Você está na página 1de 4

408

DIREITO PENAL I – PARTE GERAL

Conteúdo 22: Reabilitação


408

1. Introdução
A reforma da parte geral do Código Penal (1984) deu novos contornos ao instituto da reabilitação. Antes, era
considerado causa extintiva da punibilidade. Depois, medida jurídica (de política criminal) que garante ao
condenado o sigilo sobre o seu processo e condenação, podendo também suspender determinados efeitos
extrapenais específicos ordenados na sentença {art. 93 do CP).

2. Conceito e Cabimento
Segundo Cleber Masson, a reabilitação é o instituto jurídico-penal que se destina a promover a reinserção
social do condenado, a ele assegurando o sigilo de seus antecedentes criminais, bem como a suspensão
condicional de determinados efeitos secundários de natureza extrapenal e específicos da condenação,
mediante a declaração judicial no sentido de que as penas a ele aplicadas foram cumpridas ou por qualquer
outro modo extintas.

Nesse sentido, a reabilitação busca reintegrar o condenado que tenha cumprido a pena na posição jurídica que
desfrutava anteriormente à prolação da condenação. Tem, portanto, duas funções: (1) assegurar ao condenado
o sigilo dos registros sobre seu processo e condenação (caput); e (2) suspender condicionalmente os efeitos
da condenação previstos no art. 92 do CP (parágrafo único).

Corroborando ao exposto, Rogério Sanches conceitua a reabilitação como medida jurídica de politica criminal
que garante ao condenado o sigilo sobre o seu processo e condenação, podendo também suspender
determinados efeitos extrapenais específicos e ordenados na sentença.

Dessa forma, constatamos, em suma, duas finalidades da medida:

a) assegurar o sigilo da condenação;


b) suspender efeitos específicos da condenação.
2.1 Sigilo das Condenações
409

Nos termos do art. 202 da Lei de Execução Penal, Cumprida ou extinta a pena, não constarão da folha
corrida, atestados ou certidões fornecidas por autoridade policial ou por auxiliares da Justiça, qualquer
notícia ou referência à condenação, salvo para instruir processo pela prática de nova infração penal ou
outros casos expressos em lei.

Se a LEP já assegura o sigilo, bastando o cumprimento ou extinção da pena, qual é a utilidade da reabilitação
nesse ponto?
409
1ª Corrente (Rogério Greco): a reabilitação, nesse tanto, não possui utilidade alguma, pois o art. 202 da Lei
de Execução Penal, assegura, de forma imediata, o sigilo, bastando cumprir ou ter extinta a pena.

2ª Corrente: defende que o alcance do segredo decorrente da reabilitação é mais amplo, posto que a partir
desta só é possível informações por meio de requisições. Por outro lado, o alcance do segredo do art. 202 da
LEP é mais restrito.

A 1ª corrente é a que prevalece.

2.2 Suspender efeitos extrapenais específicos da condenação (art. 92 do CP)

Art. 92 - São também efeitos da condenação:(Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

I - a perda de cargo, função pública ou mandato eletivo: (Redação dada pela Lei nº 9.268, de
1º.4.1996)

a) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano, nos crimes
praticados com abuso de poder ou violação de dever para com a Administração Pública; (Incluído pela
Lei nº 9.268, de 1º.4.1996)

b) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo superior a 4 (quatro) anos nos
demais casos. (Incluído pela Lei nº 9.268, de 1º.4.1996)

II - a incapacidade para o exercício do pátrio poder, tutela ou curatela, nos crimes dolosos, sujeitos
à pena de reclusão, cometidos contra filho, tutelado ou curatelado; (Redação dada pela Lei nº 7.209, de
11.7.1984)

III - a inabilitação para dirigir veículo, quando utilizado como meio para a prática de crime
doloso. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

Parágrafo único - Os efeitos de que trata este artigo não são automáticos, devendo ser
motivadamente declarados na sentença

O instituto da reabilitação serve para suspender tais efeitos. Todavia, o art. 93, parágrafo único, anuncia que,
nas situações do inciso I (perda de cargo ou função pública) e II (incapacidade para o poder familiar, tutela ou
curatela) a reabilitação é parcial.
410

Art. 93 - A reabilitação alcança quaisquer penas aplicadas em sentença definitiva, assegurando ao condenado
o sigilo dos registros sobre o seu processo e condenação.

Parágrafo único - A reabilitação poderá, também, atingir os efeitos da condenação, previstos no art. 92 deste
Código, vedada reintegração na situação anterior, nos casos dos incisos I e II do mesmo artigo.

Nas referidas hipóteses, a reabilitação é parcial, por exemplo, sendo declarada a perda do cargo, a reabilitação
parcial permite a volta aos cargos públicos, porém não ao que era ocupado antes, mas que pode vim a ser
410
“conquistado” a posterior.

A reabilitação impede a reincidência de crime futuro?

Segundo Rogério Sanches, a medida da reabilitação não rescinde a condenação. Logo, permanece todos os
seus efeitos penais, inclusive, secundários.

3. Natureza Jurídica
Cuida-se de medida de política criminal assecuratória do sigilo sobre os antecedentes criminais do condenado
e, ainda, causa suspensiva condicional de certos efeitos de natureza extrapenal e específicos da condenação
(Cleber Masson).

4. Requisitos
Nos termos do art. 94 do Código Penal, são requisitos cumulativos da reabilitação:

a. Transcurso do período de dois anos desde o cumprimento ou a extinção da pena, computando-se o


período de prova do sursis e a do livramento
b. condicional, se não sobrevier revogação;
Atenção: esse prazo é o mesmo, pouco importando se o condenado é primário ou reincidente.

c. Domicílio do condenado no país pelo período anteriormente citado;


d. Bom comportamento público e privado do condenado;
e. Ressarcimento do dano causado pelo crime ou comprovação da impossibilidade de fazê-lo, assim
como a renúncia do ressarcimento pela vítima ou a novação da dívida.
Os referidos acima delineados são cumulativos.

Na hipótese de indeferimento do pleito de reabilitação, o mesmo poderá ser renovado?

Conforme ensina Sanches, esse pedido pode ser renovado, a qualquer tempo, desde que instruídos com novos
elementos comprobatórios dos requisitos necessários.
411

Art. 94. Parágrafo único - Negada a reabilitação, poderá ser requerida, a qualquer tempo, desde que o pedido
seja instruído com novos elementos comprobatórios dos requisitos necessários.

5. Revogação
A reabilitação segue o espírito da cláusula rebus sic stantibus. Uma vez concedida, pode ser revogada, de
ofício ou a requerimento do Ministério Público, se o reabilitado for condenado, como reincidente, por decisão
definitiva, a pena que não seja de multa (art. 95 do CP).
411
Art. 95 - A reabilitação será revogada, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, se o reabilitado for
condenado, como reincidente, por decisão definitiva, a pena que não seja de multa.

6. Competência e Recurso
6.1 De quem é a competência para processar e julgar pedido de reabilitação? Nos termos do art. 743 do
CPP é o juiz da condenação.
6.2 Quando indeferido o pedido, o pretenso reabilitado pode interpor recurso? Apelação, nos termos do
art. 593,II do CPP.
6.3 Da decisão que concede, caberá recurso? O Ministério Público poderá apelar, e no caso, será cabível
apelação e ainda, recurso de ofício.

7. Reabilitação e pluralidade de condenações


Havendo pluralidade de condenações, a reabilitação só pode ser requerida após o transcurso do período de
dois anos a partir do cumprimento da última sanção penal.

Você também pode gostar