Você está na página 1de 4

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO


ESCOLA ESTADUAL JOÃO PONCE DE ARRUDA

APC – Outubro – COMPONENTE CURRICULAR: Empreendedorismo Social. PROFESSOR: Eder Mauricio.

NOME: Nº 2ºA

INSTRUÇÕES PARA O BOM DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES:


1) No caderno, copiar as questões propostas e respondê-las.
2) Fazer o registro fotográfico das atividades realizadas e realizar a postagem.

Prezados/as alunos/as;
1° Momento: Leia os textos e analise os gráficos com atenção;
2° Momento: Leia os textos novamente grifando as partes que você julgar que são importantes;
3° Momento: Faça as pesquisas necessárias para responder às questões;
4° Momento: Responda as questões.

I. Conteúdo/Tema/Assunto da atividade: Relações raciais e de gênero no mercado de trabalho.

DESIGUALDADES ÉTNICO-RACIAIS E O MERCADO DE TRABALHO

Ao longo das últimas décadas, a população negra – formada por pretos e pardos, conforme terminologia do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – conquistou avanços em vários setores. A prática do racismo
passou a ser considerada crime; houve um significativo aumento no acesso dos negros à educação e à produção do
conhecimento teórico; cresceu a participação dos negros nos meios de comunicação; o movimento de mulheres negras
se fortaleceu e se consolidou como importante voz na luta pelos direitos das mulheres; foi implantada uma política de
reparação social por meio de cotas em universidades, que veremos mais adiante; entre outros exemplos. Contudo, apesar
desses e de outros avanços, a sociedade brasileira ainda precisa percorrer um longo caminho até que desapareçam as
desigualdades entre brancos e negros no país.
Essas diferenças tornam-se visíveis quando se analisam os dados a respeito do trabalho no Brasil. Os negros,
ainda que representem mais da metade da população economicamente ativa do país, encontram-se em posição
desfavorável em relação aos brancos em diversos aspectos. Veja os gráficos:

1
ATIVIDADE AVALIATIVA

1) Faça uma pesquisa e responda:

A) Por quais motivos essas diferenças entre negros e brancos perduram no Brasil atualmente?
R:

B) O que é racismo estrutural e de que forma ele afeta homens e mulheres negras?
R:

C) Observando os gráficos podemos perceber que as mulheres negras recebem salários ainda menores do que o
de homens negros, por quê?
R:

D) Analise os dados apontados nos gráficos e faça um pequeno texto opinativo sobre o assunto.
R:

MERCADO DE TRABALHO E A DESIGUALDADE ENTRE HOMENS E MULHERES

O mercado de trabalho também revela desigualdades de gênero. Estudos mostram que as mulheres não contam
com as mesmas condições que os homens em variados aspectos.

2
A média salarial das mulheres é menor do que a dos homens, apesar de terem estudado, em média, mais anos
do que eles, e de haver mais mulheres do que homens com formação de nível superior. Além disso, quanto mais alto o
cargo dentro da empresa, menor a participação feminina. De acordo com o IBGE, em 2017, apenas 37% das vagas de
direção e gerência eram ocupadas por mulheres; já nos comitês executivos das grandes empresas, a presença feminina
era de 10%.
Alguns fatores explicam essa situação:
● A mulher ainda é a principal responsável pelos afazeres domésticos e pela criação dos filhos, mesmo quando
trabalha fora de casa, configurando a chamada dupla jornada. No Brasil, não há a possibilidade de uma licença
parental compartilhada, em que o casal escolhe quem fica em casa, ou se reveza, conforme sua realidade.
● Tanto em relação à empregabilidade quanto aos salários, as negociações são mais favoráveis aos homens, pois
as empresas levam em conta a possibilidade de as mulheres ficarem grávidas e se afastarem do trabalho durante
a licença-maternidade, bem como faltarem ao trabalho para cuidar de filhos doentes.
● Algumas pessoas e grupos ainda veem a mulher como inferior ao homem, como incapaz de exercer certas
atividades ou de tomar decisões. Isso é fruto de uma sociedade patriarcal e machista.
AS AÇÕES AFIRMATIVAS
Ao longo das últimas décadas, algumas ações vêm sendo postas em prática, tanto pelos governos municipais,
estaduais e federal quanto pela iniciativa privada, com o objetivo de corrigir as desigualdades sociais. Essas medidas,
conhecidas como ações afirmativas, visam promover a igualdade de oportunidades entre grupos desprivilegiados da
sociedade, bem como combater as discriminações que recaem sobre eles.
Um exemplo de ação afirmativa foi a aprovação, em 2012, da lei n° 12711, conhecida como Lei de Cotas, que
modificou o acesso dos estudantes às universidades federais e institutos federais de educação. Essa lei era uma antiga
reinvindicação do movimento negro brasileiro. De modo geral, a lei garante a reserva de 50% das matrículas por curso
e por turno a estudantes oriundos das escolas públicas de Ensino Médio.
A Lei de Cotas contempla pessoas de baixa renda, pretos, pardos, indígenas e, desde 2017, pessoas com
deficiência. Em 2001, apenas 2% dos estudantes universitários eram negros. Em 2018, dados do IBGE revelaram que,
pela primeira vez na história do Brasil, os negros eram maioria nos cursos das universidades públicas, totalizando 50,3%
dos estudantes.
2) O gráfico abaixo compara a porcentagem de tempo gasto em diferentes afazeres domésticos por homens
e mulheres que levam uma vida conjugal. Baseando-se na leitura do gráfico, responda:

3
A) O que é possível observar a respeito das divisões das tarefas domésticas entre homens e mulheres? Em sua
opinião, por que isso acontece?
R:

B) O que poderia ser feito para haver um equilíbrio na divisão do tempo dispensado aos afazeres domésticos?
Como você pode ajudar nesse sentido?
R:

C) Segundo o texto, “a média salarial das mulheres é menor do que a dos homens, apesar de terem estudado, em
média, mais anos do que eles, e de haver mais mulheres do que homens com formação de nível superior. Além
disso, quanto mais alto o cargo dentro da empresa, menor a participação feminina.” Por que razão isso acontece?
R: