Você está na página 1de 19

Centro Universitário Fundação Santo André

Acsa Silva RA 736527


Beatriz Lima Gino de Carvalho RA 736428
Edmar Souza de Almeida RA 736419
Eric Santos Cordeiro RA 736391
Gilmar Fernandes Filho RA 736418

Empreendedorismo - Plano de Negócios

Santo André
2019
Acsa Silva RA 736527
Beatriz Lima Gino de Carvalho RA 736428
Edmar Souza de Almeida RA 736419
Eric Santos Cordeiro RA 736391
Gilmar Fernandes Filho RA 736418

Empreendedorismo - Plano de Negócios

Trabalho de Empreendedorismo apresentado


como exigência parcial para obtenção do grau
de Engenheiro à Faculdade de Engenharia En-
genheiro Celso Daniel do Centro Universitário
Fundação Santo André.

Orientador: Profo Wladmir Zyrianoff

Santo André
2019
Acsa Silva RA 736527
Beatriz Lima Gino de Carvalho RA 736428
Edmar Souza de Almeida RA 736419
Eric Santos Cordeiro RA 736391
Gilmar Fernandes Filho RA 736418

Empreendedorismo - Plano de Negócios

Trabalho de Empreendedorismo apresentado


como exigência parcial para obtenção do grau
de Engenheiro à Faculdade de Engenharia En-
genheiro Celso Daniel do Centro Universitário
Fundação Santo André.

Trabalho aprovado. Santo André, ___ de ____________ de 2019:

Profo Wladmir Zyrianoff


Orientador

Santo André
2019
Resumo
Plano de Negócio é o nome dado ao documento redigido pelo empreendedor que tem por
objetivo projetar um negócio. Contendo informações de caráter externo como mercado e
concorrência e, características internas do empreendimento como planejamento estratégico,
fianças e produtos, o plano de negócios é um documento abrangente que exige pesquisa e
muito trabalho para sua realização. O presente trabalho compara um plano de negócios
fictício com os pré-requisitos estabelecidos por convenção, afim de concluir se o mesmo
atende ou não o que se espera desse tipo de documento, fato esse que se mostrou satisfatório.
Este trabalho foi elaborado seguindo os padrões ABNT, segundo Laporta, Zampieri e
André (2006).

Palavras-chaves: plano de negócios, empreendedorismo, negócios, planejamento.


Abstract
Business Plan is the name given to the document written by the entrepreneur that
aims to design a business. Counting the external and competitive information, and the
underlying characteristics of strategic planning, sureties and products, the business plan
is a comprehensive document that requires research and a lot of work to accomplish.
This paper compares a fictitious business plan with the prerequisites established by the
convention, that is, the same as the present or does not expect it as a type of document, a
fact that proves to be satisfactory. This work was developed according to ABNT standards,
according to Laporta, Zampieri e André (2006).

Keywords: business plan, entrepreneurship, business, planning.


Sumário

1 INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2

2 DISCUSSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.1 Capa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2 Sumário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.3 Sumário Executivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.4 Descrição da Empresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.5 Equipe de Gestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.6 Mercado e Competidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.7 Marketing e Vendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.8 Estratégia de Crescimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.9 Plano Financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.10 Estrutura e Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.11 Produtos e Serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

3 CONCLUSÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Introdução
2

1 Introdução

O termo empreender surgiu na França por volta dos séculos XVII e XVIII, com o
objetivo de designar as pessoas ousadas que estimulavam o progresso econômico, mediante
novas e melhores formas de agir. O conceito empreendedorismo foi utilizado pelo economista
Joseph Schumpeter em 1950 como um atributo de indivíduos que possuem criatividade
e que são capazes de fazer sucesso com inovações. Mais adiante na linha do tempo, em
1967, Kenneth E. Knight e em 1970 com Peter Drucker foi introduzido o conceito de risco,
o qual diz que uma pessoa empreendedora precisa arriscar em algum negócio. Com isso
surge o termo empreendedor, indivíduo esse que acumula alta capacidade de gerenciamento
e know-how em business e qualidades como criatividade e inovação (ZYRIANOFF, 2019.
(Apostila)a).
Como ferramenta para criação de novos negócios, empreendedores de sucesso fazem
uso do Plano de Negócios.
De acordo com Hisrich, Peters e Shepherd (2014), um plano de negócios é um
documento preparado pelo empreendedor onde são descritos todos os elementos internos e
externos relevantes para o início do empreendimento. Tal documento atua como integrador
dos planos funcionais, como os de marketing, finanças, produção e recursos humanos.
Em outras palavras, o Plano de Negócios é o mapa que guiará o empreendedor
ao longo da jornada. Como numa viagem, as rotas podem ser revistas e atualizadas,
dependendo dos imprevistos que surgirem, porém, a proposta do Plano é justamente
minimizar e se possível erradicar os imprevistos.
O plano de negócios deve ser redigido pelo empreendedor, o que não invalida o fato
do mesmo poder contar com o auxílio de consultores profissionais, amigos, parentes e até
mesmo da consulta à internet. Adquirir informações sobre o mercado onde se pretende
atuar, sobre a concorrência, sobre as tendências de mecado, entre outras informação, é
de extrema importância. Segundo o estrategista Tzu e Pin (2015), para triunfar sobre
ameaças, é importante se empenhar em resolver elas antes de se concretizarem.
Quanto a importância de um bom plano de negócio, uma pesquisa realizada por
ex-alunos de Administração da Harvard Business School, nos Estados Unidos, comprovou
que o PN aumenta em 60% as chances de sucesso de um empreendimento (EDY, 2019).
Pode-se listar também:

• Permite avaliar a viabilidade do negócio no mercado onde se pretende atuar.

• Orienta o empreendedor na organização das atividades de planejamento.


Capítulo 1. Introdução 3

• Trata-se de uma ferramenta importante para a angariação de recursos financeiros.

Dependendo do objetivo para o qual se redige o plano, tem-se o destinatário, logo,


os possíveis públicos-alvo de um plano de negócios são:

• Parceiros: para o estabelecimento de estratégias conjuntas;

• Bancos: quando o objetivo é a aquisição de financiamentos para compra de equipa-


mentos;

• Investidores: que são empresas de capital de risco, BNDES, governo ou outros


interessados;

• Fornecedores: quando o intuito é obter crédito na compra de matéria prima, por


exemplo;

• A própria empresa: se usa o plano de negócios em situações onde departamentos


precisam de liberação de verbas dos altos escalões para aplicar em algum projeto;

• Clientes potenciais: para vender a ideia e o produto/serviço.

Um bom plano de negócio pode levar dias e até meses para ficar pronto, visto
que este documento precisa ser abrangente o suficiente para dar ao empreendedor e para
os possíveis investidores um panorama detalhado do novo empreendimento (HISRICH;
PETERS; SHEPHERD, 2014).
O conteúdo de um plano de negócios pode variar em função do tipo de empreen-
dimento que é proposto, porém, uma estrutura mínima é adotada afim de manter um
padrão. Basicamente um PN deve ter: capa, sumário, sumário executivo, descrição do
negócio, planejamento estratégico do negócio, produtos e serviços, análise de mercado,
estratégias de marketing, plano financeiro e quando necessário os anexos. O que cada item
deve conter bem como suas particularidades são abordados mais adiante neste trabalho.
Um plano de negócios pode ser escrito de forma linear ou de forma interativa. No
modelo linear, o PN é escrito item por item, de maneira direta. Esse método não é o
mais utilizado, visto a dificuldade de visualização do negócio, afinal, o plano de negócios
trata-se de um projeto e, como o termo diz, projetar é "ver adiante".
No método interativo, o processo de elaboração dos itens do plano é simultâneo, ou
seja, a medida que os tópicos abordados em finanças, por exemplo, os tópicos de operação
e marketing também vão sendo abordados e definidos. Para esse modelo de criação é
comum a utilização do método CANVAS.
Discussão
5

2 Discussão

Com base no conteúdo considerado mínimo para um Plano de Negócios que visa
o lançamento de um novo empreendimento, as seções a seguir discutem se o plano de
negócios da empresa FaroFino (empresa fictícia) atende ou não as expectativas que se
aplicam a esse tipo de documento.
O empreendimento fictício FaroFino trata-se de uma empresa de tecnologia que
visa atuar como intermediadora de negócios online. A proposta é a criação de um site que
prove a aproximação entre fornecedores e compradores. O plano de negócio foi redigido em
2001, época em que o número de casas com acesso à internet no Brasil era muito pequeno
em relação ao atual, o que justifica a oportunidade e o risco do empreendimento.
O referido plano de negócio pode ser encontrado na internet pelo link: https :
//www.josedornelas.com.br/wp − content/uploads/arquivos/pnf arof ino.pdf .

2.1 Capa
De acordo com Hisrich, Peters e Shepherd (2014), o primeiro item de um plano é
sua capa. Sendo o rosto do documento, o mesmo deve conter:

• O nome e o endereço da empresa. O nome do(s) empreendedor(es), telefones, endereço


de e-mail e do site, se houver.

• Um parágrafo resumido descrevendo a empresa e a natureza do negócio.

• O volume de financiamento necessário. Não é um item obrigatório para a capa, porém


o relator do plano pode inserir caso julgue interessante ou necessário.

• Uma declaração do caráter confidencial do relatório, afim de dar segurança ao


empreendedor.

Com base nos itens listados acima, o plano da FaroFino atende em caráter parcial
os requisitos, pois a capa do documento não possui um parágrafo com a descrição da
natureza da empresa. Não foi considerado o item sobre volume de financiamento necessário,
visto que esse item não é tido como obrigatório. Quanto as demais informações, todas
estão contidas na capa e de maneira clara.
Capítulo 2. Discussão 6

2.2 Sumário
O sumário é como o de um trabalho acadêmico ou de um livro, deve conter os
tópicos do plano de negócio e a página em os mesmos se encontram.
O documento apresentado pela FaroFino atende os requisitos desse item, pois
relaciona os tópicos abordados e identifica sua localização no plano.

2.3 Sumário Executivo


O sumário executivo é a seção montada depois que todo o plano estiver redigido.
Trata-se de um resumo do plano de negócio, contendo de duas a três páginas. O mesmo
deve estimular o interesse do possível investidor. Depois da capa, é a primeira seção que o
leitor do plano irá contemplar e, dependendo do que ler, irá continuar ou não analisando
o plano. O resumo deve destacar de modo conciso e convincente os pontos principais do
plano de negócio. Em outras palavras, o sumário executivo deve responder: o que, onde,
por que, quem, quanto, como e quando (HISRICH; PETERS; SHEPHERD, 2014).
O sumário executivo da Faro Fino desperta o interesse em continuar lendo o plano.
Quanto a descrição inicial da equipe de gestão, o texto cita “sólida experiência em negócios
e tecnologia” e na sequencia informa que a equipe possui “três anos em vendas de produtos
via internet para pequenas e médias empresas brasileiras”. A informação sobre o tempo de
experiência não condiz com o adjetivo “sólida”, no entanto, tal incoerência não invalida
a curiosidade em continuar lendo o documento, visto que a época em que foi redigida a
proposta o uso da internet (campo de atuação da FaroFino) estava em crescente ascensão
no Brasil. Na seção de número 3 do plano de negócios, onde são pontuados os integrantes
da equipe de gestão, pode-se contemplar o forte currículo de cada componente, bem como
suas experiências. Mais detalhes sobre esse assunto são apresentados adiante.

2.4 Descrição da Empresa


Esta seção deve pontuar de maneira objetiva as principais características do negócio.
Recomenda-se que comece com a declaração de missão e visão da empresa, seguido dos
valores iniciais do negócio. Como ponto de partida, nessa seção o relator deve informar em
que ponto o negócio está e para onde pretende ir, pontuando a estrutura atual e as opor-
tunidades que o negócio possui para sua evolução. Espera-se que sejam apresentados quais
são os produtos e serviços, bem como os aspectos legais que envolvem o empreendimento,
além de atuais e/ou possíveis parcerias. Caso se trate de uma empresa já estabelecida, é
recomendado inserir um breve histórico da mesma (ZYRIANOFF, 2019. (Apostila)b).
A seção intitulada O Conceito do Negócio no documento analisado atende parcial-
Capítulo 2. Discussão 7

mente as premissas estabelecidas. Sendo a FaroFino Fino uma statup de sua época, não
possuía histórico. No referido plano pode-se conferir a visão do negócio bem como seu dife-
rencial em relação aos já estabelecidos concorrentes, mostrando o cenário de oportunidades
e descrevendo o serviço que é oferecido. O documento aponta a localização do negócio e
sua abrangência. Deixa a desejar quanto aos aspectos legais não descrevendo nada sobre o
assunto. No que diz respeito a possíveis parceiros a seção não possui campo específico para
tal, porém, na página 10 é citado um trabalho realizado por uma “agência terceirizada”
que usará um espaço do site para fazer propagandas. Pode- se dizer então que essa seja
uma possível parceria, mas essa oportunidade não está detalhada no plano de negócio.

2.5 Equipe de Gestão


A descrição da equipe gerencial é de grande valia pois sabe-se que o papel do
gerente é dar direção e tomar decisões sobre o negócio e sobre os recursos que possui.
Logo, um investidor precisa confiar na pessoa que está controlando seu dinheiro aplicado.
A equipe de gestão, portanto é um fator crítico para o sucesso.
Nessa seção deve conter quem são os principais envolvidos no negócio, de onde
eles vêm, qual sua experiência e as responsabilidades que cada um irá assumir, se existe
ou não uma equipe complementar e, se por ventura estiver faltando alguém para compor
esse quadro, o plano de negócios deve contemplar isso também (ZYRIANOFF, 2019.
(Apostila)b).
Apesar a tenra idade do corpo diretor apresentado pela Faro Fino, os componentes
possuem massivo treinamento para assumir tais responsabilidades bem como experiência
no ramo proposto. O nome apontado para o cargo de CEO da FaroFino possui ampla
experiência em empresas de porte bem como know-how em questões relacionadas à internet.
Sendo o objetivo da descrição da equipe de gestão obter a confiança do investidor,
o plano de negócios da FaroFino atende essa premissa.

2.6 Mercado e Competidores


A análise de mercado e competidores é necessária para a elaboração das estratégias
de marketing e plano de crescimento. Nesta seção é interessante abarcar todo o cenário
do mercado, afim de identificar as tendências do ambiente. Fatores que são difíceis de
prever, como mudanças culturais e tecnológicas devem ser contempladas além dos que são
naturalmente mensuráveis como projeções do PIB (produto interno bruto), demanda do
setor e a atuação dos concorrentes. Previsões como possíveis mudanças de legislação que
venha afetar o produto ou serviço oferecido pela empresa também são recomendadas, pois
isso transmite segurança ao investidor (HISRICH; PETERS; SHEPHERD, 2014).
Capítulo 2. Discussão 8

O plano apresentado pela FaroFino apresenta detalhado estudo do ambiente em


questão. A matriz BCG apresentada ne seção 4.5.2 do plano de negócio localiza a posição
da Faro Fino em relação aos seus concorrentes. Esta seção, portanto, mostra-se satisfatória
quanto ao que se espera de informações dela.

2.7 Marketing e Vendas


No campo destinado a discutir marketing e vendas, espera-se do empreendedor
informações sobre o posicionamento do produto em relação aos seus concorrentes, por
quanto o produto será vendido, onde e como será entregue ao cliente e como se dará a
promoção das vendas. Projetar os resultados a serem atingidos como Market-Share, número
e clientes e receitas também entram nessa seção (ZYRIANOFF, 2019. (Apostila)b).
O documento proposto pela FaroFino atende as exigências previstas para esta seção.
O referido plano de negócio apresenta na seção 5.6 as “Parcerias Estratégicas”, visando a
diminuição dos custos de marketing, a captação de novos anunciantes e a capitalização da
empresa. Tal observação merece destaque pois pode despertar o interesse nos investidores.

2.8 Estratégia de Crescimento


Um plano de crescimento exige estratégia. Com base nas análises de mercado e
nas projeções de vendas, o empreendedor traça as estratégias para seu negócio crescer. A
empresário precisa estar preparado para monitorar forças macro ambientais (demográficas,
econômicas, tecnológicas, políticas, legais, sociais e culturais) e atores micro ambientais
(consumidores, concorrentes, canais de distribuição, fornecedores). Portanto, a seção de
Estratégia de Crescimento deve contemplar opções e análises de custos para o gerenci-
amento dos riscos identificados e, análises do impacto que tais riscos poderão trazer ao
empreendimento. Recomenda-se para isso o método de análise SWOT.
É importante também pontuar objetivos e metas com prazos definidos, as chamas
metas SMART (específicas, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporais) e com isso
estabelecer um cronograma para que as ações possam ser gerenciadas.
O modelo de negócio FaroFino tem como vantagem ser o First Mover, ou seja, o
primeiro empreendimento desse tipo na sua época, porém, tem como desvantagem o fato
de ser simples o suficiente para ser copiado, risco esse que surge com o lançamento da
empresa no mercado.
A análise SWOT elaborada pela equipe FaroFino contempla essas forças e fraquezas
e com isso, traçaram como principal fator de sucesso a rápida captação de Market-Share.
Um cronograma para as ações foi proposto para a ascenção da FaroFino, o que contribui
Capítulo 2. Discussão 9

para sua credibilidade. Objetivos SMART são traçados no cronograma além de parâmentros
de trabalho com previsão de início.
A estratégia de crescimento proposta mostrou-se satisfatória.

2.9 Plano Financeiro


Assim como o plano de marketing, o plano financeiro e uma parte importante do
plano de negócio, pois determina o investimento necessário para o novo empreendimento e
indica se o plano de negócio é economicamente viável (HISRICH; PETERS; SHEPHERD,
2014).
Segundo Zyrianoff (2019. (Apostila)b), o estudo financeiro de um plano de negócios
deve conter:

• Dados numéricos de toda a estratégia da empresa.

• Deve mostrar os investimentos necessários e as possibilidades de retornos, ou seja,


as possibilidades de saída do investidor.

• Inclui provisão de receitas com horizonte de médio prazo.

• Apresenta o prazo de retorno do investimento com base no fluxo de caixa do negócio.

• Utiliza de índices de retorno sobre o investimento para mostrar a viabilidade financeira


do empreendimento.

As previsões apresentadas pela equipe FaroFino se mostram satisfatórias. O plano


da FaroFino oferece 15% da empresa pelo aporte de R$ 1 milhao.

2.10 Estrutura e Operação


A seção de Estrutura e Operação organizacional e a parte do plano de negócio
que descreve o tipo de propriedade do empreendimento, isto é, propriedade, sociedade ou
corporação. Se o empreendimento for uma sociedade, devem ser incluídos os termos dessa
sociedade. Se for uma corporação, é importante detalhar as cotas de ações autorizadas
e as opções de participação, bem como nomes, endereços e currículos dos diretores e da
alta administração da corporação. Também é útil fornecer um organograma da empresa,
indicando a linha de autoridade e as responsabilidades dos membros da organização
(HISRICH; PETERS; SHEPHERD, 2014).
As descrições dos processos de produção também devem ser listadas nesse item,
bem como a política de recursos humanos, as previsões dos recursos humanos, quem serão
Capítulo 2. Discussão 10

os fornecedores, a infraestrutura e a planta (lay-out da empresa) (ZYRIANOFF, 2019.


(Apostila)b).
O documento apresentado pela FaroFino possui todas as informações necessárias
sobre a estruturação da empresa, alocando os cargos por meio de organograma bem como
os processos internos que regerão as operações da empresa. Especificações chave como os
equipamentos necessários para a operação são detalhados no plano. A seção por sua vez
atende parcialmente as exigências.

2.11 Produtos e Serviços


Na descrição dos produtos e serviços espera-se que o relator do plano de negócio
especifique os benefícios e diferenciais do que é oferecido pela empresa, além de sua
utilidade e apelo, a tecnologia envolvida, se possui patentes ou não, bem como um
diagrama com o ciclo de vida do produto. O plano de negócios da FaroFino não possui
capítulo específico para o detalhamento do serviço oferecido. Porém, as informações sobre
o tal estão espalhadas pelo documento. Na seção 2.2 pode-se identificar o apelo do serviço
e sua utilidade. Na seção 4.5.1 são listados os benefícios em se usar o serviço da FaroFino.
Na seção 4.5.2 é apresentada uma matriz do tipo BCG que localiza a posição a FaroFino
em relação aos seus concorrentes, porém não o serviço. Na seção 5.1 tem-se informações
como funcionalidade do serviço, novos serviços a serem oferecidos, o seja, atualizações e
comentários sobre a tecnologia aplicada ao serviço. O plano não aborda um diagrama com
o ciclo de vida do serviço. O plano de negócio da FaroFino atende em caráter parcial as
necessidades de informação sobre os produtos e serviços.
Conclusões
12

3 Conclusões

O plano de negócios estudado mostrou-se satisfatório em relação as premissas


estabelecidas convencionalmente pelo mercado. No entanto, o mesmo deixou a desejar em
pontos como o ciclo de vida do serviço oferecido. O documento apresenta de maneia clara
e objetiva as informações e é bem embasado por dados estatísticos de fontes confiáveis, o
que produz confiança à possíveis investidores.
13

Referências

EDY. Elaborar o Plano de Negócio. 2019. Disponível em: <https:


//sites.google.com/site/edyneydasilvajunior/empreendedorismo/processoempreendedor/
elaborar-o-plano-de-negcio>. Acesso em: 19/06/2019.

HISRICH, R. D.; PETERS, M. P.; SHEPHERD, D. A. Empreendedorismo-9. [S.l.]:


AMGH Editora, 2014.

LAPORTA, M. Z.; ZAMPIERI, M. F.; ANDRÉ, S. Manual para elaboração de trabalhos


acadêmicos. São Paulo: Fundação Santo André, 2006.

TZU, S.; PIN, S. A arte da guerra. [S.l.]: WWF Martins Fontes, 2015.

ZYRIANOFF, W. Empreendedorismo. [S.l.]: Fundação Santo André, 2019. (Apostila).

ZYRIANOFF, W. Plano de Negócios. [S.l.]: Fundação Santo André, 2019. (Apostila).

Você também pode gostar