Você está na página 1de 2

ESTADO DO CEARÁ

PODER JUDICIÁRIO
COMARCA DE ICAPUÍ

Processo n. 205-02.2009.8.06.0089/0
Número SPROC: 2009.0012.1156-5/0
AÇÃO DE ALIMENTOS
Autores: VITÓRIA GABRIELA DANTAS FREITAS e MARIA GRAZIELA DA SILVA DANTAS
Representante Legal: DIANA FREITAS DA SILVA
Réu: ANTÔNIO WESLEY DANTAS

SENTENÇA

Vistos etc.

Tratam os presentes autos de ação de alimentos movida por


DIANA FREITAS DA SILVA, no interesse das menores VITÓRIA GABRIELA
DANTAS FREITAS e MARIA GRAZIELA DA SILVA DANTAS, em desfavor de
ANTÔNIO WESLEY DANTAS, mais conhecido por “Bocão” ou “Lelê”.
Alega, como fundamento de sua pretensão, em síntese, que
após a separação da genitora com o promovido, esta necessita que o
mesmo colabore com o sustento das filhas em comum.
Acostou ao pedido documentos de fls. 05/08.
Despacho de fls. 09 deferiu alimentos provisórios.
Audiência de conciliação realizada aos 15/09/2009 (fls. 14)
onde consta a ausência do requerido, motivo pelo qual foi determinada
expedição de nova carta precatória em razão da ausência de
comprovação da citação e intimação do genitor.
Resposta da carta precatória às fls. 25/26.
Decorrido o prazo de resposta, o réu permaneceu inerte,
motivo pelo qual foi decretada sua revelia (fls. 28-v e 29).
A Defensoria pugnou pelo julgamento antecipado da lide (fls.
28-v).
Parecer ministerial pela decretação da revelia e julgamento da
lide.
É o relatório. DECIDO.
Trata-se de um pedido de alimentos, onde o alimentante,
regularmente citado, deixou de contestar a lide, motivo pelo qual é
forçoso reconhecer sua REVELIA. Por outro lado, entendo desnecessária a
coleta de provas em audiência. Isto posto, com arrimo no art. 330, I e II
do CPC, procederei ao julgamento antecipado da lide.
Há nos autos prova suficiente de que o promovido é o pai das
menores e que estas são civilmente incapaz. Aos pais, portanto, compete
sustentá-los.
No que tange ao pedido de alimentos, entendo que o montante
postulado na exordial a título de alimentos deve se alinhar ao trinômio
necessidade-capacidade-possibilidade, pois exigir do genitor valor
superior à sua capacidade econômica implica gerar a insolvência o que
não atenderia aos anseios das crianças.
Nesse sentido, considerando o que consta nos autos, e especial
no que diz respeito à profissão do réu, e o teor da certidão de fls. 26,
bem como o parecer do Ministério Público, cotejando o trinômio
necessidade-capacidade-possibilidade, e, ainda, que são duas infantes,
tenho que a fixação dos alimentos no montante postulado na inicial pode
ser óbice ao adimplemento da obrigação, motivo pelo qual entendo
razoável que os alimentos devem ser fixados em 25% (vinte e cinco por
cento) do salário mínimo vigente, equivalente nesta data a R$ 136, 25
(cento e trinta e seis reais e vinte e cinco centavos).
Considerando tudo o que dos autos consta, entendo por julgar
PROCEDENTE, o pedido aventado na inicial, nos termos do art. 269,
inciso I do CPC, e CONDENO O PROMOVIDO, fixando os alimentos
em favor das menores VITÓRIA GABRIELA DANTAS FREITAS e
MARIA GRAZIELA DA SILVA DANTAS no valor de R$ 136,25 (cento
e trinta e seis reais e vinte e cinco centavos), equivalente a 25%
(vinte e cinco por cento) do salário mínimo devidos pelo genitor.
O valor deverá ser depositado mensalmente na conta da
genitora até o dia 10 (dez) de cada mês.
Condeno o alimentante ao pagamento das custas processuais e
honorários advocatícios em favor da Defensoria Pública no percentual de
20% (vinte por cento) sobre o valor da causa.
Publique-se. Registre-se. Intimem-se.
Após o trânsito em julgado, arquive-se.
Expedientes de ordem.
Icapuí/CE, 22 de março de 2011.

Renato Belo Vianna Velloso


JUIZ DE DIREITO

Você também pode gostar