Você está na página 1de 135

Corrente Contínua

Edição 10 - Fevereiro / 2019

Engº José Roberto Pereira


APRESENTAÇÃO

Este trabalho é o resultado de muitos dias (e noites) de pesquisa, estudo,


planejamento, organização, redação, desenho, compilação, cálculos, etc., e foi
elaborado sem finalidade comercial ou sequer para obtenção de qualquer espécie
de remuneração ou lucro financeiro.
Seu objetivo é, unicamente, divulgar e propagar o seu conteúdo entre o maior
número possível de pessoas, de modo a fomentar o saber e estimular o
conhecimento. Espero assim que, de alguma forma, ele seja uma forma de
contribuição para o aprimoramento e a elevação do espírito humano, e da evolução
da nossa espécie.
Por esta razão, o seu conteúdo não está protegido por qualquer tipo de patente ou
“copyright”, sendo a sua cópia, distribuição e divulgação não apenas permitida,
mas também (e principalmente) estimulada, no todo ou em parte, em qualquer tipo
de mídia, seja ela física, eletrônica ou qualquer outra que, futuramente, possa
surgir, desde que não seja vendida ou comercializada de qualquer forma e que a
fonte seja devidamente citada.
Acredito que, com este pequeno legado, estarei contribuindo, mesmo que
humildemente, para fazer deste nosso mundo um lugar melhor para se viver.
Serão muito bem-vindas quaisquer colaborações apontando eventuais erros ou
sugerindo melhorias para este trabalho, que poderão ser enviadas para o e-mail do
autor, indicado no rodapé.

Rio de Janeiro, março de 2011.

José Roberto Pereira

“A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas
novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que
sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar
mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a
elas se propõe.”
(Jean Piaget)

1 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


1
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Advertência

Para a perfeita compreensão do conteúdo deste trabalho é necessário o conhecimento prévio


de alguns conceitos básicos de matemática, cujo domínio é fundamental para o aprendizado,
acompanhamento e a resolução dos exercícios propostos. Listamos abaixo os principais
conceitos considerados pré-requisitos:

- Quatro Operações Aritméticas Fundamentais: Adição, Subtração, Multiplicação e Divisão


- Números Decimais e Operações com Números Decimais
- Frações e Operações com Frações
- Razões e Proporções – Regra de Três
- Divisão em Partes Proporcionais
- Porcentagem
- Potenciação
- Radiciação
- Sistemas de Medidas – Múltiplos e Submúltiplos
- Notação Científica (Potências de 10)
- Equações do Primeiro Grau
- Sistemas de Equações do Primeiro Grau

Os conteúdos acima podem ser obtidos na bibliografia sugerida na seção correspondente


deste trabalho. O seu estudo, conhecimento e domínio, são indispensáveis.

2 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


2
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
SUMÁRIO

CAPÍTULO 1 – Constituição da Matéria 04

CAPÍTULO 2 – Cargas Elétricas 06

CAPÍTULO 3 – Campo Elétrico 16

CAPÍTULO 4 – Tensão e Corrente Elétrica 21

CAPÍTULO 5 – Trabalho, Energia e Potência Elétricas 27

CAPÍTULO 6 – Resistência Elétrica – Resistores 33

CAPÍTULO 7 – Associação de Resistores – Circuitos de C.C. 40

CAPÍTULO 8 – Geradores 51

CAPÍTULO 9 – Análise de Circuitos C.C. 56

CAPÍTULO 10 – Capacitância – Capacitores 80

CAPÍTULO 11 – Magnetismo 87

CAPÍTULO 12 – Eletromagnetismo 94

CAPÍTULO 13 – Indução Eletromagnética 106

CAPÍTULO 14 – Transientes em Corrente Contínua 113

APÊNDICE I – Exercícios Resolvidos 119

APÊNDICE II – Resistividades e Coeficientes de Temperatura 123

APÊNDICE III – Múltiplos e Submúltiplos 123

BIBLIOGRAFIA 124

INDICE 125

3 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


3
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
4 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
4
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 1
CONSTITUIÇÃO DA MATÉRIA

1.1 - Matéria e Substância


Aquilo que constitui todos os corpos e pode ser percebido por qualquer dos nossos sentidos é
MATÉRIA. A madeira de que é feita a mesa e o vidro de que se faz o bulbo de uma lâmpada
são exemplos de matéria.
Vemos que o nome MATÉRIA se relaciona com uma variedade grande de coisas. Cada tipo
particular de matéria é uma SUBSTÂNCIA, e, portanto, existem milhares de substâncias
diferentes.

1.2 - Moléculas e Átomos


Qualquer substância é formada por partículas muitíssimo pequenas e invisíveis (mesmo com o
auxílio de microscópios) chamadas MOLÉCULAS.
A molécula é a menor parte em que se pode dividir uma substância, e que apresenta todas as
características da mesma. Por exemplo, uma molécula de ácido sulfúrico é a menor
quantidade deste ácido que pode existir.
As moléculas são constituídas por ÁTOMOS. O número de átomos que compõem uma
molécula varia de acordo com a substância. Assim, numa molécula de água (H2O),
encontramos 3 átomos; a de ácido sulfúrico (H2SO4), é um conjunto de 7 átomos, etc.
Os átomos que compõe uma molécula podem ser iguais ou não. Quando são iguais, a
substância é SIMPLES, e cada átomo é conhecido com o mesmo nome da substância. Como
exemplos de substâncias simples podemos citar o ferro, o cobre, o zinco, o alumínio, o
oxigênio, o hidrogênio, etc.
Quando os átomos são diferentes, a substância é COMPOSTA, e, neste caso, os átomos não
são designados do mesmo modo. Exemplos de substâncias compostas: água, ácidos, sais,
etc.
Atualmente são conhecidos 109 tipos diferentes de átomos. Cada tipo, como sabemos,
recebeu um nome e tem suas características próprias. São esses átomos que, combinados,
variando a quantidade, a qualidade e o modo de combinação, originam as diferentes
moléculas das substâncias simples e compostas.

1.3 – Prótons, Nêutrons e Elétrons


O que distingue um átomo de outro? Os átomos não são indivisíveis,
como se poderia concluir pelo significado da palavra átomo
(indivisível). São aglomerados de partículas, cuja disposição é
geralmente comparada à de um sistema solar em miniatura (ÁTOMO
DE BOHR). Este esquema, embora não seja a concepção mais
moderna do átomo, atende bem aos nossos objetivos, e representa o
átomo como um conjunto formado por um NÚCLEO, formado por
PRÓTONS e NÊUTRONS, em torno do qual orbitam minúsculas
partículas chamadas ELÉTRONS.
Os elétrons são partículas de massa muito reduzida, por convenção possuem carga
negativa e estão posicionados em torno do núcleo em níveis e subníveis de energia, também
chamados órbitas ou camadas, muito bem definidas, uns em um sentido e outros em sentido
oposto, variando o número de elétrons em cada órbita.

5 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


5
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Um átomo possui no máximo 7 (sete) órbitas, denominadas K, L, M, N, O, P e Q, sendo que
em cada órbita existe um número máximo de elétrons, distribuídos da seguinte forma:

Órbitas K L M N O P Q
Elétrons 2 8 18 32 32 18 2

A Órbita K é a que fica mais perto do núcleo, sendo acompanhada pelas demais na seqüência
apresentada acima.
O núcleo é na verdade um conjunto de partículas de várias espécies, das quais nos
interessam mais as chamadas PRÓTONS (o homem já identificou mais de uma dezena de
partículas diferentes: prótons, nêutrons, mésons, neutrinos, etc.).
Os prótons possuem carga positiva (também por convenção) e massa muitas vezes
superior à do elétron. É o número de prótons existentes no núcleo de um átomo - NÚMERO
ATÔMICO - que determina o tipo de átomo e varia de um elemento químico para outro. Em um
átomo nas condições normais, o número de elétrons é igual ao número de prótons e portanto a
sua carga elétrica total é nula, ou seja, ele é eletricamente neutro.
Os nêutrons não possuem carga e, para o estudo da eletricidade, não são considerados
partículas importantes.
A figura abaixo mostra, esquematicamente, um átomo de Silício, que possui 14 prótons em
seu núcleo e 14 elétrons dispostos da seguinte forma:

2 elétrons na camada K

8 elétrons na camada L

4 elétrons na camada M

Como o número de prótons é igual ao de elétrons, o átomo está eletricamente neutro. Os


elétrons que se encontram nas órbitas mais próximas do núcleo, devido à grande força de
atração entre eles e os prótons, estão fortemente ligados ao átomo, enquanto que os elétrons
que se encontram nas órbitas mais distantes estão mais fracamente ligados ao átomo.
Isso significa que um átomo pode ter a constituição das suas últimas órbitas facilmente
alterada com a retirada ou a colocação de elétrons, ficando assim eletrizado positiva ou
negativamente.

IONIZAÇÂO – Ionizar um átomo é alterar o número de elétrons de suas últimas órbitas.

Quando um elétron é retirado de um átomo, este passa a ser um íon positivo ou cátion, pois
o número de prótons fica maior que o de elétrons. Quando um elétron é introduzido em um
átomo, este passa a ser um íon negativo ou ânion, pois o número de elétrons fica maior que
o de prótons.
Um corpo é eletricamente neutro quando todos os seus átomos são eletricamente neutros.
Porém, se seus átomos estão ionizados, ele está eletrizado positiva ou negativamente.

6 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


6
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
7
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 2
CARGAS ELÉTRICAS

2.1 – Eletrização ou Ionização


Normalmente, como foi dito, um átomo eletricamente neutro possui elétrons em quantidade
igual à dos prótons existentes em seu núcleo.
É possível, porém, fazer os átomos de um corpo perderem elétrons ou adquirirem um excesso
de elétrons, transformando-os em ÍONS, isto é, em ÁTOMOS CARREGADOS DE
ELETRICIDADE.
Isto ocorre porque os elétrons são partículas (as menores) com carga elétrica negativa e os
prótons com carga elétrica positiva. Numericamente, a carga de um próton é igual à de um
elétron, porém, como seus efeitos ou ações são opostos, uma é considerada positiva e a outra
negativa. Em um átomo sem carga elétrica, as cargas de um tipo são anuladas pelas de outro
tipo, e dizemos que o átomo está ELETRICAMENTE NEUTRO ou NORMAL. Se, porém, o
átomo perder ou receber elétrons, aquele equilíbrio de cargas deixará de existir e ele se
transformará em um ÍON. Se ficar com falta de elétrons, será um ÍON POSITIVO ou CATION;
se ficar com excesso de elétrons, tornar-se-á um ION NEGATIVO ou ANION.
Um corpo cujos átomos perderam elétrons adquiriu CARGA POSITIVA; se seus átomos
ficaram com um número de elétrons superior ao normal, adquiriu CARGA NEGATIVA.
É comum dizermos também que um átomo ou um corpo ficou ELETRIZADO ou IONIZADO,
significando que adquiriu carga elétrica.
O ato de fazer com que um corpo adquira uma carga elétrica é conhecido como IONIZAÇÃO
ou ELETRIZAÇÃO.
Esta carga, no entanto, ocorre sempre em múltiplos da carga do elétron (ou do próton, uma
vez que possuem módulos iguais). Esta carga é chamada de “Carga Elétrica Fundamental”, ou
“Carga Elétrica Elementar”, e equivale à carga do elétron (negativa) ou do próton (positiva).

A unidade de carga elétrica, no Sistema Internacional (SI) é o Coulomb (C).

1 C = 6,25 x 1018 cargas elementares

O valor das cargas elementares podem ser calculados através de uma regra de três.
Seus valores são:

-19
Carga elétrica do próton: qp = 1,6 x 10 C
-19
Carga elétrica do elétron: qe = – 1,6 x 10 C

Portanto, a carga elétrica total “Q” de um corpo eletrizado pode ser calculada por:

Q=±q.n

8 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


8
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Onde:
Q = carga elétrica total do corpo eletrizado
q = carga elétrica fundamental => próton (+) ou elétron (–)
n = número de prótons ou elétrons em excesso no corpo

Obs.: O número de prótons em excesso corresponde, na realidade, ao número de elétrons


retirados dos átomos do corpo.

2.2 – Processos de Eletrização


Há vários processos para desequilibrar eletricamente os átomos de um corpo. Vejamos alguns
deles:

2.2.1 – Eletrização por Atrito


O primeiro processo de que se tem notícia é o da ELETRIZAÇÃO POR ATRITO ou FRICÇÃO.
Sabe-se que quando um corpo é friccionado com outro, ambos adquirem cargas elétricas, um
por perder elétrons e o outro por recebê-Ios; aquele fica com falta de elétrons, que
corresponde a uma carga positiva, e este com carga negativa ou excesso de elétrons.
Qualquer material pode ser eletrizado deste modo, e suas cargas podem ser constatadas por
experiências simples como a da atração de pequenos corpos leves (bolinhas de sabugueiro,
pedacinhos de papel, etc.).

Na verdade, este foi o primeiro método de eletrização conhecido pelo homem, quando o grego
Tales de Mileto (640 – 546 a.C.) observou que o âmbar, uma substância resinosa, quando
atritado com a lã, passava a atrair corpos leves e de pequenas dimensões. Como em grego a
palavra para designar o âmbar é “elektron”, esse fenômeno ficou conhecido como
“eletricidade”.

Se atritarmos uma régua de plástico com um pano


de seda, a régua adquirirá a propriedade de atrair
pedacinhos de papel, o que mostra que ela ficou
eletrizada. O que ocorre é que elétrons da régua
foram arrancados e transferidos para o pano de
seda, ficando este carregado negativamente e,
aquela, positivamente, com uma carga de módulo
igual ao da carga negativa recebida pela seda.

9 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


9
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2.2.2 – Eletrização por contato
Para explicar a eletrização por contato, vamos relembrar o princípio dos vasos comunicantes,
estudado em Hidrostática (Física). Ele nos ajudará a compreender este processo de
eletrização.
A figura abaixo mostra dois vasos interligados, A e B, um contendo água e o outro vazio. Entre
eles há uma válvula, que se encontra, inicialmente, fechada.

Ao ser aberta a válvula, a água do vaso A se desloca para o vaso B, até que os dois fiquem
com o mesmo nível de água, isto é, até que o equilíbrio hidrostático seja atingido.
Observando a figura, pode-se ver claramente que os dois vasos não contém a mesma
quantidade de água. Essa quantidade é proporcional ao tamenho de cada um. O nível da
água, porém, é o mesmo nos dois vasos.
Fenômeno semelhante ocorre quando encostamos um corpo eletricamente carregado em um
corpo neutro. Os elétrons de um corpo passam para o outro, ou seja, há um fluxo de elétrons
entre os corpos. Esse fluxo é interrompido quando os corpos atingem um determinado
equilíbrio de cargas elétricas, chamado equilíbrio eletrostático.
Note que não afirmamos que os dois corpos passam a ter cargas elétricas iguais, mas que,
uma vez atingido o equilíbrio eletrostático, não há mais fluxo de elétrons.

Vejamos um exemplo:

O corpo condutor A está carregado


negativamente e o corpo condutor B está neutro.
Há um fio de cobre unindo os dois corpos e uma
chave (interruptor) C, que se encontra,
inicialmente, aberta:

Ligando a chave, os elétrons em excesso no


corpo A movem-se para o corpo B, até ser
atingido o equilíbrio eletrostático. No exemplo
anterior, dissemos que a água atingiu o mesmo
nível nos dois vasos. Aqui, diremos que os dois
corpos atingiram o mesmo potencial elétrico.

10 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


10
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A quantidade de carga de cada corpo após o contato vai depender das dimensões dos corpos.
Retomando o exemplo dos vasos interligados, lembramos que a quantidade de água de cada
vaso era proporcional ao seu tamanho. O mesmo acontece com as cargas elétricas: se os
corpos tiverem as mesmas dimensões, as cargas se distribuirão igualmente entre os dois; se
as dimensões forem diferentes, a distribuição de cargas será proporcional, ou seja, o corpo
maior acumulará maior quantidade de cargas elétricas.

2.2.3 – Eletrização por indução


O processo de eletrização por indução está baseado na interação entre as cargas elétricas.
Experimentalmente, constatou-se que, ao interagirem, as cargas elétricas apresentam um
comportamento de repulsão ou de atração. Esse fenômeno traduz um dos princípios
fundamentais da Eletrostática. Esse princípio afirma que:

Cargas de mesmo sinal se repelem e cargas de sinais contrários se atraem.

Considerando esse princípio, analisemos o exemplo que se segue, onde um corpo é eletrizado
por indução:
Considere um corpo condutor A, inicialmente neutro e isolado, como mostra a figura abaixo:

Se aproximarmos de A um corpo B carregado, por exemplo, com uma carga positiva Q, essa
carga provocará, em A, uma movimentação de elétrons, deslocando-os para a face esquerda
de A, mais próxima a B, ali se acumulando, como mostra a figura a seguir:

Desse modo, a face esquerda de A adquire uma carga negativa –q, e a face oposta, à direita,
uma carga igual e contrária +q. Essas cargas adquiridas por A são denominadas cargas
induzidas. Esse fenômeno é denominado indução eletrostática. O corpo A, que sofreu o
processo de separação das cargas, é então denominado induzido e o corpo eletrizado B,
indutor.

11 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


11
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Observe que o número de prótons e elétrons do corpo A permanece o mesmo, pois houve
apenas deslocamento de cargas negativas para a esquerda. Assim, dizemos que o corpo A
está polarizado, ou seja, há um excesso de cargas negativas em uma das suas extremidades
(pólo) e falta destas cargas na outra.
Afastando-se o indutor, o induzido volta à situação inicial. Para que A permaneça eletrizado,
deve-se, após aproximar B de A, realizar a seguinte seqüência de operações:

Mantendo-se B próximo, conectar o corpo A à


terra, como na figura abaixo. Os elétrons serão
então deslocados da terra para o corpo A e
neutralizarão a sua carga induzida positiva. O
corpo A ficará, então, carregado negativamente.

Desfazendo-se a ligação com a terra e, a seguir afastando-se o indutor B, a carga induzida em


A distribui-se por toda a sua superfície, como mostra a figura abaixo:

Observação: O planeta Terra comporta-se como um condutor de grandes dimensões


eletricamente neutro ou com potencial elétrico nulo, com capacidade de fornecer ou receber
elétrons infinitamente sem, no entanto, perder essas características. Por isso é possível a
utilização de pára-raios como receptores de descargas atmosféricas ou sistemas de
aterramento para proteção de instalações elétricas.
Em eletricidade, “terra” é o nome genérico para um pólo eletricamente neutro ou com potencial
elétrico nulo tomado como referência nos circuitos elétricos, cujos símbolos mais utilizados
são:

12 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


12
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2.2.4 – Outros processos de eletrização
– Quando a luz incide sobre determinadas substâncias provoca uma emissão de elétrons, o
que, evidentemente, redunda em uma carga elétrica. A eletricidade produzida deste modo é
denominada FOTOELETRICIDADE.

– O calor também é causa de emissão de elétrons por parte de certos materiais. O filamento
de uma válvula eletrônica, por exemplo, que é semelhante ao filamento de uma lâmpada
incandescente comum, emite elétrons quando sua temperatura se torna suficientemente alta.
Por outro lado, quando duas peças de metais diferentes são unidos por seus extremos e
submetidos a uma diferença de temperatura, observa-se uma corrente elétrica nos mesmos.
Nesses casos, falamos de TERMOELETRICIDADE.

– Certos cristais, como o quartzo, os sais de Rochelle e a turmalina ficam com átomos
ionizados, quando são submetidos a pressões mecânicas. Trata-se do fenômeno conhecido
como PIEZOELETRICIDADE, de grande aplicação.

– A maior parte da energia elétrica que consumimos é obtida fazendo-se passar fios de cobre
através do espaço entre pólos de ímãs; A este fenômeno dá-se o nome de
ELETROMAGNETISMO e é o princípio de funcionamento dos geradores nas grandes usinas
elétricas, dos dínamos e alternadores dos automóveis, etc.

– São muito conhecidos, pelo grande uso que deles fazemos em rádios, lanternas,
automóveis, etc., os GERADORES ELETROQUÍMICOS, também chamados de BATERIAS ou
PILHAS. Nestes dispositivos conseguimos obter cargas elétricas por meio de reações
químicas entre diferentes substâncias. Seu estudo faz parte da ELETROQUÍMICA.

– Também pelo choque de partículas com átomos (elétrons com átomos de certos gases, em
algumas válvulas eletrônicas, por exemplo), ou com certos materiais, é possível obter cargas
elétricas, em conseqüência da emissão de elétrons causada pelo impacto (emissão
secundária).

É importante salientar que os elétrons que se libertam dos átomos são aqueles que giram mais
afastados dos respectivos núcleos. Os elétrons nos orbitais inferiores e os prótons do núcleo
exercem atrações mútuas muito fortes e, graças ao momento de que estão animados, os
elétrons se mantêm em suas órbitas.
Em alguns materiais, porém, os elétrons das últimas órbitas sofrem muito pouco a ação
do núcleo e normalmente se deslocam de átomo para átomo, numa espécie de rodízio
desordenado; são os ELÉTRONS LIVRES.
Os elétrons livres existem em grande número nos materiais chamados BONS
CONDUTORES de eletricidade e não existem, ou praticamente não existem, nos
chamados ISOLANTES.
É esta particularidade que permite a distinção entre essas duas classes de materiais. Como
exemplos de materiais bons condutores, podemos citar a prata, o cobre, o alumínio, o ferro, o
mercúrio. Como exemplos de materiais isolantes, temos: a madeira, o vidro, a porcelana, a
mica, o papel e a borracha. É importante salientar, desde já, que não há condutor ou isolante
perfeito.

13 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


13
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2.3 – Eletroscópios
O eletroscópio é um instrumento que serve para indicar se um corpo está carregado
eletricamente ou não. Existem vários tipos de eletroscópio mas vamos estudar apenas dois.

2.3.1 – Pêndulo Elétrico


É o tipo mais simples de eletroscópio. Constitui-se de uma haste (suporte), um fio ou linha
isolante e uma bolinha leve, que pode ser de cortiça. O pêndulo elétrico funciona da seguinte
maneira:

Se dele aproximarmos um corpo neutro, o pêndulo


não se move, pois não há interação entre as cargas
elétricas.

Se, no entanto, aproximarmos um corpo carregado –


positiva ou negativamente –, a diferença de cargas
entre o corpo eletrizado e a bola do pêndulo
produzirá uma força de atração entre os dois. No
exemplo da figura ao lado, o corpo está carregado
positivamente. Entretanto, o comportamento do
eletroscópio seria exatamente o mesmo se a carga
desse corpo fosse negativa.

Vejamos, agora, o que ocorrerá se houver contato


entre o corpo carregado positivamente e a bola:
alguns elétrons da bola serão atraídos pelas cargas
positivas do corpo, ficando, então, ambos
carregados positivamente. Como cargas do mesmo
nome se repelem, haverá imediata repulsão entre os
dois.

Se o corpo estivesse, inicialmente, carregado negativamente, o resultado seria o mesmo. Só


que, neste caso, tanto o corpo quanto a bola ficariam carregados negativamente, e a
transferência de elétrons se daria do corpo para a bola.

14 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


14
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2.3.2 – Eletroscópio de Folha
Este eletroscópio é mais sensível que o anterior. Veja, na figura abaixo, o esquema desse
instrumento:

Se aproximarmos do topo do eletroscópio um corpo


neutro, as folhas não se moverão.

Se aproximarmos do seu topo um corpo carregado


negativamente, haverá polarização das cargas do
eletroscópio: o topo ficará carregado positivamente e
as folhas, negativamente. Isso vai provocar repulsão
entre as folhas, pois ambas ficarão carregadas com
cargas de mesma natureza, ou polaridade.

No caso de aproximarmos um corpo carregado positivamente, também ocorreria a repulsão


das folhas. So que, neste caso, as cargas teriam as polaridades invertidas.

2.4 – Lei de Coulomb


Já conhecemos o princípio segundo o qual cargas de mesma polaridade se repelem e cargas
de polaridades contrárias se atraem. Esse é o princípio da interação qualitativa entre cargas
elétricas.
Essa interação pode ser estudada também sob o aspecto quantitativo, ou seja, a força (de
atração ou de repulsão) pode ser medida. Quem iniciou o estudo dessa interação sob o ponto
de vista quantitativo foi o físico francês Charles Coulomb (1736 – 1806).

15 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


15
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Depois de realizar uma série de cuidadosas experiências, Coulomb estabeleceu uma lei para
as interações elétricas entre cargas puntiformes:

“A força de interação entre dois corpos pequenos, carregados eletricamente, é


diretamente proporcional ao produto das cargas elétricas e inversamente
proporcional ao quadrado da distância que os separa.”

2.4.1 – Expressão Matemática da Lei de Coulomb


Sejam dois pequenos corpos carregados com cargas “+Q” e “+q”, separados entre si por uma
distância “d”. Pela Lei de Coulomb, sabemos que as cargas interagem de tal modo que
aparece uma força de repulsão em cada uma delas, cuja direção é a da reta suporte que
passa peças cargas.
Para calcularmos o módulo da força de interação “F” que age entre esses dois corpos,
usamos a expressão matemática da Lei de Coulomb:

Q.q
F = K.
d2

Onde:

F = Módulo da força de interação, em Newtons (N)


Q e q = Cargas elétricas, em Coulombs (C)
d = Distância entre os corpos carregados, em Metros (m)
K = Coeficiente de proporcionalidade (depende do meio em que as cargas se encontram)

9 N . m2
O valor de “K” no vácuo é de: K = 9 . 10
C2

Exemplos:
1) Um corpo está carregado positivamente com uma carga de 2,5C. Quantas cargas elementares
(elétrons) estão faltando nesse corpo?
1 C = 6,25 x 1018 cargas elementares
logo, 2,5 C corresponderão a:
2,5 x 6,25 x 1018 = 15,6 x 1018 cargas elementares

16 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


16
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2) Duas cargas de 4 µC e –2 µC estão no vácuo, a 20 cm de distância uma da outra. Calcular o
módulo, a direção e o sentido da força de interação entre elas.

9 x 109 x 4 x 10-6 x 2 x 10-6


F= = 1,8 N
(2 x 10-1)2

A força tem a direção da reta suporte que passa pelas cargas;


Como as cargas são de sinais opostos, o sentido é de atração.

3) Nos vértices de um quadrado colocam-se quatro cargas,


sendo duas positivas e duas negativas, conforme a figura.
Todas as cargas têm o mesmo módulo. Qual o módulo da
resultantedas forças que atuam na carga –q colocada no
centro do quadrado?

Resposta: Zero.

4) Em cada vértice de um hexágono regular há uma


carga cujo sinal está indicado na figura. Todas elas
têm o mesmo módulo. Trace a força resultante
(direção e sentido) que atua na carga +q, colocada no
centro do hexágono.

Resposta:

17 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


17
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 3
CAMPO ELÉTRICO

3.1 – Campo Elétrico Criado por uma Carga Elétrica Puntiforme


Sabemos que existe uma região ao redor da Terra na qual ela faz sentir seu efeito de atração
gravitacional. Essa região recebe o nome de Campo Gravitacional.
Da mesma forma, ao redor de uma carga elétrica também existe uma região na qual a carga
faz sentir seu efeito de interação elétrica. Essa região é chamada de Campo Elétrico.
O estudo do campo elétrico está baseado na Lei de Coulomb. De acordo com essa lei, a força
de interação entre as cargas elétricas é diretamente proporcional às cargas e inversamente
proporcional ao quadrado da distância que as separa.
Analisemos a força de interação que surge entre uma carga Q positiva e uma carga +q,
colocada no ponto A:

A F
+Q +q

Sendo ambas as cargas de mesmo sinal, a carga +q será repelida por Q com uma força F.

Coloquemos a mesma carga +q no ponto B, um pouco mais distante de Q:


B F1
+Q +q

Novamente a carga Q repelirá a carga +q, porém com uma força F1 menor que a força F, já
que a força de interação é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre as
cargas.

Coloquemos, agora, a carga no ponto C, ainda mais afastado de Q:

C F2
+Q +q

A carga Q agirá sobre +q, repelindo-a com uma força F2 menor do que as anteriores.

Enquanto formos afastando a carga +q e a carga Q


continuar agindo sobre ela, podemos dizer que os
pontos onde +q está sendo colocada estão dentro do
campo elétrico criado por Q.
Fora dos limites desse campo, não se observa mais
interação entre as cargas. Note que os limites do
campo elétrico não são bem definidos.

18 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


18
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Campo Elétrico é uma região do espaço ao redor de uma
carga elétrica na qual esta carga faz sentir seu efeito de
interação elétrica sobre outras cargas ali colocadas.

3.2 – Vetor Campo Elétrico


De modo semelhante ao campo gravitacional, a cada ponto do campo elétrico criado por uma
carga está associada uma grandeza vetorial com características bem definidas, a qual
chamaremos Vetor Campo Elétrico. Vejamos:
Seja uma carga Q positiva e um ponto P do espaço, situado a uma distância d da carga. Se
colocarmos, no ponto P, sucessivamente, cargas positivas q1, q2, q3, ... qn, tais que q1 < q2 < q3
< ... < qn, a carga Q exercerá sobre elas forças respectivamente iguais a F1 < F2 < F3 < ... < Fn.
Constata-se que a razão entre cada força e sua carga é um valor constante. Assim:

F1 F2 F3 Fn
= = = ... = = K
q1 q2 q3 qn

Essa constante de proporcionalidade é o Vetor Campo Elétrico, que representaremos por E.


Generalizando, temos:

F
E =
q

Se a unidade de força é o Newton (N) e a de carga é o Coulomb (C), a unidade de E será o


Newton por Coulomb (N/C).

3.3 – Módulo do Vetor Campo Elétrico


Da expressão do campo elétrico, temos que:

F=E.q

De acordo com a expressão da Lei de Coulomb, temos que:

K.Q.q
F =
d2

Igualando as duas expressões, podemos escrever:

K.Q.q
E.q =
d2

19 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


19
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Dividindo ambos os membros por q, teremos:

K.Q
E =
d2

Repare que a letra “q”, que representa a carga colocada no campo, não aparece nesta
expressão. Esse fato leva a uma conclusão muito importante:

O Módulo do Vetor Campo Elétrico num determinado


ponto, situado a uma distância “d” da carga criadora
do campo, não depende da carga colocada no campo,
mas tão somente da carga criadora e da distância.

3.4 – Direção do Vetor Campo Elétrico


Seja a carga +Q, criadora de um campo elétrico, e os pontos A, B, C e D desse campo.

Cada um dos pontos é caracterizado por um vetor e a


direção desse vetor é a reta suporte que passa pela
carga criadora do campo e pelo ponto considerado.
Dizemos, então, que a direção do campo é radial (na
direção do raio).

3.5 – Sentido do Vetor Campo Elétrico


O vetor campo elétrico pode ter sentido divergente ou convergente, dependendo do sinal da
carga elétrica criadora do campo.
Esses sentidos foram convencionados a partir do resultado da interação entre uma carga
criadora de um campo e uma carga de prova colocada nesse campo.
Carga de Prova é uma carga que serve para determinar o sentido do vetor do campo. Ela é
sempre positiva e infinitamente pequena em relação à carga criadora do campo no qual vai ser
colocada.
Se colocarmos uma carga de prova, positiva por
definição, no campo criado por uma carga também
positiva, a carga de prova será repelida radialmente, já
que as duas cargas têm o mesmo sinal. Assim,
podemos afirmar que:
O sentido do vetor campo criado por uma carga
positiva é sempre divergente.

20 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


20
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Se colocarmos uma carga de prova no campo criado
por uma carga negativa, a carga de prova será atraída
radialmente, já que as duas cargas são de sinais
contrários. Assim:
O sentido do vetor campo criado por uma carga
positiva é sempre convergente.

3.6 – Campo Elétrico Criado Por Mais De Uma Carga


No item anterior analisamos o vetor campo elétrico criado por uma só carga puntiforme. No
caso de cargas múltiplas, o vetor campo resultante será a soma vetorial dos campos criados
por cada carga individualmente.
A soma vetorial poderá ser efetuada por qualquer dos processos de adição de vetores que
você conhece.

3.7 – Linhas de Força


Uma das formas de representar o vetor campo elétrico em sua direção, sentido e módulo é
traçar vetores com tamanhos e direções diferentes, de modo que caracterizem cada ponto do
campo.
Assim, os vetores em pontos mais distantes da carga criadora são menores do que nos pontos
mais próximos da carga.
Já vimos, no item 3.5, a representação das linhas de força que representam o campo elétrico
produzido por uma única carga. Veremos agora como são representadas em alguns dos
inúmeros casos de interação entre mais de uma carga.

A configuração das linhas de força para o campo de


interação entre duas cargas de sinais contrários é do
tipo apresentado na figura ao lado, isto é, são linhas
que começam na carga positiva e terminam na
negativa.

No caso da interação entre duas cargas de mesmo


sinal, as configuraçoes das linhas de força são do tipo
apresentado na figura ao lado.
Neste caso, haverá um ponto, situado na reta suporte
que liga as duas cargas, onde a intensidade do campo
(e a força) será nula. Se as duas cargas forem iguais,
isso ocorrerá no ponto médio entre as duas cargas.

21 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


21
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Para o caso de duas placas paralelas carregadas com cargas de sinais contrários, as linha de
campo saem da placa positiva e vão para a placa negativa. Estas linhas são paralelas entre si.
Neste caso, dizemos que entre as duas placas o campo elétrico é uniforme.
Campo Elétrico Uniforme é aquele onde o vetor E é o mesmo em todos os pontos. Assim,
em cada ponto do campo, o vetor E tem a mesma intensidade, a mesma direção e o mesmo
sentido. A figura abaixo exemplifica um campo elétrico uniforme formado entre duas placas:

+ + + + + + + + + + + + + + + + + +

– – – – – – – – – – – – – – – – – – –

22 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


22
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 4
TENSÃO E CORRENTE ELÉTRICA

4.1 - Potencial Elétrico


Sempre que um corpo é capaz de enviar elétrons para outro, ou dele receber estas
partículas, dizemos que tem POTENCIAL ELÉTRICO. Se um corpo "A" manda elétrons
para um outro corpo "B", DIZ-SE QUE "A" É NEGATIVO EM RELAÇÃO A "B" e,
naturalmente, "B" é POSITIVO EM RELAÇÃO A "A".
Dois corpos entre os quais pode se estabelecer um fluxo de elétrons apresentam uma
DIFERENÇA DE POTENCIAL (d.d.p.).
Vimos, assim, que entre dois corpos (ou dois pontos quaisquer de um circuito elétrico) que
apresentam situações elétricas diferentes há sempre a POSSIBILIDADE DE SE
ESTABELECER UMA CORRENTE ELÉTRICA, isto é, existe uma DIFERENÇA DE
POTENCIAL.
Esta grandeza é conhecida também como FORÇA ELETROMOTRIZ (f.e.m.), TENSÃO,
VOLTAGEM ou PRESSÃO ELÉTRICA.
Sua unidade é o VOLT (V) e é designada geralmente pela letra ”V” e algumas vezes por
“E” ou “U”.

4.2 - Corrente Elétrica


Quando um átomo adquire carga elétrica, sua tendência natural é voltar às condições normais,
isto é, ficar eletricamente neutro. Evidentemente, um corpo eletrizado tende a perder sua
carga, libertando-se dos elétrons em excesso ou procurando receber elétrons para satisfazer
suas necessidades. Assim, é fácil concluir que basta unir corpos em situações elétricas
diferentes, para que se estabeleça, de um para o outro, um fluxo de elétrons - UMA
CORRENTE ELÉTRICA.
Este fenômeno pode ocorrer, portanto, em qualquer uma das possibilidades abaixo:
a) entre um corpo com carga positiva e outro com carga negativa;
b) entre corpos com cargas positivas, desde que as deficiências de elétrons não sejam iguais;
c) entre corpos com cargas negativas, desde que suas cargas não tenham o mesmo valor;
d) entre um corpo com carga positiva e outro neutro;
e) entre um corpo com carga negativa e outro neutro.
Para se ter uma idéia exata da grandeza (INTENSIDADE) de uma corrente elétrica, tornou-se
necessário estabelecer um padrão, e, deste modo, fala-se do maior ou menor número de
elétrons que passam por segundo num determinado ponto de um condutor, quando se quer
dizer que a corrente é mais forte ou mais fraca.
Falar em elétrons que passam por segundo é, porém, deixar de ser prático, pois as
quantidades envolvidas nos problemas correspondem a números muito grandes. A fim de
eliminar esse inconveniente, faz-se uso de uma unidade de carga – o COULOMB (C) – que
corresponde a 6,25 X 1018 elétrons.
Quando se diz que a carga de um corpo é de - 3 C, isto significa que ele tem um excesso
(indicado pelo sinal) de 3 X 6,25 X 1018 elétrons. Se sua carga fosse indicada pelo valor +5,8
C, compreenderíamos que lhe faltavam (carga positiva) 5,8 X 6,25 X 1018 elétrons.

23 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


23
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Vê-se que é grande a conveniência de usar o Coulomb como unidade de carga elétrica e de
falar do número de Coulombs que passam por segundo, para indicar a INTENSIDADE DA
CORRENTE ELÉTRICA (I).
Uma intensidade de corrente de 1 COULOMB POR SEGUNDO (1C/s) é o que chamamos de 1
AMPÈRE (A). Se, por exemplo, tivessem passado 30 Coulombs por um certo ponto, no tempo
de 10 segundos, diríamos que a intensidade da corrente era de 3 Ampères (3 Coulombs por
segundo). Naturalmente que, durante as considerações que fizemos, foi admitida uma corrente
de valor uniforme.
Do exposto, concluímos que a intensidade de uma corrente elétrica é a quantidade de
eletricidade (ou carga elétrica) que passa num determinado ponto, por unidade de tempo.
Representando por "Q" a quantidade de eletricidade, por "t" o tempo e por "I" a intensidade
da corrente:

Q
I=
t
donde

Q=I.t

Sabemos que é normal, em um grande número de aplicações, a utilização de circuitos


elétricos durante horas, e, por isso, utiliza-se uma unidade prática de quantidade de
eletricidade muito conveniente chamada AMPÈRE-HORA (Ah).
Um Ampère-hora é a quantidade de eletricidade que passa por um ponto de um condutor em 1
hora, quando a intensidade de corrente é de 1 Ampère. Como 1 hora corresponde a 3.600s,
então 1Ah = 3.600C.

4.3 - Sentido da Corrente Elétrica


No início deste capítulo, chamamos de corrente elétrica ao movimento dos elétrons.
Entretanto, este é um assunto que, em virtude de uma simples questão de denominação, traz
dificuldades no seu entendimento, apesar de nada ter de difícil ou complexo. Isto porque,
antes de adquirir os conhecimentos atuais sobre a constituição da matéria, o homem já fazia
uso da eletricidade e dizia que "algo" percorria os condutores, tendo chamado este fenômeno
de corrente elétrica e arbitrado um sentido para a mesma. Com o conhecimento dos elétrons,
verificou-se que eram eles que se movimentavam nos condutores e produziam os efeitos
atribuídos àquele "algo". Havia, porém, um imprevisto: o sentido do movimento dos elétrons
não era o mesmo que havia sido convencionado para a chamada corrente elétrica!
Teria sido muito simples mudar o sentido da corrente até então adotado, e considerar a
corrente elétrica e o fluxo de elétrons como uma única coisa. Contudo, dois grupos se
constituíram, cada um com uma opinião diferente. Assim, foram estabelecidos dois sentidos
para a corrente elétrica.
Quando o sentido da corrente elétrica é considerado igual ao dos elétrons, fala-se em
SENTIDO ELETRÔNICO; quando se admite que o sentido da corrente é oposto ao do movi-
mento dos elétrons, fala-se em SENTIDO CONVENCIONAL ou CLÁSSICO.

24 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


24
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
25 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
25
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
4.4 - Tipos de Corrente Elétrica
Há dois tipos de corrente elétrica: corrente contínua (C.C.) e corrente alternada (C.A.).
Sabemos que uma corrente elétrica num condutor sólido é um fluxo de elétrons. Quando
ligamos um aparelho elétrico a uma fonte de eletricidade, e os elétrons que percorrem o
aparelho SAEM SEMPRE DO MESMO TERMINAL do gerador, dizemos que a CORRENTE É
CONTÍNUA, isto é, tem sempre o mesmo sentido; neste caso, a fonte é um GERADOR DE
CORRENTE CONTÍNUA.
O gerador de C.A. é aquele de onde os elétrons saem, ora de um terminal ora do outro.
Conseqüentemente, os elétrons ficam num vai-e-vem no circuito; durante algum tempo, um
dos terminais é negativo em relação ao outro e, logo a seguir, as coisas se invertem. Esta
mudança de sentido é normalmente periódica, variando, de acordo com o gerador, o número
de vezes por segundo. em que há mudança no sentido da corrente.
A C.A. é, por natureza, de intensidade variável. A C.C. pode ter ou não um valor constante.
Como exemplos mais comuns de fontes de C.C. podemos citar as pilhas e baterias. Os
geradores existentes nas grandes usinas geradoras de energia (Itaipu, etc.) são fontes de C.A.

4.5 - Resistência Elétrica


Sabemos agora que, se houver uma d. d. p. entre dois pontos e eles forem postos em
contato, haverá a produção de uma corrente elétrica. É evidente que o meio (o material
usado para ligar os dois pontos) irá oferecer uma certa dificuldade ao deslocamento dos
elétrons; esta oposição que um material oferece à passagem de uma corrente elétrica é
denominada RESISTÊNCIA ELÉTRICA (R).
Como conseqüência natural dessa dificuldade, podemos citar a produção de calor em
qualquer corpo percorrido por uma corrente elétrica, e podemos tomar como UNIDADE DE
RESISTÊNCIA ELÉTRICA, A RESISTÊNCIA DE UM CORPO EM QUE É PRODUZIDA
UMA QUANTIDADE DE CALOR DE UM JOULE, QUANDO ELE É ATRAVESSADO POR
UMA CORRENTE DE UM AMPÈRE, DURANTE UM SEGUNDO. Esta unidade é chamada
OHM e indicada com a letra Ω (ômega), do alfabeto grego.
Quando unimos dois pontos por meio de um fio, cuja resistência sabemos que é de 1
OHM, e nele se estabelece uma corrente de intensidade igual a 1 AMPÈRE, dizemos que
entre os pontos considerados existe 1 VOLT.

Uma forma fácil de entendermos os conceitos apresentados é fazendo uma analogia com
os circuitos hidráulicos.
Suponhamos uma caixa d’água, com uma capacidade L em litros, instalada a uma altura
H, da qual sai uma tubulação com um diâmetro D, atravessada por uma vazão V, como na
figura abaixo:

H D
V

26 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


26
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
27 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
27
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A vazão (V) será função da pressão (P) dada pela altura da coluna d’água (H) e da
dificuldade que a água encontrar para vencer a perda de carga da tubulação (G), que por
sua vez é inversamente proporcional ao diâmetro (D). O tempo de esvaziamento da caixa
será função da vazão e da quantidade de água armazenada (L).
Assim, podemos dizer que V é diretamente proporcional a P e inversamente proporcional a
G.
Fazendo-se uma analogia ao circuito elétrico, encontramos a seguinte correspondência:

Pressão (P) => Tensão (Volts)


Vazão (V) => Corrente (Ampères)
Perda de carga => Resistência (Ohms)
Volume de água => Carga (Coulomb)

4.6 - Primeira Lei de Ohm


George Simon Ohm estudou as relações entre a tensão (V), a intensidade de uma corrente
elétrica (I) e a resistência elétrica (R), e chegou à seguinte conclusão, conhecida como
LEI DE OHM:

"A INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA NUM CONDUTOR É DIRETAMENTE


PROPORCIONAL À FORÇA ELETROMOTRIZ E INVERSAMENTE PROPORCIONAL
À SUA RESISTÊNCIA ELÉTRICA."

Em outras palavras: se mantivermos constante a resistência elétrica, a intensidade da corrente


aumentará se a tensão aumentar, e diminuirá se a tensão diminuir. Se a tensão for mantida
constante, a intensidade da corrente decrescerá se a resistência aumentar, e crescerá se a
resistência for reduzida.
Eis a equação que corresponde à lei de Ohm:

V
I=
R

I = Intensidade da corrente, em AMPÈRES (A)


V = tensão, em VOLTS (V)
R = resistência elétrica, em OHMS (Ω)

28 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


28
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Da expressão acima, podemos deduzir que:

V
V=R.I e R=
I

IMPORTANTE !

NUNCA se deve concluir, porém, ao observar as expressões acima, que a


resistência é diretamente proporcional à tensão e inversamente proporcional à
intensidade da corrente; como veremos adiante, a resistência elétrica de um
corpo depende apenas das características físicas por ele apresentadas. Quanto à
tensão, é bom lembrar que é CAUSA e não EFEITO.

4.7 - Queda de Tensão


Esta expressão é utilizada para designar a diferença de potencial entre dois pontos quaisquer
num circuito elétrico, principalmente entre os extremos de um elemento do mesmo, como por
exemplo, um resistor (componente construído com o objetivo de oferecer uma determinada
resistência à passagem da corrente elétrica).

4.8 - Condutância
Condutância (G) é o inverso da resistência; refere-se, portanto, à facilidade encontrada pelos
elétrons ao se deslocarem por um corpo qualquer. A unidade de condutância é o SIEMENS
(S).
Assim, de acordo com sua definição,

1 I
G= ou G=
R V

29 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


29
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Exercícios de fixação

1 – Determinar o número de elétrons que percorreram o filamento de uma lâmpada, em 10 segundos,


sabendo que um amperímetro acusou uma corrente de 2A. R: 125 x 1018 elétrons

2 – Qual o tempo necessário para que o filamento de uma lâmpada seja percorrido por uma carga de
0,003 C, se a corrente que ele solicita é de 0,03 A ? R: 0,1s

3 – Se a quantidade de eletricidade que percorreu um circuito foi de 2C, no tempo de 10s, qual era a
intensidade de corrente no mesmo? R: 0,2A

4 – Um ferro elétrico esteve ligado durante meia hora, e um medidor colocado no circuito acusou uma
corrente de 5A. Qual a carga que passou pelo ferro? R: 2,5Ah

5 – Qual a corrente máxima que uma bateria de acumuladores com uma “capacidade” de 30Ah pode
fornecer durante 5 horas? R: 6A

6 – Um ferro elétrico ligado a uma rede de 127 V é percorrido por uma corrente de 10 A. Qual o valor de
sua resistência? R: 12,7Ω

7 – Num circuito, um amperímetro indica uma corrente de 10 A. O aparelho que está ligado tem uma
resistência de 300 ohms. Qual a tensão do gerador? R: 3kV

8 – Que valor deverá ter um resistor, para solicitar uma corrente de 0,5 A ao ser ligado a uma fonte de 30
V ? Qual a quantidade de eletricidade que irá percorrê-lo em meia hora ? R: R = 60Ω; Q = 0,25Ah

9 – Uma torradeira elétrica é projetada para solicitar 6 A, quando é ligada a uma tensão de 110V. Qual
será o valor da corrente ao ser ligada numa rede de 120V ? R: 6,55A

10 – Através de um resistor de 10Ω passa uma quantidade de eletricidade de 1Ah no tempo de 6 minutos.
Calcular a tensão aplicada. R: 100V

11 – Qual o valor da carga que atravessa um resistor de 30Ω ao ser ligado a uma fonte de 120V, durante
3horas? R: 12Ah

12 – Um resistor é atravessado por uma carga de 2,4C em 2 minutos, ao ser submetido a uma ddp de
30V. Qual o valor do resistor? Qual a corrente que o atravessará? R: R = 1,5kΩ; I = 0,02A

13 – Qual o tempo de recarga de uma bateria de celular com capacidade de 1,5Ah, se o seu carregador
tem capacidade de fornecer uma corrente de 250mA? R: 6 horas
14 – Um motorista esqueceu o seu carro com os dois faróis ligados. Em quanto o tempo a sua bateria de
12V x 50Ah se descarregará, se cada farol drena uma corrente de 5A? Qual deverá ser a corrente
fornecida pelo carregador, para recarregá-la em 8 horas? R: td = 5h; Ic = 6,25A

Obs: A resolução de alguns desses exercícios encontra-se no apêndice, no final da apostila.

30 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


30
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 5
TRABALHO ELÉTRICO, ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA ELÉTRICA
LEI DE JOULE - RENDIMENTO

5.1 – Trabalho Elétrico


Sabemos que está sendo realizado um trabalho, toda vez que um corpo se movimenta.
Quando unimos com um condutor dois pontos entre os quais existe uma d.d.p., e nele se
estabelece uma corrente elétrica, que é constituída por elétrons em movimento, estamos
evidentemente realizando um trabalho que, pela sua natureza, é denominado TRABALHO
ELÉTRICO.
O trabalho elétrico produzido, aqui representado pela letra “W”, depende da carga elétrica
conduzida; quanto maior o número de Coulombs que percorrem o condutor, em conseqüência
de uma determinada d.d.p. aplicada aos seus extremos, maior o trabalho realizado. Também é
fácil concluir que, quanto maior a tensão aplicada aos extremos do mesmo condutor, maior a
intensidade da corrente e, portanto, maior o trabalho elétrico.
Uma grandeza que depende diretamente de duas outras depende também do produto delas, o
que nos permite escrever que

W=V.Q

W = trabalho elétrico
V = tensão
Q = carga elétrica

O trabalho realizado para transportar UM COULOMB de um ponto a outro, entre os quais


existe uma d.d.p. de UM VOLT, é o que chamamos de UM JOULE (J):

1 JOULE = 1 VOLT X 1 COULOMB


W = V x Q
Da equação vista acima, podemos tirar outras fórmulas úteis no cálculo do trabalho elétrico.

Vimos que
Q=I.t
Portanto
W=V.I.t

W = trabalho, em JOULES (J)


V = tensão, em VOLTS (V)
I = corente, em AMPÈRES (A)
t = tempo, em SEGUNDOS (s)
31 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
31
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
5.2 - Lei de Joule
A lei de Joule refere-se ao calor produzido por uma corrente elétrica nun condutor, e o seu
enunciado é o seguinte:

“A QUANTIDADE DE CALOR PRODUZIDA NUM CONDUTOR POR UMA


CORRENTE ELÉTRICA É DIRETAMENTE PROPORCIONAL:
a) À RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO CONDUTOR;
b) AO QUADRADO DA INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA;
c) AO TEMPO DURANTE O QUAL A CORRENTE PERCORRE O CONDUTOR.”

Sob a forma de equação:

W = R . I2 . t

Substituindo “R” e “I” usando a Lei de Ohm, temos:

V2
W = V.I.t = .t
R

W = Quantidade de calor (trabalho realizado), em JOULES (J)


I = Intensidade da corrente, em AMPÈRES (A)
R = Resistência do condutor, em OHMS (Ω)
t = Tempo, em SEGUNDOS (s)

É comum determinar a quantidade de calor em CALORIAS (cal), o que implica escrever a


equação na forma abaixo:

Qc = 0,239 . R . I2 . t

0,239 = fator para transformação de Joules em Calorias.

Relacionemos agora a lei de Joule com a equação abaixo, que nos permite determinar a
quantidade de calor absorvida ou liberada por um corpo, quando sua temperatura é variada:

Qc = m . c . ∆θ

32 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


32
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Qc = Quantidade de calor, em CALORIAS (cal)
m = massa do corpo, em GRAMAS (g)
c = Calor específico do material que constitui o corpo (dado em tabelas)
∆θ (delta teta) = Variação da temperatura, em GRAUS CELSIUS (ºC)

Com esta equação podemos, por exemplo, calcular a quantidade de calor necessária para
fazer variar a temperatura de uma certa quantidade de água e, com o valor obtido (Qc)
podemos determinar o tempo necessário para que uma dada corrente elétrica, percorrendo um
aquecedor elétrico, produza a variação desejada.

EXEMPLO:
Qual o tempo necessário para que uma corrente de 2A, em um elemento aquecedor de 30 Ω
de resistência, faça variar de 20ºC para 98ºC a temperatura de 2 litros de água?

SOLUÇÃO:
m = 2.000g (densidade da água = 1)
c = 1 (no caso da água)
∆θ = 98 – 20 = 78º C

Qc = m . c . ∆θ = 2.000 x 1 x 78 = 156.000 cal

Qc 156.000
t= = = 5.439 s ( ~ 1h30min )
0,239 x I2 x R 0,239 x 22 x 30

5.3 - Energia Elétrica


Energia é a capacidade de produzir trabalho. Quando dizemos que uma pilha elétrica tem
energia, isto significa que ela é capaz de produzir um trabalho elétrico num condutor ligado aos
seus terminais. Se a pilha, depois de algum tempo de uso, não pode produzir uma corrente no
condutor, dizemos que ela não tem mais energia, ou seja, não é mais capaz de realizar
trabalho.
Ora, se um corpo só tem energia enquanto pode realizar trabalho, é evidente que o máximo de
trabalho que ele poderá efetuar corresponde ao máximo de energia que possui, isto é, o
trabalho que é realizado sempre corresponde a uma certa quantidade de energia gasta.
Em face do exposto, designamos a energia gasta com as mesmas unidades de trabalho e
utilizamos as mesmas equações para calcular o trabalho realizado e a energia consumida.

5.4 - Potência Elétrica


Potência é a rapidez com que se gasta energia, ou a rapidez com que se produz trabalho.
Podemos dizer também que é a energia gasta na unidade de tempo. Sob a forma de equação,
a potência é igual a:

33 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


33
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
W
P=
t

W = energia, em JOULES (J)


t = tempo, em segundos (s)
P = potência, em JOULES POR SEGUNDO (J/s)

Obs: o joule/segundo é conhecido também como WATT (W), que é a potência utilizada para
que seja realizado um trabalho de 1 JOULE EM CADA SEGUNDO.

Como
W=V.I.t
Temos

P=V.I

P = Potência, em WATTS (W)


V = Tensão, em VOLTS (V)
I = Corrente, em AMPÈRES (A)

Substituindo “V” e “I” usando a Lei de Ohm, temos:

V2
P= ou P = R . I2
R

Para grandes potências, utiliza-se como unidade de energia, o Watt hora (Wh), ou seus
múltiplos (kWh e MWh).

Obs.: Os motores elétricos, normalmente, têm sua potência expressa em C.V. (Cavalo-Vapor),
que equivale a 736 W.
Assim, podemos escrever:

1 CV = 736 W = 0,736 kW
1 kW = 1,36 C.V.

Uma outra unidade usada para potência é o HP (Horse-Power). 1 HP = 746W

34 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


34
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
5.5 - Rendimento ou Eficiência
Segundo Lavoisier, “Na Natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.” Devemos,
porém, ter consciência que nos processos de transformação, nem tudo se transforma da
maneira que desejamos, ou no que desejamos.
Isso é particularmente notável quando um determinado tipo de energia é convertido em outro
ou quando um trabalho é realizado. Em outras palavras, existem perdas no processo de
transformação.
Note-se que o termo “perdas”, como aqui foi empregado, não significa que alguma energia se
perdeu, pois isso contraria o princípio básico de Lavoisier. Na realidade, o que ocorre é que
apenas uma parte da energia inicial se tansforma na energia que desejamos utilizar, ou seja,
energia útil. O restante é transformado em outro tipo de energia que não é exatamente aquela
que queremos utilizar, e que corresponde às perdas no processo (muitas vezes sob a forma de
calor).

À razão entre a energia útil e a energia total consumida pelo processo, damos o nome de
rendimento ou eficiência, que é representado pela letra grega η (eta)

Matematicamente, o rendimento é expresso como:

Pu
η= x 100
Pt

η = rendimento (%)
Pu = Potência Útil
Pt = Potência Total

Obs.: Na fórmula acima, ao invés de potência, pode ser usada energia. O resultado é o
mesmo, pois os tempos, como são iguais, se anulam.

Como dito acima, em um grande número de processos de conversão de energia as “perdas”


se dão na forma de calor. Exceção óbvia para os processos de aquecimento, onde a energia
útil é exatamente a térmica.

EXEMPLOS:
O rendimento (em média) de uma lâmpada incandescente é de apenas 5%, ou seja: apenas
5% da energia consumida é convertida em luz. Os 95% restantes são convertidos em calor. Já
as lâmpadas fluorescentes podem atingir um rendimento de 30%, ou seja: podem ser até 6
vezes mais eficientes que as incandescentes.

Um motor de indução trifásico tem um rendimento que pode variar de 45% até 95%,
dependendo da sua potência, número de pólos, condições de trabalho, etc.

Transformadores de tensão de grande porte chegam a 98% de rendimento, sendo


considerados as máquinas mais eficientes que existem.

35 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


35
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Exercícios de Fixação (resolução de alguns no apêndice) Considerar 1 kWh = R$ 0,48
1 – Um condutor ligado a uma fonte de 50V é percorrido por uma corrente de 2A. Calcular a quantidade
de eletricidade que o percorre em 3 horas e a energia consumida no mesmo tempo.R: Q=6Ah; W=300Wh
2 – Um fogão elétrico solicita 7A quando é ligado a uma fonte de 120V. Qual a despesa com o seu
funcionamento durante 25 horas? R? R$10,08
3 – O fio usado em um aquecedor elétrico tem uma resistência de 57Ω. Calcular: a) a energia que
consome em 3 horas, sabendo que solicita uma corrente de 2A; b) a tensão da fonte a que está ligado.
R: a) 684 Wh; b) 114 V
4 – Que tensão deve ser aplicada a um aquecedor de 600W, para que solicite uma corrente de 12A?
Determinar também a sua resistência e a energia que consome em 3 horas.
R: V = 50V; R = 4,17 Ω; W = 1,8 kWh
5 – Um amplificador de áudio tem potência de saída de 250W. Sabendo que o seu rendimento é de 60%,
qual será o seu custo mensal de operação se for utilizado 4 horas por dia? R: R$24,00
6 – Um gerador, com uma potência de 500W, está fornecendo uma corrente de 10A ao circuito externo.
Determinar: a) a energia consumida no circuito externo em meia hora; b) a tensão do gerador; c) a
resistência do circuito externo. R: a) 250Wh; b) 50V; c) 5Ω
7 – Um motor alimentado por uma tensão de 230V solicita uma corrente de 75A. Qual a potência de
entrada do motor? Qual a potência mecânica (em C.V.) fornecida pelo motor, se o seu rendimento for de
75%? R: Pi = 17,25 kW; Po = 17,6 CV
8 – Uma resistência de aquecimento é completamente mergulhada em um vaso contendo 6 litros de água
e, após 5 minutos, a temperatura da água aumentou 3ºC. Qual a potência da resistência? R: 251W
9 – Qual a energia consumida por uma lâmpada em 3 horas, se a corrente que percorreu seu filamento era
de 0,5 A ao ser ligada numa tensão de 120V ? Determinar também a potência da lâmpada e o custo
mensal da energia caso a mesma fique ligada permanentemente.
R: W = 180Wh (em 3h); P = 60W; Custo = R$ 20,74
10 – Um forno elétrico, alimentado por uma tensão de 380V, tem em seu interior 10 resistores de 100
ohms ligados em paralelo. Qual o seu custo operacional mensal, sabendo-se que o mesmo é ligado
diariamente durante 8 horas por dia? R: R$1.663,49
11 – Um chuveiro elétrico tem uma potência de 4.400W quando ligado a uma rede de 127V. Qual a
corrente que o seu fio de ligação deverá suportar? Qual o valor da sua resistência? Tomando-se dois
banhos diários, de 20 minutos cada, com o chuveiro ligado durante todo o tempo do banho, qual o custo
mensal dos banhos? R: I = 34,6A; R = 3,67Ω; Custo = R$42,24
12 – Calcular a potência dissipada por um resistor de 10 ohms ao ser ligado em uma fonte de 10V. Caso
o mesmo resistor seja ligado a uma fonte de 20V, qual será a nova potência? R: P1 = 10W; P2 = 40W
13 – Se um aquecedor elétrico solicita 3,8A quando é ligado a uma fonte de 230V, determinar o tempo
necessário para que 1,7 litros de água atinjam o ponto de ebulição, admitindo que a temperatura inicial da
água era de 12ºC e o rendimento do aquecedor é de 70%. R: t ≈ 17 min
14 – Um processo precisa aquecer de 25ºC para 85ºC 1.000 litros de água em 1 hora. Sabendo-se que a
tensão disponível é de 380V e a eficiência do aquecimento é de 85%, calcular o valor da resistência e a
sua potência dissipada. Calcule também a energia mensal consumida e o seu custo, considerando que
esse processo se repete 6 vezes por dia. R: R = 1,76Ω; P = 82kW; W = 14.760kWh; Custo = R$ 7.084,80
15 – Um aquecedor elétrico deve ser usado para aquecer 5 litros de água. O dispositivo solicita 2A
quando ligado a uma rede de 110V. Desprezando o calor dissipado pelo tanque, determinar o tempo
necessário para elevar a temperatura da água de 15ºC para 80ºC. R: 1h43min
16 – Que resistência deve ter um resistor destinado a liberar 72 calorias por segundo, ao ser ligado a uma
fonte de 100V? R: 33,2Ω

36 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


36
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
17 – Uma lâmpada tem indicada, no seu bulbo, uma potência de 100W e tensão de alimentação de 220V.
Calcular a sua potência ao ser ligada a uma tensão de 110V. R: 25W

37 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


37
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 6
RESISTÊNCIA ELÉTRICA – RESISTORES

6.1 - Resistência
Todos os corpos apresentam resistência elétrica, ou seja, oferecem oposição à passagem de
uma corrente elétrica.

A resistência de um corpo é determinada pelas suas dimensões e pelo material que o constitui,
e pode variar conforme a sua temperatura.

Se medirmos a resistência de vários corpos condutores, todos com a mesma seção


transversal, feitos do mesmo material e à mesma temperatura, verificaremos que apresentará
maior resistência aquele que tiver o maior comprimento, o que nos permite concluir que A
RESISTÊNCIA ELÉTRICA É DIRETAMENTE PROPORCIONAL AO COMPRIMENTO DO
CORPO.

Do mesmo modo, se tomarmos vários condutores de comprimentos iguais, todos feitos com o
mesmo material e à mesma temperatura, observaremos que apresentará maior resistência o
que tiver menor seção transversal, e poderemos concluir que A RESISTÊNCIA ELÉTRICA É
INVERSAMENTE PROPORCIONAL À SEÇÃO TRANSVERSAL DO CORPO.

Por último, poderíamos medir a resistência de vários condutores, todos com o mesmo
comprimento, a mesma seção transversal e à mesma temperatura, porém feitos de materiais
diferentes. Verificaríamos que, apesar de serem iguais os fatores já considerados, haveria
diferenças nas medições efetuadas. Isto faz-nos concluir que O MATERIAL QUE CONSTITUI
O CORPO, isto é, a sua estrutura, INFLUI NA RESISTÊNCIA QUE OFERECE.

Para podermos avaliar a influência que os materiais de que são constituídos os corpos
exercem sobre as suas resistências elétricas, tomamos amostras dos mesmos com dimensões
(comprimento e seção transversal) escolhidas, todas na mesma temperatura, e medimos suas
resistências. Os valores encontrados são resistências correspondentes a comprimentos e
seções conhecidos, e como sabemos que a resistência é diretamente proporcional ao
comprimento e inversamente proporcional à seção transversal será fácil determinar a
resistência de um corpo feito de um determinado material e com seção transversal e
comprimento conhecidos.

Os valores a que nos referimos no item anterior são organizados em tabelas, nas quais são
esclarecidas as unidades de comprimento e seção utilizadas. Esses valores são conhecidos
como RESISTÊNCIAS ESPECÍFICAS ou RESISTIVIDADES dos materiais a que se referem.
Não é difícil concluir que a resistência de um corpo é diretamente proporcional à sua
resistividade, que designamos com a letra grega ρ (rhô).

38 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


38
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
6.2 - Segunda Lei de Ohm
A Segunda Lei de Ohm expressa a relação entre as características acima descritas da
seguinte forma:

“A resistência R de um material é diretamente proporcional à sua resistividade ρ e ao


seu comprimento L, e inversamente proporcional à área da sua seção
transversal S.”

Sob a forma de equação:

ρt . L
Rt =
S

R t = resistência do corpo numa determinada temperatura "t", em OHMS (Ω)


L = comprimento do corpo, em METROS
S = área da seção transversal do corpo, em METROS QUADRADOS (m2)
ρ t = resistividade do material de que é feito o corpo, na mesma temperatura "t" em que se
deseja determinar a resistência, em OHMS.METRO (Ω.m).

EXEMPLO:
Determinar a resistência de um fio de Níquel-Cromo com 0,5 mm de diâmetro e 5m de
comprimento.
ρ = 110 x 10-8 Ω.m (NiCr a 20ºC)

SOLUÇÃO:

π . d2 3,14 x (0,5 x 10-3)2


S= = = 19,6 x 10-8 m2
4 4

110 x 10-8 x 5
R= = 28 Ω
19,6 x 10-8

39 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


39
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
6.3 - Resistência x Temperatura
Quando estudamos a Segunda Lei de Ohm no tópico anterior, verificamos que ela fazia
referência à temperatura. Isso porque a resistividade dos materiais varia com a temperatura e
o seu coeficiente de variação de temperatura, ou simplesmente coeficiente de temperatura, é
diferente para cada material. Ele é simbolizado pela letra grega α (alfa) e sua unidade de
medida é o [ ºC-1 ].

A variação da resistividade com a temperatura pode ser calculada pela expressão:

ρ = ρo . (1 + α.∆θ)

ρ = Resistividade do material, em [Ω.m], à temperatura T


ρo = Resistividade do material, em [Ω.m], à uma temperatura de referência To
α = coeficiente de temperatura do material, em [ ºC-1 ]
∆θ = T – To = variação da temperatura, em [ºC]

Neste caso, a variação da resistência com a temperatura pode ser calculada pela proporção

R ρ
=
R0 ρo

Como a variação da resistência é proporcional à variação da resistividade, que por sua vez é
proporcional à variação da temperatura, podemos também afirmar que:

R = Ro . (1 + α.∆θ)

EXEMPLO:
Calcular a resistência a 145ºC de um fio de cobre que a 20ºC apresenta uma resistência medida
de 1,5 Ω
α = 4 x 10-3 ºC-1 (Cobre)

SOLUÇÃO:
R = Ro (1 + α.∆T)
R = 1,5 x [1 + 4 x 10-3 x (145 – 20)]
R = 1,5 x [1 + 4 x 10-3 x (125)]
R = 1,5 x (1 + 0,5) = 1,5 x (1,5)
R = 2,25 Ω
40 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
40
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Através deste exemplo, observamos que uma elevação de temperatura de 125ºC aumenta a
resistência do Cobre em 50%.

6.4 – Resistores
Resistores são dispositivos construídos com a finalidade de apresentam uma determinada
resistência elétrica. São, em geral, construídos com materiais que apresentam alta
resistividade. Sua aplicação é vasta no campo da eletricidade e da eletrônica.
Podem ser fixos ou variáveis e são classificados de acordo com o material com o qual são
construídos.

6.4.1 – Resistores de fio


São construídos com um fio condutor de alta resistividade (em geral, Níquel-Cromo) enrolado
em um cilindro de porcelana. O comprimento e o diâmetro do fio, assim como a sua
resistividade, determinam a sua resistência elétrica. Nas suas extremidades são soldados dois
terminais e, em seguida, é aplicada uma camada de material isolante a fim de protegê-lo de
poeira e umidade.
Em geral, os resistores de fio são empregados onde se necessita baixa resistência (de
unidades a centenas de Ohms) e/ou alta capacidade de dissipação de potência (acima de
5W). Os resistores de fio possuem alta tolerância, em geral 10% a 20%.

6.4.2 – Resistores de filme de carbono


Também chamados de “resistores de carvão”, são construídos a partir de uma base de
porcelana, sobre a qual é depositada uma película (filme) de carbono. Nesta película são feitos
sulcos helicoidais que alteram as suas dimensões, de forma a se atingir a resistência
desejada. Os terminais são, então, soldados nas duas extremidades e em seguida o resistor é
revestido por uma camada protetora isolante, na qual são impressos os anéis coloridos que
informam o seu valor (dezenas de Ohms a alguns Mega Ohms) e tolerância (em geral entre
5% e 10%). Esse assunto será abordado com detalhes em 6.5. Abaixo, um diagrama
esquemático de um resistor de carvão.

6.4.3 – Resistores de filme metálico


Tem estrutura semelhante à do resistor de carbono, porém a película é feita de uma liga
metálica de Níquel-Cromo. Dessa forma obtém-se valores mais precisos de resistência, ou
seja, tolerâncias mais baixas, da ordem de 1% a 2%. Esses resistores são fabricados para
uma ampla faixa de resistências, de dezenas de Ohms atá dezenas de Mega Ohms.

41 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


41
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Além do valor ôhmico e da tolerância, existe outra importante especificação que deve ser
considerada quando utilizamos resistores: trata-se da máxima dissipação de potência
suportada pelo resistor, ou seja, a temperatura máxima que ele suporta.
Em resistores de carvão ou de filme metálico, as potências mais comuns são de 1/8 W, ¼ W,
½ W e 1 W. Nos de fio, as mais comuns são 5 W, 10 W e 20 W.

Os símbolos utilizados para os resistores fixos estão representados na figura abaixo, assim
como algumas fotografias:

Resistor de Carvão Resistor de Fio


ABNT ANSI 1 kΩ x 5% 4,7 Ω x 5W x 5%

6.4.4 – Resistores variáveis


Em algumas aplicações é necessário que se possa
variar o valor de uma resistência, como por
exemplo, ajustar o volume de um rádio, variar os
graves e agudos de um amplificador, calibrar um
instrumento, etc. Nesses casos, utilizamos
resistores variáveis, ou seja, cujo valor pode ser
variado. A estrutura básica de um resistor variável
encontra-se na figura ao lado:

Sua estrutura básica é composta de três terminais, sendo dois conectados às duas
extremidades do material resistivo e o terceiro conectado a um cursor móvel acionado por um
eixo, que se desloca ao longo desse material, que pode ser de carbono ou de fio, deslizando
sobre ele.
Esses resistores são chamados de potenciômetros, ou reostatos, e os seus símbolos mais
utilizados estão representados nas figuras abaixo:

ABNT ANSI

42 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


42
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Abaixo, fotos de potenciômetros de carbono e de fio.

Potenciômetros de Carbono

Simples Duplo, com chave Potenciômetro de Fio

Os potenciômetros podem ter suas escalas de variação de vários modos: as mais comuns são
a escala linear e a escala logarítmica. Esta última é particularmente utilizada em controles de
volume de aparelhos sonoros, de forma a melhor acompanhar a sensibilidade do ouvido
humano.

Existe um tipo especial de resistor variável (também chamado semi-variável), cuja operação
não fica acessível ao usuário, uma vez que fica instalado na parte interna do aparelho e é
acessível somente ao técnico. É utilizado geralmente em calibrações e ajustes e é chamado
de trimpot (do inglês trimming potentiometer). Quando é necessária uma maior sensibilidade
e/ou precisão no ajuste, são utilizados trimpots multivoltas (10 a 20 voltas). Abaixo, fotos
ilustrativas de alguns tipos de trimpots.

Trimpots Trimpots Multivoltas

6.5 – Codificação de resistores


Como a maioria dos resistores utilizados em eletrônica são de tamanho bastante pequenos, a
impressão direta do seu valor sobre o corpo do componente ficaria ilegível. Além disso,
dependendo da sua posição de montagem no circuito, a impressão poderia ficar oculta. Assim,
foi criado um código que permitisse a sua leitura de qualquer ângulo. Esse código consiste em
faixas pintadas no corpo do resistor, onde cada cor corresponde a um algarismo de 0 a 9 e a
sua função e o seu peso dependem da posição na qual foi pintada. A tolerância do resistor
também é representada por faixas coloridas.

43 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


43
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Abaixo, a tabela representando o valor de cada cor e a sua função de acordo com a posição.
1ª Faixa 2ª Faixa 3ª Faixa 4ª Faixa 5ª Faixa
Cor
(Alg. Signif.) (Alg. Signif.) (Alg. Signif.) (Multiplicador) (Tolerância)
Preto 0 0 x1
Marrom 1 1 1 x 10 ± 1%
Vermelho 2 2 2 x 102 ± 2%
Laranja 3 3 3 x 103
Amarelo 4 4 4 x 104
Verde 5 5 5 x 105
Azul 6 6 6 x 106
Violeta 7 7 7 x 107
Cinza 8 8 8 x 108
Branco 9 9 9 x 109
Ouro x 10-1 ± 5%
Prata x 10-2 ± 10%

Obs.: Alguns resistores, de tolerâncias maiores (em geral de 5% a 20%), são marcados com
apenas 4 faixas. Nesses casos, a 3ª faixa é a multiplicadora e a 4ª indica a tolerância
Os resistores de 20% não possuem faixa indicativa de tolerância.

Exemplo: Determinar o valor dos resistores cujas faixas encontram-se listadas abaixo:
1ª Faixa 2ª Faixa 3ª Faixa 4ª Faixa 5ª Faixa Valor
Vermelho Vermelho Laranja Ouro 22 kΩ x 5%
Marrom Verde Preto Amarelo Marrom 1,5 MΩ x 1%
Amarelo Violeta Preto Laranja Vermelho 470 kΩ x 2%
Amarelo Violeta Amarelo Ouro 470 kΩ x 5%
Marrom Vermelho Laranja Prata 10 kΩ x 10%
Azul Cinza Vermelho Ouro 6,8 kΩ x 5%
Branco Marrom Laranja Ouro 91 kΩ x 5%
Amarelo Violeta Ouro Ouro 4,7 Ω x 5%
Verde Azul Laranja Prata 56 kΩ x 10%
Marrom Cinza Vermelho Ouro 1,8 kΩ x 5%
Vermelho Violeta Vermelho Ouro 2,7 kΩ x 5%
Vermelho Vermelho Amarelo Prata 220kΩ x 10%
Laranja Laranja Preto Vermelho Marrom 33 kΩ x 1%
Vermelho Vermelho Vermelho Ouro 2,2 kΩ x 5%
Amarelo Violeta Preto Prata 47 Ω x 10%
Amarelo Violeta Marrom Ouro 470 Ω x 5%
Violeta Vermelho Amarelo Ouro 720 kΩ x 5%
Marrom Vermelho Amarelo Prata 120 kΩ x 10%
Violeta Vermelho Amarelo Ouro 720 kΩ x 5%
Cinza Vermelho Prata Ouro 0,82 Ω x 5%
Marrom Verde Marrom Ouro 150 Ω x 5%

44 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


44
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 7
ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES – CIRCUITOS SIMPLES DE C.C.

Neste capítulo abordaremos os diversos tipos de associação de resistores, assim como


circuitos que envolvem apenas uma fonte de energia.

7.1 - Associação de Resistores


Resistores podem ser associados de três formas diferentes e o valor da resistência total
depende do modo pelo qual eles foram associados. Essa associação ou combinação de
resistores pode ser efetuada de três modos:
- SÉRIE
- PARALELA
- MISTA

A associação em série resulta num aumento de resistência, pois as resistências dos diversos
resistores se somam:

Req = Rt = R1 + R2 + R3 + . . .

Req = Rt = resistência total ou equivalente


R1, R2, R3, etc. = resistências dos diversos resistores

Para ligar resistores em série é necessário unir um dos terminais de um deles a um dos
terminais do outro. A resistência total é a que existe entre os terminais livres.
R1 R2 R3

Três resistores em série

Associar resistores em paralelo é ligá-Ios de tal modo que os extremos de cada um fiquem
ligados diretamente aos extremos correspondentes dos outros, e os dois pontos que resultam
das uniões são os extremos da ligação:
R1

R2

R3

Três resistores em paralelo

45 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


45
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A resistência total neste caso é sempre menor do que o menor valor utilizado na ligação e é
determinada do seguinte modo:

1 1 1 1
= + + + ...
Rt R1 R2 R3

Quando trabalhamos com apenas dois resistores, podemos usar a expressão abaixo, derivada
da anterior:

R1 . R2
Rt =
R1 + R2

A associação mista é simplesmente a combinação das formas anteriores, e apresenta


simultaneamente as características mencionadas.

7.2 – Circuitos de C.C.


Para que tenhamos um circuito, basta que liguemos um dispositivo elétrico a uma fonte
geradora de eletricidade. O dispositivo que recebe a energia elétrica do gerador é chamado
CARGA ou CONSUMIDOR e é representado normalmente pela sua resistência elétrica. A
ligação da(s) carga(s) ao gerador é feita normalmente por meio de fios de material condutor de
eletricidade.
Vários aparelhos ou cargas podem ser ligadas ao mesmo gerador, constituindo circuitos mais
complexos.
De acordo com o modo como estão ligados os elementos que atuam como consumidores de
energia em um circuito, este pode ser classificado em um dos três tipos abaixo:

- SÉRIE
- PARALELO
- MISTO

7.3 - Características dos circuitos em série


Num circuito em série, todos os elementos ligados à fonte estão em série e a corrente dispõe
de um único caminho unindo os terminais da fonte, ou seja: a corrente é igual em todos os
elementos do circuito. A tensão total é igual à soma das quedas de tensão nos resistores.

R1 R2 R3 R4

It

+ -
V
46 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
46
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.3.1 – Divisor de tensão
Uma associação série de resistores se comporta como um divisor de tensão, uma vez que a
tensão total aplicada ao circuito subdivide-se entre os resistores, proporcionalmente aos seus
valores.
A corrente elétrica, ao atravessar os resistores em série, causará, em cada um, uma queda de
tensão igual a:
Vi = Ri . I
onde “i” representa o índice de cada resistor.
A corrente que passa pelos resistores é igual a:

V V
I = => I =
R1 + R2 + ... + Rn Req

Substituindo a equação da corrente na equação da queda de tensão, teremos a equação genérica


do divisor de tensão:

Ri
Vi = V.
Req

7.4 - Características dos circuitos em paralelo


Num circuito em paralelo, todos os elementos ligados à fonte estão em paralelo e, assim, a
corrente dispõe de vários caminhos ligando os terminais da fonte. Por outro lado, como todos
os elementos estão conectados à mesma fonte de energia, a tensão é igual em todos os
elementos do circuito.

It

+
V I1 R1 I2 R2 I3 R3
-

It

A intensidade total da corrente é a soma das intensidades medidas nos diversos braços
(derivações) do circuito.

It = I 1 + I 2 + I 3

47 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


47
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.4.1 – Divisor de corrente
Como vimos acima, em uma associação paralela de resistores, a corrente total se divide entre
os vários braços do circuito. Uma vez que, quanto menor a resistência maior a corrente, essa
divisão é inversamente proporcional ao valor das resistências.
A corrente em cada resistor será igual a:

V
Ii =
Ri

onde “i” representa o índice de cada resistor

A tensão aplicada aos resistores pode ser expressada por:

V = Req . It

Substituindo-se a tensão na equação da corrente, temos:

Req
Ii = It .
Ri

7.4.1.1 – Divisor de corrente com dois resistores


Este é um caso particular do divisor de corrente, pois é formado por apenas dois resistores.
Como vimos, na associação paralela de dois resistores, a resistência equivalente é igual a:

R1 . R2
Req =
R1 + R2

Substituindo-se esta expressão na expressão genérica do divisor de corrente, temos:

R1 . R2
R1 + R2 R1 . R2 R2
I1 = It . = It . => I1 = It .
R1 R1 (R1 + R2) R1 + R2

R1 . R2
R1 + R2 R1 . R2 R1
I2 = It . = It . => I2 = It .
R2 R2 (R1 + R2) R1 + R2

48 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


48
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.5 - Características dos circuitos mistos
Estes circuitos apresentam, simultaneamente, as características dos circuitos em série e em
paralelo, pois são combinações dos dois tipos.

R1 R4

+
V R2 R3 R5
-

R6

Obs.: Todos os geradores ou fontes de alimentação não ideais apresentam uma resistência
própria, que é conhecida como RESISTÊNCIA INTERNA. Quando existir, esse valor deve ser
computado como se fosse um dos componentes do circuito, em série com o gerador.

Este assunto será estudado com mais detalhes no capítulo 8 desta apostila.

49 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


49
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Exercícios de fixação:

1 – Três resistores (10, 30 e 50 ohms) foram ligados em série. Em seguida, foi aplicada ao
conjunto uma tensão de 270V. Determinar:
a) A resistência total Rt
b) A corrente total It e a corrente em cada resistor (I1, I2, I3)
c) A queda de tensão em cada resistor (V1, V2, V3)
d) A energia consumida pelo circuito em 3 horas
e) A potência dissipada pelo resistor de 50 ohms

2 – Quatro resistores de, respectivamente, 2, 4, 12 e 60 ohms foram associados em paralelo. O


conjunto foi ligado a uma fonte desconhecida. Determinar a tensão da fonte e a intensidade de
corrente que ela fornece, sabendo que a tensão medida nos terminais do resistor de 12 ohms foi
de 240V. Determinar ainda a resistência total.

3 – No circuito abaixo, calcular:

a) A resistência equivalente
b) A corrente fornecida pelo gerador
c) A queda de tensão em cada resistor
d) A potência dissipada em cada resistor
e) A potência fornecida pelo gerador
f) A energia consumida por cada resistor em 30 min.
g) A energia fornecida pelo gerador em 1h30min.

R1 = 8Ω

R2 = 3Ω
+
V = 12V R4 = 20Ω

R3 = 2Ω

50 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


50
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.6 - Ponte de Wheatstone
Se observarmos o circuito abaixo, poderemos concluir que não existirá corrente em “R”
quando não houver diferença de potencial entre “A” e “B”, ou seja: VA = VB.

R1 R3
+ R
V A B

R2 R4

Sabendo que VA = VB e também que:

V.R2 V.R4
VA = e VB =
R1 + R2 R3 + R4

Temos:

V.R2 V.R4
= R2 (R3 + R4) = R4 (R1 + R2)
R1 + R2 R3 + R4

R2.R3 + R2.R4 = R1.R4 + R2.R4 R2.R3 = R1.R4

Quando esta condição é satisfeita, dizemos que a ponte está EM EQUILÍBRIO.

51 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


51
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Este circuito é conhecido como PONTE DE WHEATSTONE, principalmente na forma da figura
abaixo, onde um galvanômetro (instrumento que indica a existência de uma corrente elétrica)
substitui o resistor “R”.

R1 R3

+
V G

R2 R4

Este circuito é muito útil e de grande precisão para a medição de resistências. Utilizando um
Resistor Variável ou uma Década Resistiva em um dos braços, podemos determinar o valor de
um resistor qualquer colocado em outro braço, mantendo fixo o valor dos outros dois, como
mostra a figura abaixo:

RX RV

+
V G R2 . RV
– RX =
R4

R2 R4

52 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


52
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.7 - Circuitos Equivalentes de Três Fios
Há combinações especiais de três resistores ou condutores que não podem ser simplificados
como os circuitos em série, em paralelo e mistos. É verdade que podemos resolvê-los
aplicando outros métodos de resolução de circuitos, que serão abordados mais adiante, mas,
em face de serem encontradas com tanta freqüência, fazemos uso de regras especiais para
sua solução.
Uma delas é a ligação ESTRELA, que poderá ser encontrada numa das três formas abaixo:

Este tipo de ligação também é conhecido como ligação “Y” ou “T”.

O outro tipo é chamado de ligação TRIÂNGULO, e recebe também as denominações de


ligação ∆ (delta) ou π (pi):

7.8 - Transformação Estrela – Triângulo / Triângulo – Estrela


É possível converter um tipo de ligação em outro e isso é utilizado para facilitar a resolução de
alguns circuitos. Isso é feito de forma que as características do circuito permanecem
inalteradas.
1

R1
R13 R12

R3 R2

3 2
R23
53 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
53
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.8.1 - Transformação Estrela – Triângulo:

R1.R2 + R2.R3 + R1.R3


R12 =
R3

R1.R2 + R2.R3 + R1.R3


R13 =
R2

R1.R2 + R2.R3 + R1.R3


R23 =
R1

7.8.2 - Transformação Triângulo – Estrela:

R12.R13
R1 =
R12 + R13 + R23

R12.R23
R2 =
R12 + R13 + R23

R13.R23
R3 =
R12 + R13 + R23

EXEMPLO:
Dado o circuito abaixo, transformá-lo em outro equivalente, aplicando o método de
transformação triângulo-estrela, e achar a sua resistência equivalente.

1
3Ω 4Ω

2
6Ω

2Ω 5Ω
3

54 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


54
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Solução:
Para resolver, transformaremos o triângulo da direita (definido pelos pontos 1, 2 e 3) em
estrela, ficando o circuito da seguinte forma:

1
3Ω R1
R2
2

2Ω R3
3

4x6 24
R1 = = = 1,6 Ω
4+5+6 15

4x5 20
R2 = = = 1,33 Ω
4+5+6 15

5x6 30
R3 = = = 2Ω
4+5+6 15

O circuito ficará, então, da seguinte forma:

1
3Ω 1,6 Ω
1,33 Ω
2

2Ω 2Ω
3

Cálculo da resistência equivalente:

3 + 1,6 = 4,6 Ω
2+2=4Ω

4,6 x 4
Rt = 1,33 + = 3,47 Ω
4,6 + 4

55 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


55
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 8
GERADORES

Geradores são dispositivos de dois polos (dipolos) capazes de fornecer energia elétrica.
Podem ser classificados em Geradores de Tensão e Geradores de Corrente, dependendo do
seu funcionamento.

8.1 – Geradores de Tensão


São os geradores mais utilizados. Basicamente, são dispositivos que convertem algum tipo de
energia em energia elétrica, como foi estudado no item 2.2.4 desta apostila (pilhas, baterias,
dínamos, alternadores, etc.).
O gerador de tensão ideal é aquele que mantém a tensão de saída constante, independente
da corrente que fornece ao circuito que alimenta, como mostra a figura abaixo:

I
Vs

E
E RL Vs

Vs = E
I
Gerador Ideal

Na prática, no entanto, isso não ocorre, pois sempre existirão perdas internas, sendo, a mais
importante, a perda por efeito joule. Assim, o gerador real sempre apresentará uma
resistência interna, sendo representado pelo seu circuito equivalente, que é um gerador ideal
em série com a sua resistência interna, como mostra a figura abaixo:

I Vs

E
Ri
RL Vs Perda

E
I
Vs = E – Ri.I
Gerador Real

Quando o gerador está sem carga ou em aberto (RL = ∞), I = 0 e, por conseguinte, não há
queda de tensão em Ri, ou seja: (Ri . I = 0). Então a tensão de saída Vs terá o mesmo valor
de E.
Por outro lado, se curto-circuitarmos a saída do gerador, sua tensão de saída será Vs = 0 e a
corrente será máxima (I = E/Ri). Daí concluímos que, quanto menor a resistência interna do
gerador, menor será a queda de tensão (perda por efeito joule) e melhor será o gerador.

56 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


56
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Esses dois pontos definem uma reta, que é chamada de Curva Característica do Gerador.
Pela equação da Lei de Ohm, sabemos que a resistência pode ser representada graficamente
através de uma função linear (R = V/I), ou seja, uma reta. Essa reta é chamada de Reta de
Carga e a sua interseção com a Curva Característica do Gerador define o Ponto de
Operação do circuito, ou Ponto Quiescente (Q), como pode ser observado na figura abaixo:

Vs Gerador em Aberto

E R
Q
Vs Gerador em Curto

I
IQ E
ICC =
Ri

O rendimento do gerador é dado pela expressão:


Vs Vs
η =
E
ou η(%) =
E
x 100 [%]

8.2 – Máxima Transferência de Potência


A potência desenvolvida ou dissipada na carga será igual a (PS = Vs . IQ), e é representada
pela área hachurada na figura acima. Essa área será máxima quando:

ICC E E
IQ = = ou Vs =
2 2.Ri 2

Isso ocorrerá quando RL = Ri, ou seja, quando a resistência de carga for igual à resistência
interna do gerador.

Exemplo: E = 40V; Ri = 10Ω RL = variando de 0 a 140Ω

Para cada valor de RL, teremos uma potência de saída correspondente, conforme a tabela:

R (Ω) 0 2 5 7 10 15 20 30 40 50 60 70 80 90 105 120 140


Ps (W) 0,0 22,2 35,6 38,8 40,0 38,4 35,6 30,0 25,6 22,2 19,6 17,5 15,8 14,4 12,7 11,4 10,0

57 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


57
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
No gráfico, vemos que a potência máxima na carga (40W) ocorre quando RL = Ri = 10Ω.

PS (W)

40

35

30

25

20

15

10

0
0 2 5 7 10 15 20 30 40 50 60 70 80 90 105 120 140 RL (Ω)

8.3 – Máxima Transferência de Tensão


Existem muitos casos em que desejamos que toda a f.e.m. gerada internamente pelo gerador
seja transferida para a carga. Um bom exemplo disso é a rede pública de distribuição de
energia, na qual se deseja que a tensão nominal de 127V seja entregue a todos os
consumidores, sem quedas ou atenuações.
Outro exemplo seria um amplificador de diversos estágios, no qual se deseja que a tensão de
saída de um estágio seja entregue integralmente à entrada do estágio seguinte.
Nesse caso, quanto menor a resistência interna do gerador (Ri), menor a queda de tensão por
ela provocada. Por outro lado, quanto maior a resistência de carga (RL), menor a corrente
consumida e, por conseguinte, menor a queda na resistência interna do gerador (Ri).
Em outras palavras, podemos afirmar que, para uma máxima transferência de tensão, Ri deve
ser o menor possível e a resistência de carga o maior possível, ou simplesmente:

RL >> Ri

8.4 – Geradores de corrente


Apesar de os geradores de corrente serem muito menos utilizados do que os geradores de
tensão, seu estudo é importante para a compreensão de determinados dispositivos e circuitos
elétricos e eletrônicos.
Um gerador de corrente ideal é um dispositivo que fornece uma corrente constante a uma
carga (RL), qualquer que seja o valor desta carga. Sabemos, no entanto, que, da mesma forma
que o gerador de tensão, um gerador de corrente ideal não existe. Um gerador real é
representado como um gerador ideal em paralelo com uma resistência interna (Ri). As figuras
abaixo mostram a representação de um gerador de corrente ideal e de um gerador de corrente
real.

58 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


58
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
IG = IL IG IL

Ii
IG RL IG Ri RL

Gerador Ideal Gerador Real

No gerador real, a resistência interna consome parte da corrente gerada, fazendo com que
IL < IG .

8.5 – Equivalência entre Geradores de Tensão e Corrente


Um gerador de tensão e um gerador de corrente são considerados equivalentes quando
ambos possuem a mesma resistência interna e fornecem a mesma tensão e a mesma corrente
a uma determinada carga.
Consideremos as figuras abaixo, mostrando dois geradores equivalentes:

IL IG IL

Ri Ii
RL Ri RL
IG
E

No gerador de tensão, temos: E para o gerador de corrente, temos:

E Ri
IL = IL = IG .
Ri + RL Ri + RL

Igualando as equações:

E IG.Ri
=
Ri + RL Ri + RL

Simplificando:

E = Ri . IG

59 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


59
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
8.6 – Impedâncias de Entrada e de Saída
A impedância (Z), da mesma forma que a resistência, é uma oposição à passagem da corrente
elétrica, tem a mesma unidade (Ohms), porém difere daquela por apresentar um
comportamento diferente para CC e AC, uma vez que é influenciada por reatâncias capacitivas
e reatâncias indutivas, que por sua vez também são oposições apresentadas à passagem da
corrente alternada por capacitores e indutores. A reatância também e medida em Ohms.
Um estudo mais completo da impedância está publicado na Apostila de Eletricidade II.
Então, quando queremos nos referir à dificuldade apresentada à passagem da corrente de
forma mais abrangente, nos referimos à impedância.
No caso particular de um gerador alimentando uma carga, podemos dizer que a impedância
interna do gerador é a sua impedância de saída, enquanto que a resistência de carga faz o
papel da impedância de entrada da carga como um todo.
Assim, se quisermos transferir a máxima potência, devemos igualar, ou “casar”, a
impedância de saída do circuito gerador com a impedância de entrada do dispositivo a ser
alimentado por ele. Como visto em 7.2:
RL = Ri

No caso de desejarmos a máxima transferência de tensão, a impedância de saída do


gerador deve ser a mais baixa possível e a impedância de entrada da carga o mais alta
possível, ou como vimos em 7.3:
RL >> Ri

Gerador Carga

Ri
E Zo = Ri Zi = RL RL

Zo = Impedância de saída (output)


Zi = Impedância de entrada (input)

60 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


60
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 9
ANÁLISE DE CIRCUITOS C.C.

Até este capítulo, temos estudado circuitos simples, cuja resolução foi possível aplicando
somente a Lei de Ohm. Trataremos agora de diversos métodos de resolução de circuitos mais
complexos.

Antes, porém, vejamos o significado de três expressões que serão muito utilizadas doravante:

NÓ – é o ponto de concorrência de três ou mais braços;


BRAÇO – é uma porção de circuito que liga dois nós consecutivos, e onde todos os elementos
que nele figuram estão em série;
CIRCUITO FECHADO – é o caminho percorrido quando partimos de um nó, realizamos um
certo percurso e voltamos ao mesmo nó. No circuito fechado todos os elementos estão em
série.

b
A B

A e B são nós.

AaB é um braço (só elementos em série)


AbB é outro braço (só elementos em série)
AcB é outro braço (só elementos em série)

AaBbA é um circuito fechado (só elementos em série)


AaBcA é outro circuito fechado (só elementos em série)
AbBcA é outro circuito fechado (só elementos em série)

61 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


61
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
9.1 – Método da Superposição
Este método é baseado no “Teorema da Superposição”:

“Em uma estrutura com mais de uma fonte de força eletromotriz, a corrente resultante
em qualquer braço é igual à soma algébrica das correntes que seriam produzidas pelas
diversas fontes, se cada uma atuasse isoladamente e as outras fossem substituídas
pelas respectivas resistências internas”.

Em outras palavras, para resolver uma estrutura ativa por esse método, transformaremos a
estrutura em tantos circuitos quantos forem os geradores; em cada circuito será considerado
apenas um dos geradores, e dos outros só serão tomadas as resistências internas. No caso de
considerarmos geradores ideais, eles serão substituídos por um curto-circuito (R = 0).
Arbitra-se, então, sentidos para as correntes nos diversos braços.
Em seguida, cada circuito será resolvido pela aplicação do que foi aprendido no estudo dos
circuitos em série, paralelo e mistos, e serão achados diversos valores de correntes para um
dado braço. A soma algébrica desses valores será o valor real da corrente que passa no
resistor considerado.
Correntes parciais com o mesmo sentido das suas correspondentes arbitradas inicialmente
têm sinal positivo. Correntes parciais com sentido contrário àquelas arbitradas
inicialmente, têm sinal negativo. Caso o resultado da sua soma algébrica seja negativo,
significa que o sentido inicialmente arbitrado estava invertido.

Exemplo:
Se desejássemos determinar as correntes no circuito abaixo:

R1 R2

I1 I2
+ +
V1 I3 R3 V2
– –

Transformá-lo-íamos, então, nos circuitos abaixo:

R1 R2 R1 R2

I1’ I2’ I1’’ I2’’


+ +
V1 I3’ R3 I3’’ R3 V2
– –

62 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019


62
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Resolveríamos, então, esses circuitos mistos e, em seguida, efetuaríamos a soma algébrica
dos valores encontrados para as correntes.
I1 = I1’ + I1’’
I2 = I2’ + I2’
I3 = I3’ + I3’

EXEMPLO: Determinar I1, I2 e I3, aplicando o método da superposição.

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

I1 I2
+ +
V1 = 84V I3 R3 = 6Ω V2 = 21V
– –

Decompondo o circuito e resolvendo as novas estruturas:

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

I1’ I2’ I1’’ I2’’


+ R3 = 6Ω +
V1 = 84V I3’ I3’’ R3 = 6Ω
V2 = 21V
– –

R2 // R3 => Req = 2Ω R1 // R3 => Req = 4Ω


Rt = 12 + 2 = 14Ω Rt = 3 + 4 = 7Ω
I1’ = 84 / 14 I1’ = 6A I2’’ = 21 / 7 I2’’ = 3A
VR1 = 12 x 6 = 72V VR2 = 3 x 3 = 9V
VA = 84 – 72 = 12V VA = 21 – 9 = 12V
I2’ = 12 / 3 I2’ = 4A I1’’ = 12 / 12 I1’’ = 1A
I3’ = 12 / 6 I3’ = 2A I3’’ = 12 / 6 I3’’ = 2A

I1 = 6 – 1 = 5A Obs.: I1’’ e I2’’ possuem sentidos


I2 = 4 – 3 = 1A opostos a I1 e I2, respectivamente.
I3 = 2 + 2 = 4A Por isso são negativas.
63 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019
63
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
9.2 – Leis de Kirchoff
Estas leis, cujos enunciados damos a seguir, não nos são totalmente desconhecidas, pois já
as aplicamos na resolução dos circuitos em série e em paralelo. Com mais algumas
convenções e esclarecimentos estaremos aptos a aplicá-las no cálculo de quaisquer circuitos.

1ª Lei de Kirchoff
“A soma das correntes que chegam em um nó é igual à soma das correntes que dele se
afastam”
ou:
“A soma algébrica das correntes que se aproximam e se afastam de um nó é igual a
zero”.
Portanto, quando vários condutores se encontram em um ponto, a corrente total que flui em
direção a esse ponto é igual à corrente total que dele se afasta:

I1
I5
I4
I2 I3

I1 + I4 = I2 + I3 + I5 ou I1 – I2 – I3 + I4 – I5 = 0

2ª Lei de Kirchoff
“A soma algébrica das Forças Eletromotrizes nos diferentes braços de um circuito
fechado é igual à soma algébrica das quedas de tensão nos mesmos”.

Σ V = Σ R.I

Como exemplo, no circuito abaixo:

R1

+ R2 V = R1.I + R2.I + R3.I


V I

R3

59 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 59


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Na resolução de problemas com auxílio dessas leis, temos de estabelecer sistemas de
equações para as diversas correntes e tensões.
Chamando de “b” o número de braços e “n” o número de nós, temos tantas equações da
primeira lei quantos são os nós menos um:

Equações da 1ª lei (equações das correntes) = n – 1

Temos, também, tantas equações da 2ª lei quantos são os braços menos os nós mais um:

Equações da 2ª lei (equações das tensões) = b – n + 1

Para a obtenção das equações referentes à 2ª lei (relativa às tensões), há necessidade de


seguir as normas abaixo:
1 – Arbitrar um sentido para a corrente em cada braço;
2 – Adotar um sentido de percurso para cada circuito fechado (preferencialmente o mesmo
sentido para todos os circuitos);
3 – Dar sinal negativo a toda f.e.m. que se opuser ao sentido de percurso adotado;
4 – Dar sinal negativo a todo ptoduto “R.I” em que o sentido da corrente estiver em oposição
ao sentido de percurso adotado.

EXEMPLO:
R1 V1
I2

V2 R2
I3
I1 R3
Sentido de R4 V3
percurso
adotado

Como temos dois nós, precisaremos de (2 – 1 = 1) uma equação dos nós (das correntes).

I 1 = I 2 + I3

Como temos três braços e dois nós, teremos para a 2ª lei (3 – 2 + 1 = 2) duas equações, que
podem ser escolhidas entre as três possíveis apresentadas abaixo:

1) Considerando o circuito fechado formado por R1, V1, R2 e V2:


– V1 – V2 = I2.R1 – I3.R2

60 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 60


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2) Considerando o circuito fechado formado por R1, V1, R3, V3 e R4:
– V1 + V3 = I2.R1 + I1.R3 + I1.R4

3) Considerando o circuito fechado formado por V2, R2, R3, V3 e R4:


V2 + V3 = I3.R2 + I1.R3 + I1.R4

Montado o sistema de equações, basta resolvê-lo.

Observação: Quando aplicamos as leis de Kirchoff e encontramos um resultado negativo para


uma corrente, entendemos que o sentido arbitrado inicialmente não era verdadeiro. O valor do
módulo da corrente, no entanto, é real.

EXEMPLO 1: Determinar I1, I2 e I3, e a tensão entre os pontos “A” e “B”, aplicando as leis de
Kirchoff.

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

I1 I2
+ +
V1 = 84V I3 R3 = 6Ω V2 = 21V
– –

I1 = I2 + I3 (1)
84 = 12 I1 + 6 I3 (2)
-21 = -6 I3 + 3 I2 (3)

Somando-se (2) + (3)

63 = 12 I1 + 3 I2 21 = 4 I1 + I2

I2 = 21 – 4 I1

Substituindo em (1):
I1 = 21 – 4 I1 + I3
I3 = 5 I1 – 21 (4)

61 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 61


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Substituindo em (2):
84 = 12 I1 + 6 (5 I1 – 21)
84 = 12 I1 + 30 I1 – 126
42 I1 = 210 I1 = 5 A

Substituindo em (4):
I3 = 5 (5) – 21 I3 = 4 A

Substituindo em (1):
I2 = 5 – 4 I2 = 1 A

Como as correntes calculadas foram positivas, concluímos que os sentidos arbitrados


inicialmente estavam corretos. Isso, agora, nos permite assinalar as polaridades das quedas
de tensão nos diversos resistores:

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω
+ – + –

I1 + I2
+ +
V1 = 84V I3 R3 = 6Ω V2 = 21V
– – –

Podemos, agora, calcular a tensão no ponto “A”, por um dos três caminhos abaixo:

VR1 = R1 . I1 = 12 x 5 = 60V VR2 = R2 . I2 = 3 x 1 = 3V


VA = V1 – VR1 = 84 - 60 VA = V2 + VR2 = 21 + 3
VA = 24V VA = 24V

VA = R3 . I3 = 6 x 4
VA = 24 V

Reparem que, enquanto a tensão em R1 está em série subtrativa com V1, a tensão em R2
está em série aditiva com V2.

62 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 62


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
EXEMPLO 2: Determinar I1, I2 e I3, e a tensão entre “A” e “B”, aplicando as leis de Kirchoff.

V1 = 10V
R1 = 5Ω + –
I2
A B

V2 = 5V
R2 = 4Ω
I3 – +
I1 R3 = 5Ω
V3 = 20V
R4 = 15Ω
+ –

I1 = I2 + I3
– 10 – 5 = 5 I2 – 4 I3
– 10 + 20 = 5 I2 + 5 I1 + 15 I1

I1 = I2 + I3 (1)
– 15 = 5 I2 – 4 I3 (2)
10 = 5 I2 + 20 I1 (3)

Multiplicando (2) por (-1):


I1 = I2 + I3
15 = – 5 I2 + 4 I3
10 = 5 I2 + 20 I1

Somando (2) + (3):


25 = 20 I1 + 4 I3 donde I3 = 25 – 20 I1
4
Substituindo em (1):
I1 = I2 + 25 – 20 I1 4 I1 = 4 I2 + 25 – 20 I1
4

24 I1 = 4 I2 + 25 donde: I1 = 4 I2 + 25 (4)
24

63 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 63


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Substituindo em (3):

4 I2 + 25 80 I2 + 500
10 = 5 I2 + 20 10 = 5 I2 +
24 24

20 I2 + 125
10 = 5 I2 + 60 = 30 I2 + 20 I2 + 125
6

50 I2 = – 65

I2 = – 1,3 A (O sinal negativo indica que I2 tem sentido contrário ao inicialmente arbitrado)

Substituindo em (4):

4 x (-1,3) + 25
I1 =
24

I1 = 0,825 A

I3 = I1 – I2 = 0,825 + 1,3

I3 = 2,125 A

Podemos agora reescrever o circuito com as correntes no sentido correto, assim como as
polaridades das quedas de tensão nos resistores:

V1 = 10V
R1 = 5Ω + –
I2 – +
A B

V2 = 5V
R2 = 4Ω +
I3 – +
I1 + – R3 = 5Ω
V3 = 20V –
R4 = 15Ω
+ –
– +

64 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 64


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Podemos também calcular as quedas de tensão nos diversos resistores:
VR1 = R1 x I2 = 5 x 1,3 = 6,5 V
VR2 = R2 x I3 = 4 x 2,125 = 8,5 V
VR3 = R3 x I1 = 5 x 0,825 = 4,125 V
VR4 = R4 x I1 = 15 x 0,825 = 12,375 V

A tensão entre os pontos A e B pode então ser calculada utilizando qualquer uma das três
formas abaixo:

VAB = V1 – VR1 = 10 – 6,5 = 3,5 V


VAB = – V2 + VR2 = – 5 + 8,5 = 3,5 V
VAB = V3 – VR3 – VR4 = 20 – 4,125 – 12,375 = 3,5 V

9.3 – Método das Malhas ou das Correntes Cíclicas de Maxwell


Este método é uma simplificação do método de Kirchoff e se baseia na definição de “malha”.
Uma malha é um circuito fechado, com as seguintes particularidades:
- Duas malhas só podem ter um braço comum
- Um braço não pode pertencer a mais de duas malhas.

Esses conceitos podem ser melhor compreendidos observando a figura abaixo:

R1
A B C

V1 I1
R2
R6
V2 R3
I2
G H

I3 R4 V3
V4
R5

F E D

Neste circuito temos três malhas:


1 – A-B-H-G-A
2 – B-C-D-E-H-B
3 – G-H-E-F-G

65 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 65


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Maxwell imaginou uma modalidade de corrente, chamada CORRENTE CÍCLICA ou CORRENTE
DE MALHA, de modo que, quando se considera uma malha, ao invés de se considerar a
corrente que circula em cada braço, considera-se a corrente que circula na malha.
A corrente que percorre o braço que limita duas malhas vizinhas é a soma ou a diferença das
correntes dessas malhas, caso os seus sentidos arbitrados sejam iguais ou opostos,
respectivamente.
Por convenção, adota-se o seguinte critério (considerando uma estrutura com três malhas,
como a da página anterior):

R1-1 = Resistência total da malha 1 = R1 + R2 + R3


R2-2 = Resistência total da malha 2 = R2 + R6 + R4
R3-3 = Resistência total da malha 3 = R3 + R4 + R5

NOTA: A resistência total de uma malha é a soma de todas as suas resistências.

R1-2 = R2-1 = Resistência do braço que limita as malhas 1 e 2 = R2


R1-3 = R3-1 = Resistência do braço que limita as malhas 1 e 3 = R3
R2-3 = R3-2 = Resistência do braço que limita as malhas 2 e 3 = R4

E1 = Soma algébrica das forças eletromotrizes da malha 1 = V1 – V2


E2 = Soma algébrica das forças eletromotrizes da malha 2 = – V3
E3 = Soma algébrica das forças eletromotrizes da malha 3 = V4 – V2

Na resolução da estrutura, temos tantas equações quantas forem as malhas, obedecendo ao


seguinte:
E1 = R1-1 I1 + R1-2 I2 + R1-3 I3 ou V1 – V2 = (R1 + R2 + R3) I1 – R2 I2 + R3 I3
E2 = R2-1 I1 + R2-2 I2 + R2-3 I3 ou – V3 = (R2 + R6 + R4) I2 + R4 I3 – R2 I1
E3 = R3-1 I1 + R3-2 I2 + R3-3 I3 ou V4 – V2 = (R3 + R4 + R5) I3 + R3 I1 + R4 I2

Observações:
1 – Nessas equações, todos os termos que correspondem às resistências totais das malhas são
positivos.
2 – Os termos que se referem às resistências dos braços que separam malhas são positivos
quando as correntes de malha que os percorrem têm o mesmo sentido; no caso contrário, são
negativos.
3 – Uma f.e.m. é positiva quando sua polaridade não se opõe ao sentido arbitrado para a corrente
de malha; caso se oponha, recebe um sinal negativo.

66 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 66


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
EXEMPLO 1: Determinar as correntes em cada braço e a tensão entre os pontos “A” e “B”,
aplicando as Correntes Cíclicas de Maxwell.

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

R3 = 6Ω
+ I3 +
V1 = 84V I1 I2 V2 = 21V
– –

B
I3 = I1 + I2
Observação: I3 = corrente no braço que limita as malhas (braço central)
Podemos escrever:
E1 = R1-1 I1 + R1-2 I2
E2 = R2-1 I1 + R2-2 I2

84 = 18 I1 + 6 I2
21 = 6 I1 + 9 I2

84 = 18 I1 + 6 I2
63 = 18 I1 + 27 I2

21 = – 21 I2 => I2 = – 1A (sentido inverso ao arbitrado)

84 = 18 I1 + 6.(–1)
84 = 18 I1 – 6
84 + 6 = 18 I1
90 = 18 I1 => I1 = 5A

I3 = 5 – 1 => I3 = 4A

VAB = 6Ω x 4A => VAB = 24V

67 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 67


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
EXEMPLO 2: O mesmo exemplo anterior, porém agora arbitrando I2 no sentido horário.

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

R3 = 6Ω
+ I3 +
V1 = 84V I1 I2 V2 = 21V
– –

B
I3 = I1 – I2
Observação: I3 = corrente no braço que limita as malhas (braço central)
Podemos escrever:
E1 = R1-1 I1 – R1-2 I2
– E2 = – R2-1 I1 + R2-2 I2

84 = 18 I1 – 6 I2
– 21 = – 6 I1 + 9 I2

84 = 18 I1 – 6 I2
– 63 = – 18 I1 + 27 I2

21 = 21 I2 => I2 = 1A (sentido igual ao arbitrado)

84 = 18 I1 – 6 x 1
84 = 18 I1 – 6
84 + 6 = 18 I1
90 = 18 I1 => I1 = 5A

I3 = 5 – 1 => I3 = 4A

VAB = 6Ω x 4A => VAB = 24V

68 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 68


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
9.4 – Teorema de Thèvenin
Este método é utilizado quando se deseja conhecer a tensão e a corrente em um determinado
resistor (ou bipolo) do circuito, sem a necessidade de calcular as tensões e correntes nos
demais bipolos.
“Para determinar a tensão e a corrente em um determinado resistor (ou bipolo) “R”
ligado a dois terminais de uma estrutura que contém diversas fontes de força
eletromotriz e resistores, a estrutura pode ser substituída por uma única fonte de tensão
“VTH”, com um resistor “RTH” em série. Essa fonte única “VTH” é igual à diferença de
potencial entre os terminais da estrutura quando o resistor “R” é retirado. O resistor
“RTH” é igual à resistência equivalente da estrutura sem o resistor “R”, isto é, a
resistência da estrutura vista dos terminais de onde foi retirado o resistor “R”,
substituindo-se as f.e.m. por suas resistências internas.”

Assim, se desejarmos calcular a intensidade de corrente no resistor R3 (6Ω) na estrutura


abaixo,

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

+ +
V1 = 84V R3 = 6Ω V2 = 21V
– –

poderíamos considerar a seguinte estrutura equivalente de Thèvenin:


RTH A

+
VTH R3 = 6Ω

Para resolver este problema, é conveniente dividir sua solução em duas partes: Cálculo de
“RTH” e Cálculo de “VTH”.
1 – Cálculo de RTH
R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

B
69 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 69
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Olhando-se dos pontos “A” e “B”, os resistores “R1” e “R2” estão em paralelo:

12 x 3
RTH = R1 // R2 = 12 + 3 => RTH = 2,4 Ω

2 – Cálculo de VTH

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

+ I +
V1 = 84V V2 = 21V
– –

Tensão total = V1 – V2 = 84 – 21 = 63V


Resistência total = R1 + R2 = 12 + 3 = 15 Ω
Corrente no circuito = Vt / Rt = 63 / 15 = 4,2A
Queda de tensão em R1 = R1 . I = 12 x 4,2 = 50,4V
Queda de tensão em R2 = R2 . I = 3 x 4,2 = 12,6V

A tensão entre os pontos “A” e “B” (sem o resistor “R3”) pode, então, ser calculada:

VAB = V1 – VR1 = 84 – 50,4 = 33,6V


ou
VAB = V2 + VR2 = 21 + 12,6 = 33,6V

O circuito equivalente de Thèvenin ficará, então, da seguinte forma:

RTH = 2,4 Ω A

+
VTH = 33,6V R3 = 6Ω

70 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 70


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A corrente no resistor R3 pode, agora, ser facilmente calculada:

33,6
I3 =
2,4 + 6

I3 = 4A

Podemos, agora, calcular o restante do circuito:

R1 = 12Ω A R2 = 3Ω

I1 I2
+ +
V1 = 84V I3 = 4A R3 = 6Ω V2 = 21V
– –

VAB = R3 . I3 = 6 x 4 = 24V

VR1 = V1 – VAB = 84 – 24 = 60V


I1 = VR1 / R1 = 60 / 12 I1 = 5A

VR2 = VAB – V2 = 24 – 21 = 3V
I2 = VR2 / R2 = 3 / 3 I2 = 1A

71 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 71


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
9.5 – Teorema de Norton
Este método é similar ao de Thévenin e também é utilizado quando se deseja conhecer a
tensão e a corrente em um determinado resistor (ou bipolo) do circuito, sem a necessidade de
calcular as tensões e correntes nos demais bipolos.
Sua diferença para o método de Thévenin é que, enquanto aquele substitui uma estrutura
complexa por uma fonte de tensão em série com uma resistência, este a substitui por uma
fonte de corrente (IN) com uma resistência (RN) em paralelo.
A conversão de uma fonte de tensão em uma de corrente e vice-versa foi estudada no capítulo
8 (Geradores), no item 8.5 (pág. 52).

Exemplo:
Dado o circuito a seguir, calcular a tensão e a corrente no resistor R4 pelo método de Norton.

I2 = 4,5A

A
R2 = 10 Ω

R1 = 15 Ω R4 = 10 Ω
I1 = 2A

R3 = 25 Ω B

A resistência equivalente vista por R4 é obtida desconectando-a do circuito e abrindo-se as


fontes de corrente, conforme abaixo:

A
R2 = 10 Ω

R1 = 15 Ω RN R4 = 10 Ω

R3 = 25 Ω B

RN = R1 + R2 + R3 = 15 + 10 + 25 = 50Ω

72 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 72


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Transformando-se os geradores de corrente E2 = 45 V A
em geradores de tensão, tem-se:
E1 = I1.R1 = 2A x 15Ω = 30V R2 = 10 Ω

E2 = I2.R2 = 4,5A x 10Ω = 45V


R1 = 15 Ω

A corrente equivalete de Norton é determinada E1 = 30 V


pela corrente de curto-circuito entre os pontos A e B

30V + 45V R3 = 25 Ω B
IN = = 1,5 A
15Ω + 10Ω + 25Ω

Desta forma, obtemos o circuito equivalente Norton:

A
I4

IN = 1,5 A RN = 50 Ω R4 = 10 Ω

Pela equação do divisor de corrente, temos:

1,5A x 50Ω
I4 = = 1,25 A
50Ω + 10Ω

VAB = 1,25 A x 10 Ω = 12,5 V

Exercício:
Calcule as correntes e as quedas de tensão em todos os braços no circuito abaixo:
V1 = 20V
V2 = 5V R1 R2 R3

R1 = 2Ω
+ –
R2 = 4Ω V1 R4 R5 V2
– +
R3 = 6Ω
R4 = 3Ω
R5 = 5Ω

73 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 73


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Vamos utililizar, primeiro, o Método da Superposição e depois, o Teorema de Thèvenin:

1) RESOLUÇÃO POR SUPERPOSIÇÃO:

Resolvendo para V1:

R1 = 2Ω A R2 = 4Ω C R3 = 6Ω

i1 i2 i3
Circuito A => +
V1 i4 R4 = 3Ω i5 R5 = 5Ω

B D
R3 e R5 estão em paralelo. Logo, o seu equivalente será igual a: R35 = R3 x R5 / R3+R5 = 30 / 11 =
2,727Ω
O circuito ficará então:
R1 = 2Ω A R2 = 4Ω C

+
Circuito B => V1 R4 = 3Ω R35 = 2,727Ω

B D
A resistência equivalente estará, agora, em série com R2 e o seu equivalente será = R235 = 4 + 2,727 =
6,727 Ω
O circuito ficará como abaixo:
R1 = 2Ω A

+
Circuito C => V1 R4 = 3Ω R235 = 6,727Ω

B
Resolvendo o paralelo de R4 com R235, o seu equivalente ficará: R4235 = 3 x 6,727 / 3+6,727 = 2,075Ω

Substituindo no circuito, este ficará como abaixo:

R1 = 2Ω A

+ i1
V1 = 20V R4235 = 2,075Ω
Circuito D => –

B
Podemos, agora, calcular i1 = 20 / 2+2,075 i1 = 4,908A

74 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 74


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Uma vez calculada i1, pode-se calcular a queda de tensão em R1:
VR1 = R1 . I1 = 2 x 4,908 = 9,816V

A tensão no ponto “A” será: VA = V1 – VR1 = 20 – 9,816 = 10,183V


Sabendo a tensão no ponto “A”, voltamos ao “Circuito B” e a aplicamos, para calcular a corrente em R4 e
R2:
i4 = VAB / R4 = 10,183 / 3 i4 = 3,394A
i2 = VAB / R2 + R35 = 10,183 / 6,727 i2 = 1,514A

Conhecida i2, calculamos a queda em R2:


VR2 = R2 . i2 = 4 x 1,514 = 6,055V
Conhecida a queda em R2, podemos calcular a tensão no ponto “C”:
VC = VA – VR2 = 10,183 – 6,05 = 4,128V

Com esta tensão, é possível calcular as correntes i3 e 15:


i3 = VCB / R3 = 4,128 / 6 i3 = 0,688 A
i5 = VCB / R5 = 4,128 / 5 i5 = 0,826 A

Reparem que, como as correntes parciais i1, i2, i3, i4 e i5 possuem o mesmo sentido das correntes I1, I2, I3,
I4 e I5, arbitradas inicialmente, todas têm sinal positivo.

Agora, repete-se o processo para V2:


R1 = 2Ω A R2 = 4Ω C R3 = 6Ω

i1’ i2’ i3’



i4’ R4 = 3Ω i5’ R5 = 5Ω V2 = 5V
Circuito E => +

B D
Calculando o paralelo de R1 e R4: R14 = 2 x 3 / 2 + 3 = 6 / 5 = 1,2 Ω

A R2 = 4Ω C R3 = 6Ω


Circuito F => R14 = 1,2Ω R5 = 5Ω V2 = 5V
+

B D

Calculando a série de R2 com R14: R214 = R2 + R14 = 4 + 1,2 = 5,2 Ω

75 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 75


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
C R3 = 6Ω


Circuito G => R214 = 5,2Ω R5 = 5Ω V2 = 5V
+

Calculando o paralelo de R5 e R214: R5214 = 5 x 5,2 / 5 + 5,2 = 26 / 10,2 = 2,55 Ω

C R3 = 6Ω

i3’ –
R5214 = 2,549Ω V2 = 5V
Circuito H =>
+

Agora, calculamos i3’: i3’ = V2 / R3 + R5214 = 5 / 8,549 i3’ = 0,585A

Calcula-se, agora, a queda em R3: VR3 = R3 . i3’ = 6 x 0,585 = 3,509V


A tensão no ponto “C” será: VCD = V2 – VR3 = 5 – 3,508 = 1,491V

Conhecida esta tensão, voltamos ao “Circuito F” para calcular as correntes i2’ e i5’:

i5’ = VCD / R5 = 1,491 / 5 i5’ = 0,298 A


i2’ = VCD / R2 + R14 = 1,491 / 5,2 i2’ = 0,287 A

Conhecida i2’, calculamos a queda em R2:


VR2 = R2 . i2’ = 4 x 0,286 = 1,147V

Agora, podemos calcular a tensão no ponto “A”:


VA = VC – VR2 = 1,491 – 1,147 = 0,344V

Calculamos, então, as correntes i1’ e i4’:

i1’ = VA / R1 = 0,344 / 2 i1’= 0,172A


i4’ = VA / R4 = 0,344 / 3 i4’ = 0,115A

76 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 76


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Podemos, agora, calcular as correntes finais do circuito:
I1 = i1 + i1’ = 4,908 + 0,172 I1 = 5,08 A
I2 = i2 + i2’ = 1,514 + 0,287 I2 = 1,8 A
I3 = i3 + i3’ = 0,688 + 0,585 I3 = 1,273 A
I4 = i4 – i4’ = 3,394 – 0,115 I4 = 3,28 A
I5 = i5 – i5’ = 0,826 – 0,298 I5 = 0,528 A

Obs.: i4’ e i5’ têm sinal negativo porque estão em sentido contrário.

2) RESOLUÇÃO POR THÈVENIN:


Aplicando Thèvenin nos pontos “C” e “D”, o circuito ficará como na figura abaixo:

R1 = 2Ω A R2 = 4Ω C R3 = 6Ω

+ –
V1 = 20V R4 = 3Ω R5 = 5Ω V2 = 5V
Circuito 1 => – +

B D

Substituindo a série formada por R2 e R5 pelo seu equivalente:

R1 = 2Ω A

+
V1 = 20V R4 = 3Ω R25 = 9Ω

Resolvendo o paralelo de R4 com R25:

R1 = 2Ω A

+ i1
V1 = 20V R425 = 2,25Ω

i1 = 20 / 2 + 2,25 = 4,706A

77 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 77


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Queda de tensão em R1:
VR1 = R1 x i1 = 2 x 4,706 = 9,412 V

Tensão no ponto “A”: VA = V1 – VR1 = 20 – 9,412 = 10,588V

Calculamos, agora, a tensão entre os pontos C e D, que será a VTH


VTH = VCD = VA x R5 / R2 + R5 = 10,588 x 5 / 4 + 5 = 52,94 / 9 VTH = 5,882V

Calcula-se, agora, a Resistência RTH:

Olhando-se dos pontos C e D e substituindo a fonte V1, o circuito ficará como abaixo:

R1 = 2Ω A R2 = 4Ω C

R4 = 3Ω R5 = 5Ω

B D

Substituindo o paralelo de R1 e R4 pelo seu equivalente: R14 = 2 x 3 / 2 + 3 = 6 / 5 = 1,2 Ω

A R2 = 4Ω C

R14 = 1,2Ω R5 = 5Ω

B D

Fazendo a série de R2 com R14: R214 = 4 + 1,2 = 5,2 Ω

R214 = 5,2Ω R5 = 5Ω

RTH = 5 x 5,2 / 5 + 5,2 = 26 / 10,2 RTH = 2,549 Ω

78 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 78


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Substituindo pelo equivalente de Thèvenin e reconectando R3 e V2:

RTH = 2,549Ω C R3 = 6Ω

+ I3 –
VTH = 5,882V V2 = 5V
– +

D
A corrente “I3” será então:
I3 = VTH + V2 / RTH + R3 = 5,882 + 5 / 2,549 + 6 = 10,882 / 8,549 I3 = 1,273A

Calculamos, agora, a tensão entre os pontos C e D:


Queda em RTH = 1,273 x 2,549 = 3,245 V
A tensão no ponto C será então:
VCD = 5,882 – 3,244 = 2,638 V

Podemos, também, calcular pelo outro lado:


Queda em R3 = 6 x 1,273 = 7,638
VCD = 7,638 – 5 = 2,638 V

Conhecido VCD, podemos calcular I5:


I5 = VCD / R5 = 2,638 / 5 I5 = 0,528 A

Aplicando a equação dos nós no ponto C:

I2 = I3 + I5 = 1,273 + 0,528 I2 = 1,8 A

Calculamos, agora, a tensão em R2:


VR2 = R2 x I2 = 4 x 1,801 = 7,204V

A tensão no ponto “A” será então:


VA = VC + VR2 = 2,638 + 7,204 = 9,842V

Podemos calcular, agora, I1 e I4:


I4 = VAB / R4 = 9,842 / 3 I4 = 3,28A

I1 = I2 + I4 = 1,8 + 3,28 I1 = 5,08A

79 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 79


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 10
CAPACITÂNCIA – CAPACITORES

Dá-se o nome de Capacitância à propriedade de armazenamento de carga elétrica existente


em qualquer conjunto formado por dois condutores separados por um isolante e chamamos de
capacitor a qualquer conjunto formado por dois condutores separados por um isolante. Os
condutores são as PLACAS ou ARMADURAS do capacitor, e o isolante é o seu DIELÉTRICO.
Um capacitor é utilizado para armazenar cargas elétricas. Quando suas placas são ligadas
aos terminais de uma fonte, a que é ligada ao negativo recebe elétrons do mesmo, e da outra
placa saem elétrons para o terminal positivo da fonte.
Durante quanto tempo há deslocamento de elétrons?
Apenas durante o tempo necessário para que se estabeleça o equilíbrio elétrico entre os
terminais da fonte e as placas do capacitor. Quando isto acontece, a diferença de potencial
entre as placas é igual, à diferença de potencial entre os terminais da fonte.
É importante frisar que a tensão entre as placas do capacitor é resultante das cargas
adquiridas pelas mesmas.
A intensidade da corrente de carga é máxima no instante em que as placas são ligadas, e cai
a zero quando elas adquirem potenciais iguais aos dos terminais da fonte.
Se pusermos em contato as placas de um capacitor carregado, haverá uma corrente.de
descarga, pois os elétrons em excesso numa das placas irão se deslocar para a outra, onde
há falta de elétrons. Essa corrente durará o tempo necessário para que sejam neutralizadas as
cargas das placas; será máxima no início da operação e será nula quando o capacitar estiver
totalmente descarregado.
A CARGA DE UM CAPACITOR É A CARGA DE UMA DE SUAS PLACAS; elas apresentam,
evidentemente, cargas de valores iguais embora de sinais opostos. Quanto maior a carga de
um capacitor, maior a diferença de potencial entre suas placas.
Dá-se o nome de CAPACITÂNCIA (C) DE UM CAPACITOR à carga que o mesmo deve
receber, para que entre suas placas se estabeleça uma diferença de potencial unitária. A
unidade de capacitância é o COULOMB POR VOLT (C / V) ou FARAD (F).
O FARAD exprime a capacitância de um capacitor que precisa receber uma carga de UM
COULOMB para que entre suas placas se estabeleça uma diferença de potencial de UM
VOLT. Do exposto é fácil concluir que

Q
C=
V
donde Q=C.V

C = capacitância em FARADS (F)


Q = carga adquirida pelo capacitor, em COULOMBS (C)
V = tensão entre as placas do capacitor, em VOLTS (V)

O Farad é uma unidade muito grande, e, por este motivo são usados normalmente os
seguintes submúltiplos:
Microfarad (µF) = 10–6 Farad = 0,000 001 Farad
Nanofarad (nF) = 10–9 Farad = 0,000 000 001 Farad
Picofarad (pF) = 10–12 Farad = 0,000 000 000 001 Farad

80 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 80


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A capacitância de um capacitor depende inversamente da distância entre suas placas
(espessura do dielétrico) e diretamente da área de suas placas. Variações de temperatura e
umidade podem alterar a capacitância e são fatores que não devem ser esquecidos quando se
faz uso de capacitores.

Simbolicamente, o capacitor é representado como mostra a figura abaixo. Os traços


horizontais representam as placas, o espaço entre eles é o dielétrico, e os traços que saem
dos segmentos que representam as placas são os condutores para ligação.

– Vista interna de
um capacitor
Capacitor eletrolítico
Capacitor Capacitor
Variável Eletrolítico

Os capacitores são classificados quanto ao tipo de dielétrico utilizado na sua fabricação. Os


mais utilizados são o poliester e a cerâmica. Existem também capacitores de papel, óleo, mica
e ar. Estes últimos são, em geral, variáveis.

Capacitores eletrolíticos são utilizados quando se necessita de valores mais altos de


capacitância. Eles possuem, no seu interior, uma solução de um eletrólito que aumenta sua
capacidade de armazenamento de carga. Em geral, os capacitores eletrolíticos possuem
polaridade e não podem ser ligados invertidos. São construídos, em sua maioria, de alumínio,
mas existem também os de Tântalo, de alta performance, mas bem mais caros.

Abaixo, fotos ilustrativas de diversos tipos de capacitores:

Poliester Cerâmico Eletrolítico Variável

81 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 81


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
10.1 - Associação de Capacitores
Essa associação pode ser efetuada de três modos:
- SÉRIE
- PARALELA
- MISTA

Quando os capacitores são ligados em série, como na figura abaixo, a capacitância do


conjunto é menor do que qualquer um dos valores usados na ligação e pode ser calculada
com a equação

1 1 1 1
= + + + ...
Ct C1 C2 C3
C1

C2

C3

Capacitores em Série
Quando trabalhamos com apenas dois capacitores, podemos usar a expressão abaixo,
derivada da anterior:

C1 . C2
Ct =
C1 + C2

Quando um conjunto de capacitores em série é ligado a uma fonte de corrente contínua, todos
os capacitores apresentam cargas iguais, sejam quais forem suas capacitâncias. Entretanto,
de acordo com a definição de capacitância, a tensão será tanto menor quanto maior for sua
capacitância, porque todos apresentam a mesma carga.

Na ligação em paralelo, a capacitância total é igual à soma das capacitâncias:

C1 C2 C3

Capacitores em Paralelo

Ct = C1 + C2 + C3 + . . .
82 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 82
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Neste caso, a tensão entre os terminais do conjunto é a mesma que existe entre os terminais
de cada capacitor. Por outro lado, a carga armazenada por cada capacitor será diretamente
proporcional à sua capacitância.

Nas associações mistas, os resultados são combinações dos obtidos com as duas outras
combinações estudadas.

C2 C3
C1
C5

C4
Associação Mista de Capacitores

10.2 - Rigidez Dielétrica


Os átomos do isolante colocado entre as placas de um capacitor ficam submetidos ao campo
elétrico entre elas. Os elétrons orbitais se sentem atraídos pela placa com carga positiva e os
núcleos são atraídos pela placa negativa.
Essas atrações não são normalmente suficientes para libertar elétrons dos átomos, mas
quando as cargas das placas atingem determinados valores pode acontecer o fenômeno em
questão, e se estabelecer urna corrente elétrica através do material até então isolante.
A tensão que existe entre as placas do capacitor quando isto ocorre é chamada TENSÃO DE
RUPTURA. Os capacitores trazem indicada geralmente em seu invólucro a tensão máxima ou
a tensão normal de trabalho que pode existir entre suas placas sem que haja ruptura, com a
conseqüente inutilização da peça.
Entre as características de um isolante cumpre destacar a sua RIGIDEZ DIELÉTRICA, que é a
tensão necessária para causar a ruptura de uma amostra do material com uma espessura
unitária.

EXEMPLO:
No circuito abaixo, determinar:
1 – Ct
2 – Qt
3 – Tensão no capacitor de 15µF
5µF
10µF 10µF

15µF

100 V

83 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 83


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Fazendo o paralelo de 15 µF com 5 µF:
5 + 15 = 20 µF
Resolvendo a série dos dois capacitores de 10 µF:
10 / 2 = 5 µF
O circuito equivalente fica, então, como abaixo:

5µF 20µF

100 V

Cálculo da capacitância total:

5 x 20
Ct = 5 + 20 Ct = 4 µF

A carga total será então:

Qt = C . V = 4 x 10-6 x 100 Qt = 4 x 10-4 C

Como, nos capacitores em série, a carga é igual para todos, podemos calcular a tensão no
conjunto dos dois capacitores de 10 µF em série (cuja capacitância equivalente é igual a 5 µF):

Q 4 x 10-4
V= = V = 80V
C 5 x 10-6

A tensão no conjunto formado pelos capacitores de 5 µF e 15 µF em paralelo será então:

V = 100 – 80 V = 20V

Podemos também calculá-la diretamente, da seguinte forma, considerando que a tensão é a


mesma nos dois capacitores (5 µF e 15 µF), cuja capacitância total é de 20 µF:

Q 4 x 10-4
V= C = 20 x 10-6 V = 20V

84 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 84


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
10.3 - Energia acumulada em um capacitor

No processo de carregamento de um capacitor, estamos introduzindo campos elétricos no seu


interior e para isto temos que realizar um trabalho. Isto significa que haverá energia
armazenada, no interior do capacitor, em forma de campos elétricos, ou para manter a
diferença de potencial entre as placas. Em outras palavras, podemos dizer que a energia
armazenada, no capacitor, é igual o trabalho realizado para carregar as suas placas, uma com
carga positiva e a outra com carga negativa. Isto é o que uma bateria faz quando conectada a
um capacitor.
O capacitor não fica carregado instantaneamente; é necessário um certo tempo para que isto
ocorra. Este caso será estudado em uma seção posterior.
O trabalho realizado para adicionar uma pequena quantidade de carga ∆q, se transforma em
energia potencial elétrica, a qual fica armazenada no capacitor.
Sendo C = Q / V uma constante, temos que V = Q / C. Assim o gráfico de V em função de Q é
uma semi-reta passando pela origem, como mostra a figura abaixo.

Quando o capacitor está carregado com carga Q, pode-se demonstrar que, qualquer que seja
o sinal da carga, a energia potencial elétrica Epot nele armazenada é numericamente igual a
área sob a curva na figura acima. Esta energia potencial armazenada é igual ao trabalho para
carregar o capacitor. Então, temos que

QV
Epot = W =
2

Substituindo V ou Q na equação acima podemos escrever a energia potencial em um


capacitor da seguinte forma:

QV Q2 CV2
Epot = W = = =
2 2C 2

85 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 85


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Exemplo:
Um capacitor de 150 µF é usado no flash de uma câmara fotográfica para armazenar energia.
Suponha que o capacitor foi carregado com 200V. Qual é o valor da energia armazenada neste
capacitor ?

W = C . V2 / 2 = 150 x 10-6 x 2002 / 2

W = 3 Joules

86 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 86


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 11
MAGNETISMO

O magnetismo é uma forma de energia apresentada apenas por alguns materiais, tais como
ferro, aço, compostos de ferro, ligas especiais, níquel e cobalto.
Entre outras propriedades, os corpos com magnetismo apresentam a de atrair outros corpos.
Nota-se, entretanto, que só os corpos feitos com os materiais citados no parágrafo anterior
podem ser atraídos.
Existem diversas aplicações para o magnetismo, como por exemplo: motores e geradores
elétricos, alto-falantes, fitas e discos magnéticos, etc.

11.1 – O Ímã
Os corpos que possuem magnetismo são denominados ÍMÃS. Os ímãs são, em sua maioria,
produzidos pelo homem (ÍMÃS ARTIFICIAIS); há, porém, o ÍMÃ NATURAL, a
MAGNETITA, que é composta de tetróxido de triferro (F3O4), encontrado na natureza.
Quando se faz um corpo adquirir propriedades magnéticas, ele pode perdê-Ias em pouco
tempo ou conservá-Ias por toda a sua existência. No primeiro caso temos um ÍMÃ
TEMPORÁRIO e no segundo caso um ÍMÃ PERMANENTE. Ambos possuem aplicações
práticas. Por exemplo, os ímãs permanentes são usados em microfones, alto-falantes,
pequenos motores elétricos, bússolas, medidores elétricos, etc. Exemplos de aplicações
típicas dos ímãs temporários são o guindaste magnético e a fechadura elétrica. Um ímã
natural é permanente.

11.2 – A natureza dos materiais magnéticos


Várias teorias têm sido apresentadas para explicar o magnetismo, entre as quais destacamos
a de Weber-Ewing (Teoria dos Ímãs Moleculares) e a dos DOMíNIOS MAGNÉTICOS, esta
última mais moderna e mais completa.
A teoria dos ímãs moleculares diz que as moléculas das substâncias magnéticas (as que
podem apresentar propriedades magnéticas) são pequenos ímãs, cujos efeitos não podem ser
apreciados porque estão dispostos no corpo de tal forma que suas ações se anulam
mutuamente. A imantação de um corpo consiste em "arrumar" os ímãs moleculares de modo
que suas ações se somem. Esta teoria, com o conhecimento atual da constituição da matéria,
cedeu lugar a novas idéias.
A teoria dos domínios magnéticos baseia-se no fato de que os fenômenos magnéticos
resultam do movimento de cargas elétricas. É fato comprovado e de grande aplicação que
uma carga elétrica em movimento apresenta não só um campo elétrico como também, e
principalmente, propriedades magnéticas; convém ressaltar que as propriedades magnéticas
só são observadas quando a carga está em movimento, ao passo que o campo elétrico existe
também quando ela está em repouso.
Conhecendo o fato acima e sabendo que os elétrons dos átomos de um corpo estão sempre
em movimento ("spin" e movimento em suas órbitas), concluiu-se que todos os elétrons de um
corpo têm propriedades magnéticas (são ímãs pequeníssimos).
Mas, esta conclusão não contraria o que foi afirmado no primeiro parágrafo? Se todos os
corpos apresentam elétrons em movimento, todos têm propriedades magnéticas?

87 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 87


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A resposta é NÃO para as duas perguntas. Sabe-se que quando duas cargas elétricas iguais
se movimentam em sentidos opostos os seus efeitos magnéticos se anulam. Sabe-se também
que os elétrons dos átomos constituem dois grupos que giram em sentidos opostos. Quando
esses dois grupos são iguais (em número de elétrons), as propriedades magnéticas dos
átomos são nulas, fato que ocorre com a maioria das substâncias.
Quando os grupos são em quantidades de elétrons diferentes, há o predomínio de um deles, e
os átomos são minúsculos ímãs; isto é o que ocorre com os materiais aos quais nos referimos
no início do capítulo e que são chamados MATERIAIS MAGNÉTICOS.
Átomos que apresentam um campo magnético resultante diferente de zero são denominados
dipólos magnéticos.
Os átomos com propriedades magnéticas reúnem-se em grupos de aproximadamente 1015
unidades, constituindo DOMíNIOS MAGNÉTICOS (ou ímãs elementares). Um pedaço de
ferro, por exemplo, é formado por domínios. Observa-se, entretanto, que os efeitos dos
domínios não se somam, como acontece com os efeitos dos átomos que os constituem, e, em
verdade, praticamente se anulam. É por este motivo que normalmente um corpo de material
magnético não é um ímã. Este fato é conseqüência da má disposição dos domínios, cujas
ações estão em oposição, fazendo com que o corpo, como um todo, não apresente qualidades
magnéticas.
Na figura ao lado está ilustrado um material magnético não
magnetizado, mostrando os dipólos alinhados formando os
domínios que, por sua vez, encontram-se orientados
aleatoriamente.
É possível, porém, dar nova disposição aos domínios, que resultenuma ajuda mútua por
parte desses grupos de átomos, produzindo-se então um ímã.

11.3 – Magnetização e desmagnetização


Fazer um corpo apresentar propriedades magnéticas, (IMANTÁ-LO, ou MAGNETIZÁ-LO),
é, portanto, orientar os seus ímãs elementares de modo que somem suas ações magnéticas.
Isso pode ser feito basicamente de duas maneiras. Uma é através do uso da corrente elétrica
contínua, o que será estudado no próximo capítulo. A outra maneira, bastante simples,
consiste em esfregar ou simplesmente aproximar um ímã permanente da barra que se deseja
magnetizar.
A figura abaixo mostra um ímã permenente sendo aproximado de uma barra desmagnetizada,
na qual os ímãs elementares encontram-se desorientados, a fim de magnetizá-la.
Ao ser aproximado, o ímã atrairá a barra. No entanto, note que, antes de atrair a barra, o ímã a
magnetiza para, só então, atraí-la

O ímã é aproximado da barra desmagnetizada A barra se transforma em ímã e é atraída

Por outro lado, também existem duas maneiras básicas de se desmagnetizar um ímã. A
primeira, é através do uso da corrente elétrica contínua, num processo semelhante ao da
magnetização. A outra é elevando-se a sua temperatura até um valor determinado, chamado
“Ponto de Curie”, que varia de acordo com o material.
Ponto de Curie é a temperatura na qual um ímã se desmagnetiza.

88 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 88


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
11.4 – Princípio da inseparabilidade dos pólos
Se quebrarmos ao meio um ímã em forma de barra, veremos que os pólos norte e sul não se
separam. Ao invés disso, ambas as partes se transformam em dois novos ímãs, cada qual
com os seus respectivos pólos norte e sul.
Se quebrarmos novamente ao meio cada uma dessas partes, ainda assim os seus pólos não
serão separados e obteremos agora quatro ímãs completos, cada um com seus respectivos
pólos norte e sul. O processo pode se repetir até o nível atômico que o resultado obtido será
sempre igual.

11.5 - Campo Magnético


Qualquer região do espaço ou da matéria em que são observados efeitos magnéticos é um
campo magnético.
Pode-se tomar conhecimento de um campo magnético com auxílio de uma bússola (agulha
magnética) ou de um fio conduzindo corrente elétrica. Quando o campo existe, age uma força
sobre a agulha magnética, forçando-a a mudar de posição. No caso do fio, o campo
magnético atua sobre as cargas em movimento no mesmo, obrigando-as a mudar de direção,
o que, por sua vez, provoca o deslocamento do fio.
Para representar graficamente um campo magnético, dando uma idéia de sua grandeza em
diferentes pontos, bem como da sua forma (que dependerá da forma do corpo magnetizado),
usamos linhas que são chamadas LINHAS DE FORÇA. Estas linhas são traçadas de tal
modo que indicam as ações do campo sobre corpos magnéticos nele colocados.

11.6 - Magnetismo Terrestre


A Terra é um gigantesco (porém relativamente muito fraco) ímã. A ação do seu campo
magnético sobre pequenas agulhas imantadas que giram livremente sobre eixos (as bússolas)
permite um traçado da sua forma e o conhecimento da sua direção e do seu sentido.
Quando o campo magnético da Terra age sobre uma bússola, os extremos desta ficam
apontados aproximadamente para os pólos norte e sul geográficos, e por este motivo são
chamados respectivamente de pólo norte e pólo sul. Este fato pode ocorrer com qualquer ímã
em barra que possa mover-se livremente; daí a designação de pólo norte e sul dada às
extremidades desses ímãs.
A ação do campo magnético terrestre sobre a bússola não se faz sentir apenas no plano
horizontal, fazendo-a deslocar-se para estacionar na direção norte-sul da Terra. Verifica-se
também que a bússola apresenta uma inclinação em relação à horizontal do lugar em que está
situada, dando-se ao ângulo em apreço a denominação de INCLINAÇÃO MAGNÉTICA.
A direção norte-sul verdadeira não corresponde perfeitamente à indicada por uma bússola. O
ângulo formado pelas duas direções é a DECLINAÇÃO MAGNÉTICA.

89 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 89


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
11.7 - Atração e Repulsão Entre Ímãs
Quando lidamos com ímãs, notamos que quando seus campos magnéticos são colocados em
oposição se repelem, e quando os campos se somam há atração entre os ímãs; em outras
palavras, pólos de nomes iguais se repelem e pólos de nomes diferentes se atraem.

11.8 - Fluxo Magnético ( φ )


É o conjunto de todas as linhas do campo magnético que emergem do pólo norte de um ímã,
ou seja: é o número de linhas de força que atravessam uma determinada superfície
perpendicular às linhas. Sua unidade no SI é o WEBER (Wb).
Quando um condutor é submetido a um campo magnético e este é feito variar do valor máximo
a zero, no tempo de um segundo, provocando o aparecimento de uma d.d.p. de 1 VOLT entre
os terminais do condutor, dizemos que o fluxo máximo é de 1 WEBER.
A unidade de fluxo magnético no sistema CGS é o Maxwell.
8 8
Um Weber é igual a 10 Maxwell ou 10 linhas de campo magnético.

A figura abaixo mostra um fluxo magnético “φ “através de uma superfície “S”

11.9 – Vetor Campo Magnético ou Intensidade de Campo Magnético (H)


Vimos que o campo magnético é a região em torno do ímã onde ele exerce sua influência.
Sabemos também que, quanto mais próximo dos pólos do ímã, maior essa influência. Assim,
podemos atribuir ao campo magnético uma intensidade em um determinado ponto, e a linha
de força que passará por esse ponto terá uma direção e um sentido, ou seja:
O Campo Magnético é uma grandeza vetorial, pois possui módulo, direção e sentido.
O Vetor Campo Magnético é sempre tangente à linha de força no ponto considerado, como
pode ser visualizado na figura abaixo:

90 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 90


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Sua unidade é o Newton / Weber, que é definida como a intensidade do campo magnético
num ponto tal que uma massa magnética puntiforme de um Weber colocada nesse ponto fica
sujeita à força de um Newton.

F
H =
m
F = Força (Newtons)
m = Massa magnética (Webers)

Observação: A unidade de intensidade de campo magnético também pode ser expressa em


Ampères por metro, como veremos no próximo capítulo.

11.9.1 – Campo magnético uniforme


Um campo magnético é dito uniforme quando possui, em todos os pontos, mesma intensidade,
mesma direção e mesmo sentido. Isso pode ser visualizado na figura abaixo, na qual as linhas
de força que saem do pólo norte vão diretamente para o pólo sul à sua frente. Isso faz com
que na região central entre os pólos um campo magnético uniforme.
Um campo magnético uniforme é representado por linhas de força paralelas e eqüidistantes
entre si.
H

11.10 - Indução Magnética ou Densidade de Fluxo Magnético ( β ou B )


Trata-se do número de linhas de força por unidade de área, ou seja: as linhas que
"atravessam" uma seção do campo de área unitária:

φ
β=
S
2
No SI a densidade de fluxo magnético é expressa em Weber por metro quadrado (Wb/m ) e a
sua unidade recebeu o nome de TESLA (T).
−4
A unidade de indução magnética do sistema CGS é o Gauss. 1 Gauss = 10 Tesla.
Para melhor compreendermos o conceito de indução magnética, imaginemos um campo
magnético “H”, uniforme, no vácuo. Se colocarmos uma barra de ferro desmagnetizada em
seu interior, ocorrerá uma orientação dos seus domínios magnéticos, magnetizando-a (figura
abaixo).

91 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 91


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A barra, agora magnetizada, comporta-se como um ímã, apresentando portanto o seu próprio
campo magnético, que chamaremos de campo “M”, ou de magnetização, pois foi criado pela
magnetização da barra de ferro.
M

A interação desses dois campos gera um campo resultante Podemos observar que,
internamente à barra, as linhas de força têm sentidos coincidentes enquanto que, fora dela, há
pontos onde os sentidos são exatamente opostos ou formam ângulos entre si. O campo
resultante terá aproximadamente a forma abaixo:

A indução magnética (campo “B”) é, então, o campo magnético efetivo induzido em um


determinado meio.
É comum fazer-se confusão entre “B” e “H”, uma vez que possuem basicamente a mesma
natureza, e muitas vezes falamos em campo magnético quando queremos nos referir à
indução magnética

11.11 – Permeabilidade ( µ )
A permeabilidade exprime a facilidade que um determinado meio oferece ao estabelecimento
de um campo magnético. Esta grandeza é expressa pela relação

β
µ =
H

que é praticamente constante em meios não-magnéticos, porém apresenta variações em


meios magnéticos, pois depende do grau de imantação do material.
A permeabilidade absoluta de um material qualquer (µ) e a permeabilidade absoluta do vácuo
(µ0) são dadas em uma unidade conhecida como Henry/metro (H/m);
–7
A permeabilidade absoluta do vácuo é: µ0 = 4 π x 10 H/m.

92 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 92


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
11.12 - Permeabilidade Relativa ( µr )

É comum exprimir-se a permeabilidade de um determinado material comparativamente à do


vácuo (ou do ar), tomada como referência. Assim, a permeabilidade relativa de um
determinado material, chamada de µr, (muitas vezes representada apenas como µ), é a razão
entre a sua permeabilidade absoluta (µ)e a permeabilidade do ar ou do vácuo (µ0).
µ
µr =
µ0

Por ser uma razão entre duas grandezas de mesma natureza, a permeabilidade relativa é um
número adimensional. A permeabilidade do ar é igual a 1.

A classificação dos materiais em magnéticos e não magnéticos baseia-se nas fortes


propriedades magnéticas do Ferro e é dividida em três grupos:

1 – Materiais ferromagnéticos (µr >> 1) – Neste grupo estão o Ferro, o Aço, o Níquel, o
Cobalto e algumas ligas como o Alnico (Fe + Al + Ni + Co), o Permalloy (Ni + Fe), o Mumetal
(76% Ni + 17% Fe + 5% Cu + 2% Cr) e as Ferrites, que são materiais cerâmicos.
Abaixo, a permeabilidade relativa de alguns materiais ferromagnéticos:
Ferro = até 6.500
Permalloy = até 200.000
Mumetal = até 100.000
Ferrite = até 3.000
2 – Materiais paramagnéticos (µr > 1) – Este grupo de materiais apresenta permeabilidade
relativa ligeiramente maior do que 1 e a ele pertencem o Alumínio, a Platina, o Manganês e o
Cromo.
3 – Materiais diamagnéticos (µr < 1) – Neste grupo estão o Bismuto, o Antimônio, o Cobre, o
Zinco, o Mercúrio, o Ouro e a Prata.

Observação:
Da equação da permeabilidade na página anterior, podemos escrever:

β = H. µ

Analisando esta equação, observamos que a permeabilidade de um meio atua como um


variador do campo magnético, concentrando-o ou dispersando-o, dependendo se o material do
campo induzido “B” possui permeabilidade maior ou menor que a do campo original “H”.

93 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 93


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 12
ELETROMAGNETISMO

12.1 - Força Magnetomotriz (Fmm)

OERSTED foi o primeiro homem a observar que uma corrente elétrica pode dar origem ao
magnetismo, mostrando que há estreita ligação entre magnetismo e eletricidade. Sua
experiência foi simples: fazendo passar uma corrente por um condutor, pôde notar que isto
provocava o deslocamento de uma bússola próxima do mesmo, e que o sentido e a
intensidade do movimento da bússola estavam relacionados com o sentido e a intensidade da
corrente elétrica.
Hoje utilizamos normalmente a corrente elétrica para produzir campos magnéticos. A esse
campo magnético produzido pela passagem de uma corrente elétrica, chamamos CAMPO
ELETROMAGNÉTICO. Toda vez que há uma corrente elétrica circulando num condutor cria-se
um campo magnético ao redor desse condutor, cujo sentido depende do sentido da corrente
elétrica.
Chamamos de FORÇA MAGNETOMOTRIZ (f.m.m.) à causa do aparecimento de um campo
magnético. Num condutor percorrido por uma corrente elétrica, a força magnetomotriz é a
própria corrente,
Fmm = I

e sua unidade é também o AMPÈRE.

Observa-se, porém, que quando o condutor é enrolado em forma de bobina (ou SOLENÓIDE),
isto é, em forma helicoidal ou semelhante, os efeitos do campo magnético tornam-se "N"
vezes mais fortes, conforme o número de VOLTAS ou ESPIRAS descritas pelo mesmo, o que
nos permite dizer que a força magnetomotriz é então

Fmm = N . I
N = número de espiras

Neste caso, a unidade de força magnetomotriz pode ser denominada AMPÈRE-ESPIRA, (Ae)
porém alguns autores usam apenas o símbolo (A).

12.2 – Vetor Campo Magnético ou Intensidade de Campo Magnético (H)


Esta grandeza, também chamada “FORÇA MAGNETIZANTE”, tem exatamente a mesma
natureza da já estudada em 11.9. Aqui, no entanto, ela está sendo produzida pela passagem
de uma corrente elétrica. Sua intensidade em um ponto qualquer próximo do condutor que
conduz a corrente é diretamente proporcional à intensidade da corrente e inversamente
proporcional ao comprimento do "caminho" magnético que passa pelo ponto (caminho
representado por uma linha de força). Esse caminho é uma circunferência com o centro no
condutor e raio igual à distância entre o ponto e o condutor. O sentido é dado pela regra de
mão direita.

A unidade de intensidade de campo magnético é o Ampère/metro (A/m).

94 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 94


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A figura abaixo mostra uma linha de força do campo “H” passando por um ponto “P”, à
distância de um raio “r” de um condutor atravessado por uma corrente “I”.:

r P

A intensidade do campo no ponto “P”, em Ampères/metro, será dada por:

I
H=
L
onde:
I = intensidade da corrente, em Ampères (A)
L = 2.π.r = comprimento da linha de força, em metros (m)

No caso de uma bobina (ou solenóide), a intensidade no seu interior será dada por:

N.I
H =
√ 4.R2 + L2
onde:
N = Número de espiras
I = intensidade da corrente, em Ampères (A)
R = Raio do solenóide (m)
L = Comprimento do solenóide (m)

EXEMPLO: Calcular a intensidade do campo magnético no interior de um solenóide de 300


espiras, com seção transversal circular de raio 2cm e comprimento 15cm, no qual circula uma
corrente de 2A.

300 x 2
H = H = 3.865 A/m
√ 4 x 0,02 2
+ 0,15 2

95 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 95


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
12.3 - Sentido do Campo em Torno de um Condutor que Conduz Corrente
Existe uma relação definida entre o sentido da corrente e o sentido do campo magnético em
torno do condutor. Esta relação pode ser mostrada empregando-se a regra da mão direita.
Esta regra diz que se segurarmos um condutor com a mão direita, com o polegar apontando
no sentido da corrente convencional, os outros dedos indicarão o sentido das linhas de força
do campo magnético. A figura abaixo mostra a aplicação da regra da mão direita na
determinação do sentido do campo magnético ao redor do condutor.

H H

Obs.: Caso se utilize o sentido eletrônico da corrente, deve-se usar a mão esquerda.

12.4 - Sentido do Campo Produzido por uma Bobina Helicoidal


Verifica-se experimentalmente que o campo magnético produzido por uma corrente elétrica,
numa bobina deste tipo, é semelhante ao de um ímã em barra. Observa-se também que nas
extremidades da bobina os efeitos do campo são mais aparentes, como ocorre nos extremos
do ímã em barra, dando a mesma idéia de pólos. Realmente, a bobina age sobre um ímã
colocado perto dela, do mesmo modo que agiria um ímã em barra, e podem ser observadas as
mesmas ações entre pólos; isto permite que as extremidades da bobina possam ser
designadas como "NORTE" e "SUL".
Também neste caso é possível determinar o sentido do campo com ajuda das mãos. Basta
que se suponha estar segurando a bobina com a mão direita, de modo que os dedos (com
exceção do polegar) indiquem o sentido da corrente convencional nas espiras; o dedo polegar
indica, então, a extremidade "NORTE" da bobina (deverá ser usada a mão esquerda quando
se trabalhar com o sentido eletrônico da corrente).

I
– +

96 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 96


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
12.5 – Relutância (ℜ )
É a dificuldade que um determinado meio oferece ao estabelecimento de um campo
magnético. É diretamente proporcional ao comprimento (L) do corpo ou região em que está
sendo criado o campo e inversamente proporcional à permeabilidade (µ) e à área (S) da seção
transversal do corpo ou região em que está sendo criado o campo. Sua unidade é o Ampère
por Weber (A / Wb).

L
ℜ =
µ.S

12.6 - “Lei de Ohm” para Magnetismo


“O FLUXO MAGNÉTICO PRODUZIDO É DIRETAMENTE PROPORCIONAL À FORÇA
MAGNETOMOTRIZ E INVERSAMENTE PROPORCIONAL À RELUTÂNCIA.”

Fmm
φ =

12.7 - Circuitos Magnéticos


Sabemos que para produzir um campo magnético é necessário uma força magnetomotriz, e
que esta é obtida fazendo-se passar uma corrente elétrica por um condutor, de preferência
uma bobina, porque quanto maior o produto “N.I” mais forte o campo produzido.
Sabemos também que o campo magnético produzido depende da relutância, que por sua vez
varia com a seção transversal e a permeabilidade.
Quando uma bobina está enrolada em um núcleo magnético (uma peça feita de material
ferromagnético), o campo magnético produzido por uma corrente elétrica fica praticamente
limitado ao núcleo, dada a grande diferença entre as permeabilidades do núcleo e do ar que o
cerca; a permeabilidade de um material magnético pode ser centenas de vezes maior que a do
ar.
Chamamos de CIRCUITO MAGNÉTICO a uma região em que existe fluxo magnético e
podemos melhor observá-lo quando se trabalha com materiais magnéticos.
Consideremos o circuito magnético representado na figura abaixo, constituído por um núcleo
retangular, de seção uniforme e feito de um único tipo de material magnético.
Nele está enrolada uma bobina percorrida por uma corrente elétrica, produtora do fluxo
magnético no núcleo.

97 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 97


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Para produzir fluxo neste circuito magnético é necessária uma força magnetomotriz. Se for
mantida constante a seção do núcleo e variado o seu comprimento, verificar-se-á que será
menor a força magnetomotriz necessária para produzir o mesmo fluxo, à medida que o
comprimento for diminuindo.

12.8 - Resolução de Circuitos Magnéticos

EXEMPLO: Na bobina abaixo, de 1.000 espiras, determinar a corrente necessária para gerar
um fluxo de 4 mWb em um núcleo de ferrite maciço de espessura 8 cm, cuja permeabilidade
relativa é de 2.000.

20 cm
30 cm
I

25 cm

35 cm

O comprimento médio do circuito magnético será igual a:


L = 30 x 2 + 25 x 2 = 110 cm = 1,1 m

A seção transversal igual a:


S = 5 x 10-2 x 8 x 10-2 = 40 x 10-4 m2

A permeabilidade absoluta do núcleo será igual a:


µ = µ0 x µr = 4 π x 10-7 x 2.000 = 8 π x 10-4 H/m

A relutância será igual a:


L 1,1
ℜ = µ . S = 8 π x 10-4 x 40 x 10-4 = 1,094 x 105 A / Wb

A força magnetomotriz será igual a:


Fmm = φ . R = 4 x 10-3 x 1,094 x 105 = 437,6 Ae

A corrente será então igual a:


Fmm 437,6
I = N = 1.000 I = 0,438 A

98 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 98


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Uma outra forma de resolver este circuito magnético:

φ 4 x 10-3
β = = = 1T
S 40 x 10-4

µ = µ0 x µr = 4 π x 10-7 x 2.000 = 8 π x 10-4 H/m

β 1
H = = = 397,89 A/m
µ 8 π x 10-4

Fmm = H . L = 397,89 x 1,1 = 437,6 Ae

Fmm 437,6
I = = 1.000 I = 0,438 A
N

12.9 – Circuito Magnético com Entreferro


Um circuito magnético pode conter uma ou mais aberturas de ar chamadas de “entreferro”
(“gap” em inglês). Estes podem ser feitos propositadamente ou podem aparecer devido às
características construtivas do núcleo, onde as suas duas partes não ficam perfeitamente
unidas, como a da figura abaixo à direita:

Nos motores elétricos, que são circuitos magnéticos mais complexos, o entreferro é inevitável,
pois o rotor deve ficar livre para girar no interior do estator. Contactores, relés e cabeças
magnéticas de gravadores de fita e de discos magnéticos também são dispositivos que
apresentam entreferro.
O seu tamanho pode variar de milésimos de milímetros até alguns poucos milímetros e, apesar
do seu pequeno comprimento, afetam o comportamento do circuito magnético de forma
significativa, uma vez que o ar apresenta uma relutância muito mais alta do que o núcleo,
dificultando assim, a passagem do fluxo magnético.
Este, por sua vez, ao atravessar o entreferro, se dispersa, ocupando uma área maior que a do
núcleo. Esse fenômeno se chama “espraiamento”. Como consequência, a área da seção
aparente do entreferro (Se), que é a área efetivamente ocupada pelo fluxo, é maior do que a
área da seção do núcleo (SN).
O valor da área da seção aparente do entreferro é estimada através do “Coeficiente de
Dispersão” (cd). Este é sempre maior que 1 (um) e deve ser multiplicado pela área do núcleo
para se obter a área do entreferro.

Se = SN . cd

99 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 99


e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
12.9.1 - Cálculo de um Circuito Magnético com Entreferro
Este cálculo deve ser feito em duas partes: Primeiramente calcula-se as grandezas referentes
ao núcleo propriamente dito, como já vimos anteriormente. Em seguida, calcula-se a parte do
entreferro. Neste caso, a relação entre β e H é obtida através da fórmula: β = H.µ0

EXEMPLO: Calcular a corrente necessária na bobina abaixo para que o fluxo gerado seja igual
a 15 x 10-3 Wb. O núcleo é quadrado, sua espessura é de 18 cm e as dimensões no desenho estão
em centímetros.

N = 1.100 espiras
µr = 242 (núcleo)
0,2
cd = 1,167

5 30 5

O comprimento médio do núcleo será:


L = 4 x 35 – 0,2 = 139,8 x 10-2 m

Área da seção transversal do núcleo:


SN = 5 x 10-2 x 18 x 10-2 = 90 x 10-4 m2

A indução no núcleo será:


φ 15 x 10-3
βN = S = = 1,67 T
90 x 10-4
A permeabilidade do núcleo será igual a:
µN = µ0 x µr = 4 π x 10-7 x 242 = 3,04 x 10-4 H/m

Logo:
β 1,67
HN = = = 5.500 A/m
µ 3,04 x 10-4
A Fmm no núcleo será então:
FmmN = HN . LN = 5.500 x 139,8 x 10-2 = 7.689 Ae

Indução no entreferro:
φ 15 x 10-3
βe = = = 1,43 T
S.cd 90 x 10-4 x 1,166
O campo magnético no entreferro será:
β 1,43
He = = = 1.137.957 A/m
µ0 4 π x 10-7

100 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 100
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Força magnetomotriz no entreferro:
Fmme = He.Le = 1.137.957 x 0,002 = 2.276 Ae

A Fmm total será igual a:


Fmm = FmmN + Fmme = 7.689 + 2.276 = 9.965 Ae

A corrente necessária será, então:


Fmm 9.965
I = N = 1.100 I = 9,06 A

12.10 - Força Portante de um Eletroímã


Um circuito magnético com entreferro apresenta uma força de atração entra as partes
separadas. A parte móvel é chamada de “âncora”. Chama-se força atrativa de um ímã ou
eletroímã a força com que este atrai a sua âncora. Esta força será máxima quando a âncora
estiver encostada ao núcleo e recebe o nome de “força portante”.
Força portante é a força mínima exercida pelo eletroímã para segurar um objeto
ferromagnético.
Essa força depende da área de contato entre núcleo e âncora e da indução magnética
existente no circuito.
A força portante de um eletroímã pode ser dada por uma das seguintes equações:

F = µ0 . H2 . S

β2.S
F =
µ0

φ2
F =
µ0 . S

onde:

F = Força portante (N)


µ0 = Permeabilidade do vácuo (4 π x 10-7 H/m)
H = Campo magnético no núcleo do eletroímã (A/m)
S = Área da sapata polar do eletroímã (m2)
β = Indução na sapata polar do eletroímã (T)
φ = Fluxo no núcleo do eletroímã (Wb)

101 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 101
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
EXEMPLOS: 1 - Calcular a força portante do eletroímã da figura abaixo, cuja espessura do
núcleo é igual a 1,5 cm.

N = 60 espiras

2 cm
I = 0,5 A
µr = 3.000 (núcleo)

8 cm
2 cm

2 cm 2 cm

8 cm

Comprimento total do circuito magnético:


L = 6 x 4 = 24 cm = 0,24 m

Área da seção transversal do núcleo:


S = 0,015 m x 0,02 m = 0,0003 m2 = 3 x 10-4 m2

Fmm = 0,5 A x 60 esp = 30 Ae

Permeabilidade absoluta do núcleo:


µ = µ0 x µr = 4 π x 10-7 x 3.000 = 3,77 x 10-3 H/m

A relutância será igual a:

L 0,24
ℜ= = = 2,122 x 105 A / Wb
µ.S 3,77 x 10-3 x 3 x 10-4

O fluxo no núcleo será:


Fmm 30
φ = = -4
5 = 1,414 x 10 Wb
ℜ 2,122 x 10

A força portante será então igual a:


φ2 (1,414 x 10-4)2 53
F = µ0 . S =
4 π x 10-7 x 3 x 10-4
F = 53 N ou F = = 5,4 Kgf
9,8

Calculando de outra forma, a indução no núcleo será igual a:


φ 1,414 x 10-4 = 0,4713 T
β = =
S 3 x 10-4

E a força portante será então igual a:


β2.S 0,47132 x 3 x 10-4 53
F =
µ0
=
4 π x 10-7
F = 53 N ou F = = 5,4 Kgf
9,8

102 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 102
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Obs.: No caso de núcleos do tipo indicado na figura abaixo, nos quais as seções S1 e S3 das
colunas laterais têm a metade da área da coluna central (S2), usa-se a área desta última para
o cálculo da força portante.

12.11 - Métodos para Magnetização ou Imantação


Para que os domínios magnéticos de um corpo sejam orientados, é necessário submetê-los a
um campo magnético suficientemente forte para provocar o deslocamento dos mesmos.
Para tanto pode ser usado o campo magnético de um outro corpo imantado ou o campo
produzido numa bobina (ou mesmo num condutor) pela passagem de uma corrente elétrica.
O grau de imantação adquirida pelo corpo depende do número de domínios orientados e,
evidentemente, será conseguido o máximo de imantação quando todos os domínios estiverem
orientados. Esta última condição corresponde à SATURAÇÃO MAGNÉTICA do material.

12.12 - Curvas de Magnetização


Estas curvas, também conhecidas como curvas β x H , mostram de que modo varia a
densidade de fluxo (β)num material magnético, à medida que varia a força magnetizante (H),
que por sua vez depende da intensidade da corrente elétrica, aplicada ao mesmo. Estas
curvas, evidentemente, exprimem também a variação do fluxo magnético em função da força
magnetomotriz.
A seguir são apresentadas algumas curvas de materiais magnéticos comumente utilizados:

103 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 103
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
12.13 - Histerese
As relações entre a densidade de fluxo magnético e a força magnetizante para certos
materiais, expressas pelas suas curvas de magnetização, dependem não só da força
magnetomotriz utilizada como também do histórico magnético desses materiais. Isto significa
que essas substâncias não voltam a sua situação magnética primitiva, após serem submetidas
a um processo de magnetização.
Se uma amostra de um material ferromagnético sem qualquer imantação inicial fosse
submetida a uma força magnetizante crescente, sua curva de magnetização seria semelhante
à da figura abaixo (de "0" para "A"):

A redução da força magnetizante a zero deveria fazer cair também a zero o valor da densidade
de fluxo. Entretanto, isto não ocorre, e o material permanece com alguma imantação (0-B), na
figura); este resíduo é chamado DENSIDADE DE FLUXO REMANENTE
(REMANESCENTE ou RESIDUAL). O maior valor da densidade de fluxo residual, que é
conseguido com a imantação da amostra até a saturação, é conhecido como REMANÊNCIA
do material.
Para fazer desaparecer esse magnetismo residual é necessário imantar o material em sentido
contrário, invertendo o sentido da corrente. A força magnetizante necessária para anular a
densidade de fluxo remanente (0-C) é chamada FORÇA COERCITIVA ou CAMPO
COERCITICO, e o maior valor desta força, justamente o correspondente ao maior valor da
densidade de fluxo remanente, é chamado COERCIVIDADE do material.
O aumento progressivo da força magnetizante, em setido inverso, provoca um aumento na
densidade de fluxo, também no sentido inverso, até, novamente, a saturação do material (C-
D), desta vez também no sentido inverso.
Reduzindo a força magnetizante até zero, verificamos que o material apresenta, novamente,
um magnetismo remanente, desta vez no sentido inverso (0-E) e para desmagnetizá-lo é
necessário submetê-lo a uma força magnetizante no mesmo sentido inicial da experiência (0-
F), invertendo novamente o sentido da corrente.
O retardamento observado na variação da densidade de fluxo justifica o nome de HISTERESE
adotado para designar o fenômeno em apreço, pois esta palavra significa atraso, retarda-
mento.

104 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 104
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
A curva completa (A-B-C-D-E-F-A) obtida é denominada CICLO ou CURVA DE
HISTERESE. É também conhecida como LAÇO DE HISTERESE.

O fluxo remanente é causa de perda de energia, quando um material é submetido a uma


força magnetizante alternada.

Essa perda é devida à energia necessária para desmagnetizar o material e magnetizá-lo no


sentido oposto. Naturalmente, ela é tão maior quanto maior for a remanência do material.

105 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 105
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 13
INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

Se um condutor fosse submetido a um campo magnético variável (onde todos os pontos


apresentam intensidade de campo variável), entre seus extremos poderia aparecer uma
diferença de potencial que, no caso, é conhecida como FORÇA ELETROMOTRIZ
INDUZIDA; o fenômeno em questão é chamado de INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA.
Também poderia ser produzida uma força eletromotriz induzida num condutor, se o mesmo
fosse aproximado ou afastado de um ímã (introduzido ou retirado do campo magnético do
ímã). Teríamos ainda o mesmo efeito, se o condutor fosse mantido em repouso e o ímã dele
se aproximasse ou se afastasse.
As três situações a que nos referimos apresentam uma coisa em comum: PARA O
CONDUTOR, ESTÁ SEMPRE HAVENDO UMA VARIAÇÃO DE FLUXO. Realmente esta
é a condição para que se produza uma força eletromotriz induzida, isto é, É NECESSÁRIO
QUE EXISTA MOVIMENTO RELATIVO ENTRE O CONDUTOR E O CAMPO MAGNÉ-
TICO.
Mas, que acontece no condutor, produzindo a d.d.p.?
Sabemos que elétrons em movimento são minúsculos ímãs. Num material condutor os
elétrons livres existem em grande quantidade e estão normalmente em movimento
desordenado. Quando o condutor é submetido ao campo magnético, nas condições citadas
nos primeiros parágrafos, o campo atua sobre os elétrons (não esquecer que são ímãs)
obrigando-os a se deslocarem para uma das extremidades do condutor, estabelecendo-se
deste modo uma d.d.p.

13.1 - Lei de Lenz


Faraday foi o primeiro homem a produzir uma força eletromotriz induzida e a determinar seu
valor, porém a determinação do seu sentido é devida a Lenz, Após estudar o fenômeno,
Lenz apresentou a conclusão que se segue, conhecida como LEI DE LENZ:

"O SENTIDO DE UMA FORÇA ELETROMOTRIZ INDUZIDA É TAL QUE ELA SE OPÕE,
PELOS SEUS EFEITOS, À CAUSA QUE A PRODUZIU."

106 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 106
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
13.2 - Sentido da F.E.M. Induzida
Conclui-se que é geralmente necessário conhecer a direção e o sentido do campo, que, por
convenção, correspondem à direção e ao sentido indicados respectivamente pelo eixo
longitudinal e pela extremidade "NORTE" da agulha imantada de uma bússola colocada no
mesmo.
Para tornar mais prática a determinação do sentido de uma força eletromotriz induzida, existe
A “Regra de Fleming”, ou Regra da Mão Direita.
Esta regra consiste na utilização dos dedos indicador, polegar e médio da mão direita como se
fossem as arestas de um cubo que saem do mesmo vértice. Se o indicador apontar o sentido
do campo e o polegar indicar o sentido do movimento do condutor (movimento relativo), o
dedo médio mostrará o sentido da corrente convencional no condutor.
Caso se utilize o sentido eletrônico da corrente elétrica, a mão esquerda deve ser usada.

Sentido do
Movimento
Sentido do
Campo

Sentido da
Corrente

Regra de Fleming (Regra da Mão Direita)

13.3 - Valor da F.E.M. Induzida (Lei de Faraday)


o valor médio da força eletromotriz induzida, quando o condutor é submetido a um campo
magnético variável, é proporcional à rapidez com que o fluxo varia (razão de variação do fluxo
magnético); esta é a LEI DE FARADAY, expressa pela relação

∆φ
E= –
∆t
E = força eletromotriz induzida (valor médio), em VOLTS (V)
∆φ = variação de fluxo magnético, em WEBERS (Wb)
∆t = tempo decorrido durante a variação de fluxo, em SEGUNDOS (s)

Observação: O sinal (–) indica que a f.e.m. induzida se opõe, pelos seus efeitos, à causa que
a produziu.

107 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 107
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Quando se trata de uma bobina submetida a um campo magnético variável, a tensão média
induzida na mesma é obtida com a equação

∆φ
E= –N.
∆t

N = número de espiras da bobina

É importante ressaltar que a f.e.m. induzida depende na realidade da rapidez com que o fluxo
magnético varia (∆φ / ∆t) e não propriamente do fluxo, pois um condutor em repouso
submetido a um campo magnético constante não apresenta f.e.m. induzida.
Quando um condutor se movimenta num campo magnético, ou quando o ímã produtor do
campo é aproximado ou afastado do condutor em repouso (ou ainda quando o ímã e o
condutor se movimentam com velocidades diferentes), a f.e.m. induzida depende diretamente
da grandeza do campo, da velocidade com que o condutor se movimenta em relação ao
campo e do comprimento da parte do condutor submetida ao campo:

N Emáx
α
S
e = β . L . v . sen α
e = valor instantâneo da f.e.m. induzida no condutor, em Volts (V)
β = densidade do fluxo magnético, em Teslas (T)
L = comprimento da parte do condutor submetida ao campo magnético, em Metros (m)
v = velocidade com que o condutor atravessa o campo, em (m/s)
sen α = seno do ângulo entre a direção do movimento do condutor e a direção do campo

Esse valor será zero quando α = 0º ou α = 180º, uma vez que sen 0º = sen 180º = 0.
Por outro lado, esse valor será máximo quando α = 90º, resultando em sen 90º = 1.

Nesta condição, podemos dizer que e = β . L . v = Emáx

A equação da f.e.m. instantânea pode então ser escrita como:

e = Emáx . sen α

108 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 108
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
NOTA: “v.sen α” é, portanto, a componente da velocidade do condutor perpendicular à
direção do campo. A equação acima mostra que a f.e.m. induzida é máxima quando o
condutor “corta” o campo perpendicularmente (sen α = 1). Também que não há tensão
induzida quando o condutor se movimenta paralelamente à direção do campo (sen α = 0).

13.4 - Indutância
Indutância é a propriedade que tem um corpo condutor de fazer aparecer em si mesmo ou
noutro condutor uma força eletromotriz induzida.
Para que seja criada uma força eletromotriz induzida num condutor, é necessário, como já foi
estudado, que o mesmo esteja submetido a um campo magnético variável. Portanto, a
indutância de um corpo é uma propriedade que só se manifesta quando a corrente que passa
pelo corpo varia de valor, o que produz um campo magnético variável, ao qual está submetido
o próprio corpo ou um outro condutor.
Quando o corpo induz em si mesmo uma força eletromotriz, chamamos o fenômeno de AUTO-
INDUÇÃO e dizemos que o corpo apresenta AUTO-INDUTÂNCIA. A força eletromotriz
induzida neste caso é conhecida também como FORÇA ELETROMOTRIZ DE AUTO-
INDUÇÃO ou FORÇA CONTRA - ELETROMOTRIZ (f.c.e.m.), como descrito na página
anterior (Lei de Faraday).
Em muitos casos, porém, a indutância estará submetida a uma fonte de corrente alternada
senoidal. Neste caso, podemos dizer que o valor médio da f.c.e.m. em uma espira calculado
para um quarto de ciclo (T / 4) será:

∆φ
Emédia =
∆t

φmáx
Emédia = = 4 . f . φmáx
T
4

2 . Emáx
Como numa onda senoidal Emédia = , temos:
π

4 . π . f . φmáx
Emáx = 2
=> Emáx = 2 . π . f . φmáx

Como ω = 2 . π . f , temos: Emáx = ω . φmáx

Para um número “N” de espiras,

Emáx = 2 . π . f . φmáx . N ou Emáx = ω . φmáx . N

109 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 109
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
O outro caso de indutância é conhecido como INDUTÃNCIA MÚTUA, e o fenômeno é
conhecido como INDUÇÃO MÚTUA. Sempre que dois condutores são colocados um próximo
do outro, mas sem ligação entre eles, há o aparecimento de uma tensão induzida num deles,
quando a corrente que passa pelo outro é variada. Este é o princípio de funcionamento de um
dispositivo chamado TRANSFORMADOR (figura abaixo), de grande aplicação em circuitos
elétricos e eletrônicos, e que, na sua forma mais simples, é constituído por dois enrolamentos
isolados eletricamente, chamados de “primário” e “secundário”, porém ligados indutivamente,
isto é, um fica submetido ao campo magnético do outro.
Um transformador é utilizado para elevar ou reduzir uma tensão, e a razão entre as tensões do
primário e do secundário é diretamente proporcional à razão entre os números de espiras
desses dois enrolamentos, respectivamente, como mostra a equação abaixo. Essa razão é
chamada de “relação de transformação”.
Primário Secundário

V1 N1
= V1 N1 N2 V2
V2 N2

Obs.: O estudo mais detalhado dos transformadores se encontra em nossa Apostila de


Máquinas Elétricas I.
Um corpo pode apresentar pequena ou grande indutância, conforme suas características
físicas. Como unidade de indutância foi escolhido HENRY (H).
Um corpo condutor tem uma autoindutância de 1 HENRY, quando é capaz de produzir em si
mesmo uma força eIetromotriz induzida de 1 VOLT, sempre que é percorrido por uma corrente
que varia na razão de 1 AMPÈRE POR SEGUNDO.
Dois condutores apresentam uma indutância mútua de 1 HENRY, quando uma força
eletromotriz de 1 VOLT é induzida em um deles, em conseqüência da variação de corrente no
outro, na razão de 1 AMPÈRE POR SEGUNDO.

13.4.1 – Cálculo de um indutor


O valor da indutância apresentado por um indutor depende, basicamente, das suas dimensões
físicas, do número de espiras e da permeabilidade do material empregado no núcleo.
O seu cálculo exato depende de matemática avançada, o que foge ao escopo deste trabalho.
No entanto, podemos utilizar a fórmula abaixo, que dá o valor aproximado de indutâncias com
espiras enroladas em uma única camada, conforme a figura abaixo.

N2.d2.µr.10-6
L=
0,46.d + c

µr = Permeabilidade relativa

110 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 110
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
13.5 - Coeficiente de Indutância Mútua (M)
O número que exprime a possibilidade que um condutor tem de induzir em outro uma força
eIetromotriz é o coeficiente de indutância mútua do par de condutores ou de bobinas, como na
figura anterior, e é dado pela equação abaixo:

µ . NA . NB . S
M=
L

µ = permeabilidade do meio
NA = No. de espiras da bobina A
NB = No. de espiras da bobina B
S = Seção do circuito magnético
L = comprimento do circuito magnético

13.6 - Coeficiente de Acoplamento


A indutância mútua entre duas bobinas (ou dois circuitos) depende da auto-indutância de
cada bobina, e da fração do fluxo magnético (produzido por uma delas) que é aproveitada
pela outra.
Chamamos de COEFICIENTE DE ACOPLAMENTO (K) à percentagem do fluxo produzido
por uma das bobinas que é aproveitada pela outra, isto é, que vai influir na produção de uma
força eletromotriz induzida na outra.

2
M2
K =
LA . LB
M = Coeficiente de Indutância Mútua
LA = Coeficiente de auto-indutância da bobina A
LB = Coeficiente de auto-indutância da bobina B

13.7 - Associação de Indutâncias sem indutância mútua


A associação de indutores deve ser considerada sob dois aspectos: SEM INDUTÂNCIA
MÚTUA E COM INDUTÂNCIA MÚTUA.
Em qualquer dos dois casos, podemos associar as indutâncias EM SÉRIE ou EM PARALELO.
Na associação em série sem indutância mútua, as bobinas deverão estar dispostas de tal
modo que o campo magnético de uma não possa induzir uma força eletromotriz nas outras.
Como estarão em série, a mesma corrente fluirá em todas, e elas estarão sujeitas à mesma
variação de corrente. O valor total da indutância é dado pela fórmula:

Lt = L1 + L2 + L3 + . . .

111 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 111
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Na associação em paralelo sem indutância mútua não haverá acoplamento magnético entre
elas e a força contra-eletromotriz induzida será a mesma em todos os indutores. Cada braço
do circuito apresentará uma razão de variação de corrente diferente (a não ser que todos os
braços apresentem a mesma auto-indutância). O seu valor total é dado pela fórmula:

1 1 1 1
= + + + ...
Lt L1 L2 L3

Na associação com indutância mútua, temos as seguintes expressões para cálculo da


indutância total ou equivalente:

13.8 - Associação em série com indutância mútua

Lt = L1 + L2 ± 2M

O sinal (+) é usado quando as forças eletromotrizes induzidas mutuamente se somam às de


auto-indução. O sinal (–) é usado quando as forças eletromotrizes induzidas mutuamente se
opõem às de auto-indução.

13.9 - Associação em paralelo com indutância mútua

( L1 . L2 ) – M2
Lt =
L1 + L2 ± 2M

O sinal (–) é usado no denominador quando os indutores se ajudam mutuamente; o sinal (+) é
usado quando estão em oposição.

13.10 - Correntes de Foucault


Os núcleos de transformadores e outras máquinas ficam sujeitos a campos magnéticos
variáveis e, portanto, aparecem neles correntes induzidas. Essas correntes parasitas são
chamadas CORRENTES DE FOUCAULT e, como é evidente, representam um consumo
de energia desnecessário.
Para diminuir o efeito das correntes em questão, os núcleos de transformadores e de outros
dispositivos que trabalham com campos magnéticos variáveis são feitos geralmente de
materiais ferromagnéticos de grande resistividade e constituídos por lâminas. A laminação
é feita no sentido do fluxo, porque as correntes produzidas são perpendiculares ao fluxo. As
lâminas são isoladas umas das outras com verniz isolante, como mostrado na figura
abaixo.

112 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 112
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 14
TRANSIENTES EM CORRENTE CONTÍNUA

O termo TRANSIENTES refere-se às quantidades cujos valores variam devido a alterações


transitórias ou momentâneas registradas no circuito elétrico, particularmente ao ligar-se ou
desligar-se o circuito.

14.1 - Circuito R-C


Consideremos um capacitor de dielétrico perfeito associado em série com um resistor, e
analisemos o que ocorre quando o conjunto é ligado a uma fonte de tensão constante.

S1 S2

Icarga Idescarga
+ R
V

C

Ao fechar-se a chave S1, há o deslocamento de elétrons no circuito, com a finalidade de


igualar os potenciais das placas do capacitor aos dos terminais da fonte; uma das placas ficará
na mesma situação do negativo e a outra, do positivo da fonte. Haverá corrente no circuito
apenas durante o tempo necessário para que esta igualdade seja estabelacida, e essa
corrente será máxima no instante em que o capacitor for ligado à fonte, caindo a zero após o
capacitor ficar completamente carregado, quando a d.d.p. entre suas placas será igual à
existente entre os terminais da fonte.
Observa-se que as grandezas em questão não variam segundo uma função linear, mas sim
uma função exponencial, sendo a tensão e a corrente definidas pela expressão abaixo:

v = V (1 – e –t/RC ) i = I . e –t/RC

v = Valor instantâneo da tensão de carga do capacitor


V = Tensão da fonte em Volts (V)
i = Valor instantâneo da corrente de carga
I = Valor inicial da corrente de carga (I = E / R), em Ampères (A)
e = Base do logaritmo neperiano (e = 2,71828)
t = Tempo decorrido do fechamento da chave, em Segundos (s)
R = Resistência, em Ohms (Ω)
C = Capacitância, em Farads (F)

113 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 113
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
As curvas da corrente e da tensão no capacitor estão representadas na figura abaixo:

Para analisarmos o processo de descarga, pressupomos que o capacitor encontra-se


plenamente carregado e a chave S1 aberta. Fechando-se S2, inicia-se o processo de descarga
do capacitor, que a exemplo da carga, obedece também a uma variação exponencial,
conforme os gráficos e as expressões abaixo:

i = - I . e –t/RC v = V . e –t/RC

Obs.: O sinal (-) na corrente indica que esta tem sentido oposto à de carga.

14.2 - Constante de tempo de um circuito R–C ( τ )


É o tempo que seria necessário para a corrente atingir o valor zero, se continuasse
decrescendo com a mesma rapidez (razão) observada no início dos processos de carga ou de
descarga. A razão ou taxa de variação da corrente diminui a cada instante, o que retarda a sua
queda, tornando mais demorada a carga ou a descarga do capacitor. Por este motivo, no
tempo correspondente a uma constante de tempo a corrente perde apenas 63,2% do seu valor
inicial; isto significa que a constante de tempo é também o tempo necessário para que a carga
do capacitor e a tensão entre suas placas atinjam 63,2% do seu valor final.
A rigor, o capacitor só ficaria completamente carregado ou a corrente cairia a zero em um
tempo infinitamente grande ( t = ∞ ). Entretanto, na prática, podemos considerar que isso
ocorre após decorrido um tempo igual a 5 constantes de tempo. Em um circuito R – C a
constante de tempo é representada pela letra grega “τ” (tau) e é dada pela expressão

τ=R.C

114 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 114
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
14.3 - Circuito R-L
Em um circuito como o da figura abaixo, constituído por indutância pura e resistência, o
crescimento da corrente é retardado pela força contra-eletromotriz resultante da própria
variação da corrente.
S1

R
+
V

L

O valor final da corrente é determinado pela lei de Ohm ( I = E / R ). Ao ser ligado o circuito, a
força contra-eletromotriz é máxima, pois a razão de variação da corrente também é máxima, e
a corrente é igual a zero. Esta cresce exponencialmente até o seu valor final, em um tempo
que depende da relação entre “L” e “R” ( τ = L / R ), quando então pára de crescer; em
conseqüência, a força eletromotriz de auto-indução (contra-eletromotriz) torna-se nula.
O gráfico e a expressão abaixo mostram, respectivamente, a curva de crescimento da corrente
e o cálculo do seu valor instantâneo:

i = I (1 – e –t.R/L )

Quando o mesmo circuito é desligado, ocorre outra vez uma variação de corrente que provoca
o aparecimento de uma força eletromotriz induzida. Esta, de acordo com a Lei de Lenz, tende
a manter o circuito, retardando o seu desaparecimento. Este fenômeno é, muitas vezes,
acompanhado de centelhas entre os contatos que foram afastados, uma vez que a auto-
indução tende a manter a corrente que foi interrompida.
Esta decresce, então, exponencialmente, até anular-se, de acordo com a curva e a expressão
abaixo, que determina o seu valor instantâneo:

i = I . e –t.R/L

115 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 115
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
14.4 - Resolução Gráfica
Podemos encontrar os valores instantâneos da corrente e da tensão de uma forma
aproximada e bastante simplificada nos circuitos R – C e R – L, utilizando as “Curvas
Exponenciais Universais” dadas abaixo.
O eixo das abcissas corresponde ao número de constantes de tempo e o eixo das ordenadas
dá, em percentagem, o valor da grandeza considerada.

Curvas Exponenciais Universais

116 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 116
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Exercício – Transientes (Concurso Inmetro – 2010)

Solução:

1 - Transforma-se a fonte de corrente de 2A em paralelo com o resistor de 4 Ω em uma fonte de


tensão em série com uma resistência (transformação Norton x Thèvenin).

O valor da fonte de tensão será igual a:


VTH = 2 A x 4 Ω = 8 V

O resistor terá o mesmo valor (4 Ω). O circuito transformado ficará como na fugura abaixo:

R1 = 4 Ω A R2 = 4 Ω

+ +
8V 4V
– 0,5 F –

117 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 117
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
2 – Aplica-se Thèvenin entre os pontos A e B. Então a corrente total será de:
I = (8V – 4V) / (4 Ω + 4 Ω) = 0,5 A

A queda em R1 será de 0,5A x 4 Ω = 2 V

A tensão no ponto A será 8V – 2V = 6V (VTH)

A resistência equivalente de Thèvenin será o paralelo das duas: RTH = 2 Ω

O circuito equivalente final ficará como abaixo:

RTH = 2 Ω A

+
6V
– 0,5 F

A tensão final no capacitor será igual à da fonte (6V) e a constante de tempo será igual a R x C
τ = 2 Ω x 0,5 F = 1 s
Então, a resposta correta é a letra “C”.

MACETE:

Dá para resolver esta questão de cabeça e em menos de 15 segundos: Visualizando-se que na


transformação de Norton para Thèvenin ficarão duas resistências de 4 Ω que, na transformação
do Thévenin final ficarão em paralelo (2 Ω), multiplicando-a por 0,5 F teremos

τ = 2 Ω x 0,5 F = 1 s
Como a única opção com esta constante de tempo é a letra “C”, não precisa fazer mais nada.

Em concursos, isso vale muito!!!

118 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 118
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
APÊNDICE I – Exercícios Resolvidos

Exercícios resolvidos do Capítulo 4:

1 – Determinar o número de elétrons que percorreram o filamento de uma lâmpada, em 10 segundos,


sabendo que um amperímetro acusou uma corrente de 2A.
Q=I.t
Q = 2 x 10 = 20 C
N = 20 x 6,25 x 1018 = 125 x 1018 elétrons

2 – Qual o tempo necessário para que o filamento de uma lâmpada seja percorrido por uma carga de
0,003 C, se a corrente que ele solicita é de 0,03 A ?
Q=I.t
t = Q / I = 0,003 / 0,03 = 0,1 s

3 – Se a quantidade de eletricidade que percorreu um circuito foi de 2C, no tempo de 10s, qual era a
intensidade de corrente no mesmo?
Q = I. t
I = Q / t = 2 / 10 = 0,2 A

7 – Num circuito, um amperímetro indica uma corrente de 10 A. O aparelho que está ligado tem uma
resistência de 300 ohms. Qual a tensão do gerador?
V = R . I = 300 x 10 = 3.000 V = 3 kV

9 – Uma torradeira elétrica é projetada para solicitar 6 A, quando é ligada a uma tensão de 110V. Qual
será o valor da corrente ao ser ligada numa rede de 120V ?
R = V / I = 110 / 6 = 18,33 Ώ
I = V / R = 120 / 18,33 = 6,55 A

10 – Através de um resistor de 10Ω passa uma quantidade de eletricidade de 1Ah no tempo de 6 minutos.
Calcular a tensão aplicada.
1 Ah = 3.600 C
6 min = 360 s

Q=I.t
I = Q / t = 3.600 / 360 = 10 A

V = R . I = 10 x 10 = 100 V

13 – Qual o tempo de recarga de uma bateria de celular com capacidade de 1,5Ah, se o seu carregador
tem capacidade de fornecer uma corrente de 250mA?
Q=I.t
t = Q / i = 1,5 / 0,25 = 6 horas

119 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 119
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Exercícios resolvidos do Capítulo 5:

3 – O fio usado em um aquecedor elétrico tem uma resistência de 57Ω. Calcular: a) a energia que
consome em 3 horas, sabendo que solicita uma corrente de 2A; b) a tensão da fonte a que está ligado.
t=3h
V = R . I = 57 x 2 => V = 114 V
P = V . I = 114 x 2 = 228 W
W = P . t = 228 x 3 => W = 684 Wh

4 – Que tensão deve ser aplicada a um aquecedor de 600W, para que solicite uma corrente de 12A?
Determinar também a sua resistência e a energia que consome em 3 horas.
P=V.I
V = P / I = 600 / 12 => V = 50 V
R = V / I = 50 / 12 => R = 4,17 Ω
W = P . t = 600 x 3 = 1.800 Wh => W = 1,8 kWh

7 – Um motor alimentado por uma tensão de 230V solicita uma corrente de 75A. Qual a potência de
entrada do motor? Qual a potência mecânica (em C.V.) fornecida pelo motor, se o seu rendimento for de
75%?
Pi = V . I = 230 x 75 = 17.250 W => Pi = 17,25 kW
Po = Pi x η = 17,25 x 0,75 = 12,94 kW
1 kW = 1,36 CV
12,94 kW = 1,36 x 12,94 => Po = 17,6 CV

9 – Qual a energia consumida por uma lâmpada em 3 horas, se a corrente que percorreu seu filamento era
de 0,5 A ao ser ligada numa tensão de 120V ? Determinar também a potência da lâmpada e o custo
mensal da energia caso a mesma fique ligada permanentemente.
P = V . I = 120 x 0,5 = 60 W
W = P . t = 60 x 3 = 180 Wh (em 3 horas)
1 mês = 24 h x 30 d = 720 h
W = P . t = 60 x 720 = 43.200 Wh = 43,2 kWh
Custo = 43,2 x R$ 0,48 = R$ 20,74

120 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 120
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
13 – Se um aquecedor elétrico solicita 3,8A quando é ligado a uma fonte de 230V, determinar o tempo
necessário para que 1,7 litros de água atinjam o ponto de ebulição (nas CNTP), admitindo que a
temperatura inicial da água era de 12ºC e o rendimento do aquecedor é de 70%.
c = 1 (calor específico da água)
d = 1 (densidade da água)
Como d = 1,
1,7 litros = 1,7 kg = 1.700g
∆θ = 100 – 12 = 88ºC

Qo = m . c . ∆θ = 1.700 x 1 x 88 = 149.600 cal


Qi = Qo / η = 149.600 / 70% = 149.600 / 0,7 = 213.714 cal
Qi = 0,239 . R . I2 . t = R . I . I . t

Como R . I = V, temos que:


Qi = 0,239 . V . I . t
Qi = 0,239 x 230 x 3,8 x t
213.714 = 0,239 x 230 x 3,8 x t

213.714
t= = > t = 1.023 s ≈ 17 min
0,239 x 230 x 3,8

121 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 121
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
14 – Um processo precisa aquecer de 25ºC para 85ºC 1.000 litros de água em 1 hora. Sabendo-se que a
tensão disponível é de 380V e a eficiência do aquecimento é de 85%, calcular o valor da resistência e a
sua potência dissipada. Calcule também a energia mensal consumida e o seu custo, considerando que
esse processo se repete 6 vezes por dia.
1 litro de água = 1.000 g = 103 g
1.000 litros de água = 1.000 x 103 g = 106 g
∆θ = 85 – 25 = 60ºC
Qo = m . c . ∆θ = 106 x 1 x 60 = 60 x 106 cal
Qi = Qo / η = 60 x 106 / 0,85 = 70,6 x 106 cal
70,6 = 0,239 . P . t

70,6 x 106 70,6 x 106 70,6 x 106


P= = =
0,239 . t 0,239 x 3.600 860,4

P ≈ 82 kW

P=V.I => P = V2 / R

2
3802
R=V /P = = 144.400 / 82.000 = > R = 1,76 Ω
82.000

6 h / dia = 6 x 30 = 180 h / mês

W = P . t = 82 kW x 180 h = 14.760 kWh (Energia consumida em 1 mês)

Custo mensal = R$ 0,48 x 14.760 = R$ 7.084,80

16 – Que resistência deve ter um resistor destinado a liberar 72 calorias por segundo, ao ser ligado a uma
fonte de 100V?
Se calorias são uma medida de energia, “calorias por segundo” são uma medida de potência, pois:
P=τ/t
Logo,
72 = 0,239 . P
P = 72 / 0,239 = 301,26 W

P = V2 / R => R = V2 / P
R = 1002 / 301,26 => R = 33,19 Ω

122 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 122
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
APÊNDICE II
Tabela de Resistividades e Coeficientes de Temperatura

Resistividade Coeficiente de Temperatura

Material ρ (Ω.m) @ 20°C Material α ( °C-1 )


Prata 1,59 x 10-8 Prata 0,0038
Cobre 1,72 x 10-8 Cobre 0,0039
-8
Ouro 2,44 x 10 Ouro 0,0034
-8
Alumínio 2,82 x 10 Alumínio 0,0039
Tungstênio 5,6 x 10-8 Tungstênio 0,0045
-8
Latão 8 x 10 Latão 0,0015
-8
Platina 11 x 10 Platina 0,00392
-8
Ferro 11 x 10 Ferro 0,005
-8
Chumbo 21 x 10 Chumbo 0,0039
Constantan 49 x 10-8 Constantan 0,00001
-8
Níquel-Cromo 110 x 10 Níquel-Cromo 0,0004
-8
Carbono 3.500 x 10 Carbono -0,0005

APÊNDICE III
Múltiplos e Submúltiplos do Coulomb
(podem ser aplicados a qualquer unidade de medida)

Múltiplos do Coulomb Submúltiplos do Coulomb


Nome Símbolo Valor Nome Símbolo Valor
decacoulomb daC 101 C decicoulomb dC 10-1 C
hectocoulomb hC 102 C centicoulomb cC 10-2 C
quilocoulomb kC 103 C milicoulomb mC 10-3 C
megacoulomb MC 106 C microcoulomb µC 10-6 C
gigacoulomb GC 109 C nanocoulomb nC 10-9 C
teracoulomb TC 1012 C picocoulomb pC 10-12 C
petacoulomb PC 1015 C femtocoulomb fC 10-15 C
exacoulomb EC 1018 C attocoulomb aC 10-18 C
zettacoulomb ZC 1021 C zeptocoulomb zC 10-21 C
yottacoulomb YC 1024 C yoctocoulomb yC 10-24 C

123 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 123
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
Bibliografia:

- A COURSE IN ELECTRICAL ENGINEERING – Chester L. Dawes (6 vol.)


- ELECTRIC CIRCUITS – Joseph A. Edminister
- FUNDAMENTOS DE ELETROTÉCNICA – P. J. Mendes Cavalcanti
- TEORIA DA ELETROTÉCNICA – Alfonso Martignoni
- CIRCUITOS EM CORRENTE CONTÍNUA – Antonio Carlos Lourenço, Eduardo Cesar
Alvez Cruz e Salomão Choueri Júnior
- ANÁLISE DE CIRCUITOS EM CORRENTE CONTÍNUA – Romulo Oliveira
Albuquerque
- CIRCUITOS EM CORRENTE CONTÍNUA – Marco Cipelli e Otávio Markus
- FUNDAMENTOS DE ELETROMAGNETISMO – Belmiro Wolski
- BASIC ELECTRICITY – U.S. Navy, Bureau of Naval Personnel – Angelotti / Hemus
- OS FUNDAMENTOS DA FÍSICA – Vol. 3 – Eletricidade – Ramalho, Nicolau, Toledo
- FÍSICA EM MÓDULOS DE ENSINO (2º Grau) – Eletricidade – Vasco Pedro Moretto
- FÍSICA – Halliday / Resnick
- BASIC ELECTRICITY – Van Valkenburgh, Nooger & Neville, Inc. (5 vol.)
- NOÇÕES DE ELETROTÉCNICA – Senai

Bibliografia Recomendada de Matemática

- MATEMÁTICA – Ary Quintella – Coleção Completa (ou quaisquer outros livros de


Matemática do Ensino Fundamental e Médio)

Sites de Matemática
- http://www.matematicadidatica.com.br/
- http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/index.html
- http://www.matematica.com.br/site/

124 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 124
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
ÍNDICE

CAPÍTULO 1 – CONSTITUIÇÃO DA MATÉRIA 04


1.1 - Matéria e Substância 04
1.2 - Moléculas e Átomos 04
1.3 - Prótons, Nêutrons e Elétrons 04

CAPÍTULO 2 – CARGAS ELÉTRICAS 06


2.1 - Eletrização ou Ionização 06
2.2 - Processos de Eletrização 07
2.2.1 – Eletrização por Atrito 07
2.2.2 – Eletrização por contato 08
2.2.3 – Eletrização por indução 09
2.2.4 – Outros processos de eletrização 11
2.3 - Eletroscópios 12
2.3.1 – Pêndulo Elétrico 12
2.3.2 – Eletroscópio de Folha 13
2.4 - Lei de Coulomb 13
2.4.1 – Expressão Matemática da Lei de Coulomb 14

CAPÍTULO 3 – CAMPO ELÉTRICO 16


3.1 - Campo Elétrico Criado por uma Carga Elétrica Puntiforme 16
3.2 - Vetor Campo Elétrico 17
3.3 - Módulo do Vetor Campo Elétrico 17
3.4 - Direção do Vetor Campo Elétrico 18
3.5 - Sentido do Vetor Campo Elétrico 18
3.6 - Campo Elétrico Criado Por Mais De Uma Carga 19
3.7 - Linhas de Força 19

125 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 125
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 4 – TENSÃO E CORRENTE ELÉTRICA 21
4.1 - Potencial Elétrico 21
4.2 - Corrente Elétrica 21
4.3 - Sentido da Corrente Elétrica 22
4.4 - Tipos de Corrente Elétrica 23
4.5 - Resistência Elétrica 23
4.6 - Primeira Lei de Ohm 24
4.7 - Queda de Tensão 25
4.8 - Condutância 25
Exercícios de fixação 26

CAPÍTULO 5 – TRABALHO, ENERGIA E POTÊNCIA ELÉTRICA 27


5.1 - Trabalho Elétrico 27
5.2 - Lei de Joule 28
5.3 - Energia Elétrica 29
5.4 - Potência Elétrica 29
5.5 - Rendimento ou Eficiência 31
Exercícios de Fixação 32

CAPÍTULO 6 – RESISTÊNCIA ELÉTRICA – RESISTORES 33


6.1 - Resistência 33
6.2 - Segunda Lei de Ohm 34
6.3 - Resistência x Temperatura 35
6.4 - Resistores 36
6.4.1 - Resistores de fio 36
6.4.2 - Resistores de filme de carbono 36
6.4.3 - Resistores de filme metálico 36
6.4.4 - Resistores variáveis 37
6.5 - Codificação de resistores 38

CAPÍTULO 7 -– ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES - CIRCUITOS C.C. 40


7.1 - Associação de Resistores 40
7.2 - Circuitos de C.C. 41
7.3 - Características dos circuitos em série 41
7.3.1 Divisor de tensão 42
7.4 - Características dos circuitos em paralelo 42
7.4.1 - Divisor de corrente 43

126 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 126
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
7.4.1.1 - Divisor de corrente com dois resistores 43
7.5 - Características dos circuitos mistos 44
Exercícios de fixação 45
7.6 - Ponte de Wheatstone 46
7.7 - Circuitos Equivalentes de Três Fios 48
7.8 - Transformação Estrela – Triângulo / Triângulo – Estrela 48
7.8.1 - Transformação Estrela – Triângulo 49
7.8.2 - Transformação Triângulo – Estrela 49

CAPÍTULO 8 – GERADORES 51
8.1 - Geradores de Tensão 51
8.2 - Máxima Transferência de Potência 52
8.3 - Máxima Transferência de Tensão 53
8.4 - Geradores de corrente 53
8.5 - Equivalência entre Geradores de Tensão e Corrente 54
8.6 - Impedâncias de Entrada e de Saída 55

CAPÍTULO 9 – ANÁLISE DE CIRCUITOS C.C. 56


9.1 - Método da Superposição 57
9.2 - Leis de Kirchoff 59
9.3 - Método das Malhas ou das Correntes Cíclicas de Maxwell 65
9.4 - Teorema de Thèvenin 68
9.5 - Teorema de Norton 71

CAPÍTULO 10 – CAPACITÂNCIA - CAPACITORES 79


10.1 - Associação de Capacitores 81
10.2 - Rigidez Dielétrica 82
10.3 - Energia acumulada em um capacitor 84

CAPÍTULO 11 – MAGNETISMO 87
11.1 - O ímã 87
11.2 - A natureza dos materiais magnéticos 87
11.3 - Magnetização e desmagnetização 88
11.4 - Princípio da inseparabilidade dos pólos 89
11.5 - Campo Magnético 89
11.6 - Magnetismo Terrestre 89

127 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 127
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
11.7 - Atração e Repulsão Entre Ímãs 90
11.8 - Fluxo Magnético ( φ ) 90
11.9 - Vetor Campo Magnético ou Intensidade de Campo (H) 90
11.9.1 - Campo Magnético Uniforme 91
11.10 - Indução Magnética ou Densidade de Fluxo Magnético (β ) 91
11.11 - Permeabilidade ( µ ) 92
11.12 - Permeabilidade Relativa ( µr ) 93

CAPÍTULO 12 – ELETROMAGNETISMO 94
12.1 - Força Magnetomotriz (Fmm) 94
12.2 - Vetor Campo Magnético ou Intensidade de Campo (H) 94
12.3 - Sentido do Campo em torno de um condutor 96
12.4 - Sentido do Campo Produzido por uma Bobina Helicoidal 96

12.5 - Relutância (ℜ) 97


12.6 - “Lei de Ohm” para Magnetismo 97
12.7 - Circuitos Magnéticos 97
12.8 - Resolução de Circuitos Magnéticos 98
12.9 - Circuito Magnético com Entreferro 99
12.9.1 - Cálculo de um Circuito Magnético com Entreferro 100
12.10 - Força Portante de um Eletroímã 101
12.11 - Métodos para Magnetização ou Imantação 103
12.12 - Curvas de Magnetização 103
12.13 - Histerese 104

CAPÍTULO 13 – INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 106


13.1 - Lei de Lenz 106
13.2 - Sentido da F.E.M. Induzida 107
13.3 - Valor da F.E.M. Induzida (Lei de Faraday) 107
13.4 - Indutância 109
13.4.1 Cálculo de um indutor 110
13.5 - Coeficiente de Indutância Mútua (M) 111
13.6 - Coeficiente de Acoplamento 111
13.7 - Associação de Indutâncias sem indutância mútua 111
13.8 - Associação em série com indutância mútua 112
13.9 - Associação em paralelo com indutância mútua 112
13.10 - Correntes de Foucault 112

128 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 128
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br
CAPÍTULO 14 – TRANSIENTES EM CORRENTE CONTÍNUA 113
14.1 - Circuito R-C 113
14.2 - Constante de tempo de um circuito R-C ( τ ) 114
14.3 - Circuito R-L 115
14.4 - Resolução Gráfica 116

APÊNDICE I – Exercícios Resolvidos 119

APÊNDICE II – Resistividades e Coeficientes de Temperaturas 123

APÊNDICE III – Múltiplos e Submúltiplos do Coulomb 123

BIBLIOGRAFIA 124

ÍNDICE 125

129 Eletricidade I – Engº José Roberto Pereira - Edição 10 - Fevereiro / 2019 129
e-mail: jroberto_rio@yahoo.com.br

Você também pode gostar