Você está na página 1de 27

DIREITO INTERNACIONAL

PRIVADO
Prof. Dr. Marcelo Garcia Santana
08/09/2021
OBJETIVOS DA AULA:

• Nacionalidade.
NACIONALIDADE
NACIONALIDADE
OPÇÃO PELA NACIONALIDADE NA LEI DE MIGRAÇÃO

LEI N.º 13.445/2017

Art. 63. O filho de pai ou de mãe brasileiro nascido no exterior e


que não tenha sido registrado em repartição consular poderá, a
qualquer tempo, promover ação de opção de nacionalidade.

Parágrafo único. O órgão de registro deve informar


periodicamente à autoridade competente os dados relativos à
opção de nacionalidade, conforme regulamento.
NACIONALIDADE
NACIONALIDADE
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

LEI N.º 13.445/2017

Art. 64. A naturalização pode ser:

I – ordinária – regra constitucional;


II – extraordinária – regra constitucional;
III – especial – regra legal; ou
IV – provisória – regra legal.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

LEI N.º 13.445/2017

Art. 65. Será concedida a naturalização ordinária àquele que preencher


as seguintes condições:

I - ter capacidade civil, segundo a lei brasileira;


II - ter residência em território nacional, pelo prazo mínimo de 4 (quatro)
anos;
III - comunicar-se em língua portuguesa, consideradas as condições do
naturalizando; e
IV - não possuir condenação penal ou estiver reabilitado, nos termos da
lei.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 66. O prazo de residência fixado no inciso II do caput do art. 65 será


reduzido para, no mínimo, 1 (um) ano se o naturalizando preencher
quaisquer das seguintes condições:

I - (VETADO);
II - ter filho brasileiro;
III - ter cônjuge ou companheiro brasileiro e não estar dele separado
legalmente ou de fato no momento de concessão da naturalização;
IV - (VETADO);
V - haver prestado ou poder prestar serviço relevante ao Brasil; ou
VI - recomendar-se por sua capacidade profissional, científica ou artística.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 67. A naturalização extraordinária será concedida a pessoa de


qualquer nacionalidade fixada no Brasil há mais de 15 (quinze) anos
ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeira a
nacionalidade brasileira.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 68. A naturalização especial poderá ser concedida ao estrangeiro que


se encontre em uma das seguintes situações:

I - seja cônjuge ou companheiro, há mais de 5 (cinco) anos, de integrante


do Serviço Exterior Brasileiro em atividade ou de pessoa a serviço do
Estado brasileiro no exterior; ou

II - seja ou tenha sido empregado em missão diplomática ou em


repartição consular do Brasil por mais de 10 (dez) anos ininterruptos.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 69. São requisitos para a concessão da naturalização especial:

I - ter capacidade civil, segundo a lei brasileira;

II - comunicar-se em língua portuguesa, consideradas as condições do


naturalizando (casos de deficiência); e

III - não possuir condenação penal ou estiver reabilitado, nos termos da


lei.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 70. A naturalização provisória poderá ser concedida ao migrante


criança ou adolescente que tenha fixado residência em território nacional
antes de completar 10 (dez) anos de idade e deverá ser requerida por
intermédio de seu representante legal.

Parágrafo único. A naturalização prevista no caput será convertida em


definitiva se o naturalizando expressamente assim o requerer no prazo de
2 (dois) anos após atingir a maioridade.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 71. O pedido de naturalização será apresentado e processado na


forma prevista pelo órgão competente do Poder Executivo, sendo cabível
recurso em caso de denegação.

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei


PORTARIA INTERMINISTERIAL 11/2018 – todas as modalidades de
naturalização
NACIONALIDADE DERIVADA – ATOS DO MIN. JUSTIÇA E SP

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

• Art. 219. Ato do Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública


disporá sobre os documentos e as diligências necessários à
comprovação dos requisitos para a solicitação de cada tipo de
naturalização (PORTARIA INTERMINISTERIAL 11/2018)

• Art. 221. Para fins de contagem dos prazos de residência mencionados


nas exigências para obtenção da naturalização ordinária e
extraordinária, serão considerados os períodos em que o imigrante
tenha passado a residir no País por prazo indeterminado.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

• Art. 222. A avaliação da capacidade do naturalizando de se comunicar


em língua portuguesa será regulamentada por ato do Ministro de
Estado da Justiça e Segurança Pública

• PORTARIA INTERMINISTARIAL 16/2018


Proficiência em língua portuguesa para estrangeiros obtido por meio do Exame Celpe-Bras, realizado pelo Instituto Nacional de
Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP;
Conclusão em curso de ensino superior ou pós-graduação, realizado em instituição educacional brasileira, registrada no
Ministério da Educação;
Aprovação no exame da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB aplicado pelas unidades seccionais da Ordem dos Advogados do
Brasil;
Conclusão de curso de idioma português direcionado a imigrantes realizado em instituição de ensino superior reconhecida pelo
Ministério da Educação;
Aprovação em avaliação da capacidade de comunicação em língua portuguesa aplicado por instituição de ensino superior
reconhecida pelo Ministério da Educação.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

• Art. 222. A avaliação da capacidade do naturalizando de se comunicar


em língua portuguesa será regulamentada por ato do Ministro de
Estado da Justiça e Segurança Pública

• PORTARIA INTERMINISTARIAL 16/2018


Conclusão do ensino fundamental ou médio por meio do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos
– ENCCEJA;
Matrícula em instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação decorrente de aprovação em vestibular ou
de aproveitamento de nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM;
Nomeação para o cargo de professor, técnico ou cientista decorrente de aprovação em concurso promovido por universidade
pública;
histórico ou documento equivalente que comprove conclusão em curso de ensino fundamental, médio ou supletivo, realizado
em instituição de ensino brasileira, reconhecido pela Secretaria de Educação competente;
diploma de curso de Medicina revalidado por Instituição de Ensino Superior Pública após aprovação obtida no Exame Nacional
de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira - REVALIDA aplicado pelo INEP.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

• Art. 224. O interessado que desejar ingressar com pedido de


naturalização ordinária, extraordinária, provisória ou de
transformação da naturalização provisória em definitiva deverá
apresentar requerimento em unidade da Polícia Federal, dirigido ao
Ministério da Justiça e Segurança Pública.

• Parágrafo único. Na hipótese de naturalização especial, a petição


poderá ser apresentada a autoridade consular brasileira, que a
remeterá ao Ministério da Justiça e Segurança Pública.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

• Art. 229. O brasileiro que tenha optado pela nacionalidade brasileira


ou aquele naturalizado que tenha cumprido as suas obrigações
militares no país de sua nacionalidade anterior fará jus ao Certificado
de Dispensa de Incorporação.

• Art. 230. A naturalização produz efeitos após a data da publicação no


Diário Oficial da União do ato de naturalização.
NACIONALIDADE DERIVADA NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

• Art. 238. A naturalização extraordinária será concedida a pessoa de


qualquer nacionalidade que tenha fixado residência no território
nacional há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação
penal, ou já reabilitada na forma da legislação vigente, desde que
requeira a nacionalidade brasileira.
§ 1º O prazo de residência no território nacional a que se refere o caput deverá ser imediatamente
anterior à apresentação do pedido.
§ 2º Na contagem do prazo previsto no caput , as viagens esporádicas do naturalizando ao exterior não
impedirão o deferimento da naturalização extraordinária.
§ 3º A posse ou a propriedade de bens no País não será prova suficiente do requisito estabelecido no
caput , hipótese em que deverá ser comprovada a residência efetiva no País.
§ 4º O Ministério da Justiça e Segurança Pública poderá consultar bancos de dados oficiais para
comprovar o prazo de residência no País previsto no caput .
NACIONALIDADE
NACIONALIDADE
PERDA DA NACIONALIDADE NA LEI DE MIGRAÇÃO

Art. 75. O naturalizado perderá a nacionalidade em razão de condenação


transitada em julgado por atividade nociva ao interesse nacional, nos
termos do inciso I do § 4º do art. 12 da Constituição Federal .

Parágrafo único. O risco de geração de situação de apatridia será levado


em consideração antes da efetivação da perda da nacionalidade.

Art. 76. O brasileiro que, em razão do previsto no inciso II do § 4º do art.


12 da Constituição Federal , houver perdido a nacionalidade, uma vez
cessada a causa, poderá readquiri-la ou ter o ato que declarou a perda
revogado, na forma definida pelo órgão competente do Poder Executivo.
PERDA DA NACIONALIDADE NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

Art. 250. A declaração da perda de nacionalidade brasileira se efetivará


por ato do Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública, após
procedimento administrativo, no qual serão garantidos os princípios do
contraditório e da ampla defesa.
PERDA DA NACIONALIDADE NA LEI DE MIGRAÇÃO

DECRETO N.º 9.199/2017 – regulamento a lei – aspectos importantes:

Art. 251. Na hipótese de procedimento de perda de nacionalidade


instaurado a pedido do interessado, a solicitação deverá conter, no
mínimo:

I - a identificação do interessado, com a devida documentação;


II - o relato do fato motivador e a sua fundamentação legal;
III - a documentação que comprove a incidência de hipótese de perda de
nacionalidade, devidamente traduzida, se for o caso;
IV - endereço de correio eletrônico do interessado, se o possuir.
OBRIGADO!

Você também pode gostar