Curso de Engenharia Elétrica

1/50

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Subestações de Energia Parte 1

José Wagner Maciel Kaehler Professor Dr. Eng.
wagnerkaehler@gmail.com

Curso de Engenharia Elétrica

2/50

Subestações de Energia Elétrica

Programa de Curso

wagnerkaehler@gmail.com

Curso de Engenharia Elétrica

3/50

Programa de Curso: Subestações de Energia Elétrica
 Objetivos
 Compreender, classificar e especificar sistemas e equipamentos de subestações de transmissão e de distribuição de energia elétrica, adquirindo subsídios básicos para a execução e a coordenação de projetos de subestações transformadoras de energia elétrica em sistemas de energia.

 Competências e Habilidades
 Desenvolver estudos de fundamentação técnica, econômica e ambiental de projetos de subestações transformadoras de energia elétrica em sistemas de potência, proporcionando a base para os estudos de viabilidade e de impacto.

 Ementa
      O Sistema Elétrico de Potência - Subestações Arranjos e dimensionamento: Tipos, Arranjos Curto-circuito e sua proteção Aterramentos e Blindagens Sobretensões, Isolamentos e Coordenação de Isolamento Especificações para os equipamentos principais

wagnerkaehler@gmail.com

Curso de Engenharia Elétrica

4/50

Programa de Curso: Subestações de Energia Elétrica  PROGRAMA
           O Sistema Elétrico Nacional - SIN O Sistema Elétrico de Potência - Subestações Conceitos Elementares para o Projeto Arranjos e dimensionamento: Tipos, Arranjos Principais Componentes Curto-circuito e sua proteção Aterramentos e Blindagens Sobretensões, Isolamentos e Coordenação de Isolamento Sistemas de Proteção Automação e Controle Especificações para os equipamentos principais Dimensionamento de Estruturas, Barramentos e Conexões

wagnerkaehler@gmail.com

Curso de Engenharia Elétrica

5/50

Programa de Curso: Subestações de Energia Elétrica
 BIBLIOGRAFIA
 BIBLIOGRAFIA BÁSICA
 ABB; Electrical Transmission and Distribution Reference Book; 1997  ABB; Switchgear Manual; 2006  IEEE; 1127-19; ; Guide for the Design, Construction and Operation of Electric Power Substations for Community Acceptance and Environmental; 1998  Bayliss & Hardy; Transmission and Distribution Electrical Engineering; 2006

 Bibliografia Complementar
 ABB; Testing of Power Transformers: Routine Tests, Type Tests and Special Tests; 2003  Hedman; ELETROBRAS- UFSM; PTI Série Vol 8: Coordenação do Isolamento; 1979  McDonald, John D.; CRC PRESS; Electric Power Substation Engineering; 2003  Menezes, Amaury Alves; Conquista; Subestações e Pátio de Manobras de Usinas Elétricas - Vol I e II; 1976  Zanetta Junior, Luiz Cera; Transitórios Eletromagnéticos em Sistemas de Potência; 2003

wagnerkaehler@gmail.com

Coordenação do Isolamento .Características Específicas.com . Aplicação de Cargas em Transformadores de Potência Procedimento. 2000  ABNT – NBR:8186. Transformador de Corrente de Tensão Máxima de 15 kV.Características Elétricas e Construtiva. 24. 1987  ABNT – NBR:10022. 1987  ABNT – NBR:6855. 1993  ABNT – NBR:5416. Transformador de Potência.Curso de Engenharia Elétrica 6/50 Programa de Curso: Subestações de Energia Elétrica  Bibliobrafia  Material de Apoio  ABNT – NBR:5356.2 kV e 36. 1992  ABNT – NBR:6856. Transformador de Potencial de Tensão Máxima de 15 kV. Transformador de Corrente. Guia de Aplicação de Coordenação de Isolamento.2 kV . 1987  ABNT – NBR:10021. 24.Características Elétricas e Construtiva. Transformador de Potencial Indutivo. Transformador de Potencial com Tensão Máxima Aplicada igual ou superior a 72. 1983  ABNT – NBR:10020.Procedimento.2 kV .5 kV . 1987 wagnerkaehler@gmail.2 kV e 36. 1992  ABNT – NBR:6939.

1989  ABNT – NBR:12522. Instalações Elétricas de Méida Tensão de 1. 2007  ABNT – NBR-IEC:62271-102. 1988  ABNT – NBR:11191. Transformadores de Potência Secos.com . Divisores Indutivos de Potencial. Equipamentos de Alta Tensão: Seccionadores e Chaves de Aterramento. 2005  ABNT – NBR-IEC:60694.Diagramas Unifilares e Arranjos de Subestações. Especificações comuns para normas de equipamentos de manobra de alta-tensão e mecanismos de comando. 2007  ABNT – NBR-IEC:62271-100. Transformador de Corrente com Tensão Máxima Aplicada igual ou superior a 72. 13. 2007 wagnerkaehler@gmail.0 kV a 36.8 kV até 5 MVA e 34.5 kV .5 kV.8 kV até 3. 1988  ABNT – NBR: 10295.2 kV. 1992  ABNT – NBR:12523. Símbolos Gráficos de Equipamentos de Manobra e Controle de Dispositivos de Proteção. 1992  ABNT – NBR:14039.75 MVA .Curso de Engenharia Elétrica 7/50 Programa de Curso: Subestações de Energia Elétrica  Bibliobrafia  Material de Apoio  ABNT – NBR:10023. 1987  ABNT – NBR:10201.5 ou 13. Equipamentos de Alta Tensão: Disjuntores de Alta Tensão de Corrente Alternada. Símbolos Gráficos de Produção e Conversão de Energia Elétrica.69-34. PB-1439: Subestações de Distribuição Tipo I.Características Específicas.

Curso de Engenharia Elétrica 8/50 Subestações de Energia Elevadoras de Usinas Transmissoras e de Interligação Distribuição wagnerkaehler@gmail.com .

através de comentários e sugestões.com . visando minimizar o tempo gasto com anotações.  Servem como guia de estudo e não como livro-texto. portanto não substitui textos consagrados pela abrangência e clareza.  Para responder a todas as questões é preciso estudo mais aprofundado da bibliografia recomendada.  Dá uma visão geral do Planejamento de Longo Prazo do SEP.  Constitui-se num roteiro para estudo.  Bibliografia abrangente é indicada.  O aprimoramento desta apresentação será conseguido com a contribuição dos alunos.Curso de Engenharia Elétrica 9/50 Considerações Iniciais  A finalidade desta apresentação é a de resumir o conteúdo do programa. wagnerkaehler@gmail.

Curso de Engenharia Elétrica 10/50 Recursos Energéticos: Carvão Mineral Energia Primária Conversão de Energia Transporte de Energia Tecnologia de Uso Final Energia Útil Serviço Prestado Carvão Mineral Central Termoelétrica Transmissão e Distribuição Luminária Energia Radiante Iluminação wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 11/50 Recursos Energéticos: Energia Solar Energia Primária Conversão de Energia Transporte de Energia Tecnologia de Uso Final Energia Útil Serviço Prestado Energia Solar Central Fotovoltaica Eólica Hidráulica Biomassa Transmissão e Distribuição Luminária Energia Radiante Iluminação wagnerkaehler@gmail.com .

S Curso de Engenharia Elétrica Energia Aparente Evitada 12/50 Sistema de Suprimento S  P2  Q 2 S  P2  Q 2 Sistema de Transporte P P Q Tecnologia Inovadora S Q Sistema dos Recursos Exploração Integrada de Distribuição Energéticos: Enfoque Oferta x Demanda Tecnologia Vigente Residencial Energético Comercial Industrial Rural Perfis de Consumo Energético Comércio e Serviços S Não Energético Poder Público e Serviços Setores Sócio-econômicos Cliente Tipo Cliente Tipo Cliente Tipo Cliente Tipo Cliente Tipo Perfis de Uso/Processo U U Cientes e Usuários Materiais Produtos Energia Mão de Obra Tecnologia Energética Resíduos e Rejeitos Bens Serviços Energia Uso X Uso Y Uso W Uso Z Processo X Processo Y wagnerkaehler@gmail.com Usos Finais em Serviços e Processos Produtivos .

Gasodutos. Site-gates.Curso de Engenharia Elétrica 13/50 Gestão de Energia pelo Lado da Oferta  Produção Centralizada: Usinas. Oleodutos. Compensadores. Navios Tanques  Centrais de Transformação: Subestações. Estocagem  Distribuição: Redes Primárias e Secundárias de distribuição de Energia Elétrica e Gás Natural wagnerkaehler@gmail. Centrais de Compressão e Estocagem de Gás Natural  Transporte: Linhas de Transmissão. Refinarias. Reguladores.com .

Curso de Engenharia Elétrica 14/50 SISTEMA ELETRO-ENERGÉTICO wagnerkaehler@gmail.com .

com .Curso de Engenharia Elétrica 15/50 ESTRUTURA DE UM SISTEMA DE POTÊNCIA wagnerkaehler@gmail.

Curso de Engenharia Elétrica 16/50 SISTEMA DE POTÊNCIA Centrais hidroelétricas termoelétricas Rede de transporte linhas de transmissão subestações Rede de distribuição média tensão (ramal AT) baixa tensão wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 17/50 SISTEMA DE POTÊNCIA Características particulares: A eletricidade não é estocável em grande escala A demanda é extremamente flutuante O tempo para construção de centrais é grande As centrais têm particularidades de funcionamento A tarifa é uma dimensão temporal (tempo) A previsão a longo prazo é importante wagnerkaehler@gmail.com .

com .Curso de Engenharia Elétrica 18/50 SISTEMA DE POTÊNCIA Características operacionais: Maximização da qualidade Freqüência constante (dentro de limites) Tensão constante (dentro de limites) Nível de harmônicas dentro de limites Maximização do tempo de fornecimento Minimização do custo do serviço wagnerkaehler@gmail.

Curso de Engenharia Elétrica 19/50 Plano Decenal de Expansão de Energia PDE 2009 – 2019 wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 20/50 Subestações Conceitos Elementares para o Projeto wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 21/50 Subestações de Energia Elétrica wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 22/50 Diagramas Unifilares wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 23/50 Identificação de Componentes em diagramas Unifilares wagnerkaehler@gmail.com .

Símbolos Gráficos para Produção e Conversão de Energia Elétrica. Abril de 1992. NBR12522. Símbolos Gráficos para Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Norma ABNT.com . wagnerkaehler@gmail.Curso de Engenharia Elétrica 24/50 Simbologia dos Diagramas   Norma ABNT. Abril de 1992. NBR-12523.

Símbolos Gráficos para Produção e Conversão de Energia Elétrica. NBR-12523.com . wagnerkaehler@gmail. Abril de 1992. Norma ABNT. Símbolos Gráficos para Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica.Curso de Engenharia Elétrica 25/50 Simbologia dos Diagramas   Norma ABNT. NBR-12522. Abril de 1992.

com . Abril de 1992. Símbolos Gráficos para Produção e Conversão de Energia Elétrica.Curso de Engenharia Elétrica 26/50 Simbologia dos Diagramas   Norma ABNT. NBR-12523. Norma ABNT. Símbolos Gráficos para Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. wagnerkaehler@gmail. NBR-12522. Abril de 1992.

Padrão Típico: 13. 13.6 kV até 25 kV. wagnerkaehler@gmail. 3. 69.5.8. 230. 5. 380/440 V. 138 kV 2. 34. 230 kV Transformadores de Distribuição para entrega aos clientes nas tensões secundárias de 127/220 V. 138.5. junto à carga nas tensões secundárias de 13.8. 69. Gerador Trifásico em Corrente Alternada nas tensões de 6. 69.Curso de Engenharia Elétrica 27/50 Representação em Diagrama Unifilar de Sistemas Elétricos de Potência 1.0. 23. 34.5. 23. 4.0. 525 e 750 kV Transformador Rebaixador. nas tensões: 34.com .8 kV Transformador Trifásico da Usina Linha de Transmissão em Corrente Alternada. 138.

com .  Proporcionar proteção seletiva em caso de falta assegurando a continuidade dos demais serviços.Curso de Engenharia Elétrica 28/50 Requisitos de uma Instalação  Eficiência e Eficácia Energética  Garantir continuidade e qualidade da capacidade de transformação. assegurando o mínimo impacto wagnerkaehler@gmail.  Vida Útil  Garantir a rentabilidade econômica e financeira do empreendimento  Assegurar a preservação ambiental e social da instalação. garantindo o mínimo risco à vida dos usuários.  Garantir a segurança das instalações e dos operadores e mantenedores da subestação frente a situações de falha e de defeito.

com .  Prevenção de falhas.  Operação dos sistemas com o mínimo de consequências das falhas. sem interrupções de serviço. wagnerkaehler@gmail. inexistindo curtos-circuitos e circuitos abertos.Curso de Engenharia Elétrica 29/50 Requisitos Gerais de Projeto de Sistema Eletro-energéticos  Operação em condições normais do sistema. assegurando confiabilidade e economia dentro de horizontes de vida útil compatível com a remuneração dos investimentos.

com .  Os circuitos em malha são mais confiáveis. wagnerkaehler@gmail. dando alternativas de atendimento do mercado. porém impacta economicamente no estabelecimento da infraestrutura eletroenergética.Curso de Engenharia Elétrica 30/50 Características Gerais de Projeto de Sistema Eletro-energéticos  Os sistemas radiais são inerentemente os menos confiáveis. devendo ser portanto remunerada por esta garantia adicional. podendo afetar drasticamente o atendimento do mercado em condições de falha do sistema.  A diversidade de pontos de atendimento garante a confiabilidade e a continuidade de suprimento.

oferecendo alta impedância nos momentos de falha. se as condições de regulação de tensão o permitirem  Garantir que os esforços eletro-mecânicos e térmicos sejam suportados pelos condutores. a limitação das correntes de fará necessária por:  Correta adequação e compatibilidade da proteção visando limitar o tempo de defeito.Curso de Engenharia Elétrica 31/50 Características Gerais de Projeto de Sistema Eletro-energéticos  Em condições de falha por curto-circuito no sistema. barramentos e isoladores.  Prever alternativas de restabelecimento e remanejo de cargas wagnerkaehler@gmail.  Emprego de limitadores de corrente.com .  Os disjuntores devem ter capacidade de ruptura aderente às potências de curtos-circuitos verificadas.  Uso de transformadores de potência com impedância elevada.

Curso de Engenharia Elétrica 32/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações de Sistemas Elétricos de Potência:  Elevadoras de usinas.com .  Transmissão ou de interligação  Distribuição Primária wagnerkaehler@gmail.

com .  Confiabilidade e  Continuidade da Geração wagnerkaehler@gmail.Curso de Engenharia Elétrica 33/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações Elevadoras de Usinas  Requisitos Fundamentais  Capacidade.

Curso de Engenharia Elétrica 34/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações Elevadoras de Usinas  Barramento Simples  Baixa confiabilidade.  Baixo custo wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 35/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações Elevadoras de Usinas  Barra de Transferência  Melhor confiabilidade.  Custo Significativo wagnerkaehler@gmail.com .

com .Curso de Engenharia Elétrica 36/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações Elevadoras de Usinas  Barra Coletoras Duplas  Excelente confiabilidade.  Elevado custo – Garante continuidade wagnerkaehler@gmail.

 Altíssimo custo wagnerkaehler@gmail.com .Curso de Engenharia Elétrica 37/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações Elevadoras de Usinas  Barra Coletoras Duplas com Disjuntor  Elevadíssima confiabilidade.

com .Curso de Engenharia Elétrica 38/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações de Transmissão ou de interligação  Barra Dupla com disjuntor em paralelo  Idem com Barra de Transferência wagnerkaehler@gmail.

Curso de Engenharia Elétrica 39/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações de Transmissão ou de interligação  Simplificação do Esquema com duplo jogo de Barras coletoras wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 40/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações de Transmissão ou de interligação  Simplificação do Esquema com duplo jogo de Barras coletoras e disjuntores de linha wagnerkaehler@gmail.com .

Curso de Engenharia Elétrica 41/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Subestações de Distribuição ou de Tensões Secundárias wagnerkaehler@gmail.com .

 Nominal  Máxima do Sistemas  Máxima do Projeto dos Equipamentos.com .Curso de Engenharia Elétrica 42/50 Subestações Transformadoras de Energia  Características Elétricas Gerais  Tensões de Operação.  Nível de Isolamento dos Equipamentos.  Correntes máximas de trabalho  Nominal  Máxima de Serviço  Correntes de Curto-Circuito esperadas. sendo um de conexão ao sistema de transmissão e outro para os serviços auxiliares da usina  Subestações de Transmissão e de Distribuição  Existem situações de mais de dois níveis de tensão secundária.  Função dos diferentes tipos de faltas  Subestações Elevadoras de Usinas  Deve ser previsto dois sistemas. wagnerkaehler@gmail. por transformadores próprios ou por enrolamentos terciários.

sendo admitido pequenas variações de entorno.2009 da ANEEL)  Solução:  Uso de comutadores sob carga  A carga reativa afeta diretamente a regulação de tensão  Solução  A compensação de reativos indutivos e capacitivos deve ser feita somente para compensar os requisitos dos equipamentos do sistemas elétrico propriamente dito. (Resolução nº 395 de 15.Curso de Engenharia Elétrica 43/50 Classificação das subestações transformadoras de energia  Regulação de Tensão e Reativos  A regulamentação do Setor Elétrico estabelece padrões dos níveis de tensão nominal.  A compensação de reativos indutivos e capacitivos das cargas dos clientes deve ser feita por estes.com .12. junto às mesmas. wagnerkaehler@gmail.

com .Curso de Engenharia Elétrica 44/50 1º Exercício de Fixação: Arranjos em Subestações de Potência  Num arranjo tipo 1 Disjuntor e Meio qual a limitação de teremos que observar em caso de saída de um dos mesmos para manutenção?  Os disjuntores de saída tem que ter capacidade de assumir a carga de ambos as linhas de saída wagnerkaehler@gmail.

wagnerkaehler@gmail.com .Curso de Engenharia Elétrica 45/50 2º Exercício de Fixação: Arranjos em Subestações de Potência  Se um dos disjuntores de saída estiver desligado o que ocorrerá com a carga do mesmo se houver a comutação?  A carga desta linha terá que ser desligada durante a comutação.

com . wagnerkaehler@gmail.Curso de Engenharia Elétrica 46/50 3º Exercício de Fixação: Arranjos em Subestações de Potência  Qual a influência na proteção que este tipo de arranjo tem?  O ajuste da proteção deve ser feito somente considerando uma das cargas de linha e não a conjunção das mesmas em um mesmo lado.

wagnerkaehler@gmail.Curso de Engenharia Elétrica 47/50 3º Exercício de Fixação: Arranjos em Subestações de Potência  Compare a alternativa proposta usando a opção de 1 disjuntor e meio e seccionadores de ultrapassagem.com .

 Entrega 27/04/2011 wagnerkaehler@gmail. em particular os componentes de cada módulo de conexão e barramentos de AT.com .Curso de Engenharia Elétrica 48/50 Visita Técnica à Subestação CEEE-GT: Alegrete 2  Dia 30/03/2011 pela manhã  Saída da UNIPAMPA as 08:00 encontro na frente da Subestação as 8:30  Requisitos:     Calça comprida Calçados fechados Camisa. camiseta ou blusa de preferência de algodão Levar prancheta de anotação e câmara fotográfica  Detalhar em relatório técnico individual a conformação da subestação. MT e BT  Observar os módulos de entrada e saída de LT’s e Alimentadores. os Cabos de Cobertura e a Malha de Terra.

com .Curso de Engenharia Elétrica 49/50 Localização Geográfica da SE Alegrete 2 wagnerkaehler@gmail.

com .Curso de Engenharia Elétrica 50/50 wagnerkaehler@gmail.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful