Você está na página 1de 13

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

EDITAL PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº. 004/2011

O PREFEITO MUNICIPAL DE ITABUNA, no uso de suas atribuições, torna pública a necessidade


de contratação temporária de Profissionais para os cargos de Coordenador Pedagógico,
Coordenador de Oficinas, Assistente Social, Psicólogo, Orientador Profissional, Orientador Social,
Educador Social, Educador Físico, Professor de Artes, Professor de Educação Física, Facilitador de
Oficinas, Facilitador de Esporte, Cultura e Lazer, Instrutor de Informática, Técnico de Informática,
para atuarem na Secretaria de Assistência Social – SAS, nos programas: Centro de Referência da
Assistência Social, Centro de Referência Especializada da Assistência Social, Centro de Referência
Especializada da Assistência Social – Medidas Sócioeducativas, Programa Projovem Adolescente e
Índice de Gestão Descentralizada – IGD - do Programa Bolsa Família, não podendo a população ser
prejudicada por falta de pessoal para atender o serviço mencionado, torna público que estão abertas
às inscrições de 02/03/2011 e 03/03/2011, das 08h00minmim às 14h00min, na Secretaria Municipal
de Administração, situada no Centro Administrativo Firmino Alves na Av. Princesa Isabel, 678, Bairro
São Caetano, e estabelece neste edital as normas relativas à realização do Processo Seletivo
Simplificado de contratação de pessoal, por prazo determinado, por necessidade temporária de
excepcional interesse público.

01 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1 - O Processo Seletivo Simplificado destina-se à seleção de profissionais para os cargos de


Coordenador Pedagógico, Coordenador de Oficinas, Assistente Social, Psicólogo, Orientador
Profissional, Orientador Social, Educador Social, Educador Físico, Professor de Artes, Professor de
Educação Física, Facilitador de Oficinas, Facilitador de Esporte, Cultura e Lazer, Instrutor de
Informática, Técnico de Informática, para atuarem na Secretaria de Assistência Social – SAS, com a
contratação temporária de excepcional interesse público, pelo período determinado de 12 (doze)
meses, podendo ser prorrogado por mais uma vez, por igual período.

1.2 - O Processo Seletivo Simplificado será regido pelo presente Edital, coordenado pela Comissão
do Processo Seletivo, designado pela Secretaria de Administração e Secretaria de Assistência
Social.

1.3 – A seleção dos candidatos será publicada no site oficial do Municipal no endereço
www.itabuna.ba.gov.br.

1.4 - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA: O pagamento será através dos recursos do Fundo Nacional de
Assistência Social, repassados pela União ao do Fundo Municipal de Assistência Social.

1
1.5 - O Contrato por prazo determinado extinguir-se-á sem direito a indenizações:

I - Pelo término do prazo contratual;


II - Por iniciativa da Administração Pública; e
III - Por iniciativa do contratado, por escrito, com 30 (trinta) dias de antecedência.

02 - DOS CARGOS, DAS VAGAS, CARGA HORÁRIA, REMUNERAÇÃO, HABILITAÇÃO

2.1 - O Candidato concorrerá à vaga oferecida, conforme seguinte quadro demonstrativo:

2.1.1 - CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL – CRAS I E II

CARGO C/H N° DE VAGAS ESCOLARIDADE SALÁRIO


BASE
Ensino Superior Completo em Psicologia,
PSICÓLOGO 30HS 02 com Registro no Conselho Competente. R$ 1.801,66
FACILITADOR Segundo Grau Completo, com Experiência
DE OFICINAS 40HS 05 Comprovada. R$ 800,00

2.1.2 - CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS

CARGO C/H N° DE VAGAS ESCOLARIDADE SALÁRIO


BASE
Ensino Superior Completo, com
COORDENADOR 40HS 01 Registro no Conselho Competente. R$ 2.000,00
Ensino Superior Completo em
ASSISTENTE 30HS 01 Serviço Social, com Registro no R$ 1.801,66
SOCIAL Conselho Competente.
EDUCADOR 40HS 04 Segundo Grau Completo, com R$ 650,00
SOCIAL Experiência Comprovada.
Ensino Superior Completo em
PSICÓLOGO 30HS 02 Serviço Social, com Registro no 1.801,66
Conselho Competente.

2.1.3 - CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS – MEDIDAS


SÓCIO EDUCATIVAS

CARGO C/H N° DE VAGAS ESCOLARIDADE SALÁRIO


BASE
Segundo Grau Completo, com
PROFESSOR DE ARTES 20HS 02 Experiência Comprovada. R$ 650,00
Ensino Superior Completo em
PSICÓLOGO 30HS 01 Serviço Social, com Registro no 1.801,66
Conselho.
Ensino Superior Completo em
PROFESSOR DE 30HS 01 Serviço Social, com Registro no 1.801,66
EDUCAÇÃO FÍSICA Conselho.
INSTRUTOR DE 40HS 01 Segundo Grau Completo, com R$ 1.000,00
INFORMÁTICA Experiência Comprovada.

2
2.1.4 - ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA - IGD

CARGO C/H N° DE VAGAS ESCOLARIDADE SALÁRIO


BASE
Ensino Superior Completo
ASSISTENTE 30HS 01 Em Serviço Social, Com R$ 1.801,66
SOCIAL Registro No Conselho
Competente.
Segundo Grau Completo,
INSTRUTOR DE 20HS 03 Com Experiência R$ 540,00
INFORMÁTICA Comprovada.
Segundo Grau Completo,
INSTRUTOR DE 40HS 04 Com Experiência R$ 1.000,00
INFORMÁTICA Comprovada.

2.1.5 - PROGRAMA PROJOVEM ADOLESCENTE - PPJA

CARGO C/H N° DE VAGAS ESCOLARIDADE SALÁRIO


BASE
Ensino Superior Completo
COORDENAÇÃO 40HS 01 Em Pedagogia, com R$ 1.801,66
PEDAGÓGICA Registro no Conselho
Competente.
Ensino Superior Completo
ORIENTADOR 40HS 03 em Pedagogia e/ou R$ 1.801,66
PROFISSIONAL Psicologia.
ORIENTADOR 40HS 12 Ensino Médio Completo. R$ 1.000,00
SOCIAL
Ensino Superior Completo
EDUCADOR 40HS em Educação Física, com 1.801,66
FÍSICO 02 Registro no Conselho
Competente.
FACILITADOR DE
ESPORTE, 40HS 01 Segundo Grau Completo, R$ 800,00
CULTURA E com Experiên-cia
LAZER Comprovada.
COORDENADOR Ensino Médio Completo,
DE OFICINAS 40HS 01 com Experiência R$ 1.000,00
Comprovada.
Ensino Médio Completo,
FACILITADOR DE 40HS 02 com Experiência R$ 800,00
OFICINAS Comprovada.
TÉCNICO Ensino Médio Completo,
INFORMÁTICA 40HS 02 com Experiência R$ 800,00
Comprovada.
INSTRUTOR DE 01 Segundo Grau Completo, R$ 1.000,00
INFORMÁTICA 40HS com Experiência
Comprovada.

3
2.2 - ATRIBUIÇÕES DO CARGO:

2.2.1 – PSICÓLOGO DO CRAS: articular, acompanhar e avaliar o processo de implantação do


CRAS e a implementação dos programas, serviços, projetos da proteção social básica
operacionalizados nessa unidade; coordenar a execução, o monitoramento, o registro e a avaliação
das ações; acompanhar e avaliar os procedimentos para a garantia da referência e contra-referência
do CRAS; coordenar a execução das ações de forma a manter o diálogo e a participação dos
profissionais e das famílias inseridas nos serviços ofertados pelo CRAS e pela rede prestadora de
serviços no território; definir com a equipe de profissionais o fluxo de entrada, acompanhamento,
monitoramento, avaliação e desligamento das famílias; definir com a equipe técnica os meios e os
ferramentais teórico-metodológicos de trabalho social com famílias e os serviços sócio-educativos de
convívio; avaliar, sistematicamente, com a equipe de referência dos CRAS, a eficácia, eficiência e os
impactos dos programas, serviços e projetos na qualidade de vida dos usuários; efetuar ações de
mapeamento, articulação e potencialização da rede sócioassistencial e das demais políticas públicas
no território de abrangência dos CRAS; articular, acompanhar, executar e avaliar demais projetos da
Secretaria de Assistência Social, bem como participação em mutirões; exercer outras atividades
correlatas.

2.2.2 - FACILITADOR DE OFICINAS: realizar e participar das reuniões sistemáticas sob orientação
da coordenação de oficinas e técnico do CRAS; planejar as atividades de capacitação do CRAS;
realizar as oficinas de acordo com as orientações e referenciais pedagógicos do programa; registrar
a freqüência diária das crianças e adolescentes nas oficinas; exercer outras atividades correlatas.

2.2.3 - COORDENADOR DO CREAS: articular, acompanhar e avaliar a implementação dos


programas, serviços, projetos da proteção social especial operacionalizadas nessa unidade;
coordenar a execução, o monitoramento, o registro e a avaliação das ações; acompanhar e avaliar
os procedimentos para a garantia da referência e contra-referência do CREAS; coordenar a
execução das ações de forma a manter o diálogo e a participação dos profissionais e das famílias
inseridas nos serviços ofertados pelo CREAS e pela rede prestadora de serviços; definir com a
equipe de profissionais critérios de inclusão, acompanhamento e desligamento de beneficiários;
exercer outras atividades correlatas.

2.2.4 - ASSISTENTE SOCIAL CREAS E IGD: acolhida, oferta de informações e realização de


encaminhamentos às famílias usuárias do CREAS; mediação dos processos grupais do serviço
socioeducativo para famílias; realização de atendimento individualizado e visitas domiciliares as
famílias beneficiárias do CREAS; desenvolver atividades coletivas e comunitárias no território;
assessorar os serviços socioeducativos desenvolvidos no território; acompanhar as famílias em
descumprimento de condicionalidades; alimentar o sistema de informação, registrar as ações
desenvolvidas e planejar o trabalho de forma coletiva; exercer outras atividades correlatas.

2.2.5 - INSTRUTOR DE INFORMÁTICA DO BOLSA FAMÍLIA: manter os equipamentos de


informática em condições de uso; ser responsável pelas estações de rede da Casa do Bolsa Família;
ser responsável pela distribuição e segurança de trabalho dos usuários; realizar a manutenção geral
de uso dos sistemas adotados pelo Secretaria; preparar backup’s; treinar os funcionários do setor;
preparar as alternativas de uso dos periféricos pelos usuários; manter conhecimento dos softwares
específicos; proceder tarefas de rotina de digitação; operar computadores, observando e controlando
seu funcionamento para processar os programas elaborados; analisar, antes do processamento, o
programa a ser executado, estudando as indicações e instalações do sistema determinado; regular

4
os mecanismos de controle do computador e equipamentos complementares; identificar erros e
adotar as medidas prescritas para corrigi-los ou reportá-los ao responsável; exercer outras
atividades correlatas.

2.2.6 - EDUCADOR SOCIAL: realizar os serviços de abordagem de rua 24 horas (busca ativa);
receber e acolher criança e adolescente em situação de abrigamento temporário; realizar visitas
domiciliares; mapear regiões para identificações dos casos de violência; atender e registrar os casos
no período noturno; fazer a abordagem da família para a sensibilização em relação a necessidade
do atendimento; acompanhar in loco a situação das crianças e adolescentes atendidos nas redes de
serviços; acompanhar as vítimas no Instituto Médico Legal; acompanhar adolescentes em
cumprimento de medidas sócioeducativas em meio aberto; exercer outras atividades correlatas.

2.2.7 - PSICÓLOGO DO CREAS: acolher, ofertar informações e realizar encaminhamentos às


famílias usuárias do CREAS; mediar os processos grupais do serviço socioeducativo para famílias;
realizar atendimento individualizado e visitas domiciliares as famílias beneficiárias do CREAS;
desenvolver atividades coletivas e comunitárias no território; assessorar os serviços socioeducativos
desenvolvidos no território; acompanhar as famílias em descumprimento de condicionalidades;
alimentar o sistema de informação, registrar as ações desenvolvidas e planejar o trabalho de forma
coletiva; articular ações que potencializem as boas experiências no território de abrangência; exercer
outras atividades correlatas.

2.2.8 - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA – CREAS MSE: organizar atividades físicas,


sóciorecreativas para os adolescentes em cumprimento de medidas sócioeducativas; orientar a
aprendizagem das crianças e adolescentes em cumprimento de medidas sócioeducativas; participar
no processo do planejamento das atividades do CREAS MSE; organizar as operações inerentes ao
processo de recuperação dos adolescentes; definir, operacionalmente, de acordo com a sua
competência, os objetivos do plano de cumprimento das medidas, formas de execução e situações
de experiências; estabelecer mecanismos de avaliação; constatar necessidade e carência dos
adolescentes e propor o seu encaminhamento a setores específicos do atendimento; cooperar com
a coordenação pedagógica e orientação educacional; organizar registros de observações dos
adolescentes; participar de reuniões, atividades civis e extra-CREAS; coordenar área de estudo;
integrar órgãos complementares do CREAS; exercer outras atividades correlatas.

2.2.9 - PROFESSOR DE ARTES – CREAS MSE: orientar a aprendizagem das crianças e


adolescentes em cumprimento de medidas sócioeducativas; participar no processo do planejamento
das atividades do CREAS MSE, sob a supervisão dos Técnicos; promover atividades artísticas, sob
a supervisão dos Técnicos que facilitem o processo de aprendizagem e contribuam para a
recuperação dos adolescentes; exercer outras atividades correlatas.

2.2.10 – PSICÓLOGO – CREAS MSE: acolher e ofertar informações; realizar encaminhamentos às


famílias usuárias do CREAS MSE; mediar os processos grupais do serviço socioeducativo para
famílias e adolescentes; realizar atendimento individualizado e visitas domiciliares as famílias
beneficiárias do CREAS; - MSE; desenvolver atividades coletivas e comunitárias; assessor os
serviços socioeducativos desenvolvidos no CREAS MSE; alimentar o sistema de informação,
registro das ações desenvolvidas e planejamento do trabalho de forma coletiva; articular ações que
potencializem as boas experiências com adolescentes e Famílias atendidas pelo CREAS MSE.

5
2.2.11 - INSTRUTOR DE INFORMÁTICA – CREAS MSE: manter os equipamentos de informática
em condições de uso; ser responsável pela distribuição e segurança de trabalho dos usuários;
manter conhecimento dos softwares específicos; regular os mecanismos de controle do computador
e equipamentos complementares; identificar erros e adotar as medidas prescritas para corrigi-los ou
reportá–los ao responsável; elaborar o Plano de Curso com definição de objetivos específicos,
indicação de atividades, recursos materiais e processo de avaliação; organizar o diário das oficinas
curriculares; conhecer os relatórios de perfil socioeconômico de seus alunos, tentando identificar
suas experiências e interesses; organizar as atividades adequadas, oferecendo aos alunos a
oportunidade de ampliar suas experiências, oferecendo capacitação para o desempenho das
atividades; ser agente multiplicador de capacitação dos programas específicos dirigidos aos
adolescentes em cumprimento de medidas sócioeducativas; utilizar o tempo de planejamento para
organização das oficinas, elaboração de materiais, reuniões com coordenação dos projetos e
direção; submeter-se aos processos de avaliação diagnóstica, participativa e contínua; dialogar com
demais funcionários de forma a facilitar e contribuir com o desenvolvimento das oficinas; planejar de
forma coletiva, onde todos os atores envolvidos participem do processo; acompanhar o
desenvolvimento dos alunos no processo de ensino aprendizagem e no desenvolvimento das
oficinas através do diálogo com a coordenação do projeto; participar de todas as avaliações e
sempre que necessário apresentar sugestões que melhorem o andamento do Projeto; participar das
reuniões de equipe sempre que solicitado; exercer outras atividades correlatas.

2.2.12 - COORDENADOR PEDAGÓGICO DO PROJOVEM ADOLESCENTE: realizar planejamento


e desenvolver integralmente os conteúdos abordados; acompanhar o desenvolvimento das
atividades ministradas pelos orientadores sociais; realizar reuniões pedagógicas junto a equipe do
ProJovem Adolescente objetivando a construção de ações e estratégias mediante o trabalho
desenvolvido em todo o programa; acompanhar, capacitar e avaliar o desempenho dos orientadores
sociais e profissionais emitindo semanalmente relatórios ao departamento correspondente;
desenvolver palestras nas comunidades e firmar parceria com órgãos públicos como Unidades de
Saúde, escolas e outros; interagir permanentemente com os coletivos do ProJovem, de forma a
garantir a integração dos objetivos propostos pelo programa; acompanhar e supervisionar a
alimentação do sistema SISJovem, bem como ser agente articulador do departamento junto ao
MDS- Ministério do desenvolvimento Social e na rede; ser elo entre o ProJovem, o departamento e a
comunidade, representando o programa nas solicitações externas e internas; exercer outras
atividades correlatas.

2.2.13 - ORIENTADOR SOCIAL: realizar, sob orientação do técnico do CRAS, planejamento das
atividades; facilitar o processo de integração do coletivo; desenvolver os conteúdos e atividades
atribuídos no traçado metodológico do Projovem Adolescente; registrar a freqüência diária dos
jovens no Serviço Sócioeducativo; acompanhar o desenvolvimento, oficinas e atividades ministradas
por outros profissionais; participar de reuniões sistemáticas com familiares dos jovens; mediar os
processos grupais, fomentando a participação democrática dos jovens e sua organização, no sentido
do alcance dos objetivos do serviço sócioeducativo de convívio; avaliar o desempenho dos jovens no
serviço sócioeducativo informando ao CRAS as necessidades de acompanhamento individual e
familiar; realizar busca ativa diária em horário oposto ao funcionamento do coletivo, bem como
acompanhar as familias com o objetivo de fortalecimento de vínculos; atuar como interlocutor do
serviço sócioeducativo junto às escolas dos jovens, em assuntos que prescindam da presença do
Coordenador do CRAS, encarregado da articulação interinstitucionais do ProJovem Adolescente;
participar de reuniões sistemáticas com técnico de referência do CRAS; captar jovens em seus

6
domicílios, para organização dos núcleos; emitir relatórios semanais com registro dos
acontecimentos nos coletivos; exercer outras atividades correlatas.

2.2.14 - ORIENTADOR PROFISSIONAL: além das características do Orientador Social, o orientador


profissional deverá pautar suas oficinas nas orientações e referenciais pedagógicos fornecidos pelo
Ministério de Desenvolvimento Social - MDS e as equipes técnicas do Serviço Socioeducativo; ter o
domínio da linguagem digital, de forma a desenvolver as atividades voltadas a inclusão digital dos
jovens; dominar a linguagem oral e escrita, de forma a desenvolver as atividades de aprimoramento
das competências de comunicação(oral, escrita e informatizada), de forma criativa, utilizando
diferentes estratégias; planejar, executar e avaliar projetos e palestras para os jovens assistidos e
respectivas famílias; acompanhar de forma efetiva e eficaz os orientadores sociais in loco, num
processo contínuo de avaliação e suporte dos serviços prestados nos coletivos; assumir, quando
necessário, as atividades dos orientadores sociais nos coletivos em caso de ausência por motivo
médico, capacitações e outros; articular com a coordenação pedagógica por meio de encontros
semanais ações e estratégias que resultem num melhor funcionamento do programa, assim como
reuniões com os orientadores sociais as sextas-feiras resultando em relatório semanal que será
emitido ao departamento correspondente; quando solicitado participar de ações externas, como
mutirões, campanhas sociais e entre outras; exercer outras atividades correlatas.

2.2.15 - FACILITADOR DE ESPORTE, CULTURA, E LAZER: inteirar-se dos princípios, objetivos e


da dinâmica operacional do serviço sócio-educativo do Projovem Adolescente, bem como pautar
suas oficinas pelas orientações e referências metodológicas sócio-educativas apresentadas no
traçado sugerido pelo MDS – Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome; interagir
permanentemente com o orientador social, de forma a garantir a integração das atividades aos
conteúdos e objetivos dos Percursos Sócioeducativos; buscar e valorizar as diferentes
manifestações corporais (jogos, esporte, ginástica, dança, circo, entre outras.) de interesse dos
jovens do coletivo; estimular os jovens, pelos facilitadores, a conhecer os serviços públicos, em
especial, os programas desenvolvidos pelas Secretarias Municipais e Ministérios do Esporte e da
Cultura; exercer outras atividades correlatas.

2.2.16 - TÉCNICO DE INFORMÁTICA DO PROJOVEM ADOLESCENTE: analisar os programas;


prover e escolher os recursos necessários ao processamento: terminais, impressoras, unidades de
disco e outros; selecionar e colocar em funcionamento programas básicos e aplicativos de acordo
com a programação; digitar os dados de entrada, observando os programas em execução-
SISJovem, detectando problemas ou falhas na execução das tarefas e providenciando soluções;
manter cópia de segurança dos sistemas; emitir relatórios; prestar orientações aos usuários dos
sistemas e programas utilizados; exercer outras atividades correlatas.

2.2.17 - INSTRUTOR DE INFORMÁTICA DO PROJOVEM ADOLESCENTE: manter os


equipamentos de informática em condições de uso; ser responsável pela distribuição e segurança de
trabalho dos usuários; manter conhecimento dos softwares específicos; regular os mecanismos de
controle do computador e equipamentos complementares; identificar erros e adotar as medidas
prescritas para corrigi-los ou reportá–los ao responsável; elaborar o Plano de Curso com definição
de objetivos específicos, indicação de atividades, recursos materiais e processo de avaliação;
organizar o diário das oficinas curriculares; conhecer os relatórios de perfil socioeconômico de seus
alunos, tentando identificar suas experiências e interesses; organizar as atividades adequadas,
oferecendo aos alunos a oportunidade de ampliar suas experiências, oferecendo capacitação para o
desempenho das atividades; ser agente multiplicador de capacitação dos programas específicos do

7
ProJovem Adolescente; utilizar o tempo de planejamento para organização das oficinas, elaboração
de materiais, reuniões com coordenação dos projetos e direção; submeter-se aos processos de
avaliação diagnóstica, participativa e contínua; dialogar com demais funcionários de forma a facilitar
e contribuir com o desenvolvimento das oficinas; planejar de forma coletiva, onde todos os atores
envolvidos participem do processo; acompanhar o desenvolvimento dos alunos no processo de
ensino aprendizagem e no desenvolvimento das oficinas através do diálogo com a coordenação do
projeto; participar de todas as avaliações e sempre que necessário apresentar sugestões que
melhorem o andamento do Projeto; participar das reuniões de equipe sempre que solicitado; exercer
outras atividades correlatas.

2.2.18 – EDUCADOR FÍSICO DO PROJOVEM ADOLESCENTE: além das atribuições do facilitador


das oficinas de cultura, esporte e lazer, ter boa capacidade relacional e de comunicação; ser
sensível as questões sociais e da juventude; orientar a aprendizagem do aluno; participar no
processo do planejamento das atividades do ProJovem Adolescente; organizar as operações
inerentes ao processo de ensino e aprendizagem; contribuir com o aprimoramento de qualidade do
ensino; planejar e executar o trabalho em consonância com as diretrizes do MDS – Ministério de
Desenvolvimento Social e Combate à Fome; levantar dados relativos à realidade dos jovens
assistidos; definir, operacionalmente os objetivos do plano curricular, formas de execução e
situações de experiências; constatar necessidade e carência do aluno e propor o seu
encaminhamento a setores específicos do atendimento; cooperar com a coordenação pedagógica e
orientação educacional; participar de reuniões; exercer outras atividades correlatas.

2.2.19 – COORDENADOR OFICINA DO PROJOVEM ADOLESCENTE: além das atribuições do


facilitador de oficinas, garantir o funcionamento das oficinas sob sua coordenação, sendo
responsável pelo funcionamento em plenitude; organizar e gerenciar cursos e oficinas; liderar a
equipe de trabalho; treinar seus colaboradores; compartilhar dúvidas e problemas com os órgãos de
apoio sendo elo entre os facilitadores e o departamento; providenciar os recursos de apoio
pedagógico necessários para o bom andamento dos cursos (fichas de freqüência das turmas e
outros) e garantir o controle de acessos; manter e controlar os dados cadastrais dos usuários das
oficinas; confeccionar e manter registros administrativos e estatísticos das oficinas; receber,
controlar e enviar relatórios quanto aos insumos disponibilizados para as oficinas; garantir a
manutenção e conservação dos insumos; entregar ao departamento competente, mensalmente, a
freqüência dos seus colaboradores e das oficinas vigentes; exercer outras atividades correlatas.

03 – DA INSCRIÇÃO

3.1 - Para realizar a Inscrição o candidato precisa conhecer todas as normas e regras estabelecidas
para a Seleção neste Edital, divulgado no mural da Secretaria de Assistência Social, no site
www.itabuna.ba.gov.br.

3.2. As inscrições serão realizadas na Modalidade Presencial, nos dias 02/03/2011 e 03/03/2011,
das 08h00minmim às 14h00min, na Secretaria de Administração, localizada no Centro
Administrativo Firmino Alves, na Av. Princesa Isabel, 678 – Bairro São Caetano.

3.2.1 – No ato da inscrição o candidato deverá informar dados pessoais e fornecer cópias dos
documentos a seguir:

Carteira de Identidade;

8
Cartão do CPF;
Título de Eleitor e comprovante da última votação;
Certificado de Reservista;
Curriculum Vitae de forma detalhada (identificação dos títulos e especialmente da carga
horária dos cursos de aperfeiçoamento, seminários e a experiência profissional);
Comprovante de Endereço;
Escolaridade em conformidade com a habilitação exigida;
Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS.

3.2.2 – São requisitos e condições para inscrição:

Ser brasileiro nato ou naturalizado;


Classificação no Processo Seletivo Simplificado;
Idade mínima de 18 (dezoito) anos completados a data da contratação;
Aptidão física e mental para exercício da função mediante apresentação de atestado laboral;
Estar em regularidade com a Justiça Eleitoral e com o Serviço Militar, se for o caso;
PIS/PASEP;
2 (duas) fotos 3x4 recentes;
Escolaridade em conformidade com a habilitação exigida;
Garantia de disponibilidade de cumprimento da carga horária exigida no item 2 deste Edital.
Declaração de acúmulo de cargos (a acumulação de cargos, ainda que lícita, fica
condicionada à comprovação da compatibilidade de horários).

3.3. O candidato é o único responsável pelos dados apresentados em seu Requerimento de


Inscrição, bem como pelo seu preenchimento.

3.4. Não serão aceitas, sob nenhuma hipótese, inscrições em caráter condicional, realizadas via
postal, por fax, extemporâneas ou em desacordo com as normas do presente Edital.

3.5. Verificada, a qualquer tempo, a apresentação de documentos falsos e/ou de inscrição que não
atenda a todos os requisitos do presente Edital, será o candidato automaticamente eliminado da
Seleção.

3.6. A inscrição vale, para todo e qualquer efeito, como forma de expressa concordância, por parte
do candidato, com todas as condições, normas e exigências constantes no presente Edital, das
quais não poderá alegar desconhecimento em momento algum.

3.7. O deferimento da inscrição dependerá do correto preenchimento do Requerimento de Inscrição


e do cumprimento das exigências para esta fase, determinadas por este Edital.

3.9. Somente será permitido ao candidato inscrever-se em sua função.

04 – DO PROCESSO SELETIVO

4.1 -- O Processo Seletivo será realizado por profissionais que farão parte da Comissão do Processo
Seletivo, designados pela Secretaria de Administração e Secretaria de Assistência Social, e
consistirá nas seguintes etapas:

9
4.1.1 - PARA OS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO: análise Curricular, entrevista e Redação.

4.1.2 – PARA OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR: análise curricular, entrevista e Redação.

4.2 -- A análise curricular será realizada nos dias 04 a 07 de março de 2011 por profissionais que
farão parte da Comissão do Processo Seletivo, e dar-se-á mediante somatório de pontos da
contagem de avaliação da experiência comprovada por meio de certificação onde deverão constar a
carga horária dos cursos de aperfeiçoamento, seminários e a experiência profissional, com
pontuação variando de 0 (zero) a 10 (dez).

4.1.2 – Entrevista e a Redação serão realizadas pela Comissão do Processo Seletivo, nos dias 09 e
10 de março de 2011, das 08h00minmim às 14h00min, na Secretaria de Assistência Social - SAS,
situada no Centro Administrativo Firmino Alves, Av. Princesa Isabel, 678, Bairro São Caetano,
Itabuna/Ba.

4.2.1 -- Para contagem de títulos e experiência comprovada na área serão considerados os descritos
quadros abaixo:

4.2.1.1 – CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

CRITÉRIOS ESPECIALIZAÇÃO PONTOS


Cursos na área de atuação. 3,5 (três vírgula cinco pontos).

Cursos (áreas afins). 0,5 (zero vírgula cinco pontos).


TÍTULOS
EXPERIÊNCIA De 06 meses até 24 meses de experiência
COMPROVADA NA comprovada, na área de atuação solicitada, 1,0 (um vírgula cinco pontos).
ÁREA DE ATUAÇÃO na Administração Pública Municipal.
De 24 meses até 60 meses de experiência
comprovada (na área de atuação solicitada, 2,0 (dois vírgula zero pontos).
na Administração Pública Municipal).
Acima de 60 meses de experiência
comprovada (na área de atuação solicitada, 2,5 (dois vírgula cinco pontos)
na Administração Pública Municipal).

4.2.1.2 – CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

CRITÉRIOS ESPECIALIZAÇÃO PONTOS


Especialização na área de atuação 2,0 (dois vírgula zero pontos).
solicitada.
Mestrado. 2,5 (dois vírgula cinco pontos).
TÍTULOS
EXPERIÊNCIA Doutorado. 3,0 (três vírgula zero pontos).
COMPROVADA NA
ÁREA DE ATUAÇÃO

10
De 06 meses a 60 meses de experiência
comprovada (na área de atuação solicitada, 1,5 (um vírgula cinco pontos).
na Administração Pública Municipal).
Acima de 60 meses de experiência
comprovada (na área de atuação solicitada, 1,0 (um vírgula zero pontos).
na Administração Pública Municipal).

4.2. A prova de títulos é de caráter eliminatório até a exigência da titulação mínima e, daí por diante,
será classificatória. A não comprovação de títulos implicará na eliminação do candidato.

4.2.1 - Os títulos, incluindo os documentos pessoais e currículo profissional, deverão ser entregues
no ato da inscrição em fotocópias autenticadas, numerados sequencialmente e colocados em um
envelope aberto.

4.2.2 - Somente serão considerados os títulos indicados, desde que devidamente relacionados à
função pretendida, cujas pontuações, unitárias e máximas, são as descritas conforme este Edital.

4.2.3 - Somente serão aceitos documentos apresentados em papel timbrado e se deles constarem
todos os dados necessários à identificação das instituições e dos órgãos expedidores e à perfeita
avaliação do título.

4.2.4 - Na avaliação dos títulos apresentados não serão computados os pontos que ultrapassarem o
limite máximo de pontos estabelecidos neste Edital.

4.2.5 - A responsabilidade pela escolha dos documentos a serem avaliados na Prova de Títulos é
exclusiva do candidato, não podendo os mesmos ser retirados, mesmo após a homologação do
Resultado da Seleção.

4.2.6 - Os Títulos expedidos por organismos estrangeiros deverão ser traduzidos, para o Português,
por tradutor juramentado para que sejam avaliados.

05 – CLASSIFICAÇÃO

5.1. A classificação final dos candidatos se dará pelo somatório de pontos obtidos na análise
curricular, entrevista, e na Redação.

5.2. Os candidatos classificados serão chamados obedecendo à ordem decrescente de pontos.

5.3. Em caso de igualdade de pontos na Nota Final, originando empate na classificação Final do
candidato, serão utilizados, quando couber, os seguintes critérios de desempate, sucessivamente:

Comprovação de atuação em Administração Pública;


Comprovação de atuação em Empresa Privada.

06 – DA CONTRATAÇÃO

6.1. A investidura do candidato no cargo está condicionada ao atendimento das condições


estabelecidas nos itens 3.2.1 e, 3.2.2 e em outras constantes no presente Edital.

11
6.2. A contratação obedecerá rigorosamente à ordem de classificação dos candidatos, de acordo
com as vagas existentes e a necessidade do Município.

6.3. Após a homologação do resultado da Seleção Pública, a Secretaria de Administração convocará


os candidatos habilitados, através de Edital específico, por ordem de pontuação e classificação para
apresentação dos documentos exigidos necessários para a efetivação da contratação.

07 – DOS RECURSOS

7.1. Serão admitidos recursos das seguintes fases:

I – Do presente Edital;
II – Do não deferimento do pedido de inscrição;
III – Da classificação;
IV – Da homologação do Resultado do Processo Seletivo.

7.2. A impugnação a este Edital poderá ser efetuada por qualquer cidadão no prazo de 2 (dois) dias,
contados da data de publicação do mesmo, mediante requerimento dirigido a Secretaria de
Administração;

7.3. Os recursos deverão conter o nome do Recorrente, número de inscrição, se houver, endereço
completo para correspondência, assinatura do mesmo, sua fundamentação e será dirigido a
Secretaria de Administração, que decidirá sobre este no prazo de 05 (cinco) dias. O protocolo do
requerimento deverá ser efetuado na Secretaria de Administração, e o prazo será de 02 (dois) dias
úteis, a partir da publicação:

• Da listagem dos candidatos inscritos, para o caso de indeferimento de sua inscrição ou


de deferimento da inscrição de outro candidato;
• Da lista de classificação dos candidatos, para impugnar a classificação, assim como
para a revisão das notas e para impugnar a homologação do resultado do Processo
Seletivo;
• Os recursos somente serão apreciados se apresentados tempestivamente;

7.4. Caberá à Comissão Especial do Processo Seletivo Simplificado nº. 004/2011 a análise de
recursos.

7.5. Findo o prazo para o recurso, o Processo Seletivo será homologado pelo Prefeito Municipal.

08 – DA VALIDADE DO PROCESSO SELETIVO E DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

8.1 – A Seleção Simplificada terá validade de 12 (doze) meses, podendo ser prorrogada por igual
período.

8.2. A aprovação no Processo Seletivo não gera o direito à admissão, mas esta se houver, de
acordo com a necessidade do Ente Municipal, obedecerá à ordem de classificação, durante o prazo
de validade ou eventual prorrogação, computadas as vagas existentes na data do Edital, as que
decorrerem de vacância do cargo e as que vierem a ser criadas;

12
8.3. As despesas decorrentes da inscrição do candidato na Seleção Simplificada de que trata este
Edital, correrão por conta dos próprios candidatos, e implicará, para todo e qualquer efeito, no
conhecimento das presentes instruções, bem como na tácita aceitação das mesmas e na
concordância das condições, normas e exigências estabelecidas no presente Edital, das quais não
poderá alegar desconhecimento, em momento algum.

8.4. É vedada a inscrição neste Processo Seletivo Público de quaisquer membros da Comissão de
Processo Seletivo. Será destituído da Comissão, se constatado em qualquer fase do Processo
Seletivo, o membro que tiver qualquer parentesco até 2º grau, com os candidatos inscritos

8.5. A documentação do candidato ficará arquivada, não podendo ser retirada, mesmo após a
homologação do Resultado da Seleção.

8.6. É de exclusiva responsabilidade do candidato à inexatidão das afirmativas, irregularidades nos


documentos ou não-comprovação de atendimento a todos os requisitos e condições estabelecidas
neste Edital. Verificadas tais situações, mesmo após homologação do Processo Seletivo e, em
especial, por ocasião da admissão, será declarada a nulidade da inscrição e a conseqüente
eliminação do candidato, sem prejuízo de eventuais sanções de caráter judicial.

8.7. Não serão fornecidos atestados, certificados ou certidões relativos à classificação de


candidatos, valendo, para tal fim os resultados homologados pela Secretaria de Administração.

8.8. O acompanhamento das normas, comunicados, avisos e resultados referentes à esta Seleção
Simplificada é de responsabilidade exclusiva do candidato

8.9. O resultado final será divulgado no dia 15 de março de 2011 no site da Prefeitura
(www.itabuna.ba.gov.br).

8.10. Fica eleito o Foro da Comarca de Itabuna – Bahia, para dirimir questões oriundas do presente
Processo Seletivo.

8.11. Os casos omissos serão resolvidos pela Secretaria de Administração.

8.12. Este Edital entre em vigor na data de sua publicação.

Itabuna – Bahia, 01 de março de 2011.

____________________________________
José Nilton Azevedo Leal
Prefeito Municipal de Itabuna

13