Você está na página 1de 2

Lei de Faraday

Lei de Faraday, conhecida também como lei da indução eletromagnética, assegura que a
variação no fluxo de campo magnético através de materiais condutores induz o surgimento de
uma corrente elétrica.

O fenômeno da indução eletromagnética foi descoberto pelo físico e químico britânico


Michael Faraday em 1831. A descoberta foi uma das mais importantes de toda a história, pois
graças a esse fenômeno, hoje somos capazes de gerar energia em usinas hidrelétricas, dar
movimento usando motores elétricos, produzir calor por meio de fornos de indução, realizar
leituras e gravações magnéticas entre outros.

Para compreender o funcionamento a lei de Faraday, é fundamental conhecermos o conceito


de fluxo magnético.

Fluxo magnético

O fluxo magnético (Φ) é uma grandeza escalar usada para medir a quantidade de linhas de
campo magnético (B) que atravessam uma área fechada (A). O fluxo magnético depende do
ângulo que é formado entre o campo magnético e a reta normal (N) na área A. Abaixo temos a
fórmula utilizada para calcularmos esse fluxo:

Φ = fluxo magnético (Wb - weber ou T/m²)

B= campo magnético (T - tesla)

A= área (m²)

Lei de Faraday-Neumann-Lenz

Convencionalmente, a lei da indução eletromagnética é conhecida como lei de Faraday-


Neumann-Lenz, no entanto, é volta e meia referida apenas como lei de Faraday. Isso acontece
porque o fenômeno da indução foi descoberto por Michael Faraday, mas sua formulação
matemática foi feita por Franz Ernst Neumann. Além disso, Heinrich Lenz propôs a necessidade
de usar o sinal negativo da fórmula, que determina o sentido da corrente elétrica induzida.

A lei de Faraday foi de grande importância para o desenvolvimento do eletromagnetismo, uma


vez que ela revela a existência de uma relação direta entre fenômenos elétricos e magnéticos,
tratados como fenômenos de natureza distinta durante muitos anos.

Força eletromotriz induzida

De acordo com a lei de Faraday, o surgimento de correntes elétricas depende da mudança no


fluxo magnético, por isso, escrevemos que a variação de tempo do fluxo magnético equivale a
um potencial elétrico medido em volts (V), que, por razões históricas, é chamado de força
eletromotriz induzida (ε).

ε - força eletromotriz induzida (V - volts)


ΔΦ = ΦF - Φi - variação do fluxo magnético (Wb)

Δt - intervalo de tempo (s)

Além disso, devido ao princípio da conservação de energia, é necessário que adicionemos


um sinal negativo na lei de Faraday. Esse sinal foi introduzido pela Lei de Lenz, que nos permite
conhecer qual é o sentido da corrente elétrica induzida:

A corrente elétrica induzida sempre será formada em um sentido tal que o fluxo magnético por
ela produzido oponha-se ao fluxo magnético que a induziu.

A união dessas informações dá origem à lei de Faraday-Lenz, confira:

Aplicando a 1ª lei de Ohm, podemos calcularmos a resistência elétrica ou


a corrente elétrica que se forma em condutores ôhmicos, graças ao fenômeno da indução
eletromagnética:

R - Resistência elétrica (Ω)

i - corrente elétrica (A)

Lei de Faraday-Maxwell

Em 1864, James Clerk Maxwell unificou os fenômenos elétricos e magnéticos por meio de
quatro equações do eletromagnetismo, são elas: lei de Gauss, lei de Gauss para o magnetismo,
lei de Ampère e lei de Faraday. De acordo com as contribuições de Maxwell à lei de Faraday,
campos magnéticos variáveis produzem campos elétricos rotacionais e tangentes às linhas de
campos magnéticos.

Fonte bibliográfica

Lei de Faraday, publicado por Rafael Helerbrock. Disponível em:


https://mundoeducacao.uol.com.br/fisica/lei-faraday.htm Acesso em: 22 de ago. de 2021

David, HALLIDAY ,, et al. Fundamentos de Física - Vol. 3 - Eletromagnetismo, 10ª edição .


Disponível em: Minha Biblioteca, Grupo GEN, 2016.

Você também pode gostar