Agente CE- Trabalho em posturas incômodas Grupo Ergonômicos
Frequência Habitual
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora POSTO DE TRABALHO
EPC Cadeira para descanso
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito -Os possíveis efeitos são: problemas ortopédicos, osteomusculares, circulatórios, dores, fadiga
e stress.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos; - Adequar as atividades, equipamentos e postos de trabalho
as características psicofisiologicas dos Trabalhadores; - Adotar meios e acessos que evitem os
sobresforços ou as posturas irregulares como flexões, extensões demasiadas dos membros; -
Nas atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constantes deverá o local ser
adequado quanto a temperatura, umidade, ruído e velocidade do vento para melhor conforto
dos trabalhadores; - A iluminação
geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, re
flexos incômodos, sombras e contrastes excessivos; - A organização do trabalho deve ser
adequada às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser
executado. - Aos trabalhadores de Checkout, e teleatendimento deverá ser garantido o disposto
na NR17, bem como horário específicos de trabalho, treinamentos periódicos e demais itens da
legislação.
Medidas Existentes - Realizar pequenas pausas durante a jornada de trabalho;
- Cadeira para descanso no local de trabalho;
Medidas Propostas A empresa deverá providenciar o estudo ergonômico, bem como as adequações propostas na
legislação disposta na NR17.
Análise Qualitativa -Não há registros a dados Existentes de Comprometimentos da Saúde;
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco , o agente será considerado pouco danoso. No caso de agente
não mensurável, será considerado pouco danoso o provável dano que for insignificante e/ou
reversível. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve afastamento ou
indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR09 e NR 17.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão - Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é
necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de
praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores
condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no
relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas,
postura adequada , onde todos os equipamentos que compõem um posto de trabalho devem
estar adequados às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho
a ser executado.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 74 de 80

Quadro 63 GHE GES - 11 - CARAJÁS/SERRA LESTE


Agente CE - Probabilidade de Esmagamento de membros. Grupo Acidente
Frequência Habitual - Intermitente
Classif. Efeito Leve
Nível de risco Risco Baixo
Tempo de Exposição 8h
Fonte Geradora MAQUINAS E EQUIPAMENTOS
EPI BOTA DE SEGURANÇA OPERACIONAL-PA
LUVA RASPA DE COURO/VAQUETA-PA
LUVA CANO LONGO - RASPA DE COURO / VAQUETA-PA
EPC Placas de Sinalização
Insalubridade Não Periculosidade Não
Aposentadoria Especial Não
Efeito Os possíveis efeitos são: Escoriações, hematomas, aprisionamento de membros, esmagamento
de membros, lesões leves/pesadas em membros.
Orientação - Elaboração de Ordem de Serviço dando ciência aos trabalhadores dos riscos e meios de
prevenção que estarão expostos;- Realização de treinamentos e/ou procedimentos de
segurança.- Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do prédio a uma
distância de pelo menos 0,50m (cinquenta centímetros);- A disposição da carga não deverá
dificultar o trânsito, a iluminação, e o acesso às saídas de emergência; - O armazenamento
deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material.
Medidas Existentes - Utilizar o equipamento de proteção adequado ao risco;
- Seguir as placas de sinalização indicativa de segurança;
Medidas Propostas Deverá a Empresa fornecer meios de controle ao risco (Botas de segurança e/ou Capacetes),
manter o local de trabalho limpo e organizado com os materiais (caixas, mercadorias, materiais
diversos) devidamente empilhados de acordo com suas capacidades de suportede carga.
Análise Qualitativa - Não há registros de dados existentes de comprometimentos da Saúde
Efeitos Potenciais De acordo com a matriz de risco o agente foi classificado como danoso. No caso de agente não
mensurável, será considerado danoso o provável dano que for recuperável, mas pode criar
dificuldades após a recuperação. Durante o ano anterior a vigência deste documento não houve
afastamento ou indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do risco
supracitado.
Fundamentação Legal NR01, NR06, NR09 e NR11.
Observações/Metodologia Avaliação qualitativa do local de trabalho e das atividades executadas pelo trabalhador.
Conclusão A Empresa deverá adotar como forma de controle primeiramente as medidas coletivas, tais
como automatização dos processos. Sendo que na inviabilidade técnica da adoção de medidas
de proteção coletiva ou quando estas não forem suficientes ou encontrarem-se em fase de
estudo, planejamento ou implantação, ou ainda em caráter complementar ou emergencial,
deverão ser adotadas outras medidas como mudança do processo de trabalho, redução do
tempo de exposição ao agente, e por último a utilização de equipamentos de proteção
individual como Botas de proteção e/ou capacetes.
PGR FORM-20 / ENG
REV: 00
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OUTUBRO 2020
PÁTIO DE MONTAGEM Página 75 de 80

Planilha de RAC por Função.

Mapeamento de RACs X Função


RAC RAC RAC RAC RAC RAC RAC RAC RAC RAC RAC
Não
exec
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11
uta BLOQ EXPL
TRAB VEÍC EQUIP IÇAM PROT
Nº Função ativi A LHO U LOS AMEN
UEIO
E NTO
ESPAÇ
E ÇÃO
ESTA O
ELETR
META
d ade E O B SIVO L
EM AUTO TOS DE DE ICIDA
crític ETIQU CONFI ILIDA E LIQU
ALTUR MOTO MÓVE CARG MÁQU DE
a ETAGE NADO DE DE DETO IDO
A RES IS AS INAS
M SOLO NAÇÃ
O
OPERADOR DE
01
GUINDASTE X X X X
MOTORISTA DE
02
MUNCK X X X X
MOTORISTA DE
03 CAMINHÃO X X X X
PRANCHA
SINALEIRO
04
RIGGER X X X
OPERADOR DE
05
EMPILHADEIRA X X X X

06 MECANICO X X X X X
TECNICO DE
07
MANUTENÇÃO I, II X X X X X
SUPERVISOR
08
OPERACIONAL X
ELETRICISTA DE
09
AUTOS X X X X
Obs: Os treinamentos em RAC 07 e RAC 08 foram substituídos pelos treinamentos de Percepção de risco em proteção de máquinas
e Percepção de risco em estabilidade de solo.
02 Mecânico
Uso Eventual

07 Sinaleiro Rigger I
Uso Obrigatório

01 Eletricista de Autos

04 Motorista de Munck
Função
LEGENDA

08 Supervisor Operacional
05 Operador de Empilhadeira

09 Técnico de Manutenção I, II
03 Motorista de Caminhão Prancha I

06 Operador de Guindastes Médio, Pesado


Botina com biqueira de composite
Planilha de EPIs por Função

Botina com proteção de metatarso

Capacete de segurança com jugular

Bota de borracha
Máscara semi facial com filtro

Óculos de Máscara respiratória


segurança PFF-2
contra impacto
PGR

PLANILHA DE EPI X FUNÇÃO


PÁTIO DE MONTAGEM

Protetor auditivo tipo concha

Luva de vaqueta ou mista


PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

Luva de PVC/ Borracha

Luva Hyflex
Cinto de segurança tipo paraquedista/com
talabarte duplo
Creme para mãos contra produtos químicos
REV: 00

Macacão de Segurança
Página 76 de 80
OUTUBRO 2020
FORM-20 / ENG

Luva Nitrílica

Protetor Solar
PGR FORM-20 / ENG
REV: 17
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DEZEMBRO 2019

CONSOLIDADO CARAJÁS Página 77 de 80

Carteira profissional
PGR FORM-20 / ENG
REV: 17
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DEZEMBRO 2019

CONSOLIDADO CARAJÁS Página 78 de 80

Anotação de Responsabilidade Técnica - ART

FREDERICO SABINO Assinado de forma digital por


FREDERICO SABINO DINIZ:00901398608
DINIZ:00901398608 Dados: 2020.11.06 12:05:10 -03'00'
PGR FORM-20 / ENG
REV: 17
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DEZEMBRO 2019

CONSOLIDADO CARAJÁS Página 79 de 80

Plano de Contingência COVID - 19

Makro Engenharia Ltda.


PGR FORM-20 / ENG
REV: 17
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DEZEMBRO 2019

CONSOLIDADO CARAJÁS Página 80 de 80

PLANO DE PREPARAÇÃO E RESPOSTA PARA PANDEMIA DE COVID -19

Apresentar plano para implantação de medidas de prevenção e controle de infecções pelo Novo Coronavírus, COVID-
2019 em empregados e mitigar e reduzir a exposição de risco nas atividades relacionadas ao contrato com a Vale durante uma
pandemia de COVID-19.

OBJETIVO:

 Promover o respeito à vida através da proteção da saúde dos empregados;


 Coordenar e padronizar ações para contenção e mitigação de infecções pelo SARS-CoV-2 nas operações da Vale.

 Promover ações para preservar a continuidade dos negócios de maneira segura nas operações da Vale.

As diretrizes a serem seguidas serão conforme Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19 da Vale anexado na
íntegra a este documento.

REVISÕES:

As revisões do documento referência serão atualizadas sempre quando forem compartilhadas via Gestor/Fiscal de Contrato Vale.
Os empregados serão comunicados sobre versão atual e novas revisão através das ferramentas de comunicação em Saúde e
Segurança da empresa.
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19
Atualizado em 01/06/2020
Elaboradores: Comitê de Crise COVID-19, Diretoria de Saúde, Segurança e Risco Operacional
Público Alvo: Vale

Resultado Esperado: Apresentar plano para implantação de medidas de prevenção e controle de infecções
pelo Novo Coronavírus, COVID-2019 em empregados Vale e mitigar e reduzir a exposição de risco às operações
Vale durante uma pandemia de COVID-19.

Objetivo

 Promover o respeito à vida através da proteção da saúde dos empregados.


 Coordenar e padronizar ações para contenção e mitigação de infecções pelo SARS-CoV-2 nas operações da
Vale.
 Promover ações para preservar a continuidade dos negócios de maneira segura nas operações da Vale.

Propósito
Este procedimento se aplica às unidades da Vale e deve ser reproduzida por suas controladas, diretas e indiretas
(sob gestão da Vale), no Brasil e nos demais países, sempre observando seu Estatuto Social ou seus documentos
constitutivos e a legislação aplicável.
Dúvidas e questões relacionadas a este documento devem ser encaminhadas à Diretoria de Saúde e Segurança e
Riscos Operacionais, através do e-mail saude.seguranca.corporativa@vale.com.

Premissas
 Como o SARS-CoV-2 se trata de um novo vírus, ajustes neste documento serão necessários à medida que
novas evidências são apresentadas e processos de mitigação são otimizados. Até então, a avaliação de risco
nos estágios iniciais da epidemia requer flexibilidade e possivelmente conterá erros como precaução.
 Devem ser observadas medidas para proteger a confidencialidade e a privacidade dos empregados
identificados como casos suspeitos ou confirmados, bem como a prevenção da discriminação contra os
infectados.

Considerações Pré-Pandemia
Antes de qualquer pandemia, é necessário tomar decisões considerando quais atividades de negócio serão
impactadas e quando e como essas decisões serão implementadas ao longo do seu desenvolvimento. Tais decisões
precisam levar em consideração a probabilidade de que, dependendo da gravidade da doença e da taxa de infecção,
o absenteísmo entre os empregados possa vir a variar entre 5% e 50% devido ao número de empregados e seus
familiares doentes, e fechamento temporário de escolas. Da mesma forma, elas devem antecipar-se para, na pior das
hipóteses, um aumento na taxa de mortalidade acima dos níveis normais. O objetivo de um plano de pandemia,
portanto, é reduzir o impacto de tais desenvolvimentos nos empregados e na integridade dos negócios da Vale.

O fato de o SARS-CoV-2 causar doenças, incluindo doenças que resultam em morte e transmissão sustentada de
pessoa para pessoa, atende a dois dos critérios necessários para uma pandemia. O impacto do surto de COVID-19
está diretamente relacionado às características do novo vírus (como sua alta transmissibilidade, sintomas
inespecíficos que dificultam a identificação de casos e possível transmissão não detectada), bem como a atual falta
de uma vacina ou medicamento para controlar ou reduzir seu impacto.

É importante lembrar que o risco individual depende da exposição e que certas pessoas terão um risco aumentado
de infecção, como por exemplo, equipes de saúde Vale, inspetores de embarcações da Vale, equipes de limpeza e
atendimento em aeronaves e trens de passageiros, bem como empregados idosos e aqueles com doenças crônicas
ou com resposta imune reduzida.
As condições locais influenciarão as decisões tomadas pelas autoridades de saúde pública. A coordenação com
autoridades de saúde estaduais e locais é fortemente incentivada, para que informações oportunas e precisas
possam orientar respostas apropriadas em cada local onde a vale opera.

Os líderes regionais com mais de uma unidade de negócios são incentivados a fornecer aos líderes locais a
autoridade para tomar as ações apropriadas descritas neste documento com base nas condições de cada localidade.

1
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19

Atualizado em 01/06/2020

Definições

Auto Monitoramento: ato de permanecer alerta para febre, tosse ou dificuldade em respirar. Se sentir febre ou
desenvolver tosse ou dificuldade em respirar durante este período, deve medir a temperatura, se auto isolar, limitar
o contato com outras pessoas e procurar orientação por telefone de um profissional de saúde para determinar se a
avaliação médica é necessária.

Casos: Baseadas nas definições da OMS e Ministério da Saúde do Brasil, constantemente revisadas à medida que
novas informações são apresentadas.
Caso Confirmado: indivíduo com confirmação laboratorial para COVID-19, com ou sem sintomas.
Caso Confirmado Clinicamente: indivíduo diagnosticado com COVID-19 a partir da avaliação médica sem a
confirmação laboratorial por PCR (com ou sem um resultado de teste sorológico IgM positivo).
Caso Descartado: caso com o exame PCR negativo OU aqueles sem testagem para PCR e que tenham
sido clinicamente descartados.
Caso em Análise: caso sintomático aguardando o resultado do teste de PCR OU assintomático com IgM
positivo aguardando o resultado do teste de PCR.
Caso Provável: caso suspeito com resultado de teste inconclusivo OU caso suspeito para quem o teste não
pode ser realizado por qualquer razão.
Caso Recuperado: caso confirmado com COVID-19 com pelo menos 14 dias de evolução dos sintomas e
pelo menos 72 horas assintomático, a critério clínico.
Caso Suspeito: indivíduo com Síndrome Gripal, ou seja, indivíduo que apresente febre de início súbito,
mesmo que referida, acompanhada de tosse ou dor de garganta ou dificuldade respiratória e pelo menos um
dos seguintes sintomas: cefaleia, mialgia ou artralgia, na ausência de outro diagnóstico específico.
Centro para Prevenção e Controle de Doenças Infecciosas (CDC): organização de referência mundial em saúde
pública dos Estados Unidos.
Contato:
1. Contato cara a cara com um caso suspeito, provável ou confirmado a menos de 1 metro de distância e
por mais de 15 minutos (com ou sem máscara de tecido);
2. Contato físico direto com um caso suspeito, provável ou confirmado (por exemplo, apertando as mãos);
3. Atendimento direto a um paciente com doença suspeita, provável ou confirmada por COVID-19 sem usar
equipamento de proteção individual adequado; OU
4. Outras situações, conforme indicado pelas avaliações de risco locais.
Coordenador COVID-19: ponto focal em cada unidade responsável pela criação do Plano Local de Preparação e
Resposta à Pandemia, centralizando as informações e coordenando as ações relacionadas a este plano.
COVID-19: Doença do Coronavírus 2019 causada pelo coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda (SARS-CoV-2).
A apresentação do COVID-19 varia de doença leve com sinais e sintomas inespecíficos, a doença respiratória aguda,
a pneumonia grave com insuficiência respiratória e choque séptico. Relatos de infecção assintomática com COVID-19
também foram bem documentados (CDC). A apresentação inclui febre E pelo menos um dos sinais e sintomas
respiratórios (tosse seca, falta de ar, produção de escarro) mas pode vir a incluir dor muscular ou de articulações, dor
de garganta, dor de cabeça, congestão nasal, náusea ou vômito, perda temporária de olfato ou paladar.
A maioria das pessoas com COVID-19 experimentará o seguinte: febre (83-99%), tosse (59-82%); fadiga (44-70%);
perda de apetite (40-84%); falta de ar (31-40%); produção de escarro (28-33%); dor muscular (11-35%).
Seus principais sinais de alerta de emergência são dificuldade para respirar, dor ou pressão persistente no peito,
confusão mental súbita, incapacidade de acordar ou permanecer acordado, lábios ou rosto azulados. Se mostrar
algum desses sinais, procure atendimento médico de emergência imediatamente.
Curva Epidêmica: uma representação visual da frequência de novos casos ao longo do tempo baseado na data de
início de uma doença. Com o COVID-19, o uso de medidas não farmacológicas (como distanciamento social) visa
seu achatamento, com o objetivo final de impedir que hospitais e clínicas fiquem sobrecarregados com pacientes
doentes. As medidas de distanciamento social podem causar um sério impacto quando são implementadas
precocemente, para que, com o tempo, todos os pacientes obtenham os recursos necessários. Veja figura abaixo,
com a curva epidêmica incluindo o impacto pretendido das medidas não farmacológicas em uma epidemia ou
pandemia deCOVID-19 através de medidas de distanciamento social (fonte: Ministério da Saúde, Brasil).

2
Distanciamento Social ou Distanciamento Físico: medida de saúde pública para impedir ou retardar a propagação
de uma doença altamente contagiosa. O objetivo do distanciamento social é reduzir a probabilidade de contato entre
pessoas portadoras de uma infecção e outras que não estão infectadas para minimizar o impacto da doença na
comunidade e no local de trabalho. Os exemplos incluem não participar de eventos esportivos e de entretenimento,
evitar viagens desnecessárias ou não usar transporte coletivo (por exemplo, ônibus, metrô, táxi, compartilhamento de
viagens). No ambiente de trabalho, alguns exemplos são cancelar viagens, modificar eventos de presenciais para
virtuais, trabalhar de casa, realizar reuniões e eventos de trabalho por call ou videoconferência, usar as escadas e
manter distância (aproximadamente 2 metros) de outras pessoas.
Doutor PASA: iniciativa do PASA para esclarecer dúvidas e dar orientações sobre saúde; disponível a todos os seus
beneficiários.
Epidemia: um surto de uma doença infecciosa que se tornou mais grave (por exemplo, afetando muitos indivíduos ao
mesmo tempo) e menos localizada (por exemplo, se espalhando rapidamente).
Equipamentos de Proteção Individual (EPIs): dispositivo de uso individual utilizado pelo empregado para prevenir
riscos que ameacem a sua saúde e segurança. Quando usado para a proteção do usuário contra a inalação de
agentes nocivos à saúde, é definido como Equipamento de Proteção Respiratória (EPR).
Equipe de Saúde Vale: Grupo de empregados com formação profissional em medicina, enfermagem, serviços
sociais ou outras profissões afins que integram a operação da área de saúde, incluindo contratados para prestar
serviços médicos.
Etiqueta Respiratória ou da Tosse: o ato de usar o cotovelo flexionado ou um lenço descartável ao tossir e espirrar,
descartá-lo em cesta de lixo e lavar as mãos.
Grupos de Risco Aumentado ou Vulnerável: COVID-19 é uma doença nova e há informações limitadas sobre
fatores de risco para doenças graves. De acordo com o CDC, com base nas informações disponíveis no momento e
nos conhecimentos clínicos, idosos e pessoas de qualquer idade que tenham sérias condições médicas subjacentes
podem estar em maior risco de doença grave por causa do COVID-19. Com base nas informações disponíveis até o
momento, as pessoas de alto risco para doenças graves do COVID-19 incluem:
- Pessoas com 65 anos ou mais;
- Pessoas que vivem em um lar de idosos ou em instituições de longa permanência;
- Pessoas com doença pulmonar crônica ou asma moderada a grave;
- Pessoas que têm doenças cardíacas com complicações;
- Pessoas imunocomprometidas, inclusive em tratamento para câncer;
- Pessoas de qualquer idade com determinadas condições médicas subjacentes, principalmente se não forem
bem controladas, como hipertensão, diabetes, insuficiência renal ou doença hepática ou obesidade grave
(índice de massa corporal (IMC) ≥ 40) também podem estar em risco.
As gestantes devem ser monitoradas, por risco aumentado a doença viral grave. No entanto, até o momento, os
dados sobre o COVID-19 não mostraram aumento do risco.
No Brasil, o subcomitê de crise COVID-19, Saúde instituiu o seguinte protocolo médico para grupos de risco
aumentado, baseado em avaliações de risco individualizadas para recomendar remoção temporária do empregado
do ambiente de trabalho: Deve ser utilizado no contexto de avaliação médica e avaliação de risco no contexto da
pandemia relacionados ao ambiente de trabalho; não deve ser utilizado de maneira isolada.
- Pessoas com idade acima de 60 anos ou mais, independente de comorbidades;
- Pessoas com idade acima de 50 anos associado a hipertensão ou diabetes ou doenças cardiovasculares;
- Pessoas com obesidade grau III (IMC ≥ 40);
- Gestantes e lactantes de até um ano;
De acordo com avaliação médica:
- Doenças respiratórias crônicas;
- Pessoas imunocomprometidas, inclusive em tratamento para câncer;
- Pessoas com doenças renais crônicas;
- Pessoas com hipertensão descompensada;
- Pessoas com diabetes insulinodependentes OU diabetes descompensado.
Gotículas: partículas maiores do que 5μm. O SARS-CoV-2 é transmitido através de gotículas contaminadas
dispersas por tosse ou espirros de pessoas com a doença, contidas principalmente em um raio de 1 metro.
Higiene das mãos: Lavagem das mãos com frequência com água e sabão por pelo menos 20 segundos;
especialmente depois de ir ao banheiro, antes de comer e depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar. Se água e
sabão não estiverem prontamente disponíveis, use uma solução para as mãos à base de álcool com pelo menos
60% de álcool.
Indicadores de Saúde: para os fins deste documento, os indicadores se encontram no Anexo I.
International SOS: empresa global prestadora de serviços médicos e de segurança empresarial.
Intervenções Não-Farmacêuticas: ações que limitem a transmissão da COVID-19 ao limitar o contato de pessoa-a-
pessoa. Exemplos são ficar em casa, quarentena, distanciamento social, restrições de viagens.
Ficar em Casa: estratégia de quarentena em massa para restringir o movimento da população e mitigar uma
epidemia ou pandemia. Envolve pedir aos residentes que fiquem em casa, exceto para fins essenciais (comprar
comida, combustível ou outros itens essenciais, ou por razões médicas) ou que vão trabalhar em negócios
essenciais (serviços de utilidade pública, hospitalar, etc.). Em muitos casos, atividades ao ar livre são permitidas
desde que regras de distanciamento social sejam seguidas.
Isolamento: separação de uma pessoa com sintomas sugestivos de COVID-19 de outras pessoas que estão
saudáveis para interromper a transmissão da doença. Pode ser voluntária ou mandatória por ordem federal,
estadual ou local de saúde pública.
Lockdown (ou bloqueio): medida de emergência que impede as pessoas de sair ou entrar em uma área (ou
país). Isso implica que as fronteiras estão fechadas e as pessoas são obrigadas a ficar em casa em quarentena.
Uma zona de contenção pode ser estabelecida quando uma área específica tem aumento de casos de COVID-19.
Quarentena: separação de uma pessoa ou grupo de pessoas que se acredita razoavelmente terem sido expostas
a uma doença transmissível, mas ainda não sintomática, de outras pessoas que não foram expostas, para impedir
a possível propagação da doença transmissível.
Máscara Cirúrgica: máscara utilizada por indivíduos diagnosticados como casos suspeitos ou confirmados para
proteção dos seus contatos contra a dispersão de gotículas contaminadas.
NIOSH: Instituto Nacional para Saúde e Segurança Ocupacional é a agência do governo dos Estados Unidos
responsável por conduzir pesquisa e criar recomendações para a prevenção de lesões e doenças ocupacionais.
Níveis de Risco/Estágios: para os fins deste documento, classificação qualitativa do risco da epidemia de
coronavírus impactar a saúde dos empregados e suas atividades. Variam em 4 estágios e estão diretamente
relacionados à incidência de casos confirmados de SARS-CoV-2 nas áreas, municípios, estados e países onde a
Vale opera.
SARS-CoV-2: nova variante da família de vírus coronavírus identificada pela primeira vez em humanos em dezembro
de 2019 em Wuhan, China. Renomeado SARS-CoV-2, é responsável por causar a Doença do Coronavírus-19 ou
COVID-19.
Organização Mundial de Saúde (OMS): agência das Nações Unidas que lida com questões de saúde pública.
OSHA, Administração de Saúde e Segurança Ocupacional: agência do Ministério do Trabalho do governo dos
Estados Unidos.
Pandemia: epidemia que se espalha ao redor do mundo.
Período de Incubação: tempo decorrido entre a infecção com uma doença e a apresentação de seus sintomas.
Evidências atuais apontam para um período máximo de incubação do SARS-CoV-2 de 14 dias.
Respirador: para fins deste documento, N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3 ou KN95 ou P2.
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19
Atualizado em 01/06/2020
Surto: um aumento repentino no número de casos de uma doença, normalmente confinado a uma área localizada
ou a um grupo específico de pessoas.
Testes: qualquer pessoa que atenda aos critérios de testagem deve ser testada quanto à infecção por COVID-19
usando os testes moleculares (RT-PCR) disponíveis. No entanto, dependendo da intensidade da transmissão, do
número de casos e da capacidade do laboratório, apenas um subconjunto dos casos suspeitos pode ser priorizado
para o teste. Para maiores informações sobre os tipos, recomendações e interpretações de resultados de testes
utilizados nesta pandemia, veja o Anexo X.
Transmissão: classificação da OMS, sujeita a reclassificação à medida em que mais dados sejam disponibilizados.
Transmissão Comunitária: ocorre quando a cadeia de transmissão para um grande número de pessoas não pode
ser confirmada.
Transmissão Importada: ocorre fora do local de reporte.
Transmissão Local: ocorre entre pessoas no mesmo local onde a doença tem sido reportada.
Viajante: Empregado em viagem a trabalho fora de sua cidade de residência. Somente para fins deste documento,
inclui expatriados e familiares realocados devido à epidemia do SARS-CoV-2.

Pandemia da COVID-19: Preparação e Resposta Local

Cada unidade deve designar um coordenador COVID-19 para ser o ponto focal responsável pela criação e
implantação de seu Plano Local de Preparação e Resposta à Pandemia de COVID-19. Este documento foi criado
para ser usado como sua base. As diretrizes e políticas a seguir são divididas em estágios (Tabela 1) contidos na
Fase Crítica da Classificação de Risco estabelecida pelo Comitê de Crise do COVID-19 em janeiro de 2020.
Embora as fases sejam segmentadas, os elementos listados devem ser implementados levando em consideração
seu elemento correspondente nas fases anteriores e subsequentes para promover sua continuidade. Uma vez que a
mudança de fase ocorra para o estágio de resposta, não haverá retrocesso de fases mesmo se não registrar novos
casos confirmados. Um checklist para apoiar a implantação de seu Plano encontra-se no Anexo II – Checklist e
Gatilhos para Preparação e Resposta à Pandemia de COVID-19 e deve ser adaptado e desdobrado para refletir a
realidade operacional de cada unidade.
Tabela 1 – Classificação de Risco Local da Pandemia de COVID-19
Estágio Definição Precauções
Ausência de casos confirmados no estado da
MONITORAMENTO Pratique precauções usuais
unidade da Vale.

Casos confirmados na localidade. Ausência de Pratique precauções básicas e


ALERTA
casos confirmados na(s) unidade(s). planeje para próximo estágio

RESPOSTA Identificação de caso confirmado na unidade


A. Absenteísmo abaixo do máximo tolerável para
uma operação segura Pratique precauções avançadas e
monitore número de casos
B. Absenteísmo acima do máximo tolerável para
uma operação segura

Redução sustentada do número de novos casos


RECUPERAÇÃO na unidade e na região por pelo menos 3 Reavalie as precauções
semanas consecutivas.

Estágio de Monitoramento

Definição: Ausência de casos confirmados no estado da unidade.

1. Classifique o risco de exposição das funções dos empregados ao SARS-CoV-2

5
Atualizado em 01/06/2020
A análise e classificação do risco, bem como decisão sobre controles a ser implementados, deverão ser realizadas
conforme diretrizes fornecidas no Anexo IX. As orientações sobre os controles necessários, dependendo do risco de
atividade, estão descritas no Anexo VIII.

2. Avalie as características de sua operação e prepare-se para monitorar absenteísmo:

Note que o estágio de RESPOSTA é dividido em dois sub estágios de acordo com o nível de absenteísmo necessário
para que as operações da unidade mantenham a sua continuidade de maneira segura. Para obter este dado, cada
líder de negócio irá:
Utilizando a tabela contida no Anexo III – Template para Dimensionamento de Equipe em Operação Segura,
elaborar seu plano de staff mínimo para todas as unidades e funções visando uma operação segura. Os
planos devem conter, no mínimo:
- Plano de atendimento médico mínimo para atendimento de emergência nos turnos;
- Número mínimo de funcionários para uma operação segura - por função e por área. Exemplo: número
mínimo de motoristas de caminhão fora de estrada por turno; de operadores da usina por turno; de
brigadistas por turno.
- Plano de contingência para o caso do número de ausências e afastamentos se aproximar do máximo
permitido. Exemplo: deslocar empregados treinados de uma área para cobrir outra, ter pronta a
sequência de parada das operações, ter claro o plano de comunicação com o planejamento de
produção, etc.
- Lista de telefones e endereço atualizada com todos os empregados críticos para cobertura
emergencial de turno.
Especificar os elementos específicos que serão acionados nos sub estágios A e B:
A. Absenteísmo abaixo do máximo tolerável para uma operação segura; e
B. Absenteísmo acima do máximo tolerável para uma operação segura.

3. Instrua os empregados doentes a ficar em casa:


Mesmo não havendo caso confirmado na região, recomenda-se que:
- Implemente as Políticas de Licença Não Punitiva e de Trabalho Flexível do Anexo IV, após revisá-las e
se certificar de que sejam consistentes com os acordos trabalhistas e leis estaduais e federais vigentes
em sua localidade. Nestas políticas, estabelece-se, em caráter temporário, que:
o Os empregados que apresentem sintomas de doença respiratória aguda fiquem em casa e
não trabalhem até que estejam livres de febre (igual ou superior a 37,8 ° C) e quaisquer outros
sintomas por 14 dias e pelo menos 72 horas assintomáticos sem o uso de medicamentos para
redução da febre ou outros medicamentos que alteram os sintomas (por exemplo, supressores
da tosse). Esses empregados devem notificar seu supervisor e não comparecer ao trabalho se
estiverem doentes.
o Os empregados com sintomas leves de resfriado que optarem por trabalhar remotamente devem
ser incentivados a fazê-lo ao invés de ir ao local de trabalho até que o critério para retorno ao
trabalho seja satisfeito ou até que seja apropriado por sua liderança.
- Entre em contato com as empresas contratadas para comunicar a importância dos seus
empregados doentes ficarem em casa. Incentive-os a desenvolver Políticas de Licença Não
Punitiva.
- Os gerentes devem planejar para o fato de que os empregados talvez precisem ficar em casa para cuidar
de crianças doentes ou de outros membros da família doentes mais do que o habitual nas próximas fases
da pandemia.

4. Separe o empregado com sintomas gripais:

Os empregados que apresentam sintomas respiratórios agudos (tosse, falta de ar) ao chegar ao trabalho ou que
adoecem durante o dia devem ser enviados para casa de maneira respeitosa e segura. Transfira pessoas
potencialmente infectadas para um local separado dos empregados e visitantes. Apesar da maioria das unidades não
possuir um espaço específico para isolamento, áreas designadas com portas podem servir de áreas de isolamento
até que estas pessoas possam ser removidas do site e propriamente encaminhadas para avaliação de saúde. Tenha
em mãos e recomende o uso de máscara cirúrgica durante o trajeto para proteger possíveis contatos.
Atualizado em 01/06/2020
5. Encoraje o empregado a ficar em casa quando estiver doente e praticar etiqueta respiratória e higiene das
mãos:
- Coloque pôsteres que incentivem a ficar em casa quando estiver doente, etiqueta para tossir e espirrar e
higiene das mãos na entrada da sua unidade e em outras áreas de trabalho onde é mais provável que sejam
vistas. Use o material disponibilizado pela equipe de Comunicação da Vale para informar os empregados por
e-mails, monitores de TV e outros veículos de mídia disponíveis.
- Forneça lenços descartáveis e recipientes de lixo com abertura sem o uso das mãos para os empregados.
- Instrua os empregados a limpar as mãos frequentemente com um desinfetante para as mãos à base de
álcool que contenha pelo menos 70% de álcool ou lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20
segundos. Sabão e água devem ser usados preferencialmente se as mãos estiverem visivelmente sujas.
- Forneça solução de álcool gel no local de trabalho. Verifique se os suprimentos adequados são mantidos.
Coloque recipientes em locais estratégicos para incentivar a higiene das mãos.
- Revise a etiqueta de tosse e espirros e de higiene mãos do CDC (em inglês) para obter mais informações.

6. Mantenha rotinas de limpeza no ambiente de trabalho:


- Limpe rotineiramente todas as superfícies tocadas com frequência no local de trabalho, como estações de
trabalho, bancadas e maçanetas. Use os agentes de limpeza já usados nessas áreas e siga as instruções do
rótulo.
- Disponibilize lenços desinfetantes descartáveis ou papel toalha e desinfetante em spray para que as
superfícies mais usadas (por exemplo, maçanetas, teclados, controles remotos, mesas) possam ser limpas
pelos empregados antes de cada uso.

7. Coordenador COVID-19: Papéis e Responsabilidades


- Formar um comitê de crise local para apoiar a implementação deste Plano.
- Monitorar o número de casos confirmados no país.
- Classificar o risco de exposição do empregado ao SARS-CoV-2.
- Planejar e promover o acesso dos empregados aos EPIs apropriados.
- Personalizar este protocolo para sua unidade, adaptando-o ao cenário de uma pandemia e incluindo, entre
outros:
o Estreita colaboração com as autoridades de saúde locais e sindicatos;
o Procedimentos de triagem para empregados e visitantes sintomáticos na entrada da unidade;
o Planejamento o fornecimento adequado de EPI para os próximos estágios;
o Identificação e preparação de locais designados para isolamento temporário;
o Procedimentos de desinfecção e limpeza para locais com fluxo constante de empregados;
o Planos locais de contingência para o caso de casos suspeitos ou confirmados entre os empregados;
o Fluxo de monitoramento de empregados sintomáticos e respectivos papéis e responsabilidades.
- Divulgar informações sobre a doença e sua prevenção aos empregados por meio de Diálogos de Saúde e
Segurança, vídeos ou seminários.
- Combater o medo e ansiedade dos empregados, rumores e desinformação através de plano de
comunicações adequado. Apoie a equipe de comunicação local no desenvolvimento de material educacional
sobre o COVID-
19. Consulte o material disponível na intranet ou criado pela OMS, CDC ou Ministério da Saúde local.
- Revisar outros procedimentos locais de saúde e segurança, incluindo o Plano de Atendimento de
Emergência, para determinar a adequação e o impacto das medidas de prevenção e controle de coronavírus
que estão sendo executadas.

8. Considerações:

Sobre o Escopo da Equipe Local de Saúde:


- Nas unidades em que existe uma equipe de saúde da Vale e as condições logísticas e operacionais a
permitam, recomenda-se a instalação interna de um Núcleo COVID-19. O objetivo do Núcleo é otimizar o
monitoramento médico de empregados (ver Nota Técnica da Anvisa, Protocolo de Tratamento do SARS-
CoV-2 2019 do Ministério da Saúde do Brasil).

Sobre Conscientização para Viagens Internacionais:

Como em outros eventos de pandemia deste século, o risco de exposição ao vírus por meio de viagens globais deve
ser bem compreendido pelo viajante e sua liderança. Independente de ter-se ou não uma restrição de viagem
corporativa em vigor, dependendo do nível de risco de exposição do viajante no país de destino no momento do voo,
Atualizado em 01/06/2020
bem como do histórico médico do viajante, o viajante e sua liderança tomarão uma decisão informada sobre a
possibilidade de retornar mais cedo, cancelar ou adiar seus planos de viagem. Lembre-se também de que países de
destino podem adotar restrições de viagens a qualquer momento, o que pode limitar a capacidade dos empregados
de voltar para casa se ficarem doentes durante a viagem.

- Todos os empregados Vale que viajam a trabalho em sua unidade devem ser informados de suas
responsabilidades específicas contidas na seção Cargos e Responsabilidades deste documento. Uma lista
com nomes e contatos frequentes de viajantes internacionais poderá ser solicitada pelo Coordenador COVID-
19 à equipe de Saúde corporativa para facilitar seu rastreamento e comunicação de atualizações referentes a
medidas de mitigação e controle da doença.

Antes de viajar:
- Quando houver uma restrição a viagens não essenciais, o líder que autoriza a compra do bilhete do
empregado e o empregado devem determinar se a viagem é crítica ou se pode ser adiada. Eles
também devem considerar o risco à saúde no país de destino, de acordo com as mais recentes
orientações e recomendações encontradas nos Avisos de Saúde do Viajante do CDC.

Durante a viagem:

O distanciamento social é um fator-chave durante a viagem, assim como evitar gotículas respiratórias
e tocar seu rosto. Já que a transmissão assintomática tem um papel importante no ciclo de
transmissão da doença, uma excelente higiene das mãos é essencial, além de evitar o contato com
os passageiros que possam estar visivelmente doentes.

As cabines dos aviões são projetadas com fluxo de ar circular descendente, e o suprimento de ar da
cabine é reciclado aproximadamente a cada 3 minutos. Várias das aeronaves possuem filtros HEPA
de nível hospitalar que removem a maioria das partículas infecciosas. O toilette da aeronave e suas
superfícies são uma fonte potencial de infecções, mas esse risco pode ser mitigado limpando as
superfícies antes do uso, lavando as mãos após o uso e depois usando o desinfetante para as mãos
novamente quando você voltar ao seu assento.

Além disso, qualquer viagem aérea envolve trânsito através do terminal do aeroporto e verificações
de segurança que podem aumentar o risco de infecção. A prática das mesmas precauções acima
mitigará o risco.
- Certifique-se de que os empregados que adoecerem durante a viagem compreendam que devem
notificar seu supervisor e ligar para um médico para obter orientação, se necessário.
- Empregados doentes deverão entrar em contato com a International SOS para obter orientação e
assistência médica na procura de um profissional de saúde adequado naquele país.

Após Viajar e Antes de Retornar ao Trabalho:


- Siga as diretrizes corporativas e certifique-se de que, antes de trabalhar, empregados que chegaram
de países com transmissão local do COVID-19 ou que tiveram contato próximo com um caso
confirmado entrem em contato com a equipe de saúde local da Vale.

Sobre Vacinação Contra Gripe:

No momento, não há vacina para imunização contra o SARSC-CoV-2. No entanto, a administração direcionada
da vacina sazonal contra influenza é recomendada como uma das várias medidas de saúde pública para reduzir
o número de pessoas que desenvolvem infecções respiratórias e, nesse caso, reduzir o número de diagnóstico
diferencial entre o SARS-CoV-2 e os vírus influenza humano.

A Vale administra clínicas anuais contra a gripe no local para empregados e, às vezes, para sua família imediata
em alguns países onde opera. Todos os empregados são fortemente encorajados a aproveitar essa oportunidade
para receber uma vacina contra a gripe; no entanto, esse procedimento é estritamente voluntário.

Os empregados da Vale que viajam para o exterior a trabalho devem receber uma inoculação anual contra a
gripe sazonal.
Atualizado em 01/06/2020

Estágio de Alerta
Definição: Casos confirmados na localidade. Não há casos entre empregados da Vale ou contratados na unidade.

1. Implementar medidas de controle:

- Identifique os empregados parte do grupo de risco aumentado para desenvolver a forma grave da doença
(veja definição), respeitando as leis cabíveis de manejo de dados, e proceda com planos para a sua remoção
do ambiente de trabalho;

- Identifique se há outros grupos de empregados com risco de exposição alto ou muito alto ao SARS-CoV-2 e,
caso haja, atualize a sua avaliação de risco inicial e implemente medidas de proteção necessárias;

- Considere modificar as próximas reuniões ou eventos presenciais para uma plataforma virtual ou adie-os,
dependendo do número de casos de transmissão local na região e a aceleração do crescimento do número
de casos locais. Tenha em mente que o número de casos pode variar grandemente de uma semana para
outra.

- Com exceção das áreas administrativas, todas as áreas operacionais devem desenvolver e implantar um
procedimento para triagem de empregados sintomáticos nas áreas de acesso da Vale baseado no Anexo V -
Política de Triagem para Pandemia COVID-19. Este procedimento deve incluir estratégia para detectar
indivíduos com febre (temperatura corporal igual ou acima de 37,8 oC e deve ser planejado de maneira a não
contrariar a recomendação de distanciamento social de 2 metros.

2. Monitoramento de casos de COVID-19:

- Instrua supervisores e gerentes em como reportar de casos de ausência relacionados à COVID-19.

3. Incentive ativamente os empregados doentes a ficar em casa:


- Recomenda-se aos empregados que apresentam sintomas de doença respiratória aguda que fiquem em
casa e não trabalhem até que estejam sem febre (temperatura igual ou superior a 37,8°C) e quaisquer
outros sintomas por 14 dias e pelo menos 72 horas assintomático sem o uso de antitérmicos ou
supressores de tosse. Os empregados devem notificar seu supervisor e ficar em casa se estiverem
doentes.
- Certifique-se de que os empregados estejam cientes das Políticas de Licença a Trabalho Flexível para
Pandemia COVID-19 (Anexo IV) implementadas.
- Verifique novamente se a liderança das empresas contratadas comunicou a importância de os
empregados doentes ficarem em casa e incentive-os a manter políticas de licença não punitiva.
- Iniciar treinamento cruzado de pessoal crítico em caso de substituição temporária.

4. Separe os empregados doentes:


- Os empregados que apresentarem sintomas sugestivos da COVID-19 ao chegar ao trabalho ou adoecer
ao longo da jornada de trabalho devem receber máscara cirúrgica para uso imediato, ser separados de
outros empregados e enviados para casa ou atendimento médico de prontidão.
- O Coordenador COVID-19 deve avaliar a necessidade de implementar o procedimento para triagem no
local de trabalho de acordo com o Anexo V - Políticas de Triagem para Pandemia COVID-19.
- Quando um empregado for diagnosticado com COVID-19, seu supervisor deve informar os colegas de
trabalho de sua possível exposição ao COVID-19 no local de trabalho, mantendo a confidencialidade do
empregado.

5. Enfatize ficar em casa quando estiver doente, etiqueta respiratória e higiene das mãos para todos
os empregados:
- Implementar diretrizes de auto monitoramento de acordo com o Anexo V - Políticas de Triagem para
Pandemia COVID-19: Aconselhar os empregados a verificarem-se quanto a sintomas da doença antes
de sair de casa para o trabalho, notificar seu supervisor e ficar em casa se estiverem doentes.
- Forneça lenços descartáveis e lixeiras com mecanismo de abertura acionados pelo pé ou por sensor de
movimento para uso dos empregados.
Atualizado em 01/06/2020
- Instrua os empregados a limpar as mãos frequentemente com um gel para as mãos à base de álcool que
contenha pelo menos 70% de álcool ou lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos.
Sabão e água devem ser usados preferencialmente se as mãos estiverem visivelmente sujas.
- Forneça água e sabão e esfregue as mãos à base de álcool no local de trabalho. Verifique se os
suprimentos adequados são mantidos. Coloque containers com álcool gel em locais estratégicos
incluindo em salas de conferência para incentivar a higiene das mãos.

6. Aumente a frequência da limpeza do ambiente:


- Limpe todas as superfícies tocadas com frequência no local de trabalho, como estações de trabalho,
bancadas, impressoras, máquinas de café, bebedores e maçanetas. Use os agentes de limpeza
geralmente usados e siga as instruções no rótulo.

7. Coordenador COVID-19: Papéis e Responsabilidades


- Reforçar as ações do estágio anterior.
- Alinhar condutas e fluxograma de atendimento do Plano de Emergência com os protocolos de
autoridades de saúde regionais e centros de referência recomendados para atendimento de casos.
- No Brasil, oriente os empregados e seus familiares a ligar para o Doutor PASA para obter
esclarecimentos sobre a doença.
- Designe um número de telefone de referência para os empregados ligarem caso estejam doentes (Call
Center COVID-19).
- Informe todos os empregados da unidade sobre o Call Center COVID-19.

Estágio de Resposta

Definição: Caso(s)* confirmado(s) na unidade.

* Inclui todos os empregados da unidade, mesmo os que não acessaram a unidade nas últimas 72 horas antes do
início dos sintomas e viajantes a trabalho e independente de onde a infecção tenha ocorrido.

1. Faça o rastreamento de contatos no local de trabalho:

Identifique todos os colegas de trabalho que tiveram contato (veja definição) com um caso suspeito ou
confirmado 3 dias antes do início dos sintomas e até 14 dias após o início dos sintomas. Crie uma lista incluindo
informações demográficas, data da primeira e da última exposição comum ou data do contato com o caso
confirmado ou provável e data do início, se houver febre ou sintomas respiratórios.

As exposições comuns e o tipo de contato com o caso confirmado ou provável devem ser minuciosamente
documentados para qualquer contato que seja infectado pelo COVID-19.

2. Gerencie os casos confirmados e contatos (OMS):

Caso(s) COVID-19
Todos os empregados confirmados com COVID-19 devem ser adequadamente orientados por profissionais de
saúde para atendimento em casa ou admitidos em um hospital, de acordo com protocolos de manejo clínico de
autoridades de saúde locais.

Contatos
- Todos os contatos de um caso COVID-19 confirmado em laboratório devem ser colocados em
quarentena por 14 dias a partir da última vez em que foram expostas a um paciente com COVID-19.
- Eles devem ser direcionados imediatamente para quarentena e instruídos a não retornar ao trabalho no
período de 14 dias.
- Enquanto confinados em sua residência, eles deverão observar todas as medidas de controle de
prevenção de infecções para evitar que as pessoas ao seu redor sejam infectadas no caso de
adoecerem.
- O empregado receberá um número de telefone de referência pela equipe de rastreamento de contatos
para ligar em caso de sintomas durante esse período.
- Todos os contatos que atenderem aos seguintes critérios serão removidos da lista ativa de pessoas:
a) Completou 14 dias de acompanhamento sem sintomas, OU
b) Sintomas desenvolvidos e confirmados como um caso, OU
c) Após uma investigação mais detalhada, eles desqualificam para serem contatos, OU o caso
vinculado se desqualifica como um caso.
Atualizado em 01/06/2020
3. Reporte e monitore absenteísmo pela COVID-19:
- De certa maneira, o sucesso do seu Plano dependerá do monitoramento preciso do absenteísmo dos
empregados durante um surto ativo.
- Para avaliar o impacto do COVID-19 na Vale globalmente, todas as unidades, administrativas, de
projetos ou operacionais, devem registrar diariamente a ausência dos funcionários em formato digital. O
formulário para reporte está disponível em português, inglês ou francês e pode ser acessado por código
QR ou por link (use Mozilla Firefox ou Google Chrome, não Internet Express
- Importante: esta pesquisa não inclui férias pré-agendadas, como férias, e afastamentos não relacionados
diretamente ou indiretamente ao COVID-19.
- Para empresas contratadas, um formulário digital foi criado para reportar ausências de empregados
terceiros.
- Ambos os formulários (empregados próprios e contratados) estão disponíveis no Anexo I - Relatório e
Monitoramento de Indicadores. Um Formulário de Perguntas e Respostas sobre ausências também se
encontra no Anexo I.

4. Determine e aumente a frequência da limpeza ambiental de rotina:

- Identifique as áreas do local de trabalho onde o empregado caso confirmado esteve nos últimos 3 dias
antes do início dos sintomas e aplique o procedimento de limpeza e desinfecção descrito no Anexo VII.

5. Comunique-se:
- Sempre que o primeiro caso for diagnosticado em uma unidade, certifique-se de se comunicar
internamente com os outros empregados, sempre cuidando para manter as informações pessoais em
sigilo. Para isso, valide o anúncio com as equipes local e corporativa de Comunicação.

6. Separe empregados doentes:


- Revisar o processo de auto monitoramento (e Triagem no Trabalho para identificar e corrigir falhas.

7. Eduque os empregados doentes a ficar em casa:


- Reavaliar a implantação da Política de Triagem no Trabalho, de acordo com o Anexo IV.

8. Mitigar riscos:
- Modifique todos os eventos presenciais para uma plataforma virtual ou adie-os.
- Reuniões deverão ser realizadas através de plataformas digitais como Teams ou Polycom ou, caso
sejam presenciais, deverão ser planejadas para que se tenha uma distância mínima de 2 metros entre os
participantes, que devem observar medidas de higiene de mãos e etiqueta respiratória.

9. Reavalie o dimensionamento de sua operação:


- Dando sequência ao dimensionamento de pessoal e atividades na unidade realizado no estágio de
Monitoramento, reavalie os dados de sua planilha Dimensionamento Mínimo para Operação Segura
(Anexo III) e faça os ajustes necessários para determinar, com o maior grau de precisão possível, o nível
máximo de absenteísmo para se ter uma operação segura na unidade operacional.

10. Empregados com familiares doentes:


- Os empregados que estão bem, mas que more no mesmo domicílio com um caso suspeito ou
confirmado com a COVID-19 devem registrar o dado através do checklist, notificar seu supervisor e
permanecer em quarentena domiciliar por 14 dias. Caso desenvolva sintomas neste período, deve
proceder com o fluxo estabelecido localmente para acessar apoio de saúde.

11. Empregados em mesmo domicílio que profissionais de saúde:


- Os profissionais de saúde que realizam atendimento e procedimentos de aerosolização em pacientes
com COVID-19 foram identificados pela OSHA como tendo riscos alto e muito alto de exposição ao vírus
SARS- CoV-2, respectivamente. Caso estes profissionais apresentem sintomas gripais, organizações
como o CDC e o Ministério da Saúde do Brasil recomendam que seus contatos domiciliares sigam as
recomendações de quarentena e auto monitoramento de sintomas por 14 dias.
- Considerando que o gatilho para quarentena destes contatos é o desenvolvimento de sintomas pelo
profissional de saúde, e não simplesmente a atividade exercida por este, após discussão em subcomitê
técnico em 13/04, entendemos que a recomendação para a quarentena de empregados que moram com
Atualizado em 01/06/2020
profissionais de saúde deva se manter, a princípio, limitada à confirmação de sintomas em empregado ou
contato domiciliar.
- Porém, considerando a importância da condução contínua de avaliações de riscos durante esta
pandemia, assim como flexibilidade para adequar critérios populacionais ao âmbito ocupacional,
recomendamos para as unidades em que haja uma equipe de Saúde local que o mapeamento destes
empregados seja realizado proativamente pelas operações. Os empregados identificados como parte
deste grupo poderão ser avaliados para riscos de saúde de exposição ao SARS-CoV-2 de maneira
individualizada pela equipe médica, à medida em que for necessário. Tal avaliação de saúde ocupacional
deve incluir as medidas de mitigação implantadas no ambiente de trabalho do empregado, a
possibilidade de realização do trabalho em caráter de home office e o perfil de criticidade da atividade
executada para a continuidade do negócio (de acordo com o plano local de continuidade de negócios).

Coordenador COVID-19: Papéis e Responsabilidades


- Revisar ações dos estágios anteriores.
- Reportar indicadores utilizando o formulário do Anexo I.
- Manter um registro de relatórios de afastamento e garantir que as informações sejam imediatamente
comunicadas ao departamento apropriado para facilitar a realocação da equipe.
- Monitorar o suprimento de EPI, produto de limpeza, álcool gel, sabão, lenços descartáveis.
- Consulte os sites locais e nacionais de saúde pública para obter as recomendações mais recentes sobre
a transmissibilidade para determinar tempo para retorno ao trabalho e comunique essas informações aos
empregados locais.
- Monitorar (checar seu status regularmente, na medida do possível) os empregados em licença de
trabalho devido ao COVID-19

Estágio de Recuperação
Definição: Redução sustentada do número de novos casos na unidade e na região por pelo menos 3 semanas
consecutivas.

1. Classifique o risco de exposição ao SARS-CoV-2 das funções dos empregados que irão retornar às
atividades e revise as exposições das funções que permanecem executando as atividades

A análise e classificação do risco, bem como decisão sobre controles a ser implementados, deverão ser realizadas
conforme diretrizes fornecidas no Anexo IX. As orientações sobre os controles necessários, dependendo do risco de
atividade, estão descritas no Anexo VIII.

Coordenador COVID-19: Papéis e Responsabilidades


- Continue monitorando a curva epidemiológica (progressão do número de casos x tempo) na região.
- Avalie e otimize as intervenções do estágio de Resposta proporcionalmente à redução do absenteísmo,
comunicando aos empregados a importância de não se negligenciar as medidas preventivas.
- Reportar indicadores de acordo com o Anexo I por tempo a ser determinado pela Liderança de SSRO.

Papéis e Responsabilidades
Escopo Global ou Regional

Comitê de Crise COVID-19:


- Avaliar e emitir restrições ou banimentos de viagens.
- Qualificar e quantificar impactos da epidemia às operações nas diferentes áreas de negócio da Vale.
- Coordenar planos de continuidade de negócio.
- Criar e coordenar plano de ação para conter e mitigar os riscos da epidemia.
- Mobilizar atores para executar o plano de ação.
Liderança de Saúde, Segurança e Risco Operacional (SSRO):
- Acionar Comitê de Crise Corporativo da Vale.
- Facilitar reuniões com os Coordenadores COVID-19 para discutir e apoiar a implantação deste plano.
- Formar Grupo Técnico de Saúde para discussões referentes à doença e seu impacto na saúde e
segurança dos empregados e contratados, classificação de risco de saúde e ações para contenção e
mitigação da doença.
Atualizado em 01/06/2020
- Estabelecer diretrizes e orientações de saúde para a implantação de medidas de prevenção e controle de
infecções pelo SARS-CoV-2.
- Apoiar a equipe de Comunicações na promoção de informações sobre medidas de prevenção,
procedimentos implantados pela empresa e recursos para esclarecimentos sobre a doença.
- Orientar condutas de prevenção, controle e monitoramento às áreas envolvidas, incluindo equipes locais
de Saúde, Recursos Humanos, Segurança Empresarial.
- Monitorar todos os indicadores da empresa relacionados à pandemia da COVID-19.
- Realizar atualizações periódicas deste documento de acordo com a evolução epidemiológica e nova
evidência científica sobre o SARS-CoV-2 e recomendações de organizações de referência em saúde
como CDC e OMS.

Liderança do País, de Metais Básicos e de Ferrosos:

- Participar no Comitê de Crise


- Criar plano de continuidade de negócios para suas operações, incluindo funções essenciais de negócios,
tarefas ou cargos essenciais e elementos críticos em suas cadeias de suprimentos (por exemplo,
matérias- primas, fornecedores, serviços / produtos de subcontratados e logística) necessários para
manter as unidades impactadas pela pandemia operacionais. Planejar e mitigar impacto à unidade no
caso de um absenteísmo crescente ou se essas cadeias de suprimentos forem interrompidas.
- Acionar o plano de continuidade de negócios quando necessário.
- Implementar planos para preservar suas funções essenciais de negócios.

Liderança de Comunicação:

- Participar do Comitê de Crise.


- Coordenar material informativo e medidas de prevenção e controle da COVID nos veículos internos da
empresa.
- Estabelecer um processo para comunicar informações aos empregados sobre o plano de resposta
COVID- 19 e as informações mais recentes sobre COVID-19. Antecipar e monitorar necessidade dos
empregados para informação e planejar as comunicações de acordo.

Liderança de Recursos Humanos:

- Participar no Comitê de Crise.


- Designar pontos focais de saúde e segurança nas áreas onde não há uma equipe Vale de saúde
ocupacional.
- Coordenar processo de realocação temporária de expatriados.
- Criar e implementar diretrizes para trabalho remoto (home office), quando necessário.

Liderança de Suprimentos:

- Participar do Comitê de Crise.


- Apoiar as equipes de Suprimentos locais para compra dos EPIs necessários durante a pandemia.

Lideranças de Gestão de Risco, Segurança Empresarial, Jurídico, Finanças, Vendas e Relações Exteriores

- Participar do Comitê de Crise.


- Apoiar suas respectivas equipes locais na assistência ao Coordenador COVID-19 para implementação
do Plano Local de Preparação e Resposta à Pandemia.
- Contribuir para a elaboração e eventual acionamento dos planos de continuidade de negócios para suas
operações.

Equipe de Saúde do Viajante:

- Seguir o contexto de saúde pública da pandemia e aconselhar as equipes de Saúde da Vale.


- Treinar as equipes locais de Saúde da Vale sobre a doença e seu manejo clínico durante a fase de pré-
pandemia.
- Fornecer orientações sobre medidas de prevenção para viajantes internacionais, incluindo uso de EPI.

Escopo Local
Atualizado em 01/06/2020
Comitê de Crise Local:
- Apoiar o Coordenador local do COVID-19 na criação e coordenação de um plano de ação para conter e
mitigar os riscos da epidemia.
- Mobilizar stakeholders internos e externos para executar o plano de ação.

Equipe Local de Comunicação:


- Apoiar o Coordenador COVID-19.
- Garantir que toda publicação em veículos internos relacionados à COVID-19 esteja alinhada com as
recomendações da equipe corporativa de Comunicações.

Equipe Local de Recursos Humanos:


- Designar Coordenador COVID-19 quando não houver uma equipe local de Saúde e Segurança.
- Sempre que possível, fornecer lista de nomes dos viajantes internacionais frequentes para facilitar
eventual comunicação do Coordenador COVID-19 com o grupo.

Equipe Local de Saúde e Segurança:


- Designar e apoiar o Coordenador COVID-19.
- Apoiar o líder de um caso suspeito ou confirmado na realização do rastreamento ativo de contatos.

Gerentes e Supervisores
- Planejar minimizar a exposição entre empregados e também entre empregados e o público.
- Instrua os seus empregados a preencherem o checklist diário de saúde e seguir suas instruções.
- Manter a confidencialidade dos empregados e não divulgar nomes, matrículas ou qualquer outra
informação que possa revelar a identidade ou qualquer dado médico do empregado diagnosticado como
caso suspeito ou confirmado a qualquer pessoa que não seja profissional de saúde da Vale.
- Se seu empregado for diagnosticado como casos suspeito ou confirmado da COVID-19, realizar
rastreamento ativo e informar os contatos identificados sobre sua possível exposição ao SARS-CoV-2,
mantendo a confidencialidade quanto à identidade do empregado.
- Gerenciar todos os seus casos de ausência relacionados à COVID-19.
- Treinar o seu pessoal para desempenhar funções essenciais, de modo que o local de trabalho possa
operar mesmo que os principais empregados estejam ausentes.

Equipe Local de Saúde Ocupacional Vale:


- Onde o dimensionamento da equipe e a infraestrutura operacional permitirem, planejar e implantar um
Núcleo de Coronavírus na unidade para identificar casos suspeitos de prontidão (ver Protocolo de
Tratamento do SARS-CoV-2 2019 do Ministério da Saúde do Brasil e Nota Técnica da Anvisa).
- No Brasil: Alinhar com a PASA para acompanhar o monitoramento dos empregados em quarentena e
isolamento domiciliar. Fora do Brasil: monitorar os empregados em quarentena e isolamento doméstico.
- Encaminhar os casos suspeitos para avaliação médica na clínica ou hospital de referência designados.
- Ao receber um resultado de teste positivo de um paciente para COVID-19, notifique as autoridades locais
de saúde de acordo com as diretrizes e protocolos do governo onde a unidade está localizada.
- Autorizar o retorno ao trabalho de casos em isolamento e em licença médica.

Plano de Assistência à Saúde do Aposentado da Vale, PASA (escopo Brasil):


- Monitorar a evolução clínica dos familiares de empregados em período de quarentena ou identificados
como casos suspeitos ou confirmados;
- Coordenar com hospitais e clínicas de referência mapeados as informações necessárias para otimizar o
atendimento aos casos suspeitos e confirmados.
- Mapear e divulgar à equipe de saúde Vale nomes dos hospitais e clínicas de referência da rede
conveniada Vale e do Sistema Único de Saúde (SUS) para atendimento médico de empregados
identificados como casos suspeitos ou confirmados;
- Reportar as informações relacionadas à saúde dos empregados e familiares identificados como casos
suspeitos ou confirmados à equipe médica corporativa (Diretoria de Saúde, Segurança e Riscos
Operacionais.
- Esclarecer dúvidas de empregados e seus familiares referentes ao COVID-19 através do Doutor PASA.
- Facilitar e coordenar junto às equipes de saúde Vale a antecipação da campanha de vacinação da gripe
em 2020 como parte da estratégia para reduzir números de diagnósticos diferenciais da COVID-19 e
carga na infraestrutura de atendimento de saúde.
Atualizado em 01/06/2020
Empregados:
- Cumprir todas as diretrizes estabelecidas neste plano, bem como as fornecidas pelo coordenador local
do COVID-19 através do plano local de resposta à pandemia.
- Seguir todas as medidas de prevenção da COVID-19 divulgadas nos veículos de comunicação internos
da empresa.
- Quando a Política de Auto Monitoramento para Pandemia (Anexo VI) estiver em vigor, preencher o
checklist diário antes de ir ao trabalho. Caso não passe na triagem, fique em casa e siga as suas
instruções.
- Permanecer em casa até ter passado ou ter um cartão verde na avaliação do checklist.
- Quando estiver em quarentena domiciliar, siga as diretrizes do Anexo VI - Políticas de Distanciamento
Social
- Se diagnosticado por um profissional de saúde como um caso suspeito ou confirmado, informe o seu
gerente de sua ausência e sua equipe de saúde de seu diagnóstico.

Empregados com Sintomas Relacionados à COVID-19:


- Fique em casa, exceto para obter assistência médica (leia abaixo). Não vá ao trabalho ou a áreas
públicas e evite ao máximo utilizar transporte público ou táxi. Se possível, use serviços de entrega para
compras em supermercados, farmácias e alimentos e evite contato com o entregador. Se você estiver em
um hotel, use o serviço de quarto.
- Separe-se das outras pessoas em sua casa: não receba visitas sociais e restrinja ao máximo o número
de contatos, principalmente os idosos. Se você estiver hospedado com outras pessoas, tanto quanto
possível, você deve ficar em uma sala diferente das outras pessoas em sua casa e utilizar um banheiro
separado. Quando isso não for possível, use máscara cirúrgica.
- Caso apresente sintomas respiratórios e ou febre, para determinar se precisa ser avaliado e testado para
a Doença do Coronavírus 2019 e onde ir:
o No Brasil, ligue para o Doutor PASA.
o Fora do Brasil, ligue para a sua equipe de saúde Vale ou, quando não disponível, ligue
para a ISOS.
- Use uma máscara facial: você deve usar uma máscara cirúrgica quando estiver na mesma sala com
outras pessoas e quando visitar um médico.
- Cubra a tosse e espirros: cubra a boca e o nariz com um lenço de papel quando tossir ou espirrar, ou
você pode tossir ou espirrar na manga. Jogue lenços usados em uma lixeira forrada e lave
imediatamente as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos.
- Lave as mãos: lave as mãos frequentemente e com bastante água e sabão por pelo menos 20 segundos.
Você pode usar um desinfetante para as mãos à base de álcool se não houver água e sabão e se as
mãos não estiverem visivelmente sujas.
- Evite compartilhar itens domésticos: você não deve compartilhar pratos, copos, xícaras, utensílios de
cozinha, toalhas, roupas de cama ou outros itens com outras pessoas em sua casa. Depois de usar
esses itens, você deve lavá-los cuidadosamente com água e sabão.
- Monitore seus sintomas: procure atendimento médico de prontidão se houver piora dos sintomas (por
exemplo, dificuldade de respirar, dor persistente ou pressão no peito, confusão mental, inabilidade de
acordar ou de permanecer acordado, face ou lábios azulados).
- Somente retorne ao trabalho após ser liberado por profissional de saúde qualificado e ou reportar à
equipe Vale local de saúde.

Viajante (somente válidos até que a pandemia atinja níveis globais de transmissão comunitária):

Antes da viagem:
- Siga as restrições de viagem vigentes na empresa.
- Monte um kit de saúde de viagem contendo pelo menos gel à base de álcool para higiene das mãos
e proteção facial, incluindo máscaras cirúrgicas
- Não viaje caso esteja com sintomas respiratórios agudos ou febre. Notificar o seu supervisor e ficar
em casa caso esteja doente.

No caso de viagens internacionais:


- Faça avaliação de Saúde do Viajante e receba as vacinas recomendadas pelo profissional de saúde,
incluindo a da gripe de acordo com as Diretrizes de gerenciamento de saúde em viagem PRO-
022213 da Vale.
Atualizado em 01/06/2020
- Antes de qualquer viagem internacional, faça o download do aplicativo da International SOS e inclua
o número de registro da Vale (27AYCA000017) para acessar atualizações e recomendações
relacionadas à pandemia, bem como informações para contato se necessitar de orientações médicas
em caso de sintomas.
- Ao fazer a sua reserva aérea:
o Somente utilize agências oficiais reconhecidas pela empresa para que possa ser monitorado através
da plataforma de viagens da empresa, o Travel Tracker.
o Dê preferência a assentos próximos à janela para minimizar ao máximo o contato com outros
passageiros.
Durante a viagem:

- Certificar-se de seguir estas medidas de prevenção:


o Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Levar álcool
em gel para quando água e sabão não estiverem prontamente disponíveis.
o Evitar tocar o rosto, especialmente boca, nariz e olhos com as mãos não lavadas.
o Higienizar frequentemente os seus objetos de uso pessoal como telefones.
o Evitar ao máximo o contato próximo com outras pessoas e locais lotados nos aeroportos.
o Reduza risco de exposição ao vírus evitando aglomerações de pessoas e evitando tocar
superfícies desnecessariamente durante a viagem.
o Observar o distanciamento social de 2 metros mesmo quando não reforçados.
o Use proteção facial.
o Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Esfregar as
mãos com álcool gel quando água e sabão não estiverem prontamente disponíveis.
o Evitar tocar seu rosto, especialmente a boca, nariz e olhos com as mãos não lavadas.
o Reduzir o risco de exposição ao vírus, evitando lugares lotados durante a viagem.
- Informar à equipe de saúde Vale ou Coordenador COVID-19 (por telefone) caso tenha tido contato
com caso suspeito ou confirmado ou se desenvolver sintomas respiratórios e/ou febre.
- Se você tiver febre e sintomas respiratórios (tosse ou falta de ar) ou se tiver alguma doença que exija
atenção médica imediata, entre em contato com a International SOS para obter assistência na
localização de serviços médicos. É aconselhável que você adie qualquer viagem até estar livre de
sintomas.

Após o seu retorno

- Monitore sua saúde por 14 dias.


- Se você ficar com febre e tiver tosse ou dificuldade em respirar, ou se desenvolver alguma doença
durante esse período de 14 dias, reporte os sintomas utilizando o checklist diário de saúde e siga as
suas instruções – inclusive contatar o Dr. PASA ou sua equipe Vale local de saúde.
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19

Atualizado em 01/06/2020

Anexos

ANEXO I

Reporte e Monitoramento COVID-19 para Vale e Contratadas

Registro de ausência de empregados durante a pandemia


Para avaliação do impacto do COVID-19 na Vale de forma global, todas as áreas da empresa no mundo, sejam
administrativas ou operacionais, devem passar a registrar em formulário digital, a ausência dos empregados próprios
em função da pandemia do COVID-19.
O objetivo deste reporte é identificarmos casos confirmados e suspeitos para COVID-19 em nossas unidades. Essa
informação é muito importante para o acompanhamento diário da liderança e tomada de decisões.
Importante: esse levantamento não inclui licenças pré-agendadas, como férias e afastamentos não relacionados
diretamente ou indiretamente ao COVID-19.
Acesso ao formulário
Para acessá-lo, use os códigos QR abaixo ou clique nos links. Veja aqui um documento de perguntas e respostas
sobre como preencher o formulário.
Atenção: o formulário só pode ser visualizado nos navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome (não abre no
Internet Explorer).

Português Inglês

Link Link

Fornecedores devem registrar casos suspeitos, confirmados ou descartados de COVID-19 em formulário


digital
Empresas com contratados atuando dentro das unidades da Vale devem registrar e reportar para os casos suspeitos,
confirmados ou descartados de COVID-19 em formulário digital. Nele, o médico do trabalho da empresa contratada
deve reportar de imediato, sempre que houver um novo caso confirmado, em análise ou descartado para COVID-19.
O objetivo do formulário é que as áreas de Saúde da Vale e das empresas controladas monitorem a situação dos
empregados terceiros e tenham visibilidade do número de casos em todas as unidades da Vale no mundo de forma
centralizada. Os gestores de contrato devem reforçar a importância do preenchimento do formulário.
Disponível em português e inglês, o formulário pode ser acessado por computadores, tablet ou celulares e substitui o
reporte de planilhas em Excel que vinha sendo realizado. Para acessá-lo, use os códigos QR Code ou clique nos
links.
Atenção: o formulário só pode ser visualizado nos navegadores Mozilla Firefox ou Google Chrome (não abre no
Internet Explorer).
Português Inglês

Link Link

17
Q&A - Formulário de Ausência

Pergunta: Quem deve preencher este formulário?


Resposta: O líder imediato do empregado é o responsável pelo preenchimento desta comunicação.
Pergunta: O líder pode designar um ponto focal para reportar essa informação?
Resposta: Sim, o registro de ausência pode ser realizado por um ponto focal designado pelo líder.
Importante que as informações sejam relatadas no início de cada turno com a maior brevidade possível.
Pergunta: E se eu ficar ausente por motivo de COVID-19, como fazer?
Resposta: O seu afastamento deve ser notificado pelo seu líder imediato. O reporte dos casos na sua equipe passará
a ser responsabilidade do líder que for designado durante sua ausência.
Pergunta: Por que essa informação é importante?
Resposta: Essas informações são essenciais para entendermos o efeito do COVID-19 sobre nossos empregados,
nosso local de trabalho e para garantir que tenhamos as informações necessárias para tomar decisões operacionais
rápidas para a segurança de nosso pessoal. Essas informações também serão utilizadas pelo time da Saúde para
acompanhamento de casos confirmados e suspeitos.
Pergunta: O que será feito com essa informação?
Resposta: Essas informações são tratadas de forma confidencial e usadas para tomar decisões
operacionais rápidas para a segurança de nosso pessoal. Durante esse período, lembre-se de que é
importante respeitar a privacidade de nossos empregados. Não devemos solicitar ou exigir que eles
forneçam informações que não são necessárias. Este formulário não substitui apontamentos nos
sistemas de folha de pagamento.
Pergunta: Em que momento devo preencher essas informações?
Resposta: Espera-se que o supervisor (ou ponto focal designado) insira todas as ausências no início de
cada turno caso tenha um empregado ausente.
Pergunta: Preciso adicionar retroativamente ausências que ocorreram antes do lançamento deste formulário?
Resposta: Não, é necessário inserir apenas as ausências que ocorrem no momento do lançamento ou
data futura.
Pergunta: Sou líder de um empregado que ficará ausente por 5 dias, por exemplo. Como reporto esse caso:
Resposta: Será necessário reportar essa ausência nos 5 dias para refletir o dimensionamento de ausência
de empregados diariamente.
Pergunta: Preciso usar este formulário se meu funcionário estiver trabalhando em casa?
Resposta: Se o empregado está trabalhando em casa (home office), você não precisa preencher este
formulário. Para os líderes no Brasil, você deverá orientar o seu empregado para que informe ao DR.
PASA através do telefone 08000-260-911 uma confirmação ou suspeita de COVID-19 e não precisará
preencher essa informação no formulário. Para os demais países, considerando que o PASA tem escopo
somente Brasil, será necessário informar a ausência no formulário.
Pergunta: Com que frequência preciso preencher este relatório?
Resposta: Esta informação deve ser preenchida todos os dias no início de um turno, somente se houver
casos de ausência.
Pergunta: Preciso preencher esse formulário se estiver cobrindo um turno para outro supervisor?
Resposta: Sim, o supervisor responsável pelo turno deve preencher essas informações no início de cada
turno.
Pergunta: E se meu empregado não me disser por que não está indo trabalhar?
Resposta: Compartilhe com o empregado o contexto para essas informações. Por favor, categorize a
ausência como “Relacionado com suspeita de COVID-19: o empregado não precisa compartilhar o motivo
da ausência”. Se o empregado optar por não divulgar essas informações, entre em contato com a
Medicina do Trabalho local para obter suporte.
Pergunta: O que acontece se meu funcionário não se apresentar ao trabalho?
Resposta: Siga os procedimentos normais se o seu empregado não se apresentar ao trabalho. Isso
inclui chamá-lo diretamente. Quando o o motivo da falta de trabalho estiver conectado ao COVID-19,
insira a ausência no formulário.
Pergunta: Existe uma restrição em qual navegador da Internet eu posso usar para acessar o formulário?
Resposta: O formulário não funcionará no Internet Explorer. Você só pode usar o Mozilla Firefox
ou Google Chrome.
Pergunta: O formulário está disponível em outros
idiomas? Resposta: Sim, o formulário está disponível também
em Inglês. Pergunta: Preciso estar conectado ao VPN.
Resposta: Não. Este formulário pode ser acessado usando rede corporativa ou pública.
Pergunta: Por que preciso procurar meu nome em vez de apenas digitar no campo deles?
Resposta: Como alguns empregados tem o mesmo nome ou apelidos, devemos garantir que a pesquisa
seja usada para confirmar se o supervisor correto está listado.
Pergunta: Por que preciso procurar meu funcionário em vez de apenas digitar o nome dele?
Resposta: Como alguns funcionários têm o mesmo nome ou apelido, devemos garantir que a pesquisa
seja usada para confirmar que o funcionário correto está ausente.
Pergunta: Quais são as razões possíveis para afastamento que constam no formulário?
Resposta: As razões disponíveis no formulário são:
- Quarentena Viagem Internacional: o empregado está isolado após viagem para fora do país.
- Quarentena Viagem Doméstica: o empregado está em quarentena após viagem no país.
- Assistência aos Filhos: o empregado não pode trabalhar devido à indisponibilidade de creche ou escola.
- Sintomático: o empregado apresenta sintomas sugestivos de COVID-19 (sintomas de gripe).
- Risco Pessoal: o empregado está em quarentena por risco pessoal.
- Risco Familiar: o empregado está em quarentena por risco familiar.
- Auto Monitoramento: o empregado está assintomático, isolado por ter sido exposto a alguém que deu
um resultado positivo para o COVID-19.
- Caso Indeterminado: o empregado não divulgou a natureza da ausência.
- Caso Confirmado: o empregado tem um teste positivo para COVID-19.
- Caso Provável: o empregado é um caso suspeito (veja definição) que teve o teste prescrito, mas o teste não
pode ser realizado ou teve resultado inconclusivo.
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19
Atualizado em 01/06/2020
ANEXO II

Checklist e Gatilhos para Ações

Anexo II_Checklist e
Gatilhos_COVID-19.

ANEXO III
Template para Dimensionamento de Equipe em Operação Segura

Anexo III_Template
para Dimensioname

Número de empregados necessários para a operação

ÁREA SITUAÇÃO OPERAÇÃO OPERAÇÃO NECESSÁRIO NECESSÁRIO


NORMAL @ 80% MÍNIMA PARA PARA MANTER
PARADA DA A USINA
USINA PARADA

TOTAL 0 0 0 0 0
Suporte
Operacional
(Terceiros)

Regime de
Turno

20
Atualizado em 01/06/2020
ANEXO IV
Políticas de Licença e Trabalho Flexível para Pandemia COVID-19

Política de Licença Médica de Curto Prazo


Quando uma emergência de pandemia é declarada, os empregados que adoecem devido à atual doença
pandêmica (ou se sentem doentes ou se consideram com a probabilidade de estar doentes) NÃO devem se
apresentar para o trabalho. No caso, a Vale compensará o empregado em sua taxa de remuneração normal
até que eles passem pelas diretrizes de controle de infecção necessárias para o retorno ao trabalho. Todos
os benefícios e serviços continuarão normalmente. Ao retornar ao trabalho, o empregado NÃO será obrigado
a fornecer um atestado médico que confirme que o motivo da sua ausência é resultado direto da atual
doença pandêmica, pois os escritórios e instalações médicas dos prestadores de serviços de saúde podem
estar extremamente ocupados demais para fornecer documentação em tempo hábil.
Como regra geral, quando os empregados não conseguem se apresentar para o trabalho, devem tomar todas
as medidas razoáveis para informar seus respectivos superiores ou contatos designados antes das 8:00 da
manhã do dia em questão. Os comunicados podem ser realizados por telefone ou e-mail.
Em todos os outros casos de doença não relacionados ao evento atual de pandemia, os empregados serão
pagos de acordo com a política pré-estabelecida.
Política de Licença Pessoal Relacionada à Doença
A Vale adotou uma Licença Pessoal Relacionada à Doença, que se aplica apenas no caso em que um
empregado precise tirar uma folga para atender um membro da família doente, em casa ou em um
estabelecimento de saúde, como resultado direto de doenças relacionadas à pandemia atual. Nesse caso, a
Vale compensará o empregado com sua remuneração normal até que retorne ao trabalho. Todos os
benefícios e serviços continuarão normalmente. Ao retornar ao trabalho, o empregado NÃO será obrigado a
fornecer um atestado médico que confirme que o motivo de sua ausência é um resultado direto da atual
pandemia, já que os escritórios e instalações médicas dos prestadores de serviços de saúde podem estar
extremamente ocupados e incapazes de fornecer tais documentações em tempo hábil. Sempre que possível,
os empregados devem relatar sua ausência antes das 8:00 da manhã do dia em questão.
Políticas de Afastamento por Doença e Ausência de Longo Prazo
A política de afastamento a longo prazo continuará a ser aplicada e não será afetada durante um evento de
pandemia. Da mesma forma, em todas as outras instâncias de Ausências Pessoais não relacionadas ao
evento pandêmico atual, a atual Política de Ausências está em vigor.
Política Flexível de Trabalho
Quando uma emergência de pandemia é declarada, os empregados que adoecem devido à atual doença
pandêmica (ou se sentem doentes ou com a probabilidade de estar doentes) NÃO devem se apresentar para
o trabalho. Se estiver suficientemente bem para trabalhar, um empregado pode optar por desempenhar as
tarefas de trabalho em casa até ter passado as diretrizes de controle de infecção necessárias para retornar
ao trabalho com o consentimento do gerente. Não haverá interrupção na remuneração, benefícios ou serviço.
O empregado deve ocupar uma posição que possa ser removida do escritório sem interromper a sua
produtividade ou a de colegas de trabalho. O empregado deve ter o laptop da Vale em casa ou enviar alguém
especificamente para o trabalho para buscá-lo e não ir pessoalmente, a fim de reduzir o risco de expor outras
pessoas ao vírus.
No caso em que um empregado continue cumprindo suas obrigações de trabalho em casa, não é necessário
um atestado médico para retornar ao trabalho.
Se um empregado cumprir parcialmente suas obrigações de trabalho em casa, a Vale compensará o
empregado com sua taxa de remuneração normal até que cumpram as diretrizes de controle de infecção por
um retorno ao trabalho. Todos os benefícios e serviços continuarão normalmente. Ao retornar ao trabalho, o
empregado não será obrigado a fornecer um atestado médico que confirme que o motivo da sua ausência é
um resultado direto da atual doença pandêmica. Os empregados devem relatar todas as doenças e dias
doentes ao gerente até as 8:00 da manhã diariamente.
Atualizado em 01/06/2020
ANEXO V

Políticas de Triagem para Pandemia COVID-19


Política de Auto
Monitoramento
Como primeira linha de defesa na manutenção de um ambiente de trabalho seguro, os empregados devem
fazer um monitoramento de seus sintomas em casa antes de irem ao trabalho.
Apesar das recentes indicações do papel da transmissão assintomática do vírus SARS-CoV-2 na
epidemiologia da doença, a presença de COVID-19 na população em geral para fins de triagem é indicada
pelo aparecimento de sintomas e histórico de contato próximo com um caso confirmado. Portanto, a
avaliação deve consistir no empregado se perguntando estas 3 perguntas:
1. Apareceu com tosse ou teve piora de tosse ou algum outro sintoma respiratório?
2. Tem febre (temperatura> 37,8ºC)?
3. Nos últimos 14 dias, esteve em contato próximo com um caso recentemente confirmado?
Se a resposta for sim à pelo menos uma das três perguntas, o empregado deve ser encorajado a ficar isolado
em casa por 7 dias após o início dos sintomas e 72 horas assintomático sem o uso de medicamentos para
tosse ou febre.
Da mesma forma, os empregados que cuidam de um membro da família com COVID-19 devem ser
incentivados a permanecer em casa 14 dias após a exposição inicial para determinar se desenvolvem algum
sintoma.
Os empregados que passarem em uma avaliação de auto monitoramento, mas falharem na avaliação de uma
estação de triagem no local de trabalho devem ser enviados imediatamente para casa e seu supervisor
imediato e o Coordenador COVID-19 local devem ser notificados. Aqueles que foram enviados para casa
devem permanecer até que se recuperem da doença e possam passar na avaliação de auto monitoramento.
Política de Triagem no Local de Trabalho
Para manter um ambiente de trabalho seguro para todos os empregados, estações de triagem poderão ser
estabelecidas em pontos de acesso especificados para as instalações da Vale, pendendo avaliação pelo
Coordenador COVID-19 para determinar se o procedimento pode ser implantado sem comprometer as
recomendações de distanciamento social estabelecidas. O Coordenador COVID-19 monitorará os sites
municipais de saúde pública quanto a atualizações de casos de transmissão local de coronavírus. A
importância dessa prática não pode ser subestimada, pois os suprimentos para as estações de triagem
podem não estar disponíveis para reabastecimento durante uma pandemia e devem ser administrados e
controlados de perto. Ao monitorar os locais de saúde pública, o Coordenador COVID-19 decidirá quando as
estações de triagem serão ativadas e desativadas ao longo deste estágio.
Sinalização apropriada será colocada nos pontos de entrada e saída para direcionar empregados,
contratados, fornecedores e visitantes para a estação de triagem apropriada. Durante o estágio de Resposta,
empregados e visitantes estarão sujeitos a se submeter a procedimentos de triagem de controle de infecção
para obter acesso às instalações. Os empregados e visitantes que se recusarem a se submeter a
procedimentos de triagem não terão acesso à unidade.
Procedimento:
A sinalização será colocada em todos os portões e portas designados, conforme indicado pelo
Coordenador COVID-19
Um termômetro de distância estacionário pode ser usado para medir a temperatura dos empregados
e visitantes nas áreas de acesso à empresa.
Os examinadores usarão EPI apropriado ao entrevistar pessoas.
Os examinadores revisarão as perguntas da avaliação de auto monitoramento com os indivíduos
sendo rastreados:
1. Apareceu com tosse ou teve piora de tosse ou algum outro sintoma respiratório?
2. Tem febre (temperatura > 37,8ºC)?
3. Nos últimos 14 dias, esteve em contato próximo com um caso recentemente confirmado?
Qualquer resposta afirmativa será anotada no Registro de Avaliação do Paciente, registrando o
nome, departamento, sintomas e informações de contato do indivíduo, e o Call Center COVID-19
será informado imediatamente.
Atualizado em 01/06/2020
Os empregados executando a triagem podem se deparar com uma situação em que um indivíduo se
recuse a se submeter à triagem ou falhe no teste de triagem e exija acesso às instalações
independentemente. Nesse caso, deve-se registrar a justificativa do indivíduo e encaminhar o
problema ao Coordenador COVID-19, que o abordará com a liderança. A gerência sênior avaliará a
necessidade de ação disciplinar contra o empregado infrator.
Política de Envio para Casa
Uma pessoa que esteja doente ou que observe outra pessoa exibindo sintomas respiratórios (tosse ou
dificuldade em respirar) ou febre no trabalho deve entrar em contato com o gerente. Os empregados doentes
devem ficar em casa até que os sintomas sejam resolvidos e que sejam aprovados na avaliação de triagem.
Procedimento
O gerente confirmará com o empregado se ele ou ela apresenta sintomas semelhantes aos da gripe.
Nesse caso, o empregado será tratado como um caso suspeito e será direcionado a se reportar à
estação de triagem para reavaliação ou à clínica COVID-19 da unidade (se disponível). Nos casos em
que os empregados falham no procedimento de avaliação da triagem ou são diagnosticados como um
caso suspeito, eles serão instruídos a deixar o trabalho e a entrar em contato com um profissional de
saúde da maneira recomendada pelas autoridades locais de saúde pública.
O gerente informará o Coordenador COVID-19 que o empregado deixou o trabalho.
O empregado deve, se possível, evitar o transporte público ao sair do trabalho. Se isso não for possível,
ele / ela receberá uma máscara cirúrgica para uso em transporte público.
Para retornar ao trabalho, um empregado afetado deve passar por uma avaliação de auto monitoramento e
se reportar ao trabalho normalmente, além de uma avaliação de triagem no local.
Atualizado em 01/06/2020
ANEXO VI
Políticas de Distanciamento Social para Pandemia COVID-19
Distanciamento social
Durante as ondas de pico de uma pandemia, é importante minimizar o contato próximo entre as pessoas.
Quanto maior o número de pessoas com quem um empregado tiver contato, maior o risco de esse
empregado ser exposto ao vírus. As autoridades de saúde estaduais e locais podem recomendar o uso de
estratégias de distanciamento social, como “lockdown” ou “fique em casa” (veja definições). Embora seja
importante cumprir suas recomendações, a Vale incentiva cada unidade a avaliar o risco para seus
empregados e a ser proativa para implementar qualquer medida de distanciamento social considerada uma
estratégia de mitigação relevante.
Exemplos de medidas de distanciamento social são o estabelecimento de locais de trabalho flexíveis e
horários de trabalho flexíveis (por exemplo, turnos alternados), para aumentar a distância física entre
empregados e entre empregados e outros. Verifique se você possui a tecnologia da informação e a
infraestrutura necessárias para oferecer suporte a vários empregados que possam trabalhar em casa.
Procedimentos
- Determine quais medidas de distanciamento social serão mais eficazes para proteger os
empregados da sua unidade. Exemplos: socializar em locais públicos, como cafeterias, reduzir o uso
de transporte público não essencial, alternar horário de trabalho (parte do pessoal no trabalho e parte
no escritório em casa) ou trabalhar na capacidade de home office, evitando viagens desnecessárias.
Variarão de unidade para unidade e exigirão adaptação à medida que a pandemia evolui.
- Comunique diretrizes de distanciamento social para todos os empregados da unidade.
- Poste pôsteres com mensagens de distanciamento social em todas as salas de reuniões, refeitório e
outros locais estratégicos.
- As pessoas devem manter dois (2) metros entre si sempre que possível.
- Remoção de 50% dos assentos das salas de reunião e conferência.
- Cancele ou adie reuniões, treinamentos e eventos não essenciais.
- Evite reuniões presenciais sempre que possível.
- Aumente o uso de teleconferência, videoconferência ou ferramentas colaborativas baseadas na Web.
- Nas áreas em que os locais de trabalho não atendem aos requisitos de espaço social de
afastamento, considere alternar horários de trabalho alternando colegas de trabalho que
normalmente estariam sentados perto do trabalho ou em dias alternados no escritório em
casa.

Recomendações para Quarentena:


Na quarentena, tome as seguintes precauções:
- Fique em casa e não receba visitas sociais.
- Higiene das mãos: lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos ao
longo do dia. Você pode usar uma solução de álcool gel se não houver água e sabão e suas mãos
não estiverem visivelmente sujas. Evite tocar nos olhos, nariz e boca.
- Etiqueta respiratória: cubra a boca e o nariz com um lenço de papel quando tossir ou espirrar, ou
você pode tossir ou espirrar na manga.
- Não compartilhe itens pessoais, como toalhas, xícaras, pratos, talheres, toalhas ou roupas de cama
com outras pessoas em sua casa.
- Se você ou alguém da família desenvolver febre, tosse seca ou outros sintomas respiratórios, ligue
para o número de telefone designado para sua unidade (para determinar se precisa ser avaliado e
testado para a doença de coronavírus 2019 e onde ir) e informe seu gerente. No Brasil, ligue para o
Doutor PASA: 08000 260 911.

Recomendações para Isolamento:


Quando em isolamento, tome as seguintes precauções, em adição às da quarentena:
- Só saia de casa em caso de emergências ou para receber atendimento médico.
- Separe-se de outras pessoas em sua casa, principalmente os idosos.
- Se você estiver hospedado com outras pessoas, deve, tanto quanto possível, ficar em um quarto
diferente, usar um banheiro separado e usar uma máscara cirúrgica sempre que precisar estar no
mesmo quarto. Mude sua máscara conforme as instruções.
Atualizado em 01/06/2020
- Os itens manipulados pela pessoa em isolamento devem ser lavados cuidadosamente com água
quente e sabão ou um desinfetante.
- Durma e coma sozinho no seu quarto.
- Suas roupas podem ser lavadas como de costume na lavadora de roupas em casa.
- Tome sua temperatura duas vezes por dia (manhã e noite).
- Monitore seus sintomas respiratórios e procure atendimento médico imediato se tiver dificuldade
em respirar.
- Se alguém no mesmo domicílio desenvolver febre, tosse seca ou outros sintomas respiratórios, ligue
para o número de telefone designado para determinar se precisa ser avaliado e testado para a doença
de coronavírus 2019 e onde ir. No Brasil, ligue para o Doutor PASA: 08000 260 911.
- Volte ao trabalho apenas se tiver sido liberado por um profissional de saúde.
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19

Atualizado em 01/06/2020
ANEXO VII
Limpeza e Desinfecção

Os procedimentos relacionados neste anexo vêm complementar e reforçar os procedimentos de limpeza já


existentes, tendo em vista os cuidados adicionais adotados em consequência da pandemia do Coronavírus.

Alguns novos procedimentos também foram definidos, especialmente no que se refere à descontaminação dos
ambientes, para a situação em que algum trabalhador tenha sido identificado como sintomático ou diagnosticado
positivo. Os procedimentos de descontaminação também serão utilizados de forma preventiva.

Na limpeza e desinfecção de todos os ambientes, atenção especial deve ser dada aos objetos usualmente tocados
pelo usuário, como maçanetas, torneiras, assentos, mesas, corrimões, etc. que são superfícies mais expostas à
contaminação.

Todos os esforços de sanitização vêm auxiliar no combate a COVID-19 e à mitigação dos riscos de contaminação,
porém, continuam essenciais os comportamentos seguros individuais e coletivos, isto é:

• Monitoramento de sintomas, comunicação e isolamento caso haja indicação;


• Higienização periódica e atenta das mãos, com água e sabão;
• Distanciamento social nos diversos ambientes.

A descontaminação consiste na desinfecção dos locais através da atomização da substância desinfetante


(micropartículas flutuantes) e sua aplicação no ambiente, de forma direcionada às superfícies duras (mesas,
paredes...) e moles (cortinas, assentos...) potencialmente infectadas.

No caso de ambientes com fontes elétricas, é necessário desligar a energia para evitar choques e curtos-circuitos.

Os agentes biocidas necessários para uma inativação eficiente do vírus SARS-CoV-2 em 1 minuto são etanol (60-
71%), 0,5% de peróxido de hidrogênio ou 0,1% de hipoclorito de sódio.

Os produtos ou soluções que contêm esses agentes com suas porcentagens mínimas na composição podem ser
aplicados adequadamente. Esses produtos devem ser aplicados diretamente em paredes, tetos e pisos com
instalações de todas as formas como tintas, gesso, ferro, alumínio, plástico, aço, papelão, divisórias, pvc, mobílias,
equipamentos eletrônicos, interiores de veículos e etc.

No Brasil devem ser utilizados os produtos listados na tabela abaixo.

26
Todos os EPI – Equipamentos de Proteção Individual para proteção do contato com o produto químico precisam ser
usados conforme recomendado pelo fabricante ou pela equipe local de saúde e segurança.

Todo o material e EPI contaminado ou com suspeita de contaminação deve ser descartado adequadamente de
acordo com o programa local de gerenciamento de resíduos biológicos. Equipamentos e materiais que serão
reutilizados devem ser higienizados com água e sabão após utilização.

Os locais a serem descontaminados, deste modo, precisam estar devidamente liberados de pessoas e após a
descontaminação poderá ser habitado após 2 horas.

Limpeza e desinfecção de coletivos

A limpeza e desinfecção dos coletivos serão realizadas diariamente, antes do início do percurso, nas garagens.
Neste procedimento, será realizada a limpeza completa das superfícies duras e moles, com uso de produtos de
limpeza padrão, como sabão e detergente, seguida da desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou
desinfetante. Entre os baldeios também será realizada a desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou
desinfetante.

Após a realização dos procedimentos, o colaborador deverá lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20
segundos. Se sabão e água não estiverem prontamente disponíveis, usar um desinfetante para as mãos que
contenha pelo menos 60% de álcool e aguardar a secagem completa das mãos.

Procedimento:
1. Interdição do ambiente para uso enquanto não for do processo de descontaminação;
2. Ventilação natural ou forçada do ambiente;
3. Bloqueio elétrico antes da aspersão;
4. Desinfecção completa com pulverizador;
5. Bloqueio de uso do ambiente por 2h ou conforme procedimento da executante.

Modelo de checklist de limpeza dos coletivos:


Limpeza e desinfecção de veículos leves

A limpeza e desinfecção dos veículos leves serão realizadas diariamente, antes do início do primeiro deslocamento.
Neste procedimento, será realizada a limpeza completa das superfícies duras e moles, com uso de produtos de
limpeza padrão, como sabão e detergente, seguida da desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou
desinfetante.

Após a realização dos procedimentos, o colaborador deverá lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20
segundos. Se sabão e água não estiverem prontamente disponíveis, usar um desinfetante para as mãos que
contenha pelo menos 60% de álcool

Procedimento:
1. Interdição do ambiente para uso enquanto não for do processo de descontaminação;
2. Ventilação natural ou forçada do ambiente;
3. Bloqueio elétrico antes da aspersão;
4. Desinfecção completa com pulverizador;
5. Bloqueio de uso do ambiente por 2h ou conforme procedimento da executante.

Limpeza e desinfecção de ambientes internos

A limpeza e desinfecção dos ambientes internos serão realizadas diariamente. Neste procedimento, será realizada a
limpeza completa das superfícies duras e moles, com uso de produtos de limpeza padrão, como sabão e detergente,
seguida da desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou desinfetante. Após utilização, também será
realizado a desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou desinfetante.

Após a realização dos procedimentos, o colaborador deverá lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20
segundos. Se sabão e água não estiverem prontamente disponíveis, usar um desinfetante para as mãos que
contenha pelo menos 60% de álcool.

Procedimento:
1. Interdição do ambiente para uso enquanto não for do processo de descontaminação;
2. Ventilação natural ou forçada do ambiente;
3. Bloqueio elétrico antes da aspersão;
4. Remova toda a sujeira visível da superfície a ser desinfetada
5. Limpe a superfície com um pano branco umedecido em um produto de limpeza ou com sabão / detergente e água
6. Remova o produto de limpeza e use um novo pano branco levemente umedecido em etanol (60-71%), peróxido
de hidrogênio a 0,5% ou solução de hipoclorito de sódio a 0,1% para desinfetar ou vaporizar a solução na
superfície
7. Aguarde pelo menos 10 minutos para liberar a superfície ou o equipamento para uso
8. Descarte o EPI usado durante o procedimento, conforme recomendado
9. Lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se sabão e água não estiverem
prontamente disponíveis, use um desinfetante para as mãos que contenha pelo menos 60% de álcool
Limpeza e desinfecção de ambientes internos (banheiros e vestiários)

A limpeza e desinfecção dos ambientes internos serão realizadas diariamente. Neste procedimento, será realizada a
limpeza completa das superfícies duras e moles, com uso de produtos de limpeza padrão, como sabão e detergente,
seguida da desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou desinfetante. No processo de limpeza,
quando aplicável, serão utilizadas sanitizadoras para lavagem com jatos de pressão. Após utilização, também será
realizado a desinfecção por fricção de pano limpo com álcool a 70% ou desinfetante.

Após a realização dos procedimentos, o colaborador deverá lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20
segundos. Se sabão e água não estiverem prontamente disponíveis, usar um desinfetante para as mãos que
contenha pelo menos 60% de álcool

Procedimento:
1. Interdição do ambiente para uso enquanto não for do processo de descontaminação;
2. Ventilação natural ou forçada do ambiente;
3. Bloqueio elétrico antes da aspersão;
4. Desinfecção completa com pulverizador;
5. Bloqueio de uso do ambiente por 2h ou conforme procedimento da executante.

Limpeza e desinfecção de ambientes externos (Vias, Calçadas, Rodoviárias, Pontos de Ônibus,


Estacionamentos)

A limpeza e desinfecção dos ambientes externos serão realizadas diariamente. Nestes procedimentos, serão
utilizados caminhões pipa ou bomba costal com uso de produtos de limpeza padrão, como sabão e detergente e/ou
produto que contenha substâncias biocidas que atuem na inativação do SARS-CoV-2.

A desinfecção das localidades pode ser realizada com hipoclorito de sódio 12% com concentração de 0,2%, a ser
validada com área de meio ambiente local.

Segue abaixo exemplo de cálculo utilizado para preparação da diluição em caminhão pipa para uma concentração de
500 mg/L de cloro residual livre:

• Volume do caminhão pipa: 10.000 litros


• Densidade do Hipoclorito de Sódio: 1,2 g/ml
• % NaClO: 12%
• Concentração desejada 500 mg/L

Portanto deve ser adicionado em caminhão pipa com volume de 10.000 litros 34,7 litros (V hipo) de hipoclorito de sódio
a 12%, para obter concentração de 500 mg/L.

Após a realização dos procedimentos, o colaborador deverá lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20
segundos. Se sabão e água não estiverem prontamente disponíveis, usar um desinfetante para as mãos que
contenha pelo menos 60% de álcool.

Procedimento:
1. Interdição do ambiente para uso enquanto não for do processo de descontaminação;
2. Bloqueio elétrico antes da aspersão;
3. Desinfecção completa com pulverizador;
4. Bloqueio de uso do ambiente por 2h ou conforme procedimento da executante.

Comunicação e Visualização

Deverão ser expostos comunicados nos ambientes definidos (Sanitários, Vestiários, Portarias, Coletivos e Áreas de
Convivência) com a data e horário do último procedimento de limpeza e/ou desinfecção, com intuito de promover o
bem-estar dos colaboradores.

Modelo de comunicado:
ANEXO VIII
Proteção dos Empregados

É importante reconhecer que a maneira ideal de impedir a transmissão aérea é usar uma combinação de
intervenções em toda a hierarquia de controles, não apenas o EPI - Equipamento de Proteção Individual.

Medidas de Proteção Coletivas

Para todos os trabalhadores, independentemente dos riscos de exposição específicos, as recomendações abaixo
devem ser seguidas:

• Manter distância social de 2 metros


• Lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Quando sabão e água corrente
não estiverem disponíveis, esfregue as mãos com produtos à base de álcool contendo pelo menos 60% de
álcool. Sempre lave as mãos visivelmente sujas.
• Evite tocar nos olhos, nariz ou boca. Se tiver que fazê-lo, higienize as mãos antes.
• Evite contato próximo com pessoas doentes.

Para algumas situações específicas, devem ser observadas as seguintes recomendações:

• A ocupação de veículos deve ser limitada a 50% da ocupação máxima, porém, caso sejam adotadas medidas de
proteção como barreiras individuas (por exemplo, proteção facial ou máscara de tecido) ou coletivas (por
exemplo, barreira de acrílico ou plástico), esta ocupação pode ser modificada, desde que haja avaliação e
aprovação das equipes de saúde e segurança locais através da realização de uma análise de riscos.
• Para as atividades onde não for possível a adoção do distanciamento social de 2 metros, devem ser
adotadas medidas de proteção que atuem como barreira, seja individual (por exemplo, proteção facial ou
máscaras de tecido) ou coletivas (por exemplo, barreira de acrílico ou de plástico).

Importante ressaltar que para toda medida de proteção deve ser realizada previamente uma análise de riscos pelas
equipes de saúde e segurança locais e a definição e comunicação de recomendações de uso, higienização e
descarte, quando aplicáveis.

Para a realização da limpeza e desinfecção de ambientes internos devem ser seguidas as recomendações abaixo:

• Espaçamento obrigatório de 2 metros entre as estações de trabalho


• Orientação aos colaboradores para manter as estações livres de objetos pessoais, possibilitando
limpeza completa do local
• Reforço da fiscalização da limpeza nas estações de trabalho, segundo realização amostral do checklist de
limpeza em ambientes administrativos e operacionais

Para a realização da limpeza e desinfecção de banheiros e vestiários devem ser seguidas as recomendações abaixo:

• Manutenção do distanciamento social de 2 metros


• Orientação aos colaboradores para manter pertences guardados, possibilitando limpeza completa do local
• Comunicação dos horários de desinfecção para bem-estar dos funcionários (ANEXO VI)
• Quando possível, ampliar o fluxo de água das torneiras (ex.: Substituição dos arejadores das torneiras tipo spray
por arejadores convencionais)
• Reforço da fiscalização da limpeza no ambiente via checklist amostral

A Vale não recomenda o uso de túneis / câmaras de desinfecção que pulverizam produtos que contenham qualquer
uma das substâncias químicas listadas aqui: hipoclorito de sódio ou cálcio, peróxido de hidrogênio, ácido peracético,
amônio quaternário, dióxido de cloro e gás ozônio; ou os que refletem a radiação UV-C devido ao risco à saúde
apresentado aos empregados. Se o uso de outras substâncias estiver sendo avaliado pela equipe local, a equipe
corporativa do SSRO deverá ser envolvida.

Equipamentos de Proteção Individual - EPI

Em alguns casos, EPIs específicos para proteger os funcionários da exposição ao vírus SARS-CoV-2 serão
necessários. Considere a tabela abaixo como orientação:
EPI Quem deve usar Objetivo do uso
Máscaras N95 ou  Profissionais de saúde da Vale  Reduz a exposição do usuário a
PFF2  Equipes de transporte de emergência ao partículas, incluindo aerossóis de
transportar casos suspeitos ou partículas pequenas e gotículas
confirmados grandes (somente aerossóis que não
 equipe de triagem são de óleo)
 Equipes de limpeza que realizam a
higienização das unidades de saúde da Vale
e outros locais onde ocorreu a
contaminação de superfícies com secreções
de pacientes
suspeitos ou confirmados
Protetor Facial de  Profissionais de saúde da Vale  Aumenta a vida útil dos
Acrílico em  Equipes de transporte de emergência ao respiradores N95 ou PFF2 quando
conjunto com a transportar casos suspeitos ou usados em conjunto com ele
Máscaras N95 ou confirmados  Substitui os óculos de segurança,
PFF2  Equipe de triagem gerando mais conforto aos usuários e
 Equipes de limpeza realizando protegendo toda a face
desinfecção das unidades de saúde da
Vale e outros locais onde ocorreu
contaminação de superfícies de pacientes
suspeitos ou confirmados

Protetor Facial de  Empregados realizando tarefas/atividades  Protege da exposição a gotículas
Acrílico onde não é possível manter distância de 2 respiratórias
metros um do outro
Avental à prova  Profissionais de saúde da Vale  Protege as roupas da contaminação
d'água  Equipes de limpeza realizando por gotículas respiratórias
desinfecção das unidades de saúde da
Vale e outros locais onde ocorreu
contaminação de superfícies com
secreções de pacientes
suspeitos ou confirmados
Óculos de  Profissionais de saúde da Vale  Protege da exposição a gotículas
segurança  Equipes de transporte de emergência ao respiratórias
transportar casos suspeitos ou
confirmados
 Equipe de triagem
 Equipes de limpeza realizando
desinfecção das unidades de saúde da
Vale e outros locais onde ocorreu
contaminação de superfícies com
secreções de pacientes
suspeitos ou confirmados
Luvas  Profissionais de saúde da Vale • Protege do contato com superfícies
Impermeáveis  Equipes de limpeza que realizam a contaminadas ou suspeitas de
desinfecção das unidades de saúde da Vale contaminação
e outros locais onde ocorreu contaminação
de superfícies com secreções de pacientes
suspeitos ou confirmados

Luvas  Funcionários nas áreas de carga e • Luva de acordo com a atividade, tipo
expedição que manuseiam pacotes de carga, a ser definida pelas equipes
de saúde e segurança locais

Os EPI descritos na tabela acima endereçam a proteção ao vírus SARS-CoV-2 e sua utilização é obrigatória, porem
especificações de acordo com a tarefa realizada e outros possíveis riscos ocupacionais devem ser avaliados pelas
equipes de saúde e segurança locais para garantir a eficácia e a proteção do empregado.

O uso de EPI requer treinamento para ser eficaz. Usar um EPI sem treinamento fornece uma falsa sensação de
segurança e pode aumentar o risco de contaminação dos funcionários.
A máscara N95 / PFF2 ou com nível de proteção superior pode ser reutilizada pelo mesmo profissional, seguindo as
etapas para retirá-la, sem tocar em seu interior e se a máscara estiver intacta, limpa e seca. Considere o uso de uma
proteção facial lavável para reduzir a contaminação da superfície. O uso prolongado é favorecido em relação à
reutilização, pois é esperado que envolva menos toque na máscara e, portanto, menor risco de transmissão de
contato.

Todo o material e EPI contaminado ou com suspeita de contaminação deve ser descartado adequadamente de
acordo com o programa local de gerenciamento de resíduos biológicos.

Os modelos de respirador 3M Aura 9320 e 9322 são indicados devido ao maior conforto e vedação de vários
formatos de rosto. Outros modelos podem ser usados, desde que atendam às especificações mínimas de proteção
indicadas (N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3 ou KN95 ou P2).

Outros controles a serem usados dependem de situações específicas listadas na tabela abaixo. Estes não são EPI,
mas os usuários devem receber orientações adequadas sobre os procedimentos de uso, guarda e limpeza para
garantir o resultado esperado.

Controle Quem deve usar Objetivo do uso


Máscara Cirúrgica Funcionários, terceiros e visitantes que Uso recomendado para uso durante remoção
apresentem sintomas durante sua do ambiente de trabalho de forma a proteger
presença na unidade outras pessoas do contato com possíveis
gotículas respiratórias contaminadas

Orientações e Requisitos para Fornecimento dos EPI e Controles Obrigatórios

 Máscara N95 ou PFF2

Treinamento: Obrigatório. Usar um EPI sem treinamento fornece uma falsa sensação de segurança e pode
aumentar o risco de contaminação dos funcionários.

Etapas para colocação da proteção respiratória do rosto.

Assista o vídeo do fabricante (1m40s): https://www.youtube.com/watch?v=b3aEY52et7k

Fonte: Anvisa, sd.

1. Higienizar as mãos
2. Segurar o respirador com a pinça nasal próxima à ponta dos dedos deixando as alças pendentes;
3. Encaixar o respirador sob o queixo;
4. Posicionar um tirante na nuca e o outro sobre a parte superior/posterior da cabeça;
5. Ajustar a pinça nasal ao formato do nariz;
6. Verificar a vedação pelo teste de pressão positiva: sem forçar a N95/PFF2 sobre o rosto, cubra-a com as mãos
em concha e sopre suavemente. A vedação é considerada satisfatória quando houver ligeira pressão dentro da
máscara, sem fuga de ar na zona de vedação com o rosto. Eventuais vazamentos indicam que o respirador
está mal colocado ou o tamanho é inadequado.

Etapas para retirada da proteção respiratória do rosto


Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19
Atualizado em 01/06/2020
1. Higienizar as mãos
2. Segurar e remover o elástico inferior;
3. Segurar e remover o elástico superior;
4. Remover a PFF segurando-a pelos elásticos, sem tocar em sua parte frontal interna e externa.

Substituição: Imediata se for contaminada com secreção OU quando não estiver íntegra, limpa e seca OU quando
não permitir um bom ajuste à face do usuário.

Reutilização: Pode ser reutilizada pelo mesmo profissional, seguindo as etapas para retirá-la, sem tocar em seu
interior e se a máscara estiver intacta, limpa e seca. Considere o uso conjugado com proteção facial lavável para
reduzir a contaminação da superfície. O uso prolongado é favorecido em relação à reutilização, pois é esperado
que envolva menos toque na máscara e, portanto, menor risco de transmissão de contato.

Higienização: Esse tipo de máscara não deve ser higienizado em hipótese nenhuma.

Descarte: Descarte como resíduo especial.

 Protetor Facial de Acrílico

Alguns protetores faciais disponíveis para aplicação durante a pandemia não fornecem proteção contra impactados,
portanto é necessária a avaliação do tipo recomendado para cada atividade ou tarefa onde o mesmo for
recomendado.

Treinamento: Obrigatório. Usar um EPI sem treinamento fornece uma falsa sensação de segurança e pode
aumentar o risco.

Substituição: Imediata se quebrar, rachar ou apresentar ranhuras.

Reutilização: Pode ser reutilizada pelo mesmo profissional.

Higienização: Diária.

Lavar com água e sabão e desinfetar com solução desinfetante (Anexo 7).

 Máscara Cirúrgica

Treinamento: Não obrigatório, mas o usuário deve obrigatoriamente receber orientações de objetivo do uso,
substituição, colocação, retirada e descarte adequados.

As máscaras cirúrgicas são de uso estritamente pessoal, não devendo ser compartilhada em hipótese alguma.

Deve-se colocá-las com cuidado a fim de cobrir a boca e o nariz, bem como amarrá-las com segurança para
minimizar possíveis espaços entre o rosto e a máscara. Para retirá-las, desate o nó da parte traseira ou o elástico
lateral. Não se deve tocar na parte da frente.

O uso das máscaras cirúrgicas não substitui em hipótese alguma todas as outras medidas de controle coletivas tais
como lavagem das mãos, distanciamento social, etiqueta da tosse.

Substituição: A cada 2 horas ou imediata se for contaminada com secreção ou quando estiver úmida.

Higienização: Esse tipo de máscara não deve ser higienizado em hipótese nenhuma.

Descarte: Após o uso. Descarte como resíduo especial.

Utilização de Máscaras de Tecidos

Houve uma mudança recente nas orientações de saúde pública relacionadas ao uso de máscaras faciais para
controlar a disseminação do COVID-19. As orientações iniciais recomendavam o uso dessas máscaras somente
quando uma pessoa apresentava sintomas respiratórios. À medida que a pesquisa progride, há evidências
crescentes para indicar que pessoas sem sintomas ("assintomáticos") ou que ainda não desenvolveram sintomas
34
Atualizado em 01/06/2020
("pré-sintomáticos") podem transmitir o vírus a outras pessoas, principalmente quando estão interagindo nas
proximidades. Considerando essas novas evidências e alinhando-se às novas recomendações dos órgãos nacionais
e mundiais de saúde pública, a Vale incentiva o uso geral de máscaras de tecido no local de trabalho e seu uso será
necessário quando as medidas físicas de distanciamento não puderem ser mantidas.

É importante enfatizar que o uso de máscaras de tecido é uma medida adicional de saúde pública para reduzir a
disseminação do COVID-19. Recomendações para ficar a pelo menos 2 metros de distância de outras pessoas
(distanciamento social) e para limpeza frequente das mãos ainda devem ser seguidas. Uma máscara de tecido não
se destina a proteger o usuário, mas pode impedir a propagação do vírus do usuário para outros. Isso é
especialmente importante se alguém estiver infectado, mas não apresente sintomas. As máscaras de tecido não são
consideradas proteção respiratória (por exemplo, N95, respirador de meia face / rosto inteiro ou PAPR). Seu uso não
substitui outros equipamentos de proteção individual (EPI) que foram colocados em prática no trabalho de rotina
(incluindo proteção facial, óculos ou proteção respiratória).

O uso de uma máscara de tecido é recomendado para uso geral; no entanto, é obrigatório o uso dessas máscaras ou
protetores faciais onde as medidas de distância física (> 2m) não podem ser mantidas.

As equipes locais de saúde e segurança são responsáveis por:

• Identificar situações em que a distância física não pode ser mantida


• Considerar os riscos potenciais relacionados ao uso de máscaras de tecido
• Fornecer orientação apropriada aos empregados

Exemplos de onde pode haver desafios na manutenção de diretrizes de distância física podem incluir:

• Fretamentos, ônibus, veículos leves


• gaiolas, elevadores
• Estações de refúgio
• Sala de reuniões
• Áreas de formação / salas quentes / turnos de partida

Alguns riscos potenciais relacionados ao uso de máscaras de tecido são:

• Auto-contaminação que pode ocorrer ao tocar e reutilizar a máscara contaminada


• Dependendo do tipo de máscara usada, possíveis dificuldades respiratórias
• Falsa sensação de segurança, levando a potencial menor adesão a outras medidas preventivas,
como distanciamento físico e higienização das mãos
• As máscaras de tecido não devem ser usadas por pessoas com problemas respiratórios ou incapazes de remover a
máscara sem assistência.

As equipes locais de saúde e segurança devem avaliar o uso preferencial dos protetores faciais de acrílico pelos
empregados, devido ao procedimento de limpeza mais fácil, à exibição mais clara de sujeira, além do menor risco
associado ao seu uso.

Empregados que já utilizem proteção respiratória para proteção a riscos não relacionados ao COVID-19 deverão
permanecer utilizando o EPI requerido. O filtro ou cartucho de partículas existente na proteção respiratória requerida
também fornecerá proteção contra a inalação do vírus COVID-19.

As equipes locais de saúde e segurança podem instruir os funcionários que não receberam as máscaras de tecido da
Vale a levar suas próprias máscaras à unidade da Vale para uso no local de trabalho.

Orientações e Requisitos para Fornecimento de Controles Elegíveis

 Protetor Facial de Acrílico

Treinamento: Não obrigatório, mas o usuário deve obrigatoriamente receber orientações de objetivo do uso,
substituição, colocação, retirada e descarte adequados.

Substituição: Imediata se quebrar, rachar ou apresentar ranhuras.

Reutilização: Pode ser reutilizada pelo mesmo profissional.


Atualizado em 01/06/2020

Higienização: Diária.

Lavar com água e sabão e desinfetar com solução desinfetante (Anexo 7).

Descarte: Ao apresentar qualquer sinal de deterioração, o protetor deverá ser descartado. Antes do descarte o protetor
deve ser devidamente higienizado. Descarte como resíduo comum.

 Máscara de Tecido

Os tecidos recomendados para uso como máscara são, em ordem decrescente de sua capacidade de filtrar
partículas virais:

1. Tecido saco de aspirador


2. 55% poliéster e 45% algodão / tecido composto
3. Tecido de algodão (como camisetas 100% algodão)
4. Fronhas de tecido

antimicrobiano As máscaras de

tecido:

• Encaixe confortavelmente, mas confortavelmente, na lateral do rosto


• Prenda-se com laços ou presilhas
• Inclua várias camadas de tecido
• Respire sem restrições
• Pode ser lavado e seco na máquina sem danificar ou alterar a forma

Treinamento: Não obrigatório, mas o usuário deve obrigatoriamente receber orientações de objetivo do uso,
substituição, colocação, retirada e descarte adequados.

As máscaras de tecido são de uso estritamente pessoal, não devendo ser compartilhada em hipótese alguma.

Deve-se colocá-las com cuidado a fim de cobrir a boca e o nariz, bem como amarrá-las com segurança para
minimizar possíveis espaços entre o rosto e a máscara. Para retirá-las, desate o nó da parte traseira ou o elástico
lateral. Não se deve tocar no tecido da máscara.

Substituição: A cada 2 horas ou imediata se for contaminada com secreção ou quando estiver úmida.

Higienização: Diária.

As máscaras de tecido precisam ser lavadas e depois desinfetadas. Máscaras de tecido podem ser lavadas à

máquina. Existem algumas opções para desinfetar as máscaras de tecido, como:

• Imersão em solução de água sanitária (diluição: 1 parte de água sanitária para 50 partes de água. Ex: 10 ml de
água sanitária para 500 ml de água) por 30 minutos. Para remover qualquer alvejante restante, retire a máscara da
solução e lave-a em água corrente por 10 a 15 segundos. Depois disso, deixe de molho em água limpa por mais
cinco minutos
• Máquina de lavar roupa em um ciclo de lavagem com água quente (A Organização Mundial da Saúde recomenda
que a água seja aquecida a 60 graus Celsius, pois essa temperatura se mostrou eficaz na degradação da maioria
dos vírus)
• Imersão em água fervente por cinco minutos

Após lavar / desinfetar a máscara de tecido, lave as mãos com água e sabão.

É importante garantir que a máscara permaneça funcional após o processo de lavagem / desinfecção. Inspecione-a
de perto - segure a máscara contra uma fonte de luz e verifique se há áreas finas onde um pequeno orifício possa
estar se formando.

Acondicionamento: Acondicionar em saco plástico individual (não guardar a máscara usada no mesmo saco e
depois reutilizá-lo).
Atualizado em 01/06/2020
Descarte: Ao apresentar qualquer sinal de deterioração, a máscara deverá ser descartada. Antes do descarte a
máscara deve ser devidamente higienizada. Descarte como resíduo comum. Uma nova máscara deve ser solicitada
ao supervisor/gestor.

Considerações finais

Os usuários de máscaras devem evitar colocar as mãos nas mesmas, assim como no rosto como um todo. Se for
necessário, deverá higienizar as mãos com água e sabão ou álcool em gel 60% antes de fazê-lo.

A higienização das mãos com água e sabão ou um desinfetante para as mãos à base de álcool deve ser realizada
antes e depois de manusear as máscaras (para colocação, retirada e ajustes para conforto ou para manter a forma).

As equipes de saúde e segurança locais podem identificar situações e atividades específicas onde as máscaras de
tecido podem ser recomendadas, mesmo sem se decidir pelo uso de máscaras por todos os empregados. Neste
caso deve-se garantir que os requisitos descritos anteriormente sejam todos atendidos.
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19

Atualizado em 01/06/2020
ANEXO IX
Classificação do Risco de Exposição ao SARS-CoV-2

Para que as ações de controle sejam corretamente priorizadas e implantadas deve ser realizada uma análise de risco
da exposição dos empregados ao SARS-CoV-2 durante a execução das suas atividades.

Cada unidade operacional ou administrativa deverá realizar esta análise de risco nas fases de resposta e de
recuperação.

Há quatro níveis de grau de risco: baixo, médio, alto e muito alto. A classificação do risco deve ser realizada levando
em consideração as medidas de controle existentes e disponíveis para a função.

Deve ser seguido o critério abaixo:

Grau de
Critério Ação Necessária
Risco
Funções onde:  Manutenção das medidas de controle de
distanciamento social e lavagem/higienização
 Há frequente interação, por mais de 15 minutos constante das mãos
cada, sem manutenção do distanciamento físico,
com indivíduos infectados (confirmados COVID-  Obrigatória a adoção de outros controles
19) ou indivíduos com sintomas gripais; OU que reduzam o grau de risco para, no
mínimo, médio
 Há frequente contato com fluidos corporais de
indivíduos infectados (confirmados COVID-19) ou  Realização de limpeza e desinfecção
Muito Alto
indivíduos com sintomas gripais; OU rotineira das superfícies de contato das mãos

 Há execução diária de procedimentos médicos


em indivíduos infectados (confirmados COVID-
19) ou indivíduos com sintomas onde há a
liberação de gotículas respiratórias.

Exemplo de funções nessa classificação: médicos e


enfermeiros que realizam atendimento assistencial
Funções onde:  Manutenção das medidas de controle de
distanciamento social e
 Há frequente interação, por mais de 15 minutos lavagem/higienização constante das mãos
cada, sem manutenção do distanciamento
físico, com indivíduos que não passaram por  Obrigatória a adoção de outros controles
uma triagem de saúde*; OU que reduzam o grau de risco para, no
mínimo, médio
 Há interação intermitente, por mais de 15
minutos cada, sem manutenção do  Realização de limpeza e desinfecção
Alto
distanciamento físico, com indivíduos rotineira das superfícies de contato das
com sintomas gripais; OU mãos

 Há frequente contato com fluidos corporais de


indivíduos que não passaram por uma
triagem de saúde.

Exemplo de funções nessa classificação:


responsáveis pelas remoções emergenciais
Funções onde:  Manutenção das medidas de controle de
distanciamento social e
 Há frequentes interações com duração de lavagem/higienização constante das mãos
menos de 15 minutos, sem manutenção do
Médio
distanciamento físico, com indivíduos que não  Obrigatório uso de barreiras protetivas
passaram por uma triagem de saúde; OU como máscara de tecido ou protetor facial
 Há frequente interação, por mais de 15 minutos de acrílico ou acetato
cada, sem manutenção do distanciamento

38
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19
físico,
Atualizado em 01/06/2020

39
com indivíduos que foram liberados para acesso  Deve ser avaliada implantação de
por uma triagem de saúde; OU outros controles que reduzam o grau de
risco
 Há frequente contato com fluidos corporais de
indivíduos que foram liberados para acesso  Realização de limpeza e desinfecção
por uma triagem de saúde. rotineira das superfícies de contato das mãos

Exemplo de funções nessa classificação: médicos


ocupacionais, recepcionistas, mecânicos, equipe de
limpeza de banheiros e triagistas
Funções onde:  Manutenção das medidas de controle de
distanciamento social e lavagem/higienização
 Há pouca interação com indivíduos que foram constante das mãos
Baixo liberados para acesso por uma triagem de saúde
 Realização de limpeza e desinfecção
Exemplo de funções nesta classificação: funções rotineira das superfícies de contato das mãos
administrativas
* São considerados procedimentos de triagem de saúde: checklist de saúde, avaliação de temperatura, etc.

Além da função, devem ser avaliadas as atividades mais críticas para estabelecimento dos devidos controles
seguindo as mesmas recomendações acima.

Empregados que pertençam ao grupo de risco para a COVID-19 não podem executar suas atividades em funções
com grau de risco médio ou acima.

São considerados controles para redução de exposição ao SARS-CoV-2: barreiras físicas que bloqueiem as gotículas
respiratórias (acrílico, acetato, vidro temperado), máscaras de proteção respiratória, jalecos e aventais impermeáveis,
sistema de escaneamento de temperatura, sistema de manutenção de distanciamento.
Anexo X
TESTES COVID-19

As informações sobre os testes estão evoluindo rapidamente. Devido à dinâmica da epidemia e à


produção de conhecimento a ela associada, as informações mudarão à medida que o conhecimento sobre
a doença avançar. As regulamentações para testagem variam de local para local.

Introdução
Este documento fornece uma visão geral básica dos testes para COVID-19 com base nas pesquisas e evidências
mais recentes disponíveis até o momento e compiladas pela ISOS. Inclui também fluxogramas e premissas do uso de
testes sorológicos como camada adicional de proteção nas operações Vale.
Em geral, existem duas categorias de testes para a COVID-19:
1. Testes de antígenos:
a. Testes de reação em cadeia da polimerase (PCR) – detectam o próprio material genético do vírus
b. Testes de antígenos - detectam para a camada de proteínas do vírus
2. Testes sorológicos: teste de anticorpos formados como resposta ao vírus
Cada teste tem seu papel potencial no gerenciamento da crise do COVID-19. Para entender por que cada um dos
testes é usado e seu papel como uma ferramenta potencial de rastreamento, é fornecida uma visão geral básica da
resposta imune com definições relevantes.

Visão geral básica da resposta imune (como o corpo responde à infecção)

Antígeno:1 Em geral, um antígeno é definido como qualquer substância estranha (por exemplo, vírus, bactérias ou
fungos) que sinaliza o corpo para produzir anticorpos. Com o COVID-19, os antígenos são as proteínas do vírus
SARS-CoV-2 que estimulam o sistema imunológico do corpo a produzir anticorpos.
Anticorpo: Anticorpos são proteínas produzidas em resposta aos antígenos do corpo e se ligam a um local
específico no vírus. Existem dois tipos de anticorpos que geralmente são investigados:
 IgM: produzido precocemente na fase aguda da infecção
 IgG: produzido lentamente e sinaliza proteção potencial (imunidade a longo prazo)

Imagem 1. Uma ilustração geral de como os níveis de vírus, IgM e IgG podem mudar após a infecção e como o tipo
de teste usado dependeria do momento do teste após a infecção.

1
MedlinePlus (2020). Antigen. https://medlineplus.gov/ency/article/002224.htm
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19

Atualizado em 01/06/2020
Após a infecção, os níveis de vírus começam a subir à medida que o vírus se multiplica. O corpo então começa a
produzir anticorpos para responder ao vírus. O primeiro anticorpo produzido é a IgM (resposta imune precoce) - a
detecção no sangue geralmente indica infecção precoce. A resposta IgM geralmente aumenta nos primeiros 8 a 10
dias de uma doença, geralmente sendo detectável entre 5 e 7 dias após os sintomas e pode permanecer elevada por
2 a 4 meses. A IgG aumenta e atinge o pico ao longo de 2-5 semanas e sua presença geralmente significa imunidade
persistente. A resposta e persistência de IgM e IgG variam entre infecções.

Para o COVID-19, o momento em que os níveis de anticorpos IgM e IgG aumentam e diminuem está sob
investigação e ainda precisa ser elucidado.

Definições relacionadas à testagem

Testes de diagnóstico rápido (RDTs): são testes que podem ser usados isoladamente ou em série que envolvem
procedimentos não automatizados para obter um resultado rápido. Para a COVID-19, os resultados podem estar
prontos em 10 a 30 minutos. Os RDTs são fáceis de executar e fornecem resultados rápidos. Esses testes podem ser
realizados em uma instalação médica ou usados no Ponto de Atendimento ou Point of Care (POC).

 Teste no ponto de atendimento (POC): também conhecido como teste próximo ao paciente; os testes são
um tipo de teste rápido realizado no local (onde a amostra foi coletada), em vez de serem enviados para um
laboratório para análise.

Sensibilidade e especificidade: os valores de sensibilidade e especificidade geralmente são fornecidos como uma
medida da precisão do teste.
 Especificidade: a chance de o teste identificar corretamente aqueles que são saudáveis.
 Sensibilidade: a chance de o teste identificar corretamente a doença.
 Falso positivo: um teste que mostra que uma pessoa está infectada quando não tem a doença.
 Falso negativo: teste que mostra que uma pessoa não está infectada quando está com a doença.

Para maiores informações sobre sensibilidade e especificidade, veja (em inglês) https://ebn.bmj.com/content/23/1/2
ou https://www.health.ny.gov/diseases/chronic/discreen.htm

Utilidade dos testes para COVID-19

Sumário dos testes para COVID-19

PCR Antígeno Anticorpos


Como nasal / garganta nasal / garganta sangue / punção dedo
Laboratório sim ponto de atendimento ponto de atendimento
O quê vírus antígenos do vírus nossa resposta imune
Velocidade
horas / dias minutos minutos
resultado
Por quê está infectado, início da
está infectado? está respondendo ao vírus?
doença?
Quando agora começando resolução

41
Imagem 2 – A escolha por cada tipo de testagem depende do tempo de início dos sintomas e da disponibilidade de
cada teste.

Testes Moleculares RT-PCR; para diagnosticar (confirmar) um caso de COVID-19


A maioria dos testes de coronavírus realizados e discutidos na mídia e por autoridades de saúde pública é o teste de
reação em cadeia da polimerase com transcriptase reversa, também conhecido como RT-PCR. Esses testes são
baseados na detecção de material genético do vírus COVID-19 em amostras do trato respiratório obtidas de um
cotonete na garganta ou nariz. Os testes de RT-PCR são considerados o "padrão ouro" para diagnosticar o COVID-
19. Os resultados com base em análises laboratoriais levam aproximadamente de 3 a 5 dias, dependendo da
localização. A nova geração de testes rápidos de diagnóstico (RDTs) atualmente em desenvolvimento
fornece resultados em minutos.

Indicações para testes de RT-PCR:

 Determinar quem está infectado para que o indivíduo possa ser tratado e isolado. Os contatos podem ser
identificados e colocados em quarentena mais cedo, interrompendo o ciclo de transmissão.
 Se um grande número de pessoas é testado em uma população, as autoridades de saúde pública podem
ter uma imagem mais clara da propagação da doença.

Limitações do teste de PCR:

 Os testes tradicionais de PCR baseados em laboratório exigem uma indicação de um médico (as
autoridades determinam quem é elegível para o teste).
 Requer pessoal treinado para testar (isto é, enfermeiras, médicos).
 Melhor para confirmar um diagnóstico, porém:
o O atual teste COVID-19 PCR pode não detectar todos os que estão infectados.

Interpretação dos testes de RT-PCR

 Uma PCR positiva pode indicar infecção aguda pelo COVID 19.

Teste de ANTÍGENO para o Coronavírus: detecção aguda ou precoce


Esse tipo de teste de sorologia detecta o antígeno específico do vírus COVID-19 presente nas amostras do trato
respiratório obtidas através de um cotonete na garganta ou no nariz. Os testes de antígeno podem ser usados como
teste de diagnóstico, porque a proteína pode ser detectada antes do material genético do vírus detectado por PCR.
Vários testes rápidos de diagnóstico (RDTs) para detectar antígenos estão sendo disponibilizados em todo o mundo
(aguardando aprovação das autoridades nacionais). A OMS declara: “O desempenho dos testes depende de vários
fatores, incluindo o tempo desde o início da doença, a concentração de vírus na amostra, a qualidade da amostra
coletada de uma pessoa e como é processado e a formulação precisa dos reagentes nos kits de teste.”

Indicações para teste de antígeno

 Indicações gerais semelhantes à PCR no que diz respeito à determinação de quem está infectado, para
que possam ser tratados e isolados.
 Antígenos são detectados apenas quando o vírus está se replicando ativamente; portanto, são
melhor utilizados para identificar infecções agudas ou precoces.

Limitações do teste de antígeno

 Confiabilidade questionável (a sensibilidade varia amplamente) para muitos dos novos testes rápidos de
antígenos de diagnóstico em desenvolvimento. A OMS afirma que "metade ou mais dos pacientes
infectados com COVID-19 podem não ser detectados através desses testes, dependendo do grupo de
pacientes testados."
 Falsos negativos e falsos positivos são encontrados com base em testes semelhantes para outras
doenças respiratórias. Como resultado, a OMS não recomenda o uso de testes de antígeno no
momento.

Interpretação dos testes de antígenos:

Se um teste de antígeno for positivo, pode indicar infecção precoce ativa com COVID 19, mas um teste negativo não
descarta a infecção.

Teste de ANTICORPO do Coronavírus (para determinar imunidade)


Os testes de anticorpos são testes sorológicos que medem a quantidade de anticorpos presentes no sangue em
resposta a uma infecção específica como a da COVID-19. Os testes de anticorpos detectam a presença de
anticorpos IgM (produzidos no início da fase aguda da infecção) e anticorpos IgG (produzidos como potencial
imunidade a longo prazo). Ao contrário dos testes de PCR, os testes de anticorpos não testam o vírus em si, mas
detectam a resposta do corpo ao vírus. É importante observar que a OMS não recomenda RDTs de anticorpos para o
atendimento ao paciente, mas para vigilância de doenças e pesquisa epidemiológica.

Indicações para teste de anticorpos

 Para ajudar a determinar se uma pessoa tem uma infecção aguda, é possivelmente imune ou suscetível.
 Pode indicar que uma pessoa teve uma resposta imune, quer os sintomas se desenvolvam a partir
da infecção ou a infecção fosse assintomática.
 Pode detectar indivíduos que foram infectados e são teoricamente imunes.
 Ajudar a determinar a prevalência da doença em uma população específica (que porcentagem foi infectada).
 Apoiar o desenvolvimento de vacinas.
 Determinar quem pode doar plasma, que pode ser usado como um tratamento potencial para
pessoas gravemente doentes com COVID-19.

Limitações do teste de anticorpos

 Em alguns casos, os testes de anticorpos COVID-19 podem detectar anticorpos para outros coronavírus
semelhantes. Isso é chamado de "reatividade cruzada" e resultaria em um falso positivo.
 Os testes podem resultar em falsos negativos se forem realizados no início do curso da doença,
especialmente para formas leves da doença; não pode ser usado para rastrear a doença precoce de
COVID- 19 devido ao tempo para o desenvolvimento de anticorpos após a infecção.
 Estudos ainda estão investigando se uma pessoa com anticorpos IgG está imune e por quanto tempo essa
imunidade protegerá contra a reinfecção pelo vírus COVID-19.
 Autorização para uso limitada em alguns países.

Interpretação do resultado do teste de anticorpos

Com base na resposta imune a outros vírus, os resultados dos testes de anticorpos para coronavírus podem ser
interpretados como:
Plano de Preparação e Resposta para Pandemia de COVID-19

Atualizado em 01/06/2020
Apenas IgM: infecção aguda. Necessita de testes confirmatórios (por exemplo, PCR), pois os testes de anticorpos
podem ser falsos positivos (por exemplo, se estiver presente um anticorpo contra um coronavírus diferente da nova
cepa pandêmica).
IgM e IgG: Indo para o final da fase aguda (atualmente teve ou teve recentemente a infecção).
Somente IgG: sinaliza uma fase de recuperação com imunidade presumida após a infecção. Atualmente, não se
sabe se os anticorpos conferem imunidade a longo prazo.
Se Anticorpo (IgM e IgG) forem ambos negativos (nenhum anticorpo detectado):
 A pessoa não mostra evidência de infecção OU,
 A pessoa pode estar no estágio inicial da doença (o anticorpo ainda não se desenvolveu em resposta ao
vírus).

Uso do teste de anticorpos como linha de defesa adicional nas operações Vale
Os testes devem ser realizados por profissionais de saúde qualificados e devem preservar a privacidade do
empregado. O fluxo recomendado e a interpretação dos resultados podem ser encontrados abaixo.

Dependendo do resultado do teste, o funcionário será enviado para casa por um período de observação de 7 dias,
quando os seus sintomas serão monitorados. Em caso de sintomas (ou mesmo sem sintomas, dependendo dos
protocolos locais e disponibilidade), será realizado um teste de RT-PCR para confirmação do diagnóstico.

É importante enfatizar que o uso de testes sorológicos é recomendado como medida adicional às demais medidas
mitigatórias para redução do risco dos empregados à exposição ao vírus SARS-CoV-2 (vide imagem abaixo).

44
Imagem 3 – Linhas de defesa de ações de mitigação para redução da exposição dos colaboradores ao vírus
SARS- CoV-2

Fluxo de testagem
Interpretação dos resultados de testes
Os testes e a interpretação dos resultados dos exames requerem supervisão médica. A tomada de decisão
pode ser complexa e vários outros fatores precisam ser considerados para determinar onde o indivíduo se enquadra
em sua resposta imune e para fazer recomendações sobre quarentena, isolamento e retorno ao trabalho. Abaixo, a
interpretação dos resultados dos testes e recomendações específicas atualmente aplicadas em operações no Brasil,
de acordo com os protocolos de saúde pública deste país. Um teste de RT-PCR de acompanhamento com um
resultado positivo é notificado como um caso confirmado às autoridades de saúde locais.
Histórico de Correções deste Documento

Data Pág. Errata

16/03/2020 20 Anexo VI - Políticas de Distanciamento Social para Pandemia COVID-19,


Distanciamento Social: Exemplo de distanciamento social removido.

19/03/2020 20 Anexo VI - Políticas de Distanciamento Social para Pandemia COVID-19,


Recomendações para Quarentena: Recomendações para Quarentena revisadas para
distinguir entre quarentena e isolamento.

19/03/2020 22 Anexo VII - Q&A Doença do Coronavírus 2019 (COVID-19), “Eu tenho uma doença
crônica. O que devo fazer para me preparar?” Pergunta modificada para incluir conceito
de grupos de risco aumentado para desenvolver a forma mais grave da COVID-19 e
resposta revisada para esclarecer sua definição.

29/03/2020 2-4 Classificação de Risco Local: edições no texto de médio e menor riscos. Definição do
estágio de Resposta ligado ao primeiro caso na unidade (não suspeito).

5-6 Anexo V - Políticas de triagem e envio para casa: editado para incluir ferramentas como
lista de verificação eletrônica e scanners térmicos. Recomendação para uma avaliação a
ser feita pelo coordenador local do COVID-19 para determinar se o procedimento pode ser
implementado sem interromper as diretrizes de distanciamento social estabelecidas pela
empresa. Mudança nas perguntas de auto monitoramento e triagem: período de 24 horas
removido, perguntas simplificadas.

24 Acrescentado: Anexo VII – Limpeza e Desinfecção de Superfícies

26 Acrescentado: Anexo VIII – Proteção de Empregados

29 Removidos: Anexo VII – Q&A e Anexo VIII – Fontes de Informação

- Removido: Anexo VIII – Fontes de Informação

03/04/2020 29 Anexo VIII – Proteção de Empregados. Modificado para expandir uso de máscaras
cirúrgicas de acordo com recomendação de órgãos de saúde internacionais e nacionais.

03/04/2020 7 Item 3 - Incentive os empregados doentes a ficar em casa: 72 horas (onde se dizia 24
horas)

06/04/2020 Definições: acrescentado o termo Ficar em Casa, sob quarentena.

28 Modificado: Anexo VII – Limpeza e Desinfecção de Superfícies


Editado para incluir descrições e cenários adicionais.

31 Modificado: Anexo VIII – Proteção de Empregados


Editado para modificar recomendações quanto ao uso de máscaras e proteção facial por
todos os empregados que não estejam usando um respirador ou outra máscara como EPI.

26 Anexo VI – Políticas de Distanciamento Social para Pandemia COVID-19. Definições de


ordens de lockdown e fique em casa usadas como exemplo de distanciamento social.
Recomendações de Isolamento: uso de máscaras e monitoramento de temperatura.
editados

28 Modificado: Anexo VII – Limpeza e Desinfecção. Editado para incluir descrições e


cenários.
2 Definições: A definição do caso suspeito foi alterada para desconectar sintomas
respiratórios de um histórico de viagens ou contato conhecido com um caso confirmado ou
provável de COVID-19.

13/04/2020 11 Estágio Resposta: Item 2. Gerencie os casos confirmados e contatos: Caso(s)


COVID- 19: frase editada para especificar que a decisão quanto à acompanhamento
domiciliar ou internação hospitalar será determinada pelas autoridades de saúde locais, de
acordo com o protocolo local de gerenciamento clínico da COVID-19. Contatos: editados
para incluir recomendações de auto monitoramento e monitoramento de contatos por
telefone a cada 48 horas.

15/04/2020 5 Segundo parágrafo editado para esclarecer que uma vez que a mudança de fase ocorra
para o estágio de resposta, não haverá retrocesso de fases.

13 Estágio Resposta: Item 10 editado e item 11 acrescentado

20/04/2020 4 Protocolo médico para grupos de risco aumentado editado para incluir pessoas com
obesidade grau III (IMC ≥ 40), refletindo decisão validada em reunião do subcomitê
técnico de 17/04. Texto contido em Definições, Grupos de risco aumentado.

20/04/2020 6 Estágio de Recuperação: texto editado para esclarecer critério – “Redução sustentada do
número de casos na unidade e na região por pelo menos 3 semanas consecutivas.”

20/04/2020 11 Estágio Resposta: Item 12. Rastreamento de contatos: rastreamento de contatos


modificado de 2 para 3 dias antes do início dos sintomas e até 14 dias após o início dos
sintomas por definição do subcomitê técnico de saúde em 20/04.

26/04/2020 4 Errata, Grupos de Risco Aumentado, texto referente ao protocolo médico corrigido para
remover a palavra descompensada: Pessoas com idade acima de 50 anos associado a
hipertensão ou diabetes ou doenças cardiovasculares.

26/04/2020 11 Estágio Resposta: Item 1. Faça o rastreamento de contatos no local de trabalho:


critério oficialmente expandido para incluir casos suspeitos (já sendo incluídos na prática
em várias unidades onde o rastreamento ativo tem sido feito).

04/05/2020 2 Definição de Contato: modificada para esclarecer inclusão de casos suspeitos, em linha
com modificação feita acima (rastreamento de contatos).

05/05/2020 33 Inclusão de orientações sobre o uso de túneis de desinfecção

3005/2020 - Todas as menções de álcool gel foram revisadas de 60-95% para 70% álcool gel

- Papéis e responsabilidades foram revisados e atualizados.

6, 12 Estágio Monitoramento: Revisão do item 1. Estágio Recuperação: Item 1 adicionado

38 Inclusão do Anexo IX: Classificação do Risco de Exposição ao SARS-CoV-2

39 Inclusão do Anexo X: Testes para COVID-19

Você também pode gostar