Você está na página 1de 36

PREPARATÓRIO

PARA
QOA-AA-AFN
2021
13ª Aula

Professor: Vagner Souza


A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR NAVAL NA
SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX
E AS CONSEQUÊNCIAS PARA A
MARINHA DO BRASIL

In. Revista Marítima Brasileira. V. 120/N.10-12. Rio de Janeiro,


out/dez 2000. pp. 131-197. Disponível em:
http://www.redebim.dphdmmar.mil.br/vinculos/000008/000008a0.pdf
1ª FASE
1815-1870
INGLATERRA X FRANÇA
• A Propulsão Mista: da Roda ao Hélice.
- Embora os principais desenvolvimentos só viessem repercutir
nos navios de guerra e nas formas de seu emprego na segunda
metade do século XIX, eles tiveram origem nas cinco primeiras
décadas do século.
- O HMS Victoria (fragata three-decker) de 1859 representa o fim
da primeira metade do XIX.
- Projetis de tiro sólido, de estilhaços, incendiário e explosivo (a
granada, lançada na França por Paixhans em 1839).
- Última grande batalha naval envolvendo apenas navios a vela foi
em Navarino em 1827. (1821-27: UK/FR/RU X TU/EG pela
independência da Grécia.
- Entre 1825-28: Guerra Cisplatina (BR X AR na disputa pela
Cisplatina, que se tornou independente como Uruguai). A
principal batalha foi a de Santiago, com vitória tática argentina e
estratégica brasileira semelhante a Jutlândia em 1916.
• A Propulsão a Vapor:
- Apesar de experiencias serem feitas desde final do séc. XVIII, foi
somente em 1812 que se fez o primeiro navio de guerra a vapor,
o USS Demologos, e seu lançamento foi em 1815 após a Segunda
Guerra de Independência dos EUA.
* As dificuldades do vapor e a oposição da Inglaterra.
* A França lança o Aviso Sphinx em 1830 e a Inglaterra é obrigada
a lançar em 1837 a Chalupa HMS Gorgon.
• O Hélice:
- Os franceses lançaram o primeiro navio a hélice em 1842, o
Aviso Corse, ainda misto e de pequeno porte, sendo que o
primeiro navio a hélice de grande porte foi o USS Princeton de
1844, que a França teve com o Napoléon em 1848 e a Inglaterra
com o Agamemnon em 1850.
- Em 1843 a Inglaterra lança seu primeiro navio à hélice, a Escuna
HMS Rattler, enquanto no Brasil é construída a primeira
embarcação a vapor do Arsenal da Corte, a Barca Tetis.
• Os Canhões:
- Em 1846 foram testados os primeiros canhões raiados com
culatra, projeto desenvolvido por um italiano e um sueco mas
que não foi adotado pelas marinhas.
- Apenas após o surgimento da couraça teremos a real
necessidade do canhão raiado para os projetis cônicos com
ogiva.
- Em 1856 os ingleses desenvolveram o Armstrong, pouco depois
os alemães fizeram o Krupp.
• As Minas:
- Em 1843 Samuel Colt nos EUA fez as primeiras minas que eram
acionadas à distância.
- Na Guerra da Criméia (1854-56), os russos utilizaram de minas
de contato para tentarem proteger o porto de Sebastopol.
- Durante a Guerra do Paraguai (1864-70), os paraguaios
utilizaram desse aparato, e mesmo com as medidas tomadas
pelo Brasil, o encouraçado Rio de Janeiro foi afundado com
grande parte de sua tripulação.
• A Guerra de Oribe e Rosas (1850-51):
- A Argentina tentou reviver o antigo Vice-Reinado do Prata nos
anos que antecederam a Guerra Regular, obrigando o Brasil a
iniciar seus preparos com a compra do primeiro navio de guerra
a vapor, a Fragata D. Afonso, inglesa de 1848, e a construção de
navios nos estaleiros da Ponta da Areia e da Saúde no RJ.
- O Ponto alto deste conflito foi a Passagem de Tonelero.
• A Couraça:
- No séc. XVI, numa guerra entre japoneses e coreanos, surgiu um
navio a remos dotado de couraça, conhecido como “navio
tartaruga”.
- O surgimento prático da couraça no ambiente militar
contemporâneo se deu durante a Guerra da Criméia, em 1855.
- Em 1859 a França lançou a Fragata Gloire, de madeira com
couraças, e no ano seguinte a Inglaterra lança o HMS Warrior, já
com o casco feito de ferro com 4,5”.
• O Aríete:
- A França inicia em 1859 a construção de navios com aríete (o
Magenta e o Soferino) , já identificando o ponto frágil dos navios
que passavam a ser produzidos com couraças: o calado do navio.
- Na Guerra Austro-Prussiana (1866), ocorreu uma batalha Ítalo-
Austríaca, a Batalha Naval de Lissa. Durante esta Guerra, os
italianos já contavam com navios encouraçados e com melhor
artilharia, restando aos austríacos o emprego do aríete.
• A Guerra da Criméia (1854-56):
- Em 1853 o primeiro teste real das granadas, a Batalha Naval de
Sinope na Guerra Russo-Turca.
- Em 1855, os franceses desenvolveram as baterias flutuantes
protegidas por couraças de 4,5” que anularam a fortaleza de
Kinburn na foz do Dnieper, enquanto o HMS Agamemnon
bombardeou a base de Sebastopol.
- A couraça forçou definitivamente o desenvolvimento dos
canhões, que passaram a serem raiados para projeção das
munições cônicas e com ogiva.
• A Guerra Civil Americana (1861-65):
- A Batalha de Hampton Roads (1862), onde a Fragata Virginia (Ex-
Merrimack) enfrentou o Monitor.
- Durante toda Guerra, os dois lados lançaram mão do uso do
aríete e de Minas. Quanto as minas, o pior fato se deu no ataque
de Farrugut à Mobile.
- Em 1863 os franceses lançaram ao mar o submarino Le Plongeur,
e em 1864, os Estados Confederados (Sul) lançaram o Hunley,
primeiro a obter sucesso militar em operação.
• Os Avanços Tecnológicos Brasileiros:
- O Brasil procurou compensar seu atraso adquirindo navios, como
a Fragata Amazonas, a Rodas, em 1852.
- Devido ao agravamento das relações entre Brasil e Paraguai, a
partir de 1853, novos navios foram encomendados e
construídos. No ARMJ, a Canhoneira Ipiranga foi nosso primeiro
navio à hélices construído no Brasil.
- O agravamento se deu por questões de fronteiras entre Brasil e
Paraguai e levou ao rompimento das relações diplomáticas em
1853.
• A Guerra do Paraguai (1864-70):
- Em 1853, foi enviada uma Missão Diplomática a Assunção no
Paraguai, com o Al Pedro Ferreira de Oliveira, que fracassou.
- O Brasil inicia a construção da Corveta Niterói, o maior navio a
vapor construído no Brasil e que ao ficar pronto em 1863 tornou-
se nosso capitânia.
- No ano de 1858 o Brasil recebeu da França e da Inglaterra
canhoneiras fluviais, a vapor e com hélices.
- Em 1864, o Paraguai iniciou suas operações de guerra contra o
Brasil.
- AR/BR/UR X PA, sendo exclusiva a atuação de nossa Marinha.
- Em 1865 – Batalha Naval de Riachuelo (Barroso x Mezza), a
Fragata Amazonas x Taquari.
- Início de uma nova era na construção naval brasileira: os navios
encouraçados, que fizeram a passagem de Humaitá em 1868
(Barroso, Tamandaré e Bahia), levando a contra-bordo os
Monitores Rio Grande , Alagoas e Pará.
- Em 1869 a Esquadra brasileira estava fundeada enfrente à
Assunção, e a Guerra foi encerrada em 1870.
• A Guerra Franco-Prussiana (1870-71):
- Foi exclusivamente terrestre, sendo vencida pela Prússia após a
Batalha de Sedan.
- A derrota militar francesa, somada as perdas materiais,
territoriais e indenizações financeiras pagas à Prússia, levaram a
França a adotar quinze anos depois a Jeune École.
- A Prússia, fortalecida, realizou a unificação dos estados
germânicos e fundou a Alemanha do 2º Reich.
2ª FASE
1871-1914
INGLATERRA X ALEMANHA
• O Duelo Couraça x Canhão:
- Antes da Guerra do Paraguai terminar, as couraças já estavam
com 9”, da mesma forma que os canhões estavam crescendo.
- Em 1871 o HMS Captain afunda devido ao peso.
- No Brasil, o novo ciclo de construções navais se inicia com a
Corveta Trajano em 1873, de baixo valor militar.
- Na Inglaterra em 1875 é lançado o HMS Dreadnought com
couraça de 14” e o HMS Shannon com convés encouraçado.
- Em 1878 foi lançado na Itália o Dandalo, com canhões de 17,5”
- Surgem a Couraça Composta e a Couraça Sanduíche.
- Novos melhoramentos aparecem, como o francês Rédoutable,
de 1876, primeiro de aço e já com compartimentos estanques.
- Na Guerra entre o Chile e o Peru, em 1877, um monitor Peruano
defrontou o Cruzador HMS Shah, sendo um combate indeciso.
- Os torpedos mudaram esse cenário. Em 1878 foi utilizado pelos
russos um torpedo Witehead, sendo o primeiro com êxito.
• O Aço:
- A partir de 1880 começou a se popularizar o aço na construção
naval. Era um grande avanço pois era mais leve, mais resistente e
mais barato, sendo o primeiro o Rédoutable de 1876.
- Cruzadores Protegidos: couraça de ¾ a 6” apenas no convés.
X
- Cruzadores Encouraçados: 2ª Classe.
- Em 1881 surge a têmpera para o aço e os projetis de aço
fundido, em 1887 surge nos EUA o aço niquelado (5%) e em
1892 na França o aço cromo-níquel.
• A Pólvora:
- Inicialmente era Negra, em pequenos grãos que foram colocados
em pelotas e depois em hexaedros.
- Houve então a redução do enxofre, fazendo-a marrom
(Chocolate), mas com grande formação de fumaça.
- A evolução veio com o Cordite (Nitroglicerina e Algodão-
Pólvora), que mais tarde permitiu a munição engastada.
• A Guerra Sino-Francesa:
- Em 1884 os franceses fizeram uma ação contra a marinha da
China por causa da Indonésia, e as canhoneiras francesas no Rio
Min derrotaram as forças navais chinesas.
• A Jeune École:
- O papel do Almirante Téophile Aube a partir de 1886.
- Cruzadores e Torpedeiras;
- Lançam um submarino “de bolso”, o Goubert em 1886;
- Os ingleses lançam em 1887 o contratorpedeiro HMS
Grasshopper;
• A década de 80 do séc XIX:
- Houve uma tensão entre BR e AR por causa do território das
Missões, levando à construção no AMRJ da Canhoneira
Iniciadora, a primeira brasileira com casco de ferro.
- Em 1887 foi iniciada a construção do Cruzador Tamandaré, o
maior navio de guerra construído no Brasil até hoje.
- Entre 1889 e 1893 a Marinha antes Imperial e depois
Republicana se destruiu.
• Motores Diesel:
- 1892 com Rudolf Diesel;
• A Batalha do Rio Yalu (1894):
- Chineses X Japoneses
- Navios alemães x navios ingleses
- Velocidade X Proteção
• A Guerra Espano-Americana (1898):
- Evidencia o surgimento dos EUA como potência;
- Estabelece a relação de poder dos EUA em dois oceanos:
* No Pacífico, o domínio sob as Filipinas.
* No Atlântico, a independência de Cuba.
• O Submarino de casco Duplo:
- A França lança o Narval em 1899;
- A vantagem da “vela”, das baterias e do periscópio, e a
desvantagem da caldeira.
• O “Telégrafo Sem Fio”:
- A parir de 1901 já alcança 200 milhas, facilitando a comunicação
dos navios com as bases de terra, como os alemães fizeram com
seus navios ao anunciarem o início da 1ª GM.
• A Guerra Russo-Japonesa (1904-1905):
- As torpedeiras (inglesas) do Japão;
- O ataque à Base de Porto Arthur;
* O Encouraçado Mikasa e o Al. Togo.
* O Encouraçado Petropavlovsk e o Al. Makharov.
- A Guerra de Minas;
- A Batalha do Mar Amarelo;
- A Batalha de Tsushima com o Al. Rojdestvensk.
• O Aparecimento do Dreadnought (1906):
- Incorporava todos os ensinamentos recentes;
- Motores Diesel, caldeiras a óleo, turbinas a vapor, canhões de
12” e 3” em torres duplas, tubos lança torpedos, rádio, etc.
• Os Programas Navais Brasileiros:
- Reflexos de Tsushima;
- 1904: Al. Júlio de Noronha;
- 1906: Al. Alexandrino de Alencar;
- A Esquadra de 1910;
- A Revolta Marinheira de 1910;
• A Primeira Guerra Mundial (1914-1918):
- A Batalha da Jutilândia foi acompanhada por radiogoniômetros;
- Em 1912, o submarino grego Dolphin realiza ataques torpédicos
sem sucesso contra os turcos, no entanto, o sucesso veio quando
o U-21 afundou o Cruzador HMS Pathfinder em 1914.