Você está na página 1de 5

Perspectivas Brasil

Estudo Bíblico de Descobrimento


Material de Apoio

Introdução
Nesta aula, vamos aprender como começar grupos de estudo bíblico usando um
modelo simples e reproduzível, mas que ao mesmo tempo é profundo e contém os
elementos básicos de um discipulado bíblico. Se você encontrou uma potencial pessoa
de paz, anime-a a convidar seus amigos e/ou familiares para juntos vocês começarem
a estudar a Palavra.

Grupo de Estudo Bíblico de Descobrimento


Nos movimentos que têm sido observados ao redor do mundo, o grupo de estudos
tem um modelo simples e reproduzível. Um dos modelos mais simples é o chamado
Estudo Bíblico de Descobrimento. Nesse modelo, o papel da pessoa que começa o
grupo não é de professor, mas sim de facilitador. Ele apresenta o texto a ser estudado,
e faz perguntas, encorajando as pessoas a encontrarem as respostas no próprio texto.
A reunião de um grupo de Estudo Bíblico de Descobrimento pode ser dividida em 3
partes:

1. Abertura
Na abertura fazemos 3 perguntas:
• Quais motivos você tem para agradecer a Deus essa semana?
• Quais dificuldades você teve essa semana? Podemos fazer algo?
• Quais dificuldades vemos ao nosso redor? Podemos fazer algo?

Depois de discutirmos essas três perguntas, encorajamos eles a responderem essas


perguntas diretamente com Deus. Dessa forma, os motivos de agradecimento viram
louvor e adoração; os motivos de dificuldade pessoal e ao nosso redor viram
intercessão. Portanto, ao mesmo tempo ensinamos de forma simples as pessoas a
serem agradecidas a Deus por o que Ele é e o que Ele faz, a levarem suas dificuldades
e problemas a Deus em oração, a clamarem pelos outros e também a servirem as
pessoas ao nosso redor, tanto dentro como fora do grupo.

2. Estudo da Palavra
Nessa parte a Palavra de Deus é apresentada, interpretada e aplicada. Existem várias
formas de fazermos isso, sendo todas elas válidas. Neste curso apenas estamos
1
Perspectivas Brasil
apresentando uma forma simples e reproduzível que Deus tem usado ao redor do
mundo, especialmente nos lugares considerados os mais difíceis para a entrada do
Evangelho. Um dos benefícios desse método é o fato de não darmos o peixe (não
damos todas respostas e aplicações), mas ensinamos a pescar (desenvolvemos neles
a habilidade e o hábito de se voltarem para as Escrituras para buscarem as respostas).
Vale ressaltar aqui que esse é o melhor método de ensino que encontramos nas fases
iniciais, mas o método tradicional (usando exposição, ensino, sermão etc.) foi e
continua sendo muito usado por Deus, inclusive em fases posteriores de movimentos.
Existem três formas básicas para realizar o Estudo da Palavra:

- 3 Colunas: mais recomendado para povos de tradição escrita, ou seja, onde a forma
preferida de aprendizado é através da leitura. Nesse método, dividimos uma folha de
papel em 3 colunas. Na primeira copiamos o texto, o que incentiva as pessoas a lerem
o mesmo repetidas vezes e com bastante atenção. Na segunda coluna, a pessoa
reescreve o texto com as próprias palavras, o que ajuda a pessoa a preparar-se para
compartilhar com outros, e nos dá clareza sobre como ela o interpretou. Na terceira
coluna, a pessoa escreve como vai aplicar as verdades desse texto em sua vida. Nessa
coluna são escritas frase que normalmente começam com “Eu vou...”. Quando todos
terminarem, um por um compartilha o que escreveu na segunda coluna.

- Semi-oral: esse método é recomendado para pessoas que independentemente de


saberem ler ou não, preferem aprender através da discussão. Nesse método, uma
pessoa lê o texto repetidas vezes, até que todos se sintam confortáveis para o
repetirem com suas próprias palavras. Então, uma por uma, elas vão repetindo o texto
com suas próprias palavras, enquanto os outros as ajudam, caso se esqueçam ou
acrescentem algo.

- Contação de Histórias: esse método é recomendado para pessoas que são de


tradição oral, como povos ágrafos ou não alfabetizados (mas há resultados em grupos
de pessoas bem alfabetizadas também!). Nesse modelo, ao invés de ler o texto da
Bíblia, o facilitador conta a história usando suas próprias palavras. A história é contada
algumas vezes para que todos possam internalizá-la. Então, uma por uma, elas vão
repetindo a história com suas próprias palavras, enquanto os outros as ajudam, caso
se esqueçam ou acrescentem algo.
Depois de feita essa primeira parte, fazemos outras perguntas para melhor
interpretação do texto. Algumas perguntas mais comuns são:
• O que chamou a sua atenção nesse texto?
• O que aprendemos sobre Deus? Sobre Jesus?
• O que aprendemos sobre o homem?

2
Perspectivas Brasil

Algumas outras perguntas comuns são:


• O que Deus fez nessa história?
• O que o homem fez nessa história?
• Tem algum pecado ou mal exemplo a ser evitado?
• Tem algum bom exemplo que devemos seguir?

Depois de investirmos tempo suficiente na interpretação das Escrituras, fazemos uma


pergunta de aplicação. É importante dar algum tempo para as pessoas pensarem e
pedirem a Deus direção sobre o que fazer. Sempre enfatizamos que a Palavra deve ser
aprendida e obedecida. Portanto, ao responder essas perguntas eles estão se
comprometendo. Alguns exemplos de perguntas de aplicação são:
• O que você acha que Deus quer que você faça?
• Como você vai aplicar essas verdades na sua vida?
• O que você vai fazer essa semana como obediência ao que aprendemos?

Finalmente, fazemos uma pergunta para incentivá-los a compartilhar com outros.


Recomendamos que sejam citados os nomes das pessoas com quem eles tentarão
compartilhar a passagem estudada. Normalmente usamos uma pergunta simples,
como:

• Com quem você pode compartilhar isso tudo que você aprendeu?

3. Prestação de Contas
A partir da segunda reunião, acrescentamos uma terceira parte, entre a Abertura e o
Estudo da Palavra, que chamamos de Prestação de Contas. Nessa fase fazemos uma
revisão do que aprendemos na última reunião e compartilhamos como foi a prática do
que aprendemos e como foi compartilhar com outras pessoas. Essa é uma forma de
treiná-los a exercerem o hábito de prestar contas uns aos outros e colocar em prática
o que aprenderam. As perguntas que normalmente fazemos nessa fase são algo do
tipo:
• Qual passagem estudamos na semana passada? O que você aprendeu?
• Você se comprometeu em fazer algumas coisas essa semana, como foi?
• Como foi quando você compartilhou com outros?

IMPORTANTE: Independentemente do método de Estudo da Palavra (3 colunas, Semi-


oral ou Contação de Histórias) e das perguntas específicas que escolhemos usar,
devemos sempre repetir o mesmo padrão todas as reuniões. Dessa forma, o modelo
fica claro para participantes.
3
Perspectivas Brasil

Dicas Práticas

Como começar um Grupo de estudo bíblico (com uma pessoa de paz ou mais)
• Convide a(s) potencial(s) pessoa(s) de paz.
• Convide de forma natural. Lembre-se: este convite é o que você tem de
melhor para oferecer!
• Não diga quantas reuniões serão, pois esperamos que essas reuniões se
tornem parte da vida da pessoa!
• Se alguém concordar em estudar a Palavra, comece o quanto antes – de
preferência em 48h. Estamos em uma batalha espiritual e muita coisa pode
acontecer!

Seu Papel no Grupo


• Você deve ser um facilitador, não o professor! Deixe a Palavra tomar o
protagonismo e ser autoridade, não você. Sempre que possível, procure fazer
mais perguntas que as responder todas.
• Use e ensine as pessoas do grupo a usar duas perguntas simples, mas
poderosas:
o De onde você tirou isso no texto?
o O que o texto diz?
• Se você ouvir algo que você não concorda, use essas duas perguntas! Caso o
problema persista, antes de esclarecer pergunte o que as outras pessoas do
grupo pensam sobre esse assunto. Dessa forma você cria um ambiente
participativo.
• Desde a primeira reunião comece a buscar uma pessoa dentre eles para
facilitar e invista mais tempo nesta pessoa.
• Desde o começo passe a visão que Deus te deu para eles! Anime eles a
imaginarem o que aconteceria se o Reino de Deus viesse com poder sobre o
povo deles.

Passagens a serem estudadas


• Normalmente o primeiro set de passagens bíblicas é escolhido para despertar
o interesse e conduzir a pessoa a descobrir quem é Jesus.
• Esse set inicial pode ser escolhido de forma cronológica, começando pela
criação e queda, passando pelos profetas, vida e morte de Jesus, sua
ressurreição e volta. Essa forma tem tido bastante resultado no mundo
muçulmano. Consulte a lista de sets de estudos presente no material da aula.
4
Perspectivas Brasil
Nele apresentamos um exemplo de set de histórias em ordem cronológica
usado em um povo muçulmano atualmente.
• Também podemos escolher o set de passagens por tema. Nesse caso,
identificamos um problema ou situação que as pessoas que queremos
alcançar estão passando e desenvolvemos um set para responder a essas
questões. Na lista de sets de estudos, presente no material da aula,
apresentamos dezenas de sets de estudos, cobrindo uma variedade de temas
e públicos-alvo.

Você também pode gostar