Você está na página 1de 258

ALCEU VALENÇA

ANUNCIAÇÃO
Intro:(G Am C G)2x

G Am |
Na bruma leve das paixões que vem de dentro |
C G |
Tu vens chegando prá brincar no meu quintal | bis
Am |
No teu cavalo peito nu cabelo ao vento |
C G |
E o sol quarando nossas roupas no varal |

G7 Em |
Tu vens tu vens | bis
F C G |
Eu já escuto os teus sinais |

Am
A voz do anjo sussurrou no meu ouvido
C G
Eu não duvido já escuto os teus sinais
Am
Que tu virias numa manhã de domingo
C G
Eu te anuncio nos sinos das catedrais ...refrão

André Sefione - MPB II 1


Alceu Valença

COMO DOIS ANIMAIS

Intro: E Bm E D (3x)

E Bm E D E |
Uma moça bonita de olhar agateado |
Bm E D E Bm E D |
Deixou em pedaços o meu coração |bis
E Bm E D E |
Uma onça pintada e seu tiro certeiro |
Bm E D E Bm D E |
Deixou os meus nervos de aço no chão |

REFRÃO:

E C#m G#m C#m G#m C#m |


Foi mistério e segredo e muito mais |
G#m C#m G#m C#m |
Foi divino brinquedo e muito mais |bis
E D A E Bm E D |
Se amar como dois animais |

E Bm E D E
Meu olhar vagabundo de cachorro vadio
Bm E D E Bm E D
Olhava a pintada e ela estava no cio
E Bm E D E
Era um cão vagabundo e uma onça pintada
Bm E D E Bm E D
Se amando na praça como os animais

REFRÃO:

2 André Sefione - MPB II


Alceu Valença

CORAÇÃO BOBO
Intro:

Em
Meu coração tá batendo

Como quem diz não tem jeito


G
Zabumba, bumba esquisito
A/C# G#/C G/B G
Batendo dentro do peito
Em
Teu coração tá batendo

Como quem diz não tem jeito

Em G |
O coração dos aflitos |BIS
A/C# G#/C G/B G |
Pipoca dentro do peito |

Bm Em
Coração bobo, coração bola
Bm Em
Coração balão, coração São João
C G
A gente se ilude dizendo
Am C G
Já não há mais coração

Bm Em
Coração bobo, coração bola
Bm Em
Coração balão, coração São João
C G
A gente se ilude dizendo
Am C G
Já não há mais coração

C G
A gente se ilude dizendo
Am C G
Já não há mais coração

André Sefione - MPB II 3


Alceu Valença

ESPELHO CRISTALINO
Intro: G D A A

G D A
Essa rua sem céu, sem horizontes
G D A
Foi um rio de águas cristalinas
G D A
Serra verde molhada de neblina
G D A
Olho d'água sangrava numa fonte
G D A
Meu anel cravejado de brilhantes
G D
São os olhos do capitão Corisco
G D A
E é a luz que incendeia meu ofício
G D A
Nessa selva de aço e de antenas
G D A
Beija-flor estou chorando suas penas
G D A
Derretidas na insensatez do asfalto
G D A
Mas eu tenho um espelho cristalino
G D A
Que uma baiana me mandou de Maceió
G D A
Ele tem uma luz que me alumia
G D A
Ao meio-dia clareia a luz do sol (2x)
G D A
Que me dá o veneno da coragem
G D A
Pra girar nesse imenso carrossel
G D A
Flutuar e ser gás paralisante
G D A
E saber que a cidade é de papel
G D A
Ter a luz do passado e do presente
G D A
Viajar pelas veredas do céu
G D A
Pra colher três estrelas cintilantes
G D A
E pregar nas abas do meu chapéu
G D A
Vou clarear o negror do horizonte
G D A
É tão brilhante a pedra do meu anel.
G D
Lá, lá, lá, iô, lá, lá, lá, iô
A G D A
Lá, lá, lá, iô, .. ô ô, ô----ô

4 André Sefione - MPB II


Alceu Valença

ESTAÇÃO DA LUZ
Intro: A

A
Lá vem chegando o verão
C#m
No trem da Estação da Luz
D F#m
É um pintor passageiro
Bm
Colorindo o mundo inteiro
D A
Derramando seus azuis

A
Lá vem chegando o verão
C#m
No trem da Estação da Luz
D F#m
É um pintor passageiro
Bm
Colorindo o mundo inteiro
D A
Derramando seus azuis

D7M A
Pintor chamado verão
D7M A
Tão nobre é sua aquarela
Bm F#m
Papoulas vermelhas, a rosa amarela
Bm F#m
O verde dos mares, as cores da terra
A D A
Me faz bem moreno para os olhos dela

André Sefione - MPB II 5


Alceu Valença

GIRASSOL
Intro: (C Em)

C Em
Mar e Sol |
C |
Gira, gira, gira |2x
Em |
Gira, gira, gira, gira, girassol |

C Em
Um girassol nos teus cabelos
C Em
Batom vermelho, girassol
Am Em
Morena flor do desejo
F G C
Há teu cheiro em meu lençol
Am Em
Desço pra rua, sinto saudade
Am Em
Gata selvagem, sou caçador
F Em
Morena flor do desejo
F G C
Ah! Teu cheiro matador!

6 André Sefione - MPB II


Alceu Valença

LA BELLE DE JOUR
(ALCEU VALENÇA)

Intro: C Em C Em Am Em Am Em F G

C
La Belle de Jour
Em C Em
Ah! eh! ah! eh!
C
Eu lembro da moça bonita
Em
Da praia de Boa Viagem
C
E a moça no meio da tarde
Em
De um domingo azul
Am
Azul, era Belle de Jour
Em
Era a bela da tarde
F
Seus olhos azuis como a tarde
G
Na tarde de um domingo azul
C Em
La Belle de Jour, oh! oh! Belle de Jour
Am
La Belle de Jour
Em
Era a moça mais linda de toda a cidade
Am
E foi justamente pra ela
Em
Que eu escrevi meu primeiro blues
F Em
Mas Belle de Jour, no azul viajava
F
Seus olhos azuis como a tarde
G
Na tarde de um domingo azul
C
Belle de Jour

André Sefione - MPB II 7


Alceu Valença

MORENA TROPICANA
(VICENTE BARRETO / ALCEU VALENÇA)

Intro: (Bm F#m Em F#m Bm)

Bm F#m
Da manga rosa quero o gosto e o sumo
C#m F# Bm
Melão maduro, saputi, juá
F#m
Jabuticaba, teu olhar noturno
C#m F# Bm
Beijo travoso de umbu-cajá
A G D
Pele macia é carne de caju
A G D
Saliva doce, doce mel, mel uruçu

C#m F# Bm |
Linda morena, fruta de vez temporana | 2x
Bm/A C#m F# Bm |
Caldo de cana caiana, vem me desfrutar |

Bm F#m |
Morena tropicana, eu quero o teu sabor | refrão
G/E Em9/D C#m7.5- Bm | 2x
oi, oi, oi, oi, |

8 André Sefione - MPB II


Alceu Valença

NA PRIMEIRA MANHÃ
Intro: E E7

E
Na primeira manhã que te perdi
A F#m E
Acordei mais cansado que sozinho
E
Como um conde falando aos passarinhos
A F#m E
Como um Bumba-Meu-Boi sem capitão
F E
E gemi como geme o arvoredo
F E
Como a brisa descendo das colinas
A/E A7
Como quem perde o rumo e desatina
Am E
Como sol no meio da multidão

E
Na segunda manhã que te perdi
A F#m E
Era tarde demais pra ser sozinho
E
Cruzei ruas, estradas e caminhos
A F#m E
Como um carro correndo em contramão
F E
Pelo canto da boca num sussurro
F E
Fiz um canto demente, absurdo
A/E A7
O lamento noturno dos viúvos
Am E
Como um gato gemendo no porão. Solidão.

André Sefione - MPB II 9


Alceu Valença

PELAS RUAS QUE ANDEI

Intro: (Bm C#m D A)

D A
Na madalena revi teu nome
D A
Na Boa Vista quis te encontrar
D G
Rua do Sol da Boa Hora
E7 A
Rua da Aurora, vou caminhar
C#m F#m
Rua das Ninfas, matriz saudade
C#m
Na soledade de quem passou
D
Rua Benfica, Boa Viagem
E A
Na Piedade tanta dor

D A
Pelas ruas que andei, procurei
D A
Procurei, procurei te encontrar
D A
Pelas ruas que andei, procurei
D A
Procurei, procurei te encontrar

10 André Sefione - MPB II


Alceu Valença

ROUGE CARMIM

Intro: Dm A7 Dm A7

Dm A7 Gm A7 Dm A7 Dm A7 Dm
Meu amor tem um beijo guardado pra mim
A7 Gm A7 Dm A7 Dm A7 Dm
E a cor do batom é vermelho carmim
A7 Gm A7 Dm A7 Dm A7 Dm
Meu amor tem dez dedos cravados em mim
A7 Gm A7 Dm A7 Dm A7 Dm
Que me rasga me arranha e me deixa assim
F
Assim que eu te vi muito louca

Olhei tua boca e ficamos a fim


Gm A7 Dm
A fim de fazer um pecado
E7 A7 Dm
A cor do pecado é rouge carmim

André Sefione - MPB II 11


Alceu Valença

TAXI LUNAR
(GERALDO AZEVEDO, ZÉ RAMALHO, ALCEU VALENÇA)

Intr.: Bm7 C#m7 D7+ C#m7 Bm7

G D/F# Em Bm7
Ela me deu o seu amor eu tomei
D A G F#m
No dia dezesseis de maio viajei
G D/F# Em Bm7
Espaçonave atropelado procurei
D A G F#m
O meu amor aperreado

Bm7 C#m7
Apenas apanhei na beira mar
D C#m7 Bm7
Um táxi pra estação lunar
Bm7 C#m7
Apenas apanhei na beira mar
D C#m7 Bm7
Um táxi pra estação lunar

G D/F# Em Bm7
Bela linda criatura bonita
D A G F#m
Nem menina nem mulher
G D/F# Em Bm7
Tem um espelho no seu rosto de neve
D A G F#m
Nem menina nem mulher

REFRÃO

G D/F# Em Bm7
Pela sua cabeleira vermelha
D A G F#m
Pelos raios desse sol lilás
G D/F# Em Bm7
Pelo fogo do seu corpo centelha
D A G F#m
Pelos raios desse sol

REFRÃO

12 André Sefione - MPB II


Alceu Valença

TESOURA DO DESEJO
Intro: (A F7+)

F7+ A
Você atravessando aquela rua vestida de negro
F7+ A
E eu te esperando em frente a um certo bar, Leblon
F#m
Você se aproximando e eu morrendo de medo
B A
Ali, bem mesmo em frente a um certo bar, Leblon

(A F7+)

F7+ A
Quando eu atravessava aquela rua, morria de medo
F7+ A
De ver o teu sorriso e começar um velho sonho bom
F#m
E o sonho fatalmente viraria um pesadelo
B A
Ali, bem mesmo em frente a um certo bar, Leblon

(A F7+)

F7+
- Vamos entrar...
A
- Não tenho tempo!

- O que é que houve?


F7+
- O que é que há?
F#m
- O que é que houve, meu amor,

você cortou os seus cabelos?


B A
- Foi a tesoura do desejo, desejo mesmo de mudar

(A F7+)

André Sefione - MPB II 13


ALMIR SATER
BEIJINHO DOCE
(JOÃO ALVES DA SILVA: NHÔ PAI)

Introd.: A E7

A A7
Que beijinho doce
D
que ela tem
E7
depois que beijei ela
D E A
nunca mais beijei ninguém
D
que beijinho doce
B7
foi ela quem trouxe
E7
de longe prá mim
REFRÃO D
se me abraça apertado
E7
suspira dobrado
A E7
que amor sem fim
A A7
coração que manda
D
quando a gente ama
E7
se estou junto dela
D
sem dar um beijinho
E7 A
coração reclama

REFRÃO

14 André Sefione - MPB II


Almir Sater

BOIADA
(ALMIR SATER/RENATO TEIXEIRA)

Introd.: (G’, D#) F , G , Bb , F , G

C
Ele foi levando boi um dia ele se foi no rastro da boiada
F
A poeira e como o tempo, um veo uma bandeira, tropa viajada
C
Foram indo lentamente, calmos e serenos, lenta caminhada
F
E sumiram lá na curva, na curva da vida, na curva da estrada
G7
E depois dali pra frente não se tem noticias, não se sabe nada
C Bb F C/G
Nada que dissesse algo de boi de boiada, de peão de estrada
D# Dm
Disse um viajante : - Historia mal contada.
C# F (G’ , D#)
Ninguém viu nem rastro, nem homem nem nada

Estrofe em outro tom


A
Isso foi a muito tempo, tempo em que a tropa ainda viajava
D
Com seus fardos e pelegos, num ranger do arreio, ao romper da aurora
A
Tempo de estrelas cadentes, fogueiras ardentes ao som da viola
D
Dias e meses fluido, o destino seguindo e a gente indo embora
E7
Isso tudo aconteceu e o fato que se deu fez parte da historia
A G D
E ate hoje em dia quando junta a peãozada
A/E C Bm
Coisas assombradas, verdades juradas, dizem que sumiram
Bb D (E’ , C)
Que não existiram, ninguém sabe nada

Introdução
C
Ele foi levando boi um dia ele se foi no rastro da boiada
F
A poeira e como o tempo, um véu, uma bandeira, tropa viajada
C
Foram indo lentamente, calmos e serenos, lenta caminhada
F
Dias e meses fluido, o destino seguindo e a gente indo embora
G7
Isso tudo aconteceu e o fato que se deu fez parte da historia
C Bb F
E ate hoje em dia quando junta a peaozada
C/G D# Dm
Coisas assombradas, verdades juradas, dizem que sumiram
C# F (G’ , D#)
Que não existiram, ninguém sabe nada

André Sefione - MPB II 15


Almir Sater

BOIADEIRO DO NABILEQUE
(ALMIR SATER E JOÃO BÁ)

Int.: E4 E D/E E

E
Vai boieiro, rio abaixo
A
Vai levando gado e gente
B
O sal grosso e a semente
E E4 E
Eh, porto de Corumbá

Um amor, toda beleza


A
Como um canto de nobreza
B
Deslizar na veia d'água
E E4 E
Eh, rio Paraguai

F#m G
Rio acima, peixe bom
F#m
Passarada, matagal
A G
Velho bugre entoando
E
Seu antigo ritual
E A B E
Pantaneiro...

16 André Sefione - MPB II


Almir Sater

CAMINHOS ME LEVEM
(ALMIR SATER)

Introd.: G C F Dm

G C F Dm
Amanhã bem de manhã vou sair caminhando ao leu
G C F Dm
Só vou seguir na direção de uma estrela que vi no céu
Em Dm Em
Pra que fingir que não devo ir
F Dm Em C
Caminhos me levem a onde quiserem
Dm G Am ( Am,G , Em,Dm , C,G/B , G,Am )
Se meus pés disserem que sim

G C F Dm
Vejo alguém seguindo além eu aceno com meu chapéu
G C F Dm
Pois tanto faz donde ele vem pode ser algum menestrel
Em Dm Em
Que vai e vem sempre sem ninguém
F Dm Em C
Caminhos te levem aonde puderem
Dm G Am ( Am,G , Em,Dm , C,G/B , G,Am )
Se teus pés quiserem assim

F C
Mesmo me afastando de você
F C
Sei que não te deixo me esquecer
Dm Dm/C F
Mas tente compreender minhas razões

G C F Dm
Já faz um tempo em que eu vivi feito linha de um carretel
G C F Dm
Olhei em volta então me vi prisioneiro de um anel
Em Dm Em
Não resisti, foi bem melhor partir
F Dm Em C
Perigos me esperam, abrigos não quero
Dm G Am ( Am,G , Em,Dm , C,G/B , G,Am )
Que meus pés decidam por mim

F C
Mesmo me afastando de você
F C
Sei que não te deixo me esquecer
Dm Dm/C F
Mas é nosso dever fazer canções

André Sefione - MPB II 17


Almir Sater

CAPIM DE RIBANCEIRA
(ALMIR SATER)

Introd.: ( C F C F )

C F C
Amadrugava e eu na beira da estrada
F C F C
A lua cheia minguava e de repente apareceu
F C
Um cavaleiro de bota e chapéu de couro
F C
Me lembrando um ´velho mouro´
F C
Lá fiquemô ele mais eu
Bb C
Cruzou os pés e apeou do seu cavalo
Bb C
Deixou as rédeas num talo
Bb C
De uma roseira sem fim
F C
Diz que seguia pelo mundo solitário
F C
E que quebrava todo galho
G C
Apartando toda dor

F C F C
Quem não ouviu falar, quem não quis conhecer
G C
Aquele cavaleiro que vive pela fronteira
G C
Divulgando a reza brava do capim-de-ribanceira
G C
Aquele cavaleiro que vive pela fronteira
G C
Divulgando a reza brava do capim-de-ribanceira

( C F )

Enquanto o bule de café bulia, a brasa


da fogueira refletia o seu olhar eu pude ver
Que ele sabia coisa até do outro mundo
E nessa noite fui aluno
do seu estranho poder
Com sete ponta de uma rama trepadeira
E numa arrudiada inteira
O meu corpo ele tocou
Naquele instante me bateu uma zonzeira
E de uma tosse cuspideira
O velho me livrou REFRÃO

18 André Sefione - MPB II


Almir Sater

CAVALEIRO DA LUA
(ALMIR SATER/JOÃO BÁ)

Introd.: G , F , C

G F C G F C G
Vem o vento e vai passando pelas folhas
F C G F C G
Varre o céu se vê o cavaleiro do luar
F C G
Eu criança no batente da porteira
F C G
Debruçado na janela das estrelas
F C G F C
Também sonho ser o cavaleiro do luar

Am C Bb D
Ga..lo..par pela poeira do caminho
G Am Bb F C G ( F C G )
Que..ren..do os homens, meninos

André Sefione - MPB II 19


Almir Sater

CHALANA
(MÁRIO ZAN E ARLINDO PINTO)

Int.: D

D A7 D
Lá vai uma chalana, bem longe se vai
A7
Navegando no remanso do rio Paraguai
G
Oh chalana sem querer
D
Tu aumentas minha dor
A
Nessas águas tão serenas
D
Vai levando o meu amor

E assim ela se foi


A7
Nem de mim se despediu
G
A chalana vai sumindo
A D
Na curva lá do rio

E se ela vai magoada


A7
Eu bem sei que tem razão

Fui ingrato, eu feri


D
O seu meigo coração

20 André Sefione - MPB II


Almir Sater

COMITIVA ESPERANÇA
(ALMIR SATER)

D G D
Nossa viagem não é ligeira, ninguém tem pressa de chegar
G D
A nossa estrada, é boiadeira, não interessa onde vai dar
G D G D
Onde a Comitiva Esperança, chega já começa a festança
A D A D A D
Através do Rio Negro, Nhecolândia e Paiaguá
A D A D A D A
Vai descendo o Piqueri, o São Lourenço e o Paraguai
D G D
Tá de passagem, abre a porteira, conforme for pra pernoitar
A D
Se a gente é boa, hospitaleira, a Comitiva vai tocar
G D7 G
Moda ligeira, que é uma doideira, assanha o povo e faz dançar
A G
Oh moda lenta que faz sonhar
D G D
Onde a Comitiva Esperança chega já começa a festança
A D A D A D
Através do Rio Negro, Nhecolândia e Paiaguás
A D A D A D
Vai descendo o Piqueri, o São Lourênço e o Paraguai
E A
É, tempo bom que tava por lá,
G D E
Nem vontade de regressar
A
Só vortemo eu vô confessar
A A
É que as águas chegaram em Janeiro, deslocamos um barco ligeiro
D
Fomos pra Corumbá

André Sefione - MPB II 21


Almir Sater

É NECESSÁRIO
(GERALDO ESPINDOLA)

Introd : A , A4

A A4 A A4 A
É necessário voce preparar seu amor
A4 A A4 A A7.9
Arrumar sua cama, ascender sua chama
D/F# E/G# A A7.9
Para me receber essa noite
D/F# E/G# A A7.9
Para não pretender mais que sonho
D/F# E/G# A A7.9 D/F#
Para se proteger disso tudo seu pavor
G A
Ninguém vai nos fazer mal

A A7.9 D/F# E/G# D/F# E7 A


Quando voce cai dentro do meu co ra ção
A7.9 D/F#
É como se o sol e lua
E/G# A
Se esparramassem pelo chão

A4 A A4 A
É importante voce me saber acolher
A4 A A4 A A7.9
Como eu colho em voce esperança de querer
D/F# E/G# A A7.9
E deitar do seu lado de noite
D/F# E/G# A A7.9
E deixar que a paixão me domine
D/F# E/G# A
Num abraço pretender
A7.9 D/F#
Ser mais forte do que as leis
G A
Que me prendem a voce

22 André Sefione - MPB II


Almir Sater

CABECINHA NO OMBRO
(PAULO BORGES)
Introd : C

C G7 C C7
Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora
F C
E conta logo a tua mágoa toda para mim
G7 C Am
Quem chora no meu ombro eu juro que não vai embora,
Dm G7
que não vai embora
C G7
que não vai embora
C G7 C C7
Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora
F C
E conta logo a tua mágoa toda para mim
G7 C Am
Quem chora no meu ombro eu juro que não vai embora,
Dm G7
que não vai embora
C C7
porque gosta de mim
F C G7 C
Am
Amor, eu quero o teu carinho, porque eu vivo tão sozinho
Dm F C
Não sei se a saudade fica ou se ela vai embora,
G7 C Am
se ela vai embora, se ela vai embora
Dm F C
Não sei se a saudade fica ou se ela vai embora,
G7 C
se ela vai embora, porque gosta de mim

André Sefione - MPB II 23


Almir Sater

GALOPADA
(ALMIR SATER/PAULO SIMÕES)
Introd : ( E , E4 , E , Em7 ) B7 , E

E A E
Morena do meu apreço,
A E
Desconheço o que é cansaço
E A E A E
Feito nuvem de poeira apareço e me desfaço
A
Atrás do seu endereço
B7
Que na carta veio errado
E A E
E viro o mundo pelo avesso
A E B7 E
Morena dos meus pecados
A
Na fogueira do teu beijo
Eu me queimo de bom grado
C#7 F#
Se foi tão bom no varejo
B7 E
Imagino no atacado morena
G#
Que nem caneta em mão inspirada
B
Vai deslizando igual queda d’água
E E4 E A B7
Açoitando o vento eu vou seguir
E
Nessa galopada

E A E
Morena do meu apego
A E
Logo chego em teu pedaço
E A E A E
Quero em tua cabeceira reservar o meu espaço

A
Pra viagem ser ligeira
B7
Traço léguas no compasso
E A E
E só encontro meu sossego
A E B7 E
Morena no teu abraço
A
Pra ter mais desse chamego

Que me deixa enfeitiçado


C#7 F#
Crio asas de morcego
B7 E
E vou voando pro seu lado morena
G#
Que nem cometa em noite estrelada
B
Meu pensamento vai comendo estrada
E E4 E A B7
Cavalgando o tempo a prosseguir
E
Nessa galopada

24 André Sefione - MPB II


Almir Sater

MÊS DE MAIO
(ALMIR SATER)

Introd : A D

A D
Azul do céu brilhou
A D
E o mês de maio, enfim chegou
A D
Olhos vão se abrir, pra tanta cor
E D
É mês de maio, a vida tem seu resplendor
A D
A luz do sol entrou
A D
Pela janela, me convidou
A D
Pra tarde tão bela, e sem calor
E D
É mês de maio, saio e vou ver o sol se pôr

E D A D A D E
Horizonte, de aquarela, que ninguém jamais pintou
D A D A D E A
E um enxame, de estrelas, diz que o dia terminou

Noite nem se firmou


E a lua cheia, já clareou
Sombras podem vir, façam favor
É mês de maio, é tempo de ser sonhador

Quem não se enamorou


No mês de maio, bem que tentou
E quem não tiver, ainda amor
Dos solitários, o mês de maio é o protetor

E D A D A D E
Boa terra, velha esfera, que nos leva aonde for
D A D A D E A
Pro futuro, quem nos dera, que te dessem mais valor

André Sefione - MPB II 25


Almir Sater

MISSÕES NATURAIS
(ALMIR SATER E RENATO TEIXEIRA)
Int.: C

C F
Vou nas asas dessa manhã
C F
E bons tempos me levarão
C F C
Lá para Goiás, Minas Gerais e Maranhão
C F
Vai, como quem pra guerra vai
C F
Que depois eu vou com você
C F C F C F C
Vai, pra além daqui, além dali, além de lá
F F4 F
Êta destino mais atrevido
F4 F
Seguir em seguir, seguindo
C
Por aí feito um cigano
F F4 F
Eu aprendi a ver esse mundo
F4 F
Com meu olhar mais profundo
C
Que é o olhar mais vagabundo
Em F F/G
Eu ando pelas estradas
F/A C
Quem sabe a gente já se viu
Bb C/E F/G C
Por aí, um dia quem sabe
C F C F
Nessa vida tudo se faz sob três missões naturais
C F C
Primeiro nascer, depois viver e aprender
C F C F
Só o aventureiro é capaz de partir e não voltar mais
C F C
Se realizar, depois sonhar, então morrer
F F4 F
Disse meu pai, não lhe digo menino
F4 F
Você há de aprender com o sino
C
Qual o rumo, qual a direção
F F4 F
E disse o sino: alegria garoto
F4 F
Esse pai será sempre seu porto
C
Não se acanhe se houver solidão
Em F F/G
Eu ando pelas estradas
F/A C
Quem sabe a gente já se viu
Bb C/E F/G C
Por aí, um dia quem sabe

26 André Sefione - MPB II


Almir Sater

NO RANCHO FUNDO
(LAMARTINE BABO/ARY BARROSO)

Int.: G Cm D7

G B7 Em
No rancho fundo, bem pra lá do fim do mundo
B7 C D7 G D7
Onde a dor e a saudade contam coisas da cidade
G B7 Em
No rancho fundo, de olhar triste e profundo
B7 C D7 G
Um moreno conta as mágoas tendo os olhos rasos d'água
E6 Bm7 E7 Am
Pobre moreno, que de tarde no sereno
Cm7 G Bm7 Em Am7 D7 C G
Espera a lua no terreiro tendo o cigarro por companheiro
E7 Bm7 E7 Am
Sem um aceno ele pe...ga na viola
Cm7 G Em Am7 D7 G Cm D7
E a lua por esmola vem pro quintal deste moreno
G B7 Em
No rancho fundo, bem pra lá do fim do mundo
B7 C D7 G D7
Nunca mais houve alegria nem de noite nem de dia
G B7 Em
Os arvoredos já não contam mais segredos
B7 C D7 G D7
E a última palmeira já morreu na cordilheira
E7 Bm7 E7 Am
Os passarinhos internaram-se nos ninhos
Cm7 G Em7 Am7 D7 G
De tão triste esta tristeza enche de trevas a natureza
E7 Bm7 E7 Am
Tudo por que? Só por cau...sa do moreno
Cm7 G Em Am7 D7 G
Que era grande, hoje é pequeno para uma casa de sapê

André Sefione - MPB II 27


Almir Sater

O ÚLTIMO CONDOR
(ALMIR SATER/JOÃO BÁ/CAPENGA)

Introd.: Em

Em C
Seca o gigante do mundo penado
D
Vaga tangido, brada gemidos
B7
Sai derradeiro vivente a voar
Em
Cordilheiras passadas na vida
C
Vai cai, cansa distante
D
Nesse rasante, longe dos montes
B7
Ser coração no latejo final
G
No abismo da fera faminta
F F4
Treme a terra e perde a paz
Em F# Em F# Em B7
Vai condor, vai condor, vai condor

28 André Sefione - MPB II


Almir Sater

RASTA DO ADEUS
(ALMIR SATER)

Introd : D

D
Vem chegando a hora

Hora de ir embora eu agora vou


G
Rever a morena que ficou na cena

Cena que passou


D
Se ficar saudade deixa que mais tarde

Ela também vai


G
Como vai a vida vou tocando em frente

Sem olhar pra trás


D
Coisas que acontecem

Deixa que eu lhe diga nada me cansou


G
Não senti fadiga

Por que gente amiga só me trás calor


D
Se eu tô indo embora

Não vai ser agora que se vai sofrer


G
Deixa que mais tarde

Na curva da estrada a gente se vê


C7
Se deixo saudade vou levar também
BIS
Ter que ir embora e todo mundo tem

André Sefione - MPB II 29


Almir Sater

RAZÕES
(ALMIR SATER/PAULO SIMÕES)

Introd : A , A4

D/F#
Conte comigo meu amigo
A
Se for pra lhe dar a mão
D/F#
Mas se for pra correr perigo
E/G#
Que seja boa a razão
Bm A G F#m D/E A
Conte comigo que eu brigo se for essa a condição

C#7 D
Pra que a gente realize então
A
Aquela velha
D/A A7+
Mas sincera ambição
D/F# C#m
Conte comigo que eu te sigo
D
Pra enfrentar o castigo
A ( A , G# , F# , E , C# , D )
Ou ter glórias de campeão

D/F#
Escute amigo um aviso
A
Que te dou por precaução
D/F# E/G#
Fui educado a antiga e prezo ter reputação
Bm A G F#m D/E A
Conte comigo eu te sigo ao chegar a decisão
C#7 D
E não aceito recompensa
A
Se a gente faz o que pensa
D/A A
Não quer remuneração

C#7 D
E a gente vai realizar pois não
A
Aquela velha
D/A A7+
Mas sincera ambição
D/F# C#m
Conte comigo que eu te sigo
D
Pra enfrentar o castigo
E A
Ou ter glórias de campeão

30 André Sefione - MPB II


Almir Sater

RIO DE LÁGRIMAS
(LOURIZAL DOS SANTOS/TIÃO)

Introd : D G D

D A7 D
O rio de Piracicaba
A7 D A7
Vai jogar água pra fora
D A7 D
Quando chegar a água
A7 D
Dos olhos de alguém que chora

A
Lá no bairro onde eu moro
Bm
Só existe uma nascente
A
A nascente dos meus olhos
D
Já formou água corrente
D7 G
Pertinho da minha casa
A D
Já formou uma lagoa
A7
Com lágrimas dos meus olhos
D
Por causa de uma pessoa

A
Eu quero apanhar uma rosa
Bm
Minha mão já não alcança
A
Eu choro desesperado
D
Igualzinho a uma criança
D7 G
Duvido alguém que não chore
A D
Pela dor de uma saudade
A
Eu quero ver quem não chora
D
Quando ama de verdade

André Sefione - MPB II 31


Almir Sater

SONHOS GUARANIS
(ALMIR SATER/PAULO SIMÕES)
Introd : E B7

E
Mato Grosso encerra
B7
Em sua própria terra
E
Sonhos guaranis
G#m
Por campos e serras
E7
A história enterra
D
Uma só raiz
C#m G#
Que aflora nas emoções
A A#º
E o tempo faz cicatriz
E B7 E
Em mil canções lembrando o que não se diz

B7 E
Mato Grosso espera
B7
Esquecer quisera
E
O som dos fuzis
G#m
Se não fosse a guerra
E7
Quem sabe hoje era
D
Um outro país
C#m G#
Amante das tradições
A A#º
De que me fiz aprendiz
E B7 E
De mil canções sabendo morrer feliz

C#7 E A
E cego é o coração que trai
D A D
Aquela voz primeira que de dentro sai
Bº C#7
E as vezes me deixa assim
F#m Am
Ao revelar que eu vim
E B7 E
Da fronteira onde o Brasil foi Paraguai
A A#º
E as vezes me deixa assim
E C#7
Ao revelar que eu vim
F#m A7 B7 E
Da fronteira onde o Brasil foi Paraguai

32 André Sefione - MPB II


Almir Sater

TOCANDO EM FRENTE
(ALMIR SATER E RENATO TEIXEIRA)

Introd : E

E7 D
Ando devagar porque já tive pressa
A
E levo esse sorriso, porque já chorei demais
E7 D
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Bm A E
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, eu nada sei

D Bm D
Conhecer as manhas e as manhãs,
Bm A
O sabor das massas e das maçãs,
D Bm D
É preciso o amor pra poder pulsar,
Bm D
É preciso paz pra poder sorrir,
A
É preciso a chuva para florir.

E7 D
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
A
compreender a marcha, e ir tocando em frente
E7 D
como um velho boiadeiro levando a boiada,
Bm A
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou,
E
De estrada eu sou

Refrão

E7 D
Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
A
Um dia a gente chega, no outro vai embora
E7 D
Cada um de nós compõe a sua própria história,
Bm A E
E cada ser em si, carrega o dom de ser capaz, e ser feliz

Refrão

E7 D
Ando devagar porque já tive pressa
A
E levo esse sorriso porque já chorei demais
E7 D
Cada um de nós compõe a sua própria história,
Bm A E
E cada ser em si, carrega o dom de ser capaz, e ser feliz.

André Sefione - MPB II 33


Almir Sater

TREM DE LATA
(ALMIR SATER/RENATO TEIXEIRA)
Introd : A

A E
De repente lá bem longe aparece outro lugar
D A
Novos campos horizontes tão ali pra eu passar
E
Trem de ferro, trem de lata, tem alguém a me esperar
D A
Não sei se eu que to indo ou ela que vai chegar

D D9 D D4 D D9 D A
Quanta alegria, quanto prazer tô aqui
D
Vamos chegar a casa é sua pode entrar
E
Meus braços vão te abraçar
A
Há tanto pra plantar por aqui

A E
E é assim quando posso vou ai lhe visitar
D A
São dois trilhos me levando daqui pra outro lugar
E
Somos pares que o destino preferiu aproximar
D A
Dois amores, dois desejos e um trem pra se esperar

D D9 D D4 D D9 D A
Quanta alegria, quanto prazer tô aqui
D
Vamos chegar a casa é sua pode entrar
E
Meus braços vão te abraçar
A
Há tanto pra plantar por aqui

A E
Trem de ferro, trem de lata, tem alguém a me esperar
D A
Não sei se eu que to indo ou ela que vai chegar
E
Somos pares que o destino preferiu aproximar
D A
Dois amores, dois desejos e um trem pra se esperar

34 André Sefione - MPB II


Almir Sater

TREM DO PANTANAL
(PAULO SIMÕES/GERALDO ROCA)

Introd : E

E G#7
Enquanto este velho trem atravessa o pantanal
C#m Bm E A F#7
As estrelas do cruzeiro fazem um sinal
E G#7
De que este é o melhor caminho
C#m C F#m B7 E B7
Pra quem é como eu, mais um fugitivo da guerra

E G#7
Enquanto este velho trem atravessa o pantanal
C#m Bm E A F#7
O povo lá em casa espera que eu mande um postal
E G#7 C#m C
Dizendo que eu estou muito bem vivo
F#m B7 E B7
Rumo a Santa Cruz de La Sierra

E G#7
Enquanto este velho trem atravessa o pantanal
C#m Bm E A F#7
Só meu coração esta batendo desigual
E G#7 C#m C
Ele agora sabe que o medo viaja também
F#m B7 E ( G#7 )
Sobre todos os trilhos da terra

F#m B7 E G#7
Rumo a Santa Cruz de La Sierra
F#m B7 E
Sobre todos os trilhos da terra

André Sefione - MPB II 35


Almir Sater

TRISTEZA DO JECA
(ANGELINO OLIVEIRA)

E
Nestes versos tão singelos
B7 E
Minha bela, meu amor

Prá você quero contar


B7 E E7
O meu sofrer e a minha dor
A E
Eu sou como o sabiá
B7
Quando canta é só tristeza
E
Desde o galho onde está
B7 E
Nesta viola eu canto e gemo de verdade
B7 E
Cada toada representa uma saudade

Eu nasci naquela serra


B7 E
Num ranchinho a beira chão

Tudo cheio de buraco


B7 E E7
Onde a lua faz clarão
A E
Quando chega a madrugada
B7
Lá no mato a passarada
E
Principia o barulhão
B7 E
Nesta viola, eu canto e gemo de verdade
B7 E
Cada toada representa uma saudade

Vou guardar minha viola


B7 E
Já não posso mais cantar

Pois o Jeca quando canta


B7 E E7
Dá vontade de chorar
A E
O choro que vai caindo
B7
Devagar vai se sumindo
E
Como as àguas vão pro mar
B7 E
Nesta viola, eu canto e gemo de verdade
B7 E
Cada toada representa uma saudade

36 André Sefione - MPB II


Almir Sater

UM VIOLEIRO TOCA
(ALMIR SATER / RENATO TEIXEIRA)

Introd : G

G G7+ G6
Quando uma estrela cai, na escuridão da noite,
C
E um violeiro toca suas mágoas.
D
Então os olhos dos bichos, vão ficando iluminados
C
Rebrilham neles estrelas de um sertão enluarado.

G G7+ G6
Quando o amor termina, perdido numa esquina,
C
E um violeiro toca sua sina.
D
Então os olhos dos bichos, vão ficando entristecidos
C
Rebrilham neles lembranças dos amores esquecidos.

G G7+ C D
Tudo é sertão, tudo é paixão, se um violeiro toca
Am C G
A viola, o violeiro e o amor se tocam.

G G7+ G6
Quando um amor começa, nossa alegria chama,
C
E um violeiro toca em nossa cama.
D
Então os olhos dos bichos, são os olhos de quem ama
C
Pois a natureza é isso, sem medo nem dó sem drama

G G7+ C D
Tudo é sertão, tudo é paixão, se um violeiro toca
Am C G
A viola, o violeiro e o amor se tocam.

André Sefione - MPB II 37


Almir Sater

VARANDAS
(ALMIR SATER)

Introd : A , E , D , A , A4 , A

A E E/D A (A A4 A)
A noite é um mistério
E D A
Que eu finjo compreender
E C#7 F#m D
Sentado nas varandas
A B7 E (E E4 E)
Esperando o amanhecer
A E E/D A A A4 A
Estrelas lá do céu
E D A
Fogueiras no sertão
E C#7 F#m
E as luzes da cidade
D A B7 E
Não espantam a solidão

C F C C7
Dona lua já se foi
F Bb F G
Polvilhar outro rincão
Am Em Dm Am
Com o trigo da saudade
B7 E
Que é a massa do meu pão

A E E/D A (A A4 A)
A noite é um caso sério
E D A
Que eu não vou resolver
E C#7 Fm D
Enquanto dormir longe
A B7 E
De quem fiz meu bem querer

38 André Sefione - MPB II


Almir Sater

VASO QUEBRADO
(ALMIR SATER)
Introd : A , D , A

A A4
Só percebi quando era tarde
E
Tudo entre nós foi falsidade
D
Com esse ar de inocência,
A
Me deixou enfeitiçado
E D/F#
Mas nas tuas veias ao invés de sangue
A
Corre o pecado

A A4 A
Me decidi, não fiz alarde
E
Nenhum de nós vai ter saudade
D
Se vou lembrar da experiência
A
Estou pouco preocupado
E D/F#
Mas de tuas teias de hoje em diante
A
Estou afastado

D A
Tentei mudar as leis, desprezei velho ditado
D A
Pensei ser ventania, logo veio tempestade
E D/F#
Não sem razão a nossa paixão
A
É um vaso quebrado
E D/F#
Restou só um beijo, um certo desejo
A
Nos olhos molhados

A A4 A
Já te esqueci fiz minha parte
E
Só quis pra nós felicidade
D
Pra que usar de violência
A
E depois ser castigado
E
Se o pior tormento
D A
É a dor constante de ser o culpado

D A
Tentei mudar as leis, desprezei velho ditado
D A
Pensei ser ventania logo veio tempestade
E D
Apenas lamento que meu juramento
A
Seja desprezado
E D
E o seu tormento hoje sai de dentro
A
De um rádio ligado

André Sefione - MPB II 39


Almir Sater

VIOLA E VINHO VELHO


(ALMIR SATER/PAULO SIMÕES)

Introd.: E, B7 , E , A , A4 , B , G#m , C#m , B , A , B7

E B7 E E7
Quem tem viola não carece de transporte
A A4
Se for pra mode ir-se embora dos sertões
B7 G# C#m
Mundão a fora, ele desce de carona
B7 A B
Do sonho sobre a lona com requinte faz canções
E B7 E E7
Se por ventura lhe oferece a boa sorte
A A4
Um passaporte para além dos sonhos seus
B G# C#m
Vai sem demora, dorme hoje sobre a ponte
B7 A B
Que aos longes no horizonte a manhã se prometeu

F#m G# C#m B7 E
Viola acha graça quando o dono se apaixona
F C G C
Mas assim que ele sara, ela estranha e semitona
F C G C
Mas assim que ele sara, ela estranha e semitona

E B7 E E7
Deitado agora em um quarto de hotel
A A4
Sem ter o céu pra lhe servir de cobertor
B G# C#m
Um vinho velho lhe conforta o calafrio
B A B
E a canção sai no feitio de um poeta fingidor

F#m G# C#m B7 E
Saudade é o diploma de quem tem boca e foi a Roma
F C G C
Tristeza é mula brava, corcoveia mas se doma
F C G F
Tristeza é mula brava, corcoveia mas se doma

40 André Sefione - MPB II


BELCHIOR
A PALO SECO
(BELCHIOR)

Introd : [A , A4 ,A , E] [ D , A , E ]

E G#m
Se voce vier me perguntar por onde andei
A B7
No tempo em que voce sonhava
E G#m
De olhos abertos lhe direi
A B7
Amigo eu me desesperava
C#m F#m
Sei que assim falando pensas
A E
Que esse desespero é moda em 76
A G#m F#m
Mas ando mesmo descontente
B7 E
Desesperadamente eu canto em português
E G#m
Tenho 25 anos de sonho e de sangue
B7
E de América do Sul
E G#m
Por força desse destino
A
Um tango argentino
B7
Me vai bem melhor que um blues
C#m F#m
Sei que assim falando pensas
A E
Que esse desespero é moda em 76
A G#m F#m
E eu quero que esse canto torto
E B7 E [A]
Feito faca corte a carne de voces

André Sefione - MPB II 41


BELCHIOR

APENAS UM RAPAZ LATINO AMERICANO


(BELCHIOR)
Intro: E F#m G#m A B7

E F#m G#m
Eu sou apenas um rapaz latino-americano sem dinheiro no banco
A B7
Sem parentes importantes e vindo do interior
E F#m
Mas trago, de cabeça, uma canção do rádio
G#m
Em que um antigo compositor baiano me dizia
A B7 (Bb7 na 2x)
Tudo é divino, tudo é maravilhoso (Bis)
A G#m A G#m
Tenho ouvido muitos discos, conversado com pessoas, caminhado meu caminho
A G#m
Papo, som dentro da noite e não tenho um amigo sequer
A B7
Que acredite nisso, não, tudo muda e com toda razão

E F#m G#m
Eu sou apenas um rapaz latino-americano sem dinheiro no banco
A B7
Sem parentes importantes e vindo do interior
E F#m
Mas sei que tudo é proibido aliás, eu queria dizer
Abm7 A
Que tudo é permitido até beijar você no escuro do cinema
B7/4 B7 (Bb7 na 2x)
Quando ninguém nos vê (Bis)
A G#m A
Não me peça que lhe faça uma canção como se deve
G#m A
Correta, branca, suave, muito limpa, muito leve
G#m A
Sons, palavras, são navalhas e eu não posso cantar como convém
B7
Sem querer ferir ninguém

E F#m
Mas não se preocupe meu amigo com os horrores que eu lhe digo
G#m A
Isso é somente uma canção, a vida, a vida realmente é diferente
B7
Quer dizer, a vida é muito pior

E F#m G#m
Eu sou apenas um rapaz latino-americano, sem dinheiro no banco
A B7
Por favor não saque a arma no "saloon" eu sou apenas um cantor
E F#m
Mas se depois de cantar você ainda quiser me atirar
G#m A
Mate-me logo, à tarde, às três, que à noite tenho um compromisso
B7 (Bb7 na 2x)
E não posso faltar por causa de você (Bis)

E F#m G#m
Eu sou apenas um rapaz latino-americano sem dinheiro no banco
A B7
Sem parentes importantes e vindo do interior
E F#m G#m
Mas sei que nada é divino, nada, nada é maravilhoso
A E
Nada, nada é secreto, nada, nada é misterioso, não
F#m G#m A E
Na na na na na na na na

42 André Sefione - MPB II


BELCHIOR

COMENTÁRIO A RESPEITO DE JONH


(BELCHIOR / José Luis Pena)

Intro: (G C) A D7

G C G C G
Saia do meu caminho, eu prefiro andar sozinho
C A7 D4/7 D7
Deixem que eu decida a minha vida
G C G C G
Não preciso que me digam de que lado nasce o sol
C A7 D4/7 D7
Por que sei que bate lá meu coração
C G
Sonho e escrevo em letras grandes (de novo)
C D7
Pelos muros do país

Bm C A7 D7
João, o tempo andou mexendo com a gente sim
G Bm C
John, eu não esqueço (oh no, oh no)
A7 C G C G C G D7
A felicidade é uma arma quente, quente, quente
C G
Sob a luz do teu cigarro na cama
C D7
Teu rosto-rouge, teu batom me diz

Bm C A7 D7
João, o tempo andou mexendo com a gente sim
G Bm C
John, eu não esqueço (oh no, oh no)
A7 C G C G C G D7
A felicidade é uma arma quente, quente, quente

André Sefione - MPB II 43


BELCHIOR

COMO NOSSOS PAIS


(BELCHIOR)
F#m
Não quero lhe falar meu grande amor
Bm E E4 E
Das coisas que aprendi nos discos. Quero lhe contar como eu vivi
E7 A G#m
E tudo que aconteceu comigo.
F#m
Viver é melhor que sonhar
Bm E E4
E eu sei que o amor é urna coisa boa, mas também sei
E E7 A
Que qualquer canto é menor que a vida de qualquer pessoa
D
Por isso cuidado meu bem há perigos na esquina
E E4 E7 A E
Eles venceram e o sinal está fechado pra nós que somos jovens
A D
Para abraçar meu irmão e beijar minha menina, na rua
E E4 E7 A
É que se fez o meu lábio, o meu braço, e a minha voz
D A
Você me pergunta pela minha paixão
D A
Digo que estou encantado com urna nova invenção
D A
Eu vou ficar nesta cidade, não vou voltar pro sertão
D A
Pois vejo vir vindo no vento, o cheiro da nova estação
D D#O E F E
Eu sei de tudo na ferida viva do meu coração
A D A D
Já faz tempo eu vi você na rua, cabelo ao vento gente jovem reunida
A D D#O E F E
Na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais
A D A D
Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo que fizemos
A D A D
Ainda somos os mesmos e vivemos, ainda somos os mesmos e vivemos
D#O E F
Como nossos pais
A D
Nossos ídolos ainda são os mesmos
A D A
E as aparências não enganam não. Você diz que depois deles
D D#O E F E A
Não apareceu mais ninguém. Você pode até dizer
D A D
Que eu estou por fora ou então que eu estou inventando
A D E
Mas é você que ama o passado e que não vê
A D D#O E F E
É você que é ama o passado e que não vê que o novo sempre vem
A D
Hoje eu sei que quem me deu a idéia
A D A D
De uma nova consciência e juventude, está em casa guardada por Deus
D#O E F E
Contado os seus metais
A D A D
Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo que fizemos
A D E A D
Ainda somos os mesmos e vivemos, ainda somos os mesmos e vivemos
A C#m D E A D A D
Ainda somos os mesmos e vivemos, como nossos pais

44 André Sefione - MPB II


BELCHIOR

DIVINA COMÉDIA HUMANA


Introd : Dm , Em , Dm , Em , C

Dm
Estava mais angustiado
Em
Que um goleiro na hora do gol
Dm F
Quando voce entrou em mim
C
Como um sol no quintal
Dm
Ai um analista amigo meu me disse
Em
Que desse jeito não vou ser feliz direito

[ Que desse jeito não vou viver satisfeito ]


Dm F
Porque o amor é uma coisa mais profunda
C
Que um encontro casual

[ Que uma transa sensual ]

Dm
Deixando a
profundidade de lado
Em
Eu quero ficar colado

A pele dela noite e dia


Dm
Fazendo tudo
F
E de novo dizendo: Sim ! a paixão
C
Morando na filosofia
Dm
Eu quero gozar no seu céu
Em
Pode ser no seu inferno
Dm F
Viver a divina comédia humana
C
Onde nada é eterno
Dm
Ora - direis - ouvir estrelas.
Em
Certo perdeste o senso !

E eu voz direi no entanto


Dm
Enquanto houver espaço, corpo, tempo
F C
E algum modo de dizer não eu canto

André Sefione - MPB II 45


BELCHIOR

FOTOGRAFIA 3 X 4
(Belchior)

Introd : [ G , C ] [ Em , Am , G , D ]

G C C G
Eu me lembro muito bem Mas a mulher que eu amei não pode me seguir
G C
Do dia em que eu cheguei Esses casos de família e de dinheiro
C G D
Jovem que desce do norte pra cidade grande Eu nunca entendi bem
C C
Os pé cansados e feridos Veloso “o sol - não - é tão bonito”
G C D G
De andar légua tirana Pra quem vem do norte e vai viver na rua
G C
E lágrimas nos olhos de ler o Pessoa C G
G C [ Em , Am , G , D ] A noite fria me ensinou a amar mais o meu dia
E ver o verde da cana C G
E pela dor que eu descobri o poder da alegria
G G C
Em cada esquina que eu passava E a certeza de que tenho
G D
Um guarda me parava Coisas novas pra dizer
C G
Pedia os meus documentos e depois sorria G C G
C G A minha história é talvez igual a tua
Examinando o 3 x 4 da fotografia C
Jovem que desceu do norte
E estranhando o nome
C D D7 G
Do lugar de onde eu vinha E que no sul viveu na rua
C
G C G E que ficou desnorteado
Mas o que pesa no norte pela lei da gravidade G
C Como é comum no seu tempo
Disso Newton já sabia C
G E que ficou desapontado
Cai no sul, grande cidade G
C Como é comum no seu tempo
São Paulo violento . . . C Em Am [G D] [D G]
G C E que ficou apaixonado e violento como voce
Corre o Rio que me engana
G C D C
Copacabana, a Zona Norte Eu sou como voce, eu sou como voce
G C Em Am G D G
Os cabarés da Lapa onde eu morei Eu sou como voce que me ouve agora
D
C D Eu sou como voce
Mesmo vivendo assim não me esqueci de amar C
C Eu sou como voce
Que o homem é pra mulher G
D Eu sou como voce
E o coração pra gente dar

46 André Sefione - MPB II


BELCHIOR

GALOS, NOITES E QUINTAIS


(Belchior)

Introd : D , C , D , C

D
Quando eu não tinha o olhar lacrimoso
E
Que hoje eu trago e tenho
G
Quando adoçava o meu pranto e o meu sono
D
No bagaço de cana do engenho
D
Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus
E
Fazendo eu mesmo o meu caminho
G
Por entre as fileiras de milho verde que ondeia
D
Com saudade do verde marinho
G
Eu era alegre como um rio
Em
Um bicho, um bando de pardais
C D7
Como um galo, quando havia
Am D7
Quando havia galos noites e quintais
G
Mas veio o tempo negro e a força fez
Em
Comigo o mal que a força sempre faz
C D7
Não sou feliz mas não sou mudo
G
Hoje eu canto muito mais
C D7
Não sou feliz mas não sou mudo
G
Hoje eu canto muito mais

André Sefione - MPB II 47


BELCHIOR

NA HORA DO ALMOÇO
(Belchior)

Introd : ( D , D/C , G/B , Bbº)

( D , D/C , G/B , Bbº)


No centro da sala diante da mesa
No fundo do prato comida e tristeza
A gente se olha, se toca se cala
E se desentende no instante em que fala
Medo, medo, medo

Cada um guarda mais o seu segredo


Sua mão fechada
Sua boca aberta
Seu peito deserto
Sua mão parada, lacrada, selada
Molhada de medo
Medo, medo, medo

Pai na cabeceira - é hora do almoço


Minha mãe me chama - é hora do almoço
Minha irmã mais nova, negra cabeleira
Minha avó reclama - é hora do almoço
E eu ainda sou bem moço pra tanta tristeza
E deixemos de coisa cuidemos da vida
Senão chega a morte ou coisa parecida
E nos arrasta moço
Sem ter visto a vida
Ou coisa parecida
Ou coisa parecida
Ou coisa parecida

48 André Sefione - MPB II


BELCHIOR

MEDO DE AVIÃO
(Belchior)

Introd: C D Am Bm C D Em

G D/F# Em
Foi por medo de avião
C D Bm D4 D
Que eu segurei pela primeira vez na tua mão
G D/F# Em
Um gole de conhaque, aquele toque em teu cetim
C D G GO Am D
Que coisa adolescente, James Dean

G D/F# Em
Foi por medo de avião
C D Bm D4 D
Que eu segurei pela primaira vez na tua mão
G D/F# Em
Não fico mais nervoso, você já não grita
C D Em Em7+ Em7 Em6 C Am D
E a aeromoca, sexy, fica mais bonita

G D/F# Em
Foi por medo de avião
C D Bm D4 D
Que eu segurei pela primaira vez na tua mão
G D/F# Em
Agora ficou fácil, todo mundo compreende
C D G
Aquele toque Beatle, I wanna hold your hand
G D/F# Em
Agora ficou fácil, todo mundo compreende
C D G G Em C G
Aquele toque beatle I wanna hold your hand

André Sefione - MPB II 49


BELCHIOR

PARALELAS
(Belchior)

Intro: D G/C G/B G/Bb D

D G/C
Dentro do carro, sobre o trevo
G/B G
A cem por hora, oh! meu amor
D G/C G/B G
Só tens agora os carinhos do motor
D G/C G/B
E no escritório em que eu trabalho e fico rico
G DbO D
Quanto mais eu multiplico diminui o meu amor
DO D
Em cada luz de mercúrio vejo a luz do seu olhar
DO D
Passas praças, viadutos, nem te lembras de voltar
D7M D7 G
De voltar, de voltar
DbO
No corcovado quem abre os braços sou eu
D D7M D6
Copacabana esta semana o mar sou eu
E/Ab G/Bb
Como é perversa a juventude do meu coração
D Eb D
Que só entende o que é cruel e o que é paixão
G/C G/B
E as paralelas dos pneus n'água das ruas
G D G/C G/B G
São duas estradas nuas em que foges do que é teu
D G/C G/B
No apartamento, oitavo andar, abro a vidraça e grito
G G/Bb D7M
Grito quando o carro passa: teu infinito sou eu
D7 G
Sou eu, sou eu

50 André Sefione - MPB II


BELCHIOR

TODO SUJO DE BATON


(Belchior)

Intro: (D Gbm G D/Gb E7 A7/4 A7 D) 2x

D Gbm
Eu estou muito cansado do peso da minha cabeça
G D/Gb
Desses dez anos passados (presentes)
E7 A7/4 A7
Vividos entre o sonho e o som
D Gbm
Eu estou muito cansado de não poder

De não poder falar palavra


G D/Gb
Sobre essas coisas sem jeito
E7
Que eu trago em meu peito
A7/4 A7
E que eu acho tão bom
D Gbm
Quero uma balada nova falando de brotos, de coisas assim
G
De money, de banho de lua, de ti e de mim
E7 A7/4 A7
Um cara tão sentimental
D D7
Quero a sessão de cinema das cinco
G Gm
Pra beijar a menina e levar a saudade
E7 A7/4 A7 D A7
Na camisa toda suja de batom

André Sefione - MPB II 51


BELCHIOR

VELHA ROUPA COLORIDA


(Belchior)
Intro: Em
D
Você não sente nem vê
C G
Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo
D C G
Que uma nova mudança em breve vai acontecer
D C
E o que há algum tempo era jovem novo
G D C Em
Hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer

G D
Nunca mais teu pai falou: "She's leaving home"
C G
E meteu o pé na estrada, "Like a Rolling Stone..."
D
Nunca mais eu convidei minha menina
C G
Para correr no meu carro...(loucura, chiclete e som)
D
Nunca mais você saiu a rua em grupo reunido
C G
O dedo em V, cabelo ao vento, amor e flor, quero cartaz
D
No presente a mente, o corpo é diferente
C G
E o passado é uma roupa que não nos serve mais
D
No presente a mente, o corpo é diferente
C Em Refrão
E o passado é uma roupa que não nos serve mais
G D C
Como Poe, poeta louco americano, eu pergunto ao passarinho:
G
Black bird, Assum Preto, o que se faz?"
D
E raven never raven never raven
C G
Assum Preto, black bird me responde: "Tudo já ficou atrás"
D
E raven never raven never raven
C
Black bird, Assum Preto, Assum Preto me responde:
Em
"O passado nunca mais"

REFRÃO

D C Em
E precisamos todos rejuvenescer 3x

52 André Sefione - MPB II


CANTORIA I E II
AI D’EU SODADE
(XANGAI)
E Marido se alevanta
Marido te alevanta E vai na casa do venderim
A Compra dois metro de chita
E vai armá um mundé Pra fazer roupa pros
B7 nossos fiin
Pra pegar uma paca gorda Ai dentro tem um colchão veio
E Num é minha véa
Pra nois fazer um sarapaté Dismancha e faiz umas carça pra mim
Aruera é pau pesado E ai d’eu sodade
B7
Num é minha véa Disgraçado te alevanta
Cai e machuca meu pé Deixa de ser preguiçoso
A E O home que num trabaia
E ai d’eu sodade Num pode comer gostoso
É que trabaiá é muito bom
Intonce marido te alevanta Num é minha véia
E vai na casa da tua vó Mas é um pouco arriscoso
Busca a espingarda dela E ai d’eu sodade
Pro cê caça um mocó
Só que no lajedo tem cobra braba, Marido te alevanta
Num é minha véa E vem toma um mingau
Me morde e fica pió Que é pra mode dá sustança
E ai d’eu sodade Pra nois faze um calamengau
Brincadera de manhã cedo,
Marido te alevanta num é minha véa
E vai caçar uma siriema Arrisca quebrá o pau
Nois come a carne dela E ai d’eu sodade
E faz uma bassora das pena
Quem me dera tá agora, num é minha Marido seu disgraçado
véa tu ai de morre
Nos braço de uma roxa morena Cachorro ai de te lati
E ai d’eu sodade E urubu ai de te come
Se eu soubesse tudo isso
Sujeito, alevanta Num é minha véia
E vai na casa do venderão Eu não casava com você
Compra uma carne gorda E ai d’eu sodade
Pra nois fazer um pirão
É que eu num tenho mais dinheiro
Num é minha véa
Fiado num compro não
E ai d’eu sodade

André Sefione - MPB II 53


Vital Farias

AI QUE SAUDADE D`OCÊ


(VITAL FARIAS)

Intro: ( G G7 C Cm G ) G GO D7 G

G G7 C
Não se admire se um dia
Cm G
Um beija-flor invadir
G G7 C
A porta da sua casa
Cm G
Te der um beijo e partir
Em
Fui eu quem mandei o beijo
E7 Am
Que é pra matar meu desejo
D7
Faz tempo que não te vejo
G
Ai que saudade d'ocê Introdução

G G7 C
E se quiser recordar
Cm G
Aquele nosso namoro
G G7 C
Quando eu ia viajar
Cm G
Você caía no choro
Em
E eu chorando pela estrada
E7 Am
Mas o que é que eu posso fazer?
D7
Trabalhar é minha sina
G
E eu gosto mesmo é d'ocê Introdução

G G7 C
E se quiser recordar
Cm G
Escreva um carta pra mim
G G7 C
Bote logo no correio
Cm G
Com frases dizendo assim:
Em
Faz tempo que não te vejo
E7 Am
Quero matar meu desejo
D7
Te mando um monte de beijo
G
Ai, que saudade sem fim! Introdução

54 André Sefione - MPB II


Vital Farias

ERA CASA ERA JARDIM / VEJA MARGARIDA


(VITAL FARIAS)

Introd : C ( G , A , B , C - baixo)

C B C B
Era casa era jardim, noites e um bandolim
Dm Dm/C G/B E7 Am Am/G D G C
Os olhares nas varandas e um cheiro de jasmim

C B C B
Era um telhado um pombal, melodia e madrigal
Dm Dm/C G/B
E ninguém nem percebia que o real e fantasia
E7 Am Am/G D G C
Se separam no final (Introdução)

C F C F
Eu vou partir pra cidade garantida proibida
C D
Arranjar meio de vida Margarida,
G7 C
Pra você gostar de mim
F C F
Essas feridas da vida Margarida
C D
Essas feridas da vida amarga vida
G C F
Pra você gostar de mim

C F C
Veja você arco-íris já mudou de cor
F C E7 Am
E uma rosa nunca mais desabrochou
D G
E eu não quero ver você
C
Com esse gosto de sabão na boca
F C
Arco-íris já mudou de cor
F C E7 Am
E uma rosa nunca mais desabrochou
D
E eu não quero ver você
G
Eu não quero ver

C F C
Veja meu bem gasolina vai subir de preço
F C E7 Am
E eu não quero nunca mais seu endereço
D G
Ou é o começo do fim ou é o fim

C F C
Eu vou partir pra cidade garantida proibida
F C
Arranjar meio de vida Margarida
D G C
Pra você gostar de mim

André Sefione - MPB II 55


Xangai

ESTAMPAS EUCALOL
(HELIO CONTREIRAS)

Introd. Am G F C Dm E7

Am G F
Montado em meu cavalo
C
Libertava Prometeu
Dm Am
Toureava o Minotauro
E7 Am
E era amigo de Teseu
Am G F
Viajava o mundo inteiro
C
Nas estampas Eucalol
Dm Am
À sombra de um abacateiro
E7 Am
Ícaro fugia do sol
C G
Subia o monte Olimpo
F G
Ribanceira lá do quintal
F C
Mergulhava até Netuno
D7 G
No oceano abissal
E7 Am
São Jorge ia pra lua
E7 Am
Lutar contra o dragão
F C
São Jorge quase morria
E7 Am
Mas eu lhe dava a mão
F C
E voltava trazendo a moça
E7 Am
Com quem ia me casar
F C
Era a minha professora
E7 Am
Que roubei do rei Lear

56 André Sefione - MPB II


Xangai

KUKUAYA (O JOGO DA ASA DA BRUXA)


(C. FRANÇA)

Introd : (D , C , G , A) 2 vezes

D C
São quatro jogadores nessa mesa
G A
Frente a frente para jogar
D C
São quatro cabras de peia no desafio
G A7
No jogo da bruxa em noite de lua cheia
D C
São quatro jogadores nessa mesa
G A7
Dando as cartas no jogo surdo da vida

Dm G A
Kukuaya, eu quero você pra mim
Dm G A
Kukuaya, mas olhe esse cachorro aqui
Dm G A
Kukuaya, eu quero você aqui
Dm G Bb
Kukuaya, mas preste atenção em mim

São quatro jogadores nessa mesa


Dando as cartas,
Sem dar falsa folga a ninguém
São quatro cabras de peia
De riso dócil e rima fácil
Não basta enganar, heim meu bem
Que eu tenho dois olhos, e eu tenho dois pés
Vão pros meus olhos, vá pros meus pés
E dos meus pés pra dentro da terra
Da terra para a morte

D C
Mas o ovo é redondo, ventre redondo é
G A7
Meu amor vem com saúde
D C
Aonde eu sou chama, seja você brasa
G A7
E onde eu sou chuva, seja você água

André Sefione - MPB II 57


Xangai

MATANÇA
(JATOBÁ)
Introd: G

G C G
Cipó caboclo tá subindo na viróla
C D
Chegou a hora do pinheiro balançar
A7 Em
Sentir o cheiro do mato da imburana
A7 Em D G
Descansar morrer de sono na sombra da barriguda

De nada vale tanto esforço do meu canto


Pra nosso espanto tanta mata haja vão matar
Tal Mata Atlântica e a próxima Amazônica
Arvoredos seculares, impossível replantar

Que triste sina teve o cedro nosso primo


Desde menino que eu nem gosto de falar
Depois de tanto sofrimento seu destino
Virou tamborete, mesa, cadeira, balcão de bar

Quem por acaso ouviu falar da sucupira


Parece até mentira que o jacarandá
Antes de virar poltrona, porta, armário
Mora no dicionário, vida eterna milenar

D A7 C G
Quem hoje é vi..vo, corre peri..go,
C D
E os inimigos do verde da sombra o ar
D A C G
Que se respi..ra e a clorofi..la
C D
Das matas virgens destruídas bom lembrar
C G C G
Que quando chegar a hora, é certo que não demora
C A7 D
Não chame Nossa Senhora só quem pode nos salvar

G A7 G
CAIUNA, CEREJEIRA, BARAÚNA
A G D G
IMBUIA, PAU-DÁRCO, SOVA, JUAZEIRO E JATOBÁ
G A7 G
GONÇALO ALVES, PARAÍBA, ITAÚBA
A G D G
LOURO, IPÊ, PARACAUBA, PERÓBA, MACARANDUBA
G A7 G
CARVALHO, MOGNO, CANELA, IMBUZEIRO
A G D G
CATUÁBA, JANAÚBA, ARUEIRA, ARARIBÁ
G A7 G
PAU-FERRO, ANGICO, AMARGOSO, GAMELEIRA
A G D G
GANDIROBA, COPAÍBA, PAU-BRASIL, JEQUITIBÁ

58 André Sefione - MPB II


Xangai

MENINOS
(XANGAI)

Intro: (C G/B / F ) ou (G D / C) ou (E B / A)

C
Vou pro campo, no campo tem flores, as flores tem mel
G/B
Mas a noitinha: estrelas no céu, no céu, no céu
O céu da boca da onça é escuro
Não cometa, não cometa, não cometa furo
C
Pimenta-malagueta não é pimentão

C
Vou pro campo acampar no mato, no mato tem pato,
G/B
Gato, carrapato, canto de cachoeira
Dentro d’água pedrinhas redondas
Quem não sabe nadar não caia nessa onda
C
Que a cachoeira é funda e afunda

F
Não sou tanajura mas eu crio asas
C
Com os vaga-lumes eu quero voar
F
O céu estrelado hoje minha casa
C
Fica mais bonita quando tem luar
G
Quero acordar com os passarinhos
F G/B C
Cantar uma canção com o sabiá
G
Quero acordar com os passarinhos
F G/B C
Cantar uma canção com o sabiá

Dizem que verugas são estrelas que a gente aponta,


que a gente conta antes de dormir, dormir, dormir
Eu tenho contado mas não tem nascido
Isso é história de nariz cumprido
Deixe de mentir, mentir, mentir

Os sete anões pequeninos, sete corações de meninos


E a alma leve, leve, leve
São folhas e flores ao vento
O sorriso e o sentimento
Da Branca-de-Neve, neve, neve REFRÃO

André Sefione - MPB II 59


Geraldo Azevedo

MOÇA BONITA
(GERALDO AZEVEDO/CAPINAM)

C Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Moça bonita o seu corpo cheira ao botão de laranjeira
G C
Eu também não se é
Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Imagino e desatino é um cheiro de café
F#º G F G C
ou é só cheiro feminino ou é só cheiro de mulher

C Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Moça bonita o seu olho brilha igual a estrela matutina
G C
Eu também não sei se é
Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Imagina a minha sina é o brilho puro da fé
F#º G F G C
Ou é só brilho feminino ou é só brilho de mulher

C Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Moça bonita o seu beijo pode me matar sem compaixão
G C
Eu também não sei se é
Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Ou pura imagi...nação Pra saber você me dê
G G7 C
Esse beijo assassino nos seus braços de mulher

Bm5-/7 E7 Am Am/G F G C E7 Am Am/G F F#º G C

C Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Moça bonita o seu beijo pode me matar sem compaixão
G C
Eu também não sei se é
Bm5-/7 E7 Am Am/G F
Ou pura imagi...nação Pra saber você me dê
G G7 C
Esse beijo assassino nos seus braços de mulher

60 André Sefione - MPB II


Xangai

NÓIS É JÉCA MAIS É JÓIA


(JURAILDES DA LUZ)

G C G C
Se farinha fosse americana, mandioca importada
D G BIS
banquete de bacana era farinhada

Andam falando qui nóis é caipira


G7 C
qui nossa onda é montar a cavalo
D7
qui nossa calça é amarrada com imbira
G D
qui nossa valsa é briga de galo
G
Andam falando que nóis é butina
G7 C
mais nóis num gosta de tramóia
G
nóis gosta é das minina
D7 G
nóis é jéca mais é jóia
G7 C
mais nóis num gosta de jibóia
G
nóis gosta é das minina
D7 G
nóis é jéca mais é jóia REFRÃO

Andam falando qui nóis é caipira


qui nóis tem cara de milho de pipoca
qui o nosso roque é dançar catira
qui nossa flauta é feita de tabóca
nóis gosta de pescar traíra
ver as bichinha gemendo na vara
nóis num gosta de mintira
nóis tem vergonha na cara
ver as bichinha chorando na vara
nóis num gosta de mintira
nóis tem vergonha na cara REFRÃO

Andam falando que nóis é caipora


qui nóis tem qui aprender ingrês
qui nóis tem qui fazê xuxéxu fóra
deixe de bestáge
nóis nem sabe o portuguêis
nóis somo é caipira pop
nóis entra na chuva e nem móia
meu ailóviú nóis é jéca mais é jóia
nóis entra na chuva e nem móia
meu ailóviú nóis é jéca mais é jóia

André Sefione - MPB II 61


Xangai

SABOR COLORIDO / MOÇA BONITA


(GERALDO AZEVEDO/G. A. E CAPINAM )

Introd : C , Am ( Am , F , G , C , E7 )

Mel, eu quero mel quero mel de toda flor


Da rosa, rosa, rosa amarela encarnada
Branca como o cravo, lírio, jasmim
Eu quero mel pra mim

Mel, você quer mel? Quero mel de toda flor


Da margarida sempre viva, viva
Gira, gira gira sol
Se te dou mel pode pintar perigo
E logo aqui no meu quintal
Cuidado pode pintar formiga, viu ?

Mel eu quero mel, quero mel de toda flor


Colorido sabor, do mel de toda flor
Antes que um passarinho aventureiro
Que beija um beijo doce sabor
Sabor colorido

Mel eu quero mel, quero mel de toda flor


Da assussena, violeta, flor de lis
Flor de lotus, flor de cactus,
Flor do pé de buriti
Dália, papoula, crisântemo,
Sonho maneiro, sereno
Fulô de mandacarú
Fulô de marmeleira, Fulô de catingueira
Fulô de laranjeira, Fulô de jatobá
Das imburanas, baraúnas, pé de cana
Xique-xique, mel da cana, cana do canaviá
Vem me dá um mel que eu quero me lambuzar
Mel eu quero mel

( C , E , Am , F , G)

Moça bonita o teu corpo cheira


Qual botão de laranjeira
Eu também não sei se é
Imagine o desatino é um cheiro de café
Ou é só cheiro feminino,
Ou é só cheiro de mulher

Moça bonita o teu olho brilha


Qual estrela matutina
Eu também não sei se é
Imagina minha sina é o brilho puro da fé
Ou é só brilho feminino
Ou é só brilho de mulher

Moça bonita o teu beijo pode


Me matar sem compaixão
Eu também não sei se é
Ou pura imaginação pra saber você me dê
Esse beijo assassino nos seus braços de mulher

62 André Sefione - MPB II


Vital Farias

SAGA DA AMAZÔNIA
(VITAL FARIAS)
Intro: ( D G )

D G Do D (G D)
Era uma vez na Amazônia a mais bonita floresta
D G Do D (G D)
Mata verde, céu azul, a mais imensa floresta
D A G
No fundo d'água as iaras, caboclos, lendas e mágoas
Do Go Bm
E os rios puxando as á...guas.
D G Do D (G D)
Papagaios, periquitos cuidavam de suas cores
D G Do D (G D)
E os peixes cruzando o rio, curumins cheios de amores
D A G
Sorria o jurupari,o uirapuru seu porvir
Do Go Bm
Era flora, fauna, frutos e cores.

Bm Em G#o Bm Em G#o Bm
Toda mata tem caipora para mata vigiar
Em G#o Bm Em G#o Bm
Veio um caipora de fora para a mata definhar
G#o F#o Ebo Eo
E trouxe dragão de ferro pra cume muita madera
Ebo Eo C#7 F#
E trouxe esquilo gigante pra acaba com a capoeira.

Bm Em G#o Bm Em G#o Bm
Fizeram logo um projeto sem ninguém testemunhar
Em G#o Bm Em G#o Bm
Para o dragão cortar madeira e toda mata derrubar
Em Bm F# Bm
Se a floresta meu amigo tivesse pe pra andar
Em Bm Em F# Bm
Eu garanto meu amigo com o perigo não tinha ficado lá.
Bm Em G#o Bm Em G#o Bm
O que se corta em segundos leva tempo pra vingar
Em G#o Bm Em G#o Bm
E o fruto que dá no cacho pra gente se alimentar
Em Bm F# Bm
Depois tem o passarinho, tem o ninho tem o ar
Em Bm Em F# Go Bm
Igarapé rio abaixo, tem riacho e esse rio que é o mar

André Sefione - MPB II 63


Bm Em G#o Bm Em G#o Bm
Mas o dragão continua na floresta a devorar
Em G#o Bm Em G#o Bm
E quem habita essa mata pra onde vai se mudar
Em Bm F# Bm
Corre índio, seringueiro, preguiça, tamanduá,
Em Bm Em F# Go Bm
Tartaruga pe ligeiro, corre-corre tribo dos Camaiorá.

D D7 G
No lugar que havia matas hoje e a perseguição,
D A D
Grileiro mata posseiro só pra lhe roubar seu chão
Do F#o Ao Go
Castanheiro, seringueiro já viraram ate pião
Em Bm C#7 F#
Afora os que já morreram como aves de arribação,
Em Bm Em Bm
Zé de Nana ta de prova naquele lugar tem cova,
G Do F#
Gente enterrada no chão.
Bm G#o Bm
Pois mataram índio que matou grileiro
G#o
Que matou posseiro
Bm G#o
Disse um castanheiro para um seringueiro
Bm Go F# Bm
Que o estrangeiro roubou seu lugar.

D G
Foi então que um violeiro chegando na região,
D A D
Ficou tão penalizado que escreveu esta canção,
D7 G
E talvez desesperado com tanta devastação,
F# Bm
Pegou a primeira estrada sem rumo sem direção
D G
Com os olhos cheios de água partiu levando essa mágoa
F# Bm
dentro do seu coração.

D G D ( G D )
E aqui termina essa estória para gente de valor,
D G D ( G D )
Pra gente que tem memória muita crença e muito amor,
D A G
Pra defender o que ainda resta sem rodeio e sem aresta
Do A D G D
Era uma vez uma floresta na linha do equador.

64 André Sefione - MPB II


Vital Farias

SAGA DE SEVERININ
(VITAL FARIAS)
Introd
Cm
Peço licença aos senhores
Pra historia que eu vou contar
Falo de Severinin, lavrador tão popular
Que morava numa palhoça
G
E cultivava uma roça perto de Taperoá
E Severinin todo dia, lavrava a terra macia
D#7 D7 Gm
E terra lavrada é poesia

C F C
Mexe com a mão na terra
[F C G C] BIS
Sobe essa serra, corta esse chão
C F C
Planta que a planta ponte
F C G Am E7
Por esse montes, lã de algodão

Am
Severinin vivia até feliz,
Enchendo os olhos com bem de raiz
E7
E mesmo a plantação táva bonita em flor
Am
E a seu lado sua companheira tinha o seu amor

Cm
Mas como diz o ditado e haverá de se esperar
Depois de tudo plantado
G
Fazendeiro pede pra Severinin desocupar
G# G
Já tinha até fruta madura
G# G
Jerimum enramando no terreiro
G#
E tinha até um passarinho
Que além de se seu vizinho
G
Ficou muito companheiro

C F C
Chega tanta incerteza
[F C G C] BIS
A alma presa quer se soltar
C F C
Luta, luta sozinho
F C G Am E7
Qual o caminho de libertar

Am
Severinin ficou sozinho e só
Ingratidão não pode suportar
E
Correu pra o sul a ai a construção si viu
De uma vez por todas
Am
De uma vez por todas desabar

André Sefione - MPB II 65


Geraldo Azevedo

SUÍTE CORRENTEZA
Introd: Em (E D C B A F F# E - baixo)

Barcarola do São Francisco (G. Azevedo/Carlos Fernando)

Em C B7 Em
A luz do sol que incendeia sereia de além mar
C B7 Em
Clara como o clarão do dia marejou meu olhar
G Bm Em C B7 Em
Olho d’água beira de rio, vento vela bailar
C B7 Em
Barcarola do São Francisco, me leva para amar
C B7 Em
Era um domingo de lua quando deixei Jatobá
C B7 Em
Era que sabe esperança indo a outro lugar
G Bm Em C
Barcarola do São Francisco
B7 Em
Veleja agora no mar
C B7 Em
Sem leme, prata ou tesouro de prata ou luar

Talismã (G. Azevedo/Alceu Valença)

Em An
Diana me dê um talismã, um talismã... viajar
Am7 A9
Você já pensou ir mais eu viajar
B7
Quando o sol desmaiar ... ah vou viajar

Olha essa sombra esse rastro de mim

Olha essa seta, essa réstia de sol


Am Am/B B7 [A G F F#]
Você já pensou ir mais eu Diana... viajar...
Em Am
Diana me dê um talismã, um talismã... viajar
(Em Am B7)

Caravana (G. Azevedo/Alceu Valença)

Am Em
Corra não pare não pense demais
F
Repare essas velas no cais
E7
Que a vida é cigana
Am Em
É caravana, é pedra de gelo ao sol
F
Degelou teus olhos tão sós
E7
Num mar de água clara

66 André Sefione - MPB II


Elomar

VIOLÊRO
(ELOMAR)
Em
Vou cantá no canturi primeiro

As coisas lá da minha mudernage


Am Em
Qui mi fizero errante e violêro
Eu falo sério e não é vadiage

E pra você que agora tá mi ôvino


G
Juro inté pelo Santo Menino
Em
Vige Maria que ôve o que eu digo
B7 Em
Se fô mintira me mande um castigo
D A Em
Apois pro cantadô i violêro
D A
Só hai treis coisa nesse mundo vão
G Am B7 Em
Amô, furria, viola, nunca dinheiro
G Am B7 Em
Viola, furria, amô, dinheiro não

Cantadô di trovas i martelo


Di gabinete ligêra i moirão
Ai cantadô já corri o mundo intêro
Já inté cantei nas porta de um castelo
Dum rei que se chamava di Juão
Pode acredita meu cumpanheiro
Dispois de tê cantado o dia intêro
O rei me disse fica, eu disse não

Refrão
Si eu tivesse qui vivê obrigado
Um dia inantes desse dia eu morro
Deus fêz o homi e os bicho tudo fôrro
Já vi iscrito no Livro Sagrado
Qui a vida nessa terra é uma passage
I cada um leva um fardo pesado
É um insinamento qui derna a mudernage
Eu trago bem dentro do coração guardado

Refrão
Tive muita dô di num tê nada
Pensando qui esse mundo é tudo tê
Mais só dispois di pena pelas estrada
Beleza na pobreza é que vim vê
Vim vê na prossição o Louvado seja
I o malassombro das casa abandonada
Côro di cego nas porta das igreja
I o ermo da solidão das istrada

Refrão
Prinspiano tudo do cumeço
Eu vô mostra como se faz o pachola
Qui inforca o pescoço da viola
E vira toda moda pelo avesso
I sem arrepara se é noite ou dia
Vai longe cantá o bem da furria
Sem um tustão na cuia o cantadô
Canta inté morrê o bem do amo

Refrão

André Sefione - MPB II 67


CHICO CESAR
A PRIMEIRA VISTA
(Chico César)

Intro:
B7+ Gº G#m
Quando não tinha nada, eu quis
A/B E
Quando tudo era ausência esperei

Quando tive frio tremi
F#+
Quando tive coragem liguei

B7+ Gº G#m
Quando chegou carta abri,
A/B E
Quando ouvi Prince (Salif Keita) dancei,

Quando o olho brilhou entendi
F#+
Quando criei asas voei.

B7+ Gº G#m
Quando me chamou, eu vim
A/B E
Quando dei por mim, tava aqui

Quando lhe achei me perdi
Gº F#+ B7+
Quando vi você, me apaixonei.

68 André Sefione - MPB II


CHICO CESAR

A PROSA IMPÚRPURA DO CAICÓ


(Chico César)

Intro:

C Am F
Ah! Caicó arcaico. Em meu peito catolaico
G C G7
Tudo é descrença e fé

C Am F
Ah! Caicó arcaico. Meu cashcouer mallarmaico
G7 C
Tudo rejeita e quer

Am F
É com, é sem. Milhão e vintém
D/F# G7
Todo mundo e ninguém. Pé de xique-xique, pé de flor

C Am F
Relabucho, velório, videogame, oratório
D/F# G7
High-cult simplório, amor sem fim, desamor

C Am
Sexo no-iê, oxente, oh! Shit
F D/F# G7
Cego Aderaldo olhando pra mim. Moonwalkman

André Sefione - MPB II 69


CHICO CESAR

ESTA
(Chico César)
E
Nenhuma mulher me basta
A
Mesmo que se meta a besta
B7
Mesmo que se finja casta
C#m
Venha rindo numa cesta
G#m
Hare-krishna, puta ou rasta
A
Dê-me prazer, reza, êxtase
F#7
Chegue quando o mal se afasta
B7 E
Nenhuma mulher me basta

A D B7 E
A não ser esta, assim é esta
A D B7 E
A não ser esta, assim é esta

E
Que traga ouro na testa
A
Dê forma à disforme pasta
B7
Seja a única que resta
C#m
De matéria que não gasta
G#m
Tenha gestos sem arestas
A
Arre na festa nefasta
F#7
Trigo pro pão, luz na fresta
B7 E
Nenhuma mulher me basta (repete refrão)

E
Fedra, Medéia, Jocasta
A
A cachorra da moléstia
B7
Peste que me arrasta
C#m
Cura pra minha imosdéstia
G#m
Couro de anja, pele de ginasta
A
Pôr-do-sol que resta
F#7
Sou sozinho, a vida é vasta
B7 E
Nenhuma mulher me basta (repete refrão) 2x
70 André Sefione - MPB II
CHICO CESAR

MAMA ÁFRICA
(Chico César)

Intro: Dm

Dm7
Mama África ( a minha mãe) é mãe solteira
Gm7 Dº Dm7
E tem de fazer mamadeira todo dia
Gm7 Dº Dm7
Além de trabalhar como empacotadeira nas casas bahia

Dº A7 F
Mama África tem tanto o que fazer
Eº C7/A Dm7
Além de cuidar neném, além de fazer denguim
Eº C7/A Dm7
Filhinho tem que entender mama África vai e vem
C7/A Dm7
Mas não se afasta de você


Quando mama sai de casa
A7 F
Seus filhos se olodunzam e rola o maior jazz
Eº C7/A Dm7
Mama tem calo nos pés, mama precisa de paz

Mama não quer brincar mais
Bb7+
Filhinho da um tempo é tanto contratempo
A7 Dm7
no ritmo de vida de mama

André Sefione - MPB II 71


CHICO CESAR

MULHER EU SEI
(Chico César)

Intr.: E

E
Eu sei como pisar
A
No coração de uma mulher
B
Já fui mulher eu sei
E
Já fui mulher eu sei

Para pisar no coração de uma mulher


B
Basta calçar um coturno
E
Com os pés de anjo noturno

Para pisar no coração de uma mulher


B
Sapatilhas de arame
E
O balé belo infame

REFRÃO

Para pisar no coração de uma mulher


B
Alpercatas de aço
E
O amoroso cangaço

Para pisar no coração de uma mulher


B
Pés descalços sem pele
E
Um passo que a revele
REFRÃO

72 André Sefione - MPB II


CHICO CESAR

ONDE ESTARÁ O MEU AMOR


(Chico César)
Intro: G
G Em
Como esta noite findarÁ
C
E o sol então rebrilharÁ
G
Estou pensando em você...
D G9
Onde estarÁ o meu amor ?

Em9
SerÁ que vela como eu ?
C9
SerÁ que chama como eu ?
G9
SerÁ que pergunta por mim ?
D G9
Onde estarÁ o meu amor ?
Em9
Se a voz da noite responder
C9
Onde estou eu, onde estÁ você
G9
Estamos cÁ dentro de nós
D
Sós...

D/F# G9
Onde estarÁ o meu amor ?
Em9
Se a voz da noite silenciar
C9
Raio de sol vai me levar
G9 D D/F#
Raio de sol vai lhe trazer

André Sefione - MPB II 73


CHICO CESAR

PEDRA DE RESPONSA
(Chico César/ Zeca Baleiro)

Intro: Em B7 Em

B7
Quando fui na ilha maravilha
Em
Fui tratado como um paxÁ
Em7 Am
Me deram arroz de cuxÁ
D7 G
Água gelada da bilha
Em Am
Cozido de jurarÁ
B7 Em
Alavantu na quadrilha

B7
É pedra é pedra é pedra
Em
É pedra de responsa
Am
Mamãe eu volto pra ilha
B7 Em
Nem que seja montado na onça

Me levaram no boi-bumbÁ
B7
Pra dançar: eu dancei

Me deram catuaba
Em
Pra provar: aprovei
Am
Me deram um cigarrim pra fumar
B7 Em
Menino como eu gostei

74 André Sefione - MPB II


CHICO CESAR

SE VOCE VIAJAR
(Chico César/ Zeca Baleiro)

Intr.: (G D/F# Bm C
C G/B Am Am/G D/F#)

G D/F#
Acho, se você viajar
Em Em/D
Talvez eu fique na fossa
C G/B Am Am/G D/F#
talvez ninguém possa me consolar
G D/F#
Acho, se você viajar
Em Em/D
talvez eu quebre a louça
C G/B Am Am/G D/F#
E atravesse a Rebouças sem olhar pra lado algum

Baixo: (A B D F# E)

Em Am Am/G D/F#
E eu que tantos fui
C G
Talvez não seja nenhum
D/F# C G
Como agora sou, sou, sou (4x)
G
Amor que não se mede
D/F#
Amor que não se pede
C/E D/F# Baixo: (A B D F# E)
Não se repete, amor!

REFRÃO

André Sefione - MPB II 75


DOMINGUINHOS
ABRI A PORTA
(Dominguinhos / Gil)

Intro: D Em F#m Em

D Em F#m Em
Abri a porta,
Apareci,
A mais bonita,
Sorriu pra mim
Naquele instante me convenci
O bom da vida vai prosseguir

A G F#m
Vai prosseguir, vai dar pra lá do céu azul
B7 E7
Onde eu não sei, lá onde a lei seja o amor
A G F#m B7 E7
E usufruir do bem, do bom e do melhor seja comum
A7 D
Pra qualquer um, seja quem for

D Em F#m Em
Abri a porta,
Apareci,
A mais bonita,
Sorriu pra mim
Naquele instante me convenci
Isso é vida, é a vida sim

76 André Sefione - MPB II


Dominguinhos

DE VOLTA PRO MEU ACONCHEGO

G Am Bm D
Estou de volta pro meu aconchego
G D E7 Am E7
Trazendo na mala bastante saudade
Am
Querendo
E7 Am
Um sorriso sincero, um abraço,
E7 Am
Para aliviar meu cansaço
D G D
E toda essa minha vontade

G Am Bm D
Que bom, poder tá contigo de novo,
G G7 C E7
Roçando o teu corpo e beijando você,
Am D Bm
Prá mim tu és a estrela mais linda
Em Am
Seus olhos me prendem, fascinam,
D Em E7
A paz que eu gosto de ter.

Am D Bm Em
É duro, ficar sem você vez em quando
Am F#m B7 Em E7
Parece que falta um pedaço de mim
Am D G
Me alegro na hora de regressar
G7 C
Parece que eu vou mergulhar
E7 A7 D7
Na felicidade sem fim.

Estou de volta . . .

André Sefione - MPB II 77


Dominguinhos

ISSO AQUI TÁ MUITO BOM

A E
Olha, isso aqui tá muito bom
B7 E
Isso aqui tá bom demais
A E
Olha, quem ta fora qué entra
B7 E
Mas quem ta dentro não sai

Bm D G7 Fm E Bm
Vou perder me afogar no teu amor
D G7 Fm E Bm
Vou desfrutar me lambuzar deste calor
D G7 Fm E Bm
Te agarrar pra descontar minha paixão
D G7 Fm E
Aproveitar o gosto dessa animação

78 André Sefione - MPB II


Dominguinhos

LAMENTO SERTANEJO
(Dominguinhos / Gil)

Intro: Dm A7/C# Dm/C

Dm/C G/B
Por ser de lá
Bb7+ Dm
Do sertão, lá do serrado
E° Dm/F F#° Gm
Lá do interior do mato
C7 F7+ Cm7
Da caatinga e do roçado
F7 Bb7+
Eu quase não saio
Am Dm
Eu quase não tenho amigo
Dm/C G/B
Eu quase que não consigo
Bb7+ Am Dm
Viver na cidade sem ficar contrariado
Dm A7/C# Dm/C G/B
Por ser de lá
Bb7+ Dm
Na certa por isso mesmo
E° Dm/F F#° Gm
Não gosto de cama mole
C7 F7+
Não sei comer sem torresmo
Cm7 F7 Bb7+
Eu quase não falo
Am Dm
Eu quase não sei de nada
Dm/C G/B
Sou como rês desgarrada
Bb7+ Am Dm
Nessa multidão boiada caminhando à esmo

André Sefione - MPB II 79


Nando Cordel

GOSTOSO DEMAIS

C G/B G#°
Tô com saudade de tu, meu desejo
Am Em C7
Tô com saudade do beijo e do mel
F C A7
Do teu olhar carinhoso
D7
Do teu abraço gostoso
Dm G7
De passear no teu céu
C G/B G#°
É tão difícil ficar sem você
Am Em C7
O teu amor é gostoso demais
F C A7
Teu cheiro me dá prazer
D7
Quando estou com você
G7 C Gm7
Estou nos braços da paz
C7 F
Pensamento viaja
G7 C
E vai buscar meu bem-querer
Bm7/5- E7 Am
Não posso ser feliz, assim
D7 Dm G7
Tem dó de mim o que eu posso fazer

(REPETE)

80 André Sefione - MPB II


Dominguinhos

SÓ QUERO UM XODÓ
(Dominguinhos / Gil)

Intro: C F C G

C Am Em
Que falta eu sinto de um bem
F G C
Que falta me faz um xodó.
Am Em
Mas como eu não tenho ninguém
F G C
Eu levo a vida assim, tão só

Bb F C
Eu só quero um amor
Bb F G
Que acabe o meu sofrer
Am Em
Um xodó pra mim,
Am Em
Do meu jeito assim,
F Em Am G C
Que alegre o meu viver

André Sefione - MPB II 81


Dominguinhos

TENHO SEDE
(Dominguinhos / Gil)

Intro: E7

E7 A E C#m
Traga-me um copo d'água, tenho sede
F# A B7 E F#/E
E essa sede pode me matar
A E C#m
Minha garganta pede um pouco d'água
F# A
E os meus olhos pedem
B7 E E7 D7 D7
O teu olhar
Am
A planta pede chuva quando
D7 Am D7 Am D7
Quer brotar
Am D7 Am
O céu logo escurece quando
D7 F#m B7/13 F6/9 E6/9
Vai chover
A E C#m
Meu coração só pede o teu amor
F# A B7 E
Se não me deres posso até morrer

ESTRIBILHO

82 André Sefione - MPB II


FAGNER
BORBULHAS DE AMOR
Intro: Dm G7 Dm G7

C G/B
Tenho um coração dividido entre a esperança e a razão,
Dm
Tenho um coração
F G/B Dm G7
Bem melhor que não tivera
C G/B
Esse coração, não consegue se conter ao ouvir tua voz
Dm F G/B Dm
Pobre coração, sempre escravo da ternura......
G7 C G/B
Quem dera ser um peixe para em teu límpido aquário mergulhar
Dm
Fazer borbulhas de amor pra te encantar,
F G/B
Passar a noite em claro
Dm G7
Dentro de ti.....
C G/B
Um peixe para enfeitar de corais tua cintura,
Dm F
fazer silhuetas de amor à luz da lua
Dm G/B Dm G7 C
Saciar esta loucura, dentro de ti solo: C GB Dm Am bb F G7

C G/B
Canta coração, que esta alma necessita de ilusão,
Dm
Sonha coração
F Dm G/B
Nao te enchas de amargura
C G/B
Esse coração, não consegue se conter ao ouvir tua voz
Dm
Pobre coração
F Dm G/B Dm
Sempre escravo da ternura

Quem dera ser um peixe . . .

Ab Bb7 Gm Cm Gm Ab Bb7 Gm
Uma noite para unirmos até o fim, cara a cara, beijo a beijo

Cm Gm Ab Bb7 C G/B Dm F G/B Dm


E viver para sempre dentro de ti

André Sefione - MPB II 83


Fagner

CANTEIROS
(CECILIA MEIRELES / FAGNER)

Intro.: D G

D A Bm Bm/A G D
Quando penso em você fecho os olhos de saudade
A G F# Bm/A A7
Tenho tido muita coisa, menos a felicidade
D A Bm Bm/A G D
Correm os meus dedos longos em versos tristes que invento
A G F# Bm/A
Nem aquilo a que me entrego já me traz contentamento

D7 G C7 F
Pode ser até manhã, cedo claro feito dia
Gm A Dm
Mas nada do que me dizem me faz sentir alegria
D7 Gm C7 F
Eu só queria ter no mato um gosto de framboesa
Gm A Dm
Prá correr entre os canteiros e esconder minha tristeza

(Dm Dm/C Dm/B Dm/Bb)


Que eu ainda sou bem moço prá tanta tristeza
E deixemos de coisa, cuidemos da vida,
(Dm Dm/C Dm/B Dm/Bb)
Pois se não chega a morte ou coisa parecida
E nos arrasta moço, sem ter visto a vida

84 André Sefione - MPB II


Fagner

CARTAZ
INTROD.: E Fm7 A B7

A F#m7 B7 A E
Eu sonhei com você, eu quero me deitar
F#m7 A B7
numa tarde assim namorar.
A F#m7 B7 A E
Entre o azul do céu e o verde do mar
F#m7 A B7 A B7 C#m7 B7
tanta coisa ainda há

F#m7 A F#m7 B7 E
Amanhã tudo pode acontecer,
F#m7 A B7
Hoje a nossa vida é pequena,
F#m7 A F#m7 B7 E
Amanhã tudo pode acontecer,
F#m7 A B7 E F#m A B7
Se você vem comigo eu não choro mais

A F#m7 B7 A E
O que eu quero dizer, o teu sorriso atrai
F#m7 A B7
entre as coisas mais lindas.
A F#m7 B7 A E
Você me dá prazer, você me dá cartaz
F#m A B7 A B7 C#m7 B7
de tudo que eu preciso.

F#m7 A F#m7 B7 E
Amanhã tudo pode acontecer,
F#m7 A B7
Hoje a nossa vida é pequena,
F#m7 A F#m7 B7 E
Amanhã tudo pode acontecer,
F#m7 A B7 E F#m A B7
Se você vem comigo eu não choro mais

A F#m7 B7 A E
Cai o azul do céu sobre o verde do mar
F#m7 A B7
Tanta coisa ainda há.
A F#m7 B7 A E
Você me dá prazer, você me dá cartaz
F#m7 A B7 E F#m A B7
Se você vem comigo eu não choro mais

André Sefione - MPB II 85


Fagner

DESLIZES
INTROD.: C G/B Am Am/G F Em Dm
C
Não sei porque
Em/5 Am Am/7
Insisto tanto em te querer
Gm7 C7,9 F A5+
Se você sempre faz de mim o que bem quer
Dm A5+ Dm
Se ao teu lado sei tão pouco de você
G7 C G7
É pelos outros que eu sei quem você é
C Em/5 Am Am/7
Eu sei de tudo com quem andas, aonde vais
Gm7 C7,9 F A5+
Mas eu desfarço o meu ciúme mesmo assim
Dm A5+ Dm
Pois aprendi que o meu silêncio vale mais
F G C C7
E desse jeito eu trazer você pra mim
F G Am C
E como prêmio eu recebo o teu abraço
F G Am C7
Subornando o meu desejo tão antigo
F G Am Am/7
E fecho os olhos para todos os teus passos
Dm G7 C G/B Am Am/G F Em Dm
Me enganando só assim somos amigos

C Em/5 Am Am/7
Por quantas vezes me dá raiva de querer
Gm7 C7,9 F A5+
Em concordar com tudo o que você me faz
Dm A5+ Dm G7
Já fiz de tudo pra tentar te esquecer
F G C G7
Falta coragem para dizer que nunca mais
C Em/5 Am Am/7
Nós somos cúmplices, nós dois somos culpados
Gm7 C7,9 F A5+
No mesmo instante em que teu corpo toca o meu
Dm A5+ Dm
Já não existe nem o certo nem errado
G7 C C7
Só o amor que por encanto aconteceu
F G Am C7
E é assim que eu perdôo os teus deslizes
F G Am C7
E é assim o nosso jeito de viver
F G Am C7
Em outros braços tu resolves tuas crises
Dm G7 C G/B Am Am/G F Em Dm
Em outras bocas não consigo te esquecer.
86 André Sefione - MPB II
Fagner

DONA DA MINHA CABEÇA


Intro: ( Bm G A D F#7 )

D F#7
Dona da minha cabeça
Bm
Ela vem como um carnaval
G D
E toda minha paixão recomeça
F#7 Bm G A
Ela é bonita, é demais
D F#7
Não há um porto seguro
Bm
Futuro também não há
G D
Mas faz tanta diferença
F#7 Bm
Quando ela dança, dança

G D
Eu digo, e ela não acredita
F#7 Bm
Ela é bonita, demais
G D
Eu digo, e ela não acredita
F#7 Bm D G
Ela é bonita, é bonita (é demais)

D F#7
Dona da minha cabeça
Bm
Quero tanto lhe ver chegar ,
G D
Quero saciar minha sede
F#7 Bm G A
Milhões de vezes, milhões de vezes

D F#7
Na força dessa beleza
Bm
É que eu sinto firmeza e paz
G D
Por isso nunca desapareça
F#7
Nunca me esqueça,
Bm
Que eu não te esqueço jamais REFRÃO

André Sefione - MPB II 87


Fagner

FANATISMO
Intro: B7 Em D7 G B7 Em

Em B7 C
Minh'alma de sonhar-te, anda perdida
Am7 D7 G
Meus olhos andam cegos de te ver
F#m5-
Não és sequer a razão do meu viver
B7 Em
Pois que tu és já toda a minha vida!
B7 C
Não vejo nada assim enlouquecida
Am7 D7 G
Passo no mundo, meu amor, a ler
F#m5-
No misterioso livro do teu ser
B7 C
A mesma história tantas vezes lida!
C#O
"Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
G
Quando me dizem isto, toda a graça
B7
Tuma boca divina fala em mim!
F#m5- B7 Em7
E, os olhos postos em ti, digo de rastros:
D7 G C
"Podem voar mundos, morrer astros",
B7 Em
Que tu és como um Deus: principio e fim...
D7 G C
"Podem voar mundos, morrer astros",
B7 Em
Que tu és como um Deus: principio e fim...

B7 Em
Eu já te falei de tudo
B7
Mas tudo isto é pouco
Em
Diante do que sinto.

88 André Sefione - MPB II


Fagner

FRENESI
Intro: ( E7+ F#/E Am7 E )

E7+ F#/E
A felicidade corre sem parar
A/E E
Bela é uma cidade velha
E7+ F#/E
Na velocidade a tarde leva o teu olhar
A E
Longe descansar na estrela
E7 A
E um corpo passa por mim
Am D7 E7+
Água do rio na areia
C#7 F#m7
Adormecendo assim
Am
Esta pedra em mim
B7 E
E meu leito clareia
E7 A
Fosse paixão frenesi
Am D7 E7+
Doce ilusão moça bela
C#7 F#m7
A solidão mora aqui
Am B7
E a cidade é sem fim
E
Qual a tua janela
A/C#
Tudo igual
D7
Tal e qual
E F#m G° E/G#
Fosse paixão
( F#E Am7 E7+ )

André Sefione - MPB II 89


Fagner

FUMO
Intro.: D E/D D, D E/D Bm, D E/D Bm F#m G A7
D

D E/D D
Longe de ti são ermos os caminhos
E/D D
Longe de ti não há luar nem rosas
F#m B7
Longe de ti há noites silenciosas
G A7 D
Há dias sem calor, beirais sem ninhos

D E/D D
Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
E/D D
Perdidos pelas noites invernosas
D F#m B7
Abertos sonham mãos cariciosas
G A7 D
Tuas mãos doces, plenas de carinhos

Bm F#m Bm
Os dias são outonos, choram, choram
F#m Bm
Há crisântemos roxos que descoram

D E/D D
Há murmúrios dolentes de segredos
E/D D
Invoco o nosso sonho, estendo os braços
F#7 Bm
E é ele, ó meu amor, pelos espaços
G A7 D
Fumo leve que foge entre os meus dedos

90 André Sefione - MPB II


Fagner

GUERREIRO MENINO
(GOMZAGUINHA)
INTROD.: B7

C6 B7/Eb Em9
Um homem também chora menina morena
Em D#º B7/F# Bm7/4 E7/9-
também deseja colo, palavras amenas
Am9 D7 G7+ Em7/9
precisa de carinho, precisa de ternura
F#7 Am/C B7
precisa de um abraço da própria candura
Am9 F#m7/5- B7 Em9
guerreiros são pessoas, são fortes são frágeis
Em D#º B7/F# Bm7/4 E7/9-
guerreiros são meninos do fundo do peito
Am9 D7 G7+ Em7/9
precisam de descanso, precisam de remanso
F#7 Am/C B7
precisam de um sonho que os tornem perfeitos
Am D7 G7+
é triste ver esse homem, guerreiro menino
C7+ F#m7/5- B7 Bm7/4
Com a barra de seu tempo por sobre os seus ombros
E7/9- Am D7 G7+ Em
eu vejo que ele berra, eu vejo que ele sangra
F#7 Am/C B7
a dor que trás no peito pois ama e ama
Am D7 G7+ C7+
Um homem se humilha, se castram seus sonhos
F#m7/5- B7 Bm7/4 E7/9-
seu sonho é sua vida e a vida é o trabalho
C7+ D/C Bm Em
e sem o seu trabalho um homem não tem honra
F#7 Am/C B7
e sem a sua honra se morre se mata

Am D7 G7+ C7+
não dá pra ser feliz, não dá pra se feliz
F#m7/5- B7 E [E,F#,G,G#] Am
não dá pra ser feliz, não dá pra ser feliz

André Sefione - MPB II 91


Fagner

MUCURIPE

Introd : Dm ( baixo em A e D )

D#7/9- Gm C7
As velas do Mucuripevão sair para pescar
F
Vão mandar as minhas mágoas
Dº Dm
Prás águas fundas do mar
Bº Gm
Hoje a noite namorar sem ter medo da saudade
A7 D#º D#7/9- D7
E sem vontade de casar

D7 Gm
Calça nova de riscado
C7
Paletó de linho branco
F
Que até o mês passado
Dº Dm
Lá no campo ainda era flor
Dm/C Bb
Sob o meu chapéu quebrado

Sorriso ingênuo e franco
Gm
De rapaz novo encantado
A4 A7
Com vinte anos de amor
D#º Gm
Aquela estrela é dela
A7 Dm
Vida, vento, vela, leva-me daqui

92 André Sefione - MPB II


Fagner

NOTURNO
Intro: E D Dm A B7 Dm A E7

A E7
O aço dos meus olhos
C#7 F#m
E o fel das minhas palavras
D Bm
Acalmaram meu silencio
E7 A E7
Mas deixaram suas marcas
A E7
Se hoje sou deserto
C#7 F#m
É que eu não sabia
D A
Que as flores com o tempo
Bm
Perdem a força
E7 D
E a ventania vem mais forte.

A E7
Hoje só acredito
D A
No pulsar das minhas veias
C#7 F#m
E aquela luz que havia
B7
Em cada ponto de partida
E7
Há muito me deixou
D E7 F#m E7
Há muito me deixou

A C#7 F#m
Ai, Coração alado
C#7 A
Desfolharei meus olhos
B7 E7
Nesse escuro véu
D E7 A
Não acredito mais
B7 E7
no fogo ingênuo da paixão
D E7 A
São tantas ilusões
B7 E7
Perdidas na lembrança
D E7 A
Nessa estrada
B7 E7
Só quem pode me seguir sou eu
D C#7 F#m E7
Sou eu, sou eu, sou eu

André Sefione - MPB II 93


Fagner

PEDRAS QUE CANTAM


Intro: G F#m Em D 4x
D E D E 2X

D F#m
Quem é rico mora na praia
G D
mas quem trabalha nem tem onde morar
F#m
Quem não chora dorme com fome
G D
mas quem tem nome joga prata no ar
G D
Ô tempo duro no ambiente,
G D
ô tempo escuro na memória,
G E7 A7
o tempo é quente e o dragão é voraz....
G D
Vamos embora de repente,
G D
vamos embora sem demora,
G A7 D
vamos pra frente que pra trás não dá mais

G C G C G
Pra ser feliz num lugar pra sorrir e cantar
C G
tanta coisa a gente inventa,
A7 D
mas no dia que a poesia se arrebenta
G A7 D
É que as pedras vão cantar

94 André Sefione - MPB II


Fagner

PENAS DO TIÉ
Intro: (G/B Bbº Am7 D7) 2x

G/B Bbº Am7 D7


Vocês já viram lá na mata a cantoria
G/B Bbº Am7 D7
Da passarada quando vai anoitecer
G C#m5-/7 F#7 Bm Bm/A
E já ouviram o canto triste da araponga
E4/7 E7 D# D7
Anunciando que na terra vai chover

G/B Bbº Am7 D7


Já experimentaram guabiroba bem madura
G/B Bbº Am7 D7
Já viram as tardes quando vai anoitecer
G C#m5-/7 F#7 Bm Bm/A
E já sentiram das planícies orvalhadas
E4/7 E7 D# D7
O cheiro doce da frutinha muçambê

C#m5-/7 Cm G/B Bbº


Pois meu amor tem um pouquinho disso tudo
Am7 D7 G
E tem na boca a cor das penas do tié
E4/7 E7 Am7
Quando ele canta os passarinhos ficam mudos
D4/7 D7 G G#º
Sabe quem é o meu amor, ele é você
Am A#º G/B A#º Am7 D7 (int.)
Você, você, você

André Sefione - MPB II 95


Fagner

PENSAMENTO
Intro.: C Gm7 C7/9 F#m7/5- Fm7+ C/E Eb° Dm7 F/G

C Em7
Perdido em meus pensamentos
F G7 Gm7 C7/9
É que me encontro tão só
F7+ G7 C
Na boca um sabor de veneno
D7 G7
No peito aquele nó
C Em7
Esperando em qualquer caminho
F G7 Gm7 C7/9
Um dia te encontrar
F Fm7 C
Peito a peito frente a frente
D7 G7
Meu amor o que é que há
C Em7 F G7 Gm7 C7/9
Ah! meu amor a vida pode se acabar
F/A Fm/Ab C/G
Que queres mais que eu faça
D/F# F/G G7
Além do grito no ar
C Em F G7 Gm7 C7/9
A ilusão do tempo a esperar por mim
F Bb7/9 C D/C G7
Te quero o tempo todo perto de mim
F G
Não sei o que é de direito
C E7 Am7
Mas tudo em mim é você
Am7/G F7+ D C/E
Quando é pra falar de amor
F° D/F# G7
Já começo a enlouquecer
C Em7 F7+ G7 Gm7 C7/9
Ai coração faz o teu fogo arder
F Bb7 C
Naquele abraço amigo
D/C G/B C
Na noite que vai chover
F G
Não sei o que é de direito
C E7 Am7
Mas tudo em mim é você
Am7/G F7+ D C/E
Quando é pra falar de amor
F° D/F# G7
Já começo a enlouquecer
C Em7 F7+ G7 Gm7 C7/9
Ai coração faz o teu fogo arder
F Bb7 C
Naquele abraço amigo
D/C G/B C
Na noite que vai chover
F#m7/5- F7+ Em Eb°
Naquele abraço amigo
Dm7 G7 C
Na noite que vai chover

96 André Sefione - MPB II


Fagner

QUEM ME LEVARÁ SOU EU


(MANDUKA / DOMINGUINHOS)
Intro.: F Em Dm Em F Em Dm C

F Em Am
Amigos a gente encontra
F G7 C
O mundo não é só aqui
F E7 Am Am/G
Repare naquela estrada
D7 G
Que distância nos levará
Gm C7
As coisas que eu tenho aqui
C7 F
Na certa terei por lá
Bm7/5- Em7/9-
Segredos de um caminhão
Am D7 G
Fronteiras por desvendar
Gm C7
Não diga que eu me perdi
F
Não mande me procurar
F#m7/5- B7
Cidades que eu nunca vi
E A7 Dm G7
São casas de braços a me agasalhar
C Gm C7
Passar como passam os dias
F G7
Se o calendário acabar
F G C Am
Eu faço contar o tempo outra vez sim
Dm G7 C
Tudo outra vez a passar
F Em
Não diga que eu fiquei sozinho
Dm Em
Não mande alguém me acompanhar
Gm C7 F
Repare a multidão precisa
F G7 C
De alguém mais alto a lhe guiar
C D/C
Quem me levará sou eu
Bm7/5- E7 Am
Quem regressará sou eu
Gm C7 F
Não diga que eu não levo a guia
F G7 C
De quem souber me amar

André Sefione - MPB II 97


Fagner

REVELAÇÃO
(CLODO / CLESIO)

Intro.: ( Am Am/G F7+ E7 ) 2x

Am Am/G F
Um dia vestido de saudade viva
G E7/4 E7
Faz ressuscitar
Am Am/G F
Casas mal vividas, camas repartidas
G E [62-32] [63-33] E/Ab
Faz se revelar

A C#m7 Em7 A7 D Dm/F


Quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar
A E/Ab F#m B7
Sentimento ilhado, morto, amordaçado
E7
Volta a incomodar

A C#m7 Em7 A7 D Dm/F


Quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar
A F#m B7
Sentimento ilhado, morto, amordaçado
E7 Am Am/G F7+ E7 Am Am/G F7+ E [62-32] [63-33] E/Ab
Volta a incomodar

A C#m7 Em7 A7 D Dm/F


Quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar
A F#m B7
Sentimento ilhado, morto, amordaçado
E [62-32] [63-33] E/Ab
Volta a incomodar
A C#m7 Em7 A7 D Dm/F
Quando a gente tenta de toda maneira dele se guardar
A F#m B7
Sentimento ilhado, morto, amordaçado
E7 Am Am/G F7+
Volta a incomodar
E7 Am Am/G F7+
Volta a incomodar
E7 (Am Am/G F7+ E7)
Volta a incomodar

98 André Sefione - MPB II


Fagner

SINAL FECHADO
Intro.: |Em Em/G| |Em Em/G| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#|Am Am/C|
|B7 B7/F#| |Em| |Em/D| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#| |F| |F|

|Em Em/G| |Em Em/G|


Olá, como vai ?
|F#/4-/7 F#/4-/7/C#| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#|
Eu vou indo e você, tudo bem ?
|Em Em/G|
Tudo bem eu vou indo correndo
|Em Em/G| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#| |F#/4-/7 F#/4-/7/C#|
Pegar meu lugar no futuro, e você ?
|Am Am/C|
Tudo bem, eu vou indo em busca
|B7 B7/F#| |Em| |Em/D|
De um sono tranquilo, quem sabe ...
|F#/4-/7 F#/4-/7/C#|
Quanto tempo... pois é...
|F#/4-/7 F#/4-/7/C#| |F| |F|
Quanto tempo...
|Em| |Em|
Me perdoe a pressa
|Am Am/G| |D/F#|
É a alma dos nossos negócios
|G|
Oh! Não tem de quê
|C| |C#°| |C°|
Eu também só ando a cem
|Am Am/G| |D/F#|
Quando é que você telefona ?
|G| |G|
Precisamos nos ver por aí
|C| |C|
Pra semana, prometo talvez nos vejamos
|C#°| |C°|
Quem sabe ?
|C#°| |C°|
Quanto tempo... pois é... (pois é... quanto tempo...)
|Em| |Em/D| |C| |B7|
|Em| |Em/D|
Tanta coisa que eu tinha a dizer
|C| |B7|
Mas eu sumi na poeira das ruas
|Em| |Em/D|
Eu também tenho algo a dizer
|C| |B7|
Mas me foge a lembrança

|Am Am/G| |D/F#|


Por favor, telefone, eu preciso
|G| |C|
Beber alguma coisa, rapidamente
|C#°|
Pra semana
|C°|
O sinal ...
|C#°|
Eu espero você
|C°|
Vai abrir...
|C#°| |C°|
Por favor, não esqueça,
Adeus...
( |C#°| |C°| )Até o fim

André Sefione - MPB II 99


Fagner

VOCÊ ENDOIDECEU MEU CORAÇÃO


Intro: Dm Gm A Dm

Dm Gm
Você endoideceu meu coração,
C F
Endoideceu
Gm
E agora o que é que eu faço sem o teu amor
A Dm
Agora o que é que eu faço sem o beijo teu
Gm
Eu nem pensei já tava te amando
C F
Meu corpo derretia de paixão
Gm A Dm
Queria tá contigo a todo instante
Gm
Te abraçando, te beijando
A Dm
Te afagando de emoção
Gm
Ficar na tua vida eu quero muito
C F
Grudar pra nunca mais eu te perder
Gm A Dm
Você é como água de cacimba
Gm
Limpa, doce e saborosa
A Dm
Todo mundo quer beber

100 André Sefione - MPB II


Fagner

ÚLTIMO PAU-DE-ARARA
Intro: (E7 Am B7 Em)

Em B7
A vida aqui só é ruim
Em
Quando não chove no chão
B7
Mas se chover dá de tudo
E7
Fartura tem de montão
Am
Tomara que chova logo
D7 G
Tomara, meu Deus, tomara
E7 Am
Só deixo o meu Cariri
B7 Em
No último pau-de-arara

B7
Enquanto a minha vaquinha
Em
Tiver o couro e o osso
B7
E puder com o chocoalho
E7
Pendurado no pescoço
Am
Vou ficando por aqui
D7 G
Que Deus do céu me ajude
E7 Am
Quem sai da terra natal
B7 Em
Em outro canto não pára
E7 Am
Só deixo o meu Cariri
B7 Em
No último pau-de-arara
E7 Am
Só deixo o meu Cariri
B7 Em
No último pau-de-arara

André Sefione - MPB II 101


FORRÓS
FAROL DE OLINDA / FORRÓ EM LIMOEIRO
C G
Quem vai pro farol é o bonde de Olinda
C Refrão
Quem vai pro forró de Olinda sou eu

G7 C
Eu vou dançar no mercado da Ribeira
G7 C
Vou subir descer ladeira com o meu forró fiá
G7 C
Eu vou subindo chego no alto da Sé
G7 C
Canto Olinda mulher depois vou pra beira mar [ Refrão ]

Eu vou cantar ciranda, côco e baião


Pra lembrar de Gonzagão na praça do Jacaré
Pra quem quiser canto Jacson do Pandeiro
É assim o meu roteiro é assim o meu trupé [ Refrão ]

É mestre Ambrósio e o forró pede calçada


Casca, Buli e o camarada também vem o forró fiá
Vou convidar Salustiano com a rabeca
Antulio com a boneca para o forró esquentar [ Refrão ]

O meu forró tem Mateus tem Catarina


Dona Selma e muita rima no côco pra se cantar
Eu vou chamar e pra marcar sua presença
Tonhedo e Alceu Valença na pancada do ganzá [ Refrão ]

C Dm G7 C
Também fui ao forró em Limoeiro. Tinha gente que nem dá pra contar
Am Dm G7 C BIS
O forró táva bom, táva beleza. Só voce vendo para acreditar

C7 F
Eu tirei uma morena pra dançar
G7 C
Ela pegou uma ginga maneira
Am Dm
Eu dançava forró, ela calango
G7 C
Descobri que a morena era mineira [ Refrão ]

C7 F
Todo mundo parava pra olhar
G7 C
A mineira fazendo exibição
Am Dm
Dançado calango de pé trocado
G7 C
Eu dançando um forró de Gonzagão
C7 F
Quando estava amanhecendo o dia
G7 C
Pedi mais um forró ao sanfoneiro
Am Dm
Ai se misturou lá no salão
G7 C
O forró com o calango mineiro [ Refrão ]

G7 F C
É mineirinho, maneirinho, miudinho
F G7 F C
O forró acochadinho tão bonzinho de dançar
G7 F C
É mineirinho, maneirinho, miudinho
Am Dm G& C
Ouro Preto bate o sino que eu respondo no ganzá
102 André Sefione - MPB II
Forró

ESTRELA MATUTINA / MEU PASSARINHO


( )

E A E
Eu vi o sol e estrela matutina
E A E Bis
Vou pra Campina nessa estrada pelo ar

E7
Sai do Rio de Janeiro as nove horas
A B E
Quando sol feito uma bola derramava seu clarão
E7
Botando fogo nas água da Guanabara
A B E
Feito fogo de coivara e eu nas asas do avião [ Refrão ]

C#m G#m
Sou Azulão passarinho cantador
A B E
Cantor das festas de São Pedro e São João
F# G#7 C#m
Vou no destino da cidade de Campina
F# G#7 C#m
Ver as meninas, hoje eu sei que vou brincar
F# G#7 E
Brilhar bonito feito estrela matutina
C#m F# A E
( Te encantar menina, ser seu sabiá ) 2 vezes
C#m F# A E
Te encantar men i i na [ Refrão ]

Introd.: [ C#m , G#m , A , B, E ] [ F#m , C#m , A , B , E ]

E D A E D A E
Meu passarinho foi embora. Bateu asa e voou
C#m A B E BIS
E eu já estou contando as horas. De rever o meu amor

D A E
Faz tanto tempo e hoje lembrei de voce
C#m G#m
Sem dor no peito relembrei o que passou BIS
A E
Na grama fina nos molhamos de sereno
F#m B E
E como cobra no veneno misturamos nosso amor

G#7 C#m G#7 C#m


Eu viajei por muito tempo, morena como o rio viajou
F# B F# B Bº C#m
Carregando essa tristeza, morena, navegando em minha dor
A#7
Mas o tempo foi passando
D#m C7
Voce nunca mais voltou
Fm
E hoje a volta das lembrança
C#7 C71 Fm B7 E
( Me feriu e magoou ) 3 vezes [ Refrão ]

D A E
Faz tanto tempo e eu só escuto meu caminho
C#m G#m
A voz do vento teu andar no meu quintal
A E
E sei que o tempo foge do ressentimento
F#m B E
Pois o amor no pensamento é quase sobrenatural [ Refrão ]

André Sefione - MPB II 103


Forró

PETROLINA E JUAZEIRO
( )

Introd.: Am , Am/G , F7+ , E7 , Dm , G7 , Am , Dm , E7 , A7

Am E7 Am
Na margem do São Francisco nasceu a beleza
E7 Am
E a natureza ela conservou

A7 Dm G7 C
Jesus abençoou com sua mão divina
Am F (Dm) E Am BIS
Pra não morrer de saudade vou voltar pra Petrolina

Am E7 Am
Do outro lado do rio tem uma cidade
E7 Am
Que na minha mocidade eu visitava todo dia

A7 Dm G7 C
Atravessava a ponte ai que alegria
Am F (Dm) E Am BIS
Chegava a Juazeiro, juazeiro da Bahia

Dm G7 C
Hoje me lembro que no tempo de criança
E7 Am
Esquisita era a carranca e o apito do trem
A7 Dm G7 C
Mas achava lindo quando . . . . . . . . levantava
Am Dm E7 A7
E o vapor passava num gostoso vai e vem

Dm G7 C Am Dm E7 A7
Petrolina. Juazeiro. Juazeiro. Petrolina
Dm G7 C
Todas duas eu acho uma coisa linda
Am F (Dm) E7 Am
Eu gosto de Juazeiro e adoro Petrolina
E7 Am
( Eu gosto de Juazeiro e adoro Petrolina ) 4 vezes

104 André Sefione - MPB II


Forró

ALEGRIA E SORRISO / FORRÓ QUENTÃO


( )
Introd.: A , E7

E7 A F# Bm
Eu quero sorriso, eu quero alegria
E7 A BIS
Eu quero voltar, pra minha Bahia, eu quero
A
Eu quero me cansar, eu quero sapatear
E7
Eu quero ver loucura e pode forrórear

Dançando de culote, cochilando no cangote


A
E bebo tá de macote, de tanto copo virar, mas eu quero...

A
Eu quero ter, ter um mundão de paz
E7
A benção do Senhor eu quero todo dia

Eu quero ver Maria, eu quero muita grana


A
Pra todo fim-de-semana poder fazer folia, mas eu quero...

A F# Bm
Eu convidei toda ribeira pra dançar.
E7 A
Esse pagode na história vai ficar
A7 D
O sanfoneiro daqui aguenta o trupé.
E7 A A7
Homem perto de mulher, pólvora perto de tição
D Dm A
A gente aqui vai se esfregando se esquentando
F# Bm E7 A A7 BIS
E o povo vai gritando pegou fogo no salão

E7 A
É o forró quentão, é o forró quentão
E7 A
Quem quiser se incendiar caia aqui nesse salão
E7 A
É o forró quentão, é o forró quentão
F# Bm E7 A
Ninguém apaga esse fogo que hoje é noite de São João
E7 A
O forró quentão é um forró diferente
E7 A
Dá um calor derepente, a nêga aperta a gente
A7 D Dm A
A gente aperta a nêga dentro do salão
F# Bm E7 A
Morre tudo derretido na quintura do baião

André Sefione - MPB II 105


Forró

JOÃO E MARIA / MENINA APIMENTADA


( )
Introd.: Dm, A7

Dm Gm A7 Dm
Me aperte, me segure, me abrace amor
Gm A7 Dm BIS
Eu só vou sair daqui quando sentir o seu calor

Neste aperta me segura , João apertava Maria


D7 Gm
Maria apertava João ficavam nessa agonia
A7 Dm
E naquele vai-e-vém beijo vinha, beijo ia Refrão

João dizia pra Maria: - Eu não vou sair daqui.


D7 Gm
Se mandar embora eu não vou, nem deixo voce sair
A7 Dm
Só vou embora depois que eu te beijar meu amor
A7 Dm
E voce me beijar também e sentir o meu calor

A7
Essa menina. Essa menina é uma brasa.
Dm
Essa menina. E ela é apimentada
A7
Essa menina. Essa menina é uma brasa
Dm
Essa menina. E ela é cobra criada

Gm A7 Dm
Essa menina tudo que ela vê
Gm A7 Dm
Tudo quer saber, tudo quer contar
D7 Gm A7 Dm
Quer observar tudo direitinho
A7 Dm
Mas nunca fala quando nós tãmo sozinho Refrão

Gm A7 Dm
Essa menina faz tudo com jeitinho
Gm A7 Dm
Gosta de amar, gosta de carinho
Gm A7 Dm
Gosta de beijar, mas fica caladinha
A7 Dm
Se alguém pergunta ela diz que está sozinha Refrão

106 André Sefione - MPB II


Forró

FORRÓ DO BOLE-BOLE / FORRÓ DESARMADO


( )
Introd.: Cm , G

Cm Fm
Morena quando tu chega com teu bole-bole
G Cm
No forró eu fico tonto, de juízo mole
C7 Fm
Louco, enciumado só de tanto ouvir dizer
Cm G7 Cm G7 Cm
Gente chega que a Nêga vai mexer pra a gente ver. Hum

Fm
E quando para o tocador que tu fica sozinha
G Cm
No salão se requebrando nessas tamanquinhas
C7 Fm
Fico rouco de gritar, só pedindo pra voce
Cm G7 Cm Introd.
Mexe Nêga no capricho, bota os cabra pra roer

Mudança de tom para Dm : Cm , A7 , Dm

Introd.: Dm , C, Dm , Gm , Dm , A7 , Dm

A7
Pode dançar a noite inteira, até amanhecer o dia
Dm
Que a nossa brincadeira é uma eterna alegria
D7 Gm
Mas o senhor não tem respeito, é um homem mal educado
Dm A7 Dm
Sabe que não é de direito, mas o senhor tá dançando armado

A7 Dm
O senhor tá dançando armado, o senhor tá dançando armado
A7 Dm BIS
O senhor tá dançando armado, nós vamos dizer pro delegado

A7
Todo mundo se desarmou, pra poder dançar com mais jeito
Dm
A mulherada até que gostou, achou isso muito bem feito
D7 Gm
Só o senhor tá desconforme, então vai ser logo encanado
Dm A7 Dm
Porque a polícia não dorme e nós vamos dizer pro delegado

André Sefione - MPB II 107


Forró

CHINELO DE ROSINHA / FORRÓ DO CLARO


( )
Introd.: Dm , A7

Dm A7
Dizem que Rosinha gosta muito de dançar
Dm
Não pode ver um forró que ela logo quer entrar
D7 Gm
Achei interessante, não deixei de reparar
Dm A7 Dm
A sola do chinelo dela que é danado pra chiar
A7
É o chinelo. É o chinelo dela.
Dm
É o chinelo. É o chinelo dela.
D7 Gm
É o chinelo. É o chinelo dela.
Dm A7 Dm
A sola do chinelo dela que danada pra chiar
Dm A7
Já de madrugada quase no fim do forró
Dm
Todo mundo já cansado, Rosinha dançava só
D7 Gm
O povo admirado formando aquela rodinha
Dm A7 Dm
Só falava no chiado do chinelo de Rosinha Refrão

Introd.: Dm , A7 , Dm

Dm Gm Dm A7
Nesse forró a gente tem vergonha de dançar agarradinho
Dm A7
Aqui tem muito lampião aceso (2 VEZES)
Dm
Aqui tem muito lampião

A7
Apaga o lampião, esconde o lampião
Dm BIS
Que a dança só é boa na escuridão

Dm Gm Dm
A mulherada tá pegando fogo
A7 Dm
Tá que nem uma fogueira pra queimar meu coração
A7 Dm
Acesa, pra queimar meu coração (3 VEZES) Refrão

Dm Gm Dm
A gente dança mas cadê coragem
A7 Dm
De pegar voce morena te dar beijo no salão
A7 Dm
Morena, te dar beijo no salão (2 VEZES) Refrão

108 André Sefione - MPB II


Forró

O CHAMEGO DELA / O TRÊM PEGA


Introd.: F , Em , Dm , C , C7 / F , Em , Dm , C , G7 , C

G7 C
Voce tem um machucado que chamego voce tem
G7 C BIS
Voce faz um peneirado quando dança o xê-nhém-nhém

G7 C
Voce se balança quando eu puxo o fole
G7 C
Deixa o corpo mole da aquele jeitinho
D7 G
Não homem que resista essa tentação
F Em
Todo coração fica bem mansinho
F G C
Voce é tão bonita que nem flor de cruatá
G7 C
Que se dana pra cheirar lá no meio da campina
G7 C
E o corpo dessa menina vem mexer com o meu
G7 C
E até já me venceu pode acreditar
F G7 C
Voce pode até ficar no sertão de Nova Exu

G7 C
Mas o diabo do sanfoneiro, vai casar com tu
G7 C
Vai casar com tu, vai casar com tu
G7 C
Mas o diabo do sanfoneiro, vai casar com tu Introdução

G7 C G7 C
Mulher na linha o trem pega, o trem pega, o trem pega
G7 C G7 C BIS
Homem na linha o trem pega, o trem pega, o trem pega

C7 F G C
Eu não ponho a mão no fogo por ninguém pra não queimar
Am Dm G7 C
E nem quero andar na linha que é pro trem não me pegar
C7 F G C
Eu cansei de avisar mas ninguém me escutou
Am Dm G7 C
A mulher que andava na linha que eu conhecia o trem pegou Refrão

C7 F G C
Quem quiser andar na linha é preciso ter cuidado
Am G7 C
Porque pode dar azar e vir um trem da cada lado Refrão

André Sefione - MPB II 109


Forró

MENINO DE COLO
Introd.: Dm Am E7 Am A7
Ah, ah, ah, ah, ah. Neném quer apanhar BIS

Am
Quando eu era criança todo mundo me pegava
Dm
As mocinhas bonita dava beijo e segurava

Me botava no colo na banheira me banhava


Am
Trocava minha fralda nem se quer me censurava

Me dava chupetinha pra eu chupar, eu não chupava


A7 Dm
Eu era tão bestinha, abria a boca e chorava
Dm Am
Chorava porque eu queria o colo
E7 Am A7 BIS
Da mocinha mais bonita, daquela que me beijava
E7
Eu queria estar no colo daquela que me beijava
Am BIS
Queria estar no colo daquela que me beijava

O tempo foi passando, eu fui crescendo, fui crescendo


Dm
De menino criança, homem feito já morrendo

Morrendo de saudade das mocinha me querendo


Am
Da fralda, da chupeta, da banheira me aquecendo

Eu tenho na cabeça uma coisa me dizendo


A7 Dm
Que as mocinhas de ontem hoje estão envelhecendo
Dm Am
Queria mesmo assim o colo dela
E7 Am A7 BIS
Porque é no colo dela que eu vou logo me aquecendo
E7
Eu queria estar no colo daquela que me beijava
Am BIS
Queria estar no colo daquela que me beijava

Dm Am E7 Am A7
Ah, ah, ah, ah, ah. Neném quer apanhar BIS

110 André Sefione - MPB II


GALDÉRIAS
CANTO ALEGRETENSE
Intro: C

C G
Não me perguntes onde fica o Alegrete
C C7
Segue o rumo do seu próprio coração
F G C Am
Cruzarás pela estrada algum ginete
Dm G C
E ouvirás toque de gaita e violão
G
Prá quem chega de Rosário ao fim da tarde
C C7
Ou quem vem de Uruguaiana de manhã
F G C Am
Tem o sol como uma brasa que ainda arde
Dm G C
Mergulhado no Rio Ibirapuitã
G C
Ouve o canto gaucheso e brasileiro
G C C7
Desta terra que eu amei desde guri
F G C Am
Flor de tuna, camoatim de mel campeiro
Dm G C
Pedra moura das quebradas do Inhanduy
G
E na hora derradeira que eu mereça
C C7
Ver o sol alegretense entardecer
F G C Am
Como os potros vou virar minha cabeça
Dm G C
Para os pagos no momento de morrer
G
E nos olhos vou levar o encantamento
C C7
Desta terra que eu amei com devoção
F G C Am
Cada verso que eu componho é um pagamento
Dm G C
De uma dívida de amor e gratidão

André Sefione - MPB II 111


Gaúchas

CÉU, SOL, SUL

G
Eu quero andar nas coxilhas
C G
Sentindo as flexilhas das ervas do chão
B7 Em
Ter os pés roseteados de campo
A7 D7
Ficar mais trigueiro que o sol de verão
G C
Fazer versos cantando as belezas
B7 Em
Desta natureza sem par
C G
E mostrar para quem quiser ver
D7 G
Um lugar prá viver sem chorar
C G
E mostrar para quem quiser ver
D7 G
Um lugar prá viver sem chorar

É o meu Rio Grande do Sul


C G
Céu, sol, sul, terra e cor
C G
Onde tudo que se planta cresce
D7 G
E o que mais floresce é o amor

Eu quero me banhar nas fontes


C G
E olhar o horizonte com Deus
B7 Em
E sentir que as cantigas nativas
A7 D7
Continuam vivas para os filhos meus
G C
Ver os campos florindo e crianças
B7 Em
Sorrindo felizes a cantar
C G
E mostrar para quem quiser ver
D7 G
Um lugar prá viver sem chorar
C G
E mostrar para quem quiser ver
D7 G
Um lugar prá viver sem chorar
REFRÃO

112 André Sefione - MPB II


Gaúchas

DESGARRADOS
Intro: G
G Bm Em
Eles se encontram no cais do porto pelas calçadas
Am D
Fazem biscates pelos mercados, pelas esquinas
D7 B7 Em
Carregam lixo, vendem revistas, juntam baganas
Am D G
E são pingentes nas avenidas da capital

Bm Em
Eles se escondem pelos botecos entre os cortiços
Am D
E prá esquecerem contam bravatas, velhas histórias
D7 B7 Em
Então são tragos, muitos estragos, por toda noite
Am D G
Olhos abertos, o longe é perto e o que vale é o sonho

C D G Em
Sopram ventos desgarrados, carregados de saudade
C D
Viram copos, viram mundos,
G C
Mas o que foi nunca mais será
D G C
Mas o que foi nunca mais será
D G C D7
Mas o que foi nunca mais será ... ah.

G Em
Cevavam mate, sorriso franco, palheiro aceso
Am D
Viravam brasas, contavam causos polindo esporas
D7 B7 Em
Geada fria,café bem quente, muito alvoroço
Am D G
Arreios firmes e nos pescoços lenços vermelhos
C D G
Jogo do osso, cana-de-espera e o pão de forno
Am B7 Dm
O milho assado, a carne gorda e a cancha reta
C D G Em
Faziam planos e nem sabiam que eram felizes
Am D7 G
Olhos abertos, o longe é perto e o que vale é o sonho.
Bm Em
Eles se encontram no cais do porto pelas calçadas
Am D
Viravam brasas, contavam causos polindo esporas
D7 B7 Em
Carregam lixo, vendem revistas, juntam baganas
Am D G
Arreios firmes e nos pescoços lenços vermelhos
Bm Em
Cevavam mate, sorriso franco, palheiro aceso
Am D
Fazem biscates pelos mercados, pelas esquinas
D7 B7 Em
Geada fria, café bem quente, muito alvoroço
Am D G
E são pingentes nas avenidas da capital

Sopram ventos desgarrados...

André Sefione - MPB II 113


Gaúchas

HORIZONTES
(FLAVIO BICA ROCHA)

Introd.: G
G D/F#
Há muito tempo que ando
Em Em/D
Nas ruas de um porto não muito alegre
C7+ Bm7
E que no entanto nos traz encantos
Am7 D
Em um pôr do sol nos traduz em versos
G D/F#
De seguir livres muitos caminhos
Em Em/D
Arando terras provando vinhos
C7+ Bm7
De ter idéias de liberdade
Am7 D
De ter amor em todas idades
G D/F#
Nasci chorando moinhos de vento
Em Em/D
Subir no bonde descer correndo
C7+ Bm7
A boa funda de goiabeira
Am7 D
Jogar bolita, pular fogueira
G D/F#
64 66
Em Em/D
68 mau tempo talvez
C7+ Bm7
Anos 70, não deu pra ti
Am7 D G D/F# C D G
Mas nos 80 eu não vou me perder por aí

114 André Sefione - MPB II


Gaúchas

PRENDA MINHA
(FOLCLORE GAÚCHO)

A E7
Vou-me embora, vou-me embora prenda minha
A
Tenho muito que fazer
E7
Tenho de parar rodeio prenda minha
A
No campo do bem querer
E7
Tenho de parar rodeio prenda minha
A
No campo do bem querer

E7
Noite escura, noite escura prenda minha
A
Toda noite me atentou
E7
Quando foi de madrugada prenda minha
A
Foi-se embora e me deixou
E7
Quando foi de madrugada prenda minha
A
Foi-se embora e me deixou

E7
Troncos secos deram frutos prenda minha
A
Coração reverdeceu
E7
Riu-se a própria natureza prenda minha
A
No dia em que o amor nasceu
E7
Riu-se a própria natureza prenda minha
A
No dia em que o amor nasceu

André Sefione - MPB II 115


Gaúchas

VENTO NEGRO
(JOSÉ FOGAÇA)

Introd.: D E7 G E7 D
D A7 D
Onde a terra começar, Vento Negro, gente eu sou,
G A7 G A7
Onde a terra terminar, Vento Negro eu sou.
D A7 D
Quem me ouve vai cantar, quero luta, guerra não,
G A7 G A7 D
Erguer bandeira sem matar, Vento Negro é furacão.
G A7
Com a vida, o tempo, a trilha, o sol,
F#m G
Um vento forte, se erguerá arrastando
A7
o que houver no chão.
G A7
Vento negro, campo a fora,
F#m G E7
Vai correr, quem vai embora tem que saber,
A7 D
É viração.
D E7 G E7 D
A7
Nos montes, vales que venci,
D
No coração da mata virgem,
G A7
Meu canto eu sei, há de se ouvir,
G A7
Em todo o meu país.
D A7
Não creio em paz sem divisão,
D
De tanto amor que eu espalhei,
G A7
Em cada céu, em cada chão,
G A7 D
Minha alma lá deixei.
Com a vida....

116 André Sefione - MPB II


GERALDO AZEVEDO
BICHO DE SETE CABEÇAS

INTRO: F# F#/E F#/C# F#/Bb Bm

Bm Em
Não dá pé, não tem pé nem cabeça
A
Não tem ninguém que mereça
D
Não tem coração que esqueça

Não tem jeito mesmo


G G#°
Não tem dó no peito, não tem nem talvez
F#
Ter feito o que você me fez, desapareça
F#/C#
Cresça e desapareça

Cresça e desapareça

Bm G/B
Não tem dó no peito, não tem jeito
A
Não tem ninguém que mereça
D
Não tem coração que esqueça
G
Não tem pé, não tem cabeça
G#°
Não dá pé, não é direito
F#
Não foi nada, eu não fiz nada disso e você fez um
F#/C#
Bicho de sete cabeças

Bicho de sete cabeças

André Sefione - MPB II 117


Geraldo Azevedo

CANTA CORAÇÃO
Intr.: D D4 D

D/C G B7 Em
Canta, canta passarinho, canta, canta miudinho
A7 D D4 D
Na palma da minha mão
D/C G B7 Em
Quero ver você voando, quero ouvir você cantando
A7 D D4 D
Quero paz no coração
D/C G B7 Em
Quero ver você voando, quero ouvir você cantando
A7 D D4 D
Na palma da minha mão

D/C G D/F# C
Na palma da minha mão tem os dedos tem as linhas
E7/B Am C7/G F C
Que olhar cigano caminha procurando alcançar
D D/C G/Bb
A nau perdida, o trem que chega, a nova dança
A7 D A7 D D/C
Mata verde esperança, em suas tranças vou voar

G D/F# Em A7 D D4 D
Passarin...in...nho eu vou voar

D/C G D/F# C
Meu alegre coração é triste como um camelo
E7/B Am C7/G F C
É frágil que nem brinquedo, é forte como um leão
D D/C G/Bb
É todo zelo, é todo amor, é desmantelo
A7 D A7 D D/C
É querubim, é cão de fogo, é Jesus Cristo, é Lampião

G D/F# Em A7 D D4 D D/C
Passarin...in...nho eu vou voar
G B7 Em A7 D D4 D D/C
Passarin...in...nho eu vou voar
G D/F# Em A7 D D4 D D/C
Passarin...in...nho eu vou voar

G B7 Em A7 D (...)

118 André Sefione - MPB II


Geraldo Azevedo

CHORANDO E CANTANDO
Intr.: Gm Am7/5- Am7/5-/D

Gm Gm5+
Quando o fevereiro chegar
C7/G Am5+
Saudade já não mata a gente
D7/A Gm
A chama continua
Gm5+ C7/G Am5+
No ar, o fogo vai deixar semente
D7/A Gm
A gente ri, a gente chora
Gm5+ C7/G Am5+
Ai, ai... ai, ai, a gente chora
D7/A Gm
Fazendo a noite parecer um dia

Gm5+ C7/G F F/D


Faz mais, depois faz acordar cantando
Gm Am7/5- D7 Gm
Pra fazer e acontecer verdades e mentiras
Gm5+ C7/G F F/D
Faz crer, faz desacreditar de tudo
Gm Am7/5- D7
E depois, depois do amor, amo-o-or

Gm Gm5+ C7/G Am5+ D7/A


Ninguém, ninguém verá o que eu sonhei
Gm Gm5+ C7/G Am5+ D7/A
Só você, oh, meu amor, ninguém verá o sonho que sonhei
Gm Gm5+
Um sorriso quando acordar
C7/G Am5+
Pintado pelo sol nascente
D7/A
Eu vou te procurar
Gm Gm5+ C7/G Am5+
Na luz de cada olhar mais diferente
D7/A
Tua chama me ilumina
Gm Gm5+ C7/G Am5+
Me faz virar um astro incandescente
D7/A Gm
O teu amor faz cometer loucuras

Gm5+ C7/G F F/D


Faz mais, depois faz acordar chorando
Gm Am7/5- D7 Gm
Pra fazer e acontecer verdades e mentiras
Gm5+ C7/G F F/D
Faz crer, faz desacreditar de tudo
Gm Am7/5- D7 Gm
E depois, depois do amor, amo-o-or, amor...ô...ô

André Sefione - MPB II 119


Geraldo Azevedo

DIA BRANCO
Intr.: A1 A2 A3 A4 D E

A1 E1 G/A D/F# D/F


Se você vier pro que der e vier comigo
E A D7+/F D7+/F#
Eu te prometo o sol... se hoje o sol sair
D7+/G D E E7 A1
ou a chuva... se a chuva cair
A2 A3 A4 D C#m
Se você vier até onde a gente chegar
Bm Bm/A E E4
Numa praça na beira do mar
E7 A1
Um pedaço de qualquer lugar
A2 A3 A4 D
Neste dia branco se branco ele for
C#m C7/9- F#m E
Esse tan...to, esse canto de amor
D Do
Se você quiser e vier
E E7 A
Pro que der e vier comigo

120 André Sefione - MPB II


Geraldo Azevedo

O AMANHÃ DISTANTE
Intr.: (C F) F C

C F C F
E se hoje não fosse essa estrada
C F C F C
Se a noite não tivesse tanto atalho
F G C F C
O amanhã não fosse tão distante
F G C F C
Solidão seria nada pra você

F G C
Se ao menos o meu amor estivesse aqui
F G C
E eu pudesse ouvir o seu coração
F G C
Se ao menos mentisse ao meu lado
F G C F mudar tom (D G)
Estaria em minha cama... outra vez

C F C F
Meu reflexo não consigo ver na água
C F C F C
Nem fazer canções sem nenhuma dor
F G C
Nem ouvir o eco dos meus passos
F G C
Nem lembrar meu nome quando alguém chamou Se ao menos

MUDANÇA DE TOM

D G D G
Há beleza no rio do meu canto
D G D G D
Há beleza em tudo o que há no céu
G A D
Porém nada com certeza é mais bonito
G A D
Quando lembro dos olhos do meu bem

G A D
Se ao menos o meu amor estivesse aqui
G A D
E eu pudesse ouvir o seu coração
G A D
Se ao menos mentisse ao meu lado
G A ( D G)
Estaria em minha cama... outra vez

André Sefione - MPB II 121


GERALDO VANDRÉ
DISPARADA
(Geraldo Vandré e Theo)

Introd.: C , G/B , D F , A , D

A D A D D7
Prepare o seu coração prás coisas que eu vou contar
G A7 D F# Bm
Eu venho lá do sertão, eu venho lá do sertão
F# G A D
Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar
A D A D D7
Aprendi a dizer não, ver a morte sem chorar
G A7 D F# Bm
E a morte, o destino, tudo, a morte e o destino, tudo
F# G A D
Estava fora do lugar, eu vivo prá consertar

D7 G G#O A
Na boiada já fui boi, mas um dia me montei
A#O Bm A D
Não por um motivo meu, ou de quem comigo houvesse
F# Bm F# G
Que qualquer querer tivesse, porém por necessidade
A D G A D
Do dono de uma boiada cujo vaqueiro morreu

A D A D D7
Boiadeiro muito tempo, laço firme e braço forte
G A7 D F# Bm
Muito gado, muita gente, pela vida segurei
F# G A D
Seguia como num sonho, e boiadeiro era um rei
A D A D D7
Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
G A7 D F# Bm
E nos sonhos que fui sonhando, as visões se clareando
F# G A D
As visões se clareando, até que um dia acordei

C , G/B , D F , A , D

122 André Sefione - MPB II


Continua

A D A D D7
Então não pude seguir valente em lugar tenente
G A7 D F# Bm
E dono de gado e gente, porque gado a gente marca
F# G A D
Tange, ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente
A D A D D7
Se você não concordar não posso me desculpar
G A7 D F# Bm
Não canto prá enganar, vou pegar minha viola
F# G A D
Vou deixar você de lado, vou cantar noutro lugar

D7 G G#O A
Na boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei
A#O Bm A D
Não por mim nem por ninguém, que junto comigo houvesse
F# Bm F# G
Que quisesse ou que pudesse, por qualquer coisa de seu
A D G A7 D
Por qualquer coisa de seu querer ir mais longe que eu

C , G/B , D F , A , D

André Sefione - MPB II 123


Geraldo Vandré

PRA NÃO DIZER QU NÃO FALEI DE FLORES


(Geraldo Vandré)

Em D Em
Caminhando e cantando e seguindo a canção
D Em
Somos todos iguais braços dados ou não
D Em
Nas escolas nas ruas nos campos contruções
D Em
Caminhando e cantado e seguindo a canção

D Em
Vem vamos embora que esperar não é saber
D Em
Quem sabe faz a hora não espera acontecer
D Em
Pelos campos a fome em grandes plantações
D Em
Pelas ruas marchando indecisos cordões
D Em
Inda fazem da flor seu mais forte refrão
D Em
E acreditam nas flores vencendo o canhão Refrão:

D Em
Há soldados armados amados ou não
D Em
Quase todos perdidos de armas na mão
D Em
Nos quartéis lhes ensinam antigas lições
D Em
De morrer pela pátria e viver sem razão Refrão:

D Em
Os amores na mente as flores no chão
D Em
A certeza na frente a história na mão
D Em
Caminhando e cantando e seguindo a canção
D Em
Aprendendo ensinando uma nova lição.

124 André Sefione - MPB II


LENINE
A PONTE
(LENINE E LULA QUEIROGA)

Intro: ( Em G A )
Como é que faz pra lavar a roupa?
Vai na fonte, vai na fonte
Como é que faz pra raiar o dia?
No horizonte, no horizonte
Este lugar é uma maravilha
Mas como é que faz pra sair da ilha?
Pela ponte, pela ponte

A ponte não é de concreto, não é de ferro


Não é de cimento
A ponte é até onde vai o meu pensamento
A ponte não é para ir nem pra voltar
A ponte é somente pra atravessar
Caminhar sobre as águas desse momento

A ponte nem tem que sair do lugar


Aponte pra onde quiser
A ponte é o abraço do braço do mar
Com a mão da maré
A ponte não é para ir nem pra voltar
A ponte é somente pra atravessar
Caminhar sobre as águas desse momento

Nagô, nagô, na Golden Gate


Entreguei-te
Meu peito jorrando meu leite
Mas no retrato-postal fiz um bilhete
No primeiro avião mandei-te
Coração dilacerado
De lá pra cá sem pernoite
De passaporte rasgado
Sem ter nada que me ajeite
Coqueiros varam varandas no Empire State
Aceite
Minha canção hemisférica
A minha voz na voz da América
Cantei-te
Amei-te

André Sefione - MPB II 125


LENINE

CANDIEIRO ENCANTADO
(LENINE E LULA QUEIROGA)
Intro: ( Em G A )

( Em G A )
Lá no sertão cabra macho não ajoelha,
Nem faz parelha com quem é de traição,
Puxa o facão, risca o chão que sai centelha,
Porque tem vez que só mesmo a lei do cão.

C Am
É Lamp, é Lamp, é Lamp...
Em G A Em G A
É Lampião
C Am
Meu candeeiro encantado...
( Em G A )
Meu candeeiro encantado...

Enquanto a faca não sai toda vermelha,


A cabroeira não dá sossego não,
Revira bucho, estripa corno, corta orelha,
Que nem já fez Virgulino, o Capitão.

Já foi-se o tempo do fuzil papo amarelo,


Pra se bater com o poder lá do sertão,
Mas Lampião disse que contra o flagelo,
Tem que lutar de parableo na mão.

C Am
É Lamp, é Lamp, é Lamp...
Em G A Em G A
É Lampião
C Am
Meu candeeiro encantado...
( Em G A )
Meu candeeiro encantado...
C Am ( Em G A )
Meu candeeiro encantado...

Falta o cristão
Aprender com São Francisco,
Falta tratar
O Nordeste como o Sul,
Falta outra vez
Lampião, Trovão, Corisco,
Falta feijão
Invés de mandacaru, falei?

Falta a nação
Acender seu candeeiro,
Faltam chegar
Mais Gonzagas lá de Exú,
Falta o Brasil
De Jackson do Pandeiro,
Maculêlê, Carimbó,
Maracatu. É Lamp, é Lamp, é Lamp...

126 André Sefione - MPB II


LENINE

HOJE EU QUERO SAIR SÓ

D A
Se você quer me seguir,
Bm
Não é seguro.
D A
Você não quer me trancar
G
Num quarto escuro.
Bm G A G
Às vezes parece até que a gente deu um nó,
Bm G A7
Hoje eu quero sair só...
D A
Você não vai me acertar
Bm
À queima-roupa,
D A
Vem cá, me deixa fugir,
G
Me beija a boca.
Bm G A G
Às vezes parece até que a gente deu um nó,
Bm G A7
Hoje eu quero sair só...
...Não demora eu tô de volta...
Bm
Tchau!
G
Vai ver se eu estou lá na esquina, Devo estar
Bm
Tchau!
G
Já deu minha hora
E eu não posso ficar.
Bm
Tchau!
G
A lua me chama,
Eu tenho que ir pra rua.

André Sefione - MPB II 127


LENINE

JACK SOU BRASILEIRO


Intro: ( Em G A )

Jack Soul Brasileiro e que o som do pandeiro


É certeiro e tem direção
Já que subi nesse ringue
E o país do swing
É o país da contradição
Eu canto pro rei da levada
Na lei da embolada
Na língua da percussão
A dança mulango dengo
A ginga do mango lengo
É o charme dessa nação
Quem foi que fez o samba embolar ?
E quem foi que fez o coco sambar ?
Quem foi que fez a ema gemer na boa ?
E quem foi que fez do coco um cocar ?
E quem foi que deixou o oco no lugar ?
E que foi que fez o sapo cantor de lagoa ?
Diz aí Tião ?

- Tião! (oi)
- Foste ? (fui)
- Compraste ? (comprei)
- Pagaste ? (paguei)
- Me diz quanto foi ? (foi 500 réis)
- Me diz quanto foi ? (foi 500 réis)

Jack Soul Brasileiro do tempero


Do batuque, do truque, do picadeiro e do pandeiro
E do repique, do pique do funk rock
Do toque da platinela
Do samba na passarela
Dessa alma brasileira
Despencando na ladeira
Na zoeira da banguela

128 André Sefione - MPB II


LENINE

LEÃO DO NORTE

Em D G
Sou o coração do folclore nordestino
A Em
Eu sou Mateus e Bastião do Boi Bumbá
G A
Sou o boneco do Mestre Vitalino
B Em
Dançando uma ciranda Em Itamaracá
G Am
Eu sou um verso de Carlos Pena Filho
B
Num frevo de Capiba
Em
Ao som da orquestra armorial
C B Em
Sou Capibaribe num livro de João Cabral

Em D G
Sou mamulengo de São Bento do Una
A Em
Vindo no baque solto de Maracatu
Em G A
Eu sou um alto de Ariano Suassuna
B Em
No meio da Feira de Caruaru
G Am
Sou Frei Caneca do Pastoril do Faceta
B
Levando a flor da lira
Em
Pra nova Jerusalém
C B
Sou Luis Gonzaga e eu sou mangue também

(Em Am B)
Eu sou mameluco. Sou de Casa Forte
Sou de Pernambuco. Sou o Leão do Norte

Em D G
Sou Macambira de Joaquim Cardoso
A Em
Banda de Pifo no meio do Carnaval
G A
Na noite dos tambores silenciosos
B Em
Sou a calunga revelando o Carnaval
G Am
Sou a folia que desce lá de Olinda
B
O homem da meia-noite
Em
Eu sou puxando esse cordão
C B
Sou jangadeiro na festa de Jaboatão

André Sefione - MPB II 129


LENINE

MEU AMANHÃ

Intro: Em7/9 A7 C9 A7

Em7/9 A7 C9
Ela é minha delicia Meu brinquedo
C9 A7 C9
O meu adorno Minha certeza, meu medo
A7 C9 Bm7 A7
Janela de retorno É meu céu e meu mal
Bm7 A7 Am7
Uma viagem sideral Ela é o meu vício
Em7/9 A7 Bm7
Ela é minha festa E dependência
C9 C9
Meu requinte Incansável paciência
A7 C9 A7
A única ouvinte E o desfecho final REFRÃO
Bm7 A7 Em7/9 A7
Da minha radio nacional Meu fá, minha fã
Am7 C9 Bm7
Ela é minha sina A massa e a maçã
Bm7 Em7/9 A7
O meu cinema Minha diva, meu divã
C9 C9 Bm7
A tela da minha cena Minha manha, meu amanhã
A7 Em7/9 A7
A cerca do meu quintal Meu lá, minha lã
C9 Bm7
Minha paga, minha pagã
Em7/9 A7 Em7/9 A7
Minha meta, minha metade Meu velar, meu avelã
C9 Bm7 C9 Bm7
Minha seta, minha saudade Amor em Roma, aroma de romã
Em7/9 A7 Em7/9 A7
Minha diva, meu divã O sal e o são
C9 Bm7 C9 Bm7
Minha manha, meu amanhã....2x O que é certo, o que é sertão
Em7/9 A7
Em7/9 A7 Meu Tao, e meu tão...
Ela é minha orgia C9 Bm7
C9 Nau de Nassau, minha nação.
Meu quitute
A7 C9
Insaciável apetite
Bm7 A7
Numa ceia de natal
Em7/9 A7
Ela é minha bela

130 André Sefione - MPB II


LENINE

NA PRESSÃO

Intro: Em A7 Em A7

Em A7
OLHO NA PRESSÃO, TÁ FERVENDO
Em Gº
OLHO NA PANE...LA
Em A7
DINAMITE É O FEIJÃO COZINHANDO
Em Gº
DENTRO DO MOLHO DE...LA

Em Em6
A BRUXA ACENDEU O FO......GO
Gº Em
SE CUIDA, RAPAZIADA
Em Em6
TEM MANDINGA DE CABÔ....CO
Gº Em
MANDANDO NESSA PARADA

Em Em6
GARRAFADA DE SERPE.....NTE

DESPACHO DE CACHOEIRA
Em Em6
QUANTO MAIS O FOGO SOBE
Gº Em
MAIS A PANELADA CHEIRA ((REFRÃO))

Em Em6
A BRUXA MEXEU O CALDO
Gº Em
SE LIGA AÍ, Ô GALERA
Gm Gm6
TÁ PINGANDO NA MISTU.......RA
Gº Em
SALI....VA DA BESTA-FERA

Em Gº
CHACINA NO CENTRO-OESTE
Em Em6
E GUERRILHA NA FRONTEIRA

EMBOSCADA NA AVENI.......DA
Em
TIRO E QUEDA NA LADEI.....RA

MAS FEITIÇO É BUMERANGUE
Em
PERSEGUIN.....DO A FEITICEI.......RA

André Sefione - MPB II 131


LENINE

PACIÊNCIA
(LENINE E DUDU FALCÃO)

Intro: G Em7 C9 G (2X)

G Em7
Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
C9
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
G
A vida não pára
G Em7
Enquanto o tempo acelera e pede pressa
C9
Eu me recuso faço hora, vou na valsa
G
A vida é tão rara
G Em7
Enquanto todo mundo espera a cura do mal
C9
E a loucura finge que isso tudo é normal
G
Eu finjo ter paciência
G Em7
O mundo vai girando cada vez mais veloz
C9
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
G
Um pouco mais de paciência

F
Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Em
Será que temos esse tempo pra perder
C/D Am Em7 G
E quem quer saber, a vida é tão rara... tão rara
F
Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Em
Mesmo quando o corpo pede um pouco mais de alma
C9 Am7 Em7 C9
Eu sei, a vida não pára
G G Em7 C9
A vida não pára não
F
Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Em
Será que temos esse tempo pra perder
C9 Am7 Em7 G
E quem quer saber, a vida é tão rara... tão rara
F
Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Em
Mesmo quando o corpo pede um pouco mais de alma
C9 Am7 Em7 C/D
Eu sei, a vida não pára
G G Em7 C9
A vida não pára não
G
A vida não pára

132 André Sefione - MPB II


LENINE

PEDRA E AREIA
(LENINE E DUDU FALCÃO)

Gm7 F
Olha!
Gm7 F
Que brisa é essa
Gm7 F Gm7 F
Que atravessa a imensidão do mar?
Gm7 F
Rezo
Gm7 F
Paguei promessa
Gm7 F Gm7 F
E fui a pé daqui até Dakar
Gm7 F Bbm C#/G#
Praia, pedra e areia
Cm5/7 Bm5/7 Bbm C#/G#
Boto e sereia, os olhos de Iemanjá
F#+7/4 C#/F C#/E
Água! Mágoa do mundo
C#/Eb
Por um segundo
F#+7/4 Gm7
Achei que estava lá
F Gm7
Olha! Que luz é essa
F Gm7
Que abre um caminho
F Gm7
Pelo chão do mar
Gm7 F
Lua
Gm7 F
Onde começa
Gm7 F Gm7
E onde termina o tempo de sonhar?

Praia...
Gm7 F Gm7
"Eu tava na beira da praia
F Gm7
Ouvindo as pancadas
F Gm7
Das ondas do mar"
Gm7 F
Não vá
Gm7 F
Oh! Morena
Gm7 F Gm7 F
Morena lá que o mar tem areia

André Sefione - MPB II 133


LENINE

RELAMPIANO
(LENINE E PAULINHO MOSKA)

Intr.: Am(7M)9 Am6/9 Am7(9) Am9(#5)

Am(7M)9 Am6/9 Am7(9) Am9(#5)


Tá relampiano Cadê Neném?
Am(7M)9 Am6/9 Am7(9)
Tá relampiano Cadê Neném?
Am9(#5) Am7(9)
Tá vendendo drops no sinal pra alguém
Am9(#5) Am7(9) Am9(#5)
Tá vendendo drops no sinal, ninguém

Am7 Bm7(b5) E7 Am7


Todo dia é dia, Toda hora é hora
Bm7(b5) E7
Neném não demora pra se levantar
Am7 Bm7(b5) E7 Am7
Mãe lavando roupa, pai já foi embora
B7 E7
E o caçula chora, mas há de se acostumar
Bm7(b5) E7 Am7
Com a vida lá de fora do barraco
A7 Dm7
"Hay que endurecer" um coração tão fraco
Ebdim Am7 Bm7(b5) E7 Am(7M)9
Para vencer o medo de trovão Sua vida aponta a contramão

Dm7 G C7+ Am7 Bm7(5b) E7 Am7

REFRÃO

Am7 Bm7(b5) E7 Am7


Tudo é tão normal, todo tal e qual
Bm7(b5) E7
Neném não tem hora pra ir se deitar
Am7 Bm7(b5) E7 Am7
Mãe passando roupa do pai de agora
B7 E7
De um outro caçula que ainda vai chegar
Bm7(b5) E7 Am7
É mais uma boca dentro do barraco
A7 Dm7
Mais um quilo de farinha do mesmo saco
Ebdim Am7 Bm7(b5) E7 Am(7M)9
Para alimentar o novo João Ninguém A cidade cresce junto com Neném

134 André Sefione - MPB II


LUIZ GONZAGA & JACKSON DO PANDEIRO
A VIDA DO VIAJANTE

D Bm C
Minha vida é andar por esse país
D A7
Pra ver se um dia descanso feliz
D A7 D
Guardando as recordações
Em B7 Em
Das terras onde passei
A7 D
Andando pelos sertões
A7 D
E dos amigos que lá deixei

Bm Gbm G D
Chuva e sol / Poeira e carvão
Bm A7 G D
Longe de casa sigo o roteiro
A7 D
Mais uma estação
A7 D
E alegria no coração

D Bm C
Minha vida é andar por esse país
D A7
Pra ver se um dia descanso feliz
D A7 D
Guardando as recordações
Em B7 Em
Das terras onde passei
A7 D
Andando pelos sertões
A7 D
E dos amigos que lá deixei

Bm Gbm G D
Mar e terra / Inverno e verão
Bm A G A
Mostro o sorriso / Mostro a alegria
A7 D
Mas eu mesmo não
A7 D
E a saudade no coração

André Sefione - MPB II 135


Luiz Gonzaga

ASA BRANCA

C F
Quando olhei a terra ardendo
C G C
Com a fogueira de São João
C7 F Fm
Eu perguntei a Deus do céu, ai
G C
Por quê tamanha judiação

F
Que braseiro, que fornaia
C G C
Nem um pé de prantação
C7 F Fm
Por farta d'água perdi meu gado
G C
Morreu de sede, meu alazão

C F
Inté mesmo a asa branca
C G C
Bateu asas do sertão
C7 F Fm
Entonce eu disse, adeus Rosinha
G C
Guarda contigo meu coração

F
Hoje longe muitas léguas
C G C
Numa triste solidão
C7 F Fm
Espero a chuva cair de novo
G C
Pra mim vortá pro meu sertão

F
Quando o verde dos teus óio
C G C
Se espaiá na prantação
C7 F Fm
Eu te asseguro, num chore não, viu?
G C
Que eu vortarei, viu, meu coração

136 André Sefione - MPB II


Luiz Gonzaga

ASSUM PRETO
A7 Dm
Tudo em volta é só beleza
D7 Gm
Sol de Abril e a mata em flor
C7 F Dm
Mas Assum Preto, cego dos olhos
A7 D D7
Num vendo a luz, ai, canta de dor
Gm C7 F Dm
Mas Assum Preto, cego dos olhos
A7 Dm A7
Num vendo a luz, ai, canta de dor

Dm
Tarvez por ignorância
D7 Gm
Ou maldade das pior
C7 F Dm
Furaram os olhos do Assum Preto
A7 D D7
Pra ele assim, ai, cantá de melhor
Gm C7 F Dm
Furaram os olhos do Assum Preto
A7 Dm A7
Pra ele assim, ai, cantá de melhor

Dm
Assum Preto vive solto
D7 Gm
Mas não pode “avuá”
C7 F Dm
Mil vezes a sina de uma gaiola
A7 D D7
Desde que o céu, ai, pudesse olhar
Gm C7 F Dm
Mil vezes a sina de uma gaiola
A7 Dm A7
Desde que o céu, ai, pudesse olhar

Dm
Assum Preto, o meu cantar
D7 Gm
É tão triste como o teu
C7 F Dm
Também roubaram o meu amor
A7 D D7
Que era a luz, ai, dos olhos meus
Gm C7 F Dm
Também roubaram o meu amor
A7 Dm A7
Que era a luz, ai, dos olhos meus

André Sefione - MPB II 137


Luiz Gonzaga

BAIÃO
( Luiz Gonzaga )

D7
Eu vou mostrar pra voces como se dança o baião
G7
E quem quiser aprender é favor prestar atenção

Morena chege pra cá, bem junto ao meu coração


C A7 D7
Agora é só me seguir, pois eu vou dançar o baião

G
Eu já dancei balancê, chamego, samba e xerém

Mas o baião tem um quê, que as outras danças não tem


C7
E quem quiser só dizer, pois eu com satisfação
A7 D
Vou dançar cantando o baião

[ Refrão ]

G
Eu já dancei no Pará, toquei sanfona em Belém

Cantei lá no Ceará, e sei o que me convém


C7
E quem quiser só dizer, pois eu com satisfação
A7 D
Vou dançar cantando o baião

[ Refrão ]

138 André Sefione - MPB II


Jackson do Pandeiro

CANTIGA DO SAPO / A EMA GEMEU


(Jackson do Pandeiro)
Introd.: F , C , G , C

C F C
E é assim que o sapo canta na lagoa
Bb F C Bis
Sua toada improvisada de dez pés

Bb C
- Tião ? - Oi ! - Foste ? - Fui !
F C
- Compraste ? -
Comprei ! - Pagaste ? - Paguei !
F C
- Então me diz quanto foi ? - Foi quinhetos reis .
F C
- Então me diz quanto foi ? - Foi quinhetos reis .

C F C
É tão gostoso morar lá na roça
Bb F C Bis
Numa palhoça perto da beira do rio

Bb F
Quando a chuva cai o sapo fica contente
G C Bis
E até alegra agente com seu desafio

obs. Para emendar A EMA GEMEU ( C , A7 , D )

D D7 G A7 D
A ema gemeu no tronco do juremá (2x)
G D G D
Foi um sinal bem triste moren, fiquei a imaginar
G D G D
Será que é nosso amor morena que vai se acabar

G
Voce bem sabe que a ema quando canta
A7
Trás no meio do seu canto um bocado de azar
D Em D
Eu tenho medo morena, eu tenho medo
G F#m Em D
É muito cedo meu benzinho Pra esse amor se acabar
D A7 D
Vem morena, vem morena
A D
Vem morena, me beijar
D A7 D
Dá um beijo, dá um beijo
A D
Pra esse medo se acabar

André Sefione - MPB II 139


Luiz Gonzaga

FORRÓ DE MANÉ VITO


(Luiz Gonzaga / Zé Dantas )

Introd : A E B7 E

E A E
Seu delegado digo a vossa senhoria
A E B7 E
Eu sou filho de uma familia que não gosta de fuá
E A E
Mas trás ante ontem no forró de Mané Vito
A E B7 E
Tive que fazer bonito a razão vou lhe contar
A E
Viola no ganzá, Preá no reco-reco
B7 E
Na sanfona Zé Maneco se danaram pra tocar
A
Pra aqui, pra ali, pra lá
E
Dançava com Rosinha
B7
Quando Zéca disse: - É minha !
E B7
Me proibiu de dançar
E A E
Seu delegado sem encrenca eu não brigo,
A E B7 E B7
Se ninguém bulir comigo não sou homem de brigar
E A E
Mas nessa festa seu doutor perdi a calma
A E B7 E
Tive que pegar nas armas pois não gosto de apanhar
A E
Pra Zéca se assombrar mandei parar o fole,
B7 E
Mas o cabra não é mole quis partir pra me pegar
A E
Puxei o meu punhal soprei no candeeiro
B7 E
Botei tudo pro terreiro fiz o samba se acabar

140 André Sefione - MPB II


Luiz Gonzaga

“DERRAMARO O GAI”
(Luiz Gonzaga / Zé Dantas )

G Am
Eu nesse côco num vadeio mais
D7 G
Apagaro o candeeiro, derramaro o gai (Côro) (4x)

C G
Apagaro o candeeiro, derramaro o gái
D7 G
Coisa boa nesse escuro já sei que num sai
C G
Já não tão mais respeitando nem eu que sou pai
D7 G
Pois me deram um beliscão quase a carça cai
C G
Começando desse jeito num sei pronde vai
D7 G
Por isso nesse côco num vadeio mais REFRÃO

C G
No escuro desse jeito ninguém se distrai
D7 G
Pai de moça nessa festa só vai ter trabái
C G
Seu Zé Chico nesse côco e Isabé num cai
D7 G
O seu noivo tá querendo mas eu sou o pai
C G
Ou acende um candeeiro bem cheim de gái
D7 G
Ou ela nesse côco num vadeia mais REFRÃO

C G
Sazefinha entrou no côco com a gente e num sai
D7 G
Pois ficou que nem badalo dentro do chocái
C G
Levou tanta imbigada que caiu pra trái
D7 G
Saiu andando manca que nem papagái
C G
Seu marido foi falar mas levou cinco talhos
D7 G
Por isso nesse côco num vadeio mais REFRÃO

André Sefione - MPB II 141


LUIZ GONZAGA

O XOTE DAS MENINAS


(Luiz Gonzaga / Zé Dantas )

Introd

A D A
Mandacarú quando fulóra da seca
A7 D
É um sinal que a chuva chega no sertão
E A
Toda menina quando enjoa da boneca
F#m Bm E A A7
É sinal de que o amor já chegou no coração
D E A
Meia cumprida, não quer mais sapato baixo
F#m Bm E A
Vestido bem cintado, não quer mais vestir timão

Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
E A
De manhã cedo já está pintada
C#7 F#m
Só vive suspirando, sonhando acordada
C#7 F#m
O pai leva ao doutor a filha adoentada
C#7 F#m
Não come não estuda, não dorme não quer nada
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
E A
Mas o doutor nem examina
C#7 F#m
Chamando o pai de lado lhe diz logo em surdina
C#7 F#m
Que o mal é da idade e que pra tal menina
C#7 F#m
Não há um só remédio em toda medicina
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar
Bm C#m F#m
Ela só quer, só pensa em namorar

142 André Sefione - MPB II


Luiz Gonzaga

PAGODE RUSSO

Am
Ontem eu sonhei que estava em Moscou
Am6 Am BIS
Dançando pagode russo na boate Cossacou

Am
Parecia mais um frevo
E Am
Naquele "cai e não cai"
Am BIS
Parecia mais um frevo
E Am
Naquele "vai e não vai"

Dm Am E Am
Vem cá Cossaco
E Am
Cossaco dança agora BIS
Dm Am
Na dança do Cossaco
E Am
Não ficar Cossaco fora

André Sefione - MPB II 143


Luiz Gonzaga

PARAIBA
(Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira)

Introd: A D7/9+

A D7/9+ A
Ei tá , ei tá , mulher macho sim senhor
A D7/9+ A
Ei tá , ei tá , mulher macho sim senhor

Bm
Quando a lama virou pedra e mandacaru secou
E A
Quando arribaçã de sede bateu asa e voou
A7 D
Foi ai que eu vim me embora carregando a minha dor
D A
Hoje eu mando um abraço pra ti pequenina
A E A
Paraíba masculina, mulher macho sim senhor
A E A
Paraíba masculina, mulher macho sim senhor

Bm
Ei tá, pau-pereira que em Princesa já roncou
E A
Ei tá, Paraiba mulher Macho sim senhor
A7 D
Ei tá, pau-pereira meu bodoque não quebrou

D E
Hoje eu mando um abraço pra ti pequenina
A E A
Paraíba masculina, mulher macho sim senhor
A E A
Paraíba masculina, mulher macho sim senhor

144 André Sefione - MPB II


Luiz Gonzaga

QUI NEM JILÓ


(Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira )

Introdução: G C#7 F#m B7 Em A7 D A

D C#7 F#m A7
Se a gente lembrar só por lembrar
D C#7 F#m A7
O amor que a gente um dia perdeu
G C#7 F#m
Saudade inté que assim é bom
B7 Em A7 D
Pro cabra se convencer que é feliz sem saber
A7
Pois não sofreu

D C#7 F#m A7
Porém se a gente vive a sonhar
D C#7 F#m A7
Com alguém que se deseja rever
G C#7 F#m
Saudade intonce aí é ruim
B7 Em A7 D
Eu tiro isso por mim que vivo doido a sofrer

A7
Ai quem me dera voltar
D
Pros braços do meu xodó
A7
Saudade assim faz roer
D
E amarga que nem jiló
A7
Mas ninguém pode dizer
D D7
Que me viu triste a chorar
G A7 D D7
Saudade, o meu remédio é cantar
G A7 D D7
Saudade, o meu remédio é cantar

André Sefione - MPB II 145


Luiz Gonzaga

RIACHO DO NAVIO
Luiz Gonzaga/Zé Dantas

D
Riacho do Navio
A
Corre pro Pajeú
O rio Pajeú vai despejar
D
No São Francisco
D7
O rio São Francisco
G A
Vai bater no mei' do mar
A7
O rio São Francisco
D
Vai bater no mei' do mar

D
Se eu fosse um peixe
A
Ao contrário do rio

Nadava contra as águas


D
E nesse desafio
D7
Saía lá do mar pro
G A
Riacho do Navio
A7
Saía lá do mar pro
D
Riacho do Navio

Pra ver o meu brejinho


A
Fazer umas caçada
Ver as "pegá" de boi
D
Andar nas vaquejada
D7
Dormir ao som do chocalho
G A
E acordar com a passarada
A7
Sem rádio e nem notícia
D BIS
Das terra civilizada

146 André Sefione - MPB II


Luiz Gonzaga

VEM MORENA
Luiz Gonzaga/Zé Dantas

Introd.: ( Am , D7 )

(Am D7)
Vem morena pros meus braços
Vem morena, vem sambar
Quero ver tu remexendo
Quero ver tu requebrar
Quero ver tu remexendo
O resfolego da sanfona até o sol raiar

Esse teu fungado quente


Bem no pé do meu pescoço
Arrepia o corpo da gente
Faz o velho ficar moço
D C
E o coração de repente
E7 Am
Bota o sangue em alvoroço

obs. Para emendar com Cantiga do Sapo ( Am , G7 , C )

André Sefione - MPB II 147


MORAES MOREIRA
BRASIL PANDEIRO
(....................)

Intro: (G) C C#° Dm G C C#° Dm G

C C#° Dm G C
Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor
C7 F
Eu fui na Penha, fui pedir ao Padroeiro para me ajudar
G#° G Dm G
Salve o Morro do Vintém, Pendura a saia eu quero ver
Dm G Dm G C G7
Eu quero ver o tio Sam tocar pandeiro para o mundo sambar
C C#° Dm G C
O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada
C7 F
Anda dizendo que o molho da baiana melhorou seu prato
G#° G Dm G
Vai entrar no cuzcuz, acarajé e abará
Dm G Dm G C C#°
Na Casa Branca já dançou a batucada de ioiô, iaiá
F G Em
Brasil, esquentai vossos pandeiros
Am Dm G C C#°
Iluminai os terreiros que nós queremos sambar
F G Em Am Dm
Há quem sambe diferente noutras terras, noutra gente
G C C#°
Num batuque de matar
F G Em
Batucada, Batucada, reunir nossos valores
Am Dm
Pastorinhas e cantores
G C C#°
Expressão que não tem par, ó meu Brasil
F G Em
|Brasil, esquentai vossos pandeiros
2x| Am Dm G C C#°
|Iluminai os terreiros que nós queremos sambar
G7 C G7 C
Ô, ô, sambar, iêiê, sambar...
G7 C G7 C
Queremos sambar, ioiô, queremos sambar, iaiá

148 André Sefione - MPB II


Moraes Moreira

FESTA DO INTERIOR
(....................)

Introd.: A E7

A
Fagulhas, pontas de agulhas
C#m7 Bm F#7
Brilham estrelas de São João
E7 Bm
Babados, xotes e xaxados
E7 A D/E
Segura as pontas meu coração
A
Bombas na guerra-magia
Em7 A7 D
Ninguem matava, ninguem morria
D/F# Dm A
Nas trincheiras da alegria
Ebo Bm E7 G5-/7 F#m7
O que explodia era o amor
D/F# Dm A
Nas trincheiras da alegria
Ebo Bm E7 A
O que explodia era o amor

C#7
E ardia aquela fogueira
F#m7
Que me esquentava a vida inteira
B7 Bm7
Eterna noite sempre a primeira
E7 A
Festa do Interior
C#7
E ardia aquela fogueira
F#m7
Que me esquentava a vida inteira
B7 Bm7
Eterna noite sempre a primeira
E7 A
Festa do Interior

André Sefione - MPB II 149


Moraes Moreira

LÁ VEM O BRASIL DESCENDO A LADEIRA


(....................)

D Bm A7
Quem desce do morro Não morre no asfalto
D
Lá vem o Brasil, Descendo a ladeira

Bm A7
Na bola, no samba, Na sola, no salto
D
Lá vem o Brasil, Descendo a ladeira
Bm A7
Da sua escola é passista primeira
D
Lá vem o Brasil, Descendo a ladeira
Bm A7
No equilíbrio da lata Não é brincadeira

D
Lá vem o Brasil, Descendo a ladeira

C#7 C7 B7
E toda a cidade Que andava quieta
Em
Naquela madruga Acordou mais cedo
F#
Arriscando um verso
Bm
Gritou o poeta
E
Respondeu o povo
A7
Num samba sem medo
D C#7
E enquanto a mulata
C7 B7
Em pleno movimento

Com tanta cadência


Em
Descia a ladeira
Gm
A todos mostrava
D
Naquele momento
B7 Em
A força que tem
A7 D
A mulher brasileira

150 André Sefione - MPB II


Moraes Moreira

MENINAS DO BRASIL
(Moraes Moreira - Fausto Nilo)

Intr.: ( E E7M E7 A6 G#m F#m A/E Eb° B7 )

E E7M E7 A6
Três meninas do Brasil, três corações democratas
G#m F#m A/E Eb°
Tem moderna arquitetura ou simpatia mulata
B7 E C#7 F#m
Como um cinco fosse um trio, como um traço um fino fio
F#7 F#m B7
No espaço seresteiro da elétrica cultura

Deus me faça brasileiro, criador e criatura

Um documento da raça pela graça da mistura

Do meu corpo em movimento, as três graças do Brasil


B7 E
Têm a cor da formosura

Serenatas do Brasil, eu serei três serenatas


Uma é o coração febril, a outra é o coração de lata
A terceira é quando eu crio na canção um desafio
Entre o abraço do parceiro e um pedaço de amargura

Se eu ganhasse o mundo inteiro, de Amélia a Doralice


De Emília a Carolina, e os mistérios de Clarice
Se teu nome principia, Marina no amor Maria
Só faria melodias com a beleza das meninas

Quando o povo brasileiro viu Irene dar risada


Clementina no terreiro restaurando a batucada
Muito além de um quarto escuro, nos olhos da namorada
Eu sonhava com o futuro das meninas do Brasil

André Sefione - MPB II 151


Moraes Moreira

PRETA PRETINHA
(Moraes Moreira - Galvão)

Introd.: G Gm6 D/F# Fo Em A7 D

(A7 D)
Enquanto eu corria, assim eu ia

Lhe chamar enquanto corria a barca (2x)

Por minha cabeça não passava

Só, só, somente só

Assim vou lhe chamar, assim você vai ser (2x)

G Gm6 D/F# Fo Em A7 D
Lá iá lá lá iá, lá lá lá iá, lá ia

A7 G D
Preta, preta, pretinha (4x)

(A7 D)
Abre a porta e a janela e vem ver o sol nascer (2x)

Eu sou um pássaro que vivo avoando

Vivo avoando sem nunca mais parar

Ai, ai, ai, ai saudade não venha me matar (2x)

152 André Sefione - MPB II


Moraes Moreira

POMBO CORREIO
(Dodô – Osmar -Moraes Moreira)

Intro: ( D7 Gm F Eb D7 ) D/C G/B D7

G
Pombo correio voa depressa
D7
E esta carta leva para o meu amor
B7 Em
Leva no bico que eu aqui fico esperando
A7 D7
Pela resposta que é prá saber se ela ainda gosta de mim
G
Pombo correio se acaso um desencontro
G#o Am
Acontecer não perca nem um só segundo
Cm6 Bm7 Em
Voar o mundo se preciso for
Am7 D7 G
O mundo voa mas me traga uma notícia boa

G
Pombo correio voa ligeiro
D7
Meu mensageiro e essa mensagem de amor
B7 Em
Leva no bico que eu aqui fico cantando
A7
Que é prá espantar essa tristeza
D7
Que a incerteza que o amor traz
G
Pombo correio nesse caso eu lhe conto
G#o Am
Por estas linhas a que ponto quer chegar
Cm6 Bm7 Em
Meu coração o que mais gosta
Am7 D7 G
Voltar prá mim seria assim a melhor resposta

André Sefione - MPB II 153


Moraes Moreira

SINTONIA

Intro: D D5+ G Em A7 Em A7 D D5+ G Em A7 Em E7 A7

Dm
Escute essa canção que é pra tocar no rádio
Gm Em
No rádio do seu coração. Você me sintoniza
A7 Dm
E a gente então se liga nesta estação
D7 Gm Em A7 Dm
Aumenta o seu volume que o ciúme não tem remédio
Em A7 Dm D7
Não tem remédio não tem remédio não
Gm Em A7 Dm
Aumenta o seu volume que o ciúme não tem remédio
Em A7 Dm A7
Não tem remédio não tem remédio não
D D7M Ebo Em
E agora assim aqui pra nós, pelo teu nome não me chama
B7 Em A7 D A7
Você é quem conhece mais a voz do homem que te ama

D
Deixa eu penetrar na tua onda,
D5+ G
Deixa eu me deitar na tua praia
Em A7 Em
Que é nesse vai e vem nesse vai e vem
A7
que a gente se dá bem
D A7
Que a gente se atrapalha
D
Deixa eu penetrar na tua onda,
D5+ G
Deixa eu me deitar na tua praia
Em A7 Em
Que é nesse vai e vem nesse vai e vem
A7
que a gente se dá bem
D A7
Que a gente se atrapalha

154 André Sefione - MPB II


NEY MATOGROSSO
BALADA DO LOUCO

Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G


Dizem que sou louco por pensar assim
Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Em Em/D C#m7/5- C
Mas louco é quem me diz
G C/D G
E não é feliz, não é feliz

Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G


Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G
Se eles são famosos, sou Napoleão
Em Em/D C#m7/5- C
Mas louco é quem me diz
G C/D G
E não é feliz, não é feliz
G7 C
Eu juro que é melhor
G7 C
Não ser o normal
G7 A7 D7 C G/B Am G
Se eu posso pensar que Deus sou eu

Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G


Se eles têm três carros, eu posso voar
Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G
Se eles rezam muito, eu já estou no ar
Em Em/D C#m7/5- C
Mas louco é quem me diz
G C/D G
E não é feliz, não é feliz

REFRÃO

Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G


Sim sou muito louco, não vou me curar
Eb° C° G/B G Eb° C° G/B G
Já não sou o único que encontrou a paz
Em Em/D C#m7/5- C
Mas louco é quem me diz

André Sefione - MPB II 155


Ney Matogroos

BANDOLEIRO
(Lucinha e Lui)

Intro: ( Am Em7 ) ( C F ) G7

(C F) G
Fosse ciganos a levantar poeira
F
A misturar nas patas
E
Terras de outras terras, ares de outras matas
F C G
Eu, bandoleiro, no meu cavalo alado
F
Na mão direita o fado
E
Jogando sementes nos campos da mente

(Am Em7)
E se falasses magia, sonho e fantasia
(Am Em7)
E se falasses encanto, quebranto e condão
F E D
Não te enganarias, não te enganarias
(Am Em7)
Não te enganarias, não!

Fosse ciganos ...

(Am Em7)
E se falasses magia, sonho e fantasia
(Am Em7)
E se falasses encanto, quebranto e condão
F E D
Feitiço, transe, viagem, alucinação
(Am Em7)
Miragem

156 André Sefione - MPB II


Ney Matogroos

HOMEM COM H
Intro: Em A7 D G C#m5-/7 F#7 Bm Em A7 D C#7 F#7 Bm

Bm
Nunca vi rastro de cobra
Em
Nem couro de lobisomem
F#7
Se correr o bicho pega
Bm
Se ficar o bicho come
Bm/A
Porque eu sou é home
Abº
Porque eu sou é home
F#7
Menino eu sou é home
Bm
Menino eu sou é home
A7 D F#7
Quando eu estava pra nascer
Bm Em
De vez em quando eu ouvia
Bm Em
Eu ouvia mãe dizer
Bm Em
Ai meu Deus como eu queria
Bm Em
Que essa cabra fosse home
Bm
Cabra macho pra danar
Em A7 D
Ah! Mamãe aqui estou eu
G C#m5-/7
Mamãe aqui estou eu
F#7 Bm
Sou homem com H
F#7
E como sou

A7 D F#7
Eu sou homem com H
Bm Em
E com H sou muito home
Bm Em
Se você quer duvidar
Bm Em
Olhe bem pelo meu nome
Bm Em
Já tô quase namorando
Bm
Namorando pra casar
Em A7 D
Ah! Maria diz que eu sou
G C#m5-/7
Maria diz que eu sou
F#7 Bm F#7 Bm
Sou homem com H E como sou

André Sefione - MPB II 157


Ney Matogroos

O VIRA

A D
O gato preto cruzou a estrada
A E
Passou por debaixo da escada
A A7 D
E lá no fundo azul na noite da floresta
E
A lua iluminou
A
A dança, a roda e a festa

Vira, vira, vira


E
Vira, vira, vira homem, vira, vira
A
Vira, vira lobisomem, vira, vira
A D
Bailam corujas e pirilampos
A E
Entre os sacis e as fadas
A A7 D
E lá no fundo azul na noite da floresta
E
A lua iluminou
A
A dança, a roda e a festa
E
Vira, vira, vira homem, vira, vira
A
Vira, vira lobisomem, vira, vira

158 André Sefione - MPB II


Ney Matogroos

ROSA DE HIROSHIMA

Intro: (D D7 G Gm) A

G
Pensem nas crianças
D G A
Mudas telepáticas
G
Pensem nas meninas
D
Cegas inexatas
C
Pensem nas mulheres
G/B Gm/Bb A
Rotas alteradas
G
Pensem nas feridas
D G A
Como rosas cálidas
G
Mas, oh, não se esqueçam
D G A
Da rosa da rosa
G
Da rosa de Hiroshima
D
A rosa hereditária
C
A rosa radioativa
G/B Gm/Bb A
Estúpida e inválida
G
A rosa com cirrose
D G A
A anti-rosa atômica
G
Sem cor sem perfume
D
Sem rosa sem nada

André Sefione - MPB II 159


Ney Matogroos

SANGUE LATINO
()

Intro: ( C F )

C F C ( C F )
Jurei mentiras e sigo sozinho
C F C ( C F )
Assumo os peca...dos
G7 F C ( C F )
Os ventos do norte não movem moinhos
C F C ( C F )
E o que me resta é só um gemido
C F C ( C F )
Minha vida, meus mortos meus caminhos tortos,
C F C ( C F )
Meu sangue lati...no
C F C ( C F )
Minha alma cati...va
G7 F C ( C F )
Rompi tratados, traí os ritos
C F C ( C F )
Quebrei a lança, lancei no espaço
C F C ( C F )
Um grito, um desabafo
G7 F C ( C F )
E o que me importa é não estar vencido
C F C ( C F )
Minha vida, meus mortos meus caminhos tortos,
C F C ( C F )
Meu sangue lati...no
C F C ( C F )
Minha alma cati...va

160 André Sefione - MPB II


Ney Matogroos

VIAJANTE

Intro: Fm7 Fm7+ Fm7 Bb7/9 C#7+ C7 Bbm7 C7/9-

Fm Fm7+
Eu me sinto tolo como um viajante
Fm7 Bb7/9 C#7+ C7 Fm7
Pela tua casa, pássaro sem asa, rei da covardia
C7 Fm7 Fm7+ Fm7
E se guardo tanto essas emoções nessa caldeira fria
C#7+ C7 F Dm
É que arde o medo onde o amor ardia
Gm G#º
Mansidão no peito trazendo o respeito
Am D7
Que eu queria tanto derrubar de vez
Gm C7 Fm C#7+ C7
Pra ser teu talvez, pra ser teu talvez
Fm Fm7+
Mas o viajante é talvez covarde
Fm7 Bb7/9 C#7+ Dm
Ou talvez seja tarde pra gritar que arde no maior ardor
Gm G#º
A paixão contida, retraída e nua
Am D
Correndo na sala ao te ver deitada
Gm C7 Am D7
Ao te ver calada, ao te ver cansada, ao te ver no ar
Gm G#º
Talvez esperando desse viajante
Am D7
Algo que ele espera também receber
Gm C7 F
E quebrar as cercas que insistimos tanto em nos defender
Fm Fm7+
Eu me sinto tolo como um viajante
Fm7 Bb7/9 C#7+ C7 Fm
Pela tua casa, pássaro sem asa, rei da covardia
C7 Fm Fm7+ Fm7
E se guardo tanto essas emoções nessa caldeira fria
C#7+ C7 F Dm
É que arde o medo onde o amor ardia
Gm G#º
Mansidão no peito trazendo o respeito
Am D7
Que eu queria tanto derrubar de vez
Gm C7 Am
Pra ser teu talvez, pra ser teu talvez
Gm C7 Fm
Pra ser teu talvez, pra ser teu talvez...

André Sefione - MPB II 161


NORDESTE
FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ

Intro: A C#m Bm/E4/7 E7

A C#m A7
Foi Deus que fez o céu, o rancho das estrelas
D C#m A7
Fez também o seresteiro para conversar com elas
D C#m B4/7 B7
Fez a lua que prateia minha estrada de sorrisos
C#m D C#m B7 E
E a serpente que explusou mais de um milhão do paraíso
A
Foi Deus quem fez você
C#m A7
Foi Deus que fez o amor
D C#m A7
Fez nascer a eternidade num momento de carinho
D C#m B4/7 B7
Fez até o anonimato dos afetos escondidos
C#m D C#m B7 E7
E a saudade dos amores que já foram destruídos
A D A
Foi Deus
A
Foi Deus que fez o vento
F#m
Que sopra os teus cabelos
C#m
Foi Deus quem fez o orvalho
D E7
Que molha o teu olhar, teu olhar
A
Foi Deus que fez a noite
F#m
E o violão planjente
C#m
Foi Deus que fez a gente
D E7 A/F#m Bm E
Somente para amar, só para amar
Bm E A D A
Só para amar

162 André Sefione - MPB II


Elba Ramalho

BANHO DE CHEIRO
Intro: D A7 D

D Em
eu quero um banho de cheiro
A7
eu quero um banho de lua
D
eu quero navegar
Em
eu quero uma menina
A7
que me ensine noite e dia
D
o valor do bê-a-bá
B7 Em
o bê-a-bá dos seus olhos
A7 Em
morena bonita da boca do rio
A7 D
o bê-a-bá das narinas do rei
B7 E7
o bê-a-bá da bahia
Em
sangrando alegria
A7 D
magia, magia, nos filhos de gandhi
B7 Em
no bê-a-bá dos baianos
A7 Em
que charme bonito, foi o santo que deu
A7 D
no bê-a-bá do senhor do bonfim
B7 E7
no bê-a-bá do sertão
Em
sem chover, sem colher
A7
sem comer, sem lazer,
D
no bê-a-bá do brasil

André Sefione - MPB II 163


Elba Ramalho

CANÇÃO DA DESPEDIDA
(GERALDO AZEVEDO / GERALDO VANDRÉ)

Intro: C G/B F/A Fm/Ab C/G C/E Fm/Ab Am Am/G D/F# Fm C C/F# F C
F/G C Bb7/F

C F/G D/F#
Já vou embora pois sabia ,
C Bb Bm5-/7 E7 G C
mas sei que vou voltar não ia ser amado
Am Am/G D/F# G/B Am G
amor não chora amor não chora
F7+ E7 Am7 F/G F G C G/B
se eu volto é pra ficar eu volto um dia
C F/G Am G F
amor não chora o rei velho e cansado
C Bb Bm5-/7 E7 G C
que a hora é de deixar já morria
Am Am/G D/F# Ao Em7
o amor de agora perdido em seu reinado
F7+ E7 Am7 G7 A7 Dm
pra sempre ele ficar sem maria
C F/G Bm7 Bb7 Am7
amor não chora quando eu me despe . . . dia
C Bb Bm5-/7 E7 F D/F# G
que a hora é de deixar no meu canto
Am Am/G D/F# C F/G
o amor de agora lhe dizia
F7+ E7 Am7 G7
pra sempre ele ficar
Já vou embora . . .
C G/B Am7 G
Eu quis ficar aqui
F G C G/B
mas não podia
Am7 G F
o meu caminho a ti
G C
não conduzia
Ao Em7
um rei mal coroado
A7 Dm
não queria
Bm7 Bb7
o amor em seu
Am7 F7+
reinado

164 André Sefione - MPB II


Amelinha

MULHER NOVA BONITA E CARINHOSA ...


(Otacílio Guedes Patriota / José Ramalho Neto)

Introd.: C C/Bb F/A F/Ab (C Am)

C C/Bb F/A
Numa luta de gregos e troianos
F/Ab C
Por Helena, a mulher de Menelau
G
Conta a história que um cavalo de pau
F C (C Am)
Terminava uma guerra de dez anos
Menelau, o maior dos espartanos
Venceu Páris o grande sedutor
Humilhando a família de Heitor
Em defesa da honra caprichosa
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor

Alexandre figura desumana


Fundador da famosa Alexandria
Conquistava na Grécia e destruía
Quase toda a população Tebana
A beleza atrativa de Roxana
Dominava o maior conquistador
E depois de vencê-la, o vencedor
Entregou-se à pagã mais que formosa
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor

A mulher tem na face dois brilhantes


Condutores fiéis do seu destino
Quem não ama o sorriso feminino
Desconhece a poesia de Cervantes
A bravura dos grandes navegantes
Enfrentando a procela em seu furor
Se não fosse a mulher mimosa flor
A historia seria mentirosa
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor

Virgulino Ferreira, o Lampião


Bandoleiro das selvas nordestinas
Sem temer a perigo, nem ruínas
Foi o rei do cangaço no sertão
Mas um dia sentiu no coração
O feitiço atrativo do amor
A mulata da terra do condor
Dominava uma fera perigosa
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem sentir dor
Mulher nova, bonita e carinhosa
Faz o homem gemer sem

André Sefione - MPB II 165


Ednardo

PAVÃO MISTERIOSO
(Ednardo)

Intro: E

E D A
Pavão mysteriozo, pássaro formoso,
E B
Tudo é mistério nesse teu voar
E D A
Ah, se eu corresse assim, tantos céus assim
E B E
Muita história eu tinha prá contar

C#m F# C#m
Pavão mysteriozo nessa cauda aberta em leque
Am Em B7
Me guarda moleque de eterno brincar
Em Am
Me poupa do vexame de morrer tão moço
Em B E E4 E5- E4
Muita coisa ainda quero olhar

REFRÃO

C#m Em Em/D
Pavão mysteriozo, meu pássaro formoso
D G
No escuro desta noite me ajuda a cantar
Em Am
Derrama essas faíscas, despeja esse trovão
Em B E E4 E5- E4
Desmancha isso tudo que não é certo não

E D A
Pavão mysteriozo, pássaro formoso
E B
Um conde raivoso não tarda a chegar
E E7 A Am
Não temas minha donzela, nossa sorte nessa guerra
E B E
Eles são muitos mas não podem voar

166 André Sefione - MPB II


Elba Ramalho

SABIÁ
(LUIZ GONZAGA)

Em Am
A todo mundo eu dou psiu
Em
Perguntando por meu bem
F#M5-/7
Tenho um coração vazio BIS
B7
Vivo assim a dar psiu
Em
Sabiá vem cá também

E7
Tú que andas pelo mundo (Sabiá)
Am
Tú que tanto já voou (Sabiá )
D7
Tú que cantas passarinho (Sabiá)
G
Alivia a minha dor
B7 Em
Tem pena d'eu (Sabiá )
B7 Em
Diz por favor (Sabiá)
B7 Em
Tú que cantas passarinho (Sabiá)
B7 Em B7 Em Am
Alivia minha dor Sabiá á á á

André Sefione - MPB II 167


Fátima Guedes

FLOR DE IR EMBORA
Intro: (G9 Em9 Am4.7 C/D G9 C/D)

G9
Flor de ir embora.
Em9
É uma flor que se alimenta do que a gente chora.
Am4.7
Rompe a terra decidida.
C/D
Flor do meu desejo.
G9 C G/E Am7
De correr o mundo afora.
G9
Flor de sentimento.
Em9
Amadurecendo aos poucos a minha partida.
Am4.7
Quando a flor abrir inteira.
C/D
Muda a minha vida.
G9 C/D
Esperei o tempo certo.
F/G Fm5-/Sol C#7.9+
E lá vou eu.
C7+ G/E
E lá vou eu.
Am7
Flor de ir embora.
C/D G9
Agora esse mundo é meu.

168 André Sefione - MPB II


Tetê Spindola

ESCRITO NAS ESTRELAS


B7 E
Você pra mim foi o sol
A
De uma noite sem fim
F#m B7
Que acendeu o que sou
E B7
E renasceu tudo em mim
E
Agora eu sei muito bem
A
Que eu nasci só pra ser
F#m B7
Sua parceira, seu bem
A B7 E B7
E só morrer de prazer

E
Caso do acaso
F#
Bem marcado em cartas de tarô
A E
Meu amor, esse amor de cartas claras sobre a mesa
B7
É assim
E F#
Signo do destino que surpresa ele nos preparou
A E
Meu amor, nosso amor estava escrito nas estrelas
B7
Tava, sim

E
Você me deu atenção
A F#m
E tomou conta de mim
B7
Por isso minha intenção
E B7
É prosseguir sempre assim
E
Pois sem você, meu tesão
A F#m
Não sei o que eu vou ser
B7
Agora preste atenção
E
Quero casar com você.

André Sefione - MPB II 169


Tetê Spindola

NA CHAPADA

D7+ Bm7
Há um chuvisco na chapada
Em7 A7
Em toda mata um cochicho em ch
D7+ Gm7
Chuá, Chuá na queda d'água
F#7 Bm7 E/G#
Eu me espicho fico quieta, nada me falta
Gm7 D/F#
O véu de noiva de água virgem
Gm7 D/F#
Me elevou, envolveu
Bb D7+
A sua ducha me deu vertigem
C#7+ A7
Arrepio, rodopio em mim
D7+ Bm7
Seu jorro não tem mais fim
Em7 A7 D7+
E nesse êxtase me deixo, não sei quem sou
Gm7
Estou no meio do arco-íris
F#7 Bm7 E/G#
E saboreio elexiris de amarílis
Gm7 D/F#
Na cachoeira a enxurrada
Gm7 D/F#
O vèu da chuva desceu
Bb D7+
No vento nuvem no céu desaba
C#7+
Champinhante, espumante champagne
A7 D7+
Chapada dos Guimarães

170 André Sefione - MPB II


Tetê Spindola

VIDA CIGANA
G C
Oh meu amor, não fique triste
D7 D7sus4 G
Saudade existe pra quem sabe ter
C C9
Minha vida cigana me afastou de você
D7 C D D4
Por algum tempo eu vou ter que viver por aqui

G Em
Longe de você
C D7 D7sus4 G
Longe do seu carinho e do seu olhar
C
Que me acompanha tem muito tempo

D7 D7sus4 G
Penso em você a cada momento
C
Sou água de rio que vai para o mar
D7 D7sus4 C D7 D7sus4
Sou nuvem nova que vem pra molhar esta noiva
G
Que é você
Em C C9
Para mim voce é linda
D7 D7sus4 G
A dona do meu coração
C
Que bate tanto quando lhe vê

D7 D7sus4 G
É a verdade que me faz viver
C
Meu coração bate tanto quando lhe vê

D7 D7sus4 G
É a verdade que me faz viver

André Sefione - MPB II 171


Pepeu Gomes

EU TAMBÉM QUERO BEIJAR

Intro: ( E B B5+/7) E

F#m7
A flor do desejo e do maracujá
B7/9 E6
Eu também quero beijar
F#m7
Haja fogo, haja guerra, haja guerra que há

B7/9 E6
Eu também quero beijar
F#m7
Do farol da Barra ao Jardim de Alá
B7/9 E6
Eu também quero beijar
F#m7
Da pele morena daquela acolá
B7/9 E6 F#m7
Eu também quero beijar

E6 F#m7 B7/9
Beijo a flor Mas a flor que eu desejo
E6 Bb5-/7
eu não posso beijar
A7+ G#m7 C#7/9-
Ai amor Haja fogo, haja guerra,
F#m7
haja guerra que há
B7/9
Teu cheiro

E6 F#m7 B7/9
É o marinheiro do barco fantasma
E6 Bb5-/7
que vai me levar
A7+ G#m7
Mundo inteiro
C#7/9-
Haja fogo, haja guerra,
F#m7
haja guerra que há
B7/9
Festejo...

(Introd.) (E B B5+/7) A/B

172 André Sefione - MPB II


PAULINHO MOSKA
ADMITO QUE PERDI
(PAULINHO MOSKA)
Introd : (Am , D9 ) 3x F6 , E7 SOLO : E,G,D,C,A,G
BAIXO : A,D,E,A

Am D9 Am D9
Se você não suporta mais tanta realidade
Am D9 Am D9
Se tudo tanto faz, nada tem finalidade
F6 E7 Am D9 F6 E7
Então pra que viver comigo ?

Am D9 Am D9
Eu não vou ficar pra ver a nossa ponte incendiada
Am D9 Am D9
Nossa igreja destruída, nossa estrada rachada
F6 E7
Pela grande explosão que pode acontecer
Am D9 F E7
No nosso abrigo

Dm Bb Am Am/G# Am/G Am/F#


Olhei pro amanhã e não gostei do que vi
Dm Bb
Sonhos são como deuses:
Am Am/G# Am/G Am/F#
Quando não se acredita neles deixam de existir
F G Am
Lutei por sua alma mas admito que perdi

E agora vou me perder nesse planeta conhecido


Intuir novos mistérios
Descobrir outros sentidos
Naquelas palavras marcadas na carta de adeus
Meu corpo vai sobreviver mesmo estando ferido
E até na hora de morrer
Eu não vou me dar por vencido
Porque sei que meus perdões
Vão estar bem ao lado dos teus

Olhei pro amanhã e não gostei do que vi


Sonhos são como deuses:
Quando não se acredita neles deixam de existir
Jurei por sua alma mas perdi

Am D9 F6 E7 Am/G# Am/G Am/F#

André Sefione - MPB II 173


PAULINHO MOSKA

A SETA E O ALVO
(PAULINHO MOSKA)
Intro: E E7 E1 E

E E5+ Em7
Eu falo de amor à vida, você de medo da morte
A Am E
Eu falo da força do acaso e você, de azar ou sorte
E E5+ Em7
Eu ando num labirinto e você, numa estrada em linha reta
A Am E
Te chamo pra festa mas você só quer atingir sua meta

F#7 A7+ F#m7


Sua meta é a seta no alvo
D9 A B E
Mas o alvo, na certa não te espera

E E5+ Em7
Eu olho pro infinito e você, de óculos escuros
A Am E
Eu digo: "Te amo" e você só acredita quando eu juro
E E5+ Em7
Eu lanço minha alma no espaço, você pisa os pés na terra.
A Am E
Eu experimento o futuro e você só lamenta não ser o que era

F#7 A7+ F#m7


E o que era ? Era a seta no alvo
D9 A B E E (E E7 E1 E)
Mas o alvo, na certa não te espera

E E5+ Em7
Eu grito por liberdade, você deixa a porta se fechar
A Am E
Eu quero saber a verdade, e você se perocupa em não se machucar
E E5+ Em7
Eu corro todos os riscos, você diz que não tem mais vontade
A Am E
Eu me ofereço inteiro, e você se satisfaz com metade

F#7 A F#m7 E1
É a meta de uma seta no alvo
D9 A B7 C#m
Mas o alvo, na certa não te espera

F#7 A
Então me diz qual é a graça
G#m G
De já saber o fim da estrada
F#m7 B7 E
Quando se parte rumo ao nada ? (solo)

174 André Sefione - MPB II


PAULINHO MOSKA

CONTRASENSO
(PAULINHO MOSKA)

Intro: E9 / C9 / G7 / D9

E9 C9 G7 D9
Um cara saiu de dentro do espelho E o cara tinha a minha cara
E9 C9 G7 D9
Vestia um casacão de couro, que era exatamente a roupa que eu usava
E9 C9 G7 D9
Me olhava, como que me conhecendo, eu estranhei... e ele me examinava
E9 C9
Mas não se movimentava do jeito que eu me mexia
G7 D9
Ele nem pensava o que minha mente queria
E9 C9
Ele era meu igual, só que diferente...
G7 D9
Meu irmão gêmeo, mas não era meu parente (Ele me disse:)

E9 C9 G7 D9
Eu vou gritar Antes de sentir a dor
E9 C9 G7 D9
O telefone vai tocar Depois que eu disser ALÔ
E9 C9 G7 D9
Você vai me agradecer Antes do presente chegar
E9 C9 G7 D9
E eu só vou me convencer Depois que você concordar

A E
Eu não quero a ordem natural das coisas
A E
Não quero mais a ordem natural
A G
Não quero mais a ordem Não me leve a mal
F# F E
Não quero mais O natural

E9 C9 G7 D9
O sol tinha que nascer Antes da noite terminar
E9 C9 G7 D9
E eu só ligaria a tv Depois que ela saísse do ar
E9 C9 G7 D9
Os dias demorariam um século pra passar (Ah! Isso que é viver!)
E9 C9 G7 D9
O pior de tudo é saber Daquilo que está prestes a acontecer

A E E9
Eu não quero a ordem natural das coisas
A E
Não quero mais a ordem natural
A G
Não quero mais a ordem Não me leve a mal
F# F E
Não quero mais O natural

André Sefione - MPB II 175


PAULINHO MOSKA

ME CHAMA DE CHÃO
(PAULINHO MOSKA / FERNANDO ZAFIR / BRANCO MELLO)

Intro: B G#m G F#7

B G#m
Me chama de chão, me chama de chão,
G F#7
Me chama de chão, me chama ...

B G#m
Pisa que sou teu calo
G D
Pisa que sou teu tapete
E G
Pisa que sou teu tomate
F#7
Teu capacho
B G#m
Deita que sou sua sombra
G D
Deita que sou seu estrado
E G
Deita que sou sua esteira
F#7
Teu colchão

REFRÃO

B G#m
Morde que sou teu pescoço
G D
Morde que sou tua língua
E G
Morde que sou teu osso
F#7
Teu sabão
B G#m
Bate que sou tua porta
G D
Bate que sou teu bife
E G
Bate que sou teu homem
F#7
Sou teu cão
E Bm7
Come que sou teu rabo
G#m G F#7
Cospe que sou teu prato

REFRÃO

176 André Sefione - MPB II


PAULINHO MOSKA

NÃO HAVIA NADA LÁ


(PAULINHO MOSKA)

Introd : C , Bb , F , C

C G F F4
Quem te levou, quem apagou a tua imagem no ar
C G F
O que te fez mudar de vez a casa de lugar
C
(Bb,F,C,Bb,F)
Eu procurei as flores que plantei e não havia nada lá
C G F F4
Quando chegou até pensei que era pra ficar
C G F
E quando se foi, juro que achei que iria voltar
C
Mas quando abri a caixa descobri, não havia nada lá

G
Não havia mais um dia perfeito
F
Não havia mais com o que se enganar
Am F C
Ventania no nosso deserto particular
G
Não havia mais maneira ou jeito
F
De fazer tudo se modificar
Am F C
O futuro terminou antes de começar

FINAL ( Bb , F , C )

Bb C F G F F4
Mas tudo bem. Agente tem mesmo é que se libertar
C G
De ficar com alguém fazendo planos
F
Pro dia que ainda vai chegar
C
Pois me procurei dentro de ti e não havia nada lá

Refrão

André Sefione - MPB II 177


PAULINHO MOSKA

O ÚLTIMO DIA
(PAULINHO MOSKA)

Introd:(Dm , Dm/C , Bb , A) (Bb , Gm , Dm , C) (Bb , Gm , A , A7)

Dm Dm/C Bb A7
Meu amor o que você faria se só te restasse um dia ?
Dm Dm/C Bb A7
Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria ?
Bb Gm Dm C
Ia manter sua agenda de almoço hora apatia
Bb Gm A A7
Ou esperar seus amigos na sua sala vazia
Dm Dm/C Bb A7
Meu amor o que você faria se só te restasse um dia ?
Dm Dm/C Bb A7
Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria ?
Bb Gm Dm C
Corria pra um shopping center ou para uma academia
Bb Gm A A7
Pra se esquecer que não dá tempo do tempo que já se perdia
Dm Dm/C Bb A7
Meu amor o que você faria se só te restasse um dia ?
Dm Dm/C Bb A7
Se o mundo fosse acabar me diz o que você faria ?

Introdução
Bb Gm
Andava pelado na chuva
Dm C
Corria no meio da rua
Bb Gm
Entrava de roupa no mar
A A7
Transava sem camisinha
Dm Dm/C
Meu amor o que você faria ?
Bb A7
O que você faria ?
Bb Gm
Abria a porta do hospício
Dm C
Trancava a da delegacia
Bb Gm
Dinamitava o meu carro
A A7
Parava o trafego e ria
Dm Dm/C Bb A7
Meu amor o que você faria se só te restasse um dia ?
Dm Dm/C Bb A7
Se o mundo fosse acabar me diz o que você faria ?
Bb A7
Me diz o que você faria ?

178 André Sefione - MPB II


PENA BRANCA E XAVANTINHO
Pena Branca & Xavantinho

CHUÁ-CHUÁ
(PEDRO SÁ PEREIRA/ARY PAVÃO)

Introdução: D Dm A Co Bm E7 A

A Bm7 A Bm7
Deixa a cidade formosa morena A lua branca de luz prateada
E7 E7
Linda pequena Faz a jornada
A A
E volta ao sertão No alto dos céus
Bm7 Co Bm7
Beber a água da fonte que canta Como se fosse uma sombra altaneira
E7 E7
Que se levanta Da cachoeira
A A
Do meio do chão Fazendo escarcéu
Bm7 F#7 Bm7
Se tu nasceste cabrocha cheirosa Quando esta luz lá na altura
E7 distante
Cheirando a rosa E7
A A7 Loira ofegante
Do peito da terra A A7
D E7 A No poente a cair
Volta prá vida serena da roça D E7 A
F#7 Bm7 Dá-me essa trova que o pinho
Daquela palhoça dissera
E7 A F#7 Bm7
Do alto da serra Que eu volto pra serra
E7 E7 A
E a fonte a cantã Chuá, chuá Que eu quero partir
A E7
E as água a corre Chuê, chuê É a fonte a cantá Chuá, chuá
D A
Parece que alguém E as água a corre Chuê, chuê
E A D
Que cheio de mágoa Parece que alguém
F#7 Bm E A
Deixasse quem há de Que cheio de mágoa
E7 A F#7 Bm
Dizer a saudade Deixasse quem há de
E7 E7 A
No meio das água Dizer a saudade
E A7 D Dm A Co Bm E7 A E7
Rolando também No meio das água
E
Rolando também

André Sefione - MPB II 179


Pena Branca & Xavantinho

CIO DA TERRA
(MILTON NASCIMENTO/CHICO BUARQUE)

Introdução: G C D

Am
debulhar o trigo
G C G F C F
recolher cada bago do trigo
C F C F G C D
forjar do trigo o milagre do pão
G C D
e se fartar de pão
Am
decepar a cana
G C G F C F
recolher a garapa da cana
C F C F G C D
roubar da cana a doçura do mel
G C D
se lambuzar de mel
Am
afagar a terra
G C G F C F
conhecer os desejos da terra
C F C F G C D
cio da terra propícia estação
G C D
e fecundar o chão

180 André Sefione - MPB II


Pena Branca & Xavantinho

CUITELINHO
(RECOLHIDO POR PAULO VANZOLINI/ANTONIO XANDÓ)

Introdução: G

G
Cheguei na beira do porto
D D7
Onde as ondas se espáia
G
As garça dá meia volta
D A7
E senta na beira da praia
D D7
E o cuitelinho não gosta
G D7
Que o botão da rosa caia, ai, ai, ai
G
Ai quando eu vim de minha terra
D D7
Despedi da parentaia
G
Eu entrei no Mato Grosso
D
Dei em terras paraguaia
A7 D D7
Lá tinha revolução
G D7
Enfrentei fortes bataia, ai, ai, ai
G
A tua saudade corta
D D7
Como aço de navaia
G
O coração fica aflito
D A7
Bate uma, a outra faia
D D7
E os óio se enche d’água
G
Que até a vista se atrapaia, ai, ai, ai

André Sefione - MPB II 181


Pena Branca & Xavantinho

DE PAPO PRO Á
(JOUBERT DE CARVALHO/OLEGÁRIO MARIANO)
Introdução: E

E
Não quero outra vida
B7
Pescando no rio de Gereré
Tem peixe bom
Tem siri patola
E
De dá com o pé
B7
Quando no terreiro
Faz noite de luá
E vem a saudade
Me atormentá
Eu me vingo dela
Tocando viola
E
De papo pro á

Se compro na feira
Feijão, rapadura,
B7
Pra que trabaiá
Eu gosto do rancho
O homem não deve
E
Se amofina

B7
Quando no terreiro
Faz noite de luá
E vem a saudade
Me atormentá
Eu me vingo dela
Tocando viola
E
De papo pro á
B7
Eu me vingo dela
Tocando viola
E
De papo pro á

182 André Sefione - MPB II


Pena Branca & Xavantinho

VACA ESTRELA E BOI FUBÁ


(PATATIVA DO ASSARÉ)

D A7 D7 G D
Seu dotô me dê licença Eh eh eh eh Vaca Estrela
D A7 D A7 D
Pra minha história eu contá Oh, oh, oh, oh, Boi Fubá

A7 A7
Se hoje eu estou com terra estranha Aquela seca medonha
D D
E é bem triste o meu pená Fez tudu se trapaiá
A7 A7
Mas eu já fui muito feliz Não nasceu capim no campo
D D
Vevendo no meu lugá Para o gado sustentá
A7 A7
Eu tinha cavalo bão O sertão esturricou
D D
Gostava tanto de campiá Fez o açude secá
D7 G A7
e todo dia aboiava Morreu minha vaca Estrela
A7 D D
Na portera do currá Se acabou meu boi Fubá
A7 D A7 D G
Eh eh Eh há Perdi tudo quanto eu tinha
D7 G D A7 D
Eh eh eh eh Vaca Estrela Nunca mais pude aboiá
A7 D A7 D
Oh, oh, oh, oh, Boi Fubá D A7
E hoje nas terras do sul
A7 D
Eu sou fio do Nordeste Longe do torrão natá
D A7
Não nego meu naturá Quando vejo em minha frente
A7 D
Mas uma sexa medonha Uma boiada passá
D A7
Me tangeu de lá pra cá As águas corre dos óio
A7 D
Lá eu tinha meu gadinho Começo logo a chorá
D A7
Não é bom nem maginá Me lembro da vaca Estrela
A7 D
Minha bela vaca Estrela Me lembro do boi Fubá
D G
E o meu lindo boi Fubá Com sodade do Nordeste
G A7 D
Quando era de tardinha Dá vontade de aboiá
D A7 D A7 D
Eu começava abóia Eh eh Eh há
A7 D A7 D D7 G D
Eh eh Eh há Eh eh eh eh Vaca Estrela
A7 D A7 D
Oh, oh, oh, oh, Boi Fubá

André Sefione - MPB II 183


RENATO TEIXEIRA E ROLANDO BOLDRIM
A PRIMEIRA VEZ QUE EU FUI AO RIO
(RENATO TEIXEIRA)

C G7/B C
Certa manhã À noite a gente
C7 F C7 F
Quando o sol mostrou a cara Conheceu a Cinelândia,
Fm Bb Fm Bb
Nós pegamos nossas malas Com todo nosso recato
C C7 C C7
E eu fui conhecer o Rio Fomos só apreciar.
F F
Eu e meu pai, Antes do sono
A7 Dm A7 Dm
Numa rural já bem usada Nós ficamos conversando
B7 Em B7 Em
Nos pusemos pela estrada Sobre o medo que se sente
E/G# A7 E/G#
Muito longa, que nos leva No bondinho,
D/F# G Am A7
Para o Rio de Janeiro. Um jeito muito
G7/B C D/F# G Am
Eu tinha lá Carioca de voar.
C7 F G7/B C
Meus 15 anos de idade Foi muito curto
Fm Bb C7 F
E era tanta ansiedade O nosso tempo de estadia
C C7 Fm Bb
Que eu nem consegui dormir. Mas valeu por muitos dias
F C C7
A noite que, De coisas pra se contar
A7 Dm F
Precedeu nossa viagem Pra gente que,
B7 Em A7 Dm
Foi noite de vadiagens Leva uma vida mais tranqüila,
E/G# A7 B7 Em
Pela imaginação, De um jeito quase caipira
D/F# G Am E/G# A7
Fala baixo coração. Ir ao Rio de Janeiro
G7/B C D/F# G Am A#º G/B
Nos hospedamos É o mesmo que flutuar...
C7 F
Num hotel muito elegante
Fm Bb
Em plena Praça Tiradentes
C C7
Pois meu pai quis me mostrar
F A7
Primeiro a parte da cidade
Dm
Que é cigana
B7 Em
Depois sim Copacabana
E/G# A7
Onde eu fui vestindo um terno
D/F# G Am
Passear em frente ao mar.

184 André Sefione - MPB II


Renato Teixeira

AMANHECEU PEGUEI A VIOLA


(RENATO TEIXEIRA)

D G D G D
Amanheceu, peguei a viola
G D A D BIS
Botei na sacola e fui viajar
D7
Sou cantador e tudo nesse mundo
G
Vale prá que eu cante e possa praticar
Bº D
A minha arte sapateia as cordas
E A
E esse povo gosta de me ouvir cantar REFRÃO

Ao meio-dia eu tava em Mato Grosso


Do Sul ou do norte não sei explicar
Só sei dizer que foi de tardezinha A D B7 E
Eu já táva cantando em Belém do Pará ...fui viajar
A E A E
Amanheceu, peguei a viola
A E B7 E
Botei na sacola e fui viajar

E7
Em Porto Alegre um tal de coronel
A
Pediu que eu musicasse uns versos que ele fez
D#º E
Para uma china, que pela poesia,
F#7 A
Nem lá em Pequim se vê tanta altivez REFRÃO

Parei em Minas prá trocar as cordas


E segui direto para o Ceará
E no caminho fui pensando é linda B7 E D7 G
Essa grande aventura de poder cantar ...fui viajar

C G C G
Amanheceu, peguei a viola
C G D7 G
Botei na sacola e fui viajar
G7
Chegou a noite e me pegou cantando
C
Num bailão lá no norte do Paraná
Cº G
Daí pra frente ninguém mais se espanta
A7 D
E o resto da noitada eu não posso contar
C G C G
Anoiteceu e eu voltei prá casa
C G D7 G BIS
Que o dia foi longo e o sol quer descansar

André Sefione - MPB II 185


Renato Teixeira

AMIZADE SINCERA
(RENATO EIXEIRA/DOMINGUINHOS)

Introdução: A D A D A D A D

A E
A amizade sincera é um santo remédio, é um abrigo seguro.
A
É natural da amizade, o abraço, o aperto de mão, o sorriso.
A/F D/F#
Por isso, se for preciso conte comigo, amigo, disponha.
A E D/F#
Lembre-se sempre que mesmo modesta, minha casa será sempre sua
A
Amigo...

A E
Os verdadeiros amigos, do peito, de fé, os melhores amigos,
A
não trazem dentro da boca palavras fingidas ou falsas histórias.
A/F
Sabem entender o silêncio e manter a presença
D/F#
mesmo quando ausentes.
A
Por isso mesmo, apesar de tão raros
E D/F# A
não há nada melhor do que um grande amigo.

A/F D/F#
Por isso, se for preciso conte comigo, amigo, disponha.
A E D/F#
Lembre-se sempre que mesmo modesta, minha casa será sempre sua
A
Amigo...

186 André Sefione - MPB II


Renato Teixeira

AMORA
(RENATO TEIXEIRA)

Introdução: D

A D F#7 Bm
DEPOIS DA CURVA DA ESTRADA TEM UM PÉ DE ARAÇÁ‚
B7 Em
SINTO VIR ÁGUA NOS OLHOS‚ TODA VEZ QUE PASSO LÁ.
G C G G# A
SINTO O CORAÇÃO FLECHADO‚ CANSADO DE SOLIDÃO.
D E A
PENSO QUE DEVE SER DOCE‚ A FRUTA DO CORAÇÃO.
A7 D
VOU CONTAR PARA O SEU PAI‚ QUE VOCÊ NAMORA.
C G
VOU CONTAR PRÁ SUA MÃE‚ QUE VOCÊ ME IGNORA.
C B E7 Gm
VOU PINTAR A MINHA BOCA‚ DO VERMELHO DA AMORA‚
D E7 A
QUE NASCE LÁ NO QUINTAL‚ DA CASA ONDE VOCÊ MORA.

D
VOU CONTAR PARA O SEU PAI‚ QUE VOCÊ NAMORA.
C G
VOU CONTAR PRÁ SUA MÃE‚ QUE VOCÊ ME IGNORA.
C B E7 Gm
VOU PINTAR A MINHA BOCA‚ DO VERMELHO DA AMORA‚
D E7 A A7
QUE NASCE LÁ NO QUINTAL‚ DA CASA ONDE VOCÊ MORA.
D F#7 Bm B7
DEPOIS DA CURVA DA ESTRADA TEM UM PÉ DE ARAÇÁ‚

André Sefione - MPB II 187


Renato Teixeira

CAVALO BRAVO
(RENATO TEIXEIRA)

Introdução: Am Am/G

Am
OLHANDO UM CAVALO BRAVO
C
NO SEU LIVRE CAVALGAR
F Dm
PASSOU-ME PELA CABEÇA
C G Am
UMA VONTADE LOUCA
F
DE TAMBÉM IR
Am
PARA UM CAVALGAR
F
DE TAMBÉM IR
Am
PARA UM CAVALGAR

C
CORAÇÃO ATREVIDO
F
PERNAS DE CURIOSO
CO
OLHOS DE BEM-TE-VI
C Em Am
E OUVIDOS DE BOI MANHOSO
F G
E LÁ VOU EU MUNDO AFORA
F C
MONTADO EM MEU PRÓPRIO DORSO
F G
E LÁ VOU EU MUNDO AFORA
F C
MONTADO EM MEU PRÓPRIO DORSO

188 André Sefione - MPB II


Renato Teixeira
FRETE
(RENATO TEIXEIRA)
Introdução: Am Am/G

Am Am/G Am
Eu conheço cada palmo desse chão
C
é só me mostrar qual é a direção
F Dm
Quantas idas e vindas meu deus quantas voltas
A7 Dm
viajar é preciso é preciso
G E
Com a carroceria sobre as costas
E7 Am
vou fazendo frete cortando o estradão

G C
Eu conheço todos os sotaques
A Dm
desse povo todas as paisagens
B Em
Dessa terra todas as cidades
A D
das mulheres todas as vontades
F C
Eu conheço as minhas liberdades
B7 E
pois a vida não me cobra o frete

Por onde eu passei deixei saudades


A poeira é minha vitamina
Nunca misturei mulher com parafuso
mas não nego a elas meus apertos
Coisas do destino e do meu jeito
Sou irmão de estrada e acho muito bom REFRÃO

Mas quando eu me lembro lá de casa


A mulher e os filhos esperando
Sinto que me morde a boca da saudade
E a lembrança me agarra e profana
O meu tino forte de homem
E é quando a estrada me acode REFRÃO

André Sefione - MPB II 189


Renato Teixeira

MEU VENENO
(RENATO TEIXEIRA)

Introdução: ( C G7 )

C
No Mato Grosso
G7
Fui a Poconé, Cinope,

Cuiabá, Barra do Garça,


C
Alto Floresta, Porto Jofre

Também passei

Por Várzea Grande,


G7
Rondonópolis,

Em Barão de Melgaço
C
Eu parei pra pernoitar

F
No Mato Grosso do Sul
E
Tem Três Lagoas,
A7 Dm G7 C C7
Campo Grande, Corumbá,
F
Aquidauana,
Fm C
Meu coração não me engana
A7 D7
De Potim saí um dia
G7 C G7 C
Só pra ver Ponta Porã.

F
Ji-Paraná, Rondônia,
A7 Dm
Guajará-Mirim, Cacoal,
G7 C
Ariquemes, Pimenta Bueno, BIS
G7 C
Logo logo eu estarei em Porto Velho
G7
Que é a menina dos meus olhos
C G7 C G7 C
Meu veneno...

190 André Sefione - MPB II


Renato Teixeira

OLHOS PROFUNDOS
(RENATO TEIXEIRA)

C F/A C
Feito um menino que permite ao coração
F/A Bb F
Sair correndo sem destino ou direção
G G/B C
Que vire vento e sopre feito um furacão
Bb A F
Que nesse fogo por amor eu ponho a mão
G F E7
E até permito as cantorias da paixão

C F/A C
O velho barco toda vez que vê o mar
F/A Bb F
Fica confuso, com vontade de zarpar
G G/B C
E ver o mar às vezes bem que é preciso
Bb A F
Pra ter certeza de ainda estar-se vivo
G F E7
Mesmo que o casco esteja velho e corroído

C F/A C
Por uma estrada que vai dar não sei aonde
F/A Bb F
Por meu destino o coração é quem responde
G G/B C
Braços abertos pra acender a luz do peito
Bb A F
Com grande amor que seja puro amor refeito
G F E7
Olhos profundos não me olhem desse jeito

André Sefione - MPB II 191


Renato Teixeira

O MAIOR MISTÉRIO
(RENATO TEIXEIRA)

INTROD.: Am7 D

Am7 Am5+
O maior mistério é um mistério
C7+ F C/E
Ai de mim senhora natureza humana
Dm Dm7 G/B E7
Olhar as coisas como são quem dera
Am7 D
E apreciar o simples que de tudo emana

D C/E D/F# G D
Nem tanto pelo encanto da palavra
F C/E A
Mas pela beleza de se ter a fala
D C/E D/F# G D
Nem tanto pelo encanto da palavra
F C/E A
Mas pela beleza de se ter a fala

192 André Sefione - MPB II


Renato Teixeira

RAPAZ CAIPIRA
(RENATO TEIXEIRA)

D G
Qui m'importa, qui m'importa
A7 D
O seu preconceito qui m'importa

G
Você diz que eu sou muito esquisito
A7 G
E eu às vezes sinto a sua ira
A7 D
Mas na verdade assim é que eu fui feito
E A7
É só o jeito de um rapaz caipira

Qui m'importa...

G
Se você quer maiores aventuras
A7 G
Vá pra cidade grande qualquer dia
A7 D
Eu sou da terra e não creio em magia
E A7
É só o jeito de um rapaz caipira

Qui m'importa...

G
Se dá problema eu subo na picape
A7 G
E no horizonte eu tiro a minha linha
A7 D
Quando me acalmo é que eu volto pra casa
E A7
Esse é o jeito de um rapaz caipira

Qui m'importa...

André Sefione - MPB II 193


Renato Teixeira

ROMARIA
(RENATO TEIXEIRA)
Introdução: ( D9 G )

D G
E de sonho e de pó
D G
O destino de um só
D Bm7
Feito eu perdido em pensamentos
F#
Sobre o meu cavalo
Bm7 E7
É de laço e de nó
Bm7 E7
De gibeira o jiló
Bm7 F#7 Bm7 B7
Dessa vida cumprida a sol

G D/F# Em7 A7
Sou caipira, Pira...pora Nossa
D F#7 Bm7
Senhora de Apare..cida
G D/F# Em7 A7
Ilumina a mina escura e funda
D D4 D D9 (D4/7) (G D )
O trem da minha vida minha vida

D G
O meu pai foi peão
D G
Minha mãe solidão
D F#7 Bm7
Meus irmãos perderam-se na vida
F#
A custa de aventuras
Bm7 E7 Bm7 E7
Descasei,joguei, investi, desisti
Bm7 F#7 Bm7 B7
Se há sorte, não sei,nunca vi REFRÃO

D G
Me disseram porém
D G
Se eu viesse aqui
D F#7 Bm7
Prá pedir de romaria e prece
F#7
Paz nos desaventos
Bm7 E7
Como eu não sei rezar
Bm7 E7
Só queria mostrar
Bm7 F#7 Bm7 B7
Meu olhar,meu olhar, meu olhar REFRÃO

194 André Sefione - MPB II


Rolando Boldrin

VIDE VIDA MARVADA


(ROLANDO BOLDRIN)
Introdução: D7

D7
Corre um boato aqui donde eu moro
Que as mágoa que eu choro são mal ponteadas
Que no capim mascado do meu boi
A baba sempre foi santa e purificada
Diz que eu rumino desde menininho
Fraco e mirradinho a ração da estrada
Vou mastigando o mundo e ruminando
E assim vou tocando essa vida marvada

G D7
É que a viola fala alto no meu peito humano
G
E toda moda é um remédio pros meus desenganos
D7
É que a viola fala alto no meu peito, humano
G
E toda mágoa é um mistério fora desse plano
G7 C
Pra todo aquele que só fala que eu não sei viver

Chega lá em casa pruma visitinha


G
Que no verso e no reverso da vida inteirinha
D7 G
Há de encontrar-me no cateretê

D7
Tem um ditado dito como certo
Que cavalo esperto não espanta a boiada
E quem refuga o mundo resmungando
Passará berrando essa vida marvada
Cumpadi meu que inveieceu cantando
Diz que ruminando dá pra ser feliz
Por isso eu vagueio ponteando
E assim procurando minha flor-de-liz

REFRÃO

André Sefione - MPB II 195


SÁ & GUARABIRA
CHEIRO MINEIRO DE FLOR
(SÁ & GUARABYRA)

Introd.: (G D Am D)

G D Am D
Quero te ver chegando no meio das serras de manhã
G D Am D
Entre o brilho das matas e a calma da terra ver
Am7 D7 Am7 G
Em flor nosso lar, em flor nosso amor
G D Am D
Esperando na porta da casa que o tempo não venceu
G D Am D
Como se fosse tudo um mundo só seu e meu
Am7 D7 Am7 G
Sentir sem parar arder esse amor
G F C
Difícil é viver longe desse teu cheiro mineiro de flor
G F C
Difícil é viver longe desse teu cheiro mineiro de flor
G F C
Difícil é viver longe desse teu cheiro mineiro,
Cm (G D Am D)
longe desse teu cheiro mineiro de flor Ô ô ô ô ô

G Bm C Cm G
Acredito naquilo que corre no sangue de nós dois
Bm C D
Tenho fé no que ainda precisa chegar depois
C D C D
O dom e o lugar de dar nosso amor
G Bm C Cm G
Como gota crescendo sem chuva no meio do verão
Bm C D
Ter guardado esperança no fundo do coração
Am7 D7 Am7 G
O som que será canção e calor
G F C
Difícil é viver longe desse teu cheiro mineiro de flor
G F C
Difícil é viver longe desse teu cheiro mineiro de flor
G F C
Difícil é viver longe desse teu cheiro mineiro,
Cm (G D Am D)
longe desse teu cheiro mineiro de flor Ô ô ô ô ô

196 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

CHUVA E SOL
(SÁ & GUARABYRA)

Introd.: (G D/F# C Cm )

G D/F# C Cm
Lembro o dia estranho que passava
G D/F# C Cm
Uma porta aberta pra calçada
G D/F# C D7 G D/F# C
Entre chuva e sol a apareceu você

G D/F# C Cm
Ima..gina...ção ou movimento
G D/F# C Cm
Tudo igual, canção no pensamento
G D/F# C D7 G F#
Entre chuva e sol a apareceu você

Em B7 Em
Poetas são chegados a viver noutra real
A D
Não me leve a mal então
D7 G GO
Se eu abrir meu coração pra dizer
G D7
Que ainda gosto tanto de você
G Cm (G D/F# C Cm G)
Que ainda gosto tanto, tanto de você

E amanhã se tudo der em nada


Há de haver a porta pra calçada
Entre chuva e sol a esperando você

Preferia tê-la em meu caminho


Tua companhia e teu carinho
Entre chuva e sol vivendo com você

Em B7 Em
A D
D7 G GO
G D7
Que ainda gosto tanto de você
G Cm (G D/F# C Cm G)
Que ainda gosto tanto, tanto de você

André Sefione - MPB II 197


Sá & Guarabyra

DONA
(SÁ & GUARABYRA)

Introd.: G G7+ C D4/7 G

G Bm7 C D4/7 G Bm7 C D4/7


Dona desses traiçoeiros
G Bm7 C D4/7 G Bm7 C D4/7
Sonhos sempre verdadeiros
G Bm7 C D4/7 G Bm7 C D4/7
Oh! Dona desses animais
G Bm7 C D4/7 G Bm7 C D4/7
Dona dos seus ideais
G C/G D/G C/G G
Pelas ruas onde andas, onde mandas todos nós
C/G D/G C/G C
Somos sempre mensageiros esperando tua voz
C6 C7+ C6 C
Teus desejos uma ordem, nada é nunca, nunca é não
C6 C7+ D4/7 G
Porque tens essa certeza dentro do teu coração
G C/G D/G C/G G
Tã, tã, tã, batem na porta, não precisa ver quem é
C/G D/G C/G C
Prá sentir a impaciência do teu pulso de mulher
C6 C7+ C6 C
Um olhar me atira à cama, um beijo me faz amar
C6 C7+ D4/7
Não levanto, não me escondo, porque sei que és minha
G Bm7 C D4/7
Dona
Dona desses traiçoeiros
Sonhos sempre verdadeiros
Oh! Dona desses animais
Dona dos seus ideais
Não há pedra em teu caminho, não há ondas no teu mar
Não há vento ou tempestade que te impeçam de voar
Entre a cobra e o passarinho, entre a pomba e o gavião
Ou teu ódio, ou teu carinho nos carregam pela mão
É a moça da cantiga, a mulher da criação
Umas vezes nossa amiga, outras, nossa perdição
O poder que nos levanta, força que nos faz cair
Qual de nós ainda não sabe que isso tudo te faz
Dona,dona

198 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

ESPANHOLA
(FLÁVIO VENTURINI E GUARABYRA)

Int.: C9 D/C B7/9- EM AM D/F# G4 G

A7+ B/A G#m C#m


POR TANTAS VEZES
A7+ B A9 E
EU ANDEI MENTINDO
A7+ B/A G#m C#m
SÓ POR NÃO PODER
A7+ B A9 E
TE VER CHORANDO

A7+ B/A G#m C#m


TE AMO, ESPANHOLA, TE AMO, ESPANHOLA
A B A E
SE VAI CHORAR, TE AMO
A7+ B/A G#m C#m
TE AMO, ESPANHOLA, TE AMO, ESPANHOLA
A B A E
SE VAI CHORAR, TE AMO

E F#m E/G#
SEMPRE ASSIM, CAI O DIA E É ASSIM
A E/G#
CAI A NOITE E É ASSIM
A E/G#
ESSA LUA SOBRE MIM
A E/G# B4/7
ESSA FRUTA SOBRE MEU PALADAR

E F#m E/G#
NUNCA MAIS QUERO VER VOCÊ ME OLHAR
A E/G#
SEM ME ENXERGAR EM MIM
A E/G#
EU QUERIA TE FALAR
A E/G# B4/7
EU PRECISO, EU TENHO QUE TE CONTAR

A7+ B/A G#m C#m


TE AMO, ESPANHOLA, TE AMO, ESPANHOLA
A B A E
PRA QUE CHORAR, TE AMO . . .

André Sefione - MPB II 199


Sá & Guarabyra

ESTRELA NATUREZA
(SÁ & GUARABYRA)

Intr.: D6 C#7 F#m7/5- B7 E

E E5+
Estrela natureza precisamos demais
A D6 B7
Te ter sempre por perto na calma e santa paz
E D6 C#7
Nos morros e nos campos, no sol e no sereno
F#m G#7
Zelando por florestas, cuidando dos animais
C#m7+ C#m7
Mulher e mãe de todos, o que será de nós
F#m7/5- B7
Se a força do inimigo calar a tua voz
E D6 C#7
Que sai dos passarinhos, dos mares e dos rios
F#m G#7 D6 C#7
Dos vales preguiçosos dos velhos pantanais

200 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

HARMONIA
(SÁ & GUARABYRA)

Intr.: Am/E F G/F

C G/B Am
Como um bicho da rua pode ter
Am/G D/F#
A alegria da rua pra morar
G
Como aquele que não te pode ter
G7 C
Mas te tem nos pedaços que encontrar
F
Entre o povo apressado na estação
F#O
Tem a felicidade num olhar
C G Am/E F G/F
Um momento qualquer de emoção de harmonia

C G/B Am
Uma noite se faz de escurecer
Am/G D/F#
Madrugada se faz de clarear
G
Mas a luz no escuro faz nascer
G7 C
Todo brilho da noite seu luar
F
De manhã o escuro ao morrer
F#O
Vai nos mudar de dia e de prazer
C G Am/E F G/F
E é assim que agente vai viver em harmonia

C C5+ F Bb C G/B Am G

F G F G F Em F
Harmonia, harmonia, harmonia

C G/B Am
Harmonia é ver o sol nascer
Am/G D/F#
Com o brilho da lua ainda lá
G
Harmonia é a rua e é você
G7 C
É a luz do escuro no olhar
F
Que desejo tão fácil de se ter
F#O
Que presente difícil de ganhar
C G Am/E F G/F
Mas é sina do homem procurar harmonia

André Sefione - MPB II 201


Sá & Guarabyra

ME FAÇA UM FAVOR
(SÁ & GUARABYRA)

Intr.: G C D7 G D7

G D/F# C
Quero que voce me faça um favor
A G
Já que agente não vai mais se encontrar
D/F# C
Cante uma canção que fale de amor
A D D7/4 D7
Que seja bem fácil de se guardar

G C G C G D/F# Em
Meu amor, o que eu sou, todo mundo vê
D C Em Am G C C#m7/5- D7
Me perdi, me esqueci, dentro do seu mun.....do
C Em Am D7 C Em Am D7 G
Pro.cu.ran.do a vi.da com você

Mesmo que as pessoas lembrem de nós


Mesmo que eu me lembre dessa canção
Não vai haver nada pra recordar
Nada o que valeu, que houve de bom

Meu jardim, meu quintal


Sempre a mesma flor
Hoje não, cada um dentro do seu mundo
Navegando contra a solidão

Quero que voce me faça um favor


Já que agente não vai mais se encontrar
Cante uma canção que fale de amor
Que seja bem fácil de se guardar

Mesmo que as pessoas lembrem de nós


Mesmo que eu me lembre dessa canção
Não vai haver nada pra recordar
Nada o que valeu, que houve de bom

Meu amor, o que eu sou, todo mundo vê


Me perdi, me esqueci, dentro do seu mundo
Procurando a vida com você

202 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

O PÓ DA ESTRADA
(SÁ/RODRIX/GUARABYRA)

Intr.: E A E A B7 A G#m B7

E A9 E A9
O pó da estrada brilha nos meus olhos
E F#7 B7 G#7
Como a distância matando as palavras
C#m7 F#7 E A
Na minha boca sempre a mesma sede
B7 A G#m B7
O pó da estrada, ah, oh

E A9 E A9
O pó da estrada gruda nos meus olhos
E F#7 B7 G#7
Como as distâncias mudam as palavras
C#m7 F#7 E E7
Na minha boca sempre o mesmo assunto
B7 A G#m B7
O pó da estrada

G#7 C#m7 G#m7


Eu conheci um velho vagabundo
A F#m E G#7
Que andava por aí sem querer parar
C#m7 B7 C#m7
Quando parava ele dizia a todos
F#7 B7 A G#m B7
Que o seu coração ainda rolava pelo mundo

E A9 E A9
E o pó da estrada fica em minha roupa
E F#7 B7 G#7
O cheiro forte da poeira levantada
C#m7 F#7 E A
Levando a gente sempre mais a frente
B7 A G#m B7 E
Nada mais urgente que o pó da estrada, que o pó da estrada

André Sefione - MPB II 203


Sá & Guarabyra

PRIMEIRA CANÇÃO DA ESTRADA


(SÁ & GUARABYRA)

Intro: D A

E G
Apesar das minhas roupas rasgadas
C E
E acredito que vá conseguir
A G#m F#m E D
Uma carona que me leve pelo menos à cidade mais próxima
Bm F#m
Onde ninguém vai me olhar de frente
Bm G D A
Quando eu tocar na minha guitarra as canções que eu conheço
E G
Eu tinha apenas dezessete anos
C E
No dia em que saí de casa
A G#m F#m E D
E não fazem mais de quatro semanas que eu estou na estrada
Bm F#m
Mas encontrei tantas pessoas tristes
Bm G
desaprendendo como conversar
D A G# G
Que parece que eu estou carregando os pecados do mundo
C Bm A
Que parece que eu estou carregando os pecados do mundo
D C B7
Que parece que eu estou carregando os pecados do mundo
E
Que parece que eu estou carregando os pecados do mundo

204 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

QUEM SABERIA PERDER


(SÁ & GUARABYRA)

Introdução: ( G G7+ ) C7+ Cm

G C7+ Cm
Desde pequeno eu estou por aqui
G Cº
Na mesma vida que eu sempre aprendi
C Cm G/B
Bicho de rio e de mato
C Cm G/B
Peixe criado em lagoa
C G/B Am7 G/B C/D
Voa tristeza, voa vento, voa tempo, voa
G C7+ Cm
O cavaleiro da estrada sem fim
G Cº
O contador de uma estória de mim
C Cm G/B
Vivo do que faz meu braço
C Cm G/B
Meu braço faz o que a terra manda
C G/B Am7 G/B C/D
Voa tristeza, voa vento, voa tempo, voa
G C7+
Mas qual de nós não carrega
G Bm D7
No peito um segredo de amor escondido
G C7+
Diga quem nunca levanta de noite
G C D Em D
Querendo de volta o perdido ou, ou, ou,ou
C G/B Am D7 Em D
Quem saberia perder, ou, ou, ou, ou
C
Quem saberia ...

André Sefione - MPB II 205


Sá & Guarabyra

ROQUE SANTEIRO
(SÁ & GUARABYRA)

Introdução: D G D A7 G D A7 G D

A A/G D/F# A D/C


Dizem que Roque Santeiro, um homem debaixo de um santo
B7 E A
Ficou defendendo o seu canto e morreu
A/G D/F# A D/C
Mas sei que é ainda vivente na lama do rio corrente
B7 Em A7 D G/B A
Na terra onde ele nasceu
A/G D/F# A D/C
Dizem que Roque Santeiro, um homem debaixo de um santo
B7 E A
Ficou defendendo o seu canto e morreu
A/G D/F# A D/C
Mas sei que é ainda vivente na lama do rio corrente
B7 Em A7 D G D
Na terra onde ele nasceu

A7 G A7
E no ABC do Santeiro o que diz o A, o que diz o A
D
O A diz adeus a matriz o que diz o B, o que diz o B
A7 G F#m
O B é a batalha da morte, o que diz o C, o que diz o C
G A7
Coitado do povo infeliz
A/G D/F# A D/C
O D diz que Roque Santeiro não pode ver seu povo em pranto
B7 E A
Com a vida defendeu seu canto e morreu
A/G D/F# A D/C
Mas sei que ele é vivente abençoa o povo crente
B7 Em A7 D
Até quem não lhe socorreu

206 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

SETE MARIAS
(SÁ & GUARABYRA)

Intr.: E A E, C#7 F# E

E A E
Sete marias tinha a vila dos meninos,
A E
Sete marias dentro do sertão
E A E
Sete destinos diferentes, sete sinas,
A E
Sete caminhos para o coração

C#m
Maria do Rosário casou, foi prá roça
E
Viver da mandioca que tira do chão
C#m
Das Dores, mais artista, lá se foi com o circo
E B7
Pros braços de um palhaço, louca de paixão
E7
O povo diz que Maria Bonita
A A#°
ainda espera a vinda de outro Lampião
E D7 C#m
Só não se sabe de Maria Aparecida,
A D E
desaparecida dentro do meu coração REFRÃO

C#m
Maria de Lurdes mora no estrangeiro
E
Prá longe foi levada por um alemão
C#m
Das Graças, encantada, moça feiticeira
E B7
Virou coruja e mora num grotão
E7
Dentro da igreja Maria da Glória,
A A#°
beata arrependida, reza uma oração
E B C#m
Traz dentro dela o filho de um vaqueiro
A D A E A E
Que disse que era um anjo da anunciação, da anunciação

André Sefione - MPB II 207


Sá & Guarabyra

SOBRADINHO
(SÁ & GUARABYRA)
Int.: E C#M E C#M

E
O homem chega, já desfaz a natureza
D A
Tira a gente, põe represa, diz que tudo vai mudar
E
O São Francisco lá prá cima da Bahia
D A
Diz que dia menos dia vai subir bem devagar
C G
E passo a passo vai cumprindo a profecia
C B7
Do beato que dizia que o sertão ia alagar
G# C#m G#m
O sertão vai virar mar, dá no coração
E C#m A G#m
O medo que algum dia o mar também vire sertão
C#m A G#m
Vai virar mar, dá no coração
E C#m A B4/7 (E C#m)
O medo que algum dia o mar também vier sertão
E
Adeus Remanso, Casa Nova, Santo Sé
D A
Adeus Pilão Arcado, vem o rio te engolir
E
Debaixo d'água lá se vai a vida inteira
D A
Por cima da cachoeira o gaiola vai subir
C G
Vai ter barragem no salto do Sobradinho
C B7
E o povo vai se embora com medo de se afogar
G# C#m G#m
O sertão vai virar mar, dá no coração
E C#m A G#m
O medo que algum dia o mar também vire sertão
C#m A G#m
Vai virar mar, dá no coração
E C#m A B4/7 (E C#m)
O medo que algum dia o mar também vire sertão
E
Remanso, Casa Nova, Santo Sé,
C#m
Pilão Arcado, Sobradinho adeus, adeus
E
Remanso, Casa Nova, Santo Sé,
C#m
Pilão Arcado, Sobradinho adeus, adeus

208 André Sefione - MPB II


Sá & Guarabyra

TUA CASA, MINHA CASA


(SÁ & GUARABYRA)

Int.: C, G/B, Am, G, F, Em, F, G


C, G/B, Am, G, F, Em, F, G, C, F, C, F

C G/B C G
Se um dia em tua casa te sentires longe
C F C G
E precisares muito me falar
C G/B C G
Se um dia em tua casa me quiseres perto
C F C G
Mais do que tudo que possas pensar
Gm A7 Dm
Não penses que é difícil, não te atrases tendo medo
A# C A7
A porta fica aberta para te esperar
B7 Em A7
Vem embora, vem embora
C D (C G/B )
Que assim muito me farás feliz

C G/B C G
Se um dia em minha casa te sentires muda
C F C G
E nada mais tiveres a falar
C G/B C G
Se um dia em minha casa te sentires presa
C F C G
Ao sentir triste, fora de lugar
Gm A7 Dm
Não penses que é difícil, não te atrases tendo pena
A# C A7
Partir sempre é melhor que se deixar morrer
B7 Em A7
Vai embora, vai embora
C D Gm A7 Dm
Que assim menos me farás sofrer
A# C A7
Partir sempre é melhor que se deixar morrer
B7 Em A7
Vai embora, vai embora
C D (C G/B ) INTRODUÇÃO
Que assim menos me farás sofrer

André Sefione - MPB II 209


Sá & Guarabyra

ZIRIGUIDUM TCHAN
(SÁ & GUARABYRA)
G
Nova Iorque é ali
Tão perto daqui
O piloto sorri
D
Lá se vai o avião
Em
Eles são o que rola
Eles fazem a moda
Nova Iorque é mais perto
D
Que o sertão
G
Nova Iorque é ali
Tão perto daqui
Oito horas de vôo
D
E ilusão
Em
Nós pisamos na bola
Eles ganham em dólar
Nova Iorque é mais perto
D
Que o sertão
Am7
Reggae, rap, hip hop, rock
G
Walk, don't walk now
D
Ziriguidum tchans
C D G
Ziriguidum tchans

G
Se a viagem nos faz
Brasileiros demais
Cucarachas gerais
D
Na multidão
Em
Essa ilha sem paz
Não descansa jamais
Nova Iorque é mais perto
D
Que o sertão
Am Am(b6)
Escondidos no fundo
Am6
Do umbigo do mundo
B7
John nunca se encontra
Em
Com João
Eles não se interessam
Eles não se conversam
Nova Iorque é mais perto
D
Que o sertão

210 André Sefione - MPB II


SERGIO SAMPAIO
EU QUERO É BOTAR MEU BLOCO NA RUA
(SERGIO SAMPAIO)

E7 Am G
Há quem diga que eu dormi de touca
F E7
Que eu perdi a boca, que eu fugi da briga
Dm Am
Que eu cai do galho e que não vi saída
B7 E7
Que eu morri de medo quando o pau quebrou

E7 Am G
Há quem diga que eu não sei de nada
F E7
Que eu não sou de nada e não peço desculpas
Dm Am
Que eu não tenho culpa, mas que eu dei bobeira
B7 E7
E que Durango Kid quase me pegou

E7 Am G
Eu por mim queria isso e aquilo
F E7
Um quilo mais daquilo, um grilo menos disso
Dm Am
É disso que eu preciso ou não é nada disso
B7 E7
Eu quero todo mundo nesse carnaval

E7 Am G
Eu quero é botar meu bloco na rua
F E7
Brinca, botar pra gemer
E7 Am G
Eu quero é botar meu bloco na rua
F E7
Ginga, pra dar e vender

André Sefione - MPB II 211


Sergio Sampaio

FEMININO CORAÇÃO DE DEUS


(SERGIO SAMPAIO)

C Bm7/5- E7 Am
O coração de Deus é feminino
Am/G F7+ F#º
É a força de toda a criação
G G#º Am A7
Capricho do destino, a Mãe da Invenção
F G C
O coração de Deus é uma criança
A7 Dm
Que dança entre os sexos
Bm7/5- E7 Am A7
É a força do Universo, uma eterna canção

Dm E7 Am A7
E como é forte o feminino coração de Deus
F G7 F G
E como é forte o feminino coração de Deus

C Bm7/5- E7 Am
O coração de Deus não tem segredos
Am/G F7+ F#º
Nem medos, só histórias bonitas
G G#º Am A7
Carícias pequeninas para quem o quiser
F G C
O coração de Deus bate comigo
A7 Dm
Me ensina e me ajuda a viver
Bm7/5- E7 Am A7
Me dá matéria-prima para amar a mulher

Dm E7 Am A7
E como é forte o feminino coração de Deus
F G7 F G
E como é forte o feminino coração de Deus

212 André Sefione - MPB II


Sergio Sampaio

PAVIO DO DESTINO
(SERGIO SAMPAIO)

E F#m B7 G#m
O bandido e o mocinho, são os dois do mesmo ninho E1
A D#º
Correm nos estreitos trilhos, lá do morro dos Aflitos
Cº C#m C#m7 C#m
Na favela do Esqueleto, são filhos do primo pobre
G#m C#7 5ª
A parcela do silêncio, que encobre todos os gritos
F#m B7 F#m
E vão caminhado juntos, o mocinho e o bandido
B7 E D#º C#m
De revolver de brinquedo, por que ainda são meninos
F#
Quem viu o pavio aceso
A Cº C#m A Cº E Introdução D/A
Do destino, do destino

E F#m G#m
Com um pouco mais de idade e já não são como antes
A D#º
Depois que uma autoridade, inventou-lhes um flagrante
Cº C#m C#m7 C#m
Quanto mais escapa o tempo dos falsos educandários
G#m C#7
Mais a dor é o documento que os agride e os separa
F#m B7 F#m
Não são mais dois inocentes, não se falam cara a cara
B7 E D#º C#m
Quem pode escapar ileso do medo e do desatino
F#
Quem viu o pavio aceso
A Cº C#m A Cº E Introdução
Do destino, do destino

E F#m B7 G#m
O tempo que é pai de tudo e surpresa não tem dia
A D#º
Pode ser haja no mundo outra maior ironia
Cº C#m C#m7 C#m
O bandido veste a farda da suprema segurança
G#m C#7
E o mocinho agora amarga, um bando uma quadrilha
F#m B7 F#m
São os dois da mesma safra, os dois são da mesma ilha
B7 E D#º C#m
Dois meninos pelo avesso, dois pequenos valentinos
F#
Quem viu o pavio aceso
A Cº C#m A Cº E BIS
Do destino, do destino

André Sefione - MPB II 213


Sergio Sampaio

TEM QUE ACONTECER


(SERGIO SAMPAIO)

INTRO: Dm7 C Bb A7 Gm G#° Dm7 Dm/C Bb Gm Em7(b5) A7

Dm7 C
Não fui eu nem Deus, não foi você nem foi ninguém.
Bb A7
Tudo o que se ganha nessa vida é pra perder
F Gm
Tem que acontecer, tem que ser assim
Bb Gm Em7(b5) A7
Nada permanece inalterado até o fim
Dm7 C
Se ninguém tem culpa não se tem condenação
Bb A7
Se o que ficou do grande amor é solidão
F Gm
Se um vai perder, outro vai ganhar
Bb Gm Em7(b5) A7
É assim que eu vejo a vida e ninguém vai mudar

Dm7 C Bb
Eu daria tudo, pra não ver você cansada
A7 Gm
Pra não ver você calada, pra não ver você chateada
G#° Dm7 Dm/C Bb
Cara de desesperada, mas não posso fazer nada
Gm A7
Não sou Deus nem sou Senhor
Dm7 C Bb
Eu daria tudo Pra não ver você chumbada
A7 Gm
Pra não ver você baleada, pra não ver você arriada
G#° Dm7 Dm/C Bb
A mulher abandonada, mas não posso fazer nada
Gm Em7(b5) A7 Dm Introd.
Eu sou um compositor popular

214 André Sefione - MPB II


VITOR RAMIL
CAUSO FARRAPO
(VITOR RAMIL)
D G D7 G
Oigalê-tchê, eh-cuê! Assim pensando, fui breve
A D A D
Se aprochegue pra escutar Que a luta ali me chamava
G D7 G
Oigalê-tchê, eh-cuê! No meio de tanta morte
A D A D A D
Mais um causo eu vou contar A Morte eu passei na espada
D7 G
A No meio de tanta morte
Numa peleia das braba A D
D A Morte eu passei na espada
Topei co' a Morte de cara
A REFRÃO
A matungona parada
D A
De olho na minha alma De relancina, a morte
D
D7 G Era uma china estropiada
Eu le pedi: Sai da frente A
A D Saí surrando os galego
Ou te levanto na espada D
D7 G Ai, que prazer que me dava!
Eu sei que a morte eu não mato
A D D7 G
Mas deixo toda lanhada Caramurus vejo sempre
D7 G A D
Eu sei que a morte eu não mato Na ponta da minha espada
A D D7 G
Mas deixo toda lanhada A Morte só volto a ver
A D
REFRÃO Se a guerra tiver terminada
D7 G
A A Morte só volto a ver
Fui, como sempre, educado A D
D Se a guerra tiver terminada
Jamais falando de valde
A
Mas Morte tem uma cara REFRÃO
D
De quem não faz amizade

André Sefione - MPB II 215


VITOR RAMIL

DEIXANDO O PAGO
(VITOR RAMIL)
Intro: Am

E7 Am
Alcei a perna no pingo e saí sem rumo certo
E7 Am
Olhei o pampa deserto e o céu fincado no chão
E7 Am
Troquei as rédeas de mão mudei o pala de braço
Am/G F E7 Am
E vi a lua no espaço clareando todo o rincão
E7 Am
E a trotezito no mais fui aumentando a distância
E7 Am
Deixar o rancho da infância coberto pela neblina
E7 Am
Nunca pensei que minha sina fosse andar longe do pago
Am/G F E7 A
E trago na boca o amargo dum doce beijo de china
D7M E7 A
Sempre gostei da morena é a minha cor predileta
F#m7 Bm7 E7 A
Da carreira em cancha reta dum truco numa carona
D7M E7 A
Dum churrasco de mamona na sombra do arvoredo
F#m7 Bm7 E7 A Am
Onde se oculta o segredo num teclado de cordeona
E7 Am
Cruzo a última cancela do campo pro corredor
E7 Am
E sinto um perfume de flor que brotou na primavera
E7 Am
À noite, linda que eram banhada pelo luar
Am/G F E7 A
Tive ganas de chorar ao ver meu rancho tapera
D7M E7 A
Como é linda a liberdade sobre o lombo do cavalo
F#m7 Bm7 E7 A
E ouvir o canto do galo anunciando a madrugada
D7M E7 A
Dormir na beira da estrada num sono largo e sereno
F#m7 Bm7 E7 A Am
E ver que o mundo é pequeno e que a vida não vale nada
E7 Am
O pingo tranqueava largo na direção de um bolicho
E7 Am
Onde se ouvia o cochicho de uma cordeona acordada
E7 Am
Era linda a madrugada a estrela d'alva saía
Am/G F E7 A
No rastro das três Marias na volta grande da estrada
D7M E7 A
Era um baile um casamento quem sabe algum batizado
F#m7 Bm7 E7 A
Eu não era convidado mas tava ali de cruzada
D7M E7 A
Bolicho em beira de estrada sempre tem um índio vago
F#m7 Bm7 E7 A Am
Cachaça pra tomar um trago carpeta pra uma carteada
E7 Am
Falam muito no destino até nem sei se acredito
E7 Am
Eu fui criado solito mas sempre bem prevenido
E7 Am
Índio do queixo torcido que se amansou na experiência
Am/G F E7 Am] ( A )
Eu vou voltar pra querência lugar onde fui parido Bis

216 André Sefione - MPB II


VITOR RAMIL

ESPAÇO
(VITOR RAMIL)

INTROD.: Bm Bm/A Bm Bm/A G F#

Bm Bm/A
Quarto de não dormir
Bm Bm/A
Sala de não estar
G
Porta de não abrir
F#
Pátio de sufocar

Bm Bm/A
Carta no corredor
Bm Bm/A
Eu não vou nem pegar
G
A voz no gravador
F#
Não quero escutar

Bm Bm/A
A lua é um farol
Bm Bm/A
O vento, um assobio
G
A foto é um out-door
F#
Teu rosto em ¾ mostra que

Bm Bm/A
Tudo
G
Na madrugada
Insiste em ficar
F#
Já que existe
Tanto espaço em mim
Bm Bm/A
Juro
G
Na luz do dia
Todas as coisas
F#
Vão me perder
Como te perdi

André Sefione - MPB II 217


VITOR RAMIL

FOI NO MÊS QUE VEM


(VITOR RAMIL)

INTROD.: Dm Dm/G

Dm Dm/G
Vou te vi
Dm Dm/G
Ali deserta de qualquer alguém
Dm Dm/G
Penso, logo irei
Dm Dm/G
Que seja antes minha que de outrem
Bb C
Quando o vento fez do teu vestido
G
Um dom que Deus te deu
Bb C
Claro que eu rirei
A
Ao vendo o que outro alguém não viu

Vou andei
E me chegando assim te cercarei
Digo, aqui tô eu
Que te amo e às tuas pernas quero bem
Já que estamos nós
Te sugeri-me então o que fazer
Claro que eu beijei
Ao tendo o que outro alguém não quis

E tudo isso
Bb
Foi no mês que vem
C
Foi quando eu chegar
G
Foi na hora em que eu te vi
E mais que tudo
Bb
Foi no mês que vem
C
Foi quando eu chegar
A
Na hora em que eu te quis

Vou fiquei
No teu chegado e tu chegada ao meu
Penso, grande é Deus
Um paraíso prum sujeito ateu
E pensando assim
Farei aquilo que o teu gosto quis
Claro, eu já ganhei de volta
Tudo o que eu quiser

218 André Sefione - MPB II


VITOR RAMIL

JOQUIM
("Joey") Bob Dylan/Jacques Levy
Versão: Vitor Ramil Baseado na vida de Joaquim Fonseca

Intro(x2): G F C G

Satolep
Noite
No meio de uma guerra civil
O luar na janela
Não deixava a baronesa dormir
A voz da voz de Caruso
Ecoava no teatro vazio
Aqui nessa hora é que ele nasceu
Segundo o que contaram pra mim

C D
Joquim era o mais novo
C G
Antes dele havia seis irmãos
C D
Cresceu o filho bizarro
C G
Com o bizarro dom da invenção
C D
Louco, Joquim louco
C G
O louco do chapéu azul
Em G
Todos falavam e todos sabiam
C C/B Am
Quando o cara aprontava mais uma

|G C C/B Am
|Joquim, Joquim
|G F C Am
|Nau da loucura no mar das idéias
|G C C/B Am
|Joquim, Joquim
|G F
|Quem eram esses canalhas
| C Am
|Que vieram acabar contigo?

Muito cedo
Ele foi expulso de alguns colégios
E jurou: "Nessa lama eu não me afundo mais"
Reformou uma pequena oficina
Com a grana que ganhara
Vendendo velhas invenções
Levou pra lá seus livros, seus projetos
Sua cama e muitas roupas de lã
Sempre com frio, fazia de tudo
Pra matar esse inimigo invisível

A vida ia veloz nessa casa


No fim do fundo da América do Sul
O gênio e suas máquinas incríveis
Que nem mesmo Julio Verne sonhou
Os olhos do jovem profeta
Vendo coisas que só ontem fui ver
Uma eterna inquietude e virtuosa revolta
Conduziam o libertário
André Sefione - MPB II 219
Joquim – Continuação...
Dezembro de 1937
Uma noite antes de sair
Chamou a mulher e os filhos e disse:
"Se eu sumir procurem logo por mim"
E não sei bem onde foi
Só sei que teria gritado
A uma pequena multidão
"Ao porco tirano e sua lei hedionda
Nosso cuspe e o nosso desprezo!"

Joquim, Joquim
Nau da loucura no mar das idéias
Joquim, Joquim
Quem eram esses canalhas
Que vieram acabar contigo?

No meio da madrugada, sozinho


Ele foi preso por homens estranhos
Embarcaram num navio escuro
E de manhã foram pra capital
Uns dias mais tarde, cansado e com frio
Joquim queria saber onde estava
E num ar de cigarros
De uns lábios de cobra, ele ouviu:
"Estás onde vais morrer"

Jogado numa cela obscura


Entre o começo do inferno e o fim do céu
Foi assim que depois de muitas histórias
A mulher enfim o encontrou
E ele ainda ficou ali por mais dois anos
Sempre um homem livre apesar da escravidão
As grades, o frio, mas novos projetos
Entre eles um avião

O mundo ardia na guerra


Quando Joquim louco saiu da prisão
Os guardas queimaram
Os projetos e os livros
E ele apenas riu, e se foi
Em Satolep alternou o trabalho
Com longas horas sob o sol
Num quarto de vidro no terraço da casa
Lendo Artaud, Rimbaud, Breton

Joquim, Joquim
Nau da loucura no mar das idéias
Joquim, Joquim
Quem eram esses canalhas
Que vieram acabar contigo?

No início dos anos 50


Ele sobrevoava o Laranjal
Num avião construido apenas das lembranças
Do que escrevera na prisão
E decidido a fazer outros, outros e outros
Joquim foi ao Rio de Janeiro
Aos orgãos certos, os competentes
Tirar um licença

O sujeito lá
Responsável por essas coisas, lhe disse:
"Está tudo certo, tudo muito bem
220 André Sefione - MPB II
Joquim – Continuação...

O avião é surpreendente, eu já vi
Mas a licença não depende só de mim"
E a coisa assim ficou por vários meses
O grande tolo lambendo o mofo das gravatas
Na luz esquecida das salas de espera
O louco e seu chapéu

Um dia
Alguém lhe mandou um bilhete decisivo
E, claro, não assinou embaixo
"Desiste", estava escrito
"Muitos outros já tentaram
E deram com os burros n'água
É muito dinheiro, muita pressão
Nem Deus conseguiria"
E o louco cansado o gênio humilhado
Voou de volta pra casa

Joquim, Joquim
Nau da loucura no mar das idéias
Joquim, Joquim
Quem eram esses canalhas
Que vieram acabar contigo?

No final de longa crise depressiva


Ele raspou completamente a cabeça
E voltou à velha forma
Com a força triplicada
Por tudo o que passou
Louco, Joquim louco
O louco do chapéu azul
Todos falavam e todos sabiam
Que o cara não se entregava

Deflagrou uma furiosa campanha


De denúncias e protestos
Contra os poderosos
Jogou livros e panfletos do avião
Foi implacável em discursos notáveis
Uma noite incendiaram sua casa
E lhe deram quatro tiros
Do meio da rua ele viu as balas
Chegando lentamente

Os assassinos fugiram num carro


Que como eles nunca se encontrou
Joquim cambaleou ferido alguns instantes
E acabou caído no meio-fio
Ao amigo que veio ajudá-lo, falou:
"Me dê apenas mais um tiro por favor
Olha pra mim, não há nada mais triste
Que um homem morrendo de frio"

Joquim, Joquim
Nau da loucura no mar das idéias
Joquim, Joquim
Quem eram esses canalhas
Que vieram acabar contigo?

André Sefione - MPB II 221


VITOR RAMIL

LOCOS DE CARA
INTROD.: G G/F C/5 Am D4 D
G G/F C/5 Am D4 D
Vem, anda comigo pelo planeta, vamos sumir!
G G/F C/5 Am D4 D
Vem, nada nos prende, ombro no ombro, vamos sumir!

G C/5
Não importa que Deus jogue pesadas moedas do céu
G/B Am D4 D7
Vire sacolas de lixo pelo caminho
Se na praça em Moscou Lênin caminha e procura por ti
Sob o luar do oriente, fica na tua
Não importam vitórias, grandes derrotas, bilhões de fuzis
Aço e perfume dos mísseis nos teus sapatos
Os chineses e os negros lotam navios e decoram canções
Fumam haxixe na esquina, fica na tua Vem, anda comigo . .

Não importa que Lennon arme no inferno a polícia civil


Mostre as orelhas de burro aos peruanos
Garibaldi delira, puxa no campo um provável navio
Grita no mar farroupilha, fica na tua
Não importa que os vikings queimem as fábricas do cone sul
Virem barris de bebidas no Rio da Prata
Boitatá nos espera na encruzilhada da noite sem luz
Com sua fome encantada, fica na tua

Poetas loucos de cara


Soldados loucos de cara
Malditos loucos de cara Ah, vamos sumir!

Parceiros loucos de cara


Ciganos loucos de cara
Inquietos loucos de cara Ah, vamos sumir! Vem, anda comigo . . .

Se um dia qualquer tudo pulsar num imenso vazio


Coisas saindo do nada, indo pro nada
Se mais nada existir, mesmo o que sempre chamamos REAL
E isso pra ti for tão claro, que nem percebas
Se um dia qualquer ter lucidez for o mesmo que andar
E não notares que andaso tempo inteiro
É sinal que valeu! Pega carona no carro que vem
Se ele não vem, não importa, fica na tua

Videntes loucos de cara


Descrentes loucos de cara
Pirados loucos de cara
Ah, vamos sumir!

Latinos, deuses, gênios, santos, podres


Ateus, imundos e limpos
Moleques loucos de cara
Ah, vamos sumir!
Gigantes, tolos, monges, monstros, sábios
Bardos, anjos rudes, cheios do saco
Fantasmas loucos de cara
Ah, vamos sumir! Vem, anda comigo . . .

222 André Sefione - MPB II


VITOR RAMIL

NOITE DE SÃO JOÃO


(Vitor Ramil/Fernando Pessoa)

Introd.: Am9 , Am6+ , Am9 , Am6+

C
Noite de São João

Noite de São João BIS


F C G C
Para além do muro do meu quintal

F C
Do lado de cá, eu
F C
Do lado de cá, eu
F C BIS
Do lado de cá
G C
Eu sem noite de São João

Am Em
Porque há São João
Am Em
Onde o festejam
F C E7 Am
Para mim há uma sombra de luz
F C
De fogueiras na noite
F C
De fogueiras na noite
F C
De fogueiras na noite

Am Em
Um ruído de gargalhadas
F C
Os baques dos saltos
F Am
E o grito casual
F C
De quem não sabe que eu
F C
De quem não sabe que eu
F G Am9 Am6+
De quem não sabe que eu existo
F G C
De quem não sabe que eu existo

André Sefione - MPB II 223


VITOR RAMIL

PASSAGEIRO
(Vitor Ramil)

Em D
Passo sem direção
A C Em
Eu ando só na madrugada
D
Preciso te encontrar
A Am
Oh, meu amor eu sou teu passageiro
B7
Perdido, marginal

A vida me esqueceu
Atrás de alguém que não me escuta
Preciso te falar
Oh, meu amor eu sou teu passageiro
Perdido, marginal

C7+
Não há caminhos que eu deva seguir
Bm
Não tenho certeza se vou te encontar
Am
Grito teu nome
B7
Que o eco me devolve em nomes sem sentido
C7+
Não há sinais que eu deva seguir
Bm
Não tenho uma pista sequer pra te achar
Am
Um junkie cansado
B7
O tempo me consome em ondas de desejo

Passos de ilusão
Eu ando só na madrugada
Preciso te abraçar
Oh, meu amor eu sou teu passageiro
Perdido, marginal

224 André Sefione - MPB II


VITOR RAMIL

RAMILONGA
(Vitor Ramil)
Intro: Em B7 Em

Em9 Em
Chove na tarde fria de Porto Alegre
C Am B7 C B7
Trago sozinho o verde do chimarrão
Am B7 Em Em(7M) Em7
Olho o cotidiano, sei que vou embora
C B7 Em
Nunca mais, nunca mais
Em9 Em
Chega em ondas a música da cidade
C Am B7 C B7
Também eu me transformo numa canção
Am B7 Em Em(7M) Em7 C B7 Em
Ares de milonga vão e me carregam. Por aí, por aí
C Am Em C B7 Em
Ramilonga, Ramilonga)
Em9 Em
Sobrevôo os telhados da Bela Vista
C Am B7 C B7
Na Chácara das Pedras vou me perder
Am B7 Em Em(7M) Em7
Noites no Rio Branco, tardes no Bom Fim
C B7 Em
Nunca mais, nunca mais
Em9 Em
O trânsito em transe intenso antecipa a noite
C Am B7 C B7
Riscando estrelas no bronze do temporal
Am B7 Em Em(7M) Em7 C B7 Em
Ares de milonga vão e me carregam. Por aí, por aí
Em9 Em
O tango dos guarda-chuvas na Praça XV
C Am B7 C B7
Confere elegância ao passo da multidão
Am B7 Em Em(7M) Em7
Triste lambe-lambe, aquém e além do tempo
C B7 Em
Nunca mais, nunca mais
Em9 Em
Do alto da torre a água do rio é limpa
C Am B7 C B7
Guaíba deserto, barcos que não estão
Am B7 Em Em(7M) Em7 C B7 Em
Ares de milonga vão e me carregam. Por aí, por aí
Em9 Em
Ruas molhadas, ruas da flor lilás
C Am B7 C B7
Ruas de um anarquista noturno
Am B7 Em Em(7M) Em7
Ruas do Armando, Ruas do Quintana
C B7 Em
Nunca mais, nunca mais
Em9 Em
Do alto da bronze eu vou pra cidade baixa
C Am B7 C B7
Depois as estradas, praias e morros
Am B7 Em Em(7M) Em7 C B7 Em
Ares de milonga vão e me carregam. Por aí, por aí
Em9 Em
Vaga visão, viajo e antevejo a inveja
C Am B7 C B7
De quem descobrir a forma com que me fui
Am B7 Em Em(7M) Em7
Ares de milonga sobre Porto Alegre
C B7 C
Nada mais, nada mais

André Sefione - MPB II 225


VITOR RAMIL

SEMEADURA
(Vitor Ramil - Fogaça)

INTROD.: Em , B7 , Em , B7

Em B7
Nós vamos prosseguir, companheiro
Em
Medo não há
B7
No rumo certo da estrada
Em
Unidos vamos crescer e andar
B7
Nós vamos repartir, companheiro
Em
O campo e o mar
Am
O pão da vida, meu braço, meu peito
B7 Em
Feito pra amar

G D
Americana Pátria, morena
D#º Em
Quiero tener
Am
Guitarra y canto libre
B7 Em
En tu amanecer
B7
No pampa meu pala a voar
Em
Esteira de vento e luar
B7 Em
Vento e luar

Em B7
Nós vamos semear, companheiro
Em
No coração
B7
Manhãs e frutos e sonhos
Em
Prum dia acabar com essa escuridão
B7
Nós vamos preparar, companheiro
Em
Sem ilusão
Am
Um novo tempo, em que a paz e a fartura
B7 Em
Brotem das mãos REFRÃO

226 André Sefione - MPB II


VITOR RAMIL

UM DIA VAI SERVIR ALGUÉM


(Vitor Ramil - LENINE)
Em
Você pode ser rei no país do futebol
C7+
Pode ser viciado em bingo e nunca ver a luz do sol
D
Você pode ser um mago e vender livros de montão
A
Pode ser uma socialite, enriquecer vendendo pão

C7+
Mas um dia vai servir a alguém, é
Em7
Um dia vai servir a alguém
B7 A7
Seja ao diabo, Ou seja a Deus
Em7
Um dia você vai servir a alguém

Pode ser incendiário e fazer um índio arder


Você pode ser o índio vendo a chama acender
Pode ser um bom ladrão, pode ser um mau juiz
Pode ter um passado limpo, pode ter uma cicatriz

Mas um dia vai servir a alguém, é ...

Você pode estar na mídia sem saber por que


Você pode ser dono de uma rede de TV
Você pode dar o fora tendo tudo pra ficar
Adotar um nome diferente, você pode mesmo se isolar

Mas um dia vai servir a alguém, é ...

Você pode trabalhar na construção civil


Pode estar desempregado, com a vida por um fio
Você pode ter poder, fazer coisas que ninguém fizer
Pode ter mulheres numa jaula, pode ter as drogas que quiser

Mas um dia vai servir a alguém, é ...

Você pode desejar a cura com Lacan


Você pode procurar os serviços de um xamã
Você pode ser um pregador, chutar os santos do altar
Você pode ter um bom discurso, você pode nem saber falar

Mas um dia vai servir a alguém, é ...

Você pode ser demente, pode ser doutor


Você pode ser sincero, pode ter rancor
Você pode ser um crente, você pode ser ateu
Pode ser um leitor vaidoso ou uma miss que nunca leu

Mas um dia vai servir a alguém, é ...

Você pode ser turco, pode ser nissei


Pode estar ali na esquina, estar onde jamais pensei
Você pode me adular, você pode me esquecer
Você pode estar me ouvindo agora, você pode mesmo nem saber

Mas um dia vai servir a alguém, é ...

André Sefione - MPB II 227


VITOR RAMIL

VALÉRIE
(Vitor Ramil)

E1 E2
O rosto se perdeu
E3 E4
O gesto se desfez
C G/B
Depois daquele beijo teu
C7+ B7 B7+
Nada real ficou

E1 E2
Nenhuma lágrima
E3 E4
Nenhuma dor sequer
C G/B
Só o mistério desse amor
C7+ B7 B7+
Pelo que já não sei

E1 E2 E3 E4
Valérie
C G/B
Quero te ver
B7 B7+
Só pra te esquecer
E1 E2 E3 E4
Valérie
C G/B
Quero te ver
B7 B7+
Só pra te esquecer

228 André Sefione - MPB II


ZÉ RAMALHO
ADMIRÁVEL GADO NOVO
(ZÉ RAMALHO)

Introd: ( Am, Am7+ , Am7 , Am )

Am Am7+ Am7 Am7+


Vocês que fazem parte dessa massa
Am Am7+ Am7 Am7+
Que passa nos projetos do futuro
Am Am7+ Am7 Am7+
É duro tanto ter que caminhar
Am Am7+ Am7 Am7+
E dar muito mais que receber
Dm E7 Am Am/G
E ter que demostrar sua coragem
Dm E7 Am Am/G
À margem do que possa parecer
Dm E7 Am Am/G
E ver que toda essa engrenagem
Dm E7 Am Am/G
Já sente a ferrugem lhe roer

C F C F
Ê, Ô Ô vida de gado
C F C F (Am)
Povo marcado Ê, povo feliz

Lá fora faz um tempo confortável


A vigilância cuida do normal
Os automóveis ouvem a notícia
Os homens a publicam no jornal
E correm através da madrugada
A única velhice que chegou
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou

(REFRÃO)

O povo foge da ignorância


Apesar de viver tão perto dela
E sonham com melhores tempos idos
Contemplam essa vida numa cela
Esperam novas possibilidades
De verem esse mundo se acabar
A arca de Noé , o dirigível
Não voam nem se podem flutuar
André Sefione - MPB II 229
Zé Ramalho

BANQUETE DOS SIGNOS


(ZÉ RAMALHO)

Dm
Discutir o cangaço com liberdade
C Am Dm
É saber da viola, da violência

Descobrir nos cabelos inocência


C Am Dm
É saber da fatal fertilidade

F E7 Am Am/G
Descobrir a serena da natureza
F G C E7
Descobrir a beleza dessa mulher
D A Bm Bm/A
Descobrir o que dá boniteza
G F#7 B7 A7 Dm ( Dm C )
Na peleja do homem que vier, quando vier

Dm
Descobrir o bagaço dos engenhos
C Am Dm
No melaço da cana mais um beijo

Descobrir os desejos que não tem cura


C Am Dm
Saracura do brejo na novena

230 André Sefione - MPB II


Zé Ramalho

BATENDO NA PORTA DO CÉU


(Knockin´on heaven´s door)
(ZÉ RAMALHO)

G D Am
Mãe, tire o distintivo de mim
G D C
Que eu não posso mais usá-lo
G D Am
Está escuro demais pra ver
G D C
Me sinto até batendo na porta do céu

G D Am
Bate, bate, bate na porta do céu |
G D C | refrão
Bate, bate, bate na porta do céu |

G D Am
Mãe, guarde esses revólveres pra mim
G D C
Com eles nunca mais vou atirar
G D Am
A grande nuvem escura já me envolveu
G D C
Me sinto até batendo na porta do céu

André Sefione - MPB II 231


Zé Ramalho

CHÃO DE GIZ
(ZÉ RAMALHO)

Introd : ( G , D/F# , Em , C ,D)

G
Desço dessa solidão
D/F# Em
Espalho coisas sobre um chão de giz
C D G Em
Há meros devaneios tolos a me torturar
C D
Fotografias recortadas
G D/F# Em
Em jornais de folhas amiúde
C Bm Am D
Eu vou te jogar nuum pano de guardar confetes
G
Disparo balas de canhão
D/F# Em
É inútil pois existe um grão-vizir
C D G Em
Há tantas violetas velhas sem um colibri
C D
Queria usar que sabe
G D/F# Em
Uma camisa de força, ou de Vênus
C Bm Am D
Mas não vou gozar de nós apenas um cigarro
Am Bm Am D
Nem vou lhe beijar, gastando assim o meu baton

G
Agora pego um caminhão na lona
D/F# Em
Vou a nocalt outra vez
C D G Em
Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar
C D
Meus vinte anos de boy
G D/F# Em
That’s over baby, Freud explica
C Bm Am D
Nem vou lhe beijar, gastando assim o meu baton
Am Bm Am D
Quanto ao pano de confetes já passou meu carnaval
Am Bm Am D
E isso explica por que o sexo é assunto popular
Am Bm
No mais estou indo embora baby (3 vezes)

232 André Sefione - MPB II


Zé Ramalho

ENTRE A SERPENTE E A ESTRELA


()

Introd : ( A C#m7 D A)

A C#m7 D A
Há um brilho de faca, onde o amor vier
C#m7 D E
Que ninguém tem o mapa, da alma da mulher
D E
Ninguém sai com o coração sem sangrar
A C#m7 D A
Ao tentar revê..lar
E D A
Um ser maravilhoso, entre a serpente e a estrela

C#m7 D A
Um grande amor do passado, se transforma em aversão
C#m7 D E
E os dois lado a lado, corroem o coração
D E
Não existe saudade mais cortante
A C#m7 D
Que a de um grande amor ausente
A E D A F#7 B7
Dura, feito diamante corta a ilusão da gente

B Ebm7 E B B7
Toco a vida pra frente, fingindo não sofrer
B Ebm7 E F#7
Mas no peito dormente, espera um bem querer
E F#7 B Ebm7 E
E sei que não será surpresa se o futuro me trouxer
B F#7 E B E F#7 B7
O passado de volta num ambiente de mulher

André Sefione - MPB II 233


Zé Ramalho

ETERNAS ONDAS
()

INTROD: G B F#m5-/7 B7 Em

Em F#m7/5- B7 Em
Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondas
Am D7 B Em
Que vieram como gotas em silêncio tão furioso;

G B7
Derrubando homens entre outros animais,
F#m7/5- B7 Em
Devastando a sede desses matagais (bis);

Am B7
Devorando árvores, pensamentos seguindo
Em Am D7 B7 Em
A linha do que foi escrito pelo mesmo lado tão furioso,

G B7 F#m7/5-
E se teu amigo vento não te procurar
B7 Em
É porque multidões ele foi arrastar (bis).

234 André Sefione - MPB II


Zé Ramalho

GAROTO DE ALUGUEL
()

Em7 Bm
Baby, dê-me seu dinheiro que eu quero viver
Am7
Dê-me seu relógio que eu quero saber
B7
Quanto tempo falta para lhe esquecer
Em
Quanto vale um homem para amar você
Bm
Minha profissão e suja e vulgar
Am
Quero um pagamento para me deitar
B7
Junto com você estrangular meu riso
Em Bm Am B7
Dê-me seu amor que dele não preciso

Em7 Bm
Baby, nossa relação acaba-se assim
Am7
Como um caramelo que chegasse ao fim
B7
Na boca vermelha de uma dama louca
Em
Pague meu dinheiro e vista sua roupa
Bm
Deixe a porta aberta quando for saindo
Am7
Você vai chorando e eu fico sorrindo
B7
Conte pras amigas que tudo foi mal
Em Bm Am B7
Nada me preocupa de um marginal

André Sefione - MPB II 235


Zé Ramalho

O AUTOR DA NATUREZA
(G. AZEVEDO/ZÉ RAMALHO/RENATO ROCHA)

Introd: ( E A ) ( G F# F E )

O que prende demais minha atenção


É um touro raivoso numa arena
Uma pulga do jeito que é pequena
Dominar a bravura do leão
Na picada ele muda a posição
Pra coçar-se depressa com certeza
Não se serve da unha nem da presa
Se levanta da cama e fica em pé
Tudo isso provando quanto é
Poderosa e suprema a natureza

Admiro demais o beija flor


Que com medo da cobra inimiga
Só constrói o seu ninho na urtiga
Recebendo lição do Criador
Observo a coragem do condor
Que nos montes rochosos come a presa
Urubu empregado da limpeza
Como é triste a vida do abutre
Quando encontra um morto é que se nutre
Quanto é grande e suprema a natureza

A abelha por Deus foi amestrada


Sem haver um processo bioquímico
Até hoje não houve nenhum químico
Pra fazer a ciência dizer nada
O buraco pequeno da entrada
Facilita a passagem com franqueza
Uma é sentinela de defesa
E as outras se espalham no vergel
Sem turbina e sem tacho fazem mel
Como é grande o poder da natureza

Não há pedra igualmente ao diamante


Nem metal tão queiro quanto o ouro
Não existe tristeza como o choro
Nem reflexo igual ao de um brilhante
Nem comédia maior que a de Dante
Nem existe acusado sem defesa
Nem pecado maior que avareza
Nem altura igual ao firmamento
Nem veloz igualmente ao pensamento
Nem a grande igualmente a natureza

Tem um verso que fala da maconha


Que uma erva que dá no meio do mato
Se fumada provoca um tal barato
A maior emoção que a gente sonha
A viagem as vezes é medonha
Dá suor, dá vertigem, dá fraqueza
Porém quase sempre é uma beleza
Eu por mim experimento todo dia
Se tivesse um agora eu bem queria
Pois a coisa é da santa natureza

236 André Sefione - MPB II


Zé Ramalho

TERCEIRA LÂMINA
(ZÉ RAMALHO)

Intr.: Bm C#° D7+ Em Bm F#7 Bm

C#° D7+
É aquela que fere, que virá mais tranquila
Em Bm
Com a fome do povo, com pedaços da vida
A G#°
Com a dura semente, que se prende no fogo
F#7
De toda multidão
Bm
Acho bem mais do que pedras na mão
C#° D7+
Dos que vivem calados, pendurados no tempo
Em Bm
Esquecendo os momentos, na fundura do poço,
F#7 Bm
Na garganta do fosso, na voz de um cantador

C#° D7+
E virá como guerra, a terceira mensagem,
Em Bm
Na cabeça do homem, aflição e coragem
A G#°
Afastado da terra, ele pensa na fera,
F#7
Que eu começo a devorar
Bm
Acho que os anos irão se passar
C#° D7+
Com aquela certeza, que teremos no olho
Em Bm
Novamente a idéia , de sairmos do poço
F#7
Da garganta do fosso
Bm
Na voz de um cantador

André Sefione - MPB II 237


Zé Ramalho

VILA DO SOSSEGO
(ZÉ RAMALHO

Intro.: ( G D C ) Bm Am E

G D C
Oh, eu não sei se eram os antigos que diziam
G D C
Em seus papiros Papillon já me dizia
Am Am/G D/F#
Que nas torturas toda carne se trai
Am Am/G D/F#
Que normalmente, comumente, fatalmente, felizmente,
F C G G4 Am E
Displicentemente o nervo se contrai, oh, com precisão

G D C
Nos aviões que vomitavam pára-quedas
G D C
Nas casamatas, caso vivas, caso morras
Am Am/G D/F#
E nos delírios meus grilos temer
Am Am/G D/F#
O casamento, o rompimento, o sacramento, o documento
F C G G4 Am E
Como um passatempo quero mais te ver,oh, com aflição

G D C
Meu treponema não é pálido nem viscoso
G D C
E os meus gametas se agrupam no meu som
Am Am/G D/F#
E as querubinas meninas rever
Am Am/G D/F#
Um compromisso submisso, rebuliço no cortiço
F C G G4 Am E
Chame o padre "Ciço" para me benzer, oh, com devoção

238 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO
BANDEIRA
(ZECA BALEIRO)
Introd.: C11

C11 Am
Eu não quero ver voce cuspindo ódio
C11 Am
Eu não quero ver voce fumando ópio, pra sarar a dor
F7+
Eu não quero ver voce chorar veneno
Fm6
Não quero tomar o teu café pequeno

Eu não quero isso seja lá o que isso for
G#
Eu não quero aquele, eu não quero aquilo
Am
Peixe na boca do crocodilo
D#1 G7.4 G7
Braço na Vênus de Milo acenando tchau

Não quero medir a altura do tombo


Nem passar agosto esperando setembro
Se bem me lembro
O melhor futuro este hoje escuro
O maior desejo da boca é o beijo
Eu não quero ter o Tejo escorrendo das mãos
Quero a Guanabara, quero o rio Nilo
Quero tudo ter, estrela, flor, estilo
Tua língua em meu mamilo, água e sal

Am Em
Nada tenho vez em quando tudo
F7+ Fm6
Tudo quero mais ou menos quanto
Am Em
Vida, vida, noves fora zero
F7+ Fm6
Quero viver, quero ouvir, quer ver

F7+ Fm6
Se é assim quero sim
C
Acho que vim pra te ver

C11 Fm6 Eº D#1 G7.4 G7

André Sefione - MPB II 239


ZECA BALEIRO

BIENAL
(ZECA BALEIRO)

C7 F
Desmaterializando a obra de arte no fim do milênio
C
Faço um quadro com moléculas de hidrogênio
G7
Fios de pentelho de velho armênio
C
Cuspe de mosca, pão dormido, asa de barata torta

Meu conceito parece a primeira vista


Uma roupa configurativo neo expressionista
Com pitadas de art noveau pós surrealista
Calcado na revalorização da natureza morta

Minha mãe certa vez disse-me um dia


Vendo minha obra exposta numa galeria
Meu filho isso é mais estranho que o cú da gia
E muito mais feio que um hipopótamo insone

C7 F
Pra entender um trabalho tão moderno
C
É preciso ler o segundo caderno
G7
Calcular o produto bruto interno
Bb
Multiplicar pelo valor das contas de água, luz e telefone
Dm
Rodopiando na fúria do ciclone
G# G C
Reinvento o céu e o inferno

Minha mãe não entendeu o sub texto


Da arte desmaterializada no presente contexto
Reciclando o lixo lá do cesto
Chego a um resultado estético bacana

Com a graça de Deus e Basquiat


Nova York me espere que eu vou já
Picharei com dendê de vatapá
Uma psicodélica baiana

Misturarei anáguas de viuva


Com tampinhas de pepsi e fanta uva
Um penico com água da última chuva
Ampolas de injeção e penicilina

C7 F
Desmaterializando a matéria
C
Com a arte pulsando na artéria
G7
Boto fogo no gelo da Sibéria
Bb
Faço até cair neve em Terezina
Dm
Com o clarão do raio ca celibrina
G# G C
Desintegro o poder da bactéria

240 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

DODÓI
(ZECA BALEIRO)

Introd. : Am

Am Am/G
Se voce me quer me queira
Am Am/G
Se voce marcar bobeira

F G Am
Eu volto pra mamãe, volto pra papai
F G Am BIS
Corro pro Xingu, fujo pra Xangai

Am Am/G
Se voce não der bandeira
Am Am/G
Se voce me quer não terá

F G Am
Meu amor de fato, meu beijo fatal
F G Am
Minha solidão, nem meu carnaval

F E
Se voce não me quer mais
F E
Se voce não me quer mas eu quero

Am G D
Se voce não me quer nunca mais

F G Am
Eu fico dodói, fico jururu
F G Am BIS
Vou pro Juqueri, volto pra Bangu

André Sefione - MPB II 241


ZECA BALEIRO

HEAVY METAL DO SENHOR


(ZECA BALEIRO)

Introd. : D

D
O cara mais underground que eu conheço é Diabo
A
Que no inferno toca cover das canções celestiais
G D
Com sua banda formada só por anjos decaídos
F E D# D
A plateia pega fogo quando rolam os festivais

D
Enquanto isso Deus brinca de gangorra no play ground
A
No céu com os Santos que já foram homens de pecado
G D
De repente os Santo falam : - Toca Deus um som manero
F E D# D
E Deus fala então: - Aguenta. Vou tocar um som pesado.

D
A banda cover do Diabo acho que já está por fora
A
O mercado tá de olho é no som que Deus criou
G D
Com trombetas distorcidas e harpas envenenadas
F E D# D
O mundo inteiro vai pirar com o heavy-metal do Senhor
F E D# D
mundo inteiro vai pirar com o heavy-metal do Senhor

242 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

LENHA
(ZECA BALEIRO)

Introd. : A

A E D A
Eu não sei dizer o que quer dizer o que vou dizer
E D A
Eu amo voce, mas não sei o que isso quer dizer

A E D A
Eu não sei porque eu teimo em dizer que amo voce
E D A
Se eu não sei dizer o que quer dizer o que vou dizer

E
Se eu digo: - Pare !
D A
Voce não repare no que possa parecer

E
Se eu digo: - Siga !
D A
O que quer que eu diga, voce não vai entender

E
Mas se eu digo: - Venha !
D A
Voce trás a lenha, pro meu fogo acender

André Sefione - MPB II 243


ZECA BALEIRO

O PARQUE DE JURACY
(ZECA BALEIRO)

Dm Gm
Juraci me convidou pra eu ir
A7 Dm
Num parque mais ela lá em Birigui
Gm
E eu vesti o meu terninho engomado
A7 Dm
Alisado, alinhado, pra brincar com Juraci
D7 Gm C
Já caminho eu como um churrasquinho de charque
F F
E um suco de saputi (Com refresco de kiwi)
Dm Gm
Foi ficando divertido pra caramba
A7 Dm
Juraci dançando o samba enquanto eu lia o Guarani

C F
Mas lá chegando tive o maior susto
Gm A7 D7
E tentei a todo custo então crer no que vi
Gm Dm
No lugar do parque um self-service por kilo
A Dm
Fiquei puto com aquilo e perguntei pra Juraci

Dm Gm
Juraci que parque ? Juraci que parque ?
A7 Dm
Juraci que parque é esse que eu nunca vi ?
Dm Gm
Juraci que parque ? Juraci que parque ?
A7 Dm
Juro por Deus que eu quebrei o pau com Juraci !

Dm Gm
Juraci que parque ? Juraci que parque ?
A7 Dm
Juraci que parque é esse que eu nunca vi ?
Dm Gm
Juraci que parque ? Juraci que parque ?
A7 Dm
Juro por Deus que eu odiei a Juraci.

( Quebrei o pau fiquei de mal com Juraci.

Juro por Deus que eu odiei a Juraci. )

244 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

QUASE NADA
(ZECA BALEIRO)
Intro: D G (2x)

D G
De você sei quase nada
D G
Pra onde vai ou porque veio
D G
Nem mesmo sei
Em C
Qual é a parte da tua estrada
A7 D#7/9
No meu caminho
D
Será um atalho
G
Ou um desvio
D
Um rio raso
G
Um passo em falso
Em
Um prato fundo
C
Pra toda fome
A7 D#7/9
Que há no mundo

Bb F
Noite alta que revele
C G
Um passeio pela pele
Bb F
Dia claro madrugada
Em A9
De nós dois não sei mais nada

De você sei quase nada ...

Bb F
Se tudo passa com se explica
C G
O amor que fica nessa parada
Bb F
Amor chega sem dar aviso
Em A9
Não é preciso saber mais nada

André Sefione - MPB II 245


ZECA BALEIRO

STEPHEN FRY
(ZECA BALEIRO)

Introd. : E9

E9
Por onde andará Stephen Fry
F#m7
Por onde andará Stephen
A9 F#m7
Ninguém sabe do seu paradeiro BIS
A9 F#m7
Ninguém sabe pra onde ele foi
B7 E9
Pra onde ele vai

C#m7 C#m7/B F#/A# B/A


Stephen may be feeling, all alone
C#m7 C#m7/B F#/A# B/A
Stephen neve do this again, come back home
F#7.11
Se correr o bicho pega Stephen
A9 B11 E9
Se ficar Stephen, o bicho come

( REFRÃO )

E9 A9 C#m7/B F#/A# B11

246 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

VAPOR BARATO / A FLOR DA PELE


(ZECA BALEIRO)
Introd.: Am, G, F, E

Am G
Oh, sim eu estou tão cansado
F E
Mas não pra dizer, que eu não acredito mais em voce
Am G F E
Com minhas calças vermelhas, meu casaco de general, cheio de aneis
Am G
Vou descendo por todas as ruas
F E
E vou tomar aquele velho navio
Am G
Eu não preciso de muito dinheiro - graças a Deus
F E
E não me importa honey
Am G F E
Oh minha honey baby, baby, honey baby (bis)

Am G
Oh, sim eu estou tão cansado
F E
Mas não pra dizer, que eu estou indo embora
Am G
Talvez eu volte - um dia eu volto
F E
Mas eu quero esquece-la. Eu preciso
Am G
Oh minha grande, oh minha pequena
F E
Oh minha grande obsessão
Am G F E
Oh minha honey baby, baby, honey baby (bis)

Am
Ando tão a flor da pele
G
Que qualquer beijo de novela me faz chorar
F
Ando tão a flor da pele
E/G#
Que teu olhar flor na janela me faz morrer
Am
Ando tão a flor da pele
G
Meu desejo se confunde com a vontade de não ser
F
Ando tão a flor da pele
E
Que a minha pele tem o fogo do juízo final

Dm
Barco sem porto, sem rumo, sem vela
Am
Cavalo sem sela
C#º
Bicho solto, cão sem dono, menino bandido
Cº E
As vezes me preservo, noutras suicido

André Sefione - MPB II 247


ZECA BALEIRO

MEU AMOR, MEU BEM, ME AME


(ZECA BALEIRO)

Intro: Dm BbMaj7/5- Bb Bb A
Dm BbMaj7/5- Dm BbMaj7/5-
Meu amor, meu bem, me ame, não vã pra Meu amor, meu bem sacie mate
Miami Bb A
Bb A Minha fome de vampiro senão eu piro
Meu amor, meu bem, me queira
Dm BbMaj7/5-
Dm BbMaj7/5- Viro hare-krishna, hare hare hare
Tô solto na dura queira, tô num buraco Bb A
Bb A Não me desampare ou eu desespero
Fraco como galinha D'Angola

Dm BbMaj7/5- Dm
Meu amor, meu amor manda não vá pra Meu amor, meu bem me espere
Luanda BbMaj7/5-
Bb A até que o motor pare BIS
Não vá pra Aruba Bb A
Até que Marte nos separe
Dm BbMaj7/5-
Se eu descer você suba aqui no meu
pescoço Dm BbMaj7/5-
Bb A Meu amor ele é demais nunca é de menos
Faça dele seu almoço Bb A
Ele não precisa de camisa-de-vênus
Bb A
Roa o osso e deixa a carne Dm BbMaj7/5-
Ouça o que eu vou dizer, meu bem me ouça
Bb A
Dm BbMaj7/5- O que ele precisa é de uma camisa-de-
Meu amor, meu bem repare no meu cabelo força
Bb A
No meu terno engomado, no meu sapato Dm BbMaj7/5-
Meu amor ele é demais nunca é de menos
Dm BbMaj7/5- Bb A
Eu sou um dragão de pêlo, eu cuspo fogo Ele não precisa de camisa-de-vênus
Bb A
Não esconda o jogo ou berro no ato Bb
Você é a minha cura
Dm BbMaj7/5- A Ab
Meu amor, meu bem me leve de ultraleve se é que alguém tem cura
Bb A G F# F
De avião, de caminhão, de Zepelin Você quer que eu cometa uma loucura?
A Dm
Dm BbMaj7/5- Se você me quer, cometa
Meu amor, meu bem me leve de ultraleve
Bb A
De avião, de caminhão, de Zepelin

248 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

PROIBIDA PRA MIM


(CHARLIE BROWN JR)

Intro:(G F6/9 Em7 Eb G F6/9 Em7 Eb C(add9) G/B Am7 Dsus4)

G(add9) D Em7
ela achou o meu cabelo engraçado
C(add9) G(add9)
proibida pra mim no way
D Em7
disse que não podia ficar
C(add9) G(add9)
mas levou a sério o que eu falei
D Em7
eu vou fazer tudo que eu puder
C(add9) G(add9)
eu vou roubar essa mulher pra mim
D
posso te ligar a qualquer hora
Em7 C(add9) G/B Am Dsus4
mas eu nem sei o seu nome
G(add9) F(add9) Em7
se não eu quem vai fazer você feliz?
Eb6/9 G(add9) D Em C(add9)
Se não eu quem vai fazer você feliz? guerra
G(add9) D Em7
Eu me flagrei pensando em você
C(add9) G(add9)
em tudo que eu queria te dizer
D Em7
em uma noite especialmente boa
C(add9) G(add9)
não há nada mais que a gente possa fazer
D Em7
eu vou fazer de tudo que eu puder
C(add9) G(add9)
eu vou roubar essa mulher pra mim
D
posso te ligar a qualquer hora
Em7 C(add9) G/B Am Dsus4
mas eu nem sei o seu nome
G(add9) F(add9) Em
se não eu quem vai fazer você feliz?
Eb6/9 G(add9) D Em C(add9)
Se não eu quem vai fazer você feliz? guerra
G(add9) F(add9) Eb6/9 C(add9) Dsus4

André Sefione - MPB II 249


ZECA BALEIRO

SALÃO DE BELEZA
(ZECA BALEIRO)

(Dm A#)
VEM VC ME DIZER VAI AO SALÃO DE BELEZA
FAZER PERMANENTE MASSAGEM RINSAGEM
REFLÉXO E OUTRAS COSITAS MÁS
OU BABY VC Ñ PRECISA DE UM SALÃO DE BELEZA
HA MENOS BELEZA NO SALÃO DE BELEZA
A SUA BELEZA É BEM MAIOR
DO QUE QUALQUER BELEZA DE QUALQUER SALÃO
MUNDO VELHO DECADENTE MUNDO
AINDA Ñ APRENDEU A ADIMIRAR A BELEZA
A VERDADEIRA BELEZA
A BELEZA DE QUEM PÕE A MESA
E QUE DEITA NA CAMA
BELEZA DE QUEM COME A BELEZA DE QUEM AMA
C
A BELEZA DO ERRO DO IMPURO DA IMPERFEIÇÃO
BELLE BELLE COMO LINDA EVANGELISTA
LINDA LINDA COMO ISABELLE ADJANI

250 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

SAMBA DO APPROACH
(ZECA BALEIRO)
Intro: B7

E Eb7 D7 C#7 F#m


Venha provar meu brunch saiba que eu tenho approach
B7 E B7
Na hora do lunch, eu ando de ferryboat, venha provar!
E C#7 F#m
Venha provar meu brunch... saiba que eu tenho approach
B7 E
Na hora do lunch, eu ando de ferryboat

E D7 C#7 F#m B7 E
Eu tenho savoir-faire meu temperamento é light
Bm E7 A
Minha casa é hi-tech, toda hora rola um insight
Am6 D7 G#m7
Já fui fã do Jethro Tull, hoje me amarro no Slach
C#7 F#7 B7 E
Minha vida agora é cool, meu passado já foi trash

B7 E
Venha provar meu brunch . . .

F#7 Bm E7 A
Fica ligado no link que eu vou confessar my love
Em A7 D
Depois do décimo drink, só um bom e velho engov
Dm6 G7 C#m
Eu tirei meu green card e fui para Miami Beach
F#7 B7 E7 A B7
Posso não ser pop star, mas já sou um noveu riche

B7 E
Venha provar meu brunch . . .

E D7 C#7 F#m B7 E
Eu tenho sex-appeal saca só meu bachground
Bm E7 A
Veloz como Damon Hill, tenaz com Fittipaldi
Am6 D7 G#m7
Não dispenso um happy end, quero jogar no dream team
C#7 F#7 B7 E E7
De dia um macho man e de noite uma drag queen

B7 E
Venha provar meu brunch . . .

André Sefione - MPB II 251


ZECA BALEIRO

SKAP
(ZECA BALEIRO)
Intro:Am G F G7

Am G F G7
Quando vc pinta tinta nessa tela cinza
Am G F G7
Quando vc passa doce dessa fruta passa
Am G F G7
Quando vc entra mãe-benta molhar os pedaços
Am G F C/E Dm G7
Quando vc chega nega fulô boneca de pixe,flor de azeiviche

F G Em
Vc me faz parecer menos só,menos sózinho
Am G F C/E Dm G7
Vc me faz parecer menos pó,menos pózinho

Am G F G7
Quando vc fala bala no meu velho oeste
Am G F G7
Quando vc dança lança flecha estilingue
Am G F G7
Quando vc olha,molha meu olho que ñ crê
Am G F C/E Dm G7
Quando vc chega mariposa morna lisa,o sangue enxarca a camisa

F G Em
Vc me faz parecer menos só,menos sózinho
Am G F C/E Dm G7
Vc me faz parecer menos pó,menos pózinho

C G
Quando vc diz o que ninguém diz
F G7
Quando vc quer o que ninguém quis
C G
Quando vc usa a lousa pra que eu possa ser giz
F G7 Am G
Quando vc arde ao arder a sua teia cheia de ardis
F C/E Dm G7
Quando vc faz da minha carne triste quase feliz

F G Em
Vc me faz parecer menos só,menos sózinho
Am G F C/E Dm G7
Vc me faz parecer menos pó,menos pózinho

252 André Sefione - MPB II


ZECA BALEIRO

TELEGRAMA
(ZECA BALEIRO)

(Bm A)
Eu tava triste tristinho
Mais sem graça que a top model magrela na passarela
Eu tava só sozinho
Mais solitário que um paulistano
Que um canastrão na hora que cai o pano
[Que um vilão de filme mexicano]
Tava mais bobo que banda de Rock
Que um palhaço do circo Vostok

Bm
Mas ontem eu recebi um telegrama
A
Era você de Aracaju ou do Alabama
Bm
Dizendo nego sinta-se feliz
E G
Porque no mundo tem alguém que diz
(F# G)
Que muito te ama que tanto te ama
Que muito muito te ama que tanto te ama

(Bm A)
Por isso hoje eu acordei
Com uma vontade danada de mandar flores ao delegado
De bater na porta do vizinho e desejar bom dia
De beijar o português da padaria
Hoje eu acordei
Com uma vontade danada de mandar flores ao delegado
De bater na porta do vizinho e desejar bom dia
De beijar o português da padaria

(Bm A)
Mama oh mama oh mama
Quero ser seu quero ser seu quero ser seu
Quero ser seu Papa
Mama oh mama oh mama
Quero ser seu quero ser seu quero ser seu
Quero ser seu Papa

André Sefione - MPB II 253


Índice por autor
ALCEU VALENÇA ............................................................................................................................................ 1
ANUNCIAÇÃO ........................................................... 1
COMO DOIS ANIMAIS .................................................... 2
CORAÇÃO BOBO ......................................................... 3
ESPELHO CRISTALINO ................................................... 4
ESTAÇÃO DA LUZ ....................................................... 5
GIRASSOL ............................................................. 6
LA BELLE DE JOUR ..................................................... 7
MORENA TROPICANA ..................................................... 8
NA PRIMEIRA MANHÃ .................................................... 9
PELAS RUAS QUE ANDEI ................................................ 10
ROUGE CARMIM ........................................................ 11
TAXI LUNAR .......................................................... 12
TESOURA DO DESEJO ................................................... 13
ALMIR SATER ............................................................................................................................................... 14
BEIJINHO DOCE ....................................................... 14
BOIADA .............................................................. 15
BOIADEIRO DO NABILEQUE .............................................. 16
CAMINHOS ME LEVEM ................................................... 17
CAPIM DE RIBANCEIRA ................................................. 18
CAVALEIRO DA LUA .................................................... 19
CHALANA ............................................................. 20
COMITIVA ESPERANÇA .................................................. 21
É NECESSÁRIO ........................................................ 22
CABECINHA NO OMBRO .................................................. 23
GALOPADA ............................................................ 24
MÊS DE MAIO ......................................................... 25
MISSÕES NATURAIS .................................................... 26
NO RANCHO FUNDO ..................................................... 27
O ÚLTIMO CONDOR ..................................................... 28
RASTA DO ADEUS ...................................................... 29
RAZÕES .............................................................. 30
RIO DE LÁGRIMAS ..................................................... 31
SONHOS GUARANIS ..................................................... 32
TOCANDO EM FRENTE ................................................... 33
TREM DE LATA ........................................................ 34
TREM DO PANTANAL .................................................... 35
TRISTEZA DO JECA .................................................... 36
UM VIOLEIRO TOCA .................................................... 37
VARANDAS ............................................................ 38
VASO QUEBRADO ....................................................... 39
VIOLA E VINHO VELHO ................................................. 40
BELCHIOR ...................................................................................................................................................... 41
A PALO SECO ......................................................... 41
APENAS UM RAPAZ LATINO AMERICANO .................................... 42
COMENTÁRIO A RESPEITO DE JONH ....................................... 43
COMO NOSSOS PAIS .................................................... 44
DIVINA COMÉDIA HUMANA ............................................... 45
FOTOGRAFIA 3 X 4 .................................................... 46
GALOS, NOITES E QUINTAIS ............................................ 47
NA HORA DO ALMOÇO ................................................... 48
MEDO DE AVIÃO ....................................................... 49
PARALELAS ........................................................... 50
TODO SUJO DE BATON .................................................. 51
VELHA ROUPA COLORIDA ................................................ 52

254 André Sefione - MPB II


CANTORIA I E II ..................................................................................................................................... 53
AI D’EU SODADE ...................................................... 53
AI QUE SAUDADE D`OCÊ ................................................ 54
ERA CASA ERA JARDIM / VEJA MARGARIDA ................................ 55
ESTAMPAS EUCALOL .................................................... 56
KUKUAYA (O JOGO DA ASA DA BRUXA) .................................... 57
MATANÇA ............................................................. 58
MENINOS ............................................................. 59
MOÇA BONITA ......................................................... 60
NÓIS É JÉCA MAIS É JÓIA ............................................. 61
SABOR COLORIDO / MOÇA BONITA ........................................ 62
SAGA DA AMAZÔNIA .................................................... 63
SAGA DE SEVERININ ................................................... 65
SUÍTE CORRENTEZA .................................................... 66
VIOLÊRO ............................................................. 67
CHICO CESAR ............................................................................................................................................... 68
A PRIMEIRA VISTA .................................................... 68
A PROSA IMPÚRPURA DO CAICÓ .......................................... 69
ESTA ................................................................ 70
MAMA ÁFRICA ......................................................... 71
MULHER EU SEI ....................................................... 72
ONDE ESTARÁ O MEU AMOR .............................................. 73
PEDRA DE RESPONSA ................................................... 74
SE VOCE VIAJAR ...................................................... 75
DOMINGUINHOS ............................................................................................................................................ 76
ABRI A PORTA ........................................................ 76
DE VOLTA PRO MEU ACONCHEGO .......................................... 77
ISSO AQUI TÁ MUITO BOM .............................................. 78
LAMENTO SERTANEJO ................................................... 79
GOSTOSO DEMAIS ...................................................... 80
SÓ QUERO UM XODÓ .................................................... 81
TENHO SEDE .......................................................... 82
FAGNER ........................................................................................................................................................... 83
BORBULHAS DE AMOR ................................................... 83
CANTEIROS ........................................................... 84
CARTAZ .............................................................. 85
DESLIZES ............................................................ 86
DONA DA MINHA CABEÇA ................................................ 87
FANATISMO ........................................................... 88
FRENESI ............................................................. 89
FUMO ................................................................ 90
GUERREIRO MENINO .................................................... 91
MUCURIPE ............................................................ 92
NOTURNO ............................................................. 93
PEDRAS QUE CANTAM ................................................... 94
PENAS DO TIÉ ........................................................ 95
PENSAMENTO .......................................................... 96
QUEM ME LEVARÁ SOU EU ............................................... 97
REVELAÇÃO ........................................................... 98
SINAL FECHADO ....................................................... 99
VOCÊ ENDOIDECEU MEU CORAÇÃO ........................................ 100
ÚLTIMO PAU-DE-ARARA ................................................ 101
FORRÓS ......................................................................................................................................................... 102
FAROL DE OLINDA / FORRÓ EM LIMOEIRO ................................ 102
ESTRELA MATUTINA / MEU PASSARINHO .................................. 103
PETROLINA E JUAZEIRO ............................................... 104
André Sefione - MPB II 255
ALEGRIA E SORRISO / FORRÓ QUENTÃO .................................. 105
JOÃO E MARIA / MENINA APIMENTADA ................................... 106
FORRÓ DO BOLE-BOLE / FORRÓ DESARMADO ............................... 107
CHINELO DE ROSINHA / FORRÓ DO CLARO ................................ 108
O CHAMEGO DELA / O TRÊM PEGA ....................................... 109
MENINO DE COLO ..................................................... 110
GALDÉRIAS ................................................................................................................................................. 111
CANTO ALEGRETENSE .................................................. 111
CÉU, SOL, SUL ...................................................... 112
DESGARRADOS ........................................................ 113
HORIZONTES ......................................................... 114
PRENDA MINHA ....................................................... 115
VENTO NEGRO ........................................................ 116
GERALDO AZEVEDO ................................................................................................................................... 117
BICHO DE SETE CABEÇAS .............................................. 117
CANTA CORAÇÃO ...................................................... 118
CHORANDO E CANTANDO ................................................ 119
DIA BRANCO ......................................................... 120
O AMANHÃ DISTANTE .................................................. 121
GERALDO VANDRÉ...................................................................................................................................... 122
DISPARADA .......................................................... 122
PRA NÃO DIZER QU NÃO FALEI DE FLORES ............................... 124
LENINE ......................................................................................................................................................... 125
A PONTE ............................................................ 125
CANDIEIRO ENCANTADO ................................................ 126
HOJE EU QUERO SAIR SÓ .............................................. 127
JACK SOU BRASILEIRO ................................................ 128
LEÃO DO NORTE ...................................................... 129
MEU AMANHÃ ......................................................... 130
NA PRESSÃO ......................................................... 131
PACIÊNCIA .......................................................... 132
PEDRA E AREIA ...................................................... 133
RELAMPIANO ......................................................... 134
LUIZ GONZAGA & JACKSON DO PANDEIRO ...................................................................................... 135
A VIDA DO VIAJANTE ................................................. 135
ASA BRANCA ......................................................... 136
ASSUM PRETO ........................................................ 137
BAIÃO .............................................................. 138
CANTIGA DO SAPO / A EMA GEMEU ...................................... 139
FORRÓ DE MANÉ VITO ................................................. 140
“DERRAMARO O GAI” .................................................. 141
LUIZ GONZAGA ....................................................... 142
O XOTE DAS MENINAS ................................................. 142
PAGODE RUSSO ....................................................... 143
PARAIBA ............................................................ 144
QUI NEM JILÓ ....................................................... 145
RIACHO DO NAVIO .................................................... 146
VEM MORENA ......................................................... 147
MORAES MOREIRA...................................................................................................................................... 148
BRASIL PANDEIRO .................................................... 148
FESTA DO INTERIOR .................................................. 149
LÁ VEM O BRASIL DESCENDO A LADEIRA ................................. 150
MENINAS DO BRASIL .................................................. 151
PRETA PRETINHA ..................................................... 152
POMBO CORREIO ...................................................... 153
256 André Sefione - MPB II
SINTONIA ........................................................... 154
NEY MATOGROSSO...................................................................................................................................... 155
BALADA DO LOUCO .................................................... 155
BANDOLEIRO ......................................................... 156
HOMEM COM H ........................................................ 157
O VIRA ............................................................. 158
ROSA DE HIROSHIMA .................................................. 159
SANGUE LATINO ...................................................... 160
VIAJANTE ........................................................... 161
NORDESTE .................................................................................................................................................... 162
FOI DEUS QUE FEZ VOCÊ .............................................. 162
BANHO DE CHEIRO .................................................... 163
CANÇÃO DA DESPEDIDA ................................................ 164
MULHER NOVA BONITA E CARINHOSA ... ................................. 165
PAVÃO MISTERIOSO ................................................... 166
SABIÁ .............................................................. 167
FLOR DE IR EMBORA .................................................. 168
ESCRITO NAS ESTRELAS ............................................... 169
NA CHAPADA ......................................................... 170
VIDA CIGANA ........................................................ 171
EU TAMBÉM QUERO BEIJAR ............................................. 172
PAULINHO MOSKA...................................................................................................................................... 173
ADMITO QUE PERDI ................................................... 173
A SETA E O ALVO .................................................... 174
CONTRASENSO ........................................................ 175
ME CHAMA DE CHÃO ................................................... 176
NÃO HAVIA NADA LÁ .................................................. 177
O ÚLTIMO DIA ....................................................... 178
PENA BRANCA E XAVANTINHO.............................................................................................................. 179
CHUÁ-CHUÁ .......................................................... 179
CIO DA TERRA ....................................................... 180
CUITELINHO ......................................................... 181
DE PAPO PRO Á ...................................................... 182
VACA ESTRELA E BOI FUBÁ ............................................ 183
RENATO TEIXEIRA E ROLANDO BOLDRIM ........................................................................................ 184
A PRIMEIRA VEZ QUE EU FUI AO RIO ................................... 184
AMANHECEU PEGUEI A VIOLA ........................................... 185
AMIZADE SINCERA .................................................... 186
AMORA .............................................................. 187
CAVALO BRAVO ....................................................... 188
FRETE .............................................................. 189
MEU VENENO ......................................................... 190
OLHOS PROFUNDOS .................................................... 191
O MAIOR MISTÉRIO ................................................... 192
RAPAZ CAIPIRA ...................................................... 193
ROMARIA ............................................................ 194
VIDE VIDA MARVADA .................................................. 195
SÁ & GUARABIRA...................................................................................................................................... 196
CHEIRO MINEIRO DE FLOR ............................................. 196
CHUVA E SOL ........................................................ 197
DONA ............................................................... 198
ESPANHOLA .......................................................... 199
ESTRELA NATUREZA ................................................... 200
HARMONIA ........................................................... 201
ME FAÇA UM FAVOR ................................................... 202
André Sefione - MPB II 257
O PÓ DA ESTRADA .................................................... 203
PRIMEIRA CANÇÃO DA ESTRADA ......................................... 204
QUEM SABERIA PERDER ................................................ 205
ROQUE SANTEIRO ..................................................... 206
SETE MARIAS ........................................................ 207
SOBRADINHO ......................................................... 208
TUA CASA, MINHA CASA ............................................... 209
ZIRIGUIDUM TCHAN ................................................... 210
SERGIO SAMPAIO...................................................................................................................................... 211
EU QUERO É BOTAR MEU BLOCO NA RUA .................................. 211
FEMININO CORAÇÃO DE DEUS ........................................... 212
PAVIO DO DESTINO ................................................... 213
TEM QUE ACONTECER .................................................. 214
VITOR RAMIL ............................................................................................................................................. 215
CAUSO FARRAPO ...................................................... 215
DEIXANDO O PAGO .................................................... 216
ESPAÇO ............................................................. 217
FOI NO MÊS QUE VEM ................................................. 218
JOQUIM ............................................................. 219
LOCOS DE CARA ...................................................... 222
NOITE DE SÃO JOÃO .................................................. 223
PASSAGEIRO ......................................................... 224
RAMILONGA .......................................................... 225
SEMEADURA .......................................................... 226
UM DIA VAI SERVIR ALGUÉM ........................................... 227
VALÉRIE ............................................................ 228
ZÉ RAMALHO ............................................................................................................................................... 229
ADMIRÁVEL GADO NOVO ................................................ 229
BANQUETE DOS SIGNOS ................................................ 230
BATENDO NA PORTA DO CÉU ............................................ 231
CHÃO DE GIZ ........................................................ 232
ENTRE A SERPENTE E A ESTRELA ....................................... 233
ETERNAS ONDAS ...................................................... 234
GAROTO DE ALUGUEL .................................................. 235
O AUTOR DA NATUREZA ................................................ 236
TERCEIRA LÂMINA .................................................... 237
VILA DO SOSSEGO .................................................... 238
ZECA BALEIRO .......................................................................................................................................... 239
BANDEIRA ........................................................... 239
BIENAL ............................................................. 240
DODÓI .............................................................. 241
HEAVY METAL DO SENHOR .............................................. 242
LENHA .............................................................. 243
O PARQUE DE JURACY ................................................. 244
QUASE NADA ......................................................... 245
STEPHEN FRY ........................................................ 246
VAPOR BARATO / A FLOR DA PELE ..................................... 247
MEU AMOR, MEU BEM, ME AME .......................................... 248
PROIBIDA PRA MIM ................................................... 249
SALÃO DE BELEZA .................................................... 250
SAMBA DO APPROACH .................................................. 251
SKAP ............................................................... 252
TELEGRAMA .......................................................... 253

258 André Sefione - MPB II

Interesses relacionados