Você está na página 1de 5

Disciplina – Psicologia da Educação II

Docente- Professora Márcia Cristina.


Dissente- Lucas Batista Mendes Borges.
Roteiro de Estudo Dirigido Texto: Transtorno do Déficit de Atenção e
Hiperatividade em Crianças: Uma Revisão Interdisciplinar

Sobre o texto precisaremos saber:


1-Conceito do TDAH;
TDAH (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade) é um distúrbio
neurobiológico crônico que se caracteriza por desatenção, desassossego e
impulsividade. Esses sinais devem obrigatoriamente manifestar-se na infância, mas
podem perdurar por toda a vida, se não forem devidamente reconhecidos e tratados.

2- Incidência do TDAH;
O distúrbio afeta de 3% a 5% das crianças em idade escolar e sua prevalência é maior
entre os meninos. A dificuldade para manter o foco nas atividades propostas e a
agitação motora que caracterizam a síndrome podem prejudicar o aproveitamento
escolar e ser responsável por rótulos depreciativos que não correspondem ao potencial
psicopedagógico dessas crianças.

3- Breve panorama histórico da nomenclatura do TDAH: 3.1- No início do século


XX; 3.2-No final da década de 1930; 3.3-Em 1962, 3.4-Em 1993; 4- Epidemiologia
(Incidência do TDAH na população):
4.1- Características na infância e idade adulta;
O TDAH se constitui por uma excessiva dificuldade em manter o foco em uma
atividade que exija esforço mental prolongado; uma atividade que precise ser
desempenhada com regras, prazos pré-determinados. Além disso, crianças com déficit
de atenção têm dificuldade para começar e terminar suas tarefas.
Outra dificuldade é a de rever situações e erros; dificuldade de fazer conclusões, síntese
e análise de atitude. As crianças com TDAH tendem a ser mais esquecidas,
desorganizadas e perdem-se em tarefas. Além disso, há mais características:
– Tendem a ter rendimentos escolares e rotineiros mais baixos;
– Podem ser completamente introspectivas;
– Problema de memorização, capacidade de organização e interiorização de conceitos e
aprendizagens;
Muitos adultos com TDAH nunca foram diagnosticados.
O TDAH não tratado pode causar inúmeros problemas mentais e físicos, que podem
sobrecarregar os relacionamentos e causar dificuldades em muitos aspectos da vida
cotidiana. É importante reconhecer os sinais do TDAH adulto para que você possa
receber o tratamento adequado

5- Diagnóstico Tipos e subtipos do TDAH: 5.1- Características dos três subtipos do


TDAH;
O principal sintoma é a dificuldade em manter o foco da atenção e/ou manter-se quieta,
estes sintomas podem se manifestar de diversas formas:
● As crianças com TDAH, em especial os meninos, são agitadas ou inquietas,
frequentemente ganham apelidos e ficam estigmatizados
● Na idade pré-escolar, estas crianças mostram-se agitadas, movendo-se
incessantemente, mexendo em vários objetos.
● Mexem pés e mãos, não param quietas na cadeira.
● Falam muito e constantemente, frequentemente pedem para sair de sala ou da mesa de
jantar.
● Têm dificuldades para manter atenção em atividades muito longas, repetitivas ou que
não lhes sejam interessantes.
● São facilmente distraídas por estímulos do ambiente externo, mas também se distraem
com pensamentos "internos", dando a impressão de estarem "voando".
● Nas provas, são visíveis os erros por distração (erram sinais, vírgulas, acentos, etc.).
● Esquecem recados, material escolar ou até mesmo o que estudaram na véspera da
prova.
● Tendem a ser impulsivas (não esperam a vez, não lêem a pergunta até o final e já
respondem, interrompem os outros, agem antes de pensar).
● Dificuldades com relação a horários, frequentemente não os cumprem.
● É comum apresentarem dificuldades em se organizar e planejar aquilo que querem ou
precisam fazer.
● Dificuldades com relação a escala de prioridades
● Seu desempenho sempre parece inferior ao esperado para a sua capacidade
intelectual.
Subtipos:
O TDAH pode se manifestar de diferentes maneiras e graus de comprometimento em
cada indivíduo, porém para fins diagnósticos atualmente encontra-se subdividido em
três subtipos:
● TDAH pode apresentar-se no subtipo combinado: presente na maioria das crianças e
adolescentes com o transtorno. Não se sabe se o mesmo vale para adultos. é
caracterizado pela presença de seis ou mais sintomas de desatenção e seis ou mais
sintomas de hiperatividade.

● TDAH no subtipo predominantemente desatento: é caracterizado pela presença de


seis ou mais sintomas de desatenção, mas menos de seis sintomas de hiperatividade-
impulsividade.

● TDAH no subtipo predominantemente hiperativo-impulsivo: Caracterizado pela


presença de seis ou mais sintomas de hiperatividade-impulsividade, mas menos de seis
sintomas de desatenção
6- Etiologia (Estudo das causas das doenças);
As causas que conduzem à TDAH são muito variadas e, provavelmente, dependentes de
fatores diversificados, sendo difícil, na maioria dos casos, determinar uma etiologia
precisa, já que também não é detectável nenhum dano cerebral, como acontece noutras
perturbações mentais.
Embora o conhecimento das causas que conduzem à TDAH permita o diagnóstico mais
rigoroso desta problemática e possibilite a adopção de medidas preventivas, os pais e
educadores devem preocupar-se menos com a busca das causas (já que é tão imprecisa a
sua determinação) e mais com as medidas que reduzam o impacto desta desordem na
vida das crianças.

7- Tratamento e diretrizes futuras: 7.1-Três tipos de tratamento do TDAH


empregados; 7.2-Características do uso dos medicamentos com psicoestimulantes;
7.3-Importância da análise do comportamento; 7.4- Características do trabalho
interdisciplinar.
As opções de tratamento do TDAH dependem da avaliação de cada caso, ou seja, o
especialista irá avaliar qual a melhor alternativa de tratamento para cada pessoa.
Para as crianças e adolescentes que apresentam o TDAH, o tratamento medicamentoso
aliado ao acompanhamento psicológico e/ou psicopedagógico, o acompanhamento
familiar, bem como a parceria da escola poderão ajudar na superação dos prejuízos do
transtorno e no desenvolvimento das habilidades deficitárias.
O tratamento com estimulantes se for necessário, deverá ser recomendado e prescrito
pelo médico. O tratamento farmacológico vai depender da idade, intensidade dos
sintomas, prejuízos e comorbidades. Os estimulantes mais recomendados são o
metilfenidato e a lisdexanfetamina. Dentre os benefícios destes medicamentos, pode-se
destacar: diminuição da impulsividade e da atividade motora, aumento da vigilância e
melhora da memória recente. O uso destes medicamentos por pessoas sem o transtorno
e sem uma prescrição médica é ineficaz e ilegal.
O déficit de atenção e hiperatividade/impulsividade pode afetar a aprendizagem e
consequentemente o rendimento escolar de crianças e adolescentes. A intervenção
psicopedagógica é recomendada para trabalhar com melhores estratégias de
aprendizagem; com o domínio acadêmico de maior prejuízo: escrita, leitura ou
matemática; com as habilidades cognitivas alteradas, como a atenção e com o
estabelecimento de agendas e rotinas de estudos. Também, podem ser trabalhadas as
funções executivas (planejamento, controle inibitório, memória operacional e
flexibilidade cognitiva) através da intervenção psicopedagógica.
Devido ao impacto do TDAH na aprendizagem escolar, algumas adaptações e
estratégias no contexto da sala de aula são recomendadas a fim de melhorar os
problemas de comportamento e o desempenho acadêmico das crianças.
Especialmente relevante para o sucesso do tratamento, é o conjunto das seguintes ações:
acompanhamento psicopedagógico, apoio da escola e acompanhamento da família.
Como resultado deste processo, as crianças poderão alcançar um desenvolvimento
escolar mais satisfatório e melhorarem sua autoestima.
A Psicoterapia
A psicoterapia é baseada nas necessidades e demandas do paciente, nas especificidades
do transtorno e nas habilidades deficitárias. De uma maneira geral, a terapia cognitivo-
comportamental tem apresentado eficácia para os casos de TDAH e foi comprovada
através de vários estudos. O trabalho é direcionado ao funcionamento comportamental e
a reestruturação cognitiva, e envolve a busca por mudanças de comportamentos
indesejados e pensamentos disfuncionais respectivamente. Além disso, a terapia pode
abranger o treino em resolução de problemas e também o treino em habilidades sociais.
Parece que o treino em habilidades sociais ajuda a minimizar atitudes e falas impulsivas
e possibilita uma comunicação mais assertivo
O TDAH é crônico, podendo persistir ao longo da vida em menor ou maior intensidade,
portanto, a necessidade da continuidade ou não do tratamento depende do controle dos
sintomas. O objetivo do tratamento é sempre melhorar o funcionamento da criança, do
adolescente e do adulto em todas as áreas da sua vida, social, acadêmica, profissional e
emocional e proporcionar-lhes melhor qualidade de vida. Alguns estudos têm apontado
que o tratamento do transtorno quando iniciado na infância, diminui os riscos de abuso
ou dependência de substâncias na adolescência. Por fim, é importante destacar que, a
busca por informações e conhecimento sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e
Hiperatividade, auxilia o paciente a obter auto compreensão sobre como os sintomas do
transtorno afetam a sua vida, tanto quanto, colabora para a sua auto superação.

Você também pode gostar