Você está na página 1de 15

DIREITO CIVIL

10 Teoria Geral das


Obrigações

Introdução

Noções Gerais

Noções Iniciais:
Devemos entender obrigação como o vínculo pessoal de direito existente entre devedores e credores,
tendo por objeto uma prestação ou contraprestação de conteúdo econômico.Segundo o conceito
clássico, que data do direito romano, a obrigação representa um vínculo ou relação jurídica, pelo qual
uma pessoa deve satisfazer uma prestação, que pode consistir em dar, fazer ou deixar de fazer alguma
coisa. Segundo a conceituação moderna obrigação é o dever que tem uma pessoa de satisfazer uma
vantagem patrimonial de restituir um lucro percebido ilicitamente ou de reparar um dano, pois, de
outro modo, será coagido a satisfazer o cumprimento desse dever, à custa do seu patrimônio.

Elementos da Obrigação:
A idéia de obrigação apresenta três elementos conceituais:

1) Elemento Subjetivo:
Consiste nos sujeitos da obrigação. Em toda relação obrigacional existem duas partes determinadas
ou determináveis: um sujeito ativo (credor) e um sujeito passivo (devedor);

2) Elemento Objetivo:
Consiste numa prestação de dar, fazer ou não fazer alguma coisa.

! A maioria dos juristas entende que a prestação tem sempre um conteúdo patrimonial, porque, caso
contrário, seria impossível reparar perdas e danos, no caso de descumprimento.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 1
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
3) Vínculo Jurídico:
Este vínculo se diz jurídico porque, sendo disciplinado pela lei, vem acompanhado de sanção. No
direito moderno alguns escritores, examinando o conteúdo da obrigação destacam como seus
elementos a dívida, dever que incumbe ao sujeito passivo prestar aquilo a que se comprometeu e a
responsabilidade sendo representada pela prerrogativa conferida ao credor, ocorrendo inadimplência,
de proceder à execução do patrimônio do devedor, para obter satisfação de seu crédito.

!
Distinção entre os Direitos Reais e Obrigacionais:
Direitos reais são os que atribuem a uma pessoa prerrogativas sobre um bem, como o direito de
propriedade (direito sobre uma coisa). Direitos obrigacionais são os que atribuem a alguém a
faculdade de exigir de outrem determinada prestação de cunho econômico, como o direito de
exigir o pagamento de uma promissória (direito contra uma pessoa). Outrora o devedor respondia
“pessoalmente” pela obrigação, ou seja, até coma liberdade e a vida. Depois passou ele a
responder apenas com os seus bens (Lex Poetelia-Papiria, 326 A.C.).

Fontes ou Causas das Obrigações

Direito Romano:
No direito romano existem três textos, de épocas diversas. Os dois primeiros são de Gaio.

1) Institutas de Gaio:
No primeiro diz-se que as obrigações surgem do contrato ou do delito.

2) Digesto:
No segundo texto, diz-se que as obrigações nascem do contrato, do delito, e de várias outras causas.
Suspeita-se que este segundo texto seja apócrifo; a expressão “várias outras causas” teria sido
inserida por glosadores.

3) Institutas de Justiniano:
No terceiro texto, de caráter complementar, as obrigações teriam origem no contrato (acordo de
vontades), no quase-contrato (ato ilícito, independente do consentimento das partes, como a gestão de
negócios e a tutela), no delito (ato ilícito doloso), e no quase-delito (ato ilícito culposo) (Institutas de
Justiniano).

!
Baseado no direito romano, apresentam os autores várias outras classificações, acrescentando por
exemplo o fato social, a declaração unilateral de vontade e a própria lei, como fontes de
obrigações. A verdade, porém, é que nenhuma classificação satisfaz, pois nenhuma é completa,
face à multiplicidade de obrigações que a todo momento e em épocas diversas podem surgir da
vida social ou da ação ou omissão de cada um. O mais certo, portanto, é dizer-se com Gaio (ou
com o seu glosador) que as obrigações surgem de várias causas, sendo as mais tradicionais o
contrato e o delito.

Fontes das Obrigações Segundo Washington de Barros:


O Código Civil brasileiro contempla declaradamente três fontes de obrigações, a saber: o contrato, a
declaração unilateral de vontade e o ato ilícito. Mas, como aponta Washington de Barros Monteiro,
muitas outras relações obrigacionais existem, reconhecidas pelo direito, que não derivam daquelas
fontes.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 2
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
1) A Lei:
Pode ser colocada como fonte direta ou indireta de todas as obrigações. Mas tal colocação é por
demais genérica e vaga, pois o que interessa nesse assunto é exatamente verificar quais as causas ou
critérios em que a lei se baseia para impor ou não uma obrigação.
São obrigações que decorrem direta e imediatamente da lei a obrigação de prestar alimentos ou o
mister de reparar o prejuízo causado, em caso de responsabilidade informada pela teoria do risco.

2) O Contrato e a Declaração Unilateral de Vontade:


São obrigações derivadas diretamente da vontade humana, se dividem em aquelas que provêm do
contrato (conjunção de vontades), e as que decorrem da manifestação unilateral da vontade, como,
por exemplo, o título ao portador ou a promessa de recompensa.

3) O Ato Ilícito:
É o ato contrário ao direito, praticado com dolo ou culpa, em prejuízo de alguém. A conseqüência do
ato ilícito é a obrigação de reparar o dano.

4) O Abuso de Direito:
É o exercício irregular ou excessivo de um direito, de modo a causar dano injustificado a outrem.
Revela-se o abuso de direito nos processos temerários ou conduzidos de má fé, no abuso de
autoridade, no excesso de legítima defesa, em certos danos ecológicos, etc.

5) O Enriquecimento Ilícito ou Sem Causa:


Dá-se quando se aumenta o patrimônio de alguém em detrimento de outrem, sem nenhum
fundamento jurídico. Cabe ao empobrecido mover a ação “in rem verso”, ou de locupletamento, que
só deve ser usada na falta de outro tipo de ação adequada a reparar o dano. Exemplos de
enriquecimento ilícito: pagamento indevido (que eminentes autores colocam como fonte autônoma);
não pagamento de serviço prestado; não pagamento de prejuízo efetivo do credor, em razão de um
título prescrito.

6) A Obrigação da Coisa (“Obligatio Propter Rem”), ou em Função da Coisa


(“In Rem Scripta”):
Advém da relação de um sujeito com uma coisa, como ocorre no direito de vizinhança, ou em certos
ônus tributários, que acompanham o imóvel, independentemente da pessoa do dono. Tais obrigações
situam-se numa zona cinzenta, entre o direito real e o direito das obrigações.

7) A Responsabilidade em Função de Certas Situações ou Atividades:


Como a situação de parentesco, que obriga à prestação de alimentos; de cidadão, que obriga ao
serviço militar ou eleitoral; a atividade de profissionais, empregadores, comerciantes ou industriais,
que implica em inúmeros fatos geradores de obrigações administrativas, tributárias e trabalhistas.

8) A Responsabilidade Civil:
É por si só um enorme conglomerado de multiformes fontes geradoras de obrigações, englobando, de
um modo geral, não só o ato ilícito e vários outros itens acima citados, mas também a
responsabilidade dos pais, patrões, tutores, curadores, educadores, hoteleiros, a responsabilidade por
fato próprio e por fato alheio, pela guarda de pessoas, coisas e animais, pela ruína de edifício, ou de
coisas dele caídas, a responsabilidade contratual e extracontratual, a responsabilidade subjetiva e a
responsabilidade objetiva, etc.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 3
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
Fontes das Obrigações Segundo Silvio Rodrigues:
Para Silvio Rodrigues, as obrigações sempre têm por fonte a lei, sendo que em alguns casos, esta atua
de forma mediata, outras imediata. As obrigações são classificadas em:

1) Obrigações que têm por fonte imediata a vontade humana: provêm do contrato e da manifestação
unilateral da vontade.

2) Obrigações que têm por fonte imediata o ato ilícito: se constituem através de uma ação ou omissão
culposa ou dolosa do agente, causando dano à vítima.

3) Obrigações que têm por fonte direta a lei: no caso de alimento ou de reparação de prejuízos
causados.

Classificação das Obrigações

Obrigações Simples e Complexas:


Obrigações simples são aquelas em que há um só credor, um devedor e um objeto. As obrigações
complexas são aquelas em que há mais de um credor ou devedor, ou mais de um objeto. Quanto à
multiplicidade de objetos podem ser cumulativas (mais de um objeto) ou alternativas (o devedor se
exime da obrigação optando por uma ou outra prestação).

Obrigações Principais e Acessórias:


Principais são aquelas que têm vida própria e independente. Acessórias são aquelas ditas
subordinadas ou dependentes das principais. Ex.: a fiança é acessória em relação a locação que é
principal.

Obrigações Líquidas e Ilíquidas:


Líquidas são as consideradas certas na existência e determinadas no objeto. Ilíquidas são aquelas que
dependem de apuração prévia, por estar ainda incerto o total da prestação.

As Obrigações “Propter Rem”:


A obrigação “propter rem” é aquela em que o devedor, por ser titular de um direito sobre uma coisa,
fica sujeito a uma determinada prestação que, por conseguinte, não derivou da manifestação expressa
ou tácita de vontade.A obrigação “propter rem” se encontra no terreno fronteiriço entre os direitos
reais e os pessoais.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 4
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
As Modalidades das Obrigações

As Obrigações de Dar

Conceito:
As obrigações de dar consistem na entrega de alguma coisa (tradição) pelo devedor ao credor.Ela se
desdobra em obrigações de dar coisa certa ou incerta e, também, em obrigação de dar propriamente
dita e obrigação de restituir, onde se caracteriza esta última por ser uma devolução, onde o credor já é
dono da coisa.

Obrigação de Dar Coisa Certa (arts. 233 a 242):


Estabelece entre as partes um vínculo, através do qual o devedor se compromete a entregar ou a
restituir ao credor coisa certa e determinada, que se considera em sua individualidade. A coisa certa
não pode ser substituída por outra ainda que de maior valor.

Art. 233. A obrigação de dar coisa certa abrange os acessórios dela embora não mencionados,
salvo se o contrário resultar do título ou das circunstâncias do caso.

Art. 234. Se, no caso do artigo antecedente, a coisa se perder, sem culpa do devedor, antes da
tradição, ou pendente a condição suspensiva, fica resolvida a obrigação para ambas as partes;
se a perda resultar de culpa do devedor, responderá este pelo equivalente e mais perdas e danos.

Art. 235. Deteriorada a coisa, não sendo o devedor culpado, poderá o credor resolver a
obrigação, ou aceitar a coisa, abatido de seu preço o valor que perdeu.

Art. 236. Sendo culpado o devedor, poderá o credor exigir o equivalente, ou aceitar a coisa no
estado em que se acha, com direito a reclamar, em um ou em outro caso, indenização das perdas
e danos.

Art. 237. Até a tradição pertence ao devedor a coisa, com os seus melhoramentos e acrescidos,
pelos quais poderá exigir aumento no preço; se o credor não anuir, poderá o devedor resolver a
obrigação.

Parágrafo único. Os frutos percebidos são do devedor, cabendo ao credor os pendentes.

Art. 238. Se a obrigação for de restituir coisa certa, e esta, sem culpa do devedor, se perder
antes da tradição, sofrerá o credor a perda, e a obrigação se resolverá, ressalvados os seus
direitos até o dia da perda.

Art. 239. Se a coisa se perder por culpa do devedor, responderá este pelo equivalente, mais
perdas e danos.

Art. 240. Se a coisa restituível se deteriorar sem culpa do devedor, recebê-la-á o credor, tal qual
se ache, sem direito a indenização; se por culpa do devedor, observar-se-á o disposto no art.
239.

Art. 241. Se, no caso do art. 238, sobrevier melhoramento ou acréscimo à coisa, sem despesa ou
trabalho do devedor, lucrará o credor, desobrigado de indenização.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 5
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
Art. 242. Se para o melhoramento, ou aumento, empregou o devedor trabalho ou dispêndio, o
caso se regulará pelas normas deste Código atinentes às benfeitorias realizadas pelo possuidor
de boa-fé ou de má-fé.

Parágrafo único. Quanto aos frutos percebidos, observar-se-á, do mesmo modo, o disposto neste
Código, acerca do possuidor de boa-fé ou de má-fé.

Obrigação de Dar Coisa Incerta (arts. 243 a 246):


Esta obrigação tem por objeto a entrega de coisa não considerada em sua individualidade, mas no
gênero a que pertence. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e quantidade, havendo
ausência destas indicações, não se constitui em obrigação (ex.: compromisso de entregar pacotes,
sem definir quantos, nem seu conteúdo).

Art. 243. A coisa incerta será indicada, ao menos, pelo gênero e pela quantidade.

Art. 244. Nas coisas determinadas pelo gênero e pela quantidade, a escolha pertence ao
devedor, se o contrário não resultar do título da obrigação; mas não poderá dar a coisa pior,
nem será obrigado a prestar a melhor.

Art. 245. Cientificado da escolha o credor, vigorará o disposto na Seção antecedente.

" No momento em que se efetua uma escolha, a obrigação de dar coisa incerta se transforma em
obrigação de dar coisa certa.

Art. 246. Antes da escolha, não poderá o devedor alegar perda ou deterioração da coisa, ainda
que por força maior ou caso fortuito.

Coisas Fungíveis e Infungíveis e sua Relação com as Coisas Certas e Incertas:


Relacionando o conceito de coisas fungíveis e infungíveis com as obrigações de dar coisa certa ou
coisa incerta, temos que as coisas certas (determinadas ou específicas) são infungíveis, pois valem
pela sua individualidade e não podem ser substituídas por outras, ainda que mais valiosas. Já em
relação às coisas incertas (indeterminadas ou genéricas), devemos distinguir duas classes:
a) coisas incertas em sentido amplo ou impróprio: são fungíveis e podem ser substituídas por
outras da mesma espécie, qualidade e quantidade (uma mesa, um livro, vinte ovos), nesse
tipo de obrigação deve-se dar coisa da mesma espécie, qualidade e quantidade;
b) coisas incertas em sentido estrito ou próprio: são as indicadas apenas pelo gênero, ou espécie,
e pela quantidade combinada, quanto a qualidade, porém, deverá ela ser média, vez que esse
ponto fica omisso ou indefinido no contrato, pela regra da qualidade média, não pode o
devedor dar coisa pior, nem ser obrigado a prestar coisa melhor (ex.: metade de um lote de
pele de búfalo, a terça parte de uma colheita de melões).

A Tradição e a Transferência do Domínio:


O contrato de compra e venda não torna o adquirente dono da coisa comprada, mas apenas titular da
prerrogativa de reclamar sua entrega. Somente após a entrega (tradição) é que o comprador adquire a
condição de proprietário. Antes da tradição o direito real não transpassa (art. 620 CC).
Convém entretanto distinguir os bens móveis dos imóveis, pois enquanto que para a transferência dos
móveis basta a tradição, aos imóveis a lei exige a formalidade da transcrição no Registro de Imóveis,
do título aquisitivo (art. 530, nº I CC). A transcrição corresponde a uma tradição solene.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 6
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
As Obrigações de Fazer e Não Fazer

Obrigações de Fazer:
Nas obrigações de fazer, a prestação a que está obrigado o devedor é um ato positivo. Ela se refere à
obrigação de prestar um serviço, como obrigar-se alguém a pintar um quadro, por exemplo. Nas
obrigações de fazer, o credor não é obrigado a aceitar a prestação por um estranho, quando estiver
estabelecido que seja realizada pessoalmente pelo devedor (personalíssima). Nas obrigações de fazer
fungíveis, o devedor pode ser substituído por terceiro apto a executar o serviço.

Art. 247. Incorre na obrigação de indenizar perdas e danos o devedor que recusar a prestação a
ele só imposta, ou só por ele exeqüível.

Conseqüências do Descumprimento da Obrigação de Fazer:


O descumprimento da obrigação de fazer pode ser decorrente de:.

1) Impossibilidade:
a) por culpa do devedor: responde por perdas e danos;
b) sem culpa do devedor: resolve-se a obrigação, desde que a impossibilidade seja absoluta.

2) Inadimplemento Voluntário:
A recusa do devedor implica em presunção de culpa, tendo as seguintes conseqüências:
a) se a obrigação for fungível o credor pode contratar um terceiro e cobrar do devedor a quantia
gasta, mesmo sendo mais caro;
b) se a obrigação for infungível resolve-se por perdas e danos.

Art. 248. Se a prestação do fato tornar-se impossível sem culpa do devedor, resolver-se-á a
obrigação; se por culpa dele, responderá por perdas e danos.

Art. 249. Se o fato puder ser executado por terceiro, será livre ao credor mandá-lo executar à
custa do devedor, havendo recusa ou mora deste, sem prejuízo da indenização cabível.

Parágrafo único. Em caso de urgência, pode o credor, independentemente de autorização


judicial, executar ou mandar executar o fato, sendo depois ressarcido.

! A ação cabível para forçar o cumprimento da obrigação chama-se cominatória.

Obrigações de Não Fazer:


São, também denominadas negativas: consistem em uma abstenção onde o devedor assume o
compromisso de não praticar determinado ato, que poderia fazer (ex.: obrigação de não vender algo a
uma terceira pessoa ou não abrir casa comercial de determinado ramo em uma dada região).

Art. 250. Extingue-se a obrigação de não fazer, desde que, sem culpa do devedor, se lhe torne
impossível abster-se do ato, que se obrigou a não praticar.

Art. 251. Praticado pelo devedor o ato, a cuja abstenção se obrigara, o credor pode exigir dele
que o desfaça, sob pena de se desfazer à sua custa, ressarcindo o culpado perdas e danos.

Parágrafo único. Em caso de urgência, poderá o credor desfazer ou mandar desfazer,


independentemente de autorização judicial, sem prejuízo do ressarcimento devido.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 7
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
As Obrigações Alternativas

Noções Gerais:
As obrigações alternativas, também chamadas disjuntivas, aparecem quando há duas ou mais
prestações com objetos distintos a cumprir e o devedor, a quem compete a escolha (salvo estipulação
em contrário), se exonera, cumprindo uma delas.

! A obrigação alternativa não se confunde com a cumulativa, em que também há uma pluralidade de
prestação, porém todas devem ser solvidas.

Art. 252. Nas obrigações alternativas, a escolha cabe ao devedor, se outra coisa não se
estipulou.

§ 1o Não pode o devedor obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra.

§ 2o Quando a obrigação for de prestações periódicas, a faculdade de opção poderá ser exercida
em cada período.

§ 3o No caso de pluralidade de optantes, não havendo acordo unânime entre eles, decidirá o juiz,
findo o prazo por este assinado para a deliberação.

§ 4o Se o título deferir a opção a terceiro, e este não quiser, ou não puder exercê-la, caberá ao
juiz a escolha se não houver acordo entre as partes.

Art. 253. Se uma das duas prestações não puder ser objeto de obrigação ou se tornada
inexeqüível, subsistirá o débito quanto à outra.

!
O fenômeno da concentração é exclusivo da obrigação alternativa, se dá quando o perecimento de
um objeto a obrigação se concentra nos outros, na obrigação de dar coisa incerta o gênero não
perece (“senus non perit”).

Art. 254. Se, por culpa do devedor, não se puder cumprir nenhuma das prestações, não
competindo ao credor a escolha, ficará aquele obrigado a pagar o valor da que por último se
impossibilitou, mais as perdas e danos que o caso determinar.

Art. 255. Quando a escolha couber ao credor e uma das prestações tornar-se impossível por
culpa do devedor, o credor terá direito de exigir a prestação subsistente ou o valor da outra,
com perdas e danos; se, por culpa do devedor, ambas as prestações se tornarem inexeqüíveis,
poderá o credor reclamar o valor de qualquer das duas, além da indenização por perdas e
danos.

Art. 256. Se todas as prestações se tornarem impossíveis sem culpa do devedor, extinguir-se-á a
obrigação.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 8
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
As Obrigações Divisíveis e Indivisíveis

Noções Gerais:
Divisíveis são aquelas cujas prestações são suscetíveis de cumprimento parcial sem prejuízo de sua
substância e de seu valor (é uma indivisibilidade econômica e não material) e indivisíveis aquelas
cujas prestações só podem ser cumpridas por inteiro, não permitindo o seu parcelamento.

Art. 257. Havendo mais de um devedor ou mais de um credor em obrigação divisível, esta
presume-se dividida em tantas obrigações, iguais e distintas, quantos os credores ou devedores.

Art. 258. A obrigação é indivisível quando a prestação tem por objeto uma coisa ou um fato não
suscetíveis de divisão, por sua natureza, por motivo de ordem econômica, ou dada a razão
determinante do negócio jurídico.

Art. 259. Se, havendo dois ou mais devedores, a prestação não for divisível, cada um será
obrigado pela dívida toda.

Parágrafo único. O devedor, que paga a dívida, sub-roga-se no direito do credor em relação aos
outros coobrigados.

Art. 260. Se a pluralidade for dos credores, poderá cada um destes exigir a dívida inteira; mas o
devedor ou devedores se desobrigarão, pagando:

I - a todos conjuntamente;

II - a um, dando este caução de ratificação dos outros credores.

Art. 261. Se um só dos credores receber a prestação por inteiro, a cada um dos outros assistirá o
direito de exigir dele em dinheiro a parte que lhe caiba no total.

Art. 262. Se um dos credores remitir a dívida, a obrigação não ficará extinta para com os
outros; mas estes só a poderão exigir, descontada a quota do credor remitente.

Parágrafo único. O mesmo critério se observará no caso de transação, novação, compensação


ou confusão.

Art. 263. Perde a qualidade de indivisível a obrigação que se resolver em perdas e danos.

§ 1o Se, para efeito do disposto neste artigo, houver culpa de todos os devedores, responderão
todos por partes iguais.

§ 2o Se for de um só a culpa, ficarão exonerados os outros, respondendo só esse pelas perdas e


danos.

As Obrigações Solidárias

Noções Iniciais:
As obrigações solidárias são aquelas em que há multiplicidade de credores ou devedores. A
solidariedade não se presume, resulta da lei ou da vontade das partes. A solidariedade pode ser ativa
ou passiva.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 9
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
Art. 264. Há solidariedade, quando na mesma obrigação concorre mais de um credor, ou mais
de um devedor, cada um com direito, ou obrigado, à dívida toda.

Art. 265. A solidariedade não se presume; resulta da lei ou da vontade das partes.

Art. 266. A obrigação solidária pode ser pura e simples para um dos co-credores ou co-
devedores, e condicional, ou a prazo, ou pagável em lugar diferente, para o outro.

Solidariedade Ativa:
Ocorre a solidariedade ativa quando cada um dos vários credores está autorizado a exigir o
cumprimento da prestação por inteiro. O pagamento realizado a um dos credores, solidários extingue
inteiramente a dívida. O credor que tiver remitido a dívida ou recebido o pagamento responderá aos
outros pela parte que têm direito, sendo cabível a propositura da ação regressiva.

!
A solidariedade passiva pode resultar da lei ou da vontade das partes, a ativa, porém, só pode
resultar da vontade das partes. Nosso ordenamento não prevê casos de solidariedade ativa “ex
lege”.

Art. 267. Cada um dos credores solidários tem direito a exigir do devedor o cumprimento da
prestação por inteiro.

Art. 268. Enquanto alguns dos credores solidários não demandarem o devedor comum, a
qualquer daqueles poderá este pagar.

Art. 269. O pagamento feito a um dos credores solidários extingue a dívida até o montante do
que foi pago.

Art. 270. Se um dos credores solidários falecer deixando herdeiros, cada um destes só terá
direito a exigir e receber a quota do crédito que corresponder ao seu quinhão hereditário, salvo
se a obrigação for indivisível.

Art. 271. Convertendo-se a prestação em perdas e danos, subsiste, para todos os efeitos, a
solidariedade.

Art. 272. O credor que tiver remitido a dívida ou recebido o pagamento responderá aos outros
pela parte que lhes caiba.

Art. 273. A um dos credores solidários não pode o devedor opor as exceções pessoais oponíveis
aos outros.

Art. 274. O julgamento contrário a um dos credores solidários não atinge os demais; o
julgamento favorável aproveita-lhes, a menos que se funde em exceção pessoal ao credor que o
obteve.

Solidariedade Passiva:
A solidariedade passiva ocorre quando, existindo vários devedores, o credor tem direito a exigir e
receber de um ou vários deles, parcial ou totalmente, a dívida. O pagamento total extingue a
obrigação, o parcial extingue em parte a obrigação e mantém a solidariedade no tocante ao
remanescente, pelo qual continuam os co-devedores igualmente obrigados pelo seu total. Na dívida
solidária o credor pode cobrar de um ou de alguns dos devedores a totalidade da dívida, à sua
escolha, restando para os que pagaram o direito de regresso contra os coobrigados.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 10
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
Art. 275. O credor tem direito a exigir e receber de um ou de alguns dos devedores, parcial ou
totalmente, a dívida comum; se o pagamento tiver sido parcial, todos os demais devedores
continuam obrigados solidariamente pelo resto.

Parágrafo único. Não importará renúncia da solidariedade a propositura de ação pelo credor
contra um ou alguns dos devedores.

Art. 276. Se um dos devedores solidários falecer deixando herdeiros, nenhum destes será
obrigado a pagar senão a quota que corresponder ao seu quinhão hereditário, salvo se a
obrigação for indivisível; mas todos reunidos serão considerados como um devedor solidário em
relação aos demais devedores.

Art. 277. O pagamento parcial feito por um dos devedores e a remissão por ele obtida não
aproveitam aos outros devedores, senão até à concorrência da quantia paga ou relevada.

Art. 278. Qualquer cláusula, condição ou obrigação adicional, estipulada entre um dos
devedores solidários e o credor, não poderá agravar a posição dos outros sem consentimento
destes.

Art. 279. Impossibilitando-se a prestação por culpa de um dos devedores solidários, subsiste
para todos o encargo de pagar o equivalente; mas pelas perdas e danos só responde o culpado.

Art. 280. Todos os devedores respondem pelos juros da mora, ainda que a ação tenha sido
proposta somente contra um; mas o culpado responde aos outros pela obrigação acrescida.

Art. 281. O devedor demandado pode opor ao credor as exceções que lhe forem pessoais e as
comuns a todos; não lhe aproveitando as exceções pessoais a outro co-devedor.

Art. 282. O credor pode renunciar à solidariedade em favor de um, de alguns ou de todos os
devedores.

Parágrafo único. Se o credor exonerar da solidariedade um ou mais devedores, subsistirá a dos


demais.

Art. 283. O devedor que satisfez a dívida por inteiro tem direito a exigir de cada um dos co-
devedores a sua quota, dividindo-se igualmente por todos a do insolvente, se o houver,
presumindo-se iguais, no débito, as partes de todos os co-devedores.

Art. 284. No caso de rateio entre os co-devedores, contribuirão também os exonerados da


solidariedade pelo credor, pela parte que na obrigação incumbia ao insolvente.

Art. 285. Se a dívida solidária interessar exclusivamente a um dos devedores, responderá este
por toda ela para com aquele que pagar.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 11
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
A Transmissão das Obrigações

Noções Gerais
As obrigações podem ser personalíssimas ou não. As obrigações personalíssimas são as que não
passam das pessoas do credor e do devedor. As obrigações, não sendo personalíssimas, podem ser
alteradas na composição de seu elemento subjetivo, ou seja, podem ser substituídos os credores ou
devedores da obrigação sem que se altere o vínculo obrigacional. O ato determinante da
transmissibilidade das obrigações é chamado de cessão.

Cessão de Crédito

Noções Gerais:
Chama-se cessão de crédito o negócio jurídico em virtude do qual o credor transfere a outrem sua
qualidade creditória contra o devedor, recebendo o cessionário o direito respectivo, com todos os
acessórios e todas as garantias. É uma alteração subjetiva da obrigação, indiretamente realizada,
porque se completa por via de uma transladação da força obrigatória, de um sujeito ativo para outro
sujeito ativo, mantendo-se em vigor o vínculo de direito obrigatório.

!
Cessão e Novação:
Na novação há extinção da dívida anterior, em razão da criação de um novo débito. Na cessão de
crédito há uma alteração subjetiva, permanecendo a mesma dívida.

Art. 286. O credor pode ceder o seu crédito, se a isso não se opuser a natureza da obrigação, a
lei, ou a convenção com o devedor; a cláusula proibitiva da cessão não poderá ser oposta ao
cessionário de boa-fé, se não constar do instrumento da obrigação.

Art. 287. Salvo disposição em contrário, na cessão de um crédito abrangem-se todos os seus
acessórios.

Art. 288. É ineficaz, em relação a terceiros, a transmissão de um crédito, se não celebrar-se


mediante instrumento público, ou instrumento particular revestido das solenidades do § 1o do
art. 654.

Art. 289. O cessionário de crédito hipotecário tem o direito de fazer averbar a cessão no registro
do imóvel.

Art. 290. A cessão do crédito não tem eficácia em relação ao devedor, senão quando a este
notificada; mas por notificado se tem o devedor que, em escrito público ou particular, se
declarou ciente da cessão feita.

Art. 291. Ocorrendo várias cessões do mesmo crédito, prevalece a que se completar com a
tradição do título do crédito cedido.

Art. 292. Fica desobrigado o devedor que, antes de ter conhecimento da cessão, paga ao credor
primitivo, ou que, no caso de mais de uma cessão notificada, paga ao cessionário que lhe

www.concursosjuridicos.com.br pág. 12
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
apresenta, com o título de cessão, o da obrigação cedida; quando o crédito constar de escritura
pública, prevalecerá a prioridade da notificação.

Art. 293. Independentemente do conhecimento da cessão pelo devedor, pode o cessionário


exercer os atos conservatórios do direito cedido.

Art. 294. O devedor pode opor ao cessionário as exceções que lhe competirem, bem como as
que, no momento em que veio a ter conhecimento da cessão, tinha contra o cedente.

Art. 295. Na cessão por título oneroso, o cedente, ainda que não se responsabilize, fica
responsável ao cessionário pela existência do crédito ao tempo em que lhe cedeu; a mesma
responsabilidade lhe cabe nas cessões por título gratuito, se tiver procedido de má-fé.

Art. 296. Salvo estipulação em contrário, o cedente não responde pela solvência do devedor.

Art. 297. O cedente, responsável ao cessionário pela solvência do devedor, não responde por
mais do que daquele recebeu, com os respectivos juros; mas tem de ressarcir-lhe as despesas da
cessão e as que o cessionário houver feito com a cobrança.

Art. 298. O crédito, uma vez penhorado, não pode mais ser transferido pelo credor que tiver
conhecimento da penhora; mas o devedor que o pagar, não tendo notificação dela, fica
exonerado, subsistindo somente contra o credor os direitos de terceiro.

A Assunção de Dívida

Noções Gerais:
Admite-se também a substituição do devedor na relação obrigacional. A cessão de débito ou
assunção de dívida é um negócio bilateral, pelo qual o devedor, com anuência expressa do credor,
transfere a um terceiro os encargos obrigacionais, de modo que este assume sua posição na relação
obrigacional, substituindo-o.

Art. 299. É facultado a terceiro assumir a obrigação do devedor, com o consentimento expresso
do credor, ficando exonerado o devedor primitivo, salvo se aquele, ao tempo da assunção, era
insolvente e o credor o ignorava.

Parágrafo único. Qualquer das partes pode assinar prazo ao credor para que consinta na
assunção da dívida, interpretando-se o seu silêncio como recusa.

Art. 300. Salvo assentimento expresso do devedor primitivo, consideram-se extintas, a partir da
assunção da dívida, as garantias especiais por ele originariamente dadas ao credor.

Art. 301. Se a substituição do devedor vier a ser anulada, restaura-se o débito, com todas as
suas garantias, salvo as garantias prestadas por terceiros, exceto se este conhecia o vício que
inquinava a obrigação.

Art. 302. O novo devedor não pode opor ao credor as exceções pessoais que competiam ao
devedor primitivo.

Art. 303. O adquirente de imóvel hipotecado pode tomar a seu cargo o pagamento do crédito
garantido; se o credor, notificado, não impugnar em trinta dias a transferência do débito,
entender-se-á dado o assentimento.

www.concursosjuridicos.com.br pág. 13
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
Questões de Concursos

01 - (Magistratura/RS – 2000) Considere as assertivas abaixo.


I – Tendo A emprestado a B quinze sacos de semente de soja, sobreveio imprevista
inundação que destruiu o produto que estava no depósito de B. Mesmo assim, B está
obrigado a satisfazer sua dívida.
II – Na obrigação de dar coisa certa, o devedor só poderá ser obrigado a entregar outra se
for de menor valor.
III – O devedor de obrigação divisível, para pagar toda a prestação a um só dos múltiplos
credores, deve exigir dele caução de ratificação.
Quais são corretas?
( ) a) Apenas I
( ) b) Apenas II
( ) c) Apenas III
( ) d) Apenas II e III
( ) e) I, II e III

www.concursosjuridicos.com.br pág. 14
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.
Gabarito

01.A

Bibliografia

• Direito Civil
Silvio Rodrigues
São Paulo: Editora Saraiva, 2001

• Curso de Direito Civil Brasileiro, Vol. 2


Maria Helena Diniz
São Paulo: Editora Saraiva, 16a ed., 2002

www.concursosjuridicos.com.br pág. 15
 Copyright 2003 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda.
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico.