Você está na página 1de 15

Revisitando

o Serviço Social clássico

Revisiting classic Social Work

Gilmaisa Macedo da Costa*

Resumo – Este artigo tem por finalidade revisitar o tema das origens do
Serviço Social em seu processo de institucionalização nos Estados Unidos.
Expõe aspectos das bases históricas e teóricas da profissão, revelando
conteúdos referentes ao Serviço Social, clássico hoje pouco analisado
no interior da formação, limitando possivelmente a informação aos estu-
dantes e profissionais sobre a produção do Serviço Social em seu contexto
originário e talvez até mesmo a crítica a ele realizada. O texto trata do
pensamento de Mary Ellen Richmond e sua proposição do Serviço Social
de casos individuais, mostrando as bases teórico-metodológicas para uma
ação sobre os indivíduos sociais em meio a um conjunto de interpretações
divergentes sobre o tema. O pensamento de Richmond exerceu forte in-
fluência no Serviço Social europeu e no Brasil, oferecendo o suporte
para que se fizesse uma crítica às tendências oriundas da base positivista
e as insuficiências ali contidas como proposição conservadora.
Palavras-chave: Serviço Social clássico; institucionalização; bases teórico-
metodológicas.

Abstract – This article aims to revisit the origins of social work in its pro-
cess of institutionalization in the United States. It exposes aspects of the
historical and theoretical bases of the profession, revealing contents re-
ferring to classic social work that are little analyzed today in undergraduate
courses, possibly restricting information valuable to students and pro-
fessionals about the inception of social work in its original context and
perhaps even the criticism it received. The text deals with the thought of
Mary Ellen Richmond and her proposal of the social work of individual
cases, showing the theoretical-methodological bases for an action on so-
cial individuals in the middle of a set of divergent interpretations on the
subject. Richmond’s thought exerted a strong influence on both European
and Brazilian social work, offering support to the criticism of tendencies
originating from the Positivist base and the inadequacies contained therein
as a conservative proposition.
Keywords: classic social work; institutionalization; theoretical-metho-
dological bases.

..............................................................................
* Assistente social. Doutora pela Universidade Federal de Pernambuco, com Doutorado Sanduíche pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-Doutorado pela Universidad de Buenos Aires (Argentina). Professora
do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social na Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Correspondência:
Faculdade de Serviço Social (Ufal), Campus A. C. Simões: Av. Lourival Melo Mota, S/N, Tabuleiro do Martins,
Maceió – AL. CEP: 57072-970. Email: <gilmaisa@uol.com.br>.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

166 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

A proposição por esta Revista do tema Serviço Social na História


constitui um raro momento para a revisitação de conteúdos teóricos e his-
tóricos hoje pouco analisados após aquele primeiro momento de uma crítica
ao Serviço Social tradicional. Toda profissão precisa conhecer os seus clás-
sicos, seja para segui-los, seja para negar os seus pressupostos ou revisá-los.
Daí o caráter pedagógico proposto neste texto. Por clássica fica aqui enten-
dida a obra que propôs pela primeira vez o tema destinado ao Serviço Social
e elaborou seus pressupostos teórico-metodológicos, oferecendo insumos ao
exercício da prática profissional, cuja influência expandiu-se a outros países.
Em termos históricos, o Serviço Social surge na dinâmica da socia-
bilidade capitalista, na qual a divisão do trabalho se diversifica em resposta
às necessidades da teia da produção e das relações aí constituídas. A gênese
do Serviço Social, entendida como um momento processual resultante de
múltiplas determinações até sua plena configuração no capitalismo dos
monopólios, remete à Europa dos meados do século XIX. Surge em meio às
contradições e efeitos das desigualdades da base estrutural capitalista, sobre
as quais atua a interação entre Estado, Igreja e organizações sociais assis-
tenciais, desdobrando-se em ações dirigidas a um peculiar pauperismo que
se abate sobre os trabalhadores e suas famílias.
A peculiaridade desse pauperismo reside em que, diferentemente
de sociedades anteriores, nas quais a causa do pauperismo era a escassez,
ele se manifesta num mundo da abundância, em que o desenvolvimento
das forças produtivas permitia uma produção muito maior que as neces-
sidades dos homens. Entretanto, as determinações próprias à desigualdade
de classes geravam de forma indissociável pobreza e riqueza. As expressões
do pauperismo e da desigualdade social, criadas na base econômica, pro-
vocam reações dos trabalhadores, configuradas na luta entre trabalhadores
e capitalistas, cujo caráter político receberá dos ideólogos burgueses, por
volta de 1831, a denominação de questão social.
Mas é no particular modo de expressão do desenvolvimento capi-
talista nos Estados Unidos que se configurarão as condições adequadas para
a sua constituição formalmente legitimada como conjunto de atividades
peculiares a um grupo de pessoas preparadas para tal. Em sua instituciona-
lização, alcança o status de profissão assalariada entre 1890 e 1940, desen-
volvendo práticas especialmente no campo jurisdicional e de saúde; começa
então a elaborar a apreensão do social com vistas à sua legitimidade
acadêmica. Trata-se do momento clássico do capitalismo monopolista, no
qual as ideias liberais do capitalismo concorrencial começam a ceder lugar
às de um Estado que intervém na economia para a resolução de crises eco-
nômico-sociais. Marcado por momentos de prosperidade e de estagnação,
também é permeado por guerras, crises sociais e momentos de ampliação e
de redução dos empregos. No mesmo período, ocorre a crise de 1929, na
visão de Mészáros (2002), uma das crises cíclicas do capital, passível de
resolutividade no interior do próprio sistema.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 167


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

Em termos conceituais, “O capitalismo monopolista é um sistema


constituído de empresas gigantes”, junto ao qual há “um setor mais ou menos
amplo da pequena empresa” que “participa, de muitas formas, nos cálculos
e estratégias da grande empresa” (BARAN SWEEZY, 1966, p. 61). Enquanto
a máquina a vapor significou a descoberta geradora do grande impulso
para a Revolução Industrial, a estrada de ferro e a indústria automobilística
são os grandes geradores do desenvolvimento no capitalismo dos mono-
pólios. Segundo os autores:

Cada um produziu alteração radical na geografia econômica, com con-


sequente repercussão nas migrações internas e na formação de comu-
nidades inteiramente novas; cada um deles exigiu ou, pelo menos, tornou
possível, a produção de muitos bens e serviços novos; cada um deles,
direta ou indiretamente, ampliou o mercado para uma série de produtos
industriais. (BARAN; SWEEZY, 1966, p. 219).

A expansão capitalista, no denominado momento clássico do capi-


talismo monopolista, dá-se concomitantemente à inserção do referido mo-
delo nos Estados Unidos com sua linha de montagem automática de auto-
móveis, estabelecimento de oito horas diárias de trabalho, mais recompensa
aos trabalhadores, e apoiado numa clara visão do significado da produção
e do consumo de massa. As primeiras décadas do século passado caract-
erizaram-se por grandes lutas em favor de reformas sociais, um período
conhecido como Progressive Era. Especialmente em Nova Iorque, grupos
militantes e de trabalhadores de esquerda formavam alianças, focalizando,
particularmente, os problemas criados pelo desemprego durante os moment-
os de depressão.
A implantação do fordismo não se realizou com tranquilidade;
havia resistência dos trabalhadores à linha de montagem, por sua rigidez,
repetição de movimentos e intensificação de formas alienadoras no tocante
à sua participação integral no processo produtivo. E mais, o “novo homem”
proposto pelo fordismo implicava disciplina, boa formação moral, equilíbrio
familiar e consumo moderado de álcool, para corresponder às expectativas
do mundo corporativo. O quadro delineado é bem típico de um modo pe-
culiar da questão social como forma de resistência dos trabalhadores às
condições de vida propiciadas ao trabalho pelo capital, que o Serviço Social
considera como base de seu surgimento e objeto de sua ação.
O movimento de prosperidade e de estagnação no desenvol-
vimento do capitalismo dos monopólios demanda uma diversidade de ativi-
dades no campo da produção e dos serviços que incidem sobre o indivíduo,
a família e as necessidades sociais. Condições histórico-sociais e econômicas
que propiciam a institucionalização do Serviço Social nos Estados Unidos
da América, o denominado Serviço Social clássico.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

168 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

Serviço Social nos Estados Unidos e sua expansão

A constituição do Serviço Social como profissão foi, sem dúvida,


historicamente precedida pela atuação de grupos voluntários europeus que
prestavam assistência social às camadas mais pobres da sociedade, sob a
influência dos reformadores sociais, em parte vinculados às Igrejas. A
atividade do voluntariado, composto de pessoal ligado à medicina social, à
economia, à física social (sociologia) e à dinâmica de movimentos sociais
que denunciavam a exploração de mão de obra (especialmente infantil),
transforma-se processualmente em suporte ao modelo de administração capi-
talista em relação ao problema da pobreza de amplas camadas popula-
cionais, passando a constituir um mecanismo de regulação dos conflitos
sociais.
O marco histórico da formação em Serviço Social é o ano de
1890, com a criação da Women’s University Settlements, em Londres. Oriun-
da do movimento feminista, esta formação de pessoal preparado para a
ação social junto a grupos populacionais pauperizados foi um movimento
de especialização e de racionalização da ação da assistência com base em
teorias sociológicas e psicológicas. Esse processo vem acompanhado do
desmonte de certa utopia revolucionária presente no interior dos movimentos
feministas. Significou também uma mudança dos padrões éticos que se pre-
tendiam humanistas e de solidariedade, viabilizando a síntese entre a moral
cristã e os valores burgueses. Essa tendência de formar pessoal preparado
para a ação social se estende ao conjunto do voluntariado interessado em
manter um papel ativo no processo de penetração no meio social.
Em 1893 é realizado o primeiro curso experimental de formação
para voluntariado social pela Charity Organization Society de Londres –
instituição criada em 1869. Em 1894 essa mesma organização promove
experiência idêntica nos Estados Unidos. Daí surge o movimento liderado
pelas Charities inglesa e norte-americana e pela Women’s para a formação
adequada a certo tipo de atividade social praticada pelo voluntariado social.
A Charity passa a utilizar pessoal qualificado e remunerado na realização
de investigações sociais, a partir das quais seriam determinadas as formas
de assistência social.
Tais pesquisas ou inquéritos sociais sobre as condições socioeco-
nômicas serviam de base para selecionar as famílias necessitadas de “ajuda”.
Após a seleção dos casos sociais, a orientação era entregue a um visitador
domiciliar (friendly visiting), responsável pelo acompanhamento da situação
concreta e pela promoção da prevenção de conflitos através da compreensão
mútua entre ricos e pobres. Desse modo, o Serviço Social pode ser de fato
compreendido como profissão assalariada a partir da institucionalização
que ali ocorre e da elaboração de suas primeiras produções teóricas. Em
1897, Mary Ellen Richmond, membro da Charity norte-americana, propõe
a criação da Escola de Filantropia Aplicada, destinada à formação de pessoal

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 169


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

para esse fim. De todo o movimento da realidade de natureza econômica e


político-social, nos finais do século XIX emerge o processo de institu-
cionalização do Serviço Social.
Na sequência, proliferam, quase ao mesmo tempo e em várias
partes da Europa e nos Estados Unidos, outras escolas de formação de assis-
tentes sociais, posteriormente incorporados por instituições públicas ou
privadas, inclusive as primeiras experiências de formação acadêmica em
1899 em Nova Iorque e em Amsterdã (Holanda). Isso evidencia que a neces-
sidade de tal atividade social e de seus agentes intelectualmente preparados
foi gerada pelas condições sociais criadas na base econômica, marcada
pela incômoda situação de desigualdade social, em que uma sociedade
caracterizada pela abundância dependia de instituições para a prestação
de serviços sociais com vistas a minimizar os problemas da pobreza e a
insatisfação das classes trabalhadoras pauperizadas envolvidas no processo.
O fenômeno da expansão do Serviço Social se estende e o processo
de institucionalização se desdobra até aproximadamente 1940. Instaura-se
a preocupação em termos de definir o caráter, a função, o objeto da ação e
os métodos de procedimento profissional. No plano intelectual tratava-se
de uma aproximação à ciência social de uma atividade que buscava funda-
mentos para a sua prática pedagógica junto a indivíduos e grupos de traba-
lhadores, de desempregados e de suas famílias, cujas condições de vida
eram resultantes da desigualdade de classes própria do capitalismo.
Quanto às bases teórico-metodológicas que constituíram as pri-
meiras influências científicas no Serviço Social, não poderiam ser outras
que aquelas das quais se originaram seus agentes intelectuais de ascendência
da classe burguesa ou por eles formados, com base no pensamento da intelec-
tualidade gerada em meio às transformações do modo de produção capi-
talista. No século XVII assistiu-se à afirmação da ciência experimental de
que a atividade científica não mais se reduzia a observar e classificar os
fenômenos, partindo de dados empíricos para os princípios eternos, conforme
predominara na Idade Média. Marcado pela objetividade, o pensamento
burguês busca apreender a legalidade objetiva da realidade para transformá-
la conforme os seus interesses econômicos e sociais, o que levou a descobrir
e explicar os fenômenos e as leis que constituem a natureza a partir da pró-
pria natureza, tendo a racionalidade humana como meio de captar o conhe-
cimento dos dados observáveis. Surgem as ideias do conhecimento com
base em métodos científicos para conduzir a razão a procurar a verdade
nas ciências.
O empirismo adquire grande força no campo da pesquisa cien-
tífica; aquilo que pode ser observado, testado e demonstrado empiricamente
a partir da descoberta das leis internas que regem o objeto torna-se de grande
importância para as descobertas científicas. Ocorre a separação entre Filo-
sofia e Ciência em consequência das lutas entre a intelectualidade dominante
do ancien regime e a burguesia que assumiu o poder, defendendo a ciência

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

170 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

necessária ao domínio da natureza, da qual resultou a eliminação de toda


Ontologia como base ao conhecimento científico, uma tendência que se
estende às Ciências Sociais, que buscam nas ciências da natureza o seu
modelo.
No âmbito das Ciências Sociais, Durkheim (1978) cria a primeira
formulação metodológica para a Sociologia proposta como ciência autô-
noma sob a influência do positivismo, concebendo os fatos sociais como
coisas e defendendo que cada ciência social deveria ter método e objeto
próprios particulares e autônomos. Algo semelhante é defendido por
Richmond (1950, p. 18) quando diz que “o Serviço Social dos Casos indi-
viduais deveria utilizar provas e meios [...] não apenas os legais, mas os que
se seguem na história e nas ciências naturais”. A tendência positivista será
evidenciada na primeira produção teórica do Serviço Social por Mary Ellen
Richmond, mediante a aproximação às ciências sociais já constituídas com
seus objetos definidos, em especial a Sociologia e a Psicologia. A predo-
minância da investigação empírica será evidenciada a partir da prática dos
agentes sociais na elaboração do Diagnóstico social.

O Serviço Social de casos individuais

Mary Ellen Richmond é reconhecida como a pioneira do Serviço


Social profissional no sentido de ter elaborado as primeiras produções teó-
ricas do Serviço Social e de ter influenciado o Serviço Social em todo o
mundo. Duas de suas obras, O diagnóstico social (1917) e O que é Serviço
Social de casos (1922), reúnem as principais ideias dessa autora sobre o
Serviço Social de casos individuais e representam a base que deu início à
produção teórica no campo do Serviço Social. Esse pensamento pioneiro
espalhou-se pela Europa e por outras partes do mundo onde o Serviço Social
se institucionalizou como profissão. No Brasil, a influência do Serviço Social
estadunidense se faz presente especialmente a partir da década de 1940,
com o intercâmbio entre os dois países, que promoveu a ida de representantes
do Serviço Social brasileiro aos Estados Unidos.
Publicada em 1917, a principal obra de Richmond (1950), Diag-
nóstico social, levou 15 anos até a realização final. Configurou-se a partir
de ampla investigação de natureza documental e junto a um significativo
número de suas colaboradoras sobre o conteúdo e a forma das atividades
desenvolvidas pelos agentes sociais no exercício de suas atribuições
institucionais. Considerava a necessidade de reunir noções técnicas básicas
e comuns de procedimento metodológico ao conjunto dos assistentes sociais
extensivo àquelas que não estavam voltadas diretamente aos casos
individuais, tomando como exemplo atividades como a Medicina e o Direito
em suas diversidades de especializações. Pode-se dizer que neste aspecto o
pensamento de Richmond (1950) revelava sua aspiração a dar um caráter

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 171


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

científico às atividades desenvolvidas pelos agentes sociais com a elaboração


do diagnóstico como instrumento próprio de investigação e de ação. O nú-
mero de profissionais assalariados envolvidos com atividades de Serviço
Social nos Estados Unidos, em 1915, já era significativo e tais atividades
não estavam reduzidas ao Serviço Social de casos individuais, conforme
consta do folheto da Escola de Filantropia de Nova Iorque citado em Diag-
nóstico social (RICHMOND, 1950, p. 3).
O contexto social entre 1900 e 1920, caracterizado por grande
inquietação e movimentos em favor de reformas sociais, é um elemento
favorável aos ideais vigentes no interior do Serviço Social. Certamente os
movimentos sociais reformistas não formavam um bloco indivisível de ideias;
a tendência de Richmond não era, portanto, a única. As divergências davam-
se basicamente em defesa ou contra a intervenção do setor público nos
programas sociais, o uso adequado dos fundos públicos e a luta por melhoria
dos equipamentos, como creches, escolas, construção de playgrounds e
ginásios de esportes, planejamento urbano e habitacional etc.
Para explicar as dificuldades encontradas pelo Serviço Social, a
autora busca o apoio da racionalidade científica derivada da sociologia, da
psicologia e das ciências jurídicas. Propõe criar um método particular para
o Serviço Social que fosse comum a toda ação profissional.
Mesmo nesse período, o Serviço Social que emerge não dispõe
de um conjunto homogêneo de ideias e não comporta apenas a abordagem
sobre os casos individuais. Richmond 1950 se ocupa teoricamente do de-
nominado Serviço Social de casos individuais e elabora sua proposta de
investigação diagnóstica a partir de realidades empíricas sobre as quais po-
deriam ser feitas deduções: “O primeiro estádio para a dedução é uma
tentativa que se chama hipótese” (RICHMOND, 1950, p. 72). Assim, iden-
tifica-se nesta obra a influência do método hipotético-dedutivo, criado no
desenvolvimento científico.

O pensamento de Richmond

Diferentemente do Brasil, já nesse período os Estados Unidos dis-


punham de uma ampla rede de atendimento assistencial que permitia o
encaminhamento de pessoas necessitadas de assistência de natureza variada,
ou seja, materiais, judiciais, educativos e de saúde, de modo que o encami-
nhamento tornou-se um dos instrumentos do Serviço Social. Uma primeira
crítica feita ao Serviço Social estadunidense foi a de que ele não oferecia
conteúdo teórico ao Serviço Social brasileiro, visto que se tratava de uma
realidade muito distinta da nossa. Deste modo, parece que o pensamento
de Richmond não se tornou objeto de estudo em seus fundamentos, pelo
menos em matéria de publicação, embora tenha exercido forte influência
no Serviço Social de casos no âmbito da formação profissional.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

172 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

Em face dos limites disponíveis para este artigo, iremos recuperar


somente os aspectos mais decisivos no pensamento da autora referente às
bases teóricas e conceituais. Segundo Richmond (1950), o Serviço Social,
considerado em sentido amplo, poderia fazer progredir a espécie humana,
tornando melhores as relações sociais. Uma função conceitualmente pensada
mediante o ajuste entre indivíduo e meio social, no qual não cabia o real
caráter de totalidade do sistema capitalista como modo de produção cuja
base é a exploração do homem pelo homem. Neste sentido, partilha da
concepção do capitalismo como fim último, podendo ser melhorado no
seu processo de desenvolvimento. Já o Serviço Social seria um modo de
realização disso através da ação sobre a consciência dos indivíduos por
meios materiais ou intelectivos.
Embora contenha em si a ideia de progresso bem típica do posi-
tivismo e o suporte da sociedade no indivíduo, não propõe a desvinculação
do Serviço Social de outras teorias, porquanto este teria muito a aprender
com atividades sociais como a medicina, o direito, a história, a lógica e a
psicologia. Entretanto, não há menção alguma às causas econômicas dos
problemas por eles vivenciados a sociedade melhoraria com a melhora do
indivíduo. Consequentemente, o campo específico de ação do Serviço Social
de casos seria o “desenvolvimento da personalidade do indivíduo”, ocu-
pando-se de estabelecer melhores relações sociais, tratando o indivíduo
um a um no círculo íntimo da família” (RICHMOND 1950) Por isso mesmo
a família se torna um campo decisivo de investigação sobre a situação do
indivíduo trabalhador e os problemas que este possa apresentar no trabalho.
O conceito básico é que “O Serviço Social de Casos Individuais é um con-
junto de métodos que desenvolvem a personalidade, reajustando consciente
e individualmente o homem em seu meio social” (RICHMOND, 1950).
Em Diagnóstico Social Richmond (1950, p. 8) partilhava com os
reformadores sociais da Europa e dos Estados Unidos o questionamento à
prestação da assistência com base em critérios puramente econômicos e
até repressivos, concordando com aqueles que, junto à necessidade de
concessão de auxílios, “estudavam e desenvolviam as capacidades latentes
desses indivíduos” (Idem, p. 8). Com tais reformadores surge a ideia da
superação do inquérito social como fim em si mesmo, tradicionalmente
realizado junto aos pobres para qualificar sua necessidade à assistência
social, bem como a proposta de sua realização “tendo como motivo e
objetivo a reintegração social dos indivíduos” (RICHMOND, 1950, p. 8),
ao qual Richmond considerou mais adequada a denominação de diagnóstico
social. Só que tal reintegração está mais relacionada aos aspectos compor-
tamentais que visavam à adaptação dos indivíduos às normas sociais,
evitando reações à sociedade que pudessem pôr em risco o equilíbrio social.
Abre-se o espaço à moralização dos costumes, à criação dos hábitos e atitu-
des adequados ao “bom trabalhador”, à “boa moça”, ao equilíbrio nas rela-
ções familiares, que perpassam os relatos das atividades práticas contidos

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 173


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

no texto e que configuram a função ideológica da profissão no sentido da


ação de uma consciência sobre outras consciências.

A proposta metodológica

Neste Serviço Social de casos, a interação entre o profissional e o


“cliente” era proposta para viabilizar a prestação de certos serviços institu-
cionais acompanhados de ação pedagógica, tendo “como objetivo imediato
a melhoria dos indivíduos ou das famílias, uma a uma, independentemente
da sua melhoria coletiva, no conjunto do agregado social” (RICHMOND,
1950, p. 4). Caracterizava, portanto, uma ação centrada nas pessoas, com
vistas ao seu crescimento, independentemente da coletividade.
O caráter da obra é basicamente empirista e, para diagnosticar
uma “dificuldade ou necessidade de natureza social” (RICHMOND, 1950, p.
4), de um indivíduo ou de uma família, propunha-se reunir o maior número pos-
sível de conhecimentos dos fatos imediatos. Para tanto, deveriam ser tomadas
como fontes de informação as realidades sociais “definidas como consistindo de
todos os fatos, da história pessoal e familiar que, tomados em conjunto, indi-
cam a natureza das dificuldades sociais dum necessitado e dos meios de re-
movê-la” (RICHMOND, 1950, p. 26). Quanto ao significado dos fatos, estes
não deveriam “limitar-se às coisas, visíveis ou tangíveis [...]. Os pensamentos
e acontecimentos são também fatos” (RICHMOND, 1950, p. 29).
Evidencia-se a concepção de fatos sociais como coisas de natureza
objetiva e subjetiva que, mediante o procedimento metodológico hipotético-
dedutivo, poderiam alcançar as causas dos problemas individuais. A colheita
destes fatos consistia na base para deduções obtidas através do raciocínio.
Reunidos os fatos e feitas as deduções, deveria proceder-se à comparação e
à interpretação dos dados; com isso, formava-se um quadro de referência
da pessoa e do seu problema. Todo o material era disponibilizado ao controle
das instituições, para que se processasse o acesso a bens e serviços ao ne-
cessitado. Consolidava-se, assim, um amplo controle dos membros pau-
perizados da coletividade.
No processo desencadeado na relação da assistente social com o
“cliente” ocorria uma interferência institucional na privacidade interna e
externa da pessoa contra a qual esta, como portadora de necessidades, não
tinha como se negar. Portanto, não resultava de uma livre decisão sua o
expor-se ao processo. Compunha o conjunto da categorização da pobreza
obtido através do diagnóstico social e comportamental destinado aos traba-
lhadores em dificuldades, desempregados, crianças em situação de aban-
dono ou delinquência, viúvas, doentes ou todos os que não dispunham de
meios próprios para a resolução de suas dificuldades materiais ou pessoais.
Em termos de uma atividade realizada por um grupo de agentes particulares,
corresponde ao que José Paulo Netto (1991) reconheceu como objeto de

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

174 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

intervenção do Estado nas expressões da questão social em suas novas


funções no período monopolista consolidado.
Por outro lado, justamente pelo caráter empirista, a obra oferece
base a uma ampla investigação diagnóstica que revelava traços imediatos
da vida social, das condições de existência daqueles indivíduos, do desem-
prego, dos aspectos jurídicos e de direito, das relações interpessoais. Desse
modo, não se limitava ao plano meramente subjetivo, contendo a dimensão
de uma investigação de aspectos sociais que poderia dar ao assistente social
um conhecimento objetivo da problemática da realidade social imediata
em que aquelas vidas se moviam. Esse duplo movimento em direção a ela-
borar um diagnóstico das necessidades da pessoa não se destinava à inves-
tigação da vida social em si; sua finalidade se expressa no seguinte conceito:

O diagnóstico social pode ser definido como sendo a tentativa para se


formar um juízo tão exato quanto possível da situação e da personalidade
dum ser humano que tenha qualquer necessidade social, situação e
personalidade, estas em relação aos outros seres humanos de quem ele
dependa ou que dependam dele e em relação também às instituições
sociais de sua comunidade. (RICHMOND, 1950, p. 305).

Assim, o diagnóstico social permitiria apreender a situação e a


personalidade de um indivíduo que, por qualquer necessidade, recorresse
a instituições sociais, subsidiando a ação profissional no sentido de o indi-
víduo encontrar em si mesmo solução para os problemas. Os caracteres
pessoais e as relações daquele indivíduo, na família, no trabalho, na vizi-
nhança, enfim, no meio social imediato, tomados em si, sem relação com
as bases econômico-causais, não revelavam o verdadeiro caráter social dos
problemas enfrentados pelo indivíduo, decorrentes de suas condições de
classe e do caráter essencial da sociedade. Permaneciam no nível fenomê-
nico da individualização. Ao mesmo tempo, o problema não só era centrado
na personalidade, mas, além disso, a ação profissional deveria dirigir-se à
expansão da personalidade, como propõem suas reflexões no capítulo XIX,
destinado ao que a autora denomina Bases Filosóficas.
O texto ressalta dois conceitos básicos oriundos da psicologia
que, segundo a autora, “constituem mesmo a filosofia que forma a base do
Serviço Social dos casos individuais e explicam a necessidade de ele subsistir
para sempre; o primeiro refere-se às diferenças entre os indivíduos; o segundo
prende-se à teoria da expansão da personalidade” (RICHMOND, 1950, p.
314). Em relação às diferenças entre os indivíduos, apoia-se principalmente
em Edward E. Thorndike. Este considera que há uma variedade imensa de
carac-teres individuais, e essas diferenças constituem um traço originário
do homem, a ser levado em conta pela medicina, pela educação ou por
quaisquer forças socioprofissionais. O pensamento de Thorndike é con-
siderado uma variante do neobehaviorismo, ramo da psicologia expe-
rimental.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 175


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

A corrente Hedônica de Thorndike [...] conquanto também preva-


lentemente empirista e objetivista, oferece, no entanto, a peculiaridade
de admitir, na experimentação um elemento novo de ordem subjetiva –
o princípio do prazer-desprazer. Tal princípio é, de fato, básica e cons-
tantemente invocado por Thorndike na elaboração de sua teoria hedônica
da aprendizagem, inspirada em seus conhecidos experimentos de ‘ensaio
e erro’, que tanto vieram a influir na evolução posterior do behaviorismo.
(NOBRE DE MELO, 1979, p. 90 “ grifos no original).

Richmond (1950, p. 314) inicialmente observa: “Socialmente, as


semelhanças entre os homens têm muita importância, sendo elas que torna-
ram possível a melhoria das massas, tendo a individualidade necessariamente
de se lhes adaptar”. Mas, em seguida, ao ressaltar que os indivíduos são
originalmente diferentes, remete tal constatação ao problema da adminis-
tração democrática: “Nos primeiros períodos da democracia parecia que a
melhor orientação administrativa seria aquela que a todos servisse de maneira
exatamente igual, mas veio depois a concluir-se que era necessário proceder
de modo diferente para com indivíduos diferentes e sempre com benefício
social mais proveitoso” (RICHMOND, 1950, p. 314).
Dado que a constatação das diferenças entre os indivíduos é uma
característica natural do ser humano, e sendo este o critério dominante entre
os reformadores, “não parece necessário fazer mais considerações sobre a
verdade deste conceito” (RICHMOND, 1950, p. 315). Para ela, o critério é
suficiente e necessário na administração de qualquer serviço de natureza
socioinstitucional. O critério da igualdade entre os homens deve ser substi-
tuído pelo da natural desigualdade entre os indivíduos, como referência
para a concepção de democracia. Como se pode perceber, uma reflexão
condizente com princípios do pensamento liberal e da tendência ao indivi-
dualismo reinante na própria sociedade.
A base filosófica mais fundamental ao Serviço Social estaria, para
a autora, no conceito de expansão da personalidade. E acrescenta: “como
se tem caminhado devagar neste campo e como o nosso ideal consiste em
abandonar as classificações gerais, ocupamo-nos, em vez disso, do homem
no seu conjunto” (RICHMOND, 1950, p. 315). Entretanto, o que à primeira
vista parece, nesta produção profissional, apontar para a necessidade de
refletir o “homem no seu conjunto”, entender mais a fundo em que consiste
o homem como totalidade revela-se em seguida considerar o indivíduo ideal-
mente como o somatório das suas relações. Indica mais um ponto de vista
corrente na categoria profissional: “Também, cada vez mais, embora mais
lentamente, o Serviço Social tem a ideia de que o espírito humano (e eviden-
temente o espírito humano é que é o homem) pode ser descrito como o
somatório das suas relações sociais” (RICHMOND, 1950, p. 315).
A ideia aí subjacente é de que os elementos externos ao indivíduo
influem sobre a expansão da personalidade, porque esta é resultado do
meio social. Complementa tal pensamento:

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

176 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

Sabemos que a personalidade se dilata e se expande quando lhe surgem


novos direitos, novos interesses, novas ligações de amizade, e sabemos
também como ela é afetada quando a esfera de nossa atividade é reduzida
ou quando a morte nos rouba uma amizade. Não é, pois, uma frase lite-
rária e metafórica dizer-se que perdemos uma parte de nós próprios.
(RICHMOND, 1950, p. 315).

Neste plano das relações sociais, Richmond (1950) as compreende


mais precisamente como relações dos indivíduos com as companhias que
fazem parte da sua vida. Diz, por exemplo: “sabemos quem é um homem
pelas companhias que tem” Ou mesmo: “um homem é, na verdade, mais
influenciado pelas suas companhias do que pelas que os seus antepassados
tiveram” (RICHMOND, 1950, p. 315).
Essas assertivas resultam da interpretação que a autora faz de al-
gumas contribuições ao conceito de personalidade; ela opta pelas que avalia
como as melhores entre os psicólogos da época. Uma delas vem da
Psicologia Social de James Mark Baldwin, que relaciona os interesses da
pessoa ao seu meio imediato. Diz: “Ele estende os seus interesses de cons-
ciência e de afetividade às companhias que tem” (BALDWIN apud RICH-
MOND, 1950, p. 315), ideia que Richmond (1950, p. 315-316) ratifica:
“Estes interesses estão sujeitos a variações contínuas, e essas variações, que
tanto podem elevá-los quanto rebaixá-los, são condições com que o homem
tem, normalmente, de se debater no robustecimento das relações sociais”.
Explicita:

O pensamento da personalidade emerge diretamente de certos dados


das relações sociais; na verdade, ele é a forma pela qual as relações
sociais entram na organização de novas experiências pessoais. O eu
não é uma abstração situada isoladamente no corpo da pessoa como as
nossas teorias da personalidade nos levariam a concluir. É como um
sentido da rede de relações que existem entre mim, vós e os outros,
pelas quais certas necessidades pungentes de sentimento, de vida ativa
e de pensamento concreto requerem que eu me empenhe, colocando-
me a mim próprio num polo, e a vós ou a eles, noutro polo. (BALDWIN
apud RICHMOND, 1950, p. 316).

Assim sendo, aproxima-se de tendências empiristas e predominan-


temente objetivistas da psicologia, que, por um lado se voltam para o
indivíduo a pessoa humana unitariamente configurada e, por outro lado,
acentuam o valor da realidade externa como fonte da atividade psíquica.
Faz uma apreciação exterior das formas de comportamento dos indivíduos
nas suas relações interpessoais e exalta a necessidade do empenho do indi-
víduo, ajudado pelo Serviço Social, para expandir-se como pessoa na reso-
lução dos males que o afetam. A atuação sobre as pessoas seria, portanto, o
caminho para mudar o meio social.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 177


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

Considerações finais

A obra de Richmond, pensamento que deu origem à produção


teórica do Serviço Social, oferece uma exaustiva proposta investigativa e do
modo como proceder sobre as realidades sociais que compõem a situação
de vida e de saúde das pessoas às quais devem ser prestados serviços institu-
cionais. Entretanto, embora a obra ofereça um vasto conjunto de formulações
destinado à investigação das condições de vida dos indivíduos no âmbito
da família, do trabalho e das relações imediatas, e forneça elementos em-
píricos a um conhecimento de natureza sociológica em matéria da aparência
da sociedade na qual os indivíduos vivem e agem, a destinação do material
investigado tem por finalidade o conhecimento do indivíduo e não das rela-
ções sociais nas quais este se insere. Tendência que irá se aprofundar poste-
riormente, passando por uma inflexão destinada a pensar o indivíduo com
base na psicanálise.
Em linhas gerais, o tema da individualidade aparece na obra de
Richmond intitulada O Diagnóstico Social, a única investigada por nós neste
texto, como substrato à atuação profissional na sua proposta de elaborar
uma técnica comum do diagnóstico social para o conjunto dos assistentes
sociais. De modo ainda incipiente, recorre a conceitos de teorias psicológicas
oriundas do funcionalismo, que Davidoff (1983, p. 720) define como corrente
no campo da psicologia “Movimento psicológico de interesse histórico
que se concentrava no funcionamento dos processos mentais, especialmente
quando auxiliavam as pessoas a sobreviverem em um mundo perigoso” e
do behaviorismo, concebendo-as como base filosófica no conhecimento
de características do indivíduo e da expansão da personalidade. O conceito
de personalidade presente em Diagnóstico Social tem por base a concepção
de homem como somatório das relações sociais.
O problema da individualidade e do indivíduo como ser livre foi
posto em pauta no capitalismo como momento em que o processo de indi-
viduação alcança o seu auge. No capitalismo, o indivíduo emerge como
portador de uma liberdade que não encontra precedentes na história das
sociedades de classe e a personalidade se transformou em objeto de inves-
tigação por tendências filosóficas e científicas de vários matizes demarcada
com certa autonomia em relação a outros campos do conhecimento e quase
sempre centrada no indivíduo desconectado da totalidade social. Entretanto,
conforme Marx: “O ser humano só se individualiza pelo processo histórico”
(MARX, 1981 p. 407). E é no capitalismo que os indivíduos vão aparecer
como individualidades, tornando-se objeto de estudos e teorizações do ponto
de vista econômico, político e filosófico. Ainda mais: “a época que produz
esse ponto de vista, o do indivíduo isolado, é precisamente aquela na qual
as relações sociais (e, desse ponto de vista, gerais) alcançaram o mais alto
grau de desenvolvimento” (MARX, 1983, p. 4).

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

178 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

O Serviço Social toma então a concepção de personalidade em


seu caráter atemporal, portanto, a-histórico. Uma concepção de
personalidade geral que coexiste com a de indivíduo abstrato, ideia
incompatível com o indivíduo real, concretamente determinado. Os grupos
e instituições comparecem como meios para o desenvolvimento individual,
enquanto os indivíduos singulares, com suas motivações e interesses tomados
em si mesmos, são as forças propulsoras do desenvolvimento da sociedade.
Essa hipertrofia do indivíduo é agravada pela ausência de fundamentação
sócio ontológica da individualidade. A história de cada indivíduo é tomada
nestas perspectivas como referência somente para a descoberta de problemas
que comprometam sua adaptação a uma vida social ativa e harmonicamente
adequada à convivência no trabalho, na família, no meio social. Não há
qualquer relação entre a personalidade e a essência da sociedade no seu
desdobramento histórico-concreto.
O Serviço Social de casos, tal como foi pensado em suas origens,
medeia sua ação sobre as consciências dos indivíduos na prestação de
serviços sociais, não apenas de natureza material, mas através da
interpretação de sintomas patológicos no comportamento das pessoas. Os
conflitos imediatos, em última instância oriundos da base material, expressos,
nestes casos, por indivíduos das classes pauperizadas, como o desemprego,
a degradação das famílias, o abandono de crianças e velhos, o precário
nível de educação, as baixas condições de existência, causas reais imediatas
da problemática de vida das pessoas e de suas relações, são avaliados e
tratados como manifestações da inadaptação dos indivíduos à realidade
social, quando na verdade é esta mesma realidade que os aliena.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2 o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro 179


} REVISITANDO O SERVIÇO SOCIAL CLÁSSICO – COSTA, G. M. }
DOI: 10.12957/REP.2017.32747

Referências

BARAN, P.; SWEEZY, P. Capitalismo monopolista. Rio de Janeiro: Zahar,


1966.
DAVIDOFF, L. Introdução à psicologia. São Paulo: McGraw-Hill, 1983.
DURKHEIM, E. As Regras do Método sociológico. Tr. Margarida Garrido
Esteves, Os Pensadores, São Paulo: Abril Cultural, 1978.
MARX, K. O capital. São Paulo: Abril Cultural, 1981.
______. O capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
MÉSZÁROS, I. Para Além Do Capital: rumo a uma teoria da transição. Trad.
Paulo César Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2002.
NETTO, J. P. Ditadura e Serviço Social: uma análise do serviço social no
Brasil pós-64. São Paulo: Cortez, 1991.
MELO, A. L. N. Psiquiatria. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.
RICHMOND, M. E. Diagnóstico Social. Tr. José Alberto de Faria, Lisboa:
Instituto Superior de Higiene Dr. Ricardo Jorge, 1950.
______. What is Social Work. In: Caso social individual. 1922. Disponível
em: <http://www.ts.ucr.ac.cr/binarios/libros/libros-000029.pdf>. Acesso em:
01 ago. 2017.

DOI: 10.12957/rep.2017.32747

Recebido em 30 de agosto de 2017.


Aprovado para publicação em 05 de dezembro de 2017.

A Revista Em Pauta: Teoria Social e Realidade Contemporânea está licenciada com uma Licença Creative
Commons Atribuição 4.0 Internacional.

EM PAUTA, Rio de Janeiro _ 2o Semestre de 2017 - n. 40, v. 15, p. 166 - 180

180 Revista da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Você também pode gostar