Você está na página 1de 96

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PSICOLOGIA CLINICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS


TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

FRANCIELY DE MELO BARBOZA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM PSICOLOGIA CLÍNICA EM TERAPIA


COGNITIVO COMPORTAMENTAL

PALMEIRA DOS ÍNDIOS – AL


2019
FRANCIELY DE MELO BARBOZA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM PSICOLOGIA CLÍNICA EM TERAPIA


COGNITIVO COMPORTAMENTAL

Avaliação da disciplina Estágio


Curricular Supervisionado 1 e 2 na
Clínica Escola do curso de Psicologia da
Universidade Federal de Alagoas –
UFAL, para fins avaliativos.

Supervisor: Lucicleide da Silva Pereira

PALMEIRA DOS ÍNDIOS – AL


2019
1 INTRODUÇÃO

Este trabalho tem como objetivo descrever as atividades desenvolvidas durante


o Estágio Curricular Supervisionado 1 e 2 do curso de Psicologia da Universidade
Federal de Alagoas em Psicoterapia Cognitivo-Comportamental, realizada do período
de novembro de 2019 (dois mil e dezenove) até o momento presente, sendo
supervisionado pela supervisora de campo, especialista Lucicleide da Silva Pereira.

O objetivo deste relatório é apresentar a avaliação realizada, a formulação de


caso, plano de intervenção e síntese do que foi realizado até dezembro de 2019 com o
paciente J. P. L., bem como com a paciente M. E. L. embasada pela abordagem Terapia
Cognitiva Comportamental (TCC).

Os atendimentos clínicos foram realizados na Clínica Escola da Universidade


Federal de Alagoas. O paciente 1 é do sexo masculino, 25 anos, solteiro, filho mais
novo, não trabalha, faz curso técnico de Análise Clínica. Sua queixa é ansiedade
insegurança, diz que se sente muito inseguro e sofre de ansiedade desde a adolescência,
quando saía para uma festa ficava ansioso e não conseguia se divertir, quando ansioso
sente dor de barriga e fica sem comer, queixou-se não conseguir ter relações sexuais
após o término de um relacionamento e percebe muitos prejuízos em sua vida. A
paciente 2 é do sexo feminino, 12 anos, estudante, mora com seu pai, sua mãe e uma
irmã. Sua mãe foi em busca de atendimento psicológico com a queixa que a paciente
tem dificuldade de aprendizagem, timidez excessiva e muitos medos, como exemplo,
medo de ir para a escola e ficar em casa sozinha nos períodos em que seus pais estão no
trabalho.
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A Terapia Cognitiva Comportamental é uma forma de psicoterapia fundada por


Aaron T. Beck no início da década de 1960 com demonstração de validação empírica.
Beck (1964) a concebeu como uma psicoterapia estruturada, de curta duração, voltada
para o presente, direcionada para a resolução de problemas atuais e a modificação de
pensamentos e comportamentos disfuncionais, sejam eles, inadequados ou inúteis.
De acordo com Beck (2013 apud Alford & Beck, 1997) o tratamento baseia-se
em formulação cognitiva, crenças e estratégias que caracterizam um transtorno ou o
modo de funcionamento de cada paciente, cada paciente tem suas crenças específicas e
padrões de comportamento. O terapeuta procura produzir, por meio de técnicas, uma
mudança cognitiva, ou seja, modificação do pensamento e no sistema de crenças do
paciente, o objetivo é produzir uma mudança emocional e comportamental.
O modelo cognitivo propõe que a emoção, o comportamento e a fisiologia de
uma pessoa é influenciada pela percepção que ela tem dos eventos. Desse modo, o
pensamento disfuncional é comum a todos os transtornos psicológicos.
Os transtornos psicológicos identificados nos casos clínicos foram: Transtorno
de Ansiedade Social, Transtorno de Ansiedade Generalizada e Transtorno Obsessivo
Compulsivo.
No Transtorno de Ansiedade Social o indivíduo tem um medo acentuado e
persistente de situações sociais em que possa ser avaliado pelas pessoas. Quando
exposto a essas situações sociais, o indivíduo tem medo de ser avaliado negativamente.
Tem a preocupação de que será julgado como ansioso, débil, maluco, estúpido,
enfadonho, amedrontado, sujo ou desagradável. As situações sociais quase sempre
provocam medo ou ansiedade, desse modo, um indivíduo que fica ansioso apenas
ocasionalmente em situação(ões) social(is) não seria diagnosticado com transtorno de
ansiedade social.
Os indivíduos com Ansiedade Social evitará as situações sociais temidas ou
então as suportarão com intenso medo ou ansiedade. O medo, a ansiedade e a esquiva
devem interferir significativamente na rotina normal do indivíduo, no funcionamento
profissional ou acadêmico ou em atividades sociais ou relacionamentos ou deve causar
sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional
ou em outras áreas importantes de sua vida.
O Transtorno de Ansiedade Social tipicamente se inicia em uma fase
intermediária da adolescência, às vezes surge a partir de uma história de inibição social
ou timidez na infância. Alguns indivíduos relatam um início em uma fase precoce da
infância, podendo ser uma experiência estressante ou humilhante, ou insidioso. Sua
duração normalmente é vitalícia, no entanto, sua gravidade pode ser atenuada ou remitir
na fase adulta.
No Transtorno de Ansiedade Generalizada as características essenciais do
transtorno de ansiedade generalizada são ansiedade e preocupação excessivas
(expectativa apreensiva) acerca de diversos eventos ou atividades. A intensidade,
duração ou frequência da ansiedade e preocupação é desproporcional à probabilidade
real ou ao impacto do evento antecipado. O indivíduo tem dificuldade de controlar a
preocupação e de evitar que pensamentos preocupantes interfiram na atenção às tarefas
em questão.
A ansiedade e a preocupação são acompanhadas por pelo menos três dos
seguintes sintomas adicionais: inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da
pele, fatigabilidade, dificuldade de concentrar-se ou sensações de "branco" na mente,
irritabilidade, tensão muscular, perturbação do sono, embora apenas um sintoma
adicional seja exigido para crianças. Pode haver tremores, contrações, abalos e dores
musculares, nervosismo ou irritabilidade associados a tensão muscular. Muitos
indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada também experimentam sintomas
somáticos (p. ex., sudorese, náusea, diarréia) e uma resposta de sobres- salto exagerada.
Sintomas de excitabilidade autonômica aumentada (p. ex., batimentos cardíacos
acelerados, falta de ar, tonturas) são menos proeminentes no transtorno de ansiedade
generalizada do que em outros transtornos de ansiedade, tais como o transtorno de
pânico.
Muitos indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada relatam que se
sentem ansiosos e nervosos por toda a vida. A idade média de início do transtorno é 30
anos; entretanto, a idade início se estende por um período muito amplo. A idade média
de início é mais tardia do que para outros transtornos de ansiedade. Os sintomas de
preocupação e ansiedade excessivas podem ocorrer no início da vida, mas manifestam-
se como um temperamento ansioso.
O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) é caracterizado pela presença de
obsessões e/ou compulsões, também chamados de rituais compulsivos. Obsessões são
pensamentos, impulsos ou imagens recorrentes e persistentes que são vivenciados como
intrusivos e indesejados, enquanto compulsões são comportamentos repetitivos ou atos
mentais que um indivíduo se sente compelido a executar em resposta a uma obsessão ou
de acordo com regras que devem ser aplicadas rigidamente. Obsessões mais comuns são
medos de contaminação e preocupação por germes.
Os tipos de TOC mais comuns são as de limpeza (obsessões por contaminação e
compulsões por limpeza); simetria (obsessões por simetria e compulsões de repetição,
organização e contagem); pensamentos proibidos ou tabus (p. ex., obsessões agressivas,
sexuais e religiosas e compulsões relacionadas); e ferimentos (p. ex., medo de ferir a si
mesmo ou aos outros e compulsões de verificação relacionadas).
As características diagnósticas são pensamentos repetitivos e persistentes (p. ex.,
de contaminação), imagens (p. ex., de cenas violentas ou horrorizantes) ou impulsos (p.
ex., apunhalar alguém). As obsessões não são prazerosas ou experimentadas como
voluntárias: são intrusivas e indesejadas e causam acentuado sofrimento ou ansiedade
na maioria das pessoas. As compulsões (ou rituais) são comportamentos repetitivos (p.
ex., lavar, verificar) ou atos mentais (p. ex., contar, repetir palavras em silêncio) que o
indivíduo se sente compelido a executar em resposta a uma obsessão ou de acordo com
regras que devem ser aplicadas rigidamente. O objetivo é reduzir o sofrimento
desencadeado pelas obsessões ou evitar um evento temido (p. ex., ficar doente).
Contudo, essas compulsões não estão conectadas de forma realista ao evento temido (p.
ex., organizar itens simetricamente para evitar danos a uma pessoa amada) ou são
claramente excessivas (p. ex., tomar banho durante horas todos os dias). As compulsões
não são executadas por prazer, embora alguns indivíduos experimentem alívio da
ansiedade ou sofrimento. As obsessões e compulsões devem tomar tempo (p. ex., mais
de uma hora por dia) ou causar sofrimento ou prejuízo clinicamente significativo para
justificar um diagnóstico de TOC.
O desenvolvimento do TOC, em geral, começa cedo, na infância e adolescência,
com menor freqüência após os 18 ou 20 anos, e excepcionalmente após os 40 anos.
Cerca de 25% dos homens tem o transtorno antes dos 10 anos. Se não houver
tratamento, o curso tende a ser crônico, com os sintomas tendo aumentos e diminuições
de intensidade. Alguns indivíduos têm um curso episódico e uma maioria de
deteriorização. O início na infância ou adolescência pode fazer o TOC permanecer
durante a vida inteira. Embora, 40% dos indivíduos com início do transtorno na infância
ou adolescência possam experimentar remissão até o início da idade adulta.
3 ATIVIDADE PRÁTICA

As atividades realizadas durante o estágio na Clínica Escola da Universidade


Federal de Alagoas tiveram inicio em novembro de 2018 e acontecem até o determinado
o momento. A carga horária semanal é de 12 h (doze horas) e contempla as seguintes
atividades plantão psicológico, supervisão e atendimento.

No plantão psicológico ficava-se a disposição da comunidade acadêmica e dos


moradores da comunidade circunvizinha, é realizado acolhimento e o processo de
triagem, com o intuito de registrar a demanda que motivou a busca para o atendimento,
como também a gravidade da queixa. Na supervisão, os encontros são destinados ao
estudo e discussão da teoria que embasa os atendimentos clínicos, estudos de caso,
como também, relato e discussão dos atendimentos realizados na clínica escola. Os
atendimentos são realizados semanalmente em um tempo equivalente a 50 (cinquenta)
minutos.

No que diz respeito aos atendimentos clínicos, foram atendidos dois pacientes
que continuam em processo terapêutico. O paciente 01 teve um total de 45 (quarenta e
cinco) sessões de terapia, presume-se que o processo perdure por mais ou menos dois
meses, desse modo, espera-se que seja finalizado em fevereiro de 2020 (dois mil e
vinte). O paciente 02 teve um total de 25 (vinte e cinco) sessões de terapia, presume-se
que o processo perdure por mais ou menos seis meses, e dessa maneira, seja finalizado
em junho de 2020.

3.1 Apresentação e análise de cada caso

P nº 01 J. P. L.: J. P. L., 25 anos de idade, solteiro, estudante, mora com sua mãe na
cidade de Palmeira dos Índios – AL. Chegou à Clínica Escola acompanhado de um
amigo, estava apreensivo e envergonhado, disse que se sente muito inseguro e sofre
de ansiedade desde a adolescência, quando saía para uma festa ficava ansioso e não
conseguia se divertir, quando ansioso sente dor de barriga e fica sem comer, queixou-
se não conseguir ter relações sexuais após o término de um relacionamento e percebe
muitos prejuízos em sua vida. Com o acompanhamento psicológico o paciente
entendeu os sinais e sintomas da ansiedade e consegue controlar. Começou a
namorar uma menina e não teve problemas de disfunção sexual.

P n° 2 M. E. S.: M. E, 12 anos, estudante, mora com seu pai, sua mãe e uma irmã. A
mãe A. C. foi em busca de atendimento psicológico com a queixa que M. E. tem
dificuldade de aprendizagem, timidez excessiva e muitos medos, como exemplo,
medo de ir para a escola e ficar em casa sozinha nos períodos em que seus pais estão
no trabalho. No processo terapêutico com a paciente observou-se que M. E. sofre
com o Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e apresenta sinais e sintomas
do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). A paciente ainda está no processo
terapêutico, dentre as intervenções realizadas compreende os sinais e sintomas da
ansiedade e aprendeu a controlá-la.

3.1.1 Caso clínico nº1


P n° 1, J.P.L.: J. P. faz Curso Técnico de Análises Clínicas, solteiro, namora acerca de
dez meses, está desempregado, recebe ajuda financeira de sua mãe e de um tio ao qual
ajuda em alguns afazeres diários. Seus pais são separados, a separação ocorreu quando
J.P.L tinha 8 anos de idade, desde então mora com sua mãe que tem 65 anos e é
aposentada, como característica disse que a mãe é muito ansiosa. Morou com uma tia
paterna dos 9 aos 12 anos de idade na época sua mãe trabalhava fora de casa os três
horários, e então, além de não ter tempo para cuidar dele e de sua irmã, também não
tinha controle sobre os mesmos, não impunha limites, sua tia percebendo a situação
levou-os para morar com ela. Atualmente, se relaciona bem com a mãe, diz que a
mesma é compreensiva. Seu pai tem 45 anos e reside em uma cidade diferente da sua,
avalia seu relacionamento com o pai como estável, diz sentir certo rancor por o pai ter
negado ajuda financeira quando solicitado, tem uma irmã mais nova de 23 anos, casada,
mãe de dois filhos, ao qual se relaciona muito bem, mantêm contato e se vêem duas
vezes por semana. J.P.L. diz que sua irmã marcou muito sua vida, é muito importante
para ele, a mesma sempre foi muito agitada e “desenrolada” enquanto J. P. muito
tímido, sua irmã o encorajava-o a tomar atitudes, como por exemplo, chamar alguém
para dançar em festas, puxar conversa com meninas, enfim, inclusive seu primeiro beijo
e sua primeira relação sexual foram com amigas de sua irmã. Há cinco anos J. P.
começou a se relacionar com uma mulher mais velha, divorciada e mãe de dois filhos,
durante o ato sexual após sua companheira gozar solicitava que J. P. gozasse
imediatamente, esse pedido fazia com que ele não gozasse. Com o passar do tempo sua
companheira passou a agir com desprezo e proferir palavras de humilhação, essa
situação provocava nele certo desprezo e sentimentos de raiva em relação a si mesmo.
Após o fim desse relacionamento, J. P. queixa-se de não conseguir concluir o ato sexual
em outros relacionamentos, passou a apresentar os sintomas de taquicardia, sudorese,
falta de concentração, medo de não conseguir gozar e sente receio que outras meninas
saibam que ele falha sexualmente.

Caso clínico n° 2
P n° 2, M. E.: Estuda o 6° ano na Escola Municipal Dr. Gérson Jatobá Leite na cidade
de Palmeira dos Índios. Mora sua mãe A. C. 35 anos, que trabalha cuidando de uma
idosa, com seu pai J. 40 anos, trabalha como repositor em um supermercado da cidade e
uma irmã, I. de 5 anos. A mãe é exigente, controladora e muito ansiosa, M. E tem um
bom relacionamento com a mesma, pois é obediente, aceita todas suas vontades e
objeções. Seu pai é tranquilo e passivo, tem bom relacionamento com o mesmo e
diálogos de confiança. Tem conflitos com a irmã, a considera chata e “reinona” por
costumar tirar objetos do lugar e não colocar de volta. M. E. é uma menina ansiosa, tem
crises de choro desproporcional a situação, sudorese, sensações de branco na mente.
Desde cedo se envolveu com serviços domésticos e atualmente é responsável por sua
irmã e por a casa quando seus pais estão no trabalho. Gosta que a casa esteja sempre
limpa e arrumada, não suporta ver um objeto em um lugar ou posição fora do comum,
nessas situações sente uma agonia, fica irritada, tem taquicardia e sudorese. A mãe
buscou o atendimento psicológico a partir de uma solicitação escolar por a paciente não
saber ler corretamente e após conflito com uma professora, onde, M. E. alegou que a
mesma implicava e não explicava o conteúdo quando ela tentava esclarecer alguma
dúvida, essa situação deixou M. E. apavorada, tanto que não queria frequentar as aulas
e, posteriormente ir a escola.
3.1.1.1 Formulação/Conceituação do caso

3.1.1.1.1 Dados de Identificação

P nº 1, J. P.: João Paulo Lira do Nascimento, 25 anos, nível ensino médio


completo, solteiro, filho de D. 65 anos (mãe) e J. 45 anos (pai), irmão de R. 23
anos, namorado de I, 20 anos.

P n° 2, M. E.: Maria Eduarda da Silva Lima, 12 anos, ensino fundamental


incompleto, filha de A. C. 35 anos (mãe) e J 40 anos (pai), irmã de I. cinco anos.

3.1.1.1.2 Motivo da busca e diagnóstico (sintomas e hipóteses)

P nº 1, J. P.: Na avaliação inicial, fundamental para a coleta de informações,


utilizou-se a Anamnese como principal instrumento de investigação. Observaram-
se os seguintes sintomas patológicos: ausência de ejaculação/orgasmo por mais de
seis meses, ansiedade e preocupação excessiva quando é necessário sua
exposição, como apresentação de trabalhos, entrevista de emprego e iniciar uma
conversa em uma paquera. O paciente relata que em tais situações sente
taquicardia, tontura, dor de barriga, ânsia de vomito e sudorese. A partir desses
sintomas pode-se presumir como hipótese diagnóstica que o paciente sofre de
Disfunção Sexual do tipo ejaculação retardada que segundo o Manual Diagnóstico
e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM V) deve atender os seguintes critérios
diagnósticos:

A. Qualquer um dos seguintes sintomas deve ser vivenciado em quase todas ou


em todas as ocasiões (aproximadamente 75 a 100%) da atividade sexual com
parceira (em contextos situacionais identificados ou, se generalizada, em todos os
contextos), sem que o indivíduo deseje o retardo:
1. Retardo acentuado na ejaculação.
2. Baixa frequência marcante ou ausência de ejaculação.
B. Os sintomas do Critério A persistem por um período mínimo de
aproximadamente seis meses.
C. Os sintomas do Critério A causam sofrimento clinicamente significativo ao
indivíduo.
D. A disfunção sexual não é mais bem explicada por um transtorno mental não
sexual ou como conseqüência de uma perturbação grave do relacionamento ou de
outros estressores importantes e não é atribuível aos efeitos de alguma
substância/medicamento ou a outra condição médica.
Ainda segundo o DSM V na ejaculação retardada o homem relata
dificuldade ou incapacidade para ejacular, independente da presença de
estimulação sexual adequada e do desejo de ejacular. O diagnóstico é feito a partir
do relato do próprio indivíduo. A definição de "retardo" não apresenta limite
preciso de tempo, tendo em vista que não há consenso sobre o que seria um tempo
razoável para atingir o orgasmo ou o que é um tempo inaceitavelmente longo para
a maioria dos homens e para suas parceiras sexuais.

Outra hipótese diagnóstica está relacionada com os sintomas de


ansiedade em decorrência da exposição do paciente, tendo em vista que este pode
ser avaliado pelos demais. Desse modo, supõe-se, como hipótese diagnóstica, que
o sujeito sofre de Transtorno de Ansiedade Social, no qual, segundo o DSM V
deve atender os seguintes critérios diagnósticos:

A. Medo ou ansiedade acentuados acerca de uma ou mais situações sociais em


que o indivíduo é exposto a possível avaliação por outras pessoas. Exemplos
incluem interações sociais (p. ex., manter uma conversa, encontrar pessoas
que não são familiares), ser observado (p. ex., comendo ou bebendo) e
situações de desempenho diante de outros (p. ex., proferir palestras). Nota: Em
crianças, a ansiedade deve ocorrer em contextos que envolvem seus pares, e
não apenas em interações com adultos.
B. O indivíduo teme agir de forma a demonstrar sintomas de ansiedade que serão
avaliados negativamente e, será humilhante ou constrangedor; provocará a
rejeição ou ofenderá a outros.
C. As situações sociais quase sempre provocam medo ou ansiedade. Nota: Em
crianças, o medo ou ansiedade pode ser expresso chorando, com ataques de raiva,
imobilidade, comportamento de agarrar-se, encolhendo-se ou fracassando em falar
em situações sociais.
D. As situações sociais são evitadas ou suportadas com intenso medo ou
ansiedade.
E. O medo ou ansiedade é desproporcional à ameaça real apresentada pela
situação social e o contexto sociocultural.
F. O medo, ansiedade ou esquiva é persistente, geralmente durando mais de seis
meses.
G. O medo, ansiedade ou esquiva causa sofrimento clinicamente significativo ou
prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes da
vida do indivíduo.
H. O medo, ansiedade ou esquiva não é conseqüência dos efeitos fisiológicos de
uma substância (p. ex., droga de abuso, medicamento) ou de outra condição
médica.
I. O medo, ansiedade ou esquiva não é mais bem explicado pelos sintomas de
outro transtorno mental, como transtorno de pânico, transtorno dismórfico
corporal ou transtorno do espectro autista.
J. Se outra condição médica (p. ex., doença de Parkinson, obesidade, desfiguração
por queima- duras ou ferimentos) está presente, o medo, ansiedade ou esquiva é
claramente não relacionado ou é excessivo.

Desse modo, a característica essencial do transtorno de ansiedade social é um


medo ou ansiedade acentuados ou intensos de situações sociais nas quais o indivíduo
pode ser avaliado pelos outros. Quando exposto a essas situações sociais, o indivíduo
tem medo de ser avaliado negativamente.

P n° 2, M. E.: Na avaliação inicial foi feita a Anamnese (instrumento fundamental para


a coleta de informações e investigação) com a mãe da paciente,. Posteriormente, o
mesmo procedimento foi realizado com M. E. Conforme o processo terapêutico foi
ocorrendo pode-se observar os seguintes sintomas patológicos: sudorese excessiva, falta
de concentração e/ou sensações de “branco” durante provas escolares, perturbação no
sono na noite anterior a determinados eventos, como viagens, por exemplo. Diante
disso, supõe-se, como hipótese diagnóstica, que M. E sofre de Transtorno de Ansiedade
Generalizada, no qual, segundo o DSM V deve atender os seguintes critérios
diagnósticos:

A. Ansiedade e preocupação excessivas (expectativa apreensiva), ocorrendo na maioria


dos dias por pelo menos seis meses, com diversos eventos ou atividades (tais como
desempenho escolar ou profissional).
B. O indivíduo considera difícil controlar a preocupação.
C. A ansiedade e a preocupação estão associadas com três (ou mais) dos seguintes seis
sintomas (com pelo menos alguns deles presentes na maioria dos dias nos últimos seis
meses). Nota: Apenas um item é exigido para crianças.
1. Inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da pele.
2. Fatigabilidade.
3. Dificuldade em concentrar-se ou sensações de “branco” na mente.
4. Irritabilidade.
5. Tensão muscular.
6. Perturbação do sono (dificuldade em conciliar ou manter o sono, ou sono
insatisfatório e inquieto).
D. A ansiedade, a preocupação ou os sintomas físicos causam sofrimento clinicamente
significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas
importantes da vida do indivíduo.
E. A perturbação não se deve aos efeitos fisiológicos de uma substância (p. ex., droga
de abuso, medicamento) ou a outra condição médica (p. ex., hipertireoidismo).
F. A perturbação não é mais bem explicada por outro transtorno mental (p. ex.,
ansiedade ou preocupação quanto a ter ataques de pânico no transtorno de pânico,
avaliação negativa no transtorno de ansiedade social [fobia social], contaminação ou
outras obsessões no transtorno obsessivo-compulsivo, separação das figuras de apego
no transtorno de ansiedade de separação, lembranças de eventos traumáticos no
transtorno de estresse pós- traumático, ganho de peso na anorexia nervosa, queixas
físicas no transtorno de sintomas somáticos, percepção de problemas na aparência no
transtorno dismórfico corporal, ter uma doença séria no transtorno de ansiedade de
doença ou o conteúdo de crenças delirantes na esquizofrenia ou transtorno delirante).

Além disso, a paciente sente agonia intensa e tem sudorese quando está em
ambientes desorganizados e sujos, em casa não suporta ver um objeto em um lugar ou
posição fora do comum, nessas situações sente uma agonia, fica irritada, tem taquicardia
e sudorese, ao andar na rua e se deparar com montantes de lixo sente a mesma sensação.
A partir desses sintomas pode-se presumir como hipótese diagnóstica que a paciente
sofre com Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), no qual, para que seja confirmada
a hipótese segundo o DSM V a paciente deve apresentar os seguintes critérios
diagnósticos:

A. Presença de obsessões, compulsões ou ambas: Obsessões são definidas por (1) e (2):
1. Pensamentos, impulsos ou imagens recorrentes e persistentes que, em algum
momento durante a perturbação, são experimentados como intrusivos e indesejados e
que, na maioria dos indivíduos, causam acentuada ansiedade ou sofrimento. 2. O
indivíduo tenta ignorar ou suprimir tais pensamentos, impulsos ou imagens ou
neutralizá- -los com algum outro pensamento ou ação. As compulsões são definidas por
(1) e (2): 1. Comportamentos repetitivos (p. ex., lavar as mãos, organizar, verificar) ou
atos mentais (p. ex., orar, contar ou repetir palavras em silêncio) que o indivíduo se
sente compelido a executar em resposta a uma obsessão ou de acordo com regras que
devem ser rigidamente aplicadas. 2. Os comportamentos ou os atos mentais visam
prevenir ou reduzir a ansiedade ou o sofri- mento ou evitar algum evento ou situação
temida; entretanto, esses comportamentos ou atos mentais não têm uma conexão realista
com o que visam neutralizar ou evitar ou são claramente excessivos. Nota: Crianças
pequenas podem não ser capazes de enunciar os objetivos desses comportamentos ou
atos mentais.
B. As obsessões ou compulsões tomam tempo (p. ex., tomam mais de uma hora por dia)
ou causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social,
profissional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
C. Os sintomas obsessivo-compulsivos não se devem aos efeitos fisiológicos de uma
substância (p. ex., droga de abuso, medicamento) ou a outra condição médica.
D. A perturbação não é mais bem explicada pelos sintomas de outro transtorno mental
(p. ex., preocupações excessivas, como no transtorno de ansiedade generalizada;
preocupação com a aparência, como no transtorno dismórfico corporal; dificuldade de
descartar ou se desfazer de pertences, como no transtorno de acumulação; arrancar os
cabelos, como na tricotilomania [transtorno de arrancar o cabelo]; beliscar a pele, como
no transtorno de escoriação [skin-picking]’, estereotipias, como no transtorno de
movimento estereotipado; comportamento alimentar ritualizado, como nos transtornos
alimentares; preocupação com substâncias ou jogo, como nos transtornos relacionados a
substâncias e transtornos aditivos; preocupação com ter uma doença, como no
transtorno de ansiedade de doença; impulsos ou fantasias sexuais, como nos transtornos
parafí- licos; impulsos, como nos transtornos disruptivos, do controle de impulsos e da
conduta; ruminações de culpa, como no transtorno depressivo maior; inserção de
pensamento ou preocupações delirantes, como nos transtornos do espectro da
esquizofrenia e outros transtornos psicóticos; ou padrões repetitivos de comportamento,
como no transtorno do espectro autista).

3.1.1.1.3 Influências do desenvolvimento

Histórico familiar P n° 1, J. P.: J. P. L. mora com sua mãe, que tem 65 anos e é
aposentada. É uma pessoa muito ansiosa, teve câncer de pele e foi submetida a duas
cirurgias. Seu pai tem 45 anos, apresenta problemas de coração, se separou de sua mãe
quando J. P. tinha oito anos de idade, o paciente relatou uma briga dos dois na época e
após a mesma se separaram, alegou que sua mãe sempre foi muito ciumenta e agitada,
enquanto, seu pai nervoso, estressado e orgulhoso. Na ocasião da briga o paciente disse
que ficou muito nervoso, sentiu seu coração disparado. Um tempo após a separação sua
mãe envolveu-se com um homem que costumava chegar bêbado em casa e era muito
agressivo, nesses momentos o paciente ficava com muito medo, nervoso, suas mãos
tremiam e seu coração disparava. Certo dia teve que se envolver na briga, empurrou seu
padrasto para impedir que sua mãe se machucasse, esse relacionamento durou cerca de
dois anos. No que concerne seu relacionamento com os pais, com o pai sua relação é
estável, no entanto, sente certo rancor por o mesmo ter recusado ajuda financeira para
tirar sua carteira de motorista, o pai alegou que J. P. não tinha capacidade para passar.
Então, recebeu ajuda de uma tia, irmã de seu pai, que “bancou” todos os custos. O
paciente explicou que morou com essa tia dos 9 aos 12 anos, na época sua mãe
trabalhava como recepcionista em uma clínica médica e ficava fora de casa
praticamente os três horários, e então, além de não ter tempo para cuidar dele e de sua
irmã, também não tinha controle sobre os mesmos, não impunha limites, sua tia
percebendo a situação levou-os para morar com ela. Nesse período J. P. gostava muito
de jogar vídeo game, todos os dias frequentava a lan house, costumava ficar o dia
inteiro, então sua tia começou a proibir sua ida a lan house, nessas situações J. P. sentia
muita raiva e pensava em se matar, essa situação fez com que o paciente saísse da casa
de sua tia e voltasse a morar com sua mãe. J. P. tem uma irmã mais nova, com 23 anos
de idade, casada e mãe de dois filhos, se relaciona muito bem com ela e se vêem cerca
de duas vezes por semana. Foi uma das pessoas que marcou muito sua vida, sendo
muito importante para ele na fase da adolescência. Sua irmã sempre foi muito agitada e
“desenrolada”, enquanto J. P. extremamente tímido, sua irmã o encorajava-o a tomar
atitudes, como por exemplo, chamar alguém para dançar, conhecer meninas e puxar
conversa, apresentava amigas, enfim, inclusive seu primeiro beijo e sua primeira relação
sexual foram com amigas de sua irmã. No que diz respeito a perdas significativas, citou
a perda de sua avó há dois anos.

Histórico escolar P n° 1, J. P: J. P. na escola era um menino de poucos amigos, era


muito tímido, se isolava da turma, mas tinha o desejo de ser popular. Tinha dificuldade
em matemática e um pouco de dificuldade de concentração. Com certa dificuldade pela
timidez, participava de jogos e brincadeiras. Em relação a esporte, jogava apenas vôlei.
O paciente repetiu de série duas vezes, em uma das vezes deixou de freqüentar a escola
por sofrer perturbações de um colega de turma que costumava jogar bola de papel e dar
tapas em sua cabeça, J. P. sentia muita raiva, mas não fazia nada Em outro ano não se
sentia motivado a ir para escola, nesse período jogava vídeo game. O paciente lembra-se
de algumas situações marcantes que ocorreram na escola e ainda hoje sente muita raiva,
quando estudava o sétimo ou oitavo ano, tinha 13 anos, e uma professora solicitou que
respondesse a uma tarefa quando terminou J. P. dirigiu-se até a professora a fim de
verificar se estava correto, a professora agiu com grosseria e respondeu: “volte e sente-
se em seu lugar, se fosse para você vir até aqui eu tinha chamado”. O paciente se sentiu
exposto e envergonhado. Lembra-se também de quando estudava a terceira série, tinha 9
anos, houve uma competição entre os alunos, dois alunos deveriam correr até uma
parede o primeiro a chegar respondia a pergunta, J. P. foi o mais ágil, chegou primeiro e
devia responder a uma pergunta, no momento uma colega de turma falou: “vai errar,
que ele é meio voador”, J. P. sentiu muita raiva e ao acertar olhou para a menina e disse:
“tome”. No mesmo dia, após o fim da gincana estava na sala, mas meio distraído, não
prestou atenção a uma informação que a professora passou, ao perguntar novamente
outra colega disse: “ele é meio assim, né?” e então riram dele, para o paciente isso
significou que ele era meio “voador’.

Histórico social P. n° 1, J. P: No que concerne a sociabilidade J. P. era muito tímido,


sempre teve poucos amigos, a partir dos 14 anos começou a sair com sua irmã,
frequentar festas e a fazer amigos. Ganhou o concurso de mister em sua cidade e
participou do mister Alagoas. Atualmente, não se considera uma pessoa tímida,
consegue se comunicar bem e tem muitos amigos.

Histórico sexual P n° 1, J. P: O paciente recebeu as primeiras informações sobre sexo


dos amigos e fazia perguntas para sua tia paterna. Conforme foram ocorrendo às
transformações em seu corpo, J. P. relatou ficar nervoso, sentia medo. Aos dez anos deu
seu primeiro beijo em uma amiga de sua irmã, achou nojento, ficou nervoso e tenso, a
menina sabia que era seu primeiro beijo e tentou tranquilizá-lo. No que diz respeito à
experiência masturbatórias, J. P. disse que certo dia um amigo chamou para ir até sua
casa assistir vídeo pornô e “ensiná-lo” a se masturbar, ao chegar lá colocou o filme
pornô e em sua frente começou a se masturbar, o paciente ficou muito nervoso, achou
muito feio e nojento, de modo que, saiu correndo e foi embora para casa. Após esse
episódio começou a se masturbar, no entanto, se sentia estranho, tinha um sentimento de
culpa, mas não sabe explicar, e sentia medo de ser pego. Com 16 anos teve sua primeira
relação sexual com uma mulher mais velha, se sentiu vulnerável, pois, tinha medo de
pegar uma doença, acredita que o medo de pegar doença tem relação com uma aula
sobre sexualidade aos 10 anos quando estudava a quarta série, onde a professora deu
muita ênfase aos riscos e doenças transmitidas sexualmente, na aula o paciente se sentiu
desconfortável, ficou em choque e despertou sua curiosidade sobre o assunto. Além
disso, sua família pode ter contribuído também por sempre “alertá-lo” que ele corria
risco de contrair doenças. Sua segunda relação sexual foi com 17 anos. Teve sua
primeira namorada com 18 anos, mas, não teve relação sexual. Lembra que em sua
primeira festa essa namorada, sofreu uma crise de ansiedade no meio da festa, sentiu seu
coração acelerar e vomitou. Aos 21 anos namorou durante seis meses com uma mulher
mais velha, 29 anos, divorciada e mãe de duas filhas, foi um relacionamento conturbado
por não conseguir satisfazê-la sexualmente, se sentia inferior e desprezado por ela, após
o fim desse relacionamento não conseguia ter relações sexuais com outras mulheres,
motivo que o fez buscar a terapia.
Histórico familiar P n° 2, M. E.: A mãe da paciente, A. C. 35 anos relatou que a
gestação de M. E. não foi planejada, seu esposo ficou muito irritado quando descobriu,
de modo que, chegou a agredi – lá fisicamente. Sua gestação era de gêmeos, no entanto,
aos oito meses A. C. levou um queda enquanto lavava o banheiro de sua casa, disse que
sempre gostou de tudo muito limpo, como consequência passou muito mal e teve que
fazer a cirurgia às pressas. Os dois bebês nasceram com vida, mas somente M. E.
conseguiu sobreviver. A. C. é uma mãe rígida, sempre exigiu que a paciente fizesse as
coisas corretamente, quando não, punia M. E. com palmadas e tapas, esse
comportamento acontecia com frequencia, principalmente até os 8 anos de idade. A mãe
também não permitia que M. E. explorasse o ambiente, sempre exigiu que não tirasse
nada do lugar se o fizesse apanhava.

Histórico escolar P n° 2, M. E.: A paciente mudou-se de escola no quinto ano do


ensino fundamental, foi para uma escola que ensinava alunos do ensino fundamental ao
ensino médio. Na escola, M. E. sofreu perseguições dos alunos veteranos, eles se
aproximavam e a intimidava a dar seus pertences, material escolar, acessórios (brincos,
pulseiras). A mãe então a transferiu para outra escola da rede pública, no inicio a
paciente resistiu, ficou com medo que a mesma situação voltasse a ocorrer. M. E. não
aceitava ir para escola sozinha somente acompanhada por seus pais, a mãe muitas vezes
a forçava ir sozinha. No que diz respeito à aprendizagem, a paciente tem dificuldade na
leitura, não pronuncia algumas sílabas. Em período de avaliação, como provas e
trabalhos. M. E. fica ansiosa, de modo que, não consegue dormir. A paciente relatou
conflito com duas professoras, a primeira disse que ela perguntava demais, por este
motivo, começou irritar a professora propositalmente. Outra professora também chamou
sua atenção por conversar muito com suas amigas, M. E. ficou com medo do que sua
mãe poderia fazer e teve uma crise de choro.

Histórico social P n° 2, M. E.: A paciente não tem repertório de socialização, sua mãe
não atende sua necessidade de autonomia. Não permite que a paciente saia de casa
sozinha, mesmo que com pessoas conhecidas e que transmitam confiança como
familiares, como exemplo, a mãe não permite que M. E. visite seus avós sem que esteja
acompanhada por a mesma ou pelo pai. Também não permite que participe de festinhas
escolares, transmite a mensagem que o mundo é perigoso, e sempre algo ruim pode
acontecer.

Histórico sexual P n° 2, M. E.: Não há ocorrência.

3.1.1.1.4 Questões situacionais


P nº 1, J. P.: Está iniciando um novo relacionamento e na primeira relação sexual não
conseguiu ejacular/gozar.

P n° 2, M. E.: Não consegue ir sozinha para escola; se sente ansiosa em provas e


apresentação de trabalho; medo de ir ao dentista.

3.1.1.1.5 Fatores biológicos, genéticos, médicos


P nº 1, J. P.: Mãe sofre com ansiedade. Além disso, há a recorrência de câncer em sua
família, a mãe do paciente já passou por duas cirurgias em virtude de câncer de pele, e
passará por outra cirurgia para retirada de um tumor cancerígeno na laringe.

P n° 2, M. E.: A mãe tem traços de sofrer com Transtorno Obsessivo Compulsivo


(TOC).

3.1.1.1.6 Pontos fortes/qualidades


P nº 1, J. P.: Comunicativo, se expressa bem. Boa memória, assíduo, colaborativo e
curioso em aprender coisas novas.

P n° 2, M. E.: Comunicativa, carinhosa, bom senso de humor.

3.1.1.17 Crenças centrais e intermediárias


P nº 1, J. P.:
Crenças centrais:
Sobre si: eu sou ruim; eu sou incompetente.

Sobre os outros (o mundo): as pessoas costumam fazer julgamentos.

Sobre o futuro: não posso ser uma desgraça.


Crença intermediária: Se eu errar, as pessoas vão me ver como uma pessoa
incompetente.

P n° 2, M. E.:

Crenças centrais: sendo investigadas


Sobre si:

Sobre os outros (o mundo):

Sobre o futuro:

Crença intermediária: sendo investigada

3.1.1.1.8 Metas alcançadas no tratamento

P nº 1, J. P.:
1. Satisfaz-se sexualmente ao ter relações sexuais com sua namorada.
2. Compreende os sinais e sintomas da ansiedade.
3. Controla sua ansiedade em situações consideradas estressoras, como apresentação de
trabalhos e entrevista de emprego.
4. Questiona pensamentos disfuncionais a respeito de si mesmo.

P n° 2, M. E.:

1. Consegue ir para a escola sozinha.


2. Compreende os sinais e sintomas da ansiedade.
3. Controla sua ansiedade em situações consideradas estressoras, como apresentação de
trabalhos e ir ao dentista.
4.1.1.2 O processo terapêutico

P n° 1, J. P.:
Sessão 1, 2 e 3: Realização da Anamnese que consiste em uma entrevista inicial onde
são colhidos dados da vida do paciente. O paciente colaborou com o processo, se
esforçou para lembrar e falar sobre acontecimentos importantes na infância e
adolescência.

Sessão 4: Psicoeducação sobre o modelo cognitivo a psicoeducação sobre o Modelo


Cognitivo de Beck tem como objetivo gerar esperança, aumentar o processo de
aprendizado e eficácia da terapia, auxiliar os pacientes a construir estratégias efetivas da
terapia. O paciente compreendeu e solicitei que me deve exemplo de situações em que
ele percebe a influência do pensamento e emoção no comportamento.

Sessão 5, 6: Psicoeducação sobre a ansiedade e o ciclo da resposta sexual masculina. O


objetivo educar o paciente acerca de sua condição. O que se pretende é que o paciente
saiba o que está acontecendo com ele, por que está acontecendo e o que ele pode fazer
para melhorar. J. P. compreendeu e tirou dúvidas.

Sessão 7: definição dos objetivos terapêuticos. Nessa sessão foram definidos os


objetivos do processo terapêutico, aos quais foram: diminuir a ansiedade no inicio de
relacionamentos, em entrevistas de emprego, inicio de trabalho e falar em público.
Sessão 8 e 9: exposição imaginária. Solicitou-se que o paciente visualizasse cenas de
sua participação na gincana com alunos do curso técnico com o objetivo de evocar os
pensamentos automáticos. Não conseguiu acessar os pensamentos, mas identificou suas
emoções.

Sessão 10: registro na tabela RPD, com a situação “iniciar uma conversa com alguém
desconhecido”, o paciente fez o registro RPD e posteriormente, utilizei a técnica
continuum com o intuito de reestruturar distorções cognitivas ao seu respeito. O
paciente conseguiu reestruturar seu pensamento disfuncional a respeito de si mesmo.

Sessão 11: psicoeducação sobre crenças centrais: a psicoeducação sobre crenças centrais
tem o objetivo que o paciente conheça seu próprio funcionamento, aumente o processo
de aprendizado e eficácia da terapia e auxilie a construir estratégias efetivas para lidar
com suas situações. O paciente compreendeu seu funcionamento em termos cognitivos.

Sessão 12: Reestruturaçã cognitiva. O paciente tem a crença que seus amigos falam mal
a seu respeito, por meio da técnica exame das evidências, onde o paciente pesa as
evidências pró e contra o seu pensamento e busca interpretações alternativas,
adaptativas, racionais e adequada as evidências, o paciente percebeu que essa era um
impressão, não havia evidência e estava relacionado a crença de como ele acredita que
as pessoas o vêem.

Sessão 13: Reestruturação cognitiva: situação: “se estivesse diante de um perito me


sentiria inferior”, uso do questionamento socrático para entender o que determinada
situação significa para o paciente, e de que formas distintas o paciente pode ver a
situação ou problema, como por exemplo, poderia ser uma oportunidade para aprender
mais sobre linguagem corporal.

Sessão 14: Identificando prejuízos: solicitou-se que o paciente avaliasse quais as


consequências/prejuízos associados a utilizar cinco horas no dia – a – dia como jogos e
internet. Paciente não visualiza que isso traz prejuízo.s

Sessão 13: solução de problemas: solicitou que o paciente pensasse no que poderia fazer
se durante a apresentação de trabalho as coisas não saíssem conforme o planejado e em
situações em que se sinta inferior. Como ele pode lidar com suas emoções em
determinadas situações? Paciente pensou em estratégias.

Sessão 14: Modificando crença intermediária negativa: utilizou-se a técnica exame das
evidências e questionamento socrático para modificar a crença intermediária negativa
“se eu errar, então vou ser visto como uma pessoa burra”. Paciente percebeu que não era
uma pessoa burra, comete erros como qualquer pessoas, mas isso não o faz burro.

Sessão 14, 15 e 16: Modificando crenças centrais negativas: utilizou-se a técnica teste
históricos da crença nuclear, quando as mesmas são provenientes de experiências
primárias é útil que o paciente examine como sua crença se originou e foi mantida
através dos anos. O paciente reestrutura as evidências que apóiam a crença nuclear
desde sua tenra idade e também traz a luz evidências que a contradizem. Nesta sessão
solicitou-se que o paciente buscasse na infância, adolescência e fase adulta situações ao
qual se sentiu ruim e/ou incompetente e posteriormente evidências que contradiziam a
crença. Paciente compreendeu a formação da crença e como foi reforçada ao longo do
tempo.

Sessão 17: Desenvolvendo nova crença nuclear: junto com o paciente, foi desenvolvida
uma nova crença central sobre si, com características funcionais, positivas e, com base
na realidade. O objetivo é que ele possa usá-la como estratégia de enfrentamento
quando sua crença negativa estiver ativada. Sua crença nuclear é: “Eu sou ruim”
enquanto a nova crença nuclear: “Errei, mas isso não significa que sou ruim. Irei
corrigir o erro e fazer diferente”.

Sessão 18: Desenvolvendo nova crença nuclear: junto com o paciente, foi desenvolvida
uma nova crença central sobre si, com características funcionais, positivas e, com base
na realidade. O objetivo é que ele possa usá-la como estratégia de enfrentamento
quando sua crença negativa estiver ativada. Sua crença nuclear é: “Eu sou
incompetente” enquanto a nova crença nuclear: “Não sou incompetente, pois tenho boas
qualidades e posso agir diferente”.

Sessão 19: Treino de relaxamento: junto com o paciente durante a sessão foi feita a
respiração diafragmática, a respiração conchinha e o relaxamento de Jacobson, onde, o
paciente foi orientado a progressivamente tencionar e relaxar diferentes grupos
musculares, e terminar imaginando uma cena relaxante. Paciente conseguiu ficar calmo
e relaxado.

Sessão 20: Escuta sobre a experiência do paciente em uma seleção de emprego: o


paciente descreveu todo o processo da seleção, entrevista, simulação de venda,
produção de redação. De trinta participantes cinco foram selecionados. Conseguiu
controlar sua ansiedade, não teve sudorese, não ficou se tremendo e inquieto, se sentiu
seguro. Fez uma redação sobre vendas, com certeza havia errado devido ou pouco
contato com o tema.

Sessão 21 e 22: registro na Tabela RPD sobre a seguinte situação no trabalho: “ligar
para um cliente na presença e supervisores”: Após o registro, foi feito questionamento
socrático e reestruturação cognitiva acerca dos pensamentos automáticos e crenças
respeito de si mesmo.

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Ligar para um Medo Rabiscar
cliente n Eu não vou Raiva Andar de um lado para o
presença de conseguir Vergonha outro
supervisores” Sair da sala
Não ligar

Respondeu aos pensamentos automáticos e formulou com o pensamento funcional:


“Sou bom, vou conseguir”.

Sessão 23, 24, 25: foi feito o registro na tabela RPD da seguinte situação: “olhar o
celular da namorada escondido” registrou os seguintes pensamentos:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Olhar o celular Medo Ansiedade
da namorada Não sou suficiente Raiva
escondido para ela

O paciente estava angustiado por não saber se falava ou não para a namorada.
Trabalhou-se resolução de problemas mediante a técnica Balança decisacional para
avaliar as vantagens e desvantagens. Discussão sobre mitos e verdades em
relacionamentos, o que funciona para um casal pode não funcionar para outro. Análise
de prejuízos para o relacionamento a curto e longo prazo. Técnica continuum para
desmistificar crenças disfuncionais a seu respeito (homem centrado – homem doido). O
paciente falou sobre a conversa com a namorada, discorreu sobre as vantagens e
benefícios em ter conversado, tanto para si quanto o para o relacionamento. Além disso,
falou sobre um possível ataque de pânico ao viajar com sua mãe para outra cidade de
ambulância. Se sentiu prezo, com falta de ar, taquicardia, sudorese, tontura, sensação de
desmaio.

Sessão: 26, 27, 28, 29, 30, 31: avaliação dos critérios diagnósticos da fobia específica e
psicoeducação sobre o transtorno. Registro de RPD da situação fóbica:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Andar atrás da Medo
ambulância Vou morrer, Pede para o motorista
ninguém vai ver para a ambulância

Ninguém vai me Sai da ambulância


ajudar

Avaliação dos critérios diagnósticos da fobia específica e levantamento histórico de


situações vividas ao longo da vida. Psicoeducação sobre o transtono. Registro de RPD
da situação fóbica:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Andar atrás da Medo
ambulância Vou morrer, Pede para o motorista
ninguém vai ver para a ambulância

Ninguém vai me Sai da ambulância


ajudar

Treino de Relaxamento: junto com o paciente durante a sessão foi feito o relaxamento
para superar o ataque de pânico: 1. Senta-se com postura reta; 2. Olhar em volta do
ambiente e descrevê-lo; 3. Respiração Diafragmática e, 4. Relaxamento Jacobson.

Psicoeducação da resposta do ciclo da fobia específica, identificando os pensamentos


catastróficos, sintomas físicos e emocionais da ansiedade e o comportamento de busca
de segurança e hipervigilância.

Elaboração da Hierarquia de Exposição da Fobia Específica.

Reestruturação cognitiva: mitos e verdades sobre elevadores; formulação da crença:


“por não circula ar, vou ficar sem respirar”, por: “Não vou ficar sem respirar, porque o
elevador possui 2% de ar natural e possui sistema de ventilação para segurança das
pessoas”.

Sessão 32: Plano de ação sobre o que o paciente poderia fazer para conseguir dinheiro
para a cirurgia, cujo valor é oito mil reais. Paciente pensou em três ações: solicitar ajuda
política, solicitar ajuda aos familiares e fazer vaquinha online.

Sessão 34 e 35: Exposição por imagem de situações que provocam pouca ansiedade da
Hierarquia de Exposição da Fobia Específica. Exposição in vivo (vídeo Super Girl
tendo ataque de pânico no elevador) e não se sentiu ansioso Relatou que imaginou estar
preso em um carro e não conseguia sair, ficou ansioso fez relaxamento.

Sessão 36: Atividade de autoconhecimento: o paciente deve pensar em seus objetivos de


vida. Imaginar que sua vida é uma pista, o paciente é o carro. Na pista existem várias
perguntas associadas ao sinal da placa de trânsito, por exemplo, sinal de quebra mola –
pergunta: quais obstáculos existem e te impedem de alcançar seus objetivos?.

Sessão 37: Paciente relatou situação com amigo da namorada. Foi trabalhado resolução
de problemas com a técnica balança decisacional a fim de avaliar as vantagens e
desvantagens da comunicação não assertiva. Paciente refletiu sobre as conseqüência de
não se comunicar de forma assertiva.

Obs.: Na ordem das sessões não está incluso as faltas.

P n° 2, M. E.:
Sessão 1: Entrevista Inicial com A. C., mãe da paciente. Utilizou-se a ferramenta de
coleta de informações Anamnese recurso que investiga dados da vida do paciente.

Sessão 2: Apresentação da terapeuta e entrevista inicial com M. E. coleta de


informações sobre família, escola e amigos. Ponto importante: relatou três situações de
morte: um vizinho morreu dirrepente, uma pessoa morta por acidente de trânsito e avó
paterna.

Sessão 3: uso do Baralho das Emoções com o objetivo de ter acesso a de informações
sobre família, escola e amigos. Brincadeira de ser professor, escolher o livro sobre a
emoção medo, disse que tinha os seguintes medos: ser atropelada, ficar doente, e tem
medo de ficar sozinha (reza para o medo passar). Hipótese diagnóstica: TAG.

Sessão 4: Psicoeducação sobre o modelo cognitivo através de contação de história


hipotética e desenho (terapeuta narra, paciente desenha). Posteriormente, a paciente
desenhou ela andando na rua descreveu sua emoção e os pensamentos. Reestruturação
cognitiva acerca dos pensamentos distorcidos, como: vou morrer, vou ser atropelada.

Sessão 5: Psicoeducação sobre a emoção medo através de história que fala situações em
que as crianças costumam sentir medo e a função da emoção. A paciente relatou
problemas com duas professoras na escola, ambas disseram que M. E.
pergunta/conversa muito durante a aula.

Sessão 6: Brincadeira de ser professora, a paciente era a professora e terapeuta aluna.


Terapeuta interrompia constantemente a “aula” fazendo perguntas, o objetivo era que a
paciente se percebesse enquanto aluna e pudesse avaliar o comportamento.

Sessão 7: Aprendendo as emoções. Filme DivertidaMente. Foi dada ênfase a função das
emoções: alegria, medo, tristeza, nojo, raiva. Paciente ficou muito empolgada com o
filme e fez comentários coerentes com a mensagem do filme.

Sessão 8: Exposição durante o atendimento, no qual, muitos brinquedos foram


espalhados pelo chão, a paciente ao entrar na sala e se deparar com a cena não
conseguia se concentrar ficava olhando para o fundo da sala. A paciente disse sentir
vontade de arrancar, seu coração estava disparado e suas mãos suando. M. E. sentia uma
agonia e disse que seus pensamentos a mandava arrumar tudo. Reestruturação cognitiva
sobre o que era brincar, para a paciente pegar um brinquedo e tirar do lugar é fazer
bagunça.

Sessão 9: Identificando as emoções: várias situações que ocorrem no dia – a – dia foram
ditas a paciente e esta devia dizer quais emoções sentia. O objetivo era que a paciente
conseguisse identificar suas emoções.
Sessão 10: Leitura do livro: Porque vou à terapia? O objetivo era que a paciente entenda
a função da psicoterapia. Entendeu que pode trazer para terapia situações em que fica
triste, com raiva, medo e também em se sente feliz.

Sessão 11: investigando a rotina – várias situações do dia-a-dia e a paciente devia


completar. O objetivo é investigar a relação da paciente com a família. Observou-se que
a paciente tem um bom relacionamento com pai, tem diálogos de confiança com o
mesmo. Tem medo de sua mãe que é rígida e autoritária, tem conflitos com sua irmã,
chama de “reinona”.

Sessão 12: Colorindo a semana: a paciente devia pintar cada dia da semana de acordo
com a emoção que sentiu: alegria (amarelo) medo (lilás), tristeza (azul) raiva
(vermelho). Objetivo é ter acesso a acontecimentos que provocou alguma emoção.
Construção do termômetro do medo porque trouxe situações de medo.

Sessão 13: Registro na tabela RPD sobre a situação: “psicóloga solicitou a presença da
mãe na sessão”. Questionei, por meio da técnica questionamento socrático, os
pensamentos automáticos. Ao final percebeu a importância de falar com a mãe para se
sentir aliviada, “igual o elefante do filme DivertidaMente”.

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Psicóloga Minha mãe vai Medo Chora


brigar comigo
solicitou a Não dorme bem
presença da Alguma coisa ruim
mãe na sessão vai acontecer.

Sessão 14: Registro na tabela RPD sobre a situação: “vou ao dentista”. Apresentei um
vídeo de uma criança fazendo o exame com o objetivo da paciente perceber que,
embora causasse um desconforto o procedimento não provocaria tanta dor.

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Ir ao dentista Vai doer muito Medo Não dorme bem


tirar um raio
x.

Sessão 15: Psicoeducação sobre a doença Kalazar. Registro na tabela RPD sobre as
seguintes situações:

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Prova de A prova vai ser Medo Não consegue se


difícil Tristeza concentrar
matemática Vai se dar mal na Branco na prova
prova
Vai tirar um zero

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Falar na Será que vou falar Medo Não se sente confortável
algo errado Vergonha em responder perguntas
terapia

Sessão 16: Leitura do livro “o vovô não vai voltar?” e a paciente foi fazendo atividades
sugeridas no livro, como por exemplo, escrever carta com o que queria dizer ao avô. O
Objetivo foi acolher seus sentimentos em decorrência da morte do avô.

Sessão 17, 18, 19, 20: Registro RPD por meio de desenho da situação: “ir ao dentista”:

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Ir ao dentista O Doutor é mal Medo Não entra no consultório


O Doutor vai ser Susto sozinha
ruim comigo
Vai doer muito

Psicoeducação sobre ansiedade por meio de vídeo infantil e imagens ilustrativas. Treino
de relaxamento: respiração diafragmática. Psicoeducação sobre ansiedade por meio de
contação de história de uma criança que tinha medo de ir ao dentista. Reestruturação
cognitiva sobre os pensamentos disfuncionais e manejo para controlar a ansiedade.
Treino de relaxamento – relaxamento de Jacobson.

Sessão 21: Quis de perguntas da paciente para terapeuta: você me acha chata?
Questionamento socrático para acessar crenças. Preparação para apresentação de
trabalho: respiração cheira a flor e apaga a vela. Fez o exercício e conseguiu apresentar
o trabalho, controlou a ansiedade.

Sessão 22: busca de evidências que a tia não a ama. Reestruturação cognitiva que não
somente seus pais a amavam. A paciente fez uma lista com todas as pessoas que a
desejaram feliz aniversário. O objetivo era a paciente perceber que ela importante para
muitas pessoas.

Sessão 23: Baú da preciosidade. A paciente deve colocar no baú todas as pessoas que
ela ama e pensar formas de demonstrar que a ama. Aprendendo sobre pessoas tóxicas:
expliquei o conceito e simulamos atitudes que uma pessoa tóxica tem, o objetivo é que a
paciente aprenda a se proteger de pessoas que provocam desconforto.

Sessão 24: o que é uma amiga falsa? Quais evidências que suas amigas são falsas.
Pensando solução de problemas: o que fazer quando imprevistos acontecem. Por
exemplo: vai almoçar na casa da amiga, mas almoço demora a ficar pronto e a paciente
passa mal. O objetivo é estimular autonomia e a percepção que é capaz de resolver
“problemas”.

Obs.: Na ordem das sessões não está incluso as faltas.

4.1.1.3 Análise
P n° 1, J. P.:
Mediante a utilização de instrumentos utilizados para avaliar o sujeito em sua vida
como um todo, observou-se algumas características significantes que interferem na vida
do sujeito. Na avaliação inicial, que teve como objetivo coletar informações a respeito
da vida do paciente, como também levantar uma hipótese diagnóstica, no qual, utilizou-
se a entrevista de Anamnese e Autobiografia, pode-se observar que o paciente se sentiu
ansioso em determinadas situações durante sua infância, adolescência e fase adulta,
apesar de J. P. somente se perceber ansioso durante suas relações sexuais.

A partir da verificação dos critérios diagnósticos do Transtorno de Ansiedade


Social observou-se que os seguintes critérios foram atendidos: o paciente sente
ansiedade acentuada em situações de desempenho diante dos outros, como por exemplo,
apresentação de trabalho, entrevista de emprego e iniciar conversa com meninas; as
situações sociais são suportadas com intensa ansiedade ou evitadas quando existe a
possibilidade, por exemplo, o paciente diz estar com problemas de saúde para não
apresentar trabalho; o paciente tem preocupação com a avaliação negativa das outras
pessoas, como exemplo, o paciente diz ter “medo de ser visto como uma pessoa burra”
se preocupa com o que as pessoas vão falar e suas impressões.

No que diz respeito ao diagnóstico de Disfunção Sexual do tipo ejaculação


retardada o diagnóstico foi feito a partir do relato do próprio paciente, onde foi possível
verificar que o paciente não sofre de tal disfunção, pois, de acordo com o paciente para
que consiga ejacular precisa se sentir seguro, a parceira deve ser carinhosa e ousada,
assim o deixa mais excitado. Nessas condições sua disfunção não atende aos critérios
diagnósticos, visto que, na ejaculação retardada o homem relata dificuldade ou
incapacidade para ejacular, independente da presença de estimulação sexual adequada e
do desejo de ejacular. O que responde a disfuncionalidade sexual do paciente está
relacionado à sua visão de si mesmo, J. P. tem a crença de desvalor “eu sou ruim”, e
crença de desamparo “sou incompetente”. Em seu relacionamento com uma mulher
mais velha e divorciada o paciente tinha pensamentos que o colocavam em uma posição
de inferioridade em relação ao ex-esposo, pensava ser ruim por não conseguir satisfazê-
la. Além disso, sua companheira passou a agir com desprezo e humilhação, estas ações
reforçavam suas crenças disfuncionais a respeito de si mesmo.

P n° 2, M. E.:
Durante o processo terapêutico pode-se observar que a paciente se sente ansiosa
diante de toda e qualquer situação, em atividades escolares apresentação de trabalho e
provas, ir ao dentista, ir para o atendimento psicológico. A partir da verificação dos
critérios diagnósticos do Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), feito a partir do
relato da própria paciente, observou-se que em véspera de provas escolares M. E. tem
perturbação no sono, acorda muitas vezes ao longo da noite, tem pensamentos
catastróficos, não consegue se concentrar e dar um “branco” em sua mente. Em sua ida
ao dentista sente muito medo, acredita que algo muito ruim pode acontecer, tem
pensamentos catastróficos e sudorese. Observa-se que os critérios de TAG se
confirmam por a paciente apresentar tais sintomas em muitas situações no dia-a-dia, sua
ansiedade e preocupação excessiva acabam interferindo nas tarefas a serem realizadas.

No que diz respeito ao Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) como


instrumento para avaliação foi feita uma exposição durante o atendimento, no qual,
muitos brinquedos foram espalhados pelo chão, a paciente ao entrar na sala e se deparar
com a cena teve taquicardia, sudorese e não conseguiu se concentrar durante a sessão,
M. E. sentiu uma agonia e disse que seus pensamentos a mandava arrumar tudo. Dessa
forma, verificou-se que a paciente sofre com um sentimento de urgência do tipo “tenho
que” e uma sensação física de agonia que é aliviada pela realização do ritual, essa
experiência não se enquadra no conceito de obsessões, diz respeito a fenômenos
sensoriais no TOC.

Observou-se que os comportamentos da paciente são reforçados por sua família,


principalmente por a mãe, que em muitos momentos arruma a casa para evitar que M. E.
“se preocupe” em organizar tudo. Assim, esse comportamento evitativo aumenta a
frequência e saliência dos fenômenos sensoriais, pois impede o contato e a exposição os
sentimentos da paciente, o desaparecimento da ansiedade por meio da habituação, bem
como a desconfirmação de crenças disfuncionais.

4.1.1.4 Diagrama cognitivo

P nº 1, J. P.:
Crenças Centrais

Sobre si: eu sou ruim; eu sou incompetente.


Sobre os outros (o mundo): as pessoas costumam julgar.

Sobre o futuro: não posso ser uma desgraça.


Situação 1 Situação 2

Apresentação de trabalho em sala de aula Falar para um público desconhecido

 
Pensamento Automático Pensamento Automático

Eu não vou conseguir


Eu vou passar vergonha
Eu vou errar
Eu não posso errar
Os outros podem pensar que sou burro
Os outros podem me ver como uma pessoa
burra

 
Significado do PA Significado do PA
Eu sou ruim Eu sou ruim

 
Emoção Emoção

Tristeza Medo
Raiva Raiva
Situação 3 Situação 4
Medo Angústia
Vergonha
Iniciar conversa com uma garota Se relacionar com uma mulher que já foi
Desprezo
casada
 
 
Comportamento Comportamento
Pensamento Automático Pensamento Automático
Se retrai Finge não estar nervoso
Eu estou falando besteira Eu não sou tão bom quanto o ex-marido
Evita pensar no pensamento Usa o humor depreciativo para disfaçar
Ela vai rir de mim
Foca na ação dela

 
Significado do PA Significado do PA

Eu sou ruim Crenças-Regra Eu sou incompetente

Se eu errar, então as pessoas vão me ver como uma pessoa incompetente.


 
Emoção  Emoção
Estratégias Compensatórias
Ansiedade Desprezo
Busca reconhecimento falando sobre Linguagem Corporal (assunto que tem domínio)Ansiedade
para as pessoas
com que se relaciona (familiares, amigos, colegas de turma). Frustração
Raiva
 
Comportamento Comportamento

Não pensa na ansiedade Não consegue se envolver sexualmente


Usa o humor depreciativo para disfarçar
P n° 2, M. E.:
Crenças Centrais
Sobre si: sendo investigada

Sobre os outros (o mundo): as pessoas não são confiáveis (hipótese)

Sobre o futuro: sendo investigada


Situação 1 Situação 2

Andar na rua sozinha Ir ao dentista


 
Pensamento Automático Pensamento Automático

Eu vou sofrer um acidente


O Doutor é mal
Eu vou morrer
O Doutor vai ser ruim comigo
Vai doer muito

 
Significado do PA Significado do PA

 
Emoção Emoção

Medo
Medo Assustada

 
Comportamento Comportamento

Não anda na rua sozinha Chora


Não entra no consultório sozinha
Situação 3 Situação 4

 Amiga sofre com hiperidrose Tia paterna não deseja aniversário


 Crenças-Regra 
Pensamento Automático Pensamento Automático

Posso pegar a mesma doença Tia C. não me amam



Somente meus pais me amam
 Estratégias Compensatórias 
Significado do PA Significado do PA

 
Emoção Emoção
4.1.1.5 Hipótese de trabalho
Medo Tristeza
 
Comportamento Comportamento

Conferi/enxuga as mãos Chora


P n° 1, J. P.: 1. J. P. exibia características cognitivas comportamentais de uma pessoa
que sofre de ansiedade: tremores, sudorese, taquicardia, náuseas, diarréia, tontura,
subestimação de sua capacidade de controlar ou lidar com determinadas situações e
evitação das mesmas. 2. O paciente tem histórico familiar de um possível transtorno de
ansiedade em sua mãe o que provavelmente pode ter contribuído para o
desenvolvimento de sua ansiedade. 3. Seu último relacionamento foi um fator
situacional que pode ter tido um papel de acionamento dos sintomas de ansiedade, como
também, um acionamento e reforçamento das crenças disfuncionais sobre si mesmo.

P n° 2, M. E.: 1. M. E. exibe características cognitivas comportamentais de uma pessoa


que sofre com Transtorno de Ansiedade Generalizada: se preocupa excessivamente,
sente medo e ansiedade excessiva, tem perturbação no sono, dificuldade em concentrar-
se e sensações de “branco” na mente. 2. A mãe da paciente possivelmente sofre de
Transtorno Obsessivo Compulsivo e não faz tratamento.

4.1.1.6 Plano de trabalho

P n° 1, J. P.:
Fase inicial:
Avaliação:
ANAMNESE – entrevista inicial onde são colhidos dados da vida do paciente. Segundo
Dalgalarrondo (2008, p. 76) consistem em: “dados sociodemográficos, a queixa ou o
problema principal e a história dessa queixa, os antecedentes mórbidos somáticos e
psíquicos pessoais, contendo os hábitos e o uso de substâncias químicas, os
antecedentes mórbidos familiares, a história de vida do paciente, englobando as várias
etapas do desenvolvimento somático, neurológico, psicológico e psicossocial e,
finalmente, a avaliação das interações familiares e sociais do paciente.

AUTOBIOGRAFIA – relato de fatos ocorridos que o paciente considera importante,


como preocupações, desejos, satisfação e lutas, sofrimentos morais em cada período de
sua vida, infância, adolescência e vida adulta.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE O TRANSTORNO – educar o paciente acerca de sua


condição. O que se pretende é que o paciente saiba o que está acontecendo com ele, por
que está acontecendo e o que ele pode fazer para melhorar (OLIVEIRA &
ANDRETTA, 2011).
PSICOEDUCAÇÃO SOBRE O MODELO COGNITIVO – a psicoeducação sobre o
Modelo Cognitivo de Beck tem como objetivo gerar esperança, aumentar o processo de
aprendizado e eficácia da terapia, auxiliar os pacientes a construir estratégias efetivas da
terapia.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE O CICLO DA RESPOSTA SEXUAL – a psicoeducação


sobre o Ciclo da Resposta Sexual tem como objetivo que o paciente compreenda as
respostas fisiológicas no momento da relação sexual e consiga perceber em qual das
fases não conseguia ter um bom desempenho.

Fase intermediária

EXPOSIÇÃO IMAGINÁRIA – solicita-se ao paciente que imagine uma situação que


provocou ansiedade/medo/angústia/tristeza, de forma que, consiga visualizar como se
estivesse acontecendo em tempo real e acesse os pensamentos que vieram a sua mente.

REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA – modificar a arquitetura e/ou conteúdo dos


esquemas mentais disfuncionais que geram transtornos psicopatológicos.

TREINAMENTO DE RELAXAMENTO – relaxar diferentes grupos musculares em


sequência; imaginar imagens relaxantes; praticar exercícios de respiração (respiração
diafragmática, respiração conchinha).

TÉCNICA CONTINUUM – usada quando uma das distorções predominantes é o


pensamento dicotômico, o objetivo é que o paciente compare seu desempenho com o de
outros indivíduos.

EXAME DAS EVIDÊNCIAS – uma forma efetiva de modificação dos pensamentos. O


paciente pesa as evidências pró e contra o seu pensamento e busca interpretações
alternativas, adaptativas, racionais e adequada as evidências.

QUESTIONAMENTO SOCRÁTICO - que consiste em fazer perguntas ao paciente


para que estimule a curiosidade e o desejo de inquirir. Em vez de uma apresentação
didática dos conceitos de terapia, o terapeuta tenta fazer com que o paciente se envolva
no processo de aprendizagem.

SETA DESCENDENTE – busca através da validação de uma proposição superficial do


paciente atingir níveis mais profundos de cognição, crenças centrais.

TESTE HISTÓRICO DA CRENÇA NUCLEAR – quando crenças nucleares são


provenientes de experiências primárias é útil que o paciente examine como sua crença
se originou e foi mantida através dos anos. O paciente reestrutura as evidências que
apóiam a crença nuclear desde sua tenra idade e também traz a luz evidências que a
contradizem.

CARTÕES DE ENFRENTAMENTO – consiste em escrever em cartão lembretes ou


elementos motivacionais que sirvam como um monitor externo para ajudar o paciente a
lembrar dos temas abordados na sessão. Podem ser fotos, frases ou palavras que
simbolizam a ideia central.

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: levantamento de soluções possíveis para lidar com o


problema.

BALANÇA DECISACIONAL: análise de vantagens e desvantagens da situação


problema.
P n° 2, M. E.:
Fase inicial:
Avaliação:
ANAMNESE – entrevista inicial onde são colhidos dados da vida do paciente. Segundo
Dalgalarrondo (2008, p. 76) consistem em: “dados sociodemográficos, a queixa ou o
problema principal e a história dessa queixa, os antecedentes mórbidos somáticos e
psíquicos pessoais, contendo os hábitos e o uso de substâncias químicas, os
antecedentes mórbidos familiares, a história de vida do paciente, englobando as várias
etapas do desenvolvimento somático, neurológico, psicológico e psicossocial e,
finalmente, a avaliação das interações familiares e sociais do paciente.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE O MODELO COGNITIVO – a psicoeducação sobre o


Modelo Cognitivo de Beck tem como objetivo gerar esperança, aumentar o processo de
aprendizado e eficácia da terapia, auxiliar os pacientes a construir estratégias efetivas da
terapia. Com a criança utilizou-se a contação de história e desenho, o terapeuta narra a
história de uma menina que ganha um balão se sente feliz, logo após vai andar na rua e
o balão estoura... em todas as situações a paciente desenha a emoção que a criança
sentiu e os pensamentos que teve a respeito.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE O MEDO: tem como objetivo que a criança conheça as


emoções e a função de cada uma delas.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE A ANSIEDADE– educar o paciente acerca de sua


condição. O que se pretende é que o paciente saiba o que está acontecendo com ele, por
que está acontecendo e o que ele pode fazer para melhorar (OLIVEIRA &
ANDRETTA, 2011).

Fase intermediária

TREINAMENTO DE RELAXAMENTO – relaxar diferentes grupos musculares em


sequência; imaginar imagens relaxantes; praticar exercícios de respiração (respiração
diafragmática, respiração conchinha).

REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA – modificar a arquitetura e/ou conteúdo dos


esquemas mentais disfuncionais que geram transtornos psicopatológicos.

EXAME DAS EVIDÊNCIAS – uma forma efetiva de modificação dos pensamentos. O


paciente pesa as evidências pró e contra o seu pensamento e busca interpretações
alternativas, adaptativas, racionais e adequada as evidências.

QUESTIONAMENTO SOCRÁTICO - que consiste em fazer perguntas ao paciente


para que estimule a curiosidade e o desejo de inquirir. Em vez de uma apresentação
didática dos conceitos de terapia, o terapeuta tenta fazer com que o paciente se envolva
no processo de aprendizagem.

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: levantamento de soluções possíveis para lidar com o


problema.
CONTAÇÃO DE HISTÓRIA: contação de história para fazer relação com a realidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Estágio Curricular Supervisionado 1 e 2 foi uma experiência que contribuiu


significativamente para minha formação profissional e atuação no âmbito da prática
clínica. As atividades realizadas, desde o plantão psicológico aos atendimentos clínicos
foram substanciais para o desenvolvimento de habilidades terapêuticas, como escuta,
acolhimento, empatia, sensibilidade, respeito, neutralidade e intervenções assertivas.

A prática clínica também foi terreno para autoconhecimento, no sentido de


perceber os limites e potencialidade pessoais que são importantes para o processo
terapêutico. Possibilitou uma apropriação acerca da produção teórica e prática da
abordagem Terapia Cognitiva Comportamental, seus pressupostos, conceitos e técnicas.
Como também a desmistificação de ser uma terapia de pura aplicação de técnicas.
Mostrou-se eficaz e colaborativa com visualização de resultados práticos.
BIBLIOGRAFIA

BECK, J. Terapia Cognitiva Comportamental: teoria e prática. 2. ed. – Porto


Alegre: Artmed, 2013.

DSM – 5. Manual diagnóstico e estatístico de transtorno DSM-5 / [American


Psychiatnc Association, traduç . Maria Inês Corrêa Nascimento ... et al.]; revisão
técnica: Aristides Volpato Cordioli... [et al.]. - . e . Porto Alegre: Artmed, 2014.

OLIVEIRA, M. S., ANDRETA, L. Manual prático de terapia cognitivo-


comportamental. São Paulo: Casa do Psicólogo®, 2011.
ANEXO

RESUMO DAS SESSÕES P n° 1, J. P. L.:


Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 06/02/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

APRESENTAÇÃO DA TERAPEUTA: Embora já tivessem tido um contato prévio,


visto que, a estagiária havia feito a triagem do paciente dois dias antes, a estagiária
apresentou-se, explicou a respeito do funcionamento da Clínica Escola de Psicologia e
explanou sobre o procedimento psicoterápico.

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REALIZAÇÃO DA ANAMNESE: entrevista inicial onde são colhidos dados da vida


do paciente. Segundo Dalgalarrondo (2008, p. 76) consistem em: “dados
sociodemográficos, a queixa ou o problema principal e a história dessa queixa, os
antecedentes mórbidos somáticos e psíquicos pessoais, contendo os hábitos e o uso de
substâncias químicas, os antecedentes mórbidos familiares, a história de vida do
paciente, englobando as várias etapas do desen- volvimento somático, neurológico,
psicológico e psicossocial e, finalmente, a avaliação das interações familiares e sociais
do paciente.

TAREFA PARA CASA: A fim de facilitar o processo terapêutico solicitou-se ao


paciente que realizasse a Autobiografia, nesta tarefa solicita-se que o paciente escreva
sobre fatos acontecidos no qual considera importante, como preocupações, desejos,
satisfação e lutas, sofrimentos morais em cada período de sua vida, infância,
adolescência e vida adulta.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 13/02/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 13/02/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: Ao revisar a tarefa de casa, o paciente alegou não


ter realizado devido às atividades acadêmicas.

CONTINUAÇÃO DA ANAMNESE: A Anamnese consiste em uma entrevista inicial


onde são colhidos dados da vida do paciente, que consistem segundo Dalgalarrondo
(2008, p. 76) em: “dados sociodemográficos, a queixa ou o problema principal e a
história des- sa queixa, os antecedentes mórbidos somáticos e psíquicos pessoais,
contendo os hábitos e o uso de substâncias químicas, os antecedentes mórbidos
familiares, a história de vida do paciente, englobando as várias etapas do
desenvolvimento somático, neurológico, psicológico e psicossocial e, finalmente, a
avaliação das interações familiares e sociais do paciente. Nessa segunda sessão deu
continuidade a realização da entrevista de Anamnese.

TAREFA PARA CASA: Como o paciente não havia feito a Autobiografia, solicitou-se
sua realização afirmando ser fundamental para o acesso a informações de situações que
podem, por ventura, passar despercebidas na sessão.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 18/02/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 18/02/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: Ao revisar a tarefa de casa, o paciente alegou não


ter realizado, desta vez alegou estar com dificuldade para imprimir a tarefa (pois havia
sido enviada por e-mail).

CONTINUAÇÃO DA ANAMNESE: A Anamnese consiste em uma entrevista inicial


onde são colhidos dados da vida do paciente, que consistem segundo Dalgalarrondo
(2008, p. 76) em: “dados sociodemográficos, a queixa ou o problema principal e a
história des- sa queixa, os antecedentes mórbidos somáticos e psíquicos pessoais,
contendo os hábitos e o uso de substâncias químicas, os antecedentes mórbidos
familiares, a história de vida do paciente, englobando as várias etapas do
desenvolvimento somático, neurológico, psicológico e psicossocial e, finalmente, a
avaliação das interações familiares e sociais do paciente. Nessa terceira sessão
concluiu-se realização da entrevista de Anamnese.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE ANSIEDADE: educar o paciente acerca de sua condição.


O que se pretende é que o paciente saiba o que está acontecendo com ele, por que está
acontecendo e o que ele pode fazer para melhorar (OLIVEIRA & ANDRETTA, 2011).
Foi feito uma psicoeducação sobre ansiedade e disfunção sexual do tipo ejaculação
retardada.

TAREFA PARA CASA: Como ao paciente não havia feito a Autobiografia, solicitou-
se sua realização afirmando ser fundamental para o acesso a informações de situações
que podem, por ventura, passar despercebidas na sessão.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 26/02/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 26/02/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: Ao revisar a tarefa de casa, o paciente afirmou ter


sido tranquilo realizar a mesma, disse não perceber outras situações além das que
foram mencionadas ao longo da Anamnese.
PSICOEDUCAÇÃO DO MODELO COGNTIVO: Nessa sessão realizou-se a
psicoeducação acerca do Modelo Cognitivo de Beck. Por meio de uma apresentação de
slides apresentou-se a hipótese de que as emoções, os comportamentos e a fisiologia de
uma pessoa são influenciados pelas percepções que ela tem dos eventos. Na ocasião
apresentou-se também a Tabela de Registro de Pensamentos Automáticos como sendo
fundamental e inerente à terapia.

TAREFA DE CASA: Solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos, de acordo com a tabela RDP (Registro de Pensamentos) em
situações que suscitassem medo, ansiedade, angústia, raiva.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 13/03/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 13/03/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: Ao revisar a tarefa de casa registro na tabela RDP


paciente alegou não ter feito o registro por não ter vivenciado nenhuma situação em
que suscitasse ansiedade.
DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS TERAPEUTICOS: Nessa sessão foram definidos os
objetivos do processo terapêutico, aos quais foram: diminuir a ansiedade no inicio de
relacionamentos, em entrevistas de emprego, inicio de trabalho e falar em público.

PSICOEDUCAÇÃO CICLO DA RESPOSTA SEXUAL: Nessa sessão realizou-se a


psicoeducação acerca do Ciclo da Resposta Sexual a fim de que o paciente
compreendesse as respostas fisiológicas no momento da relação sexual e conseguisse
perceber em qual das fases não conseguia ter um bom desempenho.

TAREFA DE CASA: Solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos, de acordo com a tabela RDP (Registro de Pensamentos) em
situações que suscitassem medo, ansiedade, angústia, raiva.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 20/03/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 20/03/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: Ao revisar a tarefa de casa registro na tabela RDP


paciente alegou não ter feito o registro por não ter vivenciado nenhuma situação em
que suscitasse ansiedade.

EXPOSIÇÃO IMAGINÁRIA: solicitou-se que o paciente visualizasse cenas de sua


participação na gincana com alunos do curso técnico com o objetivo de evocar os
pensamentos automáticos.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos, de acordo com a tabela RDP (Registro de Pensamentos) em
situações que suscitassem medo, ansiedade, angústia, raiva.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 27/03/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 20/03/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em oito.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: Ao revisar a tarefa de casa registro na tabela RDP


paciente alegou não ter feito o registro por não ter vivenciado nenhuma situação em
que suscitasse ansiedade.

EXPOSIÇÃO IMAGINÁRIA: solicitou-se que o paciente visualizasse cenas de sua


participação na gincana com alunos do curso técnico com o objetivo de evocar os
pensamentos automáticos.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos, de acordo com a tabela RDP (Registro de Pensamentos) em
situações que suscitassem medo, ansiedade, angústia, raiva.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 26/03/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 26/03/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em cinco por uma conversa que
teve com sua tia paterna que fez julgamento sobre si.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito o registro da tabela
de RPD.

REGISTRO NA TABELA RPD: situação “iniciar uma conversa com alguém


desconhecido”, o paciente fez o registro RPD e posteriormente, utilizei a técnica
continuum com o intuito de reestruturar distorções cognitivas ao seu respeito.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.
Agenda para próxima sessão: 03/04/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 03/04/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em cinco, o motivo foi que sua mãe
descobriu que estava com câncer.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

REGISTRO NA TABELA RPD: situação “tia fez julgamentos sobre si”.

PSICOEDUCAÇÃO SOBRE CRENÇAS CENTRAIS: a psicoeducação sobre crenças


centrais tem o objetivo que o paciente conheça seu próprio funcionamento, aumente o
processo de aprendizado e eficácia da terapia e auxilie a construir estratégias efetivas
para lidar com suas situações.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 11/04/2019


Assinatura e carimbo do profissional:
Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 11/04/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, de zero a dez quantificou sua emoção em 9, o motivo é que o paciente
acredita ter mudado opinião dos colegas de sala ao falar sobre linguagem corporal.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

REESTRUTURAÇÃ COGNITIVA: crença que seus amigos falam mal a seu respeito,
por meio da técnica exame das evidências, onde o paciente pesa as evidências pró e
contra o seu pensamento e busca interpretações alternativas, adaptativas, racionais e
adequada as evidências.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 17/04/2019


Assinatura e carimbo do profissional:
Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 17/04/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar angustiado por a menstruação de sua namorada estar atrasada.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

REESTRUTURAÇÃ COGNITIVA: situação: “se estivesse diante de um perito me


sentiria inferior”, uso do questionamento socrático para entender o que determinada
situação significa para o paciente, e de que formas distintas o paciente pode ver a
situação ou problema.

EVOCANDO CRENÇAS NUCLEARES: na situação descrita o paciente expressou


temas nucleares nos pensamentos automáticos, então por meio da técnica seta
descendente evoquei a crença nuclear.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 24/04/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 24/04/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 02/04/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

RESUMO DA SESSÃO
Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 02/05/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 8.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

IDENTIFICANDO PREJUÍZOS: solicitou-se que o paciente avaliasse quais as


consequências/prejuízos associados a utilizar cinco horas no dia – a – dia como jogos e
internet.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 09/05/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 09/05/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 9.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

SOLUÇÃO DE PROBLEMAS: solicitou-se que o paciente pensasse no que poderia


fazer se durante a apresentação de trabalho as coisas não saíssem conforme o
planejado e em situações em que se sinta inferior. Como ele pode lidar com suas
emoções em determinadas situações?

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 16/05/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 16/05/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 8.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

MODIFICANDO CRENÇA INTERMEDIÁRIA NEGATIVA: utilizou-se a técnica


exame das evidências e questionamento socrático para modificar a crença
intermediária negativa “se eu errar, então vou ser visto como uma pessoa burra”.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente realizasse o registro de seus


pensamentos automáticos utilizando o aplicativo cogni.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa

Agenda para próxima sessão: 23/05/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 23/05/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 9.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

MODIFICANDO CRENÇAS CENTRAIS NEGATIVAS: utilizou-se a técnica teste


históricos da crença nuclear, quando as mesmas são provenientes de experiências
primárias é útil que o paciente examine como sua crença se originou e foi mantida
através dos anos. O paciente reestrutura as evidências que apóiam a crença nuclear
desde sua tenra idade e também traz a luz evidências que a contradizem. Nesta sessão
solicitou-se que o paciente buscasse na infância situações ao qual se sentiu ruim e/ou
incompetente e posteriormente evidências que contradiziam a crença.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente fizesse o registro de situações na


adolescência que pode ter reforçado suas crenças centrais negativas.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 29/5/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 29/05/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar triste em virtude da morte do cantor Gabriel Diniz.
REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente alegou não ter feito a tabela de RPD.

MODIFICANDO CRENÇAS CENTRAIS NEGATIVAS utilizou-se a técnica teste


históricos da crença nuclear, quando as mesmas são provenientes de experiências
primárias é útil que o paciente examine como sua crença se originou e foi mantida
através dos anos. O paciente reestrutura as evidências que apóiam a crença nuclear
desde sua tenra idade e também traz a luz evidências que a contradizem. Nesta sessão
solicitou-se que o paciente buscasse situações na adolescência que pode ter reforçado
suas crenças centrais negativas.

TAREFA DE CASA: solicitou-se que o paciente fizesse o registro de situações na fase


adulta (situações recentes) que pode ter reforçado suas crenças centrais negativas.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 06/06/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 06/06/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 13/06/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 13/06/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 8.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente o registro de situações na adolescência


que pode ter reforçado suas crenças centrais negativas.

MODIFICANDO CRENÇAS CENTRAIS NEGATIVAS: utilizou-se a técnica teste


históricos da crença nuclear, quando as mesmas são provenientes de experiências
primárias é útil que o paciente examine como sua crença se originou e foi mantida
através dos anos. O paciente reestrutura as evidências que apóiam a crença nuclear
desde sua tenra idade e também traz a luz evidências que a contradizem. Nesta sessão
solicitou-se que o paciente buscasse situações na fase adulta (situações recentes) que
pode ter reforçado suas crenças centrais negativas.

TAREFA DE CASA: não passei tarefa de casa.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 27/06/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 27/06/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 9.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: não havia tarefa de casa.

DESENVOLVENDO NOVA CRENÇA NUCLEAR: junto com o paciente, foi


desenvolvida uma nova crença central sobre si, com características funcionais,
positivas e, com base na realidade. O objetivo é que ele possa usá-la como estratégia
de enfrentamento quando sua crença negativa estiver ativada. Sua crença nuclear é:
“Eu sou ruim” enquanto a nova crença nuclear: “Errei, mas isso não significa que sou
ruim. Irei corrigir o erro e fazer diferente”.

TAREFA DE CASA: não passei tarefa de casa.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 04/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 04/07/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 11/07/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 11/07/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 8.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: não havia tarefa de casa.

DESENVOLVENDO NOVA CRENÇA NUCLEAR: junto com o paciente, foi


desenvolvida uma nova crença central sobre si, com características funcionais,
positivas e, com base na realidade. O objetivo é que ele possa usá-la como estratégia
de enfrentamento quando sua crença negativa estiver ativada. Sua crença nuclear é:
“Eu sou incompetente” enquanto a nova crença nuclear: “Não sou incompetente, pois
tenho boas qualidades e posso agir diferente”.

TAREFA DE CASA: não passei tarefa de casa.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 18/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 18/07/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 8.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: não havia tarefa de casa.

TREINO DE RELAXAMENTO: junto com o paciente durante a sessão foi feita a


respiração diafragmática, a respiração conchinha e o relaxamento de Jacobson, onde, o
paciente foi orientado a progressivamente tencionar e relaxar diferentes grupos
musculares, e terminar imaginando uma cena relaxante.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 25/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 25/07/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 7.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: o paciente disse que não conseguiu realizar os


exercícios de relaxamento de forma correta, não conseguiu relaxar. Deste modo, foi
feito em sessão o treino de relaxamento junto com o paciente.

TREINO DE RELAXAMENTO: junto com o paciente durante a sessão foi feita a


respiração diafragmática, a respiração conchinha e o relaxamento de Jacobson, onde, o
paciente foi orientado a progressivamente tencionar e relaxar diferentes grupos
musculares, e terminar imaginando uma cena relaxante.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 01/08/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 01/08/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 9, pois participou de uma seleção para o cargo
de vendedor e foi selecionado.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento e havia sido muito útil durante o processo de seleção.

CONTEÚDO DA SESSÃO: o paciente descreveu todo o processo da seleção,


entrevista, simulação de venda, produção de redação. De trinta participantes cinco
foram selecionados. Conseguiu controlar sua ansiedade, não teve sudorese, não ficou
se tremendo e inquieto, se sentiu seguro. Fez uma redação sobre vendas, com certeza
havia errado devido ou pouco contato com o tema.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 08/08/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 08/08/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre, classificou sua alegria em 8.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: registro na Tabela RPD sobre a seguinte situação no


trabalho: “ligar para um cliente na presença e supervisores”: Após o registro, foi feito
questionamento socrático e reestruturação cognitiva acerca dos pensamentos
automáticos e crenças respeito de si mesmo.

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Ligar para um Medo Rabiscar
cliente n Eu não vou Raiva Andar de um lado para o
presença de conseguir Vergonha outro
supervisores” Sair da sala
Não ligar

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.
Agenda para próxima sessão: 15/08/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 15/08/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar preocupado por a cirurgia de sua mãe estar próxima.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: paciente disse que fez um RPD e registrou os seguintes


pensamentos:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Ligar para um Medo Rabiscar
cliente n Eu não vou Raiva Andar de um lado para o
presença de conseguir falar Vergonha outro
supervisores” Sair da sala
Vou errar Não ligar

Ele está analisando


meu desempenho
Respondeu aos pensamentos automáticos e formulou com o pensamento funcional:
“Sou bom, vou conseguir”.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir e fazer RPD em situações estressoras.
FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.
Agenda para próxima sessão: 22/08/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 22/08/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar triste por ver o celular de sua namorada.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: foi feito o registro na tabela RPD da seguinte situação:


“olhar o celular da namorada escondido” registrou os seguintes pensamentos:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Olhar o celular Medo Ansiedade
da namorada Não sou suficiente Raiva
escondido para ela

O paciente estava angustiado por não saber se falava ou não para a namorada.
Trabalhou-se resolução de problemas mediante a técnica Balança decisacional para
avaliar as vantagens e desvantagens.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir e fazer RPD em situações estressoras.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.
Agenda para próxima sessão: 29/08/2019
Assinatura e carimbo do profissional:
Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 29/08/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar angustiado por não ter decidido se falava com sua namorada.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Discussão sobre mitos e verdades em relacionamentos, o


que funciona para um casal pode não funcionar para outro. Análise de prejuízos para o
relacionamento a curto e longo prazo. Técnica continuum para desmistificar crenças
disfuncionais a seu respeito (homem centrado – homem doido).

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir e fazer RPD em situações estressoras.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 11/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 11/09/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar feliz por ter conversado com a namorada e ter esclarecido a situação.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: paciente falou sobre a conversa com a namorada,


discorreu sobre as vantagens e benefícios em ter conversado, tanto para si quanto o
para o relacionamento. Além disso, falou sobre um possível ataque de pânico ao viajar
com sua mãe para outra cidade de ambulância. Se sentiu prezo, com falta de ar,
taquicardia, sudorese, tontura, sensação de desmaio.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir e fazer RPD em situações estressoras.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 18/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 18/09/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.
.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: avaliação dos critérios diagnósticos da fobia específica e


psicoeducação sobre o transtorno. Registro de RPD da situação fóbica:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Andar atrás da Medo
ambulância Vou morrer, Pede para o motorista
ninguém vai ver para a ambulância

Ninguém vai me Sai da ambulância


ajudar

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir e fazer RPD em situações estressoras.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 26/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 18/09/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.
.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: avaliação dos critérios diagnósticos da fobia específica e


levantamento histórico de situações vividas ao longo da vida. Psicoeducação sobre o
transtono. Registro de RPD da situação fóbica:

Situação Pensamento Emoções Comportamento


Andar atrás da Medo
ambulância Vou morrer, Pede para o motorista
ninguém vai ver para a ambulância

Ninguém vai me Sai da ambulância


ajudar

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir e fazer RPD em situações estressoras.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 26/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 26/09/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.
.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

TREINO DE RELAXAMENTO: junto com o paciente durante a sessão foi feito o


relaxamento para superar o ataque de pânico: 1. Senta-se com postura reta; 2. Olhar
em volta do ambiente e descrevê-lo; 3. Respiração Diafragmática e, 4. Relaxamento
Jacobson.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 02/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 02/10/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Psicoeducação da resposta do ciclo da fobia específica,


identificando os pensamentos catastróficos, sintomas físicos e emocionais da
ansiedade e o comportamento de busca de segurança e hipervigilância.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 09/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 09/10/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 17/10/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 17/10/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 23/10/2019
Assinatura e carimbo do profissional:
Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 23/10/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Elaboração da Hierarquia de Exposição da Fobia


Específica.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 31/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 31/10/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Reestruturação cognitiva: mitos e verdades sobre


elevadores; formulação da crença: “por não circula ar, vou ficar sem respirar”, por:
“Não vou ficar sem respirar, porque o elevador possui 2% de ar natural e possui
sistema de ventilação para segurança das pessoas”.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 06/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 06/11/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar angustiado por não ter dinheiro para fazer a cirurgia da mãe.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Plano de ação sobre o que o paciente poderia fazer para
conseguir dinheiro para a cirurgia, cujo valor é oito mil reais.

Plano de ação diante TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela


manhã ao acordar e anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 14/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 14/11/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Exposição por imagem de situações que provocam pouca


ansiedade da Hierarquia de Exposição da Fobia Específica.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 21/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 21/11/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 28/11/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 28/11/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: Realizou-se a verificação do humor, o paciente disse


estar angustiado por não ter dinheiro para fazer a cirurgia da mãe.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Exposição in vivo (vídeo Super Girl tendo ataque de


pânico no elevador) e não se sentiu ansioso Relatou que imaginou estar preso em um
carro e não conseguia sair, ficou ansioso fez relaxamento.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 05/12/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 05/12/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”
Agenda para próxima sessão: 12/12/2019
Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 12/12/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Atividade de autoconhecimento: o paciente deve pensar


em seus objetivos de vida. Imaginar que sua vida é uma pista, o paciente é o carro. Na
pista existem várias perguntas associadas ao sinal da placa de trânsito, por exemplo,
sinal de quebra mola – pergunta: quais obstáculos existem e te impedem de alcançar
seus objetivos?

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 19/12/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: J. P. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 12/12/2019 Início da sessão: 9:00 Término da sessão: 10:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: está conseguindo realizar o treino de


relaxamento.

CONTEÚDO DA SESSÃO: paciente relatou situação com amigo da namorada. Foi


trabalhado resolução de problemas com a técnica balança decisacional a fim de avaliar
as vantagens e desvantagens da comunicação não assertiva.

TAREFA DE CASA: Fazer os exercícios de relaxamento pela manhã ao acordar e


anoite antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 09/01/2020


Assinatura e carimbo do profissional:

P n° 2, M. E. L.
Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 06/06/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR:

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Entrevista Inicial com A. C., mãe da paciente. Utilizou-se


a ferramenta de coleta de informações Anamnese recurso que investiga dados da vida
do paciente. Segundo Dalgalarrondo (2008, p. 76) consistem em: “dados
sociodemográficos, a queixa ou o problema principal e a história dessa queixa, os
antecedentes mórbidos somáticos e psíquicos pessoais, contendo os hábitos e o uso de
substâncias químicas, os antecedentes mórbidos familiares, a história de vida do
paciente, englobando as várias etapas do desenvolvimento somático, neurológico,
psicológico e psicossocial e, finalmente, a avaliação das interações familiares e sociais
do paciente.

TAREFA DE CASA:

FEEDBACK:

Agenda para próxima sessão: 12/06/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 12/06/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: paciente chorou antes de entrar na sala, disse não


entender o motivo do choro.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Apresentação da terapeuta e entrevista inicial com M. E.


coleta de informações sobre família, escola e amigos. Ponto importante: relatou três
situações de morte: um vizinho morreu dirrepente, uma pessoa morta por acidente de
trânsito e avó paterna.

TAREFA DE CASA: Não houve tarefas para casa.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 19/06/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 19/06/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: uso do Baralho das Emoções com o objetivo de ter


acesso a de informações sobre família, escola e amigos. Brincadeira de ser professor,
escolher o livro sobre a emoção medo, disse que tinha os seguintes medos: ser
atropelada, ficar doente, e tem medo de ficar sozinha (reza para o medo passar).
Hipótese diagnóstica: TAG.

TAREFA DE CASA:

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 26/06/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 26/06/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Psicoeducação sobre o modelo cognitivo através de


contação de história hipotética e desenho (terapeuta narra, paciente desenha).
Posteriormente, a paciente a desenhou andando na rua descreveu sua emoção e os
pensamentos. Reestruturação cognitiva acerca dos pensamentos distorcidos.

TAREFA DE CASA: na próxima sessão levar um caderno para anotações da terapia.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 03/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 03/07/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente levou o caderno de terapia.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Psicoeducação sobre a emoção medo através de história


que fala situações em que as crianças costumam sentir medo e a função da emoção. A
paciente relatou problemas com duas professoras na escola, ambas disseram que M. E.
pergunta/conversa muito durante a aula.

TAREFA DE CASA: escreve situações em que sentisse medo.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 11/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 11/07/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente escreveu sobre situações que viveu ao


longo da semana.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Brincadeira de ser professora, a paciente era a professora


e terapeuta aluna. Terapeuta interrompia constantemente a “aula” fazendo perguntas, o
objetivo era que a paciente se percebesse enquanto aluna e pudesse avaliar o
comportamento.

TAREFA DE CASA: descrever situações em que sentiu os sintomas de taquicardia e


sudorese ao longo da semana.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 17/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 17/07/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”

Agenda para próxima sessão: 24/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 24/07/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente disse não ter sudorese e taquicardia ao


longo da semana

CONTEÚDO DA SESSÃO: Aprendendo as emoções. Filme DivertidaMente. Foi


dada ênfase a função das emoções: alegria, medo, tristeza, nojo, raiva.

TAREFA DE CASA: assistir o final do filme DivertidaMente.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 31/07/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 31/07/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”

Agenda para próxima sessão: 03/08/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 03/08/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Exposição durante o atendimento, no qual, muitos


brinquedos foram espalhados pelo chão, a paciente ao entrar na sala e se deparar com
a cena não conseguia se concentrar ficava olhando para o fundo da sala. A paciente
disse sentir vontade de arrancar, seu coração estava disparado e suas mãos suando. M.
E. sentia uma agonia e disse que seus pensamentos a mandava arrumar tudo.
Reestruturação cognitiva sobre o que era brincar, para a paciente pegar um brinquedo
e tirar do lugar é fazer bagunça.

TAREFA DE CASA: observar em quais lugares sente a mesma sensação.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 14/08/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 14/08/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente percebeu sentir a mesma sensação ao


andar na rua e ver lixo.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Identificando as emoções: várias situações que ocorrem


no dia – a – dia foram ditas a paciente e esta devia dizer quais emoções sentia. O
objetivo era que a paciente conseguisse identificar suas emoções.

TAREFA DE CASA: investigando as emoções no dia – a – dia, cujo objetivo é


investigar como a paciente se sentiu em cada ambiente (escola, casa, rua).

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 21/08/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 21/08/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: raiva, pois sua irmã tirou coisas do lugar e isso a
deixou irritada.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente registrou que se sentiu alegre em


todos os ambientes.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Leitura do livro: Porque vou à terapia? O objetivo era


que a paciente entenda a função da psicoterapia.

TAREFA DE CASA: registro alimentar: a paciente devia fazer o registro de sua


alimentação em cada refeição e a emoção que sentiu. O objetivo é investigar se a
relação dos seus estados emocionais com a comida.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 29/08/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 29/08/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”

Agenda para próxima sessão: 04/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 04/09/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente fez o registro. Observou-se que tem


uma boa relação com a comida.

CONTEÚDO DA SESSÃO: investigando a rotina – várias situações do dia-a-dia e a


paciente devia completar. O objetivo é investigar a relação da paciente com a família.
E Junto com a paciente construímos seu termômetro do medo.

TAREFA DE CASA: Observar e registrar a ocorrência de emoções no dia-a-dia.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 11/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 11/09/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente disse que sua semana foi tranquila.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Colorindo a semana: a paciente devia pintar cada dia da


semana de acordo com a emoção que sentiu: alegria (amarelo) medo (lilás), tristeza
(azul) raiva (vermelho).

TAREFA DE CASA: Observar e registrar a ocorrência de emoções no dia-a-dia.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 18/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 18/09/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente disse que estava triste.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Registro na tabela RPD sobre a situação: “psicóloga


solicitou a presença da mãe na sessão”. Questionei, por meio da técnica
questionamento socrático, os pensamentos automáticos. Ao final percebeu a
importância de falar com a mãe para se sentir aliviada, “igual o elefante do filme
DivertidaMente”.

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Psicóloga Minha mãe vai Medo Chora


brigar comigo
solicitou a Não dorme bem
presença da Alguma coisa ruim
mãe na sessão vai acontecer.

TAREFA DE CASA: Observar e registrar a ocorrência de emoções no dia-a-dia.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 26/09/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 26/09/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava bem.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: paciente disse que ia ao dentista e ficava suando


ao pensar.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Registro na tabela RPD sobre a situação: “vou ao


dentista”. Apresentei um vídeo de uma criança fazendo o exame com o objetivo da
paciente perceber que, embora causasse um desconforto o procedimento não
provocaria tanta dor.

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Ir ao dentista Vai doer muito Medo Não dorme bem


tirar um raio
x.

TAREFA DE CASA: fazer o registro na Tabela RPD sobre a ida ao dentista.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 02/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 02/10/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava triste e preocupada com o


avó paterno que está com a doença Kalazar.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: chorou e ficou suando na prova de matemática.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Psicoeducação sobre a doença Kalazar. Registro na


tabela RPD sobre as seguintes situações:

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Prova de A prova vai ser Medo Não consegue se


difícil Tristeza concentrar
matemática Vai se dar mal na Branco na prova
prova
Vai tirar um zero

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Falar na Será que vou falar Medo Não se sente confortável


algo errado Vergonha em responder perguntas
terapia

TAREFA DE CASA: fazer o registro na tabela RPD.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 09/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 10/10/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava triste por seu avó paterno
falecer.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Leitura do livro “o vovô não vai voltar?” e a paciente foi
fazendo atividades sugeridas no livro, como por exemplo, escrever carta com o que
queria dizer ao avô.

TAREFA DE CASA: fazer o registro na tabela RPD.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 17/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 17/10/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava preocupada com sua ida ao
dentista

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Registro RPD por meio de desenho da situação: “ir ao


dentista”:

Situação Pensamento Emoções Comportamento

Ir ao dentista O Doutor é mal Medo Não entra no consultório


O Doutor vai ser Susto sozinha
ruim comigo
Vai doer muito
TAREFA DE CASA: fazer o registro na tabela RPD.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 23/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 17/10/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA:

CONTEÚDO DA SESSÃO: Psicoeducação sobre ansiedade por meio de vídeo


infantil e imagens ilustrativas. Treino de relaxamento: respiração diafragmática.

TAREFA DE CASA: fazer a respiração diafragmática ao acordar e antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 31/10/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 31/10/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: fez a respiração diafragmática.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Psicoeducação sobre ansiedade por meio de contação de


história de uma criança que tinha medo de ir ao dentista. Reestruturação cognitiva
sobre os pensamentos disfuncionais e manejo para controlar a ansiedade.

TAREFA DE CASA: fazer a respiração os exercícios de relaxamentos ao acordar e


antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 06/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 06/11/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: fez a respiração diafragmática.

CONTEÚDO DA SESSÃO: treino de relaxamento – relaxamento de Jacobson.

TAREFA DE CASA: fazer a respiração os exercícios de relaxamentos ao acordar e


antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 14/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 14/11/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”

Agenda para próxima sessão: 21/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 21/11/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava triste por seus pais não a
deixarem ir para Maceó.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: fez a respiração diafragmática.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Quis de perguntas da paciente para terapeuta: você me


acha chata? Questionamento socrático para acessar crenças. Preparação para
apresentação de trabalho: respiração cheira a flor e apaga a vela.

TAREFA DE CASA: fazer a respiração os exercícios de relaxamentos ao acordar e


antes de dormir.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 28/11/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 28/11/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava triste porque sua tia C. não
a amava.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente escreveu situações que aconteceram


no dia do seu aniversário: seu pai não a levou para lanchar. Um amigo fez um bolo
para comemorar.

CONTEÚDO DA SESSÃO: busca de evidências que a tia não a ama. Reestruturação


cognitiva que não somente seus pais a amavam. A paciente fez uma lista com todas as
pessoas que a desejaram feliz aniversário. O objetivo era a paciente perceber que ela
importante para muitas pessoas.

TAREFA DE CASA: fazer uma lista com todas as pessoas que a amam.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 04/12/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 04/12/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: a paciente disse que estava alegre.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente fez uma lista com o nome de todas as
pessoas que a amam.

CONTEÚDO DA SESSÃO: Baú da preciosidade. A paciente deve colocar no baú


todas as pessoas que ela ama e pensar formas de demonstrar que a ama. Aprendendo
sobre pessoas tóxicas: expliquei o conceito e simulamos atitudes que uma pessoa
tóxica tem, o objetivo é que a paciente aprenda a se proteger de pessoas que provocam
desconforto.

TAREFA DE CASA: relaxamento

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 13/12/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 13/12/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

VERIFICAÇÃO DE HUMOR: feliz.

REVISÃO DA TAREFA DE CASA: a paciente fez uma lista com o nome de amigas
falsas.

CONTEÚDO DA SESSÃO: o que é uma amiga falsa? Quais evidências que suas
amigas são falsas. Pensando solução de problemas: o que fazer quando imprevistos
acontecem. Por exemplo: vai almoçar na casa da amiga, mas almoço demora a ficar
pronto e a paciente passa mal. O objetivo é estimular autonomia e a percepção que é
capaz de resolver “problemas”.

TAREFA DE CASA: fazer: relaxamento - respiração.

FEEDBACK: Por fim, solicitou-se que o paciente expresse sua opinião a respeito da
sessão, de modo que, aponte os pontos negativos e também positivos. Além disso, o
feedback fortalece o rapport e transmite a mensagem de que o psicoterapeuta se
importa com que o paciente pensa.

Agenda para próxima sessão: 19/12/2019


Assinatura e carimbo do profissional:

Nome do paciente: M. E. L.
Profissional: Franciely de Melo Barbosa
Data: 19/12/2019 Início da sessão: 10:00 Término da sessão: 11:00
RESUMO DA SESSÃO

“Paciente faltou”

Agenda para próxima sessão: 09/01/2020


Assinatura e carimbo do profissional:

Você também pode gostar