Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ

Centro de Ciências Humanas e da Educação


Departamento de Biologia
Sistemática de Vegetais

Introdução ao estudo da
Sistemática

Prof. Jorge Sobral da Silva Maia


maiaemaia@yahoo.com.br
Introdução
• Sistemática é a subárea da botânica que tem
por finalidade agrupar as plantas dentro de
um sistema, levando em consideração suas
características internas e externas.
• Taxonomia área das ciências biológicas que
elabora as leis das classificações de seres
vivos.
Sistemática
• Identificação: caracterização de um táxon,
como idêntico a outro já conhecido.
• Nomenclatura: Emprego correto dos nomes
das plantas e compreende um conjunto de
princípios regras e recomendações aprovados
em eventos internacionais e publicados em
textos oficiais.
Sistemática
• Classificação: é a ordenação das plantas num
táxon. Cada espécie é classificada como
membro de um gênero, cada gênero pertence
a uma família, as famílias estão subordinada
as ordens, cada ordem a uma classe, cada
classe a uma divisão
Sistemática
• Anteriormente entendia-se a sistemática
como:
Ciência que se restringe ao estudo de fragmentos
de plantas, devidamente etiquetadas e
conservadas em um herbário, baseando-se no
estudo morfológico de uma determinada espécie.
Sistemática
• A moderna sistemática também chamada nova
sistemática, tanto estuda o comportamento da
planta na natureza, como se fundamenta:
– na morfologia e na estrutura anatômica dos vegetais,
– nos seus caracteres genéticos,
– na sua ecologia,
– na distribuição geográfica,
– nos estudo de seus antepassados
Sistemática
• A sistemática está baseada na hipótese de que
existem relações genéticas entre as plantas e que
os vegetai atuais descendem de outros existentes
ou já extintos, através de sucessivas gerações.
• Está fundamentada na suposição de que
ocorrerá, durante épocas do desenvolvimento da
história da Terra, uma evolução dos caracteres
das plantas, encontrando-se elas, hoje em dia,
mais aperfeiçoadas.
Sistemas de classificação
• Compreendem-se 3 tipos de sistemas de
classificação a saber:
• O artificial
• O natural
• Filogenético
Sistema artificial
• Baseado em um único caráter da Planta.
Exemplo
• Sistema sexual de Lineu, fundamentado no
número e disposição dos estames. Plantas
diferentes eram agrupadas na mesma classe
porque apresentavam o mesmo número de
estames. Planta do mesmo gênero eram
agrupadas em classes distintas por diferença
também no número de estames
Sistema Natural
• Baseia-e na afinidade natural das plantas.
• Essas afinidades não podem depender de uma
só característica mas de toda a organização do
vegetal, de tal modo que cada planta fique
situada ao lado da que com ela mais se
pareça.
Sistema Natural
• O primeiro sistema natural foi o de Jussieu.
• Ele procurou ordenar as plantas levando em
consideração o número de cotilédones, a
estrutura das sementes e uma soma de
caracteres vegetativos e reprodutores.
Sistema Filogenético
• Baseado na variabilidade das espécies.
• Cuida de suas relações genéticas, levando em
consideração tanto os vegetais atuais, como
os de outras eras geológicas
• Firma-se na teoria da Evolução
Sistema Filogenético
Há uma diferença entre classificação
filogenética e taxonômica:

A taxonômica está baseada nos caracteres


das plantas e a filogenética na mudança
desses caracteres.
Tipificação
• Chama-se “typus” o espécime conservado
num herbário, do qual se fez uma diagnose
original.
O Typus compreende
• Holotypus: Tipo escolhido pelo autor como
modelo e mencionado por ele na descrição
original.
• Paratypus: Qualquer exemplar citado ao lado
do holotypus numa descrição original, mas
que não seja da mesma série dele (número de
coletor diferente)
O Typus compreende
• Isotypus: uma duplicata do holotypus;
• Syntipus: qualquer exemplar de uma série de
exemplares citados pelo autor, sem
especificação do “holotypus”
• Lectotypus: um syntipus escolhido como
holotypus quando o autor deixou de
mencionar o holotypus ou quando esse se
perdeu ou foi destruído