Você está na página 1de 29

UNIP EaD

Projeto Integrado Multidisciplinar

Cursos Superiores de Tecnologia

IMPLEMENTAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

PARA UMA BIBLIOTECA COMUNITÁRIA

UNIP

2020
UNIP EaD

Projeto Integrado Multidisciplinar

Cursos Superiores de Tecnologia

IMPLEMENTAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE

PARA UMA BIBLIOTECA COMUNITÁRIA

UNIP

2020
Resumo

Nossa empresa, Unip PIM 4, foi contratada com objetivo de projetar e implementar
uma infra-estrutura de rede em uma Biblioteca Comunitária localizada na cidade de Sorocaba-
SP. Estaremos trabalhando na preparação da parte física e lógica, materiais, equipamentos,
todo cabeamento estruturado conforme a Norma Brasileira Regulamentadora (NBR) 14565.
Se faz necessário o desenvolvimento do zero, o espaço físico já existe e iremos estudar a
melhor opção para encaixar o projeto neste espaço, sem que haja mudanças físicas do
ambiente. Para isto, vamos aplicar o conhecimento técnico adquirido nas matérias estudas
neste semestre, sendo elas: Cabeamento Estruturado, Redes de Dados e Comunicação e
Arquitetura de Redes.

Palavras-chave: Implementar, Biblioteca, Cabeamento, Redes, Arquitetura, Projeto


Abstract

Our company, Unip PIM 4, was hired to develop and implement a network
infrastructure in a Community Library, situated on Sorocaba-SP. We will work in the logical
and physical preparation, materials, equipments, all structure cabling according to the
Brazilian Regulatory Standard (NBR) 14565. It is necessary the development since the
beginning. The room already exists and we will study the best option to apply the project in
this place, without make changes there. For this, we will apply the technical knowledge
acquired in the subjects that we studied in this semester, that are: Structure Cabling, Data and
Communication Networks and Network Architecture.

Keywords: Implement, Library, Cabling, Network, Architecture, Project


Sumário

1 Introdução ...................................................................................................................... 6
2 Infra-Estrutura ................................................................................................................ 7
2.1 Baias .................................. ......................................................................................... 7
2.2 Computadores ............................................................................................................. 8
2.3 Alimentação ................................................................................................................ 9
2.3.1 Norma NBR - 14565 ................................................................................................ 9
3 Equipamentos de efeito para a disponibilização de rede no laboratório ........................ 12
3.1 Especificações do cabo de rede e conectores .............................................................. 14
3.2 RouterBoard (RB) ....................................................................................................... 14
3.3 Switch.......................................................................................................................... 15
3.4 Vantagens..................................................................................................................... 15
3.5 Representação lógica do Modelo................................................................................. 16
4 Arquitetura, Rede de Dados e Comunicação ................................................................. 17
4.1 Transmissão entre Sistemas de Computadores ........................................................... 18
4.2 Modelo OSI e os conceitos físicos de conectividade .................................................. 18
4.3 Topologia de redes ...................................................................................................... 20
4.3.1 Malha ....................................................................................................................... 20
4.3.2 Estrela ...................................................................................................................... 20
4.3.3 Estrela estendida ...................................................................................................... 21
4.3.4 Barramento ............................................................................................................... 21
4.3.5 Anel .......................................................................................................................... 22
4.3.6. Hierárquica .............................................................................................................. 22
5. IPv4 ............................................................................................................................... 23
6 Conclusão ....................................................................................................................... 26
7 Bibliografia .................................................................................................................... 27
6

1 Introdução

Com avanço tecnológico que vem sendo posto em prática nesta era digital quer
vivemos atualmente, surge uma sociedade renovada e privilegiada com o conhecimento e
tecnologia que está em seu alcance. A procura de bibliotecas para pesquisas e estudos tem
uma realidade totalmente diferente de anos atrás, quando não havia tecnologia. Estávamos
limitados à ler livros, procurar o conteúdo desejado e trabalhar em cima do assunto. Hoje,
com a internet tudo se tornou mais fácil, a sua busca esta reduzida a alguns cliques, um bom
navegador global e um bom banco de dados local para encurtar a localização do seu conteúdo
desejando.

Com isto, estamos desenvolvendo um projeto de infra-estrutura de rede para uma


biblioteca comunitária com tecnologia e internet capaz de dar resultado e satisfação em todo
processo.

Alguns aspectos que estaremos trabalhando são pontos relacionados a Arquitetura de


Redes, Redes de Dados e Comunicação e Cabeamento Estruturado onde falaremos do modelo
OSI, IPv4, HTTP e DNS, estes são tecnologias que farão parte do projeto. Também
mencionamos topologia, roteadores, switch , camadas e de enlace de rede padrão Ethernet
CAT6, Tomadas 2P+T conforme Norma NBR 14136 com piso elevado, aterramento,
segurança. Ainda contaremos com um Servidor. Acesso a banda larga com link de 50Mbps
junto com um link redundante, serviço de digitalização em rede além de firewall com regras
de filtragem e bloqueio de acessos via proxy.
7

2 Infra-estrutura

Nossa objetivo é tornar funcional um ambiente de pesquisa com 30 computadores em


um espaço de 6 metros por 6 metros totalizando de 36 metros quadrados.

2.1 Baias

Neste tópico veremos a planta baixa da sala com a disposição das baias conforme
solicitado. Temos um layout numa escala de 1:50 e detalhe da baia em uma escala de 1:25.

Figura 1 - Planta baixa da disposição das baias

Fonte - Criação Própria

A Figura 1 nos mostra o espaço de estudo com 30 baias do tipo tele marketing em
MDF 15mm com medidas especificas padronizadas pelo fabricante, conforme vemos na
figura 2. Nelas vamos dispor de 30 computadores que apresentaremos mais adiante. Terá um
piso elevado para que tomadas, conexões e cabos fiquem todos na parte inferior.
8

Figura 2 - Baia Para Tele marketing Conjugada 3 Lugares

Fonte - http://loja.millacomercio.com.br/

Com a disposição das baias definidas, o próximo passo é definir qual computador usar,
qual deles é mais adequado para esta aplicação. Pensando nisso avaliamos o melhor custo
beneficio e chegamos ao seguinte modelo:

2.2 Computadores

Computador Positivo Stilo C4500B Intel Dual Core - 4GB 500GB Windows 10 Home Bivolt

Processador: Dual Core 2.58 GHz - Modelo Intel Celeron J1800 Dual Core

Memória Cache: 1MB Cache

Monitor: AOC 18,5” LED - E970SWNL

Memória: 4GB (suporta até 8GB) - DDR3L

Barramento da memória - DDR3L

HDD: 500GB - Sata

Sistema Operacional: Windows 10 Home

Placa de vídeo: Intel HD Graphics

Placa mãe: Positivo - Chipset SoC

Teclado: 107 teclas - ABNT2 Português Brasil

Mouse: 02 Botões - Com scroll - Tipo: Óptico

Conexões:

Frontais - 02 USB 2.0 - 01 Line-out (fone de ouvido) - 01 Mic-in (microfone)


9

Traseiras - 01 HDMI (saída) - 01 VGA (saída) - 04 USB 2.0 - 02 PS/2 - 01 RJ-45


(rede/internet) - 01 DC-in (fonte) - 01 Line-out (alto-falantes) - 01 Mic-in (microfone) - 01
Line-in (auxiliar)

Peso: 1,92Kg

Largura: 12,03cm

Altura: 29,14cm

Profundidade: 30,07cm

Estabilizador bivolt Revolution Speedy 300va 4 tomadas 15970 SMS

2.3 Alimentação

2.3.1 Norma NBR - 14565

A norma NBR-14565 surgiu em 1994, com o objetivo estabelecer os critérios para


elaboração de projetos de rede internas, em edificação comercial. A rede interna estruturada é
projetada de modo a prover uma infraestrutura que permita a evolução e a flexibilidade para
os serviços de telecomunicações nas áreas de trabalho, os armários de telecomunicações, salas
de equipamentos, entre outros. Segundo a estrutura básica proposta pela NBR 14565 para um
sistema estruturado ficam definidos os seguintes pontos:

Através de pesquisas e cálculos, concluímos que em uma rede de 127 Volts, com um
consumo não maior que 300W (incluindo monitor) ficaremos abaixo de 2 Ampères (A) por
conjunto.

30 Computadores x 2A = 60 A em sua totalidade

Levando em consideração que um cabo flexível (B2) com bitola de 2,5mm² suporta
até 21 A sem que haja aquecimento, definimos ter 3 redes de 2,5mm² (Fase+Neutro+Terra),
10 computadores por rede. Estas redes estarão divididas em 3 Disjuntor Unipolar 20 A
Lorenzetti e o cabeamento e tomadas serão acomodadas no chão através de piso elevado.

Optamos pelo Cabo flexível por possuir maior facilidade de manuseio. E as cores
definidas em Fase/Preto, Neutro/Azul e Terra/Verde.
10

Dados técnicos: Condutor de fios de cobre eletrolítico, tempera mole, classe 4 de


encordoamento, isolamento termoplástico polivinílico (PVC) tipo BWF, este, tem
característica de não propagação e auto-extinção de fogo, e classe térmica de 70°C

Figura 3 - Exemplo de piso elevado para cabeamento

Fonte: http://valemam.com.br/produto/duto-de-piso-embutido/

Figura 4 - Cabo Flexível 2,5mm e as cores usadas

Fonte - Criação própria

Quanto as Tomadas, serão tomadas de embutir, bipolar, com contato terra de 10A /
250 V c.a. Definimos o padrão 10A pois, além de estar de acordo com nossas necessidades o
uso de tomada de 20A abriria um falha de segurança, já que com sua furação é maior, poderia
ser ligado equipamentos de maior potência pondo em risco a segurança da rede.
11

Figura 5 - Caixa de Tomada Para Piso Figura 6- Tomada padrão NBR 14136:2002

Fonte: https://comprar.caixatomada.com Fonte: Criação própria

Falando agora sobre o aterramento, conforme norma NBR5410, estudamos as


seguintes opções:

- Sistema TT

Considerado mais eficiente, há uma haste própria para aterramento. O Neutro é


aterrado diretamente no poste, e internamente é construído um eletrodo de aterramento. Este
conjunto pode ser falho se não for acompanhado de um DR.

- Sistema TN-S

Neste modelo, o terra e o neutro conectam-se no mesmo ponto de alimentação do


circuito, mas são distribuídos de maneira independente por toda a instalação.

- Sistema TN-C

Menos recomendado, esse sistema tem o fio terra e o neutro conectados no mesmo
ponto de alimentação de circuito e são distribuídos no mesmo condutor.

Assim adotamos o modelo TN-S conforme figura abaixo:


12

Figura 7 - Aterramento TN-S

Fonte: Criação própria

O Eletrodo de aterramento dependerá de estudos feitos na resistividade do solo através


da formula abaixo:

onde:

ρa= Resistividade do Solo

L = Comprimento da Haste

d = Diâmetro da Haste

Para quantidade de hastes instaladas teremos o coeficiente K, onde teremos:

3. Equipamentos de efeito para a disponibilização de rede no laboratório.

Visando um bom desempenho da rede de dados de comunicação, vemos a necessidade


de implantar equipamentos e estrutura de rede viável para tal suprimento das necessidades de
seus usuários.
13

Acompanhando a estrutura do ambiente, temos que a estrutura de cabos elétricos ira


seguir por baixo do piso acompanhando essa estrutura elétrica vira os cabos de rede onde
serão conectados a tomadas de onde serão alocados os cabos de rede com conectores RJ-45 e
destinados as maquinas.

Tendo em vista da conexão por cabos vemos que ela se torna de extrema importância
para o local já que a mesma não sofre com muitas perdas em seu trafego. Junto a essas
informações apresentamos a representação por imagens:

Figura 8 - Conector RJ45

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=HCQzE44V4lA

Na imagem temos a representação da seqüência lógica de como devem ser distribuídas


as cores da conexão na hora da crimpagem assim dando melhor desempenho no trafego.

Figura 9 - Tomada RJ45

Fonte: https://www.eletricajnx.com.br/produtos/modulo-tomada-rj45-ilumi-slim-8164/

Como o funcionamento da rede será de forma cabeada por meio de tubulações temos a
representação das tomadas RJ-45 onde os cabos serão conectados dentro da tubulação e
14

através de um cabo de rede com o conector RJ-45 teremos a conexão direta no computador e
na tomada assim tomando a conexão de rede.

A conexão acontecerá com o cabo e conector representados na figura 8, onde esta


representado como deve ser distribuídas as cores para conexão e o conector.

Visando como a rede de internet ira funcionar vemos a necessidade de implantar um


RouterBoard para que possamos receber o link de internet e direcionar a configuração de
quanto cada computador ira receber de internet. Assim distribuídos em um switch de 48
Portas para que cada unidade receba livre o seu link de internet, facilitando o acesso para
todos os usuários ao mesmo tempo.

Como citados acima mostraremos a representação por imagens do Switch e


RouterBoard (RB) .

3.1 Especificações do cabo de rede e conectores

O cabo de rede será projetado no padrão A, como segue a sequencia a baixo:

Branco/Verde
Verde
Branco/Laranja
Azul
Branco/Azul
Laranja
Branco/Marrom
Marrom

O conector RJ-45 seguira em sua conexão de acordo com esse padrão, da mesma
forma nas tomadas.

3.2 RouterBoard (RB)

Routerboard é um sistema operacional que oferece diversas funcionalidades para redes


de computadores. Com isso, o sistema passa a possibilidade para que um computador se
transforme em um potente roteador. Assim transformando a rede e podendo controlar os seus
usuários.
15

Figura 10 - Routerboard

Fonte: https://www.tekdistribuidor.com.br/mikrotik-routerboard-rb-750gr3-hex

A imagem representada na figura 10 trata-se de uma routerboard. Equipamento


utilizado em redes de pequena e grande capacidades de tráfegos, a RB sera utilizada para a
finalidade de monitorar e determinar a distribuição do link para o Switch onde cada porta tera
uma definição de link assim cada computador recebendo seu link de forma dedicado.

3.3 Switch

O switch é um equipamento de grande importância, que possibilita a conexão de


computadores em redes. A melhor maneira de entender o funcionamento do Switch é
considerá-lo como uma evolução do HUB. Isso porque ocupa também a função central da
rede, realizando a conexão entre várias máquinas numa LAN (Local Area Network). No
entanto, apresenta uma diferença fundamental – os dados vindos do computador de origem
somente são repassados ao computador de destino.

Tendo em vista que o Switch é uma evolução do HUB, temos a informação que o
HUB serve como espelho retransmitindo as informações para todos os hosts conectados a ele.
Já o switch trabalha de forma diferente ele transmite a informação direta para o seu
destinatário, assim também podendo transmitir varias informações para vários equipamentos
conectados nele.

3.4 Vantagens

Como sua principal vantagem temos que o switch, tem com capacidade aumentar o
desempenho da rede já que sua comunicação está sempre em disponibilidade, evitando colisão
no trafego.

“Além da vantagem considerável em termos desempenho para redes congestionadas,


o Switch também permite a comunicação em redes que tenham máquinas com
placas com velocidades diferentes (10/10, 10/100), sem que a velocidade seja
prejudicada.” (Fonte:http://blog.mundomax.com.br/informatica/o-que-e-um-switch-
e-para-que-serve/)
16

Figura 11- Switch

Fonte: https://www.centralcabos.com.br/switch-gigabit-48-portas-com-4-sfp-tl-sg2452/p

A imagem representada na figura 11, trata-se de um switch de 48 portas onde 30 serão


alocadas aos 30 computadores do ambiente de laboratório na biblioteca e as outras portas
livres ficaram disponíveis para uma possível implementação de novos equipamentos.

Vendo uma boa conexão de internet no local teremos um link dedicado de 80MB onde
através de configurações na RB e os direcionamentos nas portas do SW poderemos dissipar
cerca de 2MB por computador. Assim passando cada equipamento a ter uma boa conexão de
rede, sem risco de problemas durante o uso. Através dessa configuração pode-se destinar um
link de 10MB para a rede WI-FI.

3.5 Representação lógica do Modelo.

Seguimos com a representa do modelo lógico onde apresentamos um computador


servidor onde será feito todas as configurações necessárias para melhor funcionamento da
rede.

De acordo com o modelo vemos que o computador servidor conectado a RB e a


routerboard segue suas conexões com o Switch e roteador wireless assim disponibilizando o
link de forma Wi-fi e cabeada. Dessa forma atendendo equipamentos moveis e os
computadores de mesa.
17

Figura 12- Representação lógica do modelo

Fonte: Autoria própria

Reconhecendo o modelo acima como forma estrutural para a conexão de rede temos
que tomar o devido conhecimento para a organização dos equipamentos, assim decidimos que
o computador servidor, o switch e a routerboard(RB) ficaram em uma sala distinta por
segurança e como a conexão cabeada vira por meio de tubulação então tomamos esse devido
cuidado em separar os equipamentos de funcionamento do ambiente de redes do local de
utilização dos usuários. Assim não correria o risco de um usuário infringir as leis e chegar a
mexer nos equipamentos.

4 Arquitetura, Rede de Dados e Comunicação

A Comunicação, de modo simplório, trata-se de um processo social primário que nos


permite partilhar diferentes tipos de informação, tornando o ato de comunicar uma ação
necessária para a vida em sociedade. Em rede de dados não é diferente, ao longo dos anos
diversos profissionais da área da Tecnologia da Informação trabalharam arduamente com o
objetivo de entregar uma determinada informação de forma confiável em um tempo muito
curto, buscando sempre uma maneira bastante eficiente e longe de falhas.

O processo de comunicação que envolve a tecnologia consiste em transmitir uma


mensagem constituída de texto, números, figuras, áudios e vídeos, dentre outros, onde
utilizaremos um transmissor, sendo um computador, telefone, uma estação de trabalho e assim
por diante, para ser recebido e posteriormente protocolada.
18

4.1 Transmissão entre Sistemas de Computadores

Para realizarmos os processos de comunicação, no que tange a Rede de Computadores,


foram desenvolvidos diversos tipos de componentes de transmissão tanto em hardware como
em software, buscando atender a inúmeros tipos de necessidade, como por exemplo os meios
de transmissão entre sistemas computacionais:

• WAN: Rede responsável por cobrir longa distância, sendo assim mais utilizadas
em campus de universidade, em cidades e estados ou até mesmo por um país.

• LAN: Denominadas rede de área local por cobrir um espaço bem limitado de
comunicação de dados, mas com os avanços tecnológicos tem ultrapassado uma
cobertura de 100 metros se estendendo a uma área maior.

• MAN: Utilizado para conectar diversas redes locais dentro de algumas dezenas de
quilômetros, sendo consideradas redes metropolitanas.

• PAN: É uma rede doméstica que conecta dispositivos ao alcance de um indivíduo,


como por exemplo o Wi-Fi e Bluetooth.

• CAN: Responsável por interligar computadores localizados em diferentes


edificações de um mesmo complexo institucional.

4.2 Modelo OSI e os conceitos físicos de conectividade

O modelo OSI (Open System Interconnection) foi desenvolvido com base no modelo
de Organização Internacional para a Normalização (do inglês: International Organization for
Standardization – ISO), que basicamente tem o objetivo de padronizar protocolas de
comunicação entre os diversos tipos de máquinas, definindo diretivas genéricas para a
construção de rede de computadores.
19

Tabela do Modelo OSI

MODELO OSI

CAMADA PROTOCOLO

7. APLICAÇÃO HTTP, RTP, SMTP, FTP, SSH, Telnet, SIP, RDP, I


RC, SNMP, NNTP, POP3, IMAP, BitTorrent, DNS

6. APRESENTAÇÃO XDR, TLS

5. SESSÃO NetBIOS

4. TRANPORTE NetBEUI, TCP, UDP, SCTP, DCCP, RIP ...

3. REDE IP (IPv4, IPv6), IPsec, ICMP, ARP, RARP, NAT...

2. ENLANCE Ethernet, IEEE 802.1Q, HDLC, Token


ring, FDDI, PPP, Switch, Frame relay, ATM ...
• Subcamada LLC

• Subcamada MAC

1. FÍSICA Modem, , 802.11 Wi-FiRDIS, RS-232, EIA-


422, RS-449, Bluetooth, USB, 10BASE-
T, 100BASE-TX, ISDN, SONET, DSL

FONTE: https://pt.wikipedia.org/wiki/Modelo_OSI

Prontamente, com o surgimento da necessidade de se comunicar e passar informações,


surgiram diversos equipamentos físicos criados para que haja a possibilidade de conseguirmos
nos conectar de um dispositivo para outro.

Os meios físicos de conectividade existentes são divididos em duas categorias, sendo


meios encapsulados e não encapsulados, nos encapsulados os bits são transmitidos por um
meio sólido onde contamos com a necessidade de utilizar cabos que se conectem de um ponto
a outro para que haja comunicação entre dois ou mais dispositivos, como por exemplo cabo
de fibra-óptica, par-trançado e cabo coaxial, já os não encapsulados não há necessidade de ser
20

utilizado cabos, pois transmitem os bits para atmosfera e espaço, através de dispositivos que
tenham compatibilidade, mas que vem sendo padronizados a nível mundial, como por
exemplo os dispositivos LAN wireless e canal digital de satélite

4.3 Topologia de redes

A topologia de uma rede de comunicação se trata forma que de enlaces físicos e nós
estão organizados, determinando a estação conectados a essa rede. As opções influenciam na
velocidade e eficiência:

4.3.1 Malha

Direcionado para tráfego de dados e voz além das redes a cabo ou infraestrutura
wireless. Contém uma alta confiabilidade, porém, a complexidade da implementação física e
o custo podem inviabilizar seu uso dependendo da aplicação.

Figura 13 - Malha

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Redes_Mesh

4.3.2 Estrela

Utiliza uma estação central inteligente onde toda informação deve ser passada pela a
mesma, sendo distribuídas para os demais apenas as informações que a central inteligente
definir. Possui um nó central que exerce controle sobre a comunicação, porem se houver um
problema no nó central prejudica toda rede.
21

Figura 14 - Estrela

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_em_estrela

4.3.3 Estrela estendida

É uma topologia de redes de computadores na qual todos os nós (computadores e


periféricos) da rede estão conectados ao hub ou switch com uma conexão ponto-a-ponto, está
topologia pode estender o escopo e a cobertura da rede.

Figura 15 - Estrela Estendida

Fonte: http://www.higuita.com.br/ct/6-TopologiadeRede.pdf

4.3.4 Barramento

As estações estão conectadas através de um cabo com propagação da informação para


todos os nós. É de fácil expansão, mas de baixa confiabilidade, pois qualquer problema no
barramento impossibilita a comunicação de toda a rede.

Figura 16 - Barramento

Fonte: http://www.higuita.com.br/ct/6-TopologiadeRede.pdf
22

4.3.5 Anel

O barramento com ligações unidirecionais ponto a ponto. A mensagem é repetida de


estação para estação até retornar à estação de origem, sendo então retirada do anel.
Basicamente consiste em estações conectadas através de um circuito fechado, utilizando
repetidores de sinais.

Figura 17 - Anel

Fonte: http://www.higuita.com.br/ct/6-TopologiadeRede.pdf

4.3.6. Hierárquica

O tipo de topologia Hierárquica ou denominada Árvore, é uma expansão da topologia


em barra herdando suas capacidades e limitações. O barramento ganha ramificações que
mantêm as características de difusão das mensagens e compartilhamento de meio entre as
estações.

Figura 17 - Hierárquica

Fonte: http://www.higuita.com.br/ct/6-TopologiadeRede.pdf

Com base nestas apresentações utilizaremos em nosso projeto a topologia estrela, pois,
toda a informação deve passar obrigatoriamente por uma estação central, que fará o controle
de distribuição para que uma estação não receba dados que é destinada a outra estação. Esta
rede terá switches, pois nele, apenas os dados destinados a estação são enviados a ele.

Diante das necessidades de uso dos computadores no laboratório, temos que destinar
quais os aplicativos e sistema operacional usado no local.
23

Assim como citados no item Item 2.2 o modelo de computador utilizado no local, temos junto
a sua descrição o sistema operacional Windows, que esta entre os mais utilizados no mundo
assim tendo sua usabilidade simples e de fácil entendimento.

Junto ao sistema operacional temos o conjunto de aplicativos onde os usuários podem


fazer uso dos mesmos com fins de aprimoramento e criação de trabalhos, vendo essa
necessidade, temos o pacote de escritório LibreOffice, onde os aplicativos são livres sem
necessidade de pagar licença no momento de sua inspiração. Assim os usuários terão o
LibreOffice Writer que assemelha-se ao Word,dentre outros aplicativos, como criação de
planilhas e slide.

Com ajuda de um navegador eficiente para acesso a paginas web, como o Firefox.

Contando ainda com um sistema funcional da biblioteca, onde os usuários poderão


logar-se através de seus cadastros realizados e poderem consultar livros e trabalhos ali
armazenados. Passando a alugar o seu livro e em seguida buscando com um atendente local.

5 IPV4

Existem duas versões do protocolo IP, o primeiro é o IPV4 que são números binários
de 32 bits utilizados como endereços nos protocolos e utilizamos na grande maioria das
situações, o segundo, IPV6, é a versão atualizada que contém 128 bits para gerar os
endereços ,isto se refere a um número muito maior em ralação ao IPV4.

Utilizáramos o IPV4 em nosso projeto, os endereço IP são compostos por 4 blocos de


8 bits, que são representados através de números de 0 a 255, como por exemplo
"192.168.0.1".

Alguns endereços são reservados para redes privadas, ou seja, os dispositivos nesta
faixa não são acessados a partir da internet. Sua Faixas de endereços começam com "10",
"192.168" ou com "172.16 até 172.31" .

Há endereços IPv4 públicos, que são espaços de endereçamento Internet. Estes são
alocados para serem globalmente e o objetivo deste espaço de endereçamento é permitir a
comunicação de redes privadas e a comunicação usando o IPv4 sobre Internet, para estes
24

endereços, as regras são mais rigorosas. A entidade responsável pelo registro e atribuição dos
endereços é a ARIN (http://www.arin.net/).

Nesta forma os endereços são definidos de acordo com plano contratado, você não
pode escolher qual endereço usar.

Os endereços IP incluem duas informações:

O endereço da rede, por exemplo (192.168.0.1), um endereço que nunca muda e ainda
o endereço do host dentro dela, (192.168.1.2, 192.168.1.43) onde último número ( 2 e 43)
identifica dois dispositivos que fazem parte dela.

Os dispositivos nesta rede local podem acessar a internet através de um roteador


(Servidor, modem ADSL ou outro dispositivo que ofereça a opção de compartilhar a conexão)
. Nesta situação o roteador passa a ser o gateway da rede e utiliza seu endereço IP válido para
encaminhar as requisições feitas pelo dispositivo da rede interna.

Endereços de 32 bits fornecem cerca de 4 bilhões de endereços diferentes, mas o


grande problema é que os endereços são sempre divididos em duas partes, conforme citamos
acima.

Estes endereços são divididos em classes conforme imagem abaixo:

Figura 18 - Tabela de faixa de endereçamento

Fonte: http://sisopredes.blogspot.com/2018/04/faixas-de-enderecamento-ipv4.html

Nos endereços de classe A, o primeiro octeto se refere à rede e os três octetos


seguintes referem-se ao host. Temos apenas 126 faixas de endereços classe A disponíveis no
mundo, dadas a governos, instituições e até mesmo algumas empresas privadas.
25

Nos endereços classe B (dois octetos para a rede, dois para o host, garantindo 65 mil
endereços)

Nos endereços classe C (três octetos para a rede e um para o host, ou seja, apenas 256
endereços).

Os endereços estão reservados para as classes D e E, jamais foram implementadas.


Isto faz com que já haja uma grande falta de endereços, principalmente os de classe A e B,
que já estão todos ocupados.

Este problema de falta de endereços pode ser suprida de varias formas, como por
exemplo através do NAT, onde um único endereço IP pode ser compartilhado entre vários
hosts;

Outro problema é a falta de uma camada de segurança. Ele foi "desenvolvido para ser
usado em redes onde as pessoas confiam umas nas outras" e infelizmente não é isto que
acontece. Camadas de autenticação e encriptação precisam ser adicionadas através de
protocolos implantados sobre o TCP/IP, como no CHAP, SSH e assim por diante.
26

6 Conclusão

O projeto nos deu a possibilidade de trabalhar em cima das matérias estudadas neste
bimestre, sendo elas: Cabeamento Estruturado, Redes de Dados e Comunicação e Arquitetura
de Redes. Aplicamos o conhecimento adquirido para criação de uma infraestrutura de rede
para uma Biblioteca Comunitária, onde a mesma terá uma estrutura com 30 computadores e
uma estrutura eficiente e funcional de rede, assim trazendo uma usabilidade sem problemas de
trafego ou comunicação entre os periféricos.

Com o nosso estudo criamos um ambiente organizado com trinta baias para atender
todos os trinta computares. Criamos uma estrutura elétrica e de rede embutida, onde a mesma
segue junto ao piso, assim tomadas de energia e de rede se encontrarão ao chão, tornando a
ligação individual para cada maquina. Utilizando uma rede em estrela, visamos a adição de
um switch e uma RouterBoard junto a rede, assim dinamizando as conexões e uma divisão de
trafego na rede.

Na estrutura apresentada, disponibilizamos a forma padrão em que toda a rede irá


funcionar, assim tratamos do sistema operacional utilizado, computadores e aplicativos que
estarão instalados nas maquinas, protocolo Ipv4. Como se distribuirá os cabos e conectores
em todo o laboratório biblioteca.
27

7 Bibliografia

1. A IMPORTÂNCIA DE UM LINK DE ACESSO REDUNDANTE PARA SEU


NEGÓCIO. Telium. 2019. Disponível em: <https://www.telium.com.br/blog/a-importancia-
de-um-link-de-acesso-redundante-para-seu-negocio>. Acessado em: 04 nov. 2020

2. BAIA PARA TELEMARKETING CONJUGADA 3 LUGARES. Millacomercio.


Disponível em: <http://loja.millacomercio.com.br/produto/baia-para-telemarketing-
conjugada-3-lugares-call-center-posto-de-atendimento/ 23110?gclid=CjwKCAiAv4n9
BRA9EiwA30WND-IUI1e1PKAUckeXokC1Smi-aXayot0Vg3aFCkv_rH-0T7zEcxAD
xRoCd6kQAvD_BwE>. Acessado em: 04 Nov. 2020

3. CAPITAL REFRIGERAÇÃO. Capital Refrigeração. Disponível em:


<https://capitalrefrig.com.br/cabo-flexivel-preto-2-5mm-sil>. Acessado em: 08 Nov. 2020.

4. CONCEITO DE CONECTIVIDADE. Conceito.de. Disponível em:


<https://conceito.de/conectividade>. Acessado em: 17 Nov. 2020

5. DUTO DE PISO EMBUTIDO. Valeman. Disponível em:


<http://valemam.com.br/produto/duto-de-piso-embutido/>. Acessado em: 04 Nov. 2020

6. FAIXAS DE ENDEREÇAMENTO IPV4. Sistemas Operacionais e redes. 2018. Disponível


em: < http://sisopredes.blogspot.com/2018/04/faixas-de-enderecamento-ipv4.html> Acessado
em: 19 Nov. 2020

7. FIOS OU CABOS QUAL USAR. Fazfacil. Disponível em:


<https://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/fios-cabos-qual-utilizar/>. Acessado em: 08
Nov. 2020

8. IPV4. Hardware.com.br. 2005. Disponível em:


<Https://www.hardware.com.br/termos/ipv4>. Acessado em: 19 Nov. 2020

9. LAN, WLAN, MAN, WAN, PAN: CONHEÇA OS PRINCIPAIS TIPOS DE REDES.


Canal Tech. Disponível em: <https://canaltech.com.br/infra/lan-wlan-man-wan-pan-conheca-
os-principais-tipos-de-redes/>. Acessado em: 16 Nov. 2020

10. MODELO OSI. Wikipédia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Modelo_OSI>.


Acessado em: 18 Nov. 2020

11. O QUE É IPV6. TechMundo. 2012. Disponível em:


<https://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/06/o-que-e-ipv6.html>. Acessado em: 19
Nov. 2020

12. O QUE É UMA REDE LAN E UMA REDE WAN? Help Digital. Disponível me:
<https://helpdigitalti.com.br/o-que-e-uma-rede-lan-e-uma-rede-wan/>. Acessado em: 16 Nov.
2020
28

13. PADRÃO DE PLUGUES E TOMADAS NBR-14136 - O QUE É?. Mundo da Elétrica.


Disponível em: <https://www.mundodaeletrica.com.br/padrao-de-plugues-tomadas-
nbr14136-o-que-e/>. Acessado em: 04 nov. 2020.

14. PROJETO DA TOPOGRAFIA DE REDE. Ufcg. Disponível em:


<http://www.dsc.ufcg.edu.br/~jacques/cursos/pr/html/logico/logico1.htm>. Acessado em: 17
Nov. 2020

15. QUAIS SÃO OS MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO DE DADOS.: Oficina da Net.


2013. Disponível em: <https://www.oficinadanet.com.br/artigo/redes/quais-sao-os-meios-
fisicos-de-transmissao-de-dados>. Acessado em: 18 Nov. 2020

16. QUAL A DIFERENÇA DE CAT5E E CAT6. Black Box. Disponível em:


<https://www.blackbox.com.br/pt-br/page/43870/Recursos/Suporte-Tecnico/black-box-
explica/Copper-Cable/Categorias-5e-e-6>. Acessado em: 04 nov. 2020.

17. REDE DE ÁREA PESSOAL. Wikipédia. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_de_%C3%A1rea_pessoal>. Acessado em: 16 Nov. 2020

18. REDE EM ANEL. Wikipédia. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_em_anel>. Acessado em: 16 Nov. 2020

19. REDE EM BARRAMENTO. Wikipédia. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_em_barramento>. Acessado em: 16 Nov. 2020

20. REDE EM ESTRELA. Wikipédia. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_em_estrela>. Acessado em: 17 Nov. 2020

21. REDES DE COMPUTADORES/ MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO. wikibooks.


Disponível em:
<https://pt.wikibooks.org/wiki/Redes_de_computadores/Meios_f%C3%ADsicos_de_transmis
s%C3%A3o>. Acessado em: 18 Nov. 2020

22 REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS | PRINCIPAIS CONCEITOS. União Geek.


2016. Disponível em: <https://www.uniaogeek.com.br/redes-de-comunicacao-de-dados-
principais-conceitos/>. Acessado em: 16 Nov. 2020

23 REDES MESH. Wikipédia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Redes_Mesh>.


Acessado em: 17 Nov. 2020

24 TIPOS DE REDES - LAN, WAN, MAN, RAN, PAN, WWAN, WMAN, CAN, SAN.
Canal TI. 2017. Disponível em: <https://www.canalti.com.br/redes-de-computadores/tipos-
de-redes-lan-wan-man-ran-pan-wwan-wman-can-san/>. Acessado em: 17 Nov. 2020

25 TOPOLOGIA DE REDES. Oficina da Net. 2010. Disponível em:


<https://www.oficinadanet.com.br/artigo/2254/topologia_de_redes_vantagens_e_desvantagen
s>. Acessado em: 17 Nov. 2020
29

26 TOPOLOGIA EM MALHA OU MESH. Disciplina de ICCR. Disponível em:


<https://sites.google.com/site/disciplinadeiccr/Home/topologias-logicas-e-topologias-
fisicas/4--topologia-em-malha-ou-mesh>. Acessado em: 17 Nov. 2020

27 TOPOLOGIAS DE REDES. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Disponível em:


<http://www.higuita.com.br/ct/6-TopologiadeRede.pdf>. Acessado em: 17 Nov. 2020

Você também pode gostar