Você está na página 1de 49

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

APRECIAÇÃO ERGONÔMICA

LANCHONETE BOB’S - LIDO

CARLOS ALEXANDRE

CARINA ANDRADE

LAÍZA VEIGA
1
SISTEMA ALVO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

Lanchonete Bob's
Funcionamento Bob’s Lido
- Rede franqueada do ramo de fast food - comércio de
sanduíches, sorvetes, refeições rápidas e outros Franqueador
produtos assemelhados. 1 Consultor
1 Gerente
- 1951 - Falkenburg Sorveteria Ltda 2 Subgerentes
- 1952- primeira loja é inaugurada 17 Funcionários (caixa/apoio/produção/limpeza)
- 1984 - início das franquias - ES
Atualmente, 40 unidades próprias, 805 franquias e 12
unidades no exterior 2
LOCALIZAÇÃO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

Endereço: Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 129 B - Praça do Lido


Copacabana
Rio de Janeiro - RJ

Horário de funcionamento: segunda à quinta das 10:00 às 23:00


3
sexta à domingo das 10:00 às 01:00
PLANTA BAIXA
LANCHONETE BOB’S
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA
LIDODO LIDO
LANCHONETE BOB’S -–DO
PRAÇA DO LIDO

4
PLANTA DE SETORIZAÇÃO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

5
PLANTA BAIXA
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

6
PLANTA DE SETORIZAÇÃO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

7
PLANTA COM LAYOUT
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

8
FOTOS GERAIS
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO
LANCHONETE BOB’S – PRAÇA DO LIDO

9
EQUIPAMENTOS
PRODUÇÃO

10
EQUIPAMENTOS
PRODUÇÃO

11
EQUIPAMENTOS
PRODUÇÃO

12
EQUIPAMENTOS
PRODUÇÃO

13
EQUIPAMENTOS
PRODUÇÃO

14
EQUIPAMENTOS
PRODUÇÃO

15
EQUIPAMENTOS
ATENDIMENTO

16
APRECIAÇÃO ERGONÔMICA

SISTEMATIZAÇÃO

17
SISTEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA

CARACTERIZAÇÃO E POSIÇÃO SERIAL DO SISTEMA
RESTRIÇÕES
• Espaço físico limitado

META
• Venda de produtos
alimentícios de produção
e consumos rápidos e
práticos (fast food)
ENTRADA
SISTEMA SISTEMA ALVO SAÍDA SISTEMA
•Produtos
ALIMENTADOR Lanchonete • Pedido ULTERIOR
• Insumos
• Fornecedor Bob´s - Lido •Troco •Consumidor
• Matérias-primas
• Consumidor
• Pedido
• Pagamento
REQUISITOS RESULTADOS

• Espaço físico adequado DESPROPOSITADOS


• Iluminação e temperatura • Acidentes de trabalho
adequadas • Produtos defeituosos
• Máquinas e equipamentos • Refugos
dentro do envoltório de alcance • Incidentes
• Organização de pedidos • Compra não efetuada
• Displays no campo de visão • Queda de produção
18
•Ritmo de trabalho adequado
SISTEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
ORDENAÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA
ECOSSISTEMA: Brazil Fast Food Corporation

SUPRA-SISTEMA: Venbo Bob’s


SISTEMA ALVO: Lanchonete Bob’s
Subsistema 1 Subsistema 2 Subsistema 3 Subsistema 4 Subsistema 5 Subsistema 6
Gerência/ administração Salão Atendimento Produção Estoque Manutenção/ limpeza
Sub subsistema 1
Produção de salada
Sub subsistema 1 Sub subsistema 1 Sub subsistema 1 Sub subsistema 1 Sub subsistema 1
Departamento de Salão de refeição Caixa Refrigeração Despensa
compras Sub sub
subsistema 1 Sub sub
Sub sub
Tropical Subsistema 1
Sub sub Sub sub Sub sub subsistema 1
Produtos de
subsistema 1 subsistema 1 subsistema 1 Câmara de
limpeza
Alimentos Mesas e cadeiras Computador Sub sub congelados 19
Subsistema 2
Sub sub
Sub sub Sub sub Sub sub Caeser
Subsistema 2 Sub subsistema 2
Subsistema 2 Subsistema 2 Subsistema 2 Câmara de
Materiais e utensílios Fila de espera Balcão de Coleta de lixo
Sub subsistema 2 resfriamento
atendimento Sub sub
Produção de Subsistema 1
Sub subsistema 2
sanduíche Depósito de lixo
Estoque seco/
Sub subsistema 2 Sub subsistema 2 Sub subsistema 2
despensa
Departamento Banheiros Apoio Sub sub
financeiro subsistema 1 Sub sub
Sub sub Carne bovina subsistema 1
Sub sub Sub sub subsistema 1 Armazenamento de
subsistema 1 subsistema 1 Balcão de alimentos
Sub sub
Contas a pagar Maculino atendimento Subsistema 2 Sub sub
Frango empanado Subsistema 2
Sub sub Sub sub Sub sub Armazenamento de
Subsistema 2 Subsistema 2 Subsistema 2 bebidas
Sub sub
Contas a receber Feminino Utensílios em geral Subsistema 3
Frio

Sub subsistema 3 Sub subsistema 4 Sub subsistema 5


Gelados Bebidas Frituras
Sub sub Sub sub Sub sub Sub sub Sub sub Sub sub Sub sub Sub sub
Subsistema 1 Subsistema 2 Subsistema 3 Subsistema 1 Subsistema 2 Subsistema 3 Subsistema 1 Subsistema 2
Sorvete Milkshake Sundae Refrigerante Suco Matte Batatas Franlitos
SISTEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
EXPANSÃO DO SISTEMA
Brasil Fast Food Corporation

Subsistema 1 Subsistema 2 Subsistema 3


Gerência/ Salão Atendimento
Sistema serial 1 administração Sistema serial 2
• Orientação • Produção
• Fiscalização • Vendas

Subsistema 4 Subsistema 5 Subsistema 6


Produção Estoque Limpeza

Sistema Redundante
Sistema paralelo 1 Sistema paralelo 4
Outras 803
Lanchonete Bob’s Original Lanchonetes KFC
Lanchonetes Bob’s

Sistema paralelo 3
Sistema paralelo 2 Sistema paralelo 5
In Bocca al Lupo –
Doggis Pizza Hut
café

20
SISTEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
MODELAGEM COMUNICACIONAL DO SISTEMA

FONTES DE INFORMAÇÃO SISTEMAS HUMANOS ENVOLVIDOS

1- Caixa recebe e repassa o pedido 1- Visão, audição, tato


cliente
2- Audição
CANAIS DE
2- Cozinha recebe pedido pelo caixa TRANSMISSÃO
3- Audição, visão
3- Apoio recebe pedidos

TRANSMISSÕES NEURÔNIOS

COMANDOS ATIVADOS ACIONAMENTOS RESPOSTAS HUMANAS

1- Digitar, tocar 1- Com a fala e com as mãos


1- Tela do computador (touch screen)

2- Preparar sanduíche ou 2- Com a fala, com as mãos e com o


2- Chapa elétrica, toaster, estufa,
salada corpo
freezer

3- Preparar frituras, 3- Com a fala, com as mãos e com o


3- Fritadeira, máquinas de refrigerante
bebidas e sorvetes, corpo
e sorvete, passador de sanduíches
montar bandeja

21
SISTEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
FLUXOGRAMA FUNCIONAL AÇÃO-DECISÃO

1.0 2.0 4.0 5.0 6.0


Tem Repassa o Cozinha Prepara o Repassa para o
Caixa
INÍCIO sanduíche S pedido recebe o sanduíche apoio que pega o
recebe o
ou para a pedido ou pega a alimento no
pedido
salada? cozinha salada passador

3.0 7.0
N Repassa o Tem
Apoio sanduíche S
pedido
recebe o ou
para o
pedido salada?
apoio
8.0 9.0
Prepara
N frituras, Monta a
gelados ou bandeja 1
bebidas

10
Entrega a
FIM
1 bandeja
ao cliente

22
APRECIAÇÃO ERGONÔMICA

PROBLEMATIZAÇÃO

23
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS INTERFACIAIS

24
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS INTERFACIAIS

25
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS INTERFACIAIS

26
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS DE DESLOCAMENTO

27
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS DE DESLOCAMENTO

28
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS DE ACIONAIS

29
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS DE ARQUITETURAIS/ ESPACIAIS DE INTERIORES

30
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS DE ARQUITETURAIS/ ESPACIAIS DE INTERIORES

31
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS FÍSICO AMBIENTAIS

32
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS BIOLÓGICOS

33
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS ACIDENTÁRIOS

34
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS PSICOSSOCIAIS

35
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS OPERACIONAIS

36
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS ACESSIBILIDADE

37
PROBLEMATIZAÇÃO ERGONÔMICA
PROBLEMAS COGNITIVOS

38
APRECIAÇÃO ERGONÔMICA

PARECER ERGONÔMICO

39
PARECER ERGONÔMICO
TABELA GUT

40
PARECER ERGONÔMICO
TABELA GUT

41
PARECER ERGONÔMICO
TABELA GUT

Através da GUT, percebe-se que os problemas a serem


estudados estão relacionados aos equipamentos utilizados e ao espaço
físico existente.
Identifica-se que problemas acidentários e biológicos merecem
devida atenção para que desapareçam, ou ao menos se amenizem.
É importante mencionar, que alguns funcionários afirmaram
que certos equipamentos utilizados deveriam ser substituídos por outros
que não facilitassem acidentes de trabalho.
Problemas cognitivos podem surgir como consequências dos
acidentes causados por equipamentos, à limitação do espaço físico e à
dificuldade de comunicação.

42
PARECER ERGONÔMICO
PREDIÇÕES

Pela a hierarquização dos resultados da tabela GUT a respeito de


acidentes causados por queimadura através de equipamentos na cozinha, tais
como: toaster, chapa elétrica e fritadeira, deve-se proporcionar maior atenção
para evitá-los (constatado também por depoimentos de funcionários).
A ausência do extintor de incêndio e a falta de indicação no piso
formando uma área de 1x1m, podem dificultar ou mesmo impossibilitar o socorro
em casos de emergência.
A falta de higiene e assepsia no depósito pode gerar a proliferação de
germes e insetos no local, o que deve levar à contaminação de funcionários, e
posteriormente, dos próprios clientes.
Problemas em relação a alcances, manejos e temperatura também
devem ser priorizados devido aos constrangimentos físicos e também psíquicos
causados aos trabalhadores, que tendem a se esforçar além do necessário para
realizarem as suas tarefas da melhor maneira possível.

43
PARECER ERGONÔMICO
SUGESTÕES DE MELHORIA

A sugestão para diminuir ou evitar a incidência de queimaduras, seria


incluir o uso de EPIs, como por exemplo, uma roupa ou acessório que evitem o
contato direto com o equipamento e dispor de sinalização próxima, alertando o
usuário sobre o perigo de contato e manuseio destes que se encontram ligados em
altas temperaturas.
Outra sugestão, seria adaptar ou desenvolver os próprios equipamentos
para que minimize e que não sejam causas de prováveis acidentes de trabalho.
Em relação a riscos de incêndio, sugere-se a obtenção de um extintor
principalmente na área de produção, que estejam livres de qualquer obstáculo e
sejam de fácil acesso.
Quanto aos riscos biológicos, sugere-se melhor higienização e limpeza
do estoque, com dedetização e solução para o esgoto que libera forte odor no
ambiente.

44
PARECER ERGONÔMICO
QUADRO DO PARECER ERGONÔMICO
DISFUNÇÃO
CLASSE DO PROBLEMAS REQUISITOS CONSTRAN- CUSTOS SUGESTÕES RESTRIÇÕES
DO
PROBLEMA GIMENTOS HUMANOS SISTEMA
Exposição e
Queimaduras Equipamentos manuseio Uso de EPIs,
Afastamento, treinamento Negligência e
causadas no seguros constantes com Queimaduras,
paralisação da específico, falta de opção
manuseio de equipamentos danos físicos
produção trocar
equipamentos em alta
temperatura equipamentos
ACIDENTÁRIOS
Instalação
Ausência de de Falta de Instalação de
extintores de extintores e segurança para Danos físicos e Afastamento, equipamentos Negligência
incêndio e demarcação clientes e paralisação da contra incêndio
psicológicos
inexistência de de área de funcionários produção e treinamento
área demarcada segurança específico
Exposição a
Local limpo, Interdição do Limpeza
odores ruins e Contamina-
Falta de higiene livre de local, periódica,
possíveis ções, estresse Negligência
BIOLÓGICOS contamina- afastamento, higienização e
agentes e mal estar
ções queda da dedetização
infecciosos
produção

Ruídos Diminuição Exposição a Manutenção ou Ausência


constantes ou excesso de Estresse, dores Queda de substituição de
FÍSICO- de opção,
AMBIENTAIS emitidos por inexistência ruídos de cabeça produtividade máquinas custo
equipamentos de ruídos inconvenientes
Instalação de
Temperatura
FÍSICO- Temperatura Calor excessivo, Queda de refrigeradores Custo e
elevada e Estresse, dores produtividade
AMBIENTAIS/ e iluminação forçar a visão e lâmpadas, limitação
ARQUITETURAIS iluminação de cabeça,
agradáveis aberturas de do espaço
insuficiente cansaço janelas

45
PARECER ERGONÔMICO
QUADRO DO PARECER ERGONÔMICO
DISFUNÇÃO
CLASSE DO PROBLEMAS REQUISITOS CONSTRAN- CUSTOS SUGESTÕES RESTRIÇÕES
DO
PROBLEMA GIMENTOS HUMANOS SISTEMA

Área de Espaço sufici- Esforço e Queda no Falta de


Dores no cor- Reprojetar o
ESPACIAL/ circulação ente para incômodo para ritmo de opção,
INTERIORES po, estresse ambiente
insuficiente fluxo deslocar-se produção desinforma-
ção

Ausência de
Descanso e Tempo longo e Adaptar Desinte-
local para Queda no
PSICOSSOCIAL lazer constante em Estresse, o espaço resse da
convivência e ritmo de
serviço desmotivação administra-
repouso produção
ção

Estresse,
Repetitividade, Aumento de
Tranquilidade Dificuldade de desmotivação, Queda no
pressão na funcionários e Custo
OPERACIONAL e motivação concentração desinteresse, ritmo de
produção intervalos para
perda de produção
descanso
agilidade
Disponibilizar
Permanência Evitar o Esforço mobiliário, Desinteresse
em pé por cansaço excessivo de Estresse, dores Queda de
intervalos e da
tempo excessivo membros no corpo produtividade e
área de administra-
prolongado inferiores agilidade
descanso ção
Evitar dores e Desinteresse
Repetição Repetir Dores no
INTERFACIAL constrangi- Queda de Reprojetar o da
excessiva de movimentos corpo,
mentos produtividade posto de administra-
movimentos inadequados estresse
físicos trabalho ção
Desinteresse
Agachamento Repetir Dores nas Novo arranjo
Diminuir Queda de da
excessivo e movimentos pernas e do posto de
esforço físico produtividade administra-
inadequado inadequados coluna lombar trabalho 46
ção
PARECER ERGONÔMICO
QUADRO DO PARECER ERGONÔMICO
DISFUNÇÃO
CLASSE DO PROBLEMAS REQUISITOS CONSTRAN- CUSTOS SUGESTÕES RESTRIÇÕES
DO
PROBLEMA GIMENTOS HUMANOS SISTEMA
Mudar forma
Excesso de Comunicação Dificuldade de de Custo e
Estresse, Queda no
informação, simples e compreender e comunicação e desinteresse
desmotivação, ritmo de
COGNITIVO dificuldade de eficaz preparar aumentar o da
ansiedade produção
comunicação os pedidos numero de administração
funcionários

Deslocamento Evitar Andar Estresse, dores Desinte-


Queda no Adaptar
DESLOCAMENTO excessivo no movimentos constantemente nas pernas e resse da
ritmo de o posto de
posto de desnecessá- para preparar coluna administra-
produção trabalho
trabalho rios pedidos ção

Manusear de
maneira Movimentar Estresse, dores
Manuseio Mudar
constantemente no punho Queda no Falta de
inadequado de correta equipamentos
ACIONAL membros perda de ritmo de conheci-
utensílios e evitando utilizados
superiores agilidade produção mento
equipamentos constrangi-
mentos incorretamente

47
APRECIAÇÃO ERGONÔMICA
CONCLUSÃO

A partir do estudo de toda a apreciação ergonômica, foi


possível entender o funcionamento do sistema alvo e analisar os
problemas existentes.
A técnica GUT e o estudo do parecer, permitiram priorizar e
focar os problemas para futuras pesquisas, o que será feito na próxima
etapa com enfoque na produção, onde observou-se a necessidade de
maior atenção e intervenção para melhorar a segurança, conforto e
eficiência do trabalho.

48
APRECIAÇÃO ERGONÔMICA
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• MORAES, Anamaria de. Ergonomia: conceitos e aplicações/ Anamaria


de Moraes, Claudia Mont’ Alvão – Rio de Janeiro: 2AB, 2009 (4ª edição,
ampliada).

• IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção/ Itiro Iida 2ª edição ver. E


ampl. – São Paulo: Blucher, 2005.

• RODRIGUES, Lucinaldo dos Santos. Analisando as divisões do trabalho


dos funcionários de uma empresa do setor de fast food com foco na
Ergonomia. Congresso internacional de administração, 2010.

• disponível em: http:// www.bobs.com.br. Acesso em 05/2012

49

Você também pode gostar