Você está na página 1de 4

Cobertura Compreensiva:

• Colisão
• Incêndio
• Roubo e Furto

Modalidades de Seguro:

• Valor de Mercado
• Valor Determinado

Cobertura Adicional:

• Danos a terceiros

Cláusulas que podem ser contratadas:

• Despesas Extraordinárias:

Garante o reembolso das despesas que você possa vir a ter


quando ficar sem o seu veículo por indenização integral.

• Carro Extra:

Garante a locação de um veículo popular básico de 1.000


cilindradas por até 7, 15 ou 30 dias, em decorrência de um
sinistro.

• Porto Socorro Completo:

Lembrando que contratanto o Porto Socorro Completo, você


terá direito ao Carro + Casa Completo.

Seguros para motos. Sabe quanto custa fazer um?

Apesar do mercado das motos ter crescido com a nova lei das 125, os seguros ainda continuam caros e

têm, sobretudo, muitas restrições.

Andar de mot0 é acessível a mais pessoas, mas as companhias de seguros continuam a colocar muitos

obstáculos O mercado das motos recebeu um novo fôlego com a entrada em vigor da chamada lei das 125,

há cinco meses, que permite que todos os automobilistas possam conduzir motos 125cc (centímetros

cúbicos) sem necessitar de fazerem outro exame de condução. Esta mudança veio reforçar as vantagens em

andar de moto em relação aos carros, além da poupança de tempo no trânsito e em combustível, da

facilidade de estacionar e da isenção do imposto de circulação, que já têm vindo a convencer cada vez mais

portugueses, o que é visível nos últimos dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), relativos a

Novembro, que revelam que a venda de motos até 125cc aumenta, num crescimento de cerca de 30%.
Seguros Motos

Seguradoras colocam entraves aos seguros de motos

Porém, nem tudo são facilidades no momento de fazer o seguro. Pela natureza do risco associado às motos,

muitas seguradoras põem entraves na subscrição do seguro para motos. Regra geral, só aceitam cobertura

de responsabilidade civil, ou seja, apenas sobre danos materiais (no valor de 600 mil euros) e corporais (no

valor de 1,2 milhões de euros). É este o mínimo que a lei exige. A verdade é que, na generalidade dos casos, é

mais difícil fazer um seguro para moto do que para carro.

Seguros para motos variam em função da idade e residência do


motociclista e da cilindrada e modelo da moto

Há ainda outras condicionantes impostas pelas companhias e que acabam por influenciar o preço a pagar

pelo seguro. Se, por um lado, a probabilidade de ter um acidente é maior no caso de uma moto, há, por

outro lado, vários factores que ditam o valor a cobrar e que acabam por penalizar o prémio final. Um seguro

para uma pessoa de 18 anos será diferente do de um indivíduo com mais de 25 anos. Também a cilindrada e

o modelo da moto são outros factores com influência nas companhias de seguros, assim como a zona de

residência do motociclista.
Companhias de Seguros apresentam soluções pouco flexíveis para os
seguros de moto

O que é certo é que as seguradoras, devido a este aumento da procura, foram obrigadas a actualizar e

diversificar a sua oferta de seguros, como reconhecem as companhias de seguros.

Seguradora Logo propões um seguro simples, rápido e ao melhor preço

“Houve algum efeito no momento de entrada em vigor da nova lei das 125, em que se sentiu um aumento

da procura de seguros de moto“, revela o director-geral da Logo, José Pedro Inácio. A pensar nisso, a

seguradora disponibiliza o “Logo Moto“, um seguro próprio para motociclistas, com responsabilidade civil

obrigatória e assistência em viagem a partir de zero quilómetros. Trata-se de um pacote fechado e não permite

aos clientes ajuntar outras opções. Destina-se, segundo a seguradora low-cost, a clientes “que pretendem uma

protecção básica e simples. Daí ser um seguro simples, rápido, ao melhor preço, com as coberturas

obrigatórias por lei”.

A Logo adianta ainda que existe uma criteriosa avaliação do risco e garante que as coberturas disponibilizadas

têm por base o perfil e as necessidades do seu alvo: jovem adulto urbano dos 25 aos 45 anos, que privilegia as

relações simples e de qualidade, como tal, no seu entender, suficientes para satisfazer os seus clientes.

2 meses de seguros grátis. A solução mais barata para si. Simule online e comece já a poupar.

OK Teleseguro apresenta um seguro para motos no âmbito do OK


Família

Já a OK Teleseguro disponibiliza um produto para motos, mas apenas no âmbito do produto OK Família,

garantiu a companhia. A seguradora só em 2010 é que vai passar a oferecer este produto de forma isolada.

A OK Teleseguro diz, no entanto, que tem vindo a registar um aumento da procura do produto OK Família,

uma vez que, com esta oferta os condutores que adquirem motos até 125 cc têm um desconto de 20%, pois

passam a agregar o seguro da moto ao seguro do carro. Responsabilidade civil, protecção jurídica,

assistência em viagem estão asseguradas com esta oferta, mas também é possível contratar o seguro de

acidentes pessoais e danos próprios.

Seguradoras Fidelidade-Mundial e Império Bonança admitem aumento


de 60%

Logo na altura da entrada em vigor da nova lei das 125, em Agosto passado, as seguradoras Fidelidade-

Mundial e a Império Bonança admitiram que estavam a assistir a um aumento na ordem dos 60% nos novos

contratos de seguros para motos entre 50 e 125 cc, o que obrigou a uma actualização da oferta destinada a

este tipo de veículos.


Para a Deco é quase impossível encontrar qual o melor seguro para
motos

Tarefa difícil “Missão quase impossível.” É desta forma que a Associação de Defesa do Consumidor (Deco)

classificou a sua tarefa de procurar o melhor seguro para motos. Segundo o seu último estudo, apenas três

seguradoras - das 11 analisadas – aceitaram subscrever o seguro sem restrições. Nas restantes, só se já

for cliente ou se tiver um cadastro limpo.

Outro entrave à contratação do seguro para motos , de acordo com mesma entidade, diz respeito à

contratação de uma cobertura de seguro mais abrangente, como a de danos próprios. Regra geral, é mais

fácil para quem tiver uma boa carteira de seguros ou optar por comprar moto através de leasing. Nesse

caso, além da responsabilidade civil, as locadoras exigem seguro de danos próprios da moto. Este cobre os

prejuízos causados por choque, colisão, capotamento, incêndio, raio, explosão e furto ou roubo, quando não há

um terceiro responsável. Por exemplo, basta perder o equilíbrio e bater num carro parado na rua causando

danos na chapa e na pintura, que a reparação fica por conta da seguradora.

Mas vamos a contas. A Deco fez uma simulação junto das companhias: para um condutor com cerca de 30

anos, carta há mais de dez anos, que circula em Lisboa e sem acidentes passados – tendo em conta quatro

motos de classes diferentes e para três níveis de cobertura – chegou à conclusão que a Allianz, a Fidelidade

Mundial e a Império Bonança (as duas últimas pertencem à Caixa Geral de Depósitos) são as escolhas mais

acertadas para a cobertura de responsabilidade civil. Apresentam os prémios de seguros mais vantajosos e

aceitam subscrever o seguro a qualquer motociclista sem restrições. Para motos com mais de 250cc, a

melhor oferta diz respeito à OK Teleseguros/Deco (oferta disponível apenas a associados).

Seguro de Motos

O seguro de moto é similar ao seguro de automóvel porém, com uma diferença básica: o seguro de moto é mais caro
que o seguro auto por conta do alto risco de roubo, furto e colisão. As motos esportivas são as que apresentam maior
freqüência de sinistros.

Um seguro de moto completo oferece: indenização contra roubo, furto, incêndio, colisão e contra terceiros; assistência
para falhas mecânicas e elétricas; assistência para falta de combustível; serviço de chaveiro; troca de pneus.

Existem duas modalidades de seguro de motos:

• Indenização pelo valor de mercado: no caso de indenização do valor integral da moto, a


indenização é calculada com base no valor médio de mercado.
• Indenização com valor determinado: neste caso o valor da indenização é pré-estabelecida
na contratação do seguro.