Você está na página 1de 10

Doenças:

Tabela de Vacinação para Galinha Poedeira "Caipira"


Idade Doença Via de aplicação
1 dia
(incubatório Marek + Gumboro + Bouba (suave) Subcutânea
)

New Castle (B1) + Bronquite


7 dias Ocular
Infecciosa (H120) + Gumboro

35 dias Bouba (forte) Membrana da asa

New Castle (LS) + Bronquite


35 dias Ocular
Infecciosa (H52) + Gumboro

50 dias Coriza Infecciosa (Aquosa) Intramuscular

New Castle (LS) + Bronquite


70 dias Ocular
Infecciosa (H52) + Gumboro

100 dias Encefalomielite Aviária Água de bebida

120 dias Coriza Infecciosa (Oleosa) Intramuscular

New Castle + Gumboro + Bronquite


135 dias Intramuscular
Infecciosa (Tríplice Oleosa)

Vacinação para Frango de Corte "Caipira"


Idade Doença Via de aplicação
1 dia
Marek + Gumboro + Bouba (suave) Subcutânea
(incubatório)

New Castle (B1) + Bronquite


7 dias Ocular
Infecciosa (H120) + Gumboro

35 dias Bouba (forte) Membrana da asa

New Castle (LS) + Bronquite


35 dias Ocular
Infecciosa (H52) + Gumboro
Doença de Gumboro
É mais conhecida como doença infecciosa da bolsa de Fabrício, ou simplesmente bursite,
provocada por birnavírus. Esse vírus atua destruindo o tecido linfoide, resultando em
imunodepressão. Ataca principalmente as aves jovens, a partir da 3ª semana de idade. O
vírus, altamente resistente fora do organismo da galinha é eliminado por meio das fezes,
podendo, no caso de poedeiras, contaminar o ovo. As vias diretas de penetração do vírus
no organismo são a aérea, a ocular e a digestiva, enquanto as indiretas são pela ração,
pela água, pelos equipamentos e por insetos. A doença tem um período curto de
incubação, de dois a três dias, e apresenta mortalidade variável, até 30%, porém, a
morbidade (apatia, tristeza), pode atingir todos os frangos e galinhas.
Controle
Como medidas de prevenção, recomenda-se evitar que a granja seja infectada pela
doença, pois, uma vez contaminada, a eliminação dos patógenos é praticamente
impossível, assim, a granja terá que conviver com a presença do vírus. É válido lembrar
também que o vírus é muito resistente tanto ao ambiente como aos desinfetantes. Mas
medidas rigorosas de biossegurança minimizam o problema satisfatoriamente. Apesar dos
programas de vacinação terem, neste caso, apresentado resultados duvidosos,
recomenda-se a imunização de reprodutoras com vacinas inativadas para a transferência
de anticorpos passivos para a progênie.

Varíola ou Bouba Aviária

É muito conhecida como caroço ou pipoca, em virtude dos nódulos que se formam na


face, crista, barbelas e outras partes expostas das aves, assemelhando-se a crostas ou
verrugas, além de falsas membranas no trato digestivo e respiratório. Disseminada por
mosquitos, é uma doença virótica, mais comum nos meses mais quentes, tendo como
características, além das lesões, a falta de apetite, sonolência e aumento de mortalidade
da galinha e frango caipiras.
Controle
Uma vez instalada, não possui tratamento eficaz, restando ao avicultor tratar as lesões
com tintura de iodo glicerinado e antibióticos em água de bebida para evitar infecções
secundárias. Deve-se, portanto, preveni-la com vacinação no primeiro dia de
vida. Poedeiras receberão ainda outra dose da vacina, a “bouba forte”, na membrana da
asa. Isto se dá com sete ou oito semanas de vida, repetindo-se após seis meses.

Doença de Newcastle
É uma doença causada por vírus, altamente contagiosa, espalhando-se por meio do ar e
capaz de dizimar todo o lote. As aves infectadas levam, em média, cinco dias para
manifestar os sintomas que são: encefalite, redução no consumo de ração, sintomas de
resfriado, inspiração ruidosa com o bico aberto, diarreia abundante e esverdeada, tremor
nas pernas e torcicolo no pescoço.
Controle
Não existe tratamento curativo, devendo-se seguir o programa de vacinação
recomendado.

Doença de Marek
É uma doença virótica e ,altamente contagiosa, não possui tratamento curativo. Manifesta-
se a partir dos 30 dias de idade por meio de tumores (crescimento anormal de células)
dos nervos e do sistema nervoso central, atingindo a pele, músculos e vísceras. A
paralisia das pernas ou asas das galinhas e frangos é o sintoma mais comum.

Controle
Previne-se vacinando os pintinhos no primeiro dia.
Pasteurelose ou Cólera Aviária
É uma doença causada por bactérias. Tem geralmente caráter agudo, causando grande
mortalidade. Em função disso, muitas vezes, os sintomas nem são percebidos
pelo avicultor. O inchaço do rosto e barbelas podem caracterizar a forma crônica.
Controle
Como a transmissão ocorre de ave para ave, além das medidas de higiene, deve-se
eliminar as portadoras e iniciar tratamento com antibióticos. Existem vacinas, mas de
eficácia ainda duvidosa.

Salmoneloses
Entre as doenças causadas pelas bactérias do gênero Salmonella, o tifo aviário e a
pulorose são as mais comuns, esta última em aves mais jovens. As salmoneloses devem
ser identificadas por meio de exames laboratoriais. No caso do tifo aviário, a doença pode
ser diagnosticada clinicamente em aves adultas, pois frequentemente causa diarreia, asas
caídas, anorexia, palidez, produção reduzida e ovos deformados, podendo ainda
apresentar necrose no coração, baço e fígado. Já nos casos agudos da pulorose, o fígado
apresenta-se aumentado e de cor escura, os rins e baços mostram-se inchados. Nos
casos subagudos, nota- se a presença de focos brancos no fígado, baço e coração, além
de fígado inchado e pálido. Nas aves adultas, há a presença de diarreia e reduzido
desempenho.

Controle
Previne-se por meio da aquisição de pintinhos advindos de matrizes sadias e de rações
de formulação isenta de contaminantes. O tratamento, quando viável, é feito à base de
antibióticos. Via de regra, aves atacadas por salmoneloses devem ser incineradas, pois
poderá ocorrer contaminação de outros frangos e galinhas da propriedade e até mesmo
do próprio homem.
Verminoses
Os vermes são parasitas internos, quase sempre alojados no intestino. Os de forma
achatada, compridos e segmentados, são chamados cestoides ou tênias. Os cilíndricos
são chamados ascáridas, popularmente conhecida como lombriga de intestino. As
pequenas infestações em aves adultas são pouco problemáticas. Já as aves em
crescimento, ficarão acometidas de anemia, tristeza, enfraquecidas, algumas com
paralisia, além de elevada mortalidade. As sobreviventes terão o desenvolvimento
retardado e diarreias constantes.
Controle
Manter, ao máximo, as normas de higiene das instalações e vermifugar de acordo com os
programas específicos, levando-se em consideração os tipos de verme mais comumente
presentes na propriedade.

Coccidiose
Causada por um grupo de protozoários, chamados eimérias, ao penetrar na mucosa
intestinal das aves, causa lesões que podem levar à morte. As galinhas e frangos
caipiras ficam tristes, sonolentas, de asas caídas e com calafrios. Dependendo do tipo de
eiméria, as fezes podem se apresentar sanguinolentas.
Controle
A medida preventiva consiste em administrar coccidiostáticos nas rações, caso ela seja
produzida na propriedade. Casos agudos devem ser tratados com coccidicidas de ação
mais imediata.
Alimentação:

Fase 1 - Alimentação de pintinhos

A alimentação nessa primeira fase muda gradativamente, tudo em função da idade e do


tipo da ave a ser criada. Ela pode decidir a falência ou a rentabilidade do negócio.

- Só dê de comer aos pintinhos após 60 minutos (1 hora) de nascidos;


- A primeira alimentação deverá ser de água com açúcar (50 g de açúcar para 1 L de
água) para hidratar e aumentar a energia dos pintinhos;
- Após um dia de vida, passe a alimentá-los regularmente com ração inicial. Geralmente
elas contêm 20% de proteína e devem ser fornecidas aos pintinhos até oito semanas de
idade;
- Pintos que tenham contraído coccidiose devem ser alimentados com ração inicial com
adição de medicamentos em sua formulação. Pintos que já tenham sido vacinados devem
ser alimentados com ração inicial com formulação livre de medicamento.

Fase 2 - Alimentação de frangos em crescimento

- Ao completar oito semanas, alimente os franguinhos com ração de crescimento.


Certifique-se que o nível de proteína é bem próximo a 16%, caso suas aves sejam
destinadas à postura. Já os frangos em crescimento destinados ao corte devem consumir
ração de crescimento que contenha até 20% de proteína;
- Ao completarem 10 semanas de vida, insira restos de comida na alimentação dos
frangos. Cuidado apenas com os excessos, para que eles não troquem a ração pela
comida;
- Tenha sempre um pouco de areia por perto, pois ela ajuda os frangos na digestão de
frutas e legumes. Frangos que apenas se alimentam de ração não necessita de areia em
suas instalações;
- Respeite as indicações alimentares. Nunca ofereça aos frangos uma ração que não seja
a indicada para a sua fase. Ração de postura, por exemplo, dada aos frangos antes da
18ª semana, por conter muito cálcio, vai prejudicar os rins e reduzir o tempo de vida da
ave;
- À noite, cubra os restos de comida para evitar o aparecimento de pragas no criatório.

Fase 3 - Alimentação de frangos

a- De postura
- Ao completarem as 20 semanas de vida, ofereça ração de postura aos frangos. Ela
possui até 2% a mais de proteína e mais cálcio que as rações comuns. Comumente, elas
são oferecidas peletizadas, trituradas e fareladas;
- Nunca misture cálcio na ração de postura. Você pode, sim, oferecer cálcio à parte aos
frangos. A dica é triturar casca de ovo ou concha de ostra;
- Semanalmente, dê às poedeiras larvas da farinha, abóboras e sementes de abóboras;
- É importante deixar no criatório um pote contendo areia para que as poedeiras consigam
digerir melhor esses complementos alimentares;
- Melhore a alimentação dos frangos no inverno. Para isto, complemente a alimentação
com misto de grãos, formulado de milho quebrado, aveia e outros grãos. Esse
complemento deve ser oferecido em quantidades limitadas e, em sua maioria, colhidos no
verão;
-  O oferecimento de frutas cítricas, alimentos salgados, ruibarbo, chocolate, cebola, alho,
resíduos do cortador de grama, feijões não cozidos, casca ou caroço de abacate, ovos
crus, açúcar/doces ou cascas de batata crua é completamente proibido, por
serem alimentos tóxicos para os frangos;
- Se puder, deixe seus frangos pastarem pelo quintal para que aumentem suas reservas
nutritivas. Pátios contendo ervas daninhas e plantas jovens são ideais para isto.

b- De abate

- Até completarem seis semanas de vida, forneça aos frangos ração inicial de corte. Ela
fornece às aves até 24% de proteína;
- Após as seis semanas, passe a alimentar os frangos com ração final peletizada, por
conterem de 16 a 20% de proteína;
- Luzes acesas durante a noite estimula as aves a comerem mais. Essa tática pode ser
aplicada alguns dias antes do abate.

Considerações importantes sobre a criação de frangos de postura:

I- A fase inicial ou fase de cria é a mais sensível da criação, vai desde o primeiro dia até a
6ª (sexta) semana de vida.
II- A fase de recria vai da 7ª até a 18ª semana é onde ocorre um grande crescimento das
aves sendo determinante para a qualidade da futura poedeira.
III- Fase de pré-postura vai da 19ª até a 23ª semana.
IV- Fase de postura vai da 24ª até a 70ª semana, quando devem ser descartadas.

Vitaminas que não podem faltar na alimentação das aves

As vitaminas que não podem faltar as aves são as seguintes:

 Vitamina B1: esta é a vitamina perfeita para aumentar o apetite, melhorar a


digestão e prevenir distúrbios nervosos. Esta vitamina pode ser encontrada nos
cereais, bem como sinteticamente encontrada no multivitamínico ou no complexo B.
 Vitamina B6: especial para o cultivo das aves, pois condiciona os músculos para
alongamento e fortalece-os à medida que se expandem e alongam de acordo com
o crescimento da ave.
 Vitamina D3: ajuda na rápida absorção de cálcio e outros minerais.
 Outras vitaminas importantes são A, C e E.

Vitamina para aves de corte


As aves para corte vão para o abate. E para estarem em condições, precisa que receba
todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento.

As dietas para aves domésticas consistem em uma mistura de diferentes alimentos,


incluindo cereais, farinha de soja, subprodutos animais, gorduras, vitaminas e pré-
misturas minerais.

Os carboidratos são importantes fontes de energia para aves. Milho, trigo e outros cereais
são a principal fonte de carboidratos na maioria das dietas para aves.

O amido desses alimentos é facilmente digerido pelas aves, mas outros carboidratos
estão presentes em diferentes concentrações nos cereais e nos suplementos de proteína.
Vitamina para aves de postura
A nutrição de galinhas poedeiras é um quesito determinante para o sucesso produtivo. Por
isso, as necessidades alimentares relacionadas a proteínas são realmente representadas
pelos requisitos em termos de aminoácidos encontrados nas proteínas da dieta .

As aves domésticas usam esses aminoácidos para cumprir várias funções, incluindo a
proteção de seus tecidos estruturais , como pele, penas, ossos e ligamentos.

Além disso, os aminoácidos ajudam a formar tecidos moles, incluindo órgãos e músculos,
e desempenham um papel importante na metabolização da nutrição em energia.

O que é mistura mineral para aves?


Os minerais são partes inorgânicas da ração ou tecido e são funcionais para diferentes
propósitos: cálcio e fósforo são essenciais para a formação do esqueleto, enquanto sódio,
potássio e magnésio estabilizam os níveis de pH em todo o corpo.

Na dieta do período de crescimento, o cálcio é usado para a formação óssea, enquanto


nas galinhas poedeiras, a maioria das rações de cálcio é usada para a formação da casca
do ovo.

Se uma galinha não obtiver cálcio suficiente, para a produção da casca, poderá usar as
reservas de cálcio do esqueleto, mas esse recurso será rapidamente esgotado e a galinha
interromperá a produção.

A mistura mineral para aves é um suplemento Mineral, Vitamínico e de Aminoácidos,


indicado para aves, visando aumentar os níveis de vitaminas, aminoácidos
e minerais presentes na dieta.

Entre os benefícios de oferecer a mistura mineral para aves é que vai auxiliar no melhor
crescimento e engorda, mediante o melhor e maior aproveitamento dos nutrientes.

O suplemento vitamínico proporciona uma rápida recuperação do quadro e um retorno ao


equilíbrio da flora microbiana.

Referências:
https://blog.abaraujo.com/vitaminas-para-aves/

https://www.cpt.com.br/cursos-avicultura/artigos/como-alimentar-frangos-corretamente-confira-e-aprenda

https://www.cpt.com.br/cursos-avicultura/artigos/galinha-caipira-aprenda-sobre-o-controle-de-doencas-das-aves-
criadas-no-chao
Como
Criar Suas
Galinhas?

Pertence à Rosa Assis

Você também pode gostar